Você está na página 1de 24

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

m mm m
m 
   m  m
 m
m mm 
mm     

m m m 

 

 m 

Discente:.

Docente Orientadora:
Prof. Dra. Vera Guarim

Cuiabá/MT
Novembro de 2010
amm   


 esposta da comunidade cientifica as


mudanças provocadas pelo homem

 Parte prática:detecção e proteção de


grupos taxonômicos, comunidades e
habitats ameaçados
m m 
amm

 Grupo de espécies que apresentam pelo


menos uma das seguintes características
Segundo McGeoch (1998)

a) Indicador Ambiental

a) Indicador Ecológico

a) Indicador de Biodiversidade
m m 
amm

 Critérios a seguir para o uso de


indicadores terrestres

1. Taxonomia bem resolvida


2. Conhecer a história natural, genética
química e outros aspectos biológicos
3. Diversidade conveniente
4. Ciclo de Vida Curto
5. Diversidade Ecológica
m m 
amm

m.Fidelidade de Habitat
7.Associação estreita a recursos ou espécies
8.Sedentarismo
9. Facilidade na amostragem, triagem e
identificação
10. Pouco uso humano
a
a 
 a   

        

    

   


  
a
a m m 


 São no mínimo tão eficientes quanto aves e


mamíferos

 São menos sensíveis ao tamanho da área

 Mais adequadas para reconhecimento de


habitat e comunidades de plantas

 Gardner et al, 2008 estabelecem uma boa


relação custo beneficio para este grupo
a
a m m 


 São utilizadas representantes da guilda


de borboletas frugívoras

 São facilmente capturadas em


armadilhas de isca de fruta

 Permiti um estudo não destrutivo



m 

 Família Formicidae

 1m subfamilias

 29m gêneros

 10 mil espécies

m 

 Ampla distribuição geográfica, não


ocorrendo apenas no continente antártico

 Contraste

 1,5% dos insetos descritos

 Cerca de 15% de toda biomassa da fauna


de florestas tropicais

m 

 Favorecimento de uma série de


interações mutualísticas e antagonistas

 Presença bem mais constante em


determinadas áreas do que outros
grupos

m 
 


X Diminuem a taxa de herbívora


Aumentando o sucesso
reprodutivo da vegetação

X Dispersoras primárias e secundárias de


sementes
Influência na distribuição
espacial da vegetação

m 
 m

 Espécie Chave
 Enriquecimento do solo através das
lixeiras da colônia
 Transferência de nutrientes as camadas
superficiais do solo

m 
 m


 Também agem na dispersão de sementes

 Papel primordial no controle do


crescimento da vegetação

m 

m 

 Predadoras ao extremo

 Nômades

m 

m 

X Desfavorecem o estabelecimento de
espécies altamente competitivas, através
de mosaicos criados pelo seu
forrageamento

X Favorecem populações de aves seguidoras


de colônias, que se alimentam de
invertebrados que tentam fugir do
forrageamento
a

 Cerca de 175 famílias

 Cerca de 300 à 350 mil espécies em todo


mundo

 30% de todos os animais

 40% de todos os insetos


a


 Grande iqueza

 Ampla distribuição geográfica

 Abundancia durante todo ano

 Ocorrência em quase todos níveis tróficos

 Especialização em certos recursos


a
m m 


 Ambientes em inicio de sucessão ou


degradados favorecem espécies
herbívoras

 Ambientes em estágio avançado de


sucessão favorece espécies fungívoras e
carnívoras
a
m m 


       

   
Predadores dominantes no solo
   
Família mais diversa da Ordem
Indicadores de biodiversidade e de
prioridade de conservação
     
Importante na ciclagem de nutrientes
Alta especificidade de habitat
Importantes na aeração do solo e na dispersão
de sementes
m 

  ! 


 ! 

" #$%& 
a
m m 


4. Curculionidae

5. Elateridae

m. Cerambycidae

7. Chrysomelidae


 m amam
m 

Duarte C. F. , Bergallo H. G., Alves M. A. S. e Sluys M.


V.(organizadores). a   !
 .São Carlos.Editora IMA. 357-383p