P. 1
A Contribuicao Arabe e a Idade Media

A Contribuicao Arabe e a Idade Media

|Views: 1.176|Likes:
Publicado porCaliendo Gautto

More info:

Published by: Caliendo Gautto on Mar 24, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/10/2013

pdf

text

original

CENTRO UNIVERSITÁRIO LA SALLE CURSO DE MATEMÁTICA – HISTÓRIA DE MATEMÁTICA AULA 05 – A POSTURA GREGA QUANTO À CIÊNCIA , A IDADE MÉDIA E A CONTIBUIÇÃO

ÁRABE • Sócrates é o grande marco para o conhecimento dos gregos. Em 403 aC., Atenas tornase uma democracia autogovernada, vivendo um período de grande prosperidade por mais de um século. No pensamento filosófico, há dois nomes fundamentais: Platão e Aristóteles. Platão (427-348 aC.) , ateniense, foi um dos discípulos de Sócrates. Deixou a cidade quando da condenação de seu mestre, e por doze anos visitou outros centros do saber, conhecendo mais de perto os pitagóricos. Situou a ciência no primeiro plano de toda a atividade intelectual. Interessou-se pelos princípios, pelos métodos e pelos progressos da matemática, da física, da astronomia e da biologia. Formulou ele próprio hipóteses audaciosas sobre a estrutura do universo e sobre as leis que o regem. Platão propunha que o cosmos era um organismo vivente, com corpo, alma e razão. Nessa teoria, Platão incluiu explicações da fisiologia humanas, baseadas na analogia entre o cosmos e o homem. Esta comparação entre o cosmo e o microcosmo perdurou durante toda a Idade Média. Platão admirava muito a matemática por ser uma ciência dedutiva, tendo formulado idéias sobre os números negativos e o método das variações. Representou uma das maiores contribuições para o pensamento ocidental, chegando-se a afirmar que toda a filosofia ocidental não passa de um conjunto de notas de pé de página à obra de Platão. Sua Escola – Academia de Atenas, assim chamada por ter funcionado nos jardins do herói ateniense Academos – ostentava em sua entrada a seguinte frase “Quem não for geômetra, não entra”. A academia ainda funcionou nove séculos, sendo fechada por decreto do imperador Justiniano, que determinou a extinção de todas as escolas pagãs. Tal fato seria um dos fatores apontados por historiadores como o início da Idade Média. Aristóteles (384-322 aC.) é, provavelmente, o nome que por mais tempo, em todo o mundo, influiu no “fazer filosofia” e no “fazer ciência” da humanidade. Desde o seu tempo até o Renascimento cultural na Europa moderna, apesar de muitos homens terem feito apreciáveis avanços no conhecimento, não houve nenhum que tivesse reunido, de uma maneira tão sistemática e harmônica, os conhecimentos produzidos até então, podendo ser considerado o primeiro grande enciclopedista. Suas obras foram fonte de consultas durante séculos. Umas das grandes tarefas da Idade Média foi redescobrir (inclusive traduzir) e retomar a obra aristotélica. Aristóteles nasceu em Estagira, Macedônia, na costa setentrional do Mar Egeu. Seu pai foi médico do rei da Macedônia, Amintas III, avô de Alexandre Magno. Começava uma aproximação entre os macedônicos e os gregos, sendo que, aos dezessete anos foi

1

por três anos.. a causa formal: o que a coisa vai ser ( a estátua). eterna. o príncipe. o acidente. Por vinte anos Aristóteles permaneceu na Academia. III) tem qualidade (cor/nobre/ignóbil/boa.) . Iniciou-se uma divergência com o mestre e. Aristóteles deixou a cidade indo residir perto da ilha de Lesbos. realizando o mais perfeito dos movimentos: o circular. IV) tem relação (maior/igual. e.. mas aprendeu política e oratória com outros. cuja diferença é dada pelo tipo de substância. água.enviado à Atenas para completar sua educação. Júpiter e Saturno) tem como substância o éter. VI) tem temporalidade (é/foi/será. e um terceiro. a causa eficiente: aquilo com o que é feita a coisa ( escultor) e a causa final: aquilo para o qual é feita a coisa ( a finalidade da estátua). incorruptível e inalterável. V) está num lugar (aqui/lá. os princípios da existência. ao que Aristóteles teria respondido: “Amigo de Platão. na Jônia. mas mais amigo da verdade”.. que era consagrado a Apolo Liceu. Vênus. e quando esse assumiu o trono.). fortemente potenciais. matéria sútil. • • • 2 ... fundando sua própria escola e um centro de pesquisa. o movimento o tempo e o espaço. A região sublunar é o mundo das mudanças de uma forma a outra. antes da morte de Platão. tornou-se preceptor de Alexandre. um segundo que se chama de essência. E explicava Aristóteles: a estátua está no bloco de mármore e na cabeça do artista. Aristóteles parte da coisa tal como as vemos e sentimos e nela distingue três elementos: um primeiro que denominamos substância .. nosso mundo constituído de quatro substâncias ou elementos . II) tem quantidade (grande/pequena).. Escolheu um bosque. São substâncias fortemente materiais e. a matéria e a forma. na qual são discutidos assuntos relativos à matéria.).. já havia deixado a Academia. VII) Tem ação (germina/corta. Os seres físicos não se movem da mesma maneira ( não se transformam nem se deslocam da mesma maneira). tornando-se um grande conquistador. são abordado a filosofia da natureza. Platão teria comentado: “ Aristóteles me despreza como o potro que escoiceia a mãe que o deu à luz”. Sol. à forma e às leis do universo sensível.. A região celeste é formada de Sete Esferas onde estão os astros (Lua. VIII) tem paixão (ama/sofre/morre. Matriculou-se na Academia de Platão e foi logo admirado pelo seu entusiasmo.. • Quando surgiram em Atenas sentimentos antimacedônicos.). composta de catorze livros.. Marte. Entre os muitos escritos aristotélicos está a Physis ou Física. Mostra que a substância I) é. O mundo divide-se em duas grande regiões naturais. fogo e ar – de cuja combinação surgem todos os seres. partindo do postulado de que toda a “ciência baseia-se na definição e na demonstração”. de matéria e de forma. Com esse oito passos Aristóteles fazia o estudo das coisas. voltou a Atenas. Aristóteles rechaça o atomismo e retoma a idéia dos quatro elementos de Empédocles acrescentando um quinto: o éter.). portanto. ficando sua escola sendo conhecida como liceu. Mercúrio.). Em 343 aC. Seus movimentos dependem da qualidade de suas matérias e da quantidade em que cada um dos quatro elementos materiais existe combinado com os outros num mesmo corpo... buscando para cada uma quatro causas: a causa material: aquilo de que é feito uma coisa (o mármore). A segunda região é a sublunar ou terrestre.terra.

• Os corpos pesados (nos quais predomina o elemento terra) têm como lugar natural o centro da Terra e por isso o movimento natural dos pesados é a queda. Na era romana foi reconhecido como o maior lógico. assim como todo o nosso sistema de numeração. Estudou o acasalamento de várias espécies. O século 7 testemunharia o surgimento do islamismo. não houve campo do conhecimento científico no qual Aristóteles não tenha prestado alguma contribuição. Os corpos não inteiramente leves (nos quais predomina o elemento ar) buscam seu lugar natural no espaço rarefeito e por isso seu movimento local natural é flutuar. Os intelectuais islâmicos rapidamente reconheceram os méritos da obra de Aristóteles. animais marinhos e pássaros. Lembrado também como o formalizador da lógica. Deu nome a cerca de quinhentas espécies de animais. • • • 3 . Prova dessa rica herança são as palavras que recolhemos do árabe. de que o pai era o único progenitor real e de que a mãe nada mais fazia do que alojar e nutrir o embrião. e. provavelmente oriunda do Egito. ele não era considerado um dos grandes filósofos gregos (ombreado a seus pares Sócrates e Platão). logo após. sua importância se prolongará por muitos séculos. os pensadores cristãos se dado conta da lógica aristotélica. Sua lógica persistiria como a base do intenso debate teológico travado durante toda a Idade Média. os corpos não totalmente pesados (nos quais predomina o elemento água) buscam seu lugar natural no líquido e por isso seu movimento natural é boiar nas águas. seguido de ampla conquista árabe em todo o Oriente Médio. na qual não encontravam qualquer conflito com sua fé religiosa. Foram os árabes os primeiros a compreender que Aristóteles era um grande filósofo. e começaram a interpretá-la segundo seu objetivos. sendo que suas observações incluíam dissecações e descrições detalhadas das esponjas. o corpo principal da obra de Aristóteles permaneceu desconhecido do mundo ocidental. Enfim. no seu entender um instrumento para todas as outras áreas. Os corpos leves ( no qual predomina o elemento fogo) tem como lugar natural o céu e por isso mesmo seu movimento natural é subir. Aristóteles reconheceu que a fêmea contribuía para a geração e proporcionava uma substância para a formação do princípio ativo masculino. Enquanto o mundo ocidental mergulhava na Idade das Trevas. Durante os primeiros séculos do primeiro milênio dC. Apenas no Oriente Médio continuaram os eruditos a estudar o pleno alcance de sua filosofia. álcool e alquimia. como já dissemos. não podemos deixar de destacar nele o biólogo. apresentando idéias avançadas sobre embriologia e mostrando o erro de suposição. o mundo islâmico continuou a se desenvolver intelectualmente. tendo. Apesar de seu trabalho na área do conhecimento biológico ter sido ofuscado por suas contribuições no campo da física. Durante a era grega clássica. tendo siso reconhecido como a autoridade suprema do método filosófico.

dificultavam o acesso dos cristãos aos lugares santos. Talvez saibamos menos dessa época que da remota Antigüidade. com ataques violentos aos peregrinos às comunidades cristãs palestinas. o catolicismo torna-se a religião oficial do Império Romano. período de um nível muito pequeno de conhecimentos científicos. ou melhor. integrando-se a ciência na vida prática da sociedade. Desde a primeira. III) Os séculos 13 e 14 onde surge a ciência medieval. em 1453. em 476) e o surgimento do Renascimento ( ou a tomada de Constantinopla) pelos turcos. inclusive. quando da conversão de Constantino Magno. sendo portanto ali que. tendo como consequência um despertar para a busca do conhecimento surgindo. ainda a descoberta da América. já no século 15. em 312. muitos interesses políticos (expansões territoriais). ou. II) Os séculos 11 e 12. ao lado de motivações religiosas. A biblioteca e a igreja eram as dependências do mosteiro que recebiam as maiores atenções. a ruína final do aristotelismo. até a oitava. em 1270. só podendo ser negados sob pena de heresia (situação que permanece em vigor até hoje). a Universidade. em 1096. movidos por intolerância religiosa. principalmente através dos copistas. comerciais (estabelecimento de postos de • • • 4 . as cruzadas tinham. A Igreja Católica decretou que os ensinamentos de Aristóteles – segundo a interpretação de São Tomás – eram a Verdade. com o surgimento de conflitos de pensamento entre diferentes correntes. nos quais o Ocidente recebe influência islâmica. É nessa presença tão decisiva da Igreja que está sua marca sobre o desenvolvimento da ciência medieval. onde há um declínio da ciência escolástica. ao mesmo tempo. particularmente a alquimia cristã. A IDADE MÉDIA • • • • • A Idade Média é o milênio transcorrido entre o término da idade antiga (identificado com a queda do Império Romano do Ocidente. IV) A Baixa Idade Média. No final. A partir do século 4. A Idade Média pode ser dividida em quatro períodos: I) A Alta Idade Média ( os seis primeiros séculos). Não devemos esquecer que nos mosteiros estavam os poucos letrados da época. se guardava o conhecimento. Motivada pelo objetivo de expulsar os infiéis dos lugares santos e recuperar desde a manjedoura de Belém até o Santo Sepulcro. conseguiu firmar o aristotelismo como base filosófica da teologia cristã. Ele iria dedicar grande parte de sua vida à harmonização da filosofia de Aristóteles com a da Igreja.• São Tomás de Aquino sentiu-se profundamente atraído pelo pensamento de Aristóteles e logo reconheceu seu supremo valor. sobre o grande fracasso da Europa em não fazer aumentar ( e até perder) o acervo recebido dos gregos. o que iria significar a edificação e. a cristandade organizou oito grandes cruzadas. Os árabes conquistaram Jerusalém no século 7 e. após vencer uma quase impossível batalha. em 1492).

nobre romano. se busca por meio de remédios: melhorar a qualidade de vida e até prolongá-la. O currículo dessas eram o trivium : gramática. considerando a experimentação. foram a fundação das Universidades. • • • 5 . Organizou as verdades da religião e as harmonizou com a síntese filosófica de Aristóteles. na qual. a ordens religiosas. o Liceu de Aristóteles e o Museu de Alexandria eram centros de pesquisa. • Deve-se observar que os grandes nomes da ciência medieval que estão ligados a experimentos de alquimia (transmutação de substâncias) pertencem. Na Alta Idade Média. música e astronomia. em sua maioria. recomendava também o ensino do quadrivium : aritmética. e cedo ingressou na Ordem Dominicana. percorreu toda a Europa. como pregador. sendo muitos santos canonizados da Igreja Católica. Os químicos do século 21 não tem. recebeu em 1567 recebeu o título de Doctor Angelicus . O trivium e o quadrivium formavam juntos as sete artes liberais. e o seu ensino durante toda a Idade Média garantiu a preservação do saber dos clássicos. de família nobre. È o nome mais importante e influente na filosofia e ciência da Idade Média. as dissecações. linguagem e retórica. demonstrando aos estudiosos medievais que “não há nenhum ponto de conflito entre a fé e a razão”. mas apenas suposição”. se tornando o magistério oficial da Igreja. Porém pode-se creditar às cruzadas o papel de significativas difusoras da cultura e da ciência entre o Ocidente e o Oriente. Eles buscavam no elixir da longa vida o que. considera-se como primeira Universidade a de Bolonha (Itália). em seus objetivos. Mesmo assim o geocentrismo se integrou a sua filosofia. e que era sustentada e administrada pelos estudantes. como. geometria. Também. já que “não é demonstrável.troca de produtos manufaturados) e militares. que mesmo nos cursos de medicina valorizou o ensino livresco e teórico. Durante toda a Idade Média o ensino era privilégio da Igreja e acontecia geralmente nas escolas dos mosteiros ou nas sedes episcopais. nasceu da Itália. O legado maior da Idade Média. denunciando como incompatíveis as atividades físicas e intelectuais. fundada entre 1150 e 1170. Canonizado em 1323. O Papa Leão XIII (1878-1903) proclamou sua filosofia como o pensamento oficial da Igreja. Bolonha teve como rival a universidade de Paris. destinando-se quase que exclusivamente à formação de quadros dirigentes e administradores da Igreja. São Tomas reacendeu o desprezo pelo trabalho manual. a Academia de Platão. Na Antigüidade. Boécio. para o desenvolvimento do conhecimento. Foi professor da Universidade de Paris. práticas menos importantes das quais grandes professores não se ocupavam. cujo núcleo surgiu em 1088. Isso trouxe desagradáveis conseqüências à nascente Universidade. por exemplo. Historicamente. promovendo verdadeiros saques aos conquistados. por iniciativa do episcopado. São Tomás de Aquino (1225-1274). hoje. com a escola laica de direito. Um pouco mais tarde. adotou o sistema astronômico de Ptolomeu (geocêntrico) embora o considerasse apenas uma hipótese de trabalho. que eram “as ciências da linguagem” consideradas suficientes para a formação do clero. diferenças significativas dos alquimistas medievais.

mas tem um título enganador – Liber abaci (ou livro do ábaco). completado em 1202. Subitamente a Europa Ocidental mostrou inclinação muito maior pela matemática árabe do que jamais mostrara pela matemática grega. mais conhecido como Fibonacci ou “filho de Bonaccio”. Quando Chester veio a traduzir a palavra técnica jiba aparentemente confundiu com a palavra jaib (talvez devido à omissão de vogais). Mas o problema que mais inspirou aos futuros matemáticos foi o seguinte: “ Quanto pares de coelhos serão produzidos num ano.• A situação quanto a introdução dos numerais na Europa é mais ou menos tão confusa quanto a da invenção talvez meio milênio antes. os árabes tinham transformado em jiba. um comerciante. obra que pode ser tomada como marcando o início da álgebra na Europa. cada uma tinha sete mulas. Parte do motivo para isso deve-se que a aritmética e a álgebra árabes fossem de nível muito mais elementar do que fora a geometria grega. Como propõe Fibonacci: “Sete velhas foram a Roma. Fibonacci escreve um clássico. Os elementos de Euclides foi uma das obras matemáticas clássicas a aparecer em tradução latina do árabe. que em latim significa “baía” ou “enseada”. é um tratado muito completo sobre métodos e problemas algébricos em que o uso de numerais indo-arábicos é fortemente recomendado. cada saco continha sete pães. para o latim. Antes disso (1126) Abelard já havia traduzido as tabelas astronômicas de al-Khowarizmi do árabe para o latim. traduziu. • Outro tradutor. Muito do Liber abaci é desinteressante. Os hindus tinham dado o nome de jiva à metade da corda. e isto não foi realização de um homem mas de vários. Nesse livro. No começo do século 12 nenhum europeu pretenderia ser matemático ou astrônomo verdadeiro sem um bom conhecimento da língua árabe. cada faca com sete bainhas”. Somente no século 13 é que o sistema indo-arábico ficou definitivamente estabelecido na Europa. Foi da tradução de Chester do árabe que proveio a palavra seno. Essa tradução não teve grande influência na época. Daí usou a palavra sinus. Robert de Chester. a versão tendo sido feita em 1142 por Abelard de Bath. Não é sobre o ábaco. Também era usada a frase mais específica sinus rectus ou seno vertical. começando com um só par. • Outro destaque de matemático da época era o italiano Leonardo de Pisa (cerca de 11801250). mas não foi um ato isolado. cada mula carregava sete sacos. se em cada mês cada par gera um novo par que se torna produtivo a partir do segundo mês?” • 6 . o autor afirma uma idéia que parece quase moderna: que a aritmética e a geometria são interligadas e se auxiliam mutuamente. e mais tarde (1155) o Almagesto de Ptolomeu do grego para o latim. dái a frase sinus versus. mas alguns dos problemas são usados por autores posteriores. ou seno reverso que designava a “flecha” ou o “seno virado de lado”. e com cada pão havia sete facas. Álgebra de al-khowarizmi.

água e fogo. Até a segunda metade do século 20.5. Os funcionários era recrutados mediante exames de conhecimento e principalmente da capacidade de resolver problemas difíceis problemas de cálculo.3. e seus mapas já assinalavam o norte sempre na parte superior. Verificou-se que essa seqüência tem muitas propriedades belas e significativas. o intercâmbio entre Ocidente e Oriente foi muito pequeno. que durou de 613 a 907. Já em tempos muitos antigos. Por outro lado. publicou sua Introdução à ciência do cálculo. e entre outras coisas. embora não tenha se restringido. no século 17. principalmente a da China. composta por ideogramas. antes de sua integração com o Ocidente. pois quase tudo o que existe (planetas. como na escrita fonética. Li Ie (1178-1265). os chineses trabalhavam com o pi com sete casas decimais. mas muito de sua obra era demasiado avançado para ser entendido por seus contemporâneos. Pode-se provar que dois termos sucessivos quaisquer são primos entre si.8. mais sujeita. Essa escrita é ideogramática. talvez devido às extensões territoriais. A dinastia T’ang. por isso. com o ensino dos clássicos confucianos e a presença de célebres poetas.• Esse célebre problema dá origem à “seqüência de Fibonacci”: 1. Tchu Che-Kie. dispondo sistemas para notações de equações com quatro incógnitas. em cada termo após os dois primeiros é a soma dos dois imediatamente precedentes. isto é. sinais gráficos que representam diretamente uma idéia e não o som que exprime a idéia e não o som que exprime a idéia. Além da Universidades. a alteração ao longo do tempo. outro matemático. Outra grande barreira era a língua. realizou progressos na álgebra. No século 7.13. Leonardo de Pisa foi sem dúvida o matemático mais original e capaz do mundo cristão medieval. pouco sabíamos da ciência do Oriente . madeira. formidáveis obras de engenharia e esforço coletivo. às famosas viagens do veneziano Marco Polo (1254-1324). notável matemático chinês. período de grande brilho para as artes. terra.21. A cartografia chinesa foi sempre muito adiantada. que foi a fonte da álgebra japonesa. a interpretação dos textos chineses primitivos tem sido facilitada pelo fato da escrita chinesa ter se mantido inalterada desde a Antigüidade até hoje. cores. A contribuição Árabe • • Durante os primeiros quinze séculos de nossa era. como se supõe. a Idade Média nos legou as catedrais. principalmente para a literatura. Cinco era para eles um número muito importante.2. para os quais o ábaco era instrumento indispensável. Em 1299. o maior núcleo populacional da Terra.1. por exemplo. • • • 7 . que permaneceu 17 anos na China. isto é. O fator de grande isolamento da China deveu-se a ao escasso comércio marítimo devido as grandes distâncias. os chineses tinham uma teoria sobre a constituição da matéria baseada em cinco elementos: metal.

Os numerais hindus foram assimilados da matemática muçulmana de Al-Khwarizmi. Seu tratado de álgebra foi base para a álgebra da Europa alguns séculos depois. na passagem da Idade Média para os tempos modernos. principalmente na área do cálculo. Quero só dizer que essa computação é feita por nove sinais”. residindo nesse intercâmbio uma possível solução dos problemas da humanidade nesse início de milênio. os chineses. Foi fundamental para se pensar numa concepção de universo. Bascara (ou Bhascar). Há alguns matemáticos de destaque na Índia. que já era conhecida pelos gregos desde Anaximandro. A matemática hindu recebeu grandes progressos. como irá ocorrer na Europa. sem pretensão de alcançar o status de ciência. ele escreve: “também há outros que sabem alguma coisa”. cujo nome nos evoca as equações de segundo grau. Bramagupta produziu uma série de trabalhos matemáticos. A primeira referência aos numerais hindus se encontra em 662 através de Severus Sebokt. Que os numerais estavam em uso já havia • • • 8 . Do começo de nossa era até o advento do islamismo. a Índia foi marcada fortemente pelo hinduísmo. Certamente irritado com o desdém provocado pela cultura nãogrega. Com o advento do budismo. um bispo sírio. a Índia se desenvolveu com muitas poucas influências externas. como o cálculo de um volume de um prisma. especialmente no que se refere a uma visão mais holísitica. Houve contribuições de seus vizinhos mais próximos. No começo de nossa era. O desenvolvimento da ciência não estava entre as preocupações capitais dos hindus. nascido em 1114. e inclusive há traços marcantes da filosofia grega. Porém o intercâmbio como o Ocidente só veio acontecer através das navegações portuguesas e pólos de evangelização com missionários jesuítas. foi também um importante astrônomo. • A pólvora. com total ausência do sofrimento) através da renúncia ao mundo e a individualidade. no século 9. Hoje. religião com grande número de deuses. com atividade religiosas voltadas para a sintonia com esses deuses. o cálculo da área de figuras inscritas no círculo e o estudo de progressões. Cita os hindus e “seus valiosos métodos de cálculo. a bússola e a imprensa. na qual usavam as varetas de contagem e trabalhavam com grandes números (milhão de milhão) em suas investigações astronômicas. haviam sido inventadas na China muitos séculos antes. que tiveram papel decisivo no Ocidente. a meta tornou-se alcançar o nirvana (a plenitude. A doutrina do yin e do yang guarda semelhanças com os pares em Empédocles (amor/ódio). o Ocidente tem buscado se adaptar a certas concepções orientais sobre o universo. sua computação que ultrapassa descrições. Porém não ocorreu na China uma revolução científica nem significativos avanços na filosofia. As realizações dos chineses eram ligadas às necessidades da vida.virtudes) era classificado em cinco categorias. ainda que geocêntrico. nesse período: Ariabata I calculou o valor de Pi até a quarta casa decimal e chegou a propor uma geometria esférica.

È difícil sintetizar a contribuição dos árabes para o desenvolvimento da ciência. Havia muitos problemas práticos como arrecadação de impostos. com o avanço dos tempos modernos. que lhe fez revelações enfeixadas posteriormente num livro sagrado. Abu Kamil e de • • • • 9 . e muito raramente. em Medina. mais elaborada que as propostas aristotélicas de movimento natural e violento. sobretudo. um ovo de ganso redondo para o zero. o Corão ou Alcorão. que exigia o estabelecimento de regras baseadas em proporções para resolvê-los. como inventores ou descobridores. A religião muçulmana surgiu quando Maomé teve uma visão do anjo Gabriel. Geralmente os árabes são apresentados apenas como copistas ou plagiadores. isto é. Os árabes ampliaram a aritmética dos gregos. a Índia. mas dos países islâmicos. é importante nos trabalhos de Al-Khwarizmi. ou. Paralelamente ao interesse teológico. dos persas e. o movimento era explicado pela teoria do ímpeto. o conhecimento da religião. não hindus. dos gregos. Com a introdução do décimo numeral. antes de mais nada. Alá. As tradições do profeta contêm descrições que constituem um incentivo ao fazer ciência: “Buscai a ciência desde o berço até a sepultura. como simples transmissores. significa que os hindus ainda não tinham dado o segundo passo na transição para o moderno sistema de numeração – a introdução de uma notação para uma posição vazia. o moderno sistema de numeração para os inteiros estava completo. mesmo sem contribuir para a chamada revolução científica. Ao falarmos de ciência árabe. onde a data 346 está escrita em notação decimal posicional. na matemática moderna há pelo menos duas coisas que se deve à Índia: presumivelmente a trigonometria da função seno e os sistema de numeração. no século 9. 1930). No ano de 622. no máximo. como a descoberta do efeito Ramam (relacionada com a difusão da luz) por Chandrasekhara Raman (Prêmio Nobel de Física. nem que seja na China”. È importante destacar que. A mais antiga ocorrência indubitável de um zero se acha numa inscrição de 876. Ou ainda: “ Aquele que caminha na procura da ciência. Pode-se afirmar que a ciência árabe é. Maomé estrutura sua religião.algum tempo é indicado pelo fato de que a primeira ocorrência na Índia é sobre um objeto do ano 595. principalmente. um símbolo zero. Maomé assume o papel de profeta de um Deus único e verdadeiro. cálculo da esmola legal e divisão de herança segundo a lie alcorônica. Na física. apropriadamente chamando de indo-arábico. reunindo os diferentes processos da cálculo até então conhecidos. Diga-se que essa ciência (ilm) é. Deus caminha com ele na estrada do paraíso”. onde se inclui o imenso cabedal de conhecimentos assimilados dos hindus. surgiu um interesse pelas ciências da natureza. Durante os dois séculos que se seguiram à morte de Maomé houve uma intensa atividade teológica no Islã. • A geometria analítica e o cálculo tiveram raízes gregas. com origem provável na Índia e propagado pelos árabes. continuo com renome mundial em alguns campos da matemática e da física. e álgebra européia não veio da Índia. A algebrização. em vez de dez. nos limitamos àquela veiculada em língua árabe. Deve-se notar que a referência a nove símbolos. um prolongamento da ciência grega. Porém.

A esse tradutores espanhóis devemos o acesso aos textos gregos de Aristóteles. A Espanha foi o reino mais distante das conquistas maometanas no Ocidente e nela ocorreu o caldeamento das civilizações judaica. São Paulo: Edgard Blucher. dos médicos gregos. São Paulo: Áttica. se fez presente naquelas paragens. STRATHERN. entendemos como ciência árabe essa imensa produção de pelo menos meio milênio (séc. principalmente tradutores. matemáticos e alquimistas.. 1994. A classificação das equações dos diversos graus foi publicada por um poeta que permanece ainda hoje muito célebre: Omar Khayyam. 10 . Fontes: BOYER. 1991. a mais elevada e mais bela das ciências. MAS UM NOVO MUNDO ESTAVA PARA (RE)NASCER. Attico. • O corpo maior do saber antigo chegou à Europa através da civilização árabe. sendo a árabe a melhor contribuição prestada. Quando a cidade espanhola de Toledo foi reconquistada pelos cristãos aos mouros. Ptolomeu. de astrônomos. História da Matemática.. árabe e cristã.. uma verdadeira torrente de estudiosos.Abu’l-Wafá. CHAUÍ. São Paulo: Moderna. Paul. astrólogos. 1997. quando esses herdeiros dos gregos impulsionaram o conhecimento. 7 a 12). A astronomia era consideradas no mundo árabe como a mais nobre. Convite à Filosofia . CHASSOT. Carl B. onde a solução de equações aparece acompanhada por figuras geométricas. Marilena. Sabemos como o mundo ocidental recebeu os conhecimentos árabes. 1997.. no final do século 11. Aristóteles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. Euclides. A Ciência através dos Tempos. Assim.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->