Você está na página 1de 38

ALGUMAS DAS NOVAS TENDÊNCIAS NA GOVERNAÇÃO CORPORATIVA E GESTÃO DO RISCO COM IMPACTO NA PROFISSÃO DE AUDITOR INTERNO

Eng. Ladislau Ventura Ph.D.

FACTO
Um acordo para reforçar os bancos em caso de crise foi recentemente adoptado em Basileia (noroeste da Suíça). As autoridades de controle suíças consideram que esse é um passo na boa direcção enquanto certos bancos estão inquietos com as novas regras adoptadas para aumentam as reservas.

O plano adoptado em Basileia prevê notadamente um aumento dos fundos próprios dos bancos, a fim de reforçar sua estrutura frente a futuras crises.
Esse texto, oficialmente chamado “Basileia III, vai contribuir “para a estabilidade financeira à longo prazo” e “ao crescimento”, declarou Jean-Claude Trichet, presidente do Banco Central Europeu (BCE) e do grupo de governadores e de dirigentes das autoridades de vigilância, através de um comunicado.

CITAÇÃO
“EMBORA A AUDITORIA INTERNA TENHA FEITO AVANÇOS SIGNIFICATIVOS NA SUA EFICIÊNCIA, AINDA HÁ MUITO TRABALHO POR FAZER” (Jonathan Calvert-Davies – UK internal audit services leader at PwC)

CITAÇÃO .

.

Fonte: PricewaterHouseCoopers 2009 .Os perfis do risco estão mudando • O risco de não cumprimento das obrigações financeiras mudou • Mudança do foco dos controlos do relatório financeiro para os riscos de não cumprimento das obrigações financeiras estratégicas • O risco estratégico/objecto social e e o risco operacional contribuem em 80% para o rápido declínio do valor das acções dos accionistas.

.

considerar os riscos dos homólogos e dos sócios •Aumento contínuo do foco no negócio IMPACTO • Diminuir a ênfase da possibilidade mas foco na vulnerabilidade • Maior compromisso dos líderes com a estratégia de gestão do risco • Estratégia de mitigação do risco para além das fronteiras institucionais • Necessidade de um programa de auditoria flexível para dar respostas céleres aos riscos emergentes .Mudanças na Gestão do Risco TENDÊNCIAS • Vulnerabilidade versus probabilidade • Avançar para a contínua analise do risco e das capacidades de gestão do risco • Avaliação do risco em toda a organização.

.

seus accionistas e de outros intervenientes. (Fonte OECD) .DEFINIÇÃO DE GOVERNAÇÃO CORPORATIVA • Governação corporativa envolve um conjunto de relações entre a gestão da instituição. • A governação corporativa é também a estrutura pela qual se criam os objectivos da organização. seu conselho de direcção. e o meio de se conseguir e determinar esses objectivos e monitorizar o desempenho.

.

DEFINIÇÃO DE GOVERNAÇÃO CORPORATIVA • Existem muitas outras definições. descrever a governação como políticas. tais como. mas com certos elementos em comum. processos e estruturas usadas por uma organização: • • • • Para direccionar e controlar suas actividades Para alcançar os seus objectivos Para proteger os interesses de seus accionistas Para dar consistência dos padrões de ética apropriados .

.

para aqueles que executam actividades diárias de gestão dos riscos da organização • É um feedback aos órgãos de direcção da instituição. sobre a eficácia dos processos de gestão do risco implementados • Permite que as entidades e os órgão de direcção da instituição exerçam o seu papel de supervisão .ESTRUTURA DA GOVERNAÇÃO CORPORATIVA • Providencia orientação.

ESTRUTURA DA GOVERNAÇÃO CORPORATIVA .

ESTRUTURA DA GOVERNAÇÃO CORPORATIVA • Governação • Gestão de risco • Controlo Interno .

.

ACTORES DA GOVERNAÇÃO CORPORATIVA • Conselho de Direcção • Gestores Executivos • • • • Gestores Operacionais Funções de Controlo Auditoria Interna Auditoria Externa .

.

INTERACÇÃO ENTRE OS ACTORES Supervisão e Monitorização Garantia Gestão Operacional CONSELHO 1 2 3 4 Funções de Controlo Auditoria Interna EXECUTIVO Auditoria Externa .

.

até certo ponto. em vez de ser baseada na organização – O Conselho de Direcção não estabeleceu as métricas do apetite de risco – Falta de divulgação dos risco previsíveis – Sistemas de remuneração não relacionados com a estratégia de riscos . ser atribuída às seguintes falhas no processo de GC: – A informação não chega até o Conselho de Direcção – Sistema de GR baseado nas actividades. a actual crise pode.FALHAS NO PLANO DE GOVERNAÇÃO CORPORATIVA • Segundo um relatório recente da OECD.

.

ACTUAL ESTRUTURA REGULADORA DE GOVERNAÇÃO CORPORATIVA NA UE Lei COMPASSIVA: • Códigos Nacionais de Governação Corporativa Lei COMPACTA • 4ª E 7ª Directivas – Declaração de GC (Descrição CI.…) – Os membros do Conselho de Direcção são colectivamente responsáveis pelas Declarações Financeiras e pelos dados não financeiros • 8ª Directiva: Requer o comité de auditoria monitorizar: – O processo de elaboração de relatório – A eficácia dos sistemas GR e CI. e AI (se aplicável) – O processo estatutário de auditoria e independência estatutária do auditor . direitos dos accionistas.

.

2.b. «o comité de auditoria deve monitorizar a eficácia dos processos de GR e CI…» . Ex: 8ª Directiva. Artigo 41.É PRECISO MAIS UM GUIA REGULADOR? • Não é necessário EURO Sox (Directivas da UE) • Necessidade urgente de um guia para a EU sobre os princípios e critérios de alto nível sobre regulamentos específicos da UE.

.

que actue de acordo com os Padrões Internacionais e com o Código de Éticas para a pratica profissional de auditoria interna. estabelecidos pelo IIA Inc. da gestão do risco. .PONTO DE VISTA DA Confederação Europeia dos Institutos de Auditoria Interna Os propósitos da CEIAI sobre o futuro guia da Confederação Europeia devem reconhecer: • A auditoria interna como fonte primária de razoável segurança no alcance dos objectivos. • Que as melhores praticas sirvam para estabelecer e manter a auditoria interna equipada com pessoal adequado e competente. e do acompanhamento dos processos de controlo de uma organização. tendo em conta a eficácia da governação corporativa.

.

CEIOPS(Committee of European Insurance and Occupational Pensions Supervisors). Europanissuers. …). para terem sucesso. a CEIAI está activamente a promover a contribuição da nossa profissão no engrandecimento da Governação Corporativa na EU.INICIATIVAS DE ADVOCACIA DA CEIAI • Para além de fazer lobbies junto de relevantes personalidades e instituições da União Europeia (Comissão Europeia/Parlamento Europeu. ECGF(European Corporate Governance Forum ). essas iniciativas pan-europeias devem ser complementadas com recomendações coerentes e coordenadas com esforços a nível nacional . FERMA-Federation of European Risk Management Associations.…) • Mas. em conjunto com outros intervenientes à nível da Europa (ecoDa-European Confederation of Directors' Associations ). CEBS(Committee of European Banking Supervisors). CESR(Committee of European Securities Regulators). FEE.

.

RECOMENDAÇÕES NACIONAIS A NÍVEL DA UNIÃO EUROPEIA • ecoDa • EuropeanIssuers • BusinessEurpoe • FEE A NÍVEL NACIONAL (Ex: Republica Checa) CIOD n/a Confederação Industrial da CR (SPCR) Komora Auditoru CR (KACR) Associação de Seguro e Gestão de Risco do CR (ASPAR-CZ) • • • • • FERMA • .

Estas falhas foram causadas por mudanças nas características do risco.A gestão do risco. . tendo em conta as mudanças no risco. • 3. que não foram identificadas à tempo e. • 2.A crise demonstrou que falhas na gestão do risco foram fundamentais para a sua concretização. não foram tratadas de forma adequada. por conseguinte. impõe nova abordagem na projecção e estruturação da governação corporativa.RECAPITULANDO… • 1.As respostas na esfera da governação corporativa têm impacto no exercício da actividade do auditor interno. • 4.

Estudo do estado da profissão de auditoria interna 2010) .RECAPITULANDO… 5.ÁREAS CHAVES DE APRIMORAMENTO DA AUDITORIA INTERNA: (Fonte: PwC.

RECAPITULANDO… • Suporte à governação corporativa • Continuar a melhorar a análise do risco • Consideração do risco não financeiro e das funções de cumprimento • Resposta às pressões correntes do mercado • Uso mais produtivo da tecnologia .

RECAPITULANDO… • 6.O reconhecimento da actividade de AI como uma profissão tem implicações políticas. sociais e tecnológicas. .

RECAPITULANDO… A AUDITORIA INTERNA SERÁ DORAVANTE CADA VEZ MAIS PRESSIONADA A IR AO ENCONTRO DAS EXPECTATIVAS CRESCENTES DOS CONSELHOS. SEM QUE TENHA UMA MUDANÇA RADICAL NA SUA FORMA DE TRABALHAR .

RECAPITULANDO… .