Você está na página 1de 39

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

NORMA

BRASILEIRA

ABNT NBR ISO

7240-5

Primeira edição

03.11.2008

Válida a partir de

03.12.2008

Sistemas de detecção e alarme de incêndio Parte 5: Detectores de temperatura pontuais

Fire detection and alarm systems Part 5: Point-type heat detectors

Palavras-chave: Incêndio. Alarme e detecção de incêndio. Descriptors: Fire. Fire detection and alarm.

ICS 13.220.20

ISBN 978-85-07-01074-6

Impresso por: PETROBRAS

ICS 13.220.20 ISBN 978-85-07-01074-6 Impresso por: PETROBRAS Número de referência ABNT NBR ISO 7240-5:2008 33 páginas

Número de referência ABNT NBR ISO 7240-5:2008 33 páginas

© ISO 2003 - © ABNT 2008

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

© ISO 2003

Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou utilizada por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito da ABNT, único representante da ISO no território brasileiro.

© ABNT 2008

Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou utilizada por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito da ABNT.

ABNT Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar 20031-901 - Rio de Janeiro - RJ Tel.: + 55 21 3974-2300 Fax: + 55 21 3974-2346 abnt@abnt.org.br www.abnt.org.br

ii

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Sumário

 

Página

Prefácio Nacional

 

iv

Introdução

v

1

Escopo

1

2

Referências normativas

 

1

3

Termos e definições

1

4

Requisitos gerais

2

4.1

Generalidades

2

4.2

Classificação

2

4.2.1

Classes gerais

2

4.2.2

Detectores com sufixo R e S

3

4.3

Posição dos elementos sensíveis à temperatura

3

4.4

Indicação de alarme individual

3

4.5

Conexão de dispositivos auxiliares

3

4.6

Monitoração de detectores removíveis

3

4.7

Ajustes do fabricante

 

3

4.8

Ajuste local do comportamento de resposta do detector

3

4.9

Marcação

4

4.10

Dados

4

4.11

Requisitos para detectores controlados por software

4

5

Ensaios

6

5.1

Generalidades

 

6

5.2

Dependência direcional

10

5.3

Temperatura estática de resposta

10

5.4

Tempos de resposta a partir da temperatura típica de aplicação

10

5.5

Tempos de resposta a partir de 25 °C

11

5.6

Tempos de resposta a partir de alta temperatura ambiente, calor seco (operacional)

12

5.7

Variação nos parâmetros da energia elétrica

12

5.8

Reprodutibilidade

 

13

5.9

Frio (operacional)

13

5.10

Calor seco (resistência)

14

5.11

Calor

úmido (operacional)

15

5.12

Calor úmido, condição estável (resistência)

16

5.13

Corrosão por dióxido de enxofre (SO 2 ) (resistência)

17

5.14

Choque

(operacional)

 

18

5.15

Impacto

(operacional)

20

5.16

Vibração,

senoidal

(operacional)

21

5.17

Vibração,

senoidal

(resistência)

22

6

Ensaios adicionais para detectores com sufixos de classe

24

6.1

Ensaio do índice do tempo resposta para detectores com sufixo S

24

6.2

Ensaio de detectores com sufixo R

25

7

Relatório do ensaio

 

25

Anexo A (normativo) Túnel de calor para medição do tempo de resposta e da temperatura de resposta

26

Anexo B (informativo) Construção do túnel de calor

27

Anexo C (informativo) Derivação dos limites superior e inferior dos tempo de resposta

29

Anexo D (informativo) Aparelho para o ensaio de impacto

32

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

iii

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Prefácio Nacional

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras,

cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização

Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE), são elaboradas por Comissões de

Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores

e neutros (universidade, laboratório e outros).

Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras das Diretivas ABNT, Parte 2.

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) chama atenção para a possibilidade de que alguns dos

elementos deste documento podem ser objeto de direito de patente. A ABNT não deve ser considerada

responsável pela identificação de quaisquer direitos de patentes.

A ABNT NBR ISO 7240-5 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Segurança Contra Incêndio (ABNT/CB-24),

pela Comissão de Estudo de Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio (CE-24:202.03). O Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 09, de 29.08.2008 a 29.09.2008, com o número de Projeto 24:202.03-002-5.

Esta Norma é uma adoção idêntica, em conteúdo técnico, estrutura e redação, à ISO 7240-5:2003/Cor1:2005 que foi elaborada pelo Technical Committee Equipment for fire protection and fire fighting (ISO/TC 21), Subcommittee Fire detection and alarm systems (SC 3), conforme ISO/IEC Guide 21-1:2005.

Este Projeto de Norma incorpora o Technical Corrigendum 1 de 2005.

A ABNT NBR ISO 7240, sob o título geral “Sistemas de detecção e alarme de incêndio”, tem previsão de conter as

seguintes partes:

Parte 1: Generalidades e definições;

Parte 4 * : Equipamento de suplemento de energia;

Parte 5: Detectores de temperatura do tipo pontual;

Parte 6: Detectores de monóxido de carbono;

Parte 7: Detectores de fumaça do tipo pontual usando difusão da luz, luz transmitida ou ionização;

Parte 11: Dispositivos manuais de alarme;

Parte 14: Diretrizes para códigos de prática para o projeto, instalação e uso de sistemas de detecção e alarme de incêndio dentro e em torno de edificações [Relatório Técnico];

Parte 15: Detectores de incêndio multipontos.

iv

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

Introdução

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Esta parte da ISO 7240 foi elaborada pelo Subcomitê ISO/TC 21/SC 3 e foi baseada em um projeto preparado pelo Comitê Técnico de Normas Européias CEN/TC 72 "Sistemas de detecção e alarme de incêndio".

É exigido que um sistema de detecção e alarme de incêndio funcione satisfatoriamente não apenas no caso de

um incêndio, mas também durante e após exposição às condições possíveis de serem encontradas na prática,

como corrosão, vibração, impacto direto, choque mecânico indireto e interferência eletromagnética. Alguns ensaios especificados são destinados à avaliação do desempenho dos detectores de temperatura sob tais condições.

O desempenho de detectores de temperatura é avaliado a partir dos resultados obtidos em ensaios específicos;

a ABNT NBR ISO 7240-5 não se destina a colocar quaisquer outras restrições no projeto e na construção

de tais detectores.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

v

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

Impresso por: PETROBRAS

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

NORMA BRASILEIRA

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Sistemas de detecção e alarme de incêndio Parte 5: Detectores de temperatura pontuais

1 Escopo

Esta parte da ABNT NBR ISO 7240 especifica os requisitos, os métodos de ensaio e os critérios de desempenho para detectores de temperatura pontuais para uso na detecção e alarme de incêndios para edificações (ver a ABNT NBR ISO 7240-1).

Para outros tipos de detector de temperatura, ou para detectores destinados a uso em outros ambientes, esta parte da ABNT NBR ISO 7240 pode ser utilizada somente como referência. Detectores de temperatura com características especiais e desenvolvidos para riscos específicos não são cobertos por esta parte da ABNT NBR ISO 7240.

2 Referências normativas

Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste Documento Técnico ABNT. Para referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se as edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas). Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras das Diretivas ABNT, Parte 2.

ISO 209-1, Wrought aluminium and aluminium alloys – Chemical composition and forms of products – Part 1: Chemical composition

ABNT NBR ISO 7240-1, Sistemas de detecção e alarme de incêndio - Parte 1: Generalidades e definições

IEC 60068-1, Environmental testing – Part 1: General and guidance

IEC 60068-2-1, Environmental testing – Part 2-1: Tests. Tests A: Cold

IEC 60068-2-2, Environmental testing – Part 2-2: Tests. Tests B: Dry heat

IEC 60068-2-6, Environmental testing – Part 2-6: Tests. Tests Fc: Vibration (sinusoidal)

IEC 60068-2-27, Environmental testing – Part 2-27: Tests. Tests Ea and guidance: Shock

IEC 60068-2-30, Environmental testing – Part 2-30: Tests — Test Db: Damp heat, cyclic (12 h + 12 h cycle)

IEC 60068-2-42, Environmental testing – Part 2-42: Tests — Tests Kc: Sulphur dioxide test for contacts and connections

EN 50130-4, Alarm systems — Part 4: Electromagnetic compatibility —Product family standard: Immunity requirements for components of fire, intruder and social alarm systems

3 Termos e definições

Para os efeitos deste documento, aplicam-se os seguintes termos e definições.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

1

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

3.1

temperatura de aplicação típica temperatura que pode ser esperada a ser observada por longos períodos de tempo na ausência de uma condição

de alarme de incêndio

NOTA Esta temperatura é considerada como sendo 29 °C abaixo da temperatura estática mínima de resposta, correspondendo à classe marcada no detector, como especificado na Tabela 1.

3.2

temperatura maxima de aplicação temperatura máxima que pode ser esperada a ser observada, mesmo por curtos períodos de tempo, na ausência de uma condição de incêndio

NOTA Esta temperatura é considerada como sendo 4 °C abaixo da temperatura estática mínima de resposta, correspondendo à classe marcada no detector, como especificado na Tabela 1.

3.3

temperatura estática de resposta temperatura na qual o detector produziria um sinal de alarme, se sujeito a uma taxa extremamente pequena de elevação de temperatura

NOTA

medição desta temperatura, todavia, taxas menores podem ser requeridas em algumas circunstâncias (ver 5.3).

Taxas de elevação de temperatura de aproximadamente 0,2 K/min são normalmente consideradas adequadas para

4

Requisitos gerais

4.1

Generalidades

Para cumprir com esta parte da ABNT NBR ISO 7240, o detector deve satisfazer os requisitos desta seção, o que deve ser verificado por inspeção visual ou avaliações de engenharia, e deve ser ensaiado conforme especificado na Seção 5 e se aplicável, na Seção 6; e deve satisfazer os requisitos dos ensaios correspondentes à(s) sua(s) classe(s), conforme marcada(s).

4.2 Classificação

4.2.1 Classes gerais

Os detectores devem estar em concordância com uma ou mais das seguintes classes: A1, A2, B, C, D, E, F ou G de acordo com os requisitos dos ensaios especificados na Seção 5 (ver Tabela 1).

Tabela 1 — Temperatura de classificação dos detectores

Classe

Temperatura típica de aplicação °C

Temperatura máxima de aplicação °C

Temperatura mínima estática de resposta ºC

Temperatura máxima estática de resposta °C

de

detector

A1

25

50

54

65

A2

25

50

54

70

B

40

65

69

85

C

55

80

84

100

D

70

95

99

115

E

85

110

114

130

F

100

125

129

145

G

115

140

144

160

2

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

4.2.2 Detectores com sufixo R e S

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Os fabricantes podem opcionalmente fornecer informação adicional referente ao tipo de resposta apresentado pelo detector, acrescentando o sufixo "S" ou "R" nas classes acima. Detectores marcados com uma letra "S" ou "R" como sufixo, além da marcação da classe, devem ser ensaiados de acordo com o ensaio aplicável, como especificado na Seção 6, e devem satisfazer os requisitos daquele ensaio adicionalmente aos ensaios da Seção 5.

Detectores com um sufixo "S" depois da marcação da sua classe não respondem abaixo da temperatura estática de resposta correspondente à sua classificação (ver a Tabela 1), mesmo em altas taxas de elevação da temperatura do ar.

Detectores com um sufixo "R" depois da marcação da sua classe incorporam uma característica de taxa de elevação que satisfaz os requisitos de tempo de resposta (ver 5.4.3) para altas taxas de elevação da temperatura do ar, mesmo quando partindo de temperaturas do ar substancialmente abaixo da temperatura típica de aplicação.

4.3 Posição dos elementos sensíveis à temperatura

Cada detector deve ser construído de tal modo que pelo menos parte do(s) seu(s) elemento(s) sensível(eis), exceto elementos com funções auxiliares (por exemplo, corretores de características), esteja a 15 mm da superfície de montagem do detector.

4.4 Indicação de alarme individual

Detectores das classes A1, A2, B, C ou D devem ser equipados com um indicador visual vermelho integrado, por meio do qual o detector individual que dispara um alarme possa ser identificado até que a condição de alarme seja cancelada. Onde outras condições do detector podem ser indicadas visualmente, devem ser claramente distinguíveis da indicação de alarme, exceto quando o detector é colocado em modo de serviço. Para detectores removíveis, o indicador deve ser integrado à base ou ao corpo do detector. O indicador visual deve ser visível de uma distância de 6 m e em até 5° do eixo do detector em qualquer direção, com uma intensidade da luz ambiente de até 500 lx.

Detectores das classes E, F ou G devem ser equipados ou com um indicador vermelho integrado ou com algum outro recurso para indicar localmente a condição de alarme do detector.

4.5 Conexão de dispositivos auxiliares

Onde o detector dispõe de conexões para dispositivos auxiliares (por exemplo, indicadores remotos, relês de controle), falhas de circuito aberto ou de curto-circuito destas conexões não devem evitar o funcionamento correto do detector.

4.6 Monitoração de detectores removíveis

Para detectores removíveis, deve ser previsto um meio para um sistema de monitoração remota (por exemplo, para o equipamento de controle e indicação) detectar a remoção do corpo da base, para dar um sinal de falha.

4.7 Ajustes do fabricante

Não pode ser possível alterar os ajustes do fabricante, exceto mediante o uso de meios especiais (por exemplo, um código ou ferramenta especial, ou mediante quebra ou remoção de um selo).

4.8 Ajuste local do comportamento de resposta do detector

Caso haja possibilidade de ajuste local do comportamento de resposta do detector, então aplica-se o seguinte.

a) Deve ser declarada uma classe correspondente para cada ajuste para a qual o fabricante declara concordância com esta parte da ABNT NBR ISO 7240 e, para cada um de tais ajustes, o detector deve estar em conformidade com os requisitos desta parte da ABNT NBR ISO 7240 para a classe correspondente. Acesso aos meios de ajuste somente deve ser possível mediante o uso de um código ou ferramenta especial, ou removendo o detector de sua base ou suporte de montagem.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

3

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

b) Quaisquer ajustes para os quais o fabricante não declara conformidade com esta parte da ABNT NBR ISO 7240 somente devem ser acessíveis mediante o uso de um código ou ferramenta especial; deve estar claramente marcado no detector ou nos dados associados que, se estes ajustes forem alterados, o detector não estará mais em conformidade com esta parte da ABNT NBR ISO 7240.

Estes ajustes podem ser realizados no detector ou no equipamento de controle e indicação.

4.9 Marcação

Cada detector deve ser claramente marcado com a seguinte informação:

a) uma referência a esta parte da ABNT NBR ISO 7240 (ou seja, ABNT NBR ISO 7240-5);

b) classe(s) do detector (por exemplo, A1, A1R, A1S, A2, B etc.). Se o detector oferecer possibilidade de ajuste

da classe no seu local de instalação (ver 4.8), então a marcação da classe deve ser substituída pelo

símbolo "P";

c) nome da marca registrada do fabricante ou fornecedor;

d) designação do modelo (tipo ou número);

e) designações dos terminais para ligação da fiação;

f) alguma(s) marcação(ões) ou código(s) (por exemplo, número de série ou código do lote de fabricação)

através da(s) qual(ais) o fabricante pode identificar pelo menos a data ou lote e local de fabricação,

e o(s) número(s) da versão de qualquer software contido no detector.

Para detectores removíveis, o corpo do detector deve ser marcado conforme alíneas a), b), c), d) e f), e a base deve ser marcada com pelo menos d) e e).

Onde a marcação no dispositivo usa símbolos ou abreviaturas que não são de uso comum, então estes(as) devem ser explicados(as) nos dados fornecidos com o dispositivo.

A marcação deve ser visível durante a instalação do detector, e deve ser acessível durante a manutenção.

As marcações não podem ser aplicadas sobre parafusos ou outras peças facilmente removíveis.

4.10 Dados

O detector deve ser fornecido com dados técnicos suficientes para instalação e manutenção para permitir sua instalação e operação correta. Se todos estes dados não forem fornecidos com cada detector, uma referência aos dados apropriados deve constar no detector ou ser fornecida juntamente com cada detector.

Para possibilitar a operação correta dos detectores, estes dados devem descrever os requisitos para o processamento correto dos sinais do detector. Isto pode ser em forma de uma especificação técnica completa destes sinais, uma referência ao protocolo de sinalização apropriado ou uma referência a tipos adequados de equipamentos de controle e indicação etc.

Para detectores com possibilidade de ajuste local de sua classe, estes dados devem identificar as classes aplicáveis e devem descrever o método de programação (por exemplo, mediante a seleção da posição de uma chave seletora no detector ou um ajuste a partir de um menu no equipamento de controle e indicação).

Informação adicional pode ser solicitada por organizações certificando que os detectores estão em conformidade com os requisitos desta parte da ABNT NBR ISO 7240.

4.11 Requisitos para detectores controlados por software

4.11.1 Generalidades

Para detectores controlados por software, os requisitos de 4.11.2, 4.11.3 e 4.11.4 devem ser satisfeitos para cumprir com os requisitos desta parte da ABNT NBR ISO 7240.

4

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

4.11.2 Documentação de software

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

4.11.2.1 O fabricante deve apresentar a documentação que fornece um resumo do projeto do software.

Esta documentação deve ser suficientemente detalhada para possibilitar que seja inspecionada a conformidade do projeto com esta parte da ABNT NBR ISO 7240, e deve incluir no mínimo o seguinte:

a) uma descrição funcional do programa principal (por exemplo, um fluxograma ou esquema), incluindo

o

seguinte:

1)

uma breve descrição dos módulos e das funções que realizam,

2)

o modo como os módulos interagem,

3)

a hierarquia geral do programa,

4)

o modo como o software interage com o hardware do detector,

5)

o modo como os módulos são acessados, inclusive qualquer processamento de interrupção;

b) uma descrição de quais áreas da memória são usadas para as várias finalidades (por exemplo, programa, dados específicos do local de instalação e dados de funcionamento);

c) uma designação por meio da qual seja possível identificar o software e sua versão de modo claro

e inequívoco.

4.11.2.2 O fabricante deve manter disponível documentação detalhada do projeto, a ser fornecida somente

se solicitada pela autoridade de ensaio. Esta deve conter no mínimo o seguinte:

a) uma vista geral da configuração completa do sistema, inclusive todos os componentes de hardware

e de software;

b) uma descrição de cada módulo do programa, contendo pelo menos

1)

o nome do módulo,

2)

uma descrição das tarefas desempenhadas,

3)

uma descrição das interfaces, inclusive do tipo da transferência de dados, a faixa de dados válidos e verificação dos dados válidos;

c) lista completa dos códigos-fonte, em papel ou em forma legível por máquina (por exemplo, código ASCII), inclusive variáveis globais e locais, constantes e labels usados, e comentário suficiente para reconhecimento do fluxograma do programa;

d) detalhes sobre quaisquer ferramentas de software usadas na fase de projeto e de implementação (por exemplo, ferramentas CASE, compiladores).

4.11.3 Projeto do software

Para assegurar a confiabilidade do detector, os seguintes requisitos devem ser aplicados para o projeto do software:

a)

o

software deve ter uma estrutura modular;

b)

projeto das interfaces para os dados gerados manual ou automaticamente não deve permitir que dados inválidos provoquem erro na operação do programa;

o

c)

o

software deve ser projetado para evitar a ocorrência de um travamento no fluxo do programa.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

5

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

4.11.4 O armazenamento dos programas e dos dados

O programa necessário para cumprir com esta parte da ABNT NBR ISO 7240 e quaisquer dados predefinidos,

como ajustes do fabricante, devem ser arquivados em uma memória não-volátil. Gravar em áreas da memória não-volátil contendo dados do programa e estes dados devem ser possíveis somente com uso de alguma ferramenta especial ou código, e não devem ser possíveis durante a operação normal do detector.

Dados específicos em local de instalação do detector devem ser arquivados em uma memória que retenha dados durante pelo menos duas semanas sem energia externa ao detector, salvo se, após uma falha de energia, for providenciada uma recuperação automática de tais dados dentro de 1 h após o retorno da energia.

5

Ensaios

5.1 Generalidades

5.1.1 Condições atmosféricas para os ensaios

Salvo especificação em contrário em um procedimento de ensaio, o ensaio deve ser realizado após a amostra ter se estabilizado nas condições da atmosfera padrão para ensaio conforme especificado na IEC 60068-1 e como segue:

— temperatura:

(15 a 35) °C;

— umidade relativa:

(25 a 75) %;

— pressão do ar:

(86 a 106) KPa.

Se variações nestes parâmetros tiverem efeito significativo sobre uma medição, então tais variações devem ser mantidas ao mínimo durante uma série de medições realizadas como parte do ensaio de uma amostra.

5.1.2 Condições operacionais para ensaios

Se um método de ensaio requerer que uma amostra seja colocada em funcionamento, então a amostra deve ser conectada a um equipamento de alimentação e monitoramento adequado, com características como requerido pelos dados do fabricante. Salvo especificação em contrário no método de ensaio, os parâmetros da alimentação aplicada à amostra devem ser ajustados dentro da(s) faixa(s) especificada(s) pelo fabricante e devem permanecer substancialmente constantes ao longo dos ensaios. O valor selecionado para cada parâmetro normalmente deve ser o valor nominal, ou a média da faixa especificada. Se um procedimento de ensaio requerer que uma amostra seja monitorada para detectar quaisquer sinais de alarme ou de falha, então as conexões devem ser feitas em quaisquer dispositivos auxiliares (por exemplo, através de fiação até um dispositivo de fim-de-linha para detectores convencionais, para permitir o reconhecimento de um sinal de falha).

Os detalhes do equipamento de alimentação e monitoração e os critérios de alarme usados devem constar no relatório de ensaios (Seção 7).

5.1.3 Instruções de montagem

A amostra deve ser montada com os seus recursos normais de fixação de acordo com as instruções do fabricante. Se estas instruções descreverem mais de um método de montagem, então o método considerado é o mais desfavorável que deve ser escolhido para cada ensaio.

5.1.4 Tolerâncias

Salvo especificação em contrário, as tolerâncias para os parâmetros de ensaios ambientais devem ser como especificada nas normas básicas de referência para o ensaio (por exemplo, a parte relevante da IEC 60068).

Se não for definida uma tolerância ou um limite específico para o desvio em um requisito ou procedimento

de ensaio, então deve ser aplicado um limite de desvio de 5 %.

6

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

5.1.5 Medição do tempo de resposta

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Montar a amostra para a qual deve ser medido o tempo de resposta em um túnel de calor (Anexo A) como especificado em 5.1.3. A amostra deve ser conectada a um equipamento de alimentação de energia

e monitoramento adequado(s), de acordo com 5.1.2.

A orientação da amostra em relação à direção do fluxo de ar deve ser a que fornece o tempo máximo de resposta

no ensaio de dependência direcional em 5.2, salvo especificação em contrário.

Antes da medição, estabilizar a temperatura do fluxo de ar e da amostra à temperatura especificada no procedimento aplicável. A medição é então feita por aumento da temperatura do ar no túnel de calor linearmente em relação ao tempo e à velocidade de elevação especificada no procedimento aplicável, até que o equipamento de alimentação de energia e monitoramento indique um alarme ou até atingido o limite superior do tempo de resposta. Durante a medição, o fluxo de ar deve ser mantido a um fluxo de massa constante, equivalente

a (0,8 0,1) m/s a 25 °C. A temperatura do ar deve ser controlada dentro de 2 K da temperatura nominal requerida a qualquer momento durante o ensaio (ver Anexo A).

O tempo de resposta é medido do momento em que a temperatura começa a subir até a indicação de um alarme pelo equipamento de alimentação de energia e monitoramento. O tempo efetivo de início do aumento da temperatura pode ser estabelecido por extrapolação linear das linhas de temperatura estabilizada e subindo em relação ao tempo.

Tomar cuidado para não expor os detectores a danos por choque térmico quando da transferência para e de uma temperatura de estabilização ou de alarme.

NOTA

Detalhes e informações referentes ao projeto do túnel de calor podem ser vistos nos Anexos A e B.

5.1.6 Providências para os ensaios

Os dados especificados em 4.10 mais a seguinte quantidade de detectores devem ser providenciados para ensaiar em conformidade com esta parte da ABNT NBR ISO 7240:

a) para detectores resetáveis:

15 detectores;

b) para detectores não resetáveis:

62 detectores;

c) para detectores não resetáveis com sufixo S:

63 detectores;

d) para detectores não resetáveis com sufixo R:

68 detectores.

As amostras a serem submetidas aos ensaios devem ser consideradas representativas da produção normal do fabricante quanto à sua construção e calibração.

5.1.7 Ordenação dos ensaios

Amostras resetáveis devem ser arbitrariamente numeradas de 1 até 15 pela organização realizadora dos ensaios

e ensaiadas conforme a Tabela 2.

Para detectores com recursos de ajuste de sua classe no local de sua instalação, se aplica o seguinte:

a) os ensaios conforme especificado em 5.3, 5.4, 5.5, 5.6, 5.8, 6.1 e 6.2 devem ser aplicados para cada classe apropriada;

b) o ensaio como especificado em 5.10 deve ser aplicado para a classe com o índice de temperatura mais alto;

c) todos os outros ensaios devem se aplicar a pelo menos uma classe.

Amostras não resetáveis devem ser arbitrariamente numeradas de 1 até 62, 1 até 63, ou 1 até 68, de acordo com

a classe, pela organização realizadora dos ensaios e ensaiadas conforme a Tabela 3.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

7

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Tabela 2 — Seqüência de ensaios para detectores resetáveis

     

Amostra n os .

 

Ensaiadas às seguintes velocidades de elevação da temperatura do ar K/min

Ensaio

Ensaio

Sub-

de

seção

imersão

< 0,2

1

3

5

10

20

30

Dependência direcional

5.2

1

Temperatura estática de resposta

5.3

1,2

Tempo de resposta a partir da temperatura típica de aplicação

5.4

1,2

1,2

1,2

1,2

1,2

1,2

Tempo de resposta a partir de 25 °C

5.5

1

1

Tempo de resposta a partir de alta temperatura ambiente

5.6

1

1

Variação nos parâmetros da alimentação de enegia

5.7

1,2

1,2

Reprodutibilidade (tempos de resposta antes dos ensaios ambientais)

5.8

3 a 15

3 a 15

Frio (operacional)

5.9

3

3

Calor seco (resistência às condições de ensaio)

5.10

4

4

Calor úmido, cíclico (operacional)

5.11

5

5

Calor úmido, condição estável (resistência às condições de ensaio)

5.12

6

6

Anidrido sulfuroso (SO 2 ) (resistência às condições do ensaio)

5.13

7

7

Choque mecânico (resistência às condições do ensaio)

5.14

8

8

Impacto (operacional)

5.15

9

9

Vibração senoidal (operacional)

5.16

10

10

Vibração senoidal (resistência às condições do ensaio)

5.17

10

10

Descarga eletrostática (operacional)

5.18

11

a

11

a

Campos eletromagnéticos irradiados (operacional)

5.18

12ª

12ª

Perturbações conduzidas induzidas por campos eletromagnéticos (operacional)

5.18

13ª

13ª

Surto transiente rápido (operacional)

5.18

14ª

14ª

Surto lento de tensão de alta energia (operacional)

5.18

15ª

15ª

Ensaio adicional para detectores com sufixo S

6.1

1

Ensaio adicional para detectores com sufixo R

6.2

1,2

1,2

1,2

a No interesse da economia do ensaio, é permitido usar a mesma amostra para mais de um ensaio de CEM. Neste caso, ensaios intermediários de funcionamento nas amostras usadas para mais de um ensaio podem ser substituídos por uma simples verificação de que a amostra ainda é capaz de disparar um alarme, e o ensaio completo de funcionamento realizado ao final da seqüência dos ensaios. Todavia, observar que, em caso de uma falha, pode não ser possível identificar qual exposição ao ensaio provocou a falha.

8

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Tabela 3 — Seqüência de ensaios para detectores não resetáveis

     

Amostra n os .

 

Ensaio

Sub-

Ensaiadas às seguintes velocidades de elevação da temperatura do ar K/min

Ensaio

seção

de

imersão

< 0,2

1

3

5

10

20

30

Dependência direcional

5.2

1 a 8

Temperatura estática de resposta

5.3

9,10

Tempo de resposta a partir da temperatura típica de aplicação

5.4

11, 12

13, 14

15, 16

17, 18

19, 20

21, 22

Tempo de resposta a partir de 25 ºC

5.5

23

24

Tempo de resposta a partir de alta temperatura ambiente

5.6

25

26

Variação nos parâmetros da alimentação de enegia

5.7

27, 28

29, 30

Reprodutibilidade (tempos de resposta antes dos ensaios ambientais)

5.8

31, 32

33, 34

Frio (operacional)

5.9

35

36

Calor seco (resistência às condições de ensaio)

5.10

37

38

Calor úmido, cíclico (operacional)

5.11

39

40

Calor úmido, condição estável (resistência às condições de ensaio)

5.12

41

42

Anidrido sulfuroso (SO 2 ) (resistência às condições do ensaio)

5.13

43

44

Choque mecânico (resistência às condições do ensaio)

5.14

45

46

Impacto (operacional)

5.15

47

48

Vibração senoidal (operacional)

5.16

49

50

Vibração senoidal (resistência às condições do ensaio)

5.17

51

52

Descarga eletrostática (operacional)

5.18

53

a

54

a

Campos eletromagnéticos irradiados (operacional)

5.18

55ª

56ª

Perturbações conduzidas induzidas por campos eletromagnéticos (operacional)

5.18

57ª

58ª

Surto transiente rápido (operacional)

5.18

59ª

60ª

Surto lento de tensão de alta energia (operacional)

5.18

61ª

62ª

Ensaio adicional para detectores com sufixo S

6.1

63

Ensaio adicional para detectores com sufixo R

6.2

63, 64

65, 66

67, 68

a No interesse da economia do ensaio, é permitido usar a mesma amostra para mais de um ensaio de CEM. Neste caso, ensaios intermediários de funcionamento nas amostras usadas para mais de um ensaio podem ser deletados, e o ensaio completo de funcionamento realizado ao final da seqüência dos ensaios. Todavia, observar que, em caso de uma falha, pode não ser possível identificar qual exposição ao ensaio provocou a falha.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

9

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

5.2 Dependência direcional

5.2.1 Objetivo do ensaio

Confirmar que o tempo de resposta do detector não é indevidamente dependente da direção do fluxo de ar em torno do detector.

5.2.2 Procedimento do ensaio

Ensaiar a(s) amostra(s) como especificado em 5.1.5 a uma velocidade de aumento da temperatura do ar de 10 K/min. Fazer oito destes ensaios, com a amostra sendo girada 45° em torno de um eixo vertical entre os

sucessivos ensaios, de modo que os ensaios sejam realizados em oito diferentes orientações. Antes de cada ensaio, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1. Anotar o tempo de resposta nas oito orientações e a orientação na qual foi medida

o tempo resposta mínimo e máximo.

5.2.3 Requisitos

Detectores Classe A devem responder entre 1 min 0 s e 4 min 20 s em todas as oito orientações.

Detectores Classe oito orientações.

A2, B,

C,

D,

E,

F

e G devem responder entre

2

5.3 Temperatura estática de resposta

5.3.1 Objetivo do ensaio

min

0

s

e

5

min 30

s em todas

as

Confirmar a habilidade de um detector responder corretamente a uma baixa velocidade de aumento da temperatura do ar.

5.3.2 Procedimento do ensaio

Ensaiar as amostras, como especificado em 5.1.5 a uma velocidade de aumento da temperatura do ar de 1 K/min até que seja atingida a máxima temperatura de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

A seguir continuar o ensaio à velocidade máxima de aumento da temperatura do ar de 0,2 K/min. Ensaiar uma amostra na orientação no ensaio em 5.2 que forneça o tempo de resposta máximo, e a outra na orientação que forneça o tempo de resposta mínimo. Antes de cada ensaio, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1. Anotar a temperatura

à qual a amostra responde.

5.3.3 Requisitos

A temperatura de resposta dos detectores ensaiados deve estar entre as temperaturas estáticas mínima e máxima

de resposta correspondentes à classe do detector, como especificado na Tabela 1.

5.4 Tempos de resposta a partir da temperatura típica de aplicação

5.4.1 Objetivo do ensaio

Confirmar a habilidade do detector, estabilizado na sua temperatura típica de aplicação, de responder corretamente ao longo de uma faixa de velocidades de aumento da temperatura do ar.

10

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

5.4.2 Procedimento do ensaio

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Ensaiar as amostras, como especificado em 5.1.5, às velocidades de aumento da temperatura do ar de 1 K/min,

3 K/min, 5 K/min, 10 K/min, 20 K/min e 30 K/min. Ensaiar uma amostra na orientação do ensaio em 5.2 que

forneça o tempo máximo de resposta, e a outra na orientação que forneça o tempo mínimo de resposta. Antes de cada ensaio, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1. Anotar a temperatura à qual a amostra responde.

5.4.3 Requisitos

O tempo de resposta dos detectores deve estar entre os limites inferior e superior do tempo de resposta

correspondente à classe do detector, como especificado na Tabela 4.

Tabela 4 — Limites inferior e superior do tempo de resposta

Velocidade de aumento da temperatura do ar

Detectores classe A1

Detectores classe A2, B, C, D, E, F e G

Limite inferior

Limite inferior

Limite inferior

Limite inferior

K/min

min

s

min

s

min

s

min

s

1

29

00

40

20

29

00

46

00

3

7

13

13

40

7

13

16

00

5

4

09

8

20

4

09

10

00

10

1

00

4

20

2

00

5

30

20

30

2

20

1

00

3

13

30

20

1

40

40

2

25

NOTA

Informação referente ao desvio dos limites especificados na Tabela 4 é dada no Anexo C.

5.5 Tempos de resposta a partir de 25 °C

5.5.1 Objetivo do ensaio

Garantir que os detectores em uma classe com uma temperatura típica de aplicação acima de 25 °C (ver a Tabela 1) não apresentem uma resposta anormalmente rápida à elevação normal da temperatura. Portanto, este ensaio não é aplicável a detectores da classe A1 ou A2.

5.5.2 Procedimento do ensaio

Ensaiar a(s) amostra(s), como especificado em 5.1.5, às velocidades de aumento da temperatura do ar

de 20 K/min. Ensaiar a(s) amostra(s) na orientação do ensaio em 5.2 que forneça o tempo mínimo de resposta.

Antes de cada ensaio, estabilize a(s) amostra(s) a 25 °C. Anotar o tempo de resposta da(s) amostra(s).

5.5.3 Requisitos

O tempo de resposta a 3 K/min deve exceder 7 min 13 s, e o tempo de resposta a 20 K/min deve exceder

1 min 0 s.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

11

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

5.6 Tempos de resposta a partir de alta temperatura ambiente, calor seco (operacional)

5.6.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar a habilidade do detector de funcionar corretamente às altas temperaturas ambiente apropriadas para as temperaturas de serviço esperadas.

5.6.2 Procedimento do ensaio

Ensaiar a(s) amostra(s) como especificado em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar de 3 K/min

e 20 K/min. Ensaie a(s) amostra(s) na orientação do ensaio em 5.2 que forneçe o tempo máximo de resposta.

Antes de cada ensaio, estabilize a(s)a mostra(s) durante 2 h à temperatura máxima de aplicação correspondente

à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1. A velocidade de aumento da temperatura do ar até a temperatura de estabilização deve ser 1 K/min. Anote o tempo resposta da(s) amostra(s).

5.6.3 Requisitos

Nenhum sinal de alarme ou de falha deve ser emitido durante o período no qual a temperatura está aumentando até a temperatura de estabilização ou durante o período de estabilização.

Um detector deve responder entre os limites inferior e superior do tempo de resposta correspondente à sua classe, como especificado na Tabela 5.

Tabela 5 — Limites do tempo resposta à máxima temperatura de aplicação

Classe do

Limites inferiores de tempo de resposta às seguintes velocidades de aumento da temperatura do ar

Limites superiores de tempo de resposta às seguintes velocidades de aumento da temperatura do ar

detector

3 K/min

20 K/min

3 K/min

20 K/min

min

s

min

s

min

s

min

s

A1

1

20

0

12

13

40

2

20

Todos os outros

1

20

0

12

16

00

3

13

5.7 Variação nos parâmetros da energia elétrica

5.7.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar que, dentro da(s) faixa(s) especificadas dos parâmetros de energia elétrica (por exemplo, voltagem),

o tempo de resposta do detector não é indevidamente dependente dos parâmetros da energia elétrica.

5.7.2 Procedimento do ensaio

Ensaiar as amostras como especificado em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar de 3 K/min

e 20 K/min na orientação do ensaio em 5.2 que forneça o tempo máximo de resposta, na faixa de limites superior

e inferior dos parâmetros da energia elétrica (por exemplo, voltagem) especificada pelo fabricante. Antes de cada ensaio, estabilizar as amostras à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1. Anotar o tempo de resposta para cada velocidade de aumento da temperatura do ar a cada limite do parâmetro da energia elétrica.

Para detectores convencionais, o parâmetro da energia elétrica é a tensão contínua (cc) aplicada ao detector.

Para outros tipos de detectores (por exemplo, com característica analógica), pode ser necessário considerar os níveis dos sinais e os tempos. Se for preciso, o fabricante pode ser solicitado a providenciar equipamento de alimentação de energia adequado que permita alterar os parâmetros de energia conforme necessário.

12

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

5.7.3 Requisitos

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

O

tempo de resposta do detector deve estar entre os limites inferior e superior do tempo de resposta para a classe

de

detector correspondente, como especificado na Tabela 4.

5.8 Reprodutibilidade

5.8.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar que o tempo de resposta das amostras está dentro dos limites exigidos e, para detectores resetáveis, estabelecer os dados da linha básica do tempo de resposta para comparação com os tempos resposta medidos após os ensaios ambientais.

5.8.2 Procedimento do ensaio

Medir o tempo resposta da amostra como especificado em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar

de 3 K/min e 20 K/min na orientação no ensaio em 5.2 que forneça o tempo máximo de resposta. Antes de cada

medição, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

5.8.3 Requisitos

O tempo de resposta do detector deve estar entre os limites inferior e superior do tempo de resposta para a classe

correspondente do detector, como especificado na Tabela 4.

5.9 Frio (operacional)

5.9.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar a habilidade do detector de funcionar corretamente a baixas temperaturas ambiente apropriadas para

a temperatura de serviço esperada.

5.9.2

Procedimento do ensaio

5.9.2.1

Referência

Usar o equipamento de ensaio e executar o procedimento como especificado na IEC 60068-2-1, ensaio Ab,

e em 5.9.2.2 até 5.9.2.5.

5.9.2.2 Estado da amostra durante o condicionamento

Montar a(s) amostra(s) como especificado em 5.1.3 e conectá-la(s) ao equipamento de alimentação de energia

e monitoração como especificado em 5.1.2.

5.9.2.3 Condicionamento

Condicionar a(s) amostra(s) usando os seguintes parâmetros:

temperatura: (– 10 3) °C;

duração: 16 h.

O

ensaio Ab especifica uma velocidade de variação da temperatura 1 K/min para as transições para

e

da temperatura de condicionamento.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

13

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

5.9.2.4 Medição durante o condicionamento

Monitorar a(s) amostra(s) durante o período de condicionamento para detectar qualquer sinal de alarme ou de falha.

5.9.2.5 Medições finais

Medir o tempo resposta da(s) amostra(s) como especificado em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar de 3 K/min e 20 K/min na orientação do ensaio em 5.2 que forneça o tempo máximo de resposta. Antes de cada ensaio, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

5.9.3 Requisitos

Nenhum sinal de alarme ou de falha deve ser emitido durante a transição para a temperatura de condicionamento durante o período à temperatura de condicionamento.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 3 K/min não pode ser inferior a 7 min 13 s e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 2 min 40 s.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 20 K/min não pode ser inferior a 30 s para detectores classe A1

e não pode ser inferior a 1 min 0 s para todas as demais classes, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 30 s.

Para detectores não resetáveis, o tempo de resposta deve estar entre os limites inferior e superior do tempo de resposta para a correspondente classe de detector, como especificado na Tabela 4.

5.10 Calor seco (resistência)

5.10.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar a habilidade do detector de resistir a uma alta temperatura ambiente correspondente à sua classe. Este ensaio não é aplicável a detectores das classes A1, A2 e B.

5.10.2 Procedimento do ensaio

5.10.2.1 Referência

Usar a aparelhagem de ensaio e executar o procedimento como especificado na IEC 60068-2-2, ensaio Ba ou Bb,

e em 5.10.2.2 a 5.10.2.4.

5.10.2.2 Estado da amostra durante o condicionamento

Não alimentar energia elétrica para a(s) amostra(s) durante o condicionamento.

5.10.2.3 Condicionamento

Condicionar a(s) amostra(s) usando a temperatura especificada na Tabela 6 durante 21 d.

14

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Tabela 6 — Temperaturas de condicionamento em calor seco (resistência às condições do ensaio)

Classe do detector

Temperatura de condicionamento

 

°C

C

80

2

D

95

2

E

110

2

F

125

2

G

140

2

5.10.2.4 Medições finais

Medir o tempo de resposta da(s) amostra(s) como especificado em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar de 3 K/min e 20 K/min na orientação do ensaio em 5.2 que forneça o tempo máximo de resposta. Antes de cada medição, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

5.10.3 Requisitos

Nenhum sinal de falha que possa ser atribuído ao condicionamento para o ensaio de resistência ao calor seco deve ser emitido quando da reconexão da amostra.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 3 K/min não pode ser inferior a 7 min 13 s e qualquer alteração no tempo resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 2 min 40 s.

Para detectores resetáveis, o tempo resposta a 20 K/min não pode ser inferior a 1 min 0 s e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 30 s.

Para detectores não resetáveis, o tempo de resposta deve estar entre os limites inferior e superior especificados para a classe apropriada de detector na Tabela 4.

5.11 Calor úmido (operacional)

5.11.1 Objetivo do ensaio

Para demonstrar a habilidade do detector de funcionar corretamente a altas umidades relativas (com condensação), que podem ocorrer durante curtos períodos de tempo no ambiente de serviço esperado.

5.11.2 Procedimento do ensaio

5.11.2.1 Referência

Usar a aparelhagem de ensaio e executar o procedimento conforme especificado na IEC 60068-2-30, usando o ciclo do ensaio Variante 1, e em 5.11.2.2 até 5.11.2.5.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

15

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

5.11.2.2 Estado da amostra durante o condicionamento

Montar a(s) amostra(s) como especificado em 5.1.3 e conectá-la(s) ao equipamento de alimentação de energia

e monitoração como especificado em 5.1.2.

5.11.2.3 Condicionamento

Condicionar a(s)a amostra(s) como especificado na IEC 60068-2-30, Severidade 1:

— temperatura inferior:

(25 3) °C;

— temperatura superior:

(40 2) °C;

— umidade relativa:

— à temperatura inferior:

95 %;

— à temperatura superior:

(93 3) %;

— quantidade de ciclos:

2.

5.11.2.4 Medições durante o condicionamento

Monitorar a(s)a amostra(s) durante o período de condicionamento para detectar qualquer sinal de alarme ou de falha.

5.11.2.5 Medições finais

Após o período de recuperação, medir o tempo de resposta da(s) amostra(s) como especificado em 5.1.5

às velocidades de aumento da temperatura de 3 K/min e 20 K/min na orientação no ensaio em 5.2 que forneça

o tempo máximo de resposta. Antes de cada medição, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

5.11.3 Requisitos

Nenhum sinal de alarme ou de falha deve ser emitido durante o condicionamento.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 3 K/min não pode ser inferior a 7 min 13 s e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 2 min 40 s.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 20 K/min não pode ser inferior a 30 s para detectores classe A1

e não pode ser inferior a 1 min 0 s para todas as demais classes, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 30 s.

Para detectores não resetáveis, o tempo de resposta deve estar entre os limites inferior e superior para a classe correspondente do detector, como especificado na Tabela 4.

5.12 Calor úmido, condição estável (resistência)

5.12.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar a habilidade do detector de resistir aos efeitos de longo prazo da umidade no ambiente de serviço (alterações nas propriedades dos materiais, reações químicas envolvendo umidade, corrosão galvânica etc.).

16

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

5.12.2 Procedimento do ensaio

Referência

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Usar a aparelhagem do ensaio e executar o procedimento como especificado na IEC 60068-2-78, Cabine do ensaio, e em 5.12.2.2 a 5.12.2.4.

5.12.2.1 Estado da amostra durante o condicionamento

Montar a(s) amostra(s) como especificado em 5.1.3, mas não a(s) alimentar com energia durante o condicionamento.

5.12.2.2 Condicionamento

Condicionar a(s) amostra(s) usando os seguintes parâmetros:

— temperatura:

(40 2) °C;

— umidade relativa

(93 3) %;

— duração:

21 d.

5.12.2.3 Medições finais

Após um período de recuperação de pelo menos 1 h em condições-padrão de laboratório, medir o tempo de resposta da(s) amostra(s) como especificado em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar de 3 K/min e 20 K/min na orientação no ensaio em 5.2 que forneça o tempo máximo de resposta. Antes de cada medição, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

5.12.3 Requisitos

Nenhum sinal de falha atribuível ao condicionamento para o ensaio deve ser emitido na reconexão da amostra.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 3 K/min não pode ser inferior a 7 min 13 s e qualquer alteração no tempo resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 2 min 40 s.

Para detectores resetáveis, o tempo resposta a 20 K/min não pode ser inferior a 30 s para detectores classe A1, e não inferior a 1 min 0 s para todas as demais classes, e qualquer alteração no tempo resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 30 s.

Para detectores não resetáveis, o tempo resposta deve estar entre os limites inferior e superior para a classe correspondente do detector, como especificado na Tabela 4.

5.13 Corrosão por dióxido de enxofre (SO 2 ) (resistência)

5.13.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar a habilidade do detector em resistir aos efeitos corrosivos do dióxido de enxofre como poluente atmosférico.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

17

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

5.13.2 Procedimento do ensaio

5.13.2.1 Referência

Usar a aparelhagem do ensaio e executar o procedimento especificado na IEC 60068-2-42, ensaio Kc, exceto uso do condicionamento como especificado em 5.13.2.3.

5.13.2.2 Estado da amostra durante o condicionamento

Montar a(s) amostra(s) como especificado em 5.1.3. Não aplicar energia elétrica na(s) amostra(s) durante o condicionamento, mas equipá-la(s) com fios de cobre não estanhado de diâmetro apropriado e conectar a terminais suficientes para permitir a medição final a ser feita sem fazer quaisquer outras conexões na amostra ensaiada.

5.13.2.3 Condicionamento

Condicionar a(s) amostra(s) usando os seguinte parâmetros:

— temperatura:

— umidade relativa:

— concentração de SO 2 :

— duração:

(25 2) °C;

(93 3) %;

(25 5) l/L;

21 d.

5.13.2.4 Medição final

Imediatamente após o condicionamento, submeter a amostra a um período de secagem de 16 h a (409 2) °C, 50 % de umidade relativa, seguido de um período de recuperação de pelo menos 1 h em condições padrão de laboratório. Em seguida, medir o tempo de resposta da(s) amostra(s) como especificado em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar de 3 K/min e 20 K/min na orientação do ensaio em 5.2 que forneça o tempo máximo de resposta. Antes de cada medição, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

5.13.3 Requisitos

5.14 Choque (operacional)

5.14.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar a imunidade do detector a choques mecânicos passíveis de ocorrerem, se bem que pouco freqüentes, no ambiente de serviço esperado.

5.14.2 Procedimento do ensaio

5.14.2.1 Referência

Usar a aparelhagem do ensaio e executar o procedimento descrito na IEC 60068-2-27, ensaio Ea, exceto uso do condicionamento como especificado em 5.14.2.3.

18

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

5.14.2.2 Estado da amostra durante o condicionamento

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Montar a(s) amostra(s) em um dispositivo rígido, como especificado em 5.1.3, e conectá-la(s) ao equipamento de alimentação de energia e monitoração como descrito em 5.1.2.

5.14.2.3 Condicionamento

Para amostras com uma massa 4,75 kg, condicionar a(s) amostra(s) usando os seguintes parâmetros:

— tipo de pulso de choque mecânico:

semi-senoidal;

— duração do pulso:

6 ms;

pico da aceleração:

10 x (100 - 20M) m/s 2 (onde M é a massa da amostra em quilogramas);

— quantidade de direções de ensaio:

6;

— pulsos por direção de ensaio:

3.

Não pode ensaiar amostras com uma massa > 4,75 kg.

Medições durante o condicionamento

Monitorar a(s) amostra(s) durante o período de condicionamento e por mais 2 min para detectar qualquer sinal de alarme ou falha.

5.14.2.4 Medições finais

Medir o tempo resposta da(s) amostra(s) como especificado em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar de 3 K/min e 20 K/min na orientação do ensaio de 5.2 que forneça o tempo máximo de resposta. Antes de cada medição, estabilizar a amostra até a temperatura típica de aplicação correspondente à classe mercada na amostra, como especificado na Tabela 1.

5.14.3 Requisitos

Nenhum sinal de alarme ou de falha deve ser emitido durante o período de condicionamento ou 2 min adicionais.

Para detectores resetáveis, o tempo resposta a 3 K/min não pode ser inferior a 7 min 13 s, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 2 min 40 s.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 20 K/min não pode ser inferior a 30 s para detectores classe A1, e não inferior a 1 min 0 s para todas as outras classes, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 30 s.

Para detectores não resetáveis, o tempo de resposta deve estar entre os limites inferior e superior para a classe correspondente do detector, como especificado na Tabela 4.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

19

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

5.15 Impacto (operacional)

5.15.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar a imunidade do detector a impactos mecânicos sobre sua superfície e aos quais possa estar sujeito

no seu ambiente normal de serviço, e aos quais se espera razoavelmente que resista.

5.15.2 Procedimento de ensaio

5.15.2.1 Equipamento

A aparelhagem do ensaio (Figura D.1) deve consistir em um martelo oscilante incorporando uma cabeça

retangular de liga de alumínio (liga de alumínio Al Cu4SiMg de acordo com a ISO 209-1, submetido a tratamento térmico de solubilização e precipitação) com a face do plano de impacto chanfrada em um ângulo de 60° da horizontal quando na posição de impacto (isto é, quando a haste do martelo está na vertical). A cabeça do martelo

deve ter uma altura de (50 2,5) mm, (76 3,8) mm de largura e (80 4) mm de comprimento no centro. Um equipamento adequado é descrito no Anexo D.

5.15.2.2 Estado da amostra durante o condicionamento

Montar a(s) amostra(s) rigidamente no equipamento por meio de seus recursos normais de montagem e posicioná-la(s) de modo que o impacto ocorra na metade superior da face de impacto quando o martelo está posição vertical (isto é, quando a cabeça do martelo está se movendo horizontalmente). A direção azimutal

e a posição do impacto em relação à amostra devem ser selecionadas como a que mais provavelmente

prejudicará o funcionamento normal da amostra. A(s) amostra(s) devem ser conectadas ao equipamento

de alimentação de energia e monitoração como especificado em 5.1.2.

5.15.2.3 Condicionamento

Condicionar a(s) amostra(s) usando os seguintes parâmetros:

— energia do impacto:

(1,9 0,1) J;

— velocidade do martelo:

(1,5 0,13) m/s;

— quantidade de impactos:

1.

5.15.2.4 Medições durante o condicionamento

Monitorar a amostra durante o período de condicionamento e por mais 2 min para detectar qualquer sinal de alarme ou falha.

5.15.2.5 Medições finais

Medir o tempo resposta da(s) amostra(s) como descrito em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar

de 3 K/min e 20 K/min na orientação no ensaio em 5.2 que forneça o tempo máximo de resposta. Antes de cada

medição, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

5.15.3 Requisitos

Nenhum sinal de alarme ou de falha deve ser emitido durante o período de condicionamento ou os 2 min adicionais.

20

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 3 K/min não pode ser inferior a 7 min 13 s, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 2 min 40 s.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 20 K/min não pode ser inferior a 30 s para detectores classe A1,

e não inferior a 1 min 0 s para todas as outras classes, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 30 s.

Para detectores não resetáveis, o tempo de resposta deve estar entre os limites inferior e superior para a classe correspondente do detector, como especificado na Tabela 4.

5.16 Vibração, senoidal (operacional)

5.16.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar a imunidade do detector a vibrações a níveis considerados apropriados no ambiente normal de serviço.

5.16.2 Procedimento do ensaio

5.16.2.1 Referência

Usar aparelhagem do ensaio e executar o procedimento como especificado na IEC 60068-2-6, ensaio Fc,

e em 5.16.2.2 a 5.16.2.5.

5.16.2.2 Estado da amostra durante o condicionamento

Montar a(s) amostra(s) em um dispositivo rígido como especificado em 5.1.3 e conectá-la(s) no equipamento de alimentação de energia e monitoração como especificado em 5.1.2. Aplicar a vibração em cada um dos três eixos mutuamente perpendiculares, de tal modo que um dos três eixos esteja perpendicular ao plano normal de montagem da amostra.

5.16.2.3 Condicionamento

Condicionar a(s)a amostra(s) usando os seguintes parâmetros:

— faixa de freqüências:

— amplitude da aceleração:

— quantidade de eixos:

— velocidade de varredura:

— quantidade de ciclos de varredura:

(10 até 150) Hz;

5 m/s 2 ( 0,5 g n );

3;

1 oitava/min;

1/eixo.

Os ensaios de vibração operacional e de resistência às condições do ensaio podem ser combinados de tal modo que a amostra seja submetida ao condicionamento para o ensaio operacional seguido pelo condicionamento para realização do ensaio de resistência em um eixo antes de mudar para o eixo seguinte. É necessário fazer somente uma medição final.

5.16.2.4 Medições durante o condicionamento

Monitorar a(s) amostra(s) durante o período de condicionamento para detectar qualquer sinal de alarme ou de falha.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

21

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

5.16.2.5 Medições finais

As medições finais especificadas em 5.17.2.4 normalmente são feitas após o ensaio de resistência à vibração. Fazer estas medições somente se o ensaio operacional for realizado isoladamente.

5.16.3 Requisitos

Nenhum sinal de alarme ou de falha deve ser emitido durante o período de condicionamento ou os 2 min adicionais.

Para detectores resetáveis, o tempo resposta a 3 K/min não pode ser inferior a 7 min 13 s e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 2 min 40 s.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 20 K/min não deve ser inferior a 30 s para detectores classe A1,

e não inferior a 1 min 0 s para todas as outras classes, e qualquer alteração no tempo resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 30 s.

Para detectores não resetáveis, o tempo de resposta deve estar entre os limites inferior e superior para a classe correspondente do detector, como especificado na Tabela 4.

5.17 Vibração, senoidal (resistência)

5.17.1 Objetivo do ensaio

Demonstrar a imunidade do detector a vibrações a níveis considerados apropriados no ambiente normal de serviço.

5.17.2 Procedimento do ensaio

5.17.2.1 Referência

Usar a aparelhagem do ensaio e executar o procedimento como especificado na IEC 60068-2-6, ensaio Fc,

e em 5.16.2.2 a 5.16.2.5.

5.17.2.2 Estado da amostra durante o condicionamento

Montar a(s) amostra(s) em um dispositivo rígido como especificado em 5.1.3 e conectá-la(s) no equipamento de alimentação de energia e monitoração como especificado em 5.1.2. Aplicar a vibração em cada um dos três eixos mutuamente perpendiculares, de tal modo que um dos três eixos esteja perpendicular ao plano normal de montagem da amostra.

5.17.2.3 Condicionamento

Condicionar a(s) amostra(s) usando os seguintes parâmetros:

— faixa de freqüências:

(10 até 150) Hz;

— amplitude da aceleração:

5 m/s 2 ( 0,5 g n );

— quantidade de eixos:

3;

— velocidade de varredura:

1 oitava/min;

— quantidade de ciclos de varredura:

1/eixo.

Os ensaios de vibração operacional e de resistência às condições do ensaio podem ser combinados de tal modo que a amostra seja submetida ao condicionamento para o ensaio operacional seguido pelo condicionamento para realização do ensaio de resistência em um eixo antes de mudar para o eixo seguinte. É necessário fazer somente uma medição final.

22

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

5.17.2.4 Medições finais

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Medir o tempo resposta da(s) amostra(s) como descrito em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar de 3 K/min e 20 K/min na orientação no ensaio 5.2 que forneça o tempo máximo de resposta. Antes de cada medição, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

5.17.3 Requisitos

Nenhum sinal de alarme ou de falha deve ser emitido durante o condicionamento.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 3 K/min não pode ser inferior a 7 min 13 s, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 2 min 40 s.

Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 20 K/min não pode ser inferior a 30 s para detectores classe A1, e não inferior a 1 min 0 s para todas as outras classes, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 30 s.

Para detectores não resetáveis, o tempo de resposta deve estar entre os limites inferior e superior para a classe correspondente do detector, como especificado na Tabela 4.

Compatibilidade eletromagnética (CEM), ensaios de imunidade (operacional)

5.18.1 Executar os seguintes ensaios de imunidade CEM como especificado na EN 50130-4:

a) descarga eletrostática;

b) campos magnéticos irradiados;

c) perturbação conduzida induzida por campos eletromagnéticos;

d) surtos transientes rápidos;

e) surtos lentos de tensão de alta energia.

5.18.2 Para estes ensaios, aplicam-se os critérios para conformidade especificados na IEC 50130-4 e o seguinte:

a) O ensaio funcional, chamado nas medições inicial e final, deve ser como segue:

Medir o tempo de resposta da(s) amostra(s) como especificado em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar correspondentes à classe marcadas na amostra, como especificado na Tabela 1.

Antes de cada medição, estabilizar a amostra à temperatura típica de aplicação correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 1.

b) A condição de operação necessária deve ser especificada em 5.1.2.

c) Os critérios de aceitação para o ensaio funcional após o condicionamento devem ser como segue:

— Nenhum sinal de alarme ou de falha deve ser emitido durante o condicionamento.

— Para detectores resetáveis, o tempo de resposta a 3 K/min não pode ser inferior a 7 min 13 s, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 2 min 40 s.

— Para detectores resetáveis, o tempo de espera a 30 K/min não pode ser inferior a 30 s para detectores classe A1, e não inferior a 1 min 0 s para todas as outras classes, e qualquer alteração no tempo de resposta em relação ao obtido no ensaio equivalente (5.8) não pode exceder 30 s.

— Para detectores não resetáveis, o tempo de resposta deve estar entre os limites inferior e superior para a classe correspondente do detector, como especificado na Tabela 4.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

23

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

6 Ensaios adicionais para detectores com sufixos de classe

6.1 Ensaio do índice do tempo resposta para detectores com sufixo S

6.1.1 Objetivo do ensaio

Confirmar que um detector com sufixo S não responde abaixo da temperatura estática mínima de resposta correspondente à classe do detector. Este ensaio é aplicável somente a detectores com sufixo S.

NOTA Detectores com sufixo S podem ser especialmente adequados para uso em aplicações tais como salas de caldeiras e cozinhas, onde altas velocidades de aumento da temperatura podem ser sustentadas por longos períodos de tempo.

6.1.2 Procedimento do ensaio

Montar a amostra conforme especificado em 5.1.3 e conectá-la ao equipamento de alimentação de energia e monitoração como especificado em 5.1.2.

Estabilizar a amostra à temperatura de condicionamento correspondente à classe marcada na amostra, como especificado na Tabela 7. No final do período de condicionamento, transferir a amostra, dentro de um período de tempo que não exceda 10 s, para um fluxo de ar (0,8 0,1) m/s (massa equivalente a 25 °C), mantido

à temperatura especificada na Tabela 7. Ensaiar a amostra na orientação do ensaio em 5.2 que forneça o tempo mínimo de resposta. Expor a amostra ao fluxo de ar por no mínimo 10 min. Anotar qualquer resposta vinda da amostra durante este tempo ou durante o período de transferência.

Tabela 7 — Temperatura de condicionamento e do fluxo de ar para classes com sufixo S

Classe do

Temperatura de condicionamento °C

Temperatura do fluxo de ar °C

detector

A1S

5

2

50

2

A2S

5

2

50

2

BS

20

2

65

2

CS

35

2

80

2

DS

50

2

95

2

ES

65

2

110

2

FS

80

2

125

2

GS

95

2

140

2

6.1.3 Requisitos

A amostra submetida ao ensaio do índice do tempo resposta (plunge test) não pode gerar nenhum sinal de alarme

ou de falha durante o período de transferência ou durante os 10 min de exposição ao fluxo de ar, quando ensaiada

como especificado em 6.1.2.

O tempo de resposta da amostra durante os ensaios especificados em 5.2, 5.4, 5.7 e 5.8 deve exceder os limites

inferiores do tempo de resposta correspondentes a cada velocidade de aumento da temperatura do ar, como especificado na Tabela 8.

Tabela 8 — Limite inferior de resposta para detectores com sufixo S

Velocidade do aumento da temperatura do ar K/min

Limite inferior do tempo de resposta

min

s

3

9

40

5

5

48

10

2

54

20

1

27

30

58

NOTA

da temperatura de estabilização.

Estes limites inferiores do tempo de resposta correspondem a um aumento mínimo da temperatura de 29 °C acima

24

Impresso por: PETROBRAS

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

6.2 Ensaio de detectores com sufixo R

6.2.1 Objetivo do ensaio

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Confirmar que um detector com sufixo R mantém os requisitos para resposta para a sua classe para altas velocidades de aumento da temperatura partindo de uma temperatura abaixo da temperatura típica de aplicação correspondendo à classe marcada no detector. Este ensaio somente é aplicável a detectores com sufixo R.

NOTA Detectores com sufixo R podem ser especialmente adequados para uso em edifícios sem aquecimento, onde a temperatura ambiente pode variar consideravelmente e altas velocidades de aumento da temperatura não são sustentadas por longos períodos de tempo.

6.2.2 Procedimento do ensaio

Ensaiar a(s) amostra(s) como descrito em 5.1.5 às velocidades de aumento da temperatura do ar de 10 K/min, 20 K/min e 30 K/min. Ensaiar uma amostra na orientação do ensaio em 5.2 que forneça o tempo mínimo de resposta e a outra na orientação que forneça o tempo máximo de resposta. Antes de cada ensaio, estabilizar

o

fluxo de ar e a amostra à temperatura correspondente à classe marcada na amostra, como especificado

na

Tabela 9. Anotar o tempo de resposta das amostras.

Tabela 9 — Temperatura inicial de condicionamento para detectores com sufixo R

Classe do detector

Temperatura inicial de condicionamento

A1R

5

2

A2R

5

2

BR

20

2

CR

35

2

DR

50

2

ER

65

2

FR

80

2

GR

95

2

6.2.3 Requisitos

O tempo de resposta dos detectores deve estar entre os limites inferior e superior do tempo de resposta

correspondente à classe do detector, como especificado na Tabela 4.

7

Relatório do ensaio

O

relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:

a)

identificação da amostra ensaida;

b)

referência a esta parte da ABNT NBR ISO 7240 (ABNT NBR ISO 7240-5:2008);

c)

resultados dos ensaios: os tempos resposta individuais e quaisquer outros dados, como orientação

da

amostra, como especificado nos ensaios individuais:

d)

período de condicionamento e atmosfera de condicionamento;

e)

temperatura e umidade relativa do laboratório ao longo do ensaio;

f)

detalhes sobre o equipamento de alimentação de energia e monitoração e os critérios de resposta;

g)

detalhes sobre quaisquer desvios em relação a esta parte da ABNT NBR ISO 7240 ou em relação às Normas às quais é feita referência e detalhes sobre quaisquer operações consideradas opcionais.

© ISO 2003 - © ABNT 2008 - Todos os direitos reservados

Impresso por: PETROBRAS

25

Exemplar para uso exclusivo - PETROLEO BRASILEIRO - 33.000.167/0036-31

ABNT NBR ISO 7240-5:2008

Anexo A

(normativo)

Túnel de calor para medição do tempo de resposta e da temperatura de resposta

Este Anexo especifica as propriedades do túnel de calor e que são de máxima importância para realizar medições repetíveis e reproduzíveis do tempo resposta e da temperatura estática de resposta dos detectores de temperatura. Todavia, como não é prático especificar e medir todos os parâmetros que podem influenciar as medições,

a

informação adicional no Anexo B deve ser cuidadosamente levada em consideração quando um túnel de calor

é

projetado e usado para fazer medições de acordo com esta parte da ABNT NBR ISO 7240.

O

túnel de calor deve satisfazer os seguintes requisitos para cada classe de detector de temperatura a ser

ensaiada.

O

túnel de calor (Figura B.1) deve ter uma seção de trabalho horizontal contendo um volume de trabalho.

O

volume de trabalho é uma parte definida da seção de trabalho, onde as condições de temperatura e de fluxo de

ar

estão dentro de 2 K e 0,1 m/s, respectivamente, das condições nominais de ensaio. A conformidade com

este requisito deve ser regularmente verificada tanto sob as condições estáticas como de velocidade de aumento da temperatura em uma quantidade adequada de pontos distribuídos dentro e nas fronteiras imaginárias do

volume de trabalho. O volume de trabalho deve ser grande o suficiente para envolver completamente o(s) detector(es) a ser(em) testado(s), a quantidade requerida de painéis de montagem e sensores de medição da temperatura.

O detector a ser ensaiado deve ser montado na sua posição normal de operação na parte de baixo de um painel

plano alinhado com o fluxo de ar no volume de trabalho. A placa deve ter (5 1) mm de espessura e dimensões tais que a(s) borda(s) da placa esteja(m) a no mínimo 20 mm de qualquer parte do detector. A(s) borda(s) da placa deve(m) ter um formato semicircular e o fluxo de ar entre a placa e o teto do túnel não deve ser indevidamente obstruído. O material do qual a placa é feita deve ter uma condutividade térmica não superior a 0,52 W/(m k).

Se mais de um detector precisar ser montado e ensaiado simultaneamente no volume e trabalho, então os ensaios preliminares devem ter sido executados, e que confirmem que as medições do tempo de resposta feitas simultaneamente em mais de um detector estão em estreita conformidade com as medições feitas, ensaiando-se os detectores individualmente. Em caso de divergência, deve ser aceito o valor obtido por meio do ensaio individual.