Você está na página 1de 108

METEOROLOGIA GERAL

A Terra e sua Atmosfera

Leonardo F. Peres

leonardo.peres@igeo.ufrj.br
Roteiro

1. Introdução

2. Composição da Atmosfera

3. Atmosfera Primitiva

4. Estrutura Vertical da Atmosfera

5. Tempo e Clima

6. Meteorologia
1. Introdução
 Atmosfera:
 Manto de gases protetores que circunda a
Terra;
 A atmosfera está conosco desde o nosso
nascimento e não podemos nos separar dela;
 Ao ar livre podemos nos deslocar por milhares
de quilômetros em qualquer direção horizontal,
mas se nos deslocarmos apenas por uns 8
quilômetros acima da superfície, sufocaremos;
1. Introdução
 Atmosfera:

 Podemos sobreviver sem comida por algumas


poucas semanas, ou sem água por alguns
dias, mas sem nossa atmosfera, não
sobreviveremos mais do que por alguns
minutos.
 Assim como os peixes estão confinados ao seu meio
que é a água, do mesmo modo nós estamos
confinados à nossa atmosfera.
1. Introdução
 Atmosfera:
 Vivendo na superfície da terra, nós estamos
tão adaptados ao nosso meio atmosférico que
as vezes esquecemos quão importante é a
atmosfera.

 Mesmo sendo a atmosfera insípida, sem odor


e (na maioria das vezes) invisível, ela nos
protege de perigosas radiações solares com
uma mistura de gases que permite que haja
vida na Terra.
1. Introdução
 Atmosfera:
 Fino invólucro gasoso;

 99% da atmosfera
terrestre fica nos
primeiros 30km da
atmosfera (parte azul
da figura mostra a
parte mais densa);
1. Introdução
 Atmosfera:
 O raio da Terra é de cerca de 6400 km;
 Portanto, a profundidade atmosférica é igual a
30km/6400km = 0,5% do tamanho do raio da Terra;
2. Composição da Atmosfera
Gases Permanentes Gases Variáveis

% (volume) Partes por Milhão


Gás Símbolo Gás e Partículas Símbolo % (volume)
Ar Seco (ppm)

Nitrogênio N2 78,08 Vapor d’água H2O 0a4

Oxigênio O2 20,95 Dióxido de Carbono CO2 0,037 (0,035) 374 -355

Argônio Ar 0,93 Metano CH4 0,00017 1,7

Neônio Ne 0,0018 Óxido Nitroso N2O 0,00003 0,3

Hélio He 0,0005 Ozônio O3 0,000004 0,04

Hidrogênio H2 0,00006 Partículas 0,000001 0,01-0,15

Clorofluorcarbonos
Xenônio Xe 0,000009 0,0000002 0,0002
(CFC)

uma parte por milhão significa que em um milhão de moléculas de ar há uma molécula de um determinado gás.
há 15 anos atrás quando entrei na universidade a quantidade de CO2 era de 355 ppm, o livro em que me baseio que é de 2003 indica uma
valor de 374 ppm. Entretanto, sabemos que hoje em dia este valor é de 385 ppm.
Valores estratosféricos entre 11 e 50 km são da ordem de 5 a 12 ppm.
2. Composição da Atmosfera
 Componentes Permanentes:
 Nitrogênio (N2) – 78,08 %

 Oxigênio (O2) – 20,95 %

 > 99 %
2. Composição da Atmosfera
 Por que as porcentagens de N2 e O2 se
mantêm constantes?

 Há um balanço (equilíbrio) contínuo entre a


produção (entrada) e a destruição (saída) destes
gases
2. Composição da Atmosfera
 N2
 Destruição – removido da atmosfera através de
processos biológicos que envolvem bactérias no solo.
 Produção – retorna à atmosfera também através de
processos biológicos que envolvem bactérias no solo.
Ciclo do nitrogênio
2. Composição da Atmosfera
 O2
 Destruição – removido durante a respiração de seres vivos quando o O2 é
absorvido e é liberado H2O e CO2, através da decomposição de matéria
orgânica onde bactérias consomem O2 e liberam CO2 e quando se combina
com outras substâncias na formação de óxidos.

 Produção – A adição de oxigênio para a atmosfera ocorre durante a


fotossíntese, quando as plantas, em presença de luz solar, combinam
dióxido de carbono e água para produzir oxigênio e glicose.
Luz + CO2 + H2O O2 + CH2O (glicose)
2. Composição da Atmosfera
2. Composição da Atmosfera
 Vapor d’água:
 As moléculas de vapor d'água
são invisíveis.

 Elas se tornam visíveis somente


quando se transformam em
partículas líquidas ou sólidas,
tais como gotas de nuvens e
cristais de gelo.

 A mudança do vapor d'água


para água líquida é chamada de
condensação, enquanto que o
processo de transformação de
líquido para vapor é chamado
de evaporação.
2. Composição da Atmosfera
 Vapor d’água:
 É a única substância que existe na forma de gás, líquido
ou sólido nas temperaturas e pressões normalmente
encontradas próximo à superfície da Terra.

 O vapor d'água é um elemento da atmosfera


extremamente importante.
 Mudanças de fase são fontes importantes de calor latente
(veremos mais tarde).
 Ele se transforma em partículas líquidas ou sólidas de nuvens
e crescem de tamanho caindo em forma de precipitação sobre
a terra.
2. Composição da Atmosfera
 Vapor d’água:
 A concentração de vapor d'água varia grandemente de um lugar
para o outro e de instante para instante.
 Perto da superfície em locais tropicais quentes, o vapor d'água pode
chegar a 4 % dos gases da atmosfera.
 Em áreas polares frias, sua concentração pode se reduzir a uma fração
de 1 %.
2. Composição da Atmosfera

 Vapor d’água:

 Importante gás de efeito estufa

 Efeito estufa é um fenômeno natural


2. Composição da Atmosfera

 Dióxido de Carbono:
 Entra na atmosfera
 Principalmente a partir da decomposição da
vegetação;
 Erupções vulcânicas;
 Respiração dos seres vivos;
 Queima de combustíveis fósseis - substância formada
de compostos de carbono, usados para alimentar a
combustão, tais como carvão, óleo e gás natural;
 Desflorestamento.
2. Composição da Atmosfera
 Dióxido de Carbono:
 Removido da atmosfera
 Principalmente durante a fotossíntese,quando as
plantas consomem CO2 para produzir matéria verde.

 Reservatórios de CO2
 CO2 é então estocado nas raízes, galhos e folhas.
 Fitoplânctons na superfície da água fixam CO2 nos
seus tecidos orgânicos.
 Misturados na água do mar até grandes
profundidades.

CO2 oceanos = 50 vezes o CO2 atmosfera


2. Composição da Atmosfera
 Dióxido de Carbono:
 Por que a preocupação com o aumento de CO2 na atmosfera?
Importante gás do efeito estufa.

 Aumentou 25% desde o século 19 (280 ppm).

 Aumentou mais que 10% desde 1958 (inicialmente medida no


Observatório de Mauna Loa no Havaí).

 Aumento de 0,4% ao ano. Deve dobrar até o final do século 21.

 Causa do aumento:
 Queima de combustíveis fósseis
 Desflorestamento (contribuição de 20%) - corte dos troncos para
queima ou mesmo quando deixado no campo, libera CO2
diretamente no ar.
2. Composição da Atmosfera
 Dióxido de Carbono:
2. Composição da Atmosfera
 Dióxido de Carbono:
2. Composição da Atmosfera
 Dióxido de Carbono:
2. Composição da Atmosfera
 Demais Gases de Efeito Estufa:
 Metano (CH4)
 Quebra de material vegetal por bactérias em campos de arroz;
 Decomposição de resíduos orgânicos;
 Processo de digestão de animais herbívoros (ruminação) – 37%;
 60% da emissão de metano no mundo é produto da ação humana, vindo
principalmente da agricultura;
 Potencial de efeito estufa 20 vezes maior que o CO2
2. Composição da Atmosfera
 Demais Gases de Efeito Estufa:
 Óxido Nitroso (N2O)
 Formam-se no solo através de processos químicos envolvendo bactérias
e certos micróbios;
 Fertilizantes artificiais de nitrogênio para a agricultura;
 Queima de combustíveis fósseis não produz apenas CO e CO2, mas
também compostos de nitrogênio e oxigênio;
 Potencial de efeito estufa 250 vezes maior que o CO2.

 Clorofluorcarbonos (CFCs)
 Propelente de spray;
 Refrigeradores;
 Solventes para limpar micro-circuitos.
2. Composição da Atmosfera
 Demais Gases de Efeito Estufa:
 Dióxido de Carbono (CO2)
 Aumentou 25% desde o século 19

 Metano
 Cresce 0,5 % ao ano

 Óxido Nitroso
 Cresce 0,25 % ao ano

 Clorofluorcarbonos (vamos discutir mais


adiante)
 Destroem a camada de ozônio
2. Composição da Atmosfera
 Ozônio (O3) Quais são seus efeitos?

 Perto da superfície:
 Ingrediente do smog (smoke+fog = fumaça + névoa
= poluição) fotoquímico:
 Irrita os olhos e garganta.
 Provoca danos à vegetação.

 Atmosfera superior (97% do O3)


 Protege plantas, animais e o homem da radiação
ultravioleta.
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas

 Naturais
 Vento levanta partículas da superfície.
 Sal proveniente da evaporação de gotas do mar
levadas ao ar pelas ondas.
 Fumaça proveniente do fogo nas florestas.
 Vulcões expelem toneladas de partículas e gases.

 Coletivamente, estas pequenas partículas de


várias composições são chamadas de
aerossóis
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas

1 nm 1 um 1 mm
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas

Alaskan Fire, June 2004

Photograph taken from a


commercial aircraft on its way to
Japan.
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas

California Fires,
26 October 2003
Aqua MODIS
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas

Vulcão Tungurahua, conhecido por Garganta de Fogo do Equador

Vulcão Llaima no Chile em erupção no


dia 01 de janeiro de 2008
Java, Indonésia
Fevereiro 1986
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas

 Chamamos aquelas impurezas que produzem


danos de poluentes …

 Mas, existem impurezas na atmosfera que


podemos considerar como benéficas?
 Pequenas partículas flutuantes, por exemplo, atuam
como superfícies nas quais o vapor d'água se
condensa para formar as nuvens.
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas

 Poluentes

 Os hidrocarbonetos são compostos químicos constituídos apenas por


átomos de carbono (C) e de hidrogênio (H). Podem se juntar a átomos de
oxigênio (O), azoto ou nitrogênio (N) e enxofre (S) dando origem a
diferentes compostos de outros grupos
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas

 Poluentes
2. Composição da Atmosfera
 Impurezas atmosféricas naturais e humanas

 Poluentes
2. Composição da Atmosfera

 Porcentagem relativa dos componentes


permanentes da atmosfera se mantém
constante até quase 80 km.
3. Atmosfera Primitiva
 A composição da atmosfera durante a formação da
Terra cerca de 4,5 bilhões diferiu significativamente da
atmosfera atual.
 A evolução da atmosfera passou por várias fases, que
finalmente levou a estabilidade da composição que
temos hoje.
 A atual composição permite condições favoráveis para
o desenvolvimento e à existência de vida na Terra.
 A atmosfera não só é adequada para a vida (funções
internas tais como a respiração e a fotossíntese), mas
também nos protege das ações nocivas da radiação
solar.
3. Atmosfera Primitiva
 Os cientistas ainda estão incertos sobre a formação
inicial e a evolução das antigas atmosferas, mas várias
teorias têm sido propostas.
 Provavelmente a primeira atmosfera era composta de
H e He (~75% + ~25% = ~100% do universo) -
perdidos devido ao baixo campo gravitacional.
 Acredita-se que a Terra foi formada através de um
processo em que não haviam gases presentes. A
maioria dos gases que estavam presentes também
foram perdidos no espaço logo após a sua formação.
3. Atmosfera Primitiva
 Uma vez que a hipótese é de que não existia
atmosfera na sua formação, acredita-se que a atual
atmosfera entrou em existência como um resultado da
liberação de substâncias a partir de seu interior,
principalmente através de explosões vulcânicas.
3. Atmosfera Primitiva
As emissões de gases dos vulcões são:

Vapor d´água 85%

Gás carbônico 10%

Outros gases como 5%


nitrogênio e enxofre
Observamos que uma das mais importantes substâncias
responsáveis pela vida na Terra, o oxigênio, não era
presente na atmosfera inicial.
3. Atmosfera Primitiva

Existem duas possíveis fontes para a origem do oxigênio na atmosfera:

Dissociação da água (através da energia da radiação UV)

2H2O → 2H2 + O2

Reação Fotossintética (através da energia da radiação solar visível

H2O + CO2 → {CH2O} + O2

Ambas as reações envolvem a absorção da radiação solar, o


que implica que a entrada de energia do sol contribuiu
significativamente para a formação da atual atmosfera.
3. Atmosfera Primitiva
 Acredita-se que o primeiro organismo existiu num
ambiente sem oxigênio.
 Num estágio posterior, algumas formas primitivas de
plantas vivas começaram a liberar pequenas
quantidades de Oxigênio para a atmosfera através do
processo de fotossíntese (há cerca de 2 a 3 bilhões de
anos).
 O processo de fotossíntese, permitiu um rápido
aumento do oxigênio na atmosfera.
 Tanto o vapor d´água quanto o gás carbônico são
moléculas que foram originalmente liberados pela
atividade vulcânica.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera

 Vamos examinar o perfil vertical de


algumas variáveis meteorológicas:

 Densidade

 Pressão

 Temperatura
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Definição de Densidade:

 densidade = massa/volume (kg/m3).

 Portanto, a densidade do ar é calculada pela


determinação da quantidade de massa de ar
num determinado espaço (volume).

 Q: Se a densidade da água é 1000 quilogramas


por metro cúbico, então quantos quilogramas de
água existirá num recipiente tendo um volume
de 5 m3?
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 A densidade (massa/volume) do ar decresce com a
altura....

 Q: Por que há mais moléculas de ar à superfície do


que em altitude?
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 A razão é a gravidade.
 Moléculas de ar são atraídas pela gravidade.
 Ficam comprimidas perto da superfície – tem mais
moléculas por volume.
 Gravidade possui uma influência no peso dos objetos,
inclusive no ar.
 De fato o peso é a força agindo num objeto devido a
gravidade: Peso (N) = massa (kg) X gravidade (ms-2).
 Massa é a quantidade de matéria num objeto.
 Massa da atmosfera = 5,6 x 1014 toneladas.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera

 Unidades de pressão: Pa, N/m2, mb, mm.Hg

 Como é a variação da pressão atmosférica com a


altura?
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 A pressão atmosférica diminui com a altura....
da mesma forma que a densidade. Próximo à
superfície diminui 10 mb a cada 100 metros.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Densidade e pressão decrescem rapidamente, e
depois mais vagarosamente, quando nos
afastamos da superfície.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Pressão atmosférica
4. Estrutura Vertical da Atmosfera

 Um perfil vertical da atmosfera revela que ela


pode ser dividida em várias camadas:
 De acordo com a variação de temperatura;
 De acordo com os gases que a compõe;
 Pelas suas propriedades elétricas.

Variação de temperatura
 A pressão e a densidade do ar decrescem com a altura.
A temperatura do ar tem um perfil vertical mais
complicado.
 O que se espera que aconteça com a temperatura a
medida que subimos na atmosfera?
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura

 Há diferentes camadas na
atmosfera onde a
temperatura tanto diminui
com a altura como aumenta.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
 Troposfera (0 - 11 km):
 Temperatura do ar normalmente decresce com a altura até 11
km. Este decréscimo é devido ao fato de que a luz do Sol
esquenta a superfície da terra, que por sua vez aquece o ar
sobre ela;
 Gradiente vertical de temperatura na troposfera:
 - 6,5 0C / km
 Esta taxa varia sempre de lugar para lugar;
 Esta parte da atmosfera contém tudo que em termos
de tempo meteorológico consideramos familiar.
 Q. Qual é a temperatura no topo do Everest se a temperatura do ar a superfície for
de 20 0C?
 Q. Qual é o gradiente vertical de temperatura na troposfera se a temperatura no
topo do Everest for de -30 e a temperatura do ar a superfície for de 10 0C?
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
 Tropopausa:

 Temperatura do ar normalmente para de decrescer


com a altura;

 Esta região, onde a temperatura do ar permanece


constante com a altura, é conhecida como uma
região isotérmica;

 A base desta zona marca o topo da troposfera e o


início de uma nova camada, a estratosfera.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
 Estratosfera (11 – 50 km):

 Temperatura do ar aumenta com a altura;

 Tal aumento da temperatura do ar com a altura é


chamado de inversão térmica;

 A inversão tende a reduzir a quantidade de


movimento vertical;
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
 Estratosfera (11 – 50 km):

 A razão da inversão na estratosfera é devido a


presença de ozônio que absorve energia solar
ultravioleta (UV). Parte desta energia absorvida
esquenta a estratosfera;

 Se o ozônio não estivesse presente, o ar


provavelmente se tornaria mais frio com a altura,
como acontece na troposfera.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
 Mesosfera (50 – 85 km):

 O ar é extremamente tênue e a pressão atmosférica


é bastante baixa;

 Mesmo assim a porcentagem de nitrogênio e de


oxigênio é a mesma que na superfície;

 Com uma temperatura média de -900C, o topo da


mesosfera representa a parte mais fria da atmosfera.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
 Termosfera (“camada quente” – 85 – 500 km):

 Aumento da temperatura do ar com a altitude;

 Aqui as moléculas de oxigênio (O2) absorvem os


raios solares energéticos (pequeno comprimento de
onda), aquecendo o ar.

 Existem poucos átomos e moléculas.


Consequentemente, a absorção de uma pequena
quantidade de energia solar pode causar um grande
aumento na temperatura do ar
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Variação de temperatura
 Exosfera:

 Topo da atmosfera (termosfera) a 500 km de altitude;

 Aqui, os átomos e moléculas viajando na direção


correta realmente escapam do campo gravitacional
da Terra e escapam para o espaço.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Gases que Compõe a Atmosfera
 Homosfera (0 - 85 km):
 Abaixo da termosfera, a composição do ar
permanece bastante uniforme (78% de nitrogênio,
21% de oxigênio).

 Heterosfera (85 – 500 km):


 A composição da atmosfera começa vagarosamente
a mudar na camada inferior da termosfera.
 Na termosfera, as colisões entre os átomos e as
moléculas são pouco freqüentes e o ar é incapaz de
se manter agitado.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Gases que Compõe a Atmosfera
 Heterosfera (85 – 500 km):
 Como resultado, os átomos e moléculas mais
pesadas (tais como o nitrogênio e o oxigênio) tendem
a permanecer no fundo da camada enquanto os
gases mais leves (tais como o hidrogênio e o hélio)
flutuam no topo.

 A região se estende desde a base da termosfera até


o topo da atmosfera.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Propriedades Elétricas
 Ionosfera (60 – 500 km):

 Não é na realidade uma camada, mas uma região


eletrificada na atmosfera superior com grandes
concentrações de íons e elétrons livres.
 Íons são átomos ou moléculas que tenham perdido (ou
ganho) elétrons.

 Sua região é parte da mesosfera e a termosfera.

 Camada mais baixa em torno de 60 km e se estende


até o topo da atmosfera.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Propriedades Elétricas
 Ionosfera (60 – 500 km):

 Qual a sua importância?


 Nas comunicações de rádio.

 Reflete as ondas padrões AM de rádio de volta à


Terra. Tais ondas viajam repetidamente da ionosfera
para a terra e de volta para a ionosfera novamente.
Deste modo, as ondas padrão AM de rádio são
capazes de viajar muitas centenas de quilômetros.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera
 Qual a concentração de O3 na estratosfera onde
ela é máxima (25 km)?

12 moléculas por milhão de moléculas de ar


12 ppm

 Mesmo tênue esta camada é significativa para os


habitantes da terra.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera
 O que aconteceria se esta camada não existisse?

 Aumento do número de casos de câncer de pele;

 Impacto adverso nas plantas e animais devido ao


aumento da radiação ultravioleta;

 Resfriamento da estratosfera (afetaria sua circulação


induzindo mudança climática).
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera
 Como se forma o O3 na estratosfera?

 Combinação de átomos de oxigênio (O) com


moléculas de oxigênio (O2) na presença de
uma outra molécula:

 O2 + energia → 2 [O]

 O + O2 + M → O3 + M (M = catalisador = N2)
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera
 Como ele é destruído?
 Pela absorção de radiação ultravioleta do sol.
 O3 + energia → O2 + O.

 Pela colisão com outros gases, tais como:


 Óxido de Nitrogênio (NO);
 Dióxido de Nitrogênio (NO2);
 Outras moléculas de ozônio.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera

 As atividades humanas alteram a quantidade de


ozônio na estratosfera?

 Jatos supersônicos emitem óxido de nitrogênio (NO) na


baixa estratosfera.

 Presença dos clorofluorcarbonos – na troposfera são


não inflamáveis, não tóxicos e incapazes de reagir
quimicamente com outras substâncias.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera

 Os CFC’s difundem-se vagarosamente para cima


sem serem destruídos. Como entram na
estratosfera?
 Quando as nuvens cumulonimbos penetram na baixa
estratosfera durante as tempestades.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera
 O que ocorre quando os CFC’s entram na média
estratosfera?
 A radiação UV quebra a molécula de CFC e libera o
cloro.
 O cloro destrói rapidamente o ozônio.
 Um átomo de cloro consegue destruir 100.000
moléculas de ozônio antes de se combinar com
qualquer outra substância.
 A vida média de uma molécula de CFC na estratosfera
é de 100 anos.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera
 Qualquer crescimento na concentração de CFC
é de ação duradoura e um real perigo à
concentração de ozônio.

 Dado este fato e o conhecimento adicional de


que os CFC’s contribuem para o efeito estufa
na atmosfera, um acordo internacional assinado
em 1987 - O Protocolo de Montreal -
estabeleceu a diminuição da emissão de CFC.
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera
4. Estrutura Vertical da Atmosfera
 Ozonosfera
 Estudos mostram que a camada de ozônio
diminuiu 3% entre os verões de 1979 a 1991.

 Esta queda brusca na camada é conhecida


como:
 Buraco na camada de ozônio
5. Tempo e Clima

O que é o tempo?

O que é o clima?
5. Tempo e Clima
 Tempo
 Condições da atmosfera em um instante e local
particular.
 O tempo meteorológico está sempre mudando.
 O tempo é caracterizado pelos elementos:
 Temperatura do ar
 Precipitação
 Pressão do ar
 Visibilidade
 Umidade
 Vento
 Nuvens
5. Tempo e Clima
 Clima
 Se medirmos e observarmos os elementos do
tempo meteorológico por muitos anos numa
determinada região, nós obtemos um “tempo
meteorológico médio” ou o que chamamos clima.
 Isso inclui também o estudo dos extremos.

 O clima pode mudar/variar, mas em escalas de


tempo longas.
5. Tempo e Clima
 Tempo x Clima

O tempo define que roupa vou vestir


hoje.

O clima define que tipo de roupas vou


comprar.
5. Tempo e Clima
 Tempo x Clima
 Quais afirmações estão mais relacionadas com tempo e
quais estão mais relacionadas com clima?
 Os verões no RJ são quentes e úmidos;
 As nuvens cúmulos estão cobrindo inteiramente o céu;
 Nossa temperatura mais baixa no último inverno foi de -29°C;
 A temperatura do ar hoje é de 22°C;
 Dezembro é o nosso mês mais chuvoso;
 A temperatura mais alta já registrada em Phoenixville foi de
44°C em 10 de Julho de 1936;
 A neve está caindo numa taxa de 5 cm por hora;
 A temperatura média para o mês de Janeiro em Chicago é de -
3°C.
6. Meteorologia
 Definição
 Falamos de tempo e clima sem discutir a palavra
Meteorologia. O que realmente significa
Meteorologia?
 O estudo da atmosfera e seus fenômenos.
 Aristóteles (340 a.c.) escreveu um livro sobre filosofia
natural denominado Meteorológica (conhecimentos do
tempo, geografia, química e astronomia).
 Naquele tempo tudo que caia do céu ou qualquer coisa
vista no ar chamava-se meteoro.
 Os conceitos desde livro permaneceram por mais de
2.000 anos até o desenvolvimento dos instrumentos e a
definição de leis físicas.
6. Meteorologia
 Evolução
 O nascimento da Meteorologia como ciência só
ocorreu depois da invenção dos instrumentos
para medir parâmetros meteorológicos:
 Termômetros – século XVI.
 Barômetros – 1643.
 Higrômetro – final século XVIII.

 Foi possível então explicar certos fenômenos


implementando experimentos científicos e as leis
físicas puderam ser desenvolvidas.
6. Meteorologia
 Evolução
 Invenção de novos instrumentos – século XIX
 Invenção do telégrafo em 1843
 Transmissão das observações meteorológicas.
 Conceitos de massas de ar e frentes formulados por
meteorologistas Noruegueses – 1920
 Década de 40 – sondagens verticais da atmosfera.
 Depois da II Guerra Mundial – Radares meteorológicos
foram implementados.
 Década de 50 – computadores – previsão numérica do
tempo.
 Em 1960 – lançamento do primeiro satélite
meteorológico (Tiros I).
6. Meteorologia
 Evolução
 Agora somos capazes de observar fenômenos meteorológicos em
diferentes escalas espaciais.
Escala Fenômeno
1 cm
Turbulências
1m
Tornados
1 km
Tempestades
10 km
Brisa Marítima
100 km
Furacão
1000 km ou mais Frentes frias e quentes, sistemas
de alta e baixa pressão
6. Meteorologia
 A Visão do Tempo pelos Satélites
6. Meteorologia
 A Visão do Tempo pelos Satélites
6. Meteorologia
 A Visão do Tempo pelos Satélites
6. Meteorologia
 A Visão do Tempo pelos Satélites
6. Meteorologia
 Mapa do Tempo
 Podemos ter uma visão melhor dos sistemas de tempestades de
latitudes médias examinando um mapa de tempo simplificado
(carta sinótica) do mesmo dia em que foi tomada a imagem de
satélite.
6. Meteorologia
 Mapa do Tempo
6. Meteorologia
 Mapa do Tempo
 Campos de pressão:
 L (low) – baixas – ciclones.
 H (high) – altas – anticiclones.

 Círculos – estações meteorológicas.


 Vento – setas mostram direção e intensidade.
 Frente fria (azul).
 Frente quente (vermelho).
 Frente oclusa (roxo).
6. Meteorologia
 Mapa do Tempo
 Movimento é das Altas para as Baixas pressões.

 Áreas de baixa pressão – ar sobe, forma nuvens,


precipitação (área verde).

 Ar sobe ao longo das frentes.


6. Meteorologia
 Mapa do Tempo
6. Meteorologia
 Mapa do Tempo

 Vento de 5 nós?
 Vento de 15 nós?
 Vento de Sul?
 Vento de oeste?
 Céu nublado?
 Tempestade?
 Chuva fina?
 Aguaceiro?
7. Tempo e Clima em Nossas Vidas
 Clima determina quando plantar e que tipo de cultura
pode ser plantada;

 Tempo e clima afetam nosso conforto – Para


sobrevivermos do frio do inverno e do calor do
verão: construímos casas, aquecemos e resfriamos
elas.

 Mesmo vestidos de forma apropriada, vento,


umidade e precipitação podem afetar nossa
percepção de quão frio e quente sentimos.

 As condições de tempo podem afetar: Dores de


artrite, ataques cardíacos, dores de cabeça,
depressão, etc.
7. Tempo e Clima em Nossas Vidas
 Quando o tempo se torna mais frio ou quente do que
o normal, ele influencia a vida e a economia de
milhões de pessoas:
 Verão frio de 1992: 2/3 dos EUA economizaram bilhões em gastos
com ar-condicionado;

 Inverno mais frio que o normal em 2000-2001: Gasto altíssimo com


aquecimento.

 Neve e gelo: fechamento de estradas, ferrovias,


aeroportos, escolas, e derrubada de postes e linhas
de transmissão deixando usuários sem eletricidade.
 Tempestade de gelo no Canadá em 1998: milhões pessoas sem
energia e gastos de um bilhão de dólares com os estragos.
7. Tempo e Clima em Nossas Vidas
 Tempestade de neve nos EUA em 1993: paralisação de NY.
Gastos de milhões de dólares em perdas com frutas e vegetais
sensíveis a temperatura e aumento dos preços destes itens nos
supermercados como resultado.

 Secas Prolongadas acompanhadas de altas


temperaturas:
 Exemplos Brasil;

 A migração interna no Brasil acontece principalmente por motivos


econômicos e desastres ecológicos. Migração devido às secas que
assolaram o Nordeste brasileiro na década de 1960. Milhares de
pessoas abandonaram o sertão brasileiro por falta de alternativa
agrícola e políticas sociais na região.
7. Tempo e Clima em Nossas Vidas
 Partes da África sofrem constantemente com secas e fome
causando problemas nutricionais; Guerras pela disputa de água;

 Perdas na agricultura e pecuária em 1986 nos EUA: acima de um


bilhão de dólares com culturas e morte 500000 galinhas em 2 dias;

 Reservas de água - Racionamento de água;

 Ondas de Calor:
 1995 em Chicago: Morte de mais de 500 pessoas;
7. Tempo e Clima em Nossas Vidas
 2003 na Europa: Um dos mais quentes verões europeus - crise na
saúde em vários países e consideráveis impactos na agricultura.
Várias pessoas morreram por causa das altas temperaturas, que
chegaram à mais de 50 graus centígrados em algumas regiões da
Europa. O país mais atingido foi a França, que teve grandes
prejuízos devido à onda de calor. 14802 pessoas, a maioria idosos,
morreram na França por causa do calor. Mortes em torno de 35000
a 50000 em toda a Europa.
7. Tempo e Clima em Nossas Vidas
 Tempestades: Inundações;

 Nevoeiros no Inverno: Cancelamento de vôos;