Você está na página 1de 61

Noções Básicas de Primeiro Socorros

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL


REGIONAL FERNANDÓPOLIS - SP
Regras Gerais do Socorrista

1º Não ser a próxima vítima

2º Solicitar ajuda


Calma, bom senso e criatividade
Definição

Primeiro Socorros: Podemos entender que os procedimentos


efetuados a uma pessoa cujo o estado físico coloca em perigo
a sua própria vida.

Socorrista: É toda pessoa disposta a prestar atendimento


emergencial às vítimas, que seja por doença ou trauma.

Importante ao socorrista:
• manter as funções vitais;
• evitar o agravamento da situação;
• providenciar assistência médica;
Avaliação Geral da Vítima

O processo de avaliação geral da vítima divide – se em


Cinco situações distintas:

 1 Avaliação da cena
 2 Avaliação inicial
 3 Avaliação dirigida
 4 Avaliação Físico detalhada
 5 Avaliação continuada
Avaliação da Cena

O socorrista ao chegar no local da emergência deve observar o seguinte:

 Segurança da Cena procura dos riscos existente e proteção individual;

 Mecanismo do Trauma ou a natureza da doença da vítima;

 Números de vítima e começar o atendimento por prioridade e gravidade;

 Acionar Recursos adicionais se necessário;


Avaliação da Cena
Fonte rápida de informação no local da CENA

1. A CENA por si só;

2. A vítima, familiares, testemunha, curiosos;

3. O mecanismo do Trauma;

4. A posição da vítima, deformidades ou lesão óbvia;

5. Qualquer sinal ou sintoma indicativo de emergência clínica;


Avaliação Inicial
Avaliação Inicial

Durante a avaliação inicial os problemas que ameaçam


a vida por ordem de importância são:

Vias aéreas: se estiver desobstruídas, estabilizar a coluna vertical;

Respiração: verificar se ocorre expansão dos pulmões e se é simétrico;

Circulação: pulso, hemorragia, estado de choque, perfusão 2 seg.

Nota: (perfusão) Aperte o dedo da vítima e verifique se há retorno venoso.


Avaliação Inicial

Como realizar a avaliação INICIAL

1. Avalie o nível de consciência da vítima;

2. Avalie a respiração (técnica VOS) ver, ouvir e sentir;

3. Verifique a circulação (pulso) e a presença de hemorragias;

4. Decida a prioridade para transporte;


Avaliação Dirigida

Divide – se em três etapas:

1. Entrevista: Vítima, testemunhas e parentes;

2. Exame rápido: conforme queixa a vítima;

3. Sinais vitais: temperatura, pulso, respiração e pressão arterial;


Avaliação Física Detalhada

 Verificar cabeça (couro cabeludo) e testa;


 Verificar a face da vítima, inspecionar o nariz, boca, ouvido,

olhos e pálpebras;
Avaliação Continuada
Deverá ser feita durante o transporte da vítima, devendo o socorrista
avaliar constantemente os sinais vitais e os aspecto geral.

Lembrete: Sinais vitais - vias aéreas, respiração, circulação /


hemorragia, alterações neurológicas.

Pulso (Parâmetros): é a distensão ou a pulsação do vaso sanguíneo, por uma onda de


sangue enviada pelo ventrículo esquerdo, cada vez que se contrai.

 Recém – natos = 130 á 160 bpm


 Lactantes = 110 á 130 bpm
 Crianças = 80 á 120 bpm (bpm) batimento por minuto
 Adultos = 60 á 100 bpm
Pontos Principais de Verificação do Pulso
PCR ou RCP – Parada Cardiorrespiratória

Parada cardiorrespiratória é a parada do bombeamento do coração ou


quando o músculo cardíaco não se contrai ou não se distende com o
vigor necessário para que seja mantida uma circulação normal.

Suporte básico de vida (SBV) é uma medida de emergência para salvar


vidas, consiste no reconhecimento e correção da falência dos sistemas
respiratório e cárdiovascular.

Suporte avançado de vida (SAV) a diferença deste para o anterior é que


consiste no uso de equipamentos adicional, monitoração cardíaca,
desfibrilação, manutenção terapêutica líquida intravenosa e infusão de
medicamentos apropriados.
PCR

Finalidade: A (PCR) tem por objetivo em estabelecer


prontamente a circulação e a ventilação e mantê-las eficazes.

Sinais e Sintomas:
 Perda imediata da consciência
 Ausência de pulsação
 Ausência de sons cardíacos
 Dilatação das pupilas
 Palidez e cianose
 Morte aparente ou morte definitiva
Conduta do Socorrista

 Certifique se a vítima respira ou não;


 Caso não haja movimentos respiratório inicie imediatamente a
respiração boca a boca;
 A insuflação de ar deve ser feita após o enchimento de ar do socorrista,
que após circundar os lábios aberto da vítima soprará o mesmo para o
seu interior;
 Verifique o pulso e quais as suas características;
 Caso as duas insuflação inicial não restabeleçam os movimentos
cardíacos e o pulso normal inicie a massagem cardíaca externa (MCE);
Engasgamento
Acidentes Hemorrágicos

Hemorragia
Extra vazamento de sangue do organismo para a parte externa
ou interna devido a um trauma qualquer ou doença.

Bandagem
É o ato de aplicar uma espécie de atadura em torno do corpo,
com fins terapêuticos.
Ferimentos

Atuação de um agente químico sobre o corpo ou parte do


corpo, ocorrendo ou não o rompimento da pele (epiderme).
Ferimentos Fechados ou Abertos.

Obs: geralmente são acompanhados de dor e sangramento.


Ferimentos Fechados
 É o resultado de um impacto ou uma compressão,

podendo causar rompimento dos vasos sanguíneos com


extra vazamento de sangue.
 Pode ser detectado pelo inchaço ou pela coloração
(preta/azulada) e presença ou não de dor na área afetada.

O que fazer: em contusões aplicar compressa de água gelada


em até 48h e após compressa morna.
Sinais e Sintomas de Hemorragia
Reconhecimento de hemorragia interna:
 Pulso rápido
 Visão nublada
 Pele fria e pegajosa
 Sensação de frio com tremores
 Náuseas e vômitos
 Sede intensa
 transpiração abundante

Reconhecimento de hemorragia externa:


• Saída de sangue por feridas ou orifícios naturais;
• Presença de grandes hematomas;
• Sinais e sintomas de estado de choque;
Ferimentos Abertos

São ferimentos em que há rompimento da pele.

O que fazer:
 limpar e cobrir o ferimento com compressa ou pano limpo;

 em caso de sangramento compressão local;


 em caso de objeto perfurante não retirar o objeto a fim de evitar
sangramento;
 depois de encoberta e estancada a hemorragia não retirar
o curativo e encaminhar pra um serviço de emergência;
Queimaduras

CONCEITO:

É a lesão resultante do calor / frio direto ou indiretamente,


(radiação) sobre o corpo, seja de objetos quentes ou frios,
líquidos em ebulição, substâncias corrosivas, choque elétrico,
radiações infravermelhas e ultravioletas.
Nossa Pele
Profundidade da Lesão

1º grau: Quando atinge somente a epiderme, caracteriza


por vermelhidão da área atingida e pontos doloridos;

2º grau: Ocorre quando a epiderme é destruída totalmente


e a derme parcialmente, caracteriza pela presença de
bolhas, umidade na pele e regiões dolorosas ao toque;

3º grau: Quando ocorre destruição totalmente da pele,


tanto a epiderme quanto a derme, ou seja, quando atinge
todo o tecido de revestimento alcançando o tecido
gorduroso e muscular podendo em alguns casos chegar até
o osso;
Exemplos de Queimaduras

1º grau 2º grau / 3º grau


Animais Peçonhentos
Acidentes por aranhas
São três os gêneros de aranhas de importância médica no Brasil:
 Loxosceles “aranha-marro”
é importante causa de acidentes na região Sul. A aranha provoca
acidentes quando comprimida;
 Phoneutria "armadeira", "aranha-da-banana", "aranha-macaca”
a maioria dos acidentes é registrada na região Sudeste, principalmente
nos meses de abril e maio. É bastante comum o acidente ocorrer no
momento em que o indivíduo vai calçar o sapato ou a bota.
 Latrodectus ("viúva-negra")
encontradas predominantemente no litoral nordestino, causam acidentes
leves e moderados com dor local acompanhada de contrações
musculares,
Animais Peçonhentos

Acidentes por escorpião


Os escorpiões de importância médica estão distribuídos em todo o país,
causam dor no local da picada, com boa evolução na maioria dos
casos, porém crianças podem apresentar manifestações graves
decorrentes do envenenamento.

O que não fazer


 Não fazer torniquete, impedindo a circulação do sangue, isso pode
causar gangrena ou necrose local.
 Não cortar o local da ferida, para fazer 'sangria'.
 Não aplicar folhas, pó de café ou terra sobre a ferida, poderá
provocar infecção.
Animais Peçonhentos
Considere todas as mordidas de cobras como sendo de cobras venosas e
mantenha a vítima calma e deitada.
 Localizar a marca da mordedura e limpar o local com água e sabão.
 Cobrir com um pano limpo.
 Remover anéis, pulseiras e outros objetos que possam garrotear, em
caso de inchaço do membro afetado.
 Evitar que a vítima se movimente para não favorecer a absorção do
veneno.
 Tentar manter a área afetada no mesmo nível do coração ou, se
possível, abaixo dele.
 Levar a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo, para
receber o soro antiofídico.
 Se possível, levar o animal para que seja identificado e para que a
vítima receba o soro específico. Não se arrisque ou perca tempo caçando
o animal.
Animais Peçonhentos (fotos ilustrativas)
Aranha Marrom

Licosa sp

Escorpião Amarelo Cascavel


Reflexão…

“ Feliz é o (a) socorrista que Deus lhe


emprestou o dom da
observância “

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL


REGIONAL FERNANDÓPOLIS
OUTUBRO/2019

FIM