Você está na página 1de 3

94

FACILITAÇÃO DE CONTRABANDO
OU DESCAMINHO

_____________________________

94.1 CONCEITO, OBJETIVIDADE JURÍDICA E SUJEITOS DO


CRIME

No art. 318 do Código Penal encontra-se a figura típica: “facilitar, com infração de
dever funcional, a prática de contrabando ou descaminho(art. 334)”. Contrabando ou
descaminho são crimes definidos no art. 334 do Código Penal. A pena cominada é reclusão
de três a oito anos, e multa. Como se vê, a participação em crime de terceiro é elevada à
categoria de delito autônomo.

O bem jurídico protegido é a Administração Pública, especialmente a regularidade do


sistema de importação e exportação de mercadorias.

Sujeito ativo é o funcionário público que tem o dever de reprimir o contrabando ou o


descaminho, podendo qualquer outro, funcionário ou não, participar ou ser co-autor do
delito. Sujeito passivo é o Estado.

94.2 TIPICIDADE

94.2.1 Conduta e elementos do tipo

O núcleo do tipo é o verbo facilitar. Significa tornar fácil, prestar auxílio, colaborar,
afastando obstáculos ou deixando de impor dificuldades ou fazer exigências. A conduta
pode, assim, ser comissiva ou simplesmente omissiva, quando o agente, tendo o dever de
impedir o contrabando ou descaminho, omite-se, facilitando sua prática.

Contrabando é a importação ou exportação de mercadorias cuja entrada é proibida


no país, total ou parcialmente (art. 334, CP).
2 – Direito Penal III – Ney Moura Teles

Descaminho é a importação ou exportação de mercadoria sem o pagamento de direito


ou imposto devido pela entrada, saída ou pelo consumo (art. 334, CP).

Há crime do funcionário público também quando a facilitação se der em relação às


condutas típicas previstas no § 1º do art. 334 do Código Penal, de quem:

“a) pratica navegação de cabotagem, fora dos casos permitidos em lei;


b) pratica fato assimilado, em lei especial, a contrabando ou descaminho;
c) vende, expõe à venda, mantém em depósito, ou, de qualquer forma, utiliza em
proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou industrial,
mercadoria de procedência estrangeira que introduziu clandestinamente no País
ou importou fraudulentamente ou que sabe ser produto de introdução clandestina
no território nacional ou de importação fraudulenta por parte de outrem;
d) adquire, recebe ou oculta, em proveito próprio ou alheio, no exercício de
atividade comercial ou industrial, mercadoria de procedência estrangeira,
desacompanhada de documentação legal, ou acompanhada de documentos que
sabe serem falsos”.

O agente deve ser o funcionário a quem incumbe fiscalizar a importação ou a


exportação, zelando pelo cumprimento das normas proibitivas ou relativas ao
recolhimento do imposto devido, e deve agir com violação do seu dever funcional.

Se é funcionário público, mas não tem a atribuição legal para fiscalizar ou exigir o
recolhimento do tributo, coibindo assim o contrabando ou o descaminho, e vier facilitá-lo,
responderá como partícipe de um desses delitos.

O crime é punido apenas a título de dolo. Deve, por isso, o agente estar consciente
de que viola o dever funcional, sabendo, ademais, que contribui, facilitando, para o
contrabando ou descaminho. Não exige o tipo qualquer outro elemento subjetivo.

O erro sobre estar a mercadoria incluída dentre as proibidas ou sobre o imposto


devido exclui a tipicidade do fato, assim como o erro sobre a infração ao dever funcional
exclui o dolo deste crime, respondendo, neste último caso, o agente, pela participação no
crime do art. 334.

94.2.2 Consumação e tentativa

A consumação coincide com a realização da conduta, comissiva ou omissiva,


Facilitação de Contrabando ou Descaminho - 3

consistente na facilitação, no auxílio ou na colaboração para o contrabando ou


descaminho, independentemente da consumação de um desses crimes.

A tentativa somente é possível quando a conduta for positiva e desde que, iniciada,
não venha-se consumar por circunstâncias alheias à vontade do funcionário público.

94.2.3 Aumento de pena

Se o agente ocupa um cargo em comissão ou exerce função de direção ou


assessoramento de órgão da administração direta, de sociedade de economia mista,
empresa pública ou fundação instituída pelo poder público, a pena será aumentada de um
terço (art. 327, § 2º).

Não há esse aumento de pena quando o agente é dirigente ou exerce função de


assessoramento em empresa privada conveniada ou contratada para executar atividade
típica da administração pública.

94.3 AÇÃO PENAL

A ação penal é de iniciativa pública incondicionada.