Você está na página 1de 102

Emergência com

Produtos Perigosos

Conceitos Básicos
Introdução

• Casos históricos:
Bophal – Índia
Chernobyl – Ucrânia
Sandoz – Suíça
Goiânia - Brasil
São José dos Campos – Brasil
Estatística de Acidentes

• Infelizmente não temos no Brasil uma


estatística nacional, adequada, dos
acidentes envolvendo produtos perigosos.
• As estatísticas são montadas
considerando vazamentos relatados para
os órgãos públicos.
Estatística de Acidentes
• Nos EUA foram reportados: 26.300/ano
Correlação entre locais das ocorrências
Aeroportos/Aviões 800
Transporte rodoviário/ferroviário 900
Pipeline 1.100
Desconhecido 1.500
Mar (próximo a costa) 3.000
Off-shore 6.000
Dentro das indústrias 13.000
Estatística de Acidentes

Correlação entre número de acidentes e volume


de produto derramado

0 a 10 galões (até 36 litros) 80,0%


De 10 a 84 galões (até 302,4 litros) 12,0%
De 84 a 1000 galões (até 3600 litros) 6,0%
De 1000 a 6000 galões (até 21.600 litros) 1,5%
Acima de 6000 galões 0,5%
Equipe de Emergência

• Profissionalismo
• Prudência
• Determinação
Fatores Importantes

• As emergências que envolvem produtos


perigosos podem ser situações de vida ou
morte!
• A responsabilidade é do Grupo, e nunca
apenas de um único indivíduo!
• A somatória dos valores individuais ira
tornar o sucesso garantido!
Conhecimentos Básicos
Química
• Estados físicos: sólido, líquido e gasoso.
• Misturas: homogêneas, heterogêneas e
emulsões.
• Principais tipos de reações químicas:
exotérmica, endotérmica, reações de
dupla troca (neutralização).
• Características: inflamabilidade,
corrosividade, solubilidade, radioatividade.
Toxicologia
• Definição de toxicidade

• Conceitos de Contaminações:
Aguda
Crônica
Local
Sistêmica.
Toxicologia

• Vias de Absorção
Ação Cutânea (pele)
Ingestão (gastro-intestinal)
Inalação (respiração)
Toxicologia

Ação Cutânea
 Epiderme
 Derme
 Subcutânea

É responsável
por 8% das
contaminações!
Toxicologia

Ingestão
 Diversos órgãos
envolvidos
 Ocorre por
descuido ou
acidente

É responsável por
2% das
contaminações!
Toxicologia

Inalação
 Diversos órgãos
envolvidos (pulmões).
 Contaminação
extremamente rápida!
É responsável por
90% das
contaminações!
Toxicologia

• Fator Crítico para equipe de emergência


Susceptibilidade Individual

• Necessidade Básica
Conhecimentos em Primeiros Socorros
Atendimento Emergencial

• Seqüência Básica de eventos


 Análise e verificação dos riscos
 Proteção Pessoal
 Confinar / isolar a área
 Estancar Vazamento
 Limpeza
 Descontaminação
 Relatório
Atendimento Emergencial

1 - Análise e Verificação do Risco

16
Análise e Verificação do Risco

• Pontos Críticos:
As emergências são dinâmicas, ou seja,
mudam em questões de segundos!
O risco potencial deve ser analisado
imediatamente, para que as atividades do
grupo possam ser dirigidas de maneira
eficiente.
Análise e Verificação do Risco

• Pontos importantes a serem


considerados:
Perigo potencial apresentado pelo produto
Quantidade do produto envolvido
Treinamento e conhecimento dos
operários envolvidos
Relação de perigo imediato para pessoas,
meio ambiente e bens materiais
Análise e Verificação do Risco

Fator
predominante

BOM SENSO
Análise e Verificação do Risco

Em caso de dúvida:

Assumir o Pior Caso Possível!


Análise e Verificação do Risco

• É essencial que a substância envolvida


em uma emergência seja identificada,
antes que qualquer atitude errônea seja
tomada!
Identificação de Produto
• No Transporte
Por lei, no Brasil, o transporte de produtos
perigosos segue uma padronização, onde
é necessário o emprego de painéis de
identificação e rótulos de risco.
Tais rótulos de risco, bem como os painéis
de identificação seguem um padrão
internacional (ONU).
Identificação de Produto
Exemplo de Painel de identificação e Rótulo de Risco
Identificação de Produto
Rótulos de risco:

24
Identificação de Produto
DIAMANTE DE HOMMEL
Risco de Incêndio Risco de Reatividade
4 – Altam. Inflamável 4 – Explosivo
3 – Inflamável 3 – Explosão caso
2 – Combustível Choque Mecânico
1 – Difícil Combustão 2 – Reage
0 – Não Inflamável Violentamente
1 – Instável Sob Calor
0 – Estável

Risco Especifico
Não usar água--- W
Risco à Saúde Radioativo (símbolos)
4 – Mortal Oxidante -------OXY
3 – Muito Perigoso Ácido----------- ACID
2 – Perigoso Alcalino---------ALC
1 – Levem. Perigoso Corrosivo-------CORR
0 – Normal Tóxico----------TOX
Venenoso (símbolos)

25
Identificação de Produto

Além das placas de rótulo de risco e de


identificação do produto, também é
necessário que, junto com a
documentação fiscal, siga também a Ficha
de Emergência do produto químico.
A Ficha de Emergência traz informações
básicas para um início de atendimento
emergencial.
Identificação de Produto

• Produto Desconhecido

Necessário emprego de equipamentos e


procedimentos adequados.
Identificação de Produto

• Equipamentos utilizados para determinar


produtos desconhecidos:
Oxi-toxi-explosímetro
Tubos Reagentes
Papel Tornasol
Equipamento mais específico, como
medidor de energia radioativa
Identificação de Produto

Oxi-toxi-
explosímetro
Equipamento que
permite a
monitoramento de
vários gases e
vapores ao mesmo
tempo,
principalmente os
explosivos.
Identificação de Produto

Sistemas de Tubos
Reagentes
Equipamentos que
permitem a rápida
identificação do
produto envolvido.
Sistema eficiente e
prático.
Identificação de Produto

Papel Tornasol

Permite a
identificação do pH
do produto,
indicando se o
mesmo é ácido ou
alcalino
Identificação de Produto

Em alguns tipos
de emergências é
necessário o
emprego de
equipamentos
específicos, tais
como medidor de
energia radioativa
Atendimento Emergencial

2 - Proteção Pessoal

33
Proteção Pessoal

• Equipamentos Necessários:
Roupas de Proteção Química
Luvas de Proteção
Proteção Respiratória
Botas de Proteção Química
Proteção para os Olhos
Proteção Pessoal
• São quatro os níveis de roupas de
proteção:

• Roupas de proteção nível A


• Roupas de proteção nível B
• Roupas de proteção nível C
• Roupas de proteção nível D

35
Proteção Pessoal
• Nível A – nível de
proteção utilizado
quando a proteção
para a pele, olhos
e trato respiratório
deve ser altíssima.

36
Proteção Pessoal
Nível B - necessário
quando o maior nível
de proteção
respiratória é
necessário, mas um
nível menor de
proteção para pele e
para os olhos é
aplicado.

37
Proteção Pessoal
Nível C

38
Proteção Pessoal
Nível D

39
Proteção Pessoal

Luvas de Proteção

Existem diversos tipos de luvas, que


apresentam desenhos diferentes, assim
como são construídas com materiais
diferentes.
Proteção Pessoal

Os materiais que
mais suportam
produtos químicos
são:

 Neoprene
 Borracha Butílica
 Viton
Proteção Pessoal

Principais materiais de construção de


luvas
 Couro natural (raspa, vaqueta ou Picari)
 Algodão (tricotada, grafatex, lona)
 Kevlar (substituto do amianto)
 Látex
 PVC
 Borracha Nitrílica
 Borracha Butílica
 Neoprene
 Viton
Proteção Pessoal

As botas de proteção
utilizadas em
emergências
envolvendo produtos
perigosos deverão
possuir resistência
química e mecânica
(palmilha e biqueiras
de aço).
Proteção Pessoal

Proteção Respiratória
Os equipamentos de proteção respiratória
são imprescindíveis para o atendimento de
emergências envolvendo produtos
perigosos.
Proteção Pessoal

Os equipamentos de proteção respiratória são


classificados em dois grandes grupos:

 Equipamentos Dependentes

 Equipamentos Independentes
Proteção Pessoal

Equipamentos
dependentes

São aqueles que


dependem do
oxigênio do ar, no
local onde se
encontra o
respirador. Exemplo:
Respirador Facial
com filtro
Proteção Pessoal

Equipamentos
independentes
São aqueles que não
dependem do
oxigênio do ar, no
local onde se
encontra o respirador.
Exemplo:
Equipamento
Autônomo
Atendimento Emergencial

3 - Confinar / Isolar a Área

48
Confinar / Isolar a Área
• Fatores que influem na determinação da área a
ser isolada em uma emergência envolvendo
produtos perigosos:
 Produto químico (nível de toxicidade)
 Estado físico (sólido, líquido, vapor)
 Ambiente do acidente (aberto ou fechado)
 Existência de correntes de água (rios, lagos,
etc...)
 Substância é carregada por agente
meteorológico (ventos, chuvas, etc...)
Confinar / Isolar a Área
ZONA QUENTE

51
ZONA
MORNA

52
ZONA FRIA

RESGATE

Operações
para
Emergência

53
Confinar / Isolar a Área
Pequeno vazamento

54
Confinar / Isolar a Área
Pequeno vazamento

55
Confinar / Isolar a Área

56
Confinar / Isolar a Área

Em muitas situações emergenciais, a maior


parte dos membros da equipe de
emergência terão como função primária
manter a área isolada de indivíduos
externos.
Confinar / Isolar a Área
• Equipamentos utilizados par isolar a área:
Cones de sinalização
Fitas zebradas com ou sem mensagem
Placas de identificação
Lanternas e sinalizadores
Sirenes e alarmes
Megafone
Atendimento Emergencial

4 - Medidas de Controle
Vazamento/Derramamento

59
Medidas de Controle

ESTANCANDO O VAZAMENTO
60
Estancar o Vazamento
Batoques

 Madeira
 Bronze
 Neoprene

61
Estancar o Vazamento

Em algumas situações, será necessário o


emprego de artifícios mais sofisticados ou
até mesmo de equipamentos altamente
especializados.

Entre os equipamentos utilizados destacam-


se os seguintes:
Estancar o Vazamento

Resinas Epóxi
de Secagem
Rápida
Estancar o Vazamento

Cintas de vedação para tambores


 Ideal para tambores, bombonas, containers e
embalagens de médio porte.
Podem ser aplicados em tanques rodoviários e
estáticos.
Diversos modelos.
Estancar o Vazamento

Em outras situações é
necessário o
emprego de produtos
específicos para as
necessidades da área
produtiva.
Exemplo:
Bloqueador universal
Estancar o Vazamento
• NOTA – atenção
especial deve ser
dada as
ferramentas
manuais, que são
utilizadas em
emergências
envolvendo
produtos
inflamáveis, que
deverão ser de
bronze –
fosforoso.
Atendimento Emergencial

5 – Limpeza do Local
Contaminado

67
Limpeza

A limpeza é, sem
dúvida a etapa
mais longa e
cansativa de
uma emergência
envolvendo
produtos
perigosos.
Limpeza

Nota Importante:
Os procedimentos de limpeza irão variar de
acordo com os seguintes pontos:
 Produto envolvido na emergência
 Estado físico do produto
 Toxicidade
 Quantidade envolvida
 Ambiente onde ocorreu o acidente
Limpeza
Para produtos Sólidos
Na grande maioria dos
casos a limpeza poderá
ser realizada com
auxílio de vassouras,
pás e enxadas.
Nota: devemos sempre
utilizar pás, vassouras e
enxadas de materiais
plásticos.
Limpeza

Para produtos Líquidos


Neste caso os procedimentos de limpeza
irão variar de acordo com os seguintes
fatores:
 Viscosidade
 pH
 Imiscibilidade com água
 Quantidade
Limpeza

Absorventes – existem diversos tipos de


materiais absorventes utilizados em
emergências envolvendo produtos
perigosos.

Abaixo colocamos os materiais mais


comuns.
Limpeza
Areia
Vantagens:
baixo custo
fartura
Desvantagens:
peso
baixa eficiência
aumento de área
não é incinerável
deposição final
Limpeza

Pó de Serra (serragem)
Vantagens:
baixo custo
leve
incinerável
Desvantagens:
baixa eficiência
aumento de área
deposição final
Limpeza
Vermiculita
Vantagens:
baixo custo
leve
resistência química
eficiência razoável
Desvantagens:
não incinerável
aumento de área
deposição final
Limpeza

Cinzas Vulcânicas
Vantagens:
específica (óleos)
alta eficiência
Desvantagens:
peso
não incinerável
aumento de área
deposição final
Limpeza
Turfa (Peat)
Vantagens:
leve
boa eficiência
incinerável
Desvantagens:
alto custo
aumento de área
baixa recuperação do produto absorvido
Limpeza
CELUFLOC
Vantagens:
leve
boa eficiência
incinerável
baixo custo
ótima recuperação
Desvantagens:
aumento de área
Limpeza

Micro Fibras PE
Vantagens:
leve
ótima eficiência
incinerável
seletividade
excelente recuperação
relação custo x benefício

Desvantagens:
custo inicial
Limpeza

Micro Fibras PP
Vantagens:
leve
ótima eficiência
incinerável
resistência química
excelente recuperação
relação custo x benefício
Desvantagens:
custo inicial
Limpeza

Formatos de fornecimento
Os produtos absorventes são também fornecidos em
diferentes formatos dos aqui apresentados, sendo os
mais comuns:
 Tapetes
 Almofadas
Barreiras
Limpeza

Tapetes absorventes - Microfibras


São de fácil aplicação prática, e apresentam excelente
velocidade de absorção. Utilizados em conjuntos com
almofadas e barreiras.
Limpeza

Tapetes absorventes
Microfibras
Uma característica que
os tapetes absorventes
devem ter é resistência
mecânica para suportar
as exigências da
emergência!
Limpeza
Almofadas absorventes
Apresentam as mesmas
vantagens dos tapetes
absorventes, no entanto
por possuírem maior
quantidade de material,
são empregadas em
áreas onde há o acúmulo
de líquidos (poças).
Limpeza

Barreiras absorventes
Apresentam as mesmas
vantagens vistas
anteriormente e são
utilizadas
principalmente para
cercar o líquido
derramado.
Limpeza
Barreiras
absorventes
Existem barreiras
absorventes
especialmente
desenvolvidas para
atenderem
vazamentos em
leitos aquosos.
Limpeza

Nota importante:
Não é recomendado que se tenha em
estoque apenas uma única versão de
material absorvente, como exemplo
tapetes.
O ideal é dispor de tapetes, almofadas e
barreiras, em quantidades condizentes
com a possível emergência.
Limpeza

Com intuito de ajudar na aquisição de


produtos absorventes, já existem
disponíveis no mercado um grande número
de KITS absorventes para as mais variadas
situações!
Limpeza

Além dos produtos absorventes, outros


equipamentos e técnicas são aplicados no
processo de limpeza.

Entre as técnicas aplicadas, encontramos


as seguintes:
Limpeza

Entre as técnicas de
limpeza de
líquidos, está
também a
aspiração, que
deve ser sempre
feita por
equipamentos
adequados aos
riscos presentes.
Limpeza

Neutralização
Técnica que consiste na correção do pH do
produto envolvido no acidente com um produto
que apresente características inversas quanto
ao pH.
A Neutralização é uma operação que apresenta
algumas vantagens e desvantagens:
Limpeza

No esquema ao
lado podemos
ver o sentido
de
neutralização a
ser realizado.
Limpeza

Transbordo ou Transferência
Técnica que consiste na transferência do
conteúdo de um recipiente avariado para outro
intacto.
A operação de transbordo ou transferência
dependerá de fatores tais como:
 Tipo do produto envolvido
 Quantidade do líquido envolvido
Limpeza
Para operações de
pequeno porte,
principalmente quando
os produtos envolvidos
se encontram em
embalagens fracionadas
(tambores, bombonas,
galões, etc...), é comum
o emprego de pequenas
bombas de
transferência.
Limpeza
Para operações de
transbordo maiores,
muitas vezes é
necessário o emprego
de equipamentos mais
complexos, tais como
bombas, onde
recomendamos as
pneumáticas de duplo
diafragma.
Limpeza

Em muitas situações, será necessário


também o emprego de reservatórios
temporários, para que as operações
ocorram sem perda de tempo.

Existem diversos tipo de reservatórios


provisórios que podem ser utilizados;
Entre eles destacam-se:
Atendimento Emergencial

6 – Descontaminação
Pessoal e Equipamentos

97
Descontaminação

Os brigadistas envolvidos em um acidente com


produtos perigosos podem se contaminar de
diversas maneiras:
 Contato com gases, vapores e
aerodispersóides.
 Contato com respingos.
 Contato direto com o produto.
 Através do contato com o solo contaminado.
 Através do contato com equipamentos
contaminados.
Descontaminação

Descontaminação é um processo que


consiste na remoção física dos
contaminantes ou na alteração de sua
natureza química para substâncias
inócuas.

:
Descontaminação
Na prática as
operações
de
descontamin
ação deve
ser feita em
uma área
adequada,
denominada
corredor de
descontamin
ação, como
visto ao
lado.
Atendimento Emergencial

7 - Relatório

101
Relatório

NOTA FINAL
A principal idéia de um relatório não é
achar um culpado para o acidente, mas
sim estudar as causas e efeitos para
que sejam tomadas as devidas
correções para que nunca aconteça o
mesmo problema de novo.