P. 1
Funções

Funções

|Views: 684|Likes:
Publicado porHelen Milene

More info:

Published by: Helen Milene on May 01, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/01/2011

pdf

text

original

MATEMÁTICA – Estudos autônomos

SÉRIE: 1ª ENSINO MÉDIO ETAPA: 2ª Tópicos de funções Professora Helen Milene

A área de um quadrado é função da medida de seu lado (pois a área “depende” da medida do lado). O salário de um vendedor é função do volume de vendas (pois o salário “depende” do volume de vendas). O valor pago em uma corrida de táxi é função da quilometragem percorrida (pois o preço da corrida “depende” da quilometragem percorrida). Sendo assim, temos que, uma relação de dependência pode ser considerada uma função. Para que uma relação de dependência entre variáveis represente uma função é necessário que: • A todos os valores da variável independente estejam associados valores da variável dependente; • Para um dado valor da variável independente está associado um único valor da variável dependente. Ou seja, uma variável y é função de uma variável x se, e somente se, existe uma lei que associa, a cada valor de x, um único valor de y. O conjunto de todos os valores dados para a variável independente é o domínio da função, enquanto que o conjunto de todos os valores correspondentes da variável dependente é o conjunto imagem. Podemos representar uma função a partir de diferentes tipos de registro: gráfico, tabela, fórmula, que nos permitem relacionar as variáveis. *Observe esse exemplo e complete a tabela com os dados que estão faltando: A área de um quadrado é função da medida de seu lado. Seja l a medida do lado e A, a área, podemos construir uma tabela com algumas possibilidades de medidas de lado e áreas correspondentes. l (lado) A (área) 0,5 0,25 1

3
3

2

8 3 64 9

3

4 16 21

5,1

Também podemos identificar a fórmula que associa a área à medida do lado. A = l² E ainda, podemos construir o gráfico que relaciona essas variáveis. Observe que os pontos obtidos com os valores da tabela foram ligados, pois a tabela contém apenas algumas possibilidades de medidas do lado (números racionais e irracionais), e, no gráfico, todos os números reais podem ser considerados. Observe ainda que apenas foram considerados valores não-negativos para a variável independente (domínio) pois refere-se à medida (que deve ser positiva ou nula). ATENÇÃO: Lembre-se que os pontos são identificados no plano cartesiano a partir de “pares ordenados”. Sendo assim, os pontos (3,9) e (9,3) são distintos. Veja que, no exemplo, temos que, para um quadrado de lado medindo 3, a área correspondente é 9. Desse modo, o ponto a ser marcado no plano, visto que a área está em função da medida do lado, será (3,9), na ordem (lado, área), ou ainda (valor da variável independente, valor da variável dependente).

*(FUNÇÃO AFIM) A temperatura é medida no Brasil, em graus Celsius (ºC). Mas em alguns países, principalmente os de língua inglesa, a temperatura é medida em outra unidade, chamada graus Fahrenheit (ºF). Para converter medidas de uma escala para outra, pode-se utilizar a fórmula

C=

5( F − 32 ) , onde C é a temperatura medida em graus Celsius e F a temperatura medida em 9

graus Fahrenheit. a) Em certo dia, o jornal noticiou que a temperatura em Miami era de 62 ºF. Qual a temperatura equivalente em graus Celsius?

b) A que temperatura, em graus Fahrenheit, equivale a temperatura de 38 ºC?

c) Qual o equivalente a 0 ºC em gruas Fahrenheit?

*(FUNÇÃO AFIM) (Unicamp - adaptada) O preço a ser pago por uma corrida de táxi inclui uma parcela fixa, denominada bandeirada, e uma parcela que depende da distância percorrida. A bandeirada custa R$ 3,44 e cada quilômetro rodado custa R$ 0,86. Sendo assim: a) Determine a fórmula da função que expressa o valor V a ser pago em função da distância d percorrida.

b) Calcule o preço de uma corrida de 11 km.

c) Calcule a distância percorrida por um passageiro que pagou R$ 21,50 pela corrida.

*(FUNÇÃO QUADRÁTICA) Um corpo lançado do solo verticalmente para cima tem posição em função do tempo dada pela função h(t) = 40t – 5t², em que a altura h é dada em metros e o tempo t é dado em segundos. Determine: a) a altura em que o corpo se encontra em relação ao solo no instante t = 3s.

b) os instantes em que o corpo está a uma altura de 60m do solo.

Função linear e proporcionalidade direta O canguru adulto pode medir até 2 m de altura. As patas traseiras e a cauda formam um tripé que o sustenta quando se alimenta. Ele dá saltos de até 10 m de comprimento e consegue correr mais de 50 km/h. A tabela abaixo mostra alguns dados sobre a distância percorrida pelo canguru e a velocidade em cada salto, entre 10 e 30 km/h. Velocidade em quilômetros por hora (v) 10 15 20 25 30 Distância percorrida em metros (d) 1,2 1,8 2,4 3,0 3,6 Observamos que a tabela contém pares de números. Em cada par, um dos números representa a distância, e o outro, a velocidade. Utilize esses pares como coordenadas de pontos para construir o gráfico da distância em função da velocidade (escolha uma escala adequada para os eixos).

*Há alguma proporção entre a distância percorrida e a velocidade? *Divida cada distância pela velocidade correspondente. O que você observa acerca dos resultados?

A partir do resultado obtido com as divisões, observamos que d varia diretamente com v, ou seja, d é diretamente proporcional a v, pois, conforme d aumente, v aumenta sempre na mesma proporção. Quando a razão (divisão) entre as variáveis é uma constante, obtemos uma função do tipo y = ax, chamada função linear. Veja em seu livro, na página 54, algumas informações da função linear e responda: *Como pode ser chamada a constante a? Você a conhece por outros nomes? Quais? *Existe alguma restrição para essa constante. Qual é ela? *Como é o gráfico de uma função linear? O que determina que a função seja crescente ou decrescente? *Determine a fórmula da função que relaciona a distância percorrida pelo canguru com a sua velocidade (ou seja, d em função de v).

d = v

Proporcionalidade inversa Observe a figura abaixo, que representa um retângulo com lados de medidas m e n (m e n em uma unidade de medida qualquer, centímetros, por exemplo).

*Complete a tabela abaixo com valores para as variáveis m e n de modo que a área do retângulo seja igual a 12 u.a (unidades de área). ATENÇÃO: não fique restrito aos números inteiros. m n *Represente os pontos obtidos no plano cartesiano, utilizando uma escala conveniente.

*Existe proporcionalidade entre as variáveis. Ela é direta ou inversa? Por que? *A razão entre as variáveis é constante? E o produto? *Escreva a fórmula de n em função de m.

Nesta situação, temos a função y = f ( x ) =

k , onde k é uma constante real e diferente de zero. x

Observe em seu livro (p. 55 e p. 56) um tipo específico de função que indica proporcionalidade inversa, a função recíproca, e responda: *Qual a fórmula da função recíproca? *Como se chama a curva definida pela função recíproca? *Quais são o domínio e o conjunto imagem dessa função? Ela é crescente? Decrescente?

*O que você observa que acontece com os valores de y quando x se aproxima de zero a partir de valores negativos? E a partir dos valores positivos?

Construindo gráficos a partir de fórmulas e determinando fórmulas a partir de gráficos Uma função afim, também conhecida como função polinomial do 1º grau, ou simplesmente função do 1º grau é do tipo f(x) = y = ax + b, sendo a e b números reais, a ≠ 0 (se a = 0, temos a função f(x) = y = b, que representa uma função constante). Os números representados por a e b são chamados coeficientes, enquanto x é a variável independente e y, a dependente. O gráfico de uma função afim é uma reta, sendo assim, bastam apenas dois pontos para determinálo. Exemplo: Construir o gráfico da função f(x) = y = 2x + 3. Atribuímos a x dois valores quaisquer e calculamos os valores correspondentes de y. Observe a tabela. X y –1 1 f(–1) = 2(–1) + 3 = –2 + 3 = 1, ou seja, se x = –1, então y = 1, temos o par ordenado (–1,1). 2 7 f(2) = 2.2 + 3 = 4 + 3 = 7, ou seja, se x = 2, então y = 7, temos o par ordenado (2, 7). Podemos marcar os dois pontos obtidos no plano cartesiano, ligamos os pontos e obtemos o gráfico. Na equação y = ax + b, a é o coeficiente angular (ou inclinação da reta, ou taxa de variação) e b é o coeficiente linear (mostra o lugar em que a reta corta do eixo das ordenadas, ou eixo y). O coeficiente angular é o valor que a função aumenta (ou diminui) quando se aumenta a variável x em uma unidade. Consideremos agora uma situação contrária, em que a partir do gráfico, fosse necessário obter a fórmula. Veja diferentes maneiras de se obter a fórmula. Sabemos que o gráfico possui os pontos (2, 7) e (–1, 1). Podemos obter o valor de a calculando o quociente entre a variação de y e a variação de x para dois pontos considerados.

a=

∆y 7 −1 6 ∆y 1− 7 −6 = = = 2 , ou ainda, a = = = =2 ∆ x 2 − ( −1) 3 ∆x − 1 − 2 − 3

Desse modo, temos que a fórmula ficaria y = 2 x + b. Para determinar o valor de b podíamos recorrer ao gráfico e, sabendo que ele intercepta o eixo y no ponto (0, 3), temos que b = 3. Assim, a fórmula ficaria y = 2x + 3. No entanto, caso o gráfico não fornecesse o ponto (0, 3), poderíamos proceder da seguinte maneira: A fórmula obtida até agora seria y = 2x + b. Sabendo que o gráfico passa, por exemplo, pelo ponto (2, 7), poderíamos substituir os valores das coordenadas x e y na fórmula, de modo que a única incógnita seria o b, podendo assim ser calculado. Observe, da fórmula y = 2x + b, temos: (2, 7) ⇒ 7 = 2 . 2 + b ⇒ 7 = 4 + b ⇒ 7 – 4 = b ⇒ 3 = b ⇒ b = 3. Assim, a fórmula ficaria y = 2x + 3. Outra maneira para se obter a fórmula seria calcular a solução do sistema formado utilizando os dois pontos conhecidos (–1, 1) e (2, 7) na fórmula y = ax +b. Observe: (2, 7) ⇒ 7 = 2 . a + b (–1, 1) ⇒ 1 = (–1).a + b Estamos diante do sistema de incógnitas a e b:

2a + b = 7 2 a + b = 7 − a + b = 1 , ou seja, 3a = 6 ⇒ a = 2 . , podemos subtrair as duas equações −  − a + b = 1 2a − ( −a ) = 6
Substituindo o valor a = 2 em uma das equações, obtemos: 2(2) + b = 7 ⇒ b = 7 – 4 ⇒ b = 3 Assim, a fórmula ficaria y = 2x + 3. *A função do 1º grau (função afim) y = f(x) = ax +5 é definida pela tabela: a) determine o domínio D e o conjunto imagem I dessa função. b) Determine o valor da constante real a, ou seja, do coeficiente angular da função f. x y 1 7 2 9 –1 3 –3 –1

*Determine o valor de b na lei da função y = g(x) = –2x + b, definida pela tabela: X Y –1 –1 1 –5 2 –7 –2 1 1/2 –4

*Determine a fórmula das funções cujos gráficos estão representados abaixo:

a)

b)

c)

Raiz ou zero de uma função afim A raiz de uma função y = ax + b é o valor de x que torna y igual a zero (y = 0). Por isso, esse valor de x também é chamado de zero da função. Exemplo: Determine a raiz da função y = 3x – 6 e faça o estudo dos sinais. Fazendo y = 0, temos, 3x – 6 = 0 ⇒ 3x = 6 ⇒ x = 6/3 ⇒ x = 2, logo, a raiz da função é x = 2 e, além disso, o gráfico corta o eixo y no ponto de ordenada –6. Desse modo, conhecemos dois pontos do gráfico: (2, 0) e (0, –6), observe: O estudo de sinais é feito a partir da raiz da função. Para x < 2 ⇒ y < 0 Para x = 2 ⇒ y = 0 Para x > 2 ⇒ y > 2

*Encontre as raízes das funções do exercício anterior e faça o estudo dos sinais, como no exemplo acima.

Material elaborado por Helen Milene sob consulta dos livros didáticos:
• • • • Livro Revisional – Fascículos de revisão. 3ª série Ensino Médio. Belo Horizonte. Ed. Educacional, 2007. Matemática: 1ª série Ensino Médio. Angel Panadés Rubió. Belo Horizonte. Ed. Educacional, 2008. Matemática fundamental – Uma nova abordagem. Ensino Médio Volume Único. José Ruy Giovanni, José Roberto Bongiorno, José Ruy Giovanni Jr. São Paulo. FTD, 2002. Padrões numéricos e funções. Maria Cecilia Costa e Silva Carvalho. São Paulo. Ed Moderna, 1998.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->