P. 1
CFTV

CFTV

|Views: 1.115|Likes:
Publicado porFábio França

More info:

Published by: Fábio França on Jul 01, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/03/2013

pdf

text

original

“copyright” Todos os direitos reservados.

2

CAPÍTULO 1 – O SISTEMA DE CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO
CFTV, Circuito Fechado de Televisão, (do termo inglês Closed Circuit TeleVision - CCTV), é um sistema de televisionamento que distribui sinais provenientes de câmeras localizadas em um local especifico, para um ponto de supervisão pré-determinado. Os sistemas de CFTV normalmente utilizam câmeras de vídeo CCD (para produzir o sinal de vídeo), cabos ou transmissores/receptores sem-fio ou redes (para transmitir o sinal), e monitores (para visualizar a imagem de vídeo captada). O sistema de CFTV não é aplicado somente com propósitos de segurança e vigilância, também é utilizado em outros campos como laboratórios de pesquisa, em escolas ou empresas privadas, na área médica, assim como nas linhas de produção de fábricas.

Componentes Principais do Sistema de CFTV
Os principais componentes necessários para um sistema de CFTV são: iluminação, lentes, componentes da câmera (câmera, CCD, suporte de montagem, cabeamento ou transmissor sem fio), web câmeras, processadores (sequencial, quad, multiplexador, matriz de vídeo), monitores, gravadores vídeo (time lapse VCR, placa de captura de vídeo, digital vídeo recorder – DVR) e alimentação.

Iluminação em CFTV
Por definição, luz é a forma de energia radiante visível. A luz é indispensável para sensibilizar o sensor CCD e a partir dele transformar as imagens em sinais elétricos. Logo, a qualidade de uma imagem depende do controle da entrada de luz no conjunto lente/câmera. O tipo de local a ser monitorado e a aplicação determinam o tipo de equipamento a ser utilizado. Para aplicações internas, com iluminação garantida e maiores detalhes, podem ser utilizadas câmeras coloridas. Já locais externos, com períodos de baixa iluminação, é essencial o uso de câmeras P&B, pois sua sensibilidade é muito maior.

2

O f_number. com zoom manual ou motorizada.0. normalmente. são responsáveis pelo direcionamento. que fazem a compensação da luz. etc. maior a quantidade de luz direcionada para o sensor da câmera e melhor é a qualidade da imagem. por isso é muito importante a definição da sua característica. não deixando ofuscar a imagem. Os modelos de lentes mais utilizadas são as de “íris fixa” para uso interno ou externo.3 Lentes São os componentes. f/2. aumento e foco da imagem. desde que o ambiente não tenha grandes variações de luminosidade. que instalados na câmera. 3 . Existem lentes varifocais auto-íris. especialmente no anel de abertura da íris. As lentes podem variar de acordo com a área a ser visualizada e a distância de trabalho. 1 – Lente Íris Fixa com regulagem de foco Fig. é marcado no corpo da lente. Esta velocidade é determinada pela Distância Focal (DF) e o Diâmetro (D) de uma lente: f _ number  DF D .2. Fig. podemos dizer que quanto menor o f_number. 2 – Lente varifocal Velocidade Ótica Velocidade Ótica é a característica que determina a velocidade que uma lente direciona um sinal luminoso e é definido pelo número-f (f_number) como f/1. para o ajuste de foco (distância de visualização com qualidade). Para uso externo e/ou com grande variação de luminosidade são utilizadas as lentes “auto-íris”.

como um quad. 4 – CCD Câmera P&B Fig. O CCD funciona como um filme de uma máquina 4 . A câmera cria a imagem através dos níveis de iluminação capturados do ambiente através da lente e do sensor de imagem CCD. Todo o sistema de visualização tem como ponto de inicio a câmera. chamados de “pixel”. 5 – Diagrama em bloco do esquema interno de uma câmera Algumas das características mais importantes das câmeras de CFTV:  Sensor de Imagem – Dispositivo de captação da imagem da câmera. seguindo certos padrões.  CCD (Charged Coupled Device) é o dispositivo responsável pela conversão das imagens visuais em sinais elétricos. porém existem algumas variações conforme o fabricante. normalmente CCD. multiplexador ou DVR. Desta forma. Fig.4 Câmeras de CFTV As câmeras são equipamentos destinados a converter níveis de iluminação e cor em sinais elétricos. Ele é composto por milhares de elementos sensíveis à luz. a imagem formada sobre o CCD é dividida em vários elementos de imagem. 3 – CCD Câmera Color Fig. Todas as câmeras possuem elementos (sensores) os quais são atingidos pela luz. essa imagem capturada é então processada e transmitida para o sistema de controle.

Back Light Compensation (compensação de luz de fundo). Não deve ser habilitada com lentes auto-íris. Este controle permite um ajuste automático do sinal de vídeo entregue pela câmera.  AGC – Controle Automático de Ganho. 5 . em relação à variação de luminosidade da cena captada. dependendo da câmera. evitando o brilho excessivo ou reflexão demasiada nos pontos claros da imagem. é uma função importante nas câmeras. sendo que o último tem uma performance bem mais apurada.  Iluminação – Também conhecida como lux da câmera. Este recurso permite que as cores mostradas na tela do aparelho receptor correspondam exatamente às cores originais da cena que está sendo captada. Em muitas câmeras pode ser ajustado de forma a compensar uma variação na iluminação da cena. Pode ser analógico ou digital. ajusta automaticamente os pontos de imagem em relação aos diferentes pontos de branco da imagem.  Resolução – É a característica que irá definir a qualidade da imagem de uma câmera. O controle de velocidade do obturador (Shutter control) permite à câmera captar cenas com movimentos rápidos.5 fotográfica. apagado e usado novamente. com a diferença de poder ser lido. capturando imagem. Quanto maior o número de linhas melhor a qualidade da imagem gerada.  BLC . É uma função efetuada pelo circuito da câmera que atua sobre o sinal de vídeo para mantê-lo em níveis constantes independente das variações ambientais.Shutter Speed é a velocidade de leitura dos pixels. pois proporciona uma compensação para situações onde uma iluminação intensa no plano de fundo pode obscurecer um objeto ou local que esteja sendo monitorado. é o nível de iluminação mínimo para uma imagem aceitável.  ATW .Balanço automático do nível de branco. também chamada íris eletrônica melhora a imagem em câmeras com lentes com íris fixa ou ajustável. Quanto menor o lux melhor será a imagem em condições de baixa iluminação e mais sensível será a câmera.  Velocidade do Obturador .

6 4. Outra vantagem é a largura de banda abundante que permite que vários sinais de vídeo possam ser transmitidos em uma única fibra ótica.1. devido aos conversores. Wireless  Os dispositivos sem fio são outra alternativa para a transmissão de sinais de vídeo. tendo um bom desempenho geral em termos de transmissão de sinal. mas é uma alternativa viável para determinadas aplicações. Par Trançado  Os cabos trançados. Permite a transmissão do sinal de vídeo por até 1 (um) quilômetro. Cabo de Fibra-Ótica  O Cabo de Fibra-Ótica não é afetado por interferências elétricas e não sofre nenhum problema com o contato com alta tensão. além da possibilidade de transmissão simultânea de sinais de telemetria e rede. possuindo 75-ohms. que são amplamente utilizados em sistemas de redes. idealizado para aplicações de redes de speed-domes e sistemas integrados. como sequencial. sinais de controle de movimentadores como pan-tilts e panoramizadores. é como 6 . Cabeamento Os principais tipos de cabeamento e meios de transmissão utilizados em CFTV são os seguintes: Cabo Coaxial  O cabo coaxial possui características elétricas propícias para a transmissão de sinais de vídeo da câmera para o monitor ou ao processador de vídeo. o RG59 é o mais utilizado. possuem uma ótima qualidade de transmissão para de dados. O custo dos conversores ainda é bastante alto se comparado aos cabos coaxiais. Pode transmitir sinais de vídeo com eficiência extremamente alta e pode transmitir os sinais por vários quilômetros. quad. A desvantagem é a necessidade de utilização de conversores na saída da câmera e na entrada do monitor ou processador de vídeo. Dentre vários cabos coaxiais disponíveis. Torna-se vantajoso para locais com cabeamento estruturado disponível.1. multiplexador ou DVR.

Normalmente. ruídos e instabilidade no sinal. Estas câmeras não necessitam de nenhum hardware adicional. Web-câmeras Web-câmeras (ou web-cameras Server) é uma câmera para CFTV com um computador servidor interno que permite conectá-la a um ponto de Internet tipo DSL. Existem no mercado equipamentos de CFTV com o sistema sem fio integrado. 6 – Esquema de um sistema utilizando um Quad ligação entre componentes de 7 . sendo que o privado só permite visualização dentro de uma LAN ou WAN) para a câmera. Quads O Quad (Quad Splitter) é um dispositivo eletrônico que combina as imagens de até 4 câmeras e as mostra em um monitor dividido em quatro quadros ao mesmo tempo. tudo que a câmera precisa é uma fonte de alimentação e uma conexão a Internet ou LAN. pois o endereço IP trabalha como um endereço de web site. é possível visualizar as imagens de vídeo de qualquer lugar onde um Navegador (Web Browser) como Microsoft Internet Explorer ou Netscape Navigator esteja disponível. porém são sistemas de pequeno porte e normalmente muito simples. O Quad pode ser conectado a um monitor de CFTV. Fig. os problemas de interferência. Mas também possui certas desvantagens básicas que reduzem sua aplicação prática. Uma vez designado um Endereço IP (Público ou Privado. possui também um circuito que permite o sequenciamento das imagens como um sequencial o qual pode mostrar as imagens uma de cada vez.7 principal vantagem a não necessidade de conexão física e passagem de cabos pelo local a ser monitorado. Um Quad pode ser P&B ou colorido de acordo com as câmeras utilizadas. ou seja. como o alto custo. T-1 ou LAN (Rede Local). uma TV ou VCR.

Os sequenciais de vídeo operam tanto com câmeras P&B como câmeras coloridas e podem ser conectados em monitores de CFTV. nos quais é possível a conexão de respectivamente 4 ou 8 câmeras. 7 – Quad P&B Fig. 8 – Quad Color Sequenciais O Sequencial de Vídeo é dispositivo destinado a combinar o sinal de múltiplas câmeras e mostrar suas imagens uma de cada vez na tela de um monitor. manualmente ou automaticamente.8 Fig. é possível programar o tempo de exibição para as câmeras. no modo de Fig. 9 – Sequencial (8 câmeras) Fig. Quando está operando sequenciamento automático. TV ou VCR. existem alguns modelos mais restritos que controlam também sinal de áudio. 10 – Sequencial (16 câmeras) 8 . A maioria dos sequenciais de vídeo possuem 4 ou 8 canais.

permitindo gravar uma imagem em vídeo. permite que sejam observadas informações como data / hora. possibilitando a ampliação de um determinado quadrante (função PIP). 12. permitindo sua visualização em um mesmo monitor através de quadrantes. 9 . 20 polegadas ou ainda monitores de 29 polegadas. Dispõe de entrada de alarme associado a câmeras. para detecção de movimento e também dupla função. 17. normalmente acarreta em uma menor resolução que monitores P&B. Como os monitores coloridos precisam de 3 diferentes pontos de cores para produzir um ponto de informação no monitor. 14. 12 – Multiplexador Color Monitores para CFTV Monitor P&B ou Monitor Colorido  Dependendo da aplicação. Permite o modo sequencial ou ainda dividir a tela em 4 ou 9 quadrantes. 11 – Multiplexador P&B Fig. Dotado de Gerador de caracteres. Fig. enquanto observa outra ao vivo. a perda de sinal de vídeo e a colocação de um título para as câmeras com até nove caracteres (ideal para a gravação). são utilizados monitores coloridos ou P&B de 9.9 Multiplex Equipamento que gerencia as imagens de até 16 câmeras. Disponível nas versões para sistema colorido ou P&B.

Os monitores de 4 canais possui internamente um sequencial de vídeo para até 4 câmeras que utilizam normalmente conectores DIN para as entradas de vídeo.VCRs É um equipamento semelhante a um videocassete doméstico. assim como não são resistentes o bastante para operar continuamente em aplicações de segurança. 16 – Time lapses 10 . Fig. A utilização de videocassetes domésticos não é recomendada. Monitor Quad e Monitor de 4 Canais  Um Monitor Único é normalmente um monitor para uso profissional com uma única entrada de vídeo tipo BNC. 14 – Monitor 12” P&B Monitor Único. Fig. 15 – Monitor Quad Time-Lapses .10 Fig. 13 – Monitor 14” COLOR Fig. pois não foram projetados para uma gravação durante um longo período. que utiliza uma fita magnética VHS que grava imagens em um sistema analógico. Possibilita a gravação contínua de imagens de 24 à 960 horas em uma fita T-120. Um monitor Quad possui internamente um circuito de um Quad e normalmente possui 4 entradas DIN para os sinais de vídeo de até 4 câmeras.

Alguns equipamentos têm possibilidade de conexão por rede local (LAN) ou Internet (WEB). A alimentação de 12VDC pode ser fornecida por fontes de alimentação conectadas a rede elétrica ou baterias. gravação em tempo-real ou time lapse também é disponibilizada. board-cameras mini-câmeras. 30Gb. Este HDD. com um consumo de 100mA a 200mA para câmeras P&B e 150mA a 300mA para as coloridas. aproximadamente um terço das câmeras profissionais trabalham com 12VDC. Estas câmeras normalmente possuem conectores para conexão de fontes de alimentação DC. e 24VAC 11 . ou em outros termos Gravador Digital de Vídeo é um equipamento destinado à gravação de imagens de vídeo digitalmente em um disco rígido (HDD). gerando aquecimento e alimentação inadequada para a câmera. 60Gb ou 160Gb para gravação. 17 – Digital Video Recorder Fontes de Alimentação Existem dois tipos básicos utilizados para alimentação de câmeras para CFTV: 12VDC A maioria das micro-câmeras. A alimentação de 12VDC não deve ser passada por grandes distâncias. pois possuem integrada uma conexão de rede. Digital Video Recorder. pois pode ocorrer uma grande perda no cabo. possui capacidades de 20Gb.11 Gravadores Digitais – DVRs DVR. Fig. usualmente interno. Permite ainda a configuração da resolução da imagem e tempo de gravação de acordo com a aplicação.

As câmeras possuem a conexão da alimentação parafusada e não é necessário verificar a polaridade da conexão. sem grandes perdas no cabeamento. todas as câmeras serão sincronizadas utilizando como base de referência a rede elétrica (60Hz no Brasil). As domes formam uma 12 . a alimentação AC de 24V pode ser transmitida a distâncias de até 150 metros podendo alimentar normalmente câmeras externas. médio e grande. para evitar o "pulo" da imagem na troca de uma câmera para outra no monitor. 18 – Caixas de proteção Existem ainda Caixas de proteção especiais como Domes. Fig. tendo um consumo de 20VA a 40VA. Diferentemente da alimentação de 12VDC. Esta alimentação é conectada a rede elétrica e o cabo não deve acompanhar o cabo de vídeo por grandes distâncias. altamente difundidas hoje em dia. Caixas de Proteção As caixas de proteção para câmeras. ou seja.12 Por volta de dois terços das câmeras profissionais trabalham com 24VAC. ou câmeras que não possuem nenhum ponto de alimentação próximo. Para sistemas que utilizam sequenciais ou matrizes é importante utilizar câmeras profissionais com alimentação AC24V e configurar o sincronismo para LineLock. normalmente são aplicadas em áreas externas ou áreas onde existe o risco de danificação ou sabotagem das câmeras. São disponibilizadas em três tamanhos básicos que se aplicam para a maioria dos sistemas de CFTV do mercado: pequeno. estas câmeras normalmente de melhor qualidade não requerem polaridade específica da fonte DC. Existem ainda câmeras que aceitam os dois tipos de alimentação DC12V ou AC24V. para aplicações internas e externas.

espelhada ou fumê. escura. Fig. 19 – Caixas Dome 13 . mas dificultando a visualização interna da câmera como seu posicionamento ou movimentação.13 proteção em forma de que a câmera fique menos aparente tendo como superfície aparente apenas o domo em forma de meia esfera. com cor transparente. apresentando boa visualização para a câmera. São amplamente aplicadas nas speed-domes.

limpeza. A ABNT (Associação Brasileira de Normalização Técnica). não serão discutidos aqui os argumentos de cada posicionamento técnico defendido. Como o enfoque deste trabalho não é concluir o tipo de manutenção a ser aplicada no sistema de CFTV. É o conceito do reparo. na NBR – 5462. Entende-se também por preventiva. Apenas explanar-se-á sobre as manutenções dadas atualmente pelos profissionais. reapertos. lubrificação. correias e demais peças móveis q apresentem desgaste  Verificar o funcionamento dos ventiladores e substituí-los se for o caso 14 .. A contrário da preditiva. define manutenção como um “conjunto de ações destinadas a manter ou recolocar um item no estado no qual pode executar sua função requerida”. Em muitas das vezes um ou dois tipos de manutenção é dada a um referido equipamento. rolo pressor. as mais aplicadas são as manutenções preventiva e corretiva. Estas ações podem ser do tipo preventiva. Já a manutenção corretiva é uma espécie de manutenção onde o equipamento está defeituoso e deixa de funcionar. No caso específico de um sistema de CFTV. para alguns profissionais da área. proativa ou preditiva. A manutenção preventiva é uma espécie de manutenção onde os componentes são trocados antes da quebra. por serem equipamentos eletrônicos. corretiva. desobstrução. as atividades feitas durante uma manutenção preventiva em cada equipamento são: TIME LAPSE   Executar limpeza do equipamento  Verificar as conexões dos cabos de entrada e saída  Substituir cabeçotes. a preventiva não considera históricos particulares. No caso específico dos sistemas de CFTV. sendo que. desentupimento etc. mediante programação estabelecida por prazos de troca recomendados por fabricantes dos componentes e máquinas. a manutenção preventiva neste tipo de equipamento não é necessária..14 CAPÍTULO 2 – A MANUTENÇÃO Existem vários tipos de manutenção que podem ser dadas em um equipamento. É prejudicial à produção/sistema por não poder ser programada. não aproveitando ao máximo os componentes.

identificação das câmeras e etc. livres de ruídos.  Verificar se as imagens estão perfeitas. etc. 72 e 168 horas. na parte traseira do equipamento  Executar testes de gravação/reprodução nas diversas velocidades: 24. 15 . ativação das células de detecção de movimentos das câmeras desejadas. MULTIPLEXADOR   Verificar as conexões dos cabos de entrada e saída  Verificar se todos os LEDs de sinalização estão funcionando  Verificar se o botão correspondente às imagens em multicenas está funcionando  Verificar se o equipamento está com a programação correta.15  Verificar se a velocidade de gravação está de acordo com as instruções  Verificar se a qualidade das imagens gravadas está satisfatória  Verificar se a data e horário estão corretos e de acordo com a programação do multiplexador  Verificar a compatibilidade entre a velocidade de gravação da fita e a quantidade de quadros gravados  Verificar se as fitas não ultrapassam a quantidade máxima de vezes para serem gravadas  Verificar a qualidade das que estão em uso  Verificar se o par de cabos de sincronismo de velocidade de gravação está conectado corretamente (pulso/trigger e comum/terra).  Executar a limpeza do equipamento. com bom contraste. isto é. 48. na função PLAYBACK.  Verificar se. velocidade de saída de sinal de vídeo para time lapse.  Verificar se o LED do botão RECORD está ativado. MONITOR DE VÍDEO   Verificar as conexões dos cabos de entrada e saída. com cores bem definidas. na reprodução de uma fita. as imagens de todas as câmeras estão no monitor. data e horário.

 Executar a limpeza externa do equipamento. ou exalamento de mau cheiro.  Verificar as conexões dos cabos de entrada e saída.  Verificar a tensão de alimentação das câmeras. cores bem definidas e etc.  Verificar se no monitor se a câmera está com um bom enquadramento do alvo. ajuste de foco. CÂMERAS   Verificar se todas as câmeras conectadas ao multiplexador apresentam as imagens correspondentes no monitor. BATERIAS   Verificar se a carga das baterias está plena.  Limpar terminais e conexões utilizando solução de bicarbonato de sódio a 10%.  Verificar o funcionamento dos leds indicativos. 16 .  Executar a limpeza das lentes e das câmeras.  Reapertar as interligações.  Verificar se a tensão de saída está correta.  Proteger os terminais com graxa não oxidante ou vaselina.  Limpar externamente os elementos utilizando detergente neutro. observando a freqüência e tensão de saída do inversor e o alarme sonoro. contraste.  Verificar se não há superaquecimento. NO BREAK E/OU ESTABILIZADORES / TRANFORMADORES DE TENSÃO   Limpeza do equipamento.  Verificar se as imagens estão perfeitas. livres de interferências.  Verificar se a carga das baterias está plena.  Verificar o funcionamento dos ventiladores.16  Verificar se os botões de ajustes e programação estão funcionando perfeitamente.  Verificar se as câmeras que estão com a função BLC estão com o ajuste correto da lente..  Simular falta de rede.

17  Desobstruir os orifícios das válvulas de ventilação ou rolhas à prova de explosão. 17 . também é realizada a manutenção preventiva. Se a manutenção for corretiva. a ação específica a se realizar dependerá do problema que gerou o referido chamado. quando se faz uma manutenção corretiva em um sistema de CFTV. Normalmente.

MATERIAIS E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS Materiais     Materiais de limpeza: pincel Fita para limpeza de cabeçotes dos Time Lapses. CONDIÇÕES PARA INÍCIO DO SERVIÇO   Lay. CONDIÇÕES DE TRABALHO  O local de trabalho deve ser provido de equipamentos de proteção individual.Procedimentos Básicos para Manutenção e Instalação de CFTV MANUTENÇÃO 1. CD de Limpeza dos CD´s Peças eletrônicas (quando necessário) Equipamentos/Ferramentas           Ferramenta de Climpagem Alicate de climpagem Cabo guia Mala com ferramentas básicas Mini TV para testes de imagens EPI Andaimes (se necessário) Furadeira Martelete Brocas (diversas) 3. iluminação suficiente e água potável. 18 .out pré – definido.18 CAPITULO 3 . equipamento / ferramentas in loco 2. Material. andaimes em bom estado de conservação (quando necessário).

Material. equipamento / ferramentas in loco   Materiais  Cabos especificados  Tomadas RJ 45 fêmea e/ou BNC 75 Ohms  Rack  Cable de conexão entre equipamentos e perifiéricos  Conectores BNC e/ou Rj-45  Caixa com tampa cega  Câmeras  Lentes  Suportes  Time Lapse ou DVR  Multiplicador ou DVR  Fonte de alimentação Cabo Elétrico especificado Equipamentos/Ferramentas     Ferramenta de Climpagem Alicate de climpagem Cabo guia Mala com ferramentas básicas 19 . Realizar a manutenção dos DVR´s conforme manual do fabricante Responsável DT/ DA Encarregado Técnico Técnico Técnico Técnico Técnico Técnico Encarregado /Técnico Técnico INSTALAÇÃO DE CFTV 1. PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO Item Procedimento 01 Fazer um levantamento do material necessário para manutenção e providenciar a compra 02 03 04 05 06 07 08 09 10 Definir a equipe de trabalho de acordo com as atividades a serem desenvolvidas Preparar o ambiente para execução da manutenção Limpar os equipamentos Regular os focos e o posicionamento das câmeras Reconfigurar Time Lapse. CONDIÇÕES PARA INÍCIO DO SERVIÇO Lay.19 4. a ser assinado pelo Usuário. Multiplexador. Analisar todas as conexões quanto ao seu desempenho Realizar testes de gravação e reprodução de imagens Elaborar relatório.out pré – definido.

20       Mini TV para testes de imagens EPI Andaimes (se necessário) Furadeira Martelete Brocas (diversas) 3. CONDIÇÕES DE INSPEÇÃO Verificação Método 1 2 3 4 5 Conexões Posicionamento e ajustes das câmeras Testes de gravação Testes de Reprodução Treinamento ao usuário Visual Manual Conforme instruções do Fabricante Conforme instruções do Fabricante Explanação teórica 20 . andaimes em bom estado de conservação (quando necessário). CONDIÇÕES DE TRABALHO  O local de trabalho deve ser provido de equipamentos de proteção individual. PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO Item Procedimento 01 Fazer um levantamento do material necessário para infraestrutura e providenciar a compra 02 03 04 05 06 07 08 09 Definir a equipe de trabalho de acordo com as atividades a serem desenvolvidas Preparar o ambiente para instalação da infra-estrutura Instalar a infra –estrutura Lançar os cabos especificados e identificado nas extremidades de acordo com o projeto de execução Instalar fontes de alimentação elétrica para as câmeras de acordo com o projeto de execução Instalar o cabeamento e climpar os conectores nas extremidades Montar o rack de acordo com o PO 05 Elaborar Relatório de Instalação Responsável DT/DA Encarregado Encarregado Técnicos Técnico Técnicos Técnico Técnico Encarregado 6. 4. iluminação suficiente e água potável.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->