Projeto de Estágio Projeto Discente: Constitui-se no Projeto de Intervenção elaborado pelo estagiário antes de iniciar a sua regência.

Projeto de Estágio
Introdução Fundamentação Teórica Justificativa Objetivos Metodologia Recursos Avaliação Referencias

Planos de Aula
Objetivos Conteúdo Metodologia Recursos Avaliação Bibliografia

Capa
Autor/instituição/assunto/cidade/ano Apresentação gráfica

Nosle de Souza Lemos

Projeto de Estágio

Univ. Est.do Sud. da Bahia-UESB Itapetinga -2008

Folha de Rosto
Autor/instituição/assunto/cidade/ano Público alvo /diretor /regente / escola Apresentação gráfica

Nosle de Souza Lemos
TEMA: XXXXXXXXXXXXXXX DISCIPLINA: Prática de Ensino na Educação Infantil e Educação de Jovens e Adultos. PROFESSOR ORIENTADOR: Elson de Souza Lemos PÚBLICO ALVO: Alunos da X LOCAL: XXXXXXXXXXXXXXX Regente: XXXXXXXXXXXXXX Diretora: XXXXXXXXXXXXXX

Univ. Est. do Sud. da Bahia ± UESB Itapetinga -2008

Introdução Antecedentes do tema Objeto de estudo Apresentação da estrutura do projeto Coerência/ ortografia / gramática .

é lendo que a criança desvenda mistérios.para a formação pessoal do sujeito e construção de uma autonomia que é pessoal e intransferível. Nesse sentido a leitura e a escrita ultrapassam a barreira da escola e ganham força no processo de formação moral. foi organizado o presente projeto.ler e escrever . social. foram traçados objetivos ± geral e específico ± bem como metodologia e recursos a serem utilizados. Para dinamizar esta proposta. Neste termos a Educação Infantil. nas atividades diárias do cotidiano. Assim. Assim. nota-se a importância dessas bases . É através da leitura e escrita que a criança adentra no espaço reservado à descoberta e as construções mais importantes. desenvolvendo a capacidade de estar livre para a sua própria construção do saber. pois. surge como principal fonte de formação das crianças. entendendo a escola e o professor como suporte a esta construção. tanto individual como coletivamente. pois é com a leitura que a criança estabelece as conexões com o que está escrito e o real. ética e humana da criança. . entendida aqui como a capacidade da criança estar no mundo das informações num continuo processo de interação e auto-aprendizado. descobre o império das letras e o ato de escrever é a exteriorização destas experiências. a leitura e a escrita configuram-se como principais ferramentas para a construção intelectual. composto de uma fundamentação teórica e justificativa mostrando sua relevância e viabilidade na aplicação para a clientela alvo. Na escola o uso constante da leitura. moral e social da criança. possibilita ao educando um maior contato com as diferentes formas de aprendizagens e o torna um ser social e histórico capaz de formar opiniões e atribuir os juízos necessários à convivência em sociedade.Introdução O ato de escrever e o de ler representam na vida escolar do indivíduo uma grande conquista e um passo fundamental na construção da autonomia pessoal.

Fundamentação Teórica Elucidação dos conceitos e definições Apresentação das idéias fundamentais Articulação das partes Coerência/ ortografia / gramática .

No que se refere à prática da leitura na Educação Infantil. de experiência nas sociedades onde a escrita se faz presente. os signos lingüísticos. Caso ocorra essa confusão. pois. Torna-se imprescindível resgatar para esse nível de escolarização outra dimensão para a leitura. 2000. uma vez que para existir. ela é anterior a escrita. apreensão. tudo que o leve às conquistas pessoais. a auto-realização é necessário o conhecimento e o domínio dos preceitos básicos da existência em sociedade. no que se refere à plasticidade de seu pensamento. todas estas ações são precedidas pela Leitura e a Escrita. visto não como produto acabado. No entanto. a busca da auto-realização. privilegiando um processo dinâmico e ativo de leitura e a formação do leitor crítico e criativo. levando o indivíduo a ser um usuário passivo de mensagens não significativas e irrelevantes. o entretenimento. apropriação dos significados.96). . consequentemente. visto que o homem só escreve quando aprende a ler. é importante considerar o que se entende por leitura nessa fase da escolarização. torna-se uma espécie de ³pseudo-leitura´ (Silva. mas como uma unidade de sentido que se abre ao diálogo. com reprodução mecânica de informações ou com respostas convergentes a estímulos escritos pré-elaborados. Desse modo. A leitura sem recriação de significados e sem compreensão. uma leitura que valorize o processo de interação da criança com o texto. onde o ato de ler e escrever ganham destaque. a leitura ganha destaque neste processo. A leitura pressupõe transformação. fator que o difere dos outros seres. A leitura não pode ser confundida com decodificação de sinais. Ações como o trabalho. Desde muito cedo a criança é estimulada a conhecer as letras. efetivamente.Fundamentação Teórica Partindo do pressuposto de que o homem é um ser complexo e mutável. O ato de ler é uma necessidade concreta para a aquisição de significados e. para que possa estar apta a conviver e competir no mundo. é que se pode notar a forte influência do pensar nas ações concretas do cotidiano. A inserção da criança neste universo de significação é um processo complexo que se estende desde as primeiras experiências educativas ± em casa ou na escola ± até a idade adulta. as conseqüências são desastrosas e irreversíveis. como diz Barthes e Marty. enfim.

a palavra escrita não tem necessariamente uma relação com a oralidade. Cabe à escola.. acabam por relacionar a escrita mais com o simbólico do que com a fala. portanto. é que se busca a colaboração dos estudos e reflexões feitos por autores como Kleiman. Para Barthes e Marty. um papel relevante na formação do leitor infantil (. que apesar de apresentarem diferentes pontos de vista. Para que isso aconteça. 8l). a escrita surge no universo da alfabetização no intuito de inserir o indivíduo no âmbito do letramento. Marty e Vigotsky.À criança podem ser oferecidas oportunidades de se relacionar com outras linguagens que não a verbal. (NICOLAU. l996.) a criança se constrói como leitor. a escola enquanto ambiente educativo co-responsável pela formação intelectual do sujeito. 97). aumentando assim sua possibilidade de contato com domínios simbólicos mais amplos. devido à sua vasta complexidade. pois ele nunca chega nela vazio. para Vigotsky. A título de exemplo. o fenômeno da leitura deve ser encarado como processo interdisciplinar. Tão importante quanto a leitura. Na tentativa de analisar e melhor compreender o processo de aquisição da leitura e da escrita pela criança. nulo de conhecimento. Silva.. Antes mesmo de ir à escola. Nesta perspectiva. a escrita é inicialmente apenas um símbolo que se remete à fala. faz a sua ³história´ de leitura. cita-se Barthes. deve aproveitar todo conhecimento anterior do mesmo. depois seus desenhos. ou seja. até chegar ao pleno desenvolvimento da escrita. integrando as diferentes ciências da linguagem e da comunicação dentro da Educação Infantil. como afirma Silva (2000. Diversos autores dirigem diferentes olhares ao processo da escrita. a criança sente a necessidade de escrever iniciando seus rabiscos. . Zilberman e outros que compartilham saberes inerentes às atuais dificuldades pelas quais passam as crianças na aprendizagem da leitura e da escrita.

Justificativa Antecedentes Tendências Natureza e importância do projeto Razão da escolha do tema Relevância Contribuições Esperadas .

tornando-se notória a contribuição que se espera com a aplicação deste projeto. Pode-se dizer que se a criança conseguir dominar a competência de ler e escrever. física e psicologicamente. social. pois é na educação inicial que a criança poderá formar-se afetiva. pode-se perceber a necessidade dos alunos com relação à aprendizagem significativa da leitura e da escrita e como estes aspectos colaboram para a construção da autonomia dos mesmos. a grande importância que tem a escola e a Educação Infantil neste período. A leitura e escrita na fase inicial da escolarização são de fundamental importância. no município de Firmino Alves. Baseado na observação do cotidiano da sala de Alfabetização da Escola Municipal Cosme de Farias. a leitura e a escrita são aspectos de grande relevância e importante ponto de convergência entre diferentes teorias da aprendizagem.Justificativa A leitura e escrita são fatores que influenciam significativamente a formação educacional e pessoal do indivíduo desde a educação inicial até os períodos posteriores da vida. tornando-se autônoma frente às realizações. . gradativamente. logo ela vai. Verifica-se. aplicadas à Educação Infantil. informações e construções da vida. assim. desenvolver sua criticidade frente às decisões. pois é com elas que a criança ganha o suporte necessário para discernir entre o que é proveitoso ou frívolo à sua formação. Dessa forma. às questões sociais e na busca de informações.

Objetivos Ação + assunto Coerência c/ a temática e c/ o prazo Ações menores (viabilidade) Síntese (objetividade) Coerência/ ortografia / gramática .

Objetivos Geral: Reconhecera importância da leitura e da escrita enquanto prática social. valorizando-as. ‡Sensibilizar a turma com a atividade das mensagens ocultas. revisando os conteúdos trabalhados durante a semana. ‡Realizar uma gincana educativa. ‡Iniciar atividades de grupo através de brincadeiras. ‡Distinguir os animais domésticos dos silvestres. ‡Fazer a distinção entre vogais e consoantes. ‡Revisar o alfabeto. ‡Sensibilizar para a necessidade de não agressão à natureza. ‡Socializar a classe através da confraternização. identificando as diversas situações lingüisticamente significativas para contextualizar a necessidade de ler como um caminho para à cidadania. ‡Perceber o nível da escrita através de atividades de sondagem realizadas durante todo o processo. ‡Perceber os diferentes tipos de profissões. transmitindo-lhes a noção de fraternidade e amor ao próximo. valorizando seu habitat natural. ‡Identificar a ordem crescente e decrescente dos números. Específicos: ‡Desenvolver a atividade de leitura e formação de palavras promovendo a autonomia do aluno. ‡Executar operações matemáticas. ‡Possibilitar a aprendizagem significativa a partir do desenvolvimento de atividades lúdicas. . ‡Conhecer os diferentes tipos de animais.

Metodologia Referencial metodológico Descrição do processo (como ocorrerá) Associação entre estratégias ± objetivo ± turma -temática Coerência/ ortografia / gramática .

escolheu-se a classe da Alfabetização regida pela professora Adenildes Barreto Amaral do Nascimento. Posteriormente. Interpretação da música e exposição da temática: Os animais. realizar-se-á o Estágio de Regência na classe acima citada. foi elaborada esta proposta de intervenção. Firmino Alves ± BA.Metodologia Sendo este trabalho voltado para a Educação Infantil. com a intenção de conhecer os alunos com relação ao processo ensinoaprendizagem. Música ³erguei as mãos´. Intervalo para a merenda e recreio. Despedida.s/n ± bairro Jonas Céo. Apresentação ± conversa informal e música ³peneirei fubá´. mas com o propósito de captar as informações necessárias à formulação do presente projeto. com um público de 22 alunos. Apresentação do painel. na tentativa de uma possível mudança na atual realidade da classe. Este projeto foi traçado após a realização da observação direta do ambiente escolar. Atividade de leitura e formação de palavras. Divisão da sala em grupos. onde através de um levantamento bibliográfico buscou-se analisar criticamente as considerações teóricas mais relevantes acerca da temática:´ A Leitura e a Escrita na Construção da Autonomia do Aluno´. Num primeiro momento foi realizada a observação direta do cotidiano escolar da classe de Alfabetização com o intuito de conhecer a realidade da classe e as dificuldades por ela apresentadas. após detectada a dificuldade. onde o presente projeto de intervenção será aplicado. atuante no turno vespertino na Escola Municipal Cosme de Farias. situada à Avenida Francisco Félix Passos. utilizar-se-ão os seguintes procedimentos metodológicos: Tema Gerador: A Leitura e a Escrita na Construção da Autonomia do Aluno. Para direcionar a presente proposta de intervenção. a fim de aplica-lo confirmando ou negando as proposições teóricas e estabelecer as relações entre o que foi estudado e a prática educativa. Na terceira etapa deste trabalho. Programação Diária das Atividades: SEGUNDA-FEIRA ± 07/11/05 Acolhimento dos alunos (no pátio). . História e música da Arca de Noé. através da dinâmica dos animais. não existindo a intenção no momento de interferir na rotina. Colagem com gravuras de animais domésticos e silvestres.

poesia. Leitura de diferentes textos ± bulas. Noções matemáticas ± ordem crescente e decrescente. Atividade mimeografada.. Intervalo para a merenda e recreio. Intervalo para merenda e recreio Atividade de leitura e formação de palavras ± mimeografada. Confraternização e encerramento . Música. etc. Atividade envolvendo vogais e consoantes. Dinâmica dos nomes. Operações matemáticas ± problemas envolvendo o salário do trabalhador. Atividade mimeografada ± quadro das profissões. Ilustração com o nome dos alunos. Leitura de história infantil. Música de despedida. Dinâmica ³passando a bola´. QUINTA-FEIRA ± 10/11/05 Acolhimento dos alunos. Música de despedida. livros infantis. rótulos. SEXTA-FEIRA ± 11/11/05 Acolhimento dos alunos. Conversa informal.TERÇA-FEIRA ± 08/11/05 Acolhimento dos alunos. QUARTA-FEIRA ± 09/11/05 Acolhimento dos alunos. Despedida. Ditado mudo. Amigo oculto com mensagens. Gincana educativa ± pescaria do sucesso. cartazes. Aula dialogada sobre as diferentes profissões. Revisão do alfabeto ± aula expositiva. Construção de painel com as diferentes profissões. Divisão de grupos para a gincana educativa. receitas. Intervalo para a merenda e recreio. Intervalo para merenda e recreio.

.Recursos De acordo com a metodologia. os objetivos e com a turma.

tesoura. livros infantis. caixas. poesias. anzóis de brinquedo. cola. matriz. borracha. gravuras. hidrocor. balões. clipes. revistas e livros para recorte. rótulos. pirulitos. cartolina. lápis. bola.Recursos Papel ofício. receitas.barbante. mimeografo. TV. . aparelho de som. quadro branco. pilotos. lápis de cor. fita adesiva. Cd. DVD. canetas. bulas. papel madeira.

Avaliação Fundamentação teórica da avaliação Instrumentos Critérios Coerência com os objetivos e a metodologia Procedimento Coerência/ ortografia / gramática .

no intuito de refletir sobre o processo de ensino-aprendizagem dos alunos da classe em questão. o envolvimento dos alunos nos trabalhos ± individuais ou em grupo. interesse nas discussões estabelecidas em classe e nas resoluções das situações-problema. Serão estabelecidos como critérios básicos a participação ativa. buscando a adequação de novas metodologias que atendam às reais necessidades dos educandos.Avaliação A avaliação será contínua. .

Referências De acordo com as normas da ABNT Relação da obras citadas .

NICOLAU.Referências BARBOSA. rev. ZILBERMAN. . 2001. 1994. 1986. MATENCIO. 2000. São Paulo: Cortez. Campinas: Mercado de Letras. Marieta Lucia Machado. 2 ed. et al. SILVA. Ana Rosa [.U. Alfabetização: livro do professor. Leitura. Ezequiel Theodoro da. Alfabetizando com sucesso: a comunicação e a expressão da criança. Regina e SILVA. e atual.P. 2000.. São Paulo: Cortez. 1994. Ezequiel Theodoro da. São Paulo: E. ABREU. Alfabetização e Leitura.. Brasília: FUNDESCOLA/ SEF ± MEC. Maria de Lourdes Meireles.]. O ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia da leitura. São Paulo: Ática. Leitura: perspectivas interdisciplinares. produção de textos e a escola: reflexões sobre o processo de letramento. José Juvêncio.

Apêndice Planos de Aula .

Noção de meio ambiente Metodologia 13:00 ± Acolhimento dos alunos e oração. Conteúdo Leitura. . Interpretação. Plano de aula n° 01 Escola: Escola professor Luis Navarro de Brito. Escrita. 13:30 ± interpretação oral da letra da musica enfatizando o conhecimento prévio deles sobre o meio ambiente.Elson de Souza Lemos. Refletir sobre a discussão da problemática ambiental.UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SULDOESTE DA BAHIA .Prática de Ensino na Educação Infantil e EJA PROFESSOR . Série: Pré I Data: 21/11/05. Adquirir habilidades para o desenvolvimento da leitura e da escrita. Estagiária: Djanira Ribeiro Santana.UESB DISCIPLINA . Objetivos Despertar o gosto pela leitura através da música. Interpretar oralmente a letra da música considerando os problemas relacionados com o meio ambiente. 13:15 ± Leitura da letra da música e canto.

16:15 ± Tarefa para casa.:quantas sílabas tem a palavra terra. São Paulo: Scipione. Maria Tereza. 15:30 ± Continuação da atividade e correção. 1° série. estudar com eles o uso R e RR na escrita das palavras. Recursos: Aparelho de som. quais são as vogais e as consoantes. lápis de cor. et al .. Bibliografia GONZAGA.. papel oficio. 16:40 ± Despedida. 15:00 . MARSICO. atividade mimeografada.14:00 ± Escolher a palavra TERRA como palavra ± chave alfabetizadora ± a partir daí. fita adesiva. explorá-la oralmente.Intervalo para a merenda e recreio.. listar palavras começadas com a letra T-E-R e A. 1996 (coleção : Marcha Criança) . Luís. CD. 14:35 ± Atividade mimeografada. 16:00 ± Ilustração da letra da música. Xote Ecológico. Estudos Sociais. papel madeira. Avaliação Será contínua através da observação do desempenho das atividades realizadas. pelos alunos.

 Títulos: negrito. subtítulos: fonte 12.5. 12. espaçamento 1. negrito. justificada.14. espaçamento simples. texto digitado em arial. espaçamento duplo entre texto/título/subtítulo.  Notas de rodapé: no final da página. 10. . com um recuo de 4 cm. fonte arial .Formatação Papel: A4 ± branco. justificado  Citação longa digitada em arial.

tabelas. . quadros. referências e resumos. notas de rodapé.ENTRELINHAMENTO entrelinhamento normal: para parágrafos de texto entrelinhamento menor: para citações longas. ilustrações.

.5 linha ou exatamente 24 pontos.entrelinhamento normal: 1. entrelinhamento menor: Simples (1.0) ou exatamente 14 pontos.

ENTREPARAGRÁFO Texto com tabulação: um espaço entre um parágrafo e outro Texto sem tabulação: espaço duplo entre um parágrafo e outro .

com tabulação um espaço entre um e outro. Texto parágrafo seguinte. como veremos no exemplo .Ex.: (Texto com tabulação) Texto parágrafo exemplo. tal como observamos neste sem tabulação espaço duplo entre um e outro.

tal como aparece neste endereço. como foi feito no exemplo anterior.: (Texto sem tabulação) Texto com tabulação um espaço entre um parágrafo e outro. Texto sem tabulação espaço duplo entre um parágrafo e outro. .Ex.

Apêndice / Anexo Apêndice: material estagiário(a). Ex. . mas não produzido por ele(a). Ex.: Textos xerocopiados e atividades do livros ou do alunos.: Os planos produzido pelo (a) Anexo: material utilizado pelo (a) estagiário(a).

tais como apostilas e anotações de aula.REDAÇÃO TÉCNICO ± CIENTÍFICA CITAÇÕES Citação é a menção. rotineiros ou de domínio público. de informação extraída de outra fonte para esclarecer. ilustrar ou sustentar o assunto apresentado. bem como aqueles provenientes de publicações de natureza didática. As citações são diretas (transcrição literal de um texto ou parte dele) ou indiretas (redigidas pelo autor do trabalho com base em idéias de outros autores) . no texto. Devem ser evitadas citações referentes a assuntos amplamente divulgados. que reproduzem de forma resumida os documentos originais.

13). entre aspas. incentivando os homens a continuarem a luta. 1988.Citação Direta Curta (com menos de 3 linhas) Deve ser feita na continuação do texto. p. Detalhe pitoresco é que na hora do almoço. moradora da Ladeira do Pelourinho. . em Salvador. Este fato levou os europeus a acreditarem que "o baiano ao meio dia vira mulher" (MOTT. Ex.: Maria Ortiz. enquanto os maridos comiam. as mulheres lutavam em seu lugar. que de sua janela jogou água fervendo nos invasores holandeses.

Ex. uma leitura que valorize o processo de interação da criança com o texto. faz a sua ³história´ de leitura. portanto.. 8l).) a criança se constrói como leitor. (NICOLAU.Citação Direta Longa (com 3 linhas ou mais) As margens são recuadas à direita em 4 cm. privilegiando um processo dinâmico e ativo de leitura e a formação do leitor crítico e criativo. l996. . um papel relevante na formação do leitor infantil (.: Torna-se imprescindível resgatar para esse nível de escolarização outra dimensão para a leitura. mas como uma unidade de sentido que se abre ao diálogo. visto não como produto acabado.. ou seja. 4 cm Cabe à escola. em espaço um (1) com a letra menor que a utilizada no texto e sem aspas.

35). Obs.: O Imperador Napoleão Bonaparte dizia que "as mulheres nada mais são do que máquinas de fazer filhos" (apud LOI.Citação de Citação É a citação feita por outro pesquisador. Ex.: apud = citado por. 1988. p. .

escrito por um outro autor. caracterizando uma diferenciação curricular (COSENZA. foi concedido às mulheres o direito à educação primária. Note-se que o ensino da geometria era limitado às escolas de meninos. depois de longa luta.Citação Indireta É a citação de um texto. sem alterar as idéias originais. Ou então: eu reproduzo sem distorcer. 6). Ex. 1993.: Somente em 15 de outubro de 1827. as idéias desenvolvidas por um outro autor. o ensino da aritmética nas escolas de meninas ficou restrito às quatro operações. p. com minhas próprias palavras. (Pode ser chamada também de paráfrase). . mas mesmo assim.

ou editor) Escreve-se primeiro o sobrenome paterno do autor.Só se coloca o nome da editora. Por exemplo: da Editora Ática Ltda. e.A. d . o restante do nome. após a referência de local deve. ser grafado dois pontos (:). a seguir. Não se coloca a palavra Editora. em caixa alta.Editora . ou S.Número da edição (a partir da segunda edição) . colocar-se-ia apenas Ática.O título deve ser realçado por negrito. Não se coloca estado ou país. etc.ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS PÓSReferências de Livros a . itálico ou sublinhado. b . e . após uma separação por vírgulas. c .Título e subtítulo .É o nome da CIDADE onde a obra foi editada e.Autor (ou coordenador.Local da publicação . Ltda. . ou organizador.Não se usa o sinal de decimal (a).

ou coords. número da publicação na série (entre parênteses) Obs. g .Paginação .coordenador(es) . = organizador(es) ed.editor(es) coord.Número de volumes (se houver) h .Nome da série.Ano da publicação . .: a) O alinhamento deve estar todo à esquerda da referência. ou eds. i .ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS PÓSf . ou orgs. b) Em obras avulsas são usadas as seguintes abreviaturas: org. .Quantidade de páginas da obra.É o ano em que a obra foi editada.

. 2. "(Cadernos de Educação Popular. Petrópolis: Vozes. LAKATOS. 1986. 10). Hilton F. 125 p. Metodologia científica. 2. Beatriz. Adriana Flávia Santos de Oliveira. O mito da neutralidade científica. JAPIASSU.Exemplos: Autor pessoa física: LIMA. COSTA. 1975. (Cadernos de Educação Popular. 10)". Petrópolis: Vozes.: no exemplo acima o livro pertence a uma coleção. JACCOUD. ed. Vera. 1986. Eva Maria. Obs.. Até três autores: COSTA. São Paulo: Atlas. 228 p. . 231 p. Rio de Janeiro: Imago. Marina de Andrade. 1991. MARCONI. Pré-escola e alfabetização: uma proposta baseada em Paulo Freire e Jean Piaget. Maria Aída B. ed. quer dizer que o nome da coleção é "Cadernos de Educação Popular" e o número desta obra na coleção é 10. MEB: uma história de muitos.

287 p. Introdução ao pensamento filosófico. Armando Serafim et al. ed. . Roberto Jarry et al.Mais de três autores: OLIVEIRA. Obs. 1985. São Paulo: Atlas. (et alli) quer dizer e outros. São Paulo: Loyola. RICHARDSON. Pesquisa social: métodos e técnicas.: et al. 1989. 2. 211 p. ed. 3.

Pré-escola e alfabetização: uma proposta baseada em Paulo Freire e Jean Piaget. 2. 1994.Repetição de nome do autor: LIMA. Obs. 228 p. . ed. Avaliação escolar: julgamento e construção. 168 p. Petrópolis: Vozes. Petrópolis: Vozes. ________ .: Quando o autor é repetido várias vezes pode ser substituído por um traço (equivalente a seis espaços) e um ponto. Adriana Flávia Santos de Oliveira. Digita-se também por extenso se o autor referenciado anteriormente for co-autor da obra seguinte. Caso haja mudança de página o nome do autor volta a ser digitado por extenso. 1986.

110 p. Avaliação educacional: necessidades e tendências. Dissertação / Tese: BELLO. Vitória. José Luiz de Paiva. 1995. Vitória. 1984.Sem nome do autor: O pensamento vivo de Nietzsche. Programa de Pós-Graduação em Educação / PPGE-UFES. Autor corporativo: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO. São Paulo: Martin Claret. PPGE/UFES. . Lauro de Oliveira Lima: um educador brasileiro. 1991.Programa de Pós-Graduação em Educação . Universidade Federal do Espírito Santo.PPGE. Dissertação (Mestrado em Educação) . 1995. 143p. 210 p.

1991.Referência de parte de uma obra: O autor do capítulo citado é também autor da obra: LIMA. O autor do capítulo citado não é o autor da obra: HORTA. Lauro de Oliveira. In: MENDES. 213-234 In: A escola secundária moderna: organização. p. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 195239. 1976. . Filosofia da Educação Brasileira. cap.). Planejamento educacional. 12. Rio de Janeiro: Forense-Universitária. Dumerval Trigueiro (org. José Silvério Baía. p. métodos e processos. Ativação dos processos didáticos na escola secundária.

Indicação de página inicial e final do artigo: i .Data: .Autor(es) do artigo: b .Editor: f .Indicação do número ou fascículo: h .Local da publicação: e .Artigos de revistas ou jornais a .Indicação do volume: g .Título do artigo: c .Título da revista: d .

3. p. 35-37. 1992. Leila Diniz. O que é ser mãe? A evolução da condição feminina na maternidade através dos tempos. Mensageiro. Rio de Janeiro. especial. out. n. abr. Viver Psicologia. Artigo não assinado (sem nome de autor): A ENERGIA dual indígena no mundo dos Aymara (Andes do Peru e Bolívia).. 63. Belém. Obs. 1990. São Paulo. p.: escreve-se em maiúscula até a primeira palavra significativa do título. Entrevista concedida ao Pasquim. Marisa Cintra. 25-27. jul. 1982. 10-17. segue-se a mesma regra das referências dos livros. n. Leila. v. Artigo de jornal assinado: DINIZ. Obs.Exemplos: Artigo de um autor: RTOLETTO./maio/jun. p.: no caso de mais de um autor. uma mulher solar. I. Almanaque Pasquim. n. .

. 31 jan.Exemplos: Artigo de jornal não assinado (sem nome de autor): MULHERES têm que seguir código rígido. Obs: a referência de mês é reduzida a apenas três letras e um ponto. 40.. O Globo. (veja o exemplo em artigo não assinado). etc. p. Rio de Janeiro. o de fevereiro fev. com exceção do mês de maio que se escreve com todas as letras (maio) e sem o ponto. . 1 caderno. O mês de janeiro ficaria sendo jan. 1993.

Teorias da aprendizagem. Rio de janeiro: Fundação Getúlio Vargas.: esta citação indica que a revista inteira foi consultada.Publicações Periódicas Coleções inteiras: EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS.13. fev. São Paulo: Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais.1/2. Obs. Somente uma parte de uma coleção: FORUM EDUCACIONAL.: todas as revistas sob este título foram consultadas./maio 1989. . v. 1956Obs. n.

p. Parecer n. Decreto 93. pt. Portarias etc. Resoluções etc: CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO. out. v. n. de 15 de janeiro de 1987. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil). 1. 1987. 1979. 217220. Consulta sobre o plano de aperfeiçoamento médico a cargo do Hospital dos Servidores de São Paulo. . 227. Pareceres. Brasília. 125. 793-799. Relator: Antônio Paes de Carvalho. p. Documenta. 1.Decretos-Leis. Seção 1.406 de 5 out. 9. n. 16 de jan. 1979. Promulga a convenção sobre conservação dos recursos vivos marinhos antárticos.: BRASIL.935.

p. São Paulo. execução: direitos autorais. . 1996. 24 out. 11-29. Anais de congresso no todo: SEMINÁRIO DO PROJETO EDUCAÇÃO. 5.. 1996. 1981. Antônio. reprodução.. Publicação. Rio de Janeiro: Forum de Ciência e CulturaUFRJ. In: Congresso Brasileiro de Publicações. 1981.Trabalho publicado em anais de congresso e outros eventos: CHAVES. Anais do I Congresso de Publicações. Anais do V Seminário do Projeto Educação. São Paulo: FEBAP. 5 a 10 de jul. 1. Rio de Janeiro.

Acesso em: 21 fev. .Internet Exemplo de referência desta página sobre Metodologia Científica.htm>. Metodologia Científica.pro. José Luiz de Paiva.pedagogiaemfoco.2003. A representação social do professor sob o ponto de vista do aluno. In: Pedagogia em Foco.htm>. dez. do "site" Pedagogia em Foco: BELLO. Revista Aprender Virtual.<http://www.pedagogiaemfoco. Estrutura e apresentação do trabalho.br/met07. 2004. 2004. Lucia Martins et al. . BARBOSA. 1998. Atualizada em: 14 fev. Acesso em: 2 fev.Disponível em: .pro.br/met07. Disponível em <http://www. Marília. 2004.

. Douglas Silva. Seu Jorge. Robert de Niro. Produção: David Putnam. son. Daniel Zettel. Videofilmes "Cidade de Deus".]: Goldcrest Films. Intérpretes: Matheus Nachtergaele. Leandro Firmino da Hora. Alexandre Rodrigues. Jonathan Haagensen. Roteiro: Robert Bold. [S.I. 1986. 2003. [S.. Produção: Andréa Barata Ribeiro e Maurício Andrade Ramos. Liam Neeson. Phellipe Haagensen. . DVD. Trilha sonora: Ennio Morricone.]: 02 Filmes. Roteiro: Bráulio Mantovani.I. son. Direção: Fernando Meirelles. Intérpretes: Jeremy Irons.. Direção: Roland Joffé.Imagem em movimento CIDADE de Deus. A MISSÃO. Aidan Quinn. color.color. 1 DVD (121 min). 1 CD (130 min).

O outro lado do Nobel. 2001. disco 6. 1 CDROM. 51-55. n. dez. Super Interessante. . Denis Russo.Mídia eletrônica BURGIERMAN. 171. São Paulo: Abril. p.