Você está na página 1de 1

CASO PRTICO 13

Alberto proprietrio de um imvel em Lisboa que foi objeto de uma


declarao de utilidade pblica de expropriao, em 2 de Fevereiro de 2008,
com vista instalao de um equipamento escolar do ensino bsico.
Passados dois anos, o prdio ainda no havia sido utilizado para
aquele fim, pelo que Alberto requereu ao Ministro da Educao que
declarasse a reverso do imvel, atravs de um requerimento entregue no
dia 3 de Maro de 2010. Dois meses depois, Alberto foi notificado do
despacho do Secretrio de Estado da Educao com o seguinte contedo:
Ao abrigo do despacho de delegao de competncias do Ministro da
Educao, indefiro o pedido de reverso por considerar que no se
verificam os pressupostos legais para o efeito.
Em 12 de Setembro de 2010, Alberto intentou uma ao contra o
Estado, atravs da qual impugnou o ato do Secretrio de Estado junto do
Tribunal Central Administrativo, invocando os vcios de violao de lei, falta
de

fundamentao

preterio

de

formalidade

essencial

e,

cumulativamente, uma ao de condenao prtica de ato devido para


que o Tribunal condenasse o Secretrio de Estado a ordenar a reverso do
imvel.
O Ministro da Educao, citado para contestar, defendeu-se por
exceo, invocando a ilegitimidade passiva do Secretrio de Estado, a
intempestividade da ao, a cumulao ilegal de pedidos e a incompetncia
do Tribunal. Na defesa por impugnao, o Ministro limitou-se a dizer que o
ato no padecia de nenhum dos vcios alegados pelo autor.
No despacho saneador, o Tribunal absolveu o Ru da instncia por
considerar haver uma cumulao ilegal de pedidos.
Perante isto, Alberto intentou junto do Tribunal Administrativo de
Crculo de Lisboa, uma ao de responsabilidade civil para ser ressarcido
pelos danos patrimoniais que sofreu em virtude da perda do imvel.
Contudo, o Tribunal rejeitou liminarmente a petio inicial, uma vez que o
ato que recusou a reverso do terreno no tinha sido anulado judicialmente.
Quid juris?