Você está na página 1de 23

DIREITO ROMANO

Esta brevíssima apresentação foi planejada para introduzir noções básicas de Direito
Romano aos acadêmicos do 1º período de Direito, na disciplina de História do Direito, a
partir da organização política e das fontes do direito nos principais períodos da história
da civilização romana.
Bibliografia:
CASTRO, Flávia Lages de. História do direito geral e do Brasil. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.
CRETELLA JR., José. Curso de direito romano. Rio de Janeiro: Forense, 2007.
FOIGNET, René. Manuel elementaire de droit romain (Paris/1947). Traduzido, adaptado e atualizado por Hélio
Maciel Frnaça Madeira, 2007.
MARKY, Thomas. Curso elementar de direito romano. São Paulo: Saraiva, 1995.
PEDROSA, Ronaldo Leite. Direito em história. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.
PESSOA, Eduardo. História do direito romano. São Paulo: Habeas, 2001.
CONCEITO
Entende-se por Direito Romano o conjunto
de regras, instituições e procedimentos
jurídicos que vigoraram no Império
romano, desde a fundação de Roma em
753 a.C., até a morte do imperador
Justiniano em 565 d.C.
Divisão do Direito Romano
• Jus Publicum: tinha por objetivo a organização da
república romana
• Jus Privatum: tinha por objetivo regular os
interesses particulares.
– Jus Civile: direito que regulava as relações dos
cidadãos romanos;
– Jus Gentium: direito que era comum a todos os
povos, nações;
– Jus Naturale: direito que era comum a todos os seres
racionais, englobando escravos e bárbaros.
Fontes do Direito Romano
• Jus Scriptum: direito constituído pela lex escrita,
constituições imperiais, senatus consultos,
edictum magistradum (regimentos e regras
elaborados pelos magistrados para o exercício da
magistratura) e responsa prudentium (juristas,
conhecedores da ciência jurídica e dos costumes,
que davam consultas públicas emitindo seus
entendimentos sobre questões a eles
encaminhadas).
• Jus non Scriptium: direito não escrito, normas
primitivas que a tradição transmitiu ao longo do
tempo – consuetudo.
Períodos do Direito Romano

• Realeza (753 a.C. – 510 a.C.)

• República (510 a.C. – 27 a.C.)

• Alto Império (27 a.C. – 284 d.C.)

• Baixo Império (284 a.C. – 565 d.C.)

• Bizantino (565 d.C. – 1453 d.C.)


REALEZA
• Organização Política:
– o poder executivo era confiado ao rex (magistrado
único e vitalício, chefe do exército, pontífice religioso,
que detinha o poder absoluto – imperium); o poder
consultivo era confiado ao Senatus (composto por
100, depois por 300 patrícios nomeados pelo rei); e o
poder legislativo era confiado à Comitia Curiata ou
populus romanus (limitavam-se a responder/votar
negativa ou afirmativamente as propostas de lei do
rei ou do senado).
REALEZA
• Organização Social:
– Patrícios: homens livres, descendentes de cidadãos
romanos, agrupados em clãs familiares – as gens.
Privilegiados, gozavam de todos os direitos civis e
políticos (exercer cargos, votar, possuir propriedades)
– Clientes: eram estrangeiros, refugiados ou escravos,
que se encontravam sob proteção de um patrício
(pater-familias).
– Pebleus: era uma classe inferior, separada dos
patrícios e não faziam parte das gens, e, portanto,
não faziam parte da organização política.
– Escravos
REALEZA
• Fontes do Direito:
– Costume: uso prolongado e repetitivo de norma
jurídica, não proclamado pelo Poder Legislativo.
Conforme Ulpiano (170-228), “costumes são o
consentimento tácito do povo envelhecido por longo
hábito”.
– Lei: declaração do poder competente. Neste período
a lei era proposta pelo rex ao populus, reunido em
comitia curiata (somente patrícios) ou em comitia
centuriata (participação da plebe). O povo aceitava
ou rejeitava, e se fosse aceito, tornava-se obrigatório
após a ratificação do Senatus.
REPÚBLICA
• Organização Política: compõem a vida republicana: os Cônsules
(governantes eleitos anualmente em número de dois que se
revezavam a cada mês no poder); o Senado (300 patres) e o Povo.
Depois foram criados outros cargos:
– Praetores: encarregados da distribuição da justiça. Eram 2, um urbano
(causas entre romanos) e um peregrino (causas entre estrangeiros).
– Edis Curuis: policiamento das cidades, vigilância dos mercados,
provisões de alimentos, conservação das estradas e edifícios, jogos....
– Quaestores: responsáveis pela administração financeira e guarda dos
tesouros;
– Censores: responsáveis pelo recenseamento da população,
recrutamento do senado e fiscalização dos costumes;
– Delegados do Pretor: encarregados de difundir o direito;
– Governantes das Províncias (Pro-cônsules): encarregados da vigilância,
do policiamento e da aplicação da justiça nas províncias romanas.
REPÚBLICA
• Fontes do Direito:
– O Costume: fonte predominante do direito privado,
fruto da atuação dos jurisconsultos adaptando-os à
nova época.
– A Interpretação dos Prudentes (Iurisprudentia):
depois da lei codificada foi preciso, de um lado,
preencher as lacunas da lei e, de outro, adaptar a lei
às necessidades da dinâmica da prática social. Em
Roma o termo jurisprudência designava a ciência do
direito (doutrina), modernamente designa o conjunto
de decisões continuadas dos tribunais superiores.
• Fontes do Direito:
– Edito dos Magistrados: Os altos magistrados
romanos (cônsules, pretores, censores, governadores
de província, questores), tinham o costume de
publicar, no momento de sua eleição, as declarações
(edicta) nas quais apresentavam seus projetos . Como
fontes do direito, interessam apenas os editos dos
magistrados judiciários (pretores e edis curuis).
– Plebiscito: era o que a plebe deliberava por proposta
de um magistrado nos concilia plebis. No início
aplicavam-se somente à plebe, a partir da Lei
Hortência, adquiriram valor legal, sendo aplicado a
toda população.
• Fontes do Direito:
– A Lei: leges rogatae (propostas por um magistrado e aprovadas pelo
povo); leges datae (emanadas de um magistrado sem votação).
A lei compreende 3 partes: praescriptio (data e nome do magistrado
proponente); rogatio (dispositivo) e sanctio (sanção, medidas tomadas
contra transgressores).
Em 454 a.C., por exigência da plebe, foi redigida uma lei conhecida e
aplicável a todos os cidadãos. Uma comissão foi enviada a Magna Grécia,
para reportarem-se leis gregas em vigor como inspiração. Ao retornarem,
uma comissão de dez membros eleitos foram encarregados de redigir as
leis. Dez tábuas de leis forma redigidas, votadas e gravadas em dez tábuas
de bronze postas no Fórum. Mais tarde outras duas tábuas foram
aprovadas.
A Lei das XII Tábuas é considerada pelos romanos como a própria fonte
do direito público e privado, e também sacro. Ocupou-se, sobretudo do
processo civil, revelando seu caráter violento e excessivamente formalista.
LEI DAS XII TÁBUAS (Sinopse)
• I – da disciplina do • VII – das edificações e
processo judicial das terras
• II – definição das • VIII – dos delitos e das
instâncias judiciárias penas
• III – da execução da • IX – da vedação de leis
pena em caso de de privilégios
confissão ou • X – do direito sacro e
condenação. dos rituais
• IV – do pátrio poder • XI – da proibição do
• V – da herança e da casamento do patrício
tutela com o plebeu
• VI – do domínio e da • XII – da garantia de
posse pagamento de dívida
ALTO IMPÉRIO
• Organização Política:
– O Imperador: tem poderes quase ilimitados, é chefe
supremo das forças armadas e magistrado primeiro.
Gozava de seu tesouro particular, o fiscus;
– O Senado: compartilha com o imperador o poder
judiciário e tem a incumbência de administrar as
províncias, revertendo receitas ao tesouro público, o
aerarium. Perde sua função consultiva e sua
independência;
– Os Comícios: perdem totalmente seus poderes
judiciários, legislativos e eleitorais. Também somem
os tribunais especiais que haviam na República.
ALTO IMPÉRIO
• Fontes do Direito:
– Costume: não tinha a mesma projeção de antes; o pretor
tinha o poder de adotar determinado costume e dar-lhe
caráter legal em seu edito;
– Senatus Consultos: medidas de caráter legislativo
emanadas do senado;
– Constituições Imperiais: são medidas legislativas
emanadas do imperador. Existem 4 espécies de medidas:
edicta (normas gerais), mandata (instruções do
imperador aos funcionários, governadores de províncias),
decreta (decisões judiciárias dadas pelo imperador e que
funcionavam como jurisprudência) e rescripta (respostas
dadas pelo imperador à questões jurídicas que lhe foram
direcionadas).
• Fontes do Direito:
– Responsa Prudentium: são os entendimentos e opiniões dos
jurisconsultos que permitiam fixar o direito.
– Lei: são encontradas, na maioria, leges datae, provenientes do
imperador e tomadas em nome do povo.

Importante jurista romano desta época é Eneo Domitius


Ulpianus. Sua obra influenciou fundamentalmente a
evolução do direito romano e bizantino. Tem como
expoente jurídico o princípio contido no ditame:

"Tais são os preceitos do direito:


viver honestamente (honeste vivere), não
ofender ninguém (neminem laedere), dar a
cada um o que lhe pertence (suum cuique
tribuere)".
Além disso, Ulpiano classificou as leis em:
 Perfeitas: leis que, infringidas, ocasionavam a nulidade do ato e não impunham
pena para o infrator. Por exemplo, um menor contrata um serviço, assumindo
encargos que afetam o seu patrimônio.
 Menos Perfeitas: são as que não anulam o ato mas impunham sanção. Por
exemplo, o art. 183 do Código Civil, n.° XIII, estatui que “não podem casar o viúvo
ou a viúva que tiver filhos do cônjuge falecido, enquanto não fizer inventário dos
bens do casal e der partilha aos herdeiros". Assim, o fato de se ter verificado o
casamento com infração desta norma não implica a nulidade do ato, mas tão-
somente a aplicação de uma consequência que é a estabelecida no art. 225 do
mesmo Código, a saber: “o viúvo ou a viúva, (...) perderá o direito ao usufruto dos
bens dos mesmos filhos".
 Imperfeitas: são as que, violadas, não alteram aquilo que já se realizou e não
ocasionam nenhuma pena ao infrator. Por exemplo, a obrigação natural das
dívidas de jogo. O indivíduo que perde no jogo não é obrigado, juridicamente, a
pagar. Paga, querendo. A obrigatoriedade do pagamento é de ordem ético-social.
Ninguém poderá, entretanto, chamar à Justiça um parceiro para que efetue o
pagamento do perdido no pôquer ou no pife-pafe. São jurídicas porque, mesmo
ninguém sendo obrigado a pagar dívida de jogo, uma vez efetuado o pagamento,
não pode exigir a devolução.

OBS: Mais que perfeitas: são aquelas cuja violação determina duas consequências: 1) a nulidade do
ato e 2) a aplicação de uma restrição, ou pena, ao infrator. Por exemplo o art. 183, VI, do Código Civil,
que estatui que “não podem casar as pessoas casadas". A primeira consequência é a nulidade do ato.
A segunda consequência é a aplicação de uma pena ao infrator, por crime de bigamia, previsto no
mesmo Código.
BAIXO IMPÉRIO
• Organização Política:
– Poder é exercido pelo soberano, que governa sozinho, sem
repartir o poder com o senado.
– Em 395 o Império Romano é dividido em: Império do Oriente e
Império do Ocidente.
BAIXO IMPÉRIO
• Fontes do Direito:
– As fontes do Direito neste período resumem-se em duas: as leges (e o
nome designa agora as constituições) e o jus, que é o direito criado pelos
antigos jurisconsultos, o direito clássico completado, revisto e interpretado
pelo imperador.
• Leges antes de Justiniano
– As constituições imperiais são compiladas em duas coleções conhecidas
pelos nomes de seus autores: Codex Gregorianus e Codex Hermogenianus.
Os dois códigos são compilações particulares, a primeira coleção oficial de
Leges é o Codex Theodosianus. Teodósio II (408-450) tivera em mente
realizar uma vasta obra de compilação que abrangeria as Leges e o Jus. Este
projeto tornou-se inviável e o imperador nomeou em 435 uma comissão de
dezesseis membros com a finalidade de compilar as Constituições a partir
de Constantino e com amplos poderes para reproduzirem em cada
constituição somente o que possuísse valor legislativo, adaptar as
disposições legais às condições da época e acrescentar o que lhes
parecesse necessário. Uma das características do Codex Theodosianus é a
prevalência do direito público sobre o direito privado, o que se explica pelo
fato de os códigos Gregoriano e Hermogeniano conterem numerosos
rescritos referentes ao último dos dois grandes ramos do direito.
• Compilações de Justiniano
– A decadência acentuada dos estudos jurídicos, a inumerável
quantidade de obras dos jurisconsultos e de leis imperiais haviam
tornado praticamente impossível a aplicação eficiente das regras
jurídicas. Justiniano (527 - 565), que tinha como ideal a unidade
romana e cristã na universalidade do Império e da Igreja, decidiu
empreender à unificação e atualização do Direito mediante a
compilação da massa enorme e confusa de leges e de jura. Surge,
assim, o Corpus Iuris Civilis.

 O Codex
– Em 13 de fevereiro de 528 através da constituição Justiniano
nomeou uma comissão de dez membros para fazer uma compilação
de Leges. A matéria à disposição dos comissionados eram os códigos
Gregoriano, Hermogeniano e Teodosiano, e as novas constituições
de Teodósio II e dos imperadores que lhe sucederam, inclusive as do
próprio Justiniano. Em pouco mais de um ano a obra estava
concluída e o novo código foi publicado a 7 de abril de 529 com o
nome de Codex Justinianeus para entrar em vigor a partir de 16 de
abril do mesmo ano.
 O Digesto (Pandectas)
– Através da constituição Deo auctore de 15 de dezembro de 530 Justiniano
incumbiu a Triboniano, de realizar a compilação do direito contido nas
obras dos antigos jurisconsultos (jura). Triboniano escolheu seus
colaboradores formando uma comissão de dezesseis membros . O objetivo
da compilação era pôr fim às incertezas e confusões provocadas pelo
grande número de obras e opiniões dos jurisconsultos clássicos. Justiniano
rompia assim os estreitos limites estabelecidos pela Lei das Citações,
fornecendo aos litigantes o essencial da jurisprudência numa seleção
levada a cabo por eminentes e atualizados juristas. A comissão tinha
poderes expressos para completar o imperfeito, corrigir e suprimir as
normas caídas em desuso, manter o que se coaduna com a prática
quotidiana ou o que o inveterado costume confirmou.
– O Digesto consta de cinqüenta livros divididos em títulos salvo os livros 30,
31 e 32. As rubricas dos títulos indicam o objeto de cada um. Em cada
título os fragmentos (chamados “leis” pelos antigos) contêm inicialmente
uma indicação do jurista e da obra de que foi extraído o texto.
– Como os compiladores haviam recebido a incumbência de atualizar o
direito, viram-se forçados a fazer interpolações que podem ser substanciais
(implicam importante modificação na substância do direito) ou formais
(que dizem respeito somente à forma do texto ). Estamos aqui em face de
um dos aspectos mais interessantes do estudo do Digesto: a procura das
interpolações através de rigorosos métodos críticos que às vezes
descambaram para uma condenável hipercrítica.
 As Institutas
– Ainda antes da conclusão do Digesto, Justiniano designou
três membros da mesma comissão, Triboniano, Doroteu e
Teófilo, para a redação de um breve tratado elementar de
Direito, as Institutiones. Esta obra, dedicada à juventude
desejosa de estudar as leis, obedece ao plano das
Institutas de Gaio. Suas fontes são as próprias Institutas
de Gaio, antigos tratados jurídicos, leis, editos, respostas
dos prudentes e algumas constituições imperiais. Note-se,
contudo, que alguns textos foram elaborados tendo em
vista as inovações introduzidas no campo jurídico. Mais
simples que o Digesto e mais teóricas que o Código, as
Institutas de Justiniano apresentam noções gerais,
definições e classificações que tornam o estudo do direito
fácil e atraente.
 As Novelas
– A atividade legislativa de Justiniano prosseguiu até sua morte. As
Constituições promulgadas a partir da data da vigência do segundo código
chamam-se Novellae e constituem, hoje, parte do Corpus juris civilis. Estas
Novellae, escritas em grego, em latim ou em ambas as línguas, poderiam
ter ensejado uma terceira edição do código. Justiniano chegou a pensar em
tal, mas não levou a cabo o projeto.

 Antinomias
Vamos encerrar este sumaríssimo estudo sobre as Compilações de Justiniano
reproduzindo as regras que devem ser observadas em caso de antinomias entre as
diferentes partes do Corpus Juris Civilis:
– I. Antinomia entre o Digesto e as Institutas : como essas compilações entraram em vigor na
mesma data, constituem uma lei única e as contradições entre elas resolvem-se não pelos
princípios de revogação, mas de interpretação das leis.
– II. Antinomia entre o Digesto ou as Institutas e o Código: este derroga qualquer daquelas
compilações, na parte contraditória, em virtude da regra de que a lei posterior revoga a
anterior.
– III. Antinomia entre o Digesto, as Institutas ou o Código e as Novelas : preponderam estas
últimas, em virtude da regra de que a lei nova revoga a mais antiga.
– IV. Antinomia entre as Novelas: prevalece a mais recente; por força da mesma regra.