Você está na página 1de 15

A MOTIVAÇÃO DO TRABALHO

• Multiplicidade de informação
• Tecnologia da Informação e
Comunicação (TIC)
• Fake news
O QUE OBJETIVAMOS?
Essa atividade traça estratégias
para trabalhar com esse tema em
sala de aula de uma maneira que
possa mobilizar e estimular o interesse
informativo dos jovens e propor um
uso consciente do mundo virtual
digital, promovendo um letramento
crítico e consciente para os seus
alunos, tornando-os verdadeiros
caçadores e aniquiladores de Fake
News.”
COMO O OBJETIVO
ALCANÇARÁ ÊXITO?

Os alunos poderão expor os fatos


verdadeiros e contra argumentarem em cima dos
argumentos apresentados pelas Fake News
abordadas, desmascarando e desmistificando os
conteúdos manipulados e garantindo a qualidade
informativa viralizada nas redes sociais.
INFORMAÇÕES
IMPORTANTES:
1)Qual o público- alvo?
2)Quais recursos serão necessários para a execução do
projeto?
3)Qual a duração do projeto?
4)Qual o gênero será abordado em sala?
5)Qual o campo de atuação da atividade proposta?
6)Quais os principais objetos de conhecimento desse
projeto?
7) Quais as principais habilidades, conforme a
BNCC, serão desenvolvidas pelos alunos?
• “EF09LP01 que, segundo BNCC (2019), busca “analisar
o fenômeno da disseminação de notícias falsas nas
redes sociais e desenvolver estratégias para
reconhecê-las, a partir da verificação/avaliação do
veículo, fonte, data e local da publicação, autoria,
URL, da análise da formatação, da comparação de
diferentes fontes, da consulta a sites de curadoria que
atestam a fidedignidade do relato dos fatos e
denunciam boatos etc” (p. 174)”
• EF89LP08, que procurará planejar uma notícia na rede
social Facebook, tendo em vista as condições de
produção do texto, atentando para o fato a ser
focado e desmistificado e do levantamento de dados
e informações sobre o assunto
É HORA DE COLOCAR A
MÃO NA MASSA...
• 1º momento: Explique sobre o fenômeno das fake news e os
impactos da divulgação dessas informações na vida dos
sujeitos. Sugerimos que neste momento seja realizado um
debate com todos os alunos, mostrando os impactos, as
características e os exemplos dessas fake news. É um valioso
momento de trabalho com a oralidade e argumentação.
(Tempo estimado: 25 minutos)

• 2º momento: Projete as manchetes do slide no quadro. Caso
não tenha projetor em sua escola, imprima o material
previamente e distribua aos alunos. Peça para que leiam
em voz alta (título e subtítulo). Este momento pode ser feito
também na sala de informática da escola. Sugerimos
algumas manchetes a seguir, que podem ser utilizadas em
sala de aula: (Tempo estimado: 25 minutos)
• 3º momento: Divida os alunos em grupos com 4 integrantes e
peça para eles buscarem informações sobre as manchetes
apresentadas nos slides. A pesquisa pode ser feita pelos
smartphones. Caso a escola tenha laboratório de informática,
recomendamos a utilização. (Tempo estimado: 50 minutos)

• 4º momento: Crie um perfil na rede social Facebook com o


objetivo de divulgação da desconstrução das fake news. O
objetivo desta ação é ampliar as possibilidades de argumentação
dos alunos no ambiente digital. O professor pode pedir sugestões
para a turma sobre o nome do perfil. Nossa sugestão é Central
Anti-Fakes. Os alunos terão acesso ao login e a senha do perfil.
Cada equipe buscará 5 (cinco) outras fake news e irá descontruir
essas informações falsas, esclarecendo as informações e
divulgando, através de checagem, informações pautadas na
veracidade dos fatos. (Tempo estimado: 50 minutos)
DETECTANTO AS
NOTÍCIAS FALSAS...
• O autor da notícia está identificado?
• O autor trabalha para alguma instituição?
• O autor produziu outros textos/materiais? Quais?
• O texto usa alguma pesquisa como base? Se sim,
o que essa pesquisa conclui?
• O texto usa dados? Se sim, qual o uso o autor faz
desses dados?
• O texto apresenta mais de uma visão sobre o
mesmo tema?
• Há algum lado da história que não aparece no
texto?
• O autor expressa uma opinião? Se sim, qual?
• O autor impõe um ponto de vista? Se sim, como?
• Os fatos são apresentados dentro de um contexto histórico?
• Os argumentos utilizados deixam claro quem são as pessoas
envolvidas e em que contexto cultural elas se encontram?
• O texto dialoga com acontecimentos recentes da história?
• Como o texto dialoga com a imagem? O que essa imagem
representa?
“ HAVIA UMA PEDRA NO MEIO DO
CAMINHO, NO MEIO DO
CAMINHO HAVIA UMA PEDRA...”

• Dificuldade em distinguir fato e opinião.


• Desconhecimento sobre as temáticas discutidas nas
notícias;
• Receio do processo de produção.
IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS...

• Professores e alunos como protagonistas


do processo de ensino-aprendizagem.
• Criticidade e intervenção social
• Letramento crítico
REFERÊNCIAS...
ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Homologação. Terceira e última
versão revista. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-
content/uploads/2018/02/bncc- 20dez-site.pdf>. Acesso em 27 mai. 2018.
BRISOLA, A. C.; ROMEIRO, N. L. A competência crítica em informação como resistência: uma análise
sobre o uso da informação na atualidade. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São
Paulo, Online First, 20 p., jan. 2018. Disponível em: <http://www.Brapci.inf.br/v/a/30226>. Acesso em: 04
abri. 2018.
BUZATO, M. E. K. Letramento digital: um lugar para pensar em internet, educação e oportunidades. In:
CONGRESSO IBERO-AMERICANO EDUCAREDE, 3., São Paulo, 2006. Anais. São Paulo: CENPEC, 2006. s/p.
LLORENTE, José Antonio. a era da pós-verdade: realidade versus percepção. Revista UNO:
desenvolvendo ideias, São Paulo, n.27, 9-13. Mar. 2017. Disponível em:< https://www.revista-
uno.com.br/wp-content/uploads/2017/03/UNO_27_BR_baja.pdf.> Acesso em: 05 mai. 2018.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais no ensino de língua. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção
textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.
ROJO, R.; MOURA, E. (Org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012.
XAVIER, Antônio Carlos. Letramento digital e ensino. In. SANTOS, Carmi Ferraz & MENDONÇA, Márcia
(orgs). Alfabetização e letramento: conceitos e relações. Belo Horizonte: Autêntica, 2005, pp. 133-148.