P. 1
LOAS estrangeiro

LOAS estrangeiro

|Views: 366|Likes:
Publicado porCamila Gomes

More info:

Published by: Camila Gomes on Jun 21, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/13/2013

pdf

text

original

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS

1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL

Excelentíssimo(a) Sr(a). Juiz(a) da ___ ª Vara do Juizado Especial Federal de Belo Horizonte – Seção Judiciária do Estado de Minas Gerais.

RICARDO SILVA ALEIXO, menor, neste ato representado pela sua mãe DANIELA SILVA DO NASCIMENTO, brasileira, solteira, portadora de CI nº M8.949.789, inscrita no CPF sob nº 050.825.316-03, residente e domiciliada na rua João Samaha, n.º 1288, bairro São João Batista – Venda Nova, CEP n.º 31520-100, Belo Horizonte/MG, vem por intermédio da Defensoria Pública da União, propor a presente:

AÇÃO PREVIDENCIÁRIA, SOB O RITO SUMARÍSSIMO, COM PEDIDO DE LIMINAR PARA CONCESSÃO DE BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA

em

face

do

INSTITUTO

NACIONAL

DO

SEGURO

SOCIAL,

representada por sua procuradoria em Minas Gerais, situada na Rua da Bahia, nº 888, 13º andar, Centro, pelos fatos e fundamentos seguintes:

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto, n.15, Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30.240.160 Tel. 3291-0193

a falta de ar. dentre outras. Vale destacar ainda que o autor nasceu em 2002 na cidade de Porto em Portugal e lá foi registrado (doc. 44): “receber intimação pessoal em qualquer processo e grau de jurisdição. das seguintes prerrogativas (LC 80/94. que exige muitos cuidados em DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. XI).DOS FATOS Conforme é possível verificar na documentação em anexa. permitindo a passagem do sangue do átrio esquerdo para o átrio direito. em Belo Horizonte/MG. e “representar a parte. A mãe do assistido é operadora de caixa e encontra-se desempregada. em feito administrativo ou judicial. independentemente de mandato. mas principalmente a cianose (sintoma marcado pela coloração azul-arroxada da pele e ocorre devido ao aumento da hemoglobina oxidada). São diversos os sintomas causados pelas doenças acima referidas. Ela precisa ficar o tempo todo cuidando de seu filho.160 Tel. motivo pelo qual foi submetido em maio de 2008 a cirurgia cardíaca. 3291-0193 . contando-se-lhe em dobro todos os prazos” (inc. Referida moléstia é causada por um defeito de fechamento do septo interatrial. cumpre salientar que o Defensor Público da União goza.DAS PRERROGATIVAS DOS DEFENSORES PÚBLICOS DA UNIÃO Inicialmente. Além disso.240. I). brasileira. sudorese e cansaço e modificações no formato do tórax.15. o autor da presente ação tem apenas cinco anos de idade e é portador de cardiopatia congênita do tipo “Ostium secundum”. II . ressalvados os casos para os quais a lei exigir poderes especiais” (inc. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. n.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL I . em anexo). Ocorre que reside atualmente com sua mãe. art. o assistido tem doença na válvula tricúspide.

que foi indeferido em virtude da INEXISTÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL PARA CONCESSÃO DO BENEFÍCIO A ESTRANGEIROS (doc. DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS QUE TRATAM SOBRE O BENEFÍCIO PLEITEADO: O benefício de prestação continuada está disciplinado pelo art. inciso V da Constituição brasileira. Em qualquer momento a Constituição DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. Foi publicada a Lei 8. Referidos diplomas normativos elencam como destinatários do benefício em tela os idosos e as pessoas com deficiência.1. 203.720/98. tratados internacionais e inclusive contra a própria legislação que disciplina o benefício assistencial conforme se demonstrará a seguir. regulando o referido dispositivo e tratando sobre a organização da assistência social. conforme dispuser a lei". traduzindo-se na "garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família.742/93. Assim sendo.240. que sofreu algumas modificações pela Lei 9. Diante das dificuldades financeiras pelas quais a família passa.15.160 Tel. em anexo). pedido administrativo de LOAS perante o INSS em 30/06/2008. a mãe do autor realizou. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. n. em nome de seu filho.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL decorrência das doenças que o acometem e não tem condições de procurar emprego para garantir seu próprio sustento e o de seu filho. III – DO DIREITO III. 3291-0193 . restou evidente que referida decisão administrativa atenta contra diversos princípios constitucionais.

Ocorre que. os textos legais são auto-explicativos. contrariando o ordenamento jurídico vigente. Como se nota. no art. não há qualquer questionamento a ser elaborado.Todos são iguais perante a lei.15. cabendo ao Instituto responsável apenas o acatamento das disposições legais. 4º deste que: "São também beneficiários os idosos e as pessoas portadoras de deficiência estrangeiros naturalizados e domiciliados no Brasil. à segurança e à propriedade.160 Tel. FEDERAL: DO FLAGRANTE DESRESPEITO À CONSTITUIÇÃO A Constituição da República prevê.2.º 1. Uma vez preenchidos os requisitos legais para concessão do benefício de prestação continuada. os destinatários dos direitos e garantias fundamentais: "Art. à liberdade. 5º. ferindo frontalmente a Carta Magna.744. n. sem distinção de qualquer natureza. Em flagrante dissonância dispõe o art. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. 3291-0193 . a lei. nos termos seguintes:" (grifo nosso). foi publicado aos 8 de dezembro de 1995. caput. à igualdade. DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. Trata-se de critério que não encontra apoio no texto constitucional. o Decreto n. garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida. desde que não amparados pelo sistema previdenciário do país de origem". III.240. bem como o ordenamento jurídico como um todo. 5º .DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL estabeleceu restrição em relação ao direito de estrangeiros residentes no Brasil de o receberem.

a segurança. a moradia. ainda que não se trate de naturalizados. a assistência aos desamparados. limitações aos estrangeiros estabelecidas na Constituição. São Paulo: Malheiros. salvo nos casos previstos nesta Constituição”. Sobre o tema manifestou-se muito bem o Prof. LI.15. Analisando os dispositivos acima colacionados chega-se a conclusão de que a Carta Magna garantiu o tratamento isonômico em se tratando de direitos e garantias fundamentais. ainda que envolva brasileiros e estrangeiros residentes no país.) DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. a regra é que não haverá distinções. 3291-0193 . a proteção à maternidade e à infância.160 Tel. 6º do mesmo diploma legal que: "Art. 3º ). Assim. José Afonso da. a previdência social. (SILVA. Curso de Direito Constitucional Positivo. José Afonso da Silva: “O princípio é o de que a lei não distingue entre nacionais e estrangeiros quanto à aquisição e ao gozo dos direitos civis (CC. 14. art. a saúde. art. o lazer. VI).240. de sorte que podemos asseverar que eles só não gozam dos mesmos direitos assegurados aos brasileiros quando a própria Constituição autorize a distinção” (grifo nosso). 89. porém. o trabalho. ressalvados APENAS os casos expressamente previstos na Constituição Federal (art.São direitos sociais a educação. o art. 337. I. na forma desta Constituição" (grifo nosso). 6º . 12 estatui que a “lei não poderá estabelecer distinções entre brasileiros natos e naturalizados. n. p. 2004. Há. §§ 2º e 3º. 5º. art.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL Estatui ainda. o art. No mesmo sentido.

um amesquinhamento do direito fundamental pelo legislador.. 2002. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. n. Alexandre de. “são eles prescrições práticas que têm por fim preparar a execução das leis. Direito Constitucional. nem o espírito. Juiz Federal do Estado de Santa Catarina: “Não é admissível. 4º do Decreto 1.) O art. De qualquer forma.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL III. Alexandre de Morais leciona ainda que. sem lhes alterar todavia.160 Tel. não pode o juiz constitucional fazer o que o legislador não está autorizado. estando comprometido com a máxima efetivação do direito fundamental (.. outrossim. São Paulo: Atlas. Da mesma forma. Lei Orgânica da Assistência Social.774 está. 427. 3291-0193 .3. portanto. DA ASSISTÊNCIA SOCIAL COMO DIREITO FUNDAMENTAL Os Decretos legislativos. não encontramos no texto da 8. Nesse sentido importa destacar importante consideração tecida pelo MM. p. eivado de flagrante inconstitucionalidade vez que inovou ao estatuir uma nova hipótese de distinção entre os estrangeiros naturalizados e os estrangeiros residentes no país. como se sabe. DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. qualquer restrição a este direito fundamental aos estrangeiros residentes no país. são instrumentos normativos editados pelo Poder Executivo para tornar efetivo o cumprimento da lei.742/93. imuniza-o contra a política ordinária. completando-as em seus detalhes.15.240. em primeiro lugar. retirando-lhe da esfera de disponibilidade do legislador. nem mesmo quando este é encarregado de sua concretização. nem o texto.)” "Atribuir a um direito o caráter de fundamental.” (MORAES.

religião. excluindo os estrangeiros residentes no país do rol de beneficiários.. (grifo nosso) DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto.)” (MORO. estatui uma série de garantias à liberdade pessoal e à justiça social com base nos direitos humanos. III. convenção ratificada pelo Brasil. "Benefício da Assistência Social como Direito Fundamental". pp.160 Tel.240. Assim. Trata-se de uma garantia constitucionalmente prevista. a Convenção Americana sobre Direitos Humanos. Boletim dos Procuradores da República.. O art. idioma. posição econômica. DOS LIMITES À DISTINÇÃO ENTRE NACIONAIS E ESTRANGEIROS Assim como a Constituição Federal de 1988. 2001.) Não poderia o Decreto em questão restringir o direito ao benefício assistencial em comento apenas aos brasileiros naturalizados. n. cor. nascimento ou qualquer outra condição social’. ilegalmente excluída por DECRETO. origem nacional ou social. Sergio Fernando.4. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. sexo. opiniões políticas ou de qualquer outra natureza. sem discriminação alguma por motivo de raça. que foi. 3291-0193 . 1º da convenção consagra a afirmação supra: “Artigo 1º. mostra ilegal a decisão administrativa da autarquia-ré em negar o benefício de prestação continuada aos estrangeiros residentes no Brasil com justificativa no referido Decreto. 27-31.15.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL (. Os Estados-Partes nesta Convenção comprometem-se a respeitar os direitos e liberdades nela reconhecidos e a garantir seu livre e pleno exercício a toda pessoa que esteja sujeita à sua jurisdição.

mesmo que assim não se entenda. nos termos da lei. demonstrada outra fonte normativa consagradora da proibição de discriminação e que deve ser igualmente respeitada. 194 estatui que: "art. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. 203 da CF/88 é expresso ao declarar que “a assistência social será prestada a quem dela necessitar”.5. organizar a seguridade social. 24 desta: "Todas as pessoas são iguais perante a lei. sem discriminação. à previdência e à assistência social. de forma a que todos os atos ou fatos que lhe causem lesão sejam repelidos. Por conseguinte. 194 . a igual proteção da lei". Assim. seus preceitos devem ser obedecidos. No mesmo sentido o art.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL Dispõe ainda o art. 3291-0193 . com base nos seguintes objetivos: DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. O PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA UNIVERSALIDADE E O DIREITO PREVIDENCIÁRIO O art. Restou.240.15. Cumpre ainda asseverar que o Direito Internacional atual tem como núcleo os Direitos Humanos e a proteção que deve ser dada a eles. n. têm direito. destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde. III. todos os tratados internacionais ratificados pelo Brasil que resguardem direitos fundamentais devem ter sua força equiparada a das normas constitucionais. A natureza humana deve ter proteção especial.A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade. pois.160 Tel. De qualquer forma. Parágrafo único. Compete ao poder público. sendo sua aplicabilidade irrestrita e imediata. como tal. certo é que a mencionada Convenção foi ratificada pelo Brasil integrando o ordenamento jurídico brasileiro e.

a erradicação da pobreza e da marginalização e a redução das desigualdades sociais e regionais e a promoção do bem de todos. sem preconceito de origem. n. sexo. Não há como se pensar em garantir a aplicação do Princípio da Universalidade da cobertura se está sendo feita restrição quanto à concessão de benefício aos estrangeiros residentes no país. 3291-0193 . a saber: a construção de uma sociedade livre. o da dignidade da pessoa humana.universalidade da cobertura e do atendimento" (grifo nosso). escapando ainda dos ditames impostos pelo Direito Internacional Público e ainda por contrariar um dos fundamentos da República Federativa do Brasil. Mais uma vez percebe-se nítida a ilegalidade da decisão administrativa do INSS em negar a concessão do benefício assistencial ao requerente. bem como suas finalidades. justa e solidária. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30.240. é flagrantemente inconstitucional por trazer gritante quebra ao Princípio da Universalidade. Dessa forma.160 Tel. por estabelecer discriminações ao gozo do benefício que a Constituição não estabeleceu nem permitiu que se estabelecesse. não há QUALQUER justificativa plausível para que lhe seja negado o referido benefício. em razão de sua NACIONALIDADE. cor e quaisquer outras formas de discriminação. especialmente em razão da gravidade da doença que o acomete e da necessidade de garantir o seu sustento. Não é exigida qualquer contribuição para fazer jus ao mesmo.15. A ilegalidade mostra-se ainda mais evidente quando se leva em consideração que como requisito para concessão do benefício assistencial tem-se a baixa renda e a deficiência ou idade. DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. elencado no artigo 1º.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL I . Dessa forma. inciso III. por contrariar o disposto na Convenção Americana sobre Direitos Humanos ratificada pelo Brasil. resta incontestável que o dispositivo infraconstitucional além de caminhar na contramão de nosso processo histórico.

inciso I. Entretanto. IV . III. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. antecipar. 273 – “O juiz poderá. é notório que o autor tem direito ao recebimento do mesmo.DA NECESSIDADE DE ANTECIPAR OS EFEITOS DA TUTELA A antecipação da tutela está prevista no artigo 273 do CPC. da Constituição Federal de 1988 (grifo nosso). 3291-0193 . que o autor faz jus ao benefício. a requerimento da parte.444/2002. se não há exceção prevista na Constituição Federal de 1988 no sentido de excluir o direito de estrangeiros perceberem o benefício assistencial. Destaca-se por fim que a própria autarquia-ré. salvo as exceções previstas constitucionalmente. após a alteração introduzida pela Lei 10. ressalta-se que o indeferimento do benefício sob a alegação de que não há previsão legal para tanto é notadamente discriminatória.160 Tel.6. Dessa forma. conforme argumentos acima explicitados é vedada qualquer discriminação dos estrangeiros residentes no país. tem a seguinte redação: Art. os efeitos da tutela DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. que. Exa.15. n.240. mormente considerando que os princípios constitucionais asseguram a igualdade de todos perante a lei. III e IV. total ou parcialmente. DO CONTEÚDO DA DECISÃO ADMINISTRATIVA QUE NEGOU A CONCESSÃO DO LOAS AO AUTOR A comunicação do indeferimento administrativo do pedido de LOAS realizado pela representante do autor em 30/06/2008 foi expressa ao declarar que não foi reconhecido o direito à concessão do benefício em virtude de INESITÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL para o caso em tela. Ora.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL conforme dispõe o artigo 3º. sejam eles brasileiros ou estrangeiros residentes no país. ao justificar o indeferimento do pedido de concessão do LOAS utilizou o mesmo argumento que no momento se sustenta para demonstrar a V.

o preenchimento de dois requisitos. não nos exime da obrigação legal de demonstrá-los. sem dúvidas.160 Tel. pois. O dano irreparável. em caso como o dos autos eles nos parecem tão óbvios e inquestionáveis ao senso comum e por conseqüência o será também a este Douto Juízo. que deve ser respeitado o direito constitucional a dignidade e. Quanto ao segundo requisito. principalmente. sobretudo. sendo privado de receber o benefício estará correndo grave risco social. estará sendo privado de um direito que tem por fundamento assegurar o atendimento de uma necessidade fundamental. desde que existindo prova inequívoca.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL pretendida no pedido inicial. a alimentação e a manutenção de suas condições especiais de vida. devem ser demonstrados para se fazer jus à antecipação da tutela. uma vez que. O primeiro requisito está preenchido conforme restou caracterizado nos itens anteriores e de acordo com documentação em anexa (atestados médicos e declaração de renda).15. 3291-0193 . já velho conhecido. Não restando qualquer dúvida sobre o enquadramento do assistido aos requisitos legalmente exigidos a concessão dos benefícios pleiteado. Ressaltando-se. à vida.240. fundado receio de dano de difícil reparação para o autor. há. é identificado como o periculum in mora. ou.” Exige-se. se convença da verossimilhança da alegação e: I – haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação. Ambos os elementos. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. por exigência da legislação. Isto. n. quais sejam: prova inequívoca que convença o juiz da verossimilhança da alegação e a existência de fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação. Contudo. grande parte da doutrina entende ser confundível a verossimilhança ao fumus bonis iuris. DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. contudo. Apesar de abalizadas opiniões em sentido contrário. sendo que a preenche todas as exigências da lei.

conforme previsto no art. o INSS a implantar o benefício em caráter definitivo e a pagar as prestações vencidas (desde o requerimento administrativo realizado em 30/06/2008) e vincendas com correção monetária e juros moratórios de 1% ao mês a partir da citação (Súmula 204-STJ). n. É inquestionável que o caso de demora do provimento jurisdicional favorável a autora. o fumus boni iuris. 273 do CPC. sendo que o autor renuncia desde já aos valores eventualmente superiores ao limite dos Juizados Especiais. d) autora. 273 do Código de Processo Civil. condenando-se do benefício assistencial pelo INSS. que a situação fique ainda pior. resta muito evidente estar presente. in casu.. c) esse juízo. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30. 3291-0193 . requer: a) b) Que seja concedida medida liminar para concessão imediata Que a presente ação seja julgada procedente.160 Tel.240. Que o INSS seja citado para responder à presente ação e que Que o INSS seja condenado ao pagamento das custas e honorários de sucumbência a ser depositado em conta a ser indicada por seja intimado a juntar os registros administrativos relativos à parte DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. sendo que por isso requer-se a ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. Pelos elementos acima relatados.15. V .DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL Diante disso. é notório que estão presentes aqui dois dos pressupostos do art.DOS PEDIDOS Do exposto.

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL e) Caso V. 3291-0193 . 44.160 Tel.240. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30.060/1950. da Lei 10. órgão público integrante da Administração Federal. nos termos do art. da Lei 1. Protesta provar as alegações contidas nesta inicial por todos os meios de prova admitidos em direito. sem prejuízo do sustento próprio ou de sua família. f) Que esta Defensoria seja intimada com antecedência para a apresentação de quesitos ao assistente social nomeado por V. notadamente.060/1950. § 5º. DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto. conforme estatui o art. h) Que lhe sejam concedidos os benefícios da assistência judiciária por não ter condições de pagar as custas do processo e os honorários de advogado. se for o caso. art. Exa. j) Que a Defensoria Pública da União.522/2002). g) Que o assistente social seja informado que o autor poderá se submeter à perícia acompanhada de defensor(a) público(a). § 1º. da LC 80/94. da Lei 1. 5º. por perícia judicial que ateste a deficiência do autor e a miserabilidade de sua família.15. i) Que seja observada a intimação pessoal dos membros da Defensoria Pública da União. que sejam realizadas entrevista pessoal e perícia com assistente social. n. seja dispensada de autenticar as cópias reprográficas de quaisquer documentos que apresente em juízo (art. Exa. 24.. Lei 10.259/2001 c/c art. caput. e Súmula 13 da 2ª Turma dos Juizados Especiais de Minas Gerais. 8º. I. entenda que não está suficientemente provada a situação de miserabilidade da assistida e de sua família. 4º.

pede deferimento.MG Cecília Fonseca Bandeira de Melo Estagiária OAB/MG 19.000. Serra Belo Horizonte/MG – CEP 30.00 (cinco mil reais). 18 de julho de 2008 Letícia Fernandes de Magalhães Pinto Defensora Pública Federal Núcleo de Belo Horizonte .160 Tel. n. Nestes termos.240. Belo Horizonte. 3291-0193 .408E DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS  Rua Pouso Alto.DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO EM MINAS GERAIS 1º OFÍCIO CÍVEL ESPECIAL Dá-se à presente causa o valor de R$ 5.15.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->