P. 1
Manual Pre Impressao 4 Edicao

Manual Pre Impressao 4 Edicao

|Views: 5.894|Likes:
Publicado porWagner Rezende

More info:

Published by: Wagner Rezende on Sep 06, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/15/2013

pdf

text

original

Manual de pré-iMpressão

Marcio Corrêa Ribeiro

Manual de pré-iMpressão

4ª Edição

Colombo Corgraf Gráfica e Editora Ltda 2011

Pesquisa e Texto: Marcio Corrêa Ribeiro Capa: Ponto Design Diagramação: Patrícia Moreira de Lima Quentin Colaboração: Carla Vanelli Meggetto, Gilson Antônio Camargo, José Odair S. Dantas Fotografias: Luciano Silva Tratamento de Imagens: Claudenir Lima

ISBN 978-85-64618-00-8 Todos os direitos desta obra reservados à

Corgraf Gráfica e Editora Ltda.
Rua Honesta de Souza Rausis, 321 Centro Industrial Mauá . 83413-660 Colombo . Paraná . Brasil Tel. 55 41 3012 5000 . Fax 55 41 3012 5050 www.grupocorgraf.com.br
Revestimento Capa: Pantone 295 sobre pantone 877, couchê fosco 150g, laminação fosca e UV localizado. Capa Dura Capa: Horle 35. Miolo: Couchê fosco 115g. Colagem: PUR. Revestimento Caixa: 4 cores + pantone bronze, couchê fosco 150g, laminação fosca, UV localizado e texturizado. Capa Dura Caixa: Horle 35. Guardas: Pantone 877, Color Plus Azul 120g. Berços: Color Plus Azul 240g. Luva: 4 cores + pantone bronze, triplex 300g, laminação fosca, UV localizado e texturizado.

Agradecemos aos diretores do Grupo Corgraf, David Navarro e Vicente Linares, e também a todos que colaboraram para a criação, enriquecimento e concretização deste material, em especial, ao Sr. Sérgio Rossi Filho, ao conceder-nos o Glossário, agregando mais conhecimento à este guia.

Nos Caminhos de Gutenberg
Gutenberg foi o primeiro europeu a usar a impressão por tipos móveis, por volta de 1439, e o inventor global da prensa móvel. Entre suas muitas contribuições para a impressão estão: a invenção de um processo de produção em massa de tipo móvel, a utilização de tinta a base de óleo e ainda a utilização de uma prensa de madeira similar à prensa de parafuso agrícola do período. Sua invenção verdadeiramente memorável foi a combinação desses elementos em um sistema prático que permitiu a produção em massa de livros impressos e que era economicamente rentável para gráficas e leitores. O método de Gutenberg para fazer tipos é tradicionalmente considerado ter incluído uma liga de tipo de metal e um molde manual para a confecção do tipo. O uso de tipos móveis foi um marcante aperfeiçoamento nos manuscritos, que era o método então existente de produção de livros na Europa, e na impressão em blocos de madeira, revolucionando o modo de fazer livros na Europa. A tecnologia de impressão de Gutenberg espalhou-se rapidamente por toda a Europa e mais tarde pelo mundo. Sua obra maior, a Bíblia de Gutenberg (também conhecida como a Bíblia de 42 linhas), foi aclamada pela sua alta estética e qualidade técnica. A partir daí, a comunicação gráfica possibilitou a disseminação, em escala mais ampla, do pensamento e gênese de uma nova era, o Renascimento. Desde então, as gráficas assumiram papel significativo. A própria história encarregou-se de demonstrar que o nobre ofício jamais omitiu-se de sua responsabilidade, na truculência dos regimes de exceção, na violência das guerras, nas crises econômicas e nas adversidades conjunturais. A palavra impressa a tudo resiste. Registra os fatos, informa, educa, ensina, perpetua memórias, comunica! Situa o homem no seu tempo e lhe outorga a cidadania. Herdeiras do engenho e arte de Gutenberg, cuja invenção mudou o mundo, as gráficas - que imprimem jornais, revistas, livros, fascículos, outdoors, talões de cheques, cartões de crédito, notas fiscais, manuais de produtos, ... - interagindo no dia-a-dia com toda a população, têm plena consciência de seu compromisso e responsabilidade no contexto da sociedade.
SCHRAPPE, Max H. G. “O Legado de Gutemberg”. São Paulo : EP & Associados, Parise Comunicação Empresarial, 2002.

.

1085 D. C. * 611 d. pouco pesa e é agradável aos olhos e ao manuseio. em 1260. Em Xavita. é que a produção de papel se disseminou por toda a Europa. Também se deve ao moinho de Fabriano a primeira marca d’água no papel. receptáculo de todo o conhecimento humano. * 794 . e ao livro. . depois em Bagdá. em 1797.C. ainda na região dominada pelos mouros. fabricado a partir de fibras de cânhamo trituradas e revestidas de uma fina camada de cálcio. as primeiras formas de escrita começaram a ser desenvolvidas. no Japão.C. fazendo assim. A ORIGEM DO PAPEL A origem do papel data do ano 105 A. na China. iniciando o método moderno de fabricação de papel. pelos árabes. * 877 . * 807 . Em 1809 John Dickinson fez a primeira máquina cilíndrica. com que o conhecimento não se perdesse e se acumulasse de geração em geração.O papel que gera conhecimento Há pouco menos de dez mil anos atrás. Foram encontradas peças em escavações nos arredores da cidade de Hulam. um alto funcionário da corte do imperador Chien-Ch’u. . A transferência da invenção chinesa para os árabes ocorreu com a captura. Já era possível registrar as experiências e passá-las aos descendentes.A invenção do papel é atribuída a T’sai Lun na China.) já se conhecia a fabricação de papel. Papel.C.Nota-se a existência do papel sanitário. da dinastia Han (206 A.O papel é fabricado no Egipto pelos árabes. A manufatura do papel artesanal acompanhou a expansão muçulmana ao longo da costa norte da África até a Península Ibérica.. * 900 . uma simples invenção que mudou o mundo para muito melhor. A primeira máquina de fabricação de papel foi introduzida por NicholasLouis Robert. . de artesãos chineses.Produção de papel em Kioto. À invenção da escrita.C. primeiro em Damasco. alumínio e sílica.C. Presume-se que o inventor foi Ts’ai Lun. a 202 D. Só depois que a fabricação de papel se instalou em Fabriano (Itália).) contemporânea do reinado de Trajano em Roma. CRONOLOGIA DO PAPEL * 105 a. e em Bagdá no final do século VIII (795 D. feito de papel. este material que não se quebra. foi instalado o primeiro moinho papeleiro da Europa.C.Instala-se a fabricação de papel para o comércio.Instalam-se manufacturas do papel na Coreia.

* 1860 . * 1282 .Começa a fabricação de papel no Brasil. ao observar que as vespas mastigavam madeira podre e empregavam a pasta resultante para produzir uma substância semelhante ao papel na confecção dos seus ninhos. * 1550 . * 1000 .Dois árabes fazem uma escrita a respeito dos métodos de fabricação do papel. XIX .Produção de pasta de palha branqueada. desenvolvese um processo para a trituração de madeira. * 1809 . * 998 .O naturalista francês Reaumur sugere o uso da madeira como matéria prima para o fabrico de papel. * 1854 . * 1150/1151 . * 1405 . * 1285 . * 1840 .Invenção da imprensa. * 1719 . é dissolvida e removida. Lançamento do papel higiénico em forma de rolo. * 1320 . levado por um espanhol. Rio de Janeiro. jornais e fabricação de outros produtos de consumo. * 1920/1930 .O papel chega pela primeira vez na Espanha através de livros.Início da utilização do papel na Inglaterra. surgindo a primeira “pasta química”. levando á busca de fontes alternativas de fibras a serem transformadas em papel.Chegada do papel na Alemanha.surge a demanda de papel para a impressão de livros.* 950 .Instalação da primeira indústria na Alemanha.Chegada do papel na região de Flandres.Os árabes chegam à Espanha fixando-se numa região de Valencia (Xavita) sendo instalado o primeiro ponto de fabricação da Europa. As fibras são separadas e transformadas no que passou a ser conhecido como “pasta mecânica” de celulose. .Importante década para o desenvolvimento do papel no Brasil. * 1390 . * Meados do Séc.O papel-moeda é o meio circulante da China. Surgem na Finlândia as primeiras leis sobre práticas de silvicultura.Na Alemanha.É patenteado na Inglaterra um processo de produção de pasta celulósica através de tratamento com soda cáustica. A lignina. Johannes Guttemberg e consequente procura por papel. * 1838 . cimento orgânico que une as fibras.Invenção do papel couché. * 1309 .Comercialização do papel de parede proveniente da China pelos espanhóis e holandeses em toda a Europa. no “Andaraí Pequeno”. * 1450 .Introdução da marca d’água por Fabriano: cruzes e círculos.Marca d’água na França: flor de Liz.

permanência e proteção.Conselho de Manejo Florestal) é uma ferramenta voluntária que atesta a origem da matéria-prima florestal em um produto. de acordo com padrões ambientalmente corretos. de modo que a extração de matérias primas cause o mínimo impacto ambiental permitindo sua renovação. controle. socialmente justos e economicamente viáveis. O FSC exige que o uso de uma área verde seja feito com respeito a todas as leis vigentes. Garantir a origem do produto. A certificação garante que a empresa maneja e utiliza os recursos florestais com responsabilidade.uMa GrÁFiCa CerTiFiCada FsC O que é FSC? A certificação FSC (Forest Stewardship Council . As normas do FSC exigem que a matéria-prima e o produto certificado tenham rigorosos procedimentos de identificação. Orientar o comprador a escolher um produto diferenciado e com valor agregado. Permitindo à sociedade valorizar as iniciativas que promovem o manejo responsável das florestas. . com presença em mais de 75 países e todos os continentes. OBJETIVO CorGraF: » » » » » Contribuir para o uso adequado dos recursos naturais. Permitir ao consumidor consciente a opção de um produto que não degrada o meio ambiente. registro e rastreabilidade de acordo com os Critérios e Princípios FSC. Contribuir para o desenvolvimento social e econômico das comunidades florestais. O FSC é hoje o selo verde mais reconhecido em todo o mundo.

br . www. a Indústria da Comunicação Impressa mantêm 2.VOCÊ SABIA? VOCÊ SABIA? VOCÊ SABIA? VOCÊ SABIA? Você sabia que. o reflorestamento combate o efeito estufa.org.7 milhões de hectares de florestas plantadas de pínus e eucaliptos? Você sabia que. gerando renda aos coletores e colaborando para a sustentabilidade do planeta? Você sabia que. as árvores destinadas à produção de papel provêm de florestas plantadas.8 milhões de hectares de florestas nativas preservadas? Sua produção vem dos 1. NÃO É? C a m pa nha de va loriz a ç ã o do pa pe l e da c omun ic a ç ã o im p r e s s a.imprimiredar vida. que ajudam na absorção de gás carbônico? Você sabia que. à medida que as árvores retiram da atmosfera o carbono necessário para seu crescimento? É MUITO BOM SABER. no Brasil. o papel e papelão impressos utilizados para diversos fins pertencem a um seleto grupo de produtos que são em sua grande parte reciclados.

i m p r i m i r e d a r v i d a .w w w . b r . o r g .

.

Provas 14. Ajuste de Layout Cores Imagens Ajuste de Registro Fontes PDF/X Compactadores 17 19 21 25 29 37 43 53 57 61 65 69 79 85 87 93 97 137 368 10. Referências . 8. Impressoras 13.suMÁrio INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES IMPORTANTES 1. Gerando PS e PDF 16. 5. Rip e Retículas 3. 9. Dicas 11. 4. 6. Arquivos Digitais 2. 7. Transferência de arquivo 12. Glossário 17. Instalando impressora 15.

.

Manual de Pré-Impressão inTroduÇão oBJeTiVo Trabalhar com as principais tecnologias ligadas à pré-impressão. 17 . atualizando os profissionais envolvidos com a mídia impressa a desenvolverem artes digitais. a QueM se desTina Profissionais ligados à área Gráfica (mídia impressa). dessa maneira. assim como melhorar a qualidade. oBJeTiVo prinCipal Orientar sobre o envio correto de arquivos digitais para gráfica. que tenham interesse em aperfeiçoar seus conhecimentos relacionados à pré-impressão. evitando possíveis erros. possibilitando. um bom entendimento entre clientes e gráfica.

.

noTa Contém informações explicativas. São eles: aTenÇão Contém informações importantes que poderão comprometer a execução do procedimento com relação ao item em questão. 19 .Manual de Pré-Impressão inForMaÇÕes iMporTanTes Alguns símbolos foram usados nesse manual para ajudar na identificação das informações. inForMaÇão Contém informações complementares importantes sobre o item abordado.

.

PS e EPS. Illustrator. CorelDRAW. arQuiVos diGiTais 1. é um arquivo dependente de todas as partes que o compõem. por exemplo. imagens e todas as informações de vetor. imagens (vínculos). causando um transtorno. dados como: fontes. sendo o mais comum deles o problema com fontes. eps. que o bureau possa editá-lo sem nenhum problema. pois haverá um atraso na execução do material. um arquivo aberto é todo aquele que pode ser manipulado. Em outras palavras. tal como. assim. 1. que são arquivos gerados em uma linguagem de impressora muito avançada Arquivos fechados são documentos contendo todos os dados necessários para a impressão de um trabalho em um determinado dispositivo de saída. etc. jpg. PageMaker. pois como eles são transferidos para outro sistema. Esse arquivo é dependente de todo o conteúdo usado na elaboração do projeto gráfico. mesmo sendo para o mesmo sistema como Windows / Windows. etc). etc. como por exemplo. Esse tipo de arquivo é definido como aberto por estes motivos. Um outro problema é no que diz respeito aos vínculos do arquivo (tif’s. sendo que desses fabricantes poucos são confiáveis. alterado e/ou modificado por estar no formato em que o mesmo foi criado. ou seja.2 arQuiVo FeChado Entende-se por arquivo fechado os arquivos com extensões do tipo PRN. sendo assim. 1. Em geral.1 arQuiVo aBerTo . O que ocorre freqüentemente é o esquecimento do envio dos mesmos. correm um sério risco de sofrer algum tipo de alteração involuntária.Manual de Pré-Impressão O arquivo aberto é aquele em seu programa de criação nativo. possibilitando. o que será visto com mais detalhes logo adiante. A explicação para isso se dá pelo fato de existirem inúmeros fabricantes de fontes. o arquivo ficará parado aguardando a chegada dos vínculos faltantes. esses arquivos são mais complexos para os mesmos (bureau). fontes. ilustrações.

6) Tamanho do arquivo fechado. informações suficientes para gerar um fotolito ou uma impressão direto na chapa. já que este ocupa grande espaço. entre outros. hoje no Brasil.Manual de Pré-Impressão Capítulo 1 . estando todas as informações acessíveis. para quem se preocupa com segurança em seu arquivo digital e tem um conhecimento mais amplo sobre este assunto. e o profissional que fechou o arquivo assume toda a responsabilidade sobre o material. ou seja.O PDF mantém toda diagramação. e possui em um único arquivo digital todos os elementos e informações necessárias para impressão remota. por exemplo. o PDF reúne em um só arquivo digital todas as informações e elementos (fontes. como é o caso do RIP (Rasterizador e Processador de Imagem). porém cada uma delas colocada em uma camada individual. No Brasil. Segundo levantamento feito.) necessários para impressão remota do mesmo. 5) Medo de que o Bureau não verifique o arquivo no *RIP da Imagesetter ou Platesetter. 3) Dificuldade em visualizar o arquivo após seu fechamento. pode-se afirmar que esse é o melhor formato indicado.3 arQuiVo pdF O formato PDF (Portable Document Format). criado pelo Adobe Acrobat. As causas disso são: 1) Falta de conhecimento para gerar arquivo fechado. já que o Bureau não esteve a par de todos os procedimentos usados para seu fechamento. Porém. apenas cerca de 20% dos arquivos digitais enviados aos Bureaus estão em regime fechado. 22 4) Medo da responsabilidade de gerar tal arquivo. Assim como o arquivo fechado. Esses tipos de arquivos são chamados PostScript pelo fato de estarem totalmente fechados e protegidos de qualquer modificação não intencional por parte do Bureau. pois esses arquivos são escritos em uma linguagem de códigos que somente os softwares específicos podem lê-los. vem se tornando o sucessor do arquivo fechado. por exemplo. vale ressaltar que tudo gira em torno do modo em que foi fechado esse arquivo. etc. tornando-os mais seguros. As únicas desvantagens em enviar um arquivo fechado para o Bureau é pelo fato de não ser possível a realização de correções em textos e imagens. Arquivos Digitais chamada Postscript (serão explicadas mais adiante). O PDF reúne todas as vantagens dos arquivos fechados e mais algumas: . . ele está tomando seu espaço rapidamente. 1. Sendo assim. 2) Expectativa de que o Bureau corrija os problemas existentes. imagens. pois uma vez fechados fica impossibilitado qualquer problema de fontes ou vínculos. cores e fontes que estavam presentes no Um arquivo PDF contém as informações divididas em camadas.

O termo mapa de bits ou gráfico de varredura (rasterização) refere-se aos bits (binary digits/dígitos binários ou algarismos). Arquivos Digitais software de sua criação. 23 . 1. pois cada um possui equipamentos diferentes. a tendência é padronizar os PDLs para permitir que uma variedade de impressoras aceite a informação de um único driver.O PDF. QuarkXPress. é preciso certificar-se de que o Bureau possui um RIP que interprete PostScript nível 3. resolução máxima. peça ao bureau o recomendado. trocar o tamanho do corpo. etc. que as menores unidades de armazenamento de dados ou informações digitais num computador. as características da impressora. Este arquivo também precisa de cuidados no momento da impressão. ele também pode ser importado pelos principais aplicativos. etc). sendo viável não só para quem o gera como também para o Bureau que diminui o fluxo interno em sua rede e servidores. além de tudo. é um agregado de informações elementares dispostas sob forma de matriz de pixels. Em sua essência. pode ser gerado na plataforma Macintosh e lido plenamente na plataforma Windows e vice-versa. para isso. ou seja. Além de multiplataforma.Manual de Pré-Impressão Capítulo 1 . Os printer drivers são programas especiais criados para estabelecer a comunicação entre o computador e as impressoras. pode ser editado para serem feitas pequenas alterações e. geralmente em pretoe-branco. PPD tem a função de descrever para o driver e complementá-lo. avançar o papel.Em geral. FreeHand e Illustrator.PDL (Page Description Language). um arquivo PDF possui cerca de 10% do tamanho de um arquivo fechado. mediante a qual se forma um desenho. Assim. Caso necessite de um PPD. de maneira específica. pois ele só pode ser lido em software que já possuem Linguagem PostScript nível 3. graças a algorítimos de compactação muito eficazes e confiáveis acima de tudo. .4. formatos de impressão. a linguagem constitui um conjunto de códigos que possibilitam ao dispositivo desempenhar suas funções (centralizar a composição.1 pdl Todos os meios utilizados pelos dispositivos de saída para a reprodução das imagens geradas no computador têm sua linguagem de descrição de página . tais como: InDesign. sendo também um formato multiplataforma. a imagem na tela é traduzida para a linguagem da impressora por meio de um driver/gerenciador de impressoras. tais como. que não permite tal recurso. podendo garantir o melhor resultado final do material.4 linGuaGeM de desCriÇão de pÁGina 1. Os Drivers e PPDs são específicos para cada bureau. . ou mapa binário. diferente do arquivo fechado. O bitmap. Quando as páginas são reunidas na estação de trabalho. Atualmente. Uma impressora PostScript sempre necessita de um PPD (PostScript Printer Descrtiption). traduzindo o mapa de bits (bitmap) das imagens armazenadas na memória para sua representação e visualização correspondente nos diversos dispositivos de saída. usa-se o Adobe Acrobat.

essas instruções são decifradas e convertidas em uma imagem rasterizada por meio de um mapeamento que determina os pontos do gabarito que serão impressos e os que serão deixados em branco. constituise-á numa réplica fiel. Arquivos Digitais 1. Portanto.2 posTsCripT O PostScript. Essa linguagem permite a elaboração de uma página que possa ser reproduzida tanto pelos vários tipos de impressoras agregadas aos micro-computadores quanto pelos sistemas mais avançados. desenvolvido pela Adobe Systems norte-americana em 1985. foi a chave do sucesso da Apple Computers. ao contrário dessas outras linguagens aqui citadas.540 dpi. Fortran. Em suma. produzido numa imagesetter de alta resolução com 2. 24 . A densidade (pontos por polegada) da imagem depende do dispositivo de saída que será utilizado. Os dispositivos de saída interpretam a definição da página na linguagem PostScript. ou C++. A página digitalizada na tela é traduzida para um conjunto de instruções que compõem o código PostScript de definição de página. pode-se afirmar que PostScript é uma linguagem de programação assim como o BASIC.Manual de Pré-Impressão Capítulo 1 . A seguir. em condições de mostrar detalhes ainda mais sutis. trata-se dos pontos que deverão ser definidos um a um (aceso ou apagado) pelo feixe de raios laser. Podemos originar rascunhos de páginas numa impressora a laser de 300 dpi e ter confiança de que o filme negativo.4. Mas. adaptando-a para sua capacidade de resolução. engajados na produção de filmes de seleção para mídia impressa. PostScript é uma linguagem projetada para fazer uma coisa apenas: descrever de forma extremamente apurada todo o conteúdo de uma página.

sendo a distância entre os pontos de centro a centro constante para qualquer área da imagem. 2. nas áreas claras. magenta e amarela. Para uma impressão com as cores básicas. 2. fazem parte do processo a preta.Manual de Pré-Impressão A reticulagem é um processo que transforma imagens . Nas áreas escuras. cyan. rip e reTíCulas 2.em pontos para que sejam reproduzidas em offset de maneira perfeita.aMpliTude MudulaTion Na retícula AM. FM (estocástica) e Híbrida.fotografias.1 reTíCula . os pontos estão alinhados regularmente.LPI (ou LPC). sendo essas divididas em três grupos: AM (convêncional). A resolução da imagem reticulada é expressa em linhas por polegadas . formando uma estrutura de distribuição uniforme. por exemplo . menores. Para formar as tonalidades.1. O termo linhas é uma referência à distribuição regular da retícula e corresponde. quanto maior a lineatura empregada maior é a quantidade dos pontos que formam a imagem sendo maior sua resolução. os pontos são de dimensões maiores e. exatamente.1 reTíCula aM . os pontos variam em tamanho. Desta maneira. à quantidade de pontos em uma unidade de comprimento linear da imagem.

2. Os pontos de retícula podem variar ainda quanto à forma: quadrados. podem surgir manchas distribuídas uniformemente. Quando se imprimem uma sobreposição de retículas. São utilizadas quando não existem necessidades particulares de impressão. cada tonalidade possui uma inclinação específica e. principalmente de tons neutros. neste caso. A variação das tonalidades dá-se pela aglomeração ou não dos pontos. exceto o amarelo. tais como: • Elimina totalmente o moiré. que é de 15°. o que aumenta um pouco o contraste dos trabalhos.2 reTíCula FM .Manual de Pré-Impressão Capítulo 2 . sem nenhum tipo de alinhamento. Rip e Retículas Além de reticulada. é de obrigatoriamente 30° de uma cor a outra. ao contrário da AM em que se dá pelo tamanho dos mesmos. A lineatura na retícula estocástica é algo inexistente por causa de sua distribuição aleatória. A retícula mais clássica é a de pontos quadrados. Já as retículas de pontos redondos evitam a tendência de “acabamento” ou suavidade da imagem. papel jornal em máquina rotativa. A reprodução das tonalidades é obtida pela variação na concentração dos pontos por área da imagem. resultado da repetição de um padrão de interferência entre as linhas de retículas sobrepostas.FreQuenCy MudulaTion 26 Também conhecida como retículas estocástica. papel offset em máquina plana. Lineatura 150 a 200 lpi ou mais 120 a 133 lpi 80 a 100 lpi papel/máquina papel couché em máquina plana.1. elípticos ou redondos. Com relação à retícula AM. . Retículas de pontos elípticos têm a característica de restituir melhor as transições progressivas nos tons médios do que uma retícula de pontos quadrados. Na retícula FM os pontos estão distribuídos de forma aparentemente aleatória. • Melhora substancialmente a reprodução de detalhes. • Equilíbra as cores. Esse efeito é conhecido como moiré. a retícula estocástica apresenta algumas vantagens. e basicamente apresentam pontos de mesmo tamanho.

denteadas e quebradas. • Também elimina o moiré de roseta que pode acontecer em áreas de sombra. Empresas como Screen e Agfa.1. como retícula FM. existem debilidades nessa retícula: • Dificuldade em reproduzir sobre as matrizes de impressão. com relação às retículas convencionais. porque com 175lpi AM a retícula tende a deixar linhas claras coloridas. significa o fim do problema com angulação. • Dificuldade em imprimí-los dentro de limites aceitáveis de ganho de ponto. Melhoram a formação de linhas que são criadas em meio-tons. não possui somente vantagens. • Melhora a qualidade de impressão. foi possível unir as melhores característica das retículas AM/FM.Manual de Pré-Impressão Capítulo 2 . 27 A retícula híbrida tem característica AM/FM. que conhecemos como retículas híbridas. • Spekta evita o moiré que são o resultados de padrões de interferência entre ângulos e linhas. 2. • Melhores resultados em áreas de meio tom: Spekta faz um trabalho melhor de tirar a interferência nos meio tons para cores de pele e outras áreas onde a cor verdadeira é requerida.spekTa Com o poder das novas tecnologias na área gráfica. Spekta e Sublima. • Não necessita controles de impressão. fazendo tanto a dispersão aleatória quanto a variação no tamanho dos pontos de retícula. Vejamos suas características: • Elimina o moiré. • Os pontos são extremamente finos. Destacar-se-á a retícula híbrida Spekta da Screen. investem pesado na melhoria da geração de pontos para impressão. • Detalhe comparável com resoluções de 300 lpi ou maior. o que caracteriza esse tipo de retícula. • Reprodução superior de detalhes: Spekta demonstra sua superioridade reproduzindo bons detalhes. • A substituição dos pontos normais pelo Spekta. líderes no mercado. para retículas convencionais. . Rip e Retículas Porém.3 reTíCula híBrida . normalmente associado com resoluções mais altas.

produzindo informações gráficas. É também através deste software que é gerado todas as retículas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 2 . • Ganho de detalhes por trabalhar com mais LPI. uma impressora PostScript é um equipamento que lê e interpreta programas PostScript. configuradas lineaturas desejadas. Todo seu fluxo é baseado em PDF. assim como camada. etc. filme ou chapas. tendo como uma de suas principais características a geração do Ponto Spekta e todo o controle dos trabalhos executados pela empresa. • Nas mínimas e máximas os pontos mantem um tamanho fixo. mais especificamente um Bitmap que pode chegar a 5000dpi. • Trabalha com o melhor e mais fácil ponto de ser reproduzido no papel. mudando apenas a sua distribuição e mantendo o mesmo alinhamento dos ângulos de meio tons.:suBliMa A retícula :Sublima. sendo os arquivos PostScript e EPS aceitos perfeitamente. dependendo do equipamento. interpretar e transformar toda uma página PostScript em uma imagem em altíssima resolução. o processador é uma combinação de Hardware e Software os quais tipicamente vivem em uma impressora e que chamamos de RIP . comporta-se como retícula convencional. • Elimina os efeitos indesejáveis de ruído nos tons lisos. Rip e Retículas 2. o que proporciona facilidade em trabalhar com altas lineaturas.2 rip . Destaca-se como principais características: • Área de sobra.rasTerizador e proCessador de iMaGeM 28 Toda linguagem de programação necessita de um processador para rodar ou executar o código. .1. meio tons e altas luzes. No caso do PostScript.ou Rasterizador e Processador de Imagem. Essa é a função de um RIP: ler.4 reTíCula híBrida . 2. como acontecem com as retículas FM. também pertence a família das retículas hibridas. Assim. que são compostas em papel. Um RIP recebe o código PostScript e o transforma em pontos em uma página. O Grupo Corgraf conta com um workflow encarregado do fluxo CTP (Computer to Plate).

etc) que. Isso ajuda no acabamento do material. recomenda-se deixar uma área de 3 a 5mm. Para evitar tais problemas. fios. uma vez que o corte varia. 3. recomenda-se deixar uma área de 3 a 5mm.1 aJusTe de pÁGina . cortar elementos muito próximos ao corte final. 2) A margem de segurança consiste em um espaço entre a marca de corte e o início ou final da arte propriamente dita. pdf). aJusTe de layouT 3.7 cm. são objetos (imagens. podendo. além de permitir ao operador de pré-impressão uma melhor precisão na imposição no caso de arquivos fechados (ps.Manual de Pré-Impressão 1) Logicamente. 4) As marcas de corte representam ao cortador o ponto real onde deverá ser executado o corte. seu material possui um formato. Para evitar tais problemas. ao contrário das margens de segurança. a página deverá ser ajustada para esse tamanho. por medida de segurança. 3) Sangrias. assim. molduras. devem ultrapassar os limites da página para evitar possíveis filetes brancos ao redor desses objetos. Digamos que seu trabalho seja um papel carta 21x29.

Então. sendo que a terceira (3) deverá ter. 2) Deverá ser feito uma compensação das dobras para evitar que. o processo de confecção de facas especiais é. o que dá uma certa limitação em determinadas formas que a faca poderá ter. no momento da dobra. a confecção de facas especiais é limitada no que diz respeito à montagem das lâminas de corte. pelo menos. surgem complicações e limitações na criação e construção das mesmas. na impressão do verso. de certa forma.Manual de Pré-Impressão Capítulo 3 . Apesar de poder optar por uma tecnologia ou outra. utilizadas para cortar a madeira da base. há um espelhamento das dobras. vincos e serrilhas. 2=100mm e 3=98mm). deve-se ter um cuidado extra. 2mm menor que as demais (exemplo 1=100mm. A figura abaixo ilustra uma situação: tem-se um folder com 2 dobras.3 FaCas Ao contrário do que muitos profissionais imaginam. iniciará pela terceira. As facas a laser utilizam uma tecnologia moderna com relação ao corte da base. visto que. além de todos os cuidados já citados: 1) Sempre colocar no arquivo indicação de dobra (linhas tracejadas). artesanal. não ocorra o que conhecemos como “encavalamento da última página”. com relação à parte da frente. 30 3) O verso deverá ser o oposto. visando facilitar o acabamento. A confecção das facas tradicionais. pois este processo só permite uma maneira de fazê-lo: artesanalmente. 3. ou seja.2 aJusTe de doBras Para arquivos com dobra. é a serra “Tico-Tico”. possibilitando o corte de formas mais complexas. Ajuste de Layout 3. . a página da capa (1) deverá ser igual à segunda (2).

3) Caso haja abas de cola. 3. 3) A faca deverá estar centralizada na arte e por sua vez. deverá ter uma medida que não fuja muito da espessura da quantidade de lâminas. Isso será refletido na maneira pela qual criaremos a faca. mas o resultado dessa distração não são muito agradáveis. Isso deve ser feito para evitar que haja o que conhecemos como “encavalamento entre as dobras”.Manual de Pré-Impressão Capítulo 3 .5cm. a lombada interna deverá ser menor que a externa. Ajuste de Layout Ao criar suas facas. estas deverão ter de 1 a 1. passam despercebidos. 31 . Muitos detalhes. por sua vez. temos que tomar cuidado com alguns detalhes: 1) Deverá ser criada lombada sempre que existir uma quantidade relevante de folhas encartadas no layout. as vezes. 4) Marcações de microserrilhas ou picote deverão ser indicadas para não se confundir com os vincos (dobras).2 FaCas CoMplexas Muitas facas exigem um esforço extra. 2) A marcação de corte será representada por uma linha contínua. temos que levar em consideração a espessura dessas lâminas juntas. a marcação de dobra do material deverá ser assinalada com um fio tracejados. 3.3. e a lombada. • Cortes muito próximos uns aos outros poderão comprometer a qualidade da faca. dependendo do material. por exemplo.1 FaCa siMples 1) Como padrão adotado.3. 2) Quando houver uma lombada dentro de outra. e os detalhes são cruciais ao criar um layout e sua faca. tome alguns cuidados para não ter decepção ao receber seu trabalho pronto: • Detalhes muito pequenos poderão não ser reproduzidos na faca. algumas pastas. Um caso especial e que deve ser levado em conta são as facas com lombada. e esses não passarão despercebidos. Sempre quando usamos uma gramatura de papel maior do que a normal que serão encartadas dentro de uma pasta ou outro tipo de material. Quando fazemos uso dessa técnica. O padrão para essa indicação são linhas pontilhadas. arte deverá estar centralizada na página. essa marcação é entendida por todas as empresas que confeccionam facas especiais. como é o caso de algumas pastas.

Caso o material venha a ter mais de um tipo de verniz(textura. ou seja. após a aplicação do verniz. deve-se criar sangria como se fosse uma arte normal. esses deverão ser feitos em máscaras separadas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 3 . Ajuste de Layout 3. evitando. 2) A página deverá ser mantida como a do documento original. . ou seja. aroma). cada verniz necessita de uma máscara distinta. o material será refilado.6 Verniz TexTurizado 1) Para verniz texturizado. devese eliminar a sangria e adicionar um degradê nas bordas e nas dobras para que não haja risco de quebrar ao cortar ou dobrar. valendo a mesma regra do ajuste do layout. 2) Quando se aplica verniz em um material que terá dobras. assim. deve-se reservar um espaço de aproximadamente 3mm (1.5mm para cada lado da dobra). 2) Esse degradê deverá ter aproximadamente 5mm começando em 100% até 0%. pois. 3. sem haver deslocamento algum. 3. que o verniz saia descentralizado. ou pode-se usar outro canal de cor CMYK 100% para representá-lo. 3) As cores que representarão o verniz deverão ser chapadas.5 Verniz ToTal 32 1) Para verniz UV Total.4 Verniz loCalizado 1) O arquivo do verniz deverá ser feito a partir do arquivo finalizado. tinta 100%. 4) As imagens que tiverem verniz localizado deverão estar em grayscale 0. Esse espaço é conhecido como reserva e sua função é evitar que o verniz quebre-se ao dobrar. Qualquer valor acima ocasionará reticulagem do verniz.

Para uma maior agilidade. Ajuste de Layout 3. A principal regra para esse tipo de material é quanto ao número de páginas. incluindo as páginas em branco. A seguir. incluindo as páginas em branco. Por que é importante saber isso? Simples. 16. Conhecendo os formatos. é muito importante ter em mente os formatos de papéis existentes e a melhor forma de aproveitar esses formatos. 32 ou mais. . Para uma maior agilidade. as páginas do documento. tal como. já que páginas casadas limitarão o trabalho do imposicionador. cola e/ou grampo. A definição de casamento entre as páginas será definida na gráfica. dispostos um dentro do outro onde os mesmos passarão por acabamento. é possível fazer a melhor escolha quanto ao formato final do impresso.9 TaBela de ForMaTos 33 Ao planejar um material que será impresso em uma gráfica. tornando o custo do material impresso alto. sendo assim. dispostos um sobre o outro onde os mesmos passarão por acabamento. A definição de casamento entre as páginas será feita na gráfica. deverá ser múltiplo de quatro.Manual de Pré-Impressão Capítulo 3 . Nunca envie páginas casadas. 3. pois só dessa forma será possível o acabamento com grampo a cavalo. devem ser dispostas consecutivamente. possibilitando menores custos e maior satisfação por parte do cliente final. página 1 e 2. As páginas são montadas em cadernos de 8. 32 ou mais. O não seguimento dessa regra poderá causar um problema que é a intercalação de uma folha solta ao material. costura. grampo a cavalo (grampo sobre a lombada central). 3 e 4 e assim por diante. temos uma tabela contendo os principais formatos. Obrigatoriamente. a compra do papel pela gráfica é feita por peso. nem páginas casadas primeira com última.7 Caderno para liVro O perfect binding é o que conhecemos como cadernos para livros. As páginas são montadas em cadernos de 8. 3.8 Caderno para reVisTa O Saddle Stitching é o que conhecemos como cadernos para revistas. um material mal planejado acarretará num desperdício de papel. Para melhor utilização dos formatos. por exemplo. as páginas do documento devem ser dispostas consecutivamente. porque poderá acarretar muitos transtornos no momento da montagem dos cadernos. 16. assim como no perfect binding. tal como. precisamos de alguns cálculos.

Digamos que a impressora offset que imprimirá o material será uma meia folha (folha inteira / 2 ou F2). devemos descontar do papel aproximadamente 1. 3) As sangrias devem ter de 3 a 5 mm para cada lado. tais como. 1) Para pinça. por exemplo. Então.Manual de Pré-Impressão Capítulo 3 . sangrias e aberturas. devemos descontar pelo menos 5 mm cada. algumas margens deverão ser descontadas desse papel. 2) Para as aberturas. Ajuste de Layout Temos. já que essas são de uso das impressoras. o papel 66x96 cm. dependendo do caso. 34 . pinça.5 cm. pois em alguns podem ir até 3 cm. que é o mais usado na indústria gráfica.

Manual de Pré-Impressão Capítulo 3 . Ajuste de Layout 35 .

Ajuste de Layout 3.Manual de Pré-Impressão Capítulo 3 .10 Tipos de doBras Mais CoMuns 36 .

Os físicos já provaram que a luz branca é composta pelos comprimentos de onda vermelha. A luz do sol brilha na maçã e o comprimento de onda de vermelho da luz reflete-se da maçã para seus olhos. Sua percepção da cor vermelha depende da maçã. O olho humano percebe as cores como sendo vários comprimentos de onda do vermelho. verde e azul. “Para o artista gráfico.” 4. suponha que você esteja fazendo um piquenique em um dia ensolarado. Sua interpretação da maçã também será afetada por sua própria fisiologia.1 o Que é Cor? . que são absorvidas ou refletidas pelos objetos. Se nuvens encobrirem o sol. por sua experiência em consumir essa fruta ou pelo fato de você não ter comido nada naquele dia. enviando uma mensagem que é interpretada pelo seu cérebro como sendo a cor vermelha. prestes a apanhar uma maçã vermelha. pintor ou produtor de vídeo.Manual de Pré-Impressão A cor existe por causa de três entidades: a luz. o conceito torna-se incompleto. Cores 4. Os comprimentos de onda do azul e do verde são absorvidos pela maçã. o objeto visualizado e o observador. a criação da cor perfeita é essencial. Quando as cores não estão corretas. Por exemplo. da luz e de você. Sensores em seus olhos reagem à luz refletida. Uma maçã absorverá mais verde e azul do que outra. a imagem talvez não consiga transmitir a informação. e a experiência artística pode ser perdida. o vermelho da maçã aparecerá mais escuro. assim a sua cor aparecerá avermelhada. do verde e do azul.

Sendo assim. .3 diaGraMa de CroMaTiCidade ou GaMuTs 38 São faixas de cores que podem ser realmente exibidas. possui um gamut muito maior que o de um monitor RGB ou uma câmera digital. por exemplo. ou seja. Cada processo de reprodução abrange uma área limitada de cores. Por melhor que sejam os monitores atuais. do verde e do azul que lhe permitem enxergar a maçã são a base para todas as cores da natureza. pos sua vez. 4. Cores Os comprimentos de onda do vermelho. eles jamais reproduzirão corretamente as cores que serão visualizadas no impresso em uma gráfica. A reprodução das cores tem sua limitação em relação ao meio físico. as cores que o olho humano capta têm uma gama muito maior do que as reproduzidas pelos impressos e fotografias. É por isso que o vermelho. O olho humano tem a capacidade de visualização muito mais ampla que os outros meios. elas criam as cores secundárias: ciana. A cor que vemos na natureza representa a máxima faixa da cores. Não é possível reproduzir todas as cores visíveis. Quando se faz um planejamento gráfico profissional. No entanto. As primárias e secundárias são complementos umas das outras. A reprodução fotográfica. Quando as três cores primárias se sobrepõem.2 reproduÇão e VisualizaÇão de Cores Um grande problema com relação à reprodução de cores é o fato de a exibição da mesma poder variar de um dispositivo para outro. magenta e amarelo.Manual de Pré-Impressão Capítulo 4 . sempre dependem de muitos fatores de interferência. que por mais calibrados que possam estar. a escolha da cor deve estar dentro de todos os gamuts para que não haja variações finais. Todas as cores do espectro são criadas por diferentes intensidades desses comprimentos de onda da luz. visualizadas ou impressas por um sistema de cor. tanto as cores aditivas quantos as subtrativas. como é o caso dos monitores. essas limitações podem ser expressas por seus “gamuts” específicos. Já o sistema de reprodução CMYK baseado em tintas compostas tem um menor número de cores possíveis de serem reproduzidas que as demais. ou seja. é possível afirmar que não há como ter um controle visual do material com relação ao monitor do produto final. esses parâmetros devem ser levados em consideração para que o resultado final não venha a surpreender nas diversas mídias. As cores complementares são as cores que mais se diferem umas das outras. 4. nenhum método de reprodução de cores consegue mostrar essa gama de cores. o verde e o azul são freqüentemente chamados de cores primárias.

4. o efeito visual é de um único ponto com a mistura da luz desses três pontos. ao adicionar as três cores primárias. pela mistura de percentagens iguais de cian (C). Para solucionar o problema. Como os pontos estão muito próximos. verde e azul. Duas cores principais. no qual são combinadas três cores claras principais (RGB).4 Modelos de Cores 4. na natureza. Duas cores principais misturadas produzem cores secundárias verde. o preto puro não pode ser conseguido. vermelho e azul (o oposto do RGB). Cores Método Olho Humano Monitor Filme Impressão 4. magenta e amarelo. cria o branco. como pode. para produzir as demais cores. Devido às impurezas dos pigmentos utilizados na fabricação das tintas.2 CMyk O modelo de cor CMYK é um modelo subtrativo. Cada ponto pode ter um brilho diferente. em várias intensidades. digitalizadores. A visão da luz branca ocorre quando o objeto está refletindo todos os comprimentos de onda de luz. A combinação dessas três cores principais produz o preto. quando misturadas. Os modelos aditivos são utilizados em televisão. Green.1 rGB Gama de cor Bilhões 16 Milhões 10 a 15 Milhões 5 a 6 Mil O modelo RGB (Red. o preto é impresso como uma só cor separadamente. A tela do monitor é revestida de pontos de fósforo vermelho. É considerado um modelo aditivo.Manual de Pré-Impressão Capítulo 4 . O Modelo CMYK é utilizado em imagens para impressão profissional. em experimentos com a própria luz. 39 . monitores de vídeo. produzem cores secundárias. teoricamente. e amarelo (Y). A cor vista é o resultado dessa luz refletida. significa que o objeto ou superfície reflete o comprimento de onda correspondente ao vermelho e absorve todas as outras. As três cores principais do modelo subtrativo são cian. Quando uma cor vermelha é visualizada. Esse sistema produz cor quando a luz é refletida de um objeto ou de sua superfície.4. porque. 4. filmadoras e outros sistemas que geram cores por mistura de luz com comprimentos de onda diferentes. magenta (M). o preto puro (K) é adicionado ao modelo de três cores. Blue) é um modelo de cor aditivo. No processo de impressão.

40 4. é necessário que clientes.5 GerenCiaMenTo de Cores Para geração de mapas de cores para impressão (Desktop Mapping). já que tem que ser levado em conta as diferentes tecnologias de fabricação de tintas. Muitos sistemas oferecem recursos de gerenciamento de cores e facilitam o trabalho de calibragem do sistema. Os sistemas periféricos. 4.Manual de Pré-Impressão Capítulo 4 . Essa escolha só trará resultados válidos para o dispositivo de saída testado . Com eles é possível calibrar provas e monitores. além de realizar conversões de cores utilizando os softwares gráficos do mercado. Podemos citar como sendo primordiais para o sucesso desse processo os seguintes itens: • Geração de arquivos (Perfis ICC corretos e PDF/X).6 perFil de disposiTiVo Antes da programação visual do produto. faz-se necessário o uso de perfis de cores específicos. Antes de iniciar um trabalho. Cores 4. Após sua publicação pode-se notar uma grande parcela do segmento gráfico utilizando dos métodos. dispositivos de impressão e plotagem. RGB. monitor de vídeo. Os bons produtos oferecem tabelas de correspondência de cores que permitem gerar produtos com boa visualização de tela e com boa programação visual na impressão. como digitalizador. Quando valores são passados para as gráficas. HLS.7 norMa iso 12647 e a padronizaÇão dos proCessos de iMpressão A pouco mais de dez anos a padronização de processos de impressão se consolidou mundialmente através da norma ISO 12647. Para que se possa atingir esse objetivo. a mais recomendada é a CMYK. através de sistema de correspondência de cores. é possível programar o código da cor de fabricantes a ser utilizada na impressão. devem ter seu perfil levantado. . Então. consegue-se reproduzir a cor escolhida e manter a cor em impressões futuras. é oferecido inúmeros modelos. HSB. etc. deve ser gerado um perfil de sistema para cada dispositivo de saída que será utilizado na cadeia técnica adotada. etc. para impressão. Quando se pretende usar um mapa de cores para visualização em um monitor. Com a utilização de paletas de fabricantes. plotter jato de tinta. é necessário imprimir a paleta de cores e escolher as cores pela paleta impressa. prestadores de serviços e gráficos sigam corretamente os processos de produção como especifica a norma. a mais recomendada é a paleta RGB. A reprodução das cores em muitos ambientes serão feitas com uma certa variação. Para maiores informações entre em contato com a o setor de pré-impressão. aplicações e ferramentas dessa norma. tais como CMYK. pigmentos e equipamentos. da criação ao produto final. A ISO 12647-2 (para impressão offset) tem seu conceito principal focado em um único propósito: a repetibilidade de cores. Os perfis ICC baseados na ISO estão disponíveis para download no site da Corgraf. mas.uma determinada impressora. implementados nos sistemas de edição de cartas.

• Papéis e tintas de impressão. . não tendo interferência direta dos operadores. baseando-se na norma ISO 12647-2. dando o efeito colorido que desejamos em nosso material. oferece soluções práticas e seguras para todas as etapas do processo produtivo. A Corgraf como sendo líder em qualidade no mercado paranaense voltado a impressos promocionais e editoriais. • Processo de impressão seguindo diretrizes estabelecidas pela norma (obedecer o sistema de cores CIE LAB. desde 2009. amarelo. Essa transparência torna previsível o efeito da mistura de tintas como ciano. Cores • Insumos e calibrações adequadas para geração de provas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 4 . Um exemplo é o sistema de cores exatas Pantone. Sendo assim.CMYK.8 sisTeMas de CorrespondênCia de Cores A utilização de um sistema de correspondência de cores de marca assegura o uso de padrões. tendo como principais benefícios o resultado previsível das cores e a capacidade das mesmas serem repetidas. É importante que todos os elementos estejam no modo de cor que ele será reproduzido para evitar possíveis transtornos.9 separaÇão de Cores 41 Quando existe a necessidade de imprimir um material. magenta e preto . Os sistemas de correspondência podem ser divididos em dois tipos: • cores exatas. 4. o arquivo precisa sofrer uma separação de acordo com as respectivas cores existentes nele. Toda essa separação é feita pelo RIP. estaremos colocando cada chapa uma sobre a outra. não poderia ser diferente. As cores exatas são criadas por fabricantes de tintas. A norma ISO 12647-2 resumidamente. • cores compostas. Ganho de ponto e tonalidade dos papéis são alguns exemplos disso). 4. A grande importância de compreender a separação de cores é poder evitar alguns problemas relacionados com os modos de cores existentes e a forma com que eles serão separados. todos os processos e insumos foram cuidadosamente escolhidos e testados para que o impresso final seja uma reprodução fiel do arquivo. cada cor irá gerar uma chapa independente contendo todas as informações necessárias para a sua reprodução. sendo assim o resultado poderá não ser o desejado. Por exemplo. As cores compostas são bastante transparentes. pois cada cor será impressa por uma tinta diferente. sendo o modo de cor RGB excluído de nosso trabalho. • A produção de formas de impressão. uma imagem em RGB terá que sofrer uma transformação para que possa ser separada em chapas CMYK. Ao imprimirmos o material.

sendo que a separação será em cores compostas (CMYK). por algum descuido. Para evitar aborrecimentos com relação à conversão das cores exatas: • Use cores especiais somente se elas forem realmente necessárias em seu documento. tal como. a faca ser convertida em CMYK e impressa junto com material. • Quando utilizar somente cores especiais.10 o uso de Cores panTones Muitas vezes utilizamos em nossos materiais cores exatas. procure verificar se algum objeto ainda esteja na cor CMYK para evitar que esse mesmo não seja ignorado na saída da chapa. Cores 4. • Evite usar facas em cores especiais sobrepostas no arquivo. • Procure saber previamente como será o resultado da cor convertida em CMYK. 42 . Isso poderá causar transtornos. pois uma cor exata não terá a mesma representação visual quando impressa em CMYK.Manual de Pré-Impressão Capítulo 4 . pois isso poderá causar inconvenientes. evitando assim surpresas ao receber o impresso final.

Quer dizer que a imagem está organizada em uma série de linhas e colunas formadas por pixels.1 iMaGeM VeTorial . mapeada por bits. porque imprimem seqüências de pontos dispostos em linhas e colunas. cuja freqüência. por sua vez.3 MéTodos de CodiFiCaÇão de iMaGeM Também conhecidos como modos da imagem. laser e outras imprimem bitmaps. ou seja. 5. define a resolução da impressora. 5. Cada pixel (picture element) possui apenas uma cor e não possui uma dimensão fixa: o tamanho será atribuído ao pixel no momento da impressão.Manual de Pré-Impressão Uma imagem vetorial é descrita por linhas plotadas num sistema de coordenadas cartesianas (equações matemáticas). 5. Elas permitem redimensionamento em qualquer escala sem perda de qualidade. iMaGens 5.2 iMaGeM BiTMap ou rasTer A imagem obtida por fotografia digital ou escaneada é um bitmap. pois somente no momento da impressão ela é convertida em um bitmap adequado às características do equipamento impressoras jato de tintas. A este processo de conversão de vetorial para bitmap chamamos de rasterização e é executado por um RIP – Raster Image Processor. descrevem como os pixeis são organizados e representados dentro da memória do computador.

O LZW funciona muito bem com imagens gráficas. Programas de manipulação costumam oferecer 4 modos de conversão para preto e branco: linha artística (50% Threshold). Preto e Branco (1 bit): também conhecido como Bitmap. e menos eficiente em gráficos ou line art. Existem vários tipos de paletas. permitindo 256 níveis ou valores por cor. o Bitmap é o que resulta em imagem com menor tamanho. permite taxas de compressão muito mais elevadas do que métodos sem perda. em que a quantidade de cores é discreta e em que existem muitas áreas com tons constantes. permitindo 256 níveis de cor. É o modelo indicado para a indústria gráfica. guardando tons contínuos. Escala de Cinza (8 bits): sistema que usa 256 níveis de cinza por pixel. Cada cor é representada em 8 bits. CMYK (32 bits): sistema que usa quatro cores por pixel. uma imagem descomprimida não é exatamente igual à original. ele ocupa 33% mais espaço em memória e em disco do que o modo RGB. em que a quantidade de tons diferentes é menor.Manual de Pré-Impressão Capítulo 5 . O sistema CMYK baseia-se na qualidade da luz absorvida por uma tinta impressa sobre papel. métodos como este tornaram-se populares pelo seu uso em programas de microcomputadores (Doublespace. cada pixel assume um valor presente numa paleta de 256 cores. Neste modo. Cor Indexada (de 1 a 8 bits): também conhecido como 256 cores. Hoje em dia. Porém. o grau de compressão pode ser controlado e quanto mais compressão menor o tamanho do arquivo. difusão de erro e meio-tom. Imagens RGB (24 bits): sistema que usa três cores por pixel. Zip. Como o modo CMYK usa 4 bytes por pixel. quanto maior a compressão maior será a perda de informação. fazendo uma amostragem da imagem a ser convertida. O JPEG foi projetado para comprimir imagens de sujeitos reais (tais como fotos) tanto coloridas quanto em escala de cinza. Programas de manipulação permitem customizar uma paleta e criar uma nova. tais como. No JPEG. 5. usando alguma forma de codificação/ decodificação. Por outro lado. JPEG (Joint Photographic Experts Group): foi criado em 1990 pelo comitê que deu o nome a este método de compressão. ou seja. Este modo é usado para dar saída em duas cores. . Dentre todos os modos. LZW (Lempel-Ziv-Welch): foi desenvolvido em 1984 para compactar dados em discos magnéticos. Cada cor é representada em 8 bits (1 byte). ou um byte por pixel. Esse método de compactação visa exclusivamente a qualidade. O JPEG é muito eficiente em imagem de tons contínuos. O JPEG tem como característica intrínseca a perda de qualidade da imagem. fotografias.4 MéTodos de CoMpressão de dados 44 São algoritmos matemáticos (concretizados na forma de programas) que visam reduzir o tamanho original de uma imagem. ordenado. etc). pois cada pixel é representado por um único bit. Este modo é o recomendado para armazenar imagens em preto e branco. Este modo é útil para aplicações multimídia e para publicar na Web.

etc. O TIFF é capaz de armazenar imagens true color (24 ou 32 bits) e é um formato muito popular para transporte de imagens do desktop para bureaus. O método de compressão usado pelo JPEG acarreta em perda da qualidade da imagem. quando descomprimida. EPS (Encapsulated Postscript): Desenvolvido pela Adobe. Por outro lado. provavelmente. o formato de arquivos gráficos mais popular. sendo a polegada utilizada com mais freqüência. Diferentes fabricantes de equipamentos digitais e programas de computador desenvolveram uma grande quantidade de formatos de arquivos. ou seja. para saídas de scanners e separação de cores. Ele pode ser usado para armazenar gráficos (vetores). o Postscript é uma linguagem de descrição de páginas. elas são sempre transferidas para um computador. imagens raster (bitmap) ou ambos. usando um mecanismo que permite ao usuário alterar um nível de qualidade. nunca será igual à original. 2. TIFF (Tagged Image File Format): É um formato de arquivos que praticamente todos os programas de imagem aceitam. A fórmula da resolução é: Resolução = pixels/largura de impressão. software. lentes. A resolução de uma imagem é o número de pixels impressos ou exibidos por unidade de medida. GIF (Graphics Interchange Format): É. Quanto maior a resolução mais pormenores podem ser reproduzidos por um determinado sistema de captura da imagem: ccd. Ao invés de definir pixeis. Os formatos de arquivos descrevem como as imagens são organizadas dentro do disco ou da memória do computador. uma imagem comprimida em JPEG. Foi desenvolvido em 1986 pela Aldus e pela Microsoft numa tentativa de criar um padrão para imagens geradas por equipamentos digital. O TIFF permite que imagens sejam comprimidas usando o método LZW e permite salvar campos informativos (caption) dentro do arquivo. ou geradas por programas. onde ficam armazenadas em arquivos. 5. o Postscript é composto por um conjunto de comandos que são interpretados por um dispositivo de saída (impressoras.6 resoluÇão 45 Resolução pode significar duas coisas: 1. JPEG: Estritamente falando. por exemplo). o método de compressão do JPEG permite taxas de compressão mais altas do que o LZW (usado pelo GIF e pelo TIFF). Imagens 5. etc. o JPEG especifica apenas um método de compactação de imagens. .5 ForMaTos de iMaGens Quando imagens são capturadas eletronicamente por câmaras digitais. A capacidade que um sistema de captura/reprodução de imagens tem para reproduzir detalhes. scanners. A segunda definição é a que nos interessa.Manual de Pré-Impressão Capítulo 5 . Foi criado pela Compuserve para a transmissão de imagens do tipo bitmap pela Internet.

principalmente quando tem que rotacioná-los. O modo mais elegante de interpolação chama-se Bicúbica. envio pela internet. A isso damos o nome de interpolação. Imagens 5. Certamente. em que o redimensionamento da imagem faz com que o software faça uma média dos pixels adjacentes. O uso desse formato nem sempre é o mais satisfatório em determinados softwares. criando. Esse tipo de imagem não preza qualidade do seu arquivo. sendo recomendado em quase todos os tipos de materiais. podemos usar um recurso para aumentar sua resolução. dando uma visível diferença do método anterior (para pior). possibilitando. É muito confiável e pouquíssimos problemas ocorrem com seu uso. pixels intermediários. Esse método de interpolação é o mais usado por sua qualidade. Ele pode ser de alguma utilidade apenas quando você está aumentando o tamanho de uma imagem por uma proporção exata. A interpolação Nearest Neighbor é o modo mais grosso e rápido de reduzir ou ampliar uma imagem. como quatro vezes ou 16 vezes o tamanho original. 5. Então. esse formato de imagem está muito avançado e suas versões mais recentes já permitem o uso de camadas. que suas imagens sejam importadas com fundo transparente. mas simplesmente repete a cor de pixel na borda do original. JPG: Muito utilizado quando requer o uso de pouco espaço em disco. cada um se encaixará perfeitamente em um determinado trabalho. por exemplo. pois esse formato aceita tal recurso. recomenda-se a codificação binária.7 inTerpolaÇão Quando possuímos uma imagem com uma resolução abaixo do ideal. Esse método não realiza qualquer cálculo ou média. É muito problemático quando é salvo usando a codificação JPG. TIFF: Atualmente. o que ameniza o serrilhado decorrente da pouca quantidade de pixel existente na imagem.8 Melhor ForMaTo de iMaGeM Com as tecnologias existentes hoje na área gráfica. e devo dar saída nas respectivas cores. que é feita de forma suave. Ele suporta também máscaras (canal alfa) e clipping path. por exemplo. portanto sua utilização deve ser limitada para alguns fins. assim. PSD: Empregado quando tenho que trabalhar com camadas (layers) ou fundo transparente. assim. porém a melhor escolha dará ao seu material resultados mais satisfatórios: 46 EPS: Utilizado quando tenho imagens em duotone (em cores especiais). necessitam estar encapsulado em PostScript para poder dar saída. existem inúmeros formatos de imagem para escolher.Manual de Pré-Impressão Capítulo 5 . porém é o mais custoso devido aos cálculos realizados. . Já o método Bilinear realiza a média apenas dos pixels vizinhos da vertical e horizontal. Geralmente. dando uma amenizada nos degraus criados pela mudança no tamanho da imagem.

o melhor formato neste caso é o EPS DCS2.9 Quando usar VeTor e Quando usar BiTMap 5. arte para revistas. cria-se o croqui que mais tarde é trabalhado em programas de edição bitmaps para aplicação de detalhes. Games.1 duoTone Certos materiais fazem necessário o uso de cores especiais em suas imagens. Usa-se imagens baseadas em pixels quando se deseja uma maior profundidade. CD-ROMS. Por exemplo. ou seja. Uma área em que se utiliza muito as ferramentas vetoriais é a da ilustração. impressões. cinema. para dar vida. Com a ferramenta de ilustração vetorial. tanto para quadrinhos quanto para publicidade. 2) Em Image>>mode escolha duotone.2 usando BiTMap Os gráficos bitmaps são amplamente utilizados na Web. se temos uma imagem que será impressa em duas cores especiais juntamente em um arquivo que contenha cores escalas (CMYK). 5. Enfim.10 Gerando iMaGeM CoM Cor espeCial do phoToshop 5.1 usando VeTor Os gráficos vetoriais são utilizados em impressões. mas nem por isso o vetor deve ser banalizado. Porém.9. pois muitos ilustradores. Imagens 5. escolha duotone. com certeza.9. a conversão para esse modo cor não pode ser encarada de uma forma qualquer. 6)Vá ao menu image>>mode e escolha multichannel . utilizam ferramentas vetoriais para criar suas obras. web. tanto os programas Vetoriais quanto os Bitmaps são importantíssimos e.Manual de Pré-Impressão Capítulo 5 . 4) Defina os pantones clicando sobre as indicações de cores. algo que transmita mais “vida” para o usuário/observador. 47 Para o PageMaker a extenção PSD não tem o mesmo resultado.10. certamente. folders. 3) Na janela duotone options. pois esse formato permite que todas as características de sua ilustração ou gráfico sejam mantidas inalteradas. TV. 5. etc. isso lhe forçará a convertê-las (imagens) em cores especiais. foram revolucionários e responsáveis pela explosão da arte digital nos dias de hoje. 5) Clique sobre a opção curvas para ajustá-la. exporte-os em EPS. Para utilizar seus vetores com maior qualidade em programas de paginação. seja o croqui ou a arte final. . É muito importante seguir alguns prosseguimentos para que seu trabalho tenha o resultado desejado. Siga os seguintes passos: 1) Converta a imagem em Grayscale (Image>>mode>>grayscale). Usamos o bitmap em muitos casos.

Imagens 5. Para executar essa tarefa no Photoshop veja os procedimentos a seguir: 1) Abra a janela Channels. 2) Abra o sub-menu e escolha a opção New Spot Channel.10. obviamente. esse recurso.3 salVando iMaGens CoM Cores epeCiais Após a imagem ser criada. ao TIFF 100 % maior PDF 48 Suporta camadas Textos Editáveis Compressão Zip Compressão Jpeg 40% a 11% menor JPEG Não suporta camadas Textos não editáveis Compressão com perda de qualidade 66% a 90% menor TIFF Suporta camadas Textos editáveis Compressão EPS Não suporta camadas Textos não editáveis Exige impressora PS (JPEG) 60% menor (ASCII) >178% maior (BINÁRIO) 14% maior . além de aceitar. O formato PSD é o que melhor se adapta a essa característica de trabalho.Manual de Pré-Impressão Capítulo 5 . 5. 5. além de permitir salvar a imagem com fundo transparente.11 CoMparaTiVo enTre os ForMaTos Formato PSD Características Suporta camadas Textos Editáveis Compressão % com Rel. visto que ele é importável por todos os softwares. precisamos escolher o melhor formato e sua configuração para podermos salvar essa imagem. 3) Escolha a cor especial que será usada na imagem.2 CMyk CoM Cor espeCial Determinadas imagens necessitamos criar juntamente com os canais CMYK um quinto canal PANTONE.10.

49 No modelo 1 todas as cores estão desenhando a imagem deixando a mesma com mais contraste. selecione Custom CMYK.12 ConVerTendo iMaGeM de rGB para CMyk A conversão de uma imagem do mode de cor RGB para CMYK. sempre é um processo delicado. 3) Em Black Generation escolha Light. Dependendo do modo como é realizada essa conversão o resultado final na impressão pode não ser o esperado. siga os seguintes passos: 1) Vá ao menu Edit>>Color settings. deixando as outras cores saturadas. dependendo da imagem falta até cor. sendo assim a imagem fica sem desenho nos outros canais.Manual de Pré-Impressão Capítulo 5 . . ocasionando um resultado ruim na impressão. No modelo 2 só o black está fazendo o desenho. Imagens 5. criando uma barreira quando as cores chegam no black. Para realizar tal conversão de forma mais satisfatória. 2) No campo Working Spaces.

3) No sub-menu da aba Paths. . Siga o seguintes passos para realizar o recorte: 1) Selecione a ferramenta Pen Tool e recorte a imagem. O recorte realizado com a utilização da ferramenta MAGIC WAND (varinha mágica) deixará a imagem com as bordas toda serrilhadas. Imagens 5. como imagem abaixo. selecione a opção Make Selection.Manual de Pré-Impressão Capítulo 5 . 50 4) Em Feather Radius defina 1 pixel e marque a opcção Anti-aliased. 2) Na aba Paths clique sobre o recorte.13 reCorTe de iMaGeM Todo o recorte de imagem depende de alguns truques para que se atinja um bom resultado final. A imagem recortada com Paths e utilizando a opção Make Selection deixa o recorte mais suave.

corremos o sério risco de que a mesma saia cortada na impressão. 2) Na aba Paths clique sobre o recorte.Manual de Pré-Impressão Capítulo 5 . ficando assim a imagem com 5mm a mais para cada lado. 5) No menu Select escolha a opção Save selection. Siga os passos a seguir: 1) Recorte a imagem utilizando a ferramenta Pen Tool. em imagens com Canal Alpha e não aparamos a sobra da imagem. 3) No sub-menu da aba Paths. Dependendo da complexidade da mesma podemos gastar muito tempo para realizar essa tarefa. selecione a opção Make Selection. Imagens 5.15 sanGrias eM iMaGens Para realizar sangrias em imagens nem sempre é uma tarefa fácil. 4) Em Feather Radius defina 1 pixel e marque a opcção Anti-aliased. . 5. principalmente para usuários do CorelDraw. 6) Salvar a imagem em TIFF com opção ALPHA CHANNELS ativada. 51 Quando utilizamos a ferramenta forma no CorelDraw. Para criar sangrias mais facilmente em diveros tipos de imagem siga os passos a seguir: 1) Vá ao menu Image selecione Canvas Size e aumente a imagem em 1cm. Ex: 10x20 ficará 11x21 A imagem ficará com uma borda branca ao redor.14 Canal alpha Essa técnica é usada para aplicar fundo transparente em imagens.

. dependendo da posição da mesma. Imagens 2) Copiar parte da imagem em uma das extremidades e criar um novo Layer para a margem que será sangrada.Manual de Pré-Impressão Capítulo 5 . 52 4) Distorcer a imagem para os lados ou para baixo. clique com botão direito do mouse no Windows ou comand+clique no System X. 3) Vá ao menu Edit>>Free Transform. somente nos layers da sangra. em seguida escolha a opção Flip (Horizontal ou vertical).

Essa técnica é utilizada largamente. agora imagine um texto preto no corpo 50 em bold. aJusTes de reGisTro 6. quando temos uma reserva dos objetos ou textos com relação ao fundo. damos o nome de “overprint”. Em determinadas situações. assim como em fios muito finos e textos muito pequenos. A sobreposição nesses efeitos ajudam a evitar sombras esbranquiçadas. por ser de grande valia para os impressores. A parte onde o preto cair sobreposto no 6. evitando efeitos indesejados. o overprint não é uma boa escolha. aconselha-se a não usar overprint. pode-se configurá-la perfeitamente para sobrepor todas as outras.2 knoCkouT Ao contrário do overprint. furar). parte do objeto ou texto preto com uma tonalidade da cor preta diferente do restante. Outra utilização muito freqüente do overprint é no que se refere a sombras. imagine um layuot qualquer onde sua metade vertical seja coberta por um retângulo laranja e a outra parte pela cor branca (papel). ultrapassando de uma extremidade a outra do layout (da parte branca até a laranja). damos o nome de “knockout” (vazar. por exemplo. tal como.1 oVerprinT . Em áreas e textos pretos muito grandes. salvo algumas exceções. onde a cor sobrepõe apenas em uma parte de um outro objeto. Levando-se em conta a densidade da cor.Manual de Pré-Impressão Quando temos uma sobreposição de um objeto com relação a outro. Um padrão da indústria gráfica é a sobreposição (overprint) por default da tinta preta (black). 6. pois auxiliam nos inconvenientes e esforços para registro de determinadas cores.

em um contorno ao redor do texto somente a cor preta se faz presente. Quando usamos a técnica knockout. 6. salvo alguns casos. usamos a técnica conhecida como “trapping”. Ao longo da evolução dos softwares de editoração gráfica. enquanto a outra metade cairá sobre o laranja. evitando. Existem até programas específicos para trabalhar com isso. Ajustes de Registro branco do fundo ficará um preto 100%. . podendo ser visto claramente o filete por falta de registro na impressão.3 TrappinG Muitas vezes. que consiste em invadir os contornos das cores de primeiro plano sobre as cores de segundo plano. sendo possível sua correção se verificado a tempo. causando uma pequena sobre-impressão. 54 O trapping também pode ajudar quando usamos um texto vazado sobre uma superfície preta calçada. Essa técnica consiste em reservar uma área ao redor do texto onde o cian do calço não possa avançar. Hoje. Esse problema é comumente encontrado em inúmeros trabalhos impressos. ou seja. assim. quase sempre devemos utilizar o trapping. O exemplo mostra um objeto sem o trapping. o problema citado acima. problemas esses denominados de registro de impressão. todos os programas possuem recursos para corrigir esse problema de encaixe. Para corrigir tal problema. deparamo-nos com problemas de filetes brancos em materiais impressos.Manual de Pré-Impressão Capítulo 6 . dando um aspecto preto alaranjado por adicionar ao preto o laranja do fundo. Isso evita que surjam sombras nos textos por causa do registro. muito foi feito com relação a esse problema. Em casos como esse é que devemos usar o recurso Knockout e não o overprint.

algumas técnicas são empregadas para que o resultado final de um material impresso seja o melhor possível. .Manual de Pré-Impressão Capítulo 6 . em toda a superfície 100% de preto. Ajustes de Registro A segunda figura mostra o mesmo objeto com trapping aplicado. visto que poderá conter na página algumas porcentagens da cor que. Texto vazado em uma superfície preta com trapping. ao forçar o preto 100%. Essas porcentagens são usadas pelo seguinte motivo: ao adicionar cian. Quando uma arte possui uma superfície muito grande. 1% de magenta e 1% de amarelo. essa superfície tem que sofrer uma pressão muito maior para haver uma cobertura total. poderá haver um ganho de ponto e entupimento da retícula. mas isso muitas vezes não é possível. Por exemplo. adicione 30% a 40% de cian. o recurso para corrigir esse problema e deixar o preto com uma aparência mais intensa é o calço. coberta pela cor preta 100%. ao forçar o chapado (100%). Como usar essa técnica? Simples. No momento da impressão. devemos ter alguns cuidados quanto a isso. Texto vazado em uma superfície preta sem trapping. O calço nada mais é que uma dessas técnicas empregadas. poderá influenciar diretamente nelas. Sendo assim.4 CalÇo Na indústria gráfica. um preto 90%. 55 6.

quando um objeto preto cair sobre um objeto vermelho. poderá haver uma marcação na superfície. Ajustes de Registro a impressão é de que o preto fique com uma intensidade muito maior. dando um poder de cobertura também maior do que somente a cor mencionada. por padrão. 56 . deixando a área de sobreposição mais escura. mesmo tendo cian como calço. por exemplo. Já as cores magenta e amarela tendo 1% é pelo fato de que. deverá ser sobreposta (overprint). a cor preta. Dessa forma.Manual de Pré-Impressão Capítulo 6 . na indústria gráfica.

as fontes bitmap ainda são úteis porque seu uso implica em ganho de performance do sistema: elas consomem menos memória que as fontes vetoriais. o tamanho imediatamente menor é “esticado”.1 o Que são FonTes . Em uma fonte do tipo bitmap. as fontes bitmap contêm só os tamanhos mais usados.3 FonTes VeToriais Enquanto uma imagem raster contém uma alternância de pontos pretos e brancos. as fontes são compostas por dois arquivos: um para visualização na tela (bitmap) e outro que vai para a impressora (outline). já que as fontes do tipo vetorial podem ser ampliadas em qualquer tamanho sem apresentarem deformações. mas a qualidade gráfica é melhor. é necessário um conjunto completo de caracteres.2 FonTes BiTMap (rasTer) Também conhecidas como “mapa de bits’’. O que gera o principal problema destas fontes: quando se tenta usar um tamanho inexistente no arquivo. trata-se de um tipo de imagem formada pela alternância entre pontos iluminados (branco) e escuros (preto). Apesar da desvantagem. mas por fórmulas matemáticas que descrevem a localização e o formato das retas e curvas do desenho. uma imagem vetorial não é formada por pontos. produzindo imperfeições. portanto. Para cada tamanho de letra. pontuação. alguns símbolos e letras acentuadas). FonTes 7. O processo de exibição destas fontes (renderização) é mais lento. 7. minúsculas. uma família tipográfica inteira (maiúsculas. cada um dos caracteres corresponde a uma imagem monocromática. Os 7. Para economizar espaço no sistema de arquivos. 7. 7. Cada arquivo de fonte contém.Manual de Pré-Impressão Fontes são arquivos que contêm informações para que o servidor gráfico exiba o texto na tela e para que o servidor de impressão imprima o seu texto.4 FonTes posTsCripT Criado pela Adobe nos anos 80. algarismos.

combinando características dos dois anteriores. Existem dois tipos distintos. praticamente. o “de PC” (com extensão TTF) e o “de Mac”. nesse caso com a extensão “pfb” (Postscript Font Binary). A proliferação de fontes customizadas e não padrão tem sido uma dádiva para os designers e uma maldição para os operadores de pré-impressão [Publish – A sutileza da fonte]. com certeza. outro contendo as medidas (metrics) e outras instruções destinadas a facilitar a exibição da fonte na tela. de extensão *. sinônimo das fontes da Adobe. Dê preferência a elas. 7. Fontes dois precisam estar instalados juntos para funcionarem corretamente.7 proBleMas CoM as FonTes Um dos maiores obstáculos para pré-impressão.5 FonTes TrueType Formato criado em conjunto pela Apple e Microsoft para driblar os custos (caríssimos) de licenciamento do padrão PostScript. mas o formato Type1 é o mais usado. As fontes OpenType são também baseadas na tecnologia Postscript. aumentam as estatísticas . 58 A principal desvantagem apresentada pelo sistema TrueType é que ele oferece menos detalhes sobre cada glifo. enganam-se e muito.Manual de Pré-Impressão Capítulo 7 . Vem se difundindo ligeiramente por estas características. o objetivo era oferecer aos seus sistemas operacionais (Macintosh e Windows) fontes escalonáveis sem terem que pagar uma fortuna pelo licenciamento da tecnologia da Adobe.6 FonTes openType Padrão criado pela Microsoft e Adobe. Com o número de fontes disponíveis no mercado hoje. Os PCs ainda não conseguem usar TrueType de Mac sem conversão. tridimensional em Postscript e bidimensional em TrueType. pois consomem menos memória e imprimem melhor. O arquivo de métrica é um arquivo texto com a extensão “afm” (ASCII Font Metrics). 7. são as fontes. Antigamente. É multiplataforma: os mesmos arquivos funcionam no Mac e no Windows. as fontes TTF de PC não funcionavam no Mac e vice-versa. Mas o OS X aceita qualquer fonte TTF de Windows. a ponto de ter se tornado. hoje em dia. Uma fonte Type1 consiste em um arquivo que contém a fonte propriamente dita (outline). Embora muitos pensem que a fonte que está usando é perfeitamente “saudável”. Há vários tipos de fontes Postscript. sem o mínimo de controle de qualidade. O arquivo de fonte pode ser um arquivo de texto com a extensão “pfa” (Postscript Font ASCII) ou um binário. Fontes problemáticas têm provocado cada vez mais dor de cabeça para muitos profissionais. e por causa disso não imprimem tão bem. As fontes Postscript merecem destaque devido à sua qualidade.ttf. 7. A principal vantagem das fontes TrueType é que todos os dados estão armazenados em um único arquivo.

poderá gerar conflitos. em impressoras profissionais. assim. no máximo. uma fonte PostScript com uma TrueType ou OpenType. mas não instadas. como por exemplo. Nas impressoras a jato de tinta e laser. já que elas não estão tendo gerenciamento algum. pode complicá-la. Use sempre as fontes que contenham esse estilo em sua família. ou até mesmo não aparecerem na tela e nem na impressão. No Windows. mas. deve-se. Faça isso apenas quando for usá-las. elas sairão normais de acordo como estão instaladas. dando. evite jogar as fontes diretamente no diretório fonts do sistema. A falta de um deles acarretará sérios problemas. com certeza. o que. de tempo em tempo. ocasionando muitos problemas. 6) Ao instalar uma fonte. desinstalar e instalar as fontes novamente. 59 . evite usar muitas fontes instaladas em seu sistema. No Macintosh. 5) Evite usar mais de um gerenciador. se possível até mesmo deletar os atalhos que se encontram na pasta fontes do painel de controle. porque. tome o cuidado de verificar se toda a família foi instalada corretamente. 10) No Windows. por terem arquivos para visualização e impressão separados. procure desinstalar todas. 2) Fontes sem procedência: não espere muita coisa adquirindo um cd de fontes na banca da esquina. 8) Evite usar o “boldfique” e o “italize” pelas paletas de controles ou menus. 3) Por mais absurdo que possa parecer. mesmo se essas não estejam com a família completa. Podemos definir como sendo grandes problemas os seguintes: 1) Arquivos de fontes corrompidos. sérios problemas de impressão. Muitas vezes tais problemas só são vistos ao final de todo o processo (impressão propriamente dita). poderão ser impressas normalmente. ou até mesmo por nenhuma. principalmente fontes PostScript. textos normais ficarem itálicos.Manual de Pré-Impressão Capítulo 7 . por outro lado. as fontes “apodrecem” com o tempo. mas ajudam seu material a custar mais barato. O recomendado é ter. Fontes de erros causados pelas fontes problemáticas. lembrando que o recomendado seria dezenas e não centenas. Isso poderá gerar conflitos entre elas. um pouco menos. mas cuidado para não deletar as fontes de sistema. Você pode ter milhares de fontes disponíveis em seu computador. 4) Evite usar fontes iguais de padrões diferentes. Fontes de qualidade e com padrão custam caro. É como se o Windows ou o Macintosh OS “cansassem” das fontes instaladas e passassem a substituí-las por outras. e ninguém sabe explicar o porquê. pois poderá gerar alguns problemas. por mais que isso possa facilitar sua vida. dezenas. 7) No Macintosh. quando o número de fontes ultrapassarem as 400. Muitos aplicativos têm a característica de italizar ou negritar as fontes. isso pode chegar até 400 fontes sem ter muitos riscos. ou seja. Para isso. 9) Por mais prático que possa ser.

.

não apresentam a confiabilidade e a precisão necessárias para a criação de um arquivo PDF destinado ao uso gráfico profissional. Graças à sua estabilidade. inclui todos os elementos vetoriais. confiabilidade e tamanho compacto. etc. ao contrário deste. foram definidos alguns padrões restritivos (subsets). Existem diversas maneiras de produzir arquivos PDF. o PDF independe do sistema operacional no qual foi gerado (Mac. animações.1 inTroduÇão . etc). Por isso. específicos para uso gráfico (conhecidos como PDF/X). recursos de internet e bancos de dados (hiperlinks e catalogação automática). filmes. prático e eficiente para envio de arquivos eletrônicos para uso gráfico. Mas. Todas essas ferramentas são desnecessárias em um PDF destinado à impressão e podem causar erros no processamento dos arquivos. pode ser aberto e visualizado para conferência e até mesmo sofrer pequenas edições e modificações sem que seja necessário recorrer ao aplicativo original. Além disso. o formato PDF (Portable Document Format) é uma evolução do formato PostScript desenvolvido pela Adobe Systems Incorporated no início da década de 80 e. o PDF tem capacidade de incorporar elementos multimídia (sons. imagens e fontes usados no documento e é um formato extremamente compacto. Também. As versões mais modernas dos aplicativos de editoração eletrônica oferecem a opção salvar ou exportar as páginas em PDF. Unix. Esses sistemas. O PDF traz todas as informações de página contidas no PostScript. PC. será o seu sucessor no fluxo de trabalho digital da indústria gráfica.). Na sua evolução. um padrão adotado pela maioria dos sistemas de fluxo de trabalho dos principais fabricantes mundiais. o PDF é hoje o formato mais moderno. sem contar anotações e comentários de revisão. o PDF incorporou recursos específicos para uso gráfico profissional e diversos aplicativos novos surgiram para aproveitar e estender sua funcionalidade.Manual de Pré-Impressão Portátil. no entanto. 8. dada a sua versatilidade de uso. provavelmente. campos para preenchimento. Há ainda sistemas baseados em impressoras virtuais que possuem o recurso de imprimir para arquivo (print to file) no formato PDF. no qual esses recursos são eliminados e os arquivos são construídos conforme normas rígidas. funções de formulários (menus automáticos. pdF/x 8. etc).

ou em um único arquivo PostScript. 62 3) Documentos com mais de uma página podem ser salvos em arquivos individuais para cada página. no mínimo.54 cm ou maiores. Eventualmente. com as múltiplas páginas incluídas na seqüência direta da numeração. O documento e as marcas de .5 mm) da borda do documento. Em programas que ofereçam opção de personalização das marcas. 2) Devem ser criados usando a descrição de impressora (PPD) do Acrobat Distiller. editora. os arquivos PostScript necessariamente devem possuir algumas características particulares.2 CriaÇão de arQuiVos pdF-x/1a Para que possam ser adequadamente convertidos para PDF/X-1a. uma polegada (2. No momento. gráfica. o Organismo de Normalização Setorial de Tecnologia Gráfica. 4) Todos os elementos das páginas (inclusive imagens e ilustrações) devem utilizar somente cores CMYK. editora. versão 4 ou 5. O objetivo final é garantir um intercâmbio de arquivos no modo conhecido como “troca cega” (blind exchange): O criador do arquivo não precisa obter nenhuma informação sobre o sistema de trabalho do fornecedor destinatário (bureau de serviços. gráfica. 10 pontos tipográficos (3. As informações abaixo são genéricas.1 CaraCTerísTiCas Que os arQuiVos posTsCripT deVeM Ter 1) Devem ser do tipo composto (composite).54 cm) maior que o tamanho de corte do documento nas duas dimensões a fim de abrir espaço para as marcas de corte e informações de página. está preparando a tradução da norma para sua aprovação no Brasil. O padrão PDF/X-1a prevê arquivos seguros e confiáveis.54 X 30. PDF/X O subset PDF/X-1a é um desses padrões internacionais. etc). 8. no mínimo. do tipo genérico (não vinculado a dispositivo). normalizado pela ISO. ONS27. elas devem estar posicionadas. permitindo seu uso por todos os sistemas de fluxo de trabalho gráfico que suportam o formato PDF. independente do aplicativo e da plataforma em que os documentos originais foram criados. 5) Versões definitivas de alta resolução (hires) das imagens devem ser incorporadas integralmente aos arquivos PS. 7) O formato do papel (paper size ou media size). deve ter.2. 6) As marcas de corte (crop marks ou trim marks) devem necessariamente ser incorporadas no arquivo. no âmbito da Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica. 8.Manual de Pré-Impressão Capítulo 8 . montados a partir de informações genéricas e universais. definido na saída do PostScript. alguns valores podem ser modificados conforme instruções específicas do fornecedor destinatário do arquivo (bureau de serviços. Por exemplo: documentos com 21 X 28 cm podem ser fechados em papéis 23. as páginas em branco (blank pages) devem ser colocadas no documento de paginação da obra e incluídas no arquivo PostScript. e este também não necessita de informações adicionais sobre o processo de geração do arquivo PDF/X-1a. No segundo caso. etc).

com uso de cores especiais. platesetters ou RIPs). Duotones elaborados com uso de cores CMYK são aceitos desde que criados em Photoshop versão 5. 3mm para além da linha de corte. CIE-Lab ou cores indexadas (indexed colors). PDF/X corte devem estar centralizados no papel (horizontal e verticalmente). exceto se o material for destinado à montagem em formato revista ou a ser impresso explicitamente dessa maneira. 3mm. A opção de uso de ladrilhos (tiling) deve ser desabilitada no fechamento. são desconsiderados na geração do PDF do tipo composto (composite). a mesma deve ser acertada para.Manual de Pré-Impressão Capítulo 8 . 9) Os documentos devem ser fechados com marcas de corte completas nos quatro cantos. 9) Divisão de páginas em múltiplas folhas de papel. no mínimo. 8) Perfis de cor (ICC Profiles) incorporados. 3) Elementos com cores RGB.2 CaraCTerísTiCas Que os arQuiVos posTsCripT não podeM Ter 1) Separação prévia de cores (PostScript pré-separado). como as encontradas em imagens do tipo GIF. Nos aplicativos em que a extensão da sangria precisa ser definida no fechamento do arquivo. Essas imagens devem ser convertidas para CMYK antes do fechamento. No entanto. sem o uso de páginas faceadas (spreads). 63 Os ajustes de encaixe entre as tintas (trapping). 10) Páginas posicionadas lado a lado (facing pages) unidas numa única folha (spread). . 2) Descrições de impressora (PPD) de dispositivos específicos (imagesetters. Fontes especiais (True Type. salvas no formato EPS DCS 1 ou DCS 2. 5) Imagens do tipo duotone. ainda que na forma de cores adicionais ao CMYK (quinta cor). 8) Elementos gráficos posicionados junto às bordas do documento devem possuir sangria (bleed) de. etc) podem ser convertidas para curvas ou incorporadas ao PostScript conforme instruções do fornecedor. no mínimo. criadas no Photoshop. Open Type. as informações de sobreposição de cor (overprint) são preservadas e devem ser especificadas pelo criador do arquivo.5 ou mais recente.2. 8. 7) Imagens de baixa resolução para posterior substituição em sistemas de OPI. 6) Imagens pré-separadas. Tanto as imagens CMYK incluídas no documento quanto o próprio arquivo PS não devem possuir perfis incorporados (embeded). definidos nos aplicativos de paginação. 10) Todas as fontes tipográficas utilizadas no documento – preferencialmente do padrão PostScript Nível 1 – devem ser incorporadas no arquivo PostScript. 4) Cores especiais (spot colors) ou cores Pantone.

12) Fontes tipográficas padrão PostScript Tipo 3. (Textos Retirado do Guia Como produzir arquivos PDF/X-1a da revista Professional Publish.) 64 . Nos aplicativos que oferecem essa opção no fechamento. PDF/X 11) Marcas de sangria (bleed marks) junto das marcas de corte. mesmo que incorporadas ao PS. as marcas de sangria não devem ser incorporadas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 8 .

renomeie-o. 9.ZIP. já no System X. em Windows. através desses programas. aceitamos arquivos com extenções . Ao comprimir seus arquivos.JAR.SIT e . atente a uma questão: o algoritimo de compactação. Enviar 3) Ao comprimir o documento. como o Windows e o System X da Apple. Além do mais. que ficaria da seguinte forma: FolhetoGralhaAzulAgenciaX. tais como.1 o Que são CoMpaCTadores . links e o próprio documento em um só arquivo. Os sistemas operacionais.zip.ZIP ou . Por exemplo. 9. organizar todos os arquivos que compõem nosso trabalho. ser mais facilmente identificado pelo bureau. Procure enviar seus arquivos apenas nessas extenções. e-mail ou FTP. fontes. assim. sempre renomeie seus arquivos da seguinte forma: TipoNomeTrabalhoCliente.zip. conseguimos.2 CoMpaCTando no WindoWs Como realizar esse procedimento no Windows: 1) Clique sobre o aquivo com o botão direito do mouse. Para isso. 2) Vá até a opção: para>Pasta compactada.Manual de Pré-Impressão Os compactadores são programas que usam algorítimos capazes de reduzir o tamanho de um determinado arquivo consideravelmente. CoMpaCTadores 9. Isso é muito importante quando nos deparamos com uma situação em que devemos enviar nossos arquivos pela internet. por exemplo. caso esse venha ser enviado pela internet. aceitamos as . possuem utilitários para que possamos compactar nossos arquivos. É sempre importante darmos aos nossos arquivos compactados uma nomenclatura clara para.

inclua todos os arquivos desejados e conclua a operação. 66 . 2) Clique no menu “Arquivo”. WinRar e FilZip. 4) Dê o nome para o arquivo. . siga os passos: 1) Abra o FilZip. Ele permite compactar seus arquivos em .Tar. etc. como é o caso do Winzip. . Para executar esse procedimento utilizando esse aplicativo. 3) Vá ao submenu “Novo Arquivo”. Compactadores Alguns aplicativos são mais rápidos para compactar e descompactar que o utilitário do próprio Windows. 5) Ao Abrir a janela de adição.Manual de Pré-Impressão Capítulo 9 . O FilZip é um compactador gratuito que é muito utilizado.Zip. por exemplo.Jar.

3 CoMpaCTando no sysTeM x O sistema operacional da Apple.Manual de Pré-Impressão Capítulo 9 . 3)Escolha o submenu “Criar Arquivamento de arquivo”. também possui utilitário para realizar compactação de arquivos em . Compactadores 9.Zip. 2)Vá até o menu “Arquivo” do Finder. é bem simples: 1)Selecione o arquivo ou diretório que deseja compactar. 67 Sempre procure usar a nomenclatura especificada para agilizar a identificação do arquivo. É possível realizar compactação utilizando um aplicativo chamado DropStuff. é muito simples: 1)Clique sobre o menu “Ir”. pois ele cria arquivos . que também é largamente utilizado e o bureau está apto a receber esse tipo de arquivo. arraste seu arquivo ou diretório sobre a janela indicada “Drag your files here”. o X. 4)Dê dois cliques sobre o aplicativo DropStuff. Para realizar a compactação dos arquivos ou diretórios.sit. 2)Escolha o submenu “Aplicativos”. Para comprimir um arquivo. . 5)Ao abrir o programa. 3)Abra a pasta “utilitários”.

.

4) Checar os copy/paste. que pode implicar em problemas seríssimos no momento do fechamento do arquivo. pois estes podem se omitir atrás da moldura. 3) Verificar se existem imagens com crop (corte) do próprio Corel. Eles também têm grande importância no fechamento de arquivo. Bloco de textos muito grande. 2) Verificar sangrias. elas causam problemas sérios quando aplicadas sobre textos. por exemplo. como por exemplo. por exemplo. imagens faltando pedaços. podendo vir a deixar os textos serrilhados.Manual de Pré-Impressão 1) Verificar sempre os textos em parágrafos. devemos ter muito cuidado. etc. Assim como qualquer outro software gráfico. Além de deixar o arquivo quase que impossível de se trabalhar.1 CoreldraW . até 220 DPI é tolerável. Dependendo do tipo e detalhamento da imagem. e objetos incorporados de outros programas através do copiar e colar podem apresentar certos problemas. 6) Checar as imegens e verificar se alguma possa estar em RGB (ou em outra paleta diferente da CMYK ou GRAYSCALE). 8) Lentes. 7) Cuidado ao converter textos em curvas. em outros casos pode até vir a sair P/B. sendo um deles a “não impressão” correta do objeto em questão. Um exemplo disso é que. quando falamos em lentes. 10. gera um número de pontos demasiadamente grande. quando convertido em curvas. diCas 10. no Corel. algumas vezes. sem vida. o Corel também pode vir a apresentar resultados indesejáveis no momento da conversão para CMYK. as imagens podem sair lavadas. Nas quatro cores. problemas estes que podem ocasionar linhas indesejáveis. 5) Verificar a resolução das imagens. tal conseqüêcia deve-se ao fato de que a lente converte tudo o que está por baixo em uma imagem. tendo problemas no momento em que o arquivo PostScript é enviado para o RIP.

por isso todo o cuidado é pouco com essa opção. ao contrário. M 50. possivelmente esse efeito criado no Corel pode apresentar estrias no material impresso. 2) Deixar de 3 mm a 5 mm de sangria. o preto puro pode ficar um pouco lavado sem o calço. apresentar detalhes serrilados e faltar pedaços da imagem são os mais comuns. 4) O copy/paste pode ser facilmente resolvido. imagine que o objeto que está por cima esteja na cor banca com overprint e por baixo esteja um objeto na cor preta. Para evitar transtornos com esse recurso. podem sofrer sérios problemas. 12) Cuidado também com Overprint (impressão sobreposta).1. por isso seu resultado final nem sempre são os desejados e esperados. um objeto ou um texto configurado com overprint de contorno ou preenchimento tende a sobrepor a tudo o que está por baixo. vá até o menu editar e no sub-menu colar especial e cole como meta arquivo avançado. K 100). que nos permite especificar qual o melhor modo que o arquivo copiado deverá ser incluído no Corel. procure sempre colocar um calço nas sombras em preto (C 50. 3) O problema do crop pode ser resolvido de duas maneira: uma delas é converter a imagem em um bitmap e a outra é aparar a área da imagem que está cortada. 14) Cuidado com o uso de texturas e padrão duas cores. Assim. evitando. pode causar danos gigantescos. 11) Cuidado com PSD (extenção do Adobe PhotoShop). pois esta evita filetes brancos nas bordas do material. quando se usa texto em parágrafo do Corel e posteriormente é acrescentado mais textos ou feito algumas correções. . se o preto estiver caindo por cima de um objeto com outra cor. pois a parte inferior fica marcada em preto com uma seta indicando que há mais texto para baixo. imagens com essa extenção. ele algumas vezes se omite atrás da moldura. que elas fiquem esbranquiçadas.1 CorriGindo proBleMas 1) Comumente. pois. na gráfica. Dicas 9) Cuidado com as Sombras. 10) Degradês. dando um aspecto pálido ao material. K 100). Agora. eles misturam as características de ambos (bitmap e vetor). M 1. 70 10. o Corel não trabalha muito bem com degradês. Por exemplo. Para isso. porém. 13) Procurar sempre calçar com cian uma superfície muito grande que esteja em preto (C 40. tais como. pois esses efeitos não podem ser considerados nem bitmap nem vetor. com fundo transparente e rotacionadas no Corel. e basta puxar a parte vermelha para baixo que o texto irá aparecer novamente. Ela é muito útil quando bem usada.Manual de Pré-Impressão Capítulo 10 . o colar especial. ele poderá marcar na impressão. assim. podemos utilizar um recurso similar. ele desaparecerá.Y 50.Y 1. Na realidade. Isso é possível verificar no próprio bloco de texto. quando o objeto branco sobrepor o preto.

3) Nunca use o copy/paste de um programa para outro. não haverá muito o que fazer. pois. primeiramente. Isso evitará problemas. Quando a imagem encontrar-se em baixa resolução. se estiverem. assim. imagens coloridas tornarem grayscale no momento da saída para fotolito ou chapa. b) ativar a opção Apply ICC Profile somente se a imagem estiver em RGB. 71 .2 paGeMaker 1) Verifique. da mesma forma que uma imagem sem vínculo é a maneira que irá se comportar os arquivos de um outro Software colados no PageMaker. não estão em “RGB” (modo de cor do monitor). 10. obedecendo algumas regras: a) manter a mesma resolução da imagem original. uma resolução de 220 dpi é tolerável. o resultado final poderá não ser o esperado. figuras inclusas no arquivo) e certifique-se de que todos estão vinculados corretamente. assim como os textos. 6) Para evitar problemas com imagens em uma outra paleta que não as recomendadas para a reprodução em offset. como por exemplo. podemos usar o recurso de converter em bitmap do próprio Corel (o recomendado é converter no PhotoShop). restaurando. os links (imagens.Manual de Pré-Impressão Capítulo 10 . além de começar a aparecer quadrados na imagem conhecidos como pixel. No momento da impressão para arquivo (fechamento de arquivo) não haverá informações para gerá-lo corretamente. um pouco do contraste. poderemos usar a interpolação para aumentar o número de pixel e posteriormente aplicar o filtro do Photoshop conhecido como UnSharpMask. Imagens com uma resolução inferior poderão vir a apresentar uma definição não muito boa. Então. 2) Verifique se as imagens. Isso vale também para o PageMaker. Dicas 5) Para uma saída a 175 lpi (lineatura offset normal).

1 CorriGindo proBleMas 1) Para não haver problema com os links. na saída de uma imagem P/B ou até mesmo com falhas. Assim. é possível corrigir alguns problemas antes do fechamento de arquivo. tal como RGB ou LAB. escolha escala e em Modelo CMYK. Por isso. tendo um total controle do modo de cor e localização dos mesmos. Se os arquivos estiverem na coluna TIPO especificados como “NA”. significa que o arquivo foi copiado de um outro programa e colado no PageMaker e pode dar problema no momento do fechamento de arquivo. 7) Fique atento nos materiais em que poderão ocorrer filetes indesejados nos encaixes de objetos e textos. (PostScript) ele não terá informações suficientes para gerar o arquivo fechado corretamente. No momento da decodificação no RIP. Imagens marcadas na coluna TIPO com uma paleta de cor diferente de CMYK ou GRAYSCALE. no momento em que estiver sendo gerado o arquivo de descrição de página. implicará na saída de uma imagem P/B. o RIP não conseguir realizar tal tarefa. no lado direito ou esquerdo ou em ambos. por exemplo.2. 6) Procure não usar EPS do PhotoShop codificação JPG. configure corretamente a opção de conversão e a converta para CMYK. 4) Verifique as sangrias do documento e procure deixar uma sangria considerável com aproximadamente 5mm. vá até o menu Arquivo>gerenciador de vínculos. 5) Verifique as margens do documento. como por exemplo. 2) Abra as imagens no PhotoShop. assim. pois pode causar alguns males indesejáveis. Com a janela aberta. implicando. significa que o mesmo não foi localizado pelo PageMaker. Os arquivos que estão marcados com “?”. procure deixá-los no mesmo diretório em que se encontra o arquivo do PageMaker. Aconselha-se usar codificação Binária. . é possível verificar todos os objetos externos usados no arquivo. sendo um deles o degolamento de textos. Dicas Para verificar esses itens. muita atenção nesse detalhe. Dessa forma. Já os textos de um duplo clique sobre a cor na paleta de cor e no campo Tipo. Não deixe textos ou outros objetos muito próximos à margem de corte.Manual de Pré-Impressão Capítulo 10 . 72 10. pode ocorrer imprevistos.

Para contornar esse problema.PSD”. causando alguns erros. os documentos “. copie e cole especial no Corel e repita o procedimento de exportá-lo. 5) As margens são importantíssimas na hora do acabamento (refile). quando gerado arquivo PostScript. basta ir até o menu Arquivo>> preferências>> trapping e ajustar como está especificado na janela ao lado. 6) É mais aconselhável usar TIFF para construção do arquivo.3 indesiGn e illusTraTor 1) Imagens EPS deverão ser salvas com codificação Binária e não em JPG. é extremamente problemático. mas. por exemplo. 4) Se por um acaso existir imagens a serem sagradas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 10 .AI”. até porque a guilhotina é mecânica e não tem uma grande precisão. não são apropriados para tal fim. salve-os em EPS. além do tempo de processamento ser maior. alguns preferem salvar imagens com extenção EPS. pois uma margem pequena não dá segurança suficiente ao cortador. alguns softwares não conseguem decodificar corretamente. tente fazer toda a fusão no PhotoShop e envie para o software somente o TIFF ou EPS. só existe uma alternativa: exportar o arquivo como EPS. o objeto estiver no Word. 4) Evitar o uso de imagens muito grandes (em tamanho e resolução) sem necessidade. podendo ocorrer problemas. 7) É possível corrigir os filetes indesejados nos encaixes dos objetos da página. Para isso. procure criar seu layout já pensando se há possibilidade de sangria nos objetos que nela contém. 2) Evitar o uso de PSD no documento: embora na tela fique correto. tais como. filites sobre as imagens de fundo. visando economizar espaço em disco. Porém. procure salvar com a codificação Binária. Isso dará ao arquivo maior probabilidade de erro na geração do PostScript ou PDF. mesmo sendo compatíveis com o InDesgin. 73 10. Todos os programas de editoração têm essa opção. Dicas 3) Quanto ao copy/paste.AI” no InDesign. se por uma eventualidade. Assim como o “. Como dito acima. . 3) Não importar arquivos “. sendo o mais comum a saída P/B da imagem. Se essa for a escolha. Para isso.

por exemplo. 74 2)Enviar arquivo aberto para a gráfica com as fontes em curvas pode ser seguro e confortável: • O texto não recorre. • Reduz o seu tamanho. devido ao grande número de nós que se formam e exigem muito mais processamento da máquina tornando o trabalho lento e tortuoso. e essas cores forem especiais. É muito comum objetos importados de outros aplicativos estarem com Overprint. Muitas vezes. Mas há alguns incovenientes: • Ao converter em curvas o desenho da fonte pode ser ligeiramente alterado especialmente em fontes com corpos abaixo de 10 pontos e com serifas. o que lhe garante uma maior confiabilidade no arquivo a ser finalizado. etc. Antes de salvar o arquivo. • Os textos convertidos em curvas não podem mais ser alterados ou exportados. . uma dica interessante e que pode ganhar horas preciosas. • Devido ao grande número de nós gerados muitas vezes “trava” no RIP na hora de gerar a matriz de impressão (chapa). pantone 130C e pantone 130CV. causando grande confusão na finalização e saída. isso pode se tornar um tormento. Procure trabalhar com porcentagens para realizar alteração nas tonalidades das cores. certifique-se de que estão todas instaladas e que as fontes instaladas estão corretas. prata. podendo até mesmo ser ignorada alguma das cores. Sendo assim. por exemplo. 8) Transparências: evite usá-las. 10.4 diCas iMporTanTes de pré-iMpressão 1)Se você optou por enviar os arquivos para a gráfica em PDF. • O arquivo se torna multiplataforma (PC e MAC). evitando. só utilize este recurso caso tenha certeza do que está fazendo. abre uma possibilidade extra de problemas com seu arquivo. As transparências são extremamente complexas. é enviar o aberto também com suas fontes e links. assim. não se esqueça de configurar o New Colour Swatch como colour type Spot. 6) Cuidado com Overprint. ouro. existem duas cores com nomes similares. Quando se tem grandes blocos de textos convertidos em curvas. procure certificar-se de que todas a cores iguais estão usando a mesma cor da paleta. • Não há a possibilidade de haver troca de fonte. Quando utilizar o Swatches para criar suas cores padronizadas. problemas como substituição indesejada no momento em que for aberto o arquivo no bureau.Manual de Pré-Impressão Capítulo 10 . Certifique-se de que todos os objetos importados estejam sem essa opção ativada (incluindo arquivos do Illustrator). 7) Spot Colors: quando fizer uso de tal paleta de cor. para o caso de ser necessário alguma correção ou alteração. Dicas 5) Tomar muito cuidado com as fontes.

pois sempre há uma interpretação diferente de pessoa para pessoa. 7) Nunca aplique o recurso de Overprint (impressão sobreposta) na cor branca pois o elemento com preenchimento em branco com overprint ativado não aparece na impressão. 5) Envie sempre uma última print atualizada do seu material. para servir de referência ao operador do bureau. 4) Ao gravar o CD para enviar à gráfica. teste-o antes para evitar uma surpresa desagradável fora de hora. seja em PDF ou PS. 75 . que com a prova gráfica em mãos pode comparar e adiantar alguma eventual correção. Dicas pois agora são apenas “desenhos”. pois a integridade delas estará garantida no PDF.Manual de Pré-Impressão Capítulo 10 . o CD pode estar corrompido ou o arquivo gravado nele por algum erro cíclico na hora da gravação. Essa regrinha serve também para elementos fora da página de impressão que só aumentam o tamanho do arquivo e podem gerar erros. evite converter os textos em curva. etc. pois o restante das marcas serão adicionadas no Bureau por programas específicos. 6) Ao enviar arquivos para gráfica. ou seja a alteração ou inserção de apenas um acento se tornam tarefas trabalhosas e que levam tempo. sem precisar enviar bilhetes e observações de qual arquivo é pra ser utilizado. Estando em curvas. e também pequenas correções de texto podem ser feitas com software específico. 3) Se você vai enviar os arquivos em PDF para a gráfica. O ideal é testá-lo em outra máquina (ou outro leitor). e mais uma vez todos ganharão acelerando o processamento. quase nunca isso é possível. elimine os excessos. envie somente o que é pra ser utilizado. mesmo que seja uma impressão de uma impressora simples (PCL). 8) Ao gerar arquivo fechado para a gráfica. na opção Marks (marcas) ativar somente Crop Marks (marcas de corte). pois o CD gravado corrompido nunca dá problema no mesmo leitor que o gravou.

O arquivo ficará muito mais rápido de trabalhar e evita surpresas desagradáveis no resultado final. 11) Você pode deixar seu arquivo do Corel mais rápido de trabalhar quando se tem muitas transparências. abra-as no PhotoShop e reduza através do menu Image Size. Essa regrinha vale para fios de uma única cor de escala (CMYK) e sem ser porcentagem (preenchimento 100%). 12) Nunca monte ou diagrame uma página ou um anúncio utilizando textos deiretamente no Photoshop. em torno de 1. Illustrator. converta-os em bitmap no menu Bitmaps>>Converter em bitmap.5 mm). pode acontecer de ela não estar no tamanho desejado. enquanto que se estiver reduzindo. 14) Apesar de facilitar o processo de elaboração de um trabalho. Utilize o CorelDraw.05 mm.Manual de Pré-Impressão Capítulo 10 . pois pode sair serrilhado por se tratar de um arquivo Bitmap. etc) no formato EPS e importá-las dentro do programa que estiver utilizando. Pagemaker).. o copy/paste faz com que a imagem ou ilustração seja transferida no formato embedded no Windows. QuarkXpress. É uma forma de “selar” a sua idéia pois estará no formato de imagem. 10) A espessura mínima dos fios nunca deve ser inferior a 0. A partir daí é pura sorte. 76 .5 ponto (0. Para imagens menores. Ampliá-la ou reduzi-la puxando pelos cantos pode causar perda de resolução na imagem. 9) Feche arquivos sempre consultando antes o bureau ou gráfica que irá enviar obtendo informações do que se deve ser marcado ou não nas opções. aumenta o tempo de processamento do seu arquivo de impressão desnecessariamente. Dicas IMPORTANTE: A distância que as marcas de corte (Crop Marks) ficam da página de impressão deve ser observada sempre de acordo com o que se usa de sangra. C+M) o valor mínimo deve ser maior. 13) Em Textos longos (mais de 300 toques) dê preferência aos programas apropriados (InDesign. e exporte em EPS para importar nos aplicativos de Editoração. (observar as opções na imagem de exemplo). lentes e degradês. comprometendo a qualidade do seu trabalho. 15) Ao aplicar a imagem no trabalho. pois corre o risco de não aparecer na impressão dependendo da resolução de saída e tipo de retícula utilizada pela gráfica. caso contrário as marcas invadem a sangra correndo o risco de aparecer no impresso final refilado. Illustrator ou Freehand apenas para títulos ou pequenos textos que exijam aplicações de efeitos especiais. Para imagens maiores do que o desejado. digitalize-as novamente no tamanho desejado. pois no caso de composição (ex. e no InDesign é possível configurar isso na opção Offset onde se deve colocar o mesmo valor que foi usado de sangra. Após aplicar os efeitos e ficarem da forma desejada. Pode ser impresso ou não. pois algumas opções podem variar de gráfica para gráfica. FreeHand. portanto pra não correr riscos o correto é exportar as ilustrações de programas vetoriais (CorelDraw..

Geralmente.5 CheCk lisT para enVio de arQuiVos aBerTos O envio de arquivos abertos ainda é muito comum. podem comprometer a qualidade do impresso final. às vezes. Para isso. Dicas 10. Para evitar certos aborrecimentos. é sempre importante fazer uma pré-checagem em seu arquivo para tentar minimizar as chances de ter algum problema futuro. Alguns itens mais críticos foram abordados: 1) Páginas em ordem seqüencial lógica? 2) Tamanho do documento correto? 3) Sangrias de 3 a 5 mm? 4) Nenhum objeto copy/paste? 5) Todas as fontes instaladas estão ok? 6) Todas as imagens estão incluídas? 7) Todas as imagens estão em CMYK nas extensões TIFF ou EPS? 8) Todas as imagens estão com resolução acima de 220 dpi? 9) Existem objetos em RGB? 10) Existem textos em preto RGB? 11) Existem lentes sobre textos? 12) Todas as fontes foram copiadas para o diretório do arquivo? 13) Existem imagens com fundo transparente sobre textos? 14) O número de cores do documento está certo? 15) Existem imagens com fundo transparente sobre pantones? 16) Existem sobras sobre cores especiais? 77 . siga o check-list de verificação da tabela abaixo. assim como o prazo de entrega do mesmo. porém sempre é preciso tomar alguns cuidados para não ter nenhum transtorno quando esse arquivo for aberto no bureau de serviços.Manual de Pré-Impressão Capítulo 10 . problemas esses que. alguns problemas estão relacionados com esse tipo de arquivo.

.

br link UP. tanto os de MAC quanto os do PC. os e-mails podem ter problemas ocasionais. 3)Arquivos Mac requerem proteção quando trafegados por sistemas de 11. São eles: e-mail. tais como: 1)Arquivos muito grandes apresentam uma certa lentidão na transferência. Existem três maneiras de enviar os arquivos para a gráfica. TransFerênCia de arQuiVo O Grupo Corgraf conta com recursos para envio de arquivo pela internet.com.grupocorgraf. . 2)Falta de segurança no envio dos arquivos. 11. Todos os arquivos enviados por e-mail devem ser comprimidos. Geralmente. FTP e Upload.1 e-Mail O e-mail pode ser utilizado para o envio de arquivos pequenos até 10MB. Esses recursos agiliazam todo o processo de recebimento de arquivo dos clientes pelo setor de pré-impressão.Manual de Pré-Impressão Todos esses recursos estão disponíveis no site da empresa: www.

br 11. nossa caixa postal é: arquivo@grupocorgraf. 3) Arraste o arquivo para dentro do diretório criado. como arquivos corrompidos. Como enviar seu arquivo via FTP: Para evitar desperdício no uso de recurso para transferência. um para o sistema operacional MAC (OS X) e outro para o sistema Windows.: O arquivo será copiado para o servidor da empresa e o tempo de transferência dependerá da taxa de ambos os servidores. por exemplo. além do próprio tamanho do arquivo. 2) Ao abrir a janela.2 FTp A sigla FTP quer dizer: File Transfer Protocol e nada mais é do que um protocolo (conjunto de regras) para que se transfira arquivos de uma máquina para outra. via internet. impossibilitando o recebimento de arquivos grandes.grupocorgraf. Sendo assim. 4)Caixa postal cheia.com. compacte os arquivos antes de enviá-los. há necessidade que os dois computadores que estão fazendo a troca do mesmo tenham a mesma taxa de transferência. caso contrário a transferência será limitada por aquele que tem a menor taxa.Manual de Pré-Impressão Capítulo 11 . no mesmo link UP existem dois programas disponíveis e testados. 1) Clique sobre o menu FTP.com. Transferência de Arquivo e-mail. porque consistem em duas partes: uma de dados e outra de recursos. Para enviar arquivos por e-mail. Obs. Sendo que.br user: cliente password: 4heffe . 80 Caso o uso de um cliente FTP seja necessário. é muito importante que eles estejam compactados para evitar transtornos. sendo as informações necessárias para a conecção as seguintes: ftp. para maior aproveitamento na transferência do arquivo. crie um diretório (pasta) dentro da pasta em questão onde será copiado o arquivo.

em User ID: cliente 5.clique em New Server. 2 .br 4.PasswordID: 4heffe 6 .Clique em Save Para se conectar de um duplo clique sobre ícone correspondente ao FTP da Corgraf.1 ConeCTando ao FTp CorGraF usando o sisTeMa operaCional WindoWs Baixe o programa FTP Commander: “colocar o link para baixar” Configure da seguinte forma: 1 .em FTP Server informe o ftp da C orgraf: ftp.Manual de Pré-Impressão Capítulo 11 . 81 .grupocorgraf.2. Transferência de Arquivo 11.em Name: Corgraf 3 .com.

Manual de Pré-Impressão Capítulo 11 . 2 . Transferência de Arquivo 11.em Label: Corgraf 3 .em User Name: cliente 5.grupocorgraf. .em FTP Server informe o ftp da C orgraf: ftp.Password: 4heffe 6 .clique em Sites.com.br 4.2.2 ConeCTando ao FTp CorGraF usando o sisTeMa operaCional MaC osx Baixe o programa ClassicFTP: “colocar o link para baixar” Configure da seguinte forma: 1 .Clique em OK 82 Para se conectar selecione o FTP da Corgraf e clique em Connect.

não é possível a conecção do cliente com o nosso servidor FTP.Para enviar o arquivo selecionado.Manual de Pré-Impressão Capítulo 11 . esse recurso torna-se indispensável. porém aconselhase o envio de arquivos menores que 50Megabytes. 2 . Transferência de Arquivo 11. 6 .Em seguida. clique no botão Enviar arquivo>>. 5 ..Caso seja necessário. Como enviar: 1 . e selecione o arquivo desejado. 83 .Compacte o arquivo.3 upload O recurso upload consiste em transferir um determinado arquivo utilizando o protocolo http (internet)..Aguarde que o sistema avisará se o arquivo foi enviado com sucesso ou se ocorreu algum problema. você poderá deixar informações no campo Observações.Preencha seu e-mail. Em alguns casos. 4 . clique no botão Procurar. 3 . Não existe limitação quanto ao tamanho do arquivo a ser enviado. Assim.

.

1 iMpressoras .Manual de Pré-Impressão O Grupo Corgraf conta com duas impressoras de grande formato para gerar suas provas. podendo gerar impressões com até 110cm de boca. Epson Stylus Pro 7800. podendo gerar impressões com até 61cm de boca. são elas: Epson Stylus Pro 9600. iMpressoras 12. 12.

podendo gerar impressões com até 61cm de boca.Manual de Pré-Impressão Capítulo 12 . Epson Stylus Pro 9880. Impressoras Epson Stylus Pro 7600. 86 . podendo gerar impressões com até 110cm de boca.

após o material ter sido aprovado pelo cliente. Contém informações. todos os trabalhos passam pelo sistema de provas. eletrostática e contratual. 13. do papel. tais como. printer.Manual de Pré-Impressão Após serem checados e imposicionados. onde essas estão divididas em quatro categorias: imposição. aberturas. Essa prova também pode ser usada para verificação de cadernos. marcação da chapa.1 proVas . quando o trabalho for do tipo livros e revistas. 13.1. tendo por finalidade a conferência da imposição. por exemplo. etc.1 proVa de iMposiÇão São geradas pela impressora Epson Stylus Pro 9600 e Epson Stylus Pro 9880. proVas 13.

Provas 13.icc). Garantindo a máxima fidelidade na reprodução das cores do arquivo original. 13.4 proVa ConTraTual BesTColor Esse tipo de prova caracteriza-se pela sua qualidade de impressão. integridade de pontos e retículas do RIP. são utilizadas quando o tipo de trabalho for impresso em materiais foscos. assim como maior fidelidade de cores.1. Pode reproduzir de forma aproximada o impresso final nesse substratos. 13. tanto em couchê como offset e reciclato. Geralmente.1. passando pelo que há de mais moderno em software de gerenciamento de cores para impressora: o BestColor Proof. como offset ou reciclato. É gerada pela impressora Epson Stylus Pro 7600. utilizadas para conferência de textos. Esse sistema é baseado em perfil ICC.1. gráficos.2 proVa prinTer São provas com uma qualidade melhor que a imposição. gráficos. As principais características dessa prova são: º Provas com a mesma tecnologia. possibilitando uma maior qualidade de impressão. com lineatura de até 200 linhas por polegada e com aproximação cromática de até 99%. sendo esse responsável pela reprodução aproximada de cores com relação à prova e impressão.Manual de Pré-Impressão Capítulo 13 . etc) com a rapidez e com melhor qualidade que as provas digitais. por exemplo. Toda a prova contratual é gerada em papel especial. sendo gerada em papel especial. etc. etc. lineaturas. Prova com pontos idênticos aos do CTP.5 proVa ConTraTual ChroMedoT® 88 Com a evolução dos hardwares e softwares a prova contratual ChromeDot® alia o melhor das provas analógicas (retículas. assim como maior fidelidade de cores. 13. É gerada pela impressora Epson Stylus Pro 7800. possibilitando uma maior qualidade de impressão. assim como sua proximidade de cores com relação às impressões feitas pela gráfica. . angulações. É utilizada para conferência de textos. As provas contratuais geradas pela pré-impressão da Corgraf são calibradas de acordo com o perfil ISO 12647-2 (ISOcoated_v2_eci.3 proVa eleTrosTÁTiCa São provas com qualidade superior. imagens. não contendo informações de imposição.1.

etc) mas não em outras diferentes. proporcionando ao observador uma influência na tonalidade do objeto observado. Este novo recurso torna possível a geração de provas de imposição frente e verso através do controle na impressora. o observador. que oferecem 5000oK. geralmente definido como uma situação em que duas amostras de cor em determinadas condições apresentam um característica semelhante (fonte de luz.Manual de Pré-Impressão Capítulo 13 . 13. Diferentes tipos de lâmpadas têm diferentes temperatura de cor. Lâmpada natural Lâmpada fluorescente Lâmpada incandescente 13.1.6 iluMinaÇão e sua inFluênCia Ao liberar uma prova de cor (contratual) para produção tem que ter em mente a influência que a iluminação ambiente pode causar na percepção das cores. e quando estas estão sujeitas a uma outra situação apresentam cores completamente diferentes. Aproximadamente 85% da tabela Pantone pode ser reproduzada com a máxima fidelidade. Provas º Reprodução das cores Pantone com sua retículas em cores especiais. Essa temperatura oferece uma visão neutra na observação de cor. Pelos padrões internacionais devemos utilizar lâmpadas fluorescentes D50. todos os envolvidos no processo possam estar seguros de estarem analisando a mesma cor. A temperatura de cor é definida em graus Kelvin (oK). º Provas frente e verso.7 MeTaMerisMo Metamerismo é um fenômeno psicofísico. A análise das provas devem ser feita sob iluminação correta. desde a liberação da prova até a impressão final. O metamerismo decorre sempre do fato de dois espectros diferentes estimularem os foto-receptores da mesma forma. 89 . para garantir que assim. Sendo assim podemos em uma determinada situação observar duas amostras de cores e as mesmas se mostrarem iguais. a geometria.1.

8.grupocorgraf. 90 13. A integração total entre cliente/gráfica via aprovação remota. Ao ser realizado o cadastro o sistema enviará automaticamente um e-mail com o usuário e senha para acesso. Caso seja necessário o acesso direto o link é: http://webapproval. contendo nome e e-mail. solicite ao departamento de pré-impressão que seja feito o cadastro. Clientes que possuem monitores certificados SWOP. visualizar relatórios de preflight.1. fazer anotações e aprovações em seus materias que estejam na gráfica.1 CoMeÇando no WeBapproVal Antes de começar.8 :delano WeBapproVal Para agilizar a aprovação de materiais. via WebApproval. viabiliza o tempo decorrente do leva e trás de provas físicas. o Grupo Corgraf conta com um sistema de aprovação remota chamado WebApproval. Esse sistema permite que clientes em qualquer parte do mundo possa disponibilizar arquivos via internet. Provas 13.com.1.br/ . poderão aprovar até mesmo cores.Manual de Pré-Impressão Capítulo 13 .

Aguardando aprovação. Arquivo aprovado. Esta é a aba Delano que é exibida logo depois de logar no sistema. Aprovar: depois de enviado o aquivo este ícone aparecerá ativo. a tela inicial é a aba Os meus produtos.8. nenhum Produto ou Peça foi designada a você ainda. Arquivo reprovado. Provas 13.8.3 os íCones Enviar: clique aqui para ir a aba de Upload e enviar o PDF. 91 13. . Arquivo enviado. clique nele para ir a aba de aprovação.1. 2) Informe seu nome de usuário no campo Nome do utilizador. ex. 3) Informe sua senha no campo Palavra-passe.. Aguardando envio dos arquivos. para aprovar páginas) Se a aba estiver vazia.1.Manual de Pré-Impressão Capítulo 13 . Esta aba contém uma lista de Produtos e Peças designadas a você (p.2 CoMo loGar no delano 1) Exiba a tela de logon. Por padrão.

Manual de Pré-Impressão Capítulo 13 . 6) Clique no botão Enviar. clique sobre o mesmo que o relatório do preflight será exibido. 2) As cores das páginas referem-se aos seus status.8. defina qual será a sequência do arquivo no material final. conforme legenda anterior. clique no botão Iniciar. e aguarde o e-mail de notificação do sistema... 3) Para visualizar e aprovar. 5) Estando tudo certo aprove o material clicando no ícone . clique no ícone do PDF ( ) localizado na parte inferior esquerda da página.8.. no campo em Páginas do ficheiro. Provas 13. 13. 4) Defina quais intervalos de páginas do arquivo farão parte da sequência a ser enviada. 2) Para abrir a janela de envio de arquivos.1.4 enViando arQuiVos 1) Clique sobre o link Upload. 3) Localize o arquivo PDF desejado utilizando o batão Procurar.5 aproVando arQuiVos 1) Clique sobre o link Aprovar. 4) Caso o ícone aparecer na página significa que alguma irregularidade foi detectado no arquivo. 5) No campo Páginas da parte.1. 92 . ou no ícone para reprovar.

indo até configurações/Impressoras. 14. 3) Pressione o botão Avançar>. .Manual de Pré-Impressão 2) Dê um duplo clique sobre o ícone adicionar impressora. insTalando iMpressora .WindoWs 1) Pressione o botão iniciar.

no lado direito.Manual de Pré-Impressão Capítulo 14 . e o modelo. no lado esquerdo.Windows 4) Escolha a opção impressora local e clique sobre o botão avançar>. que o Bureau lhe recomendou e pressione o botão Avançar>.Pressione o botão Avançar>. 94 6) Selecione o fabricante. Instalando Impressora . 5) Escolha a porta FILE. .

Pressione Avançar>. Pressione o botão Avançar>.Windows 7) Escolha Não para a opção de definir essa impressora como padrão. escolha a opção Não compartilhar esta impressora. 8) Em compartilhamento de impressora. Instalando Impressora . 95 . 9) Em Deseja imprimir uma página de teste? escolha a opção Não.Manual de Pré-Impressão Capítulo 14 .

e clique no botão Com disco. é só cancelar e começar de novo. a impressora PostScript está instalada. Pronto. 96 . Caso tenha passado alguma configuração sem ter sido escolhida. e localize o disco(local) onde está a impressora a ser instalada.Manual de Pré-Impressão Capítulo 14 . repetindo todos os procedimento posteriores da instalação da impressora do Windows.Windows 10) A janela ao lado mostra todas as configurações da mesma. 11) Caso o Bureau tenha lhe enviado uma impressora. Instalando Impressora .. repita o procedimento até a parte de escolher o fabricante e o modelo.. caso contrário pressione o botão concluir.

escolher o ISO Coated V2 (ECI). Para se ter um arquivo de confiança. 15. Cor 1) Marcar a opção Imprimir imagem composta.1 Gerando CoreldraW posTsCripT no Geral 1) Em Nome especifique a impressora a ser usada. 15. Gerando ps e pdF A geração de arquivos fechados e PDF não é mágica. 2) Marcar a opção Usar configuração de cor do documento.1 plaTaForMa WindoWs 15. . 4) Para a opção Corrigir cores usando o perfil de cores. a seguir.1. tanto na plataforma PC quanto MAC.Manual de Pré-Impressão O capítulo. mostrará todos os passos de como configurar seus aplicativos. para que seu arquivo digital seja enviado para nosso setor de pré-impressão. basta seguir um procedimento que lhe garantirá isso. 3) Em saída de cores selecionar a opção CMYK.

como por exemplo. do 2) Em Opções. deixar como ignorar. Gerando PS e PDF Composição 1) Em Impressão sobreposta documento. 2) Ativar a opção Barra de calibragem colorida para impressão das barras de calibragem e também a opção escalas de densitômetro. 3) Marcar a opção Cortar/dobrar marcas. de 3 a 5 mm. 98 . 4) Marcar a opção Imprimir informações do arquivo para. etc. a fim de que as marcas de registro sejam impressas no documento.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . desmarcar as duas opções. especificar em Limites de sangramento o tamanho desejado. ângulos. cores. Pré-impressão 1) Ativar a opção Imprimir marcas de registro. Layout 1) Marcar a opção Como no Documento. que sejam impressas as informações da página. 2) Se possuir sangria. 3) As demais opções deixar destivadas.

2) As demais opções deixar como a janela abaixo. Gerando PS e PDF PostScript 1) Em Compatibilidade. mas verifique com Bureau o melhor nível. no momento da impressão. Isso fará com que. essa é a opção mais usada. informe o tamanho do papel. 99 Geral propriedades avançadas papel 1) Nos campos Largura e Altura.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . manter como da janela anterior. Geralmente. mantenha as opções Carregar fontes Type 1 e Connverter True Type em Type 1. 3) As demais opções. não são tão relevantes quanto às duas citadas anteriormente. Geral propriedades avançadas 1) Escolher a opção Editar tamanho de papel. as fontes sejam convertidas em curva. 2) Caso você tenha total confiança sobre as fontes que estão instaladas em seu computador. . 2) Escolha a opção Propriedades. 3) Escola a opção Avançado. Geral propriedades 1) Volte a aba Geral. caso contrário desative essas opções. escolha Level 2.

Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver. podendo até sair cortado o material. poderá acarretar uma impressão indesejada. 100 Geral 1) Em faixa de exportação.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 .. Gerando PS e PDF Questões Fique atento com essa opção. Em algumas impressoras.1. pois.2 Gerando pdF no CoreldraW Salvar como PDF 1) No menu arquivo. 2) Escolha o botão Configur. 15. escolha a opção Publicar em PDF. do contrário. e em layout deve ser mudado a orientação do papel para paisagem.. pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo. como é o caso da Scitex Dolev 800. 2) Em compatibilidade. verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer. . sempre a menor medida terá que ser a largura. escolha Acrobat 4. procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau.0. Essa aba realiza testes de compatibilidade. escolha Documento atual.

Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . Gerando PS e PDF Cor 1) Marcar a opção Usar configuração de cor do documento. nem no Adobe Acrobat). marque a opção Exportar todo o texto como curvas (essa opção sendo marcada não permitirá que os textos sejam editados. por garantia de não haver alterações das fontes. 2) Reamostragem de bitmap determinará a resolução que os bitmaps do documento serão exportados. escolha JPEG e em Qualidade deixar acima de 10. 4) Para as demais opções deixar como janela ao lado. desmarque essas opções. 2) Para as demais opções deixar como a janela ao lado. Caso não seja desejado alterar a resolução das imagens. Objetos 1) Em compactação do bitmap. 3) Em Textos e fontes. desmacar as duas opção. Documento 1) Em codificação selecionar a opção Binário. 101 . 2) Em saída de cores selecionar a opção CMYK. 3) Em Outros controles de cor.

3) Nas demais opções. Isso ajuda ao bureau saber precisamente onde serão os cortes do documento. Questões 102 Fique atento com essa opção. procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau. pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo. marque a opção Marcas de corte. Gerando PS e PDF Pré-impressão 1) Marque a opção Limite de sangramento e defina uma sangria de 3 mm a 5 mm. deixe-as como os da janela ao lado. Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . Segurança 1) Deixe a aba Segurança como a da figura ao lado. . verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer. Essa aba realiza testes de compatibilidade. 2) Em marcas da impressora.

. especifique o local aonde será salvo o arquivo. Page Informations e Center page in print area. escolher a opção PostScript and TrueType.. 6) Em Browse.1.. 4) As demais opções serão marcadas em ocasiões especiais. escolher Custom.3 Gerando posTsCripT no paGeMaker Document 1) Em Printer. e automaticamente o tamanho do trabalho. 4) Marcar a opção Write PostScript to file. também escolha o que lhe foi indicado. escolher Normal. etc. 103 . 2) Em PPD. 3) Checar a Orientação. incluindo a sangria. Options 1) No campo Send image data.. 5) Marcar a opção Normal. ver se está correta..Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . escolher Send binary image data. Paper 1) Marcar as opções Printer´s marks. fechar páginas agrupadas (Reader´s spreads). 3) Source escolher OnlyOne. 3) No campo Download fonts. 4) Em Escale sempre. Gerando PS e PDF 15. como por exemplo. escolha a que lhe foi recomendada pelo Bureau. 2) Em Size. será configurado. deixar 100%. 2) Em Data encoding.

. 3) Selecione seu estilo e Clique em Edit. conforme citado anteriormente. 104 4) Configure a janela de impressão exatamente como se fosse Gerar um PS. não exigem configuração alguma. a opção Resolution terá que ser marcada com a resolução da saída. Gerando PS e PDF Color 1) Marque a opção composite ou verifique com o Bureau qual a melhor forma de fechamento de arquivo. automaticamente o dispositivo interpretará como a sua resolução padrão. General 1) Clique no menu File>> Export. por exemplo. 2) Clique sobre o botão New. Portanto.. escolha o estilo que foi criado anteriormente. 2) Em seguida. em seu computador. etc..1. As demais janelas..4 Gerando pdF no paGeMaker Printer Styles 1) Vá até o menu File>>Printer Styles>>Define. 15. é necessário ter instalado. 1200.. a seguir..>>Adobe Pdf. 2) As demais opções deixar como as do exemplo ao lado.. Features Em algumas saídas. escolha em Job Name o Joboptions em que será gerado o arquivo.. . 3) Em Style. e dê um nome para seu estilo.. Para gerar um arquivo PDF diretamente do PageMaker. 2400.. continuarão com as configurações padrões. o Acrobat Distiller. Em uma grande parte definindo como Padrão da impressora.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 .

5 Gerando posTsCripT no illusTraTor General 1) Em printer. configure todas com a medida 5mm. deixe selecionado pelo meio. a menos que seu material deva ser redimencionado propositalmente. selecione o Adobe PDF 9. Marks and Bleed 1) Marque apenas a opção Trim Marks. procure sempre deixar selecionado a orientação retrato. 105 . Gerando PS e PDF 15. selecione Adobe PostScrip File. essa opção deverá ser selecionada novamente para que o tamanho da midia seja alterado de acordo com as marcas de corte). Nunca esqueça de marcar a opção Do Not Scale. 3) Em Bleeds.1. configure para 5mm (determina a distância da marca de corte com relação ao corte final do material). 2) Em PPD. escolha Custom (ao ser configurado as marcas de corte e sangrias. 5) Cuidado com o tamanho do arquivo. 2) Em Offset. 3) Na área correspondente à Midia Size.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . 4) Em Midia Orientation.0. 6) Em Placement.

escolha Separations (HostBased).Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . Gerando PS e PDF Output 1) Em Mode. 2) Para PostScript. Graphics 1) Em Fonts Download. escolha Binary. 3) Para a opção Data Format. selecione a opção LanguageLevel 2. 106 Color Management Deixar a configuração padrão. . escolha Complete.

Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver. . pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo. Gerando PS e PDF Advanced 1) Deixe a opção Overprints como Preserve. verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . escolha [High Resolution]. Summary Fique atento com essa opção.1. 2) Em Save as. 2) Em Preset. escolha o tipo de arquivo PDF. procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau.6 Gerando pdF no illusTraTor Save As PDF 1) Vá em menu File e escolha Save as. 107 15. Essa aba realiza testes de compatibilidade.

Compression 1) Configure todos os tipos de imagem como Bicubic Downsample To para 300DPI em Color e Gray e 1200DPI para Monocromáticas. 3) Em Bleeds. 3) Marque a opção Compress Text and Line Art.3). 2) Em Compatibility.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . configure para 5mm (determina a distância da marca de corte com relação ao corte final do material). Marks and Bleeds 1) Marque apenas a opção Trim Marks. sendo a monocromática como CCITT Group 4. 2) Em Offset. 2) Em Compression. Gerando PS e PDF General 1) Escolha como padrão a opção None (Standard). escolha JPEG e em Image Quality como Maximum. 108 . configure todas com a medida de 5mm. escolha Acrobat 4 (PDF 1.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 15 . Gerando PS e PDF

Output Não alterar as configurações padrões.

Advanced 1) Em Fonts Subset fonts, ajustar para 100%.

Security Não alterar as configurações padrões.

109

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 15 . Gerando PS e PDF

Summary Fique atento com essa opção, pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo. Essa aba realiza testes de compatibilidade, verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer. Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver, procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau.
15.1.7 Gerando posTsCripT no indesiGn

General 1) Em printer, selecione Adobe PostScrip File; 2) Em PPD, selecione o Adobe PDF 9.0.

110

Setup 1) Na área correspondente a Paper Size, escolha Custom (ao ser configurado as marcas de corte e sangrias, essa opção deverá ser selecionada novamente para que o tamanho da midia seja alterado de acordo com as marcas de corte); 2) Em Midia Orientation procure sempre deixar selecionada a orientação retrato; 3) Cuidado com o tamanho do arquivo. Nunca esqueça de deixar Scale como 100% para largura e altura, a menos que seu material deva ser redimencionado propositalmente.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 15 . Gerando PS e PDF

Marks and Bleed 1) Marque apenas a opção Trim Marks; 2) Em Offset, configure para 5mm (determina a distância da marca de corte com relação ao corte do material); 3) Desmarque a opção Use Document Bleed Settings e configure todas manualmente com a medida de 5mm.

Output 1) Em Colour, escolha Composite;

111

Graphics 1) Em Images Send Data, escolha All; 2) Em Fonts Complete; Download, escolha

3) Na opção PostScript escolha Level 2; 4) Para a opção Data Format, escolha Binary.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 15 . Gerando PS e PDF

Color Management Deixar a configuração padrão.

Advanced 1) Desmarcar a opção OPI Image Replacement; 2) Em Preset, escolha [High Resolution].

112

Summary Fique atento com essa opção, pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo. Essa aba realiza testes de compatibilidade, verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer. Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver, procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 15 . Gerando PS e PDF

15.1.8 Gerando pdF no indesiGn

General 1) Escolha como padrão a opção None (Standard); 2) Em Compatibility, escolha Acrobat 4 (PDF 1.3).

Compression 1) Configure todos os tipos de imagem como Bicubic Downsample To para 300DPI em Color e Gray e 1200DPI para Monocromáticas; 2) Em Compression, escolha JPEG e em Image Quality como Maximum, sendo a monocromática como CCITT Group 4; 3) Marque a opção Compress Text and Line Art. Marks and Bleeds 1) Marque apenas a opção Trim Marks; 2) Em Offset, configure para 5mm (determina a distância da marca de corte com relação ao corte do material); 3) Em Bleeds, configure todas com a medida de 5mm.
113

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 15 . Gerando PS e PDF

Output Não alterar as configurações padrões.

Advanced 1) Em Fonts Subset fonts, ajuste para 100%. 2) Escolha, para Preset, a opção [High Resolution]. Security Não alterar as configurações padrões.

114

Summary Fique atento com essa opção, pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo. Essa aba realiza testes de compatibilidade, verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer. Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver, procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 15 . Gerando PS e PDF

15.1.9 Gerando ps no Freehand

Geral 1) Em Printer escolha a impressora recomendada; 2) Escolha, para Output, a opção Print to file; 3) Em Scale selecione Uniform 100%; 4) Clique sobre o botão Properties....

Separations 1) Escolha, para Separations, a opção Composite.

Imaging 1) Em Labels & Marks marque a opção Crop marks; 2) Escolha, para Output Options, a opção Split complex paths, para Images selecione Binary (Cross Platform) e em Convert RGB to process deixe marcada.
115

10 Gerando pdF no Freehand PDF Export Para gerar um arquivo PDF diretamente do FreeHand. 4) Marque apenas as configurações Compress text and graphics e Embed Fonts. 2) Para Orientation marque a opção Automatic. vá até o menu File/ Export.1. 116 3) Em Compatibility defina como Acrobat 4. 2) Para Convert Colors to escolha a opção CMYK. ao abrir a janela clique em Setup e siga as configurações abaixo: 1) Em Image Compression Color e Grayscale. defina como None. . Gerando PS e PDF Paper Setup 1) Em Paper size escolha Custom e defina o tamanho do papel em pontos.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . 15.

2. a menos que seu material deva ser redimencionado propositalmente. 2) Em Offset. essa opção deverá ser selecionada novamente). 3) Em Bleeds. Setup 1) Em Placement. 4) Em Midia Orientation. escolha Custom (ao ser configurado as marcas de corte e sangrias. configure para 5mm (determina a distância da marca de corte com relação ao corte final do material). configure todas com a medida 5mm. 5) Cuidado com o tamanho do arquivo. Nunca esqueça de marcar a opção Do Not Scale.1 Gerando posTsCripT no illusTraTor General 1) Em printer. 117 Marks and Bleed 1) Marque apenas a opção Trim Marks. 3) Na área correspondente à Midia Size. selecione o PPD recomendado. 2) Em PPD.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . deixe selecionado pelo meio. selecione Adobe PostScrip File.2 plaTaForMa MaC 15. . Gerando PS e PDF 15. procure sempre deixar selecionada a orientação retrato.

escolha Binary. . selecione LanguageLevel2. 2) Em Options PostScript. 118 Color Management Deixar a configuração padrão. escolha Composite. Gerando PS e PDF Output 1) Em Mode. escolha Complete. 3) Para a opção Data Format.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . Graphics 1) Em Fonts Download.

2. Essa aba realiza testes de compatibilidade. .2 Gerando pdF no illusTraTor 119 General 1) Escolha como padrão a opção PDF/X-3:2003 (Standard). procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau. escolha Acrobat 4 (PDF 1. 15.3). Gerando PS e PDF Advanced 1) Deixe a opção Overprints como Preserve. 2) Em Compatibility. pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver. escolha [High Resolution]. verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer. Summary Fique atento com essa opção. 2) Em Preset.

2) Em Offset. 3) Em Bleeds configure todas com a medida de 5mm. escolha ZIP ou CCITT Group 4. Gerando PS e PDF Compression 1) Configure todos os tipos de imagem como Do Not Downsample para evitar que haja algum tipo de alteração na mesma. Output 120 Não alterar as configurações padrões. Marks and Bleed 1) Marque apenas a opção Trim Marks. configure para 5mm (determina a distância da marca de corte com relação ao corte final do material).Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . . 2) Em Compression. 3) Marque a opção Compress Text and Line Art.

pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo. Security Não alterar as configurações padrões. 121 . ajustar para 100%. verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer. procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau. Gerando PS e PDF Advanced 1) Em Fonts Subset fonts. Summary Fique atento com essa opção.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . Essa aba realiza testes de compatibilidade. Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver.

essa opção deverá ser selecionada novamente para que o tamanho da midia seja alterado de acordo com as marcas de corte). escolha Custom (ao ser configurado as marcas de corte e sangrias. 122 3) Cuidado com o tamanho do arquivo. recomendado. configure para 5mm (determina a distância da marca de corte com relação ao corte do material).3 Gerando posTsCripT no indesiGn General 1) Em printer. PostScrip File. Gerando PS e PDF 15. a menos que seu material deva ser redimencionado propositalmente.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . 2) Em PPD. Marks and Bleed 1) Marque apenas a opção Trim Marks. Nunca esqueça de deixar Scale com 100% para largura e altura. 4) Em Page Position. 2) Em Offset. . 2) Em Midia Orientation. 3) Desmarque a opção Use Document Bleed Settings e configure todas manualmente com a medida de 5mm. escolha Centred. procure sempre deixar selecionada a orientação retrato.2. selecione selecione o Adobe PPD Setup 1) Na área correspondente à Paper Size.

Gerando PS e PDF Output 1) Em Colour. 2) Em Fonts Complete. 5) Para a opção Data Format. Download. Graphics 1) Em Images Send Data. escolha Composite.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . 123 Colour Management Deixar a configuração padrão. escolha Level 2. . escolha All. 4) Em PostScript. escolha 3) Marque a opção Download PPD Fonts. escolha Binary.

Gerando PS e PDF Advanced 1) Desmarque a opção OPI Image Replacement.2. Summary Fique atento com essa opção. 2) Em Preset. procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau. pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo. 15. . Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver. Essa aba realiza testes de compatibilidade.3). escolha [High Resolution].4 Gerando pdF no indesiGn 124 General 1) Escolha como padrão a opção PDF/X-3:2003 (Standard).Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer. 2) Em Compatibility escolha Acrobat 4 (PDF 1.

. 2) Em Compression. Gerando PS e PDF Compression 1) Configure todos os tipos de imagem como Do Not Downsample para evitar que haja algum tipo de alteração na mesma. escolha ZIP ou CCITT Group 4. configure para 5mm (determina a distância da marca de corte com relação ao corte do material).Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . 125 Output Não alterar as configurações padrões. Marks and Bleed 1) Marque apenas a opção Trim Marks. 3) Marque a opção Compress Text and Line Art. configure todas com a medida de 5mm. 2) Em Offset. 4) Marque a opção Crop Image Data to Frames. 3) Em Bleeds.

pois ela se torna muito importante quando se trata de fechamento de arquivo.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . para Preset. Analise de forma cautelosa cada informação que nela contiver. Gerando PS e PDF Advanced 1) Em Fonts Subset fonts. procurando resolver todos os problemas antes do envio do arquivo fechado ao Bureau. 126 Summary Fique atento com essa opção. verificando a situação do arquivo e lhe avisando de eventuais problemas que poderão ocorrer. Essa aba realiza testes de compatibilidade. a opção [High Resolution]. Security Não alterar as configurações padrões. 2) Escolha. ajuste para 100%. .

Opções 1) No campo Enviar dados de imagens. 2) Em Codificação de dados. Gerando PS e PDF 15. 3) Cheque a Orientação e veja se está correta. 4) Em Escala deixe 100%.5 Gerando posTsCripT no paGeMaker Documento 1) Em Impressora. especifique o local onde será salvo o arquivo. 2) Em Tamanho. Informações de página e Centralizar na área de impressão. 5) Marque a opção Normal. escolha Enviar dados de imagem binário. 6) Em Salvar como. escolha a que lhe foi recomendada pelo Bureau. escolha a opção PostScript e TrueType. também escolha a que lhe foi indicada. 3) No campo Incluir fontes não residentes. 2) Em PPD. etc. 127 . incluindo a sangria. fechar páginas agrupadas. serão configurados. 4) Marque a opção Gravar PostScript em arquivo. 4) As demais opções serão marcadas em ocasiões especiais. escolha Personalizar e automaticamente o tamanho do trabalho. escolha Nenhuma. como por exemplo. Papel 1) Marque as opções Marca de impressão.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . 3) Segmentação. escolha Normal.2.

2) Determine Custom. 5) Em Reduce or Enlarge.. Recursos 1) Use a opção: padrão do dispositivo. 4) Em Registration. Gerando PS e PDF Cor 1) Marque a opção Separações ou verifique com o Bureau qual a melhor forma de fechamento de arquivo. Paper Size como 3) Em Paper Width. informe a largura somando as áreas de marcas (30mm maior). 7) Orientation deixe como retrato. 3) Em Spreads.2. deixe como as do exemplo ao lado. 5) Para Offset. determine o valor de 5mm ou 14.6 Gerando posTsCripT no Quarkxpress Layout 1) Desmarque a opção Separations. deixe em 100%. 4) Em Paper Height. 15. 2) Para as demais opções. sendo essas no meio do seu documento. deixe marcado caso seu arquivo tenha páginas casadas. escolha Centrer. selecione o PPD recomendado. escolha Center. 6) Para Page Position. marque a opção Print Blank Pages.173pts.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 ... deixe Automatic ou configure a largura manualmente. . 2) Caso seu arquivo possua páginas em branco. 128 Setup 1) Em Printer Description.

escolha a opção Symmetric. 129 OPI 1) Desmarque a opção OPI Active. escolha a opção Composite CMYK. Options 1) Em Page Flip. Bleed 1) Para Bleed Type. 2) Em Pictures Output. 3) Configure Pictures Data como Binary. 3) Marque a opção Clip at Bleed Edge. . deixe o padrão. 4) Marque as opções Overprint EPS Black e Full Resolution TIFF Output.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . 2) Determine. deixe como normal. a medida de 5mm. para Amount. Gerando PS e PDF Output 1) Em Print Colors. mantenha como None. 2) Para as demais opções. já que serão determinadas pelo RIP.

poderá preencher os campos com as especificações do arquivo (não é necessário)..7 Gerando pdF no Quarkxpress Layout Info 1) Caso queira. página 1) Em Printer Opções de saída. marque a opção Salvar como Arquivo e escolha para Formato a opção PostScript. .. Caso esteja aparecendo uma área vermelha na visualização. 130 15. página 1) Em Printer Cópias e Páginas.2. indica que a área configurada em Paper está menor que a do documento.. Gerando PS e PDF Preview Verifique se a pré-visualização do material está correta. Printer. Printer.. determine o intervalo a ser fechado.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 .

Job Options 1) Marque a opção Font Options Embed all fonts. 131 . 2) Marque a opção Subset fonts below e determine 100%. Gerando PS e PDF Hyperlinks 1) Manter o padrão todos desabilitados. 3) Em Compression Options. 5) Marque a opção Text and Line Art. 4) Em Resolution.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . configure para Keep resolution. configure todas para Compression ZIP. 6) Desmarque a opção ASCII Format.

Gerando PS e PDF Output 1) Em Color Output Type. configure para 5mm. 5) Configure Symmetric. OPI 1) Desmarque a opção OPI active. 2) Para Print Colors. escolha CMYK. 3) Em Registration.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . configure para Composite. Bleed Type para 6) Em Amount. 132 .173pts para Offset. configure para Centered. 4) Determine o valor de 5mm ou 14.

3) Em Bilding. Gerando PS e PDF 15. 4) O ajuste de tamanho da página padrão (Default PageSize) não tem importância prática. configure para Left. 133 . basta apenas ser configurado as opções para cada tipo de trabalho. posteriormente. na maioria dos casos). ativadas para seu determinado trabalho. como será visto neste capítulo.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . deve ser ajustada para PDF versão Acrobat 4. escolha Job Options. As opções de trabalho (job options) do Acrobat Distiller são os ajustes mais importantes do aplicativo e definem a qualidade e a adequação dos PDFs para uso gráfico. criar um PDF para edição na internet ou para saída de filmes em alta resolução. General 1) Em Compatibility. salvá-las e.3 aCroBaT disTiller Principal É possível criar vários Job Options de acordo com sua necessidade como. Para gerar um PDF/X-1a. 2) A resolução deve ser igual a que será usada no dispositivo de saída final (2400 dpi ou 2540 dpi. Essa é a versão do PDF usada no padrão PDF/X-1a. por exemplo. o usuário deverá ajustar essas opções conforme as instruções que se seguem. Versões mais recentes possuem recursos que não são compreendidos pelos sistemas de fluxo de trabalho. 1) No menu Settings. Para isso.3).0 (PDF 1.

escolha Off. marcando a opção When Transfer Functions are founds. 2) Marque a opção de subset. embora reduza ligeiramente o tamanho dos arquivos para pré-impressão. 2) Em Color Management Policies escolha a opção Leave Color Unchanged (deixar as cores inalteradas). compression selecione ZIP. Fonts 1) Todas as fontes usadas no documento devem ser incorporadas no PDF. escolha None. impede que o mesmo sofra alterações de texto. 3) Em Monocrome Downsample. ela cancela o trabalho. 4) Eventuais curvas de transferência do arquivo. escolha a opção Cancel Job. selecione a opção Embed All Fonts. compression selecione ZIP. 3) Marque a opção Preserve Under Color Removal and black generation. 3) No campo When Embedding Fails. escolha Off. escolha Off. compression selecione ZIP (poderia também ser selecionada a opção CCITT Group 4 que é um tipo especial de compactação para imagens de 1bit). Caso a inclusão das fontes não possa ser feita. preserve-as. pois permite ao Distiller incluir no PDF apenas a parte da fonte que está sendo realmente utilizada. Por isso. Gerando PS e PDF Images Os ajustes de compressão têm relação direta com a qualidade das imagens e o tamanho final dos arquivos PDF. 1) Em Color Image Downsample. . 2) Em Grayscale Downsample. Color 1) Em Adobe Color Settings.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . Sendo assim. é recomendável que ele não seja habilitado. 134 Esse recurso (Subset Embedded).

3) Preserve Level 2 Copypage Semantics deve ser mantida. Gerando PS e PDF 5)Informações de meio-tons não devem ser incluídas no PDF. 6) Use Prologue. Apenas a primeira (Processar DSC – Process DSC comments) e a penúltima (Preservar informação de documento DSC – Preserve document information from DSC) das opções devem ser ativadas. portanto desmarque a opção Preserve Halftone Information. mas. garantindo que os PDFs gerados funcionem em um maior número de RIPs. 5) A inclusão de Job Tickets Portáteis no arquivo PDF só tem utilidade em sistemas de trabalho que utilizem esse recurso. 2) Convert gradients to smooth shades. evita o surgimento de faixas de transição visíveis nos arquivos vetoriais.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . deve ser habilitada. Deve ser desabilitada ou não. podendo ser marcada essa opção. Advanced 1) A permissão para que PostScript sobrescreva as instruções das opções de tarefa (Job Options) só tem utilidade em alguns aplicativos de paginação e dentro de fluxos de trabalho muito específicos.ps. deixe habilitada. 4) Marque a opção Preserve Overprint Settings.ps and Epilogue. por via das dúvidas. no qual não são utilizados sistemas de OPI e nem se permitem a geração direta de PDFs a partir de arquivos EPS. 7) As opções de convenções de estruturação dos documentos (DSC Document Structuring Conventions) não têm grande influência no sistema de geração de PDF/X-1a. presente apenas no Distiller 5. 135 .

Após todas as configurações terem sido feitas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 15 . Gerando PS e PDF Standards É possível especificar como padrão para o seu PDF. a opção None seja a escolhida. especifique um nome para o Job e clique no botão salvar. pode-se salvar o Job Option... porém recomendamos que. 136 . Add PDF Settings Para adicionar um Joboption. Na pasta Settings. para essas configurações. clicando sobre o botão Save as.

um índice inglês–português permite a remissão aos verbetes nos dois idiomas. o acabamento gráfico-editorial.br ou por correio .livro 230 .000 verbetes. estudantes de Artes Gráficas.ap 114 CEP 02925-160.com. a caligrafia. O resumo a seguir é parte integrante do GRAPHOS . No final da obra. compradores de consumíveis e demais profissionais que necessitam do conhecimento técnico específico no desempenho de suas funções. O trabalho completo terá cerca de 700 páginas (sem as ilustrações) e aproximadamente 20.Escritório de Direitos Autorais . Caso você tenha interesse em adquirí-lo ou alguma sugestão a fazer. entre as quais a arte do livro e a fotografia” [Novo Dicionário do Aurélio]. ornatos e letras em superfície plana. Este trabalho está legalmente registrado na Fundação Biblioteca Nacional .Glossário de Termos Técnicos em Comunicação Gráfica). o desenho. de autoria de Sérgio Rossi Filho. favor contactar-me por e-mail rossigraf@terra. a computação gráfica e demais assuntos correlacionados. a pré-impressão.sob o nº 142. vendedores de equipamentos.folha 169 (Glossário de Termos Técnicos empregados em Artes Gráficas). facilitando a vida dos tradutores. abrangendo a fotografia. Sérgio Rossi Filho 16.1 TErMos TÉCNiCos EMPrEgADos EM CoMUNiCAÇÕEs gráFiCAs .rua Antonieta Leitão. a gravura. agrupando a pintura. 357 . a tipografia e outras técnicas de impressão.Manual de Pré-Impressão Artes gráficas <graphic arts> .“Conjunto das artes de representar figuras. Todos os verbetes são acompanhados da respectiva versão em inglês. Dê o seu nome completo para poder incluí-lo na lista de colaboradores quando a obra for republicada. Você pode reproduzí-lo desde que faça menção da autoria.617 . glossário 16. a impressão.

Abertura em leque <fan-out> . originando uma reprodução fora-de-registro. do centro para as extremidades. o efeito pode ser reduzido regulando-se as pinças do cilindro de contrapressão em forma de arco. causada por absorção excessiva de umidade ou devido à orientação incorreta do sentido de fibra. folha com a borda de pinça côncava ou ondulada. Abacá <abaca> .{a} Razão logarítmica entre a intensidade da radiação incidente e a intensidade da radiação refletida por uma substância ou meio. causada por papel com fibra invertida. causada por absorção de umidade durante a impressão da primeira cor. Abeto <fir> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . para evitar a formação de rugas. {c} Gíria dos revisores para indicar o a craseado (à). Ver também: Abrir <to fan>.Expansão que o papel sofre na contra-pinça ou nas laterais da folha. Termo alternativo: pinheiro.{a} Riscos ou marcas causados numa folha de papel ou cartão por contato com outra folha ou outro objeto. {b} Formato A2 de papel de impressão igual a 76 x 112 cm. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas A A . {b} Desgaste que ocorre numa máquina de fabricar papel. Abrir cabeça <to trim the head> Cortar as folhas dos cadernos alceados antes de arredondar a lombada do livro.Condição na qual a distância entre as cruzes de registro localizadas nas extremidades da contrapinça da folha é maior do que na borda de pinça. Ver também: Estreitamento da bobina <fanning-in of web>. em forma de leque.Fibra natural de manilha.Ver: Bossagem <embossing>. causada por absorção de umidade ou estiramento mecânico durante a impressão.Árvore conífera cuja madeira é utilizada na fabricação do papel. {b} Formato de papel igual a 56 x 76 cm. Abossadura . {b} Loga-ritmo recíproco da transmitância interna de uma determinada substância. Ver também: Revisão acompanhada <followed proofread-ing>. utilizada na fabricação do papel.Expansão da contrapinça de uma folha de papel. .O mesmo que ventilar o papel. fazendo com que as próximas cores imprimam mais estreitas. Abrir a bobina <to open the roll> Remover a embalagem de uma bobina de papel. Termo alternativo: <scuffing>. muito resistente. Absorbância <absorbance> . {c} Relação entre a luz absorvida pela superfície de um papel e a quantidade 138 v a abertura do papel causada por estiramento mecânico ocorre geralmente devido ao excesso de pressão do cilindro de contrapressão. que indica o poder de absorção das radiações monocromáticas. Abrasão <abrasion> . Abrir o papel (to fan the sheets> . {c} Riscos na emulsão de um filme fotográfico causado por atrito.{a} Abreviatura de alteração do autor. ou fazendo o mesmo com os aparadores do esquadro frontal da mesa de alimentação da impressora. Abertura em leque da imagem <fanning-out of image> . Abertura em leque da bobina <fanning-out of web> . causado por pigmentos de carga ou outros constituintes da massa. AA . {c} Abreviatura de autor. Abertura do papel <fanning> .Aumento da largura de um papel em bobina.{a} Símbolo de ampére. particularmente na tela.

Absorção de tinta K&N <K and N ink absorbency> . {c} Quantidade relativa de tinta absorvida pelo papel durante o processo de impressão. {b} Primeiro estágio do processo de secagem das tintas de impressão. deixar a tinta em contato com os papéis durante um tempo específico. Acabado <finished> . Absorção <absorption> . Termo alternativo: penetração <strike-in>. do grau de colagem e do tipo de acabamento superficial. tinta. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de luz total incidente. Termo alternativo: <absorptance>.Extensão na qual uma tinta penetra um papel de impressão. maior será a quantidade de veículo necessária e. Termo alternativo: comprimento em óleo. Ver também: Porosidade <porosity>. verniz etc. Ver também: Processo de cores subtrativas <subtractive color process>. {b} Propriedade do papel que determina a quantidade e a velocidade de penetração da tinta. v o comprimento em óleo de um pigmento influencia a sua dispersibilidade no veículo da tinta. com os quais mantém contato. {d} Termo óptico que indica transmissão seletiva ou supressão parcial da luz. e medir a absorção relativa da tinta empregando um densitômetro de reflexão.Ver: Filtração seletiva <selective filtering>.Habilidade do papel de absorver líquidos (água. que consiste em aplicar um filme espesso de uma tinta especial não-secativa sobre corpos-de-prova dos papéis que estão sendo comparados.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . quanto mais finas forem as partículas do pigmento.{a} Penetração de uma substância na massa de outra substância. as tintas de impressão absorvem parcialmente a luz incidente e o restante é refletido pelo suporte. Absorvência .). remover o excesso. Absorção do papel <paper absorbency> .[1] <absorbency> Habilidade do papel e de outros materiais porosos de absorver líquidos ou vapores com os quais tem contato. no qual a porção mais fluida do veículo é absorvido pelo papel. Absorvibilidade <absorbability> Poder de absorção de um suporte de impressão. Absorção seletiva <selective absorption> . Absorção de óleo <oil absorption> Quantidade de óleo necessária para umectar completamente uma certa quantidade de um determinado pigmento de uma tinta de impressão. Absorção de tinta <ink absorbency> {a} Extensão na qual uma tinta penetra no suporte.Diz-se de um papel que teve uma ou ambas as faces alisadas com um rolo de lisa ou com o . [2] <ink absorbency> . Absorção de óleo de um papel <paper oil absorbency> . portanto menor a viscosidade. são durante o teste de absorção de óleo executada no equipamento IGT. tal como o papel ou o cartão. isto pode afetar a qualidade de impressão e deve ser compensado no processo de pré-impressão.{a} Proprie-dade que expressa a velocidade com que um determinado papel de impressão absorve os óleos contidos nas tintas de impressão.Teste prático empregado para comparar a taxa de absorção de diferentes papéis. cada uma das tintas de escala deveria absorver um terço do espectro e refletir os outros dois terços. {b} Distância em centímetros que indica o comprimento de uma gota de óleo espalhada sobre o papel de impres- v [1] a característica de absorção do papel depende do tipo de tinta. 139 v {d} a absorção é nula ou muito fraca quando o meio é transparente. do conteúdo de carga mineral. idealmente.

[2] <finish> {a} Características da superfície do papel.Alisamento da superfície do papel executado na própria máquina. costura <sewing>. a montagem etc. colagem da lombada <back gluing>. prensagem <pressing>. . Acabamento de máquina <machine finishing> . Acabamento com feltro <felt finish> Textura superficial do papel. o refilo e a embalagem. a partir de folhas impressas. inclui operações como: corte <cutting>. alceamento. Acabamento .Tipo de acabamento que se dá ao papel caracterizado por elevada lisura obtida por calandragem. {d} Conjunto de operações que acontecem após a fabricação do papel-base. <genuine felt finish>. Termos alternativos: <felt mark>. colagem. embalagem <packaging> e expedição <shipping>. {b} Fase final de produção de um clichê. Termo alternativo: <water finish>. Acabamento antigo <antique finish> Tipo de acabamento áspero que se dá aos papéis de cor natural ou creme utilizados para imprimir livros e capas. a calandragem. {e} Seção de uma processadora automática de chapas. {b} Nível de brilho ou grau de planicidade de uma superfície impressa. refilo <trimming>. <felt-marked finish>. a retificação. colocação da sobrecapa <jacketing>. douração etc. incluindo dobra. montagem da capa <case making>. corte do cartão <board cutting>. Acabamento do papel <paper fi- 140 v [3] o processo completo de produção de livros.[1] <binding> . tais como: dobra. encapamento <casing-in>. produzindo uma aparência antiga. incluindo o revestimento. sem passar pela calandra. ou aplicando água diretamente no rolo da calandra durante a fabricação do papel. Acabado em máquina <machine finished> . o corte. [4] <sheet work> . [3] <finishing> {a} Termo genérico empregado para descrever todas as formas de completar o produto gráfico.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . corte-e-vinco. aplicação do reforço <lining-up>. corte do revestimento <slitting covering material>. encadernação. sem umidade ou vapor.Diz-se de um papel que sofreu alisamento na própria máquina de fabricar papel. incluindo o rebobinamento. dotada de um rolo ou uma escova que aplica goma ou solução de pós-tratamento à superfície das chapas. alceamento <gathe-ring>. costura. Termo alternativo: calandrado <calendered>. aplicando umidade e fazendo-o passar através de uma calandra. produzida na prensa úmida da máquina de fabricar papel equipada com um feltro diferente do convencional. para deixar a sua superfície áspera e sem brilho. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas auxílio de uma calandra. Acabamento a seco <dry finish> Acabamento que se dá aos papéis e cartões. dobra <folding>. grampeação. a gofragem etc. arredondamento <rounding and backing>. incluindo a fresagem. refilo.Termo genérico que inclui todas as operações pós-impressão. encadernação etc.Operações finais que completam o produto impresso. Acabamento cuchê fosco <dull-coated finish> . {c} Processo final de preparação do papel para distribuição. Acabamento a úmido <waterfinish> Acabamento brilhante que se dá ao papel. Acabamento calandrado <high finish> .Tipo de tratamento superficial de um papel revestido para deixá-lo liso e com baixo nível de brilho. estampagem <die stamping>. Ver também: Acabamento em máquina <machine finish>. colocação do cabeceado <headbanding>.

Termos alternativos: <dull finish>.Acabamento que se dá ao papel caracterizado por uma aparência intencionalmente desuniforme de manchas foscas e brilhantes distribuídas aleatoriamente. {b} Diz-se de um papel com superfície sem brilho. Acabamento manual .[1] <plate finish> Superfície do papel. Acabamento marmorizado <mottled finish> . Acabamento granito <granite finish> . Acabamento em máquina <machine finish> .Método de alisamento da superfície do papel fazendo-o passar entre rolos de calandra na própria máquina de fabricar papel. e baixo nível de brilho. Acabamento granulado <pebble finish> .[1] <handmade finish> . Ver também: Secagem a ar <air drying>. produzido por prensagem a úmido ou calandragem. lembrando a textura do granito. Acabamento enrugado <cockle finish> . menos indicada para reprodução fotográfica do que o acabamento brilhante. {b} Fotografia ou bromuro cuja textura de grãos finos não exibe brilho. adequado para impressão de livros e revistas. couro. <low finish>. Termo alternativo: <crash finish>. Acabamento em calandra <calender finishing> . obtida por calandragem. caracterizado por irregularidades superficiais. Ver também: Calandra <calender>. Acabamento gofrado <embossed finish> . Acabamento mate <matte finish>{a} Diz-se de um papel cuja super-fície não apresenta brilho.Papel composto de fibras multicoloridas que formam uma superfície marmorizada. Acabamento inglês <English finish> Tipo de acabamento que se dá ao papel caracterizado por apresentar superfície lisa. Acabamento morto <dead finish> Variedade de acabamento de papel caracterizado por uma superfície lisa e sem 141 .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Tipo de acabamento que se dá ao papel caracterizado por uma textura que simula o jato de areia.Tipo de acabamento que se dá ao papel para que sua superfície lembre a textura dos antigos papéis feitos à mão. a gofragem etc. originalmente produzido por prensagem contra um tecido de linho.Tipo de acabamento produzido num papel seco a ar.Alisamento da superfície do papel executado em calandra separada da máquina de fabricar papel. Ver também: Gofragem <embossing>. [2] <smooth finish> .Acabamento do papel caracterizado por ausência de irregularidades de nivelamento superficial. tal como nos papéis casca de cebola. Acabamento liso . [2] <job binding> . lisa e brilhan-te.Tipo de acabamento de papel caracterizado por apresentar alto ou baixo relevo. Acabamento linho <linen finish> Papel estampado com um padrão imitando a textura do tecido de linho. tecido ou outra textura. incluindo: a calandragem.Diz-se do tratamento que se dá ao papel. Papel gofrado <embossed paper>. produzido por gofragem. hoje realizado por gofragem.Processo de acabamento de pequenas tiragens de livros de capa dura revestidas com couro. produzida por supercalandragem. durante ou após a fabricação. ou outras encadernações de luxo. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas nishing> . Acabamento fosco <matte finish> {a} Diz-se de uma superfície fotográfica não reflexiva e sem brilho. Termo alternativo: <machine-finish>. a fim de imitar madeira.

deixando a superfície com pequenas ondulações. Ação capilar <capillary action>{a} Fenômeno associado à tensão superficial e ao ângulo de contato entre um líquido e um sólido. Ver também: Papel acetinado <satiny paper>. Acidez do papel <paper acidity> Valor do pH do papel-base ou do revestimento. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas brilho. Acidez <acidity> . avaliando as alterações de resistência e cor. causado por limpeza inadequada ou infreqüente. 142 v o ph do papel-base pode ser ácido ou alcalino dependendo do processo de colagem. Acelerador de envelhecimento <aging accelerator> . tendendo a absorvê-los.{a} Problema que ocorre durante a impressão devido à deposição de partículas de papel.Valor do pH da solução de molhagem ofsete ou do papel. Acabamento natural <natural finish> . [2] <ink cuff> .Máquina que faz a acetinação do papel. Acabamento vergê <laid finish>Tipo de acabamento que se dá ao papel cuja textura é constituída de linhas paralelas uniformemente espa-çadas.Método que permite predizer as características de envelhecimento de papéis. Termo alternativo: acetinagem. então. através de exposição à luz em ambiente controlado.Acumulação de poeira de papel na superfície do rolo bailarino do sistema de alimentação de bobinas de certas impressoras rotativas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Acetinagem <satining> .[1] <satining equipment> . Acetinador . que promove a rápida penetração do veículo da tinta nos poros do papel. da chapa ou dos rolos de uma impressora ofsete. tinta ou verniz na superfície da blanqueta. Termo alternativo: calandrar <to calender>. Ver também: Medidor de envelhecimento <fadeometer>.[1] <build up> . lembrando o cetim. Acetinado <satiny> . Ver também: Capilaridade <capillarity>. o revestimento é sempre alcalino. visíveis contra a luz. Termo alternativo: acetinação.Profissional que opera máquina de calandragem de papel. prejudicando a emenda.Acumu-lação de tinta seca nas extremi-dades dos rolos do sistema de tintagem de uma impressora ofsete.Tornar a superfície do papel lisa e lustrosa através de calandragem ou alisamento feito por prensagem das folhas interca-ladas com placas metálicas polidas. Acetinar <to satin> . Ver também: pH <pH>.Tipo de acabamento que se dá ao papel através de gofragem. {b} Ação que o papel exerce sobre os líquidos.Diz-se de um papel que apresenta acabamento liso e brilhante.Tipo de acabamento superficial de um papel caracterizado por apresentar textura macia e ligeiramente felpuda. Acabamento ondulado <ripple finish> . [2] <smoother> . [3] <piling> . em tal quantidade que prejudica . tintas e outros materiais. {b} Operação de alisamento das folhas de papel após a impressão tipográfica. a fim de torná-la lisa e brilhante. Acúmulo . Termo alternativo: calandreiro <calenderer>.Processo de acabamento da superfície do papel por calandragem ou prensagem entre placas metálicas. tais como a solução de molhagem e os componentes mais fluidos de uma tinta. Termo alternativo: <satin finish>. por um período de tempo especificado e.{a} Operação de alisamento de papéis e cartões em calandra. Acetinação <satining> .

Depósito de partículas de papel ou tinta nas áreas de grafismo da blanqueta ofsete. {b} Propriedade de um material de aderir a outro ou de proporcionar a aderência.{a} Substância que evita a precipitação de compostos de cálcio e magnésio da solução de molhagem ofsete. tal como o ácido acético (vinagre). a fim de prevenir ou retardar a precipitação do carbonato de cálcio na impressão de papéis alcalinos. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas a qualidade do impresso. Acúmulo do revestimento <coating pile> . seqüestrante <sequestering>. [2] <sticky-back> .Acúmulo que se desenvolve quando fibras fracamente ligadas à superfície do papel. fixam-se à superfície da blanqueta ofsete. Acúmulo nas áreas de grafismo <image area piling> . ou ambas.Adesivo que penetra ou extravasa um suporte autocolante. a revelação. Adesivo sangrado <adhesive bleed> . <adhesive strike-through>. causado por deficiência do papel (baixa resistência ao arrancamento) ou da tinta (tack elevado. Termos alternativos: quelante <chelant>. devido a condição causada por pressão ou fluxo a frio.[1] <binding agent> . Ver também: Acúmulo <piling>. Termos alternativos: <blanket loading>.Problema que ocorre na impressão ofsete devido ao desprendimento de partículas superficiais do papel causado por interação da camada do papel com a solução de molhagem. Termos alternativos: acumulação <accumu-lation>. <coating piling>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . antes ou após o processamento do produto acabado. Termo alternativo: adesivo escorrido <adhesive ooze>.Substância que fixa a emulsão de um material fotográfico à base durante o revestimento. bem como lavar os rolos . nas áreas de grafismo ou de contra-grafismo. secagem muito rápida).Fita adesiva usada para fixar as chapas de impressão flexográfica no cilindro da chapa. Termo alternativo: <stickyback>. Acúmulo na blanqueta <blanket piling> . Agente de ligação . Adesivo dupla-face . Adesividade <glueability> . contaminando a blanqueta e prejudicando a qualidade do impresso.Fita adesiva usada no processo de montagem de fotolitos e na operação de emenda de bobinas. prejudicando a transferência da tinta e a qualidade da impressão.[1] <doublesided tape> . {b} Reagente químico adicionado a uma solução para remover íons indesejáveis através da formação de complexos ou quelatos estáveis. <caking>. Ver também: Acúmulo <piling>. é adicionado à solução de molhagem ofsete.{a} Aditivo da tinta e do papel cuja função é melhorar as características de adesão. a fixação e a lavagem.{a} Velocidade e força de ligação que se desenvolve quando duas superfícies de papel ou cartão são unidas com adesivo. 143 v o agente seqüestrante. Ver também: Engrossamento <thickening>. {b} Substância adicionada a uma tinta serigráfica para promover a sua adesão ao náilon. Fantasma de acúmulo <piling ghosting>. [2] <bonding agent> . {c} Propriedade de um papel ou cartão que determina a velocidade e a força gerada por aplicação de um adesivo a sua superfície. Ver também: Acúmulo <piling>. Agente seqüestrante <sequestering agent> . {b} Deposição de partículas de tinta seca na superfície de clichês flexográficos ou rolo de contrapressão rotogravura. partículas do revestimento do papel ou pó solto na superfície do papel.

Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Termos alternativos: <rollfed>.Sistema alimentador de certas impressoras ofsete planas no qual as folhas são introduzidas em velocidade igual a da impressora.Processo de alimentação ininterrupta do filme fotográfico numa fotocompositora. <tractor feed>. {b} Parte de uma im- pressora ou máquina de acabamento por onde o papel é introduzido. Alimentação intermitente <intermittent feed> . Alimentação de formulário <form feed> . para separar e impulsionar as folhas. {b} Sistema que controla a tensão da bobina antes da primeira unidade de impressão das máquinas rotativas. expressa através do valor de pH (pH superior a 7 é considerado alcalino).[1] <continuous-feed> . Papel alcalino <alkaline paper>. Alimentação . Impressora rotativa <web press>. Alimentação sucessiva <successive feed> . os quais encaixam-se nas perfurações laterais do papel.Sistema de alimentação de papel de certas impressoras de computador. [3] <loading> . Termos alternativos: <sprocket feed>. ligadas a um sistema de vácuo. [2] <continuous leading> . a fim de retardar o acúmulo de carbonato.Introdução de dados na memória interna de um computador. dotado de rolos para conduzir as folhas. 144 Alimentação contínua . Ver também: Unidade dosadora <metering unit>. Alimentação por sucção <suction feed> .Caractere de controle de um sistema computadorizado que instrui a impressora a avançar o papel sanfonado. uma a uma. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas e blanquetas.{a} Condição de alcalino. em vez de folhas. Alcalinidade <alkalinity> . Alimentação por fricção <friction feed> . Alimentação por pinos <pin feed> Sistema de alimentação de certas impressoras de formulário contínuo por meio de pinos montados num volante rotatório.Trabalho de alimentar uma impressora ou máquina de acabamento. {b} Medida da concentração de produtos alcalinos numa solução.[1] <feeding> . para a mesa de margeação. Alimentação de papel <paper feed> {a} Processo contínuo de introdução de papel numa impressora ou máquina de acabamento. Alimentada por folhas <sheetfed> Diz-se de uma impressora ou máquina . Alimentada por bobina <web-feed> Diz-se de uma impressora ou máquina de conversão alimentada por uma tira contínua de papel (ou outro suporte). Ver também: Base <base>.Ver: Base <base>.Sistema de alimentação de papel de certas impressoras ofsete planas dotado de ventosas.Ver: Sistema de molhagem de fluxo contínuo <continuous-flow dampening system>. da última linha de uma página para a primeira linha da próxima página.Próprio de um álcali.Sistema de alimentação de papel de certas impressoras ofsete planas cujo movimento intermitente só permite o avanço de uma folha após a anterior haver entrado na mesa de margeação. <webfed>. Alcalino <alkaline> . Álcali <alkali> . Abreviatura: (FF). Ver também: Alimentada por folhas <sheetfed>. [2] <infeed> {a} Seção das impressoras ofsete planas onde acontece a transferência das folhas do margeador da mesa de alimentação para o primeiro cilindro de contrapressão.

as folhas são margeadas lateralmente sobre a mesa de alimentação por um guia lateral e. Ver também: Alimentador contínuo <continuous feeder>. Alimentador contínuo <continuous feeder> .. então. aparelho. Termo alternativo: <automatic press loader>. levanta e faz avançar cada uma das folhas individuais do topo da pilha para a mesa de alimentação. no qual as folhas são dispostas em escamas. <feeding head>.Dispositivo de uma impressora ofsete plana ou uma máquina de acabamento responsável pela introdução das folhas no sistema de impressão ou de dobra. Alimentador .[1] <metal sheet feeder> . Alimentador de folha simples <single-sheet feeder> . introduzidas na primeira unidade de impressão. máquinas de corte-e-vinco. encartes etc. {c} Dispositivo que causa o avanço dos cader-nos. de modo sincronizado 145 . Alimentador de capas em escamas <stream cover feeder> . Impressora plana <sheetfed press>. dispostas em escamas. Ver também: Alimentador <feeder>.Mecanismo de certas impressoras ofsete planas que alimenta consecutivamente várias folhas de papel.Aparelho de alimentação de folhas metálicas de uma impressora ofsete metalográfica.Alimentador de certas impressoras ofsete planas que alimenta uma folha de papel por vez. Alimentador de escamas <stream feeder> . {b} Mecanismo seme-lhante acoplado a máquinas de acabamento.Sistema pneumático de uma linha de encadernação que alimenta a capa superior de uma pilha por meio de um succionador rotativo.{a} Mecanismo das impressoras ofsete planas que separa. Termos alternativos: alimentador automático <automatic feeder>. Alimentador de leque <swing-arm infeed> . [2] <sheet feeder> . na mesma velocidade da impressora. até que esta alcance os margeadores frontais. [2] <hopper> .[1] <feeder> .Dispositivo acoplado a uma fotocopiadora ou impressora de computador que insere envelopes no compartimento de impressão. colecionadoras e insertadoras) onde os cadernos impressos são empilhados. permitindo o reabastecimento sem parar a impressora ou a máquina de conversão.Dispositivo de impres-soras ofsete planas responsável pela alimentação das folhas. na mesma velocidade da impressora. Alimentador de folhas sucessivas <successive-sheet feeder> .Alimentador de certas impressoras ofsete planas que alimenta uma folha de papel por vez.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Mecanismo automático de introdução de papel.Dispositivo de uma linha de encadernação no qual as capas são dispostas em forma de escadinha.Tipo de alimentador de impressoras ofsete planas cujos guias frontais param as folhas.Gaveta localizada nas máquinas de acabamento (alceadeiras. através de um sistema de encadernação em linha. em velocidade inferior a da impressora. Ver também: Alimentador <feeder>. Alimentador automático <automatic feeder> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de conversão alimentada com papel ou outro suporte cortado em folhas. Alimentador de envelopes <envelope feeder> . Termo alternativo: <stream feeder>. Separador de folhas <sheet-separation unit>. e outras. tais como: dobradeiras. Porta-bobinas <rollstand>. Ver tam-bém: Alimentada por bobina <webfeed>. Alimentador de folhas . Alimentador de capas rotativo <rotary cover feeder> .

durante a refinação.Tipo de papel que tem espessura maior do que outros papéis de mesma gramatura. por isso.Introduzir um suporte através de algum mecanismo de reprodução ou de impressão.Distância vertical entre a base dos succionadores e a primeira folha da pilha de alimentação de uma impressora ofsete.Altura máxima da pilha de papel na saída da impressora ofsete ou da máquina de conversão. lisa. Alisar <smoothen> .Termo genérico que descreve uma variedade de dispositivos (bandejas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Série A <A series>.Ver: Alimentador de folhas sucessivas <successive-sheet feeder>.Dispositivo localizado na saída de uma impressora ofsete plana. Alimentador de pilha alta <high-pile feeder> . Ver também: Altura da pilha de entrega <delivery pile height>.A máxima altura da pilha de folhas no alimentador da impressora ofsete plana. Ver também: Alimentador <feeder>. Altura da pilha de entrega <delivery pile height> . Alisador de folhas <sheet smoother> . Ver também: Desencanoador de folha <sheet decurler>. Almaço <foolscap> . onde o papel é armazenado. no qual as folhas são empilhadas e. os quais prendem as folhas e as transferem para as pinças do cilindro de contrapressão.Mecanismo automático de alimentação de uma impressora ofsete que comporta uma pilha de folhas de cerca de um metro de altura. Alongamento elástico <elastic elongation> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas com um mecanismo oscilante. Altura da pilha <pile height> . Ver também: Altura da pilha <pile height>. cartuchos. Alúmem <alum> . geralmente utilizado na impressão de livros de poucas páginas para aumentar a espessura da lombada. 146 Alimentar <to feed> . Non-stop. Ver também: Baixocorpo <low bulk>. a folha superior geralmente fica 5 mm abaixo dos flaps de avanço localizados na frente da pilha. hoje substituído pelo formato A4. Alisador <smoother> . é preciso interromper a produção por ocasião do reabastecimento.Ver: Alisador <smoother>. para pro- . Alimentador sucessivo <successive feeder> . acoplado a um sistema de vácuo.{a} Dispositivo do alimentador de impressoras e máquinas de acabamento que ajuda a manter planas as folhas de papel. {b} Instrumento para alisar papel. Altura das chupetas de avanço <height of forwarding suckers> . cuja função é uniformizar as folhas antes que sejam depositadas na pilha de entrega. Alimentador de pilha <pile feeder> Mecanismo automático de alimen-tação de folhas de uma impressora. a fim de torná-la uniforme e brilhante.{a} Sulfato de alumínio mineral usado na fabricação do papel. Alimentador de papel <paper source> . Alisadeira . Ver também: Papel almaço <fools-cap paper>.Tratar a superfície do papel em calandra ou supercalandra. Alto-corpo <high bulk> .Propriedade do papel de recuperar suas dimensões originais após cessar a força de tração que causou o alongamento.Formato britânico padrão de papel igual a 8 x 13 polegadas. Termos alternativos: alisadeira.) acoplados a uma impressora de computador. mesas etc. a menos que a máquina seja equipada com dispositivo non-stop. dobradeira ou máquina de conversão.

produzindo pressão insuficiente contra a chapa e contra o papel.{a} Formato americano de papel de impressão. nas duas situações. Termo alternativo: <blanket low spots>. {b} Produto adicionado à massa do papel para aumentar a sua alvura. Ambientação de papel <conditioning of paper> . Ver também: Blanqueta amassada <smashed blanket>.Processo de acondicionamento do papel de modo a deixá-lo nas mesmas condições de temperatura e umidade relativa do ar da sala de impressão. Ver também: Brancura <whiteness>. cromo. Amassado de blanqueta <blanket smash> .Mudança de tonalidade que ocorre no papel. azuis. v quando o papel apresenta umidade relativa menor do que o ar da sala de impressão. Termo alternativo: fator de refletância difusa do azul <diffuse blue reflectance factor>. {c} Abreviatura de método de acesso <access method>.Áreas de baixa densidade de cor. quando a temperatura é excessivamente alta. Ver também: Alvura <brightness>. e suas derivadas). variando de luminoso e brilhante até escuro. quando a temperatura do papel é menor do que a temperatura ambiente. Alvejante óptico <optical brightener> . alaranjados. ao passar através do forno de uma impressora ofsete rotativa. causada por passagem acidental de papel dobrado ou algum corpo estranho pelo ponto de contato entre a chapa e a blanqueta. ocorre absorção de umidade do ambiente nas laterais das resmas ou das bobinas até o estado de equilíbrio. Termo alternativo: <optical whitener>. Alvura óptica <optical brightness> Aumento da alvura de um papel por meio de adição de anilinas fluorescentes ou outro tipo de alvejante óptico à massa do papel. utilizado na produção de livros e revistas. apenas na região do azul. vermelhos. {b} Porcentagem de refletância do papel. Branqueamento óptico <optical bleaching>. influenciando positivamente a reprodução de cores frias (verdes. causada por depressões na superfície da blanqueta ofsete. o papel torna-se mais úmido nas laterais do que no centro das resmas ou bobinas. usados como agentes endurecedores na fotografia e para vários outros propósitos em artes gráficas. AM . ou entre a blanqueta e o cilindro de contrapressão.Compressão ou depressão indesejável de parte da superfície da blanqueta ofsete. igual a 87 x 114 cm. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas mover a adesão da resina às fibras num processo chamado de colagem interna. Amarelamento <browning> . potássio ou sódio e alumínio. neste segundo caso.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Amassado <smash> . 147 v a presença de alvejante óptico no papel impõe uma reflexão predominante na região azul do espectro. em algumas regiões da folha impressa. e suas derivadas). com pico no comprimento de onda de 457 nm (nanometros). desenvolvendo ondulações que podem . Alvura <brightness> .{a} Percepção subjetiva da intensidade de uma sensação luminosa. {b} Compostos de sulfato de amônio. não é possível compensar durante o processo de seleção de cores a emissão suplementar de azul derivada do alvejante óptico. porém interferindo negativamente na reprodução de cores quentes (amarelos. ocorre condensação de umidade nas bordas das resmas e bobinas. {b} Abreviatura de amplitude modulada <amplitude modulation>.{a} Anilina incolor que absorve radi-ação ultravioleta e a emite como radiação visível.

nesta condição pode ocorrer fora-de-registro e rugas próximo do centro das folhas e das bobinas. este perde umidade para o ambiente nas regiões externas das resmas e bobinas deixando as bordas retesadas em relação ao centro. Termo alternativo: retenção <holdout>. a fim de evitar que ocorra decalque. Antidecalque <antisetoff compound> . composto antidecalque. utilizado na impressão de livros e revistas. Pó antidecalque <antisetoff spray>. Antirrepinte . que se presta a acelerar o acondicionamento do papel de acordo com as condições ambientes da sala de impressão. Ver também: Pó antidecalque <antisetoff spray>.Aditivo da tinta cuja função é evitar que a tinta impressa num dos lados da folha manche o verso da folha superior da pilha de saída.Aparelho cuja finalidade é dissipar a carga eletrostática acumulada no papel antes ou durante o processo de impressão.Condições de temperatura e umidade relativa do ar da sala de impressão. Ângulo de corte <angle of cutting> Ângulo do bisel da faca de uma guilhotina linear ou trilateral. [2] <anchoring> Termo empregado na flexografia para designar o processo pelo qual a tinta adere à superfície do suporte.Substância adicionada às tintas ofsete com o propósito de reduzir a ação do tack (pega- 148 v em condições ideais. proporcionam maior risco de decalque. a sala de impressão deve ser aclimatada para 50% a 60% de umidade relativa e 23°C de temperatura. e formam filmes brilhantes. a fim de favorecer a estabilidade do papel e a reologia da tinta. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas ocasionar fora-de-registro e rugas durante a impressão.Fixação de um material adesivo a um suporte ou revestimento. Ancoragem da tinta <ink holdout> Extensão com que o papel retarda ou impede a penetração do filme de tinta recém impresso. algumas vezes equipado com um insuflador de vapor. Ambientador de papel <paper conditioning rack> . Ver também: Decalque <setoff>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . {b} Pó fino e seco aplicado sobre as folhas impressas na saída das máquinas ofsete. Termo alternativo: antirrepinte. Ambiente da sala de impressão <pressroom environment> .Ver: Antidecalque <antisetoff compound>. Ancoragem . Anti-tack <antitack> .Formato de papel igual a 87 x 114 cm. Abreviatura: (AM). escolhido de acordo com o tipo de papel a ser cortado ou refilado. Ver também: Colagem superficial <surface sizing>.[1] <anchorage> . . Termo alternativo: eliminador de estática <static eliminator>. Americano <American> . dotado de presilhas móveis que prendem as resmas de papel. v as tintas que secam por oxidação produzem a melhor ancoragem sobre papéis microporosos. entretanto. formando uma camada protetora na superfície do filme de tinta e diminuindo o tempo de gelificação da tinta. Amido <starch> .{a} Substância obtida de cereais utilizada na composição do adesivo aplicado na colagem superficial de papéis não-revestidos. Antiestática <antistatic> .Dispositivo constituído de um túnel ventilado. v quando o papel apresenta umidade relativa maior do que o ar da sala de impressão.

<scrapings>. detec- tor de folha dupla e outros. deixando a superfície lisa e com espessura uniforme.Fibras que são drenadas do papel úmido durante a fabricação. a fim de evitar a ocorrência de riscos e manchas no produto e facilitar a saída do caderno.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Papel apergaminhado <parchment paper>. Armazém de papel .Ver: Alimentador <feeder>.Sobras de papel resultantes do processo de refilagem.Dispositivo instalado próximo à entrada da dobradeira de uma impressora rotativa cuja função é aplicar uma camada de solução de silicone.Fragmentos de produtos acabados derivados do processo de fabricação.Ver: Aparas <dry mill broke>. succionadores (chupetas). o emprego de agente anti-tack torna-se necessário quando a ação do tack da tinta supera a resistência superficial do papel e causa arrancamento de partículas. em ambos os lados do papel impresso. Aparas de papel <paper shavings> Ver: Aparas <trimmings>.Sobras de papel resultantes do refilo ou outros desperdícios que ocorrem durante o processo de fabricação. Aparelho .Corte de uma árvore pela base. [3] <wet mill broke> .{a} Operação de refilar o papel.Mecanismo de entrada de folhas das impressoras ofsete planas.Dispositivo de uma máquina de revestimento que aplica um excesso de camada cuchê ao papelbase. e remove o excesso soprando um jato de ar sobre a camada ainda fluida.Dispositivo que borrifa uma camada delgada de material fotossensível sobre a superfície do cilindro rotogravura. Termos alternativos: aparas de papel <paper shavings>. [2] <trimmings> . e conversão do tronco. Aparas . Aparagem <trimming> . galhos e folhagem em cavacos. para fins de produção de pasta de papel. Aproveitamento total da árvore <whole-tree utilization> . Aparelho alimentador de folhas <sheet feeding mechanism> .Qualquer sobra de papel gerada após a sua fabricação ou como resultado do processo de acabamento ou conversão.[1] <dry mill broke> .[1] <cast coater> . no próprio local do plantio. Aplicador de silicone <silicone applicator> . Aplicador de camada . antes deste contatar os cilindros da calandra.Ver: Depósito de papel <paper stockroom>. <shippings>. que separa automaticamente cada uma das folhas da pilha de papel e as alimenta na mesa de margeação. regulador de altura da pilha (apalpador). Apergaminhado <parchment-like> Tipo de papel cujo aspecto e consistência lembram o pergaminho. Aplicador de camada a faca de ar <air-knife coater> . Aparelho de saída . ao nível do chão. revistas etc. constituído de um dispositivo separador de folhas (soprador). <wet mill broke>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas josidade) sobre a superfície do papel. Ver também: Apara branca <white waste>. Apara suja <printed waste> . [2] <spray coater> . Apara pré-consumo <preconsumer waste> .Ver: Unidade de entrega <sheet delivery unit>. Apara pós-fabricação <post-mill waste> . {b} Ato ou efeito de refilar as bordas de livros. 149 .Apara de papel resultante do acerto e do estrago durante a impressão.Dispositivo que aplica uma camada úmida de revestimento sobre o papel. Apara secundária <secondary waste> .

<pickouts>. Ver também: Resistência ao arrancamento <pick resistance>.Rompimento da superfície do papel causado pela força de tack da tinta ou da blanqueta. devido à absorção dos constituintes mais fluidos da tinta pelo papel. na ausência de água. 150 Arrancamento a úmido <wet picking> . quando esta é elevada o suficiente para superar a força de ligação interna das fibras ou do revestimento ao papel-base. enquanto o atravessamento deve-se à condição de baixa viscosidade da tinta ou às propriedades de absorção do suporte (porosidade). Termos alternativos: arrancamento da superfície <surface picking>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . [2] <plucking> . divisão ou rasgo das fibras da superfície do papel que ocorre quando o tack da tinta ultrapassa a resistência superficial do papel.Defeito de impressão que se manifesta em forma de manchas e estrias nos sólidos (chapados) ou nos meiostons de um filme de tinta sobreposto a outro. Ver também: Arrancamento a úmido <wet picking>. Assentamento da tinta <ink setting> . que ocorre imediatamente após a impressão. Ver também: Decalque <setoff>.Ruptura e desprendimento de partículas da superfície de um papel durante a impressão causada por enfraquecimento superficial do papel umedecido pela solução de molhagem. Arrancamento a seco <dry picking> Ruptura e desprendimento de partículas da superfície de um papel durante a impressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Arrancamento . Assentamento rápido <quicksetting> .[1] <picking>{a} Desprendimento de partículas causado por delaminação. qüência incorreta de tack das tintas envolvidas: a primeira tinta impressa deve ter tack superior ao da tinta sobreposta. {b} Fase inicial do processo de secagem de uma tinta. Arrancamento do papel <paper picking> . {b} Remoção de partículas do filme de tinta impresso numa unidade pela tinta da blanqueta ou do clichê da próxima unidade de impressão.Diz-se da primeira fase do processo de secagem de uma tinta ofsete que corresponde à rápida imobilização da tinta na superfície do papel promovida por drenagem dos constituintes fluidos da tinta por ação capilar do papel.{a} Aumento da viscosidade (resistência ao fluxo) ou do corpo de uma tinta. Termo alternativo: <setting of ink>.Ver: Arrancamento <picking>. Ver também: Arrancamento a seco <dry picking>. . embora as causas sejam completamente distintas: o decalque acontece principalmente devido à demora na secagem da tinta. devido à retrotransferência do filme de tinta do papel para a blanqueta da unidade subseqüente de uma impressora ofsete. v [1b] o arrancamento pode ser eliminado ou minimizado aumentando-se o tack ou a taxa de secagem da primeira tinta impressa. geralmente acontece devido à se- v este problema é freqüentemente confundido com o decalque. a fim de evitar que a segunda tinta arranque a primeira já impressa. a ponto desta migrar para o outro lado da folha. Arrancamento da superfície <surface picking> . Termo alternativo: <breakthrough>.Ruptura da superfície do papel que ocorre durante a transferência da tinta. quando a força necessária para dividir o filme de tinta entre a blanqueta ofsete e o papel é maior do que a resistência superficial do papel. Atravessamento <strike-through> Penetração profunda da tinta no interior do papel. Arrancamento da tinta <back-trap mottle> . <pick>.

<turning bar>. <leader>.[1] <bale> . Neutralizador de estática <film static neutralizer>. Termos alternativos: esquadro. Termo alternativo: <center dot>. Ver também: Boxe (box). Termo alternativo: rebarbado. Barras diagonais <web flopping> Conjunto de tubos cromados perfurados. posicionada a 45° em relação à direção de deslocamento do papel nas impressoras rotativas.Símbolo tipográfico (l) de uma fonte de caracteres pi empregado na composição para propósitos decorativos ou organizacionais. ou na entrada das máquinas rotativas. que ocorre durante a impressão devido a má regulagem do equipamento ou a variação dimensional do papel. Bagaço <bagasse> . Ver também: fardo <bundle>.Fardo equivalente a 10 resmas. {b} Irregularidade de posicionamento da área de mancha.Rebarba das bordas do papel de tina. cuja função é dissipar a carga eletrostática acumulada no papel. As barras angulares são normalmente perfuradas e ar frio é soprado do interior das barras para evitar o atrito do papel impresso. localizados no castelo da dobradeira de v o corpo da bala não deve ultrapassar a altura x dos caracteres da fonte do texto. {c} Pequeno filete que aparece em torno de um caractere. guia. Barra angular <angle bar> . geralmente para enfatizar partes importantes do texto. Termo alternativo: <deckle edge>. [2] <bullet> . [3] <deckle> . de folha para folha. alternativo: <feather>.{a} Desalinhamento de registro de posicionamento da imagem impressa. de folha para folha. Ver também: Guia <landmark>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Avergoado . Barra antiestática <antistatic device> . Bambú <bamboo> .Dispositivo localizado sobre a mesa de alimentação das impressoras ofsete planas.Diz-se do papel de tina com bordas irregulares. usada como fonte de fibras para a fabricação de papel. [2] <beard> . Termo alternativo: boneca. Termo 151 . ou 5. Ver também: Dobradeira de tiras <ribbon folder>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Barba . Ver também: Rebarba <burr>.Traço horizontal da haste do G maiúsculo. [3] <ink ball> . Eliminador de estática <static elimi-nator>. Bala . Baliza <guide> . B B . cuja função é virar ou desviar a direção das tiras de papel. {d} Serifa da extremidade do arco de um caractere tipográfico.{a} Fibras provenientes do resíduo da cana-deaçúcar empregadas na fabricação do papel.Barra metálica cromada e polida.Ver: Papel avergoado <laid paper>.000 folhas de papel.Planta da família das gramíneas. bem como combiná-las para atender à ordem de paginação dos cadernos antes da entrada na dobra-deira.Formato de papel de impressão igual a 48 x 66 cm.[1] <barb> . Barbado <deckle-edged> . num livro ou revista refilado. causado por uma partícula presa ao tipo metálico durante a composição. em qualquer das duas versões: aberta (m) ou fechada (l).Peça de uma impressora ou máquina de acabamento onde o papel encosta durante a margeação. Termo alternativo: carrapato <tick>.Almofada empregada para entintar a fôrma tipográfica nos prelos manuais. Termo alternativo: barra diagonal. Ver também: Eletricidade estática <static electricity>. {b} Papel fabricado com fibras de bagaço de cana.

das páginas que compõem um caderno de revista. as bases geralmente utilizadas na composição de tintas ofsete são o hidrato de alumínio e o branco brilho. Termo alternativo: <ribbon flopping>. selante <sealer>. {c} Superfície plana sobre a qual o suporte é colocado durante a impressão serigráfica. selante etc. {c} Tinta.Placa de vidro. {b} Bloco de metal ou de madeira sobre o qual as matrizes tipográficas em alto-relevo são montadas. Ver também: Bloco de gaveta <die block>. positivos ou negativos.Folha plástica sobre a qual os diversos fotolitos. usado como suporte para prender o clichê tipográfico em sua posição na impressora. aumentando o valor do pH da solução. adequadamente disperso no veículo da tinta.Primeira cor sobre a qual as outras são impressas. [6] <flat> . Termo alternativo: bloco <patent block>. {d} Dispersão contendo apenas um material corante. Termo alternativo: álcali <alkali>.[1] <backing sheet> . camada de ancoragem <anchor coat>. {f} Aditivo empregado para ajustar as propriedades das tintas serigráficas. Papel-base <body stock>. Termo alternativo: astralão <astralon>. [4] <build-up layer> . plástico. emulsões fotográficas ou etiquetas adesivas. a fim de promover maior opacidade e/ou evitar a migração do adesivo para a superfície e melhorar a ancoragem do adesivo.{a} Bloco metálico localizado abaixo do ombro do tipo. madeira etc. <tie coat>. {b} Camada de tinta aplicada sob o acabamento.Processo que consiste em alinhar as bordas das folhas de papel na pilha de alimentação da impressora ou da máquina de acabamento. Ver também: Embalagem com barreira à umidade <moisture barrier wrapper>. [7] <patent base> . . ou prender os tipos metálicos em sua posição na rama. colocada sob o quadro de uma tela serigráfica para suportar o estêncil e garantir que a sua adesão ao tecido seja uniforme. Barreira <barrier coat> . sobre a qual se imprime ou se aplica verniz ou ouro.Qualquer papel. preparado especialmente para uso sob a pintura de acabamento. Base . tecido. hidróxido <hydroxide>. [8] <primer> .. [5] <crystal base> . [9] <undercoat> .Revestimento aplicado à face do papel. Ver também: Cor de fundo <base color>. Termo alternativo: esquadrar. Termos alternativos: <base stock>. Ver também: Barra angular <angle bar>. Termo alternativo: <prime coat>. plástico. {h} Substância que libera íons OH . pigmento ou anilina. [3] <body stock> . a fim de permitir diferentes arranjos de paginação. vidro ou outro material que serve de suporte para estênceis serigráficos. [2] <base> . Ver também: Material de revestimento <face material>.em 152 solução aquosa. {g} Peça de cartão ou cartolina sobre a qual se monta o pestape ou a arte-final e à qual todos os overleis são fixados. no interior dos quais sopra ar comprimido.Aditivo utilizado para alterar a viscosidade de tintas serigráficas transparentes no processo de impressão de meios-tons.Bloco metálico perfurado. Termos alternativos: base <primer>. Bater esquadro <to square> . <raw stock>. livro etc. {e} Folha plana de papel ou plástico que constitui o suporte da camada ou da emulsão fotossensível dos filmes e papéis fotográficos.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <sealer coat>.{a} Camada aplicada ao suporte de impressão. filme. são fixados (montados) para a exposição da chapa de impressão. laminado ou folha metálica utilizados em processos de conversão.Dizse de uma folha de papel. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas uma impressora rotativa... cuja função é inverter o lado da tira de papel.

Papel ou cartão produzido em tira contínua enrolada uniformemente em torno de um eixo ou tubo de papelão. Ver também: Bobina telescópica <telescoped roll>. [2] <padding> .Rolo de qualquer suporte que passa continuamente através de uma impressora rotativa. [2] <spool> . Bobina .Equipamento que faz a bobinagem de uma tira contínua de papel. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Beater-sized pulp .Bobina de papel que desenrola com tensão desuniforme.Cartão que apresenta elevada resistência à dobra e ao vinco. Bobinador <winder> . Ver também: Folhadeira <roll sheeter>.Operação que consiste em aplicar um adesivo flexível numa das bordas de um maço de folhas soltas. {e} Problema que ocorre no acabamento quando os livros grudam uns aos outros devido à pegajosidade do filme de cola aplicado.Defeito que ocorre com papéis em bobina caracterizado pela adesão de diversas cama- das entre si devido ao contato com água.Rolo contínuo de papel que alimenta as impressoras rotativas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . a fim de formar um bloco quando a cola secar.Sistema de impressão ofsete alimentado por bobinas que são cortadas em folhas durante o ciclo de impressão. {c} Operação de acabamento que consiste em fazer blocos de papel a partir de folhas soltas. {b} Termo empregado para designar a operação de montar ou pregar a fôrma de impressão sobre blocos permanentes de madeira. ou por apresentar deficiência de tensão de rebobinamento. Termo alternativo: rolo <roll>. lateral frouxa <slack edge>. [3] <web> . Termos alternativos: <engine-sized pulp>.[1] <blocking> . Termos alternativos: bobina mole. {d} Setor de uma empresa gráfica onde se fazem blocos de papel.Profissional ou equipamento que faz a bobinagem do papel. Bobina colada <wet roll> . Bobina–folha <roll-to-sheet> . resultante da compressão das camadas internas causada pelo maior tensionamento das camadas externas da tira de papel durante o rebobinamento. Bender . Bobina frouxa <baggy paper> . centro frouxo <slack center>. Ver também: Bobinadeira <winder>. <internal-sized pulp>.{a} Condição que ocorre quando as folhas impressas grudam entre si devido à deficiência ou demora na secagem do filme de tinta.Operação realizada por uma bobinadeira ou rebobinadeira que consiste em enrolar uma 153 . Bobinagem <roll winding> . Blocagem . suportando os processos de conversão sem rasgar ou tornar-se quebradiço. Ver também: Colagem <sizing>. Bobina desalinhada <dished roll> Bobina de papel que apresenta as bordas alternadamente desalinhadas para dentro e para fora como resultado de irregularidades de tensão durante o bobinamento. Bobina de papel <web paper> . Ver também: Rebobinadeira <rewinder>. Bobinadeira <winder> . Termo alternativo: enroladeira. Bobina estrelada <starred roll> Bobina de papel cujas laterais exibem um padrão em forma de estrela. Ver também: Carretel <reel>.O mesmo que carretel. ou por estar com as laterais frouxas devido à exposição em ambiente com umidade relativa elevada. de um equipamento de conversão ou de uma máquina de acabamento.Suprimento da fabricação de papel (mistura de materiais fibrosos e não-fibrosos em suspensão aquosa) ao qual é adicionado resina <sizing> durante a refinação.[1] <paper roll> . <sheeter>.

côncova ou convexa.Borda de uma folha de papel resultante do corte de uma folha maior. a fim de formar uma bobina. Bobina pré-impressa <preprinted web> . Ver também: Bobinador <winder>.Bobina formada ao final da máquina de fabricar papel abrangendo a largura útil total da máquina.[1] <air bell> . <rolltender>. resultante de deslizamento durante a bobinagem. de formato oval bem definido. ou excessivamente pressionada pelo grampo da empilhadeira. Termo alternativo: borda picotada. incluindo: a porosidade do papel. Bolacha . <roll operator>. Ver também: Sinos de ar <air bells>. Termo alternativo: <foam mark>. Bobina master . Bobina-mãe <master roll> .Ver: Bobina-mãe <master roll>.Ver: Bobina frouxa <baggy paper>. Bobineiro <roll stand operator> Auxiliar de impressão que prepara a emenda e opera o suporte de bobinas de uma impressora rotativa.Bobina de papel que exibe as bordas progressivamente desalinhadas. Termos alternativos: bobina master. {c} Área da capa de um livro encadernado onde o revestimento não adere ao cartão das pastas.Operação de enrolar uma tira contínua de papel em torno de um eixo.Bobina de papel ou outro material impressa e rebobinada para uso posterior.Defeito superficial do papel causado por formação de espuma durante a aplicação do revestimento. Ver também: Excentricidade <eccentricity>. [2] <slit edge> . {b} Ponto falho ou vazio que se manifesta em áreas do produto impresso onde o material empregado no acabamento (verniz. o conteúdo de umidade do papel e carga de tinta elevada coincidente em ambos os lados do papel. <log>. a fim de formar uma bobina. {d} Defeito de um filme fotográfico caracterizado por pontos vazios onde a emulsão separa-se da base do filme devido a uma deficiência de processamento ou em função do emprego de excesso de ácido no fixador. [2] <blister> . Borda cortada [1] <edge tear> Pequenas rachaduras na margem de uma bobina que podem ocasionar quebras de bobina durante a impressão. ou devido a um golpe no seu eixo.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Desbobinar <to unwind>. que acontece em ambos os lados do papel quando este passa pelo forno de uma impressora rotativa ofsete. Bolha . plástico) não está ancorado ao suporte. operador de porta-bobinas. Bobina mole . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas tira contínua de papel em torno de um eixo. Termos alternativos: estrelista. ou recebeu alguma pancada durante o transporte e o manuseio. tal como 154 . <jumbo roll>. causadas por gases que se formam entre ela e a camada do papel. Bolhas <blisters> .Pequenas imperfeições que se manifestam numa emulsão fotográfica. <rollman>. causado por uma associação de variáveis. Bobina ovalada <out-of-roundness roll> .Bobina de papel que adquiriu a forma oval em virtude de ter sido estocada na horizontal. Bobinar <to wind> . Borda danificada <end damage> Diz-se de qualquer defeito. devido a mudanças extremas de temperatura ou ao excesso de alcalinidade do banho durante o processamento.{a} Defeito de impressão. <roll tender>. Bobina telescópica <telescoped roll> .Cada um dos círculos de papelão ondulado que protegem as laterais de uma bobina de papel.

de modo a melhorar a alvura. a fim de remover ou alterar as substâncias coloridas presentes. Termos alternativos: borda de condução <leading edge>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . na direção oposta ao lado impresso. Borda em gancho <tail-end hook> Curvatura que se desenvolve na contrapinça de uma folha de papel. Ver também: Alvura <brightness>.Propriedade de um papel ou outro suporte de impressão de refletir de maneira equilibrada os comprimentos de onda das regiões azul. Termos alternativos: abossadura. Bordas retesadas <tight edges> Bordas de resmas ou bobinas de papel que sofreram encolhimento devido à perda de umidade causada por exposição em ambiente cuja umidade relativa ou temperatura era menor do que a do papel. podendo levar a quebras durante a impressão. Brancura <whiteness> . Ver também: Serrilhado <jaggie>. que serve de referência para controlar a posição lateral da folha conforme esta se desloca através da impressora ou da dobradeira. refilada em ângulo reto em relação à borda de pinça. atingindo outras folhas de um formulário multivias. Borda de pinça <gripper edge> {a} Margem de uma folha de papel que é presa pelas pinças do sistema de transporte de uma impressora ou dobradeira. verde e vermelho do espectro visível. a estabilidade química e a permanência do papel. Ver também: Bordas retesadas <tight edges>. o branco ideal reflete 100% da luz incidente. {b} Abrandamento ou elimi- . Ver também: Borda de referência <reference edge>. margem de pinça <gripper margin>. embolsamento. Ver também: Bordas onduladas <wavy edges>. geralmente causado por manuseio inadequado. Branqueamento .[1] <guide edge> Margem da folha. Bordas onduladas <wavy edges> Bordas de resmas ou bobinas de papel que sofreram distorções devido à expansão das fibras causada por absorção de umidade ao ficarem expostas em ambiente cuja umidade relativa ou temperatura era superior a do papel. {b} Margem de uma chapa ofsete correspondente ao início da área de grafismo. Ver também: Lateral colada <stuck edge>. Borda felpuda <feather edge> Borda irregular de uma folha de papelcarbono ou autocopiativo que se estende além da área a ele reservada. Ver também: Estampagem <embossing>. 155 v a brancura é a propriedade mais importante quando se considera a reprodução em cores.[1] <bleaching> {a} Tratamento químico de purificação da pasta de papel. podendo ocasionar quebras durante a impressão. e pode ser descrita em termos de quantidade e uniformidade da refletância da luz do espectro visível comparada à refletância de um padrão branco ideal (sulfato de bário).Diz-se de cada uma das margens do suporte que contata os margeadores de uma impressora serigráfica.Relevo que se desenvolve no papel causado pela força de tack que a tinta exerce sobre a sua superfície no momento em que é forçado a se desprender da blanqueta ofsete. causada por excesso de solução de molhagem absorvida pelo papel ou por ação do tack da tinta que tende a fazer o papel grudar e acompanhar a blanqueta nas impressoras ofsete planas. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas cortes. Bossagem <embossing> . [2] <layside> . Borda rachada <cracked edge> Pequenas incisões localizadas nas margens de uma bobina de papel. Borda-guia . nas laterais de uma pilha ou bobina de papel. Ver também: Guias <lays>.

chamada de reflexão especular. tal como ocorre com papéis muito brilhantes ou no monitor de visualização dos computadores. [2] <gloss> . Brístol <bristol> . a fim de remover a imagem ou alterar a sua cor.Processamento em etapas sucessivas de purificação química de fibras de celulose sem danificá-las quimicamente.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Brilho de impressão <printed gloss> Resultado da reflexão especular da luz incidente devido às características combinadas do suporte e das tintas de impressão.{a} Característica física de uma superfície. Brístol postal <postal bristol> v [1a] é considerada branqueada a pasta cujo grau de alvura é igual ou maior do que 80°GE e semi-branqueada quando o seu grau de alvura situar-se entre 59 e 79°GE.{a} Converter a prata metálica que forma a imagem de um negativo ou impresso fotográfico em haleto de prata. [2] <whitening> Problema que ocorre na impressão ofsete. medida em equipamentos chamados medidores de brilho. Brilho do papel <paper gloss> Grau com que a superfície de um papel reflete a luz incidente em raios paralelos. obtida quando o assentamento da tinta no papel ocorre com pouca absorção do veículo. Ver também: Medidor de brilho <glossmeter>. {b} Qualidade de um filme de tinta impresso que designa a reflexão especular da luz. ou lavando-se a blanqueta e os rolos com ácido acético (vinagre). Branquear <to bleach> . Brilho . {c} Atributo de um papel que o faz parecer luminoso e lustroso devido a sua característica de reflexão especular. 156 Branqueamento multiestágio < multistage bleaching> . e pode ser evitado ou minimizado adicionandose um agente quelante à solução de molhagem. deixando-a esbranquiçada. Efetuar o branqueamento da pasta de papel através de tratamento químico.Aumento de alvura ou efeito de brancura conferido ao papel por adição de produtos fluorescentes ou de corantes azuis que neutralizam o tom amarelado natural das fibras de celulose. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas nação total de partes indesejadas de uma imagem fotográfica.Halo de luz que circunda e desfigura uma imagem fotográfica.Reflexão indesejável de luz que prejudica a leitura. brilho elevado sugere uma superfície altamente polida que tem o efeito de reduzir a reflexão superficial do filme de tinta e aumentar o alcance de densidade da imagem impressa. Ver também: Alvejante óptico <optical brightener>.Ver: Cartão brístol <bristol>.[1] <glare> . Ver também: Brilho <gloss>. expressa numa escala de 0% a 100%. eliminando as partes indesejadas de uma fotografia. [3] <glow> . {d} Quantidade relativa da luz incidente que é refletida por uma superfície. devido ao acúmulo de partículas de carbonato de cálcio nas áreas de contragrafismo da blanqueta. Brilho especular <specular gloss> Ver: Reflexão especular <specular reflection>. Ver também: Branqueamento <bleaching>. {b} . Ver também: Branqueamento <bleaching>. ou a baixa resistência do papel à umidade. {c} Processamento químico cuja finalidade é transformar a imagem de prata metálica negra em prata incolor. sobretudo com papéis alcalinos. v [2] o acúmulo de carbonato geralmente ocorre devido ao amolecimento da camada do papel causado por excesso de solução de molhagem. Termo alternativo: <milking>. Branqueamento óptico <optical bleaching> .

[1] <bulk carton> . Ver também: Calandragem <calendering>.Embalagem constituída de uma folha de papelão empastada numa folha impressa. {c} Configuração similar de rolos aquecidos usados para uniformizar um ou ambos os lados do tecido sintético da tela serigráfica.Óxido de cálcio (CaO). revestimento acolchoado. sabonetes e outros produtos. a fim de ser alisado.Cartucho utilizado para embalar mercadorias. Ver também: Seção <section>. [3] <section> . Caixa de entrada .{a} Máquina constituída de um conjunto vertical de cilindros metálicos polidos e cilindros revestidos com tecido de fibra sintética alternados. utilizada para transporte e acondicionamento de produtos.. Cal <lime> . de formato menor e menos rígida do que a caixa de papelão ondulado. têxteis.Tanque locali- 157 . [2] <stuff-chest> . Calandra <calender> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . feita de cartão corrugado. Termos alternativos: <calendering rolls>. utilizado para embalar livros para armazenagem e transporte. [2] <carton> .Cada uma das partes em que se divide um livro. [4] <signature> . Rolos de calandra <calender rollers>. utilizada para embalagem de consumo de alimentos. fabricado com duas ou mais folhas de papel kraft não-branqueado separadas por uma folha ondulada. {b} Produto impresso numa única revolução do cilindro da chapa de uma impressora rotativa e dobrado ao final da linha. zado no início de uma máquina de fabricar papel onde a polpa é armazenada e agitada antes de ser espalhada sobre a tela. para formar uma seção de livro ou revista. [3] <single book carton> . geralmente uma folha cortada em várias páginas. adequado para escrita. Caixa de cartão <carton> . geralmente feito para suportar 275 libras de pressão de ar antes de estourar. entre os quais passa o papel sob pressão.Grande caixa de papelão. tampas articuladas etc. Abreviatura: cad <sig>.Embalagem de estrutura cúbica. a fim de ter a lisura e o brilho superficial aumentados. derivado do carbonato de cálcio. em múltiplos de 4 páginas. calandra de máquina <machine calender>. {b} Conjunto de rolos horizontais localizado ao final da máquina de fabricar papel.Seção de um livro. por entre os quais passa a tira contínua de papel.Folha impressa contendo uma ou mais dobras.[1] <folder> . escoando-a através de uma fenda num fluxo uniforme. Caixa de papelão . lisa. Termo alternativo: <calender stack>. dobrada e colada. utilizado na impressão de cartões-postais. empregado na fabricação do papel. bandejas plásticas pré-formadas. fabricada com uma única folha de cartão corte-vincada.Recipiente de papelão.[1] <headbox> Parte de uma máquina de fabricar papel que alimenta e distribui sobre a tela uma dispersão de fibras em água.{a} Folha impressa e dobrada. uma revista ou um jornal. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Tipo de cartão brístol que apresenta superfície lisa e uniforme. Caixa de cartão rígido <rigid-paperboard box> . Ver também: Supercalandra <supercalender>. Caixa de papelão ondulado <corrugated box> . C Caderno . Termo alternativo: <paper box>. cosméticos.Caixa utilizada para postagem de um único exemplar de livro. podendo incluir janelas transparentes de celofane. [2] <gathering> .

para manter os elementos de uma imagem separados.[1] <coating> . cortiça ou feltro. Termos alternativos: acetinador <smoother>. a fim de ter a sua superfície alisada e polida.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Máquina dotada de um cilindro metálico estampado. Calandragem <calendering> . Calandra gofradora <embossing calender> . para que nele fiquem gravados em baixo-relevo os caracteres tipográficos e os clichês.Diz-se de um papel que foi prensado. plástico. {b} Termo que indica cada uma das folhas de papel ou cartão coladas para formar uma folha mais espessa. a opacidade. Ver também: Acabado <finished>. Calandra dura <hard calender> Calandra de uma máquina de fabricar papel constituída de um ou dois pares de cilindros metálicos por entre os quais passa o papel. onde se envaza o metal líquido para fundir a telha. um deles metálico e o outro revestido com fibra sintética. Ver também: Calandra mole <soft calender>.Alisar ou acetinar a superfície do papel fazendo-o passar entre rolos de calandra. imprensador. Termos alternativos: <primer>. a fim de ter a sua superfície alisada. Rolos de calandra <calender rollers>. Calandreiro <calenderer> . <tie coat> . a fim de facilitar a edição e a manipulação. tinta cuchê etc. por entre os quais passa o papel. calandrista.Ver: Calandra <calender>. a compressibilidade.Revestimento preliminar aplicado à superfície de um suporte para facilitar a fixação do revestimento ou adesivo. Calandrar <to calender> .Overlei digital utilizado em alguns programas de processa-mento de imagens. Calandra de máquina <machine calender> . Rolos de calandra <calender rollers>. a absorção de tinta. por exemplo: cartão de três camadas <three-ply card-board>. Calandra de estampagem <embossing calender> . tal como: verniz. porém. Calandrista . 158 v a calandragem melhora a ancoragem da tinta. Termo alternativo: acetinar <to satin>.Cilindro metálico gravado com motivos decorativos para gofragem do papel. [2] <layer> . Termo alternativo: revestimento. . Ver também: Calandra <calender>. [3] <ply> {a} Cada uma das folhas que compõem um cartão ou um laminado. a rigidez e o corpo do papel.Ver também: Barreira <barrier coat>.Ver: Calandreiro <calenderer>.Diz-se de qualquer revestimento aplicado a uma superfície. Camada . Ver também: Calandra <calender>.Profissional que trabalha ou opera máquina de calandrar. Calandra mole <soft calender> Calandra de uma máquina de fabricar papel constituída de um ou dois pares de cilindros. Ver também: Calandra dura <hard calender>. a porosidade. constituído por uma superfície móvel e plana (platina) e por um cilindro. Camada de ancoragem <anchor coat> . é colocado sobre a fôrma e submetido a uma forte contrapressão entre o cilindro e a platina.{a} Método empregado para conferir lisura e brilho superficial ao papel fazendo-o passar entre uma série de rolos metálicos polidos sob pressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas {d} Aparelho para produção de matrizes de estereotipia. reduz a brancura. alisado ou acetinado na calandra. o flã. como o Adobe Photoshop. coberto por uma manta de borracha. utilizada para gofrar produtos impressos. a lisura e o brilho. Ver também: Calandra <calender>. Calandrado <calendered> .

{b} A letra K. Capa almofadada <padded cover> Capa de livro estofada com uma camada de algodão. na gíria dos revisores.Fibra obtida de cordas ou da planta de mesmo nome que cresce na América Central e nas Filipinas empregada na fabricação do papel.Envelope feito de cartão impresso.Ver: Reforço de fole <shell back>. Capacidade de alimentação <stackfeed capacity> . {b} Método de encadernação de livros no qual o revestimento 159 . o segundo material é colado sobre o primeiro cobrindo a lombada e parte das pastas. utilizadas na encadernação mecânica. <wrapper>. ou outro produto impresso. o cartão constitui o terceiro material. cartão. couro. [3] <cover> Revestimento de papel. ou outro material que é colado. os quais são aplicados ao cartão separadamente: primeiro é feita uma capa padrão com uma peça de material. Capa de bobina <roll wrapper> Embalagem de uma bobina de papel. Capa dura <hardcover> . Capa articulada <hinged cover> Capa flexível formada por tiras de cartão paralelas à lombada do livro. uma revista. Ver também: Capa dura <hard cover>.{a} Letra grega (k). feltro ou espuma colocada entre o cartão das pastas e o revestimento.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . tecido. Sabugo <core>. Cânhamo-de-manilha <manila hemp> Ver: Manilha <manila>. Capa de disco <record cover> . Termo alternativo: capa estofada. Ver também: Encadernação sem costura <perfect binding>.Revestimento rígido no qual os cadernos alceados de um livro são fixados. Capa de duas peças . Termos alternativos: capa de livro <book cover>. [4] <kappa> .Capa cujas pastas frontal e traseira são confeccionadas com duas peças separadas.Revestimento de livro constituído de uma peça de material formando a lombada.Quantidade total de folhas de papel que se pode colocar de uma só vez na bandeja de alimentação de uma impressora. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Camada do papel . Capa de três peças <three-piece case> . Capa colada <glued-on cover> Dizse da capa de uma publicação fixada ao miolo com adesivo. fotocopiadora etc. Camada dupla-face <double-sided coating> . grampeado ou costurado ao miolo de um livro.[1] <binding> . Ver também: Bobina ovalada <out-of-roundness roll>. [2] <two-piece cover> . e diferentes materiais formando as pastas.Revestimento cuchê aplicado aos dois lados do papel-base. aberto num dos lados.Ver: Revestimento do papel <paper coating>. [2] <case> . Canudo <tube> . o que pode derivar numa bobina ovalada.Capa dura de livro feita com dois materiais diferentes. Termo alternativo: <threepiece cover>. para comportar discos de vinil. de formato quadrado. incluindo os discos laterais. Canudo amassado <crushed core> Defeito de papel em bobina caracterizado pela excentricidade do tubete. Capa . Capa de livro <book cover> . em vez de grampo ou costura.{a} Capa de livro constituída de tiras retangulares de cartão coladas a um revestimento de papel.Revestimento no qual as folhas de um livro são encadernadas.Ver: Capa <cover>.[1] <two-piece case> . ou outro material nas posições correspondentes às pastas e à lombada. que indica a autonomia do equipamento. Cânhamo <hemp> ..

projetando-se além das bordas refiladas do miolo.Sistema de produção de livros no qual a capa e o miolo são feitos separadamente. refilada no mesmo tamanho do miolo de um livro. <trimmed flush>. colado ao miolo apenas na lombada.[1] <flexible cover> O mesmo que capa mole.Capa impressa no mesmo papel utilizado no miolo de um livro. Capa manuscrita <manuscript cover> . [2] <flexible covermaking> . perfurada e combinada com a capa para formar uma lombada fechada. capa solta. capa integral. então.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Capa mole <softcover> .Capa maior do que o miolo de um livro refilado. Capa normal <flush cover> . <hardbound>. Capa integral . Ver também: Brochura <brochure>. geralmente quando se trata de livretos e panfletos de baixo custo. Termos alternativos: capa rente. <trimmed flush>. Capa mole <soft cover>. Capa flexível . <paper-bound>. Livro de capa mole <paper-back>. Capa semi-rígida . Termos alternativos: capa normal. Termos alternativos: capa flexível. presa por meio de grampos ou adesivo. <cut-flush binding>. {b} Encadernação na qual o miolo de um livro ou de uma revista é encapado com papel flexível.Capa de livro constituída de uma única peça de papel cobrindo as pastas e a lombada. Capa dura revestida com papel <full paper cover> . ligeiramente azulado. Encadernação em capa dura <case binding>. Ver também: Capa mole <softcover>.Material empregado para encapar livros. Capa-miolo .{a} Capa de um livro ou de uma revista impressa em papel flexível. Termos alternativos: <paperback>. e somente depois de prontos são unidos. 160 Capa fora <casing-in> . Capa dura revestida com tecido <full cloth cover> . Termo alternativo: capa flexível <flexible cover>. Termos alternativos: <casebound>. principalmente papel ou cartolina.Tipo de papel de capa.Capa de livro cortada no mesmo tamanho do miolo. Termos alternativos: capa separada. Livro de capa dura <casebound book>. sem orelha.Capa flexível. .Revestimento de livro feito de cartão impresso.Ver: Capa fora <casing in>. utilizado como capa de documentos e manuscritos. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas da capa é colado sobre peças de cartão rígido e. geralmente de gramatura superior ao papel do miolo. Capa separada . em máquinas independentes. Capa encaixada . Capa estofada . Capa semi-oculta <semi-concealed cover> .Ver: Capa almofadada <padded cover>.Tecido ou papel impresso com uma ou mais cores antes de ser colado ao cartão das pastas da capa dura de um livro.Capa de livro constituída de uma única peça de tecido cobrindo as pastas e a lombada. Capa projetada <overhang cover> Capa de um livro que apresenta dimensões maiores do que o miolo nos três lados abertos.Termo empregado na encadernação mecânica para designar uma única peça de material que é vincada. Ver também: Capa dura <hardcover>. o conjunto é fixado ao miolo do livro. Capa pré-impressa <preprinted cover> . colado à lombada do miolo. com guardas coladas às contracapas. Capa rente <flush cover> . <cut-flush binding>.Ver: Capa flexível <flexible cover>.

tais como notas fiscais. v os papéis cuchê são classificados de acordo com a carga de revestimento. Termos alternativos: <chalk>. adicionados à formulação do papel. o carbonato de cálcio e outros pigmentos brancos. Carbonato de magnésio <magnesium carbonate> . o dióxido de titânio. a rigidez. bilhetes aéreos e outros.Ver: Casca de tinta <ink hickey>. v {a} o carbonato de cálcio tende a reagir com a solução de molhagem ofsete em meio ácido. Ver também: Pinta <hickey>. expressa em gramas por metro quadrado. {b} Habilidade de uma superfície porosa. Carbono . 161 . Carga cuchê <coat weight> .Retângulo de papel carbono fixado entre as folhas de um impresso padronizado.Diz-se de qualquer material estranho que se projeta da superfície do filme de tinta impresso.{a} Fenômeno de tensão superficial no qual a porção da superfície de um líquido que estabelece contato com um sólido é aumentada ou reduzida dependendo das propriedades coesivas ou adesivas do líquido. Ver também: Ação capilar <capillary action>. o corpo e as propriedades de resistência são reduzidas. de absorver líquidos com os quais entra em contato. brancura.Substância química utilizada no processo soda de produção de pasta de celulose.Extensor branco transparente empregado na composição de tintas de impressão.Ver: Capa fora <casing in>. Carbonato de sódio <sodium carbonate> . alvura. a fim de promover opacidade. Carbonato de cálcio <calcium carbonate> . estabilidade dimensional e outras propriedades ópticas e superficiais. ou como pigmento na formulação do revestimento do papel.Aplicar tinta carbono numa ou em ambas as faces de uma folha no processo de produção de papel-carbono. causando acúmulo na superfície de blanquetas e rolos do sistema de tintagem. Carga <filler> . para reproduzir cópia uma única vez.{a} Pigmento branco luminoso utilizado como carga na fabricação de papéis alcalinos. <marble>.{a} Nome que se dá aos materiais inorgânicos não-fibrosos de origem mineral. Ver também: Extensor <extender>. Carbono com reserva <carbon pattern> .Quantidade de revestimento aplicada ao papel-base. que pode variar de 5 g/m2 até 25 g/m2 por face. {b} Pigmento branco empregado como extensor em lugar do dióxido de titânio na formulação de tintas de impressão. podendo comprometer a produtividade. Ver também: Branqueamento <whitening>. a fim de aumentar o corpo e a opacidade e.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . reduzir o custo. Carbonar <to carbonize> . Olho-de-peixe <doughnut hickey>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Capa solta . possivelmente. tal como o caulim. tal como a superfície de um papel ou cartão. Carbono descartável <one-time carbon paper> . em certas partes de um formulário contínuo. Termo alternativo: <loading>. <limestone>.Ver: Papel-carbono <carbon paper>. Capilaridade <capillarity> . {b} Substância inerte utili-zada na composição das tintas de impressão. Caroço de tinta . Caroço <nib> .Papel-carbono aplicado apenas v {a} embora as cargas minerais melhorem as características de printabilidade do papel.

Ver também: Cartão perfurado <punched card>. utilizado para embalagem e transporte de mercadorias. empregado para imprimir trabalhos de luxo. em seguida as folhas são prensadas e secas. rígido. formado e compactado em máquina. em uma ou mais camadas. produzido a partir de 180 g/m 2 para uso em impressão de embalagens cortevincadas. constituído de 2 até 6 folhas de papel de trapos ou sulfite.Papel de gramatura elevada. o cartão de enroladeira é fabricado sobre uma mesa plana ao fim da qual a folha úmida é enrolada sobre um cilindro. Cartão brístol <bristol> . Termos alternativos: cartão ondulado. utilizado para capas de livros. espesso (0. [2] <card> . Ver também: Cartão de expansão <expansion card>. revestido ou não. Cartão corrugado de dupla parede <double-wall corrugated> . podendo receber colagem superficial e acabamento alisado.15 mm e gramatura superior a 224 gramas/m 2 . etiquetas etc. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Cartão .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Cartão feito de polpa de madeira. papel cartão. v as matérias-primas mais utilizadas na fabricação do cartão são as pastas de papel recuperado. Cartão cinzento <grayish board> Papelão fabricado com pasta de madeira de baixa qualidade. [3] <paperboard> .3 mm ou mais) e rígido.[1] <board> . Termo alternativo: brístol.{a} Papel encorpado.Laminado feito com folhas planas de papel coladas sobre uma folha de papel-base ondulada ou sanfonada. podendo apresentar diversas camadas. em oposição àquele fabricado com polpa kraft. Termo alternativo: <white pasteboard>. Cartão branco <white cardboard> Cartão fabricado a partir de celulose branqueada. os cartões para uso industrial são geralmente fabricados em enroladeira. superpostas e coladas.{a} Forma abreviada de cartão de expansão. Cartão branqueado <bleached board> . {b} Folha composta de camadas de papel coladas entre si (cartão de colagem) ou fabricada diretamente na máquina cilíndrica (cartão de moldagem) classificada.Diz-se de qualquer tipo de cartão fabricado com pasta branqueada. imerso ou não. máquina de dupla tela) ou por deposição da suspensão fibrosa sobre um cilindro. Ver também: Máquina cilíndrica <cylinder machine>. segundo a gramatura. Termos alternativos: <board stock>. assegurando o esgotamento (máquina de fôrma redonda). os cartões ondulados são constituídos de papel kraft ondulado contracolado sobre uma ou duas faces com um papel de cobertura. . em cartolina ou papelão.O mesmo que cartão perfurado. muito utilizado na impressão de embalagens. <corrugated fiber-board>. geralmente com espessura superior a 0. [4] <pulpboard> . <cardboard>.Laminado constituído de duas folhas de papel on- 162 v os cartões utilizados para embalagem e acondicionamento são constituídos de uma ou várias camadas. Ver também: Papelão ondulado <corrugated paper>. Cartão corrugado <corrugated board> . Cartão cilíndrico <cylinder board> Tipo de papelão produzido por um processo que emprega uma máquina cilíndrica. com elevado teor de cinzas e boa colagem interna. as máquinas de cartão funcionam por projeção de jato (máquina de mesa plana. {b} Papel espesso utilizado para imprimir índices.Cartão de qualidade superior. Cartão binário <binary card> .

Ver também: Cartão corrugado <corrugated board>. Cartão de colagem <pasteboard> Papelão laminado constituído de diversas camadas de papel coladas entre si. destinado à impressão de embalagens. Cartão de primeira .Laminado constituído de uma folha de papel ondulado revestida num dos lados com uma folha de papel plano colada. {b} Cartão usado nas pastas de livros encadernados. Cartão de moldagem <carton> Cartão sólido. Cartão de montagem <mounting board> . Ver também: Cartão corrugado <corrugated board>. com acabamento monolúcido ou supercalandrado. formando um sanduíche. com ou sem revestimento cuchê no forro. não é produzido com fibras de juta. Cartão de juta <jute board> . usado para reforçar fotografias. Este cartão apresenta boa colagem interna e superficial. acabamento monolúcido ou escovado e. e a camada inferior. contendo mensagens. Cartão de aparas <chipboard> {a} Cartão fabricado com aparas de papel. blocos de papel etc.Ver: Lombada-falsa <false spine>. utilizado para montar fotografias. Cartão corrugado de parede simples <single-wall corrugated> . fabricado em máquina cilíndrica. apesar do nome. Ver também: Cartão corrugado <corrugated board>. para ser enviado por correio. cortada em formato retangular. Cartão de cumprimento <greeting card> .Laminado constituído de três folhas de papel ondulado separadas. intercaladas com quatro folhas planas de papel coladas. tratada para imitar o aspecto do couro. Cartão cromo . formado e compactado em máquina em duas ou mais camadas.Cartolina impressa. chamada forro. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas dulado separadas. Cartão corrugado de parede tripla <triple-wall corrugated> . Cartão dúplex <duplex cardboard> Cartão fabricado a partir de celulose química.Papelão feito com pasta de madeira. ilustrações ou motivos decorativos alusivos a uma data comemorativa. Ver também: Cartão corrugado <corrugated board>. composta de celulose branqueada. Cartão de estereotipia . o endereço. intercaladas com três folhas planas de papel coladas.Ver: Flã <flan>.Variedade de cartão fabricado com pasta química branqueada. com adição de pasta mecânica ou aparas.Cartão resistente que pode ser facilmente dobrado. Cartão corrugado monofaceado <single-faced corrugated> .Suporte rígido produzido por laminação de papel de alta qualidade sobre cartão pesado.Laminado constituído de uma folha de papel ondulado revestida dos dois lados com folhas planas de papel coladas. Cartão do lombo . Cartão de visita <business card> Pequeno retângulo de cartolina impresso com o nome.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . bem colado. usado na encadernação. usado na encadernação. cartões de visita e outros impressos comerciais. com ou sem adição de caulim. Cartão-couro <leather board> .Cartão dúplex que apresenta uma face lisa e a outra áspera. sendo a camada superior. o telefone e a profissão do usuário. composta de celulose não-branqueada. entre as principais características desta- 163 . Termo alternativo: cartão-fibra <beaverboard>. chamada suporte.

Termos alternativos: <letter-card>. produzido nas gramaturas de 150 g/m 2 a 270 g/m 2 especialmente para a confecção de copos (fundo e corpo). Cartão-resposta <return card> Cartolina impressa. utilizado para confeccionar caixas para acondicionamento e transporte de mercadorias. apresentando boa colagem interna. com formação fechada. feito de pasta de palha com pouco tratamento químico. Ver também: Cartão tríplex <triplex cardboard>. Cartão-postal <postcard> . Cartão ondulado . cola. na qual as informações podem ser armazenadas eletronicamente. Cartão ilustração <artist’s illustration board> . Cartão prensado <pressboard> Tipo de papelão <millboard> ou cartão <pasteboard> usado na encadernação para confecção da capa dura de livros. caixas e similares. Cartão para caixas <boxboard> Tipo de papelão pesado. Cartão perfurado <perforated card> . usado para fichas. Cartão pôster <poster board> Cartão de peso específico e espessura a partir de 24 pontos. mais prensado.Espécie de cartão brístol. Cartão-palha .Ver: Cartão-couro <leather board>. Ver também: Papel machê <paper-mâché>. absorção de água e tinta compatíveis com o processo ofsete. espessura uniforme.Cartão retangular. especialmente produzido para desenho a lápis ou pintura a aquarela.Ver: Cartão corrugado <corrugated board>.Espécie de cartão brístol. Papelão ondulado <corrugated paper>. compressibilidade e rigidez adequadas à produção de embalagens. resistente e espesso. Cartão para copos . <postal card>. gelatina e outros materiais. cuja remessa postal dispensa o uso de envelope. com as fibras em sentido alternadamente perpendiculares entre si. impresso num dos lados com paisagens turísticas ou outras ilustrações. Cartão-fibra <beaverboard> . Cartão laminado <laminated board> Cartão espesso constituído de lâminas de cartolina coladas. utilizado na confecção de caixas e para reforçar o falso-dorso de livros. Termo alternativo: <punched card>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . para substituir a pedra litográfica no processo de papirografia. Termo alternativo: <duplex paste-board>. 164 Cartão magnético <magnetic card> Cartão com uma superfície magnética. Cartão íris . Produzido nas gramaturas de 200 g/m 2 a 600 g/m 2 . gesso. em camada única. Cartão-pedra <stone board> Produto obtido por mistura de pasta de papel. boa rigidez e resistência à recravação. comercializado nos formatos padronizados de 559 x 711 mm e 711 x 1118 mm. <postal>. Cartão ficha . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas cam-se: elevada resistência superficial.Papelão de baixa qualidade. Ver também: Cartão dúplex <duplex cardboard>. fabricado em cores variadas e com superfície contendo texturas ou desenhos que lembram a madrepérola.Cartão fabricado com pasta química branqueada.Tipo de cartão brístol. Cartão ofsete <offset cardboard> Tipo de cartão apropriado à impressão ofsete. para processamento de dados.Peça de cartolina contendo informações codificadas para uso no processo de manipulação automática de dados em sistemas computadorizados. incluída na correspondência com o propósito de facilitar a resposta do leitor interessado em uma .

Cartão dúplex <duplex cardboard>. Cartonagem . similar ao anterior. Ver também: Cartão <board>. sulfite e outros.Papel de impressão de gramatura elevada. Termo alternativo: <Bristol paper>. denominada suporte. costurado com válvula <sewn valve . [4] <packet> . composta de celulose branqueada. composta de celulose não-branqueada. porém colado em vez de costurado. geralmente empregada para embalar medica-mentos. composta de celulose branqueada. plástico ou laminado de diferentes mate-riais utilizado para embalar líquidos. grampos ou cola. em três ou mais camadas. produtos de higiene e limpeza e outros. após o que é fechado com costura. Ver também: Cartão cromo. fita adesiva.Moldura oblonga que na escrita hieroglífica egípcia encerra nome de soberano.Livro encadernado com pastas de papelão revestidas com papel impresso. com adição de aparas de primeira. <cardboard tube>.POM>. o qual é feito através de uma válvula localizada no canto do cartucho. porém com ambos os lados colados v 165 .15 mm. [1] existem cinco tipos básicos de cartuchos: com fundo costurado e boca aberta <sewn open-mouth SOM>.Embalagem feita de uma só peça de cartão ou cartolina impressa. colada ou encaixada. semelhante ao SV. Termos alternativos: <boxboard>.SV>. e a camada inferior. formado e compactado em máquina. tais como: caixas. usualmente com espessura igual ou superior a 0.Sistema de acabamento de livros revestidos com uma capa dura colada à lombada. Cartonado <bound in boards> . [5] <pa-per box> . Cartão revestido <coated board> Cartão para impressão recoberto numa ou nas duas faces com uma camada cuchê.Saco de papel. Cartonar <to bind in boards> Acabar um livro encerrando-o numa capa dura formada por retângulos de cartão colados às pastas e à lombada. Cartucho . a camada intermediária. [2] <box> . Cartolina <bristol> . exceto que o topo e o fundo são costurados antes do envazamento. Termo alternativo: fita magnética <magnetic tape>. Cartão tríplex <triplex cardboard> Cartão fabricado a partir de celulose química. produzido nas gramaturas de 250 g/m 2 a 500 g/m 2 . corte-vincada.Detalhe ampliado impresso no canto de um mapa. denominada forro. apresentando as mesmas características do cartão dúplex. muito utilizado para acondicionar grãos. Termo alternativo: <light cardboard>.Termo genérico que designa as empresas gráficas especializadas na produção de embalagens de cartão. [6] <paper tube> . [3] <manufacturer of paper boxes> . similar ao SOM. grãos e outros produtos. rígido. Cartolina brístol <Bristol board> Cartão produzido com folhas coladas de papel de trapo. cosméticos.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .PVSE>. {b} Pequeno rolo de filme.[1] <boarding> Processo de fabricação de objetos de cartão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas determinada informação ou oferta. denominada miolo. [2] <bookbinding> .Saco de papel. Termo alternativo: <paper tube>. com ou sem adição de caulim. com adição de aparas recicladas. pronto para ser encaixado no magazine de uma câmara fotográfica. colado com boca aberta <pasted open-mouth . sendo a camada superior. [3] <cartridge> {a} Mídia magnética para armazenagem de dados digitais. pastas etc. para facilitar o preenchimento.[1] <bag> . <pasted-valve stopped-end . Ver também: Magazine <camera magazi-ne>. <folding carton>.

Catálogo .Substância que tem a propriedade de alterar a velocidade de uma reação química entre duas substâncias sem alterar a sua própria composição química. quando cheios. <pinch-bottom open-mouth PBOM>. fornecedores. Termo alternativo: caroço de tinta. e são muito utilizados para acondicionar produtos agrícolas e alimentícios (açúcar.Papel de baixa gramatura.Dispositivo que aplica uma camada de revestimento à superfície do papel-base e pressiona-o contra a superfície de um cilindro polido. sais). Catalisador <catalyst> . porém diferente da textura do papel casca de ovo. Casca de ovo <eggshell finish> . utilizado para correspondência aérea. Casca de laranja <orange peel> Tipo de marmorização que ocorre na impressão flexográfica. o empilhamento. rotogravura. fontes de tipos etc. Termos alternativos: <catalyzer>. cópia de documentos etc. Termo alternativo: <cast-coated paper>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas antes do envaze. o qual é feito através de uma pequena válvula. cuja textura lembra a casca da laranja. Os cartuchos são geralmente impressos em flexografia e rotogravura. Casca de cebola <onionskin> . fabricado com polpa química branqueada e 25% ou mais de fibra de algodão. {b} Proteína obtida do leite utilizada para produzir adesivos.{a} Material adesivo ou agente de colagem empregado no revestimento do papel cuchê. dotada de facas circulares que dividem a bobina em tiras. Ver também: Marmorização <mottle>. [2] <prefolder> . facilitando o transporte.[1] <catalog> . Cast coater . Termo alternativo: <color station>.Papel absorvente que apresenta brilho elevado e acabamento esmaltado produzido por secagem sob pressão contra a superfície de um cilindro polido e aquecido.Defeito de impressão causado por uma partícula de tinta seca que adere à superfície da chapa ou da blanqueta ofsete e reproduz a sua própria imagem circundada por um halo branco.Aplicar o revestimento num papel empregando um cast coater. com fundo pregado e colado. químicos (fertilizantes.Papel revestido que apresenta uma textura relativamente áspera imitando a casca do ovo. agentes de colagem e ligantes em dispersões de pigmentos. Cast-coated . Casca de tinta <ink hickey> . material de construção (cimento). localizada antes da dobradeira.Cada um dos conjuntos impressores de uma impressora multicor. metalográfica e serigráfica. arroz etc. Ver também: Pinta <hickey>. a estocagem e a impressão de dados variáveis. geralmente organizada em or- 166 . livros. causada por desuniformidade de espessura do filme de tinta. Os secantes das tintas ofsete são catalisadores que aceleram a reação de óxido-polimerização.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . café. e barras angulares que tombam e combinam as tiras conforme a ordem de paginação dos cadernos. Caseína <casein> .Parte da dobradeira de uma impressora rotativa. a fim de promover a secagem do revestimento e conferir brilho elevado ao papel. Cast coat .).Tipo de papel caracterizado por acabamento rugoso. os cartuchos PVSE têm formato quadrado. Ver também: Unidade de impressão <printing unit>. Casca de ovo antigo <eggshell antique> .[1] <deck> . envazado e colado com hot-melt na boca. minerais (caulim) etc.Lista de produtos. geralmente com acaba-mento especial. Castelo . intermediário <intermediate>..

matéria etc. Termo alternativo: papel celofane <cellophane paper>. que pára a impressora quando o aparelho deixa de alimentar folhas. [2] <title entry> . {b} Instrumento de detecção e medição que produz um sinal elétrico relativo ao estímulo de luz que atinge o elemento sensor. Catálogo-dicionário <dictionary catalog> . em janelas de envelopes. Caucho <caoutchouc> . das obras existentes em uma biblioteca.Lasca de madeira da qual se extrai as fibras de celulose usadas na fabricação do papel. Celulose <cellulose> .Polímero natural. Ver também: Pergaminho vegetal <vegetable parchment>. branco e fino. Abreviatura: (cat).{a} Dispositivo que converte a luz em corrente elétrica.Ver: Blanqueta <blanket>. compilador ou tradutor. Ver também: Fibra de celulose <cellulose fiber>. detector de quebra de bobina. Caulim <kaolin> . semelhante ao papel.Livro ou brochura contendo entradas listadas por assunto. editor. <kaolin clay>. Celofane para estampagem a quente <cellophane for hotstamping> . autor. e outros. assuntos etc. {b} Material natural. Célula fotoelétrica <photoelectric cell> . em embalagens etc. que constitui o principal componente das paredes das células das fibras da madeira e outros vegetais utilizados na fabricação do papel.. 167 v a qualidade do papel depende diretamente do tipo e do conteúdo de ce- . Cavaco <chip> .{a} Substância inorgânica utilizado como pigmento branco na formulação de tintas tipográficas e rotogravura. que pára a impressora ou não permite a partida da impressora quando uma guarda de proteção está aberta. Catálogo de assuntos <subject catalog> .Folha metalizada ou pigmentada usada na estampagem de textos ou desenhos em capas de livros. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas dem alfabética por título. Termos alternativos: fiscal. Catálogo de autor <author catalog> Livro ou brochura cujas entradas são listadas por autor. fotocélula <photocell>. <kaoline>. v as fotocélulas são utilizadas em diferentes dispositivos de segurança e controle de equipamentos de impressão e acabamento. Termos alternativos: <china clay>.Filme de nitrocelulose transparente. como por exemplo: detector de falha de alimentação. Termo alternativo: catálogo bibliográfico. autores. Catálogo de títulos <title catalog> Catálogo cujas entradas são listadas por título. de estrutura complexa.Ver: Catálogo <title entry>. Celofane <cellophane> . detector de segurança. são também utilizadas em fotômetros para indicar a proporção de intensidade da luz incidente. que pára a impressora quando a tira de papel se rompe. nos processos flexográfico e rotogravura como suporte de impressão de embalagens flexíveis. Termo alternativo: <catalogue>.Lista de títulos de livros. Catálogo bibliográfico .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . empregado no processo de plastificação como agente de alisamento do polietileno. utilizado como carga na fabricação de papéis e tintas de impressão ou como pigmento da camada de papéis e cartões. {c} Componente do fotômetro que gera uma corrente elétrica quando estimulado pela luz que nele incide. impermeável.Catálogo bibliográfico organizado em ordem alfabética por títulos. geralmente organizada em ordem alfabética.

Ver também: Teste da cera <wax test>. {g} Superfície fotossensível sobre a qual a luz que atravessa as lentes de uma objetiva imprime uma imagem. a qual textos e imagens são gravados.Problema que ocorre durante a impressão ofsete devido a perda de receptividade à tinta das áreas de grafismo da chapa.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . resultando em papéis com diferentes características. Ceras Dennison <Dennison wax> Conjunto de bastões de cera de pegajosidade graduada empregado na avaliação da resistência superficial de papéis nãorevestidos. {h} Com-posição tipográfica já corrigida e devidamente preparada para imprimir. revelados fotograficamente ou desenhados. {l} Cada uma das folhas metálicas que compõem um painel.Pequeno dispositivo do alimentador de uma impressora ofsete plana ou dobradeira. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas lulose. que são removidas quimicamente no processo de produção da pasta. recoberta num dos lados com uma emulsão sensível à luz. o comprimento e a forma das fibras variam conforme o tipo de madeira. papel etc. elevador da entrega <delivery hoist>. conforme a tinta e a solução de molhagem emulsionam-se. Imagem cega <blind image>.{a} Folha de vidro. plástico. metal. esta última é arrastada para as áreas de grafismo da chapa tornando-as dessensibilizadas e receptivas à solução . {f} Molde utilizado para fazer a douração de capas de livros encadernados numa prensa de douração. cegueira de chapas litográficas <blinding of lithographic plates>. v os cepilhos podem ser constituídos de cerdas metálicas ou de fibras sintéticas. Cepilho <finger> . o algodão constitui a forma mais pura da celulose e. plástico ou metal. a madeira contém hemicelulose e lignina. papel etc. burilados.. localizado próximo dos cantos da contrapinça das folhas. Ver também: Cegueira de goma <gum blinding>. Termos alternativos: <separator brush>. que. {e} Ilustração de página inteira. a fim de evitar a alimentação de folhas duplas.Fôrma estereotípica utilizada especialmente na impressão de jornais semanais. Chapa . {i} Lâmina metálica em que são reproduzidos os originais para a impressão em ofsete. Termos alternativos: <blind plate>. Teste das ceras Dennison <Dennison wax test>. a fim de aumentar a qualidade do papel.Plataforma localizada na entrada e na saída de uma impressora ofsete plana. moldados. quando entintada. Termos alternativos: elevador da alimentação <infeed hoist>. recebe a gravação.. <separator finger>.[1] <boiler plate> . {d} Impressão obtida a partir dessa chapa. além da celulose. [2] <plate> . sobre a qual as folhas são empilhadas. Chapa abaixa-folhas <hoist> . {c} Folha plana ou curva de metal. Ver também: Matriz <matrix>. cuja função é separar a primeira folha da pilha. a madeira contém cerca de 50% a 90% de celulose em peso. {b} Lâmina flexível de papel. sobre a qual se faz a copiagem por processos fotomecânicos do grafismo a ser impresso e utilizada como matriz em diversos processos de impressão. Chapa cega <plate blinding> . coberta com uma emulsão fotossensível utilizada para tirar fotografia. é utilizada para imprimir. após preparação especial. portanto é empregada na produção dos melhores papéis. {j} Lâmina metálica que. {k} Cada uma das fotos originadas de um filme fotográfico. sobre 168 v a cegueira ocorre principalmente devido ao baixo pH ou à excessiva concentração de goma-arábica presente na solução de molhagem.

Chapada <spread> .Cobrir completamente o papel com tinta (100% de ponto).Invasão de tinta nas áreas de contragrafismo da chapa ofsete quando esta é insuficientemente umedecida pela solução de molhagem. Ofsete seco <waterless>. [2] <dry-up> .Succionadores do dispositivo de alimentação de uma impressora ofsete ou máquina de acabamento que promove o avanço das folhas em direção à mesa de alimentação. Chupeta <suction cup> .[1] <block color> . [2] <solid> . China . sem gradações ou nuanças e com maior densidade e opacidade do que as áreas reticuladas. Termo alternativo: <driography plate>. Termo alternativo: <sucker>.Ver: Papel da China <China paper>.Chapa de impressão planográfica. Ver também: Barra de sucção <suction bar>.[1] <dry plate> . Termos alternativos: en-tupimento <catch-up>. Chapa seca . subtrativa.Cor impressa com 100% de ponto. <plate dry up>. Ver também: Espelhado <double spread>. <suction feed>. Chapa pré-sensibilizada <presensitized plate> . recoberta com uma camada de borracha siliconada repelente à tinta. negativa ou positiva. 169 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de molhagem. isto é. papel ou material plástico fornecida com a camada fotossensível já aplicada e pronta para a copiagem a partir de filme positivo ou negativo. Chupetas de avanço <forwarding suckers> . Chapa de gofragem <embossing plate> . Termo alternativo: <presensitized printing plate>. a fim de produzir uma cor saturada.Tipo de chapa ofsete pré-sensibilizada. fabricada com uma base de alumínio anodizado (contra-grafismo) revestida com uma camada de poliéster (grafismo). Chapa positiva seca <waterless positive plate> . [3] <waterless plate> .Ver: Ciano <cyan>.Página dupla de jornal ou revista contendo um só anúncio ou uma única ilustração. especialmente desenvolvida para o processo de impressão sem água.Ventosa da barra de sucção do sistema de alimentação de uma impressora ofsete plana ou de uma dobradeira de bolsa cuja função é separar a primeira folha da pilha de papel e fazê-la avançar em direção à mesa de alimentação. Ciã .Cor impressa sólida.Folha de metal. Ver também: Elemento sólido de imagem <solid image element>. v [3] as chapas secas são fabricadas com camadas de materiais que produzem um diferencial de energia superficial entre as áreas de grafismo (oleófilas) e as áreas de contragrafismo (oleofóbicas).Chapa fotográfica de vidro coberta com uma emulsão gelatinosa fotossensível de brometo de prata e iodeto de prata.Ver: Chapa ofsete de alumínio <aluminum offset plate>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <plate catch up>. Página dupla <double-page>. Ver também: Gofragem <embossing>. Sólido <solid>. Chapa negativa seca <waterless negative plate>. a qual é removida das áreas de grafismo durante o processo de revelação. Chapa de impressão ofsete <offset printing plate> . em certas áreas de uma reprodução. Ver também: Chapa digital <digital plate>. Chapado . a fim de formar uma textura em relevo no processo de gofragem. Estendido <spread>. Chapar <to print solid> .Placa gravada contra a qual o papel é pressionado.

. assim.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . nas impressoras rotativas blanqueta–blanqueta o acerto de altura das blanquetas é crítico. cilindro da blanqueta e cilindro de contra-pressão. os quais depositam tinta sobre as áreas de grafismo da chapa.Cilindro intermediário de uma impressora ofsete que comporta a blanqueta e a coloca em contato com a chapa e o suporte de impressão.{a} Cor azulesverdeada. nas impressoras multicor todas as chapas devem ser acertadas para o mesmo diâmetro.Composto cianogênico contendo um radical. em torno do qual as chapas flexográficas são montadas. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Cianeto <cyanide> . Cilindro da chapa <plate cylinder> {a} Cilindro de uma impressora ofsete que comporta a chapa de impressão e a coloca em contato com os rolos molhadores. Cilindro anilox . a finalidade das guias é permitir acertar com precisão a altura da chapa e. para transferir a imagem entintada. com os rolos entintadores. ciã. {b} Pigmento que tem a propriedade de refletir as componentes azul e verde e absorver o vermelho de uma radiação branca incidente. a ser transferida para o papel numa impressora ofsete. v as impressoras de grande precisão são configuradas com cilindros dotados de guias (anéis) localizadas nas extremidades do corpo do cilindro. e com a blanqueta. Cilindro da blanqueta <blanket cylinder> . {c} Tambor de uma impressora tipográfica planocilíndrica. a finalidade das guias é permitir acertar com precisão a altura da blanqueta e. proporcionar uma pressão de contato consistente com a chapa e com o suporte de impressão. de uma máquina de fabricar papel. complementar ao vermelho que. Cilindro <cylinder> . todas as unidades de uma impressora multicor devem ter as blanquetas acertadas para o mesmo diâmetro. liso ou recartilhado. de modo a transferir a imagem entintada da chapa para o suporte. a fim de garantir o registro de cores. compõe o conjunto de cores primárias subtra-tivas das tintas usadas nos processos de impressão em cores. cian. geralmente cianeto de potássio. Termos alternativos: azul de escala (erroneamente empregado). 170 v {a} as impressoras ofsete de grande precisão são configuradas com cilindros dotados de guias (anéis) localizadas nas extremidades do corpo do cilindro. localizado entre o rolo anilox e o cilindro de contrapressão de uma impressora flexográfica.{a} Tambor dotado de uma barra de pinças que prendem a borda das folhas. {b} Cilindro metálico. {d} Tambor. {c} Cor secundária derivada da combinação de luzes verde e azul na síntese aditiva. utilizado no processo de retoque rotogravura para reduzir o depósito de prata em emulsões positivas ou negativas. assim. Ciano <cyan> . a fim de garantir o registro de cores e a tensão uniforme da tira de papel. somada ao amarelo e ao magenta.Ver: Rolo anilox <anilox roller>. visto que o papel é tracionado de acordo com a pressão de contato entre as duas blanquetas. proporcionar uma pressão de contato consistente com os rolos molhadores e entintadores e com a blanqueta. Ver também: Cianográfica <blue printer>. azul de processo <process blue> (erroneamente empregado). conduzindo-as e pressionando-as contra a superfície da blanqueta que contém a imagem entintada. os quais aplicam uma fina camada de solução de molhagem nas áreas de contra-grafismo. de diâmetro variável. Ver também: Tambor <drum>. {b} Qualquer um dos tambores principais de uma impressora ofsete: cilindro da chapa.

na maioria das impressoras este cilindro pode ser movimentado. e executa o corte na outra extremidade da tira. o cilindro de contrapressão. ou magnético <magnetic>. a fim de promover a transferência da imagem entintada.Cilindro da dobradeira de uma impressora rotativa que comporta o apoio para a faca do cilindro de corte.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Cilindro da contrafaca <female cutting cylinder> . Termos alternativos: <backup roll>. Cilindro de gofragem <embossing cylinder> . este pode ser substituído por uma barra de pressão. cilindro de pressão. contra. que aciona a corrente de entrega e coordena a transferência das folhas impressas do cilindro de contrapressão da última unidade de impressão para a barra de pinças de entrega. cujo eixo pode ser removido. Termos alternativos: <knife cylinder>. utilizado para produzir um efeito tridimensional no papel por processos de estampagem rea- 171 v o cilindro de contrapressão das máquinas ofsete planas é o único que não possui guias. v nas impressoras flexográficas. tipo luva <sleeve>.Cilindro metálico gravado química ou mecanicamente. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas v {b} o cilindro da chapa de impressoras flexográficas pode ser inteiro <integral>. localizado após a última unidade de impressão. .Cilindro de uma impressora ofsete que transporta e pressiona o suporte de impressão contra a blanqueta. ou seja. a fim de evitar o acúmulo de tinta quando ocorre atravessamento do papel. pode ser comum a diversas unidades (satélite). Cilindro de entrega <delivery cylinder> . Ver também: Estereotipia curva <curved stereotype>. por meio de um conjunto de agulhas que perfuram a borda do papel. v o cilindro de corte da dobradeira tem diâmetro proporcional ao comprimento da tira de papel que irá formar cada caderno dobrado. Termo alternativo: cilindro esqueleto <skeleton cylinder>. construído numa única peça metálica.Dispositivo de saída de certas impressoras ofsete planas que reduz a flutuação do papel e elimina a maculatura através de sopro de ar controlado em ambos os lados da folha. Cilindro da faca <knife cylinder> Cilindro da dobradeira de uma impressora rotativa que comporta a faca de corte.Cilindro de certas impressoras ofsete. desmontável <demountable>. a fim de ajustar-se às diferentes espessuras dos suportes de impressão e manter a pressão de contato constante. sobre o qual a base metálica do clichê é presa através de magnetismo. Cilindro de contra . estacionária. Cilindro de corte <cutting cylinder> Cilindro da dobradeira de uma impressora rotativa que mantém a tira de papel esticada. cilindro de contra. aproximando-se ou afastando-se do cilindro da blanqueta. Cilindro de entrega sem tambor <drumless delivery cylinder> . nas máquinas configuradas em-linha.Ver: Cilindro de contrapressão <back cylinder>. Cilindro da fôrma <form cylinder> Cilindro de uma impressora tipográfica rotativa que comporta a telha. onde a superfície desliza sobre o corpo do cilindro e é fixa utilizando-se ar pressurizado. <male cutting cylinder>. cilindro pressor <impression cylinder>. cuja função é a mesma do cilindro de contra das máquinas ofsete. Cilindro de contrapressão <back cylinder> .

[3] <transfer drum> .Cilindro de uma impressora ofsete que transfere as folhas impressas da última unidade de impressão para as pinças dos tira-folhas.Cilindro de uma impressora ofsete que conduz o papel de uma unidade de impressão para outra.Cilindro de transporte de uma impressora ofsete plana cuja circunferência é o dobro da circunferência do cilindro da blanqueta. cilindro gofrador. Cilindro de transferência de duplo diâmetro <double-size transfer cylinder> . Cilindro de margeação <marginating drum> . Cilindro de transferência . Termo alternativo: cilindro de pinça. Cilindro de pressão comum <common impression cylinder> .Cilindro responsável pela impressão do verso das folhas numa impressora reversível.Ver: Cilindro de pressão comum <common impression cylinder>.Cilindro de gofragem <embossing cylinder>. Termo alternativo: cilindro de contrapressão <back cylinder>.Tambor que forma a folha 172 . Cilindro de relevo seco . é possível imprimir os dois lados do suporte alimen-tando-se uma bobina de meia largura numa das metades do cilindro. Cilindro de impressão <printing cylinder> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Ver: Cilindro de margeação <marginating drum>. Termos alternativos: cilindro de estampagem. Ver também: Prensa de gofrar <embosser>. Cilindro de retiração . Cilindro de pressão central <central impression cylinder> . o suporte é virado por um conjunto de barras diagonais e alimentado na outra metade do cilindro para a impressão do verso. Termo alternativo: cilindro de retiração.Ver: Cilindro de entrega <delivery cylinder>. servindo de apoio para o papel e pressionando-o contra as diversas blanquetas das unidades de impressão a um só tempo.Ver: Cilindro <cylinder>.Cilindro que pressiona o suporte contra a superfície entintada da matriz ou da blanqueta. favorecendo a liberação da contrapinça da folha. Abreviatura: (CIC). auxiliado por uma lâmina de dobra localizada no cilindro de transferência. após a impressão do primeiro lado.Ver: Cilindro de morcete <jaw cylinder>. Cilindro formador <wire-covered cylinder> . cilindro de relevo seco. Cilindro de pinça . Cilindro esqueleto <skeleton cylinder> . Termo alternativo: cilindro de pressão central <central impression cylinder>. a qual vinca o caderno na linha de dobra e o empurra em direção ao morcete. para a impressão frente-e-verso de bobinas de largura total são necessários dois conjuntos CIC. Cilindro de sucção . Ver também: Impressora reversível <reversible press>.Ver: Rolo de sucção <couch roll>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas lizados durante a fabricação do papel ou em prensas de gofragem. v na configuração CIC. os quais podem ser dispostos em-linha (tandem) ou remontados (vertical). Cilindro de morcete <jaw cylinder> Cilindro da dobradeira de uma impressora rotativa que executa a primeira dobra paralela do caderno. [2] <transfer cylinder> .[1] <sheet transfer cylinder> . Cilindro de pressão <impression cylinder> .Configuração de impressora ofsete rotativa que consiste de um único cilindro de contrapressão (tambor) comum a várias unidades de impressão.Cilindro que transporta as folhas para os cilindros de contrapressão numa impressora ofsete multicor.

localizados na seção de secagem de uma máquina de fabricar papel. em relação ao plano das áreas de contragrafismo. de modo a garantir o assentamento das tintas heatset. constituídas de pequenas células gravadas a ácido ou por processos eletromecânicos. Cilindro gofrador . Termo alternativo: <cooling rollers>.Ver: Holandesa <hollander>.Matriz de impressão rotogravura que apresenta as áreas de grafismo em baixo-relevo. alumínio ou material plástico que suporta a camada gravada. com os quais o papel contata al- 173 .Ver: Secador monolúcido <monolucid dryer>. e riscos ao contatar os elementos da dobradeira. o tipo luva exige que o eixo seja fixado ao ser montado na impressora. após a impressão. revestida com uma camada de cobre por processo de eletrodeposição.Ver: Cilindro de contrapressão <back cylinder>. após a gravação. caso não sejam resfriadas abaixo do seu ponto de amolecimento.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Cilindro pressor <impression cylinder> .Ver: Cilindro de contrapressão <back cylinder>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de papel numa máquina de fabricar papel cilíndrica. Tinta heatset <heatset ink>. autotípico ou semiau-totípico) ou eletromecânicos.Matriz de impressão rotogravura. Cilindro holandês . configurando todos os grafismos (traços e meios-tons) com pequenas células que são preenchidas com uma tinta fluida que é transferida por contato direto com o suporte de impressão. que são preenchidas com uma tinta líquida que é transferida por contato direto com o suporte de impressão. o cilindro-base é revestido com uma camada de cobre eletrodepositado em célula galvânica. Ver também: Impressora rotogravura <gravure printing press>. Cilindros resfriadores <chill rolls> Conjunto de cilindros localizado logo após o forno de uma impressora rotativa cuja função é resfriar o papel até que este alcance a temperatura ambiente (cerca de 32°C). podem penetrar profundamente no papel e causar problemas de transparência no impresso. v as tintas heatset são formuladas com resinas termoplásticas que fundem ao passar pelo forno. Termo alternativo: fôrma redonda. Cilindros secadores <drying cylinders> . o cilindro recebe uma camada de cromo. o resfriamento do papel acontece por troca de calor com água refrigerada que circula pelo interior dos cilindros resfriadores.Conjunto de tambores metálicos aquecidos.Ver: Cilindro rotogravura <gravure cylinder>. atravessamento para o outro lado do papel.Ver: Cilindro de gofragem <embossing cylinder>. Cilindro lustrador . Ver também: Cilindro rotogravura <gravure cylinder>. Ver também: Sistema de resfriamento <cooling system>. gravada em baixo-relevo por processos químicos (convencional. Cilindro impressor . Cilindro gravado <engraved cylinder> . a fim de aumentar a sua resistência ao atrito. a superfície é retificada e polida antes da gravação. o corpo do cilindro compreende uma base oca de aço. Prensa de gofrar <embosser>. as camadas de cobre e de cromo eletrodepositadas são removidas para aproveitamento do cilindro em outros serviços. v a configuração do cilindro rotogravura pode ser do tipo luva <sleeve> ou tipo eixo <shaft>. Cilindro rotogravura <gravure cylinder> . Cilindro-matriz .

a fim de acondicioná-los para transporte. Termos alternativos: <debris>. <specks>. v existem centenas de diferentes classes e subclasses de papéis. dotada de furos sob os quais existe um sistema de vácuo. peso.Operação de acabamento que consiste em envolver os estrados de papel. para a reprodução de imagens e textos em prensa tipográfica. {b} Medida do perímetro da superfície de um cilindro rotogravura. Classe de papel <paper grade> Ver: Classe <grade>. Ver também: Gris <gray>. Termos alternativos: <cut>. tipo. Cisalha .{a} Medida exata do comprimento de uma revolução completa de um cilindro rotogravura. tesourão <scissors>. Cinta de sucção <suction feedboard tape> .[1] <nibbling> Trabalho de cortar papelão para encadernação. cobre ou magnésio. [2] <gray> . a partir do formato. dentre as quais: bonde. Termo alternativo: secadores <dryers>. jornais etc. cuchê.Cor acromática resultante da combinação de proporções iguais das três primárias subtrativas: amarelo.[1] <ash> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Termos alternativos: eletrotipo <electrotype>. [2] <shear> .{a} Tira de papel utilizada na amarração de jornais. Circunferência do cilindro <cylinder circumference> . utilizada na impressão tipográfica. pergaminho. <photoengra-ving>.Corte produzido por uma lâmina afiada atuando perpendicularmente à superfície de uma resma de papel.. espessura e atributos de uso final. processo de fabricação.. [2] <nibbling shear> . Cinza . para manter as folhas estáveis durante o transporte em direção aos margeadores frontais. cartolina. advertência etc. contendo imagens ou textos gravados em relevo. com fitas de material plástico ou metálicas. <stereotype printing-plate>. Classe <grade> .Notação empregada para classificar papéis. <plate>. {c} Fotótipo de um negativo utilizado na produção de cópias fotográficas. Cinta de jornal <wrapper> .{a} Chapa metálica gravada em relevo contendo uma composição tipográfica ou uma imagem a ser impressa. Cintamento <belting> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas ternadamente os lados tela e feltro. estereotipo <stereotype>. Ciscos <dirt> . [3] <plate scissor> . capa. Clichê <cliche> .Guilhotina empregada para cortar matrizes de papelão. Termo alternativo: grau. composição. Ver também: Conteúdo de cinzas <ash content>.Tesoura usada para cortar papelão para enca-dernação. como a faca de uma guilhotina linear.Correia da mesa de alimentação de uma impressora ofsete plana. revistas. fixada em livros ou revistas lançados ou em promoção. a fim de reduzir o seu conteúdo de umidade. filmes e outros insumos gráficos. revistas. galvanotipo <galvanotype>. imprensa. {b} Chapa de zinco fotomecanicamente gravada em alto-relevo. expedidos por correio. Termos alternativos: <nibbling shears>. a traço ou a meio-tom. Cisalhamento .[1] <flong cutter> . manilha.. <shearing machine>. galvanotipia ou fotogravura. obtida através de estereotipia. {d} Chapa de zinco. ofsete e outros. livros etc.Pequenas imperfeições do papel causadas por partículas estranhas misturadas à massa durante a fabricação. magenta e ciano. jornal.Tesourão de encadernação.Resíduo mineral resultante da calcinação do papel. fotótipo 174 . {b} Faixa de papel impressa com propaganda.

vernizes. Ver também: Poder de cobertura <covering power>. Clube do livro <book club> .Rolo de papel ou pergaminho. {c} Camada à base de substâncias mi-nerais aplicada à superfície do papel ou do cartão. a fim de proteger e aumentar o brilho do produto. ou outros materiais sobre um suporte durante o processo de conversão. tornando-as impermeáveis ao banho de gravação. que consiste em remover a umidade. aplanar das folhas etc.Processo de preparação do papel para impressão. em impressora de computador. [3] <coverage> . [2] <scroll> . unidas pela lombada. rendimento de uma tinta <ink coverage>. {b} Pro-cesso de aplicação de ceras.Entintamento da superfície de um clichê.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Aplicação de uma camada mineral muito leve sobre o papel. {b} Quantidade de tinta ou verniz aplicado por unidade de área de um suporte de impressão. a impressão de textos é feita a partir de composição de tipos móveis ou de composição feita em linotipo. leis etc. Códice .{a} Acompanhamento de acontecimentos com finalidade jorna-lística.[1] <coating> . Climatização <climatizing> . Termos alternativos: poder de espalhamento <spreading power>. {f} Cada edição diária de um jornal.. Códex . magenta. {b} Operação de encadernação de um livro.[1] <codex> . {c} Obra antiga de autor clássico. Cobertura . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas <phototype>. a fim de evitar atolamento ou outros problemas de alimentação. Termo alternativo: código antigo. [2] <cover> Número de pessoas de uma determinada região atingida por um veículo de comunicação. {b} Registro ou compilação de manuscritos. Termo alternativo: <curling>. Termo alternativo: códex. Cobertura do clichê <lacquer resist coating> . adesivos. amarelo e preto.Área total coberta por uma determinada quantidade de tinta ou verniz. {e} Chapa metálica ou plástica gravada em baixo-relevo utilizada no processo de tampografia. [4] <covering> . v os clichês tipográficos são gravados a partir da exposição à luz de negativos reticulados. Termos alternativos: alcance. algumas vezes na prensa de colagem <size press> da máquina de fabricar papel. Ver também: Encapamento <covering>. Ver também: Rolo 175 . Termo alternativo: revestimento. [6] <mileage> . {e} Aplicação de vernizes especiais à su-perfície de impressos fotográficos ou fôrmas de impressão. a fim de proteger as partes que não devem ser atacadas pelo ácido. [5] <film coating> .{a} Material usado no revestimento da capa de um livro. de modo que apenas as áreas de grafismo deixam passar a luz que causa o endurecimento da camada fotossensível aplicada sobre a matriz. documentos históricos.{a} Clube que vende ou empresta livros aos seus membros. nas áreas de contra-grafismo a emulsão não exposta é penetrada pelo ácido que atinge o metal produzindo um baixo-relevo em relação às áreas de grafismo.{a} Antigo manuscrito cujas folhas.Ver: Códice <codex>. CMAP <CMYK> . antes de levá-lo ao banho de gravação.Ver: Produtos auxiliares <auxiliary products>. eram revestidas com uma capa semelhante à encadernação de hoje.{a} Filme contínuo de material transparente apli-cado a um suporte. Coadjuvante <coadjutant> . Termo alternativo: <wash coating>.Conjunto de quatro cores das tintas de impressão: ciano. {d} Processo de aplicação de uma camada fotossensível sobre a superfície de uma chapa de impressão. {b} Clube organizado para discussão e recenseamento de livros. circulação <circulation>.

Equipamento de acabamento que faz a colagem das abas de caixas de cartão. visto que pode causar problemas de leitura ou. a leitura pode ser errada. {b} Dispositivo empregado para aplicar uma fina linha de cola em um ou ambos os lados de uma folha ou tira de papel. por isso. [3] <gluer> .[1] <envelope pattern gluer> .Formato de código de barras amplamente utilizado no segmento editorial de revistas e de embalagens.Ver: Módulo de elasticidade <modulus of elasticity>. pior. fragrân-cias e outros materiais ao produto impresso a partir de clichês em alto-relevo montados num cilindro. Abreviatura: (UPC). Coesão interna <internal cohesion> Ver: Tack <tack>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas <scroll>. chamadas de meia-encadernação.{a} Código impresso constituído de linhas paralelas de espessura variável contendo informações (identificação do produto. Ver também: Talonagem <padding>.) que podem ser lidas por um scanner eletrônico. Termo alternativo: <splicer>. Ver também: Emendador dinâmico <flying paster>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Acessório acoplado à dobradeira de uma impressora rotativa cuja função é aplicar um adesivo ao papel. Coeficiente de reflexão <coefficient of reflection> . [4] <gluing machine> . {b} Sistema binário de codificação baseado em séries numéricas e barras de espessura e posição variáveis que podem ser lidas por equipamentos de reconhecimento óptico de caracteres (OCR). a cola é aplicada por um bico estacionário conforme o papel passa sob ele. Termo alternativo: colador. sem o uso de grampos. Cola de talonagem <padding glue> Adesivo flexível utilizado na confecção de blocos de papel. o filme master deve ser compen-sado em função das variáveis de cada processo de impressão.Ver: fator de reflexão <factor of reflection>. Código universal de produto <universal product code> . antes da fixação da capa. Coladeira . preço etc.Dispo-sitivo acoplado a uma dobradeira que aplica adesivo ao suporte.Acessório de certas impressoras rotativas cuja função é aplicar adesivos.Dispositivo de uma linha de encadernação que aplica adesivo à lombada de um livro ou revista. {c} Emendador automático de bobinas de uma impressora rotativa. Coeficiente de elasticidade <coefficient of elasticity> . a fim de produzir folhetos acabados diretamente numa dobradeira. estes evoluíram para encadernações de folhas individuais coladas e protegidas com pranchas de madeira que formavam as capas da frente e do verso. Código de barras <bar code> . [2] <glue-off machine> . . Ver também: Código de barras <bar code>. v [1] os primeiros códices eram constituídos de folhas de papirus ou pergaminho enroladas em bastões de madeira presos nas duas extremidades. O código de barras pode ser usado para o rastreamento de trabalhos em produção e para a identificação de embalagens. [6] <remoistenable pattern gluer> .{a} Dispositivo aplicador de adesivo. [5] <paster> . alterando o valor de uma mercadoria ou o controle de estoque. 176 v a qualidade de impressão do código de barras é crítica. Ver também: Caractere óptico <optical character>. Coladeira de caixas <folding box gluer> .Aparelho que aplica cola à lombada de livros e revistas encadernados em lombada quadrada. Emendador estacionário <zero-speed splicer>. Termo alternativo: código universal de produto <universal product code>.

Operação de acabamento que consiste em colar um retângulo de celofane ou plástico translúcido na parte interna do recorte aberto na frente de um envelope. Colagem interna <internal sizing>. a fim de aumentar a resistência da costura.Processo de colagem de encarte sobre uma folha impressa em separado. [3] <gluing off> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Colado . [2] <gluing> . Colagem de caixas de papelão <box gluing> . sofrendo amarelamento e redução de suas propriedades de resistência mecânica com o tempo.Técnica de composição de trabalho de arte que con-siste em combinar. {b} Inserção digital de um bloco de texto num documento.Diz-se de um papel tratado com produtos que promovem certa impermeabilidade à água. Colagem a frio <cold gluing> . [2] <sized> .[1] <collage> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . tais como: maior alvura. Ver também: Colagem alcalina <alkaline sizing>. Termo alternativo: <hardsize>. [2] <tipping on> . Colagem ácida <acid sizing> .[1] <tipping in> .Processo de colagem que emprega adesivo frio. feita com cola de breu e sulfato de alumínio. maior estabilidade dimensional e melhor printabilidade. Montagem <montage>. numa única base. v o papel produzido com colagem alcalina tem maior permanência do que o papel ácido.Processo de impermeabilização controlada do papel de impressão. cujo propósito é causar a penetração do adesivo entre os cadernos. para prender as folhas de um livro ou revista fresada na lombada. Teste de colagem por imersão em água <water immersion size test>. aos óleos e a outros fluidos. prensagem e refile trilateral. Colagem de encarte .Processo de colagem de encarte dentro de uma folha impressa em separado. diversas figuras. ou em outro bloco de texto.{a} Estágio da encadernação. Colagem . a fim de reduzir a absorção de líquidos.{a} Tratamento interno e/ou superficial de um papel com produtos químicos. {b} Emprego de adesivo no processo de aplicação de ouro folhado ou cores às capas de livros. {b} Processo de aplicação de uma camada de adesivo à lombada de um livro a ser encadernado.Diz-se de um papel que recebeu intensa colagem interna. além de outras propriedades. Ver também: Colagem <sizing>. tal como PVA. Ver também: Fotomontagem <photomontage>. v o papel produzido com colagem ácida tem menor permanência do que o papel alcalino. Colagem de janela em envelope <envelope window gluing> .{a} Processo de aplicação de adesivo para unir dois materiais. Ver também: Colagem ácida <acid sizing>. Colagem do corte <edge gluing> 177 .Processo de juntar ou colar duas superfícies com adesivo.[1] <hard-sized> . em sistemas de editoração ou processamento de texto. selar as fibras superficiais e aumentar a resistência da superfície. a fim de promover resistência à água. feita com colas sintéticas e carbonato de cálcio. [4] <pasting> . após a costura. mas anterior ao arredondamento e fixação da lombada de um livro de capa dura. maior opacidade. a fim de formar um con-junto. a fim de reduzir a absorção de líquidos. Termo alternativo: <back gluing>.Operação de acabamento que consiste em colar as abas de uma caixa de cartão. [5] <sizing> . Colagem alcalina <alkaline sizing> Processo de impermeabilização controlada do papel de impressão. Ver também: Resina de colagem <rosin sizing>.

Processo de aplicação de cola aos cadernos externos de um livro. durante a encadernação. Colagem externa <external sizing> O mesmo que colagem superficial. Termo alternativo: adesão interna.[1] <edge gluing> . determinado a extensão na qual o papel sofre deformação sob pressão no momento da transferência da tinta da chapa ou da blanqueta para a sua superfície. Cometa <comet> . resiliência e rigidez. durante a fabricação. brochuras etc.Processo de aplicação de uma faixa de adesivo nas laterais do livro. [2] <to size> . Colchão de impressão <printing cushion> . continuamente e em alta velocidade.Ver: Lesma <slug>. a fim de prender a capa. brochuras etc. Colagem superficial <surface sizing>. esses fatores são determinados pelo grau de refinação e calandragem durante a fabricação. uma camada de substância à base de amido. a rigidez e o acabamento superficial do papel. Proteína de soja) à superfície do papel. Colagem lateral . a fim de aumentar a resistência à água. Termos alternativos: colagem externa <external sizing>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Processo de aplicação de adesivo na borda refilada correspondente à lombada dos cadernos de um livro ou revista. numa impressora rotativa. caseína. na impressão de encartes de revistas. Termo alternativo: subida de cola. <tub-sizing>. próximo da lombada.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Aplicação de ligantes (amido. Ver também: Cola-gem <sizing>. venda e troca de obras impressas.Aplicar sobre a superfície de um papel. revistas. 178 .[1] <surface sizing> . Colagem superficial .Comando do menu Editor que coloca o conteúdo da área de transferência no local do ponto de inserção indicado na tela do monitor do computador. Termo alternativo: <beater sizing>. Ver também: Área de transferência <clipboard>. Ver também: Colagem <sizing>. Colagem interna <internal sizing> Processo de incorporação de um agente de ligação à massa do papel. a fim de aumentar a sua resistência interna e reduzir a penetração de líquidos.Conjunto de propriedades de um papel de impressão que combina compressibilidade. realizado na própria impressora. e sua capacidade de retornar às dimensões originais quando a força de compressão cessa. [2] <side gluing> . Colar . Colagem interna <internal sizing>. catálogos.Processo de adição de ligante ao papel durante a fase de formação da folha. Resistência à água <water resistance>. a ancoragem da tinta. venda de livros.Processo de colagem das folhas de um caderno realizado na própria máquina. catálogos. Ver também: Colagem superficial <surface sizing>. por meio de um aplicador de adesivo adaptado ao funil da dobradeira de uma impressora rotativa. na impressão de encartes.[1] <to paste> . a fim de conferir-lhe maior resistência aos líquidos com os quais entra em contato durante a impressão. Colagem em máquina <press pasting> . Comércio de livros <bookselling> Negócio de compra. na prensa de colagem da máqui-na de fabricar papel. Termos alternativos: <book-trade>. Colar por pontos <to spot glue> Aplicar adesivo ao longo da linha de dobra de uma bobina de papel. a resistência ao arrancamento. [2] <top-sizing> . Colagem por pontos <spot gluing> Processo de aplicação de adesivo ao longo de uma bobina de papel.

Aditivo de tintas ofsete que forma uma camada protetora no filme de tinta impresso. em função da sua densidade aparente. Compressibilidade da blanqueta <blanket compressibility> . Composto deslizante <slip compound> . antes de 179 . Ver também: Voagem <misting>.Processo que consiste em ambientar o papel até que a sua temperatura se iguale à temperatura da sala de impressão.Propriedade que designa a extensão na qual a espessura de uma blanqueta ofsete é reduzida quando pressionada.Cera adicionada a uma tinta ofsete para aumentar a sua viscosidade. do grau de refinação. [3] <shingling> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Compensação . Ver também: Direto para o suporte <direct-to-print>.Ajuste feito durante o processo de manipulação de uma imagem para compensar as distorções dimensionais causadas por erro de escaneamento. que permite reproduzir um arquivo de dados de descrição de páginas diretamente sobre um suporte de impressão. em outras palavras. previamente montada no cilindro da impressora. sem a necessidade de chapas.Sistema eletrônico de editoração acoplado a uma impressora digital. Rigidez <hardness>. a fim deixá-lo em equilíbrio com a temperatura e a umidade relativa da sala de impressão. Termo alternativo: antidecalque. Ver também: Maciez <softness>. Termo alternativo: agente deslizante.Técnica de montagem que consiste em deslocar as páginas dos cadernos externos de um produto encadernado em lombada canoa em direção à lombada. de modo que. a fim de reduzir a fluidez e evitar que esta espirre da rolaria. Ver também: Pó antidecalque <antisetoff spray>. ou acelera a secagem. do conteúdo de umidade e da calandragem ou supercalandragem.[1] <compensation> Republicação de anúncio que circulou com problemas na edição anterior de um veículo impresso. a fim de compensar o empuxo. evitando o contato com o verso de outra folha na pilha de entrega da impressora. Computer-to-print .Aditivo de uma tinta de impressão que reduz o atrito do filme de tinta impresso. [2] <de-skewing> . após o refile trilateral. Resiliência <resiliency>. que permite reproduzir um arquivo de dados de descrição de páginas diretamente sobre uma chapa de impressão especial.{a} Propriedade que expressa a extensão na qual a espessura de uma blanqueta ofsete é reduzida quando submetida à pressão de impressão. Composto antidecalque <antisetoff compound> . Composto encurtador <shortening compound> . sem cobrança de inserção. Compressibilidade <compressibility> . Condicionamento <conditioning> Operação preliminar à impressão que consiste em expor o papel a uma atmosfera que apresente características adequadas de temperatura e umidade relativa. encurta a tinta. todas as páginas apresentem o mesmo alinhamento da mancha.Sistema eletrônico de editoração acoplado a uma impressora digital. a alteração da espessura de uma blanqueta submetida a uma determinada carga. Computer-to-press . dotado de um programa de imposição. {b} Propriedade que designa a extensão na qual o papel perde espessura por ação da pressão de impressão. dotado de um programa de imposição.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Direto para a impressora <direct-topress>. Condicionamento de temperatura <temperature conditioning> .

Ver: Estabilizar <to stabilize>. Termos alternativos: condutância <conductance>. sob as quais o papel e a tinta de impressão devem ser condicionados e analisados. a fim de garantir a estabilidade do papel durante o processo de impressão.Ver: Condutividade <conduc-tivity>.Operação que consiste em ambientar o papel até que este atinja a condição de equilíbrio de temperatura e umidade relativa com o ar da sala de impressão.Condições ambientais. Símbolo: s. visto que têm a propriedade de conduzir corrente elétrica. Condicionamento do papel à umidade <paper humidity conditioning> . Condicionar <to condition> . .Propriedade da solução de molhagem ofsete de conduzir eletricidade. v v a condutividade da solução de molhagem é expressa em micromhos (inverso de ohms) ou micro Siemens (µS) e constitui um dos fatores mais críticos que governam o equilíbrio água–tinta durante o processo de impressão ofsete. Condução da bobina <web lead> Procedimento de passagem do papel em bobina através de uma impressora rotativa. 180 v a solução de molhagem ofsete é constituída de sais e ácidos que se dissociam em cátions e ânions quando dissolvidos em água. Condutância específica <specific conductance> .Processo que consiste em ambientar o papel. isoladamente. desde o suporte de bobinas. Termo alternativo: condutivímetro. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas remover-lhe a embalagem de proteção. Condutividade <conductivity> Propriedade de soluções aquosas (eletrólitos) de conduzir eletricidade. Condutividade da solução de molhagem <fountain solution conductivity> . da temperatura e da pureza do ar da sala de impressão. Condutância <conductance> . através das unidade impressoras. Condições padronizadas de teste <standard testing conditions> . expressando os valores em micro Siemens (µS). Condutância elétrica <electric conductance> .Termo empregado para denotar as condições de temperatura e umidade relativa do ar ambiente da sala de impressão. Condições ambientes <ambient conditions> . oficialmente reconhecidas. Condicionamento do papel <paper conditioning> .Ver: Condutividade <condu-ctivity>.Controle simultâneo da umidade relativa. até a dobradeira. a conduti-vidade da solução indica a concentração destas substâncias em meio aquoso e.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . o padrão TAPPI para testes de papel estabelece: 50% de umidade relativa e 22. através da qual se pode medir a sua concentração durante o processo de impressão.Ver: Condutividade <conductivity>. condutância específica <specific conductance>. Termo alternativo: passagem do papel. Condutímetro <conductometer> Equipamento que se presta a medir a condu-tividade da solução de molhagem ofsete. constitui o meio mais eficiente de controlar as variações que ocorrem durante o processo de impressão. condutância elétrica <electric conductance>. a fim de equilibrar o ser conteúdo de umidade com a umidade atmosférica. estes são chamados de eletrólitos.8°C. Ver também: Condutividade <conductivity>. Condicionamento do ar <air conditioning> .

é garantida por um cilindro de contrapressão.Ver: Condutímetro <conductometer>. estrias de rolos e variações de cor durante a impressão. condutividade baixa ocasiona problemas de velatura. a pressão de impressão.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . v algumas impressoras rotativas ofsete com essa configuração imprimem apenas um dos lados do suporte e são utilizadas para imprimir rótulos.Árvores. embalagens metálicas etc. Condutivímetro . Ver também: Impressora frente-e-verso <perfecting press>. 181 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas varia-ções de condutividade superiores a ± 200 µS tornam muito difícil manter o controle da alimentação de tinta e de solução de molhagem. condutividade elevada provoca problemas de cegueira de chapa. a condutividade da solução de molhagem é avaliada com equipamentos chamados condutímetros. Termo alternativo: <confetti>. Impressora reversível <reversible press>. Ver também: Decíduas <deciduous>. a pressão de contato entre o suporte e a blanqueta.Arranjo de máquina impressora em que as diversas unidades de impressão encontram-se dispostas em fila. emulsionamento excessivo. entupimento de pontos e manchas no produto impresso. como o pinheiro (madeira mole). à superfície de impressão. etiquetas. o suporte é impresso num dos lados e só após a secagem das tintas o segundo lado é impresso.Arranjo de máquina impressora em que as diversas unidades de impressão encontram-se dispostas em torno de um grande cilindro de contrapressão comum. uma servindo de contrapressão para a outra. papel de presente etc. Ver também: Impressora CIC <common-impression cylinder press>. mais o suporte que passa entre as duas blanquetas. nesse caso.Quantidade de tinta ou verniz gasta para imprimir uma certa quantidade de folhas ou cadernos. expressa em quilos por milheiro. Configuração frente-e-verso <per- v as impressoras rotativas com essa configuração são geralmente dedicadas à impressão de listas telefônicas. de onde se obtém celulose de fibra longa utilizada na fabricação de papel. fecting configuration> . Coníferas <coniferous trees> . de modo a contatar uniformemente a imagem entintada da matriz de impressão ou da blanqueta ofsete. sob pressão.Pequeno disco de papel resultante da perfuração no pro-cesso de encadernação com espiral ou outro método de encadernação mecânica.Arranjo de máquina impressora em que os dois lados do suporte são impressos numa única passada pela impressora. principalmente no segmento editorial de jornais. Confete <chad> . Consumo <mileage> . v a maioria das impressoras ofsete planas apresenta configuração em-linha. ou conforma-se. ou seja. a pressão de impressão se dá pelo contato entre as blanquetas das unidades inferior e superior. exceto nas máquinas reversíveis que imprimem ambos os lados do suporte numa única passada pela impressora. livros e revistas. v a maioria das impressoras rotativas ofsete apresenta essa configuração. Configuração satélite <satellite configuration> . e geralmente são equipadas com uma rebobinadeira no lugar da dobradeira. Conformabilidade <conformability> Extensão na qual a superfície do papel muda o seu contorno. Configuração em-linha <in-line configuration> .

Termos alternativos: <paper counter>. Ver também: Poder de cobertura <covering power>. podendo ser zerado no início da nova tiragem. <mesh counter>. Termo alternativo: relógio eterno. poeira etc. <sheet counting machine>. descontadas as perdas. Termo alternativo: <prekissing>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Contagem <counting> . cadernos ou unidades produzidas.. geralmente expressa em toneladas. Contador não-totalizador <nontotalizing counter> . não podendo ser zerado.Mecanismo de uma impressora ou máquina de acabamento que indica o número de unidades produzidas. na água ou na terra. jornais.Mecanismo de uma impressora ou máquina de acabamento que indica o número total de unidades produzidas desde o início de operação do equipamento. 182 v nas impressoras ofsete planas. Contaminação da blanqueta <blanket contamination> . Consumo de papel <paper consumption> . Termos alternativos: lente de aumento <magnifying glass>. lupa <loupe>. Contador de folhas <sheet counter> Equipamento que faz a contagem de uma pilha de folhas impressas.Acúmulo de partículas provenientes do papel na superfície da blanqueta ofsete. causada pelo tack da tinta. resultando em duplagem. Termo alternativo: rendimento de uma tinta <ink coverage>. química. o papel pode contatar prematuramente a blanqueta devido à vibração da tira entre duas unidades de impressão. Contador totalizador <totalizing counter> . Contador-empilhador <counterstacker> . como o cartão.Equipamento de acabamento dotado de um mecanismo que coleciona e empilha cadernos. <thre- ad counter>. a qual tende a voltar à condição plana depois de ser envergada pelo cilindro de contrapressão. pode ocorrer contato prematuro durante a impressão de suportes pesados. v nas impressoras rotativas ofsete. incluindo as perdas. chapas de impressão e provas impressas. Contato prematuro <pre-kissing> Contato do papel com a blanqueta ofsete antes de alcançar o ponto de impressão <nip>. utilizada para examinar filmes reticulados. no momento em que a contrapinça da folha se aproxima do ponto de impressão. Contaminante do ar <air contaminant> .Trabalho ou operação de contar linhas. devido à rigidez da folha. Contaminante <contaminant> Qualquer matéria ou substância física.Qualquer tipo de partícula suspensa no ambiente da sala de impressão. pó antidecalque. inserindo pequenas tiras de papel a cada quantidade pré-determinada. que pode contaminar a tinta e prejudicar a qualidade do impresso.Pequena lente de aumento montada a uma distância acima da base igual à distância focal da lente. livros. tal como: pó de papel. folhas. biológica ou radiológica que tem efeito adverso no ar. em quantidades pré-determinadas. Conta-fios <linen tester> . Ver também: Ampliador <magnifier>. incluindo o desperdício e o estrago. a ponto de prejudicar a qualidade de impressão. .Quantidade total de papel gasto numa determinada tiragem ou num determinado período de tempo.. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas metros quadrados por quilo etc. que tende a fazer com que o papel acompanhe a blanqueta que contiver a maior área entintada ou cuja tinta apresentar o maior valor de tack. revistas etc.

carbonato de cálcio e outros).Porcentagem de fibras de algodão derivadas de tecidos de algodão.Peça localizada no cilindro da segunda dobra da dobradeira de uma impressora rotativa cuja função é servir de apoio para a faca de corte. Conteúdo de umidade de equilíbrio <equilibrium moisture content> .O mesmo que cilindro de contrapressão. <cross-grain direction>. os papéis fabricados com fibra de algodão (25% a 100%) são superiores em qualidade. também referido como segunda capa (primeira contracapa) e terceira capa (segunda contracapa).[1] <bed knife> .Termo empregado pelos encadernadores para designar a operação de colar a contraguarda à guarda de um livro. [3] <crossgrain> . [2] <back pressure> . Contrafaca . Contracolar . a alvura e a brancura do papel.Dobra orientada em ângulo reto em relação à lombada do livro ou em relação ao sentido das fibras do papel. presentes na massa do papel. Termo alternativo: <percent of moisture>. Termos alternativos: <across grain direction>. Contracapa . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Conteúdo de algodão <cotton-content> . a determinação é feita pesando-se um corpo de prova. <cross direction>. submetendo-o a combustão completa a 925°C para eliminar os componentes orgânicos. {b} Área mais baixa do que a altura do olho do tipo.Direção perpendicular ao alinhamento das fibras do papel. [3] <counter> .O mesmo que .[1] <back cylinder> . em toda a sua superfície. Conteúdo de trapo <rag content> Porcentagem de fibras de algodão presente na massa do papel em relação à massa original do corpo de prova. de modo que o papel não ganha nem perde umidade para o ambiente.[1] <across-thegrain> .Dobra ou corte orientado em ângulo reto em relação às fibras do papel. com adesivo apropriado..Quantidade de umidade presente no papel expressa em porcentagem da sua massa total. Termo alternativo: conteúdo de trapo <rag content>. [2] <female die> .Ferramenta de corte estacionária localizada na estrutura de uma folhadeira. representando o conteúdo de carga mineral do papel. e pesando o resíduo. Conteúdo de umidade <moisture content> .{a} Área de uma matriz de impressão que não será impressa. cartão ou outro material é colada a outra folha. expressa em porcentagem da massa original do corpo de prova. Contragrafismo <nonimage area> . revista etc.{a} Parte oca em torno ou interna aos traços do olho de um tipo de composição a quente. Contra .Conteúdo de umidade presente no papel coincidente com a umidade relativa da atmosfera circundante. Conteúdo de cinzas <ash content> Resíduo da combustão completa do papel em temperatura elevada.. Termo alternativo: capa interna.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Lado interno da capa de um livro. Contra a fibra . {b} Termo empregado para designar todas as porções de uma chapa de impressão que não contém pontos a ser reproduzidos. [2] <against grain direction> . Termo 183 v v o papel de impressão contém cerca de 15% a 20% de cinzas (dióxido de titânio. <against-the-grain>. pressão de contrapressão. linho etc. Contracolagem . Termo alternativo: <female cutting iron>. adicionada durante a fabricação para aumentar a opacidade.Operação em que uma folha de papel.

pressão de impressão <impression pressure>. de corte e de dobra no sentido do deslocamento do papel através da impressora. nas áreas reticuladas a densidade continua aumentando devido ao ganho-deponto.D 75 )/D S ] • 100. entre-tanto.{a} Força exercida pelo cilindro pressor sobre a superfície da blanqueta de uma impressora ofsete para forçar o papel com uma pressão determinada.[1] <tail> . Contramolde <female die> . rabo.{a} Guarda colada à folha externa da guarda branca de um livro. permanece constante. v {b} o contraste relativo pode ser calculado a partir de leituras densitométricas tomadas numa escala de controle de impressão. expresso em porcentagem. calculada pela diferença de densidade entre o chapado e a retícula dividido pela densidade do chapado.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . [2] <tail end> . Controle de registro circunferencial <circumferential register control> {a} Procedimento de ajuste de uma impressora plana ou rotativa cujo propósito é garantir a coincidência entre as cruzes de registro de cores.{a} Superfície contendo uma reprodução invertida da gravura de um cilindro de gofragem ou de uma matriz em relevo. onde D S é a densidade do chapado e D 75 é a densidade da retícula de 75% de ponto. {c} Pressão exercida sobre o suporte para colocá-lo em íntimo contato com a matriz de impressão. Contraste relativo . v o contraste de impressão indica a possibilidade de imprimir detalhes nas áreas mais escuras de uma reprodução. Contrapinça . Termo alternativo: <back pressure>. {b} Dispositivo automático. gofragem etc.Parte posterior ou traseira de uma folha de papel ou de uma chapa de impressão. a partir daí. {b} Relação entre a densidade de uma área impressa sólida (chapada) e a densidade de uma área impressa com retícula de 75% de ponto. conforme a carga de tinta é aumentada a densidade de reflexão nos sólidos aumenta até um máximo (saturação) e. Termos alternativos: contracunho. {b} Força exercida pelo rolo de contrapressão sobre a superfície do cilindro rotogravura. quanto maior o contraste mais detalhada será a reprodução nessas áreas. cuja função é forçar o papel ou a cartolina a ser estampada nas cavidades do molde no momento da impressão. a fim de garantir o contato entre o suporte e a tinta. contramatriz. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas alternativo: área branca <clear area>.{a} Resolução das áreas de sombra de uma reprodução. {c} Relação óptica entre a refletividade dos espaços (papel) e das barras (tinta) avaliada durante o escaneamento de um código de barras. compreendidas entre 75% e 100% de pontos. hot stamping. <squeeze>. que comanda o ajuste do registro longitudinal do cilindro da chapa durante a operação 184 .).Ver: Contraste de impressão <print contrast>. ou outro suporte de impressão. localizado no console principal de uma impressora ofsete. <trail edge>. Contraste de impressão <print contrast> . a fim de transferir a imagem entintada da blanqueta para o papel.Borda traseira de uma folha de papel. {b} Guarda solta. reduzindo o contraste. Ver também: Grafismo <image area>. Contraguarda <flyleaf> . Termos alternativos: <back end>. <tail edge>. {b} Superfície que contém a imagem a ser estampada nos processos de relevografia (flexografia. conforme a equação: C = [(D S . Contrapressão <impression cylinder pressure> . Abreviatura: (PC). oposta à borda de pinça. Ver também: Pressão de impressão <printing pressure>.

Convite <invitation> . Termo alternativo: copiógrafo <copying machine operator>. Copiador . Ver também: Acabamento em-linha <in-line finishing>. corte-e-vinco.Cartolina impressa. que comanda o ajuste de registro lateral do cilindro da chapa durante a operação da máquina. com tinta copiativa. cortada em formato retangular. Alguns equipamentos de conversão podem ser acoplados à saída de uma impressora.Máquina ou empresa que faz reproduções diretamente a partir de materiais gráficos por processos eletrofotográficos (xerográfico) ou outro método de impressão sem-impacto.[1] <copier> . de corte e de dobra no sentido transversal ao do deslocamento do papel. de um sistema para outro. máquina copiadora <copying machine>. [2] <printer> Equipamento próprio para reprodução de filmes fotográficos.{a} Texto ou imagem impressos ou prova fotográfica feita sobre papel ou outro meio físi- 185 . um espaço de cores etc. os equipamentos de conversão podem ser dedicados (existentes na própria gráfica). Conversão fora-de-linha <off-line converting> .Fotogravador que tira cópias. Convertedor <converter> .[1] <copier> .Dispositivo eletrônico auxiliar de uma impressora rotativa que controla automaticamente o registro das marcas impressas no ponto de corte. alguns exemplos incluem: fechamento de cartuchos.Estabelecimento comercial dedicado aos processos de conversão de papel ou cartão em embalagens impressas. <copying press>. {b} Dispositivo automático.Prensa de cópia por decalque. contendo mensagem que formaliza um convite. Ver também: Copista <copyist>. dobragem. laminação. Controle de registro lateral <sidelay register control> . ou da unidade de secagem de uma máquina de fabricar papel.Conversão feita diretamente a partir da última unidade de uma máquina de impressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas da máquina. Copiadora . Termos alternativos: copiadeira. grampeação. envernizamento. relevo. numa operação contínua. Controle de registro de corte <cutoff register control> . ou o trabalho pode ser enviado para empresas especializadas em conversão. uma unidade de medida.Operação de corte.Qualquer operação de fabricação ou acabamento realizada após a impressão.{a} Procedimento de ajuste de uma impressora plana ou rotativa cujo propósito é garantir a coincidência entre as cruzes de registro de cores. através de cálculos manuais ou computadorizados.Profissional gráfico especiali-zado na preparação de chapas de impressão. [3] <platemaker> . Conversão em-linha <in-line converting> . garantindo a consistência do intervalo entre as impressões dos cadernos sucessivos. colagem. Termo alternativo: copiógrafo <copying machine>.. Conversão .[1] <conversion> Tradução de um arquivo de dados. [2] <copyist> . <reproduction machine>. localizado no console principal de uma impressora ofsete. estampagem ou outras operações que transformam o material impresso num produto final em máquinas separadas da impressora. Ver também: Conversão em-linha <in-line converting>. a fim de transformar o impresso num produto final. dobra. Conversão <converting>. envernizamento. dobrada ou não. [2] <converting> . Cópia dura <hard copy> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Conversão em-linha <in-line converting>. Ver também: Acabamento em-linha <inline finishing>.

mas que envolve outras propri-edades incluindo: o comprimento e a tixotropia. {c} Cópia de leitura direta. Termos alternativos: altura x <xheight>.Termo genérico atribuído a uma tinta. {h} Bloco de folhas ou cadernos que compõem o miolo de um livro. Prova dura <hard proof>. expresso em pontos. [4] <corps> . em contato com um suporte sob condições apropriadas. Ver também: Índice de corpo <bulking index>.[1] <body> . {b} Aumento da viscosidade do veículo de uma tinta causado por polimerização de óleos secativos em altas temperaturas. [3] <bulk> .Impresso obtido por meio de um processo que emprega uma placa ou um tambor intermediário.{a} Termo empre-gado na tipografia de metal quente que denota a distância do topo ao pé de uma peça de tipo. Cópia xerográfica <xerographic copy> . igual a 0.Parte central de um caractere tipográfico. entre as faces anterior e posterior do tipo ou de outro material tipográfico. maior o corpo do papel. expressa em pontos. fixa-se neste de modo durável comunicando-lhe uma determinada cor. Termo alternativo: pigmento <pigment>.Reprodução obtida por meio de um processo que emprega um tambor semicondutor carregado com carga eletrostática de um determinado sinal. tamanho de tipo <type size>. {b} Cópia pronta para ser impressa. em oposição às hastes.Unidade tipométrica do sistema didot equivalente a 1/12 cíceros. Cópia eletrônica <electronic copy> Reprodução impressa através de processos eletrônicos. {c} Expressão empregada para descrever a viscosidade. fios etc.{a} Espessura de uma resma de papel contendo um número exato de folhas. Termo alternativo: <body text>. [2] <body size> . [2] <coloring matter> . para atrair partículas de toner carregadas com carga oposta. o comprimento ou a fluidez de uma tinta ou de um verniz de impressão.[1] <colorant> . Corpo . {f} Haste do tipo que suporta o olho. {b} Termo empregado na fotocomposição para designar o tamanho das letras. principalmente a rigidez da tinta. Cópia eletrostática <electrostatic copy> . Termos alternativos: <font size>.{a} Termo relativo que descreve a consistência de uma tinta ou verniz. excluindo as guardas e a capa. a um toner ou a uma anilina que dá cor ao impresso ou modifica a cor natural de um suporte. para reproduzir imagens a partir da atração de partículas de toner carregadas com carga oposta. {g} Texto de um livro excluindo os títulos e subtítulos. . Ver também: Chapa eletrostática <electrostatic plate>. natural ou sintética. como impressoras a laser ou a jato de tinta integradas a um sistema eletrônico de editoração. <body height>. que. medida sob uma pressão especificada. carregada eletricamente.Substância colorida. Ver também: Xerografia <xerography>. que são transferidas para o papel. tais como: entrelinhas. {d} Distância. [6] <shank> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas co. a consistência. Termo alternativo: miolo.0138” (0. Ver também: Cópia mole <soft copy>. Termo alternativo: <caliper>. 186 Corante . ou uma folha revestida com material semicondutor.Especificação da altura de um tipo expressa em pontos ou em unidades lineares de medida. {e} Tamanho de um caractere tipográfico medido desde o topo das ascendentes até o pé das descendentes. Termo alternativo: consis- tência <consistency>. [5] <point size> . {b} Relação entre a gramatura e a espessura de um papel de impressão.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .3505 mm). quanto maior a espessura para uma mesma gramatura. a um pigmento. Ver também: Número de corpo <bulking number>.

marcas de corrente <chain marks>. Corta-papel <paper cutter> .Termo que indica o número de folhas contidas numa unidade de espessura de um livro encadernado. plástico. osso etc. [2] <smashed bulk> . paralelas à direção de fabricação. o índice de corpo é usado para comparar papéis de mesma gramatura. [2] <trimmer> .{a} Máquina de cortar papel. Onduladeira pelão ondulado <corrugated paper>.Folha de papelão ondulado colada entre duas folhas planas de reforço. Termo alternativo: folhadeira <roll sheeter>. <single rotary cutter>.Equipamento dotado de facas circulares que dividem a bobina-mãe em bobinas menores. Miolo <body>.Equipamento dotado de facas rotatórias ajustáveis utilizado para cortar bobinas de papel em folhas. Termos alternativos: marcas de corda <rope marks>. Corrugação <corrugation> . a calandragem e a relação entre o conteúdo de fibras e cargas. Ver também: Número de corpo <bulking number>.[1] <body> . {b} Lâmina rotatória ou reciprocante utilizada para cortar uma bobina de papel em folhas. madeira. ambientada e submetida a ensaios de laboratório. segundo critérios padronizados.. Termos alternativos: estilete <paper knife>. [3b] o corpo do papel depende de uma série de variáveis do processo de fabricação. a fim de atestar as propriedades do papel de todo o lote. e expressa o número de páginas por polegada (ppi) quando multiplicado por 2. Corrugado de parede tripla <triplewall corrugated> . incluindo a refinação.O mesmo que miolo. Corpo do livro . e corresponde à relação da espessura dividida pela gramatura de uma folha de papel. empregado para remover a embalagem e a manta de uma bobina de papel antes de alimentá-la numa impressora rotativa.Ondulação que ocorre nas camadas superficiais de uma bobina de papel. Corrugadeira .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Corrugar <to corrugate> . com padrões diagonais que lembram marcas de pneu ou corda. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas v [3a] o corpo é importante quando se trata de papéis para impressão de livros. Termos alternativos: <double rotary cutter>. Cortadeira .Operador de máquina de corte. simulando a compressão que um livro sofre durante a encadernação. Corpo-de-prova <sample> . cortada.[1] <cutter> . em faixas de largura relativamente uniforme em torno da bobina. Corrugado de parede simples <single-wall corrugated> .Ver: <corrugating machine>. a pressão úmida. o número de corpo é avaliado segundo a norma TAPPI T500. após a fabricação do papel. Cortadeira rotatória <rotary cutter> .Conjunto constituído de três folhas de papelão ondulado intercaladas e coladas a quatro folhas planas de reforço. v 187 Corrugado <corrugated> . <paper knife>.Aparelho utilizado pelo tipógrafo para cortar entrelinhas e filetes. Cortador <cutter> . Ver também: Guilhotina <guillotine cutter>. medida sob pressão.Amostra de papel coletada de um lote. Ver também: Corpo <body>. Cortadeira-rebobinadeira <slitterrewinder> .Ver: Pa- .Estilete feito de metal.Fazer a ondulação do papel que constitui a folha do centro de uma prancha de papelão corrugado.

). para realçar os detalhes importantes do assunto.{a} Diluir ou afinar uma tinta.O mesmo que ranhura. Ver também: Corte do pé <foot edge>. após a fabricação do papel.Recobrir com verniz as áreas de uma chapa ou cilindro que não devem ser atacadas pelo ácido durante a gravação. Corte da frente . Ver também: Gravação <engraving>.Bordas de um livro coloridas com o emprego de aerógrafo. por meio de recursos digitais disponíveis em programas de tratamento de imagens. Ver também: Cortes <edges>. {e} Superfície formada pela espessura dos cadernos de um livro brochado ou encadernado. <head cut>. corte lateral. {b} Termo originalmente usado para designar o processo de entalhar madeira ou gravar em zinco. {i} Traço que corta a haste de certas letras (t.Posição na qual o suporte deve ou será cortado após a impressão. frente <front>. 188 .{a} Imperfeição no fio da lâmina de uma guilhotina de cortar papel ou da racle utilizada na rotogravura.Reduzir ou alterar o texto de um livro de modo profundo. {d} Fazer a incisão ou o refilo de um papel em guilhotina. Corte da abertura <front edge> Corte de um livro. [2] <to cut> . {c} Refilar as bordas de um livro durante o processo de encadernação. [4] <cutoff> .Operação de acabamento. em madeira ou metal.[1] <cropping> . conforme o prismado.Decoração feita no corte de livros encadernados com corantes coloridos.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . [7] <sheeting> . que consiste em cortar as bobinas em folhas de formatos variados. {c} Diluição de uma tinta. Corte . oposto à lombada. {b} O mesmo que talude. [2] <stained edges> . {b} Remoção das áreas indesejáveis de uma imagem durante o processo de montagem manual ou eletrônica. {h} Incisão feita com buril ou cinzel.{a} Seleção das partes que se pretende eliminar de uma ampliação fotográfica. Termos alternativos: corte da frente. um laquê ou um verniz de impressão com solventes ou bases.[1] <colored edges> . {b} Refilar as bordas de um caderno. Corte colorido . um laquê ou um verniz de impressão com solventes ou com bases transparentes. Corte da cabeça <head edge> Corte da parte superior de um livro. Corte da dobradeira <folder cut> Corte da tira de papel realizado pela faca do cilindro de corte da dobradeira combinada de uma impressora rotativa. [3] <to slash> . Corte de acabamento <finish cut> Operação de acabamento que consiste em refilar livros. f etc. Ver também: Enquadra-mento <cropping>. [4] <to stop> . [2] <cut> .[1] <to crop> .{a} Reduzir o tamanho de um arquivo de imagem digital recortando as áreas indesejadas. {g} Processo de divisão do papel ou cartão em folhas menores. Refilo <trim>. [8] <slope> . revistas. dianteira. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Cortar .Ver: Corte da abertura <front edge>.. {e} Gravar ou reduzir a densidade de um negativo fotográfico ou o tamanho dos pontos de um filme de meio-tom. antes da encadernação. Termos alternativos: corte superior <top edge>. {b} Pequeno rasgo na cabeça das páginas de um livro causado pela faca durante o refilo. na flexografia ou na serigrafia. {f} Cada uma das faces refiladas de um livro. {d} Operação de acabamento de produtos impressos. [3] <cut-in> Tomada fotográfica de perto.{a} Superfície lateral do olho do tipo.{a} Trecho de composição retirado do original. [5] <groove> . [6] <nick> . Ver também: Talude <beard>. folhetos etc. {b} Supressão de parte de uma obra literária por decisão do autor ou do editor.

Estrias de calandra <calender-blackened streaks>. paralela à direção das fibras. Corte de cabelo <hair cut> . Estrias de calandra <calenderblackened streaks>. causada na superfície do papel por uma partícula presa à lâmina durante o processo de revestimento.Método de corte de bobinas de papel em folhas individuais empregando equipamentos dotados de recursos de controle de formato. Corte de calandra <calender cut>.Corte da borda inferior de um livro. Corte de fibra <fiber cut>. Mancha de calandra <calender spot>. o ponto de corte deve estar sincronizado com as unidades de impressão. Corte de precisão <precision sheeting> . Corte e refilo <cutting and trimming> .Incisão reta. geralmente diagonal à direção de fabricação.Incisão curva e lisa que ocorre no papel em bobina causada por um fio do feltro incorporado ao papel quando este passa através da calandra. Corte de papel <paper cutting> Operação de divisão de uma folha de papel em dois ou mais pedaços. Corte do caderno <signature cutoff> Ponto onde as tiras impressas passam pelo cilindro de corte da dobradeira de uma impressora rotativa e são cortadas em cadernos individuais. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Corte de bolha <blister cut> . Ver também: Corte de cabelo <hair cut>. Ver também: Corte de bolha <blister cut>. causada por insuficiência de calço sob a blanqueta. Corte de calandra <calender cut>. muito lisa. Corte do pé <foot edge> .Transformação de bobinas de papel em folhas de formato predeterminado numa folhadeira alimentada com diversas bobinas simultaneamente. dispensando a necessidade de refilo antes da impressão. Ver também: Corte <sheeting>. Corte de fibra <fiber cut>. . Estrias de calandra <calenderblackened streaks>. Corte de fibra <fiber cut> . causada no papel em bobina por um feixe de fibras quando o papel passa através da calandra. Corte do calço <packing cut-off> Defeito que ocorre na impressão ofsete caracterizado por falhas ou impressão lavada próximo da pinça ou da contrapinça da folha. Corte de múltiplas bobinas <multiple-roll sheeting> . Mancha de calandra <calender spot>. Ver também: Corte de bolha <blister cut>. Ver também: Corte de bolha <blister cut>. Corte dourado <gilt edge> . curta.Bordas de um livro decoradas com revestimento dourado.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Operações associadas aos 189 v o corte de fibra pode causar quebra de bobina durante a impressão em máquinas rotativas.Incisão profunda. Corte de fibra <fiber cut>. principalmente quando localizada próximo da borda da bobina e orientada contra as fibras. Termo alternativo: corte inferior. Corte de cabelo <hair cut>.Incisão que ocorre no papel em bobina. Corte de calandra <calender cut> Incisão diagonal que ocorre no papel em bobina. Mancha de calandra <calender spot>. Termo alternativo: <folder cutoff>. causada por acúmulo de papel na entrada do nip. geralmente causado por uma ruga formada na entrada da calandra ou da supercalandra. Mancha de calandra <calender spot>. Corte de cabelo <hair cut>. Termo alternativo: <stained edge>. Corte de calandra <calender cut>. Estrias de calandra <calender-blackened streaks>. Corte de lâmina <blade cut> .

padrão ou granulação. geralmente cartão.Operação de acabamento que consiste em cortar e vincar um material impresso.. o corte do papel pode ser executado em qualquer etapa dos processos de impressão e acabamento. Termos alternativos: <die cutting>.Ver: Corte do pé <foot edge>. marcas de dobra etc. liso <plain>. Corte-vincado <diecut> . enquanto refilo <trimming> é empregado para referir-se à remoção das áreas excedentes da folha. o papel branco é refilado antes da impressão para acertar o esquadro ou o formato das folhas.Diz-se de um livro intencionalmente não-refilado e que. empregando uma esponja. Corte irregular . 190 Corte-e-vinco <diecutting> .. Cortes de índice de dedo <index thumb cuts> . acertar o esquadro.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . para produzir uma textura irregular. em prensas especiais. executadas em guilhotinas lineares ou trilaterais. separar páginas agrupadas. remover as margens de refilo etc.Borda de um livro cortada uniformemente e sem qualquer decoração com tinta.Ver: corte da cabeça <head edge>. Corte liso <plain edge> . irregular <rough>. a maioria das operações de corte e refilo é realizada em guilhotinas lineares. salpicado <sprinkled>. cortado e vincado utilizando moldes de padrões específicos. ou para acertar o formato da folha em função do formato da máquina de acabamento. Corte inferior . portanto apresenta as bordas desalinhadas. dourado na cabeça <gilt top>. [2] <rough front and foot> . escalas de controle. colorido <stained> ou não-refilado <uncut size>. em formatos específicos. marmoreado <marbled>.Cartão ou papel impresso.[1] <rough cut> . para o tamanho desejado. v o termo corte <cutting> referese à separação das páginas que foram impressas juntas.Estilo de refilo de livros que . plano <smooth>. a fim de simular a dobra manual. ou após a impressão para separar as múltiplas unidades impressas numa mesma folha. Cortes <edges> . <die sinking>. empregando facas de aço afiadas e moldes de filetes cortantes incrustados numa placa de madeira que constitui a faca de corte-e-vinco de uma prensa especial. a fim de proporcionar um meio rápido de abri-lo na seção desejada. Corte salpicado <sprinkled edge> Processo de decoração de livros que consiste em aspergir o corte com tintas coloridas. <die-cutting>.Ver: Corte da abertura <front edge>. Corte superior <top edge> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas processos de impressão e acabamento que consistem em reduzir o formato das folhas de papel. Corte longitudinal <longitudinal shear> .Cortes semicirculares graduados feitos na borda frontal de um livro. consiste em deixar os cortes da frente e do pé irregulares.Cada uma das extremidades refiladas de um livro que. pode ser tratada de diferentes maneiras: com rebarba <deckle>. dourado <full gilt>. após a costura e o refilo. Corte-vincagem <diecutting> Processo de acabamento que consiste em cortar e vincar as folhas impressas.Corte feito numa bobina de papel com uma faca circular posicionada sobre o funil da dobradeira de uma máquina rotativa. Corte lateral . brancas ou impressas. onde se encontram as cruzes de registro.

Ver também: Costura repuxada <tight stitch>. Costurador . deformando a estrutura do livro. através da lateral. Costurar <to sew> . Costura repuxada <tight stitch> Defeito de encadernação caracterizado por apresentar a costura dos cadernos muito apertada. Costura em sela <saddle-sewing> Método de encadernação de folhas múlti-plas no qual os cadernos são costurados com linha em vez de arame através da dobra da lombada. Ver também: Grampo em sela <saddle stitch>. Costura lateral <side sewing> Método de encadernação de livros no qual os cadernos alceados são costurados lateralmente. Ver também: Máquina de costura <sewing machine>. juntando-os num único bloco.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Costura francesa <French stitch> Método de encadernação de livreto précosturado em forma de revista grampeada em sela. o livro não se mantém plano quando aberto.Reunir os cadernos de um livro com arame ou linha através da dobra ou da lateral da lombada. Termo alternativo: <saddlesewn>. [2] <stitcher> . Termos alternativos: <wire stitch>. numa costuradeira de sela. Costura <sewing> . em formatos específicos. Costura McCain <McCain sewing> Método de encadernação de livros no qual os cadernos são costurados lateralmente ao longo da lombada. em prensas especialmente projetadas para esse fim. 191 . através da dobra da lombada. Termo alternativo: costura singer <singer sewing>. Costuradeira <sewing machine> Equipamento que faz a encadernação de livros costurados com linha através da lombada dos cadernos. Costura Smyth <Smyth sewing> Método de encadernação de livros que consiste em prender os cadernos com linha. Costura com linha <thread stitch> Método de encadernação no qual os cadernos são costurados com fios de algodão ou sintético através da dobra da lombada. constituindo um volume que não permanece plano quando aberto. Ver também: Costura frouxa <loose stitch>.{a} Profissional especializado na operação de máquinas de costura. Termo alternativo: <stitching thread machine>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas geralmente cartão. Termo alternativo: costura solta. Termo alternativo: costura lateral <side sewing>.[1] <running board> O mesmo que estribilhas. Costura frouxa <loose stitch> Defeito de encadernação caracterizado por apresentar a costura dos cadernos pouco apertada. Costura singer <singer sewing> Método de encadernação de livros que consiste em prender os cadernos com linha. Costura com arame <saddle wiring> Método de encadernação no qual os cadernos são costurados com fios metálicos através da dobra da lombada <saddle-stitching> ou através da lateral <side-stitching>. formando uma unidade compacta em vez de seções individuais. <wire stitching>. Ver também: Máquina de costura <sewing machine>.Operação de encadernação que consiste em prender os cadernos alceados de um livro com linha através da dobra da lombada. Termo alternativo: <thread sewing>. {b} Dispositivo manual utilizado para encadernar livros. comprometendo a estrutura do livro.

as tintas devem ser formuladas sem estes produtos.[1] <quoins> . Termo alternativo: <crown 8vo>. {b} Problema que ocorre na impressão ofsete quando um filme de tinta úmido não ancora sobre um filme de tinta seco. Cristalização <crystallization> {a} Condição que pode ocorrer na impressão de trabalhos em quadricromia em máquinas ofsete mono e bicolores. da IBM.Peça de metal ou madeira usada para cunhar. usado como medida de excentricidade. [3] <wedge> . hoje muito utilizada em sistemas de computadores como padrão dos dispositivos de saída. ainda que isto possa originar outros problemas.Ver: Digestor <digester>. Ver também: Aceitação <trapping>. prejudicando a sobreposição de outras tintas. impresso na primeira entrada. <pile wedge>. compreendendo: a cunha de justificação. o secante de cobalto promove uma superfície rígida no filme de tinta.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . a fim de acertar o nivelamento quando o papel apresenta ondulações ou encanoamento.Formato de livro igual a 5 x 7 1/2 ” não refilado. colocada entre as folhas de papel da pilha de alimentação ou de entrega de uma impressora ofsete plana.Prova de composição tipográfica ou de clichês. <ink crystallization>. {b} Diferença de diâmetro existente entre pontos de referência na superfície de um rolo do sistema de molhagem ou tintagem de uma impressora ofsete. Cunha . na qual o filme de tinta seco. Cunhas . a cunha normal. Couch . Ver: Maculatura <macule>. empregadas para conferir ao filme de tinta maior resistência à abrasão.950 por Bud Ketler.Peça de madeira.{a} Pares de calços de fixação usados na composição tipográfica para prender a fôrma de impressão à rama. Crown .[1] <block> . de formato triangular. de modo a permitir manter o livro plano quando aberto. ou de uma máquina de acabamento.{a} Mesa ou feltro sobre o qual a polpa úmida é deixada secar.Formato de livro igual a 7 1/2 x 10” não refilado. Crown quarto . formando folhas de papel. {b} Peças metálicas 192 v algumas tintas de impressão são formuladas com produtos que migram para a superfície do filme de tinta impresso durante a fase de secagem.Ver: Costura frouxa <loose stitch>. tirada em papel cuchê e destinada a impressão ofsete. Cozinhador . Termo alternativo: <crown 4to>. as ceras deslizantes.Abreviação de maculatura. {c} Comprimento da ponta visível de um grampo utilizado na encadernação em lombada canoa. Courier . Ver também: Papel cuchê <coated paper>. Termos alternativos: <ink crawling>. [2] <shim> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas juntando-os num único bloco. Termos alternativos: bacalhau. Crown octavo . metal ou plástico. migram para a superfície do filme. originalmente utilizada em máquinas de escrever. repele o filme de tinta úmido. Culatura <macule> . Costura solta . {b} Transferir a folha de polpa da tela para o couch. Cuchê <couché> .Cada uma das peças metálicas da unidade fundidora da monotipo que servem para estabelecer os espaços. portanto quando a impressão de um trabalho envolve mais do que uma entrada de máquina. .Fonte de caracteres tipográficos desenvolvida em 1. a cunha de transferência dos espaços e a cunha de transferência dos tipos.{a} Formato de papel igual a 15 x 20”.

o risco aumenta quanto ocorre acúmulo de eletricidade estática. (custo editorial). arte-final etc. somadas às despesas com preparação dos originais. maculatura.000 exemplares. curta tiragem <short run> entre 1. tiragem moderada <moderate-short run> entre 3. cerâmica etc. se isto não ocorrer. Custo gráfico-editorial <prime cost> . ainda úmida. tiragem ultra curta <ultra short run> entre dois e cem exemplares.Dispositivo da saída de algumas impressoras rotativas que muda a direção dos cadernos a 90° (ou outro ângulo) em relação à esteira de saída que passa sob a aranha. papel. repinte <offsetting>. Curva <bump turn> . (custo gráfico). trincha. existem aditivos antidecalque que são incorporados às . por exemplo: tecido. {b} Impressão feita em serigrafia ou por outros processos de impressão. para o verso de outra folha na pilha de saída de uma impressora. {b} Cópia de um desenho original feita em papel transparente colocado sobre o original. quando as folhas impressas são empilhadas na mesa de entrega de uma impressora ofsete plana. para outras superfícies. Curteza <shortness> .Peças de madeira ou metal colocadas na lateral da fôrma tipográfica. subdividida em: curtíssima tiragem <ultimate short run> para um único exemplar. Termos alternativos: bacalhau.000 exemplares. impressos sobre um suporte especialmente preparado. contra as quais as cunhas são fixadas. <offset> <erroneamente empregado>. 193 v [2] o decalque geralmente ocorre por inadequação da tinta ao papel. particular-mente com suportes pesados. [3] <wedges> . incluindo os custos de impressão.000 exemplares. Termos alternativos: plágio.{a} Processo de transferência de uma imagem impressa sobre papel ou plástico. ilustrações. Termos alternativos: cunhas de justificação.Quantidade de cópias impressas inferior a 3.001 e 3. tiragem muito curta <very short run> entre 101 e 1.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Curta tiragem <short run> . para ser transferida por pressão ou calor. <tracing>. Ver também: Caracteres transferíveis <letraset>. Termo alternativo: decalcomania. Decalque . tecido. de um suporte para outro. à medida que a pilha é compactada devido ao peso das folhas acumuladas. colocadas entre as folhas de papel na pilha de entrada ou na pilha de entrega de impressoras ofsete planas para compensar o encanoamento do papel e manter as folhas planas.500 exemplares. numa galé ou rama. Termos alternativos: blocagem <blocking>. a tinta cantata e transfere-se parcialmente para o verso da folha sobreposta.[1] <decal> .001 e 6.{a} Processo de transferência de desenhos ou ilustrações. Termo alternativo: decalque.Total das despesas realizadas com a produção gráfica. <ink setoff>. de formato triangular.).Peças de madeira ou plás-tico. Termo alternativo: custo de produção <job-order costing>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas que estabelecem os espaços de uma composição monotípica. revisão. porcelana etc. para uma outra superfície (papel. [2] <setoff> Transferência indesejável da tinta recém impressa. [2] <sidesticks> . Ver também: Tinta curta <short ink>. cunhas de transferência. forma-se um colchão de ar que mantêm as folhas flutuando por um período de tempo suficiente para que a tinta assente no papel.Característica reológica de uma tinta de impressão indicada pela falta de fluidez. D Decalcomania <decal> . diagramação etc.

Termo alternativo: <sheet dela-mination>.Diz-se da menor densidade que se pode obter na reprodução a partir de um determinado conjunto de variáveis envolvendo o suporte.Efeito serrilhado produzido na impressão quando as linhas de um desenho cruzam diagonalmente o tecido de uma tela serigráfica. Decíduas <deciduous> . para ser transferida para outro suporte através de calor e pressão.[1] <jaggy> . deteriorando a reprodução nas meias-tintas. ilegível. Ver também: Densidade mínima <minimum density>. olmo e carvalho.0. tal como: álamo.Decalcomania impressa em papel especial.Ver: Pinça <gripper>. que reduzem a tendência ao decalque. Densidade mínima <minimum density> . a tinta e o equipamento. desprende-se para ser transferida para outra superfície. causada por ação do tack das tintas ou por deficiência de ligação interna do suporte. Termo alternativo: serrilhado <jaggie>. podem causar outros problemas. Abreviatura: (D min ). Ver também: Coníferas <coniferous trees>. Decalque termotransferível <heatrelease decal> . [2] <sawtooth> . <water-slide transfer>. v um impresso fotográfico pretoe-branco tem densidade próxima de 2. {b} Desprendimento do plástico aplicado à superfície de um suporte impresso em processos de plastificação ou laminação.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . causada por ação do tack da tinta de impressão ou pela pegajosidade da superfície da blanqueta ofsete. faia. expresso em gramas por centímetro cúbico.Separar as camadas de um suporte laminado. choupo. Densidade aparente <apparent den- sity> . Ver também: Densidade máxima <maximum density>.Espécie de madeira dura. é preciso considerar que acima do ponto crítico da curva de transferência de tinta para o papel ocorre ganho-deponto excessivo. o equipamento etc. Densidade máxima <maximum density> . [2] <splitting> . {c} Separação parcial ou total das camadas de um laminado.75 enquanto não passa de 1. Termo alternativo: <splits>. altamente absorvente.40 sobre papel ofsete.Massa por unidade de volume de uma tinta. ou pó borrifado sobre as folhas. Decalque simplex <simplex decal> Ilustração impressa em papel especial. Delaminar <to delaminate> . <water slide-off decal>. Depósito de papel <paper sto- 194 .[1] <delamination> {a} Separação entre a camada superficial do papel e o papel-base. geralmente em forma de V. Denteado .Arrancamento de grandes áreas da superfície de um papel de impressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas tintas. um papel ou qualquer outro material. porém. Termos alternativos: <slide-off decal>. da qual se extrai a fibra utilizada no processo de fabricação de papel. enquanto uma transparência colorida pode chegar a 3. Dente . quando umedecida. a chapa.Diz-se da maior densidade que se pode obter na reprodução a partir de um determinado conjunto de variáveis envolvendo o suporte. a tinta.0 de densidade. embora seja possível obter densidades maiores do que estas na impressão. Abreviatura: (D max ).Diz-se de uma faca de corte com o fio serrilhado. a densidade de reflexão do ciano alcança 1. Delaminação . a imagem é impressa sobre o adesivo e. revestido numa das faces com uma camada de adesivo solúvel em água. bétula. distorcendo o contorno do desenho. na impressão sobre papel cuchê.

{a} Defeito de impressão caracterizado pelo desprendimento do filme de tinta do suporte causado por falha de adesão. Ver também: Alisador de folhas <sheet smoother>.Remover a casca da madeira por meios mecânicos ou hidráulicos antes da sua conversão em polpa química ou mecânica. Termo alternativo: empuxo <creep>. {b} Desprendimento prematuro do estêncil do tecido da tela serigráfica.Máquina empregada para desfiar trapos durante o processo de fabricação de papel. Termo alternativo: armazém de papel. Desfiador <rag grinder> . [3] <creeping> . enquanto uma nova pilha começa a ser formada.Ver: Separador de folhas <sheet-separation unit>. Termo alternativo: lavado. Descarregador automático <automatic press unloader> . Desbobinador <paper unwind stand> . Desbobinar <to unwind> .[1] <binder’s creep> . [2] <washed-out> .Ver: Desencanoador de folha <sheet decurler>.Processo de separação mecânica das fibras elementares da madeira com vistas à fabricação da pasta de papel.Diz-se de um impresso que perdeu a cor primitiva e tornou-se pálido. Desbobinadeira <unwinder> Componente de uma bobinadeira que assegura o desenrolamento das bobinas de papel.Movimento inde-sejável da blanqueta ou das folhas de calço causado por estiramento. a fim de convertêla em pasta mecânica para a fabricação de papel. Desfibramento <grinding> . Termo alternativo: emendador de bobinas <splicer>. [2] <peeling> . Termo alternativo: <devil>.Dispositivo localizado na saída de uma impressora ofsete plana cuja função é eliminar a curvatura das folhas impressas causada pela ação do tack das tintas ou por excesso de solução de molhagem absorvida pelo papel durante a impressão. Descascar <to debark> . moinho de pasta <pulp mill>. Ver também: Engolfamento <jam>. Termos alternativos: moedor de polpa.Diz-se de um impresso que se tornou descorado ou pálido. tensionamento insuficiente ou quantidade excessiva de folhas de calço sob a blanqueta ofsete. Desfibrador <grinding stone> Equipamento que exerce uma ação mecânica sobre a madeira. <pulper>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas ckroom> . Desencanoador de folha <sheet decurler> .Dispositivo da alimentação de uma impressora rotativa onde se realiza a emenda das bobinas. Ver também: Bobinar <to wind>. prensa de polpa <pulp grinder>. Desbotado . [2] <creep> .{a} De195 . Desfolhador .Desenrolar uma bobina de papel.Tendência das páginas centrais dos cadernos de um livro ou de uma revista se deslocarem para fora da dobra da lombada. Desencanoador <decurler> .Armazém onde são estocadas as resmas e as bobinas de papel. Deslizamento . Desengolfamento <unjamming> Operação de remoção dos cadernos que embolaram na dobradeira de uma impressora rotativa. Encanoamento <back-edge curl>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Dispositivo de saída de uma impressora ofsete plana que permite remover a pilha de folhas sem parar a impressora. Descascamento .[1] <debarking> Processo de remoção da casca da madeira antes da sua conversão em cavacos para uso na fabricação do papel.[1] <foxed> .

Deslizamento da blanqueta . <thrust>. {b} Refugo da operação de encadernação.Ligeira acomodação ou deformação das porções da superfície de uma blanqueta ofsete em contato com a chapa e com o suporte causada pela pressão de contato entre as superfícies. Termos alternativos: deslocamento.Condição que resulta quando as folhas centrais de um livro espesso projetam-se para fora da lombada. Desprendimento <release> . incluindo o refilo.[1] <binder’s waste> {a} Refugo de produção previsto para permitir completar a tiragem de acordo com a ordem de serviço.{a} Refugo de acerto de impressoras e máquinas de acabamento.Ver: Deslizamento <creeping>. interferindo nos processos de pré-impressão e impressão que envolvem soluções aquosas. Desmineralização <demineralization> .Ligeiro movimento da superfície de uma blanqueta ofsete no ponto de contato com a chapa ou o suporte.Característica de uma blanqueta ofsete de liberar prontamente o papel após a passagem pelo ponto de impressão. {b} Remover a polpa da madeira. empuxo <creep>. ou soluções empregadas em processos fotomecânicos.Deslocamento do calço da chapa ou da blanqueta ofsete resultando em rugas que causam sobrepressão e desgaste da chapa. Deslocamento . Termo alternativo: deslizamento do calço.[1] <blanket creep> . formando um ângulo agudo que pode causar arrancamento e encanoamento. no ponto de desprendimento. <pushout>. Desperdício de acabamento . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas formação da superfície de uma blanqueta ofsete ou do seu calço causada por ação da pressão de impressão. a fim de eliminar ou reduzir a concentração de minerais dissolvidos.{a} Reduzir a polpa. Desmineralizar <to demineralize> Tratar a água. Desperdício . Deslizamento do calço .Ver: Desperdício <binder’s waste>. previsível e inevitável. [2] <blanket creeping> . <push-out>. Termo alternativo: empolmar.Defeito que ocorre na impressão ofsete. Ver também: Estrago <spoilage>. antes de utilizá-la na preparação de soluções empregadas nos processos gráficos. Ver também: Ponto corrido <dot slurring>. [6] <slur> . paga pelo cliente e aceita como parte da produção. caracterizado pelo alongamento dos pontos de meio-tom. causado por arrasto dos rolos entintadores sobre a chapa. Ver também: Blanqueta de desprendimento rápido <quick release blanket>.Processo de tratamento da água utilizada na preparação da solução de molhagem ofsete. considerada no cálculo da programação e da produtividade. [5] <shingling> .Ver: Deslizamento <packing creep>. 196 v o papel tende a grudar e acompanhar a blanqueta por ação do tack da tinta. Despolpar <to pulp> . [2] <waste> . Termo alternativo: deionização <deionization>. {b} Quantidade de papel estimada para o acerto do trabalho. {b} Deslocamento das páginas centrais dos cadernos de um livro causado pelo empuxo resultante da dobra da folha. da chapa sobre a blanqueta ou da blanqueta sobre o papel. o papel sofre uma brusca inflexão. o efeito é . principalmente cálcio e magnésio. que consiste em eliminar as matérias minerais dissolvidas na água. v a presença de sais de cálcio e magnésio deixa a água dura. [4] <packing creep> . existem três processos que são mais empregados para amolecer a água: a destilação.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . a troca iônica e a osmose reversa.

folhas dobradas. cuja função é monitorar a alimentação das folhas e evitar que entrem no sistema de impressão com alguma irregularidade. Detector de folha extra <extrasheet detector> . Ver também: detector de chegada de folha <early and late sheet detector>. Detector de folha transposta . Termos alternativos: cálibre de duas folhas <two-sheet caliper>. detector de duas folhas <twosheet detector>. cuja função é interromper a alimentação quando a unidade de separação de folhas deixa passar duas ou mais folhas simultaneamente. Termo alternativo: detector de folha transposta. ou em outro ponto da superfície da mesa. Desumidificador <dehumidifier> Equipamento destinado a reduzir o nível de umidade da sala de impressão quando esta atinge níveis prejudiciais à estabilidade do papel ou à secagem das tintas de impressão. Detector de folhas <sheet detector> . folhas adiantadas ou atrasadas etc. {b} Dispositivos de uma impressora rotativa que monitoram as quebras de bobina. Detector de chegada de folha <early and late sheet detector> .Dispositivo sensor localizado próximo às guias frontais de uma impressora ofsete plana cuja função é controlar o tempo de avanço das folhas na mesa de margeação.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Dispositivo mecânico. Detector de quebra de bobina <web break detector> . Detectores <detectors> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas mais intenso quanto maior for o tack da tinta. eletrônico. detector de quebra de bobina <web break detector>. ou de uma dobradeira. Detector de margeação frontal <front-lay detector> . Detector de folha dupla <doublesheet detector> . fotoelétrico ou ultrassônico localizado na entrada da mesa de margeação de uma impressora ofsete plana. tal como: folhas duplas.{a} Dispositivos sensores de uma impressora ofsete plana que monitoram a alimentação de folhas.{a} Dispositivo mecânico. eletromecânico. cuja função é comandar a interrupção do funcionamento da impressora quando ocorre ruptura da tira de papel. e em outros pontos da impressora. 197 .Dispositivo de uma impressora ofsete plana que controla a precisão da margeação lateral das folhas na mesa de entrada.Dispositivo de uma impressora ofsete plana que controla a precisão da margeação frontal das folhas na mesa de entrada. Detector de ultrapassagem <overrun detector> . localizado na entrada da mesa de alimentação de uma impressora ofsete plana. detector de folha extra <extra-sheet detector>.Ver: Detector de folha dupla <double-sheet detector>. espessímetro <thickness gauge>. fotoelétrico ou pneumático. detector de folha dupla <double-sheet detector>. Detector de duas folhas <two-sheet detector> .Dispositivo de uma impressora ofsete plana que interrompe a produção quando uma folha passa sobre os margeadores frontais.Ver: Detector de ultrapassagem <overrun detector>. as blanquetas de rápido desprendimento liberam o papel logo após o ponto de contato entre a blanqueta e o cilindro de contrapressão. folhas enviezadas. Detector de margeação lateral <side-lay detector> .Ver: Detector de folha dupla <double-sheet detector>.Célula fotoelétrica localizada entre as unidades de impressão de uma máquina rotativa.

Obra de referência que cobre uma ampla variedade de informações sobre todas as áreas do conhecimento.Publicação composta de vários textos de obras resumidas ou condensadas. digestor de celulose <cellulose digester>.Direção de impressão na qual o papel se desloca através da impressora.Livro contendo um conjunto de termos técnicos. Dióxido de titânio <titanium dioxide> . para ser acessada por um aplica-tivo no processo de revisão de texto. Digestor de celulose <cellulose digester> . utilizado na composição do revestimento de certos tipos de papel. Termo alternativo: <cross-machine direction>. muito branco. perpendicular à direção de fabricação.Ver: Digestor <digester>. Termos alternativos: cozinhador.{a} Pigmento inorgânico (óxido do metal titânio). Dicionário enciclopédico <encyclopedic dictionary> . em presença de produtos químicos. 198 v na impressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Dicionário <dictionary> . diz-se que o papel tem as fibras do lado maior <grainlong> se a direção das fibras for paralela à maior dimensão da folha. Dicionário técnico <technical dictionary> . acompanhados do respectivo significado ou da versão em outro idioma. paralelo à direção de fabricação. no qual o papel é menos resistente e mais sujeito às variações de umidade relativa. Termos alternativos: vocabulário <vocabulary>. de uma determinada ciência. {b} Obra de referência em que são organizadas. <wordbook>. a fim de . Direção contra-fibra <cross-direction> . Ver também: Glossário <glossary>. {b} Pigmento branco opaco utilizado na formulação de bases para impressão de embalagens flexíveis e metálicas. para aumentar a brancura e a opacidade. Ver também: Branqueamento <blea-ching>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Vaso no qual os cavacos de madeira e outros materiais fibrosos são cozidos. Ver também: Direção contra-fibra <crossdirection>.Ver: Direção de máquina <machine direction>. na impressão ofsete plana. Ver também: Direção de fibra <grain direction>. na encadernação.Sentido de orientação das fibras do papel. para liberar as fibras de celulose no processo de produção de polpa química. Direção de fabricação . a direção das fibras das páginas dos cadernos e da capa deve ser paralela à lombada do livro. Ver também: Pandecta <pandects>.Ver: Lexicógrafo <lexicographer>. Digestor <digester> . organizados em ordem alfabética. Direção de fibra <grain direction> Sentido de orientação das fibras do papel. Pasta química <chemi- cal pulp>.{a} Arquivo digital que contém uma lista de palavras corretamente grafadas num determinado idioma. as palavras acompanhadas das respectivas definições ou traduções. a fim de evitar problemas incontroláveis de fora-de-registro. o papel é dito ter fibra curta <grain-short> se estas forem paralelas à menor dimensão da folha. Digesto <digest> .Gás muito reativo utilizado nos estágios de branqueamento de celulose química. opaco. em ordem alfabética. as folhas devem ser alimentadas com o sentido de fibras paralelo aos cilindros da impressora. Dicionarista . Termo alternativo: <web direction>. Direção da passada <direction of travel> . Dióxido de cloro <chlorine dioxide> .

Abreviatura: (MD). em função da lineatura da retícula. exibida em pontos de venda (balcões. quando o filme de tinta impresso é muito delgado.Ferramenta circular dotada de segmentos cortantes que promovem a perfuração do papel. Dispositivo de alimentação non-stop <non-stop feeding device> . as fibras de celulose do papel absorvem o secante da tinta exigindo a sua reposição. coincidente com a direção de fabricação.Ver: Eliminador de estática <static eliminator>. Ponto corrido <slur>. Dispositivo de inserção de pranchas <board insertion device> . prateleiras) para chamar a atenção do consumidor.Ver: Fora-de-registro <misregister>. Distância de retícula <screen distance> . ou mesmo não secar. vitrinas. {b} Direção do deslocamento da bobina na impressora ou na máquina de fabricar papel. durante o processo de reprodução fotográfica. exigindo a sua reposição no momento do uso. que permite ao operador editar e fazer correções. Dispositivo de lavagem do cilindro de contrapressão <impression cylinder cleaning device> . Displei visual <visual display> Representação visual da saída de um computador.Acessório de uma impressora ofsete que realiza automaticamente a lavagem da blanqueta. caso o secante não seja reposto. Direção de fibra do papel . impressa sobre cartão ou papelão ondulado.Canaletas localizadas na saída de uma impressora ofsete plana onde de encaixam as pran- chas do dispositivo non-stop. Dispositivo antiestática <antistatic device> .{a} Direção preferencial na qual as fibras de celulose se acomodam durante a formação do papel. Dissipação do secante <drier dissipation> . Ganho-de-ponto <dot gain>.Acessório de uma impressora ofsete plana que permite realimentar ou remover a pilha de papel sem parar a impressora. causam a dissipação do secante da tinta após algum tempo de estocagem (entre seis meses e um ano). v alguns pigmentos. Dobra .Peça de propaganda ou promoção de vendas. a tinta poderá demorar a secar. Dispositivo de lavagem automático <automatic cleaning device> . particularmente o negro-de-fumo.Vinco formado numa folha de papel por processos 199 . Displei <display> .Acessório de uma impressora ofsete plana que promove a lavagem automática do cilindro de contrapressão. Direção de máquina <machine direction> . Termos alternativos: direção de fabricação. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas evitar a deformação do produto e garantir que o livro permaneça plano quando aberto. exibida num monitor de vídeo. a lavagem do cilindro de contrapressão ou a lavagem da rolaria de tinta.Ver: Sentido de fibra do papel <paper grain direction>.Perda do poder catalisador do secante de uma tinta de impressão causada por absorção física ou reação química do secante com certos pigmentos. <web direction>. Termo alternativo: perda do secante <loss of drier>.[1] <fold> . Distorção da imagem <image distortion> .Separação ou espaço que se deve considerar entre a superfície de uma retícula de meio-tom de linhas cruzadas e a chapa ou o filme. Disco de serrilha <perforation wheel> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .

Dobra longitudinal à tira de papel realizada no funil da dobradeira de uma impressora rotativa. Dobradeira combinada <combination folder> . Dobradeira de bolsa <buckle folder> . formada quando um caderno que recebeu a primeira dobra paralela caminha por um plano horizontal. dotada de dois roletes paralelos que impulsionam o papel a ser dobrado entre duas placas metálicas. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas manuais ou mecânicos. dobra um quarto <quarter fold>. que corta o papel a cada meia revolução do cilindro da chapa e coleciona dois cadernos a cada revolução. Dobra de bolso <pocket fold> . produzindo cadernos prontos para a encadernação. v este tipo de dobradeira é mais adequado para fazer dobras paralelas. até passar sob uma lâmina reciprocante que o empurra contra dois roletes recartilhados para completar a dobra. Dobra-carta <letter fold> . Ver também: Dobradeira de cutelo <chopper folder>. existe um par de roletes que completam a dobra do papel. a borda da folha choca-se contra uma barra transversal. pode também produzir dobras cruzadas acoplando-se outro conjunto . produzindo cadernos prontos para a encadernação. Ver também: Funil <former>.{a} Máquina de acabamento dotada de facas e roletes que realizam a dobragem de folhas impressas conforme as especificações do produto. Dobra de cutelo <chopper fold> Dobra paralela às fibras do papel. Dobra de funil <former fold> . que incorpora as características dos equipamentos de corte e dobra. Ver também: Dobradeira <folder>. Dobra cruzada <crossfold> .Método de acabamento no qual uma folha impressa recebe diversas dobras paralelas na mesma direção.{a} Máquina de acabamento. dobra em ângulo reto <rightangle fold>. a fim de formar um produto cuja parte interna é envolvida por duas ou mais dobras. [3] <sheet room> . executada numa dobradeira acoplada a uma impressora rotativa. {b} Sistema acoplado a uma impressora rotativa que corta e dobra a bobina impressa.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Termos alternativos: dobra cruzada <crossfold>. entretanto. produzindo uma ondulação na posição da folha onde se deseja formar a dobra.Dizse de uma folha de papel dobrada para ser inserida num envelope ou bolso. um terceiro rolo.Tipo de dobradeira acoplada em-linha a uma impressora rotativa. Termo alternativo: dobradeira de papel <paper folder>. completa a dobra a partir desta ondulação.Máquina de dobrar folhas. Lâmina de dobra <tucker blade>. Termo alternativo: <folding machine>. executando três diferentes dobras: a do funil. Abreviatura: (combi). trabalhando em conjunto com um dos anteriores. Termo alternativo: dobra de jornal <newspaper fold>. Dobradeira <folder> . abaixo da mesa formadora de dobra.Ver: Dobra de cutelo <chopper fold>. {b} Máquina de acabamento dotada de mecanismos das dobradeiras de vinco e de cutelo. [2] <folding> .Processo de transformação de uma folha impressa num caderno. montada em-linha numa impressora rotativa. a de morcete e a de cutelo. com a lombada voltada para a frente.Seção de acabamento onde é realizada a dobragem das folhas em cadernos. 200 v a dobra de funil é a primeira dobra que o papel recebe antes de ser cortado. combinada com dobradeiras de morcete e de cutelo. Dobradeira colecionadora <collect folder> .

sem a necessidade de desintercalação. Dobradeira de um-quarto de página <quarter page folder> . o vinco. no sentido longitudinal.Tipo de dobradeira de impressoras rotativas dotada de dois funis. a grampeação etc. <tucker folder>. Termo alternativo: <angle-bar folder>. Termo alternativo: <right-angle folder>. as tiras passam através de um conjunto de barras angulares (diagonais) e são intercaladas e alinhadas antes de entrarem na seção de dobra de morcete. Dobradeira de faca <knife folder>. em lugar do funil. para produzir um caderno de oito páginas. [2] <knife folder> . podem ser acoplados a uma dobradeira de tiras. Termo alternativo: <formand-cutoff>.Equipamento dotado de uma lâmina metálica e um conjunto de dispositivos margeadores que posicionam a folha a ser dobrada sobre dois roletes localizados sob a lâmina. permitindo produzir quatro dobras cruzadas. ou divide a bobina em tiras. Dobradeira de papel <paper folder> Ver: Dobradeira <folder>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de dobra perpendicular ao primeiro. 201 .Tipo de dobradeira que executa duas dobras perpendiculares numa folha impressa. a fim de complementar as operações de acabamento. duas dobras cruzadas e uma dobra paralela à segunda.. Dobradeira de cutelo <chopper folder> . ou então instalando-se um conjunto de dobra de cutelo. o número de dobras será igual ao número de unidades acopladas. em tiras de largura adequada ao formato do produto. Termo alternativo: <chopper fold assembly>. uma vez que cada unidade produz apenas uma dobra. que produzem a dobra. ou três dobras cruzadas e uma dobra paralela à terceira. Dobradeira de morcete <jaw folder> Dobradeira acoplada em-linha à saída de uma impressora rotativa.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Termo alternativo: <second length fold>. Ver também: Dobradeira de cutelo <chopper folder>. Dobradeira de tiras <ribbon folder> Dobradeira de uma impressora rotativa ofsete que corta a bobina de papel.Conjunto contíguo à dobradeira de uma impressora rotativa. Ver também: Dobra de cutelo <chopper fold>. Dobradeira de faca . Termos alternativos: dobradeira paralela <parallel folder>. as tiras são cortadas no sentido transversal e saem da impressora na forma de cadernos. a serrilha. paralelas ou em ângulo reto em relação ao sentido do deslocamento da bobina. a lâmina vinca e empurra a folha contra os dois roletes. cuja função é executar a dobra cruzada dos cadernos. Dobradeira de duplo funil <doubleformer folder> . constituída de três cilindros que executam uma ou duas dobras. Morcete <jaw>. que produz uma ou mais dobras longitudinais. v alguns acessórios que executam a colagem. Dobradeira paralela <parallel folder> .[1] <jobber> Tipo de dobradeira configurada com quatro unidades de dobra e uma ou duas seções de dobra paralela. Dobradeira de vinco <plow folder> Dobradeira acoplada a uma impressora rotativa.Ver: Dobradeira de morcete <jaw folder>. permitindo a impressão de dois produtos diferentes numa única entrada de máquina. Ver também: Dobra de morcete <jaw fold>. Dobradeira de osso <bone folder> Ferramenta manual empregada para vincar e dobrar folhas impressas. Ver também: Barra angular <angle bar>. dobrando-as individualmente. constituído de uma lâmina reciprocante e um par de roletes recartilhados.

Ver: Dobra sanfona <accordion fold>. paralela à segunda dobra. e depois uma segunda dobra perpendicular à primeira. Dobra de jornal <newspaper fold> Ver: Dobra de funil <former fold>. com as páginas das extremidades dobradas para o mesmo lado. por ação combinada de uma lâmina de dobra localizada no cilindro porta-agulhas e de um conjunto de pinças (morcetes) localizado no cilindro de morcete. antes da encadernação.Imposição de dobra que consiste em produzir um caderno de oito páginas a partir da dobragem de uma folha com dois vincos paralelos eqüidistantes. Termo alternativo: <fly fold>. sem a necessidade de agulhas para perfurar e prender a borda da tira. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Dobradeira quádrupla <quad folder> .Operação de acabamento que consiste em transformar uma folha impressa com 4 a 64 páginas em seções ou cadernos. Dobra duplo-paralelo <two-up fold> .Trabalho de dobrar cartão. Morcete <jaw>. Dobragem <folding> .[1] <a fold> . . especialmente executada numa dobradeira de vinco. 202 Dobra de quatro páginas <four-panel fold> . a partir de uma folha impressa de 64 páginas. Dobra de morcete <jaw fold> . cartolina ou papelão. Termos alternativos: dobra cruzada <crossfold>.Segunda dobra executada por uma dobradeira combinada. Dobra em cruz <cross fold> . Termo alternativo: dobra em cruz <cross fold>. Termo alternativo: <tucker fold>. a fim de formar um caderno. Dobra francesa <French fold> Método de dobragem no qual uma folha impressa apenas num dos lados recebe uma primeira dobra para deixar o lado branco da folha voltado para dentro.Termo empregado na encadernação para designar uma dobra a 90° em relação a outra. Ver também: Dobradeira de vinco <plow folder>. após o corte. [2] <turnover> . Dobradura .Folha dobrada.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Dobra de cutelo <chopper fold>. Dobradeira sem agulhas <pinless folder> . dobra em ângulo reto <right angle fold>. Dobra janela <gatefold> . formando um único painel quando abertas. rebobinamento ou impressão. Dobra em leque <fanfold> . perpendicular à dobra do funil (primeira dobra). ou dois cadernos de 32 páginas. Dobra em ângulo reto <right-angle fold> . originando conjuntos de dois cadernos impostos pé-com-pé. formando um caderno de quatro páginas.Termo alternativo para dobra de funil. produzindo um caderno de 4 páginas. Dobra de vinco <plow fold> . Ver também: Dobradeira de morcete <jaw folder>.Tipo de dobradeira combinada de certas impressoras rotativas.Borda de uma bobina ligeiramente rachada ou rasgada devido à dobragem durante as operações de corte. Termo alternativo: <paper folding>. dotada de dois conjuntos de roletes de tração que mantêm o papel tensionado.Dobra executada a 90° em relação à dobra anterior.Terceira dobra executada por uma dobradeira combinada. Lâmina de dobra <tucker blade>.Configuração de dobra formada quando uma folha é dobrada ao meio.Máquina de acabamento que pode produzir quatro cadernos de 16 páginas. Dobragem de cartão <cardboard bending> . cabeça-com-cabeça ou pé-com-cabeça. Ver também: Encarte <gate-fold>.

{a} Técnica de decoração a ouro do corte superior ou das três bordas de livros encadernados. Dobra um quarto <quarterfold> {a} Dobragem longitudinal executada pelo cutelo da dobradeira de uma impressora rotativa. Douração do corte . dobra em leque <fanfold>. <golden plating>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Imposição de dobra que permite produzir simultaneamente quatro cadernos a partir de uma folha impressa. compreendendo duas dobras paralelas e uma em ângulo reto.{a} Método de dobragem onde os vincos e as dobras são realizados sem respeitar o alinhamento das áreas de grafismo. Termos alternativos: douradura. {b} Técnica ou arte de decorar a capa de um livro encadernado com ouro.Processo de aplicação de ouro nas bordas de um livro encadernado. <over-and-back fold>.{a} Método de dobragem onde os vincos e as dobras são realizados de acordo com o alinhamento dos grafismos na folha.{a} Transformar uma folha de papel impres-sa num caderno ou num produto final. {b} Operação de dobra e vinco executada de modo que a cabeça.Método de dobragem que consiste em produzir uma série de dobras paralelas numa folha. a fim de produzir um produto acabado que lembra o fole de um acordeon. {b} Executar a dobra de uma folha impressa por processos manuais ou mecânicos. <titling>. Dobra sanfona <accordion fold> Tipo de dobra ou método de dobragem que consiste em executar diversas dobras paralelas de modo que as dobras adjacentes tenham direções alternadamente opostas. [2] <edge staining> . Douração . o pé e as imagens impressas fiquem alinhados nos cadernos.Processo de decoração das três bordas refiladas de um livro encadernado empregando corantes dourados. Ver também: Dobra de cutelo <chopper fold>.Ver: Vinco <crease>.[1] <edge gilding> .Ver: Lombada <spine>. em geral igualmente espaçadas. Dobra tablóide <tabloid fold> . Formato magazine <magazine format>. Termos alternativos: <concertina fold>. Ver também: Dobrar pelo papel <folding-to-paper>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Dobra panorâmica . numa dobradeira de quatro estações. [3] <full gilding> .Executar as dobras das bordas de pinça e contrapinça de uma chapa ofsete. Dobras sobrepostas <over-and-over fold> . Dobra quádrupla <quad fold> . [4] <top staining> . do pé ou das imagens impressas nos cadernos. todas orientadas no mesmo sentido. Ver também: Dobrar pelo impresso <folding-to-print>.Ver: Encarte <gatefold>.Processo de coloração de uma ou mais bordas refiladas de um livro. Dobrar pelo papel <folding-to-paper> .{a} Processo de douração do corte 203 . lembrando um rolo de papel amassado. Dobrar . Dobra seca . [2] <to fold> . a fim de produzir um caderno de formato magazine. Dorso . geralmente bíblias e edições de luxo.[1] <to bend> . {b} Terceira dobra perpendicular executada num caderno de jornal.<gilding> .Ver: Primeira dobra paralela <first parallel fold>. Dobrar pelo impresso <folding-toprint> . {b} Operação de dobra e vinco das folhas que não respeita o alinhamento da cabeça. Dobra paralela <parallel fold> Método de dobragem que consiste em executar uma seqüência de dobras paralelas à primeira.

durante a fase de assentamento da tinta no papel. para se obter a densidade “seca” correta.Característica de um papel que descreve a diferença de textura.Perda de densidade óptica. as partículas de pigmento mais finas são parcialmente arrastadas pelo veículo da tinta para o interior do papel. Duplagem <doubling> . o dry-back pode ser avaliado a partir de medições densitométricas de uma tira de controle feitas a intervalos regulares após a impressão. {e} o papel desliza nas pinças do cilindro de contrapressão. Termos alternativos: <dot doubling>. o chassis é girado 180° para iniciar um novo ciclo de cópia. ao rebater na próxima folha. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas superior de um livro encadernado.Ver: Douração <gilding>.[1] <flip-top> . após a cópia. portanto.Ver: Duplagem <doubling>. <duplation>. Douração inteira <full gilding> Dizse de um livro decorado nas três bordas com ouro. cor e brilho que pode ocorrer devido a penetração da tinta no papel. a tinta deve ser impressa com uma densidade “úmida” ligeiramente mais elevada. permitindo a montagem de uma chapa ou filme enquanto outra está sendo exposta.Fenômeno que se manifesta através da mudança de cor. Duodécimo <duodecimo> . [2] <ink dry back> . Termo alternativo: <full gilded>. a capa ou a borda refilada de livros encadernados.A mais importante exposição internacional de equipamentos gráficos e insumos para artes gráficas realizada em Dusseldorf. determinado por uma folha dobrada de modo a formar um caderno de 12 folhas ou 24 páginas. Dublagem .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . {f} a tira . ou outros materiais metálicos. é impressa fora-de-registro em relação à impressão da primeira unidade. [2] <two-sidedness> . brilho ou densidade de um filme de tinta. {c} a blanqueta ofsete está frouxa e desliza sobre a superfície do cilindro. Dourador <gilder> . {b} a tinta impressa na primeira unidade de impressão é parcialmente transferida para a blanqueta da segunda unidade e.Defeito de impressão que se manifesta na forma de um segundo ponto impresso com menor densidade (fantasma) e ligeiramente forade-registro em relação ao ponto primário de uma retícula de meio-tom. 204 v os suportes de impressão porosos imobilizam parcialmente o filme de tinta impresso através da absorção dos constituintes mais fluidos do veículo da tinta. Abreviaturas: (12mo). (12°). v a duplagem é um problema complexo que pode ter diferentes causas: {a} o suporte contata prematuramente a blanqueta ofsete antes do ponto de impressão.[1] <dryback> . <twelvemo>. Dourar <to gild> . Alemanha. Dupla-face . Dry-back . Termo alternativo: <top-staining>.Decorar a ouro. ponto duplo. Douradura . aparência e printabilidade entre as duas faces da folha: tela e feltro. logo após a impressão.Artista ou profissional do setor de encadernação que exe-cuta a douração de livros. DRUPA .Formato de livro igual a 5 x 7 1/2 ”. {b} Processo de aplicação de corante à borda refilada de um livro. in-duodécimo <in duodecimo>.Tipo de prensa de contato dotada de dois chassis. Termos alternativos: in-doze <in-twelve>. dublagem. {d} desgaste mecânico causando imprecisão durante o transporte da folha através da impressora.

{i} Canal de comunicação que permite a transmissão de dados simultâneos em ambas direções. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de papel desloca-se lateralmente numa impressora rotativa ofsete. Duplicadora <duplicator> . Ver também: Simplex <simplex>. Duplicação <duplicating> . {h} Papel ou cartão que apresenta diferentes cores e acabamentos nos dois lados. imposição ou acerto da escala de reprodução. para propósitos de retoque. usualmente a uma ou duas cores. normalização do alcance de densidade. {g} Matriz de uma compositora linotipo constituída de dois moldes de tipo integrados na mesma peça de latão. Multilith etc. sem guias nos cilindros da chapa e da blanqueta. {g} o papel sofre variação dimensional diferente de folha para folha devido à umidade absorvida durante a impressão.Máquina que reproduz cópias de documentos.Impressora ofsete plana de pequeno formato (inferior a 279 x 432 mm). ou dois em um. {b} Impressora reversível que imprime os dois lados do papel numa única passada.) para reprodução de originais em pequenas quantidades. Ver também: Hectógrafo <hectograph>. <twofold>. Termo alternativo: canal dúplex <duplex channel>. hectografia ou ofsete. {d} Impressora perfecting que imprime os dois lados do suporte numa única passada. {f} Termo tipográfico empregado para descrever um método de simplificar a determinação da largura de um caractere. máquina duplica-dora <duplicating machine>. ajuste de invasão de cores. Duplicação a estêncil <stencil duplicating> . de formato inferior a 279 x 432 mm. embora possa também imprimir a quatro cores. Dupla-imagem <double image> Defeito de impressão caracterizado pelo aparecimento indesejável de uma imagem extra numa outra região da folha impressa. 205 . {b} Produção de pequenas tiragens de material impresso em pequenas impressoras.Processo de obtenção de uma transparência duplicata a partir de um original transparente.{a} Método de reprodução de ilustrações que emprega duas chapas de meio-tom. {e} Papel impresso com uma cor diferente de cada lado. e outros. {c} Pequena impressora de escritório (mimeógrafo. Dúplex <duplex> .{a} Processo fotomecânico no qual uma imagem. sem guias. idêntica à original. a fim de formar uma imagem sobre o papel de impressão. {c} Preparação de chapas de impressão idênticas para reprodução de diversas versões de uma mesma imagem. Termos alternativos: matriz dúplex. {b} Aparelho manual ou mecânico utilizado para reproduzir textos ou imagens por meio da mimeografia. Ver também: Fantasma mecânico <mechanical ghosting>. é reproduzida sobre um material fotossensível. porém na mesma direção vertical da imagem original. Termo alternativo: <doubler>. Duplicador a álcool <spirit duplicator> .Processo de reprodução no qual uma tinta líquida passa através da perfuração de um estêncil-master. cartas etc.{a} Pequena impressora. geralmente uma para a impressão do preto e a segunda para a impressão de outra cor. Multigraph.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Duplicador <duplicator> . {c} Unidade de impressão dupla. Mimeógrafo <mimeograph>. onde os pontos aparecem distorcidos. Não deve ser confundido com duplagem ou slur. Termos alternativos: <copy machine>. usada regularmente para imprimir trabalhos a uma ou duas cores. Ver também: Papel dúplex <duplex paper>. Duplicação a cores <color duplicating> .

{b} Valor numérico que expressa a concentração de sais de cálcio e magnésio presentes na água. à chu- va. quanto mais macio o papel. Eixo da bobina <paper roll chuck> Eixo que suporta a bobina de papel no mecanismo de alimentação de uma impressora rotativa.Mimeógrafo que permite imprimir em cores. ou a firmeza com que uma bobina de papel foi enrolada. separados ou encartados.Imprimir uma certa quantidade de cópias de um original. Duplo-trinta e dois <double-thirtytwo> . Duplicador em cores <color duplicator> . melhor o seu contato com a superfície impressora e. Ver também: Permanência <permanence>.{a} Habilidade de uma blanqueta ofsete de suportar pressão. Durabilidade <durability> .Medida da maciez de um rolo emborrachado ou uma blanqueta. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Duplicador de estêncil <stencil duplicator> . impostos pé-com-pé.[1] <durometer> . Ver também: Printabilidade <printability>.Medida da printabilidade de um papel. dotado de mandris que evitam o deslocamento lateral da bobina.Ver: Moiré <moire>. portanto melhor a transferência da tinta.Tipo de dobradeira que produz dois cadernos de trinta e duas páginas. {c} Falta de harmonia. <roll shaft>.Ver: Mimeógrafo <mimeograph>.{a} Grau de resistência de um material à pene-tração de outro material. tensão e esforço físico durante a impressão.Configuração de dobra que dá origem a dois cadernos impressos na mesma folha ou giro de máquina. <air shaft>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Medida da extensão na qual um produto impresso em serigrafia pode suportar a exposição à luz do sol.Ver: Impressora eletros-tática <electrostatic printer>. empregando tintas líquidas à base de anilinas. 206 E Efeito moiré <moire effect> . ao clima e a outras condições exteriores.Eixo especial localizado no suporte de bobi- . {d} Grau com que um papel resiste à redução de espessura quando sujeito a uma força de compressão durante a escrita ou a impressão. a partir de uma folha impressa com trinta e duas páginas. Eixo pneumático <air shaft> . Duplicador eletrostático <electrostatic duplicator> . cabeça-com-cabeça ou pé-com-cabeça. Durômetro de bobina <roll hardness tester> . Duplicar <to run off> . Durabilidade exterior <exterior durability> . Duplo-dezesseis <double-sixteen> Tipo de dobradeira que produz dois cadernos de dezesseis páginas. a partir de uma folha impressa com sessenta e quatro páginas. Dureza . [2] <hardness> . {b} Grau de deterioração ou habilidade que um determinado papel de impressão tem de conservar as suas propriedades físicoquímicas ao longo do tempo com o uso e manuseio continu-ados.Equipamento utilizado para medir o grau de tensão de bobinamento de papéis. Duplo-paralelo <two-up> . v [2d] o grau de redução de espessura do papel sob compressão é chamada maciez <softness>. de suavidade e de doçura numa oposição de cores. Eficiência da superfície do papel <paper surface efficiency> . separados ou encartados. Termos alternativos: <airless shaft>.

Equipamento automático ou semi-automático que faz a embalagem das bobinas de papel com material à prova de umidade. cuja função é aspirar as partículas soltas na superfície do papel.. Embalagem . a situação torna-se crítica. Eliminador de pó <web cleaning equipment> . quando sujeitos a fricção.Equipamento automático ou semi-automático que faz a embalagem das resmas de papel com material à prova de umidade. tal como o papel.Folha de material flexível. a fim de reduzir a quantidade de eletricidade estática que se desenvolve devido à baixa umidade relativa e ao atrito do papel com superfícies metálicas. Embaladeira de resmas <ream wrapping machine> . Eletricidade estática <static electricity> . dificultando a separação entre as folhas e a sua movimentação através da impressora. localizado no setor de alimentação de uma impressora rotativa. dotado de pinos pneumáticos que prendem o tubete (sabugo) das bobinas de papel. {b} Dispositivo adaptado a uma impressora ou a uma máquina de acabamento.[1] <boxing> . causando problemas de alimentação do papel e decalque da tinta. a fim de evitar o acúmulo de pó na superfície destes materiais durante o processamento.Acúmulo de elétrons em materiais dielétricos. quando o papel sofre ressecamento ao passar através do forno de uma impressora rotativa ofsete. papéis fotográficos. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas nas de uma impressora rotativa.Dispositivo dotado de uma escova e um sistema de vácuo. Ver também: Barra antiestática <antistatic device>. neutralizador de estática <static neutralizer>. v a carga eletrostática do papel pode ser dissipada por meio de barras antiestática instaladas próximo à mesa alimentação de uma impressora ofsete plana ou de uma dobradeira.{a} Substância química ou dispositivo elétrico que elimina a eletricidade estática da superfície de filmes. {d} risco de incêndio na impressão rotogravura devido à descarga de centelha entre duas fitas paralelas de papel passando próximas entre si. {b} desuniformidade na arrumação da pilha de entrega devido à atração entre as folhas ou devido à repulsão entre as páginas dos cadernos. Termos alternativos: dispositivo antiestática <antistatic device>. v o acúmulo de carga eletrostática no papel é favorecido quando a umidade do papel e a umidade relativa do ambiente da sala de impressão estão em níveis muito baixos.Ato de colocar o produto impresso em caixas. [2] <overwrap> . geralmente proveniente de uma bo- 207 . ou através da reumidificação do papel quando este atravessa o dispositivo aplicador de silicone de uma impressora rotativa.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . pressão ou separação repentina entre duas superfícies. os principais problemas compreendem: {a} alimentação de duas ou mais folhas devido à atração entre elas. {c} decalque causado por atração entre as folhas. para protegê-lo durante o transporte. Ver também: Barra antiestática <antistatic device>. Eliminador de estática <static eliminator> . ou quando a umidade relativa do ar cai abaixo de 30%. {e} alimentação deficiente de folhas e cadernos nas máquinas de acabamento. ou ainda através de reumidificação do ar da sala de impressão empregando um vaporizador. Eletricidade estática <static electricity>. Termo alternativo: neutrali-zador de estática <film static neutralizer>. papel-pigmento etc. Embaladeira de bobinas <roll wrapping machine> .

Embalar <to wrap> . destinada a facilitar o transporte e induzir o consumo múltiplo. para assegurar a esterilidade do conteúdo. Embalagem de transporte <transportation package> . 208 . Emenda . Embalagem asséptica <aseptic packaging> . projetada para a exposição do produto no ponto de venda. rótulos etc. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas bina.Junção das extremidades de dois materiais. por exemplo: pote de creme. panfletos. caixa de fósforos etc.[1] <butt> . {b} Invólucro ou recipiente usado para embalar. incluindo cartuchos. enrolada mecanicamente em torno de um pacote. caixas de papelão.Porção de uma bobina de papel que não pode ser utilizada. [3] <emendation> .Envolver o material impresso com papel kraft ou plástico. identificar. [2] <multipack> .{a} Ato ou efeito de embalar.. cartão.{a} Erro indicado na prova pelo revisor. [5] <wrap> . [3] <package> . Embalagem de conjunto . <amendment>.[1] <bundle> .Embalagem contendo várias embalagens unitárias. Termo alternativo: a cavalo. em que os cadernos são grampeados através da dobra da lombada. Ver também: Embalagem de conjunto <multipack>. extratos.[1] <shrink band> . plástico etc. fixando-se a ele através de encolhimento sob ação de calor.Termo genérico empregado para descrever o processo de gravação de chapas e cilindros para o segmento de embalagem. Ver também: Embalagem unitária <unit-pack>. informar e facilitar o transporte e a estocagem de produtos. Embalagem termo-encolhível . cuja função é facilitar o transporte e a estocagem. sorvetes etc.Embalagem de cartão que agrupa duas ou mais unidades de um produto. Embalagem de consumo . Embalagem de exposição <display package> . livros etc. como duas bobinas de papel. ou cartão dúplex laminado e esterilizado com peróxido de hidrogênio. a fim de protegê-lo durante o transporte. {b} Correção de erros de um arquivo digital ou de uma matriz tipográfica de acordo com as marcações assinaladas na prova pelo revisor.Tipo de embalagem de consumo contendo diversas unidades de um produto. [2] <butt splice> . Em canoa <saddle stitch> .Embalagem à prova de umidade usada para evitar a deterioração de produtos causada por perda ou ganho de umidade. {c} Setor onde se embalam os produtos acabados.Embalagem que continua sendo utilizada durante o consumo do produto. decorar.Folha de material flexível enrolada em torno de um produto.. Embalagem de uso . [2] <shrink wrap> Método de embalagem que consiste em aquecer um plástico retrátil que adere ao material impresso ou acabado.Embalagem de consumo. Termos alter-nativos: <amend>.Tipo de embalagem feita de materiais flexíveis esterilizados com radiação gama. Embalagem com barreira à umidade <moisture barrier wrapper> .Método de acabamento de revistas. [4] <packaging> . papel de embrulho. geralmente alimentos e remédios tais como conservas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . [6] <wrapping> .Embalagem cuja função é efetivar o contato do produto com o consumidor. destinado a proteger.Envoltório de papel. Ver também: Barreira <barrier coat>.Filme plástico enrolado em torno de um produto ou pacote. mercadorias etc. Embalagem unitária <unitpack> Embalagem de consumo que contém apenas uma unidade do produto.

localizado na seção de alimentação de uma impressora rotativa.Ver: Emendador tipo estrela <three-arm paster>. Termo alternativo: emendador de três braços <three-arm splicer>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas correção <correction>.Tipo de emendador de bobinas de impressoras rotativas dotado de um suporte móvel que pode comportar 209 . Ver também: Porta-bobinas <roll stand>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . locali-zado na seção de alimentação de uma impressora rotativa. que permite emendar uma nova bobina à bobina que está sendo impressa sem parar a impressora. que comporta a bobina de papel (ou de outro suporte) e permite executar a emenda sem ter que parar a impressora. Emendador de três braços <threearm splicer> . na indústria gráfica. conseqüentemente. Termo alternativo: <flying splicer>. localizado na seção de alimentação de uma impressora rotativa. <redress>. para então se processar a emenda. Ver também: Emendador estacio-nário <zerospeed splicer>. Emendador estacionário <zero-speed splicer> . Ver também: Emendador dinâmico <flying paster>. Termo alternativo: <automatic web splicer>. Emendador de bobinas <splicer> Dispositivo do sistema de alimentação de impressoras rotativas onde se faz a emenda de uma nova bobina àquela que está sendo consumida. desperdício elevado.Caderno ou parte de uma bobina de papel rejeitados por conterem uma emenda de fábrica. [6] <splice> . um certo nível de tolerância com respeito ao número máximo de emendas por lote de bobinas. Termo alternativo: desbobinador <paper unwind stand>. {b} Junção das extremidades de duas bobinas de papel ou de outro suporte de impressão. Emenda defeituosa <bad splice> Deficiência da emenda de uma bobina de papel que pode originar quebras e. Emenda automática <auto-splice> Sistema de certas impressoras rotativas responsável pelo ciclo de emenda das bobinas sem a necessidade de intervenção do operador. [5] <revise> . uma vez que estas podem causar quebras e aumentar o desperdício de papel durante a produção.Instruções ou material necessário para fazer uma alteração no texto de uma composição. que permite emendar uma nova bobina à bobina que está sendo impressa sem parar a impressora.Dispositivo automático. duas bobinas de papel ou de outro suporte. Emendador automático de bobinas <automatic splice reel> . [4] <paster> . Emenda resistente ao calor <heatresistance splice> . a bobina a ser emendada é rotacionada até que a sua velocidade superficial se iguale à velocidade da bobina que está sendo impressa.Dispositivo automático dotado de três braços dispostos a 120°.{a} Ponto onde duas bobinas de papel se juntam para formar um único rolo. Emendador de dois braços <two-arm splicer> . Emenda de fábrica <mill splice> Emenda feita numa bobina de papel pelo próprio fabricante. Termo alternativo: <two-arm paster>.Dispositivo de uma impressora rotativa responsável pela alimentação e emenda de bobinas. Emendador tipo estrela <three-arm paster> . Festão <festoon>. Emendador dinâmico <flying paster> Dispositivo automático. <proofreader’s cor-rection>.Emenda feita numa bobina de papel empregando adesivos que não amolecem ao passar pelo forno v existe.

em quantidades pré-definidas para transporte ou estocagem.Diz-se de uma pilha de folhas ou cadernos arrumados de modo a ficarem com as bordas alinhadas. Emparelhadores . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de uma impressora rotativa. E m p i l h a d o r – c o n ta d o r – c o m p e n s a dor <compensating counter–stacker> .Processo de acondicionamento dos produtos impressos em pacotes.Ver: Arrumação <jogging>.Ver: Enfardamento <bundling>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . barbante etc. Em-linha . Termo alternativo: <stacher>.Prender as pastas a um livro. Emparelhador <jogger> . Empilhadeira de garfo <fork-lift truck> . {b} Equipamentos periféricos e elementos de um sistema que estão eletronicamente conectados. {c} Modo de operação no qual os terminais. alguns sistemas periféricos têm que ser temporariamente desativados para colocar outros em-linha. empregado no transporte de papel e outros produtos. jornais ou cadernos impressos.[1] <in-line> . Ver também: Fora-de-linha <off-line>.Embalar os produtos impressos em pacotes. Empastar <to paste> .Equipamento dotado de duas hastes reguláveis. 210 Empacotamento <packaging> . Emparelhadores laterais <side joggers> . Emparelhamento . Ver também: Configuração em-linha <in-line configuration>.Cada um dos três dispositivos móveis da saída de uma impressora plana cuja função é arrumar as folhas que caem na pilha de entrega em esquadro. executado em máquinas automáticas.Dispositivo acoplado em-linha a uma impressora rotativa ou a uma máquina de acabamento cuja função é reunir e empilhar livros. Empacotamento automático <automatic packaging> . Visto que os sistemas online requerem quanti-dade significante de memória.Máquina destinada a transportar e arrumar as resmas ou as bobinas de papel no armazém onde o papel é estocado. [2] <on-line> . Empilhador–contador <counter–stacker> . cinta. {d} Equipamentos ou acessórios conectados a uma impressora ou máquina de conversão que complementam o processamento de um produto impresso. são controlados por um computador central. durante a encadernação. por meio de cordões de cola.Dispositivo da mesa de entrega de uma impressora ofsete plana ou máquina de acabamento cuja função é alinhar as folhas de papel à medida que estas caem na pilha de saída. amarrando-os com fita.{a} Diz-se dos equipamentos ou dispositivos que têm comunicação direta com a unidade central de processamento de um computador.Configuração de uma impressora em que as unidades de impressão encontram-se dispostas em fila. assim como movimentar os estrados de folhas ou cadernos impressos do setor de impressão para os setores de acabamento. Empilhadeira <stacker> .Dispositivo acoplado à esteira de saída de uma impressora rotativa cuja função é colecionar. Empilhador <stacker> . Emparelhado <flush> . para armazenagem ou transporte.Ver: Arrumadores <joggers>. comprimir e amarrar os cadernos impressos. ou outros equipamentos. os scanners. {e} Operação de processamento de dados em conexão com um computador principal. Empacotar <to bale> . em pacotes.

a fim de compensar a maior espessura da lombada. Encadernação <binding> . Empolmar . encadernação com grampo a cavalo <saddle-stitch binding> ou encadernação com grampo lateral <side-wire stitching>. tais como: grampeação. conforme as dimensões e o peso do volume.{a} Processo ou arte de encadernar livros. cuja função é colecionar e empilhar os produtos. Termo alternativo: <bookbinding>.Acúmulo de partículas de papel nas áreas de contragrafismo de uma blanqueta ofsete. eventualmente. um revestimento de tecido.Ver: Despolpar <to pulp>. v existem quatro processos básicos de encadernação. durante a impressão em máquina rotativa. simples das brochuras por uma capa cartonada que adere mais solidamente aos cadernos do miolo e apresenta maior resistência ao uso. [2] <drift> . costura etc. a capa do livro ou da revista. composta de uma única peça. Deslizamento <creeping>. Ver também: Degolar <to bleed>. <whitening>.Deformação do tecido emborrachado de uma matriz flexográfica sujeito a uma tensão continuada. de modo que a cola possa penetrar através dos furos e atingir todas as páginas do 211 v a encadernação substitui a capa . Empoeiramento <dusting> . couro ou papel especial colado numa armadura de papelão. Encadernação com adesivo . Termos alternativos: encadernação arráfica.Unidade de saída de uma impressora que dobra e empilha os formulários após a impressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Dispositivo acoplado em-linha a uma máquina de acabamento.Deslocamento das páginas centrais de um caderno resultante da dobra da folha. produzindo pequenos cortes na lombada dos cadernos. costura <thread sewing> e encadernação mecânica <mechanical binding>. a capa dura leva. Empresa gráfica . tais retângulos são ligeiramente maiores do que o miolo.Dispositivo de saída de impressoras ofsete planas e máquinas de acabamento onde as folhas impressas são empilhadas. Termos alternativos: <powdering>.Método de acabamento que consiste em aplicar cola fria ou hot-melt na lombada fresada ou lixada dos cadernos ou nas bordas das folhas impressas.[1] <creep> . composta de dois retângulos ou pastas de espessura variável. Empuxo . Ver também: Encadernação em lombada quadrada <square back binding>.Ver: Gráfica <print shop>. colagem. [2] <burst binding> Método de encadernação que consiste em perfurar o papel. Termo alternativo: <pushout>. é aplicada diretamente sobre o adesivo ainda pegajoso. girando-os 180°. ultrapassando-o em 3 mm na cabeça e no pé. a lombada ou dorso deve ser suficientemente flexível para moldar-se à forma e às dimensões do bloco de cadernos. Ver também: Pó <dust>.[1] <adhesive binding> . e em 5 mm no lado oposto à lombada para formar as abas. {b} Junção das páginas de um produto impresso através de operações. encadernação patente. Empilhador de formulários contínuos <continuous forms stacker> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . encadernação sem costura <perfect binding>. Empilhador de folhas <sheet stacker> . conhecidos por: encader-nação sem costura <perfect binding>. {c} Termo genérico empregado para descrever todas as operações de acabamento de um livro.

e prendê-las com espiral de arame através dos furos. [4] <notch binding> . a fim de aumentar a área de contato com o adesivo. a fim de prender as folhas do livro ou da revista. cobrindo as bordas das páginas. e prendê-las com dois ou mais anéis metálicos. Encadernação com garra inglesa <wire-O binding> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . ao longo da borda da lombada. Encadernação com arame <wire binding> . Ver também: Encadernação espiral <spiral binding>. as capas são constituídas de peças separadas. a fim de serem grampeados através da lombada.Método de encadernação de folhas soltas que consiste em perfurar um bloco de folhas alceadas.Método de encadernação que consiste em puncionar pequenos cortes retangulares na lombada dos cadernos. a fim de protegê-las. fixar o bloco pelo centro.Método de encadernação de folhas soltas no qual se emprega uma haste reta (baguete). o inconveniente deste tipo de acabamento 212 .Método de encadernação de folhas soltas no qual as folhas são perfuradas numa das bordas. Encadernação com espiral <spiral binding> . Termo alternativo: <spiral-bound>. Encadernação com argolas <loop stitching> .Método de encadernação de folhas soltas no qual as folhas são perfuradas e presas numa das bordas com fio de arame ou plástico espiralado. flexionar as folhas formando um plano inclinado e aplicar cola à lombada. como na encadernação com espiral.Método de enca-dernação no qual os cadernos e a capa de um livro são grampeados lateralmente ao longo da lombada.Método de encadernação mecânica de folhas soltas que consiste em perfurar um bloco de folhas alceadas.Método de encadernação com capa mole cujas orelhas projetam-se além do corte do livro. ao longo da borda da lombada. Encadernação com grampo cavalete Ver: Encadernação com grampo a cavalo <saddle stitch binding>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas caderno durante a encadernação. ao longo de uma das bordas. Encadernação com grampo lateral <side stitch binding> . para prender as folhas. e esta é geralmente coberta com uma tira de papel que se estende até além dos grampos. Encadernação com anéis <ring binding> . e presas com um fio duplo de metal ou plástico curvado para formar um anel fechado. Encadernação com grampo a cavalo <saddle stitch binding> . Termos alternativos> <divinity circuit>. em duas direções.Processo de encadernação que consiste em serrilhar a lombada dos cadernos com cortes denteados e preenchê-los com adesivo. o ba- guete pode ser aumentado à medida que a espessura do produto aumenta. [3] <double-fan binding> . Encadernação com bordas flexíveis <circuit binding> .Método de encadernação que consiste em colecionar um bloco de folhas soltas ou cadernos de quatro páginas. e prendê-las com argolas metálicas semicirculares. Termo alternativo: encadernação com grampo cavalete.Método de encadernação de folhas soltas que consiste em perfurar um bloco de folhas alceadas. Encadernação com baguete <post binding> . [5] <slot binding> . {b} Encadernação de revistas ou livretos feita com grampos que fixam o centro das folhas dobradas. <yapp binding>. em vez de anéis.{a} Método de encadernação no qual os cadernos são colecionados de tal modo que o conjunto apresente uma lombada comum. resultando num volume que se mantém plano quando aberto.

Encadernação de restauração <cleat-laced binding> . e este é colado à capa.. costurar com fios ao longo dos sulcos e reencapar o volume.Método de encadernação com adesivo no qual a lombada dos cadernos é perfurada em vez de cortada.Método de reparo de livros encadernados que consiste em remover a capa. de modo que possam ser inseridas ou removidas de uma seção de um documento maior. marmorelas. Encadernação de folhetos <booklets binding> .Processo de acabamento que consiste em refilar dois livros remontados. Termo alternativo: <quarter bound>. freqüentemente encerradas num fichário de três furos.Encadernação em capa mole de livros ou revistas cujos cadernos foram impressos em conjuntos de duas unidades impostas pé-com-pé. percalines. <plastic comb binding>. Ver também: Encadernação duploparalelo <two-up binding>. cortar sulcos piramidais ao longo da lombada.Método de encadernação no qual folhas individuais são perfuradas com dois ou mais furos. Encadernação com plástico <plastic binding> . para decorar a capa dura de um livro. Encadernação de um quarto de couro <quarter binding> . Termo alternativo: encadernação mecânica <mechanical binding>. Meia-encadernação <half binding>. Termos alternativos: encadernação com pente plástico <comb binding>. Encadernação duplo-paralelo <twoup binding> . e as capas são constituídas de duas peças separadas.Método de encadernação mecânica de folhas soltas. de modo que. Termo alternativo: restauração <oversewing>.Método de encadernação de livros no qual a lombada é revestida em couro e as capas são recobertas com tecido ou papel. Encadernação com pente plástico <comb binding> . Encadernação costurada e colada <sewn and glued binding> . 213 .Ver: Encadernação com plástico <plastic binding>. após receberem a capa. permitindo aumentar a espessura da obra à medida que o número de folhas aumenta. Encadernação inteira <full binding>.Estilo de encadernação caracterizada pelo emprego de couros finos.Método de encadernação de folhas soltas que emprega pinos rosqueados para prender as folhas perfuradas.Método de acabamento de pequenos panfletos. Encadernação com perfuração <perforated binding> . no qual as folhas são perfuradas ao longo da borda da lombada e presas com espiral ou pente plástico flexível através dos furos. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas é que o produto não se mantém plano quando aberto. Encadernação de luxo <luxurious binding> . cabeça-com-cabeça ou pé-com-cabeça.Método de encadernação de folhas soltas que consiste em prender uma das bordas das folhas com um grampo metálico longo que tem ação de mola. refilar a lombada.Método de encadernação no qual os cadernos são costurados para formar o miolo de uma revista ou de um livro. Encadernação de folhas soltas <loose-leaf binding> . normalmente através de grampeação a cavalo ou lateral. ornamentos metálicos etc. Encadernação com mola <spring binding> . Encadernação dupla <two-on binding> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Encadernação em três-quartos de couro <three-quarter binding>. ao longo de uma das bordas. Encadernação com pinos <post binder> .

dobradas e fixadas formando um caderno recoberto com uma tira de couro na lombada. para proteger as páginas na costura.Conjunto de operações realizadas após a impressão que consiste em reunir as folhas impressas em volumes (encadernação). seda. essas encadernações eram tão valiosas que mesmo aqueles que não sabiam ler as colecionavam. dobragem. colocá-la sobre a capa do livro e traçar o desenho com instrumentos aquecidos. em seguida. folhas de ouro e outras técnicas. dobrada em forma de caderno <signature> e refilada. moldes gravados eram empregados para estampar desenhos e filetes. as quais eram decoradas com marfim <ivory>. particularmente na França e na Holanda. foi após Gutenberg que a encadernação passou a ser considerada uma arte e os livros identificados com marcas de encadernadores <binder’s marks>. folhas individuais de pergaminho <parchment> ou velino <vellum> eram colecionadas em conjuntos de 24 folhas <quires>. que consistia em desenhar numa folha de papel. envernizamento etc. os cadernos têm até 64 páginas <thirtytwomo>. grampeação e costura. atualmente. colagem. tais como: estampagem. durante o Império Romano. uma técnica particular de decoração era chamada de estampagem cega <blind tooling> ou <blinding in>. esta técnica prevaleceu até a Idade Média quando os monges e escribas dos monastérios começaram a fazer a encadernação com peças de couro costuradas às páginas. cujo conceito consiste em imprimir diversas páginas numa mesma folha de papel. protegiam a frente e o verso do códice <codex>. cortee-vinco. a encadernação com tecido. encerrá-las numa capa e aplicar motivos decorativos ao volume. perfuração. as técnicas de decoração de páginas de livros com iluminuras manuscritas <manuscript illumination>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas precisam ser cortados ao meio para separá-los e proceder ao refilo trilateral. passaram a ser aplicadas às capas dos livros encadernados. com instru- mentos aquecidos para fundir folhas de ouro às capas dos livros. chamadas meia-encadernação <half-binding>. após a aplicação. para manter plana a folha de ouro. Termo alternativo: encadernação dupla. vinagre e óleo volátil. laminação e plastificação. colecionamento ou alceamento. as técnicas de imposição de páginas <imposition> foram desenvolvidas após a invenção da prensa tipográfica.[1] <edi- . o que causou revolta nos artistas e artesãos que executavam a encadernação manual. as principais operações de acabamento envolvem: estampagem. e podia ser executada mecânicamente. ouro e outros ornamentos. o desenho era primeiro tratado com aguada <glaire>. chamada encadernação em capa dura <case binding> ou encadernação editorial <edition binding>. durante a Idade Média. pedras. por volta de 1800. gofragem. uma solução à base de clara de ovo. 214 v os primeiros livros eram escritos à mão em rolos de papirus <papyrus scrolls> ou tiras de papirus enroladas num bastão. seguido do quarto <quarto> e do oitavo <octavo>. as capas dos livros passaram a ser decoradas por douração <gold tooling>. envernizamento. Encadernação editorial . após a invenção da prensa tipográfica (1400). laminação. Encadernação e acabamento <binding and finishing> . começou a surgir. o primeiro formato de caderno foi o fólio <folio>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . veludo e outros materiais eram utilizados para revestir as capas. pastas de madeira revestidas com couro. couro. v as principais operações de encadernação compreendem: corte e refile.

no qual os cadernos alceados são costurados com agulha e linha. Ver também: Grampeação a cavalo <saddle stitching>. Termo alternativo: <edition binding>. Termos alternativos: encadernação com adesivo <adhesive binding>. e criar vincos <hinge creases> para apoiar e facilitar a abertura das capas. encapamento <casing-in>. podendo ou não incluir ele- . [2] <editorial bookbinding> . para grandes tiragens e produção totalmente automatizada. Encadernação em pano <cloth binding> . reforçada. Encadernação em pasta <billboard binding> . tornando-a mais espessa.Método de acaba-mento de revistas e livretos no qual os cadernos são intercalados e revestidos com uma capa mole. feita pelo próprio editor. Encadernação em lombada canoa <saddle stitch binding> . Termo alternativo: <hard-case binding>. incluindo reparos e reen-cadernações de livros danificados. com capa rígida dotada 215 v a encadernação em capa dura pode ser executada em três diferentes versões: encadernação editorial <edition binding>.Método de encadernação mecânica no qual folhas soltas.Método de acabamento no qual os cadernos de um livro ou de uma revista são costurados e colados com uma tira de gaze para formar o miolo. Livro de capa dura <case-bound book>.Método de acabamento de revistas e livretos no qual os cadernos são colecionados e unidos através de adesivo ou costura.Ver: Meia-encadernação <halfbinding>. mentos decorativos tais como: douração <gilding>. v o processo de encadernação envolve três estágios: costura <thread sewing>. Encadernação em meio-pano <half cloth> . cabeceado <headband>. a qual é fixada ao longo da linha de dobra com dois ou mais grampos de arame.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . são colocadas em pastas de três anéis. e este é unido a uma capa rígida de papelão reves-tido através de guardas coladas à capa e ao miolo. dicionários e enciclopédias. marcadores de página <book mark> e outros. que consiste em arredondar a lombada <rounding and backing>. que consiste em colar o miolo à capa através de guardas <endpapers>. para pequenas tiragens. encadernação de biblioteca <library binding>. encadernação sem costura <perfect binding>.Encadernação em série.Ver: Meia-encadernação <half-binding>. e a capa é colada diretamente sobre a lombada.Método de encadernação que consiste em aplicar uma capa dura em livros-texto. Ver também: Encadernação inteira <full binding>. Encadernação em capa dura <case binding> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas tion binding> . lateralmente <side sewing> ou a cavalo <saddle sewing> ou <Smyth sewing>. de modo a constituírem uma lombada comum. na qual a capa (revestida e deco-rada) e o miolo (alceado e costurado) são produzidos separadamente para depois se juntarem por meio de colagem das guardas. Ver também: Capa dura <hardcover>. encadernação de obra <job binding>. formação da lombada <forwarding>. Ver também: Grampeação lateral <side stitching>. para pequenas tiragens. Encadernação em meio-couro <half leather> . Encadernação em lombada quadrada <square back binding> . perfuradas na lombada. incluindo algum grau de trabalho manual.Método de encadernação em capa dura no qual se emprega uma única peça de tecido para revestir as pastas e a lombada dos livros.

Termo alternativo: <full-bound>.Artista ou profissional que faz ou que trabalha na encadernação de livros. fios em espiral ou anéis metálicos.Ver: Encadernação gótica <gothic binding>. geralmente em couro ou tecido. colador. Encadernação flexível <limp binding> . Termo alternativo: <machine bookbinding>. picotador etc. Ver também: Encadernação <binding>. a fim de separar as páginas e expor as fibras do papel.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Método de encadernação que consiste em fresar e colar os cadernos para formar o miolo de um livro. Ver também: Meia-encadernação <halfbinding>. Encadernação em um quarto de couro <quarter binding> . Encadernação manual <hand case- making> . o produto encadernado pode ter a espiral exposta. Encadernação espiral <spiral binding> .{a} Método de encader-nação que consiste em colecionar e fresar ou lixar a lombada dos cadernos. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de bolsas de vinil transparente na frente e na lombada para inserção de impressos decorativos. 216 . Encadernação em pano <cloth binding>.Método de encadernação que não emprega equipamentos por razões econômicas ou outros motivos.Método de encadernação de folhas soltas que consiste em reunir e prender as folhas individuais ao longo de uma das bordas utilizando baguetes plásticas. costurador. Ver também: Encadernação em lombada quadrada <square back binding>.[1] <perfect binding> . Ver também: Encadernação em um quarto de couro <quarter binding>. Ver também: Enca-dernação em um quarto de couro <quarter binding>. Encadernação inteira <full binding>. grampe-ador. dourador.Método de encadernação em capa dura no qual o material empregado para revestir a lombada estende-se além da metade das pastas. Encadernador <bookbinder> . Encadernação monástica <monastic binding> .Método de encadernação em capa dura no qual são utilizados dois materiais diferentes. Encadernação sem costura . Termo alternativo: <quarter-bound>. na capa e na lombada do livro. Encadernação em três-quartos de couro <three-quarter binding> . através de perfurações feitas ao longo de uma das bordas das folhas. semi-oculta ou oculta. em forma de espiral. Termo alternativo: <spine-see binding>. {b} Técnica de encadernação de livros e revistas na qual a lombada é fresada e colada com cola fria ou hot-melt. encadernação com adesivo <adhesive bin-ding>. Encadernação mecânica <mechanical binding> .Diz-se de um livro acabado que recebeu a encadernação. molas metálicas. nas funções de alçador. a fim de prender a capa ao miolo. e encapá-lo com capa dura. Encadernado <bound> . a qual também reveste a lombada do livro. por exemplo: tecido ou couro na lombada e papel na capa.Método de encadernação de livros com capa muito flexível e lombada facilmente flexionável. Termo alternativo: <binder>.Encadernação completa cuja capa é formada por uma única peça. Meia-encadernação <half binding>.Método de encadernação de folhas soltas que consiste em passar um fio de arame ou plástico contínuo. Termo alternativo: encadernação arráfica. e aplicar um adesivo frio ou quente à lombada para fixar a capa enquanto o adesivo está pegajoso. Termo alternativo: <covered>. [2] <perfect casebinding> .

Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . [3] <curling> .Diz-se de um livro encadernado com capa dura. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Encadernadora . paralelo à lombada. Termo alternativo: <casing in>. [4] <roll-set curl> . [6] <mortise copy> . entre dois ou mais caracteres de uma composição tipográfica.Colecionar e unir as páginas de um livro através de costura. Encadernadora Martini <Martini binder> .Curvatura permanente do papel. [3] <groove> . a avaliação do espaço é geralmente subjetiva. Ver também: Acréscimo entre linhas <addition between lines>.{a} Termo empregado para descrever a distância hori-zontal. {b} Com respeito à impressão. [3] <drawn-on cover> . [5] <mortise> . [2] <curl> .Texto digitado dentro da área recor-tada de uma ilustração.Recorte feito no metal de uma chapa de impressão.Operação de colocação de uma capa mole sobre o miolo de um livro costurado ou grampeado. Termo alternativo: malhete.[1] <casing-in> Processo de inserção do bloco do livro à sua capa. onde se encaixa a pasta. e colagem das guardas à capa. [2] <bindery> . Encaixe . no sentido perpendicular à direção das fibras. {b} Ondulação irregular das bordas de uma folha de papel causada pelo diferencial de umidade relativa existente entre o papel e o ar da sala de impressão. Encadernar <to bind> . é a condição de coincidência entre as cruzes de registro das diferentes cores por toda a superfície de uma folha impressa. [4] <inside mortise> . Termos alternativos: <reel curl>.Operação de posicionamento e colagem da capa num livro ou revista grampeado lateralmente. v [4] o encanoamento geralmente se desenvolve em folhas de cartão cortadas das regiões próximas ao tubete da bobina. [2] <fit> . o espaço pode ser alterado por kerning ou modificando-se a largura horizontal dos caracteres.[1] <casing-in> . <mortice>. <wrap curl>. Encanoamento estrutural <structural curl> . ou relação. [4] <in-line covering> . ou outros meios. arame.Processo de colocação do miolo de um livro em sua capa dura. adesivo. Encanoamento . adquirida quando uma bobina é esto-cada durante um longo período de tempo. [2] <cove-ring> .Curvatura resultante de diferenças estruturais entre os lados tela e feltro de uma folha de papel.Estabelecimento comercial especializado na encadernação de livros e outros produtos impressos. ou devido ao excesso de solução de molhagem absorvida pelo papel.{a} Distorção causada por diferenças estruturais dos lados tela e feltro de uma folha de papel ou cartão. e encerrá-las numa capa. {b} Sulco formado pela saliência lateral da lombada de um livro. Encapamento .[1] <back-edge curl> .Curvatura que se desenvolve na borda de uma folha impressa pelo processo ofsete devido à impressão de elevada carga de tinta próximo da contrapinça.Máquina de acabamento acoplada em-linha a uma impressora rotativa para produzir brochuras coladas. Ver também: Desen-canoador de folha <sheet decurler>.Espaço aberto numa matriz tipográfica de modo a permitir que um bloco de texto ou outra matéria seja inserida.[1] <binder> Máquina que faz a encadernação de livros.{a} Sulco da capa dura de um livro.Operação de enca217 . a fim de inserir um bloco de texto correto no lugar do texto incorreto que foi removido.Condição na qual a capa de um livro enverga após a secagem do adesivo. Termo alternativo: <tail-end-hook>. após o arredondamento. Espacejamento <kerning>. Encapado <covered> .

Ver também: Estendido <spread>. {c} Folheto publicitário colo-cado dentro de um jornal ou periódico. antes de proceder ao alceamento.[1] <hang-in> . inserida num livro ou revista. 218 . livro etc.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . folhetos etc. à parte externa de um caderno de livro por meio de adesivo.[1] <to insert> . impressos separadamente e inserido entre as páginas de uma publicação em máquinas de acabamento. [2] <fill-in> . impresso separadamente. [3] <to cover> Fixar o miolo de um livro à sua capa.Fixar uma folha. Encartar . Termo alternativo: <to tip-in>.Processo de encadernação em lombada quadrada no qual o alceamento e a colagem da capa são executados numa única operação. Encarte .{a} Página que apresenta uma das dimensões maior do que o formato das páginas de um livro ou periódico refilado.{a} Termo empregado na montagem para indicar uma seção de filme que leva detalhes a ser impressos enxertado num filme maior. {b} Folha dobrada. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas dernação em lombada quadrada em que a capa é aplicada ao bloco de cadernos alceados com cola. a um dos cadernos de um livro ou uma revista. Abreviatura: (FSI). Termo alternativo: <tip-in>. ou errata encontrada em livros.[1] <blow-in card> .Caderno impresso separadamente e alceado em torno de um dos cadernos de um livro antes da encadernação. Termos alternativos: <casein>. Encapar .Caderno independente inserido num jornal. [2] <to interpage> . geralmente mapas.Folha dobrada uma vez (uma guarda).Diz-se de um impresso que foi inserido entre as páginas de um jornal. suplemento <supplement>. {b} Colar a borda interna de um mapa. [2] <tipped-in> . a qual é dobrada uma ou mais vezes para ser encartada. numa única operação.Recurso de encadernação que consiste em colar um encarte.{a} Inserir uma página ou um caderno impresso separadamente numa publicação maior. dobrada uma ou mais vezes. [5] <gatefold> .Diz-se de um impresso que foi colado ao caderno de um livro. uma ilustração.Dispositivo de uma linha de encadernação que faz a inserção de encartes em livros.Inserir ou inter-calar páginas a uma publicação. Encapamento em-linha <in-line covering> . Termos alternativos: dobra janela. [4] <tipping> . um anúncio etc..Impresso colocado entre as páginas de uma publicação.Processo que consiste em aplicar adesivo à lombada de um livro. [7] <wrap> . impressa ou não. [2] <to case> .Folha impressa em formato maior do que o produto acabado. {b} Termo usado no acabamento para indicar uma página impressa separadamente colada ou inserida à publicação principal. dobra panorâmica. [3] <to tip-on> . Encartado . pôsteres e tabelas.[1] <inserted> . a fim de permitir a encadernação em máquinas com alimentação automática. que abre para os lados em relação ao centro do produto. [6] <insert> . [4] <free-standing insert> .Operação de encadernação que consiste em inserir e fixar o miolo do livro numa capa dura previamente preparada. fixar a capa e prensar a lombada para prender a capa à lombada. de modo a não ultrapassar as dimensões da obra. Termo alternativo: <hanging-in>. [3] <foldout> . a fim de poder ser fixada ao caderno de um livro.Tipo de cartão-resposta encontrado em revistas. revistas. dentro de um caderno. <casing-in>. Termos alternativos: inserto <inserting>. Encarte solto <flyer> . revista. Termo alternativo: encapamento em-linha. Encartadora <inserter> .

<paper jam>. Encolhimento <shrinkage> .Acumulação de tinta. Engrossamento . Enfardador <baler> .Ver: Enfardadeira <baling press>. Ver também: Atolamento <jam>.[1] <spreading> Problema que ocorre na impressão caracterizado por aumento dos pontos de retícula ou da espessura dos traços causado por espalhamento da tinta ou por ação capilar do papel. Enrosco . papel. Engolfamento <jam>. na superfície de rolos.Processo de embalagem e amarração dos produtos acabados.Retração de um filme plástico (utilizado para empacotar produtos impressos) que ocorre de modo irregular nas direções longitudinal e transversal. Enfardadeira de aparas <compress> .[1] <cockle> . Encasamento <inserting> .{a} Efeito de absorção desuniforme de umidade pelo papel. [2] <thickening> .{a} Ordenar as folhas impressas e dobradas.Dizse de um caractere tipográfico denso ou em negrito. umas dentro das outras.Condição que ocorre na impressão ofsete rotativa quando a tira de papel se rompe e enrola numa das blanquetas. fazendo-o inchar nas áreas de maior absorção e causando ligeira irregularidade na superfície. . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Encasado <inserted> . a fim de aumentar o número de páginas. Enroladeira <winder>. Encasar <to insert> . [2] <bulky> . formando um caderno.Dizse de um livro tornado propositalmente volumoso.Ato de encasar. Ver também: Acúmulo <piling>. a fim de facilitar o manuseio no alceamento. Enfardadeira <baling press> Prensa que faz o empacotamento e a amarração das aparas de papel.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . [3] <packaging> . Termo alternativo: enforcado. Termo alternativo: <baling machine>.Ver: Atolamento <jam>.[1] <baling> . [3] <fat> . chapas e blanquetas durante a impressão ofsete.[1] <bulked up> . Ver também: Intercalar <to inter-leave>. {b} Acabamento produzido por secagem a ar de papéis bonde e casca de cebola..Ato ou efeito de enfardar. Encorpado .Embolação de cadernos no interior da dobradeira de uma impressora rotativa. Enfardamento de aparas <wastepaper baling> Ver: Enfardamento <baling>. Termo alternativo: retração.Caderno inserido em outro. Encolhimento anamórfico <anamorphic shrink> . Enfardamento . Engolfamento <jam> .Pessoa que opera uma enfardadeira. {b} Inserir um caderno dentro de outro para completar determinado número de páginas. {b} Retração da capa de um livro ou revista em relação ao miolo devido a variações de umidade relativa ou a diferenças estruturais entre os papéis da capa e do miolo. Enrugado . Termos alternativos: enrosco.Diz-se de um papel de impressão que apresenta espessura relativamente superior a outro de mesma gramatura.{a} Retração sofrida por um papel exposto em ambiente mais seco devido a perda de umidade do papel para o ar ambiente. Ver: Bobinadeira 219 Enrolamento <strip rewind> . [2] <bundling> Operação de empacotamento dos cadernos impressos. Termo alternativo: empacotamento. <jamming>. verniz etc.

Iniciar a tiragem de um trabalho gráfico. <fillingin>. [3] <drying-in> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Inserir folhas em branco entre as páginas impressas de uma publicação. Entrar em máquina <to begin the run> . não há mais contribuição para aumentar a densidade de cor. reduzindo o contraste da reprodução. <plugging>. {b} Problema que ocorre na impressão rotogravura quando a tinta seca no interior das células.{a} Seção de saída de uma máquina impressora que recebe. a relação tinta–papel que proporciona a melhor transferência é a indicada pela curva de transferência de menor entintamento crítico. Ver também: Descarga <discharge>. arruma e empilha as folhas ou os cadernos impressos.Condição anormal que ocorre durante o processo de impressão em que a tinta preenche as áreas brancas entre os pontos de meiotom.Ver: Saída de folhas <sheet delivery>.Folha de papel em branco ou manuscrito intercalada entre as páginas impressas de uma publicação. Entrefolha <interleaf> . ou devido à insuficiência de solução de molhagem ou quando excesso de tinta é transferido para a chapa. velatura. cujo contador ativa um mecanismo que desvia um número específico de cadernos para uma das bandejas. entretanto. {b} Impressão de cada um dos cadernos de um livro ou revista.{a} Problema que ocorre na impressão serigráfica quando a tinta seca prematuramente e bloqueia as aberturas da malha da tela ocasionando a perda de detalhes da imagem impressa. acoplado a uma guilhotina trilateral. {b} Saída dos equipamentos de impressão e de aca- bamento. quebradiça ou solta. Entintamento crítico <critical inking> . Isto pode ocorrer também na impressão de textos. Entrefolhar <to interleave> . deixando de transferir para o suporte. Escumação <scumming>. v 220 v [3b] o problema de entupimento de células pode ser minimizado adicio- . {c} Cada uma das operações de acabamento de um produto impresso.Diz-se de um filme cuja emulsão fotossensível tornou-se rachada.Sistema de dupla bandeja. Ver também: Chapa seca <dry-up>. Termo alternativo: <delivery end>. a densidade das áreas reticuladas continua aumentando devido ao ganho-de-ponto. sobretudo nas áreas de mínima. Termos alternativos: <fill-in>. Termos alternativos: <dry-up>. entupimento de ponto. Entrega de bolsa dupla <dual pocket delivery> . Entrega de folhas . Entrada de máquina <a run> . acima do entintamento crítico. Entupimento . [2] <clogging> . Entrega <delivery> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas [2] <frill> .Valor correspondente à mínima quantidade de tinta necessária para cobrir completamente o suporte em condições de pressão e velocidade especificadas. Ver também: Ponto de entintamento crítico <critical inking point>. [4] <filling up> . produzindo um sólido (chapado) em vez de pontos bem definidos.Bloqueio das áreas de grafismo de uma tela serigráfica causado por secagem prematura da tinta.[1] <catch-up> Problema que ocorre na impressão ofsete quando os pontos inter-reticulares das áreas de grafismo da chapa tornam-se receptivos à tinta e imprimem uma velatura.{a} Cada uma das vezes em que o papel passa pela máquina para receber a impressão de um dos lados ou de uma das cores. <specking>.

).Máquina automática de envelopar. Ver também: Entupimento <catch-up>. dobra etc.Envelope que contém uma abertura protegida por material transparente que deixa ver o que está por baixo. ou do método a úmido <moist method>. Ver também: Permanência <permanence>. Ver também: Envelhecimento acelerado <accelerated aging>. estrutura. Envelope baronial <baronial envelope> . Entupimento de ponto <catch-up> Velatura que ocorre nas áreas de grafismo de uma chapa ofsete devido ao acerto incorreto do balanço água-tinta. em lon221 v {a} o envelhecimento de um papel pode ser estimado através do método a seco <dry method>. Envelhecer <to fade> .Conjunto de envelopes produzidos de modo contínuo.Tipo de envelope quadrado usado para correspondência e cartões de felicitações. Envelhecimento acelerado <accelerated aging> .{a} Invólucro para remessa ou guarda de correspondência.[1] <aging> . e medição da perda de resistência. no qual a amostra é submetida a . visto que as fibras de celulose fazem o papel deteriorar mais rapidamente em presença de água. Envelopadeira <enveloping machine> . {b} Cartucho de papel dotado de uma aba para fechamento. {c} Folha de papel dobrada e colada de modo a formar um cartucho. Ver também: Permanência <permanence>. ao calor ou outras influências.Tipo de envelope cuja aba é presa por um grampo metálico. no qual uma amostra é colocada num forno a 105°C. Envelopamento . {b} Método de avaliação antecipada das características de solidez de uma tinta através de exposição em ambiente controlado.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Envelope de janela <window envelope> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas nando-se um solvente mais lento à tinta. revista. Envelope de grampo <clasp envelope> .{a} Sofrer envelhecimento ou provocar o envelhecimento artificial de uma tinta ou de um papel de impressão para propósitos de avaliação da sua permanência.[1] <envelope> . e devolvido ao remetente. Envelope .Ato ou efeito de envelopar. Envelope resposta comercial <business reply envelope> . durante um período especificado. [2] <envelopment> .Encarte de revista para ser destacado. {b} Perder a luminosidade ou a saturação de cor (vivacidade). e avaliada segundo a redução de suas propriedades de resistência (rasgo.Papel ou cartão dobrado. Envelopes contínuos <continuous envelopes> . contendo abertura para inserir disco. sobretudo nas áreas de maior densidade (acima de 75% de ponto). impresso etc. em geral empregado em pesquisas de mercado ou venda de assinaturas e produtos. em altas temperaturas.{a} Método de avaliação antecipada das características de permanência de um papel através de exposição em ambiente controlado. [2] <jacket> . brilho ou outra propriedade de um produto impresso ao longo do tempo. sobrescrito. dobrado e colado conforme instruções. 90°C e 25% de umidade relativa. [2] <fading> . o método a úmido é o que mais se aproxima da condição natural. durante um certo período de tempo.[1] <enveloping> Processo manual ou automático de envelopar cartas ou outros materiais impressos. documentos etc. Termos alternativos: sobrecarta.Alteração da força ou da cor de um impresso por ação da exposição à luz.Alteração de cor. Envelhecimento .

o verniz pode ser aplicado seletivamente (com reserva) ou cobrir toda a superfície impressa. impermeabilidade.Tipo de envelope produzido com papel kraft ou apergaminhado. 222 v o envernizamento pode ser feito na própria máquina impressora ou em máquinas especiais de acabamento. frio ou a quente. redução de odor etc.Processo de sobreimpressão de uma camada de verniz transparente em apenas algumas áreas do produto impresso.Operação de lavagem das chapas ofsete com água. contendo perfurações para alimentação em impressoras de computador. a equação estabelece que a ação do tack de uma tinta ofsete é diretamente proporcional à viscosidade da tinta.Fórmula matemática empregada para calcular a força necessária para dividir um filme delgado de tinta (tack) entre duas superfícies. Equilíbrio de umidade do papel <paper moisture balance> . Envernizar <to coat> . Ver também: Envernizamento <varnishing>. proteção. separados por serrilhas. e inversamente proporcional ao cubo da espessura do filme de tinta. para remover a camada fotossensível nas áreas de contragrafismo. Equação de Stefan <Stefan’s equation> . Ver também: Envernizamento <varnishing>. Termo alternativo: <spot coating>. Envernizadora <varnishing machine> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas gas folhas. Ambientador de papel <paper conditioning rack>.Relação entre o conteúdo de umidade de um papel de impressão e a umidade relativa do ambiente ao qual o papel é exposto. resistência à abrasão. Esbabado <feathering> . à velocidade da impressora e à área impressa. Ver também: Envelope tipo saco <open-end envelope>. as impressoras ofsete podem ser equipadas com uma unidade própria para envernizamento (ultravioleta ou outro sistema). Envernizamento com reserva <spot varnishing> .Tipo de envelope produzido com papel apergaminhado. Enxágüe <rinsing> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <lacquering machine>. ou o verniz pode ser aplicado através do sistema de molhagem da última unidade de impressão (verniz base-água).Máquina de acabamento que aplica sobre as folhas impressas uma camada de verniz transparente. a condição de desequilíbrio entre a umidade do papel e a umidade ambiente aumenta a tendência do papel ficar com as bordas onduladas ou retesadas e compromete o registro de cores na impressão. Ver também: Envelope tipo carteira <open-end envelope>. com abertura na dimensão menor. Envelope tipo saco <open-end envelope> . Ver também: Ambientação de papel <conditioning of paper>. a . Envernizamento <varnishing> Processo de aplicação de uma camada de verniz transparente sobre uma folha impressa. Termos alternativos: <coating machine>. com abertura na dimensão maior.Defeito de impressão caracterizado por irregularidades nas bordas dos textos impressos. e podem aplicar vernizes à base de solventes de diversos tipos. conforme a expressão: T = vVA/e 3 . a fim de conferir-lhe brilho.Aplicar sobre as folhas impressas um filme de verniz transparente com o propósito de conferir-lhes brilho. as máquinas de acabamento são dotadas de uma estufa de secagem e sistemas de alimentação de folhas semelhantes ao de uma impressora ofsete plana ou dobradeira de bolsa.. Envelope tipo carteira <open-side envelope> . proteção e aumentar a qualidade.

[3] <specimen book> . [2] <process ink gamut chart> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas causadas por distribuição irregular de tinta. Ver também: Micrômetro <micro-meter>.Elemento de uma escala de controle de impressão constituído de uma seqüência de números (0 a 9). Espalhamento da tinta <ink spread> Problema que ocorre na impressão ofsete devido ao ganho-de-ponto. a fim de evitar a alimentação de mais de uma folha. {b} Dispositivo localizado próximo à mesa de alimentação de uma impressora ofsete plana. a fim de orientar a escolha e a compra. [2] <thickness gauge> . reticulados com 80 linhas/cm. Ver também: Carta de cores <color chart>. {b} Distância vertical do corte de um livro.Distância 223 . Termo alternativo: guia de cores <color guide>.Espécie de gramínea que cresce na África do Norte e na Espanha utilizada como fonte de fibras de celulose para a fabricação de papel. que podem ser destacados para fácil comparação com uma amostra de cor. Ver também: Detector de folha dupla <double-sheet detector>. <spreading>. fornecidas pelos fabricantes de tintas.[1] <bulker> . causado durante a transferência da tinta para a chapa ou para o suporte. excesso de pressão ou imprecisão no acerto do equilíbrio águatinta durante a impressão ofsete. caracterizado pelo engrossamento e deformação dos pontos de retícula. Termo alternativo: insculpir.Carta utilizada para comparar a gama de cores possível de ser reproduzida a partir de uma determinada combinação de tintas e suportes de impressão. excesso de tinta.Distância vertical entre os dois lados de uma folha de cartão. de densidade constante. Termos alternativos: plumagem. Termos alternativos: <esparto grass>. Escala de ganho-de-ponto <dot gain scale> . Escala de cores .Amostras impressas em cores padronizadas de tintas.Entalhar uma matriz xilográfica. incluindo a capa. <esparto needlegrass>. quando ocorre ganho-de-ponto. este é chamado de estepe crítico. Termos alternativos: <dot spread>. Espessímetro . na escala positiva ou negativa. Esparto <esparto> . portanto é invisível. Espessura . a graduação de densidade é tal que.Instrumento empregado para verificar a espessura de papéis de impressão. com diferentes densidades graduando cada número.Visão otimista de um local de trabalho onde todas as informações são armazenadas na forma eletrônica.[1] <fan book> Coleção de pequenos retângulos impressos em diferentes cores de tintas. <color scale>. Prova progressiva <progressive proof>. blanquetas e folhas de papel de calço durante o processo de acerto das alturas das chapas e das blanquetas ofsete em relação às guias dos respectivos cilindros. colocados sobre um fundo reticulado com 25 linhas/cm. geralmente em blocos sólidos acompanhados ou não de ilustrações a meio-tom. Ver também: Ganho-de-ponto <dot gain>. o estepe invisível muda de número. Escritório sem papel <paperless office> . Abreviatura: (PIG).[1] <bulk> . principalmente nas meias-tintas e sombras. <greasing>. escala de porcentagens. regulado segundo a espessura do papel.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Termos alternativos: atlas de cores <color atlas>.{a} O mesmo que corpo de um livro.{a} Instrumento empregado para medir a espessura de chapas. tinta inadequada ao suporte. [2] <ply> . <wicking>. <swatch book>. o algarismo 2 tem a mesma densidade do fundo e. Esculpir <to carve> . [3] <thickness> .

{a} Extensão na qual um papel é capaz de manter as suas dimensões originais quando sujeito a condições variáveis de temperatura. {b} Grau no qual um papel resiste às variações de umidade e tensão aplicadas durante os processos de impressão e acabamento sem alterar as suas dimensões originais.Esponja utilizada nas operações de limpeza de chapas ofsete. Estabilidade dimensional <dimensional stability> . Esquadro frontal . Ver também: Espessura <thickness>.[1] <squareness> . vincadoras etc. Estabilidade <stability> . Termo alternativo: bater esquadro.O mesmo que baliza. Termo alternativo: <caliper>. Ver também: Esquadro <squareness>.Ver: Guia lateral <side guide>. Esponja de limpeza <cleaning sponge> .{a} Acertar o esquadro ou empilhar as folhas de papel alinhando as bordas em ângulo reto. Espessura da folha <sheet caliper> Distância vertical entre os dois lados de uma folha de papel. Esquadro lateral . seu diâmetro expande . compressão e umidade relativa. [4] <swell> . o valor de espessura do papel é utilizado para acertar a pressão do cilindro de contrapressão de uma impressora ofsete..{a} Fio de arame ou plástico enrolado que prende as folhas de um caderno ou livro através de perfurações feitas numa das bordas das folhas. numa certa temperatura e durante um período de tempo especificado. responsável pelo esquadrejamento das folhas. Termo alternativo: fuso distribuidor. [2] <star wheel> .Barra móvel da guilhotina de cortar papel. {b} Cortar as folhas de papel a ser impressas em ângulo reto. Estabilidade ao envelhecimento <age stability> . {b} Fuso giratório do distribuidor da linotipo que faz avançar as matrizes. medida com micrômetro sob condições especificadas.Precisão de corte e refilo do papel.Ver: Guia frontal <front guide>. [2] <back gage> . Termo alternativo: <movable back gage>. Esquadro . Espiral <spiral> .Termo empregado na tipologia para designar o elemento de letra que se projeta da haste principal do tipo.Termo que descreve a grossura precisa da lombada de um livro. Esquadrar <to square> . de modo a garantir que as folhas apresentem lados retos e em ângulo reto.Disco metálico recartilhado. Espora . Guia <landmark>. localizado na saída de uma impressora ofsete plana para suportar as folhas e facilitar a sua transferência para a mesa de entrega.Termo que descreve a precisão de corte do papel. evitando que risquem ou manchem.Dispositivo das máquinas impressoras. Ver também: Baliza <guide>.Propriedade de uma tinta de impressão que determina a sua habilidade de reter suas propriedades ópticas e estruturais. Ver também: Permanência <permanence>. [3] <guide> . Esquadro do marginador <margin square> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .[1] <spur> .Propriedade de tintas e papéis de impressão de conservar as suas propriedades durante os processos de impressão e acabamento. expressa em milésimos de milímetro ou de polegada. Esquadro do papel <paper straightness and squareness> . dobradeiras. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas vertical entre os dois lados de uma folha de papel. 224 v quando as fibras de celulose absorvem umidade. como na letra G.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

e o papel sobre dilatação predominantemente no sentido perpendicular à direção das fibras; o contrário ocorre quando o papel perde umidade para o ambiente da sala de impressão; ao ganhar umidade, as bordas do papel tornam-se onduladas e pode ocorrer a formação de rugas próximo da contrapinça das folhas; ao perder umidade, as bordas do papel tornam-se retesadas e pode ocorrer rugas próximo do centro das folhas; para evitar troca de umidade com o ambiente, o papel deve ser mantido embalado até o momento de entrar em máquina, assim como entre uma entrada e outra; a estabilidade dimensional do papel pode ser avaliada com um expansímetro. Estabilidade dimensional do papel <paper dimensional stability> - Expansividade de um papel, expressa em porcentagem de alongamento ou contração, causada por variação de umidade relativa ou do seu conteúdo de umidade; a maior variação ocorre no sentido perpendicular à direção das fibras. Estampagem - [1] <die-stamping> Processo de acabamento que emprega chapas de latão ou outro metal para estampar a capa de um livro; a estampa pode ser feita com tinta ou laminado metálico; quando feita sem tinta recebe o nome de estampa cega <blind stamp>. [2] <embossing> - {a} Impressão de textos e desenhos sobre diversos suportes empregando anilinas e pressão. {b} Inchamento localizado da superfície de uma blanqueta ofsete causado por absorção dos solventes da tinta de impressão. Termos alternativos: estampagem da blanqueta <blanket embossing>; <waffling>. Ver também: Blanqueta gravada <engraved blanket>; Fantasma mecânico <mechanical ghosting>. {c} Efeito indesejável de alto-relevo que acontece na impressão ofsete quando se imprime motivos que se repetem periodicamen-

te numa folha de papel, tais como: rótulos, etiquetas etc., causado durante o desprendimento do papel da blanqueta. Termos alternativos: bossagem; <relief images>; <waffling>. [3] <stamping> - {a} Processo de impressão em baixorelevo, empregado na decoração da capa ou da lombada de um livro encadernado, por meio de punção quente. {b} Relevo, pintado ou não, que completa ou substitui uma impressão propriamente dita. {c} Processo que emprega folhas metalizadas ou coloridas para imprimir textos ou desenhos, em capas de livros e revistas, utilizando prensas especiais ou máquinas tipográficas adaptadas para estampagem a quente. Termo alternativo: <hot stamping>. {d} Processo de gravação de uma imagem em relevo sobre uma superfície impressa, através de prensas especiais que utilizam matrizes macho e fêmea pressionadas contra o suporte. Termo alternativo: relevo seco. Ver também: Gravação a seco <drystamping>; Impressão em relevo <embossing>. {e} Processo de decoração por pressão, em alto ou baixo-relevo, de suportes diversos por meio de moldes. Termos alternativos: gofragem <embossing>; impressão a seco <dry printing>; timbragem. [4] <swaging> - Ato ou efeito de estampar.

225

v [2c] o papel tente a colar na superfície da blanqueta ofsete devido a ação do tack da tinta de impressão; ao desprender-se da blanqueta, é repuxado e deforma-se nas áreas entintadas; este efeito é mais pronunciado na impressão de motivos que se repetem na folha, tais como: rótulos, etiquetas etc.; de modo semelhante, a superfície da blanqueta [2b] também está sujeita a este efeito.
Estampagem a frio <cold embossing> - Gofragem ou gravação em relevo, feita em papel ou cartão, sem o emprego de calor.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

Estampagem a ouro <gold stamping> Processo de estampagem a quente ou a frio empregado para decorar capas de livros com ouropel ou folhas de ouro. Estampagem a quente <hot stamping> - {a} Processo de estampagem através de decalque a quente, a partir de tiras metalizadas a ouro, prata ou outras cores, realizada em prensas tipográficas especiais ou adaptadas. Termos alternativos: <foil stamping>; <hot-foil stamping>. {b} Processo de estampagem de alguns tipos de plástico com o emprego de calor.

capa com uma folha de papel desenhado e traçar o desenho com um instrumento aquecido. Termo alternativo: <blinding in>. Estampagem da blanqueta <blanket embossing> - Ver: Estampagem <embossing>. Estampagem laminada <foil embossing> - Operação de acabamento que consiste em decorar o suporte, geralmente capas de livros e embalagens, com folhas metalizadas pressionadas por um clichê aquecido. Ver também: Estampagem <embossing>; Estampagem a quente <foil stamping>. Estampar - [1] <to emboss> - Decorar a capa de um livro encadernado com motivos em relevo. [2] <to imprint> - Imprimir em relevo por rebatimento, mediante matriz gravada, sobre papel, couro, tecido etc. Termo alternativo: <to stamp>. Estilete - [1] <art knife> - Ferramenta dotada de uma pequena lâmina afiada empregada para cortar papel, tecido de tela serigráfica, filmes, estênceis e outros materiais. [2] <frisket knife> - Pequena faca empregada na serigrafia para cortar estênceis. [3] <paper knife> - Lâmina metálica ou plástica utilizada para abrir as bobinas de papel antes de alimentá-las numa impressora rotativa. Termo alternativo: corta-papel. [4] <stencil knife> - Ferramenta de corte dotada de uma lâmina afiada em forma de bisel de cerca de 3 mm de largura presa a um cabo arredondado, usada para remover o filme de estêncil de uma tela serigráfica. [5] <stylus> - {a} Instrumento delgado e pontiagudo utilizado em gravura e várias outras técnicas. Termo alternativo: <stylet>. {b} Instrumento de precisão, em forma de caneta, usado para desenhar, traçar e escrever em folhas de estêncil na mimeografia. Ver também: Buril <burin>.

v {a} o processo hot-stamping é muito utilizado para decorar embalagens e imprimir títulos em capas de livros e revistas; a matriz de impressão é um clichê tipográfico de latão aquecido que pressiona a tira metalizada contra a superfície a ser estampada, transferindo a imagem apenas nas áreas correspondentes ao alto-relevo da matriz.
Estampagem a seco <dry stamping> Processo de gravação de desenhos ou textos em produtos impressos, sem ouro ou tinta, deixando apenas a marca da pressão em baixo-relevo. Termo alternativo: gravação seca. Estampagem cega - [1] <blind embossing> - Técnica empregada na encadernação e no acabamento, que consiste em gravar ou pressionar uma imagem em relevo sobre um suporte, a frio, sem aplicar tinta ou corante. [2] <blindstamping> - Impressão feita na capa de um livro, empregando calor e pressão, sem o uso de tinta ou laminado, freqüentemente utilizada para quebrar o padrão ou acabamento do material de revestimento antes da estampagem com tinta ou laminado metálico. Termo alternativo: <blanking>. [3] <blind tooling> - Método de decoração de capas de livros encadernados que consiste em cobrir a

226

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

Estiramento <stretching> - {a} Alongamento que o papel sofre ao ser tensionado. Termo alternativo: alongamento <elongation>. {b} Deformação de uma chapa ofsete ao ser excessivamente tensionada quando da sua montagem no cilindro da impressora. {c} Alongamento da blanqueta ofsete, acompanhado de redução de espessura, quando tensionada durante a montagem no cilindro da impressora. Ver também: Assentamento da blanqueta <blanket compression set>. Estojo <slipcase> - Caixa decorativa e protetora na qual um livro é encaixado com a lombada visível, algumas vezes utilizado para comportar dois ou três volumes. Termos alternativos: <shell>; <slip case>. Estouro - [1] <air shear burst> Rompimento do papel causado por ar aprisionado entre duas camadas de uma bobina durante o bobinamento. [2] <burst> - Separação irregular ou ruptura de um papel devido a uma das seguintes causas: ar aprisionado durante o bobinamento; desuniformidade de velocidade em algum ponto de contato entre dois cilindros; variação abrupta da espessura da folha na direção perpendicular às fibras; tensão de bobinamento excessiva. Estouro contra a fibra <cross-machine tension burst> - Quebra de uma bobina causada por mudança abrupta de espessura do papel na direção perpendicular às fibras, ou por tensão de bobinamento superior à resistência do papel. Estouro no sentido da fibra <full machine-direction burst> - Ruptura de uma bobina de papel no sentido paralelo à direção de fabricação causada por excesso de tensão de bobinamento. Estrado <skid> - {a} Plataforma sobre a qual o papel é embalado para

transporte. {b} Qualquer quantidade de papel empilhado sobre uma base; geralmente os estrados contém cerca de uma tonelada de papel. Termo alternativo: <skid of paper>. Estrago <spoilage> - {a} Folhas mal impressas, danificadas ou defeituosas que não podem ser aproveitadas no acabamento. {b} Quantidade de papel perdida durante a tiragem, imprevisível porém evitável visto ser causada por descuido, aumentando o custo, reduzindo a produtividade e causando efeito desmoralizante. Termo alternativo: perdidos. Ver também: Desperdício <waste>. Estrago percentual <% spoilage> Quantidade de papel desperdiçada durante os processos de manuseio, impressão e acabamento, expressa em porcentagem da quantidade total consumida. Estreitamento da bobina <fanning-in of web> - Redução de largura de uma bobina de papel após a impressão de uma das cores, de modo que as cores subseqüentes imprimem mais largas do que as anteriores. Ver também: Abertura em leque da bobina <fanning-out of web>.

v nos processos de impressão em que a secagem das tintas se dá através de aquecimento, tal como na rotogravura, o papel perde parte de sua umidade original e sofre uma contração proporcional à quantidade de umidade evaporada; isto pode ser compensado instalando-se reumidificadores entre as unidades de impressão.
Estreitamento da imagem <fanning-in of image> - Problema que ocorre na impressão ofsete quando uma folha de papel sofre enrugamento devido à absorção de umidade ou quando a borda da pinça é côncava, de modo que a distância entre as cruzes de registro das extremidades da contrapinça da folha é menor do a distância entre as cruzes de registro da

227

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

borda da pinça. Estrela - [1] <star> - Sinal gráfico (asterisco *) empregado numa composição tipográfica para as chamadas de nota ou para indicar uma pausa ou separação de partes de um capítulo de livro, jornal ou revista. Ver também: Roseta <rosette>. [2] <three-roll reel paster> - Porta-bobinas acoplado a algumas impressoras rotativas, cuja configuração lembra uma estrela de três pontas. Estrelista - Ver: Operador de portabobinas <roll stand operator>. Estresse <stress> - {a} Estado de um material submetido à ação de alguma força; por exemplo: elongamento a que se submete um papel em bobina ao ser tracionado numa impressora rotativa. {b} Termo empregado na tipologia para designar a graduação dos traços curvos das hastes das letras, variando de grosso a fino. Termo alternativo: <font stress>. Estria de lâmina <blade streak> Incisão causada na superfície de um papel cuchê, na direção paralela ao sentido de fibra, por uma partícula grande presa sob a lâmina que nivela a camada durante o processo de revestimento. Estrias <streaks> - Marcas que aparecem numa folha impressa, paralelas aos eixos dos cilindros de uma impressora ofsete, causadas por algum desajuste do sistema de impressão, porém sem relação de distância com os dentes das engrenagens. Termo alternativo: <nongear streaks>. Ver também: Estrias de engrenagem <gear streaks>. Estrias d’água <water streaks> Ver: Marcas d’água <wash marks>. Estrias de calandra <calenderblackened streaks> - Defeito caracterizado por estrias escuras na superfície de um papel, gerado durante o processo de calandragem, causado por umidade.

Termos alternativos: <blackening>; <calender-blackened spots>. Ver também: Corte de calandra <calender cut>; Corte de bolha <blister cut>; Corte de fibra <fiber cut>; Corte de cabelo <hair cut>; Mancha de calandra <calender spot>. Estrias de engrenagem <gear streaks> - Marcas claras e escuras alternadas, que aparecem numa folha impressa em forma de faixas nos sólidos e nos meios-tons, paralelas à borda de pinça da folha e separadas por uma distância coincidente com o passo dos dentes das engrenagens dos cilindros, causadas por excesso de calço sob a chapa ou sob a blanqueta ofsete ou uma deficiência mecânica que resulta em diferenças de velocidade superficial entre os cilindros. Termos alternativos: bandagem <banding>; marcas de engrenagem <gear marks>. Estrias de umidade <damp streaks> Defeito de papel causado por pressão ou secagem desuniforme durante a fabricação. Etilcelulose <ethyl cellulose> {a} Substância formadora de filme utilizada na composição de laquês e tintas de impressão rotogravura. Termo alternativo: <ethocel>. {b} Filme transparente utilizado como suporte na impressão de embalagens pelos processos rotogravura e flexografia. Etiqueta - [1] <bundle tag> - Rótulo de identificação de uma pilha de folhas ou um pacote de cadernos impressos, contendo a quantidade e as características do trabalho. [2] <label> {a} Rótulo de identificação. {b} Peça de material pré-impresso, tal como papel, plástico, laminado etc., fixado ou não a um produto, contendo informações apropriadas. As etiquetas podem ser classificadas em primárias e secundárias. {c}

228

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

Palavra ou frase que se pode atribuir a um ícone num sistema de editoração eletrônica. [3] <load tag> - Rótulo de identificação de pacotes ou pilhas de produtos impressos, contendo o nome do cliente, o título do produto e o destino, para orientar e controlar a expedição. [4] <skid tag> - Rótulo fixado às pilhas de folhas ou cadernos impressos para identificar o trabalho, as próximas operações etc. [5] <tab> - Rótulo fixado a uma pilha de papel impresso para identificar as folhas que devem ser processadas separadamente no acabamento. Etiqueta adesiva sob pressão <pressure-sensitive label> - Etiqueta primária impressa em suportes sofisticados, auto-adesivos, corte-vincada, fixada a uma base siliconada ou agente liberador para fácil aplicação. Abreviatura: (PS). Termo alternativo: etiqueta auto-adesiva. Ver também: Etiqueta primária <primary label>. Etiqueta aplicada com cola <glueapplied label> - Tipo comum de etiqueta primária pré-impressa, principalmente em papel, geralmente envernizada, cortada após a impressão ou bobinada, cujo adesivo é aplicado no momento de fixála à embalagem, usada principalmente em embalagens de alimentos, produzida em grande quantidade e a baixo custo. Termo alternativo: <cut and stack label>. Ver também: Etiqueta primária <primary label>. Etiqueta auto-adesiva <gummed label> - Rótulo impresso para identificação de produtos ou endereçamento de correspondência. Termo alternativo: etiqueta adesiva sob pressão <pressure sensitive label>. Etiqueta corte-vincada - [1] <diecut label> - Tipo de etiqueta cujo suporte é descartado após a remoção da etiqueta. Termos alternativos: <diecut

label>; <laid-in label>. [2] <laid on label> - Tipo de etiqueta cujo suporte permanece fixado após a operação de corte-e-vinco. Termo alternativo: <face cut label>. Etiqueta da bobina <roll tag> - Rótulo de papel contendo os dados do fabricante e do papel, tais como: data de fabricação, número do lote, peso bruto, peso líquido, comprimento da tira, gramatura etc. Termo alternativo: <mill tag>. Etiqueta em bobina <roll label> Bobina de papel auto-adesivo impresso com etiquetas que serão aplicadas por máquinas automáticas. Etiqueta em folha <sheet label> Folha de papel auto-adesivo impresso com etiquetas que serão aplicadas por meios manuais ou mecânicos. Etiquetagem <labeling> - Processo de fixação de etiquetas em produtos impressos para propósitos de postagem ou expedição. Termos alternativos: rotulagem; <tagging>. Etiqueta L1 <coated-one-side label> - Tipo de papel revestido apenas num dos lados (L1), fabricado com requisitos específicos para impressão de etiquetas e rótulos, tais como: envernizamento, estampagem, corte-e-vinco, colagem. Etiqueta metálica <metallic tab> Pequeno retângulo de papel laminado fixado a uma bobina de papel, numa certa posição próxima do tubete, a fim de comandar o ciclo de emenda em sistemas de alimentação de bobinas de impressoras rotativas. Etiqueta primária <primary label> Rótulo designado para atrair a atenção e conter informações de apelo ao consumidor ou usuário, sobre o produto ou o conteúdo de uma embalagem, incluindo

229

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

desenhos e estampas ornamentais. Ver também: Etiqueta secundária <secondary label>. Etiqueta secundária <secondary label> - Rótulo de produto ou embalagem que traz informações adicionais, tais como detalhes nutricionais, instruções de uso, precauções, advertências, preço, cupom de oferta etc. Ver também: Etiqueta primária <primary label>. Etiqueta termoplástica <thermoplastic label> - Rótulo pré-impresso em laminado (papel-metalizado ou papelpolipropileno), recoberto com um adesivo latente que permanece inativo até ser ativado por calor a um nível de tack adequado para promover a fixação na embalagem. Termo alternativo: <heatseal label>. Etiqueta transferível a quente <heat transfer label> - Rótulo que apresenta alto grau de flexibilidade e resistência à compressão, usado em tubos e garrafas plásticas, similar ao decalque isofar, visto que a imagem não é impressa em suporte normal, mas sobre um filme de laquê impresso num veículo pré-revestido, para ser transferido sob pressão e calor, empregado principalmente na indústria de cosméticos; a qualidade é elevada mas o custo é alto. Eucalipto <eucalyptus> - Árvore de madeira dura, de rápido crescimento, que se constitui na principal fonte de matéria-prima para a fabricação de pasta de celulose e papel de fibra curta. Excentricidade - [1] <eccentricity> Condição anormal que se desenvolve em rolos ou cilindros de uma impressora ou máquina de acabamento, caracterizada por um movimento giratório em desacordo com o ciclo concêntrico em relação ao seu eixo, causada por desbalanceamento, deformação ou desgaste. Termos alternativos: fora-de-centro <off

center>; fora-de-circunferência <outof-round>; <out-of-roundness>. Ver também: Bobina ovalada <out-of-roundness roll>. [2] <total indicated runout> - Condição de um rolo ou cilindro cujo raio varia ao longo da sua superfície. Abreviatura (TIR).

v [2] a tolerância de fabricação de rolos de impressoras ofsete, rotogravura ou flexográfica é ± 0.0127 mm.
Excesso de refilo <trim allowance> Margem adicional programada para ser refilada após a dobragem de uma folha impressa. Extração da polpa <pulping> Processo de separação da celulose da madeira ou de outros materiais fibrosos na etapa que antecede a fabricação do papel.

v os processos mais conhecidos são: polpa mecânica <mechanical pulping>, polpa semimecânica <semimechanical pulping> e polpa química <chemical pulping>.

230

F
Fabricação de papel <paper making> - Processo industrial de transformação da pasta de celulose em folhas ou bobinas de papel. Termo alternativo: <paper manufacturing>. Fábrica de celulose <cellulose production plant> - Instalação industrial onde se produz a polpa de celulose, branqueada ou não, a partir de madeira ou outras fontes de fibras. Fábrica de papel <paper-mill> Complexo industrial onde se fabrica o papel a partir de polpa de celulose; a pasta de celulose pode ser produzida em instalação integrada ou não à própria fábrica de papel.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

Fabricante de papel <papermaker> Empresa que produz o papel a partir de pasta de celulose produzida na própria fábrica ou adquirida de terceiros; em geral os fabricantes fazem a comercialização do papel diretamente ou através de distribuidores. Termo alternativo: <mill>. Faca - [1] <blade> - Lâmina de metal flexível que regula o fluxo de tinta alimentada no sistema de distribuição de uma impressora ofsete. [2] <knife> - {a} Lâmina metálica da dobradeira de cutelo que força o papel entre os roletes de dobra; a folha de papel é empurrada pela faca, de um mecanismo de dobra para outro, até completar o número de dobras desejado. Termo alternativo: lâmina de dobra <tucker blade>. {b} Lâmina de aço afiada que refila o excesso ou corta a folha de papel no formato especificado. {c} Utensílio de cortar papel. {d} Lâmina cortante do tesourão. Ver também: Tesourão <scissors>. {e} Lâmina cortante de uma guilhotina linear ou trilateral. Termo alternativo: <trimming knife>. {f} O mesmo que navalha. Ver também: Navalha <knife>. {g} O mesmo que telha. Ver também: Telha <tile>. [3] <cutting rule> - Chapa de corte ou faca de corte-e-vinco. Termo alternativo: <cutting knife>. [4] <slice> - Fenda retangular da caixa de entrada da máquina de fabricar papel que regula o fluxo de fibras suspensas em água sobre a tela plana.

Faca circular <slitter> - {a} Lâmina rotativa afiada instalada numa rebobinadeira cuja função é dividir uma bobina de papel, em movimento, em bobinas mais estreitas. {b} Lâmina rotativa afiada instalada acima do funil da dobradeira de uma impressora ofsete ou uma dobradeira de bolsa, a fim de dividir o papel, em movimento, em tiras mais estreitas. Termos alternativos: <cutting wheel>; <disc knife>; <slitter wheel>. Faca da guilhotina <paper knife> Lâmina reta de metal cujo bisel é constituído de outro metal, afiado em ângulo adequado ao corte de diferentes tipos de papel. Termos alternativos: faca <knife>; navalha <knife>. Faca de ar <air knife> - {a} Processo de aplicação da camada cuchê ao papel que consiste em depositar sobre o papel-base um excesso de tinta e depois uniformizá-la com o auxílio de uma cortina de ar comprimido. Ver também: Aplicador de camada a faca de ar <airknife coater>. {b} Dispositivo localizado na saída do forno de uma impressora rotativa ofsete cuja função é evitar a saída de vapores de solvente que tende a acompanhar o papel, através de um sopro de ar em contracorrente. Faca de corte - [1] <cutoff knife> Faca ou lâmina localizada na dobradeira de uma impressora rotativa, antes da dobra de morcete, cuja função é cortar a bobina de papel em cadernos individuais. [2] <fly knife> - Lâmina rotatória que corta o papel numa folhadeira. [3] <slitter knife> - Faca circular, localizada antes da mesa do funil da dobradeira de uma impressora rotativa, cuja função é dividir a bobina ao meio, produzindo duas tiras. Faca de corte-e-vinco <steel-rule die> - Ferramenta constituída de aço, madeira e borracha utilizada para cortar,

231

v [2b] uma consideração importante é o ângulo da faca de uma guilhotina de cortar papel, em torno de 22° para a maioria dos papéis; outra consideração é a pressão do balancim em função da espessura do papel; as facas das guilhotinas lineares podem ser de aço inoxidável ou vídea <carbide>; o ângulo de corte depende da espessura do material a ser cortado: papel fino <lightweight> requer ângulo menor do que papel pesado.

montada numa matriz de corte-e-vinco. Facão . Fantasma químico <chemical ghosting>. não é a mesma dos sólidos (chapados). 232 Falha de cobertura <coverage failure> .Fotolito de seleção do preto que realça os detalhes de uma reprodução policromática. a fim de facilitar a dobra.{a} Termo empregado na gravação de matrizes de impressão para o processo de clarear ou enfraquecer o fundo de uma fotografia antes da gravação. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas vincar.{a} Mudança de tonalidade que ocorre na impressão quando o tamanho dos pontos de meio-tom ou a espessura do filme de tinta variam.[1] <ghost> . [2] <cutscore> . Falha na alimentação <misfeed> Diz-se de qualquer irregularidade durante o processo de alimentação de fo- lhas numa impressora ofsete plana. Ver . tais como: alimentação de folha dupla. Termo alternativo: <ghost writer>. Fantasma . <starvation patterns>. deixando pequenos pontos brancos nas áreas chapadas. riscar e perfurar embalagens de cartão. empregada nas operações de corte-e-vinco. no contorno de uma imagem impressa. causada por decalque. geralmente causado por acúmulo de partículas na blanqueta. forçando o caderno contra dois roletes de dobra recartilhados ou ranhurados. Faca de serrilha <serrated knife> Lâmina circular dotada de segmentos cortantes a intervalos regulares ao longo do perímetro. causada por um estêncil pouco tensionado que é arrastado na direção do curso da racle. Faca oscilante <oscillating blade> Lâmina reciprocante da dobradeira combinada de uma impressora rotativa cuja função é auxiliar a execução da terceira dobra (cruzada). montada numa estrutura de madeira.Deficiência de uma tinta de impressão em cobrir a superfície do suporte. passagem de folha sobre os margeadores frontais <overrun> etc. problema de margeação frontal. para cortar apenas parcialmente o papel.Imagem débil impressa em fundo de página.[1] <creasing rule> Lâmina de metal flexível. impresso numa impressora ofsete rotativa blanqueta–blanqueta. Ver também: Fantasma mecânico <mechanical ghosting>. Termo alternativo: cutelo <chopper>. caracterizado por uma reprodução esmaecida da imagem além das bordas do estêncil.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Falha de proporcionalidade <proportionality failure> . Ver também: Preto esqueleto <skeleton black>. {b} Autor que assina as suas obras utilizando outro nome. produzindo um excesso de pressão localizado.Lâmina afiada. em diferentes formatos. {b} Reprodução de uma imagem no verso do suporte.Ver: Tesourão <scissors>. {c} Problema que ocorre na impressão ofsete caracterizado pelo aparecimento de uma réplica esmaecida da imagem real em outra área do impresso.{a} Defeito que ocorre na impressão serigráfica. Fantasma de acúmulo <piling ghosting> . Ver também: Aceitação <trapping>. nas meias-tintas. verde e azul. {b} Variação de cor que ocorre na impressão quando a taxa de refletância das luzes vermelha. Faca de vinco . Termo alternativo: fio de vincar. utilizada para serrilhar a dobra dos cadernos. Termos alternativos: chapa de corte-e-vinco. [2] <ghost halftone> . geralmente com texto sobreimpresso. [4] <ghost key> . Termos alternativos: imagem fantasma <ghost image>. mais baixa do que a faca de corte. [3] <ghosting> .Problema de impressão caracterizado pelo aparecimento de uma imagem latente do lado oposto de uma folha de papel revestido.

Ver também: Fantasma <ghosting>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas também: Acúmulo <piling>. nas áreas impressas com elevada carga de tinta. podem volatilizar a hidroquinona em ambiente com temperatura elevada.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Fantasma mecânico . Fantasma <ghosting>. produzindo um diferencial de brilho apenas em algumas áreas. a imagem fraca e pouco nítida que indica o fantasma de brilho geralmente aparece nos chapados impressos com tintas formuladas com óleos secativos. Termos alternativos: fantasma de brilho <gloss ghosting>. v os gases derivados da reação de óxido-polimerização que ocorre durante a secagem de algumas tintas ofsete interferem na velocidade de secagem das tintas impressas do outro lado de uma folha de papel. consumindo muita tinta dos rolos entintadores. Rolo entintador oscilante <oscillating form roller>. principalmente quando uma área sólida mais estreita é impressa antes de uma área sólida mais larga. reagem quimicamente com a tinta impressa no verso da mesma folha ou da próxima folha da pilha. Fantasma de brilho <gloss ghosting> .Problema que ocorre na impressão ofsete quando os vapores liberados pela tinta. impressa num dos lados do papel.Ver: Fantasma mecânico <mechanical ghost>. os vapores liberados das áreas impressas com maior carga de tinta migram para o lado superior do papel e alteram a velocidade de secagem da tinta impressa daquele lado. Fantasma químico <chemical ghosting> . acelerando ou retardando a sua secagem e produzindo um diferencial de brilho em relação às demais áreas. assim. Termos alternativos: fantasma de fumos <fuming ghosting>.[1] <mechanical ghosting> . adicionados para evitar a secagem prematura. Ver também: Pa- 233 . vapores de secante podem modificar a tensão superficial. [2] <mechanical pinholing> .Problema que ocorre na impressão ofsete caracterizado por aparecimento de uma imagem latente no lado oposto de uma folha impressa com tintas que interagem quimicamente durante a fase crítica da secagem. reproduzindo a sua própria textura no suporte. {b} Imagem estranha produzida por depressões na blanqueta ocorridas na impressão do trabalho anterior. Ver também: Blanqueta gravada <engraved blanket>.Ver: Fantasma de brilho <gloss ghosting>. fantasma de fumos <fuming ghosting>.000 folhas de papel. Fardo <bundle> .{a} Problema que ocorre na impressão ofsete quando o filme de tinta impresso apresenta variação abrupta de densidade de cor em algumas áreas. manchando o verso das folhas com uma coloração castanho-amarelada característica. os produtos antioxidantes da tinta. fantasma químico <chemical ghosting>. Ver também: Fantasma <ghosting>. localizada na mesma direção de impressão. Ver também: Fantasma <ghosting>. quando a impressão do segundo lado acontece antes que a tinta impressa no primeiro lado da folha esteja completamente seca. Termo alternativo: fantasma de “fome” de tinta <ink starvation ghosting>. Estampagem <embossing>.Pacote contendo 1. Fantasma químico <chemical ghosting>. Fantasma de “fome” de tinta <ink starvation ghost> . a secatividade e o índice de absorção do verso das folhas na pilha de entrega.Problema que ocorre na impressão flexográfica quando a reposição de tinta na superfície do rolo anilox não ocorre de maneira uniforme. sobretudo na impressão de cartão. a cor. Fantasma de fumos <fuming ghosting> .

após a separação do papel da blanqueta ofsete.{a} Cada um dos cadernos ou conjunto de cadernos de uma obra impressa. exceto a lombada. publicados sucessivamente com certa periodicidade. e as páginas de numeração maior <high folios> nas extremidades opostas. {b} O mesmo que número. Fechado na cabeça <bound to the head> Diz-se de um caderno dobrado que apresenta a borda superior fechada. Fecho superior <head bolt> . Fechado no pé <bound to the foot> Diz-se de um caderno dobrado que apresenta a borda inferior fechada. Ver também: Lado feltro <felt side>.Dobra fechada da cabeça de um caderno.Dispositivo da seção de alimentação de bobinas de algumas impressoras rotativas ofsete que permite acumular uma quantidade relativamente grande de papel. [2] <closed bolts> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Fibras fracamente ligadas à estrutura superficial de um papel de impressão. cuja função é sustentar a tira úmida de papel e pressioná-la contra um cilindro metálico. visto que é necessário um certo tempo para que este . Fascículo <fascicle> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas cote <bundle>. v o traçado de página (espelho) de um caderno fechado na cabeça apresenta as páginas de numeração menor <low folios> no centro do leiaute. ou outro suporte de impressão. Fator de separação <separation factor> .Valor que expressa a quantidade de tinta que se imobiliza no papel durante o contato tinta–papel. e as páginas de numeração menor <low folio> nas extremidades opostas. de modo que a impressora possa continuar operando enquanto uma nova bobina é emendada (colada) e acelerada até alcançar a velocidade da impressora. Felpa <fuzz> . Ver também: Fator de separação <separation factor>. 234 Fechado na cabeça <closed head> Diz de um caderno não refilado na borda superior. Feltro <felt> . Ver também: Fator de imobilização <immobilization factor>. de um caderno fechado no pé apresenta as páginas de numeração maior <high folio> no centro do leiaute. Termo alternativo: <machine clothing>. v o traçado de página (espelho) v o festão é muito importante no caso de papéis bobinados com muita tensão de bobinamento. Termo alternativo: grinalda. àquela que está sendo consumida. Termo alternativo: lanugem. a fim de compor volumes completos. a fim de auxiliar a remoção de umidade.[1] <bolts> .Número que expressa a quantidade de tinta que acompanha o papel. Fator de imobilização <immobilization factor> . Ver também: Penugem <fluff>. um livro mal refilado apresenta os fechos total ou parcialmente fechados.Bordas fechadas de um caderno ou folha dobrada. número <number>.Dobra de um caderno que não foi serrilhada ou refilada. Termos alternativos: <fascicule>.Emendar uma bobina de papel. numa série de rolos paralelos. Ver também: Emendador estacionário <zero-speed splicer>. Fechos . montada no setor de prensa úmida de uma máquina de fabricar papel. Fazer a emenda <to make the splice> . as quais são refiladas ao final do processo de encadernação. relativo à quantidade de tinta livre existente entre o papel e a blanqueta antes da separação. Festão <festoon> .Manta de tecido. em forma de cilindro contínuo.

a fim de permitir ao papel estabilizar-se e atingir suas dimensões originais.[1] <grain long> Dizse de um papel que apresenta orientação de fibras paralela à maior dimensão da folha. ou de outras fontes vegetais. empregada no processo de fabricação do papel. v o papel em folhas deve ser alimentado com o sentido de fibra paralelo aos cilindros da impressora. Fibra invertida <short-grain> Sentido de alimentação do papel numa impressora ofsete plana em que as fibras do papel encontram-se orientadas no sentido paralelo à menor dimensão da folha.{a} Suspender o material impresso em serigrafia numa espécie de varal. cartão corrugado e outras embalagens rígidas. cujo comprimento é cerca de 1 mm. visto que sofreu estiramento durante o rebobinamento. Ver também: Celulose <cellulose>. [2] <long fiber length> .5 mm) para uso em contêineres. a fim de permitir compensar a variação dimensional que ocorre predominantemente no sentido perpendicular à orientação das fibras. utilizado como principal componente na fabricação do papel. Termo alternativo: <grainshort>. [3] <shortgrain sheet> .Folha de papel cuja menor dimensão é paralela à orientação das fibras.5 a 3. Ver também: Fibra curta <grain short>. [3] <long-grain sheet> .Dobra de um caderno feita no lado correspondente à costura.Ver: Penugem <fluff>. sisal.Folha de papel cuja maior dimensão é paralela à orientação das fibras. caso isto não ocorra. Festo <festo> . Fibra compensada <fiberboard> Folha de fibra sintética produzida em espessura adequada (1.[1] <grain short> Dizse do papel que apresenta orientação de fibras paralela à menor dimensão da folha. Fibra longa . Termo alternativo: <grain-long>. Ver também: Celulose <cellulose>. a fim de evitar o contato entre as faces do suporte impresso durante a fase de secagem da tinta. bagaço de cana etc. Fibra <fiber> . fabricado com pasta mecânica. Ver também: Fibra longa <grain long>.Dizse da fibra de celulose proveniente de fontes naturais como: eucalipto. exceto quando se trata de papéis de baixa gramatura. Festooning . [2] <short fiber length> . {b} Ato de desenrolar uma bobina de papel e garantir que este percorra uma longa distância.Fibra de celulose proveniente de madeira dura (eucalipto. por exemplo). Ver também: Fibra curta <grain short>. cujo comprimento é cerca de 3 mm. juta. 235 . Fibra inchada <fiber puffing> Efeito de rugosidade ou aspereza da superfície de um papel cuchê. por exemplo). Fibra curta . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas relaxe e se acomode à sua dimensão original antes de ser alimentado na primeira unidade de impressão. antes da entrada da primeira unidade de impressão. visto que o papel apresenta maior rigidez no sentido perpendicular às fibras. Papel <paper>. bambú. pinho. <long-grain>.Fibra de celulose proveniente de madeira mole (pinus.Partícula de celulose proveniente da madeira. Fibra natural <natural fiber> . Fiapo <linting> . que ocorre durante a passagem do papel pelo forno de uma impressora rotativa ofsete. Fibra de celulose <cellulose fiber> Material fibroso que permanece após a remoção dos componentes não-fibrosos da madeira. o registro será comprometido.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .

Fibra de celulose derivada diretamente da sua fonte original e usada pela primeira vez na fabricação do papel. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Fibra reciclada <recycled fiber> Fibra recuperada a partir de papel refugado. as fibrilas entrelaçam-se e conferem elevada resistência mecânica ao papel. Fibra sem madeira <nonwood fiber> Fibra derivada de outras plantas que não a madeira. contaminando rolos e blanquetas e causando diversos problemas de printabilidade.Sistema de organização de estoque num armazém de papel em que a ordem de consumo coincide com a de entrada do material – o primeiro a entrar é o primeiro a sair. Ver também: Ruga <wrinkle>. bambú. Ver também: Fibra virgem <virgin fiber>. {b} Fio metálico que produz a linha d’água no papel. através da ruptura das paredes das fibras de celulose..Processo de assentamento de uma tinta polidispersa num papel microporoso. Termo alternativo: absorção seletiva <selective absorption>. bagaço. FIFO <first-in. Ficha . Fibrilação <fiberizing> . Fibra recuperada <recovered fiber> Ver: Fibra reciclada <recycled fiber>. Ver também: Fibra reciclada <recycled fiber>. juta. Termos alternativos: fibra recuperada <recovered fiber>. Marca d’água <water mark>. Ver também: Tinta de assentamento rápido <quick-setting ink>.Elemento filiforme que se ramifica das paredes das fibras de celulose por ação do processo de refinação. 236 v o papel destinado ao processo ofsete deve possuir elevada resistência superficial. Filtração seletiva <selective filtering> . podendo distinguir-se dois tipos: de mesa plana <dandy roll> e de fôrma redonda <mould made>. resíduos de madeira etc. fibra secundária <secondary fiber>. tais como letras. Fibrila <fibrilla> . para uso na fabricação de papel ou cartão. cereais. linho. não-reproduzíveis. ou através de marcas d’água.Retângulo de cartolina. Fibra solta <loosely bonded fiber> Fibra fracamente ligada à estrutura superficial do papel devido a insuficiência de colagem superficial ou deficiência do ligante utilizado no tratamento da superfície. cânhamo. tais como: algodão. ornamentada em diversas cores.Ruga que se desenvolve no papel durante o processo de fabricação. first-out> . Papel filigranado <filigreed paper>. figuras etc. logotipos. vistas contra a luz. Fibra virgem <virgin fiber> . as fibras que não estão firmemente presas à superfície do papel são arrancadas durante o processo de impressão. Fibra secundária <secondary fiber> Ver: Fibra reciclada <recycled fiber>.{a} Letra capitular. para propósitos de identificação ou segurança. [2] <wrinkle> .[1] <index card> . no qual os óleos não-secativos da tinta penetram nos poros do papel deixando na superfície os pigmentos e os componentes filmógenos. gramíneas. {c} Desenho translúcido produzido no papel por pressão de um rolo filigranador.. {d} Marcas. aparas e desperdício do processo de conversão. Filigrana <filigree> . desenhada a bico de pena nos antigos manuscritos. Ver também: Capitular <initial letter>. a fim de suportar a ação do tack das tintas de impressão. usada na fabricação do papel.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . sisal etc. incorporadas ao papel durante a fabricação para servir como elementos de segurança ou de controle. Termo alternativo: <fibrillation>. . Ver também: Linha d’água <water line>.Processo de liberação de fibrilas durante a refinação do papel..

enrolada em torno de folhas soltas de papel. Flexografia plana <sheetfed flexography> . Tipografia <letterpress>. metalizados. para evitar falsificação. produzida por uma unidade de teclado e usada como entrada para ativar a fotounidade de um sistema de fotocomposição. Fita de papel <paper tape> . v o cilindro da blanqueta é montado entre o cilindro da chapa e o cilindro de contrapressão.Ver: Fio de vincar <creasing rule>. Flexão de página <page flex> . e diversas outras aplicações em artes gráficas. e o clichê é copiado com a imagem legível. Fita adesiva <adhesive tape> . Termo alternativo: <wrapper band>. Ver também: SNAP.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Fita . polietileno. v a flexografia é um dos mais importantes processos de impressão. caracterizado pelo uso de matrizes flexíveis de borracha ou polímero com as áreas de grafismo em alto-relevo. magnetizados. de secagem rápida. produtos de sacaria.. representando cerca de 30% da indústria gráfica.Processo híbrido que incorpora uma blanqueta ofsete numa impressora flexográfica para transferir indiretamente a imagem do clichê flexográfico para o suporte. ou outro suporte rígido. Ver também: Flexografia <flexography>. Ver também: Tira <ribbon>. listas telefônicas e jornais. Ver também: Chapa em relevo <relief plate>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Finos <fines> . o processo é também bastante adequado para imprimir etiquetas.Estiramento e distensão que as páginas de um livro encadernado podem suportar antes de se soltarem da lombada. usada como entrada para ativar a fotounidade de um sistema de fotocomposição. destacando-se a impressão de embalagens flexíveis de celofane.Tira de papel perfurado (6 a 31 canais) ou magnética (7 ou 9 níveis). podendo ser coloridos. onde cada sinal é representado por um padrão uniforme de perfuração. Flexografia <flexography> . [2] <tape> .Método de impressão tipográfico rotativo. 237 . para emendar bobinas em impressoras rotativas.Tira na qual os dados são perfurados.Pequenas fibras de celulose drenadas junto com a água através da tela da máquina de fabricar papel. Flexográfico <flexographic> .Tipo de impressora flexográfica dotada de um conjunto de rolos que alimentam e removem folhas rígidas de cartão corrugado. Impressão em alto-relevo <relief printing>. rótulos. como no processo ofsete. Fios de segurança . Ver também: Teste de tração de página <page-pull test>.[1] <band> .Fios de poliéster incorporados ao miolo do papel.Fita utilizada na montagem de fotolitos. FIPP <International Federation of Publishers Press> . Termo alternativo: impressão a anilina <aniline printing>. deixando o lado tela do papel com características superficiais diferentes do lado feltro. durante a fabricação. polipropileno etc.Conjunto de padrões europeus para execução de provas coloridas de serviços impressos em papel cuchê pelo processo ofsete. que imprime diretamente sobre o suporte. Fio seco .Tira de papel. e tintas fluidas voláteis.Pertencente ou descritivo do processo de impressão flexográfico. SWOP . das unidades de impressão. impressa ou não. Flexofsete <offset flexo> . microimpressos (codificação para leitura óptica).

devido a secagem prematura da tinta no interior das células do cilindro. Ver também: Flexografia <flexography>.Processo híbrido que combina as características da flexografia e da ofsete. Ver também: Electroassist <electrostatic assist>. v {b} a tinta deixa de transferir para o suporte por falta de contato causado por irregularidades superficiais do suporte. desta. aliado à longa durabilidade do cilindro rotogravura.Fenômeno de absorção de radiação ultravioleta de curto comprimento de onda. o problema pode ser eliminado ou minimizado aumentando-se a pressão do rolete de contrapressão. Flocos de neve <snowflaking> . resultando num papel com deficiência de formação. Termos alternativos: <mealiness>.Fenômeno de aumento da brilhância de cor causado por incidência de comprimentos de onda de outras cores do espectro eletromagnético. causado por falta de contato entre o suporte e a tinta do interior das células do cilindro. no qual o rolo anilox é substituído por um cilindro rotogravura.Método empregado no processo de reciclagem de papel impresso que consiste em remover a tinta e outros contaminantes do papel através de uma espuma que arrasta os contaminantes para a superfície da solução. utilizando-se solventes mais lentos para cortar a tinta ou instalando-se equipamentos de auxílio eletrostático. Flotação <flotation> . e reemissão na forma de radiação visível de comprimento de onda mais longo. e uma blanqueta ofsete é montada no cilindro da chapa. <skips>. alterando-se o ângulo da racle. <snow>. Ver também: Flexografia <flexography>. {b} Processo híbrido que combina as características da flexografia e da rotogravura. Fluorescência . a imagem legível do cilindro é transferida para a blanqueta e. proporcionando elevada qualidade de impressão mesmo em suportes difíceis de imprimir em rotogravura. que aparecem nas áreas sólidas do impresso devido ao emulsionamento excessivo entre a solução de molhagem e a tinta ofsete. para o suporte.[1] <daylight fluorescence> . Flocos <flocks> . Ver também: Fosforescência <phosphorescence>.Dizse de um material ou uma fonte de emissão luminosa que produz fluorescência. pontos faltantes <missing dots>. não impressos. quando o filme de tinta é dividido entre a blanqueta e o suporte. Fluorescente <fluorescent> . Luminescência <luminescence>. Termo alternativo <flotation deinking>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . {b} Defeito que ocorre na impressão rotogravura. 238 . caracterizado pela ocorrência de pontos brancos (não impressos) nas áreas de meias-tintas e mínimas. como ocorre com papéis contendo alvejante óptico ou anilinas fluorescentes. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Flexogravura <flexo gravure> {a} Tipo de impressão ofsetegravura executada numa impressora flexográfica. a qual é posteriormente removida.{a} Defeito de impressão caracterizado por pequenos pontos brancos. desta. Flexofsete <flexo offset> . as gotas de água emulsionada na tinta são expostas produzindo os pontos brancos. reduzindo-se a viscosidade da tinta. [2] <fluorescence> . para o suporte. utilizado na impressão de embalagens plásticas cilíndricas e outros tipos de suporte com elevada qualidade. no qual a imagem legível do clichê é primeiro transferida para uma blanqueta ofsete e.Aglomerados de fibras de celulose originados prematuramente na caixa de entrada antes que a suspensão de polpa em água seja despejada na tela da máquina de papel. ou por formação de um menisco côncavo na superfície da tinta.

{b} Equipamento de saída de uma impressora rotativa que corta a bobina impressa em folhas individuais.Folha impressa que serve de guia de qualidade para a impressão do resto da tiragem. sobre o qual os elementos de uma arte-final são montados na posição precisa. Folha in-dezesseis <in-16 sheet> Folha impressa frente-e-verso para formar um caderno de 32 páginas após a dobragem.Suporte de papel. Ver também: Decalque <setoff>. {b} Papel refilado em formatos padronizados.{a} Dispositivo acoplado em-linha a uma impressora de formulários contínuos. a fim de converter uma bobina de papel em folhas. inferior a 16 x 21 polegadas. [2] <sheeter> . 239 . cartão ou plástico. Termo alternativo: cortadeira <cutter>. Termos alternativos: <discharging sheet>. Fluxo do papel <flow of paper> Desempenho do papel durante o processo de impressão. Folha in-doze <in-12 sheet> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Ver também: Fluorescência <fluorescence>. {b} Folha de seda que protege a superfície das chapas ofsete pré-sensibilizadas. Folha de mala <waste sheet> . Ver também: Folha padrão <ok sheet>. Folha de acerto <lay sheet> . o qual depende dos seguintes requisitos: planicidade. Ver também: Bobina–folha <roll-to-sheet>. folha de mala <waste sheet>. Folha de base <base sheet> . Folha cortada <cut sheet> . alinhamento no alimentador e ajuste de todos os elementos da impressora responsáveis pelo transporte do papel. Termo alternativo: duodécimo <duodecimo>. Folha de intercalação <slip sheet> {a} Folha de papel colocada entre duas folhas recém impressas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . {c} Dispositivo separado de uma impressora serigráfica que corta bobinas de tecido ou outros suportes em folhas.[1] <roll sheeter> Dispositivo que se presta a cortar uma bobina de papel em folhas e alimentá-las na impressora. tendência à ondulação. Folha aprovada <ok sheet> .Folha de papel especial intercalada entre as fo- lhas impressas na retiração para evitar o decalque.Tiras ou folhas de papel utilizadas para descarregar o excesso de tinta da rolaria de uma impressora tipográfica ou ofsete. cartolina. registro e posicionamento do grafismo na área da folha. sendo o mais comum o formato 8 1/2 x 11 polegadas.Ver: Folha de descarga <discharge sheet>. Folha in-fólio <folio sheet> .{a} Papel refilado em guilhotina ou cortadeira rotatória. Descarga <discharge>. [2] <sleep sheet> .Folha de papel cujas dimensões correspondem ao formato da máquina em que foi efetuada a impressão.Ver: Volante <broadside>. a fim de evitar o decalque ou a blocagem.A primeira de uma série de folhas impressas para verificação de alinhamento. Ver também: Decalque <setoff>. Termos alternativos: <color ok>.Folha impressa frente-e-verso para formar um caderno de quatro páginas após a dobragem.[1] <discharge sheet> . empilhamento correto.Folha impressa frente-e-verso para formar um caderno de 24 páginas após a dobragem. Folhadeira . Folha avulsa <broadsheet> . Folha de descarga . {c} Papel refilado em formatos predeterminados e embalado em resmas. Folha de impressão <printing sheet> . <pass sheet>.

geralmente grampeada. Abreviatura: (in-4º).Diz-se de um papel fabricado com até 25% de pasta mecânica e revestimento em ambas as faces. Fora-de-esquadro <off square> Folha de papel ou cartão que foi cortada ou refilada de tal modo que um ou mais cantos desviam do ângulo de 90° exatos. Folha in-quarto <in-quarto sheet> Folha impressa frente-e-verso para formar um caderno de oito páginas após a dobragem. Folhas de acerto <makeready book> . ou publicados periodicamente em revistas ou jornais.Publicação não-encadernada impressa sem periodicidade. Termo alternativo: <pull>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Conjunto de 50 a 100 folhas. Fora-de-circunferência <out-ofround> Ver: Excentricidade <eccentricity>. <register sheets>.{a} Seção informativa ou literária de um jornal. a fim de remover as impurezas. é usada como referência para o resto da tiragem. 240 . Folhinha <calendar> . Folha livre revestida <coated free sheet> . provenientes de outros trabalhos. contendo pequeno número de páginas (no máximo 48). Termos alternativos: <daily chapter of a newspaper serial>. utilizadas durante o acerto de um serviço a ser impresso. Termos alternativos: coletura. por isso.Folha impressa. Folhetim <feuilleton> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Folha in-oitavo <in-octavo sheet> Folha impressa frente-e-verso para formar um caderno de 16 páginas após a dobragem. Termos alternativos: brochura <brochure>. Termo alternativo: volante <broadside>. Folha livre <free sheet> . <folder>. freqüentemente usada em manuais de instruções e literatura promocional. <flyer>. Fora-de-centro <off center> .{a} Polpa de madeira que foi tratada com solução cáustica. Termos alternativos: folha aprovada. Ver também: Calendário <calendar>. Folha quadrada <square sheet> Diz-se de uma folha de papel que apresenta igual resistência ao rasgo nas direções paralela e perpendicular às fibras. <fly sheet>. cujo resultado se iguala à prova de pré-impressão e.Ver: Excentricidade <eccentricity>. {b} Novela ou romance publicados em fascículos. livreto <booklet>. Folha padrão <ok sheet> .Calendário de folhas destacáveis correspondentes a cada dia do ano. <serial>. Folhas de inspeção <pull sheets> Folhas impressas retiradas pelo impressor da mesa de entrega de uma impressora ofsete plana para propósitos de controle de qualidade. intercaladas com folhas brancas. Abreviatura: (in-8º).Folhas de papel auto-adesivo para impressão de rótulos e etiquetas. a fim de reduzir o desperdício no acerto de um novo trabalho. Folhas de mala <book> . Folheto <leaflet> .Ver: Broadside. sobre as folhas brancas. Folha volante <broadsheet> . <color ok>. Folhas de papel para etiquetas <label paper sheets> . empilhadas na mesa de alimentação. panfleto <pamphlet>.Pilha de folhas de mala. aprovada pelo cliente ou pelo reponsável da gráfica.Folha impressa apenas num dos lados contendo anúncio ou circular para ser divulgado em separado. Folhetão . {b} Papel que não contém pasta mecânica.

<poor registration>. Força de ligação <bonding strength> . a uma força perpendicular (direção z). causado pelos vapores de água e solvente que não conseguem escapar através da estrutura porosa do papel quando os dois lados da folha são impressos com elevada carga de tinta coincidentes na mesma área. colado entre duas placas metálicas. esta pode ser avaliada através de testes que submetem um corpo de prova. Formação de bolhas <blistering> Problema que ocorre durante a impressão de papéis revestidos em impressoras rotativas ofsete equipadas com forno. até que ocorra a delaminação. e tende a grudar na superfície das blanquetas ofsete.Força perpendicular à superfície de uma folha de papel necessária para delaminar uma unidade de área do papel. o papel é aquecido e a água absorvida durante a impressão evapora de modo explosivo. podendo sofrer delaminação. Ver também: Fora-de-registro <misregister>. {b} Modo como ocorre o assentamento das fibras sobre a tela de uma máquina de fabricar papel. Termos alternativos: força de ligação <bonding strength>. julgados através da luz transmitida por uma folha. Formação do papel <paper formation> . ou quando as imagens são impressas fora de posição em relação às bordas do papel. Ver também: Força de delamina- ção <plybond strength>.Força perpendicular à superfície de uma folha de papel necessária para delaminar ou separar as camadas de fibras de celulose. Força de ligação interna <internal bond strength> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Fora-de-registro <misregister> Condição que ocorre na impressão quando as diferentes cores não coincidem umas sobre as outras. Formação <formation> .Propriedade que descreve a uniformidade de distribuição de fibras e cargas de um papel de impressão. {c} Força com que as fibras de um papel de impressão aderem umas às outras e resistem ao arrancamento e à delaminação.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . ge- 241 . o papel sujeita-se às forças de tack das tintas. podendo causar bolhas. verniz ou adesivo fixa-se à superfície do suporte de impressão após a secagem.Ver: Força de ligação interna <internal bond strength>. {b} Força com que uma camada de tinta. Termo alternativo: coesão <cohesion>.{a} Estrutura e grau de uniformidade de distribuição das fibras e cargas de um papel de impressão. <out-of-register>. e o resultado é expresso em libras por polegada quadrada (psi) ou kilopascals. Termo alternativo: força de ligação interna <internal bond strength>. Termos alternativos: <misregistration>. v durante a impressão. Força de delaminação <plybond strength> . sobretudo quando o conteúdo de umidade do papel e a temperatura do forno são muito elevados. ligação interna <internal bond>. Força de tensão na direção z <zdirectional tensile strength> .Variação de fora-de-registro de folha para folha.{a} Habilidade de um filme de tinta de resistir à divisão durante o processo de impressão. Fora-de-registro aleatório <random misregister> . Ver também: Força de ligação interna <internal bond strength>. força de tensão na direção z <z-directional tensile strength>. ou ainda quando o posicionamento das imagens impressas na frente e no verso da folha não coincidem. Ver também: Registro <register>. ambas as situações exigem do papel elevada força de ligação interna. ao passar através do forno de uma impressora ofsete rotativa.

uma linha. em função das máquinas impressoras e dos produtos impressos. Formação grosseira <wild formation> . oitavo (16 páginas) etc. Formato . 480 x 660 mm (meia folha) e 330 x 480 (um quarto de folha).Termo que descreve a estrutura de um papel cujas fibras de celulose apresentam distribuição uniforme.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . e A4 para laudas. Gramatura <basis weight>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas ralmente avaliada visualmente através da luz transmitida por uma folha. uma seção.Dimensões de uma folha de papel.7 cm). ou 760 x 1120 (folha inteira). largura de coluna. uma página. entrelinhamento. posicionamento e estilo que contribuem para produzir uma aparência específica à composição. os formatos mais comercializados.Termo que descreve a estrutura de um papel cujas fibras de celulose encontram-se distribuídas de maneira desuniforme. {c} Dimensões de uma publicação (altura e largura) expressa em centímetros. Almaço <o dobro do formato ofício> (33 x 44 cm). BB (66 x 96 cm). espacejamento. o formato A0 é geralmente empregado para a impressão de mapas. Termo alternativo: <basic sheet size>. alguns formatos padronizados incluem: AA (76 x 112 cm). {d} Escala fixa de dimensões convencionadas de classificação de livros. Americano <livro refilado de 14 x 21 cm> (87 x 114 cm). 560 x 760 (meia folha) e 380 x 560 (um quarto de folha). Abreviatura: (AM). Formação grosseira do papel <wild formation of paper> . Formação grosseira <wild formation>. {b} Dimensões de um caderno impresso. Ver também: Formato de papel <paper size>. tais como: fólio (4 páginas). uma palavra.5 x 20.Formato de uma folha. Formação fechada <close formation> .{a} Formato de papel igual a 87 x 114 cm. {b} Tamanho. a série A compreende os seus submúltiplos. utilizado para definir a gramatura do papel. A1 e A2 para desenhos. v a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) estabelece o formato básico do papel de acordo com a padronização DIN (Deutsche Industrie Normen). Formato americano <American format>.{a} Termo empregado na tipografia para designar a combinação de corpo. {e} Dimensões de um livro determinadas pelo número de dobras que uma folha de papel impresso recebeu para formar um caderno.[1] <format> . A3 (297 x 420 mm). Formato básico <basic size> . podendo estar relacionada a um caractere.Distribuição irregular de fibras e cargas na estrutura de um papel de impressão que pode resultar em problemas de marmorização da imagem impressa. Formato de papel <paper size> .{a} Dimensões (altura e largura) de uma folha de papel de impressão. A4 <formato internacional> (21 x 29. Termo alternativo: <cloudy formation>. dependente do número de vezes que uma folha é dobrada para produzir um certo número de páginas. [2] <size> . Double elephant 242 . por exemplo: A1 (594 x 841 mm). ou a toda a publicação. são os submúltiplos de 660 x 960 mm (folha inteira). A4 (210 x 297 mm). Francês <livro refilado de 13. ofício <metade do formato almaço> (22 x 33 cm). {b} Formato de livro igual a 14 x 21 cm. A2 (420 X 594 mm). Ver também: Formação <formation>. expresso em polegadas ou metros. forma e desenho de um produto impresso. A3 para reprografia. um parágrafo. a partir de um retângulo de 1m 2 medindo 841 x 1189 mm (formato A0). quarto (8 páginas).5 cm> (76 x 96 cm). v no Brasil.

Ver: Formulário contínuo <business form>. os submúltiplos (A1.841 x 1.). Ver também: Formato básico <basic size>.[1] <business form> . A1. A2. a partir de um formato original (A0) que constitui um retângulo de um metro quadrado (0.Série padronizada de formatos de papel recomendados pela ISO. Ver também: Formato de papel <paper size>. cuja proporção largura : altura é sempre constante.Conjunto de folhas padronizadas. Formato mínimo do papel <minimum paper size> . Formato internacional <international size> . [2] <formulary> . Formato DIN <DIN size> . <conti- 243 . as quais são subdivididas ao meio do lado maior para produzir o próximo formato (A0. permitindo medir diretamente a gramatura do papel (g/m 2 ). 3B0 etc. A2. baseado em duas séries de formatos (A e B). aprovado pela ISO.). derivados do formato básico de uma folha medindo 1m 2 (84. Série B <B series>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .9 cm) conservando-se a mesma proporção altura : largura. na Alemanha. baseado no sistema métrico. Ver também: Formato básico <basic size>.) são obtidos dobrando-se ao meio a folha de formato imediatamente superior. Formatos ISO de papel <ISO paper sizes> . Formato máximo de impressão <maximum printing area> . A3 etc. Formatos de papel <paper sizes> Dimensões internacionalmente convencionadas para papéis cortados em folhas. Ver também: Formato máximo de impressão <maximum printing area>. a letra indica a série e o algarismo indica o número de vezes que a folha é dobrada ao meio. mantendo as proporções da folha constantes.A maior dimensão da superfície impressa que uma determinada máquina impressora pode assegurar. adotado em 1922.414) é constante para qualquer múltiplo ou submúltiplo. Formato mínimo de impressão <minimum printing area> .189 m). que alimentam seqüencialmente um sistema de impressão. Formulário comercial . A3 etc. os formatos intermediários (séries B.Sistema internacional de padronização de formatos de papel de impressão. tal como o sistema ISO empregado na maioria dos países.1 x 118. Termo alternativo: formatos internacionais de papel <international paper sizes>. religioso ou diplomático.Padrão internacional de formatos de papel cuja relação largura-comprimento (1:1.[1] <blank form> Impresso padronizado contendo espaços em branco para serem preenchidos. D) têm a mesma proporção (2A0. {b} Modelo de impressos comerciais. Ver também: Formato máximo do papel <maximum paper size>.A maior dimensão de uma folha de papel que uma determinada máquina impressora pode alimentar. Ver também: Formato mínimo do papel <minimum paper size>. o formato A0 (1189 x 841 mm) tem 1m 2 de área. Termos alternativos: <blank form>.A menor dimensão de uma folha de papel que uma determinada máquina impressora pode alimentar. Formulário . Série A <A series>. Ver também: Formato mínimo de impressão <minimum printing area>. C. Abreviatura: (form). Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas <desenho e escrita> (26 3/4 x 40”).{a} Obra literária de caráter jurídico.A menor dimensão da superfície impressa que uma determinada máquina impressora pode assegurar. separadas por serrilha. Formato máximo do papel <maximum paper size> . aprovado pela ISO. Formulário contínuo . Termo alternativo: modelo <form>. brancas ou impressas.

a fim de evitar o seu empenamento. vales-transporte.{a} Filme 244 . [5] <underlay> . [2] <liner> . cuja função é evaporar o solvente da tinta e a solução de molhagem absorvida pelo papel.Folha plana e fina de cartão colada em ambos os lados de uma prancha de papelão ondulado. Forno <dryer> . Termo alternativo: mate.Pedaço de papel recortado ou folha de papel reforçado colocada sobre o tímpano da prensa tipográfica.Suporte de impressão que se caracteriza por apresentar superfície plana. Termo alternativo: guarnição. fotostato <photostat>. Formulário multivia <multipart form> . tais como plastisol.Material de reforço colado à lombada de um livro de capa dura. v [1] o leque de aplicações compreende: documentos fiscais. [3] <lining> . Ver também: Xerografia <xerography>. Termo alternativo: cópia fotostática <photostat>.{a} Metade interna da capa semi-flexível de um livro. a fim de promover o assentamento da tinta. {b} Prova fotográfica positiva em papel especial sensibilizado. [2] <fanfold> . que causa a dispersão da componente especular da luz. sem brilho. Ver também: Calço <underpack>.Impressor de fotocópia ou pessoa que opera equipamento de fotocópia. Fotolito .Folhas calibradas de papel ou material plástico.Equipamento que faz fotocópias. Fosco <matte> . bem como curar tintas sólidas. Fotocópia <photocopy> . formulário comercial. Termo alternativo: fotocopiador <photocopier>.Maço de folhas intercaladas com carbono para fazer cópias datilografadas. colocadas sob a blanqueta ou a chapa . listagens. {b} Unidade acoplada a um sistema de impressão cuja função é evaporar as substâncias fluidas. Ver também: Xerografia <xerography>. {b} Papel colado na parte interior da lombada de um livro. eletricidade ou circulação de ar em temperatura ambiente.Conjunto de folhas autocopiativas ou separadas por folhas de papelcarbono destacáveis utilizado para imprimir por impacto.[1] <print> .[1] <inner lining> .Tipo de formulário padronizado impresso com alguns dados constantes e espaços para adição de dados variáveis. talões de cheques. localizado logo após a última unidade de impressão. como a xerografia. a fim de alçar ou igualar a impressão. <web press ink dryer>. [4] <overlay> . Formulário pré-impresso <preprinted form> . Fotocopista <photocopier>. ligeiramente irregular. Termos alternativos: diapositivo.Pessoa que opera máquina fotocopiadora. antes da aplicação da capa. Fotocopiador <photocopier> .Reproduzir por meio de processo fotográfico.{a} Dispositivo de uma impressora rotativa ofsete. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas nuous form>. Termo alternativo: fotocopista Fotocopiadora <photocopying device> . títulos de capitalização etc. Forro . Termo alternativo: <to photostat>. submetendo-as ao calor gerado por chama de gás. Fotocopiar <to photocopy> . <photoreproduction>. Termos alternativos: secador. Fotocopiagem <photocopying> Trabalho de fotocopiar.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . a fim de acertar a altura em relação às guias dos respectivos cilindros numa impressora ofsete. {c} Reprodução fotográfica de um original através de um processo de impressão sem-impacto.{a} Processo de reprodução de documentos por meio de fotografia sobre um papel sensibilizado especial.

Fundo reticulado . Termo alternativo: <miller>. a fim de expor as folhas individuais ao adesivo.Empresa especializada em processos de reprodução gráfica.Processo de preparação da lombada de livros e revistas. a fim de expor as fibras das páginas e aumentar a área de colagem. [2] <milling machine> . lâminas de serra <saw blades>. Funil <former> . Fresagem . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de seleção de cores a traço ou a meiotom que transfere as características de cada cor específica de um trabalho para a chapa de impressão correspondente. fôrmas tipográficas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . discos de lixa <sanding disks>. {b} Ferramenta de uma máquina de encadernação com adesivo que desbasta a lombada dos cadernos alceados. de formato triangular. Blocos de cor <tints>.Dispositivo de uma máquina de encadernação com adesivo que faz a fresagem da lombada dos cadernos alceados.Tratamento da lombada de livros.Formato de papel (76 x 96 cm) cuja folha comporta 64 páginas de livro em formato 14 x 21 cm. Ver também: fresa <milling head>.Máquina automática de fabricar papel que forma uma bobina contínua sobre uma tela horizontal em contínuo movimento. Termo al- . Fundo de meio-tom <halftone tint> Área impressa com pontos de retícula de meio-tom de mesma porcentagem. Fourdrinier . cuja função é dobrar 245 v [1b] diversos dispositivos podem ser empregados para abrir a lombada dos cadernos.[1] <milling head> . telhas. a fim de produzir uma cor ou um tom uniforme.[1] <milling> . Ver também: Desbastar <to grind>. Fresar <to mill> . sem retícula. [3] <roughing> . antes da aplicação do adesivo. Termo alternativo: <photolitho>. Fresa . Fundo de cor <color background> Chapa reticulada usada para imprimir um fundo sobre o qual o texto ou a ilustração é superposto. Ver também: Filme <film>. a fim de expor as fibras de todas as páginas e proporcionar a máxima colagem.Ver: Fundo de meio-tom <halftone tint>. Francês <French> . incluindo: facas circulares <rotary knives>. Termo alternativo: fundo reticulado. {b} Filme positivo ou negativo reticulado empregado para copiar a imagem a ser impressa numa chapa de impressão. Ver também: Bendei <benday>.Peça metálica lisa. [2] <repro shop> . através de cortes serrilhados que serão preenchidos com cola. Fundo chapado <solid background> Segundo plano de uma ilustração ou de um bloco de texto completamente coberto com uma tinta de cor uniforme. localizada próximo da entrada da dobradeira de uma impressora rotativa.Dispositivo de uma máquina encadernadora que corta a lombada dos cadernos dobrados. escovas circulares <rotary brushes> e cabeçotes fresadores <milling heads>. Fresadora [1] <automiller> .Operação de desbaste da lombada dos cadernos de livros e revistas a serem encadernados com adesivo. Termo alternativo: <roughening head>.Desbastar a lombada de um livro ou revista para fazer a encadernação com adesivo. [2] <shredder head> .{a} Máquina que se presta a rebaixar a superfície de clichês. ternativo: <router>. [2] <notching> . nas partes que não devem ser impressas.Equipamento utilizado na estereotipia para retificar as telhas destinadas a impressoras tipográficas rotativas. Fundo <screen tint>. Ver também: Fresa <milling head>.

Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas a tira de papel ao meio. chapa. Termo alternativo: <add-on increase>. . da tinta e da impressora. no sentido longitudinal. para encadernação de folhas soltas em pastas com anéis ou pinos metálicos. expansão de ponto <dot spread>. Termos alternativos: espalhamento da tinta <ink spread>. Ver também: Dobra de funil <former fold>.[1] <borer> . a cópia das chapas e a impressão. Termo alternativo: <three-hole punching>. ou aumento mecânico de tamanho dos pontos de meio-tom que ocorre no processo de transferência da imagem para a chapa.Ferramenta ou máquina usada para perfurar papel.Instrumento para furar papel. {c} Aumento inevitável de tamanho dos pontos de meio-tom que ocorre durante o processo de impressão. papelão etc. pode ser compensado durante o processo de seleção de cores uma vez conhecida a curva característica de uma determinada combinação papel– tinta–máquina. Ganho-de-ponto equivalente <equivalent dot gain> .Operação de acabamento que consiste em perfurar folhas ou cadernos no processo de encadernação mecânica. a pressão de impressão. Termos alternativos: mesa do funil <former board>.Aumento da área de um ponto de retícula de meio-tom causado por absorção ou espalhamento da tinta. absorção). filmes. 246 G Ganho-de-ponto <dot gain> . couro. entretanto. a maior variação ocorre nas áreas de meia-tinta (entre 40% e 60% de ponto). o balanço água–tinta e o inter-relacionamento destas variáveis. Ganho-de-ponto físico <physical dot gain> . permitindo a produção de dois cadernos independentes sem necessidade de desintercalação. em condições normais de reprodução. tack). filme etc. devido às características do papel.Dispositivo da dobradeira de uma impressora rotativa dotado de duas mesas de dobra de funil. Furador . Termo alternativo: perfuração <punching>. {b} Variação de tamanho dos pontos de retícula de meiotom que ocorre durante a confecção dos v o ganho-de-ponto é uma das variáveis mais importantes a ser considerada nos processos de reprodução gráfica.Valor que expressa a diferença entre a área aparente de um ponto de retícula de meio-tom impresso e a área real do ponto no filme. o ganho-de-ponto pode variar entre 10% e 35%. Ver também: Encadernação mecânica <mechanical binding>. diversas variáveis do processo afetam o ganho-de-ponto. {d} Diferença entre o valor teórico e o valor real de um ponto de retícula de meio-tom medido no bloco de 50% de uma escala de controle de impressão. Furação <drilling> . a fim de formar a primeira dobra do caderno. Termo alternativo: <punching machine>. os papéis (lisura.{a} Aumento óptico do tamanho dos pontos de uma retícula de meio-tom que ocorre durante os processos de pré-impressão. [2] <puncher> . este aumento de ponto aumenta a densidade e torna as cores mais intensas. para a blanqueta (no processo ofsete) e para o papel. o ajuste da rolaria da impressora ofsete. <triangular former plate>. Furação de três furos <three-hole drilling> . dentre elas: o processamento dos fotolitos e das chapas de impressão.Método de perfuração de folhas ou cadernos com três furos eqüidistantes. Funil duplo <double former> . visto que interfere na cor da reprodução. as tintas (viscosidade.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .

Gofrado <embossed> . Ver também: Ganho-deponto <dot gain>. dotado de um cilindro gravado que pressiona o papel contra um cilindro compressível. quando combinada com laminados recebe o nome de estampagem laminada <foil embossing>. Gofrar <to emboss> . Gofragem a quente <hot embossing> .{a} Prensa de gravar em relevo.Tecido grosseiro de linho ou algodão gomado utilizado para reforçar a lombada de livros encadernados em capa dura. Ganho-de-pressão <press gain> Ganho-de-ponto mecânico causado pela pressão de contato entre a chapa e a blanqueta ou entre a blanqueta e o papel numa impressora ofsete.[1] <embossing> Processo de decoração de papel ou cartão com texturas em relevo. montada sobre o suporte. Ganho-de-ponto óptico <optical dot gain> . quando não emprega tinta ou cor e chamada de estampagem cega <blind embossing>. Ver também: Ganho-de-ponto <dot gain>. Gofragem . Ver também: Alceamento <gathering>. sem o uso de tinta. que consiste em produzir um efeito ondulado. quando pressionadas produzem uma imagem em alto-relevo no suporte. {b} Profissional ou artista gráfico que faz gofragem em papel ou cartão impresso. Termo alternativo: relevo seco. e uma contra-matriz em baixo-relevo que encaixa perfeitamente à primeira. Gaze <crash> . [2] <pebbling> . a estampagem pode ser feita a quente ou a frio. através de pressão contra chapas ou cilindros gravados. Termo alternativo: ganho-de-ponto mecânico <mechanical dot gain>. Ver também: Papel gofrado <embossed paper>.Ver: Ganho-de-pressão <press gain>. v a gofragem feita no papel duran- 247 . é chamada de gravação a seco <debossing>.Ver: Jornal <newspaper>. Termos alternativos: <super>. te o processo de fabricação envolve um equipamento semelhante a uma supercalandra. montada sob o suporte a ser estampado. Ver também: Alceadora <gatherer>.{a} Produzir textura em relevo na superfície de um papel ou na capa dura de um livro através de pressão contra uma chapa ou um cilindro gravado. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Ganho-de-ponto mecânico <mechanical dot gain> . Impressão a seco <dry printing>.Aumento óptico do tamanho dos pontos de meio-tom impressos causados por luz que deveria ser refletida pela superfície do papel mas é aprisionada nas bordas dos pontos.Peça de uma linha de encadernação que aumenta a velocidade com que os cadernos são alimentados na cadeia de alceamento. Gaveta <pocket> .Processo de acabamento de papel impresso. Gofrador <embosser> . Gazeta . Termo alternativo: <embossment>. empregando uma chapa ou um cilindro aquecido. Ver também: Estampagem <embossing>. Alceamento <gathering>.Cada uma das estações de uma linha de alceamento. Gaveta aceleradora <accelerating tray> . cartão ou capas de livros encadernados.Processo de gofragem de papel.Diz-se de um papel ou cartão estampado ou gravado em relevo. talagarça. quando a matriz e a contra-matriz são invertidas para produzir uma imagem em baixo-relevo no suporte. Ver também: Estampagem <stamping>. v o processo de gofragem envolve uma matriz em alto-relevo.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . aumentando a densidade naquelas áreas. Termo alternativo: <embossing machine>.

estampar a seco.O mesmo que gramatura. Grampeação <stitching> . {b} Peso. <substance weight>.Peso do papel.Processo de acabamento que consiste em passar um fio de arame através da lombada dos cadernos. Gramatura nominal <nominal basis weight> .[1] <chart> .Peso de uma folha de papel medindo um metro quadrado de área. [2] <graph> .[1] <image area> . expresso em gramas. 248 .Gramatura de especificação do papel correspondente à gramatura real de fabricação. {b} Profissional que trabalha na indústria gráfica. ou em gramas por metro quadrado (sistema métrico). {c} Diz-se de qualquer matéria visual (ilustração. Grampeação a cavalo <saddle stitching> . após o alceamento dos cadernos sobre uma sela. Gramagem . [2] <grammage> . Ver também: Contragrafismo <nonimage area>. [3] <graphic> . Gráfico .Modo de escrever as palavras de uma determinada língua. Termo alternativo: <graphical>. a qual pode diferir da gramatura nominal devido às variações do processo de fabricação e à influência do conteúdo variável de umidade. expresso em polegadas. <substance>. Ver também: Encadernação em lombada quadrada <square back binding>. Termos alternativos: gramagem.{a} Relativo à gráfica.Área da matriz de impressão que contém as imagens a serem impressas. Grampeação lateral <side-stitching>. fotografia. Gramatura real <actual basis weight>. Ver também: Gramatura <gram-mage>. símbolo) incluído numa página ou num documento.Método de encadernação de folhetos.Massa de um papel medida sob as condições ambientais reais existentes. sistema de coordenadas <coordinate system>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Termos alternativos: estampar a frio. expresso em libras por resma (USA) de papel cortado num determinado formato básico. Grafismo . Ver também: Grampeação a cavalo <saddle stitching>. este último também chamado de gráfico de linha <line graph> quando os pontos são conectados por uma linha que indica a progressão de uma tendência. [2] <spelling> .[1] <basis weight> {a} Massa de uma folha de papel expressa em gramas por metro quadrado (g/m 2 ). de uma resma (500 folhas) de papel de um determinado tipo. Gramatura real <actual basis weight> . Termo alternativo: grampeamento <stapling>. Termo alternativo: peso básico.Método de encadernação de livros e revistas no qual as páginas são fixadas com grampos que atravessam lateralmente a lombada. expresso em libras. Termo alternativo: <side wiring>. Gramatura do papel <paper basis weight> . Ver também: Gramatura <grammage>. Grampeação lateral <side-stitching> . Gramatura .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . revistas e livretos no qual as páginas são fixadas com grampos de arame através da lombada. v [2] os gráficos podem ser representados através de quatro tipos de diagramas: gráfico de barras <bar chart>. Ver também: Encadernação em lombada canoa <saddle-stitch binding>. Termo alternativo: <nominal weight>. <substance number>.Representação de informações na forma gráfica. Gramatura nominal <nominal basis weight>. Ver também: Gramatura <grammage>. incluindo as tolerâncias. gráfico de pizza <pie chart> e gráfico de dispersão <scatter plot>. cortado no formato básico.Diagrama ou representação gráfica de dados num sistema de coordenadas.

Grampeador automático <automatic stapler> .Máquina de acabamento que aplica grampos de arame na lombada de brochuras. grampo cavalete. no qual os cadernos dobrados ou as folhas soltas são grampeados ao longo do seu lado.Ver: Grampeadeira <stapling machine>. que consiste em prender os cadernos com grampos metálicos através da dobra da lombada. Termo alternativo: <treadle stapler machine>. Grampo em estribo <wire stabbing> Método de encadernação de revistas. Grampeadora . Termos alternativos: grampação. {b} Defeito de impressão caracterizado por desuniformidade de cor nos meios-tons resultante da absorção irregular da tinta pelo papel. grampagem. brochura etc.Equipamento que faz a encadernação de livros grampeados com fio de arame através da lombada dos cadernos. <wire stapling machine>.Ver: Grampo em sela <saddle stitch>. folhetos etc. os cadernos são apoiados em suportes chamados “selas” enquanto são transportados para o grampeador. Termos alternativos: grampeadora. emulsões mais rápidas apresentam partículas maiores. <saddle wire>.. [2] <stitching wire machine> . Termos alternativos: costura com arame <wire stitch>. ou um livro brochura. grampeação. brochuras. Termo alternativo: <to stitch>. no qual os cadernos são abertos ao meio. colecionados junto com a capa e grampeados com fio de arame através da linha de dobra da lombada. revista. Termo alternativo: <side-wire>. Grampear <to staple> . brochuras.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . e o produto não permanece plano quando aberto.[1] <graininess> {a} Impressão visual de aglomerados de partículas de prata irregularmente distribuídas em emulsões fotográficas. grampeagem.Encadernar livros ou folhas soltas de papel prendendo os cadernos com um ou mais grampos de arame. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Grampeadeira .{a} Profissional que opera máquina de grampear.Fio metálico que prende as páginas de um livro.. grampo a cavalo <horse-staple>. panfletos etc. Granulação . <wire stapling>. com grampos de arame que atravessam a dobra da lombada.Ver: Régua da chapa <plate clamp>. Grampeadeira a pedal <foot stapling machine> . através da dobra da lom- bada dos cadernos ou lateralmente. {b} Equipamento acoplado ou não a uma linha de encadernação que faz o grampeamento dos cadernos. Grampeador <stapler> . Termo alternativo: <wire stapler>. Grampo lateral <side-stitch> .Máquina de encadernação em lombada canoa ou quadrada que usa fios metálicos para prender os cadernos. Grampo da chapa . as páginas do produto encadernado desse modo não podem ser totalmente abertas. Grampo <staple> . Grampo em sela <saddle stitch> Método de encadernação de livretos. 249 . Grampo a cavalo <horse-staple> Ver: Grampo em sela <saddle stitch>. Grampeamento <stapling> .Máquina de acabamento cujo cabeçote grampeador é acionado por uma alavanca comandada por um pedal.. próximo da lombada. Grampo cavalete .Método de encadernação de livros e revistas em lombada quadrada.Operação de agrupamento dos cadernos de uma revista de lombada canoa.[1] <stapling machine> . de modo geral.

ou falhas no revestimento de um papel. {b} Tratamento abrasivo ou químico da superfície de uma chapa ofsete. Termos alternativos: <straight cutter>.Desuniformidade observada nas áreas impressas com pontos de meio-tom produzindo uma aparência arenosa no produto impresso. Termos alternativos: <guillotine>. a granulação torna-se mais pronunciada em filmes rápidos e em negativos de alta densidade. Guilhotina manual <hand paper cutter> . {b} Faca de aço pesada. utilizada para cortar e refilar resmas de papel. Termos alternativos: granido <stipple>. Granulação dos meios-tons <graininess of halftones> . [2] <graining> . cartão. a fim de aumentar a sua receptividade à solução de molhagem durante o processo de impressão. zinco ou magnésio. utilizada para cortar ou fazer o pré-refile do papel. <smoothness of printing>. numa só operação.{a} Negativo ou positivo fotográfico com aparência granular. Guilhotinar <to guillotine> . Guilhotina . Ver também: Granuladeira <graining machine>. superexposição ou uso de filme muito rápido.Guilhotina trilateral. Guilhotina de livros <book trimming machine> .Guilhotina operada sem recursos de automação. 250 . granulagem.Equipamento dotado de uma faca de aço afiada. usada para refilar papel. formação grosseira. resultante da distribuição irregular dos grãos de prata que se aglomeram durante o processo de revelação do filme.{a} Dispositivo manual ou automático dotado de uma faca longa e pesada que desce sobre uma mesa.{a} Agrupamento de grãos de haleto de prata numa emulsão fotográfica causado por revelação prolongada. Termos alternativos: aspereza dos meios-tons. Guilhotina automática <automatic paper cutter> . [2] <flatbed cutter> . empregada na fotogravação e cópia de chapas metálicas para refilar folhas de cobre. Guilhotina linear . de acordo com o grau de ampliação da reprodução. Termo alternativo: ruspioso. Termos alternativos: <paper cutter>.Refilar ou cortar o papel com o auxílio de uma guilhotina. Guilhotina trilateral <three-knife trimmer> .[1] <cutter> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <sandpapery>. [3] <guillotine cutter> . operada por pedal ou automaticamente.Máquina utilizada para refilar as bordas dos livros.Máquina provida de uma lâmina afiada utilizada para cortar papéis. acoplada ou não a uma máquina encadernadora. [2] <grainy> .[1] <graininess> Aparência arenosa ou granular de um negativo fotográfico.Tipo de guilhotina empregada no acabamento para refilar os três lados externos de um produto encadernado. <salt-and-pepper>. Ver também: Cortadeira <cutter>. Termo alternativo: ruspiosidade. em-linha ou não com uma encadernadora. {b} Diz-se de um impresso que apresenta aspecto arenoso. ou cortar o excesso de eletrotipo ou estereotipo.[1] <flat cutter> Máquina dotada de uma única faca reta utilizada para cortar resmas de papel ou refilar livros. usada para refilar os cortes de livros. <paper knife>. resultante da desuniformidade de cobertura da tinta. operada por pedal ou automaticamente. um impresso ou um diapositivo. <trimming machine>. Granulado . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas por diferenças superficiais. <grainy halftone dots>. falta de lisura. <halftone graininess>.Máquina dotada de um sistema computadorizado que permite programar a seqüência de corte de papel ou cartão. <rough halftones>. chapas ofsete etc. [2] <trimmer> . Termo alternativo: refilador trilateral.

Holanda . menos complexo do que a celulose e facilmente hidrolizável.[1] <impression> {a} Processo de reprodução de textos e imagens sobre qualquer superfície e por qualquer meio.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Impressora de margarida <daisy-wheel printer>. através de processos de envernizamento. deve ser eliminada antes da preparação da massa. laminação etc. vinco etc. {b} Trabalho ou gerenciamento de uma impressora. [3] <printing> . perfuração. Termo alternativo: <waterproofing>. . Impermeabilização <impermeabilization> . visto que reduz a permanência do papel. <stamping machine>.Substância química utilizada nos processos químico e semiquímico de produção de pasta de celulose. {d} Número total de cópias impressas. goma ou piroxilina. Hidróxido de sódio <sodium hydroxide> . para digerir os cavacos de madeira. a fim de evitar a migração da cola. Impressão . {b} Cópia impressa. {b} Processo fotomecânico de reprodução de imagens sobre papel fotográfico ou reprodução realizada por deposição de uma imagem entintada sobre um su- 251 I Imobilização <immobilization> Estado de imobilidade que uma tinta experimenta ao ser impressa.Impressão realizada através de golpes de um dispositivo mecânico contra o suporte.Diferença no conteúdo de umidade de um papel indicada por curvas de umidade relativa ascendentes ou descendentes. Histerese <hysteresis> . particularmente no processo soda. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas H Hemicelulose <hemicellulose> Polissacarídeo constituinte da madeira que liga as fibras de celulose. Impacto <strike-on> . Termo alternativo: soda cáustica <caustic soda>. [2] <presswork> . Termo alternativo: tiragem <pressrun>. {c} Procedimento de reprodução de textos e imagens mediante a transferência de tinta ou de outras substâncias para um suporte. Holandesa <Hollander> . plastificação. {b} Tratamento do verso do tecido empregado no revestimento da capa dura de livros encadernados com vinil. incluindo o acerto e as operações de acabamento em-linha (dobra. dependendo do seu histórico prévio de umidade. o conteúdo de umidade de equilíbrio do papel (quando condicionado para uma umidade relativa especificada) será diferente.Ver: Papel da Holanda <Holland paper>.Antigo desintegrador de trapos e refinador de pasta. nas impressoras de margarida e nas impressoras matriciais. Ver também: Extração da polpa <pulping>.{a} Conjunto de todas as operações realizadas na ou pela impressora. que a converte em polpa para a fabricação do papel. Termos alternativos: batedor <beater>.{a} Recurso utilizado para tornar o papel ou o cartão impermeável. devido ao aumento de viscosidade causado por absorção dos constituintes mais fluidos pelo suporte. tal como ocorre na impressão direta em antigas compositoras Varitype ® . Ver também: Impressora de impacto <impact printer>. <pulp engine>.{a} Arte e método de reprodução de originais em quantidade. cilindro holandês. por meio de uma matriz de impressão. que envolvem a transferência da imagem entintada da matriz para o suporte. por causa da histerese.). {c} Depressão produzida na capa de um livro por um molde quente ou frio.

hinos e outros materiais eclesiásticos. os tipos eram paginados e fazia-se a inclusão de títulos. após fazer a prova de galé. entre 1058 e 1061. {c} Arte. revistas ou jornais impressas de uma vez. entretanto. cujo efeito introduziu o conceito de inflação na China. na estereotipia. a impressão era utilizada pelos comunicadores religiosos para promover suas doutrinas através de orações. como também à produção de papel-moeda.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . processo ou negócio de produção de livros. nos dias de hoje. comparável ao efeito dos computadores e das telecomunicações. o processo de impressão começou no ano 100 AC (papel pressionado sobre pedra de mármore entintada). no Oriente. a impressão foi empregada. blocos de madeira eram empregados. mas só se popularizou na metade do século XV. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas porte através de uma impressora. devido à proibição do uso da impressão para fins comerciais. chamada galé. criando um molde intermediário de todas as páginas. 252 v [3] a invenção da impressão foi conseqüência da invenção do papel. Durante a Idade Média. para reproduzir símbolos ideográficos. Em 1455. cerca de 5000 volumes do cânon budista foram impressos. a natureza da linguagem chinesa (falta de um alfabeto e a existência de mais de 40000 caracteres) tornou quase impossível o uso prático dos tipos móveis. Pi Sheng utilizou argila. a partir de blocos de madeira. em 969. folha por folha. Em 1725. os caracteres eram transferidos do componedor para uma bandeja de madeira ou metal. na produção de cartas de baralho. jornais. fólios etc. a impressão era monopólio de monastérios e universidades. no século XIX. por volta do século IX. por volta do ano 500 DC. marcando o início da comunicação de massa que dominou o mundo nos últimos 500 anos. o metal-tipo é coberto com um cartão úmido (flã). cada página era engradada para ser enviada à formatura ou à impressão. após . A xilografia teve efeito marcante na cultura chinesa e na democratização do conhecimento. através de reprodução a partir de tipos. o impressor escocês William Ged inventou um processo de confecção de chapas tipográficas a partir dos tipos engradados. dicionários e compilações de literatura. e depois metal <tin>. conforme o número de impressoras cresceu.. o qual é pressionado sobre o clichê para estampar os tipos no molde. {e} Número total de cópias de livros. o que impulsionou a educação durante a dinastia Sung. conhecida como A Bíblia de Gutenberg ou Bíblia de Mazarin. para criar os tipos móveis. {d} Matéria impressa. e centenas de volumes das histórias das dinastias apareceram em seqüência. no Oriente. na Índia (400 DC). as prensas eram planas. o metal-tipo foi inventado em 1403. chapas etc. os tipos ainda eram montados um-a-um no componedor. revistas etc.. que ocorreu na China por volta do ano 105 AC. a técnica da tipografia. em 972. as prensas foram equipadas com cilindro rotativo. após a invenção de Gutenberg. na Coréia. também utilizava-se blocos de madeira para estampar têxteis. este processo foi refinado e chamado oficialmente de estereotipia por Firmin Didot. os tipos de Pi Sheng só chegaram ao Leste cerca de 200 anos depois. o imperador chinês financiou a impressão de clássicos. tornou-se difícil monitorá-las e as leis tornaram-se menos rígidas. todo texto impresso era produzido pelo governo. no século X. posteriormente. Gutenberg imprimiu a Bíblia de 42 linhas. livros foram impressos na China. o livro xilográfico mais antigo (Diamond Sutra) data de 868. seguido de enciclopédias. para produzir uma linha de texto. Nos 500 anos após Gutenberg ocorreram melhorias na mecanização dos processos de composição e impressão. a matriz era fixada no cofre e o papel pressionado contra a fôrma.

Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Técnica de gerenciamento de cores que consiste em reproduzir um original padrão (alvo de calibragem IT8). cujo princípio se baseia na atração mútua entre partículas que receberam cargas elétricas de sinais contrários.{a} Processo de impressão sem-contato (indireto) que utiliza diversos métodos baseados em princípios eletrostáticos. hoje. [4] <fingerprinting> . como a eletrofotografia. geralmente a partir de um arquivo de dados processado em sistema eletrônico de editoração.Teste realizado numa impressora. {b} Qualquer método de impressão no qual a imagem é gerada a partir de um arquivo digital. [3] <fingerprint> . impressora de jato de tinta. {b} Método de impressão semimpacto no qual partículas de corante carregadas eletricamente são transferidas de um transportador de imagens para o suporte em movimento. a aceitação e outras características de impressão. 253 . podendo imprimir ambos os lados do papel numa única passada. da flexografia.[1] <application printing> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas secar. a fim de proceder à calibragem do scanner de seleção de cores. o flã é levado à fundidora onde metal fundido é vazado para produzir um clichê inteiro (estéreo). realizar a impressão em máquina impressora e fazer avaliações espectrofotométricas da prova e da folha impressa. todo o processo é monitorado através de programas de gerenciamento de cores. as primeiras impressoras rotativas imprimiam 12000 cópias por hora. pouco tempo depois. Ver também: Impressão indireta <indirect printing>.{a} Impressão feita em impressora digital. Ver também: Impressora digital <digital printer>. Sistema de gerenciamento de cores <color management system>. Impressão eletrostática <electrostatic printing> . Impressão direta .Impressão serigráfica feita diretamente sobre o suporte.Reprodução dos detalhes da pele das pontas dos dedos de uma pessoa. as partículas são fundidas no suporte para formar uma imagem permanente. Termo alternativo: dactilograma. Ver também: Prova digital <digital proof>. como é o caso da tipografia. em oposição à transferência térmica. as modernas impressoras ofsete e rotogravura chegam a velocidades próximas de 100000 cadernos por hora e as impressoras ofsete planas alcançam 15000 folhas por hora. [2] <direct printing> Termo genérico empregado para designar a impressão feita por qualquer processo cuja reprodução se dá por contato direto da matriz com o suporte de impressão. de acordo com o resultado impresso. as densidades das tintas. incluindo: impressora a laser. Termo alternativo: eletrostatografia <electrostatography>.[1] <dactylogram> . reproduzido através de uma impressora de desktop. Em 1800. Ver também: Gerenciamento de cores <color management>. a fim de determinar o nível de ganho-de-ponto. as prensas plano-cilíndricas eram capazes de imprimir 1100 folhas grandes por hora. da rotogravura e da xilografia. Termo alternativo: <applied color decorating>. que permite identificá-la através de técnicas dactiloscópicas. [2] <digital printing> . Impressão digital . imprimir uma prova. Ver também: Impressora eletrostática <electrostatic printer>. do monitor de visualização do sistema de tratamento de imagens e da impressora de provas. geralmente tecido. que depende da luz ou outra energia eletromagnética e de fotosemicondutores que não conduzem eletricidade no escuro mas são condutores quando expostos à radiação eletromagnética. impressora ofsete digital etc. {c} Processo de impressão sem contato. as prensas de rosca podiam imprimir duas páginas por vez.

Ver também: Jato contínuo <continuous jet>. Termo alternativo: <jet printing>. Jato de tinta sob demanda <drop-on-demand ink-jet>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Impressão flexográfica <flexographic printing> . Ver também: Magnetografia <magnetography>. Impressão ofsete <offset printing> Método de impressão indireto no qual a imagem entintada da chapa é primeiro transferida para uma blanqueta e. por isso.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . controlado eletricamente. no caso de chapas de alumínio. é projetado em alta velocidade sobre um suporte. de contragrafismo é feita com uma solução de goma-arábica acidificada com ácido fosfórico. Impressão por jato de tinta <inkjet printing> .Método de transferência de uma imagem impressa de um suporte para outro. Impressora flexográfica <flexographic printing press>. a fim de formar a imagem real. depois. uma solução aquosa à base de goma-arábica. Ver também: Flexografia <flexography>. Ofsete seco <dry offset>. Termo alternativo: <offset lithographic printing>. chamada solução de molhagem. o fluxo de gotículas. através de um processo chamado de dessensibilização. para o suporte. a chapa é tratada fotoquimicamente. enquanto as áreas de grafismo são constituídas de materiais naturalmente receptivos às gorduras. Termo alternativo: impressão magnetográfica <magneto-graphic printing>. pode ser contínuo ou intermitente. com tintas à base de plastisol ou anilinas sublimáveis. carregadas eletrostaticamente. geralmente uma imagem invertida impressa sobre papel pelo processo serigráfico. respectivamente.Processo de impressão sem-impacto no qual um fluxo de gotículas microscópicas de tinta. Impressão magnética <magnetic printing> . isto é: as áreas de grafismo e de contragrafismo encontram-se no mesmo plano. Impressão magnetográfica <magnetographic printing> . a dessensibilização das áreas . como é o caso do cobre e de alguns polímeros. álcool isopropílico e ácido fosfórico. sucessor da litografia. e receptivas a uma tinta gordurosa nas áreas de grafismo. e tintas fluidas de rápida secagem. é o único processo que envolve água. baseia-se no princípio de que água e gordura não se misturam. 254 v o processo ofsete. Litografia <lithography>. cuja função é evitar que a tinta se deposite sobre as áreas de contragrafismo da chapa. a fim de produzir áreas de grafismo e de contragrafismo.Processo de impressão que utiliza clichês de borracha ou de fotopolímero em alto-relevo. ou seja: a imagem é primeiro transferida da chapa para uma blanqueta. o qual atrai um toner com polaridade magnética oposta e o transfere para o suporte.Ver: Impressão magnética <magnetic printing>. Termo alternativo: <screen flex heat transfer>. a fim de transferir a imagem diretamente para o suporte. e desta para o suporte. transferida para um tecido através de calor e pressão. Impressão por transferência térmica [1] <heat transfer printing> . ou compostos que apresentem o mesmo comportamento químico. ou melhor. v o processo ofsete apresenta três características que o distingue dos demais processos de impressão: a matriz é planográfica. a chapa é quimicamente tratada para tornar-se receptiva à água nas áreas de contragrafismo. receptivas à tinta e à água. através de um sistema pressurizado.Método de impressão no qual uma imagem latente é formada sobre um tambor magnetizado. Ver também: Impressora ofsete <offset printing press>. a impressão é indireta.

Variação do processo descrito no ítem [1] que utiliza tintas serigráficas especialmente formuladas para transferência sobre nylon.Impressão feita através de atração eletrostática de toner ou jato de tinta. metal ou plástico sensibilizado. geralmente empregado para imprimir jornais. Ver também: Impressora sem-impacto <nonimpact printer>. a partir do qual a tinta do interior das células é transferida por contato direto com o suporte. Ver também: Impressão térmica <thermal printing>. Impressão rotogravura <rotogravure printing> .Método de impressão no qual o calor emitido por um cabeçote de impressão amolece a tinta.Variação do processo descrito no ítem [1] que emprega tintas especialmente formuladas para produzir cintilação na imagem impressa. Impresso . Termos alternativos: <fabritecture>. e a transfere para o suporte. {c} Imagem a 255 . por qualquer processo de impressão. <serigraphic printing>. Ver também: Tipografia <typography>. <silk-screening>. {b} Método de impressão utilizado para imprimir textos ou ilustrações a partir de uma fôrma de impressão em alto-relevo. contida numa fita. Termo alternativo: <nonimpact printing>. [5] <thermal-transfer printing> . entintada com rolo nas áreas elevadas. [2] <typographic printing> . Ver também: Impressora serigráfica <screen press>. Termo alternativo: aplicação por transferência de calor <heat-transfer application>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas [2] <lithographic flex heat transfer> Variação do processo descrito no ítem [1] para transferência de imagens fotográficas impressas em ofsete sobre papel especial.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . sericitipia.[1] <print> . mecânica ou quimicamente. sintético ou metálico.{a} Imagem reproduzida sobre qualquer superfície.[1] <letterpress> . Impressão tipográfica .Processo de impressão no qual uma racle (rodo) força a tinta através da malha porosa de um tecido de seda. à base de cera. coberto por um estêncil que bloqueia as áreas de contragrafismo. <silkscreen printing>. listas telefônicas etc. [2] <off-contact printing> . {b} Imagem fotográfica feita por reprodução de um negativo ou um positivo sobre um suporte de papel. Ver também: Impressão em contato <on-contact printing>. a racle é forçada sobre a tela pressionando o tecido contra o suporte. Impressão sem-impacto <impactless printing> . Ver também: Impressora sem-impacto <nonimpact printer>. impressão por transferência de calor <heat-transfer printing>. a tinta atravessa as áreas abertas de grafismo e forma a imagem sobre o suporte. Impressão sem-contato . seritipia. [4] <screen glitter heat transfer> .Processo de reprodução de arquivos digitais em prova dura sem o uso de elementos mecânicos de impacto ou matrizes permanentes.Impressão feita a partir de uma fôrma metálica gravada em alto-relevo que transfere a tinta das áreas elevadas diretamente para o suporte.[1] <noncontact printing> .Impressão serigráfica feita com a tela levantada ligeiramente acima do suporte. Ver também: Impressora rotogravura <gravure printing press>. e pressionada diretamente contra o suporte.Processo de impressão que emprega um cilindro gravado.{a} Processo de impressão a partir de estereótipos curvos (telhas). com pequenas células de profundidade e/ou área variável. [3] <nylon heat transfer> . Impressão serigráfica <screen printing> . [3] Impressão feita através de um processo no qual a tinta é atraída eletrostaticamente para um suporte carregado com carga de sinal contrário.

prensa <press>. {b} Que se imprimiu. dispostos sobre barras ou tambores. um raio laser excita uma superfície de selênio que se torna eletrizada e atrai uma tinta especial sobre as zonas atingidas. Configuração satélite <satellite configuration>.Máquina que faz a impressão. capaz de imprimir os dois lados do suporte ao mesmo tempo. a qual. [4] <printing press> . plástico. Ver também: Cópia dura <hard copy>.[1] <cylinder press> . metal etc. reproduzindo o motivo da matriz de impressão.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . utilizada para a impressão de dados variáveis em impressos de segurança e para a reprodução de provas ou filmes em sistemas de editoração eletrônica. e várias unidades de impressão dispostas em torno dele. os caracteres. [2] <printed> . e a impressão é realizada por impacto das agulhas so- . Impressora blanqueta–blanqueta <blanket-to-blanket press> . é transferida por contato para o papel. alimentada por fita magnética ou disquete. {c} Empresa que opera máquinas de impressão. Ver também: Cilindro de pressão comum <common impression cylinder>. Impressora CIC <common-impression cylinder press> . com as blanquetas em contato. cartão. Termos alternativos: <central impression press>. Prova dura <hard proof>.{a} O mesmo que estampado. nas impressoras a laser. gotículas de tinta são borrifadas diretamente sobre o suporte sob o comando de um computador.Dispositivo mecânico que aplica tinta sobre um suporte. Impressora cilíndrica . [3] <printer> .Impressora ofsete ou flexográfica configurada com um grande tambor de contrapressão. são reproduzidos através de batidas de um martelete sobre uma fita entintada. {b} Saída impressa de computador reproduzida sobre papel contínuo.{a} Saída de texto numa impressora de computador. Ver também: Impressora perfect <perfect press>. nas impressoras de agulha ou matriciais. {d} Impressão feita a partir de uma chapa ou cilindro gravado. Termo alternativo: <unit perfecting press>. <CI press>. {c} Produto das artes ou indústrias gráficas. [2] <press> . em seguida. <common impression press>.Tipo de máquina ofsete configurada com dois conjuntos impressores em cada unidade. que reproduz o texto em papel de formulário contínuo. e uma série de lentes para imprimir textos e imagens em alta velocidade e com qualidade elevada. Impressora a laser <laser printer> Impressora sem-impacto que emprega uma fonte de luz. máquina impressora <printing machine>. Impressora . onde são assinalados os erros de digitação. nas impressoras a jato de tinta.Impressora tipográfica na 256 v [3] nas impressoras de impacto. uma agindo como cilindro de contrapressão da outra. que sustenta e prende o suporte. um feixe laser. ponto por ponto.[1] <autoprinter> Máquina automática de provas de fotocomposição. um espelho giratório. {c} Qualquer material reproduzido por qualquer processo de impressão. os caracteres são formados por uma matriz de pontos. sobre um suporte de papel. impressora satélite <satellite press>. Termos alternativos: prelo <printing press>.{a} Qualquer dispositivo de saída de um computador que reproduz imagens legíveis sobre um suporte. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas traço ou a meio-tom reproduzida por processos fotomecânicos sobre uma chapa metálica. {b} Mecanismo ou máquina que produz uma saída impressa de caracteres alfanuméricos a partir de um arquivo digital. utilizada nos processos de impressão. Termos alternativos: máquina de impressão <printing machine>. bre uma fita entintada. [3] <printout> .

Impressora de jato de tinta <ink-jet printer> . empregada em sistemas de endereçamento. a partir de uma fita perfurada.Im- 257 . Termos alternativos: prensa cilíndrica. um cabeçote. Termo alternativo: <belt printer>. acopladas em-linha nas máquinas de acabamento e nos sistemas de editoração eletrônica para a impressão de pequenas tiragens. [2] <cylinder printer> . {b} Impressora ofsete ou xerográfica dotada de remalina para impressão de formulários padronizados. imprimindo sobre o papel a uma velocidade de 300 a 2. linha por linha. Impressora de impacto <impact printer> . Ver também: Impressora planocilíndrica <flatbed-cylinder press>.000 linhas por minuto.{a} Qualquer dispositivo que pressiona uma barra de tipos. bilhetes de loteria e outros impressos de segurança.{a} Máquina rotativa dotada de unidades flexográficas e ofsete.Impressora sem-impacto que projeta sobre o suporte gotículas de tinta sob o comando de um computador. Impressora de margarida <daisywheel printer> . Impacto <strike-on>. tambores metálicos etc. Impressora de cinta <band printer> Tipo de impressora de impacto dotada de uma cinta metálica contendo caracteres estampados.Tipo de impressora de impacto dotada de uma matriz de caracteres gravada em tiras metálicas presas em torno de um cilindro. a fim de imprimir diretamente sobre um suporte. os quais são pressionados por um martelo contra uma fita entintada.Variedade de impressora rotativa que permite imprimir simultaneamente duas bobinas de meia largura. {c} Máquina de alta velocidade que produz uma listagem de caracteres. Impressora de meia bobina . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas qual o papel é conduzido por um cilindro que o pressiona contra a mesa plana que comporta a matriz de impressão. Termo alternativo: <continuous form printer>.[1] <double-ending> .Impressora de impacto cujos elementos de tipos são montados nas extremidades de braços que se estendem a partir de um ponto central. ou uma matriz de pinos sobre uma tira entintada.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . prensa de cilindro. e um martelo golpeia o cilindro contra uma fita entintada. Ver também: Impressora sem contato de guias <non-bearer-contact press>. [2] <half web press> .Arranjo mecânico para impressão serigráfica de garrafas.{a} Dispositivo de saída de um sistema computadorizado que imprime simultaneamente todos os caracteres de uma linha de tipos. Termo alternativo: <petal printer>.Impressora ofsete cujos cilindros da chapa e da blanqueta trabalham com as guias em contato. {b} Dispositivo periférico de um computador que gera a saída. Impacto <strike-on>. Impressora de linhas <line printer> . Impressora de formulários contínuos <business printing machine> . Ver também: Impressora de página <page printer>. que se move para cima e para baixo conforme os caracteres são selecionados. para correção de texto composto em sistema de fotocomposição. Ver também: Impressora de impacto <impact printer>. Termo alternativo: <bearercontact press>. empregada para imprimir talões de cheques. {b} Qualquer máquina que produz caracteres individuais sobre um suporte através de golpes dos tipos sobre uma tira entintada. [3] <cylindrical printer> . Termo alternativo: impressora de tambor <drum printer>. Ver também: Impressora de margarida <daisy-wheel printer>. Termo alternativo: <line device>. Impressora com guias em contato <bearer-to-bearer press> .

o qual é carregado com carga eletrostática apenas nas áreas de grafismo. impressora xerográfica <xerographic printer>. <tailprinter>. sobre um suporte dielétrico. um cilindro porta-matrizes sobre o qual os clichês são fixados. tais como: estampagem. vincadeira. Impressora matricial <dot-matrix printer> . Ver também: Computer-to-plate. {b} Impressora conectada diretamente a diversos dispositivos de acabamento. folhadeira. Termos alternativos: <perfector>. dobradeira etc. Impressão eletrostática <electrostatic printing>. Ver também: Eletrofotografia electrophotography>. Flexofsete <offset flexo>.Dispositivo de saída de um sistema computadorizado que reproduz textos e imagens a partir de um arquivo de dados digitais. Termos alternativos: <tail-end printer>. <perfect press>. Impressora em-linha <in-line press> {a} Impressora flexográfica cujas unidades de impressão são arranjadas horizontalmente. assistida por computador.Máquina que faz a impressão dos dois lados do papel consecutivamente numa única passada. Impressora frente-e-verso <perfecting press> . atraindo partículas de toner carregadas com carga de sinal contrário que são transferidas para um suporte. Impressora eletrográfica <electrographic printer> .Tipo de impressora que gera imagens por meios eletrofotográficos.Variedade de impressora que combina características da flexografia com as de outros processos de impressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas pressora ofsete rotativa de formato de impressão igual a 17 3/4 x 26 polegadas.Impressora sem-impacto dotada de um cilindro semicondutor. pré-montada no cilindro da chapa. Estação de transferência <transfer station>. e um cilindro de contrapressão cuja função é pressionar o suporte contra a matriz. Impressora digital .Equipamento de impressão cuja configuração básica inclui: um tinteiro que comporta uma tinta fluida. [2] <digital printer> . um cilindro anilox cuja função é dosar a quantidade de tinta transferida do cilindro do tinteiro.Impressora ofsete cuja chapa. tais como: flexogravura e flexofsete. Ver também: Impressão flexográfica <flexographic printing>. Ver também: Flexogravura <flexo gravure>. os vapores residuais de tinta são removidos por um sistema de vácuo. cujo princípio de funcionamento envolve a geração de uma carga elétrica. equivalente à metade da largura de uma impressora tradicional. um cilindro parcialmente imerso em tinta.[1] <digital press> . Ver também: Configuração frente-e-verso <perfecting configuration>. Impressora sem-impacto <nonimpact printer>. Impressora eletrônica <electronic printer> .Impressora de impacto que 258 . Prova digital <digital proof>. Ver também: Eletrofotografia electrophotography>. Impressora eletrostática <electrostatic printer> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Impressora flexográfica híbrida <hybrid flexographic press> . Ver também: Impressão digital <digital printing>.Tipo de impressora sem-impacto. e uma tinta líquida volátil que revela a imagem diretamente sobre o suporte. Impressora reversível <reversible press>. ou cuja carga é dissipada apenas nas áreas de contragrafismo expostas à luz. é copiada a partir de dados digitais sob o comando de um computador. Termos alternativos: duplicador eletrostático <electrostatic duplicator>. Impressora flexográfica <flexographic printing press> . corte-e-vinco.

capazes de alimentar mais do que uma bobina ao mes- . cartão. tais como: acerto da pressão do cilindro de contrapressão de acordo com a espessura do papel. que permite imprimir duas ou mais cores numa única passagem do papel pela impressora.Máquina cuja configuração básica inclui três cilindros (da chapa. v as impressoras ofsete planas podem ter diversas configurações. nas impressoras mais comuns. Termo alternativo: <matrix printer>. envernizamento. nas impressoras reversíveis. um sistema de transferência do papel e um dispositivo de saída. o transporte das folhas através da impressora é realizado por diversos conjuntos de pinças localizados nos cilindros de contrapressão e nos cilindros de transferência (ou carrinhos no caso de máquinas de castelo). serrilha. a fim de formar os caracteres sobre um suporte. todas as folhas são impressas num dos lados e. um sistema de molhagem. as quais contatam uma fita entintada em alta velocidade. lavagem automática da blanqueta e do cilindro de contrapressão e outros. acerto de registro lateral e circunferencial comandados através do painel de comando. Impressora multicor <multicolor press> . da blanqueta e de contrapressão). Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas imprime configurações de pontos através de um conjunto de agulhas eletricamente controladas. acerto da distribuição de tinta por controle remoto. plástico. a alimentação pode ser feita através de alimentadores tipo estrela (emenda dinâmica) ou tipo festão (emenda estacionária). as impressoras planas podem imprimir diversos tipos de suporte (papel. a folha é virada automaticamente por um tambor especial. com as unidades dispostas em fila. secagem induzida por radiação ou calor etc. além de admitirem recursos para numeração. um alimentador. metal. o número de cores impressas em cada entrada de máquina depende do número de unidades de impressão disponíveis ou do número de vezes que o mesmo lado da folha passa através da impressora. frente-e-verso <perfect> e satélite (CIC). permitindo imprimir os dois lados numa única entrada de máquina. as impressoras modernas são equipadas com dispositivos automáticos que executam diversas funções.Equipamento dotado de duas ou mais unidades de impressão conectadas (cada uma configurada com seu próprio sistema de entintamento e molhagem). um dispositivo de alimentação de folhas ou bobinas e um dispositivo de saída de folhas ou de cadernos dobrados. envelopes etc. Ver também: Minerva <small job printing press>.Impressora dotada de uma única unidade de impressão. Impressora ofsete <offset printing press> . Termo alternativo: <offset lithographic press>. outra configuração consiste de duas unidades de impressão montadas em torno de um cilindro de contrapressão comum. Impressora monocolor <single-color press> . depois que as tintas estiverem secas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . utilizada para imprimir pequenos trabalhos (cartões.Pequena máquina tipográfica de platina. sem a necessidade de intervenção do impressor. a mais comum consiste de uma unidade de impressão para cada cor a ser impressa. 259 v as impressoras ofsete rotativas podem ter três configurações básicas: em-linha. as folhas são viradas para a impressão do verso. um sistema de tintagem.). Impressora minerva <platen all type> . tecido) em gramaturas que variam entre 30 g/m 2 e 600 g/m 2 . e podem atingir velocidade próxima de 17000 folhas por hora. formando um conjunto chama- do de castelo. operada a pedal ou acionada por um motor.

controle de corte e dobra.[1] <flatbed press> . controle de tensão do papel desde a alimentação até a saída.. as rotativas podem ser equipadas com dispositivos automáticos para controle de diversas funções. a maioria é alimenta com folhas individuais diretamente na mesa de alimentação. Ver também: Impressora blanqueta– blanqueta <blanket-to-blanket press>. Impressora reversível <reversible press> . Impressora reversível <reversible press>.Máquina ofsete alimentada com bobinas de papel. impressora de mesa plana. Termos alternativos: <flatbed letterpress>. é produzir cadernos dobrados prontos para a encadernação. a saída da impressora pode ser equipada com dobradeira. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas mo tempo. Impressora ofsete plana <sheetfed offset press> . Ver também: Impressão rotativa <rotary printing>. Impressora rotativa . Termo alternativo: <perfector press>. [3] <sheetfed press> . algumas impressoras planas empregam um sistema de alimentação de bobinas. dependendo do tipo de produto que se deseja imprimir. Impressora ofsete <offset printing press>. Termo alternativo: <convertible perfector>. prensa plana <platen>. Impressora plana .{a} Impressora ofsete plana dotada de um cilindro reversor que permite imprimir os dois lados de uma folha numa única entrada de máquina. colagem. ou de outro suporte. Termo alternativo: <web offset press>. Impressora frente-e-verso <perfecting press>. Impressora ofsete rotativa <webfed offset press> . que produz cadernos dobrados prontos para a encadernação. Termos alternativos: prensa de retiração <perfecting press>.Impressora tipográfica cujas superfícies de impressão e de contrapressão são planas. Ver também: Impressora rotativa <web press>.000 revoluções por hora.Máquina ofsete alimentada com folhas cortadas em formatos específicos.Impressora tipográfica de platina.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . a principal desvantagem é o comprimento fixo de corte. as impressoras reversíveis podem imprimir trabalhos com até 5 cores. incluindo recursos de serrilha. a principal vantagem do processo rotativo em relação às impressoras planas. entretanto. Impressora perfect <perfecting press> . folhadeira ou rebobinadeira. frente-e-verso. [2] <platen press> . Ver também: Configuração frente-e-verso <perfecting configuration>. respectivamente. {b} Impressora tipográfica constituída de dois conjuntos de impressão: o primeiro cilindro imprime um dos lados da folha e o segundo cilindro imprime o verso da folha. Ver também: Impressão plana <planographic printing>. no qual a tira de papel é cortada em folhas antes de entrar no alimentador. dentre outras. dependendo do número de unidades de impressão. cuja função é evaporar os solventes das tintas e assentar a tinta no suporte. além do que foi dito para as impressoras planas. além da velocidade.Impressora ofsete alimentada com folhas individuais de papel ou outros suportes. Impressora frente-e-verso <perfecting press>. tais como: controle de quebra da tira de papel comandado por fotocélulas. as impressoras podem ser equipadas com forno e sistema de refrigeração. grampeação etc.{a} Impressora cuja matriz 260 . Termo alternativo: <sheetfed offset press>. vinco.Máquina que imprime os dois lados do papel numa única passada. dependendo da aplicação. a velocidade das impressoras rotativas pode ultrapassar 70. <reversing press>.[1] <rotary press> .

um rolo de contrapressão que pressiona o suporte contra o cilindro de impressão. o suporte de impressão pode ser papel. plana ou rotativa. uma racle (rodo) cuja função é forçar a tinta através das malhas da tela. pressão comum a diversas unidades de impressão.. [2] <web press> . de um ou de ambos os lados.Ver: Impressora CIC <common-impression cylinder press>. celofane e outros suportes flexíveis.Qualquer dispositivo que reproduz uma imagem sem chocar-se com o suporte.Impressora serigráfica dotada de uma tela fina de metal cilíndrica. {b} Qualquer impressora na qual a chapa. em velocidades superiores às impressoras planas. é cilíndrica e imprime continuamente. dotada de um grande cilindro de contra- . Impressora rotogravura <gravure printing press> . uma racle cuja função é remover a tinta da superfície do cilindro. Impressora sem-contato de guias <non-bearer-contact press> . Termo alternativo: <screen printing machine>.Impressora flexo-gráfica ou ofsete. Termo alternativo: máquina rotativa <rotary machine>. Impressora serigráfica <screen press> . sobre suportes em folhas ou bobinas. Impressora serigráfica rotativa <rotary screen press> . Ver também: Impressão serigráfica <screen printing>. alguns exemplos incluem: impressora xerográfica. Ver também: Impressora plana <sheetfed press>. um cilindro gravado em baixo-relevo parcialmente imerso na tinta do tinteiro. impressora de jato de tinta etc. geralmente em alta velocidade. e dispositivos de entrada e saída do papel. ou a fôrma de impressão. impressora a laser.Equipamento dotado de um berço onde se fixa um clichê de 261 v as impressoras rotogravura são configuradas em-linha e podem imprimir diversas bobinas ao mesmo tempo. tais como: dobra. plástico. colagem. nas quais a imagem é reproduzida através de atração eletrostática de partículas de toner ou por um jato de tinta borrifado sobre o suporte. Termo alternativo: prensa rotativa.[1] <common-impression press> . Ver também: Impressão rotogravura <rotogravure printing>. grampeação. Impressora tampográfica <pad printing press> . cartão. e um sistema de secagem da tinta através de sopro de ar.Impressora cuja configuração básica inclui: um tinteiro que comporta uma tinta fluida. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas é fixada num cilindro rotativo e imprime um rolo contínuo de papel.Impressora cuja configuração básica inclui uma tela de tecido ou plástico esticada numa armação retangular. geralmente empregada na decoração de tecidos e etiquetas auto-adesivas. Impressora sem-impacto <nonimpact printer> .Impressora que imprime uma bobina ou uma tira contínua de papel. serrilha etc. a qual gira continuamente em contato com o suporte. Impressora satélite . e no interior da qual a tinta é forçada a passar entre as malhas da tela através de ar pressurizado. dependendo do número de unidades disponíveis. podendo incluir operações de acabamento em linha. o alimentador de bobinas geralmente é do tipo estrela (emenda dinâmica) e a saída pode ser equipada com uma ou mais dobradeiras ou rebobinadeiras. onde o suporte se apóia e em torno do qual são dispostas das diversas unidades de impressão. Ver também: Impressora com guias em contato <bearer-to-bearer press>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . [2] <satellite press> .Impressora ofsete concebida com um ligeiro vão entre as guias dos cilindros da chapa e da blanqueta.

Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas metal ou de fotopolímero. Imprimibilidade <printability> . gravado em baixo-relevo. a lisura. a absorção e a resistência superficial.[1] <to imprint> . a brancura. podendo ou não estar 262 v a invenção da prensa tipográfica nasceu da fusão de diversas tecnologias conhecidas muito antes de Johannes Gutenberg: adaptação da prensa de rosca <screw-type press> usada na produção de vinho e óleo de oliva.Estabelecimento onde se fabrica o papel. que governam a qualidade do produto impresso. Termo alternativo: <thermal proofer>. [2] <to print> . {c} Reproduzir um impresso fotográfico a partir de um negativo através de transmissão de luz. Impressora térmica <thermal printer> . o brilho. desenvolvimento da produção em massa do papel. conhecidas desde o século X para impressão xilográfica.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Termo alternativo: prensa tipográfica <printing press>. por qualquer processo de impressão e sobre qualquer tipo de suporte. {b} Termo que expressa o conjunto de atributos associados a um papel ou uma tinta. {c} Pronto para a impressão. Impurezas <speckles> . as principais propriedades de uma tinta que definem a sua printabilidade são: a viscosidade.Pequenas imperfeições que aparecem no produto impresso causadas por partículas que aderem à chapa ou à blanqueta de uma impressora ofsete. Termo alternativo: printabilidade.. <to strike>. desenvolvimento de tintas à base de óleos. {e} Reproduzir por meio de qualquer processo de impressão.Impressora cuja configuração básica compreende uma mesa plana ou um cilindro que comporta a matriz. imagens etc.{a} Que pode ser impresso. v as principais propriedades do papel ou cartão que definem a sua printabilidade são: a alvura. uma espátula que raspa o excesso de tinta do clichê e um tampão de borracha sintética que transfere a imagem entintada do clichê para a superfície a ser impressa. Imprimível <printable> . e a porcentagem de gris. o desvio de tom. Imprimir . os quais podiam ser reutilizados após a impressão.. um sistema de tintagem e uma superfície plana ou cilíndrica cuja função é conduzir e pressionar o suporte contra a matriz de impressão. Termos alternativos: <to impress>. conhecida na Europa desde o século XIII. Ver também: Impressão tipográfica <letterpress>. manchas ou pintas circundadas por um anel branco. a rigidez. <typographic printing>. e aparecem como vazios.{a} Qualidade de imprimível. além destas. {d} Reproduzir a partir de chapas por meio de uma impressora. {b} Adequado ou qualificado para publicação. desenvolvimento de um sistema de moldes que permitiu a produção em massa dos tipos móveis. caracteres ou desenhos gravados em chapas ou clichês entintados. [3] <to print-out> .Dispositivo de saída de um sistema eletrônico de tratamento de imagens que reproduz imagens por processos de transferência térmica ou sublimação. Impressora tipográfica <typographic printing press> . . um tecido etc. considera-se todas as propriedades de inter-relacionamento tinta–papel–solução de molhagem. {f} Transferir para um papel. adaptação da xilografia.Reproduzir textos. {b} Reproduzir dados digitais em forma alfanumérica legível. o tack.{a} Reproduzir textos ou imagens por qualquer meio e sobre qualquer superfície.Imprimir dados digitais em impressora conectada à saída de um computador. Indústria de papel <paper making industry> .

Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas integrado a uma planta de fabricação de celulose. Jato de bolhas <bubble ink-jet>. Indústria gráfica <graphic arts industry> . Jornal de bairro <city district newspaper> . Jato intermitente <intermittent jet> Ver: Jato de tinta sob demanda <dropon-demand ink-jet>. a fim de acelerar a secagem da tinta.Método de impressão semimpacto que emprega tintas hot-melt que solidificam muito rapidamente sobre o papel e exibem excelente forma de ponto.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Tipo de papel fabricado com 85% de pasta mecânica e 15% de pasta sulfito nãobranqueada.Conjunto das técnicas e das atividades que concorrem para a produção de impressos em geral. Termos alternativos: gazeta. Termo alternativo: <graphics industry>. opaco e muito absorvente. do cabeçote de impressão. Jatos de ar <air jets> .Ar comprimido forçado contra a superfície de um suporte recém impresso. <journal>. Ver também: Impressão por jato de tinta <ink-jet printing>.[1] <drop-on-demand ink-jet> . Jato de tinta sob demanda . Termo alternativo: jato de tinta térmico <thermal ink-jet>. Jato de tinta assíncrono <asynchronous ink-jet> . jato intermitente <intermittent jet>.Método de impressão sem-impacto no qual gotículas de tinta são borrifadas sobre o suporte apenas quando necessário. Jornaleco <shabby newspaper> {a} Jornal de má qualidade editorial e gráfica. Jornal de empresa <house-organ> {a} Periódico editado por empresa e geralmente dirigido ao público interno. [2] <newsprint> . através de pequenos furos abertos numa folha. sem acabamento superficial.Impressora de jato de tinta na qual a distribuição da tinta sobre o suporte se dá através da abertura de uma válvula 263 .Ver: Jato de bolhas <bubble inkjet>. <daily news-paper>. na impressão de código de barras em embalagens etc. Termo alternativo: revista de empresa. chapa ou configuração similar. apresentando novidades e assuntos internos. Jato de tinta hot-melt <hot-melt ink-jet> .Diário ou periódico informativo dos acontecimentos mais recentes. contraste. em sistemas de endereçamento acoplados a máquinas de acabamento. Jornal .Processo de impressão sem-impacto que se baseia no princípio de borrifar pequenas gotas de tinta diretamente sobre o suporte. definição de borda e características de ancoragem. trazendo notícias e anúncios relativos à região. {b} Periódico distribuído aos funcionários. J Jato de tinta <ink jet> . utilizado em sistemas computadorizados para reproduzir provas de arquivos digitais. Jato de tinta térmico <thermal inkjet> .Ver: Jato de bolhas <bubble ink-jet>. Termo alternativo: <rag>. {b} Gíria dos impressores que indica um jornal de pequeno formato ou pequena tiragem.[1] <newspaper> .Periódico que circula em bairros de grandes cidades. em plotadoras que imprimem materiais de sinalização. Termos alternativos: jato de tinta assíncrono <asynchronous ink-jet>. Jato de tinta sob demanda <drop-on-demand ink jet>. [2] <valve jet> . Jato de tinta hot-melt <hot-melt ink-jet>. impresso para terceiros numa gráfica onde é feito um jornal importante.

Lado de uma impressora. geralmente pardo. lado de engrenamento <gear side>. Lado B <side B> . Ver também: Lado de acionamento <driving side>. Termos alternativos: lado B <side B>. <operating side>.Papel espesso. Ver também: Lado de saída <output side>. onde é feita a margeação das folhas durante a alimentação.Publicação impressa com tinta eletrônica.Teste prático utilizado para comparar a taxa de absorção de tinta de diferentes papéis. Juta <jute> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . v kraft é um termo alemão que indica resistência.Papel muito brilhante que recebe um revestimento alisado a quente.Lado de uma unidade de impressão por onde o papel é alimentado. é o lado preferido para imprimir.Lado superior do papel formado sobre a tela da máquina de fabricar papel. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Jornaleiro <paperboy> . embora seja o mais K K&N .Planta indiana cuja casca contém fibras longas adequadas à fabricação do papel. lado do operador <operator’s side>. freqüentemente utilizado para produzir cartuchos e papel de embrulho. Lado de acionamento <driving side> Lado de uma impressora onde se localiza o trem de engrenagens principal. régua. 264 Kraft <kraft> . aplicando-se uma espessa camada de uma tinta não-secativa. que cresce na Índia e no Paquistão. por um período de tempo determinado. Ver também: Tinta eletrônica <electronic ink>.Fibra obtida de planta de mesmo nome. removendo-se o excesso. Kenaf <kenaf> .Vendedor ou entregador de jornais. Lado de engrenamento <gear side> Ver: Lado de acionamento <driving side>. contendo um pequeno processador que permite trocar o texto por controle remoto. e avaliando-se a densidade de reflexão da tinta absorvida pelo papel. Lado de guia <guide side> . L Lábio <slice> . Lado A <side A> . utilizada na fabricação de papéis resistentes e duráveis. Kromecote ® . Ver também: Lado de entrada <input side>. Ver também: Papel kraft <kraft paper>. oposto ao lado de engrenamento. feito de polpa de madeira sulfato não-branqueada.Lado de uma unidade de impressão por onde o papel sai em direção à dobradeira ou à pilha de entrega.Ver: Lado de acionamento <driving side>. de fibra longa. ou cartão. Termos alternativos: lado A <side A>. Lado de operação <work side> Lado de uma impressora onde se localizam os comandos controlados pelo operador.Ver: Lado de operação <work side>. Lado de saída <output side> . Termos alternativos: faca. que regula o fluxo de massa despejada sobre a tela plana.Faca da caixa de entrada da máquina de fabricar papel . geralmente aquele que fica mais próximo do operador. Ver também: Lado de operação <work side>. oposto ao lado de operação. Lado de entrada <input side> . Jornal eletrônico <electronic newspaper> . Lado feltro <felt side> .

Laminação cruzada <cross-lamination> . a fim de produzir uma dobra de cutelo. Termo alternativo: faca <knife>.Diz-se de um produto impresso revestido com plástico transparente. Lado tela <wire side>. a mesma textura e o mesmo acabamento dos dois lados da folha.Processo de aplicação de um filme de material plástico (polietileno. PressMatch ® . {b} Tipo de calandra constituída basicamente de dois rolos metálicos. caracterizado por apresentar aparência sarapintada. Laminação a quente <hot lamination> . ou entre os roletes da dobradeira de cutelo. orientado perpendicularmente. Termo alternativo: <top side of paper>. a fim de proteger e melhorar a aparência. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas propenso ao arrancamento de partículas e fibras. Laminação grisalha <silvering of film laminate> .Processo de aplicação de um filme de polietileno sobre a capa de um livro ou de uma revista. cuja distância pode ser regulada de modo a dar ao papel ou ao cartão uma 265 .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . empregado na impressão de embalagens. por meio de adesivo. <foil paper>.Filme metálico contracolado a um suporte de papel ou cartão. Laminação <lamination> .Processo de aplicação de um filme plástico. Lado do operador <operator’s side> Ver: Lado de operação <work side>. é o lado que apresenta maior resistência ao arrancamento. [3] <laminated> . Ver também: Laminação <lamination>. Laminador <laminator> . Ver também: Dobra de cutelo <chopper fold>. a fim de conferir-lhe brilho e resistência ao atrito. Marcas de tela <wire marks>.Lado inferior do papel formado em contato com a tela da máquina de fabricar papel. Lâmina de dobra <tucker blade> Peça reciprocante da dobradeira combinada de uma impressora rotativa cuja função é forçar os cadernos contra o morcete. Ver também: Lado feltro <felt side>.Suporte de impressão constituído de duas ou mais camadas de material unidas por meio de adesivo.{a} Acessório dos sistemas automáticos de prova de pré-impressão. Termo alternativo: laminagem. Termos alternativos: <foil laminate>. geralmente capas de livros e revistas. embora apresente printabilidade inferior ao lado feltro. polipropileno) sobre a capa de uma revista ou de um livro. por meio de adesivo ou calor. Lado tela <wire side> . a fim de proteger e melhorar a aparência. Ver também: Plastificação <film laminating>. cuja função é fixar a película de filme fotossensível sobre uma base de papel ou cartão. causado por ar armadilhado entre o filme plástico e as irregularidades do suporte. Laminação a frio <cold lamination> Processo de aplicação de um filme de polipropileno sobre a capa de um livro ou de uma revista. Tela <wire>.Defeito observado em produto laminado. MatchPrint ® . a fim de produzir uma dobra de morcete. semelhante àquela causada por partículas de pó antidecalque. Dobra de morcete <jaw fold>. Ver também: Cromalin ® . Ver também: Laminação <lamination>. por meio de calor e pressão. sobre outra camada de revesti- mento previamente aplicada à capa de um livro ou revista. Lados iguais <likesidedness> Condição superficial de um papel que apresenta a mesma cor. a fim de proteger e melhorar a aparência. Laminado . [2] <laminate> . Ver também: Laminação <lamination>. Ver também: Feltro <felt>.[1] <foil> .

dotada de palhetas que contatam e flexionam as cerdas da escova.Dispositivo de certas impressoras tipográficas de platina que alimenta ou remove as folhas impressas e as deposita na mesa de entrega. pente. Termo alternativo: <laminating machine>. a fim de conferir-lhes maior resistência e qualidade estética. filmes plásticos. [3] <coating binder> Material natural ou sintético que promove a coesão entre o pigmento da camada e o papel-base.[1] <binder> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas espessura regular. a fim de produzir uma nuvem de partículas de solução de molhagem borrifadas na direção do rolo distribuidor. melhorando a resistência à água e ao 266 . Termos alternativo: abano <fan>. Lâmina vibradora <flicker blade> Lâmina do sistema de molhagem de certas impressoras ofsete rotativas. Laminadora <foil laminating machine> . ajustada durante as operações de acerto e limpeza. Lateral colada <stuck edge> . Leque . fosco ou brilhante. tal como o caulim. cola ou outro produto acidentalmente borrifado na lateral da bobina. {b} Veículo no qual o pigmento da tinta é suspenso. Ligante . a fim de fixá-las ao couro. às fibras. Ver também: Sistema de molhagem <dampening system>. causado por água. {e} Veículo que fixa os pigmentos das tintas serigráficas às fibras do tecido que está sendo impresso. cuja função é transferir os cadernos individuais da dobradeira para a esteira de saída de uma impressora rotativa. cometa <comet>. Termos alternativos: <flyboy>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Termo alternativo: <roll width>.Máquina de acabamento que aplica sobre as folhas impressas. {f} Substância que se adiciona às tintas empregadas no acabamento de livros de capa dura.Mistura líquida que permanece após a digestão no processo de fabricação da polpa de papel. Laminagem <laminating> .Ver: Bobina frouxa <baggy paper>. {b} Velocidade lenta da impressora.[1] <fly> . Lesma <slug> . <fan delivery>.{a} Substância que causa a coesão entre os componentes de uma tinta ou verniz de impressão. Termos alternativos: bigode. {b} Dispositivo da dobradeira de algumas impressoras rotativas que separa os jornais em quantidades pré-estabelecidas. geralmente capas de livros.Defeito de uma bobina de papel que apresenta duas ou mais voltas unidas entre si.Ver: Laminação <lamination>. Largura da bobina <reel width> Distância entre as duas bordas de uma bobina de papel ou outro suporte de impressão. <delivery wheel>. {d} Componente adesivo do papel cuja função é ligar as cargas inertes. [2] <binder for dye> . Termos alternativos: aranha <delivery flyer>. Lateral frouxa .{a} Defeito de impressão que ocorre durante o processo rotogravura. caracterizado pela reprodução de pontos borrados. Licor negro <black liquor> . {c} Componente do veículo da tinta que causa a adesão do pigmento à superfície impressa.Tipo de veículo de tinta serigráfica que fixa as partículas de pigmento às fibras do tecido. Leque de saída <web fan delivery> {a} Dispositivo giratório constituído de lâminas que formam compartimentos. [2] <swing-gripper device> Dispositivo de uma impressora ofsete plana que transfere as folhas da mesa de alimentação para as pinças do cilindro de contrapressão da primeira unidade de impressão. ou outros materiais decorativos.

{b} Desenho translúcido impresso no papel enquanto ainda está úmido. unindo as fibras de celulose. Lineatura de retícula <screen ruling> . Ver também: Ponto de contato <nip>. associada à acidez (pH). para propósitos de identificação.Unidade de medida de resolução ou freqüência de uma retícula de meio-tom.{a} Faixa formada no ponto de contato entre os cilindros de blanqueta e de contrapressão de uma impressora ofsete. e representa uma das impurezas no processo de fabricação da polpa. brilho e resistência ao blister. forma o tecido principal da madeira. causa amarelamento e reduz a permanência do papel. junto com a celulose.Faixa formada no ponto de contato entre dois rolos de uma impressora.Marcas estreitamente espaçadas. [3] <nip> . uma vez que este material goza de incentivos fiscais quando empregado na produção de livros. receptividade à tinta.Número de linhas de pontos por polegada ou por centímetro de uma retícula de meio-tom. marca d’água <watermark>. Lipófilo <lipophilic> . Lineatura <line screen> .Ver: Lineatura <screen ruling>. Termo alternativo: <printing nip>. {c} Faixa formada no ponto de contato entre o clichê e o cilindro ou barra de pressão de uma impressora flexográfica. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas arrancamento. o brilho e a resistência à formação de bolhas <blister>.{a} Substância orgânica que. Termo alternativo: oleófilo <oleophilic>. pedras litográficas v a presença de lignina. cuja função é unir o pigmento ao papel-base e conferir à camada propriedades como: resistência ao arrancamento. {b} Plano formado no ponto de contato entre os cilindros da chapa e da blanqueta de uma impressora ofsete. filigrana <filigree>. produzido durante a fabricação para 267 . a flexibilidade. resistência à água.Faixa formada no ponto de contato entre dois rolos do sistema de molhagem alimentador de tinta de uma impressora ofsete. Abreviatura: (LD).[1] <impression nip> . pedras litográficas e chapas de impressão ofsete de apresentar afinidade pelas tintas à base de óleos e repelência à água. derivado de fontes naturais (caseína.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . propósitos de fiscalização. Lipofóbico <lipophobic> . Termos alternativos: freqüência de retícula <line screen frequency>. [2] <metering nip> . Ver também: Lipofóbico <lipophobic>. flexibilidade. Termo alternativo: ponto de contato. proteína de soja) ou produzido sinteticamente. a receptividade do papel à tinta. Linha-d’água <water line> . Valor de retícula <screen value>. <line count>.Qualidade de certos papéis. linhatura.{a} Fios paralelos que se observa por transparência em alguns tipos de papel. Linhatura . Linha vergê <laid line> . {d} Faixa formada no ponto de contato entre o rolo de contrapressão e o cilindro rotogravura. {b} Constituinte complexo que dá consistência à madeira. <halftone line count>. representa cerca de 25% do peso de uma árvore e confere às fibras não-branqueadas coloração castanha. Lignina <lignin> . produzidas por rolos filigranadores no papel vergê. Linha de contato . expressa em linhas por centímetro ou por polegada. Ligante da camada <coating binder> Componente da formulação do revestimento do papel. Linhas por polegada <lines per inch>.Qualidade de certos papéis. revistas e jornais. Ver também: Linhas por centímetro <lines per centimeter>. <lines to the inch>. Termos alternativos: contramarca <counter-mark>.

os quais indicam o fluxo de ar que passa entre a superfície de um corpo de provas e o cabeçote do aparelho. Lisura Bekk <Bekk smoothness> Valor da lisura de um papel ou cartão avaliada no equipamento Bekk. expressa através do tempo necessário para que um certo volume de ar flua entre a superfície do papel e a superfície do cabeçote do aparelho. sob pressão. Lisura efetiva <effective smoothness> . sem pasta mecânica.{a} Valor que expressa o nivelamento superficial de um papel de imprimir. conforme normas TAPPI específicas. Abreviatura: (WF).Estabelecimento comercial onde se vende livros. Ver também: Lisura do papel <paper smoothness>. Gurley). Lisura Bendtsen <Bendtsen smoothness> . avaliada através do tempo necessário para que um certo volume de ar flua entre a superfície do papel e a superfície do instrumento de medição (Bekk.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Livraria <bookstore> . expressa através do tempo necessário para que um certo volume de ar flua entre a superfície do papel e a superfície do cabeçote do aparelho. Lisura <smoothness> . Sheffield. sob condições padronizadas. quando as duas superfícies são pressionadas. Lisura de impressão <printing smoothness> . Teste de lisura Sheffield <Sheffield smoothness test>.Valor da lisura de um papel ou cartão avaliada no equipamento Bendtsen. Ver também: Lisura <smoothness>.{a} Grau de contato entre a superfície do papel e o filme de tinta 268 . sobre a matriz de impressão. expressa em minutos por 100 mililitros. {b} Papel fabricado com celulose química branqueada.Valor da lisura de um papel ou cartão avaliada no equipamento Gurley. Teste de lisura Bekk <Bekk smoothness test>. Teste de lisura Bendtsen <Bendtsen smoothness test>. Ver também: Lisura <smoothness>. Lisa . Ver também: Lipófilo <lipophilic>. Termo alternativo: nivelamento <levelness>. Ver também: Lisura <smoothness>. expressa através do tempo necessário para que um certo volume de ar flua entre a superfície do papel e a superfície do cabeçote do aparelho. Bendtsen. expressa através da taxa de fluxo de ar que passa entre a superfície de medição do equipamento e a superfície do papel. {b} Valor que expressa o nível de irregularidade superficial de um papel. Lisura do papel <paper smoothness> .{a} Diz-se de um papel que não contém pasta mecânica. Ter- v a lisura dos papéis e cartões é avaliada com instrumentos chamados medidores de lisura. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas e chapas de impressão ofsete de repelir as tintas à base de óleos e apresentar afinidade pela água. Ver também: Lisura <smoothness>.Uniformidade do perfil da superfície de um papel de imprimir. Termo alternativo: oleofóbico <oleophobic>. Termo alternativo: <bookshop>. Livre de madeira <woodfree> .Valor que expressa a lisura de um papel no ponto de impressão. Lisura Gurley <Gurley smoothness> .Valor da lisura de um papel ou cartão avaliada no equipamento Sheffield. Lisura Sheffield <Sheffield smoothness> .Ver: Alisador <smoother>. {b} Grau de contato entre o suporte e a superfície da blanqueta ofsete sob pressão. Calandra <calender>. expressa em minutos por 100 mililitros. Teste de lisura Gurley <Gurley smoothness test>.

Livro encadernado com capa rígida. costurado com fio têxtil ou metálico e revestido com capa de papel ou cartolina flexível. a partir do século XII o papel gradualmente substituiu a pele animal e o pergaminho.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . 269 v antes do advento das impressoras (no século XV). Livro cartonado <bound in boards book> . Livro de capa dura <casebound book> . contendo acima de 48 páginas. escritas ou impressas. Termos alternativos: edição de bolso. grampeado ou colado com adesivo.Livro barato.Ver também: Capa dura <hardcover>.{a} Qualquer panfleto costurado. o papel era um suporte muito frágil. no Ocidente. Livreiro .Ver: Livre de madeira <woodfree>. Livreto <booklet> . Termos alternativos: <hardback>.[1] <bibliopole> . utilizada na China desde o século VI. partir do século XIII. Livro de bolso <pocket book> . Ver também: Livro de capa mole <paperback>. recebeu costura através da lombada dos cadernos (costura smyth) ou lateralmente (costura singer). após o alceamento dos cadernos. Livro de capa mole <paperback> Livro encadernado com capa flexível. os primeiros livros eram religiosos.{a} Conjunto de páginas brancas. nos grandes centros universitários. Livro <book> . os textos eram registrados em rolos <volumen>. sem considerar as capas. que se pode carregar no bolso. Livre de pasta mecânica <groundwood free> . os livros eram escritos em velino <vellum> devido à sua durabilidade. por meio de pincéis ou penas. [2] <bookseller> . que eram dobradas e costuradas em cadernos. tecido ou outro material. {d} Obra literária. impresso em 1457. <paper edition>. a xilogravura. na frente e no verso do códice <codex>. {c} Conjunto de folhas impressas. simultaneamente ao uso do papel. a . Livrete <small book> . Termo alternativo: bibliópola. Livro costurado <sewn book> . Ver também: Brochura <brochure>. [3] <pertaining to books> .Vendedor de livros antigos e raros.Relativo à produção de livros. de formato reduzido (108 x 180 mm). Livro brochado <paperback> . Termo alternativo: brochura <brochure>. feita de cartão revestido com papel. artística ou científica. que contém poucas páginas e pouca permanência. foi difundida na Europa ao final do século XIV. depois. o livro antigo mais importante é o Saltério de Mainz.Pequeno livro. reunidas num único volume.Livro não-encadernado. Termo alternativo: <bookman>. não-periódica. {b} Pequeno livro ou panfleto encadernado em capa mole de papel. reunidas em volume encadernado ou brochado. que constitui um volume.Comerciante de livros. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas mo alternativo: livre de pasta mecânica <groundwood free>. Folheto <leaflet>.Livro encadernado com capa de cartão recoberto nas pastas e na lombada com papel impresso. depois vieram os textos humanísticos Bizantinos. Livro de capa mole <paperback>. <hardbound book> . o qual é unido à capa por meio de guardas coladas. os manuscritos eram geralmente realizados em mosteiros e. os pergaminhos passaram a ser cortados em folhas. <pocket edition>. a escrita era traçada à mão. no qual os cadernos são costurados e colados a uma tira de gaze para formar o miolo. {b} Publicação impressa. visto que demoravam mais de um ano para produzir.Dizse de um livro que.

Termo alternativo: <flat back>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . lombo falso. Lombada quebrada <broken back> Lombada de um livro encadernado que perdeu a forma ou sofreu dano resultante do esforço excessivo aplicado ao abrir o livro. com uma face colada à lombada e a outra à capa de um livro.Parte de um produto encadernado (livro. Lombada falsa . Lombada . Lombada fixa <tight back> . falso-dorso. [2] <hollow back> . oposta ao corte da frente. Lombada canoa . Ver também: Encadernação em lombada quadrada <square back binding>.Ver: Encadernação em lombada canoa <saddle-stitch binding>. de modo a deixá-la separada do miolo.Lombada de um livro colada mas não arredondada.Método de encadernação de livro. cujos cadernos são cortados e colados à capa. que liga as capas da frente e do verso e onde se localiza a costura. Lombada quadrada <square backed> . Lombada de tecido <cloth backs> Tipo de capa de três peças.[1] <false spine> Pedaço de cartão colado à capa de um livro. <paperbound>. Termos alternativos: <back>. Lombada oca <hollow> .{a} Termo empregado na encadernação para designar uma lombada solta. {b} Tubo de papel achatado. Termos alternativos: brochura <brochure>.[1] <backbone> . [2] <spine> . Lombada arredondada <round back> Tipo de acabamento de livros no qual a lombada é curvada. Ver também: Capa mole <softcover>. Ver também: Lombada plana <flat back>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas geralmente de papel envernizado ou plastificado. Lombada cortada e colada <cutbacked> .Estilo de encadernação no qual a lombada da capa é colada à lombada do miolo.Estilo de encadernação no qual o material que constitui a lombada da capa é colado ao miolo do livro. o grampo ou o adesivo.Estilo de encadernação que consiste em colar um tubo de papel 270 . para reforçar a lombada.Diz-se de um livro de capa dura cuja lombada não sofreu arredondamento.Tira de papelão colada no centro da capa dura de um livro. Lombada redonda <round back> Diz-se de um livro de capa dura cuja lombada sofreu arredondamento. a colagem ou os grampos. Ver também: Lombada arredondada <round back>. dorso. [2] <shell back> . Termos alternativos: cartão do lombo. e as pastas são recobertas com outros materiais. produzida por um processo especial de reforço.Método de encadernação de livro cuja capa é colada à lombada do miolo. com lombada quadrada. Lombada solta .Parte traseira ou fechada de um livro. Lombada plana <flat back> . espinha. que recebe a costura. livro brochado. que confere resistência adicional à lombada colada de um livro.[1] <loose back> Estilo popular de encadernação no qual o material da lombada não é colado à borda de encadernação das folhas.). na região correspondente à lombada. Ver também: Lombada solta <loose back>. Lombada colada <tight back> . [3] Tira de couro ou tecido que cobre o lombo e parte dos planos na meia-encadernação. Ver também: Lombada presa <tight back>. Livro de capa dura <casebound book>. lombo. cuja lombada é revestida com tecido. Termo alternativo: <square back>. revista etc. Lombada presa <tight back> .

Ver também: Madeira dura <hardwood>. Maculatura . Madeira para polpa <pulpwood> Troncos.[1] <macule> . transferindo-a para o suporte. {b} Texto impresso na lombada de um livro. causada por outro material. lombada. mala <waste sheet>.Ver: Lombada falsa <false spine>. lascas. {c} Cor secundária derivada da combinação de luzes vermelha e azul na síntese aditiva. Madeira mole <softwood> . Macroporosidade <macroporosity> Característica de papéis e cartões de impressão que apresentam poros capilares de diâmetro relativamente grande e. acrescentado a uma publicação. Lombo falso . Ver também: Decalque <setoff>. aparas e fatias de madeira. compõe o conjunto das cores primárias subtrativas das tintas utilizadas nos processos de impressão em cores. de duas páginas.{a} Folha mal impressa. vermelho de processo <process red> (erroneamente empregado). moídos e retalhados durante a preparação para a fabricação do papel.Madeira derivada de árvores do gênero eucalipto. {b} Papel grosseiro empregado para embalar 271 . de onde se obtém a polpa de fibras longas utilizadas na fabricação de certos tipos de papéis. por isso.{a} Falta de resistência relativa de um material à incisão. Maciez <softness> . de onde se obtém a polpa de fibras curtas utilizada na fabricação de papéis de imprimir e escrever. cavacos. conferindo resistência e liberdade de movimento ao livro. serragem. Termos alternativos: culatura.Defeito de impressão causado por pequenas gotas de tinta borrifadas sobre o suporte. acrescentada às folhas duplas de quatro páginas de um jornal.Ver: Papel macroporoso <macroporous paper>. coladas ou costuradas. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas kraft à lombada dos cadernos costurados e à lombada da capa. Magenta <magenta> . Madeira dura <hardwood> . {b} Propriedade do papel que designa a sua compressibilidade. sob o comando de um M Macarrão <insert> . {b} Caderno menor ou de folhas menores que a dos outros cadernos.Madeira derivada de árvores coníferas. são muito absorventes. Ver também: Polpa de madeira <wood pulp>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Madeira mole <softwood>. Termo alternativo: bandinha. Ver também: Padrão <pattern>.{a} Lombada de um livro. a qual atrai partículas de toner para revelar a imagem. Velatura <scumming>. resmas. Macroporoso <macroporous> . Termos alternativos: vermelho de escala <erroneamente empregado>.{a} Cor complementar ao verde que. [2] <specking> . Lombo <spine> . {b} Pigmento que tem a propriedade de refletir as componentes vermelha e azul e absorver o verde de uma radiação branca incidente. na qual as páginas são grampeadas. Termo alternativo: <back>.{a} Folha solta. Termos alternativos: dorso. Magnetografia <magnetography> Processo de impressão sem impacto que emprega o magnetismo para criar uma imagem latente sobre uma superfície metálica. tal como a resistência de uma chapa ofsete ou um cilindro rotogravura à ação abrasiva do pigmento da tinta de impressão. somada ao amarelo e ao ciano. ou a sua capacidade de conformar-se à superfície com a qual mantém contato.

e 24 folhas para papéis mais espessos. 25 folhas (1/25 de uma resma). recursos gráficos e ampla variedade de estilos tipográficos. maculatura <macule>. vergões de umidade etc. furos.). aproximadamente. de fibras muito fortes.Defeito de papel caracterizado por pontos transparentes e brilhantes. Corte de cabelo <hair cut>. Ver também: Corte de bolha <blister cut>. Manta . obtida de cordas ou diretamente da planta sisal (juta) que cresce nas Filipinas.{a} Revestimento com que se cobre a matriz de estereotipia. <strip waste>. {c} Sinal gráfico (+) que indica direção.Gíria usada pelos impressores para designar folhas impressas com defeito que são usadas no acerto de outros trabalhos. Ver também: Impressão magnética <magnetic printing>. {b} Papel feito de abacá. {b} Produto gráfico caracterizado pelo uso intensivo de cores. Termo alternativo: cânhamo-de-manilha <manila hemp>.{a} Quantidade de cadernos ou livros aproximadamente igual ao que se pode segurar numa única mão. Mala direta <direct mail> . na América Central e na América do Sul. causados por fragmentos de papel grudados nos rolos da calandra e pressionados sobre o papel a cada revolução dos rolos. [2] <quire> . publicado em revistas ou enviado por correio a um grande número de pessoas. {b} Quantidade de papel igual a 5 cadernos ou. 272 . [2] <slab> Porção removida das voltas externas de uma bobina de papel. Termo alternativo: mão de papel. Ver: Manta Manuseio .{a} Correspondência contendo anúncio enviada individualmente a um grande número de pessoas.[1] <blanket> . Corte de calandra <calender cut>. antes de montála na impressora rotativa. com a finalidade de motivar ao consumo de mercadorias e serviços. {d} Medida inglesa equivalente a 10. Manilha <manila> . para papéis finos considera-se 25 folhas. Mancha de calandra <calender spot> .16 cm.Fração de uma resma de papel igual a 1/20.Furo ou ponto frágil num papel de imprimir.Conjunto de 24 folhas de papel.{a} Fibra usada na fabricação de papéis rígidos e resistentes. Estrias de calandra <calender-blackened streaks>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . lado ou posição.Ato de manusear a tinta. Mancha de lodo <slime spot> . Manuseio de papel <paper handling> Conjunto de operações que envolvem o transporte. causado por organismos bacterianos. Mala <waste sheets> . Mão de papel <quire> . Corte de fibra <fiber cut>. Termos alternativos: cobaia. {c} Fibra de juta que imita a fibra de abacá. {b} Feltro da prensa de talho-doce cuja função é forçar o papel contra os entalhes da fôrma. impressão e acabamento. Mão . utilizado principalmente para imprimir formulárioscontínuos. o papel de impressão ou outros materiais. quando apresenta deficiências (rugas. Manta de bobina <slab>. a armazenagem e a manipulação do papel durante os processos de ambientação.[1] <handling> .Ato de folhear um livro. amassados.[1] <hand> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas sistema computadorizado. [2] <leafing> . <slab off>. ilustrações. gerados durante o processo de calandragem. Ver também: Papel manilha <manila paper>. refilo. Termos alternativos: manta de bobina. {c} Tecido emborrachado que reveste o chassi de uma prensa de contato. cortes.

durante a fabricação. alguns equipamentos promovem a calandragem ou a aplicação da camada cuchê em-linha.Ver: Desempenho <runnability>.[1] <platen press> Impressora tipográfica na qual a pressão do papel contra a fôrma é realizada entre duas superfícies planas. constituído de uma seção úmida (tela plana ou cilíndrica). Máquina de revestimento <coating machine> .Máquina de fabricar papel. Máquina rotativa <rotary machine>. passa através de outro conjunto de tambores aquecidos para secagem final e é finalmente bobinado. Prensa rotativa <rotary press>. essas operações são geralmente realizadas separadamente. Ver também: Impressora planocilíndrica <flatbed-cylinder press>. Máquina contínua <continuous machine> . <web press>. Ver também: Máquina de fabricar papel <paper machine>. e uma seção seca. onde o papel contata calandras aquecidas para evaporar o excesso de umidade. e uma seção seca. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Maquinabilidade . Termos alternativos: filigrana <filigree>. Marcas d’água <wash marks> . {b} Rotor cônico que refina as fibras de celulose durante o processo de fabricação do papel. Termo alternativo: prensa plana <platen>. máquina de tambor <drum machine>. onde a folha é formada. {c} Dispositivo que aplica uma camada fotossensível em chapas ofsete e cilindros de impressão.Problema que ocorre na impressão ofsete.Ver: Impressora rotativa <rotary press>. que é enrolada ou cortada em dimensões convenientes. onde o papel contata tambores aquecidos que evaporam a água excedente. Refinador <refiner>. {b} Máquina de fabricar cartão cujo elemento formador é constituído de cilindros revestidos com uma tela que mergulha no tanque de pasta. recebe um tratamento superficial na prensa de colagem <size press>. linha d’água <water line>. Termo alternativo: <Jordan engine>. 273 . Ver também: Impressora plana <sheetfed press>. Máquina plana . Termo alternativo: pintadora <coater>. dotada de uma tela metálica contínua (mesa plana) sobre a qual uma suspensão aquosa de fibras de celulose e cargas minerais é depositada. Ver também: Máquina contínua <continuous machine>. que remove parcialmente a água da suspensão de fibras e cargas por gravidade. Termo alternativo: envernizadora <varnishing machine>. a qual é imersa num tanque contendo fibras suspensas em água. porém. onde a folha é formada. Máquina de Jordan <Jordan machine> . {b} Equipamento que aplica a camada cuchê sobre o papel-base. Marca d’água <watermark> .{a} Máquina empregada para re- finar e dispersar a polpa de celulose na fabricação de certos tipos de papel.Linha ou desenho translúcido estampado no papel.Equipamento que produz uma tira contínua de papel. Máquina cilíndrica <cylinder machine> .{a} Máquina de fabricar papel dotada de uma mesa cilíndrica.Máquina de fabricar papel que recebe a pasta elaborada e a transforma numa larga fita sem fim. para fins de identificação. e calandras aquecidas que removem o excesso de água do papel.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . sucção e prensagem. Ver também: Refinação <refining>. [2] <fourdrinier> .{a} Equipamento usado no acabamento para aplicar uma camada de verniz em produtos impressos. Máquina de fabricar papel <paper machine> . Termo alternativo: máquina de fôrma redonda. constituída de uma seção úmida e uma seção seca. tornando-se visível quando o papel é observado contra a luz.

{b} Dispositivo do sistema de alimentação das impressoras e máquinas de acabamento que executa automaticamente o esquadramento das folhas de papel. {b} Condição que ocorre quando certas áreas de uma tela serigráfica não se separam adequadamente do suporte. Termo alternativo: estrias d’água <water streaks>. Margeador automático <automatic marginator> .Alinhar as folhas ou os cadernos impressos. Termos alternativos: corrugação <corrugation>. encostando-a nos esquadros de margem de uma impressora ou máquina de acabamento. porém apresentando um padrão simétrico. devido ao baixo tensionamento do tecido da tela ou à pouca distância de contato. {b} Fazer a margeação. Marcas de corrente <chain marks> Faixas largas e espaçadas que aparecem na superfície de uma bobina de papel devido a distribuição desuniforme de umidade.{a} Padrão de trama reproduzido pelas malhas do tecido de uma tela de impressão serigráfica.Defeito que ocorre na impressão. a fim de garantir a precisão do registro em todas as folhas. Marcas de sombreamento . [2] <shadow marks> . folha por folha. deixando uma margem. devido a uma deficiência na fabricação do papel. causadas por remoção muito rápida do papel em formação sobre a tela.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . manual ou mecanicamente. semelhante à marmorização.{a} Impressor. [2] <shadow marks> .Padrão em relevo produzido na superfície do papel pela tela da máquina de fabricar papel.[1] <couch marks> . [2] <marginator> . Ver também: Marca d’água <watermark>. preso num dos lados a um quadro por meio de dobradiças. [2] <to marginate> . Termo alternativo: <automatic feeder>. {d} Caixilho. a folha a ser impressa. Ver também: Lado tela <wire side>. dobrador ou pautador encarregado da operação de margear. Margear . Margeador lateral . o papel a ser impresso. [3] <wire marks> . {c} Dispositivo das prensas automáticas que executa a margeação. <rope marks>. {d} Escre- 274 . Margeador frontal .Ver: Guia lateral <side guide>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas caracterizado por densidades baixas ou desuniformes nas bordas anteriores das imagens impressas. que prende o papel fotográfico durante a ampliação.[1] <screen marks> . após a secagem da tinta. Marcas de corda <rope marks> Ver: Corrugação <corrugation>. manualmente ou empregando uma mesa vibradora.Ver: Guia frontal <front guide>.[1] <to jog> . Margeador .Defeito do papel caracterizado por manchas superficiais com o mesmo padrão dos furos do rolo couch. devido a fluidez inadequada da tinta. na posição adequada para ser impresso.{a} Respeitar o alinhamento vertical dos caracteres na extremidade esquerda ou direita de um texto composto. Termo alternativo: marginador. Marcas de tela . e é equipado com uma máscara metálica ajustável que determina o enquadramento. causado por excesso de água sobre a chapa. linha-d’água <water line>. a fim de prepará-los para as operações de acabamento. Termo alternativo: marcas de malha <mesh marks>. {c} Conduzir.Dispositivo mecânico de algumas impressoras ou dobradeiras que alimenta.Manchas causadas no papel devido a diferença de umidade entre os furos de sucção do rolo couch ou das prensas de furo cego <dry press>.[1] <corner box> Dispositivo empregado para registrar a montagem de folhas finas sobre um suporte pesado no processo de laminação.

Manchas e estrias que ocorrem nas áreas sólidas e tons sobrepostos. {b} Aparência manchada. sobretudo com tintas de assentamento rápido e papel cuchê. Ver também: Borda de pinça <gripper edge>.Aquele ou o que estabelece as margens. [2] <mottle> . Marmorização nos meios-tons <halftone mottle> . Marmorizado . Marmorização devido ao acúmulo <back-trap mottle> .Defeito de impressão caracterizado por variações de brilho. Marmoreação <marbling> . Ver também: Marmorização <mottle>. ou por excesso de emulsionamento de água em tinta durante o processo de impressão ofsete. Marmorear .[1] <mottle> . reservada para que as pinças da impressora segurem a folha durante o transporte através da máquina. Marmorização . Termo alternativo: marginar. Marmorização do revestimento <coating mottle> .Defeito de impressão caracterizado por uma aparência manchada do filme de tinta causado por excessiva penetração da tinta no papel. Termo alternativo: marmorização. [2] <mottled> . Termos alternativos: <galvanized solids>.Aparelho de certas impressoras e máquinas de acabamento responsável pela alimentação e margeação de folhas.[1] <back trap mottle> .Defeito de impressão que ocorre em impressoras bicolores ou quadricolores. Ver também: Casca de laranja <orange peel>.Defeito que ocorre na impressão ofsete. Ver também: Marmorização <mottle>. <ink film mottle>. [3] <mottling> . Termo alternativo: margeador. [2] <marginator> . [4] <sinkage> . sem simetria. <unevenness>.Ver: Marmorizar <to marble>.Processo ou arte de decorar as bordas de livros com padrões que lembram o mármore. Abreviatura: (BTM).Aparência manchada que ocorre principalmente em fundos reticulados impressos em ofsete quando o balanço água–tinta não foi corretamente acertado. martelada ou galvanizada do filme de tinta impresso. Marginador .Efeito visual que ocorre quando uma imagem é superfocada. causado pelo contato do filme de tinta impresso com a blanqueta da unidade seguinte. durante a impressão em máquinas ofsete planas. devido à diferença de reflexão especular da superfície causada por irregularidades de absorção de tinta.{a} Tipo de tratamento decorativo das bordas refiladas de um livro encadernado. devido à absorção irregular da tinta pelo suporte. pela tinta ou por fatores de inter-relacionamento tinta–papel–solução de molhagem. Margem de pinça <gripper margin> Área não-impressa compreendida entre a borda da folha e a borda de refilo da página.Desuniformidade de tom ou cor. uma publicação etc. salpicando tinta sobre um verniz especial previamente aplicado e formando ondas com um pente. dei- 275 .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . percebido no papel cuchê calandrado quando observado num ângulo rasante. Termo alternativo: <face margin>.[1] <feeder> . cujo padrão ocorre ao acaso. quando os pixels individuais são visíveis ou devido à granulação do filme fotográfico. Ver também: Douração do corte <edge staining>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas ver à margem de uma lauda. causado pelo papel. Margem de refilo <trim margin> Espaço em branco que se estende além das marcas de refilo de um caderno ou uma folha impressa. devido à transferência do filme de tinta impresso do papel para a blanqueta da unidade seguinte.

Instrumento utilizado para simular o efeito da luz e da umidade sobre amostras impressas. fixado a um suporte. Termos alternativos: material de base <base material>. [2] <face material> . adequado para conversão em material de decalque sob pressão.[1] <coating material> . tecido ou lâmina. percaline. <face stock>.Dizse de qualquer material que dá cor um papel ou a uma tinta de impressão. utilizada em duplicadores. Ver também: Marmorização <mottle>. Master de papel <paper master> Tipo de chapa ofsete contendo imagens traçadas a mão ou datilografadas. camada fotossensível. sob condições controladas. utilizado para testar o efeito da luz sobre materiais impressos.Superfície fosca que espalha a componente especular da luz. Ver também: Base <body stock>. conforme método TAPPI T535.{a} Diz-se de qualquer material empregado no revestimento da capa de livros encadernados. Mate <matte> . Medidor de envelhecimento . a solidez das tintas e outros materiais.[1] <paste> .Mistura de elastômeros e cargas minerais utilizada na preparação do revestimento de rolos emborrachados das impressoras e outros equipamentos. iluminando e umedecendo periodicamente as amostras. conforme método TAPPI T479. {c} Bobina-mãe. sob condições controladas e reproduzíveis. plástico etc. antes de ser cortada em bobinas menores. Massa . [2] <pulp> . {b} Diz-se de um material aplicado sobre uma base. expressa através do tempo necessário para que 100 cm 3 de ar atravesse uma polegada quadrada de papel. flua entre a superfície do papel e a placa lisa do aparelho. tal como: papel impresso. que passa entre a superfície do papel e o anel do cabeçote do aparelho. sob pressão especificada. Ver também: Positivo-mestre <master>.{a} Instrumento utilizado para medir a permanência de papéis. tal como verniz. Termo alternativo: <multilith master>. {b} Aparelho que emite luz semelhante ao espectro ou à luz solar. couro. produzida na máquina de fabricar papel. tinta cuchê etc.[1] <fadeometer> . Termo alternativo: <fade-ometer>. papéis etc. Termos alternativos: galvanizado <galvanized>. tecido. Ver também: Lisura <smoothness>. martelado.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . filme. usado como corante. sob pressão especificada.Qualquer papel. Medidor de lisura Gurley <Gurley smoothness gauge> . <body stock>.{a} Equipamento de controle de qualidade utilizado para medir a resistência do papel à passagem do ar. expressa em minutos por mililitro (min/ml). {b} Original a partir do qual as cópias são feitas. Medidor de lisura Bekk <Bekk smoothness gauge> .O mesmo que pasta de papel. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas xando o impresso com aparência manchada. o resultado . [2] <weatherometer> . 276 Matéria corante <dyestuff> . Master <master> .{a} Negativo fotográfico a partir do qual se faz diversas reproduções. Ver também: Lisura <smoothness>.Equipamento de laboratório que se presta a avaliar a lisura superficial de papéis e cartões através do tempo necessário para que um determinado volume de ar. Termo alternativo: fosco. Material de revestimento . sob condições padronizadas. tintas.Equipamento de laboratório que se presta a avaliar a lisura superficial de papéis e cartões através da taxa de fluxo de ar. Medidor de lisura Bendtsen <Bendtsen smoothness gauge> .

sob pressão especificada. {b} Processo ou chapa utilizados para reproduzir imagens reticuladas. Mesa . numa pintura. flua entre a superfície do papel e o anel do cabeçote do aparelho. 277 . {c} Capacidade de um computador de armazenar informações em código binário.Parte de uma impressora serigráfica localizada sob a tela e sobre a qual o suporte é apoiado. {d} Processo de gradação de tons através de um sistema de pontos produzidos por retícula colocada em contato com uma emulsão fotossensível. conservar e restituir dados digitais em sistemas computadorizados. sob pressão especificada. conforme método TAPPI T479. {b} Componentes de hardware de um sistema de computador onde as informações são armazenadas para posterior recuperação. {b} Equipamento de laboratório que se presta a avaliar a lisura superficial de papéis e cartões através do tempo necessário para que um determinado volume de ar. utilizada na reprodução tipográfica. um menu.Instrumento que se presta a medir a ácidoalcalinidade da solução de molhagem utilizada no processo de impressão ofsete. Termo alternativo: <screened print>. Ver também: Lisura <smoothness>. {g} O mesmo que nuança duma pintura. um ítem de menu ou outra opção não se encontra disponível num sistema de editoração eletrônica. obtida através de processos fotomecânicos. {d} Característica dos papéis pesados (cartão) de manter-se planos quando se tenta dobrá-los. {e} Tendência dos papéis bobinados de conservar a curvatura quando provenientes das porções próximas do tubete.[1] <forming section> Parte horizontal da máquina de fabricar papel sobre a qual é depositada a suspensão fibrosa. Papel indicador de pH <paper test strip>.Equipamento de laboratório que se presta a avaliar a lisura superficial de papéis e cartões através da taxa de fluxo de ar.{a} Dispositivo capaz de armazenar. Termo alternativo: armazenagem <storage>. Termo alternativo: nuança <nuance>. Termos alternativos: peagâmetro.Cor cinza ou padrão de pontos que indica que um ícone aberto. Medidor de pH <pH meter> . tamanho ou densidade. Medidor de lisura Sheffield <Sheffield smoothness gauge> . Termo alternativo: mesa de fabricação. Ver também: Indicador <indicator>. Memória do papel <paper memory> Propriedade que descreve a curvatura permanente de uma folha de papel ou cartão que ficou enrolada durante certo tempo. expressa em kilobytes (kB) ou megabytes (MB). a fim de formar a banda de papel. pHmetro. conforme método TAPPI T518. que passa entre a superfície do papel e o anel do cabeçote do aparelho. {c} Processo de impressão no qual a intensidade de cor é controlada a partir do tamanho de pontos discretos regularmente espaçados. [2] <printing bed> . produzindo gradações tonais. {h} Valor de gradação intermediário entre as luzes e as sombras. {e} Chapa metálica gravada. {f} Reprodução obtida a partir de chapa assim gravada. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas permite expressar analiticamente a porosidade e a lisura do papel. Termos alternativos: <printing base>. [2] <halftone> . Ver também: Clichê a traço <line cut>. desenho ou fotografia.{a} Reprodução impressa a partir de uma imagem de tom-contínuo. Termo alternativo: <middle-tone>. Memória <memory> . composta por pontos que variam em freqüência (número por centímetro).[1] <dimmed> . Meio-tom . expressa em minutos por mililitro (min/ml).Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Lisura <smoothness>.

[3] <slab> . Tipografia <letterpress>. através da absorção que um corpo de prova sofre ao flutuar na superfície de uma tinta colorida. {b} Tipo de scanner de seleção de cores no qual os originais são montados numa mesa horizontal.[1] <feedboard> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas <printing table>. [2] <pile board> . Termo alternativo: mesa formadora. Ver também: Método da razão de contraste <contrast ratio method>. em vez de um cilindro rotativo. a fim de adquirir a consistência adequada.Plataforma móvel sobre a qual o papel a ser impresso é empilhado.Plataforma ou rampa sobre a qual a folha a ser impressa é transportada em direção aos dispositivos de registro. Método da flotação em tinta <ink flotation method> .Ver: Puxada <drawdown>. Ver também: Scanner <scanner>.Superfície da guilhotina linear sobre a qual a resma de papel é colocada durante o corte. Método do ângulo de contato <contact angle method> .Método indicativo do grau de colagem superficial de um papel. Opacidade <opacity>. Ver também: Impressora plana <flatbed press>. Termo alternativo: <top-wire former>. freqüentemente usada como prelo de provas. entre as quais o papel é forma-do com igual drenagem de ambos os lados. cuja função é formar a primeira dobra da tira de papel no sentido longitudinal. Ver também: Funil <former>. expressa através do tempo de contato e da aparência do papel no lado oposto. Termo alternativo: <feed table>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Mesa de fabricação .Superfície metálica plana de uma prensa tipográfica sobre a qual a tinta é distribuída. Mesa plana <flatbed> . Mesa formadora .Tipo de máquina de fabricar papel dotada de duas telas formadoras. e calcular a relação entre os dois valores encontrados.Teste de avaliação da opacidade de um papel que consiste em medir a reflexão de luz numa amostra colocada sobre fundo preto e sobre fundo branco. que a posicionam adequadamente e sincronizam sua entrada na unidade de impressão. respectivamente. Ver também: Ângulo de contato <contact angle>.Teste que determina a resistência de um papel à água. ou a qualidade da sua colagem interna.Ver: Mesa do funil <former board>. Mesa de alimentação . Mesa do funil <former board> Peça metálica triangular localizada na dobradeira de uma impressora rotativa. Mesa formadora de dupla tela <twinwire former> .Método de avaliação da opacidade de um papel através da relação entre a luz refletida por uma amostra colocada sobre um maço de folhas brancas do mesmo papel. <pile table>.Ver: Mesa <forming section>. [4] <table> . Método da razão de contraste <contrast ratio method> . 278 v o ângulo de contato é aquele formado entre a superfície do papel e a linha tangente à gota que parte do ponto . Ver também: Método da opacidade difusa <diffuse opacity method>.{a} Impressora na qual a matriz é fixada num plano horizontal. e a mesma amostra colocada sobre uma folha de papel preto. que consiste em medir o ângulo que uma gota de água forma quando colocada em contato com a superfície do papel. Termos alternativos: elevador de pilha. Método da puxada <drawdown method> . Método da opacidade difusa <diffuse opacity method> . Impressora planocilíndrica <flatbed-cylinder press>. Termo alternativo: cama <bed>.

quanto maior o ângulo de contato. Miolo do livro <book-block> . menor a umectação do papel pelo líquido. Miolo <body> . o tempo decorrido até que a anilina começa a exibir coloração pronunciada é considerado o tempo que a água leva para penetrar o papel. Ver também: Duplicador a álcool <spirit duplicator>. Termo alternativo: espessímetro <thickness gauge>. da blanqueta e dos calços durante o procedimento de acerto de uma impressora ofsete. Termos alternativos: coeficiente de elasticidade <coefficient of elasticity>.Ver: Módulo de elasticidade <modulus of elasticity>. e a deformação provocada. Mofado <foxed> . na qual o grafismo é tornado permeável a uma tinta líquida à base de álcool.Termo empregado na encadernação para designar a parte interior ou o corpo de um livro ou revista. máquina copiadora <manifolder>. Termo alternativo: corpo. através do tempo que um líquido leva para penetrar completamente o papel.Ver: Desfibrador <grinding stone>.Ver: Bloco <book block>. favorecendo a filtração seletiva das tintas e a secagem. Termos alternativos: duplicador de estêncil <stencil duplicator>. da chapa. Moedor de polpa . calibrado. Mimeógrafo <mimeograph> .Equipamento de impressão utilizado para duplicar documentos ou desenhos a partir de uma matriz de papel especial chamada estêncil.Procedimento de avaliação de propriedades do papel não autorizado oficialmente pela TAPPI.{a} Relação entre a tração aplicada ao papel ou blanqueta. Microporoso <microporous> . o ângulo é 0° quando a gota é totalmente absorvida pelo papel.Termo empregado para descrever a coloração amarelada (marrom) do papel velho. utilizado para medir a espessura do papel. Método não-oficial de teste da TAPPI <TAPPI useful test method> . Moinho de pasta <pulp mill> . Microporosidade <microporosity> Característica de papéis e cartões de impressão que apresentam poros capilares de diâmetro relativamente pequeno. {b} Coeficiente de elasticidade de rolos e blanquetas. <manifold writer>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas onde a gota cantata o papel. Módulo de Young <modulus of Young> . Micrômetro <micrometer> . ou da colagem interna.Ver: 279 . e esta é colocada em contato com a água do lado oposto. Ver também: Micrômetro de blanqueta <blanket thickness gauge>. que pode aparecer na forma de manchas ou abranger toda a superfície.Instrumento de precisão.Ver: v uma anilina solúvel em água é colocada num dos lados de uma amostra do papel. Método oficial de teste da TAPPI <TAPPI official test method> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <manifolder>. Módulo de elasticidade <modulus of elasticity> . Papel microporoso <microporous paper>. <elastic modulus>. que expressa a relação entre o estresse ou força por unidade de área que causa uma deformação no tecido cauchutado e a correspondente deformação causada pelo estresse. Termo alternativo: módulo de Young <modulus of Young>. Método do indicador seco <dry indicator method> .Procedimento de avaliação de propriedades do papel autorizado oficialmente pela TAPPI.Teste de avaliação da resistência de um papel à água.

pela relação entre a lineatura da retícula do fotolito e a trama do tecido da tela serigráfica. Ver também: Ângulo de retícula <screen angle>. v o moiré pode ser causado devido à falta de registro na impressão. pano. na reprodução policromática.Resma de papel ou livro alceado sem refile. ou do rolo anilox em relação à matriz flexográfica. que prende o original e marca a linha que o tipógrafo está compondo. {d} N Não-branqueado <unbleached> Termo empregado para designar papéis com coloração ligeiramente marrom. Termo alternativo: <uncut>. tais como pontos ou linhas. com a qual se ataca a chapa metálica no processo de gravação. Termo alternativo: não-cuchê.Instrumento que se presta a avaliar analiticamente a resistência de papéis de impressão ao estouro. Moiré <moire> . Termo alternativo: verniz mordente <mordant varnish>.{a} Produto à base de albumina empregado para fixar uma película de metal sobre couro.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . {b} Padrão resultante da relação imprecisa entre dois filmes reticulados. Não-cuchê . cilindros etc.Papel sem aplicação de camada cuchê. {e} Preparação que os pintores empregam para fixar as cores. Verniz viscoso que entra na composição de algumas tintas de impressão. a fim de minimizar este efeito. fabricados com polpa que não recebeu tratamento de branqueamento. pela marca da tela em certos tipos de papel..Ver: Pegada de pinça <gripper bite>. geralmente impressos padronizados e material de escritório. Mullen .Qualquer material empregado no revestimento da capa dura de livros encadernados que 280 . fabricada pela Addressograph-Multigraph Co. num certo ângulo. Não-revestido <uncoated> . {f} Peça móvel do divisório de uma máquina compositora. Teste de Mullen <Mullen test>. as duas outras cores a 30° em relação à cor dominante e o amarelo a 15° entre duas delas. pela sobreposição de retículas quando se emprega um impresso reticulado como original etc. no processo de douração de capas de livros. Não-refilado <untrimmed> .Marca registrada de uma máquina de impressão foto-ofsete. deixando a cor dominante a 45°. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Desfibrador <grinding stone>. v o efeito moiré pode ser minimizado quando a seleção de cores é reproduzida.{a} Padrão de interferência indesejável causado por sobreposição fora-de-registro de dois ou mais padrões regulares. como o ácido nítrico em solução. Termos alternativos: efeito moiré <moire effect>.. Mordida de pinça . porém o mais afastado da cor com a qual combina para formar uma mistura dominante. os ângulos das retículas das diferentes cores devem ser defazados entre si. Mordente <mordant> .Ver: Não-revestido <uncoated>. {b} Ácido usado pelo gravador ou fotogravador para corroer chapas. <moire pattern>. Multilite <multilith> . outro recurso é reproduzir o amarelo com lineatura de retícula ligeiramente maior do que as outras três cores. utilizada na impressão de pequenas tiragens. de pequeno formato. {c} Substância corrosiva. Ver também: Resistência ao estouro <bursting strength>. papel etc. Não-tecido <noncloth> .

281 v o sistema de impressão indireto foi inventado por Rubel em 1.904. Ver também: Corpo <bulk>. indireto.Equipamento que faz a numeração automática das páginas de talões e livros fiscais. o número de corpo corresponde ao número de páginas por polegada (ppi). sem parar a impressora. medido sob pressão especificada. Termo alternativo: litografia ofsete <offset lithography>. .[1] <leveling> Operação de corte de uma pequena porção da lombada de um livro colado.4 mm) de espessura. para fazer a numeração de formulários ou impressos de segurança de maneira progressiva (crescente) ou regressiva (decrescente). cuja função é permitir alimentar uma nova pilha de folhas. {b} Aparelho manual empregado em cartórios e escritórios para numerar documentos. a partir do princípio da litografia. que dispensam a necessidade de solução de molha-gem para umectar as áreas de contragrafismo. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas não seja tecido. [2] <levelness> . Numerador . Ver também: Funil <former>. Numeradora de páginas <page numbering machine> . giram e numeram em ordem crescente ou decrescente. [2] <numerator> . Número de corpo <bulking number> Número de folhas contidas em uma resma de uma polegada (25. Ver também: Alimentador de pilha <pile feeder>. visto que cada folha contém duas páginas. Ver também: Lisura <smoothness>.Processo de impressão que emprega chapas especiais.Propriedade que descreve o grau de uniformidade superficial de um papel de impressão. Ver também: Máquina numeradora <numbering machine>.{a} Instrumento dotado de rodas contendo os algarismos em alto-relevo que.[1] <numbering device> . Nariz do funil <former nose> Ponta do funil da dobradeira de uma impressora rotativa.Seqüência de caracteres alfanuméricos que identificam o lote de fabricação do papel. acionados por uma catraca. Ofsete alto-relevo <relief offset> Ver: Ofsete seco <dry offset>. sem interromper o processo. e impressora acoplada a um sistema eletrônico de editoração. constituído de espadas metálicas. Ver também: Impressão ofsete <offset printing>. na saída da impressora. e serve para projetar a lombada da capa de livros encadernados. constituído de uma prancha de metal ou madeira. Ofsete seco <waterless>. quando multiplicado por 2.Processo de impressão planográfico. tal como papel ou fibras sintéticas.{a} Acessório de algumas impressoras ofsete planas. {b} Acessório de algumas impressoras ofsete planas. Termo alternativo: <nonwoven>. O Ofsete <offset> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Nivelamento .Dispositivo adaptado a uma impressora. que permite formar diversas pilhas de papel impressas. no qual a tinta depositada nas áreas de grafismo da matriz de impressão (chapa) é transferida para uma superfície emborrachada (blanqueta) antes de imprimir no suporte. a fim de produzir um acabamento plano. Ofsete digital a seco <digital waterless> . Litografia <lithography>. Non-stop . Ver também: Impressora digital <digital press>. Número do lote <lot number> . v o número de corpo dá uma indicação da espessura do miolo de um livro.

fabricado especificamente para imprimir pelo processo ofsete.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . em combinação com a flexografia. utilizado imprimir suportes metálicos. Termo alternativo: <web offset lithography>. que a transfere para o suporte. feita numa impressora ofsete convencional. [2] <waterless> . Opacidade <opacity> . Translucidez <translucency>.[1] <dry offset> . A impressão por este processo. tipografia indireta <indirect letterpress>. Ondulado . Configuração frente-e-verso <perfecting>. Ver também: Impressão a seco <dry printing>. após copiada e revelada. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Ofsete gravura <offset gravure> Processo de impressão híbrido. Papel revestido <coated paper>. ofsete alto-relevo <relief offset>. no qual um cilindro rotogravura transfere a imagem entintada para uma blanqueta ofsete. Termos alternativos: <driography>. Termos alternativos: impressão tipográfica indireta <letterpress indirect printing>.Diz-se de um papel que apresenta as bordas ou o centro irregular devido a perda ou absorção de umidade. As impressoras rotativas podem ser equipadas com sistema de secagem de tintas (forno e sistema de resfriamento) e apresentar diferentes configurações: em-linha.{a} Extensão com que a luz é barrada ao atingir o suporte ou o filme de tinta. Ofsete seco .Impressor que opera máquina ofsete. embalagens flexíveis.Processo de impressão que utiliza chapas planográficas cuja emulsão fotossensível é feita de borracha siliconada que. elimina a necessidade de uso da solução de molhagem. Ver também: Configuração em-linha <in-line configuration>. madeira e. Termo alternativo: corrugadeira.Processo de impressão que emprega chapas em alto-relevo para transferir a imagem entintada para uma blanqueta e.Recurso de efeito especial de certos programas eletrônicos de manipulação de imagens que cria ondulações e distorce a imagem. <waterless lithography>. só aceita a tinta nas áreas de grafismo. <letterset dry offset>. quando o papel tem baixa opacidade.[1] <ripple> . <waterless printing>. Ver também: Razão de contraste <contrast ratio>. {b} Habilidade de uma tinta de ocultar a superfície sobre a qual foi impressa. Onduladeira <corrugating machine> . Transparência <transparency>. as impressoras são equipadas com sistema de resfriamento especialmente desenvolvido. para o suporte. [2] <wavy> . para isso. Configuração satélite <satellite configuration>.Processo de impressão litográfico no qual a impressão é feita sobre uma tira contínua de papel em vez de folhas. {c} Relação entre a intensidade da luz incidente e a quantidade de luz transmitida ou refletida pelo original.Máquina que produz papelão ondulado através de corrugação e colagem de duas ou mais folhas em camadas superpostas. Ver também: Poder de cobertura <covering power>. rotogravura indireta <indirect gravure>. 282 v {a} um papel completamente opaco não permite a passagem da luz. Ver também: Papel ofsete <offset paper>. Ofsete rotativo <web offset> . Ofsetista . o controle da temperatura da tinta é crítico e. tipofsete <letterset>. não necessitando de solução de molhagem para repelir a tinta das áreas de contragrafismo. CIC ou perfecting. Ofsete revestido <coated offset> Tipo de papel que apresenta elevada resistência ao arrancamento. Termos alternativos: rotofsete. a . desta. Impressão ofsete <offset printing>. Nesse processo.

ou numa folha colocada por baixo. Operações de acabamento <bindery operations> . pressionados contra o papel. aquecidos ou não. como bases <primers> para preparar a superfície para receber tinta ou outros produtos. as fibras de celulose são transparentes por natureza. também chamado talonagem. porém causam a difusão da luz que atravessa a folha de papel. bronzeamento <bronzing>. que consiste em aplicar um material protetor ou decorativo sobre o impresso. endereçamento <addressing>. e diminui com o aumento da refinação e da calandragem. Opacidade do papel <paper opacity> . e outras operações de conversão <converting>. Ver também: Razão de contraste <contrast ratio>. Opacidade de impressão <printing opacity> . dobra e encadernação. realizado em prensas dotadas de moldes aquecidos (clichês) que transferem o laminado para o suporte. Termo alternativo: opacidade difusa <diffuse opacity>. estampagem cega <blind stamping> feita sem tinta. ao ar ou a produtos químicos.Habilidade do papel de ocultar a imagem impressa no verso da folha. v embora o termo acabamento <finishing> refira-se a qualquer operação pós-impressão. corte-e-vinco e conversão. refile. a opacidade aumenta em função da gramatura e do corpo do papel. é também empregado para referir-se a processos especializados de decoração. revestimento <coating>. aplicado com ou sem reserva <spot varnish>. realizadas diretamente após ou como 283 .Operações de fabricação. tais como: estampagem <embossing> feita com moldes em capas de livros e outros impressos. que consiste em aplicar pó metálico ao impresso ainda úmido. carbonato de cálcio.Relação determinada através de um opacímetro por comparação entre a luz refletida por uma folha de papel colocada sobre um fundo preto. prejudicando a leitura e alterando as cores. para formar talões. verniz de sobreimpressão <overprint varnish>. etiquetas etc. proteção ou efeito decorativo. produzindo um relevo. dióxido de titânio) aumentam a opacidade do papel. outras operações de acabamento incluem: indexação <indexing> com marcadores plásticos <plastic index tabs> ou índice de dedo <index thumb cuts> nas bordas das folhas. incluindo corte. tais como: dobra. e a luz refletida pela mesma folha colocada sobre diversas folhas brancas do mesmo papel. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas imagem impressa num dos lados interfere no resultado impresso no verso da folha. estampagem com corante <die-stamping> ou sem corante <blanking> empregado para decorar capas de livros de capa dura. as cargas minerais (caulim. numeração <numbering>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Operações em-linha <in-line operations> .Diz-se de qualquer operação pós-impressão executada em materiais impressos. baixo-relevo <debossing> feito com moldes e contramoldes. Ver também: Encadernação e acabamento <binding and finishing>. colagem <gluing> de envelopes. blocagem <padding> com adesivo flexível. com ou sem relevo. estampagem com laminado <foil stamping>. Ver também: Razão de contraste <contrast ratio>. laminação <laminating> com materiais plásticos (plastificação) a quente ou a frio (com adesivos). para promover brilho. Opacidade difusa <diffuse opacity> Ver: Opacidade de impressão <printing opacity>. barreira <barrier coat>. aplicado em embalagens para promover resistência à água. embora promovam redução das propriedades mecânicas.

Pessoa que dirige empilhadeira de transporte de papel. Ver também: Elementos de letras <letter elements>. [4] <economy lap> .{a} Prolongamento das matrizes das máquinas compositoras. boletim meteorológico etc. [5] <lap> . {c} Boxe posicionado num dos cantos superiores de uma página de jornal. Oxidação . [6] <lip> . Orelha baixa <low folio binding lap> . Termo alternativo: <dog-ear>. na encadernação com grampo (lombada canoa). o lema. Orelha francesa <French lap> Capa de livro sem dobras.Profissional especializado em operação de equipamento alimentador de bobina de impressoras rotativas.Texto impresso nas dobras da capa de um livro. nas páginas de numeração mais baixa.{a} Cada uma das extremidades dobradas da capa ou da sobrecapa de um livro.[1] <oxidation> .Pequena peça de filme negativo que se projeta além da área retangular de refilo. Termos alternativos: <pickup>. Termo alternativo: <low-folio lip>.[1] <binding lap> . 284 .Diz-se de um caderno cuja orelha estende-se do lado das páginas abertas. Orelha fechada <underlap> . Operador de guilhotina <cutter> Profissional especializado na operação de máquinas de corte de papel.Papel excedente num dos lados de um caderno dobrado (cerca de 10 mm). unha <folio lap>. apresentando um resumo da obra ou comentários à respeito do autor. com o texto impresso no verso. {b} Composição ao lado do cabeçalho de um periódico. causando a polimerização e formação de um filme sólido que retém as partículas de pigmento ancoradas ao suporte.Borda estendida de um lado do caderno que. Termo alternativo: <flap>. {b} Perda de eficiência do revelador foto-gráfico após o contato com o ar. Termos alternativos: bobineiro.Dizse de um caderno cuja orelha estende-se do lado das páginas fechadas.Papel excedente numa das bordas de um caderno dobrado fora de centro. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas parte da operação de impressão. Orelha . contendo as marcas de posicionamento para orientar o registro. [3] <ear> . Orelha aberta <overlap> . é utilizada para abri-lo e facilitar a inserção. [8] <yapp> Borda da capa de um livro que excede as bordas refiladas do miolo. Operador de empilhadeira <roll truck driver> . necessário para a alimentação mecânica na grampeadeira. necessário para alimentação mecânica dos equipamentos de acabamento. durante o processo de secagem do filme de tinta impresso. {b} Termo empregado na tipologia para designar o traço curto que se estende da haste ou do olho de uma letra ou outro caractere. [7] <lobe> . estrados de produtos impressos etc.Papel extra deixado na margem de um caderno dobrado (cerca de 10 mm). contendo o nome ou símbolo da edição. causando um defeito no produto acabado que não pode ser corrigido no refilo. [2] <blurb> . Orelha-de-cachorro <dog-ear> Dobradura que ocorre nos cantos das páginas de um livro ou revista. [2] <oxidization> .Reação química dos óleos secativos de uma tinta com o oxigênio do ar.{a} Reação química que ocorre entre o oxigênio do ar e os óleos secativos de uma tinta de impressão. geralmente a página de rosto. estrelista.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . tal como nas letras r e g. freqüentemente impressas com textos à respeito da obra ou do autor. Operador de porta-bobinas <roll stand operator> .

o hidroperóxido forma radicais livres que reagem com outras moléculas de óleo. P Pacote . que recebem impressão. em presença de sais de cobalto e manganês. {c} Estampa indicando o nome do encadernador na capa interna de um livro.{a} Material constituído de uma pasta de fibras de celulose. {c} Conjunto de programas de computador desenvolvidos para uma aplicação específica e vendidos como uma unidade.O mesmo que resma. higiênico etc. Papéis industriais <industrial paper> . Papel <paper> . geralmente envolvendo artistas ou personalidades políticas.[1] <dodger> .{a} Conjunto de informações ou de documentos sobre o mesmo assunto. para fins de transporte. em forma de folhas ou bobinas. lasca <chip>. plástico ou metal. Palete <pallet> . tais como o óleo de linhaça. formando uma cadeia molecular. {b} Pequena circular. {c} Pasta refinada de fibras vegetais.Feixe de fibras de celulose não desfibradas durante o processo de dispersão. utilizada para imprimir.Acondicionar o papel ou os produtos impressos sobre um palete.{a} Livreto grampeado lateralmente ou em cavalete e encapado com capa mole. como o papel de seda. [2] <package> . {b} Ferramenta usada para decorar a lombada de livros encadernados.{a} Pequeno anúncio. Panfleto . o óleo de soja etc. formada sobre uma tela a partir de uma suspensão aquosa de fibras de celulose. escre285 v o princípio da polimerização de resinas de tintas ofsete formuladas com óleos secativos. cujo resultado é a formação de um filme sólido contínuo. cigarros.[1] <bundle> . Termo alternativo: polimerização oxidativa <oxidative polymerization>. Paletizar <palletize> . {b} Publicação grampeada contendo menos do que 80 páginas. ou não digeridas durante o cozimento. Ver também: Folheto <leaflet>.Tipo de papel que apresenta elevada resistência mecânica. resinas e cargas. {c} Publicação satírica.Sistema de acondicionamento de papéis e produtos impressos. onde se empilha o papel para transporte com empilhadeira de garfo e para estocagem. feita de madeira. Ver também: Brochura <brochure>. [2] <pamphlet> . envolve reação com o oxigênio do ar para formar um composto químico chamado hidroperóxido.. {b} Termo empregado na orçamentação de produtos gráficos para designar o conjunto das peças a ser produzidas. Termo alternativo: <skid>. cujas propriedades são adaptadas para atender os requisitos do processo de impressão.Conjunto de cadernos impressos prensados entre placas de madeira ou metal e amarrados com corda ou tira de metal ou plástico. [3] <ream> . cargas minerais e outros produtos. Paletização <palletization> . Termos alternativos: fragmento. do produto e das condições de uso do produto impresso. {b} Folha fina. para fins de transporte. Termos alternativos: fardo.Reação química irreversível que ocorre durante a fase de secagem das tintas ofsete. .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Óxido–polimerização <oxidationpolymerization> ..Diz-se dos papéis de desenho. chamados iniciadores ou catalisadores. Palito <shive> .{a} Plataforma de carga. <log>. embora alguns destinem-se apenas à proteção de produtos. Papéis para embalagem <wrapping paper> .

apresentando um certo grau de brilho em ambas as faces.Papel leve e fino. cada uma dessas variáveis depende da composição fibrosa e não-fibrosa. com ou sem linha d’água. por isso. opaco.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Papel alcalino <alkaline paper>. colado internamente. o papel começou a ser fabricado em 1809. conferindo-lhe propriedades táteis. Papel aéreo <air paper> . para atender aos requisitos dos processos de impressão e acabamento. Produzido nas gramaturas de 50 g/m 2 a 150 g/m 2 . com formação e espessura uniformes. rigidez. o acabamento superficial e a destinação. lisura. o setor experimentou um importante período de desenvolvimento entre 1920 e 1930. 286 . com superfície lisa. a partir da embira.. Papel ácido <acid paper> . à tração. brilho. a invenção do papel é atribuída aos chineses (ano 105).Papel fabricado por processo ácido.Papel fabricado com pasta química branqueada e revestimento cuchê. resistência (à dobra. podendo receber a inclusão de pasta mecânica branqueada e aparas (acetinado de 2ª). desenhar etc.Papel fabricado com pasta química sem colagem. especialmente para correspondência por via v o papel é uma evolução do papiro feito de junco (300 a. maciez. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas ver. Ver também: Papel apergaminhado <parchment paper>. absorção. quando revestido. amarelamento e envelhecimento. e aos requisitos do produto. obtido por processamento em supercalandra fora de máquina. recebe o nome de cuchê <coated>. Termo alternativo: papel calandrado <calendered paper>. à luz. na década de 90 o país alcançou a 8ª posição. v o papel de imprimir pode ser revestido com uma tinta à base de látex e pigmentos. com elevada absorção. ao rasgo etc. em 1890 foi instalada a primeira máquina tipo Fourdrinier. no Egito). cargas (caulim) e resinas que apresentam maior eficiência em pH próximo de 5. conferindo ao papel baixa permanência e. corpo. Abreviatura: (CWF). visuais e printabilidade superiores às do papel-base. sujeito a rápida deterioração. a natureza das fibras. fabricado com pasta química branqueada (acetinado de 1ª). porosidade. fabricado com pasta química branqueada nas gramaturas entre 35 g/m 2 e 40 g/m 2 . no Brasil. classificada de acordo com o processo de fabricação. o papel deve reunir uma série de propriedades. quando destinado à impressão ofsete. embalar. mas só a partir de 1970 o volume de produção cresceu a ponto de classificar o Brasil como o 11º produtor mundial de papel e cartão. contendo agentes branqueadores. Papel à base de pasta mecânica revestido <coated woodcontaining paper> Papel fabricado com pasta mecânica e revestimento cuchê. em 1. Abreviatura: (CWC). Papel absorvente base para laminados . contendo cerca de 10% de carga mineral. indicado para impressão tipográfica. Papel à base de celulose revestido <coated woodfree paper> . nas gramaturas entre 150 g/m 2 e 270 g/ m 2 . sua introdução na Europa aconteceu a partir do século XII (Espanha) e século XV (Inglaterra) e só depois veio para as Américas (final do século XVII). usado para impregnação com resinas sintéticas na fabricação de laminados plásticos. com ou sem linhas d’água.C. brancura. Papel acetinado <satiny paper> Papel de imprimir alisado.) e outras. incluindo: opacidade. deve receber colagem superficial.0. e do método de acabamento aplicado durante ou após a fabricação.841 instalou-se uma fábrica de papel jornal a partir de troncos de bananeira.

opacidade e brancura. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas aérea.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Cartão fabricado com fibras virgens de pasta mecânica ou mecanoquímica. porém deve conter carbonato ou silicato de sódio para aumentar o pH da solução. Termo alternativo: <chip board>. papel ofício. produzido com aparas. Papelão cinza . Papelão de caixas <box board> Cartão de alta gramatura (acima de 300 g/ m 2 ) empregado na confecção de cartuchos.<chipboard> {a} Tipo de cartão de baixa qualidade. Termo alternativo: papel de avião. Papelão de aparas . [4] <paperboard> Material constituído de camadas de folhas de papel laminadas. Termos alternativos: cartão corrugado <corrugated board>. sobre as quais o tecido. com espessura igual ou superior a 0. [2] <board> .Ver: Papel de alumínio <tinfoil paper>.Papel grosso e rígido empregado em processos de encadernação.Papel grosso. {b} Cartão de alta gramatura cuja espessura é medida em pontos. v os papéis alcalinos exigem o uso de solução de molhagem com pH ligeiramente mais elevado (pH 5-6) do que os papéis ácidos. <corrugated paste-board>. rígido. Ver também: Papel para correspondência aérea <air-mail paper>. utilizado como base de talões ou blocos de papel. <mill board>. Termos alternativos: almaço. Papelão madeira . cartão ondulado. Papel almaço <foolscap paper> Papel pautado. com resinas sintéticas (ASA.Cartão fabricado com aparas recicladas. utilizado para embalagem. produzido nas gramaturas de 500 g/m 2 a 1400 g/m 2 . mais barato e menos durável.[1] <binder’s board> {a} Material rígido usado para confeccionar as pastas da capa dura de livros. Termos alternativos: <board paper>. utilizado para formar a estrutura da capa dura de um livro. Papel-alumínio . <corrugated carton>. 287 v o papel corrugado é fixado às pranchas <liner board> de quatro modos: corrugado simples <single-faced corrugated>. de coloração cinza ou marrom. ou fabricado com pasta mecânica ou aparas em várias camadas da mesma massa. Ver também: Papel ácido <acid paper>. próprio para documentos. papel ou outro material é colado. com apenas um lado do . Papel alcalino <alkaline paper> Papel fabricado em meio alcalino (pH superior a 7). AKD) e carbonato de cálcio. <corrugated cardboard>.15 mm. a solução de molhagem não deve conter goma como agente dessensibilizante na impressão de papéis alcalinos. [3] <millboard> . embora apresente a inconveniência de reagir com a solução de molhagem ofsete em meio ácido. apresentando elevada permanência. cuja folha dobrada ao meio dá quatro laudas de 33x22 cm. e mais propenso a absorver umidade e empenar. visto que o carbonato de cálcio reage com soluções ácidas dando origem a produtos que causam estrias nos rolos e acúmulo nas blanquetas ofsete. na confecção de caixas e suporte de cartazes.Cada um dos retângulos que formam a estrutura da capa dura de um livro encadernado. registros etc. Ver também: Papel-registro <register paper>. {b} Substituto do papelão usado na encadernação. constituído de diversas folhas alternadas de papel plano e papel corrugado. utilizado na encadernação de livros. Papelão ondulado <corrugated paper> . assim como um agente seqüestrante para evitar a precipitação dos compostos de cálcio e magnésio. Papelão .

fabricado com pasta química branqueada. permanente. com elevado conteúdo de cargas minerais. corrugado de parede simples <single-wall corrugated>. sem acabamento em supercalandra. cerâmica. corrugado de parede tripla <triple-wall corrugated>. produzido nas gramaturas de 30 g/m 2 a 80 g/ m 2 . vidro etc. o papelão ondulado é utilizado para fabricação de caixas para transporte de alimentos. Papel-aquarela <watercolor paper> Papel feito à mão.Ver: Papel betumado <asphalt paper>. utilizado para imprimir cadernos.Cartão fabricado a partir de fibras virgens de pasta mecânica ou mecanoquímica. Papel-arquivo <archival paper> Papel livre de ácido.Papel fino. Papel apergaminhado <parchment paper> . Termos alternativos: papel de arroz. envelopes e almaços.Estabelecimento comercial onde se vende artigos de papel e formulários de escritório. Papelaria <stationery store> . o papelão corrugado deve ter elevada resistência ao estouro <bursting strength> medida através do teste de Mullen. muito áspero.Papel fabricado essencialmente com pasta química branqueada. papel de palha de arroz. colado e com boa opacidade. Papelão rígido <hardboard> . a fim de conferir-lhe elevada impermeabilidade a gorduras e óleos. Papel apergaminhado com marca . com conteúdo de carga mineral em torno de 16%. alisado. Papel-arroz <rice paper> . produzido nas gramaturas de 50 g/m 2 a 90 g/m 2 . tratada. opaco. Termo alternativo: papel bonde com marca. vincagem. utilizado na encadernação.Papel de escrever. incluindo operações de acabamento em-linha como: dobra. Ver também: Papel alcalino <alkaline paper>. geralmente em torno de 200 libras por polegada quadrada. Pergaminho vegetal <vegetable parchment>. Termo alternativo: <greaseproof paper>. apresentando aspecto translúcido. Papel asfaltado . com marca d’água.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . especialmente destinado à pintura a aquarela. amarelamento e deterioração. Papel à prova de gordura <greaseproof paper> . corte-e-vinco e colagem. usado para correspondência. <ricepaper>. Papel argentado . papel sulfite. utilizado na confecção de mortalhas de cigarros. constituído de três camadas de corrugado intercaladas entre quatro folhas planas. corrugado de dupla parede <double-wall corrugated>.Ver: Papel de estanho <tinfoil paper>. com ou sem aparas. leitoso.Papelão ou cartão prensado. Papel auto-adesivo <adhesive- 288 . Termos alternativos: papel bonde <bond paper>. produzido a partir de fibras de madeira. constituído de uma camada de corrugado faceado com folhas planas de ambos os lados.Papel fabricado com pasta química branqueada. feito a partir de palha de arroz. Papelão paraná . utilizado para imprimir livros e documentos importantes que precisam resistir ao envelhecimento. colado internamente e sem colagem superficial. utilizado para embalar substâncias gordurosas. alisado por igual em ambas as faces na própria máquina de fabricar papel. Ver também: Papel acetinado <satiny paper>. constituído de duas camadas de corrugado intercaladas entre três folhas planas. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas papel corrugado revestido com uma folha plana. as caixas de papelão corrugado são geralmente impressas em flexografia.

estampagem etc. Ver também: Base <body stock>. Papel bobinado <wound paper> Papel enrolado em bobinas. Papel-base . durável e resis289 . sem o uso de papel-carbono. dicionários e obras volumosas em geral. <self-adhesive paper>. papel betuminado <bituminous paper>. branco ou em cores.Papel muito fino. com ou sem linhas d’água.Papel revestido num dos lados com um adesivo ativado por umedecimento ou aquecimento. <self-duplicating paper>. com colagem interna e superficial. Papel-bíblia <bible paper> .[1] <bond paper> {a} Papel de escrever.Papel fabricado para ser revestido com cargas minerais na máquina de revestir. fabricado com pasta química branqueada e cerca de 20% de cinzas. produzido nas gramaturas de 35 g/m 2 a 50 g/m 2 .Suporte especialmente produzido para receber o revestimento cuchê. Termo alternativo: <raw stock>.Papel fabricado com pasta química. produzido nas gramaturas de 60 g/m 2 a 160 g/m 2 . datilografadas ou impressas por impacto.Ver: Papel betumado <asphalt paper>. e acabamento alisado em máquina. branco. papel em bobina.Diz-se de qualquer suporte destinado a processo de laminação. Papel avergoado <laid paper> . [2] <base stock> . Papel autocolante <pressure-sensitive paper> . Termos alternativos: papel sem carbono <sincarbon paper>. [3] <body stock> . Papel autocopiativo <carbonless paper> . quando pressão é aplicada contra duas folhas do papel. Termo alternativo: papel vergê.Papel tratado para permitir a fácil remoção de etiquetas auto-adesivas. Termos alternativos: papel asfaltado. Termo alternativo: papel da Índia <India paper>. os químicos encapsulados se rompem e misturam-se. Termo alternativo: <application paper>.[1] <application tape> Papel utilizado para suportar materiais auto-adesivos. Papel bonde . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas coated paper> . Revestimento do papel <paper coating>. com boa colagem interna e superficial. Papel betuminado <bituminous paper> . Papel-base para carbono . Papel-base para cuchê .Papel dotado de linhas horizontais ou verticais visíveis por transparência. Termos alternativos: papel contínuo <continuous paper>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Termos alternativos: papel autocolante <pressure-sensitive paper>.Ver: Papel auto-adesivo <adhesive-coated paper>.Papel preparado especialmente para que o desenho nele traçado possa ser transportado diretamente para a pedra litográfica. o que o torna impermeável e próprio para embalagem e transporte de mercadorias. utilizado para imprimir bíblias. [4] <release paper> .Papel especial para produção de cópias duplicadas manuscritas. fabricado com pasta química branqueada e inclusão de aparas limpas ou pasta de fibra longa. produzindo uma imagem visualmente semelhante àquela formada pelo papel-carbono. 15% de cinzas. O papel NCR é revestido na frente e no verso com dois produtos químicos microencapsulados. opaco e resistente. <no-carbonrequired>. Papel autográfico <autographic paper> . de baixa gramatura. Papel betumado <asphalt paper> Papel entremeado com uma camada de betume. nas gramaturas até 24 g/m 2 . podendo também ser permanentemente pegajoso para aplicação sob pressão. usado na fabricação de papel-carbono.

Papel-cartucho <cartridge paper> Papel kraft utilizado na produção de cartuchos. Papel-carbono <carbon paper> {a} Papel fino. poroso e encorpado. aguadas e aquarelas. {b} Variedade superior de papel branco usado em papelaria. Papel-celofane <cellophane paper> Papel fino e transparente. [2] <flat bond> . a partir de 120 g/m 2 . Ver também: Celofane <cellophane>. podendo incluir apara mecânica ou manta de jornal (bufã de 2ª). utilizado para embalagens. cerca de 20% de carga mineral.Papel cuja superfície foi acetinada ou alisada em calandra. liso e uniforme. de superfície áspera e absorvente. Papel calandrado <calendered paper> . fabricado com restos de cordas e barbantes. Termo alternativo: <carbon tissue>. Ver também: Cartucho <packet>. Papel bromurado . muito absorvente. com elevada resistência mecânica.Ver: Papel de bromo <bromide paper>. sem nenhum conteúdo de algodão.Ver: Papel bufã <bouffant paper>. apergaminhado. fabricado com hidrato de celulose (viscose).Ver: Cartão <paperboard>. Ver também: Papel acetinado <satiny paper>. por isso. grosseiro e resistente. 290 . utilizado na impressão de formulários comerciais e processos de copiagem. revestido com cera pigmentada. Papel-cartão . Papel brístol <Bristol paper> .Papel pardo. Papel capa . Papel-bule . com acabamento colado. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas tente. Papel bufã <bouffant paper> . sem colagem interna ou superficial e. Papel-carbono destacável <carbon release> .Folhas de papel carbonado intercaladas entre as vias de um formulário contínuo para produzir cópias datilografadas ou manuscritas. {b} Papel empregado na reprodução de fotografia pelo processo carbono. Papel brilhante <glossy paper> Papel fotográfico com acabamento liso e brilhante. fabricado com pasta química branqueada (bufã de 1ª). Papel-calendário <calendar stock> Tipo de papel ofsete caracterizado por apresentar elevada resistência ao encanoamento e excelente printabilidade. produzido nas gramaturas de 60 g/m 2 a 120 g/m 2 . livretos.Papel leve. catálogos etc. utilizado na mimeografia e na impressão tipográfica de livros e talonários. usado para constituir a capa ou o forro das caixas de papelão ondulado. Papel bufon . Termo alternativo: <coarse wrapping paper>. Termo alternativo: papel bufon. produzido nas gramaturas de 75 g/m 2 a 150 g/m 2 .Ver: Cartolina brístol <Bristol board>. Papel-capa <cloack paper> .Tipo de papel produzido apenas com fibra de madeira.Papel fabricado com 70% de pasta química. destinado para desenhos a creiom.Papel fabricado com elevada porcentagem de fibras virgens (capa de 1ª) ou matérias-primas recicladas (capa de 2ª).Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . não-acetinado (apenas um leve alisamento em máquina). Papel canson <canson paper> . Papel-pluma <featherweight paper>.Papel semifosco. cortado em formatos padronizados. utilizado principalmente para encapar brochuras. com gramatura igual ou superior a 120 g/m 2 . para imprimir calendários. usado para impressão por decalque.

Papel com pó <dusty paper> .Tipo de papel tingido durante o processo de refinação. Termo alternativo: papel de chupar. através da adição de corantes diretamente na massa. lenços. A4 etc. na máquina de revestir ou na própria máquina que faz o papel-base. Papel colorido <beater-dyed paper> . Termo alternativo: <off-white paper>. papel revestido. Papel copiativo <copying paper> Papel para tirar provas heliográficas. provenientes do corte ou refilo. guardanapos. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Papel-chupão <blotting paper> .[1] <cut-sheet paper> . v quando as bordas do papel tornam-se retesadas.Papel convertido a partir de papel-base. Termos alternativos: papel bobinado <wound paper>. utilizado na impressão de toalhas. revestido de um ou de ambos os lados com cargas minerais aglutinadas com ligantes. segurança e papéis finos. Papel contínuo <continuous paper> Papel fabricado em tiras de comprimento indeterminado. papel couché. pode ocorrer a formação de rugas na contrapinça da folha ao passar entre os cilindros da impressora. [2] <cut-size paper> . impressos comerciais.). enrolado em bobina. por apresentar ótimas características de nivelamento superficial.Papel cujas bordas perderam umidade para o ambiente e sofreram encolhimento.O mesmo que papel mata-borrão. 291 . papel gessado <gypsum paper>. produzido nas gramaturas de 70 g/m 2 a 270 g/m 2 .Dizse de um papel de impressão que apresenta excesso de partículas de pó soltas na sua superfície.Papel de seda. adornos e embalagens. podendo receber acabamento brilhante em supercalandra. Papel comercial <business paper> Classificação de papéis que inclui: bonde. texturizado (gofrado) ou mate. Ver também: Papel não-revestido <uncoated paper>. Termos alternativos: <art paper>. duplicador. pode ocorrer a formação de rugas no centro da folha ao passar entre os cilindros da impressora.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . para impressão em máquinas rotativas. enquanto encontra-se no refinador. revistas. Papel cuchê <coated paper> . com superfície enrugada. Papel corrugado .Diz-se de qualquer tipo de papel cortado em folhas individuais para uso em impressoras a laser de alta velocidade. papel de máquina <machine paper>.Ver: Papel cuchê <coated paper>. papel sem fim <endless paper>. Papel com bordas onduladas <wavyedged paper> . Papel com bordas retesadas <tight-edged paper> . papel estucado <clay-coated>. utilizado para imprimir ou duplicar. Papel couché .Papel cujas bordas absorveram umidade do ambiente e tornaram-se frouxas. registro.Papel folhado em formatos padronizados (66 x 96. encartes etc.) por processos de impressão ofsete plana ou rotativa. é empregado na reprodução de trabalhos de elevada qualidade (rótulos.Ver: Papelão ondulado <corrugated paper>. Papel cuchê com duplo revestimento <double-coated stock> . Ver também: Formato de papel <paper size>. Papel crepom <crepe paper> .Diz-se de um papel revestido com duas camadas de v quando as bordas do papel tornam-se onduladas. Papel cortado .

reduzidas ou reticuladas. para promover aparência metálica a sua superfície. papel de brometo.Ver: Papel aéreo <air paper>. na máquina de revestir. Termo alternativo: <co- 292 . por isso. Termos alternativos: <foil laminated paper>. utilizado para imprimir capas de brochuras. usada em embalagem de medicamentos. Papel cuchê fora de máquina . para desenho. papel de cigarro <cigarette paper>. opaco e resistente. mapas etc. em uma ou nas duas faces.Tipo de papel impróprio para impressão de trabalhos promocionais. usado para imprimir obras volumosas como bíblias. Papel de baixa qualidade <low-grade paper> . em uma ou nas duas faces. fabricado a partir de palha de arroz.Papel fino e com superfície alisada.Papel fino. utilizado para imprimir trabalhos de alta qualidade. livretos. Papel de arroz <ricepaper> .Papel fabricado com pasta mecânica e revestimento cuchê.Papel fino e resistente empregado na impressão de gravura em madeira. catálogos etc. {b} Papel revestido. Papel de barita <baryta paper> Papel fotográfico baritado. Papel de calcar <tracing paper> Papel fino e transparente usado para traçar desenhos. resistente e durável.Papel revestido com cargas minerais aglutinadas com colas. <phototypesetting paper>. <laminar paper>. Papel de brometo . papel Oxford <Oxford paper>. Papel CWC <coated woodcontaining paper> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . apresenta maior lisura e brilho do que um papel cuchê normal. Papel da Holanda <Holland paper> Papel vergê usado na impressão de edições de luxo. Ver também: Papel-arroz.Ver: Papel de bromo <bromide paper>. papel-alumínio. Papel CWF <coated woodfree paper> .{a} Papel de alta qualidade. Papel de avião . usado na confecção de cigarros..Papel fabricado com pasta química e revestimento cuchê. cigarros etc. Termos alternativos: papel-arroz. com formação fechada. Papel de capa . Papel de baixo corpo <low-bulk paper> . Papel cuchê de máquina . usado para reproduzir impressões positivas de imagens copiadas. Papel de alumínio <tinfoil paper> Lâmina fina de alumínio.Papel fino. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas tinta cuchê e. papel de obra. papel laminado <laminated paper>. por apresentar deficiência de composição ou desvios causados durante o processo de fabricação. papel de estanho. Papel da China <China paper> . Papel de arte <art paper> . ampliadas. papel-bíblia <bible paper>. Termos alternativos: <clay-coated paper>. Termos alternativos: papel bromurado. Papel da Índia <India paper> . Papel de bromo <bromide paper> Papel fotográfico coberto num dos lados com uma emulsão fotossensível ortocromática de brometo de prata. colocando-o sobre o original. encorpado. Papel de bronze <bronze paper> Tipo de cartão revestido com pó de bronze e um ligante. dicionários etc.Papel fabricado e revestido na própria máquina de papel.[1] <cover paper> Variedade de papel pesado. cuja espessura é menor do que outro de mesma gramatura. Termos alternativos: <Indian paper>.

revestimentos. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas ver stock>. Papel de cópia <copy paper> . Termos alternativos: <letterpaper>.Papel não-revestido. Papel de cigarro <cigarette paper> Papel fino. . <notepaper>. utilizado para imprimir capas. especialmente para a produção de cigarros. branqueada ou não.Tipo de papel designado para uso em fotocopiadoras. fabricado com pasta química branqueada de fibras têxteis e/ou de madeira. boa formação. de uma superfície para outra. cujas propriedades significativas incluem: uniformidade superficial e de espessura. Papel de decalque <tracing paper> Papel utilizado para transporte de desenhos estampados.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Papel laminado. Papel de cloro-brometo . gramaturas e acabamentos. produzido nas gramaturas de 13 a 25 g/ m 2 . Papel de conversão <converting paper> . liberando-a sob pressão ou impacto. para cópias. geralmente fabricado nas gramaturas de 100 g/m 2 a 280 g/m 2 . Papel decorativo <decorative paper> . bem colado e alisado.Papel de escrever usado para correspondência. de fácil combustão. Papel de chupar . feito de pasta química. o bastão (envoltório interno do filtro) é feito de papel fabricado com pasta química branqueada.Papel produzido para ser convertido num produto. algumas vezes contendo cabeçalhos préimpressos. Ver também: Papel de segurança <safety paper>. que produz imagens de tons quentes.Variedade de papel estilizado fabricado em diferentes cores. produzido nas gramaturas entre 25 g/ m 2 e 30 g/m 2 . branco ou colorido. Termo alternativo: <decorating paper>. com marca d’água ou filigrana. alta densidade. coberto com uma emulsão de cloreto de prata. formulário contínuo ou papelcarbono.Papel fotográfico de sensibilidade média. especialmente fabricado para a impressão de cheques bancários. Papel de contato <contact paper> Papel sensibilizado utilizado para reprodução fotográfica por contato. resistência. por um processo ou tratamento de conversão. relativamente lento (baixa sensibilidade). Papel de duplicador <duplicating paper> . ausência de pintinhas.Ver: Papel-chupão <blotting paper>. Papel de embalagem <wrapping pa293 v as ponteiras (envoltório externo do filtro) são feitas de papel fabricado com pasta química branqueada. Papel de desenho <drawing paper> Papel produzido com pasta química branqueada. [2] <double-thick cover stock> . Ver também: Papel mimeográfico <manifold paper>. com cerca de 26% de carga mineral.Tipo especial de papel para uso em mimeógrafos e duplicadores a álcool. Papel de carta <letter paper> . Termo alternativo: papel de mortalha. sem colagem. impermeabilidade e habilidade de aceitar tinta carbono sem penetração. apresentando alta resistência à ação da borracha. Papel de cheque <check paper> Papel resistente e durável. com combustão controlada. utilizado para contato fotográfico. Papel de cloreto <chloride paper> Papel fotográfico. produzido nas gramaturas entre 30 g/m 2 e 40 g/m 2 . constituído de duas folhas de papel de menor gramatura. com alta opacidade. Papel de carbono <carbonizing paper> . por exemplo: envelope.

sem carga mineral. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas per> . Papel de fôrma <deckle-edged paper> . 294 . papel prateado <silver paper>.Papel de luxo.Papel feito à mão. com grau de colagem apropriado. Ver também: Papel metalizado <metallic paper>. Papel de envelope <envelope paper> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Papel fotográfico sensibilizado que escurece sob a ação da luz e requer tratamento para fixar a imagem.Papel usado para proteger e embalar mercadorias.Papel fabricado com requisitos específicos para corte-e-vinco e dobra de envelopes em máquinas envelopadeiras de alta velocidade. Papel de escrever .Papel de baixa gramatura.[1] <printing paper> . [2] <printout paper> . Papel de estabilização <stabilization paper> ..{a} Papel fotográfico sensível à luz ultravioleta. usado na fotocomposição para trabalhos de alta qualidade. estampado com desenhos a cores. designado para a confecção de formulários. {b} Papel fotográfico contendo um agente revelador incorporado na emulsão. ou outra substância metálica. Papel de estanho <tinfoil paper> Papel recoberto com uma fina camada de estanho. <press paper>. cujas qualidades importantes incluem: boa resistência à tração e ao rasgo. <s paper>. com ou sem linha d’água. Papel de gráfico <graph paper> Papel impresso com linhas quadriculadas para o traçado de gráficos. papel de prata. usado para embrulho. fabricado com requisitos espe- cíficos para aplicações de etiquetagem.Espécie de papel de escrita de qualidade inferior. com pouca ou sem colagem interna ou superficial. com propriedades que visam cumprir os requisitos do processo de impressão. Papel de imprensa <newsprint> Papel fabricado principalmente com pasta mecânica ou mecanoquímica e pasta branqueada de fibra longa. Papel de embrulho <wrapping paper> . usado no processo de cianotipia. utilizado para processamento de rápido acesso. boas propriedades de perfuração e dobra. acabamento e desempenho nos equipamentos etiquetadores. Termo alternativo: papel de tina. Termo alternativo: <writing paper>. com acabamento alisado. papel de alumínio. Termo alternativo: <casing paper>. próprio para embalagens. Papel de impressão . Papel de etiqueta <label paper> Papel alisado ou revestido num dos lados (L1). {b} Papel especialmente fabricado para imprimir livros. Papel de ferroprussiato <ferroprussiate paper> .Papel empregado para proteger um produto e caracterizá-lo para o consumidor. processado a seco. revistas etc. Termos alternativos: papel estabilizado. Termos alternativos: papel de jornal. [2] <wire-wove paper> . do produto a ser impresso e das condições de uso final do produto acabado. papel estanhado.[1] <register bond> . incluindo impressão. Papel de fantasia . produzido nas gramaturas de 45 g/m 2 a 56 g/ m 2 . Termo alternativo: <blueprint paper>. destinado à impressão de jornais e periódicos.Papel heliográfico sensibilizado com solução de ferrocianeto de potássio e citrato de ferro. geralmente fabricado a partir de polpa química. Ver também: Papel-jornal <journal paper>. Termos alternativos: papel argentado.{a} Papel fotográfico sensibilizado para impressão de positivos. Termo alternativo: papel fotográfico.

Termo alternativo: <detail paper>.Papel fino fabricado na China a partir de palha de arroz.. Papel de linho <linen paper> . 295 . papel-jornal <journal paper>.[1] <machine paper> . acetinado. cores e acabamentos. Termo alternativo: papel pintado <paper hangings>. encorpado. Papel de obra <art paper> . Papel de palha <straw paper> .[1] <book paper> Termo empregado para descrever um grupo de papéis de categoria superior ao papel de imprensa. Papel de máquina . utilizado em diversos processos de impressão. Papel lustroso <glossy paper>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Papel de impressora <printer paper> . Termo alternativo: papel de arte. Papel de lustro . [2] <mouldmade paper> . de baixo custo. Ver também: Papel contínuo <continuous paper>. utilizados primariamente para imprimir livros e numa ampla variedade de aplicações comerciais. Papel de mortalha . Papel de leiaute <layout paper> Espécie de papel fino e translúcido empregado em overleis de leiaute. Papel de prata <silver paper> Papel sensibilizado com sais de prata.{a} Papel de impressão. dotado de linhas-guias para indicar as margens e o número de espaços por linha. pouco colado.Ver: Papel glacê <glossy paper>. utilizado na impressão de papel decorativo de paredes.Papel fabricado mecanicamente.Papel especial para digitação de texto de jornal. Papel de livro . Papel de parede <wallpaper> . Papel de índice <index paper> Cartolina rígida e espessa. utilizado principalmente na impressão de livros. Termos alternativos: papel de imprensa. liso. incluindo papéis revestidos e não-revestidos em diversas gramaturas.Papel estampado. lavável. Papel de lauda <copy paper> . usado na impressão de jornais.Papel fabricado especificamente para impressoras de computador. fabricada com polpa química.Ver: Papel de cigarro <cigarette paper>. com acabamento brilhante ou mate. gofrado etc. receptiva a tintas de escrever. Termo alternativo: <index bristol>. com elevada porcentagem de pasta mecânica. Papel de livro revestido <coated book paper> .{a} Papel gofrado que imita tecido de linho. podendo ou não conter perfuração de remalina. Papel de negativo <negative paper> Material fotográfico especialmente revestido para reproduzir em negativo.Papel revestido em ambas as faces. que apresenta boa printabilidade e baixo custo. fabricado com pasta de palha de cereais.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . [2] <groundwood book paper> . Papel de palha de arroz <rice paper> . Ver também: Papel-arroz <rice paper>.Papel de fôrma produzido em máquina cilíndrica.Papel amarelado. {b} Papel de superfície irregular e pouco colada.Variedade de papel de impressão de primeira qualidade. {b} Papel feito com linho ou um substituto que produz acabamento semelhante ao linho. grosseiro e pouco resistente. usado na impressão de obras de luxo.Variedade de papel fabricado com pasta mecânica. Papel de jornal <newsprint> . especialmente produzida para impressão de cartões de arquivo e pastas indexadoras.

Papel sensibilizado utilizado para registro fotográfico de imagem projetada. a fim de reforçá-la. utilizado na impressão de programas. geralmente impresso com cores vivas ou metalizadas. Papel de texto <text paper> . Papel de prata seca <dry silver paper> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . menus. produzido em diversas cores.Suporte de impressão carregado eletrostaticamente nas áreas de grafismo com um padrão de pontos de retícula. Papel dielétrico . o toner adere ao papel formando uma imagem permanente de alto-contraste. intercalação e embalagens leves.Ver: Papel de livro <book paper>. Ver também: Polpa de trapo <rag pulp>. quase transparente. empregado para avaliar a condição de ácido-alcalinidade de soluções químicas. fotomecânica e microfilmagem. ou artificialmente em máquina de papel.Papel fabricado com pasta química branqueada e acabamento supercalandrado. com acabamento irregular nas margens. sem carga mineral. na gramatura de 100 g/m 2 . acabamento alisado ou monolúcido. opaco. Papel de presente <wedding paper> Papel luxuoso. Papel didático . Papel de segurança <safety paper> Papel produzido com produtos químicos especiais que facilitam a identificação de falsificações ou qualquer adulteração em cheques e outros documentos legais. Termo alternativo: <security paper>. Papel de tornassol <litmus paper> Papel indicador de pH que adquire a cor azul em meio alcalino e vermelha em meio ácido. Termo alternativo: <lining>.Tira de papel kraft colada à lombada de um livro. Termo alternativo: <silk paper>. sobre a gaze. Papel de registro <ledger> . Papel de reforço da lombada <backlining-paper> . texturas e acabamentos.Papel de alta qualidade feito de algodão ou polpa de linho. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas empregado em fotografia. Ver também: Papel de estanho <tinfoil paper>. relatórios anuais. nas gramaturas de 20 g/m 2 a 27 g/m 2 . circulares etc. empregado para cobrir ilustrações em livros. {c} Papel muito fino.[1] <dielectric coated paper> . e sobre a qual a capa é fixada.Ver: Papel florpost <florpost paper>. usado na impressão de edições de luxo. em diversas cores. Papel de reversão <reversal paper> Material sensível à luz usado para produzir imagens negativas a partir de positivos.Papel fotográfico para fotocomposição e microfilmagem. Termo alternativo: papel de fôrma. Termo alternativo: papel reagente <test paper> Papel de trapo <rag paper> . muito uniforme e apresentando acabamento superficial refinado. unindo os cadernos. Papel de tina <deckle-edged paper> .Papel fabricado 296 .Tipo de papel que apresenta características estéticas e funcionais. com formação fechada.Papel feito à mão. [2] <dielectric paper> . utilizado para proteção. {b} Papel muito fino utilizado como calço ou para remendar blanquetas ofsete. boa colagem.{a} Papel fabricado com pasta branqueada ou não. Papel de seda <tissue paper> . utilizado para documentos e livros comerciais em branco. Papel de segundas-vias <copy paper> . ao passar através de uma suspensão líquida de partículas de toner carregadas com carga de sinal oposto. Papel de projeção <projection paper> .

Diz-se de qualquer suporte de impressão impresso com tinta eletrônica. de superfície grosseira e gramatura relativamente baixa. Ver também: Papel parafinado <wax paper>.Revendedor de papel. Papel em bobina <wound paper> Papel contínuo utilizado na impressão em máquinas rotativas. Ver também: Processo de impressão dielétrico <dielectric printing process>.Papel branco ou ligeiramente amarelado. Papel esmaltado <enamel paper> Tipo de papel revestido altamente brilhante. cujo texto pode ser modificado por comando remoto.[1] <duplex decal paper> .Ver: Papel quadriculado <squared paper>. Papel estanhado .Tipo de papel dúplex utilizado para decalque. Termos alternativos: papel de estabilização. [2] <paper mill worker> .Papel fabricado com aparas. Ver também: Formatos de papel <paper sizes>. <paper in rolls>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas especialmente para uso como material isolante. Papel esquadrado . visto que não conduz eletricidade. Papel eletrostático <electrostatic paper> . em cor natural. [2] <duplex paper> Papel que apresenta diferentes cores. acabamentos ou superfícies em cada um dos lados. Papeleiro . Papel-estêncil <stencil paper> Papel próprio para confecção de matrizes de impressão para mimeógrafos e duplicadores a álcool. Papel encorpado <high-bulk paper> Papel espesso. Papel estiva . Papel dúplex . Termo alternativo: <double paper>. Papel estabilizado <stabilization paper> .Fabricante de papel. Ver também: Processo de impressão eletrográfico <electrographic printing process>. Papel em branco <blank paper> Diz-se de uma folha de papel não escrita ou impressa. produzido nas gramaturas entre 70 g/m 2 e 120 g/m 2 . [3] <paper manufacturer> . Papel do Japão <Japan paper> . Papel revestido <coated paper>.Suporte de impressão revestido com uma camada fotocondutiva.Papel fotográfico contendo um agente revelador na emulsão. usado para embrulhos que não requerem apresentação e na confecção 297 . para evitar a migração de carga elétrica no processo de impressão eletrográfico. Papel eletrográfico <electrographic paper> . utilizado na impressão de gravuras e edições de luxo.Tipo de papel cuja superfície é recoberta com um material dielétrico. <s paper>. resistente e sedoso.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Profissional que trabalha em fábrica de papel.Ver: Papel de estanho <tinfoil paper>. utilizado no processo de impressão dielétrico. Papel eletrônico <electronic paper> . Papel encerado <oilpaper> . utilizado na impressão de livros.Papel que recebeu uma camada de cera através de imersão (enceramento líquido) ou por aplicação com rolo (enceramento a seco). Papel em folhas <paper in sheets> Papel cortado em formatos padronizados. usado para impressão em máquinas planas e impressoras digitais.[1] <stationer> . Termos alternativos: papel bobinado. Ver também: Papel L1 <bright enamel>. Ver também: Tinta eletrônica <electronic ink>. acinzentada. utilizado para processamento em processadoras de rápido acesso.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

de tubetes. Papel estriado <laid paper> - Papel que apresenta um padrão de linhas paralelas ou cruzadas. Termo alternativo: <wove paper>. Ver também: Papel vergê <laid paper>. Papel estucado <clay-coated> - Papel ou cartão revestido em um ou em ambos os lados com substâncias minerais, a fim de melhorar-lhe as características de printabilidade. Ver também: Papel cuchê <coated paper>. Papeleta <piece of paper> - Papel avulso ou cartaz afixado em murais. Papel extensível <extensible paper> - Diz-se de um papel que suporta choques bruscos de tracionamento sem romper ou rasgar. Papel FCO <film coated offset paper> - Papel leve e encorpado, produzido com pasta mecânica, revestido na própria máquina de fabricar papel com uma camada de 6 g/m 2 a 10 g/m 2 de tinta cuchê, em cada face. Termo alternativo: papel pigmentado. 298 Papel feito à mão <handmade paper> - Papel de tina fabricado manualmente, folha a folha, originando um acabamento rústico e bordas irregulares. Termo alternativo: <mouldmade paper>. Papel fiduciário - Ver: Papel-moeda <bank note paper>. Papel filigranado <filigreed paper> Papel que recebe filigrana ou marca d’água para propósitos de identificação ou segurança. Ver também: Filigrana <filigree>. Papel filtrante - Papel fabricado com pasta química de línter, nas gramaturas entre 80 g/m 2 e 400 g/m 2 . Papel fino - [1] <fine paper> - Pa-

pel de alta qualidade empregado para imprimir e escrever. [2] <flimsy paper> - Papel florpost ou similar, fabricado com pasta química branqueada, alisado, com gramatura de 30 g/m 2 , branco ou em cores, empregado para cópias e segundas-vias de impressos. Papel florpost <florpost paper> Papel fino, fabricado com celulose química branqueada, com boa colagem interna e sem colagem superficial, acabamento alisado ou monolúcido, em diversas cores, produzido nas gramaturas até 32 g/m 2 , utilizado sobretudo para correspondência e segundas-vias de notas fiscais. Termo alternativo: papel de segundas-vias <copy paper>. Papel fluorescente <fluorescent paper> - Papel formulado com elevado conteúdo de alvejante óptico, apresentando grau de alvura igual ou superior a 90, produzindo elevada emissão quando iluminado com luz ultravioleta. Papel-fósforo - Papel de embalagem, fabricado com pasta química, colorido, gramatura de 40 g/m 2 , usado para forrar caixas de fósforos. Papel fotográfico - [1] <developing-out paper> - Papel sensibilizado que requer revelação para exibir a imagem. Abreviatura: (D.O.P [2] <photo.). graphic paper> - Papel revestido num dos lados com gelatina fotossensível, utilizado na reprodução por processos fotomecânicos. Termos alternativos: papel sensibilizado <sensitized paper>; papel sensível <sensitive paper>; <photo-paper>. [3] <print-out paper> - Papel sensibilizado que escurece sob a ação da luz e requer tratamento para fixar a imagem, utilizado para reprodução de impressos fotográficos. Papel fotossensível <photosensitive paper> - Papel recoberto com uma camada de emulsão sensível à luz, em-

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

pregado em processos de reprodução foto-mecânica. Papel frouxo <wavy-edged paper> Papel que se tornou ondulado nas bordas por ter absorvido excesso de umidade quando exposto a um ambiente com umidade relativa mais elevada. Papel gessado <gypsum paper> Ver: Papel cuchê <coated paper>. Papel glacê <glossy paper> - Papel de superfície muito lisa e brilhante, parecendo esmaltado, utilizado na impressão ou na reprodução fotográfica. Termos alternativos: <glacé paper>; papel de lustro; papel lustroso; papel-porcelana <porcelain paper>. Papel glassine <glassine paper> Papel fabricado com pasta química branqueada, com elevado grau de refinação, supercalandrado e transparente, tornado opaco por adição de cargas minerais, nas gramaturas a partir de 30 g/m 2 , com elevada impermeabilidade e, por isso, utilizado para embalar alimentos e proteger frutas, e como base para o papel auto-adesivo. Papel gofrado <embossed paper> Papel com superfície texturada (em relevo), imitando madeira, tecido, couro ou outros padrões, obtida por passagem da bobina entre dois cilindros: um metálico gravado (macho) e outro macio, de contrapressão (fêmea). Ver também: acabamento gofrado <embossed finish>; Prensa de gofrar <embosser>. Papel gomado <gummed paper> Papel revestido num dos lados com um adesivo que pode ser ativado com água. Papel granitado <stipple paper> Papel de superfície áspera utilizado para copiar ou desenhar. Papel-guardanapo - Papel fabricado com pasta química branqueada, com

ou sem inclusão de aparas tratadas quimicamente, crepado ou não, branco ou colorido, produzido nas gramaturas entre 18 g/m 2 e 25 g/m 2 , para uso sanitário. Papel hamburguês <Hamburg paper> - Papel fabricado com aparas e pasta de resíduos agrícolas, podendo incluir pasta química, colorido, monolúcido, produzido nas gramaturas de 50 g/ m 2 a 100 g/m 2 , utilizado para embrulho e embalagens. Ver também: Papel manilha <manila paper>. Papel Havana <Havana paper> Papel pardo, de baixa qualidade, usado para embrulho. Ver também: Papel manilha <manila paper>. Papel H.D. <heavy duty paper> - Papel de embalagem, resistente, fornecido em bobinas pequenas para uso em lojas como papel de embrulho. Ver também: Papel manilha <manila paper>. Papel hectográfico <hectographic paper> - Papel carbono, roxo, contendo corante solúvel em álcool, usado como matriz em duplicadores e mimeógrafos a álcool. Papel heliográfico <heliographic paper> - {a} Papel fabricado com celulose química branqueada, com baixo teor de ferro, boa colagem interna, absorção de tinta uniforme e alisamento em máquina, produzido nas gramaturas de 40 g/m 2 a 120 g/m 2 , com marca d’água tipo vergê, especificamente para uso em copiadoras heliográficas. Ver também: Heliografia <heliography>. {b} Papel sensibilizado para decalque fotográfico. {c} Papel com camada sensível, utilizado para reproduzir desenhos a partir de decalques. {d} Papel sensibilizado com solução de ferrocianeto de potássio e citrato de ferro, utilizado em cianotipia. Termo alternativo: papel de ferroprussia299

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

to <ferroprussiate paper>. Papel ilustração <illustration paper> - Papel da família dos acetinados, fabricado com pasta química branqueada, com conteúdo de carga mineral superior a 10%, sem colagem, acabado fora de máquina em supercalandra, com ou sem linhas d’água, produzido nas gramaturas de 45 g/m 2 a 55 g/m 2 , utilizado para impressão tipográfica de clichês a meio-tom e impressão de revistas pelo processo rotogravura. Papel imitação de couro <leatherette-finish paper> - Papel gofrado cujo acabamento lembra a textura do couro, empregado no revestimento da capa dura de livros encadernados. Papel impermeável <waterproof paper> - Papel ou cartão colado e revestido para resistir à penetração de água e substâncias gordurosas. Termo alternativo: <butcher paper>. Ver também: Papel parafinado <wax paper>.

baixa impermeabilidade, sem supercalandragem, translúcido e cor natural, com gramatura de 40 g/m 2 , usado para desenho, embalagem descartável para alimentos etc. Papel-imprensa <newspaper> - Papel de impressão de jornais e periódicos, fabricado principalmente com pasta mecânica ou mecanoquímica, com 45 a 56 g/m 2 , com ou sem linhas d’água no padrão fiscal, com ou sem colagem superficial. Papel indicador de pH <paper test strip> - Papel de tornassol empregado para determinar a acidez da solução de molhagem ofsete; uma tira de papel indicador, contendo diversos blocos de substâncias reagentes que mudam de cor conforme o grau de acidez da solução, é mergulhada na solução e comparada com uma escala colorida que expressa os valores de pH. Termo alternativo: <pH paper>. Ver também: Medidor de pH <pH meter>. Papel ingres - Papel de superfície granulosa, utilizado em desenhos a carvão. Papelista <archivist> - Pessoa que trata de papéis ou investiga documentos antigos. Termo alternativo: arquivista <file clerk>. Papel-jornal <journal paper> - Papel produzido com alta porcentagem de pasta mecânica, semelhante ao papel imprensa, sem limitação de gramatura, fabricado a partir de 40 g/m 2 , podendo receber acabamento monolúcido (monolúcido de 3ª), utilizado para impressão tipográfica de produtos de baixa qualidade, ou como papel de embrulho. Ver também: Papel de imprensa <newsprint>. Papel-jornal calandrado <calendered newsprint> - Papel-jornal alisado em calandra.

300

v os papéis impermeáveis são classificados em: (a) glassine, cristal ou pergaminho – fabricado com pasta química branqueada, trabalhada com elevado grau de refinação, transparente ou tornado opaco com adição de cargas minerais, adquirindo aspecto leitoso, produzido nas gramaturas a partir de 30 g/m 2 , usado para embalagens de alimentos, base de papel auto-adesivo e proteção; (b) granado – similar ao anterior, porém com menor transparência e impermeabilidade, devido à presença de outras pastas, produzido também em cores; (c) <greaseproof> – fabricado com pasta química branqueada, com elevadíssima impermeabilidade às gorduras, nas gramaturas entre 30 g/m 2 e 80 g/m 2 , sem supercalandragem, branco ou ligeiramente amarelado, usado para embalar substâncias gordurosas; (d) fosco – fabricado com pasta química, com

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

Papel-jornal roto <roto news paper> - Papel fabricado com pasta mecânica, calandrado ou supercalandrado, semelhante ao papel imprensa porém apresentando receptividade à tinta, ancoragem, compressibilidade e maciez adequadas ao processo rotogravura, utilizado na impressão de suplementos de jornais e revistas. Papel kraft <kraft paper> - {a} Papel de embalagem, muito resistente, fabricado com pasta kraft não-branqueada ou branqueada. {b} Papel resistente, de cor parda, fabricado com pasta química sulfato de fibra longa, não-branqueada, com elevada resistência ao rasgo, à tração e ao estouro, alisado em máquina, produzido nas gramaturas de 30 g/m 2 a 90 g/m 2 , usado para produzir cartuchos, papel de parede, papel de embrulho, envelopes e outros produtos que requerem resistência mecânica. Termo alternativo: papel machê <paper-mâché>.

natural, porém com menor resistência mecânica, fabricado com 50% ou mais de pasta química e gramatura superior a 40 g/m 2 , monolúcido ou não, usado para saquinhos; (e) kraft de 2ª – semelhante ao anterior, porém com menor resistência mecânica, usado para embrulhos e embalagens em geral. Papel kraft branco/cores <color/ white kraft paper> - Papel fabricado com pasta química sulfato de fibra longa, branqueada, com acabamento monolúcido ou alisado em máquina, produzido nas gramaturas de 30 g/m 2 a 150 g/m 2 para impressão de sacos multifolhados, sacos de açúcar e farinha, sacolas etc.; nas gramaturas mais baixas é usado para embalar doces, balas etc. Papel L1 - [1] <bright enamel> Papel revestido e calandrado apenas num dos lados. [2] <coated-one-side paper> - Papel revestido apenas num dos lados, produzido especificamente para impressão de etiquetas, rótulos, cartazes, pôsteres etc. Papel laminado - [1] <double-thick cover stock> - Folha constituída de duas folhas de papel laminadas. [2] <laminated paper> - Ver: Papel de alumínio <tinfoil paper>. [3] <plastic laminated paper> - Papel de capa revestido com uma camada plástica, a fim de conferir proteção e aumentar o brilho. Papel LD - Ver: Papel manilha <manila paper>. Papel-lenço - Papel fabricado com pasta química branqueada, com ou sem aparas tratadas quimicamente, produzido nas gramaturas entre 15 g/m 2 e 18 g/ m 2 , em folhas múltiplas, branco ou em cores, usado para confecção de lenços. Papel leve <lightweight paper> Papel de impressão fino e opaco, produzido nas gramaturas de 25 g/m 2 a 59 g/m 2 ,

v os papéis kraft podem ser classificados em: (a) kraft natural para sacos multifolhados – fabricado com pasta química sulfato não-branqueada de fibra longa, nas gramaturas de 80 g/m 2 a 90 g/m 2 , resistente ao rasgo e ao estouro, usado na fabricação de sacos e embalagens industriais de grande porte; (b) kraft natural ou em cores – fabricado com pasta química sulfato não-branqueada de fibra longa, nas gramaturas de 30 g/m 2 a 150 g/m 2 , monolúcido, com resistência mecânica similar ao anterior, usado para fabricar sacos de pequeno porte, sacolas e embalagens em geral; (c) kraft branco ou em cores – fabricado com pasta química sulfato branqueada de fibra longa, nas gramaturas entre 30 g/m 2 e 150 g/ m 2 , monolúcido, usado como folha externa em sacos multifolhados, sacos de açúcar e farinha, sacolas, embalagens individuais de balas etc.; (d) kraft de 1ª – papel de embalagem, similar ao kraft

301

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

utilizado para imprimir bíblias, dicionários, enciclopédias e outras obras que requerem baixo corpo. Termos alternativos: papel-bíblia <bible paper>; papel LWC <lightweight coated paper>; <lightweight printing paper>. Papel linha-d’água <watermark paper> - Papel contendo marcas d’água para fins de fiscalização, utilizado para impressão de livros, periódicos e outros produtos que gozam de isenção fiscal. Papel liso <slick paper> - Papel cuja superfície apresenta acabamento liso e brilhante, semelhante ao papel bonde mas produzido em maior gramatura por razões de durabilidade, resistência e rigidez, utilizado em aplicações que requerem elevada permanência. Termo alternativo: <ledger paper>. Papel litográfico <lithographic paper> - Ver: Papel ofsete <offset paper>. Papel livre de ácido <acid-free paper> - Papel sem acidez e sem resíduos químicos da produção. Ver também: Papel alcalino <alkaline paper>. Papel logarítmico <logarithmic paper> - Folha de papel impressa com linhas horizontais e verticais, em escala logarítmica, para traçado de gráficos. Papel log log <log log paper> - Papel de gráfico dotado de escalas logarítmicas nos dois eixos. Papel lustroso <glossy paper> Papel de superfície muito lisa e brilhante, com aspecto esmaltado. Termos alternativos: papel de lustro; papel glacê; papel-porcelana <porcelain paper>. Papel LWC <lightweight coated paper> - Papel fabricado com alta porcentagem de celulose, revestido fora de máquina com 8 g/m 2 a 19 g/m 2 de tinta cuchê em cada face, supercalandrado, utilizado na impressão de catálogos, re-

vistas etc. Ver também: Papel leve <lightweight paper>. Papel-macarrão - Ver: Papel manilha <manila paper>. Papel machê <paper-mâché> - Material feito de pasta de papel misturada com cola, ou camadas de papel coladas e prensadas, empregado para fazer moldes de estereotipia quando umedecido, tornando-se duro e resistente após a seca-gem. Termos alternativos: cartão-pedra <stone board>; <papier-mâché>; papel-pedra. Ver também: Papel kraft <kraft paper>. Papel macroporoso <macroporous paper> - Papel cuja estrutura física é constituída predominantemente por poros de diâmetro relativamente grande, favorecendo a penetração da tinta. Ver também: Papel microporoso <microporous paper>.

302

v na impressão com papéis macroporosos, não ocorre filtração seletiva da tinta e, por isso, o processo de óxidopolimerização (secagem) é mais demorado; além disso, parte da tinta penetra no papel, causando redução de densidade no impresso; as tintas para impressão desse tipo de papel devem ser do tipo monodispersas, que secam exclusivamente por polimerização oxidativa.
Papel maculatura <spotty paper> Papel fabricado com aparas e resíduos agrícolas, utilizado para embalagem e fabricação de tubetes. Papel mal colado <slack-sized paper> - Papel com baixo grau de colagem interna e sujeito ao arrancamento e à delaminação durante o processo de impressão ofsete. Papel manilha <manila paper> Papel de embrulho, colorido ou não, resistente, monolúcido ou não, fabricado com pasta mecânica e/ou semiquímica e

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

aparas de papel, com inclusão de pasta de resíduos agrícolas, produzido nas gramaturas de 40 g/m 2 a 100 g/m 2 . Ver também: Manilha <manila>. Papel manilhinha <manila paper> Papel fino e cinzento, fabricado com pasta mecânica ou semiquímica e aparas, monolúcido ou não, produzido nas gramaturas de 40 g/m 2 a 45 g/m 2 , usado para embrulhar alimentos. Papel mantegueiro - Ver: Papel-manteiga. Papel-manteiga - Papel rugoso, passento, semitransparente, usado para embalar produtos gordurosos. Termo alternativo: papel mantegueiro. Papel marmoreado <marbled paper> - Papel que imita o mármore, utilizado na decoração de capas de livros. Termo alternativo: papel marmorizado. Papel marmorizado - Ver: Papel marmoreado <marbled paper>. Papel mata-borrão Papel fabricado com linter, nas gramaturas g/m 2 , utilizado para de estereotipia (flãs). papel-chupão. <blotting paper> pasta química de de 80 g/m 2 e 400 produzir matrizes Termo alternativo:

ted> - Papel revestido em máquina com lâmina <blade coater>, calandrado <soft calender>, que apresenta superfície fosca e alvura relativamente elevada. Papel MICR <MICR check paper> Papel adequado para impressão de cheques, incluindo caracteres impressos com tinta magnética para uso em equipamentos de reconhecimento de caracteres. Papel microporoso - <microporous paper> - Papel cuja estrutura física é constituída predominantemente de poros de diâmetro relativamente pequeno e em número elevado, que absorve líquidos por capilaridade, filtrando os componentes das tintas polidispersas. Ver também: Papel macroporoso <macro-porous paper>.

v na impressão com papéis microporosos, as tintas sofrem filtração seletiva dos constituintes mais fluidos, deixando na superfície apenas as resinas e os pigmentos, favorecendo a secagem e proporcionando elevado nível de brilho ao impresso; as tintas para impressão desse tipo de papel são do tipo polidispersas, que secam por uma combinação de filtração seletiva e óxido-polimerização.
Papel milimetrado <plotting paper> Folha de papel impressa com linhas verticais e horizontais espaçadas milimetricamente, utilizado para traçado de curvas, gráficos, fluxogramas etc. Termo alternativo: <graph paper>. Papel mimeográfico - [1] <manifold paper> - {a} Tipo de papel bonde de baixa gramatura, calandrado ou não em um ou em ambos os lados, similar ao papel casca de cebola utilizado para fazer cópias a carbono. {b} Papel muito fino, freqüentemente usado como papel-carbono em formulários. Termo alternativo: papel de cópia. [2] <mimeograph paper> - Estêncil utilizado em processos

303

Papel mate <matte paper> - Papel fotográfico ou papel de impressão revestido e sem brilho, geralmente utilizado em trabalhos de elevado padrão de qualidade onde se deseja realçar as imagens impressas. Termos alternativos: <dull paper>; <mat paper>. Papel metalizado - [1] <metallic paper> - Papel revestido com uma ou mais camadas de material metálico. [2] <metallized paper> - Papel que recebeu tratamento químico e revestimento com pó metálico para imitar folha de alumínio, ouro etc. Papel MFC <machine finished coa-

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

de duplicação. Papel-miolo - Papel fabricado com pasta semiquímica e/ou mecânica e/ou aparas, nas gramaturas entre 120 g/m 2 e 150 g/m 2 , para ser ondulado na fabricação de papelão ondulado. Papel-moeda <bank note paper> Papel de alta qualidade, com elevada permanência, fabricado com fibras de algodão e outras fibras especiais, impresso com valor representativo, emitido sob controle do governo e que serve de dinheiro. Termos alternativos: <bank paper>; papel fiduciário; <papermoney>. Papel monolúcido <monolucid paper> - Papel fabricado com pasta química branqueada (monolúcido de 1ª), podendo conter pasta mecânica e aparas de 1ª (monolúcido de 2ª), cerca de 10% de cinzas, com boa colagem interna e brilho num dos lados produzido por cilindro monolúcido na própria máquina de fabricar papel, produzido nas gramaturas de 60 g/m 2 a 90 g/m 2 para impressão de sacolas, papéis fantasia, rótulos, etiquetas e laminados; não é recomendado para impressão ofsete por não apresentar colagem superficial. Termo alternativo: <monoclear paper>. Papel MWC <mediumweight coated paper> - Papel similar ao LWC, revestido duas ou três vezes, usado para imprimir revistas, catálogos e impressos comerciais. Papel não-acetinado - Papel com grande capacidade de absorção, utilizado para impressão tipográfica. Papel não-cuchê - Ver: Papel nãorevestido <uncoated paper>. Papel não-refilado <untrimmed paper> - Diz-se de um papel que não foi pré-refilado em guilhotina. Termo alternativo: papel refilado em máquina <machine-trimmed paper>.

Papel não-revestido - [1] <uncoated paper> - Papel sem camada superficial, de superfície irregular comparada ao papel revestido, que absorve a tinta mais rapidamente e produz uma impressão menos saturada. Termo alternativo: papel não-cuchê. Ver também: Papel cuchê <coated paper>; Papel revestido <coated paper>. [2] <unglazed paper> - Tipo de papel sem brilho que não recebeu qualquer revestimento ou acabamento. Papel não-revestido à base de celulose <uncoated woodfree paper> - Papel fabricado com pasta química branqueada, sem revestimento cuchê. Abreviatura: (UWF). Termo alternativo: <uncoated groundwood-free offset paper>. Papel NCR <NCR paper> - Ver: Papel autocopiativo <carbonless paper>. Papel neutro <neutral pH paper> Papel livre de ácido ou álcali, utilizado como base para impressão fotográfica. Papel OCR <OCR paper> - Papel fabricado com requisitos específicos para uso em equipamentos de reconhecimento óptico de caracteres. Papel ofício <foolscap paper> - Papel cortado no formato ofício (33 x 44 cm). Termo alternativo: <legal cap>. Ver também: Papel almaço <foolscap paper>. Papel ofsete <offset paper> - Papel de impressão, com ou sem revestimento, fabricado com pasta química branqueada, conteúdo de carga mineral entre 10% e 15%, boa colagem interna e superficial, produzido nas gramaturas de 60 g/m 2 a 150 g/m 2 com requisitos específicos para o processo ofsete. Termo alternativo: papel litográfico <lithographic paper>. Papel Oxford <Oxford paper> - Ver: Papel da Índia <India paper>.

304

Abreviatura: (OCR). Papel para mascaragem <masking paper> . utilizado na impressão de formulários. Papel para reprografia <reproduction paper> .Papel revestido num dos lados com um adesivo que é ativado e torna-se pegajoso por ação de calor. que pode ser facilmente dobrado.Termo empregado na pré-impressão para designar o papel-base de montagem de negativos.Papel fotossensível. com superfície lisa. Termos alternativos: papel encerado <oilpaper>. empregado para tirar provas de ilustrações e textos destinados à reprodução por heliogravura. Papel para reconhecimento óptico de caracteres <optical character recognition paper> . uniforme e resistente à umidade. Papel para mapas <map paper> Papel resistente ao rasgo e à umidade. Papel para selagem a quente <heat seal paper> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . papel impermeável <waterproof paper>. amarelado. [2] <general-purpose bond> . Ver também: Montagem de negativos <stripping>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Papel ozalide <ozalide paper> . Papel para transferência por calor <heat-transfer paper> . a fim de uniformizar a pressão de impressão. produzido nas gramaturas de 25 g/m 2 a 40 g/m 2 . Papel para decalcomania <decalcomania paper> . Papel para correspondência aérea <air-mail paper> . utilizado no processo de reprodução fotográfica. Papel para duplicador <duplicator paper> . Papel para tímpano <tympan paper> Folha de papel de calço colocada entre a mesa e a folha a ser impressa. revestida com uma solução de decalque sobre a qual é impressa a imagem por serigrafia. o 305 . Termo alternativo: <thin paper>. mas suficientemente opaco para tornar a impressão legível. Papel para formulário contínuo .Papel fino e leve. Papel-paquete <light paper> .Tipo de papel translúcido quando visto sob luz ultravioleta. revestido numa das faces.Espécie de papel bonde fabricado com absorção controlada para uso em duplicadores a álcool. fabricado com fibra de algodão misturada com pasta química de madeira. Termo alternativo: papel aéreo <air paper>.Papel muito macio e isento de impurezas. com elevada opacidade. destinado a uma cuidadosa limpeza das lentes. Termo alternativo: <copying paper>. Ver também: Papel bonde <bond paper>. fabricado com polpa química branqueada com elevado conteúdo de fibras longas especialmente para a impressão de mapas e guias. fabricado com celulose química branqueada e fibras têxteis. próprio para correspondência aérea.[1] <business forms bond> .Papel feito especificamente para uso em equipamentos de reconhecimento óptico de caracteres.Papel de alta qualidade. nas prensas tipográficas. Termo alternativo: papel OCR <OCR paper>.Papel absorvente. em seguida. Papel para limpeza de lentes . utilizado na impressão de envelopes para correspondência por via aérea. com ou sem marca d’água.Suporte utilizado na impressão por transferência térmica.Papel fino e leve. Papel parafinado <wax paper> Papel tratado com parafina para uso em embalagens impermeáveis. no qual o motivo é primeiro impresso com tintas contendo anilinas sublimáveis dispersas.Tipo de papel bonde designado especificamente para produção de formulários contínuos. <paraffin paper>.

<pigment paper>. muito resistente. utilizado para desenho. Papel passento <unsized paper> Papel sem colagem e permeável aos líquidos. transporte litográfico e para a tiragem de provas em litografia e zincogravura. para a fabricação de cadernos. Papel prateado <silver paper> . Termo alternativo: <gelatin coated paper>. Papel-pluma <featherweight paper> Papel fabricado com pasta química branqueada.Ver: Papel FCO <film coated offset paper>. Papel químico <carbon paper> . numa solução de bicromato de potássio. Papel quadriculado <squared paper> . Termos alternativos: <brown paper>. são criadas telas especiais para a impressão de motivos detalhados sobre diversas superfícies.Papel de trapo. contendo cerca de 10% de cinzas. Termos alternativos: <carbon print>. {b} Material fotográfico. Termo alternativo: papel bufon <bouffant paper>. usado para cópias autográficas. Termo alternativo: papel permeável <waterleaf paper>. Papel pardo <brown wrapping paper> . Papel-pele <goatskin paper> . a fim de torná-lo sensível à luz actínica. Papel pelure <pelure paper> .Ver: Pergaminho vegetal <vegetable parchment>. Papel pintado <paper hangings> Ver: Papel de parede <wallpaper>.Papel fotográfico sensibilizado com sais de prata. Papel-pigmento sensibilizado <sensitized carbon tissue> . revelado e fixado ao tecido de uma tela serigráfica. absorvente e encorpado. Papel-pigmento <carbon tissue> {a} Papel coberto com gelatina fotossensível. utilizado na impressão tipográfica de livros e em mimeógrafos. Ver também: Sublimação <sublimation>. cartões de visita etc. <grayish paper>. Papel-pergaminho <parchment paper> . nesse processo. Papel lustroso <glossy paper>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas papel é colocado em contato com outro. à base de gelatina pigmentada. Papel permeável <waterleaf paper> Ver: Papel passento <unsized paper>.Papel pigmento que foi imerso. Termos alternativos: <graph paper>.Papel recoberto com uma camada de cera 306 . papel esquadrado. e o motivo é transferido.Papel impresso com linhas horizontais. sob calor e pressão. Papel-pedra . durante cerca de 3 minutos. o qual é exposto.Papel impresso com linhas paralelas e cruzadas em ângulo reto.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . usado no processo rotogravura convencional para transportar a imagem do positivo fotográfico para um cilindro de cobre. fabricado com matérias-primas de qualidade inferior. <plotting paper>.Ver: Papel machê <paper-mâché>. Ver também: Papel de estanho <tinfoil paper>. fino e transparente. traçado de gráficos etc. Papel pautado <ruled paper> . Termo alternativo: <guide lines paper>. em máquina pautadeira. Papel-porcelana <porcelain paper> Ver: Papel glacê <glossy paper>. sem colagem. O papel-pigmento serve também como máscara para controlar o tamanho e a profundidade das células do cilindro rotogravura no processo de gravação convencional. utilizado para embrulhos. que reveste um suporte de papel.Papel ou cartão sem colagem. Papel pigmentado .Papel de pele de cabra utilizado na impressão de diplomas.

Papel cortado e embalado em resmas.Ver: Papel de tornassol <litmus paper>. resistente e opaco. Papel resmado <ream paper> . fabricado com fibras longas especiais. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas pigmentada. Papel resistente à chama <flameresistant paper> . Papel reflexo <reflex paper> .{a} Papel que conserva pelo menos 15% de sua força de tensão original quando umedecido com água. Ver também: Papel almaço <foolscap paper>.Papel tratado com pro-dutos químicos resistentes à chama. papéis muito contaminados com tinta ou verniz não são recicláveis. Ver também: Refugo <wastepaper>. revestido em ambos os lados com uma resina impermeável à água. desentintado e branqueado.Refugo ou aparas separados de outros rejeitos sólidos. Papel reagente <test paper> . empregado principalmente para impressão de livros pautados. ou a partir de aparas de impressão ou de conversão. de alto-contraste. designado para a produção de cartazes <outdoors>. Papel reciclado <recycled paper> Papel fabricado a partir de polpa de papel usado. Papel rejeitado <job lot> . Papel reciclável <recyclable paper> .Carregamento de papel devolvido ao fabricante ou ao revendedor por não se adequar aos requisitos do produto ou do processo de impressão. mas apenas cortado após a fabricação. Ver também: Formatos de papel <paper sizes>. Termo alternativo: papel cuchê.Termo contraditório que designa um papel de impressão que não foi refilado.Material fotossensível utilizado na reprodução de originais por contato. revestido com uma camada composta de pigmentos (caulim. a reflexão da luz e a ancoragem da tinta. destinados ao reuso como matéria-prima na fabricação de papel.Papel fotográfico. dióxido de titânio) e ligantes. utilizado na impressão de quadricromias de alta qualidade. Papel-registro <register paper> Papel fabricado com pasta química branqueada. em gramaturas próximas de 100 g/m 2 . para evitar a propagação de fogo quando ocorre ignição. carbonato de cálcio.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Papel revestido com resina . que leva a emulsão num dos lados. o revestimento melhora a uniformidade da superfície. Ver também: Resistência à tração <tensile strength>. Papel refilado em máquina <machine-trimmed paper> .Tipo de papel não revestido geralmente utilizado em equipamentos de fotocópia ou impressoras de computador.Papel de 307 . Papel reprográfico <reprographic paper> . com acabamento brilhante ou fosco. os papéis RC têm boa estabilidade dimensional e secam mais rapidamente do que os papéis fotográficos convencionais. Papel RC <RC paper> . utilizado na impressão por decalque. bem colado.Papel fotossensível revestido com resina <resincoated paper> utilizado em processos de fotocomposição de alta qualidade. Papel resinado <resin-coated paper> . Papel resistente a úmido <wetstrength paper> . Ver também: Papel não-refilado <untrimmed paper>. {b} Suporte resistente ao rasgo e às intempéries. Papel revestido <coated paper> Tipo de papel produzido com pasta química branqueada. Ver também: Papel não-revestido <uncoated paper>.

utilizado na rotogravura para impressão de encartes de jornal. de qualidade elevada. a partir de desenhos traçados com um estilete sobre a camada de nanquim. Papel simples <plain paper> . Papel segundas-vias . utilizado na impressão rotogravura. destinado a uma técnica de desenho que imita o efeito da xilogravura. Papel sem carbono <sincarbon paper> . <print-out paper>. Papel sem fim <endless paper> Ver: Papel contínuo <continuous paper>. sendo fixado. uma camada de nanquim. Papel revestido em máquina <machine coated paper> . não ocorrerá a transferência da tinta e o impresso exibirá pontos brancos conhecidos por flocos-de-neve <snowflaking>.Ver: Papel mate <matte paper>. fabricado com pasta de alto rendimento. e serrilhadas para fácil destacamento. por cima desta.Papel fabricado com pasta química sulfito. Papel sem madeira <woodfree paper> . Papel sensibilizado <sensitized paper> . Papel semilog <semilog paper> Papel de gráfico dotado de uma escala linear e outra logarítmica.Ver: Papel autocopiativo <carbon-less paper>. utilizada em impressoras de computador. acabamento monolúcido. {b} Papel fabricado com fibras sintéticas que substituem total ou parcialmente as fibras de celulose. . catálogos etc. numa área fechada onde circula ar quente. é que o papel tenha elevada lisura e maciez. Papel sensível <sensitive paper> Ver: Papel fotográfico <photographic paper>. Papel scratchboard <scratchboard paper> . Papel strong <strong paper> . recoberto com uma camada de gesso e.Ver: Papel florpost <florpost paper>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas brometo com uma superfície plastificada.Papel pesado (cartão). resistente. em comparação com o papel de brometo convencional. 308 Papel SC <supercalendered paper> Papel não-revestido. a fim de garantir o contato com a tinta no interior das células do cilindro. fotorreceptiva ou dielétrica. v o requisito básico para impressão em rotogravura. Papel schoeller <schoeller paper> Papel para desenho. em cores ou natural. que permite apagar ou raspar o desenho sem danificar-lhe a superfície. caso contrário. Papel sanfonado <fanfold paper> Tira de papel perfurada nas laterais cujas folhas individuais são separadas por dobras alternadas. {b} Papel sem camada térmica.{a} Diz-se de um papel que apresenta um único grau de qualidade. Papel rotogravura <roto stock> Tipo de papel similar ao papel jornal calandrado. em forma de fole. Papel seco a ar <air-dried paper> Bobina removida da máquina de fabricar papel e secada. sem tensionamento. Papel sem brilho <dull-finish paper> . produzido nas gramaturas entre 40 g/m 2 e 80 g/m 2 .Ver: Papel fotográfico <photographic paper>.Papel produzido com polpa de fibras derivadas de outras fontes que não a madeira. com adição de aparas. lavado e secado com grande rapidez.Papel cuja camada cuchê é aplicada na própria máquina fabricadora. Papel sintético <synthetic paper> {a} Material plástico extrusado que imita o papel.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .

Ver: Papel apergaminhado <parchment paper>. Papel telado <cambric paper> Papel resistente.Papel que recebeu acabamento acetinado em supercalandra. Papelucho <scrap of paper> . Papel termocopiativo .Papel de embalagem. com boa resistência mecânica.Papel fabricado nas gramaturas entre 25 g/ m 2 e 50 g/m 2 . Papel utilitário <commodity paper> . encimado por timbre. próprio para impressão ofsete. {b} Papel de embrulho. a resistência ao rasgo.{a} Suporte no qual uma imagem é formada como resultado de uma reação química irreversível que ocorre por ação do calor.Ver: Papel telado <cambric paper>. colorido. reforçado com gaze de fios de seda. Papel UWF <uncoated woodfree paper> .{a} Folha de papel contendo cabeçalho impresso com logotipo e endereço de uma instituição. Papel timbrado <letterhead> .Papel fabricado a partir de polpa sulfito. Papel-tecido . Ver também: Polpa sulfato <sulfate pulp>.Papel não-revestido fabricado com pasta mecânica. Termo alternativo: papel termocopiativo.Papel muito branco. imprimir selos postais etc. Papel termográfico <thermographic paper> . Papel sulfato <sulfate paper> Papel fabricado a partir de polpa sulfato. para uso sanitário. {b} Papel para correspondência. produzido nas gramaturas de 55 g/m 2 a 90 g/m 2 para impressão tipográfica de formulários contínuos. natural ou em cores. algodão etc. Termo alternativo: papel-tela. em folhas simples ou dupla. Papel-tela . graxas e água. diferindo por ser colorido e receber colagem superficial. Papel translúcido <translucent paper> .Papel não-revestido fabricado com pasta química branqueada. usado para embalar valores. Papel tratado com látex <latextreated paper> . estabelecimento comercial etc. 309 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas empregado na impressão de sacos e papel de embrulho. a fim de aumentar-lhe a durabilidade. fabricado com pasta química e pasta mecânica ou aparas limpas. Papel sulfito <sulfite paper> ..Papel com as mesmas características dos papéis sulfite e apergaminhado.Tipo de papel que apresenta leve ou moderado grau de opacidade.Ver: Papel termográfico <thermographic paper>. a resistência à umidade e a resistência aos óleos. produzido nas gramaturas de 70 g/m 2 a 120 g/m 2 . Papel sulfite .{a} Pedaço de papel. Ver também: Polpa sulfito <sulfite pulp>. Papel toalha <tissue paper> . Papel UWC <uncoated woodcontaining paper> . Papel super bonde <super bond paper> . permitindo a passagem de luz através da folha.Papel bonde ou ofsete de baixa qualidade. com superfície áspera.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . {b} Suporte no qual uma imagem é formada como resultado de mudanças físicas que ocorrem numa fina camada do revestimento. Papel supercalandrado <supercalendered paper> . Papel super-branco <super-white paper> .Papel cujas fibras são impregnadas com um material plástico. porém sem ser transparente. usado para embrulhar tecidos e fabricar envelopes.

[3] <job envelope> . caixas etc. fabricado a partir de polpa de trapo. fabricado com pasta química branqueada sulfito. ou em janelas de diretório. utilizado na impressão de decalques. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Papel vegetal <translucent tracing paper> . originando uma pasta de alto rendimento (86 a 93%). com elevado conteúdo de carga mineral e acabamento liso. Papel vergê . [2] <verge paper> Suporte de impressão dotado de linhas horizontais ou verticais produzidas por fios metálicos ou rolos filigranadores. combinam-se a ação mecânica e a ação química para produzir uma pasta de médio rendimento . Papel xerográfico <xerographic paper> . Termos alternativos: <glossy paper>. a polpa é obtida através da ação mecânica de desfibradores. {b} Folha de cartolina dobrada para formar uma bolsa. Paralelo às fibras <with the grain> Termo empregado para designar um papel que é dobrado. muito calandrado. pestapes. produzindo uma pasta de baixo rendimento (46 a 55%). {b} Papel com acabamento superficial intensamente brilhante obtido por contato com calandra metálicas polidas enquanto a bobina ainda encontra-se úmida. no processo semi-químico. <machine glazed>.{a} Local reservado para guardar documentos.Papel de escrever ou imprimir.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . [5] <pastedown> .Envelope grande utilizado para guardar filmes. sem marcas vergê nem filigranas. pasta de papel.Diz-se de um papel recém fabricado. aveludado ou gofrado. Ver também: Vitrificação <flint glazing>. em sistemas de editoração eletrônica. Papel verde . papel estriado. [4] <pulp> .Papel não-revestido. Ver também: Vergê <laid>. documentos etc. à faca de corte ou aos cilindros da máquina. liso e compacto.Papel de alta qualidade.{a} Tipo de papel cuchê polido que apresenta um acabamento muito brilhante. [2] <glazed paper> . Papel vitrificado . tecido ou couro para formar a capa dura de um livro.Capa retangular de couro usada para proteger livros. no processo químico. Termos alternativos: papel avergoado. obtido por processo de vitrificação.[1] <brief case> .[1] <flint paper> Tipo de papel cuchê L1 (revestido apenas num dos lados) caracterizado por apresentar brilho elevado. obtido por processos mecânicos ou químicos. polpa. transparente.Produto constituído de fibras de celulose. Papel velino <vellum paper> . <MG paper>. a madeira é cozida sob pressão na presença de substâncias químicas que dissolvem a lignina e a hemicelulose. utilizado na impressão de cartões de felicitações. destinado à fabricação do papel. Termo alternativo: velino <vellum>. [2] <folder> . cartões de visita.[1] <laid paper> Suporte que exibe marcas de tela e de corrente quando observado através da luz. cortado ou alimentado num equipamento com as fibras paralelas à dobra. 310 v [4] existem diversos processos de produção da pasta de papel a partir de fibras de celulose: no processo mecânico. Pasta . especialmente para uso em fotocopiadoras e impressoras a laser. originais e outros pertences de um trabalho. Termo alternativo: plano. Termos alternativos: pasta de celulose <cellulose paste>.Tipo de papel bonde fabricado com umidade controlada e elevado grau de resistividade elétrica.Cada um dos retângulos de cartão sobre os quais se aplica um revestimento de papel. Papeterie . programas ou outras pastas na mesa de trabalho.

Pasta de trapo . equivalente ao número de Permanganato (TAPPI) 50. no Brasil. as quais são ditas moles e dão origem a fibras longas (cerca de 3 mm).Ver: Polpa de madeira <wood pulp>. Pasta de celulose <cellulose paste> Ver: Pasta <pulp>. atingindo o grau ROE 10.Polpa de madeira tratada em refinador de disco. Termo alternativo: polpa mecanoquímica.Polpa de materiais ligno-celulósicos obtida por processo de desfibramento e posterior tratamento químico. atingindo o grau ROE 28 ou maior. porém tem baixa resistência mecânica. por digestão química ou cozimento. usada principalmente na produção de papel de imprensa e papel para livros de menor classe. Pasta mecanoquímica <mechanicochemical pulp> . utiliza-se água no processo para lavar as fibras e evitar danos devido ao calor e à abrasão. Pasta mecânica refinada <refined mechanical pulp>. tratamento alcalino. Termo alternativo: polpa mecânica refinada.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . através de processos de cloração. v [4] na América do Norte e na Europa. oxidação com ozônio ou hipocloritos. Pasta mecânica revestida <coated groundwood> .Ver: Polpa de trapo <rag pulp>. Pasta mecânica <mechanical pulp> Polpa produzida a partir de troncos de madeira descascados e moídos na presença de água. utiliza-se principalmente o eucalipto. polpa mecânica. obtida pelo processo sulfato. porém as fibras curtas proporcionam melhor printabilidade.Diz-se de um papel fabricado com 25% ou mais de pasta mecânica e revestimento nas duas faces.Ver: Polpa contínua <continuous pulping>. após a separação das fibras de celulose dos outros constituintes da madeira. o calor gerado no processo amolece a lignina em alguma extensão. a fim de liberar as fibras de celulose. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas (60 a 75%). v no processo de obtenção de polpa mecânica. a madeira é forçada contra uma superfície abrasiva. o comprimento das fibras determina as propriedades de resistência e de printabilidade do papel de impressão: fibras longas produzem papéis mais resistentes. com conteúdo máximo de lignina em torno de 10%. em diversos estágios. que é mais duro do que o pinus e origina fibras curtas (cerca de 1 mm). Pasta química <chemical pulp> Polpa obtida da madeira ou outras fontes vegetais. a principal fonte de fibras de celulose provém de madeiras resinosas (pinus).Pasta química de madeira. equivalente ao número de Permanganato (TAPPI) 140 ou maior. Pasta de madeira . baixa alvura e pouca permanência. polpa química. Termos alternativos: celulose. que dá origem a um papel de resistência mecânica elevada. utilizada na produção de papel. por isso sofre amarelamento em presença de luz. Pasta contínua . 311 . Abreviatura: (RPM). o processo tem alto rendimento (80 a 90%). opacidade e absorção elevados. Termos alternativos: <groundwood pulp>. Ver também: Pasta semiquímica <semichemical pulp>. Pasta de papel .Ver: Pasta <pulp>. estas podem ou não sofrer branqueamento. o papel produzido a partir de pasta mecânica apresenta corpo. Pasta kraft <kraft pulp> .

Máquina de discos que produz a pautação do papel com linhas horizontais e verticais. Ver também: Pauta <ruling>. Pasta sulfato <sulfate pulp> . polpa semiquímica. após o cozimento.Polpa obtida por cozimento de cavacos de madeira dura em presença de soda cáustica. Ver também: Montagem da capa <case making>. de materiais ligno-celulósicos previamente tratados com reagentes químicos. Termo alternativo: polpa soda. Pautador <ruler> . Termo alternativo: polpa sulfito.Fibras fracamente ligadas à estrutura superficial do papel. sob pressão.{a} Profissional gráfico encarregado do trabalho de pautação. Pautado <ruled> . Pasta soda <soda pulp> . Pasta semiquímica <semichemical pulp> . {b} Instrumento empregado para traçar linhas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Papel impresso com linhas paralelas horizontais. Termo alternativo: riscador. madeira em presença de solução de hidróxido de sódio e sulfeto de sódio. Pasta quimimecânica .Polpa obtida por cozimento de cavacos de madeira em presença de ácido sulfuroso e um dos seus sais básicos (cálcio. obtida por desfibramento em pressão atmosférica. Termo alternativo: <to rule paper>. Pasta termomecânica <thermomechanical pulp> . Termos alternativos: <paper ruling machine>. Abreviatura: (CTMP). Ver também: Pautador <ruler>. Pasta sulfito <sulfite pulp> . Pastas <boards> . que se projetam da superfície.[1] <to rule> . Pasta quimitermomecânica .Relacionar os assuntos que serão publicados numa edição de jornal. pautadeira.Polpa produzida por cozimento químico brando dos cavacos de madeira. a fim de amolecer e remover parcialmente a lignina. após o cozimento.Ver: Pautadora <ruling machine>. atingindo o grau ROE de 10 a 28. em refinador de disco.Polpa obtida por tratamento de cavacos de madeira. Abreviatura: (CMP). Penugem <fluff> . usada na produção de cartão corrugado.Retângulos de papelão que formam a estrutura interna da capa dura de um livro encadernado. {c} Acessório que traça pautas em papel de escrever. os valores indicam pasta mais dura. seguido de desfibramento mecânico. Pautar .Polpa de materiais ligno-celulósicos previamente tratados com reagentes químicos. [2] <to schedule> . os valores indicam pasta mais dura. Termo alternativo: polpa termomecânica. magnésio ou amônio). sódio. Pautadeira .Polpa obtida por desfibramento em refinador de disco. Pautadora <ruling machine> . equivalente ao número de Permanganato (TAPPI) de 50 a 140. derivando uma pasta de alto rendimento.Imprimir pautas. Termos alternativos: pasta mecanoquímica <mechanico-chemical pulp>. Abreviatura: (TMP). Termo alternativo: polpa sulfato. Ver também: Pautadora <ruling machine>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas v a pasta química é classificada como semiquímica quando.Polpa obtida por cozimento de cavacos de . sob pressão. tubetes de bobina etc. fiapo 312 v a pasta semiquímica é classificada como mecanoquímica quando. pré-aquecidos com vapor saturado. Termos alternativos: felpa <fuzz>.

empregado na impressão de diplomas. {a} a permanência é uma propriedade relativa que depende do ambiente onde o papel é estocado e da sua composição química.Termo que designa a quantidade de papel. transporte. Ver também: Desperdício <waste>. <fluffing>. {c} Diploma ou certificado impresso em papel que lembra o pergaminho.Trajeto que uma folha ou tira de papel percorre através de uma impressora. Ver também: Celofane <cellophane>. na impressão e no acabamento. para adquirir a aparência do pergaminho. produzido por passagem do papel através de um banho de ácido sulfúrico. certificados. Perdidos . {c} Propriedade dos pigmentos empregados na formulação de tintas de impressão de resistir ao sangramento em presença de ácidos. Ver também: Pergaminho vegetal <vegetable parchment>. Termo alternativo: <imitation parchment>.Ver: Estrago <spoilage>. a permanência é avaliada através do amarelamento e da perda de resistência original (à dobra. Estabilidade <stability>. a máxima permanência é obtida com papéis feitos com fibras de celulose branqueadas e pH neutro ou ligeiramente alcalino. Permanência <permanence> .Fibras fracamente ligadas à superfície de um papel. Ver também: Durabilidade <durability>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Quantidade de papel. desperdiçada ou estragada durante as operações de manuseio. isento de produtos químicos residuais (soda. Pergaminho vegetal <vegetable parchment> .Alavanca que pode ser ajustada. para cima ou para baixo. Percurso do papel . Perda de papel <paper loss> . álcalis e outros produtos químicos. Pergaminho artificial <artificial parchment> . Ver também: Pergaminho vegetal <vegetable parchment>. cloro). expressa em quilos ou toneladas. em alguns mo- 313 v .Trajetória da tira de papel entre os dispositivos de uma impressora rotativa. Pergaminho artificial <artificial parchment>. impressão e acabamento. Termo alternativo: papiro <papyrus>. [2] <web path> . com elevada resistência à umidade. de estrutura fibrosa aleatoriamente formada. expressa em quilos ou toneladas.Papel à prova de gordura. tratado com ácido sulfúrico e lavado com amoníaco. Penugem/felpa <fuzz/fluff> . a fim de controlar a altura da pilha de papel numa impressora ofsete plana. <whiskers>.Papel translúcido. menus etc.) conforme norma TAPPI T453. Ver também: Pó <lint>.{a} Habilidade de um papel de imprimir de conservar suas propriedades durante a estocagem. Pésinho do alimentador <feeder foot> . produzindo acúmulo.{a} Papel fino e translúcido feito de pele bronzeada de ovelha ou cabra. a fim de fundir suas fibras numa massa homogênea que lembra o pergaminho. que são facilmente arrancadas por ação do tack da tinta ofsete e se fixam à blanqueta. {b} Propriedade de uma tinta de impressão que define a sua característica de retenção da força corante em função do tempo e da exposição à luz. ao rasgo etc. Perda de papel previsível <predictable paper loss> . {b} Papel fabricado com celulose pura. desperdiçada durante o acerto dos trabalhos ou nas paradas previstas. Pergaminho <parchment> .[1] <paper path> . Termo alternativo: papel-pergaminho <parchment paper>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas <linting>. por ser inevitável. lembrando a textura e a aparência marmori- zada do pergaminho vegetal. esta perda é cobrada do cliente.

Relação entre o formato e o peso de um papel cortado num formato maior ou menor do que o seu peso básico. Peso da embalagem . pH <pH> . Peso do toco <core strip weight> Quantidade de quilos de papel em bran- co que sobra numa bobina. isto é. descontado o peso do tubete.F. enquanto os succionadores (“chupetas”) levantam a primeira folha e a fazem avançar direção à mesa de alimentação. Peso básico <basis weight> .000 folhas de papel cortado em formato específico.Peso total de uma bobina de papel. Peso bruto <gross weight> . expressa em g/m 2 e n é o número de folhas. tal como a solução de molhagem ofsete.Peso equivalente a 1. o pésinho sopra ar para separar as folhas superiores da pilha. Picador <chipper> . incluindo a embalagem e o tubete. 314 Peso da capa <wrapper weight> Peso da embalagem de uma bobina de papel. Peso de caractere <character weight>. cujo valor é 7. pH neutro <neutral pH> . onde H + é a concentração de íons H + presentes na solução. negrito.Variação de caractere tipográfico: claro.Ver: Peso da capa <wrapper weight>. empregado como meio de descrever a gramatura do papel. Termo alternativo: peso da embalagem.Grau de acidez ou alcalinidade de uma substância ou solução.Instrumento que se presta a medir o pH de soluções aquosas. Peso do papel . Peso <weight> . chamado formato básico. Ver também: Gramatura <basis weight>. Termos alternativos: <font weight>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas delos de alimentador. tal como a solução de molhagem ofsete. nem ácida e nem alcalina. Ver também: Gramatura <basis weight>.g. <pressure foot>. dotado de facas que se projetam da sua superfície.Peso expresso em quilogramas de uma resma (500 folhas) de papel de um determinado tipo. o pH pode ser medido com tiras de papel indicador ou com instrumentos chamados pHmetros. Peso da manta <strip weight> Quantidade de quilos de papel em branco extraídos de uma bobina.Equipamento constituído de um disco rotatório de aço. Ver também: Acidez da solução de molhagem <fountain solution acidity>. Peso M <M weight> .n:1000. onde: F é o formato da folha expresso em m 2 . me-dido numa escala de 0 a 14. descontados a embalagem e o tubete. Peso comparativo <comparative weight> . redondo. g é a gramatura do papel. Termos alternativos: marrequinho. Peso equivalente <equivalent weight> . força <strength>. soprador <blower>. valores superiores a 7 indicam uma solução alcalina. cortado em formato padrão. Acidez do papel <paper acidity>.Termo que designa os pesos respectivos de um mesmo papel em dois formatos diferentes.Peso de uma bobina de papel. valores inferiores a 7 indicam uma solução ácida. Peso líquido <net weight> . matematicamente a acidez de uma solução é definida pela fórmula: pH = . incluindo as laterais (bolachas).Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . o valor 7 corresponde ao ponto neutro. usado para cortar toras de . peagâmetro. Termos alternativos: medidor de pH. pHmetro <pHmeter> . Ver também: Alimentador <feeder>.log 10 [H + ].Diz-se do grau de acidoalcalinidade de uma substância.

[1] <delivery pile> . Termo alternativo: <wash coating>. Pinça . Pilha . Termos alternativos: fio de picote. Picotagem . [2] <stack> . fio de picotar. picotadora. para o processo de costura de cola.[1] <cell> . durante as operações de montagem e limpeza das chapas e blanquetas. [2] <notch> . necessária para abri-lo nas 315 .Máquina que executa uma série de perfurações em impressos ou papéis. em pequenos incrementos. em prensa de colagem. Picote . para a produção de polpa de celulose. Termo alternativo: mesa de entrega <delivery table>.Parte da memória de um computador que serve para armazenar informações de caráter temporário. Termo alternativo: entalhe.Ver: Picotadeira <perforating machine>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Fazer avançar. Termo alternativo: lascador. [4] <perforation> . {b} Quantidade de papel empilhado ou removido da impressora de uma só vez.[1] <to inch> . Picotar .{a} Perfuração feita numa folha ou num bloco de papel para facilitar a separação manual.Pequeno corte feito na borda de um filme para propósitos de identificação e posicionamento. conferindo ao papel características de printabilidade superiores às de um papel ofsete.{a} Número máximo de folhas de papel que podem ser cortadas de uma só vez numa guilhotina. na lombada dos cadernos impressos. [2] <to perforate> . {c} Unidade informal de medida de quantidade de folhas impressas.Diz-se de uma folha ou bloco de papel que apresenta uma fileira de pequenos furos.Borda que se projeta além da margem de refilo de um caderno.Operação intermitente de uma impressora ofsete. Abreviatura: (perf). Ver também: Serrilha <perforation>.[1] <inching> . a fim de perfurar o papel durante o processo de impressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas madeira em cavacos. de maneira a permitir que se destaque facilmente a parte picotada. {b} Recorte denteado dos selos postais. a fim de facilitar o destacamento manual da parte perfurada. os cilindros de uma impressora ofsete durante as operações de montagem e limpeza das chapas e blanquetas. Picotadeira <perforating machine> . nas partes a ser destacadas. Termo alternativo: <pinking>.Pilha de papel impresso que se forma na saída de uma impressora ofsete plana ou numa folhadeira. perfuradora. Ver também: Perfurar <to punch>. Pilha de entrega . com uma camada de tinta em torno de 6 g/m 2 a 10 g/m 2 por face. Picotadora . [2] <perforating> . feito em máquina rotativa ou dobradeira.Operação que consiste em perfurar as partes de um produto impresso que serão destacadas. Picotado <perforated> . presa à fôrma tipográfica. Termo alternativo: <jog>.[1] <burst> .Conjunto de pequenos cortes ou perfurações. Ver também: Mão <hand>. serrilha <perforator>.Unidade de armazenamento de informações em sistemas computadorizados.Categoria de papel revestido em máquina. Termos alternativos: <paper perforating machine>.[1] <folio lap> . em pequenos incrementos. Pigmentado <film coating> . [2] <a lift> .Lâmina metálica dotada de pequenos segmentos cortantes.Executar a perfuração de um produto impresso. [3] <perforating comb> .Plataforma localizada na saída de uma impressora ofsete plana sobre a qual as folhas impressas são empilhadas. [3] <stack> .

podem causar rugas e fora-de-registro na impressão.Ver: Máquina de revestimento <coating machine>. Termos alternativos: dente. após a impressão. {b} Instrumento com que o tipógrafo retira da fôrma os tipos errados. <donut>. <track>. podem danificar a borda do papel e causar problemas na transferência para as próximas unidades. podem causar problemas de registro devido ao deslizamento do papel. [2] <pinholing> . Pintinha . <egg>. Ver também: Morcete <jaw>. com celofane ou outros suportes não-absorventes. quando irregulares ou desalinhadas. ou pequenas áreas não impressas circundadas pela tinta impressa <void hickey>. indesejável. marinheiro.Pequena área transparente. . com secagem acelerada ou em quantidade insuficiente. <dirt>. {b} Prendedor metálico que agarra a folha conforme esta é transportada através de uma impressora ofsete. quando excessiva. pegadeira.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <half-moon>. Pintinha mecânica <mechanical pinholing> . caroço. geralmente causada por uma partícula de poeira ou fiapo de tecido presa ao vidro da prensa de contato ou ao filme.Defeito que ocorre na impressão flexográfica. quando insuficiente. <spot>. <chip>. caracterizado pelo aparecimento de uma série de falhas no filme de tinta impresso devido 316 v a pegada das pinças deve ser ajustada de acordo com a espessura do papel. na emulsão revelada de um positivo ou negativo.[1] <pinhole> . chapas ou blanquetas durante a impressão ofsete. na forma de pequenos buracos ou vazios. <buck shot>. circundadas por um halo branco <doughnut hickey>. Termo alternativo: unha. Termos alternativos: badalhota.Imperfeição causada por sujeira. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas máquinas de acabamento.{a} Dispositivo de certas impressoras dotado de diversos prendedores que seguram as folhas e as transferem de um cilindro para outro. boi. Pinça da folha <gripper edge> Borda de uma folha de papel que é presa pelas pinças do cilindro de contrapressão de uma impressora ofsete plana. [3] <tongs> . Pinças do cilindro de contrapressão <grippers on the impression cylinder> Conjunto de pinças localizado no cilindro de contrapressão de impressora ofsete planas cuja função é conduzir as folhas até o ponto de contato com a blanqueta e. vazio <void>. de modo a compensar a abertura em leque do papel. transferílas para as pinças do cilindro de transporte. em alguns sistemas. no trabalho de emenda. <feather>. Pintadora <coater> . bolhas ou partículas que impedem a formação de uma película contínua. causado por uma tinta com viscosidade inadequada.Problema que ocorre na impressão flexográfica caracterizado pela reprodução de um filme de tinta incompleto com o mesmo padrão com a mesma textura do rolo anilox. Pinta <hickey> . {c} Borda de referência do leiaute. Ver também: Casca de tinta <ink hickey>. causadas por pó.{a} Utensílio em-pregado pelo tipógrafo para transferir os tipos da caixa para a fôrma tipográfica. tinta seca ou outra partícula indesejável que adere aos rolos. que corresponde à borda da folha segura pelas pinças de uma impressora. da base de montagem ou da chapa de impressão. Pintinha química <chemical pinholing> . unha.Falhas visíveis no filme de tinta impresso. as pintinhas aparecem em forma de pequenas áreas sólidas impressas. [2] <gripper> . Ver também: Pontos faltantes <missing dots>. as pinças podem ser ajustadas para formar um arco côncavo ou convexo. Vazios <spots>.

seguida de enrolamento em espiral da porção delaminada. causada por deficiência na distribuição da tinta. sobre uma folha impressa. excesso de tinta. Plastificadora <laminator> . {b} Problema que ocorre no processo de laminação com OPP quando o suporte sofre variação dimensional devido a oscilações de umidade. num dado momento. porém não há adesão do filme ao suporte. Pó . sob calor e pressão. o suporte sofre contração e causa rugas no filme.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Laminação <lamination>. holográficos etc. inadequação da tinta ao papel ou emulsionamento excessivo de água em tinta. a fim de protegê-la e melhorar-lhe a aparência. Ver também: Plastificação <film laminating>.{a} Nivelamento do papel. Pirulito <cigarette roll> . Termos alternativos: esbabado. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas à cobertura incompleta causada por uma tinta que apresenta tensão superficial elevada. Planura <flatness> . iridescentes. causado pelos gases produzidos no processo de secagem das tintas. <wicking>.Arte ou técnica de imprimir a partir de uma matriz plana.Delaminação do papel.Partículas de 317 . Piping .Diz-se de um papel ou cartão que recebeu um filme plástico. Termo alternativo: planura do papel <paper flatness>. com a finalidade de conferir-lhe características de proteção e acabamento estético. nos pontos de fraca adesão entre este e o suporte. a fim de conferir-lhe proteção e melhorar a aparência estética. rugas e bordas esticadas ou frouxas no papel. causada por deficiência de colagem superficial do papel ou por uma tinta cujo tack é excessivo. por contato direto ou indireto com o suporte. Planografia . Plastificado <laminated> . Termo alternativo: <surface-printing>.{a} Irregularidade observada nas bordas de textos ou nos contornos de imagens impressas. num segundo momento. o processo de aplicação a frio é conhecido por laminação. Termo alternativo: gravura em plano <planographic print>. perolados. sobre a superfície do papel. v os filmes plásticos utilizados no processo de plastificação podem ter acabamento brilhante ou fosco. indicando má qualidade da colagem superficial do suporte. a fim de aumentar-lhe a resistência ou para fins estéticos.. {b} Espalhamento lateral de uma tinta à base de água.{a} Máquina que aplica um revestimento plástico sobre o papel.[1] <dust> . [2] <planography> . sob calor e pressão.Aplicar um filme plástico a um papel ou cartão impresso.{a} Problema que ocorre no processo de laminação com filme de OPP (polipropileno orientado) sobre suportes não-revestidos. uma alternativa para os filmes de polietileno e polipropileno são os filmes metalizados. o pirulito geralmente danifica as blanquetas ofsete. Plastificar <to laminate> . Planura do papel <paper flatness> Ver: Planura <flatness>. este problema pode ser resolvido adicionando-se um agente tensioativo à tinta. e emprega adesivos em vez de calor e pressão. deixando um vazio (oco) na região da ruga. {b} Empresa que presta serviços de plastificação. {b} Ausência de ondulações.[1] <planograph> Impresso obtido a partir de uma matriz plana. Plumagem <feathering> . Plastificação <film laminating> Processo de aplicação de um filme plástico. o suporte volta à sua condição original e a região enrugada do filme é estendida.

poeira. {b} Habilidade de uma tinta de cobrir completamente o suporte e produzir uma imagem opaca e uniforme. Pó antimaculante . geralmente expressa em m 2 / kg ou pé 2 /galão. presso. Termos alternativos: felpa <fuzz>. contamina a graxa que lubrifica a corrente do tira-folhas e prejudica as operações de envernizamento. resultante da rápida absorção do veículo da tinta pelo papel ou devido a secagem lenta da tinta. Ver também: Amido <starch>. <spray powder>. chamadas monômeros.Ver: Pó antidecalque <antisetoff spray>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas papel acumuladas nas áreas de contragrafismo de uma blanqueta ofsete. plastificação. Termos alternativos: capacidade de cobertura <hiding power>. Poder de cobertura <covering power> . Pó antirrepinte .Fibras ou partículas.Ver: Pó <lint>. <staining powder>. visto que reduz o brilho do filme de tinta impresso. {b} Condição na qual a tinta torna-se pulverulenta. Poeira . Polimerização oxidativa <oxidative 318 v o uso de pó antidecalque é indesejável. espalhadas sobre as folhas impressas. Ver também: Cobertura <mileage>. algumas tintas de impressão secam por polimerização (reação química entre o ligante da tinta e o oxigênio do ar). Termo alternativo: pó de refilo. que são arrancadas por ação do tack da tinta e acumulam sobre as chapas e blanquetas ofsete. calor ou luz.[1] <chalking> . [2] <slitter dust> . sem ligante suficiente para unir as partículas de pigmento. Termo alternativo: pulverulência da tinta <ink chalking>.Pequenas partículas de fibras ou de revestimento que se desprendem do papel. Polimerização <polymerization> Reação química em cadeia que geralmente ocorre em presença de catalisadores. prejudicando a qualidade de impressão. pó antirrepinte. pó antimaculante.{a} Falta de adesão de uma tinta ofsete à superfície impressa. mal fixada ao papel. na qual um grande número de moléculas relativamente simples. fracamente ligadas à superfície do papel. Opacidade <opacity>. freqüentemente sob pressão. combinam-se para formar uma cadeia macromolecular (polímero) com diferentes propriedades físico-químicas. [2] <lint> . durante a impressão.[1] <cutter dust> Pequenas partículas de fibras destacadas durante o corte do papel. Pó de refilo . [2] <crocking> .Ver: Pó antidecalque <antisetoff spray>. Termo alternativo: <powdering>. Ver também: Pó de corte <cutter dust>. produzindo sobre o suporte um filme sólido.Condição na qual uma tinta impressa mancha ou risca facilmente.Ver: Pó de corte <cutter dust>. laminação etc. durante o corte. riscando facilmente. Podragem . aderindo às bordas das folhas e bobinas por ação eletrostática e. Termos alternativos: <antioffset spray>. a fim de evitar o contato direto da tinta com o verso de outra folha na pilha de entrega de uma impressora ofsete. acumulam na superfície das blanquetas ofsete. suja o cilindro de contrapressão e a blanqueta na impressão do verso da folha. Pó de corte .{a} Habilidade de uma lente foto-gráfica de formar uma imagem bem definida e em foco. Ver também: Pulverulência <crocking>. penugem <fluff>. Pó antidecalque <antisetoff spray> Partículas de amido finamente divididas (15 a 65 microns).Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Empoeiramento <dusting>. prejudicado a qualidade do im- .

[2] <chemical pulping> . em presença de secantes de cobalto e manganês (chamados iniciadores ou catalisadores). tal como o papel imprensa. novos ou velhos. os processos mais utilizados são denominados processo sulfato (também conhecido por processo kraft).Método de obtenção de pasta para a fabricação de papel através de refinação de cavacos de madeira. em refinadores de disco. Termo alternativo: pasta de madeira. Termo alternativo: óxido-polimerização <oxidation-polymerization>. cujo propósito é remover a lignina e a hemicelulose. Polpa mecânica refinada <refined mechanical pulp> . sob pressão e temperatura elevadas. Polpa <pulp> .Processo de conversão de cavacos de madeira em pasta para a fabricação de papel através de cozimento químico. para uso na fabricação do papel. Termo alternativo: pasta de trapo. num digestor contínuo. natural ou em cores. cavacos. lascas. que emprega soluções alcalinas e sulfato de sódio. pasta mecânica.Processo ininterrupto de produção de pasta de papel. Polpa moldada .Pasta obtida por desintegração de trapos de linho ou algodão. utilizada para produzir papéis de categoria inferior. Termos alternativos: <groundwood pulp>. previamente tratados quimicamente. Polpa de madeira <wood pulp> Pasta produzida a partir de troncos. em vez de pressionar a madeira contra uma pedra abrasiva. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas polymerization> . Abreviatura: (RPM). e o processo sulfito.Pasta altamente refinada utilizada para produzir os papéis de melhor qualidade.[1] <chemical pulp> Pasta obtida da madeira ou outras fontes vegetais.Produto obtido a partir de pasta química ou mecânica. em presença de água. serragem. óleo de soja etc. Polpa de trapo <rag pulp> . a fim de aumentar a permanência do papel. Termo alternativo: pasta. que utiliza ácido sulfuroso e calcário para produzir bissulfito de cálcio. Termo alternativo: pasta mecânica refinada. derivando um produto mais alvo com menor 319 . ledger. Polpa mecânica <mechanical pulp> Pasta produzida a partir de troncos de madeira descascados e moídos. Termo alternativo: pasta mecanoquímica. empregando pressão e calor para extrair os constituintes da madeira. e posterior branqueamento das fibras.O mesmo que polpa semiquímica. aparas e fatias de madeira. moídos ou retalhados. papéis de escrever e outros papéis que precisam ter permanência. Polpa alfa <alpha pulp> .Reação de vernizes derivados de óleos secativos (óleo de linhaça. Polpa contínua <continuous pulping> . liberando a celulose para a fabricação do papel.) com o oxigênio do ar.Pasta produzida por passagem dos cavacos de madeira através de um refinador de disco.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Substância produzida por processos mecânicos e/ou químicos a partir de materiais contendo fibras de celulose. a fim de liberar a celulose. pasta contínua. Termo alternativo: pasta química. branqueada ou não. Ver também: Extração da polpa <pulping>. Polpa química . Termos alternativos: <batch digester>. usada principalmente na fabricação de papéis premium bond. Polpa uimiotermomecânica emithermomechanical pulping> . Ver também: Polpa semiquímica <semichemical pulp>. que ocorre durante a secagem de alguns tipos de tintas ofsete. tratada por cozimento ou digestão química. Polpa mecanoquímica <mechanicochemical pulp> . incluindo ou não aparas.

Termo alternativo: pasta sulfito.Faixa formada no ponto de contato entre dois cilindros de uma impressora. Termos alternativos: pasta semiquímica. produzida por cozimento químico brando dos cavacos. Termos alternativos: <drag>. o deslizamento ocorre devido a diferenças de velocidade superficial entre as duas superfície em contato. Termo alternativo: pasta termomecânica. que se repetem sempre na mesma posição. <printing nip>. ao contrário das estrias de engrenagem.Pasta produzida por passagem de cavacos de madeira préaquecidos através de um refinador de disco. sódio. magnésio ou amônio).Termo empregado na rotogravura para designar o plano formado no ponto de contato entre o rolete de contrapressão e o cilindro de impressão. o defeito causado no impresso tem forma de listras (estrias). Termo alternativo: pasta soda. Ponto corrido . polpa mecanoquímica <mechanico-chemical pulp>. Termo alternativo: pasta sulfato. Ver também: Rolo de contrapressão <impression roller>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Prolongamento alongado dos pontos impressos causado por deslizamento entre duas superfícies. Ponto de retícula <screen dot> Ponto de retícula de meio-tom gerado por contato. v em diferenças de diâmetro ou de pressão entre os rolos entintadores e a chapa.. representa a máxima quantidade de tinta transferida. Polpa sulfato <sulfate pulp> . Termos alternativos: <impression nip>.Pasta de alto-rendimento. a chapa e a blanqueta ou a blanqueta e o cilindro de contrapressão de uma impressora ofsete. Polpa termomecânica <thermomechanical pulp> . Abreviatura: (CTMP). <draw>. [3] <nip> . Ponto crítico <critical point> . utilizada na fabricação do papel. tubetes e embalagens. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas quantidade de lascas do que a pasta termomecânica.Ponto que. Ver também: Retícula de meio-tom <halftone screen>.Pasta produzida por cozimento de cavacos de madeira dura em presença de soda cáustica. Polpa sulfito <sulfite pulp> . Polpa semiquímica <semichemical pulp> .[1] <flat> . <slurring>. utilizada na fabricação do papel. <nip point>.Pasta química produzida por cozimento de cavacos de madeira em presença de solução de hidróxido de sódio e sulfeto de sódio. seguido de fibrilação em refinadores de disco. [2] <metering nip> . linha de contato.Linha de contato entre dois rolos ou dois cilindros de uma impressora ou outro equipamento. Ponto oco <hollow dot> . <impression zone>. utilizada na fabricação de papelão corrugado. Ponto de meio-tom <halftone dot> Ponto de retícula que corresponde à menor subdivisão de uma imagem após o processo de reticulagem. Polpa soda <soda pulp> . através de laser ou por uma impressora digital. Abreviatura: (TMP). para amolecimento e remoção parcial da lignina. na curva de transferência da tinta para o papel. em posições aleatórias da folha.[1] <dot slurring> Defeito de impressão caracterizado por pontos de meio-tom alongados. <point of contact>.{a} De- 320 .Pasta química produzida por cozimento de cavacos de madeira em presença de ácido sulfuroso e um dos seus sais básicos (cálcio. Ponto de contato . [2] <slur> . ou a máxima densidade obtida com uma determinada quantidade de tinta.

papéis . mais rápida a absorção. Porta-bobinas auxiliar <auxiliary roll stand> . aumentando o risco de ocorrer atravessamento.[1] <breaks> Defeito que ocorre na impressão ofsete caracterizado por pontos de meio-tom incompletos resultante da falha na transferência da tinta da chapa para a blanqueta ou da blanqueta para o suporte. que apresentam porosidade elevada tendem a absorver profundamente as tintas. {b} Vazio produzido no centro dos pontos de retícula de meio-tom. Emendador de bobinas <splicer>. deixando o centro do ponto branco. Ver também: Densômetro <densometer>. causado por formação de um menisco côncavo na superfície da tinta contida no interior das células de um cilindro rotogravura.Mecanismo de alimentação de impressoras rotativas que comporta a bobina de papel e permite fazer a preparação da emenda de uma nova bobina durante a impressão. Ver também: Absorvência <absorbency>.Aparelho de laboratório que se presta a medir a porosidade de um papel através do fluxo de ar que passa através da folha. Pontos quebrados . Ver também: Flocos de neve <snowflaking>. [2] <speckle> . Vazios <spots>. {b} Diz-se de um papel ou cartão que absorve líquidos por capilaridade.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <skips>. a porosidade pode ser avaliada com equipamentos chamados densômetros ou porosímetros. Porosidade do suporte <porosity of substrate> Ver: sidade<porosity>. Ver também: Electroassist <electrostatic assist>.Mecanismo de alimentação de 321 v a porosidade do papel governa a velocidade de absorção das tintas e da água aplicada durante o processo de impressão. Porosímetro <porosimeter> . Porosidade Sheffield <Sheffield porosity> . Termos alternativos: flocos de neve <snowflaking>. Poroso <porous> . porém. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas feito de impressão causado por acúmulo de partículas sobre a superfície de uma blanqueta ofsete. sob condições padronizadas. Pontos faltantes <missing dots> Defeito de impressão que ocorre no processo rotogravura devido à falta de contato entre o suporte e a tinta contida no interior das células gravadas. Ver também: Porosímetro Sheffield <Sheffield porosimeter>. Porosímetro Sheffield <Sheffield porosimeter> . quanto menor a porosidade. <speckle>. maior a probabilidade de ocorrência de decalque e bolhas.Porosidade de um papel ou cartão medida com um porosímetro Sheffield. Porosidade <porosity> . expressa através da taxa de fluxo de ar que passa através de uma superfície especificada. Ver também: Alimentador <feeder>. aliviando a pressão no contorno dos traços e produzindo um vazio no centro dos pontos impressos. quanto maior a ação capilar do papel.Defeito que ocorre na impressão rotogravura causado por irregularidades superficiais do papel. nas áreas de meiotom.Propriedade de um papel ou cartão de permitir a permeação do ar e a penetração dos constituintes mais fluidos da tinta. tais como papéis e cartões. apenas a tinta das bordas da célula é transferida para o suporte. maior a ancoragem da tinta.{a} Que tem porosidade.Equipamento destinado a medir a porosidade de materiais porosos. prejudicando o contato com a tinta do interior das células. além da tendência ao encanoamento e à variação dimensional. Porta-bobinas <roll stand> . Ver também: Pintinha <pinholing>.

incluindo a captura e o tratamento de imagens. de retoque e imposição necessários à produção de positivos limpos para gravação e cópia de chapas e cilindros de impressão. [2] <cover nipper> . tais como: cartões resposta comercial. incluindo o desenho e o leiaute. ou após o processo de secagem através de calor. a fotografia.[1] <preliminary departments> . livros ou jornais.{a} Termo que se aplica a todo material impresso inserido em revistas. Pré-impresso <reprinted> .Processo de preparação da arte-final e montagem de páginas. na qual os livros encadernados são prensados. exigindo barras diagonais para desviar a tira de papel em direção às unidades de impressão. tal como: acabamento. {b} Trabalho de gravação de cilindros destinados à impressão de materiais pré-impressos. a composição.Seção da alimentadora de capas de uma linha de encadernação em lombada quadrada. [2] <prepress> . 322 Pregas .{a} Defeito do papel caracterizado por pequenas irregularidades causadas por absorção desuniforme de umidade. Prensa . Pré-impressão digital <digital prepress> . <tandem roll stand>. no processo digital.Mecanismo de alimentação de impressoras rotativas que permite imprimir duas bobinas consecutivamente. onde a capa é dobrada e presa em torno da lombada do livro ou revista. {b} Aglomerados de fibras formados no tecido de uma tela serigráfica.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . produzir os filmes de seleção a partir dos quais as chapas são copiadas. Termo alternativo: <pre-print>. bem como a confecção de provas e a geração de fotolitos. a reprodução. Porta-bobinas duplo <dual roll stand> . Pós-tack <after-tack> . Termo alternativo: <postpress>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas impressoras rotativas que permite a preparação da emenda de uma nova bobina enquanto outra está sendo impressa. Ver também: Bordas onduladas <wavy edges>.Setores envolvidos nos processos fotográfico. conversão e uso final de um produto impresso. [3] <mill> .[1] <cockles> . a fim de promover a secagem rápida do adesivo. Pré-impressão .[1] <building-in machine> .Pegajosidade que permanece no filme de tinta impresso depois que a secagem deveria ter ocorrido. [2] <cockling> .Rolo de aço que recebe e transfere um desenho. ficha de inscrição etc. Termos alternativos: <double-roll stand>. Pós-impressão <post-printing> Diz-se de qualquer operação que ocorre após o processo de impressão. através de pres- . para ser complementado posteriormente. partindo do original.Dispositivo do sistema de alimentação de bobinas de certas impressoras rotativas cuja função é fixar o eixo das bobinas na posição. Prendedor do eixo da bobina <roll shaft hold down> . {b} Termo genérico empregado para designar as etapas necessárias para. através de sistemas digitais. Porta-bobinas lateral <side roll stand> .Ondulação que ocorre na superfície do papel quando este é exposto ao ambiente da sala de impressão cuja umidade relativa é diferente da umidade relativa do papel.{a} Conjunto de processos que antecedem a impressão.Mecanismo de alimentação de impressoras rotativas montado a 90° em relação ao alinhamento da impressora.Máquina dotada de dispositivos de aplicação de calor e pressão. estas etapas são realizadas em sistemas computadorizados. a montagem e a cópia das chapas.

secar. utilizada em processos de estampagem e douração de capas de livros. {c} Caixilho de impressão. {b} Antiga designação dos prelos e das máquinas impressoras. alimentado manual ou automaticamente. o papel ainda conserva cerca de 80% a 85% de umidade.Parte de uma máquina de encadernação onde os livros sem costura são pressionados na lombada. algumas impressoras rotativas são equipadas com cilindros de corte-e-vinco em-linha.Ver: Prensa de gofrar <embosser>. 323 v após passar pela prensa de sucção. Termo alternativo: <blocking press>. [4] <nipper> . [7] <smasher> . principalmente na impressão de etiquetas auto-adesivas. a fim de reduzir-lhe a espessura da lombada. Prensa alisadora <calender> Conjunto de cilindros da máquina de fabricar papel. Prensa a quente <hot-press> . destinados a alisar e uniformizar as duas faces da tira. alimentadas manualmente. Termo alternativo: <hot press>. prensar. Prensa de aparas <wastepaper baling press> . Termos alternativos: prensa de gofragem.Prensa que imprime os dois lados da folha numa única passada.Prensa especialmente construída para estampar capas de livros encadernados através de calor e pressão.Mecanismo de compressão utilizado para pressionar os livros. utilizado para fazer a gofragem do papel. Prensa de sucção <couch roll> Dispositivo constituído de um cilindro perfurado acoplado a um sistema de vácuo. prensa de estampagem <embossing press>. ou equipamentos totalmente automatizados. Prensa de corte-e-vinco <diecutting press> . Ver também: Impressora reversível <reversible press>. Prensa de branco. especialmente desenvolvidos para esse fim. v as prensas de corte-e-vinco incluem máquinas tipográficas adaptadas.Equipamento que pressiona a chapa de corte-e-vinco contra o suporte. [2] <stamping press> . Ver também: Cilindro de gofragem <embossing cylinder>. de superfície lisa.{a} Prensa que emprega moldes aquecidos.Par de placas que pressionam a capa dura de um livro durante a fase de endurecimento do adesivo. como um cilindro de estampagem de tecidos <calico printing> ou uma chapa de talho-doce <banknote printing>. impressão e acabamento. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas são. Ver também: Impressora <printing press>.{a} Qualquer mecanismo de compressão empregado para dobrar. Prensa de polpa <pulp grinder> Ver: Desfibrador <grinding stone>. localizado ao final da tela plana da máquina de fabricar papel.Equipamento que faz o enfardamento das aparas provenientes dos processos de refilo. Termo alternativo: <perfector>. estampar ou entintar livros encadernados. Prensa de estampagem . Prensa de retiração <perfecting press> . molde e contramolde. antes da seção de prensa. . {c} Máquina que aplica calor e pressão para produzir uma superfície lisa no papel. [6] <press> . [5] <nip-ping station> . que auxilia a remoção de água do papel em formação. {b} Prensa utilizada na estereotipia para matrizar flãs.[1] <embossing press> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Prensa de gofrar <embosser> Equipamento constituído de dois cilindros. utilizado principalmente na produção de embalagens de cartão. Termo alternativo: máquina de impressão <printing machine>. Papel gofrado <embossed paper>.

e a mistura com materiais não-fibrosos em pro-porção adequada. {b} Força aplicada ao papel conforme é comprimido entre as blanquetas de uma impressora rotativa ofsete. Termo alternativo: telista. Termo alternativo: impressor <printer>. {c} Ação exercida sobre uma folha de papel pela prensa tipográfica no momento da impressão.[1] <impression> . [2] <pressman> . Termo alternativo: <wet press>. [5] <smashing> .Profissional gráfico encarregado da operação de uma prensa tipográfica.Operação anterior à impressão. compacta o papel e deixa as fibras em íntimo contato. melhorando a ligação entre elas e a resistência do papel. ocasionalmente causando o enrugamento do papel ao longo da lombada. Pressão . Termo alternativo: sistema de pré-registro <pin registering system>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Prensagem . Ver também: Pressão chapa–blanqueta <plate-to-blanket squeeze>. Pré-refile <paper cutting> . v este processo nivela a distribuição de umidade.[1] <presser> . auxiliado pela coincidência entre os furos ou as marcas com pinos de registro ou marcas nas prensas de contato e na fotorrepetidora. [4] <pressing> . ou com pinos ou marcas nos cilindros da chapa das impressoras.Papeleiro que trabalha na parte úmida da máquina de fabricar papel. [2] <squeeze> . causado pela costura. enquanto o termo <smashing> é geralmente empregado para papéis macios. Pré-registro <pin registering> Método que consiste em perfurar as chapas ofsete. a fim de adequar o tamanho e acertar o esquadro das folhas. cuja função é remover água do papel através de sucção. 324 Prensa úmida <press section> Dispositivo constituído de dois cilindros. durante a secagem do adesivo. .Compressão entre duas superfícies de um sistema de impressão. essa pressão é função das alturas das blanquetas em relação às guias dos respectivos cilindros. Pressão de impressão <squeeze>. mais a espessura do papel. Preparação da massa <stock preparation> . após a costura. após a operação de costura.{a} Compressão necessária para transferir a tinta da matriz para o suporte.Operação de acabamento que consiste em comprimir e prender a lombada dos livros ou cadernos.Tratamento e modificação das fibras de celulose. a fim de tornálas adequadas à fabricação do papel. através de um sistema padronizado de furação.Operação de prensar.[1] <building-in> Operação de acabamento que consiste em pressionar o livro encadernado entre placas aquecidas. a fim de remover o excesso de ar e reduzir o volume da lombada.Operação de acabamento que consiste em prensar o bloco dos livros. de modo que cada uma das cores seja copiada e impressa em registro. a refinação. v o termo <nipping> costuma ser empregado para papéis rígidos. [3] <nipping> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . principalmente em trabalhos cuja imposição é tira-e-retira-tombando. Pressão de contrapressão <back pressure>. especialmente com papéis de baixo corpo. que consiste em aparar as bordas do papel. incluindo a dispersão. [2] <crushing> . Prensista . Termo alternativo: <trimming>. a fim de comprimir as páginas e expulsar o ar armadilhado entre elas. a uma distância pré-determinada da pinça. localizado logo após a tela plana da máquina de fabricar papel. influenciando o corpo e o acabamento. o papel torna-se mais liso. ou traçar marcas nas bordas laterais da chapa.Amassamento que ocorre durante a operação de arredondamento da lombada de um livro encadernado.

isto inclui a pressão entre a chapa e a blanqueta e a pressão entre a blanqueta e o cilindro de contrapressão. suporte. Pressão a seco <dry dusting> . e altura menos distância entre as guias. nas impressoras que trabalham com as guias em contato.Quantidade de força necessária para trazer os cilindros da chapa e da blanqueta de uma impressora ofsete em contato. pressão do cilindro de contrapressão <impression cylinder pressure>. a fim de remover o excesso de pó antidecalque aplicado durante a impressão do primeiro lado. [2] <preloaded pressure> . [3] <printing pressure> . nas máquinas que trabalham sem contato v é possível expressar numericamente a quantidade de pó desprendido pelo papel a partir das partículas presas à blanqueta ofsete. a relação entre as duas densidades estabelece o nível de contaminação. Pressão de contrapressão <back pressure> . removendo-se as partículas de uma pequena região da blanqueta com uma tira de fita adesiva. ou através das alturas da chapa e da blanqueta menos a distância entre as guias numa impressora que trabalha sem contato de guias. Ver também: Pressão de impressão <printing pressure>. partículas soltas na superfície do papel e outras impurezas. necessária para a transferência da imagem entintada da blanqueta para o 325 . Pressão chapa–blanqueta <plate-toblanket squeeze> .Força. Termos alternativos: pressão de contrapressão <back pressure>. Termos alternativos: pressão de impressão <impression pressure>. [4] <squeeze> Compressão entre os cilindros da chapa e da blanqueta de uma impressora ofsete. expressa em quilogramas por centímetro quadrado.[1] <impression pressure> . quando os cilindros são calçados de acordo com as recomendações do manual de operação da máquina.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Força de contato entre o cilindro da blanqueta e o cilindro de contrapressão de uma impressora ofsete. Ver também: Contrapressão <impression cylinder pressure>. Guias em contato <bearer-to-bearer>. e medindo-se a densidade de reflexão da área limpa e de uma área contaminada. Pressão de impressão . ou através das alturas em relação às guias dos cilindros menos a distância entre as guias (em impressoras que trabalham com as guias desencostadas). sob pressão e sem água. necessária para transferir a imagem entintada da matriz para o suporte.Compressão entre os cilindros de chapa e blanqueta. Pressão de guia <bearer pressure> Força de contato entre as guias dos cilindros da chapa e da blanqueta ou blanqueta–blanqueta de uma impressora ofsete.{a} Força aplicada entre os cilindros da blanqueta e de contrapressão de uma impressora ofsete. expressa pela altura da chapa e da blanqueta em relação às guias dos respectivos cilindros.Operação de passagem preliminar das folhas a ser impressas através de uma impressora ofsete. Pressão <impression>. necessária para transferir a imagem para o suporte. {b} O mesmo que contrapressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas v a pressão de impressão é definida através das alturas da chapa e da blanqueta em relação às guias dos respectivos cilindros (em impressoras com guias em contato). no processo ofsete (litografia). necessária para manter a pressão de impressão consistente. Pressão chapa-blanqueta <plate-to-blanket squeeze>. expressa através das alturas da chapa e da blanqueta em relação às guias dos respectivos cilindros numa impressora ofsete que trabalha com as guias em contato. Ver também: Guia <bearer>.

eletrografia. Processo de impressão <printing process> . Pressão leve <kiss impression> A mínima pressão necessária para a transferência adequada da tinta da matriz para o suporte.). o mesmo valor deve ser adotado para a pressão de contato entre os cilindros de contra-pressão e da blanqueta. Pressão ideal (ideal pressure> . Ver também: Pressão excessiva <excess pressure>. Termo alternativo: imprimibilidade. dependendo das características superficiais do suporte e da compressibilidade da blanqueta. ou do rolo anilox de uma impressora flexográfica para a matriz de impressão. Processo de impressão a seco <waterless printing process> . evitando os problemas de 326 . pintas. magnetografia e termo-transferência.Ver: Pressão de contrapressão <back pressure>. valores inferiores prejudicam a transferência da tinta para o papel. Problema superficial <surface problem> . flexografia. ionografia. causando distorção na reprodução dos pontos ou tensionamento anormal do papel.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . v nas impressoras ofsete. manchas e outros. Processo de impressão a quatro cores <four-color printing process> . os principais processos convencionais de impressão compreendem: ofsete. adesivo etc. sem que ocorra ganho-de-ponto ou impressão lavada.Ver: Quadricromia <four-color process>. eletrofotografia. {b} Conjunto de características de qualidade que realçam a reprodução de um original por qualquer processo de impressão.Pressão de contato entre a chapa e a blanqueta ou blanqueta–blanqueta de uma impressora ofsete.{a} Conjunto de atributos dos papéis e das tintas de impressão relativos à qualidade do produto impresso. furos. Printabilidade <printability> . da velocidade do cilindro e do ângulo da lâmina (> 70°).Defeito da superfície de um papel.Força que a racle exerce sobre a superfície de um cilindro rotogravura. as chapas e as blanquetas devem ser calçadas com folhas de papel ou plástico calibradas. Pressão do cilindro de contrapressão <impression cylinder pressure> . tipografia. a fim de remover a tinta e compensar a contrapressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de guias. que reduz a qualidade do produto impresso. Pressão ideal <ideal pressure>. Ver também: Pressão de impressão <printing pressure>. tal como ciscos.Método de impressão ofsete que dispensa a necessidade de água. serigrafia. visto empregar chapas especiais.08 mm e 1. resultando numa impressão lavada. valores superiores causam ganho-de-ponto excessivo.2 mm. Pressão de racle <squeegee pressure> . ponto corrido.Método de reprodução de matéria escrita e ilustrada em quantidade. os principais processos de impressão sem-impacto incluem: jato de tinta. Procedimento de amostragem de recebimento <acceptance sampling plan> Norma escrita que indica os critérios de amostragem e avaliação de um lote de material (papel. Ver também: Pressão de impressão <printing pressure>.A mínima pressão de impressão necessária para transferir a tinta para o suporte. Pressão excessiva <excess pressure> . de modo que a pressão de contato resultante encontre-se no intervalo entre 0. arrancamento de partículas do papel e outros problemas. rotogravura. tinta. cujo valor é muito elevado. Termo alternativo: <kiss pressure>. dependendo da viscosidade.

Técnica de impressão sem-impacto na qual o papel. Ver também: Flexografia <flexography>. sem impacto. são fundidas a 150°C. uma cor por vez. e aumentando a qualidade de impressão. constituído de uma camada-base condutiva. a imagem é revelada com uma nuvem de partículas de toner (8 a 20µ) que. a imagem latente sobre o papel recebe um toner semelhante àquele usado nos dispositivos de cópia eletrostática. a revelação é feita com um toner. cartão.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . as moléculas carregadas de gás são moduladas por sinais digitais. que emprega magnetismo para criar uma imagem latente sobre uma superfície metálica. sobre papel especial. é revestido com material termoplástico não-condutor. incluindo papel. o feixe de luz é modulado de acordo com os sinais digitais recebidos de um sistema compu- . plásticos. {c} Processo xerográfico indireto que usa uma fonte laser para transferir uma imagem digital para uma superfície intermediária (tambor fotocondutor). característicos do processo ofsete convencional. o qual é fundido no suporte. Processo de impressão dielétrico <dielectric printing process> . tadorizado. Processo de impressão magnetográfico <magnetographic printing process> Método de impressão sem impacto. a partir de arquivos digitais. sem impacto. Impressão flexográfica <flexographic printing>. produzindo uma imagem latente sobre o fotocondutor. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas emulsionamento de água em tinta. para depois imprimir o suporte. um conjunto de eletrodos aplicam uma carga elétrica nas áreas do suporte correspondentes à imagem original. indireto.{a} Método de impressão sem impacto que usa uma tinta líquida ou seca (toner) para formar uma imagem diretamente sobre um suporte. Ver também: Tinta dielétrica <dielectric ink>. e a exposição do original é feita através de um sistema óptico. nas áreas de grafismo. cuja imagem latente é revelada com uma tinta líquida volátil que é absorvida pelo suporte. tecidos e laminados. que emprega um tambor (cilindro dielétrico) para formar uma imagem latente através de íons (sem luz). Processo de impressão flexográfico <flexographic printing process> Técnica de impressão que emprega uma matriz constituída de borracha ou fotopolímeros. após carregada. o papel é coberto com uma camada fotocondutiva. impressão eletrográfica <electro-graphic printing>. o qual é transferido e fixado no suporte por fusão. Termos alternativos: eletrografia <electrography>. a revelação é feita com toner seco. celofane. a qual é fixada no cilindro de uma impressora rotativa e entintada com tintas líquidas. os quais são pressionados contra o clichê.Método indireto de impressão. a partir de arquivos digitais. atraindo o toner apenas nas áreas de grafismo. {b} Método que emprega um scanner a laser para imprimir imagens diretamente a partir de um computador digital. Processo de impressão eletrográfico <electrographic printing process> Método direto de impressão. que recebe uma carga elétrica. a partir de fotolitos ilegíveis. Processo de impressão eletrofotográfico <electrophotographic printing process> . e esta é dissipada das áreas de contragrafismo quando iluminada. a qual é levada em contato com 327 v {c} o tambor (cilindro) é carregado com carga elétrica. Processo de impressão ionográfico <ionographic printing process> . gravada em alto-relevo. imprimindo diretamente sobre uma variedade de suportes. após a transferência para o suporte.

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

um toner atraído por forças magnéticas, depois transferidos e fundidos no suporte. Ver também: Impressão magnética <magnetic printing>. Processo de impressão ofsete <offset printing process> - Técnica de impressão, derivada da litografia, cuja matriz é planográfica, constituída de um ou mais metais (alumínio, cobre, cromo, aço), distinguindo-se dos demais processos por ser indireto (a imagem sobre a chapa é legível) e envolver uma solução aquosa que evita a deposição da tinta nas áreas de contragrafismo; as tintas são pastosas e secam através de diversos mecanismos incluindo: penetração, evaporação, filtração seletiva e óxido-polimerização; os suportes geralmente utilizados são papéis e cartões de gramaturas entre 30 g/m 2 e 600 g/m 2 . Ver também: Impressão ofsete <offset printing>.

geradas através de calor localizado; [d] <bubble jet> - formação de bolhas de tinta, as quais são ejetadas através de pressão, atingindo o suporte. Processo de impressão por transferência térmica <thermal transfer printing process> - Método de impressão sem impacto, a partir de arquivos digitais, cuja característica é criar um sinal digital diretamente sobre o suporte, através de condutores elétricos; o corante é uma fita coberta com cera pigmentada <hotmelt ink>, que funde no substrato e solidifica por resfriamento, uma cor por vez, produzindo cores saturadas e brilhantes. Ver também: Impressão por transferência térmica <thermal-transfer printing>. Processo de impressão rotogravura <gravure printing process> - Técnica de impressão que emprega uma matriz constituída de uma chapa ou um cilindro metálico (cobre), gravada em baixo-relevo, a partir de filmes de tom-contínuo ou de meio-tom, entintada com tintas líquidas; o suporte de impressão (celulósico ou plástico) é diretamente pressionado contra a matriz. Ver também: Impressão rotogravura <rotogravure printing>.

v o processo ofsete, sucessor da litografia, foi inventado por Alloys Senefelder em 1799.
Processo de impressão por jato de tinta <ink-jet printing process> - Método de impressão direto, sem impacto, no qual gotículas de tinta líquida são borrifadas sobre um suporte, a partir de dados digitais, sob o comando de um sistema computadorizado; nas áreas de contragrafismo, as gotículas são defletidas e voltam para o reservatório de tinta. Ver também: Impressão por jato de tinta <ink-jet printing>.

328

v no processo rotogravura, todos os grafismos devem ser reticulados, incluindo os traços, de modo que as paredes das células sirvam de apoio para a racle; a gravação pode ser feita por processos químicos ou eletromecânicos.
Processo de impressão serigráfico <silkscreen printing process> - Técnica de impressão cuja matriz é uma tela de tecido, plástico ou metal, permeável à tinta nas áreas de grafismo, copiada a partir de fotolitos negativos legíveis, que transfere a tinta diretamente sobre o suporte com o auxílio de um rodo. Ver também: Impressão serigráfica <screen printing>; Serigrafia <silk-screen process>.

v existem diferentes mecanismos de geração das gotas de tinta, dentre os quais destacam-se: [a] <continuous ink-jet> - as gotículas são produzidas através de contrações e expansões pulsantes de elementos mecânicos; [b] <drop-on-demand ink-jet> - baseia-se no efeito piezoelétrico, e as gotículas são geradas apenas quando necessário; [c] <thermal ink-jet> - as gotículas são

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

Processo de revestimento <coating process> - Diz-se de qualquer operação de aplicação de uma camada de material sobre uma superfície, tal como: aplicação de verniz em produtos impressos, aplicação de camada cuchê ao papelbase, aplicação de camada fotossensível em filmes fotográficos e chapas de impressão etc. Processo eletrostático <electrostatic process> - O mesmo que eletrofotografia. Ver também: Eletrofotografia electrophotography>. Processo kraft <kraft process> Ver: Processo sulfato <sulfate process>. Processo serigráfico <screen process> - Ver: Impressão serigráfica <screen printing>. Processo soda <soda process> Processo alcalino de fabricação de pasta de celulose que consiste em digerir os cavacos de madeira num banho de soda cáustica. Processo sulfato <sulfate process> Processo de obtenção de polpa de celulose por digestão de cavacos de madeira num licor alcalino composto de soda cáustica e sulfato de sódio. Termo alternativo: processo kraft <kraft process>. Processo sulfito <sulfite process> Processo de obtenção de polpa de celulose por digestão de cavacos de madeira num licor ácido composto de ácido sulfuroso e um sal, geralmente bissulfito de cálcio. Pulverulência <crocking> - Condição na qual o filme de tinta impresso risca ou borra facilmente quando atritado. Ver também: Podragem <chalking>. Pulverulência da tinta <ink chalking> - Ver: Podragem <chalking>.

Q
Quadricromia - [1] <four-color process> - Reprodução fotomecânica de imagens multicoloridas, obtida por sobreposição de quantidades especificadas de tintas amarela, magenta, ciano e preta. Termos alternativos: <four-color process>; <full-color printing>; impressão em quadricromia <four-color printing>; tetracromia <tetrachromy>. [2] <quadratone> - Imagem de meio-tom reproduzida a quatro cores por sobreposição de quatro retículas de diferentes valores tonais. Ver também: Bicromia <duotone>; Tricromia <tritone>. [3] <quads> - Termo empregado na préimpressão para designar, coletivamente, os filmes de seleção de cores: ciano, magenta, amarelo e preto. Quebra - [1] <bad break> - Diz-se de uma composição cuja hifenização de fim-de-linha é incorreta, ou que inicia página com viúva ou órfã. [2] <break> - {a} Termo empregado na preparação da arte-final para indicar a separação e a marcação das áreas que serão impressas em diferentes cores. Termo alternativo: quebra de cor <color break>. {b} Interrupção no fluxo de um texto. {c} Uma ou mais linhas brancas entre dois parágrafos. {d} Trecho de composição do pé de uma coluna, cujo texto é levado para outra coluna ou página. {e} Rompimento da tira de papel causado num ponto fraco na bobina, interrompendo o fluxo de papel através da impressora. Ver também: Quebra de bobina <web break>. {f} Termo empregado na impressão serigráfica significando a liberação da tela do suporte no final do curso de impressão. {g} Rompimento do estêncil ou do tecido de uma tela serigráfica devido ao estresse mecânico. {h} Separação da resina do veículo de uma tinta de impressão. [3] <crackout> - Rachadura da chapa

329

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

ofsete, próximo da pinça, causada por erro na montagem da chapa no cilindro da impressora ou por excesso de pressão de um ou mais rolos entintadores. Quebra na emenda <splice failure> - Rompimento do papel ou de outro suporte no ponto onde duas bobinas se juntam, causada por deficiência do papel, do adesivo utilizado ou do ajuste da impressora. Ver também: Emenda <splice>. Quebra por motivo desconhecido <unknown break> - Rompimento da tira de papel cuja causa não pode ser facilmente identificada. Ver também: Quebra de bobina <web break>. Quebrar o papel <decurl the paper> Operação manual que consiste em curvar as folhas de papel (geralmente cartões e papéis pesados), no sentido contrário ao do encanoamento, a fim de deixar a pilha de alimentação plana e uniforme. Quebras <spoilage> - O mesmo que estrago. Quelador - Ver: Quelante <chelant>. 330 Quelante <chelant> - Substância química que se adiciona à solução de molhagem ofsete, a fim de evitar ou retardar a precipitação do carbonato de cálcio proveniente de papéis alcalinos. Termo alternativo: quelador. Ver também: Agente seqüestrante <sequestering agent>.

{a} Incisão que ocorre na linha de dobra de uma chapa ofsete causada por erro de montagem no cilindro da impressora, chapa cortada fora-de-esquadro, tensionamento excessivo da chapa ou pressão excessiva dos rolos entintadores e molhadores sobre a chapa. Termos alternativos: <crack>; <crack out>. {b} Pequenas incisões na superfície do filme de tinta impresso. {c} Incisão que ocorre da dobra da lombada da capa de livros e revistas causada por excessivo ressecamento do papel ao passar pelo forno da impressora rotativa, ou quando o papel é fabricado com baixo conteúdo de umidade ou excessiva quantidade de carga mineral, principalmente quando a dobra é perpendicular ao sentido de fibra do papel. Rasgo - [1] <tear> - Corte ou ruptura do papel. [2] <tearing> - Ruptura do papel causada por ação do tack da tinta, causando delaminação de porções da camada da folha ou bobina. Ver também: Resistência ao rasgo <tearing resistance>. Real - [1] <double royal> - Formato de papel de imprimir igual a 25 x 40”. [2] <royal> - {a} Caractere tipográfico cujo desenho lembra os tipos do século XVIII, com contraste médio entre finos e grossos. {b} Formato de papel de imprimir igual a 19 x 28” ou 20 x 25”. {c} Formato de papel de escrever e desenhar igual a 19 x 24”. [3] <royal octavo> - Formato de livro igual a 61/4 x 10”, não refilado. Abreviatura: (royal 8vo). [4] <royal quarto> - Formato de livro igual a 10 x 12 1/2 ”, não refilado. Abreviatura: (royal 4to). [5] <super royal> - {a} Formato de papel de imprimir igual a 201/2 x 271/2” (Inglaterra) e 22 x 28” (EUA). {b} Formato de papel de escrever e desenhar igual a 19 x 27”. [6] <super royal octavo> - Formato de livro igual a 7 x 11” (EUA) ou 63/4 x 101/4”

R
Rachadura - [1] <checking> - Pequenas incisões que se desenvolvem na superfície de blanquetas e rolos emborrachados de uma impressora ofsete, ou de um clichê flexográfico, devido ao calor, à ação da luz ultravioleta ou outra condição ambiental. [2] <cracking> -

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

(Inglaterra), não refilado. Abreviatura (super roy. 8vo). [7] <super royal quarto> - Formato de livro igual a 101/4 x 131/2”, não refilado. Abreviatura: (super roy. 4to). Rebarba - [1] <break-out> - Partícula metálica que se desprende da racle durante a impressão rotogravura causando estrias no impresso. [2] <burr> {a} Espaço que sobra no alto da haste do tipo, acima e abaixo do olho. {b} Claro que separa duas linhas contíguas não-entrelinhadas, resultante da rebarba do tipo. {c} Partícula metálica que se desenvolve devido ao desgaste excessivo da racle de uma impressora rotogravura e causa riscos no impresso. {d} Partícula de chumbo que adere ao tipo ou à linha no ato da fundição, ou ao passar pelas navalhas da máquina fundidora. Termos alternativos: barba <barb>; carrapato <tick>. [3] <deckle> - Tira removida do papel, ao longo das bordas da tela da máquina de fabricar papel, a fim de estabelecer a largura da bobina. [4] <deckle-edge> - {a} Margem irregular do papel antes do acabamento, ao final da mesa plana. {b} Bordas irregulares produzidas no corte de livros encadernados. Rebarbado <deckle-edged> - Dizse de papel de tina com bordas irregulares. Termo alternativo: barbado. Rebobinadeira <rewinder> - {a} Equipamento que corta uma bobina, à medida que esta desenrola, a fim de formar bobinas de largura e diâmetro menores. {b} Equipamento auxiliar, em-linha a uma máquina impressora, cuja função é rebobinar do papel impresso. Ver também: Bobinadeira <winder>. Rebobinamento <rewinding> - {a} Operação de acabamento da fabricação do papel que consiste em cortar a bobina-mãe em bobinas menores. {b} Ope-

ração de transformação de uma bobina em bobina de largura ou diâmetro menor. Termo alternativo: <rerolling>. Rebobinar <to rewind> - Formar uma nova bobina após a impressão, ou fazer bobinas menores a partir da bobina-mãe. Receptividade à água <water receptivity> - {a} Habilidade de um papel de absorver a solução de molhagem da blanqueta ofsete, evitando o acúmulo de água sobre a chapa. {b} Habilidade de uma tinta ofsete de absorver a solução de molhagem. Receptividade à tinta <ink receptivity> - Propriedade do papel de aceitar a tinta da matriz ou da blanqueta ofsete, de maneira uniforme, durante a impressão. Receptividade do papel à água <water receptivity of paper> - Habilidade de um papel de absorver a umidade da blanqueta. Receptivo à água <water-receptive> Diz-se de um papel sem colagem interna que absorve água instantaneamente. Termo alternativo: <waterleaf>. Ver também: Hidrófila <hydrophilic>; Repelente à água <water-repellent>. Receptivo à tinta <ink receptive> Diz-se de um papel ou outro suporte de impressão, ou uma chapa de impressão, que aceita e transfere bem a tinta na ou da sua superfície, assim como absorve parte do veículo da tinta. Ver também: Repelente à tinta <ink repellent>. Recycler <to recycle> - {a} Reprocessar materiais usados. {b} Recuperar as aparas de papel. Reduzir a pasta <to pulp> - O mesmo que reduzir a polpa. Reduzir a polpa <to pulp> - Extrair a celulose da madeira para propósitos de

331

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

fabricação de papel. Termo alternativo: reduzir a pasta. Refilador trilateral <three-knife trimmer> - Máquina de corte automática dotada de três facas, duas paralelas e uma perpendicular, geralmente instalada em-linha com um sistema de encadernação, cuja função é fazer o refile final de livros e revistas. Termo alternativo: guilhotina trilateral. Refilagem - [1] <book trimming> Operação de Aparagem das bordas de livros encadernados. [2] <slitting> Operação que consiste em dividir uma folha de papel em duas ou mais folhas menores. [3] <trimming> - Processo de refilar o papel ou o produto impresso. Refilar - [1] <to crop> - Cortar as áreas indesejadas de um impresso ou filme fotográfico. [2] <to cut> - Cortar o excesso das bordas das páginas dos livros durante o processo de encadernação, a fim de remover as dobras fechadas dos cadernos e igualar a dimensão das páginas. [3] <to trim> - Processo de aparar as bordas do papel ou do produto impresso. 332 Refile <trim> - O mesmo que refilo. Ver: Refilo <trim>. Refile trilateral <cut edges> Operação de corte das três bordas de um livro (frente, cabeça e pé), antes da encadernação, empregando uma guilhotina linear ou uma guilhotina trilateral. Ver também: Guilhotina trilateral <threeknife trimmer>. Refilo - [1] <shave> - Cortar uma pequena porção do papel das bordas de um livro ou de uma resma. [2] <trim> {a} Processo de refilar. {b} Excesso de área de uma página onde são impressas as cruzes de registro, as tiras de controle e as instruções, a qual é cortada após a encadernação. {c} Corte trilateral de

livros e revistas executado após a encadernação, a fim de acertar o formato. Termo alternativo: refile. [3] <trimout> - Área entre dois livros, montados em paralelo, removida pelas quarta e quinta facas de uma guilhotina. Refinação <refining> - Ação mecânica aplicada às fibras de celulose, numa holandesa ou num desfibrador, durante a fase de preparação da massa do papel. Termo alternativo: <beating>. Refinador <refiner> - Equipamento utilizado para a refinação da pasta de celulose. Ver também: Batedor <beater>; Refinação <refining>. Refinador cônico <conical refiner> Tipo de refinador empregado no processo de refinação da pasta de papel. Termo alternativo: <Jordan>. Ver também: Máquina de Jordan <Jordan machine>. Refinador de disco <disk refiner> Dispositivo dotado de dois discos, um estacionário e outro dinâmico que cisalha, dispersa e corta as fibras de celulose durante o processo de fabricação do papel, com a finalidade de melhorar a formação da folha. Ver também: Formação <formation>. Reflectância - Ver: Refletância <reflectance>. Refletância <reflectance> - Razão entre a quantidade de luz refletida por uma área cromática e a quantidade de luz refletida por uma área branca (acromática). Termo alternativo: fator de reflexão <factor of reflection>. Refletância especular <specular reflectance> - Extensão com que os raios de luz são refletidos de uma superfície num ângulo igual ao ângulo de incidência, produzindo brilho. Reflexão <reflection> - Termo óptico empregado para designar a mudança

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

de direção de um raio de luz quando este incide sobre uma superfície e é arremessado de volta para o meio, sem que ocorra alteração de freqüência das radiações monocromáticas que o compõe.

tais como aparas de conversão, jornais, caixas etc. Termo alternativo: rejeito <waste>. Refugo comercial <commercial waste> - Resíduo sólido derivado de um estabelecimento comercial, incluindo gráficas. Refugo industrial <industrial waste> - Resíduo sólido ou líquido derivado de operações industriais. Refugo pós-consumo <post-consumer waste> - Material acabado que é reciclado ou rejeitado após completar o ciclo de vida do produto. Refugo sólido <solid waste> - Material rejeitado que é incinerado ou descartado na sua forma original em aterros. Registro - [1] <alignment> - Coincidência de posicionamento das imagens impressas na frente e no verso de uma folha. [2] <register> - {a} Qualquer posição para onde a informação foi transferida para processamento num sistema computadorizado. {b} Unidade de informação a ser transferida entre a memória principal e um dispositivo periférico de um sistema computadorizado. {c} Conjunto organizado de dados relacionados tratados como uma única unidade em sistema computadorizado. {d} Coincidência entre as áreas de mancha impressas dos dois lados de uma folha. {e} Concordância global de posicionamento dos detalhes impressos, especialmente o alinhamento de duas ou mais cores sobrepostas num trabalho multicor, embora também indique a precisão de corte e dobra dos cadernos; o registro pode ser avaliado através da coincidência das cruzes de registro sobreimpressas; na montagem, as bases são perfuradas e montadas em pinos, a fim de garantir o registro; os furos da base de montagem dos filmes coincidem com aqueles da chapa e da impressora. Termo alternati-

v quando uma radiação luminosa encontra uma superfície, esta pode ser total ou parcialmente refletida, absorvida ou transmitida; quando a superfície é refletora, o raio incidente e o raio refletido encontram-se no mesmo plano da linha normal que passa pelo ponto de incidência, e o ângulo de incidência é igual ao ângulo de reflexão.
Reflexão difusa <diffuse reflection> {a} Espalhamento da luz em todas as direções. {b} Condição óptica que ocorre quando raios paralelos incidentes numa superfície irregular são refletidos em vários ângulos. Reflexão especular <specular reflection> - {a} Condição óptica que ocorre quando uma superfície lisa reflete os raios paralelos incidentes num ângulo constante, e estes raios permanecem paralelos na luz refletida. {b} Reflexão dos raios de luz num ângulo igual ao ângulo de incidência, como ocorre num espelho. Termo alternativo: brilho especular <specular gloss>. Reflexão primária <first-surface reflection> - Reflexão da luz diretamente a partir da superfície de um filme de tinta impresso. Refugo - [1] <broke> - Papel impróprio para uso, destinado a reciclagem. [2] <waste paper> - Papel estragado ou rejeitado durante a produção proveniente do acerto <makereadies>, de quebras de bobina <web breaks>, da manta da bobina <strip waste>, do toco da bobina <core waste> e do tubete <roll core>. [3] <wastepaper> - Papel ou produtos de papel que perderam seu valor original e foram descartados,

333

Manual de Pré-Impressão
Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas

vo: <registration>. Ver também: Forade-registro <misregister>; Per-furador de pré-registro <register punch>; Pino de registro <register pin>; Registro de imagem <image fit>. [3] <registering> - Trabalho de registrar. Registro absoluto <absolute register> - Extensão na qual todos os elementos de cores ou imagens impressas harmonizam-se à sua posição no original. Registro circunferencial - [1] <circumferential register> - Operação de alinhamento das chapas das diferentes cores sobrepostas, através do deslocamento do cilindro de uma ou mais chapas de uma impressora ofsete em direção à pinça ou à contrapinça; o mesmo conceito aplica-se às matrizes de impressão em outros processos. Ver também: Fora-de-registro <misregister>; Registro <register>. [2] <running register> - Controle de impressoras ofsete e flexográficas que se presta a posicionar com precisão os cilindros das diversas unidades de impressão, a fim de garantir o registro de cores. Termo alternativo: registro longitudinal <longitudinal register>. 334 Registro comercial <commercial register> - Grau de fora-de-registro aceitável numa reprodução em cores, usualmente não superior à metade de uma linha de pontos de retícula; é o cliente quem determina o que constitui o forade-registro aceitável. Ver também: Forade-registro <misregister>; Registro <register>. Registro de cores <color register> Processo de alinhamento das imagens de cada cor, umas sobre as outras, de modo a produzir uma imagem final bem definida e com a cor correta. Termo alternativo: <color-to-color printing register>. Ver também: Fora-de-registro <misregister>; Registro <register>.

Registro de dobra <print-to-fold register> - Recurso de uma impressora rotativa que permite controlar a posição da dobra do caderno em relação à imagem impressa. Registro de imagem <image fit> Coincidência entre as cruzes de registro de cada uma das cores, desde a pinça até a contrapinça de uma folha impressa. Ver também: Fora-de-registro <misregister>; Registro <register>. Registro de margeação circunferencial e diagonal <front-lay circumferential and cocking register> - Recurso de uma impressora ofsete plana que permite controlar a margeação das folhas nos sentidos circunferencial e diagonal. Registro de margeação diagonal <front-lay cocking register> - Recurso de uma impressora ofsete plana que permite controlar a torção da folha sobre a mesa de margeação. Registro fino - [1] <close register> Termo empregado para designar trabalhos com tolerância de registro muito pequena. [2] <fine-tuning> - Dispositivo de uma impressora ofsete que permite ajustar o registro de cores com precisão de centésimos de milímetro. [3] <hairline register> - {a} Registro preciso entre duas cores contíguas, sem sobreposição. {b} Padrão de precisão no qual o máximo desvio entre as cores impressas é de 0.08 mm. Termos alternativos: <butt register>; <fine-tune register>; <precision register>; <tight register>. Ver também: Fora-de-registro <misregister>; Registro <register>; Registro grosso <loose register>. Registro frente–verso <backup registration> - Posição relativa entre a impressão de um dos lados da folha ou bobina e a impressão do outro lado. Termo alternativo: <front-to-back register>. Ver também: Fora-de-registro <misre-

<pile-height governor>. do desperdício e do custo de produção gráfica. Regulador de altura de pilha <pile height regulator> .Trabalho impresso novamente. [3] <reprinting> . Relevo .Alinhamento lateral das imagens impressas sobre o suporte. Termo alternativo: <roll sheet>.Diz-se de um anúncio de revista que foi repu- blicado. Registro <register>. Termo alternativo: <rerun>. {b} Representação tridimensional de uma imagem em desenho. sensor de altura de pilha <sensor of pile height>.[1] <makeover> Refazer um trabalho ao qual foram incorporadas correções ou reparos de defeitos cometidos na tiragem original. Relatório de bobina rejeitada <rejected roll report> .Imprimir novamente a partir de filmes ou chapas já existentes. {b} Espaço compreendido entre a parte inferior do olho do tipo (caractere de altura x) e a borda do olho. pintura ou fotografia. Registro lateral <sidelay register> . [4] <rerunning> . sem custos adicionais para o cliente.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <roll reject envelope>. Registro <register>.Diz-se de um trabalho que foi impresso novamente ou reeditado sem alterações.{a} Ornamentação tridimensional que se faz em produtos impressos sem 335 . Registro longitudinal <longitudinal register> . utilizados no cálculo da produtividade. Registro grosso <loose register> Termo empregado para designar trabalhos que não requerem registro de cores com coincidência crítica.Ficha de ocorrência de defeito de papel em bobina contendo as características do produto e a identificação do fabricante. emitida quando acontecem três quebras de bobina devido a causas desconhecidas ou duas quebras devido a causas conhecidas.Sensor que controla a altura da pilha de papel no alimentador de uma impressora ou máquina de acabamento. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas gister>. Termos alternativos: <paper defect sleep>. incluindo o talude e o ombro. devido à discordância do cliente com respeito à qualidade do trabalho impresso anteriormente. controlado a partir do deslocamento do cilindro da chapa de uma ou mais cores. Ver também: Talude <beard>. Termo alternativo: alto-relevo <high relief>. [3] <relief> .Ver: Registro circunferencial <running register>. <hairline register>.{a} Parede lateral produzida no clichê por ação do ácido utilizado na gravação. [2] <reprint> . [2] <depth cueing> . sem custos adicionais. Reinserção <makegood> .{a} Recurso utilizado para causar a sensação de terceira dimensão.{a} Diz-se de qualquer processo de impressão cuja matriz apresenta as áreas de grafismo em alto-relevo. Reimprimir <to reprint> . tal como ocorre na tipografia e na flexografia.[1] <beard> . Relatório de bobina <roll report> Ficha contendo os dados relevantes de cada uma das bobinas de papel. Ver também: Registro fino <close register>. ou profundidade. Reimpressão .Trabalho de reprodução de nova tiragem de uma publicação. Termos alternativos: apalpador. devido a erro ou problemas de qualidade na edição anterior. [4] <relievo> . em imagens gráficas através do uso de perspectiva ou de efeito de escurecimento e desfoque dos pontos mais distantes em relação aos pontos mais próximos. Termo alternativo: <reimpression>. Ver também: Fora-de-registro <misregister>. {b} Qualquer processo de impressão no qual a tinta é transferida para o papel diretamente a partir das áreas em relevo da matriz.

Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . quando esta apresenta danos causados durante o transporte.[1] <border> . {c} Habilidade de um filme de tinta impresso de suportar os efeitos do atrito. <abrasion tester>. Resistência à abrasão .Termo empregado na tipologia para designar um terminal decorativo da haste de uma letra. Termo alternativo: florão <fleuron>. depende da visão binocular. Ver também: Serifa <serif>. Ver também: Teste de abrasão do papel <abrasion test of paper>. {b} Resistência da superfície de um papel ou cartão ao atrito. <mar resistance>. Termos alternativos: <abrasive resistance>. [2] <finial> . {b} Propriedade dos materiais emborrachados (blanquetas e rolos ofsete) de recuperar a sua forma original após sofrer deformação elástica causada por compressão e estiramento. Remoção da manta <slabbing> Operação que consiste em remover a camada externa (cerca de 1 cm) de uma bobina de papel. cada olho percebe uma imagem diferente do objeto. ornato. {b} Desenho ornamental estampado na capa dura de livros de luxo. esta propriedade é utilizada nos binóculos estereoscópicos e nos óculos polarizantes. que permitem a cada um dos olhos perceber apenas uma imagem Remalina <control punching> .Diz-se de um rolo ou uma blanqueta ofsete que recupera a sua forma original após sofrer deformação. {b} O mesmo que gofragem. [2] <resiliency> .{a} Habilidade de um papel ou uma blanqueta ofsete de recuperar sua espessura original após estar sob pressão de impressão. Ver também: Elementos de letras <letter elements>.Perfuração existente nas bordas de uma bobina de papel para facilitar as operações de impressão e acabamento de formulários contínuos. e para papéis de . Termo alternativo: resistência ao amassamento <smash resistance>.{a} Linha ou desenho impresso em torno de uma ilustração ou matéria tipográfica.[1] <resilience> Medida da habilidade de uma blanqueta ofsete de recuperar a sua espessura original após sofrer compressão durante a impressão. um bico <beak> ou um floreado <swash>. Termos alternativos: florão.[1] <abrasion resistance> .{a} Habilidade de um suporte de inibir a deterioração ou a destruição causada por fricção. Termo alternativo: <stripping>. v [2] a sensação visual em relevo 336 v {b} a resistência à abrasão é importante no caso de papéis e cartões para embalagem. Resiliência . a superposição destas duas imagens cria a sensação de relevo. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas o emprego de tintas ou corantes. {b} Propriedade da superfície de uma chapa de impressão ofsete de aceitar a solução de molhagem e rejeitar a tinta gordurosa. visto que devem resistir às forças abrasivas durante o manuseio e o transporte. Remate . uma farpa <barb>. Ver também: Receptivo à tinta <ink receptive>. resistência ao atrito <rub resistance>. tal como um arco <ball>. antes da sua inspeção. Resiliente <resilient> . expressa através da perda de massa de um corpo de prova submetido ao teste de abrasão. Repelente à tinta <ink repellent> {a} Propriedade de um papel ou outro suporte de impressão de não aceitar ou transferir a tinta da sua superfície. Ver também: Manta <slab>. Termo alternativo: elasticidade <elasticity>.Medida da resistência ao atrito de um filme de tinta impresso sobre tecido. Ver também: Teste de abrasão <abrasion test>. [2] <crock> .

Ver também: Resiliência <resilience>. Ver também: Colagem interna <internal sizing>.Habilidade de um papel ou uma tinta de resistir ao envelhecimento. em condições especificadas.Propriedade de um papel tratado com produtos químicos que evitam a propagação de chama. Resistência ao amassamento <smash resistance> . sem comprometer a penetração de óleos ou tintas de impressão. no segundo. quando o suporte apresenta baixa resistência superficial. antes de romper-se na linha de dobra. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas escrever. Fibra inchada <fiber puffing>. a adição de carga mineral reduz a resistência do papel à dobra. perpendicular a sua superfície. Resistência à flexão <flexural stiffness> . Resistência a bolha <blister resistance> . até que este se rompa.Habilidade de um papel revestido de resistir à formação de bolhas ao passar pelo forno de uma impressora rotativa. e colocada numa estufa por um determinado período de tempo. Teste de arrancamento <pick test>.Teste empregado para v a resistência ao arrancamento pode ser avaliada pelo método das ceras Dennison ou teste de printabilidade no equipamento IGT. adesivos ou outros produtos alcalinos. e aumenta quanto maior for o grau de refinação do papel. Resistência ao arrancamento a seco . a amostra é coberta com uma espessa camada de laquê. Resistência à dobra . e as tintas e impressão possuem tack muito elevado. Ver também: Bolha <blister>. em diferentes temperaturas. um corpo de prova é ambientado e imerso num banho de óleo. v [1] a resistência de um papel à dobra é maior no sentido paralelo às fibras. sangramento ou variação de cor quando em contato com sabões. manchamento. descoração. [2] <tensileat-the-fold> . Resistência a álcalis <alkali resistance> . v [2] o teste de resistência à dobra consiste em submeter um corpo de prova sob tensão a sucessivas dobras duplas. avaliar a resistência de um papel revestido à dobra. que devem suportar o atrito da borra-cha de apagar.Número de dobras duplas que um papel suporta. sob tensão. essa característica é ajustada através da colagem interna. papel-toalha etc. depois de passar pelo forno de uma impressora ofsete rotativa.Resistência de um papel ou cartão à força de divisão ou ruptura do filme de tinta. para determinar a partir de que temperatura a bolha ocorre. Resistência à água <water resistance> . Ver também: Rigidez <stiffness>.Propriedade de um papel ou cartão de resistir a uma força de dobramento aplicada. Resistência ao arrancamento <pick resistance> . Termo alternativo: resistência superficial <surface strength>.Habilidade de uma blanqueta ofsete de recuperar a espessura quando sujeita momentaneamente a uma pressão excessiva. e o valor da resistência é expresso pelo número de dobras que o papel suportou. Resistência à chama <flame resistance> .[1] <folding endurance> . Ver também: Arrancamento do papel <paper picking>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . 337 v a avaliação da resistência de um papel a bolha envolve dois testes: no primeiro. <pick tester>. em geral papel de parede. pode ocorrer arrancamento de partículas ou delaminação.Propriedade do papel de retardar ou dificultar a penetração de água. ou outros fluidos.

após o rasgo haver iniciado. [3] <tearing resistance> . [2] <internal tear resistance> .Propriedade de um papel que indica sua habilidade de resistir a uma força de estiramento sem romper.Resistência de um papel ao arrancamento. em ausência de umidade. Ver também: Arrancamento <picking>. Teste da cera <wax test>. 338 v o máximo alongamento do papel devido ao estresse de tração é expresso como porcentagem do seu comprimento original. <tearing strength>.Propriedade geral do papel que descreve a sua habilidade de resistir ao rasgo ou à delaminação. Resistência ao estouro <bursting strength> . calor. Resistência ao arrancamento a úmido <wet pick resistance> . Ver também: Teste de Elmendorf <Elmendorf test>. Termo alternativo: permanência <permanence>. luz ou ação química interna. Teste das ceras Dennison <Dennison wax test>. <Elmendorf tester>. <tear strength>. Termo alternativo: ancoragem da tinta <ink holdout>. Termo alternativo: <internal tearing resistance>. Resistência ao arrancamento a seco <dry pick resistance>. numa distância fixada. Teste de Mullen <Mullen test>.[1] <edge tearing resistance> . Resistência à tinta <ink resistance> Extensão na qual um papel ou outro suporte de impressão resiste à absorção do veículo de uma tinta fluida.Propriedade do papel relativa a sua habilidade de resistir à fricção estática e cinética. Ver também: Arrancamento <picking>. Resistência à tensão de ruptura <tensile breaking strength> . tal como um filme de tinta. sendo uma importante consideração no caso de papéis de embalagem. o papel apresenta maior resistência no sentido paralelo às fibras.Ver: Resistência à abrasão <abrasion resistance>. Resistência ao rasgo . é uma propriedade importante quando se trata de embalagens.Força necessária para rasgar um papel. Resistência a sabões <soap resistance> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . sobretudo em embalagens. após haver sido umedecido. v a resistência ao estouro diminui com o aumento do conteúdo de cargas. Tensão na direção z <z tensile strength>. e aumenta com a colagem superficial e o conteúdo de fibras longas do cartão. Ver também: Resistência a úmido <wet strength>. Resistência ao envelhecimento <age resistance> . . um suporte ou um produto impresso. é uma característica particularmente importante no caso de cartões de embalagem. causado pelo tack da tinta. de resistir à deterioração por exposição ao oxigênio. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas <dry pick resistance> .[1] <frictional resistance> .Resistência de um papel ou cartão à ruptura quando sujeito a uma força perpendicular à sua superfície.formulários contínuos e impressoras rotativas Resistência à tensão de ruptura a úmido <wet tensile breaking strength> Resistência de um papel à tração após ter sido saturado com água. [2] <rub resistance> . . Resistência ao arrancamento a úmido <wet pick resistance>. Resistência ao atrito . causado pelo tack da tinta.Resistência de um papel ao arrancamento.Propriedade do papel que mede a sua habilidade de resistir ao rasgo a partir de um corte feito na borda de uma folha ou bobina. Termos alternativos: <tearing resistance>.Resistência de uma tinta ou um papel de suportar a ação química de sabões.Habilidade de uma substância.

Resistência do papel à umidade <paper moisture resistance> .Resistência de um suporte à delaminação ou ruptura durante a divisão do filme de tinta entre a blanqueta ofsete e o papel. 339 . Termos alternativos: pacote.Pacote contendo quinhentas folhas de papel (ou vinte mãos). Resmadora de bobinas <web sheeter> .Folhadeira que corta bobinas de papel em folhas.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . como no caso de embalagens de sabões e detergentes.Ver: Emenda resistente ao calor <heat-resistance splice>. Termo alternativo: <rub-proof>. tais como: sabões. Ver também: Folhadeira <sheeter>. Ver também: Resistência ao arrancamento <pick resistance>. Resistência da perfuração ao rasgo <perforation tear strength> . Resistência do papel ao arrancamento <paper pick resistance> . Ver também: Resistência ao estouro <bursting strength>.Diz-se de uma tinta cujo filme impresso resiste ao atrito.Habilidade da superfície do papel de resistir ao atrito durante os processos de impressão. após ter sido saturado com água. Ver também: Solidez à luz <lightfastness>. v a resistência química de uma tinta está diretamente associada à qualidade do pigmento. ao envelhecimento e à descoloração em contato com a umidade. e descreve a extensão com que este irá resistir ao sangramento. Resma <ream> . Resistência do papel ao estouro Ver: Resistência ao estouro <bursting strength>.Medida da facilidade com que um papel serrilhado pode ser destacado. Resistente aos ácidos <acid resistant> . Termo alternativo: à prova de ácidos <acid-proof>. acabamento e uso final. aplicada durante a divisão do filme de tinta entre a blanqueta ofsete e o papel.Habilidade de um papel de resistir a uma força perpendicular à superfície. Termo alternativo: resistência ao arrancamento <pick resistance>. principalmente ao contato com substâncias alcalinas.Resistência de um papel ou uma tinta de suportar a ação de produtos químicos. Resistência da emenda ao calor . Resistente à luz <fast-to-light> {a} Diz-se de um papel capaz de resistir ao amarelamento e ao envelhecimento quando exposto à luz.Quantidade de estresse necessário para romper o papel. durante um tempo específico. Resistência química <chemical resistance> . Resistente à abrasão <scuff-resistant> . gorduras e solventes. Resistência do papel à abrasão <paper abrasion resistance> . geralmente expressa em porcentagem <percent tensile>. Ver também: Resistência a úmido <wet strength>.Diz-se de um material que resiste ao contato ou imersão em ácidos. Resistência superficial <surface strength> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Resistência à tração <tensile strength> . ácidos. {b} Diz-se de uma tinta capaz de resistir ao envelhecimento ou mudança de coloração quando exposta à luz. <printer’s ream>. com os quais man- tém contato. Resistência a úmido <wet strength> Resistência de um papel determinada pela tensão a úmido ou resistência ao estouro a úmido. mas também refere-se à resistência da tinta como um todo.Habilidade do papel de suportar os efeitos do umedecimento.

Revestido de um lado <coated one side> . adesivos. Ver também: Revestido dos dois lados <coated two sides>. a fim de repor a umidade perdida ao passar pelo forno de uma impressora rotativa. adesivos e pigmentos em uma ou ambas as faces do papelbase. Ver também: Retícula de meio-tom <halftone screen>. {c} Matriz de pontos.Diz-se de um papel ou cartão que recebeu a camada cuchê apenas num dos lados. Termo alternativo: <on-machine coating>.Diz-se de um papel ou cartão que recebeu a camada cuchê nas duas faces da folha. Revestimento . Ressarcir <to makegood> . Retícula <screen> . Revestido em máquina <machine coated> .Embalar o papel em resmas Ressarcimento <reimbursement> Devolução do dinheiro. Termo alternativo: trama.Diz-se de um papel ou cartão coberto numa ou em ambas as faces com uma camada de substâncias minerais.Dispositivo que aplica excesso de revestimento ao papel-base. crédito ou reposição do produto quando ocorre algum tipo de defeito de fabricação.Máquina que espalha uma camada uniforme de verniz ou adesivo de baixa viscosidade sobre o papel ou outra superfície.Compensar os danos causados por defeito de equipamento ou matéria-prima. Termo alternativo: cuchê <couché>. linhas ou círculos utilizada para produzir os meios-tons nas reproduções fotomecânicas. Revestido dos dois lados <coated two sides> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Revestido <coated> . Retenção <holdout> .Dispositivo da máquina de fabricar papel que aplica uma camada de revestimento cuchê a ambas as faces da bobina. (L2). Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Resmar <to wrap in ream> . com aerógrafo ou por impressão serigráfica. Abreviaturas: (C2S). distribuindo-o e nivelando-o com uma lâmina de aço flexível. a fim de produzir o papel cuchê. {b} Processo de conversão que consiste em aplicar ceras. (L1).[1] <blackboard coating> . simultaneamente. Termo alternativo: <chalkboard coating>. rótulos.Ver: Ancoragem da tinta <ink holdout>. com ou sem alisamento em calandra.Diz-se de um papel cuja camada cuchê foi aplicada na própria máquina que fabrica o papel-base. {b} Área de uma chapa ou de uma folha impressa que reproduz as gradações tonais através de pontos de amplitude ou freqüência variável. [2] <coating> . Revestidora a rolo dupla-face <double-sided roller coater> . numa câmara fotomecânica. Revestidora a lâmina <blade coater> .{a} Processo de aplicação de uma mistura de substâncias minerais. Ver também: Revestido de um lado <coated one side>. Termo alternativo: trama. vernizes ou outros produtos protetores ou selantes . utilizado na impressão de cartões-postais. 340 Reumidificador <remoisturizer> Dispositivo dotado de uma série de rolos que aplicam água ou solução de silicone ao papel. a fim de transformar a imagem num conjunto de pontos de meio-tom. Revestidora de cortina <curtain coater> .{a} Material colocado em contato com um negativo de tom-contínuo. Abreviaturas: (C1S). revestimento de capa de livro etc.Camada fosca aplicada à superfície de um suporte. Termo alternativo: <shortdwell coater>. a fim de conferir-lhe a textura adequada para desenho a carvão.

{a} Processo de colar guardas à contracapa de um livro de capa dura e secá-las sob pressão. Ver também: Tinta eletrônica <electronic ink>. então. Revestimento do papel <paper coa- ting> . a fim de melhorar-lhe as propriedades de aparência e printabilidade. Risco de lâmina <blade scratch> Incisão muito fina que ocorre na camada 341 . para nivelar a camada de substâncias minerais aplicada à superfície do papel. deixando a superfície lisa e com espessura uniforme. {b} Operação de encapar um livro de capa dura. dióxido de titânio) e ligantes aplicada ao papel. cobertura. Revestimento a rolo <roll coating>. na própria máquina de fabricar papel. a fim de melhorar-lhe a aparência e a printabilidade. contendo um pequeno processador embutido na lombada que permite mudar o texto por controle remoto. Revestimento por extrusão <extrusion coating> .Processo de laminação no qual o papel é recoberto com um material termoplástico por processo de extrusão. Ver também: Revestimento a lâmina <blade coating>. Revista de empresa .Método de revestimento de papel que emprega uma lâmina flexível. Revestimento a rolo <roll coating> Método de aplicação de um filme dosado de revestimento ao papel-base.Camada à base de pigmentos dispersos num ligante coloidal. Ver também: Revestimento a faca de ar <air knife coating>. num determinado ângulo em relação à superfície da bobina. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas ao suporte. [3] <covering> . Ver também: Revestimento em máquina <on-machine coating>. remover o excesso soprando um jato de ar sobre a camada ainda fluida. em-linha. através de rolos emborrachados.Publicação periódica ilustrada que aborda assuntos variados e vende espaço publicitário.Processo de aplicação da camada cuchê apenas num dos lados do papel-base. <casing-in>.Publicação periódica que trata de assuntos relacionados ao comércio de mercadorias e prestação de serviços.Processo de aplicação da camada do papel numa operação separada da máquina de fabricar papel. {c} Camada à base de substâncias minerais (carbonato de cálcio. Revestimento a rolo <roll coating>. Revestimento a lâmina <blade coating>. Revestimento a lâmina <blade coating> . Revestimento de um só lado <singlesided coating> . Revista eletrônica <electronic magazine> . Termo alternativo: camada do papel. Revestimento fora de máquina <offmachine coating> . Revista <magazine> . Termos alternativos: camada. Revista de negócios <trade magazine> . Ver também: Revestimento a faca de ar <air knife coating>.Ver: Jornal de empresa <house-organ>. Ver também: Papel-base <body stock>. Revestimento em máquina <on-machine coating> . Termos alternativos: <buildingin>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Ver também: Revestimento fora de máquina <off-machine coating>.Método de revestimento de papel que consiste em aplicar um excesso de camada ao papel-base e. Revestimento a faca de ar <air knife coating> .Processo de aplicação da camada do papel.Ver: Risco de lâmina <blade scratch>. Risco de faca . como no caso de cartões e papéis L1. Termo alternativo: <knife coating>.Publicação impressa com tinta eletrônica. aplicada ao papel-base.

cuja função é completar a dobra de funil e ajudar a manter a tensão da tira de papel entre os cilindros resfriadores e a dobradeira. Roletes pressores <crusher rollers> . rolo flutuante <floating roller>. onde se localizam as serrilhas das dobras formato tablóide e duplo-paralelo. causada por uma partícula presa à lâmina durante o processo de revestimento do papel. esta é controlada por um sistema de acionamento independente <vector drive>. Ver também: Oscilador <oscillator>. sua velocidade deve ser ligeiramente superior à velocidade superficial dos cilindros resfriadores. Termos alternativos: <non-driven guide rollers>. causando afinamento de pontos.[1] <compensator roll> . Roletes de serrilha transversal <cross perforating rollers> . Roletes succionadores <suction rollers> . roletes-guia de bobina <web guide rollers>.Cilindro localizado acima da mesa do funil da dobradeira de uma impressora rotativa ofsete. Rolo bailarino <dancer roller> Rolete localizado no setor de alimentação de uma impressora rotativa cuja função é controlar o fluxo e a tensão do papel através do acionamento do freio do suporte de bobinas. Rolo oscilante <oscillator roller>.Ver: Roletes de dobra <forming rollers>.Rolos não-acionados de uma impressora rotativa que suportam a tira de papel nos vãos extensos. que aumenta ou reduz a alimentação do 342 . Roletes-guia de bobina <web guide rollers> .Rolo móvel. Riscos . a menos que o tempo de exposição seja aumentado. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas do papel.Arranhões que aparecem nos filmes e nas bases de montagem de fotolitos e são copiados nas chapas de impressão. não-acionado. [2] <tracks> . Rolete superior do funil <top of former roller> . a fim de deixá-los planos. Roletes de tração <nip rollers> Par de roletes localizados abaixo do funil da dobradeira das impressoras rotativas. paralela às fibras. v o rolete do funil pode ser equipado com faca circular ou serrilha. Termos alternativos: rolo flutuador.Par de roletes da dobradeira de algumas impressoras rotativas. Termo alternativo: risco de faca. cuja função é ajudar a controlar o fluxo de papel sobre a mesa do funil e auxiliar a execução da primeira dobra.Marcas de abrasão que aparecem no produto impresso causadas por partículas grosseiras de pó ou devido ao atrito da folha com as partes metálicas da impressora ou da máquina de acabamento. quando utilizado como rolete de tração. Rolo distribuidor <distributor roller>. Rolo compensador <dancer roller>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . cuja função é controlar a tensão do papel entre a os cilindros resfriadores e a dobradeira. Termo alternativo: <draw rollers>.Rolos recartilhados do empilhador de cadernos de uma impressora rotativa cuja função é pressionar os cadernos.[1] <scratches> . Rolo apalpador <caliper roller> Rolete móvel do detector de folha dupla da mesa de alimentação de uma impressora ofsete plana ou máquina de acabamento.Dispositivos de uma impressora ofsete que freiam as folhas conforme estas entram na mesa de entrega. Rolo compensador . Roletes de passagem <carrier rollers> . Roletes de dobra <forming rollers> Par de roletes localizados logo abaixo do funil da dobradeira de uma impressora rotativa.

a fim de compensar a tensão do papel.Processo direto de impressão que emprega uma matriz cilíndrica.[1] <web-lead rollers> . Calandragem <calendering>. antes do papel ser transferido para a seção de prensa úmida. Rolo louco <idle roller> . cuja função é controlar o freio do eixo da bobina. com as áreas de grafismo gravadas em baixo-relevo em relação às áreas de contragrafismo. Rolos condutores de bobina .Rolo localizado entre o suporte de bobinas e a primeira unidade de impressão de uma máquina rotativa ofsete. Ver também: Painel de controle do compensador <compensator control panel>. especialmente aqueles localizados entre as unidades de impressão. Rolo-grelha <grater roller> . desativado ou não-acionado. auxiliado por um rolo de contrapressão. [2] <rotogravure> .Diz-se de qualquer rolo desengrenado. Rolos de calandra <calender rollers> . e o excesso de tinta é raspado por uma lâmina. [2] <dancer roller> .Cilindro oco e perfurado. Rotogravura . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas papel na entrada da dobradeira de uma impressora rotativa.Rolos não-engrenados que sustentam a tira de papel conforme esta se desloca através da im- pressora. Ver também: Gravura <gravure>. [3] <web-under roller> . localizado sob a mesa plana de uma máquina de fabricar papel. quando o suporte contata o cilindro de impressão.Rolos de uma impressora rotativa que guiam a bobina de papel por sobre as unidades de impressão ou outra parte que se deseja desviar. ocorre a transferência da tinta. de tinta. formando a imagem. Termo alternativo: <gravure>. [2] <web-over rollers> . Ver também: Rolo não-engrenado <idle roller>. Rolo vidrado <glazed roller> . Termo alternativo: cilindro de sucção. tal como os roletes de passagem do papel e os rolos intermediários do sistema de entintamento de uma impressora ofsete. Termo alternativo: compensador <compensator>.Rolo do sistema de tintagem ou de molhagem de uma impressora ofsete que sofreu acúmulo de resíduos de papel. cuja função é suportar a bobina antes da entrada do forno.Rolos de uma impressora rotativa que guiam a bobina de papel por baixo das unidades de impressão ou outra parte que se deseja desviar.Ver: Rolo não-engrenado <idle roller>. a fim de acertar a margem entre a área de mancha e a borda de corte do caderno. o cilindro é parcialmente imerso em tinta. Termo alternativo: rolo bailarino. Ver também: Calandra <calender>. Rolo de sucção <couch roll> . Termo alternativo: rolos de passagem. cuja função é remover água. Termos alternativos: rolo “espinhudo”. 343 . a fim de reduzir o risco de ocorrer marcas e manchas no impresso ocasionadas quando o papel contata as barras sopradoras do forno. através de vácuo. Termo alternativo: heliogravura <heliograph>. Ver também: Vidrado <glaze>.Cilindro recartilhado ou texturado de uma impressora ofsete rotativa. na forma de pequenas células escavadas.[1] <rotograph> Gravura obtida por processo de impressão que emprega matrizes em baixo relevo para transferir a tinta diretamente para o suporte. Heliogravura <heliogravure>. rolo ralador. Rolo condutor de bobina <web-lead roller> .Rolos metálicos que comprimem e alisam o papel no final da máquina de fabricar papel. de verniz ou de produtos de limpeza e desenvolveu uma superfície lisa e brilhante.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .

{a} Impresso colado a um produto com fins decorativos ou para fins de identificação e informação.[1] <buckle> . Ver também: Pé-de-galinha <crow’s-foot>. 344 . canudo <tube>. S Sabugo . causada por desequilíbrio entre o conteúdo de umidade do papel e do ambiente da sala de impressão. geralmente impressa em flexografia ou rotogravura.{a} Vinco produzido no papel durante a fabricação ou em operações de conversão. Ver também: Granulação <graining>. {b} Característica superficial do cilindro rotogravura. utilizado para embalagem.Ver: Veios de umidade <moisture welts>. para uso comercial ou industrial.Eixo da bobina de papel. classificada em: parede simples <single-ply bag>. Termo alternativo: aspereza. Rugas de umidade <moisture wrinkles> .Defeito de papel causado pelos rolos da calandra. Ruga .[1] <core> . Saco de papel <paper bag> . Rótulo <label> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Rotulagem <labelling> . Termos alternativos: estanga.Diz-se de um impresso que apresenta acabamento irregular. {b} Título da obra ou nome do autor estampado ou impresso na lombada de um livro. dúplex <duplex bag> e multiparede <multiwall bag>. Saco <bag> . classificado como ruga seca ou ruga úmida. durante a impressão. plástico ou laminado. Saco de parede simples <single-ply bag> . derivada do processo de granulação mecânico ou químico.Eixo dos rolos de molhagem e tintagem de uma impressora ofsete.{a} Ca- racterística superficial da chapa de alumínio. devido ao excesso de água aplicada ao papel ou à desuniformidade de tensão da tira. arenoso. que constitui a base da matriz de impressão ofsete. ao passar entre os cilindros de blanqueta e contrapressão de uma impressora ofsete. Rugosidade <roughness> .Diz-se de um cartucho de papel formado por uma única camada. gordura etc.Ondulação ou dobradura que se forma na parte superior das páginas internas de um caderno fechado na cabeça. [3] <wrinkle> . Rugoso <sandpapery> . {b} Marcas formadas na superfície de um filme de tinta durante a fase de secagem. causado por um suporte com acabamento superficial grosseiro ou uma tinta excessivamente emulsionada. tarugo. Termo alternativo: <saltand-pepper>.Colar rótulo ou etiqueta.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . tubete. [2] <shaft> .Saco de papel constituído de duas camadas.Embalagem flexível feita de papel kraft.Embalagem flexível constituída por um corpo tubular de papel. Rotular <to label> . Termo alternativo: <gusset>. {d} Dobra produzida próximo do centro ou da contrapinça de uma folha impressa. combinado ou não com materiais plásticos. Termo alternativo: etiquetagem. com ou sem tratamento barreira contra umidade. Saco dúplex <duplex bag> . áspero. Ruga de calandra <calender wrinkle> . dependendo do conteúdo de umidade do papel quando esta é formada. {c} Vinco produzido no papel em bobina.Operação de colar rótulos ou etiquetas de identificação. derivada do processo de polimento anterior à gravação. Termo alternativo: ficha. fechado em uma ou ambas as extremidades. [2] <gusseting> .Enrugamento severo próximo da cabeça e da lombada de cadernos dobrados.

Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Saco-em-caixa <bag-in-box> .Saco de papel ou plástico provido de alças. poliéster e outros.) ou secos (cereais.Grande cilindro polido da máquina de fabricar papel que lustra a superfície do papel.Tipo de embalagem utilizada para acondicionar produtos líquidos (vinhos. Saída . Saco multifoliado <multiwall sack>. Ver também: Saco <bag>.).{a} Ato ou efeito de secar negativos ou cópias fotográficas. Saco multifoliado <multiwall sack> Embalagem flexível constituída de duas ou mais folhas de papel. acoplado à saída de uma impressora ofsete plana ou a uma máquina de revestimento de papel. após a lavagem. as folhas impressas são empilhadas. Termo alternativo: entrega de folhas. Ver também: Saco <bag>.Parte de uma impressora por onde saem os produtos impressos. aquecido por vapor d’água. tal como fita magnética ou disquete. Ver também: Papel monolúcido <monolucid paper>. {b} Cópia dura gerada por um equipamento eletrônico de editoração. {c} Transferência de dados da memória de armazenagem interna de um computador para um dispositivo de armazenagem externo. Termo alternativo: cilindro lustrador. Secador monolúcido <monolucid dryer> . Ver também: Saco <bag>. Secador ianque <yankee dryer> Cilindro de secagem. cloreto de polivinilideno.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Secagem <drying> .[1] <dryer> .{a} Dados digitais processados por um computador. Sala de impressão <pressroom> Seção de uma gráfica onde se encontram as máquinas impressoras. para promover a secagem da tinta. Termo alternativo: secaria. que apresenta boa resistência. {b} Ação combinada de absorção dos componentes mais fluidos de uma tinta pelo papel (conhecida por assentamen- v o saco-barreira é feito de materiais termoplásticos metalizados. dependendo do produto a ser embalado. Saco multiparede <multiwall bag> Embalagem de papel ou plástico constituída de duas ou mais camadas de papel e/ou plástico. Ver também: Entrada <input>.[1] <delivery end> . [2] <output> . de grande diâmetro. tais como polietileno.Sistema dotado de lâmpadas infravermelhas. Saco multifoliado composto <composite multiwall sack> .Ver: Cilindros secadores <drying cylinders>. Saída de folhas <sheet delivery> Parte de uma impressora ofsete plana onde as folhas impressas são empilhadas. cujo conteúdo é encerrado num saco flexível (barreira) inserido numa caixa de cartão. que apresenta boa resistência e barreira à umidade. Ver também: Saco de papel <paper bag>. Abreviatura: (BIB). colocando-as em estufa ou pendurando-as em varal.Embalagem flexível constituída de duas ou mais folhas de diferentes materiais. Secador infravermelho <infrared dryer> . molhos etc. Secador .Seção da máquina de fabricar papel constituída de cilindros aquecidos que promovem a evaporação da água do papel. Ver também: Forno <dryer>. [2] <drying rack> . Sacola <bag> . Secadores <dryers> . [3] <output hopper> . biscoitos etc. que produz um acabamento brilhante do lado do papel que o contata durante a fabricação.Parte de uma impressora de computador onde 345 .Cavalete ou engradado onde se colocam as folhas impressas para secar.

sós ou combinados (evaporação. Termo alternativo: <cooling drum unit>. o alimentador separa as folhas individuais da pilha de alimentação por meio de succionadores. sistema de tambor <rotary-drum system> e sistema direto <overfeed system>. toda vez que mais do que uma folha for alimentada. Seção de secagem <drying section> {a} Seção da máquina de fabricar papel onde a água é removida.Método de produção de papéis de escrever. em fluxo alternado ou contínuo.Área separada de uma impressora rotativa. Termo alternativo: cura <cure>. Secagem a ar <air drying> . a altura da pilha de alimentação pode ser ajustada. Secagem infravermelha <infrared drying> . [2] <infeed section> .Parte de uma impressora sete plana onde o suporte a ser impresso é empilhado e alimentado.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . para cima ou para baixo. da qual participam diversos outros fenômenos. de modo a permitir adicionar mais folhas ou garantir a altura adequada da primeira folha da pilha. o rompimento da tira ou o seu afrouxamento. Seção de prensa <press section> Parte de uma máquina de fabricar papel onde a água é removida da bobina. v [2] existem três configurações básicas de alimentadores: sistema de leque <swing-arm system>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas to) e reação química das resinas e óleos secativos com o oxigênio do ar (chamada polimerização). precipitação. Seção de alimentação . dotada de cilindros resfriadores que puxam a bobina com tensão uniforme e a alimentam na seção de rebobinamento. através de uma câmara fechada por onde circula ar quente. Seção de saída <outfeed section> Parte de uma impressora flexográfica. catálise). a fim de evitar a formação de rugas. {b} Parte de uma impressora flexográfica. Seção de desbobinamento e alimentação <unwind and infeed section> Parte de uma impressora flexográfica alimentada por bobina onde o suporte é desenrolado e a tensão é controlada.Ver: Secagem infravermelha <infrared drying>. Termo alternativo: prensa úmida. Secagem IR <IR drying> . Seção de desbobinamento <reelroom> . particularmente das impressoras de jornais. ainda úmidos e sem tensão. por meio de pressão e sucção. localizada após a última unidade de impressão. localizada entre duas unidades de impressão ou após a seção de 346 v [1] numa impressora ofsete plana. comanda o seu avanço até a mesa de alimentação. Termo alternativo: secagem IR <IR drying>. bonde e ledger fazendo-os passar. gelação.Parte de uma impressora ofsete plana que transfere as folhas da mesa de alimentação para o cilindro de contrapressão da primeira unidade de impressão. resultando numa superfície irregular. através da passagem da bobina sobre cilindros aquecidos. onde ficam os porta-bobinas. um ou mais detectores de folha dupla interrompe o funcionamento da impressora . Seção de saída e rebobinamento <outfeed and rewind section> .Área localizada no final de uma impressora flexográfica ou rotogravura onde o suporte é rebobinado. Cura por calor <heat curing>.Processo de secagem que emprega radiação infravermelha como fonte de calor para assentar uma tinta num suporte.[1] <feeder section> . e posiciona-as em esquadro antes da primeira unidade de impressão. Ver também: Cura a frio <cold curing>.

da solução de molhagem ofsete. Seção úmida <wet end> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas impressão.{a} Folha em branco usada para fazer cópia de documento impresso. Termos alternativos: <sealant>. próximo da contrapinça das folhas.Dispositivo localizado sobre a mesa de alimentação de impressoras ofsete planas e máquinas de acabamento.Seção de formação da máquina de fabricar papel. sentido de fabricação do papel. gorduras etc.) o papel sofre maior deformação no sentido das fibras e. em contato com a umidade (do ar. Termo alternativo: <air sensing fork>. que indica a localização do papel.Ver: Regulador de altura de pilha <pile height regulator>. Termo alternativo: selo postal <postage stamp>. Sentido de fibra do papel <paper grain direction> . Sentido de fabricação . usada atrás do carbono para produzir uma duplicata.Dispositivo do sistema de alimentação de folhas de uma impressora ofsete. ou uma dobradeira. paralelo à direção de fabricação. <sealer coat>. as folhas devem ser alimentadas na impressora com as fibras paralelas aos eixos dos cilindros. Separador de folhas . que emprega sopro de ar e vácuo para separar a folha superior da 347 . por isso. cuja função é separar a primeira folha da pilha e evitar a alimentação de duas folhas. v durante a fabricação. Ver também: Grão <grain>. Termo alternativo: <second sheet>. Segunda via <double> . acoplada a um sistema computadorizado. dos adesivos usados na encadernação etc.[1] <label> . as operações de corte e dobra de uma folha são favorecidas quando executadas na direção paralela às fibras do papel. Seção de transferência de folha <sheet transfer section> . os produtos encadernados com adesivo sofrem menor deformação e têm maior resistência quando o sentido de fibra do papel é paralelo à lombada dos cadernos. Selante <sealer> . Sensor de altura de pilha <sensor of pile height> . {b} Folha de papel de menor gramatura e qualidade inferior. Sensor de borda de bobina <edge guide sensing fork> . [2] <sheet-separation unit> . Termo alternativo: <comber wheels>. sentido de fabricação. [2] <stamp> . Selo .Etiqueta que as gravadoras colocam nos seus fonogramas.[1] <comber> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . as fibras de celulose tendem a orientar-se na direção paralela ao movimento da tela da máquina de papel. Selo postal <postage stamp> .Impresso de segurança produzido com requinte e empregando técnicas e processos que dificultam a sua falsificação.Ver: Sentido de fibra do papel <paper grain direction>.Ver: Selo <stamp>.Alinhamento predominante das fibras do papel. Termos alternativos: direção de fibra do papel. a fim de promover impermeabilidade à água.Produto aplicado à superfície do papel. Sensor de papel <paper sensing switch> .Parte de uma impressora ofsete multicor onde as folhas são transferidas entre os cilindros de contrapressão. Ver também: Barreira <barrier coat>. para caracterizar a edição. Secaria .Detector de uma impressora de provas. localizada entre a caixa de entrada e a seção de secagem.Ver: Secador <dryer>.Fotocélula que comanda a parada da impressora rotativa quando ocorre uma quebra de bobina. cuja função é secar a tinta.

para atingir o suporte. <screen printing>. e assim por diante até o formato B10 (31 x 44 mm). baseada em frações do metro quadrado. cuja finalidade é permitir a separação fácil da folha no produto acabado. B1 (707 x 1000 mm). sendo que a área varia entre dois formatos sucessivos segundo um fator 2 ou 1/2. A1 (594 x 841 mm).Série padronizada de formatos de papel no sistema métrico. [3] <perforation> . Termos alternativos: <mitography>. na linha de dobra. plástico ou metal. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas pilha.Impresso feito pelo processo serigráfico. [3] <serigraphy> . a relação entre o comprimento e a largura da folha é constante.Fileira de pequenos furos ou incisões através do papel que permite destacar parte dele. a fim de evitar a formação de rugas quando a dobra de funil é produzida. a fim de evitar a formação de rugas e facilitar a dobra dos cadernos. Série B <B series> .Série padronizada de formatos de papel no sistema métrico. por exemplo: A0 (841 x 1189 mm).{a} Dispositivo montado na parte superior do funil da dobradeira de uma impressora rotativa. Termos alternativos: <backward separator>. eliminar o ar dos cadernos impressos e evitar rugas ao dobrar papéis pesados.{a} Matriz de linotipo ou lâmina metálica usada na composição e montagem de formulários e outros impressos. nas partes a ser preenchidas. {b} Lâmina de aço denteada das máquinas de serrilhar formulários.[1] <screen-process> Processo industrial de impressão serigráfica. <paper-perforating machine>. {b} Pente circular ou plano que produz perfurações longitudinais ou transversais no papel. talões e outros impressos. o qual serve de parâmetro para determinar a gramatura do papel. ou um fio de cola.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . A2 (420 x 594 mm) e assim por diante até o formato A8 (52 x 74 mm). <sheet separator>. <forward separator>.414 mm). Termo alternativo: picotadeira <perforating machine>. Serrilha . [4] <perforator> . Ver também: Série B <B series>. sobre a qual a tinta é espalhada e forçada por uma lâmina de borracha através das malhas abertas. Serrilha circunferencial <circumferential perforator> . respeitando a mesma relação entre o comprimento e a largura da folha nos diferentes formatos. [2] <knurl> .Dispositivo mecânico adaptado à dobradeira de uma impressora rotativa para aplicar um fio de água ao papel.Reprodução fina de uma arte original impressa pelo processo serigráfico. é um processo versátil que permite imprimir sobre diferentes tipos de materiais e superfícies irregulares ou curvas. além de auxiliar a dobra. Ver também: Série A <A series>. Série A <A series> . B2 (500 x 707 mm. desfolhador. baseada em frações do metro quadrado.[1] <commercial perforation> . Termo alternativo: picote. robozinho. consistindo de formatos intermediários da série A. que serrilha longitudinalmente a tira de papel.Perfurador localizado na dobradeira de uma impressora rotativa ofsete. permeável à tinta nas áreas de grafismo e impermeabilizada nas áreas de contragrafismo.000 x 1. próximo dos roletes de tração do papel. [2] <serigraph> . a fim de evitar 348 . para serrilhar o papel no sentido longitudinal. Seringa <accumeter gluer/moistener> . Ver também: Alimentador <feeder>.Série de pequenos furos ou cortes. paralelo à dobra de encadernação. [4] <silkscreen process> Processo de impressão que utiliza uma matriz constituída de uma moldura e uma tela de tecido. a fim produzir brochuras coladas. por exemplo: B0 (1. Serigrafia .

durante a revelação. que serrilha o papel em ângulo reto em relação ao seu deslocamento. Ver também: Eletricidade estática <static electricity>. Serrilhar <to perforate> . Sistema de alimentação <overfeed system> . conduzem as folhas até os aparadores frontais do cilindro de contrapressão. Termo alternativo: perfurador longitudinal. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas rugas na dobra de cutelo. [2] <longitudinal perforator> . especialmente em papéis pesados. Sinos de ar <air bells> .Série de perfurações ou pequenos cortes transversais feitos em formulários contínuos para facilitar a separação das folhas. [2] <cross perforator> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . a fim de auxiliar a dobra e evitar a formação de rugas em cadernos impressos em máquinas rotativas. cuja função é neutralizar a carga eletrostática do papel. produzindo defeitos visíveis no filme processado. Termo alternativo: perfuração transversal <transverse perforation>. empregando ferramentas especiais adaptadas a uma dobradeira. montada acima da mesa do funil da dobradeira de uma impressora rotativa.Tipo de máquina que imprime somente um dos lados do papel por vez. no tempo certo. Sistema antiestática <antistatic system> . ou correias succionadoras.Dispositivo dotado de barras antiestática. montado no setor de alimentação de uma impressora ofsete. Ver também: Ruga <gusseting>. 349 .{a} Defeito superficial de um papel. a fim de reduzir a formação de rugas. próximo dos roletes de tração do papel. Serrilha de separação <between-set perforations> . Termo alternativo: picote circunferencial. os roletes alimentadores.Perfurador localizado na dobradeira de uma impressora rotativa ofsete.Seqüência de perfurações feita numa bobina de papel.Tipo de perfurador utilizado para serrilhar a cabeça dos cadernos (transversal à lombada). é possível também serrilhar a linha da segunda dobra paralela. Termos alternativos: bolhas <blisters>.Ferramenta circular. marcas de espuma <foam marks>. no caso de produtos duplo-paralelo. {c} Defeito que se manifesta no material fotográfico quando excesso de ácido é empregado no banho fixador. contra as pinças do cilindro de contrapressão. Serrilha longitudinal .Série de furos ou cortes perfurados em ângulo reto em relação ao movimento da bobina. Termo alternativo: sistema eliminador de estática. permitir a saída do ar armadilhado entre os cadernos e evitar a ocorrência de rugas.Fazer incisões numa folha impressa. Simplex <simplex> . {b} Pequenas bolhas de ar que aderem à superfície fotográfica.[1] <crossperforation> . <bubbles>.[1] <longitudinal-perforation> . a fim de evitar a formação de rugas e a deformação do caderno durante a dobra. a fim de facilitar a dobra. Termo alternativo: perfurador transversal. Ver também: Dúplex <duplex>. Serrilha transversal . Termos alternativos: <blow>.Planta cujas folhas fornecem fibras de celulose empregadas na fabricação do papel. Sisal <sisal hemp> . a fim de facilitar a dobra dos cadernos. picote transversal. que perfura o centro da bobina.Dispositivo de uma impressora ofsete plana cujos margeadores frontais param as folhas e as impulsionam. a fim de evitar a formação de rugas nos cadernos formato magazine e tablóide. Serrilha tipo espinha de peixe <herringbone perforator> . acima do funil. Termo alternativo: perfuração longitudinal.

as quais prendem a borda da folha de papel e a transferem da mesa de alimentação para as pinças do cilindro de contrapressão da primeira unidade impressora. onde os clichês são montados. Sistema de leque <swing-arm system> . Termo alternativo: Impressora de esteira <belt press>. capaz de produzir um livro completo a cada revolução. [2] <overfeed system> .Recursos do sistema de controle de uma impressora ofsete plana que ajusta automaticamente o formato da folha. o registro diagonal e outras funções de impressão. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Sistema de alimentação direta .Dispositivo de uma impressora ofsete plana responsável pelo ajuste automático dos mecanismos da saída. que aspira as aparas e as conduz para uma prensa que faz o enfardamento. encadernadora e outros equipamentos de acabamento.Sistema de alimentação de certas impressoras ofsete planas dotado de um braço articulado contendo um conjunto de pinças. Sistema de pré-acerto de pressão <pressure preset system> .Dispositivo de uma impressora ofsete plana responsável pelo ajuste automático dos separadores frontais e traseiros da mesa de alimentação. um cilindro distribuidor (bailarino) e um ou dois rolos molhadores. Sistema de pré-acerto de formato <sheet size preset system> .Impressora flexográfica dotada de uma esteira móvel.{a} Dispositivo de uma unidade de impressão ofsete constituído de um depósito de solução de molha-gem (banheira). Sistema de produção de livros Cameron <Cameron book production system> . parcialmente imerso na solução de molhagem. {b} Conjunto de rolos de uma impressora ofsete cuja função é umedecer a chapa de impressão com um fluxo controlado de solução aquosa contendo goma-arábica. o registro lateral.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Sistema de resfriamento <cooling system> .Dispositivo de uma impressora ofsete plana que ajusta automaticamente a pressão de impressão. tomador ou escova.[1] <direct infeed system> . de acordo com o formato da folha. álcool isopropílico ou outros agentes umectantes. o registro circunferencial. um rolo dosador.Dispositivo de uma impressora ofsete plana responsável pelo ajuste automático dos mecanismos do aparelho de entrada de folhas. de modo sincronizado.Conjunto de cilindros refri- 350 . dos batedores laterais e dos alinhadores da pilha de entrega. as chaves do tinteiro.Sistema de alimentação de folhas de uma impressora ofsete no qual os margeadores frontais posicionam as folhas na mesa de alimentação. Sistema de pré-acerto de formato na alimentação <feeder sheet size preset system> . sem utilizar dispositivos intermediários de transferência. o esquadro lateral. um rolo da banheira que gira continuamente. do vácuo do freio de folhas. de acordo com o formato do papel. Sistema de molhagem <dampening system> .Sistema de exaustão acoplado a uma guilhotina.Alimentador de uma impressora cujos guias frontais param e posicionam as folhas. a pressão de contrapressão. a fim de impulsioná-las contra as pinças do cilindro de contra-pressão. ácido fosfórico. Sistema de remoção de aparas <scrap removal system> . Sistema de pré-acerto <preset system> . de acordo com o formato do papel. Sistema de pré-acerto de formato na entrega <delivery sheet size preset system> . de acordo com a espessura da folha.

aplicada sobre as chapas de impressão ofsete. os processos químicos de branqueamento têm a finalidade de remover a lignina da polpa da madeira. prejudicando o papel e a tinta. a goma dessensibiliza as áreas de contragrafismo da chapa. descoramento. tais como: demora na secagem das tintas. Termos alternativos: resistência à luz. v {b} diversos constituintes do papel contribuem para o seu envelhecimento. v a molhagem das chapas ofsete poderia ser feita apenas com água. permanência de cor <color permanence>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas gerados a água. ou seja: o ácido evita que a tinta sangre na solução (exceto nas soluções alcalinas). ganho-de-ponto. o agente umectante (álcool isopropílico) reduz a tensão superficial da solução.Mistura de água.{a} Dispositivo da alimentação de impressoras of- 351 . Termos alternativos: estabilidade de cor <color stability>. {b} Propriedade de um papel que define a extensão na qual a sua cor original será mantida quando exposto à luz. cegueira de chapa. retenção de cor <color retention>. e resistir a mudanças quando expostos à luz.{a} Habilidade do pigmento de uma tinta ou de um suporte de resistir à deterioração (envelhecimento. a fim de evitar que as áreas de contragrafismo aceitem tinta. gomaarábica e álcool. entupimento de retícula e outros. localizados após o forno de uma impressora ofsete rotativa. sua eficiência seria baixa e a quantidade necessária para umedecer a chapa seria muito grande. podem ocasionar problemas difíceis de contornar. os produtos químicos adicionados à água aumentam a sua eficiência de umectação. o agente antiespumante evita a formação de bolhas que podem prejudicar a distribuição da solução. amarelamento) causada pela luz do sol ou artificial. ácido fosfórico. porém. os fungicidas eliminam os microorganismos que proliferam no meio. sob condições normais de estocagem. solução de molha. entretanto.Camada aplicada a um suporte de impressão para evitar o acúmulo de carga eletrostática. é necessário que o pH (acidez) e a condutividade da solução de molhagem sejam monitorados periodicamente. estrias de rolos. Solução antiestática <antistatic solution> . tornando-as repelentes à tinta. solidez <colorfastness>. o estimulador de secagem acelera a secagem da tinta à medida que a solução é emulsionada na tinta. Solidez <colorfastness> . de pH ácido.Habilidade de um suporte. Ver também: Cilindros resfriadores <chill rolls>. cuja função é resfriar o papel até a temperatura ambiente. gomaarábica. a solidez à luz do papel é avaliada com equipamentos chamados medidores de envelhecimento <fade-ometer>. melhorando a sua fluidez. quando mal controlados.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . usada para dessensibilizar as áreas de contragrafismo das chapas ofsete. a fim de garantir que estes constituintes executem adequadamente a sua função durante a impressão. uma tinta ou um impresso de reter sua cor. neutro ou alcalino. Solidez à luz <lightfastness> .Mistura de água. Solução de molhagem . o inibidor de corrosão evita a oxidação dos metais com os quais a solução têm contato. particularmente a presença de lignina que causa o amarelamento do papel. álcool isopropílico e outros produtos. Termos alternativos: água de molha. ou um substituto do álcool. a pasta mecânica contém uma grande quantidade de lignina. [2] <fountain solution> . ao calor ou a outra influência ambiental. Soprador <blower> .[1] <dampening solution> .

para evaporar o solvente das tintas e o excesso de água absorvido pelo papel. para encostá-las à superfície do cilindro de contrapressão. Substitutos da polpa <pulp substitu- 352 . dominante de menor valor por um valor apropriado de preto nas áreas de sobreposição de amarelo. {b} Barra do forno de uma impressora ofsete rotativa que sopra ar quente sobre o papel. Ver também: Pésinho do alimentador <feeder foot>. Termos alternativos: ventiladores de saída <sheetfed fan delivery>.{a} Recurso de um scanner eletrônico de separação de cores. [2] <air jets> . muito empregado na impressão de embalagens. para virar ou mudar a direção da tira de papel. remoção de cor policromática <polychromatic color removal>. reprodução acromática <achromatic reproduction>. Termos alternativos: remoção de cor acromática <achromatic color removal>. {c} Tubo perfurado no interior do qual injeta-se ar comprimido. para evitar o contato com o papel recém impresso. em condições extremas. substituindo-as por uma quantidade apropriada de preto.[1] <air-blast nozzles> Dispositivos das impressoras ofsete planas e máquinas de acabamento que sopram ar comprimido para separar as folhas superiores da pilha de alimentação.Dispositivos de uma impressora ofsete que sopram ar sobre as folhas. Sopradores traseiros <rear blowers> Ver: Sopradores <air-blast nozzles>. Abreviatura: (GCR). <laydown fan wheels>. Termos alternativos: sopradores traseiros <rear blowers>. magenta e ciano. Remoção de cor <undercolor removal>. Abreviatura: (ACR).Dispositivos localizados próximo da pilha de alimentação de uma impressora ofsete plana ou máquina de acabamento que sopram ar comprimido para separar a borda de pinça da primeira folha. a fim de evitar que contatem prematuramente a superfície da blanqueta. Remoção máxima de cor <maximal color removal>. Sopradores . <air-blast pipes>. a variação de cor na impressão é menos evidente quando se usa esta técnica. Sopradores frontais <front air blast nozzles> . Ver também: Barra angular <angle bar>. [3] <blow-downs> . a fim de assentá-las sobre a pilha de entrega.Dispositivos localizados acima da mesa de saída das impressoras ofsete planas. Ver também: Adição de cor <undercolor addition>. Substituição da componente gris <gray component replacement> . antes do ponto de impressão. Termos alternativos: remoção de cor integrada <integrated color removal>. substituição de cor acromática <achromatic color replacement>. localizado antes da dobradeira de uma impressora rotativa. magenta e ciano de uma imagem. este recurso permite imprimir com apenas duas cores de escala mais o preto. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas sete planas e máquinas de acabamento que faz a separação das folhas através de sopro de ar. Substituição de cor <color substitution> .Processo de seleção de cores no qual uma ou mais cores de escala são substituídas por cores especiais (extratrinárias). e de alguns programas de DTP que substitui a cor primária . ajustando os valores de CMY restantes. Ver também: Forno <dryer>. que sopram ar sobre as folhas. a fim de igualar as cores da reprodução às cores de interesse do original.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Substituição de cor acromática <achromatic color replacement> Substituição do elemento neutro de uma cor por uma quantidade equivalente de preto. substituição da componente gris <gray component replacement>. {b} Técnica de redução de quantidades de amarelo.

Abreviatura: (SC). [2] <copy stand> . reflete uniformemente todos os comprimentos de onda da luz. exigindo o uso de tintas propriamente formuladas. Superfície não-porosa <nonporous surface> . Supercalandrado <supercalendered> . [3] <stock> {a} Papel ou outro material usado para imprimir. {c} 353 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas tes> .Produtos celulósicos que apresentam grau intermediário entre a polpa e o papel reciclado.Produzir no papel brilho elevado por supercalandragem.Suporte de impressão que contém substâncias que reagem com a solução de molhagem ofsete. a fim de evitar decalque e outros problemas durante a impressão e o manuseio do produto impresso. Supercalandra <supercalender> Calandra separada da máquina de fabricar papel ou de revestimento. Superfície perfeitamente branca <perfect white surface> . Ver também: Tripé <tripod>.Diz-se de um papel alisado em super-calandra. Termo alternativo: suporte <stock>. aquecidos a vapor. Ver também: Calandra <calender>. Supercalandragem <supercalen- dering> . Substrato . geralmente dotado de lâmpadas para garantir a correta iluminação do objeto a ser fotografado. Supercalandrar <to plate> . cuja função é produzir acetinagem e brilho elevado no papel. Superfície porosa <porous surface> Suporte de impressão que apresenta porosidade adequada à ancoragem e secagem das tintas gráficas.[1] <camera stand> . constituída de rolos de aço alternados com rolos revestidos de papel ou tecido. que não requerem tratamento para remoção da tinta. fazendo-o passar sob pressão por uma série de rolos metálicos aquecidos intercalados com rolos moles.Tripé para máquina fotográfica. Substrato ativo <active substrate> .Método de obtenção de uma superfície de alto brilho num papel. Sujeira <dirt> . Ver também: Papel macroporoso <macroporous paper>. Ver também: Superfície porosa <porous surface>. Suporte . Termo alternativo: <substratum>.Material gelatinoso que constitui a camada fotossensível de um filme ou chapa.{a} Qualquer materialbase cuja superfície pode ser impressa ou revestida.Dispositivo que serve para prender e ajustar a posição de uma câmara fotográfica. Termo alternativo: <camera mount>. alterando-lhe o pH e a condutividade. Papel microporoso <microporous paper>. Termo alternativo: substrato <substrate>. que se destaca visto apresentar cor diferente do papel. {b} Placa.Suporte de impressão que apresenta muito pouca ou nenhuma porosidade.Superfície teórica que reflete a luz difusamente em todas as direções. {b} Camada de material aplicada diretamente sobre um filme ou chapa de modo a promover a ancoragem da camada fotossensível.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . e não absorve nenhum componente de luz do espectro.Termo genérico que indica qualquer material estranho presente na superfície de um papel. [2] <substrate> . Succionadores <pickup suckers> Componentes da unidade de separação de folhas do alimentador de uma impressora ou máquina de acabamento.[1] <subbing> . cuja função é levantar e fazer avançar a folha superior da pilha de alimentação e entregá-la aos roletes de avanço. filme ou papel que recebe a emulsão fotossensível. Superfície não-porosa <nonporous surface>.

[2] <paper stock> .Diz-se de qualquer tipo de suporte de impressão feito de materiais plásticos.Polpa úmida refinada e dispersa. Termos alternativos: coesão <cohesion>.Material sobre o qual se imprime.Mecanismo de alimentação de impressoras rotativas que comporta uma única bobina de papel ou outro suporte. Termo alternativo: <pulp furnish>.. a fim de melhorar a umectação da chapa. na forma digital.Suporte para duas bobinas de papel. cobre e enxofre. que permite préalimentar uma bobina enquanto outra ainda está sendo consumida. e resistir ao amarelamento quando em contato com soluções cáusticas.Matéria-prima para a fabricação do papel. montados um sobre o outro. que permite alimentar duas bobinas ao mesmo tempo. Suporte de bobinas <roll stand> Mecanismo que sustenta a bobina de papel enquanto desenrola e é alimentada numa impressora rotativa. ou reduzir o tempo de recarga quando uma única bobina for usada. Termo alternativo: porta-bobinas. Termos alternativos: tensioativo. tais como os materiais poliméricos. Termo alternativo: <double-roll stand>. [3] <stuff> . Suspensão <slurry> . vidro etc. Ver também: Suporte duplo de bobina <dual-roll stand>. pronta para ser alimentada sobre a tela da máquina de fabricar papel. pegajosidade. Ver também: Agente surfactante <surface-active agent>. ou pode ser adaptado para alimentar duas bobinas ao mesmo tempo. imagens etc. . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Mídia onde se armazena informações. Suporte-base de transferência por difusão <diffusion-transfer base stock> Papel com elevado grau de resistência a úmido e nivelamento superficial ao qual uma emulsão gelatinosa de haleto de prata é facilmente aplicada.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . tensoativo. Termo alternativo: <wet mill broke>. agentes de colagem e corantes.Substância adicionada à solução de molhagem ofsete. este suporte deve ser livre de ferro.[1] <furnish> . tal como: discos. Suporte de bobinas auxiliar <auxiliary roll stand> . Surfactante <surfactant> . em suspensão aquosa. {b} Solução aquosa de abrasivos empregada no processo de granulagem de chapas de impressão.Propriedade que indica a coesão entre as partículas de uma tinta. alguns dos quais precisam receber tratamento para promover adesão e aceitação das tintas de impressão. cartão.Mistura de materiais fibrosos e não-fibrosos. plástico. coesão interna <internal cohesion>. a fim de reduzir-lhe a tensão superficial ou a tensão interfacial entre a solução e a chapa. montado sobre outro. Suporte não-celulósico <non-paper substrate> .Porta-bobina auxiliar. Termo alternativo: <stock>.{a} Solução aquosa de fibras ou de pigmentos e adesivos empregada no revestimento do papel. Termo alternativo: <nonpaper>. Suprimento . fitas etc. tais como: cargas. Suporte de impressão <printing stock> . tecido. Suporte de bobinas simples <singleroll stand> . 354 T Tack <tack> . para a fabricação do papel ou cartão. Suporte duplo de bobina <dual-roll stand> . Ver também: Suporte duplo de bobina <dual-roll stand>. medida através da força necessária para dividir um filme de tinta entre duas superfícies. poder mordente. tal como papel.

Mesa plana sem fim.Estado de um material sujeito a uma força aplicada. a tinta de maior tack promove o arrancamento da tinta já impressa se esta apresentar menor valor de tack. Tempo de secagem natural <natural drying time> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas v o tack é a principal propriedade de uma tinta ofsete que governa a aceitação de um filme de tinta sobre outro. Tela . coesividade ou qualidade adesiva de uma tinta ofsete. Ver também: Tecido <fabric>. se o tack for excessivo. revestida de fósforo. Termos alternativos: <forming wire>.{a} Estêncil constituído de uma malha porosa de seda ou material sintético utilizada para confeccionar a matriz de impressão serigráfica. Tack da tinta <ink tack> . entre as quais a caixa de entrada injeta a suspensão fibrosa. a ação do tack sobre o papel é diretamente proporcional à viscosidade da tinta. localizada entre a caixa de entrada e a prensa úmida da máquina de fabricar papel. Ver também: Tack <tack>. {b} Período de tempo de espera necessário para secar a tinta. {b} Diferença de velocidade superficial entre os cilindros resfriadores e o cilindro da blanqueta da última unidade de uma impressora rotativa ofsete. caso contrário.Ver: Prensista <presser>. [2] <wire> .{a} Quantidade de tração exercida sobre a tira de papel pelos cilindros resfriadores de uma impressora rotativa ofsete. <machine clothing>. quando absorve umidade.Temperatura alcançada pelo papel ao passar pelo forno de uma impressora rotativa. o papel é sujeito à tensão ao passar pelo forno de uma impressora rotativa devido ao encolhimento das fibras causado por evaporação da umidade. o papel sofre encanoamento paralelo às fibras. constituída de uma trama de fios metálicos.[1] <screen> . Tensão da bobina <web tension> 355 . {b} Superfície do tubo de raios catódicos. Ver também: Lado tela <wire side>. Tela-dupla <twin-wire former> Dispositivo da máquina de fabricar papel que comporta duas telas convergentes.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . melhor a definição dos pontos de retícula impressos. Taxa de tração <draw rate> . sobre a qual as informações são exibidas. os valores de tack devem ser decrescentes da primeira para a última cor impressa. Tendência do papel ao encanoamento <paper curling tendency> .Propensão do papel curvar-se devido ao desequilíbrio de umidade com o ambiente ao qual está exposto. quando o papel perde umidade para o ambiente. Tempo de secagem <drying time> {a} Tempo necessário para que um filme de tinta impresso forme uma película não-pegajosa sobre o papel ou outro suporte. e inversamente proporcional ao cubo da espessura do filme de tinta. Ver também: Resistência à tração <tensile strength>. à velocidade da impressora e à área coberta pela tinta. Telista . pode ocorrer arrancamento de partículas do papel. Temperatura do papel <web temperature> . quanto maior o valor de tack.Pegajosidade. antes de iniciar a impressão do segundo lado da folha ou as operações de acabamento. sobre a qual o papel é formado a partir de uma suspensão aquosa de fibras de celulose. Tensão <stress> . entretanto. o encanoamento ocorre na direção do lado tela.Período de tempo decorrido entre o ponto em que uma bobina de papel deixa a última unidade de impressão e o ponto onde ela passa pelo forno de uma impressora rotativa. na direção do lado feltro.

Teste de abrasão do papel <abrasion test of paper> . porém. Ver também: Resistência ao arrancamento a seco <dry picking resistance>. Ver também: Puxada <drawdown>. Teste das ceras Dennison <Dennison wax test> . que consiste em submeter um corpo de pro- va à ação pegajosa de bastões de cera de pegajosidade graduada. o valor da resistência do papel é o número do bastão de cera de maior graduação que não causa arrancamento de partículas da superfície do papel. 356 Teste da puxada . após o qual o excesso de tinta é removido. Ver também: Resistência à abrasão <abrasion resistance>.Teste de laboratório que se presta a avaliar a absorção de tinta de um papel através do brilho produzido por um óleo aplicado a sua superfície. Tensão na direção z <z tensile strength> . submetendo-a a uma puxada na cabeça e no pé. Teste de absorção de tinta K&N <K and N ink absorbency test> . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Puxada aplicada a uma bobina de papel ao longo de uma impressora rotativa. os quais são fundidos e fixados à superfície do papel. [3] <pull tester> .Teste rápido de avaliação da resistência superficial de um papel. Teste da cera <wax test> . [2] <pull test> . atrito a úmido <wet rub>. Teste de absorção de tinta <vanceometer test> .Aparelho destinado a medir a resistência de um livro colado. v este teste é adequado para papéis não-revestidos. de acordo com a norma TAPPI T459. Termolaminadora <thermolaminating machine> . empregando uma série de ceras de pegajosidade graduada. a intensidade da mancha indica a absorção relativa de tinta. sangramento a úmido <wet bleed> e as qualidades de resistência de um papel ou cartão. .[1] <head-and-tail tester> . Teste das ceras Dennison <Dennison wax test>. não é recomendado para papéis revestidos contendo ligantes termoplásticos. Ver também: Resistência ao estouro <bursting strength>. Termo alternativo: <crosshatch test>.Tensão que permanece após a secagem de um papel em bobina sob tensão.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Medida da força necessária para romper o papel na direção perpendicular à sua superfície. Termo alternativo: teste da cera <wax test>. Teste de adesão <adhesion test> Método de determinação da aderência de uma tinta ou verniz a um suporte de impressão (teste de adesão de tinta ASTM D 3359). durante um tempo especificado. Tensão de esfriamento <frozen stress> .Ensaio dinâmico realizado para determinar a resistência ao atrito a seco <dry rub>. utilizado para laminação de filmes plásticos na superfície de papéis e cartões. Termo alternativo: <z-direction tensile strength>.Método prático comparativo da taxa de absorção de uma tinta em diferentes papéis.Ensaio realizado para medir a força necessária para arrancar uma página da lombada de um livro colado. como meio de avaliar a qualidade do processo de colagem da lombada.Método de avaliação da resistência de um papel ao arrancamento a seco.Equipamento dotado de um tambor aquecido. Ver também: Resistência ao arrancamento a seco <dry picking resistance>. Termo alternativo: <pagepull test>. feito por aplicação de um filme espesso de tinta não-secativa em amostras de diferentes papéis revestidos.Aparelho utilizado para medir a força necessária para arrancar uma página de livro.

Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Teste de colagem por imersão em água <water immersion size test> . Termos alternativos: <pat-out>.Aparelho empregado na avaliação do grau de colagem de papéis e cartões. Ver também: Cobb.Ensaio de laboratório realizado para determinar a resistência . para indicar o final do teste.Método de determinação da resistência de um papel a uma força de divisão ou ruptura. a secagem e a compatibilidade com o suporte.Método de avaliação da colagem de um papel ou cartão. com uma amostra do papel em branco. que consiste em desenhar linhas num corpo de prova.Instrumento utilizado para avaliar a resistência de um papel ao arrancamento ou à delaminação. Teste de Elmendorf . a partir da massa de água absorvida sob condições específicas. Termo alternativo: <blocking test>.Ensaio designado para avaliar o brilho de papéis não-revestidos ou foscos.Teste empírico que consiste em aplicar a tinta ao papel. Teste de colagem com indicador seco <dry indicator size test> .Método de avaliação da resistência à água de um papel ou cartão. através da aplicação de tintas com diferentes valores padronizados de tack. Ver também: Resistência ao arrancamento <pick resistance>. [2] <pick tester> . sob pressão. Teste de estouro <bursting test> Ver Teste de Mullen <Mullen test>. Teste de colagem <sizing test> .Método de avaliação da colagem interna de um papel ou cartão. sob condições padronizadas. [2] <Cobb size tester> . Teste de brilho constante <constant gloss test> . Teste de colagem Cobb . Ver também: Blocagem <blocking>. a fim de avaliar-lhe a cor. Ver também: Puxada <drawdown>. através da massa de água absorvida por uma amostra imersa em água. [2] <Elmendorf tester> . sensível à umidade. Teste de imersão em água <water immersion test> . empregando um pó indicador seco.Aparelho destinado a medir a resistência de papéis ao rasgo. 357 v a resistência ao rasgo é geralmente expressa em porcentagem <percent Elmendorf>. com repetidas batidas do dedo. por meio de aplicação de tintas com valores de tack graduados. a partir de uma amostra impressa colocada em contato. empregando uma tinta à base de água. Teste de colagem por flotação em tinta <ink flotation sizing test> . Ver também: Resistência ao rasgo <internal tear resistance>.Método de avaliação do grau de colagem de um papel ou cartão.[1] <Elmendorf test> .[1] <Cobb size test> . <tap-out>. num determinado período de tempo. e observar o espalhamento da tinta conforme esta é absorvida pelo papel.Ensaio realizado para medir o grau de resistência superficial de um papel à água.Método empregado para medir a resistência de um papel ao rasgo. Ver também: Colagem <sizing>. durante um período de tempo pré-definido. Teste de dedo <tab out test> .[1] <pick test> . particularmente quando a reflexão superficial pode interferir na legibilidade do texto impresso. Teste de blocagem <block test> Ensaio que visa determinar a probabilidade de um determinado par tinta-papel sofrer decalque após a impressão. Termo alternativo: <feathering test>. através do tempo necessário para que uma tinta de escrever penetre no papel quando um corpo de prova é feito flotar na tinta. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Teste de arrancamento .

Ver também: Lisura Gurley <Gurley smoothness>.Aparelho destinado a medir a lisura superficial de papéis e cartões. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas de um papel à água. [2] <Bendtsen smoothness tester> .[1] <Bendtsen smoothness test> . simulando as condições reais do processo.Ensaio de laboratório realizado para determinar 358 v a lisura do papel é expressa em mililitros por minuto (ml/min). ffield smoothness test> . [2] <Gurley smoothness tester> . destinado a medir a resistência de um papel ao estouro. [2] <Mullen tester> . Teste de lisura Gurley . teste de estouro <bursting test>.Método empregado para avaliar a lisura superficial de papéis e cartões.Aparelho destinado a medir a lisura superficial de papéis e cartões. v a lisura do papel é pressa em mililitros por minuto (ml/min).[1] <Bekk smoothness test> .Método empregado para avaliar a lisura superficial de papéis e cartões. Ver também: Lisura Bekk <Bekk smoothness>. [2] <Bekk smoothness tester> . através do fluxo de ar que passa sob pressão constante entre a amostra e um dispositivo constituído por dois anéis concêntricos do aparelho de medição. v a lisura do papel é expressa em mililitros por minuto (ml/min). v a resistência de um papel ou cartão ao estouro é geralmente expressa em porcentagem <percent Mullen>. Teste de lisura Sheffield . pesar o corpo de prova úmido e calcular o ganho de umidade. ou o grau de colagem de um cartão. a partir do fluxo de ar que passa sob pressão constante entre a amostra e o cabeçote do aparelho de medição. a partir do fluxo de ar que passa sob pressão constante entre a amostra e o cabeçote do aparelho de medição. IGT e Huck. e cheirar para verificar o odor residual.Equipamento dado de um diafragma de borracha que se expande hidraulicamente. Termos alternativos: <pop test>.Aparelho destinado a medir a lisura superficial de papéis e cartões.Método empregado para avaliar a lisura superficial de papéis e cartões. a partir do fluxo de ar que passa sob pressão constante entre a amostra e o cabeçote do aparelho de medição. Teste de odor <odor or taint test> Ensaio empregado para avaliar o odor da tinta e do suporte de impressão utilizados em embalagens de alimentos. Ver também: Lisura Sheffield <Sheffield smoothness>. mergulhar em água por um determinado período de tempo. Teste de Mullen . Ver também: Resistência ao estouro <bursting strength>.[1] <Mullen test> Método empregado para avaliar a resistência de um papel ao estouro. Teste de printabilidade <printability tester> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 .Método empregado para avaliar a lisura superficial de papéis e cartões. Teste de lisura Bendtsen .Aparelho de laboratório que se presta a avaliar quantitativamente a printabilidade de papéis e tintas de impressão.[1] <Gurley smoothness test> . Teste de lisura Bekk .Aparelho destinado a medir a lisura superficial de papéis e cartões. alguns exemplos incluem: Prüfbau. Teste de rasgo <tear test> . v a lisura do papel é expressa em mililitros por minuto (ml/min). [2] <Sheffield smoothness tester> . Ver também: Lisura Bendtsen <Bendtsen smoothness>.[1] <She- . que consiste em pesar um corpo de prova. que consiste em colocar uma amostra impressa num vidro e submetê-la ao calor durante algumas horas.

após separar as páginas ao meio e dobrá-las completamente. {b} Problema que ocorre na impressão ofsete quando 359 . as quais são facilmente floculadas ou aglomeradas e migram para a fase aquosa. {f} Variação dos valores tonais que formam os detalhes de uma imagem.Termo genérico que designa uma série de aparelhos utilizados para avaliar a lisura de papéis de impressão a partir da vazão de ar que passa entre a superfície do papel e a superfície do cabeçote do equipamento. que consiste em avaliar o dano causado num livro colado. à delaminação etc. encostando capa contra capa. Teste de lisura <smoothness tester>. Ver também: Resistência ao rasgo <tearing resistance>. papéis e outros insumos gráficos. {b} Característica visual e/ou tátil resultante do modo como a tinta é ancorada à superfície do suporte. {c} Elemento do design empregado para criar “sensação” visual numa superfície.{a} Velatura que ocorre nas áreas de contragrafismo de uma chapa ofsete devido à formação de emulsão de óleo em água. indicando a máxima tração suportada antes do rompimento da tira de teste. sob condições padronizadas de temperatura e umidade relativa.{a} Detalhe superficial de uma imagem bidimensional. {b} Aplicar tinta ao papel com repetidas batidas do dedo. {d} Característica de dureza de um pigmento na sua forma seca. à dobra. Textura <texture> . Ver também: Flexão de página <page flex>. com o dedo. {e} Característica superficial do suporte de impressão.Aparelho destinado a medir a força necessária para arrancar uma página de um livro colado. Testes de laboratório <laboratory tests> .Método empregado para avaliar a força necessária para arrancar uma página da lombada de um livro colado.Ensaios normalizados para avaliação das propriedades de tintas. ao estouro. Ver também: Resistência à dobra <folding endurance>.{a} Ensaio que consiste em aplicar uma pequena porção de tinta ao papel. Teste de tração <tensile test> Ensaio normalizado pela TAPPI (T404 e T494) para avaliar a resistência do papel ao elongamento sob tensão. a fim de analisar a cor resultante de uma mistura de duas ou mais tintas. Tingimento <tinting> . Teste do dedo <tab out> . Ver também: Lisura <smoothness>. Teste de tração de página . Teste de Schopper <Schopper test> Ensaio de laboratório que se presta a determinar a resistência à dobra do papel.[1] <page-pull test> . Teste de vazão de ar <air leak tester> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . submetendo a lombada ao máximo esforço. Teste do metrô <subway test> Ensaio de durabilidade de livros. causada por partículas de pigmento mal umectadas pelo veículo da tinta. nos sentidos paralelo e perpendicular às fibras. expresso em quilonewton por metro (KN/m). Teste de resistência à umidade <wet rub test> . Teste de resistência <strength test> Diz-se de qualquer ensaio de laboratório realizado para avaliar a resistência de um papel ao rasgo. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas a direção de fibra ou a resistência de um papel ao rasgo. estimulando uma resposta tátil quando tocada. Ver também: Letra de forma <round hand>. [2] <page pull tester> . produzindo uma tintura generalizada. Modelação <modeling>.Ensaio de laboratório que visa avaliar a resistência de um papel à umidade.

e é pouco eficiente quando impressa em suportes não-revestidos. por um processo conhecido por filtração seletiva. Termo alternativo: <quickset ink>. os veículos são formulados com sistemas oleoresinosos que.Variedade de tinta cujo veículo seca primariamente por precipitação. Tinta de assentamento rápido <quick-setting ink> . especialmente formulada para uso em impressoras de computador. Tinta-jornal <news inks> . ou uma combinação destes processos com outros métodos de secagem. esse fundo pode ser eliminado tratandose a chapa com uma esponja úmida. deixando o óleo viscoso na superfície. que “seca” por absorção. ou ultravioleta.Tinta à base de óleos secativos que assenta a partir de uma reação química entre o oxigênio e os secantes de cobalto ou manganês. deixando a parte sólida (resina) na superfície do suporte e a parte líquida (óleo) penetra rapidamente no suporte. Tinta flexográfica <flexographic ink> . consistindo essencialmente de negro-de-fumo.Tinta serigráfica sólida que funde em contato com uma tela metálica aquecida e solidifica em contato com o suporte frio. oxidação e heatset tam- . ou pigmentos coloridos.Tipo de tinta ofsete. o solvente é rapidamente absorvido pelo suporte. coagulação. Termos alternativos: engorduramento <greasing>. a condição é agravada pela presença de surfactantes na solução de molhagem. para impressão de celofane. tal como um óleo de alta viscosidade e um solvente. [2] <hot-melt ink> v este tipo de tinta não assenta quando impressa em suportes não-absorventes.Tinta líquida. os quais agem como catalisadores do processo de secagem. altamente volátil e de rápida secagem. Tinta jato de tinta <ink-jet ink> Tinta composta de uma mistura de anilinas solúveis num veículo muito fluido. v {b} é mais provável de ocorrer quando a tensão interfacial tinta–água aproxima-se de zero. . Tinta de secagem rápida . geralmente utilizada na impressão ofsete plana. Ver também: Velatura <scumming>. Termo alternativo: <coldset ink>. 360 v as tintas flexográficas podem ser à base de água. filtração. para impressão de poliolefinas e laminados.Tinta que assenta rapidamente no suporte através de penetração.[1] <fastdrying ink> . <toning>. produzindo um fundo indesejável nas áreas de contragrafismo do impresso. [2] <quick-set ink> .Tinta ofsete cujo veículo é composto por dois líquidos parcialmente solúveis. absorção seletiva.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . separam-se. que é impressa a quente (o tinteiro é aquecido) e assenta no suporte por resfriamento. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas as partículas de pigmento da tinta sangram na solução de molhagem (ofsete). para impressão de suportes não absorventes quando há necessidade de rápida secagem e brilho elevado. que pode formar pequenas gotas e carregarse eletricamente. <washing>. após a impressão. Tinta de secagem oxidativa <oxidative-drying ink> . sistemas de emulsificação. causando a adesão dos pigmentos ao suporte. de baixa viscosidade. porém retorna quando a impressão recomeça. à base de solventes. Tinta de secagem por resfriamento [1] <cold-set ink> . dispersos em veículo de óleo mineral.Tinta especialmente destinada à impressão de jornais. formulada com veículos resinosos contendo ceras. Ver também: Tinta anilina <dye ink>.

são posicionadas de tal modo que. Tira-e-retira <work-and-turn> Método de imposição ou traçado de monta-gem (leiaute) no qual todas as páginas. este traçado é preferido ao tira-e-retira-tombando devido à precisão. Tira-e-retira-tombando <work-andtumble> . a matriz tipográfica pode ser composta a partir de tipos móveis (individuais). hoje em franco declínio. duas imagens idênticas são produzidas.Método de imposição de páginas no qual a mesma base montada produz duas imagens sobre a chapa. tinta-jornal. uma metade da folha automaticamente coincide com o verso da metade impressa anteriormente. {b} Processo de compor e imprimir tipos. isto é. Tira-e-gira <work-and-twist> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <printing plant>. de lingotes (linha completa composta em linotipo) ou de eletrotipos ou estereotipos (borracha ou polímero) moldados a partir da fôrma tipográfica. compreendendo a escolha de tipos. quando a folha é virada conservando-se a mesma pinça. <newsink>. Termo alternativo: <work-and-whirl>. <work- 361 v [2] a tipografia é o mais antigo processo de impressão. Termo alternativo: <comic inks>. {d} Concepção gráfica de uma obra. e o mais importante até pouco tempo. lado a lado ou cabeça com cabeça. quando a folha é cortada ao meio no sentido vertical. Abreviatura: (W&F).Tinta barata que não contém resinas e seca por absorção. Ver também: Chapa em relevo <relief plate>. Impressão em alto-relevo <relief printing>. Termos alternativos: <work-and-flop>.Método de imposição ou traçado de montagem (leiaute) no qual a frente e o verso da folha são impressos com uma única chapa. as prensas tipográficas podem ser planas <platen press>. {c} Característica genérica ou aparência da matéria impressa.Ver: Tira-eretira <work-and-turn>. usada na impressão de papel jornal. Tinta para jornal <news ink> . a base é rotacionada 180°. Ver também: Tinta heatset <heatset ink>. [3] . a fim de proceder à segunda exposição. Flexografia <flexography>.[1] <printery> . a probabilidade de ocorrer fora-de-registro é maior do que no traçado tira-e-retira.Tinta que polimeriza até o estado permanentemente sólido por ação de calor. acima das áreas de contra-grafismo.{a} Arte e ofício de criar e/ou compor tipos profissionalmente. após a impressão do primeiro lado. visto que a mesma pinça e o mesmo lado do esquadro são usados para margear a folha nas duas entradas de máquina. <flatbed-cylinder press> ou rotativas <rotary press>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas bém são empregados. a pilha de papel é virada de modo que a contrapinça da folha torna-se a pinça do segundo lado. a determinação da dimensão das ilustrações e seu posicionamento no texto. <typographic printing>. Impressão tipográfica <letterpress>. Termos alternativos: <printing house>. Ver também: Imposição frentee-verso <sheetwise imposition>. a menos que o suporte seja precisamente esquadrado.Estabelecimento de impressão tipográfica. planocilíndricas . Tinta termoassentável <thermosetting ink> . Tirae-retira-tombando <work-and-tumble>. de ambos os lados da folha impressa. [2] <letterpress> Processo de composição e de impressão no qual as áreas de grafismo da fôrma de impressão encontram-se em alto-relevo.<typography> . após a primeira exposição. Tipografia . Termos alternativos: <comic ink>. Termo alternativo: tira-e-retira girando. Tira-e-retira girando .

Ver também: 362 . positiva. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas and-roll>. Ektachrome.Termo que descreve a condição na qual uma imagem impressa num dos lados do papel é vista do outro lado da folha.Termo subjetivo que indica a reprodução de quantidades muito pequenas. Ver também: Impressão curta <printing too short>. Termo alternativo: tiragem boa. Termos alternativos: <short binding run>. aulas. Termo alternativo: <butt roll>. livros.Termo relativo que indica a produção de pequena quantidade de folhas. Agfa Color etc.). expressa em porcentagem do total de tinta disponível sobre a matriz de impressão. esta característica está diretamente relacionada à falta de opacidade do papel e à excessiva fluidez da tinta. Termo alternativo: <gross imps>. cadernos ou produtos encadernados produzidos na impressão ou no acabamento. [2] <delivery grippers> . Tiragem bruta <gross impressions> Quantidade total de folhas ou cadernos produzidos. Ver também: Impressão longa <printing too long>. revistas etc. Ver também: Tiragem líquida <net impressions>. abaixo de 500 cópias. seminários etc. Tira-e-retira <work-and-turn>. Tira-folhas . revistas etc. Pilha de entrega <delivery pile>. Ver também: Imposição frente-e-verso <sheetwise imposition>. Ver também: Tiragem bruta <gross impressions>. Ver também: Cilindro de entrega <delivery cylinder>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . cadernos. Tiragem líquida <net impressions> Quantidade de folhas ou cadernos produzidos. Transferência de tinta <ink transfer> . Tiragem real <count> . geralmente contendo apenas algumas voltas em torno do tubete.Sobra de papel que permanece numa bobina após a emenda. [3] <show-through> . reproduzida sobre um filme-base transparente (Kodachrome.[1] <color transparency> . Tiragem boa .Termo relativo que indica a produção de grande quantidade de folhas. Transparência . {b} Registro fotográfico positivo de uma imagem em diapositivo ou filme. Tiragem muito curta <very short counts> .Conjunto de pinças uma impressora ofsete plana que transfere as folhas do cilindro de transferência da última unidade de impressão para a pilha de entrega. descontado os estragos. Toco de bobina . geralmente utilizado em apresentações. incluindo os estragos.Diz-se de uma bobina de papel de pequeno diâmetro ou que contém uma pequena sobra de papel. <tranny>. Seção de entrega <delivery section>. [2] <overhead transparency> . Tiragem longa <long run> . cadernos.Imagem fotográfica colorida.Tipo de mídia de projeção audiovisual consistindo de uma folha de acetato transparente contendo textos e ilustrações a ser projetadas numa tela. Termos alternativos: cromo <chrome>. <short-run>. [2] <stub roll> . Transmitância <transmittance>.{a} Qualidade de uma superfície ou objeto que permite a passagem de luz através dele. livros. Tiragem curta <short run> . a ser observada através de luz transmitida. Ver também: Opacidade <opacity>. {c} Diapositivo para projeção por meio de diascópio.Quantidade de tinta depositada num suporte.Quantidade total de folhas. [4] <transparency> .Ver: Tiragem líquida <net impressions>. Termo alternativo: cromo <chromo>.[1] <core remainder> .[1] <delivery chain> Dispositivo de uma impressora ofsete plana responsável pelo transporte das folhas impressas da última unidade de impressão para a mesa de entrega.

. [2] <printing station> - v quando a racle apresenta cortes. e este é transferido para o suporte. . Termos alternativos: <railroading>. <rail-road tracks>. Ver também: Umidade absoluta <absolute humidity>. Umidade relativa de equilíbrio <equilibrium relative humidity> . o qual é preenchido com tinta que é transferida para o suporte em forma de risco.Conteúdo de umidade no ar da sala de impressão.Tubo em torno do qual uma bobina é enrolada. Termo alternativo: tubete descartável <nonreturnable core>. {b} Ligeiro engrossamento ou afinamento de um detalhe impresso. [2] <paper web dampening> . Tubete descartável <nonreturnable core> . Umidificação <humidification> Adição controlada de umidade ao ar da sala de impressão.Defeito de impressão causado por partículas de papel.{a} Técnica de préimpressão que consiste em criar áreas de sobreposição entre cores contíguas. Umidade ambiente <ambient humidity> . Umidade absoluta <absolute humidity> .Pulverizador que umidifica o papel durante a operação de calandragem. cada uma responsável pela impressão de um dos lados do papel. Umidificador . a tinta não é removida naquele ponto e forma um anel de tinta em volta do cilindro. pode ocorrer abrasão e produzir um sulco em torno do cilindro. Ver também: Umidade relativa <relative humidity>. geralmente de cor menos intensa. Ver também: Umidade relativa <relative humidity>. Unidade de impressão . Trilhos <tracks> . expressa em porcentagem.Relação entre a massa de vapor d’água presente na atmosfera e o volume de ar no qual está contido. presas sob a racle. a fim de aumentar a umidade relativa do ambiente. Ver também: Afinar <to choque>. expressa em porcentagem da umidade necessária para saturar o ar numa determinada temperatura. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Cópia de transmissão <transmission copy>. ou no ambientador de papel. Ver também: Umidade relativa <relative humidity>. Cromo <chrome>. 363 U Umidade <humidity> . ou por dentes na racle. a fim de compensar as variações de registro durante a impressão.Quantidade de vapor d’água presente no ar. tinta etc. na qual não ocorre troca de umidade entre o papel e o ambiente ao qual está exposto. Umidade relativa <relative humidity> .[1] <humidifier> Aparelho que pulveriza vapor no ar da sala de impressão. Estourar <to spread>.Ver: Tubete <core>.Condição de equilíbrio entre a umidade relativa do papel e a umidade relativa do ar. Ver também: Estrias de racle <doctor blade streaks>.[1] <printing couple> .Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Trapping . quando uma partícula fica presa sob o fio da racle. constituído de duas unidades de impressão. a fim de manter constante a umidade relativa ambiente. Tubete <core> . a fim de produzir zonas de sobreposição entre áreas adjacentes de modo a evitar o aparecimento de fios brancos no impresso quando ocorrem pequenas variações de registro. reproduzindo as paralelas na superfície do cilindro rotogravura.Conjunto de impressão de uma impressora ofsete rotativa blanqueta–blanqueta.Quantidade de vapor d’água presente na atmosfera.

Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . <speckles>. 364 V Vazio . [2] <spots> . estação de impressão <printing station>. a blanqueta da unidade superior substitui o cilindro de contrapressão da unidade inferior. Termos alternativos: castelo <deck>.Conjunto de uma impressora constituído de todos os elementos necessários para a reprodução de uma imagem sobre um suporte de impressão. Ver também: Pinta <hickey>.[1] <missing dots> . um rolo emborrachado que transfere a tinta do tinteiro para um cilindro dosador de tinta (anilox). e um cilindro de contrapressão. grupo de impressão <printing group>. iguais àquela descrita acima porém sem o cilindro de contrapressão. v uma unidade de impressão flexográfica é constituída basicamente de um tinteiro. Vector drive .[1] <center> . um rolo emborrachado de contrapressão que pressiona o suporte contra o cilindro de impressão e um sistema de secagem da tinta. cuja função é pressionar o papel contra a matriz. nesse caso.Sistema que controla o mecanismo de compensação da tensão (tranca) do papel em certas impressoras v uma unidade de impressão ofsete rotativa em-linha apresenta configuração idêntica àquela descrita acima. Ver também: Pinta <hickey>. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas Conjunto de uma impressora flexográfica constituído de um rolo do tinteiro. um cilindro da chapa e um cilindro de contrapressão. v [3] uma unidade de impressão ofsete plana é constituída basicamente de três cilindros: o cilindro da chapa. <void hickeys>.Pequenas pintas brancas (não impressas) que aparecem nas áreas de grafismo. v uma unidade de impressão rotogravura é constituída basicamente de um tinteiro. . e vice-versa. dispostas verticalmente.O mesmo que centro. <skips>. v uma unidade de impressão ofsete rotativa blanqueta–blanqueta é configurada com duas unidades espelhadas. <station>. um cilindro que comporta a matriz flexográfica. <snow>. um cilindro anilox. Pontos faltantes <missing dots>. um cilindro gravado em baixorelevo que gira parcialmente imerso na tinta do tinteiro. em contato com o cilindro da chapa encontra-se um sistema de tintagem (dotado de um tinteiro e de uma série de rolos que têm a função de distribuir e alimentar um filme de tinta controlado sobre a chapa) e um sistema de molhagem (dotado de uma banheira de solução de molhagem e de uma série de rolos que têm a função de distribuir e alimentar um filme controlado de solução sobre a chapa). Vazios <missing dots>. [3] <printing unit> . [2] <void> .Defeito de impressão caracterizado por uma pequena área não impressa. Vazios . a qual recebe a tinta do rolo anilox e a transfere para o papel. v uma impressora ofsete rotativa satélite (CIC) é configurada com um cilindro central de contrapressão comum a diversas unidades de impressão iguais àquela descrita acima.Pontos faltantes ou não transferidos das células de um cilindro rotogravura para o papel. Termos alternativos: <breaks>. conjunto de impressão <printing couple>. causadas por partículas higroscópicas (não-receptivas à tinta) que se fixam à chapa ou à blanqueta ofsete ou por irregularidades (depressões) na superfície do papel. uma lâmina que remove a tinta das áreas de contragrafismo do cilindro. o cilindro da blanqueta e o cilindro de contra-pressão.

na direção de fabricação.Anel convexo formado em torno da circunferência de uma bobina de papel. causado por remoção incompleta de tinta da superfície do cilindro pela racle. algumas tintas secam por uma combinação de processos e são formuladas com veículos que contém solventes. tintas que secam por evaporação são formuladas com veículos à base de resinas e solventes de baixo ponto de ebulição. Trata-se de um problema complexo envolvendo um grande número de variáveis (filme. solventes. {c} Meio de comunicação ou de expressão. as tintas aquarela empregam veículos à base de goma solúvel em água. causado por atração da tinta pela superfície cromada. causado por invasão de luz ou por deficiência das soluções químicas empregadas no processamento. [2] <fogging> . Termos alternativos: rugas de umidade <moisture wrinkles>. Veículo <vehicle> . vergões de umidade. acerto da impressora e outros). Termo alternativo: verniz <varnish>. fixar o pigmento ao suporte. Termos alternativos: engorduramento <gre- v o veículo é formulado de acordo com o processo de secagem da tinta. óleos. [3] <haze> . as tintas de assentamento a frio são formuladas com veículos à base de resina e cera sólida em temperatura ambiente. controlar o fluxo da tinta. tintas que secam por oxidação e polimerização são compostas com veículos formulados com óleos secativos.Defeito que ocorre na impressão rotogravura caracterizado por acúmulo de tinta nas áreas de contragrafismo do cilindro e transferência para o suporte. Velatura . causado por um diferencial de espessura ou de umidade do papel naqueles pontos. resinas e óleos secativos. causadas por absorção de umidade do ar. cuja função é transportar o pigmento de uma tinta. feixe de elétrons e outras. nas áreas brancas ou nos espaços inter-reticulares das áreas de grafismo. [4] <scumming> Problema de impressão que pode ser genericamente definido como a deposição de tinta em áreas de contragrafismo da chapa ou do impresso.Defeito fotográfico que pode se manifestar em alguns pontos ou atingir toda a área de um filme. secantes. Veios de umidade <moisture welts> Bandas em forma de ondas ou rugas macias que aparecem próximas das extremidades de uma bobina de papel. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas ofsete rotativas. ceras e outros componentes. tinta. {b} Aspecto leitoso que se desenvolve na superfície de um filme de tinta transparente devido a contaminação. Veio <ridge> . Termo alternativo: <hard spot>.{a} Defeito que ocorre na impressão rotogravura caracterizado pelo aparecimento de tinta nas áreas de contragrafismo do impresso. visto que causam a secagem da tinta na superfície do cilindro antes da sua transferência para o suporte. veículos de tintas que secam por absorção são formulados com óleos nãosecativos. impressas a quente. tais como as tintas de assentamento rápido. tintas que secam por precipitação exigem veículos glicólicos solúveis em água dissolvidos numa resina insolúvel. ou seja. 365 . {b} Produto composto de resinas. por uma tinta mal dispersa ou por aspereza superficial do cilindro.[1] <fog> . no sentido paralelo às fibras. Ver também: Mídia <media>.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . após a secagem. solventes mais rápidos adicionados à tinta podem minimizar o problema. devido à deposição de prata em áreas de contragrafismo. secar formando um filme contínuo e flexível e. os veículos fotorreativos curam através de exposição a radiação ultravioleta. chapa. solução de molhagem.{a} Porção líquida que confere propriedades de fluxo às tintas de impressão. Ver também: Veios de umidade <moisture welts>. papel.

goma da solução de molhagem etc. cuja finalidade é melhorar a distribuição das fibras e a formação do papel. Vida útil <shelf life> . Vibração <shake> . veladura. maculatura <specking>. verniz.Combinação de oxidação e impregnação de pigmento. chapeamento ou secagem durante ou após a sua fabricação. rolos emborrachados e blanquetas ofsete. calandragem. Velocidade de passagem <thread speed> . papéis e outros produtos à deterioração causada por ação do oxigênio ou o ozônio do ar. Vidrado de máquina <machine glaze> . tal como as tintas de impressão ofsete. <fill-in>. <to wind>. sangramento <bleeding>. Vidrado . Vergê antigo <laid antique> . Ventilar o papel <wind sheets> Manipular o papel impresso de modo a permitir a renovação do ar entre as folhas.Acabamento que se dá ao papel através de um rolo filigranador.Ver: Veios de umidade <moisture welts>. Vergê <laid> . calor. fluido e sólido elástico.[1] <glaze> . Ver também: Estabilidade dimensional <dimensional stability>.{a} Processo eletrostático de impressão sem-impacto no qual uma fonte de calor . tonalização <toning>. luz ou ação química interna. escumação <scumming>. Termos alternativos: <airing>. Viscoelástico <viscoelastic> . tingimento <tinting>.Acabamento altamente polido aplicado a um dos lados do papel enquanto seca em contato com a superfície polida de um cilindro de grande diâmetro da máquina de fabricar papel. Termo alternativo: vida de prateleira. {b} Papel que apresenta brilho elevado ou polimento obtido através de fricção. para auxiliar a secagem das tintas. <ink scum>. X Xerografia <xerography> .Termo empregado para designar a resistência de tintas.Acabamento que se dá ao papel através de um rolo filigranador dotado de fios estreitamente espaçados que marcam o papel com linhas paralelas em relevo. seco <dryup>. entupimento <catch-up>. veículo das tintas e goma da solução de molhagem na superfície de rolos e blanquetas ofsete.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas asing>.{a} Comportamento reológico de uma tinta de impressão cuja resposta a uma dada ação corresponde uma reação instantânea e uma reação retardada. tal como ocorre com papéis de impressão. na direção perpendicular ao movimento.{a} Condição que se desenvolve na superfície de rolos e blanquetas ofsete quando tornam-se lisos e duros devido à deterioração da superfície (oxidação) e ao acúmulo gradual de tinta seca.Velocidade constante (aproximadamente 25 a 50 pés por minuto) adotada durante a passagem do papel através de uma impressora rotativa. [2] <glazed> . Ver também: Papel vergê <laid paper>. {b} Qualidade do papel que descreve sua habilidade de ser esticado e retornar às dimensões originais quando a força de tração é relaxada. imitando os antigos papéis feitos à mão. Viscoelasticidade <viscoelasticity> . Termo alternativo: vitrificado. {b} Propriedade apresentada por um material que sofre estiramento quando tensionado e volta a sua forma original quando a força de tensão é liberada. 366 Vergões de umidade .Oscilação da tela plana de uma máquina de fabricar papel.{a} Material que pertence a ambos os estados.

no qual a imagem do original a ser reproduzido é projetada. Xerógrafo <xerographer> . baseado nos princípios da eletrostática e da fotocondutividade. 367 . sobre um cilindro revestido de selênio (fotocondutor) carregado eletricamente.Pessoa que trabalha em xerografia. as áreas não carregadas do suporte permanecem brancas. Termo alternativo: <xerographical>. formando uma imagem permanente. Ver também: Cópia xerográfica <xerographic copy>. por meio de um dispositivo óptico. a fixação do pó no papel se dá por ação de luz infravermelha. {b} Processo de impressão.Manual de Pré-Impressão Capítulo 16 . partículas de toner que são transferidas para uma folha de papel que encosta no cilindro.Relativo à xerografia. Ver também: Xerografia <xerography>. com carga de sinal oposto à carga do toner. Glossário de Termos Técnicos empregados em Comunicações Gráficas funde partículas de toner seco às áreas do suporte carregadas eletricamente. as áreas iluminadas são descarregadas e as áreas carregadas atraem. por ação eletrostática. Xerográfico <xerographic> .

Américo A e ROSSI FILHO. Teoria das Cores. KEESE.com.encadernação e enobrecimento de produtos impressos. LUNARDELLI.br http://www.br http://www. Preparação e Fechamento de Arquivos Para Biro.revistatecnologiagrafica. InDesign CS4.filiperson. Ricardo Minoru. USA Addison Wesley Publishing Company. SP Lunardelli Editora.rc3d. QuarkXPress 6.com. Ribeirão Preto.org http://www.SENAI-BH Revista Desktop Publishing Revista PhotoShop PRÓ Manuais de Aplicativos: CorelDraw X4. Alexandre. 2003.com.5. http://www.htm http://www.Manual de Pré-Impressão 17.br . Guia Prático: Como Produzir Arquivos PDF/X 1a .com.ABTG Apostila de Produção Gráfica .portaldasartesgraficas.notapositiva.povareskim.br/historia_papel. 1985. PostScript Language.cip3. Ltda.asp http://www. Desktop Publishing.com/trab_estudantes/trab_estudantes/eductecnol/eductecnol_trab/ historiadopapel. HORIE. Acabamento . 2004. .com http://www. São Paulo: Livros Érica Ed.eci. PageMaker 7. rEFErêNCiAs ADOBE SYSTEMS.org http://www. Sérgio. Illustrator CS4.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
<