Uruguai - 1930 HISTÓRIA A Fifa, criada em 1904, já pensava em realizar um campeonato mundial de futebol.

Mas não foi fácil. Em 1905, durante um congresso em Paris, o presidente da entidade, o francês Ribert Guérin levantou o assunto. Ninguém se interessou, e o assunto voltou para a gaveta. A segunda tentativa não foi destruída pela falta de interesse, mas sim pela primeira grande guerra mundial, entre 1914 e 1918. Somente nas mãos de Jules Rimet, em 1928, e com o sucesso do torneio olímpico de futebol, a primeira Copa do Mundo saiu do papel e virou realidade. Durante um congresso da Fifa em Amsterdã, ficou decidido o que todos nós já sabemos: a partir de 1930, e a cada quatro anos, seria realizado um campeonato internacional de futebol. Meses depois, ficou decidido de que o Uruguai, bicampeão olímpico, seria o primeiro país-sede da competição, depois da desistência de Espanha, Holanda, Hungria, Itália e Suécia. Com isso, o Uruguai se credenciou como grande favorito a levar, pela primeira vez, a taça de ouro, criada pelo francês Abel La Fleur e batizada posteriormente de Jules Rimet, o francês criador da Copa. Dos demais 15 participantes convidados, apenas 13 compareceram. Destes, somente quatro eram europeus: eles levaram seis semanas, somados os dias da travessia do Atlântico num navio, da disputa e do retorno ao velho continente, e poucas associações nacionais podiam arcar com os custos. Jules Rimet e o húngaro Maurice Fischer encarregaram-se de estabelecer a primeira fórmula de disputa de uma Copa do Mundo. Os times se dividiram em quatro grupos, jogariam entre si e o vencedor de cada chave estavam classificadas para as semifinais. Não houve disputa de terceiro lugar. Grupo 2: Bolívia, Brasil e Iugoslávia O Uruguai da década de 20 era uma verdadeira máquina. Praticamente imbatível, a equipe ganhou o apelido de "Celeste Olímpica", em função da cor da camisa e, é claro, das medalhas de ouro conquistadas nos primeiros torneios de futebol dos Jogos Olímpicos: em Paris, 1924, vencendo a Suíça por 3 a 0, e em Amsterdã, 1928, batendo a Argentina. Os donos da casa não fizeram feio e confirmaram o favoritismo: em quatro jogos, o time de Nasazzi, Andrade, Gestido e Céa marcou 17 gols e levou apenas três. Final Uruguai 4x2 Argentina Data: 30/07/1930 Estádio: Centenário (Montevidéu) Público: 93.000 Uruguai: Ballesteros, Nazzasi, Mascheroni, Andrade, Fernández, Gestido, Dorado, Scarone, Castro, Cea e Iriarte. Argentina: Botasso, Della Torre, Paternoster, Evaristo, Monti, Suárez, Peucelle, Varallo, Stábile, Ferreira e Evaristo. Gols: Dorado, aos 13'; Peucelle, aos 20' e Stábile, aos 39' do primeiro tempo; Cea, aos 12', Iriarte, aos 23' e Castro, aos 42' do segundo tempo. Árbitro: Jean Langenus (Bélgica) Artilheiros 8 gols: Stabile (Argentina)

Pos

País

Pontos

J

V

E

D

GP

GC

1° Uruguai 8 4 4 15 3 2° Argentina 8 5 4 - 1 18 9 3° EUA 4 3 2 - 1 7 6 4° Iugoslávia 4 3 2 - 1 7 7 5° Chile 4 3 2 - 1 5 3 6° Brasil 2 2 1 - 1 5 2 - O primeiro jogador expulso na história das copas foi o zagueiro peruano DeLasCasas. Aliás, esta foi a única vez que o cartão vermelho foi aplicado na competição. Ele empurrou o árbitro chileno Alberto Warken, durante a partida vencida pela Romênia por 3 a 1. - Outra marca de desagradável para as Copas do Mundo: a primeira grave contusão ocorreu durante o jogo entre Bolívia e Iugoslávia. O atacante Gomez teve uma dupla fratura na perna direita. - No jogo final, a rivalidade não ficou restrita à torcida ou ao futebol: ouve discussão também a respeito da bola que seria usada. Os dirigentes dos dois lados queriam jogar com bolas fabricadas em seus países. E realmente havia uma diferença: a bola uruguaia era mais pesada que a argentina. John Langenus, árbitro belga, decidiu: foi usada uma em cada tempo. - Não fosse a briga entre Rio e São Paulo, certamente a seleção teria um desempenho bem diferente. Dias depois da eliminação na Copa, o Brasil bateu a França por 3 a 2, gols dos paulistas Heitor (2) e Friedenreich. Ainda em 1930 e com sua força máxima, os brasileiros devolveram a derrota para a Iugoslávia, e de goleada: 4 a 1. O Brasil também derrotou os EUA, por 4 a 0, e já em 1931, em um amistoso no Rio, o Brasil venceu os campeões uruguaios por 2 a 0, dois gols de Nilo. - O primeiro jogo do recém-construído Estádio Centenário foi no dia 18 de julho, data nacional do país e dia da estréia do Uruguai. O time da casa venceu o Peru por 1 a 0, diante da torcida da casa que lotou o estádio.

Itália - 1934
A Copa do Mundo de 1934 foi um reflexo do momento político que o mundo estava passando. A competição foi organizada pela Itália e foi um alvo de Mussolini para mostrar a força de sua nação e do fascismo. O "Duce" seguiu um planejamento feito pelos italianos desde o ano de 1929 e conseguiu trazer a competição para o país depois de oito congressos da Fifa. O líder político comparecia aos estádios e recebia as homenagens do público no mesmo tom que os astros do futebol. O torneio foi dominados pelas seleção européias, que tinham 12 representantes. Todos os times das quartas-de-final eram da Europa. Brasil, Egito, Estados Unidos e Argentina não conseguiram montar times competitivos e saíram da Itália sem nenhuma vitória. O Uruguai resolveu não participar da Copa. Os atuais campeões ficaram irritados com a falta de apoio das seleções européias no Mundial de 1930. A Celeste Olímpica já não tinha a mesma força dos títulos olímpicos (1924 e 1928) e da conquista da Copa do Mundo de 1930. Forma de disputa A Copa de 1934 foi disputada por 16 equipes que disputaram partidas eliminatórias em quatro fases (oitavas, quartas, semi e final). Se a partida terminasse empatada no tempo normal e na prorrogação, a organização da competição promovia uma partida desempate. BRASIL Eliminatórias

O Brasil se classificou com a desistência do Peru e não precisou disputar partidas pelas eliminatórias. Turquia e Chile também desistiram de tentar uma vaga no Mundial. Apenas 29 times participaram da competição. Grupo 2 - Peru e Brasil Brasil é eliminado na estréia O Brasil não teve uma preparação adequada para disputar o torneio e não teve um bom desempenho a Copa do Mundo de 1934. Os brasileiros não mostraram um bom futebol na estréia e foram eliminados já nas oitavas-de-final após a derrota por 3 a 1 para a Espanha. Iraragorri e Langara abriram dois gols de vantagem para os europeus. Aos 11 minutos do segundo tempo, Leônidas descontou e deu esperança para o torcedor brasileiro. Mas aos 32 minutos, Lanagara marcou mais uma vez e definiu o placar. A briga da CBD (Confederação Brasileira de Desportos) com os clubes e as federações foi considerado o principal fator para o fracasso do Brasil na Copa do Mundo de 1934 . Apenas quatro atletas de São Paulo foram convocados. A base era o Botafogo, que cedeu nove atletas. Mesmo com tantos jogadores do mesmo time, a equipe não conseguiu convencer na competição. O destaque brasileiro: Leônidas da Silva A seleção brasileira não teve um desempenho aceitável na Copa do Mundo de 1934. O time foi eliminado na primeira fase após ser derrotado por 2 a 1 pela Espanha. O melhor jogador brasileiro foi Leônidas da Silva. O atacante do Vasco da Gama, que tinha 21 anos na época, fez o único gol do Brasil na competição. Ele conseguiu encantar os europeus mostrando grande velocidade e técnica. Seu grande auge seria na Copa de 1938, quando marcou sete gols e acabou como o grande artilheiro da competição. O inventor da bicicleta já era popular na América do Sul, onde ficou conhecido como Diamente Negro. Jogos do Brasil Espanha 3 x 1 Brasil Data: 14 de julho de 1934 Local: Estádio Ferraris Cidade de Gênova Árbitro: Alfred Birlem (Alemanha) Público: 40 mil Gols: Langara (27 e 77) e Iraragorri (18) para a Espanha. Leônidas (56) para o Brasil. Espanha: Zamora; Ciriaco e Quincoces; Cilauren, Muguerza e Marculeta; Lafuente, Iararagorri, Langara, Lecue e Gorostiza. Brasil: Pedrosa; Silvio Hoffman, Luís Luz, Tinoco, Martim e Canali; Luizinho, Valdemar de Brito, Armandinho, Leônidas e Patesko. OBS: Valdemar de Brito desperdiçou um pênalti. Jogadores do Brasil Goleiros: Roberto Gomes PEDROSA (Botafogo) e GERMANO Boettcher Sobrinho (Botafogo). Zagueiros: Alfredo Alves TINOCO (Vasco), SILVIO HOFFMAN Mazi (São Paulo), LUIZ LUZ (Grêmio), OCTACÍLIO Pinheiro Guerra (Botafogo). Meio-de-campo: MARTIN Mércio da Silveira (Botafogo), Heitor CANNALLI (Botafogo), ARIEL Nogueira (Botafogo), VALDIR Guimarães (Botafogo). Atacantes: Luis Mesquita de Oliveira - LUISINHO (São Paulo F.C), WALDEMAR DE BRITO (São Paulo), Armando dos Santos - ARMANDINHO (São Paulo F.C), LEÔNIDAS DA SILVA (Vasco), PATESKO (Nacional/Uru). CAMPEÃO A Itália conquistou o título seu primeiro título mundial em 1934. Comandada pelo artilheiro Schiavio, a Azzurra fez uma campanha impecável (quatro vitórias e um

• Final (10/06/1934) Itália 2 x 1 Tchecoslováquia Local: Estádio Partido Nacional Facista Roma . Bican. Jogos do campeão • Oitavas-de-Final (25/05/1934) Itália 7 x 1 EUA Local: Estádio Partido Nacional Facista Roma Árbitro: René Mercet (Suíça) Público 44. Ferrari e Orsi. O campo de Milão estava pesado e a Azzurra tinha que superar o desgaste físico do confronto com a Espanha. Meazza. Rosetta. Allemandi. Nas quartas-de-final. Ferrari e Orsi. O jogo foi muito nervoso. Os tchecos saíram na frente aos 25 minutos do segundo tempo. Monti. Schiavio. Itália: Combi. O gol do título foi feito pelo artilheiro Schiavio. O adversário da semifinal foi a Áustria. Bertolini. Ferraris IV. Schiavio. no dia 10 de junho de 1934. Ferrari e Orsi. vitória da Itália por 1 a 0. Borrel II. Allemandi. Demaria e Orsi. Allemandi. Bertolini.798 Gols: Schiavio (3). Sindelar. O jogo foi para a prorrogação. Orsi (2). Guaita. Itália: Combi. Meazza fez o único gol e foi novamente o herói italiano. Meazza. gol de Puc. Monti. Monzeglio.000 Gols: Ferrari (Ita). Schall e Viertl. Pizziolo. os italianos tiveram que jogar duas vezes contra a Espanha. em Roma. Meazza e Ferrari (Ita) E Donelli (EUA) Itália: Combi. Urbanek.000 Gols: Meazza (Ita) Itália: Combi. Monzeglio. Guaita. Ferraris IV. Apenas a estréia contra os Estados Unidos terminou com goleada (7 a 1). Monti. Monzeglio. Bertolini. através de Orsi. Meazza. Schiavio. aos cinco minutos do tempo extra. • Desempate das quartas-de-final (01/06/1934) Itália 1 x 0 Espanha Local: Estádio G. Os italianos só conseguiram o empate aos 40 minutos. Zischek. Guerreiro (Esp). Berta Florença Árbitro: René Mercet (Suíça) Público 43. Pizziolo. Na partida decisiva. Sesta. Wagner. Áustria: Platzer.empate). Meazza. • Semifinal (03/06/1934) Itália 1 x 0 Áustria Local: Estádio San Siro Árbitro: Ivan Eklind (Suécia) Público: 35. A final da Copa de 1934 foi disputada por Itália e Tchecoslováquia. Cisar. Berta Florença Árbitro: Louis Baert (Bélgica) Público 43. Guarisi. O primeiro jogo terminou com empate por 1 a 1. Castellazi. • Quartas-de-Final (31/05/1934) Itália 1 x 1 Espanha (Prorrogação 0 x 0) Local: Estádio G. Mas o título não foi fácil. Allemandi. Smistik. Guaita.000 Gols: Guaita (Ita). Monti. Meazza fez o gol que manteve a equipe na competição.

Árbitro: Ivan Eklind (Suécia). Schiavio. auxiliado por Langenus e Baert (Bélgica). Ferraris (Itália). Bertolini. DESTAQUES O artilheiro: Schiavio (Itália) O destaque internacional da Copa de 1934 foi Schiavio. Seleção eleita pela imprensa presente Zamora (Espanha). Foi o tento que deu o tão sonhado título mundial de 1934 para a Azzurra. Meazza. Itália: Combi (C) . Outro argentino no elenco italiano era Demaria. aos 95". que em 1934 atuava pelo Gimnasia y Esgrima. aos 80. ele voltou para a Argentino e chegou a atuar pelo Flamengo. Foi campeão carioca em 1939. Allemandi. A Espanha estava mergulhada numa .202 (recorde da competição) Gols: Puc (Tch). Guaita. Nejedly (Tchecoslováquia) e Orsi (Itália). Guaita (Itália). Orsi (Ita). Cambal (Tchecoslováquia) e Monti (Itália). e Schiavio (Ita). O país desistiu do evento por estar vivendo problemas financeiros. 4 gols: Conen (Ale). A Itália fez um evento bem organizado e conseguiu valiosos lucros para o país. Ferrari e Orsi. O atacante se transferiu para o futebol italiano e foi cinco vezes campeão pela Juventus. Meazza (Itália). . O atacante da seleção italiana foi artilheiro da competição com quatro gols. • Final Itália 2 x 1 Tchecosováquia Pos 1° 2° 3° 4° 5° 6° 7° 8° 9° 10° 11° 12° 13° 14° 15° 16° País Itália Tchecolosváquia Alemanha Áustria Espanha Hungria Suíça Suécia Argentina França Holanda Romênia Egito Brasil Bélgica EUA Pontos 9 6 6 4 3 2 2 2 0 0 0 0 0 0 0 0 J 5 4 4 4 3 2 2 2 1 1 1 1 1 1 1 1 V 4 3 3 4 1 1 1 1 E 1 1 D 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 GP 12 9 11 7 4 5 5 4 2 2 2 1 2 1 2 1 GC 3 6 8 7 3 4 5 4 3 3 3 2 4 3 5 7 França . Nejedly (Tch). aos 70`. Público: 73.A Copa de 1934 deveria ter sido disputada na Suécia. A ascensão do nazismo e os delírios de Hitler prenunciavam uma era de guerras e incertezas. Em 1936. Ferraris IV.1938 O clima na Europa em 1938 era tenso. Monzeglio. Curiosidades . Schiavio fez o gol na prorrogação contra a Tchecoslováquia na final da Copa do Mundo. Conen (Alemanha). Monzeglio (Itália) e Quincoces (Espanha). Ele marcou em momentos decisivos para o sucesso italiano na competição. Monti. Schiavio (Ita).O argentino Orsi jogou pela Itália depois de ter sido campeão Sul-americano pela país platino.

a seleção brasileira segurou o empate até os 10 minutos do segundo tempo. marcando 4 a 2. Nas quartas-de-final. a seleção não precisou disputar as Eliminatórias para garantir a vaga no Mundial. Como a Áustria não pôde participar. contra a Suécia. que jogava na Lazio. o Mundial foi disputado por 15 equipes. numa partida histórica. A Copa foi disputada no sistema mata-mata. entram na competição como favoritos. Meazza converte e enterra o sonho brasileiro de levar a taça. Resta ao Brasil lutar pelo terceiro lugar. uma nova partida seria realizada dias depois. Mas a CBD continuava a fazer trapalhadas fora do campo. Romênia e Índias Holandesas também se classificaram pela desistência de seus adversários. Pela primeira vez. Mesmo assim.sangrenta guerra civil e a Alemanha começava a expandir os seus tentáculos pelo continente. Assim. os italianos batem a surpreendente Hungria e conquistam o bicampeonato. . foi difícil não perceber o cheiro de tragédia no ar. mas a falta de experiência em competições internacionais faz com que o Brasil perca para a Itália. Na final. O Brasil estreou no Mundial contra a Polônia. Cuba. o campeão do ano anterior e os donos da casa não precisaram disputar as Eliminatórias. que enfrentariam os austríacos nas oitavas-de-final. BRASIL O Brasil nas eliminatórias O Brasil foi beneficiado pela desistência da Bolívia. o Brasil foi enfrentar a Itália. pela semifinal. Craques como Domingos da Guia e Leônidas da Silva dão um show em campo. atual campeã. Outro problema enfrentado pelo Brasil foi a falta de experiência em competições internacionais. foi a única equipe que entrou diretamente nas quartas-de-final. Nigrinho não pôde ser utilizado pois já possuía uma inscrição pela Itália. Se o jogo terminasse empatado. Depois de impedir a participação da Áustria. o golpe de misericórdia: Domingos da Guia chuta um italiano sem bola e o juiz marca pênalti. O episódio mais desagradável do Mundial foi protagonizado pela Alemanha. o Brasil foi disputar uma Copa do Mundo com seus melhores craques. A maior delas foi a convocação do atacante Nigrinho. A Suécia. que havia conquistado a vaga nas Eliminatórias. a seleção nacional levava o que tinha de melhor para disputar a Copa do Mundo. Os dirigentes da CBD só descobriram que não poderiam utilizar o jogador dias antes do início do Mundial. Leônidas balança as redes por duas vezes e termina a Copa como artilheiro. quando Colaussi abriu o placar. O atacante Leônidas da Silva marcou quatro gols e foi o destaque do jogo. da Itália. os alemães obrigaram alguns dos melhores jogadores austríacos a vestirem o uniforme do füher. entre os dias 4 e 19 de junho. anexando a Áustria ao seus territórios. Entretanto. O Brasil deixa a França . A vitória vira uma questão de honra e o escrete brasileiro não deixa por menos. quando a seleção já estava na França. Cinco minutos depois. Nem mesmo o gol de Romeu no finalzinho evita a derrota. A vitória contra a Tchecoslováquia só aconteceu depois de dois jogos dramáticos. quando perdeu a final para a Argentina. E foi neste contexto que a França organizou a terceira Copa do Mundo. o Brasil não encontrou o seu jogo. A equipe contava com grandes jogadores e. Cansado. Sem o melhor jogador. Pela primeira vez. Um empate em 1 a 1 na primeira partida e uma vitória por 2 a 1 no segundo jogo. A seleção participou apenas da Copa América de 1937. dois gênios: Domingos da Guia e Leônidas da Silva. O técnico Ademar Pimenta resolveu poupar Leônidas da Silva para a grande decisão.pelo menos dentro de campo. a seleção brasileira desembarcou na França como uma das favoritas à conquista do título. e o Brasil. pelo menos. Pela primeira vez. O presidente da Fifa. realizado menos de 48 horas depois do primeiro. Jules Rimet. outra batalha. Assim. A Itália. decidiu não adiar a competição por acreditar que o futebol conseguiria promover a paz .

O destaque brasileiro: Domingos da Guia Em 1938. mesmo sabendo que poderia ter tido um resultado melhor. em 1948. Desde o ínicio. Boca Juniors. Boucek e Luedl. Bangu. Burger e Daucik. Entretanto. do Uruguai. Zezé Procópio. aos 3' e Willimowski. aos 5'. onde é aclamado "El Divino Mestre". na semifinal contra a Itália. Jogou ainda no Vasco da Gama.com a cabeça erguida. aos 30' do 1º tempo e Nejedly. Zezé Procópio. Roberto. Jaú e Nariz. Leônidas. Domingos da Guia revidou uma agressão recebida do atacante Piola. aos 12'do 1º tempo da prorrogação. aos 18' do 2º tempo. aos 11' e Roberto. Domingos da Guia começou a sua carreira no Bangu. Leônidas. o "Divino Mestre" cometeu uma falha infantil. o juiz viu e marcou pênalti. que acabou eliminando o Brasil do Mundial. Perácio e Hércules. • Quartas-de-final (jogo desempate) Brasil 2 x 1 Tchecoslováquia Data: 14 de junho de 1938 Local: Estádio Municipal (Bordeaux) Público: 15 mil Gols: Kopecky. Domingos da Guia e Machado. Flamengo. Willimowski. Domingos Antônio da Guia é considerado o melhor zagueiro brasileiro de todos os tempos. Mesmo assim. Lopes. aos 14' e 43' do 2º tempo. aos 18'. aos 22'. Leônidas 27' e Willimowski. aos 20 anos de idade. Domingos da Guia e Machado. Piontek.882 Gols: Leônidas. Brito. Leônidas. Perácio e Hércules. Meazza converteu a cobrança a sepultou as esperanças brasileiras de chegar à final. onde encerrou a carreira. Para azar do Brasil. aos 44' do 1º tempo. Luizinho. Martim e Afonsinho. Brasil: Batatais. Lopes. Romeu. Leônidas. aos 19' do 2º tempo. • Semifinais Brasil 1 x 2 Itália Data: 16 de junho 1938 . novamente. Leônidas. levando a torcida ao delírio quando driblava os atacantes dentro da área. Brasil: Wálter. Num lance sem bola. Brandão e Argemiro. Jogos do Brasil • Oitavas-de-final Brasil 4 x 4 Polônia (Prorrogação: Brasil 2 x 1 Polônia) Data: 05 de junho de 1938 Local: Estádio do Racing Strasbourg (Estrasburgo) Árbitro: Ivan Eklind (Suécia) Público: 13. Horak. Brasil: Wálter. Tim e Patesko.000 Gols: Leônidas. Nascido na cidade do Rio de Janeiro a 24 de julho de 1917. Romeu. Tchecoslováquia: Burkert. Romeu. o jogador encantou por sua extrema habilidade. aos 2' do 2º tempo da prorrogação. Domingos da Guia atuou no Peñarol. Leônidas. Martim e Afonsinho. No começo da década de 30. aos 30' do 1º tempo. • Quartas-de-final Brasil 1 x 1 Tchecoslováquia (Prorrogação: Brasil 0 x 0 Polônia) Data: 12 de junho de 1938 Local: Estádio Municipal (Bordeaux) Árbitro: Paul VonHertzka (Hungria) Público: 14. Corinthians e. Domingos da Guia tinha a fama de ser um dos maiores zagueiros do mundo. aos 25' e Perácio. Kostalek.

aos 35' do 2º tempo. mas sucumbiram diante do futebol italiano. Lopes. Além disso. Cansados e inexperientes. aos 42' do 2º tempo. Brasil: Wálter. Jogadores do Brasil Goleiros: Batatais (Fluminense) e Walter (Flamengo). Roberto (São Cristóvão). Luizinho. • Disputa do 3° lugar Brasil 4 x 2 Suécia Data: 19/06/1938 Local: Estádio Municipal (Bordeaux) Árbitro: John Langenus (Bélgica) Público: 15 mil Gols: Johasson. Domingos da Guia e Machado. Almgren. A vitória por 4 a 2 colocou o técnico Vittorio Pozzo no panteão dos heróis italianos. aos 18'. Romeu. Eriksson e Nilsson. Nyberg. Zagueiros: Domingos da Guia (Flamengo). Tim (Fluminense). em 1936. Machado (Fluminense). aos 38' e Romeu. Itália: Olivieri. os italianos faturaram as Olimpíadas de Berlim. aos 43' do 1º tempo. Suécia: Abrahamsson. Biavati. Romeu (Fluminese). Jogos do campeão • Oitavas-de-Final Itália 1 x 1 Noruega (Prorrogação: Itália 1 x 0 Noruega) Data: 05 de juho de 1938 . Leônidas. a campanha da Itália foi excelente. Perácio e Patesko. Niginho (Lazio/Ita) e Patesko (Botafogo). Leônidas. a Itália ficou com o cargo na década seguinte. a seleção italiana se acertou. contra a Hungria. que vinha de duas batalhas contra a Tchecoslováquia. Mesmo contando com apenas três jogadores que conquistaram o título em 1934. com uma grande atuação de Piola. Linderholm e Svanstroem. Brito (América/RJ). Brandão e Afonsinho. Perácio e Patesko. CAMPEÃO Se o Uruguai foi o grande papa-títulos da década de 20. Ake Andersson e Persson. Zezé Procópio. Romeu. Hércules (Fluminense). Domingos da Guia e Machado. Depois de uma vitória apertada na estréia contra a Noruega.Local: Estádio Jean Boin (Marselha) Árbitro: Hans Wuthrich (Suíça) Público: 35 mil Gols: Colaussi. Nas quartas-definal enfrentou os donos da casa e não tomou conhecimento: venceu por 3 a 1. vencendo os mundiais de 34 e 38. Harry Andersson. aos 15' e Romeu. Na decisão. Luizinho (Palestra Itália). os brasileiros não souberam suportar a pressão italiana. O adversário na semifinal seria o Brasil. Perácio (Botafogo). Andreolo e Locatelli. Meazza. Meio-de-campo: Zezé Procópio (Botafogo). Brasil: Batatais. Johasson. Atacantes: Lopes (Corinthians). Foni e Rava. Jaú (Vasco da Gama) e Nariz (Botafogo). Afonsinho (São Cristóvão) e Argemiro (Portuguesa Santista). que venceu por 2 a 1 e garantiu uma vaga na final. Ferrari e Colaussi. Piola. aos 10'. Martim e Afonsinho. Meazza. aos 18' e aos 28' e Perácio. A Esquadra Azzura tornou-se a primeira seleção a conquistar o bicampeonato do mundo. Roberto. pois ele levou a seleção a dois títulos mundiais consecutivos. Leônidas da Silva (Flamengo). Serantoni. os húngaros contaram com o apoio da torcida francesa. Nyberg. conseguida na prorrogação. Zezé Procópio.

078 pessoas pagaram para ver a partida entre São Paulo e Corinthians. o "Diamante Negro" foi um dos inventores da bicicleta. Zezé Procópio. aos 5' e 35'. 1946. aos 7'do 1º tempo. 1945. Biavati. Piola.455 Gols: Colaussi. Ferrari e Colaussi. Serantoni. Itália: Olivieri. sendo contratado em seguida pelo Vasco da Gama. aos 10'. • Final Itália 4 x 2 Hungria Data: 19 de junho de 1838 Local: Estádio Colombes (Paris) Público: 55 mil Gols: Colaussi. Brasil: Wálter. em 1933. Itália: Olivieri. o São Cristóvão. Andreolo e Locatelli. Piola. Meazza. registrou o maior público do estádio do Pacaembu: 74. Martim e Afonsinho. Serantoni. Lopes. Leônidas começou a sua carreira no time do bairro. aos 16' e Titkos. Andreolo e Locatelli. Biavati. Sul-americano. Biavati. Piola. ganhando os campeonatos paulistas de 1943. Luizinho. aos 10' do 1º tempo. até se transferir para o Peñarol. Meazza. Piola. DESTAQUES O artilheiro: Leônidas (Brasil) Leônidas da Silva foi. onde se tornou o maior jogador da história do Tricolor. Serantoni. Depois. aos 42' do 2º tempo. Dono de um estilo único. no Rio de Janeiro. Ferrari e Colaussi. Leônidas brigou com os dirigentes do Mengão e foi jogar no São Paulo. Nascido no dia 06 de setembro de 1913. Ferrari e Ferraris II. aos 15' e Romeu. • Quartas-de-Final Itália 3 x 1 França Data: 12 de junho de 1938 Local: Estádio Colombes (Paris) Público 58. Pasinati. Piola. 1948 e 1949. . o grande craque brasileiro nos primórdios do futebol no país. Brustad. Serantoni. aos 37' do 2º tempo. Foni e Rava. aos 2' do 1º tempo. o jogador ainda atuou pelo Botafogo carioca antes de se transferir para o Flamengo. Monzeglio e Rava. Foni e Rava. no bairro de São Cristóvão. Depois. No início da década de 40. custando 200 contos-de-réis. Sírio Libanês e Bonsucesso. aos 7' e 27' do 2º tempo. ágil e vibrante. aos 38' do 2º tempo e Piola. do Uruguai. Domingos da Guia e Machado. Meazza. Leônidas passou pelo Barroso. Perácio e Patesko. aos 9' e Heisserer. A transferência de Leônidas do Flamengo para o São Paulo foi a mais cara da época. Itália: Olivieri. Leônidas ficou apenas uma temporada no Uruguai. Andreolo e Locatelli. Andreolo e Locatelli. Meazza. Sarosi.Local: Estádio Jean Boin (Marselha) Público 17 mil Gols: : Ferraris II. Ferrari e Colaussi. Foni e Rava. Meazza. junto com Arthur Friedenreich. Romeu. Sua estréia pelo Tricolor. Piola. aos 25' e Piola. aos 4' do 1º tempo da prorrogação Itália: Olivieri. no dia 24 de abril de 1942. • Semifinais Itália 2 x 1 Brasil Data: 16 de junho de 1938 Local: Estádio Jean Boin (Marselha) Público: 35 mil Gols: Colaussi.

marcando 21 gols. Sem outra alternativa. Leônidas abandonou o futebol em 1951 e hoje mora em São Paulo.Hungria 5 x 1 Suécia • Decisão do 3° lugar 19/06 . pois Pozzo foi convocado para defender a Itália na 1ª Guerra Mundial. Na comemoração. Leônidas da Silva protagonizou um lance pitoresco.Quando corria para cobrar o pênalti contra o Brasil na semifinal. foi convidado para dirigir a Itália. o jogador tirou as chuteiras para jogar melhor. Jogou as Copas do Mundo de 1934 e 1938. Meazza segurou o calção e cobrou. Artilheiros 8 gols: Leônidas (Brasil) 7 gols: Zsengeller (Hungria) • Semifinais 16/06 . o atacante italiano Meazza teve uma desagradável surpresa: o cordão que prendia o seu calção arrebentou. Após a disputa de um quadrangular seria campeão a equipe que somasse mais pontos. na semifinal. Foi um dos maiores treinadores do Torino. A carreira de treinador foi interrompida em meados da década de 10. dirigindo a Itália nas campanhas de 1934 e 1938. Depois de um temporal ter alagado o campo de Estrasburgo. que comprou as passagens aéreas para Paris com antecedência. Em 1912.O Brasil acreditava tanto na vitória contra a Itália. O destaque: Vittorio Pozzo (Itália) Vittorio Pozzo conseguiu uma proeza até hoje não alcançada. já que o árbitro Ivan Eklind mandou-o calçar as chuteiras. Na primeira . Ele foi o único técnico que venceu duas Copas do Mundo. no dia 2 de março de 1886. fez sua estréia em 1932. Depois de perder a partida. Pelo lado tcheco. Após o primeiro jogo. Em 1990.1950 Brasil. o Torino resolveu homenagear o treinador. tornando-se o primeiro brasileiro a abocanhar a artilharia do Mundial. que tiveram que ir de Marselha a Paris de trem.Itália 4 x 2 Hungria Classificação final Pos País 1° Itália 2° Hungria 3° Brasil 4° Suécia Pontos 8 6 7 2 J 4 4 5 3 V 4 3 3 1 E 0 0 1 0 D 0 1 1 2 GP 11 15 14 11 GC 5 5 11 9 Brasil . E deu certo: Leônidas marcou um gol.Itália 2 x 1 Brasil 16/06 . nada menos do que nove atletas brasileiros ficam contundidos. .As partidas entre Brasil e Tchecoslováquia foram verdadeiras guerras. Leônidas fez 19 partidas oficiais com a camisa da seleção. nas Olimpíadas de Estocolo. No total. Mas a festa do brasileiro acabou por aí.Brasil 4 x 2 Suécia • Final 19/06 . batizando seu novo estádio de Vittorio Pozzo. Suécia e Uruguai classificaram-se para a fase final. aos 19 anos. . Curiosidades . Espanha. O grande comandante morreu em 21 de dezembro de 1968. O jogo foi tão violento que dois jogadores da Tchecoslováquia foram parar no hospital. . os jogadores italianos cercaram Meazza para que ele pudesse trocar o calção. sem chance para o goleiro brasileiro. Nascido em Turim.Na histórica partida entre Brasil e Polônia. Pozzo foi jogador do Torinense e do Grasshoppers.Pela seleção. os dirigentes brasileiros se recusaram a vender os bilhetes para os italianos. Jogou ainda na França e na Inglaterra. o número de baixas é um pouco menor: oito.

E. O público ficou emudecido. no Rio de Janeiro. converteu a superioridade brasileira em gol. aos 2min. aos 31 min. de virada. Logo aos 2 minutos do segundo tempo.000 espectadores . que precisaria somente de um empate na última rodada para ser campeão. e Baltazar. Augusto. a seleção parou. O palco da finalíssima foi o então recém-inaugurado Estádio do Maracanã. E a seleção confirmou seu favoritismo na etapa inicial. Os vencedores de cada chave garantiriam vaga para um agrupamento final. São Paulo Público: 42. Brasil 2 x 2 Suiça Data: 28/06/1950 Local: Estádio do Pacaembu. aos 66 min. Danilo e Juvenal. e aos 34 minutos. as seleções foram divididas em quatro grupos. o Brasil não deu chances para os suecos. Mas. goleando por 7 a 1. Os confrontos ocorreriam entre os selecionados de cada grupo. Danilo e Juvenal. um de três e um último com somente dois times. Gols: Ademir. Quase 200 mil pessoas presentes. a partir daí. Jair. no intervalo. O título estava mais próximo do Brasil. Dois de quatro países. determinando o placar final do jogo: Brasil 1 x 2 Uruguai. Bauer.000 espectadores Brasil: Barbosa. Bigode. goleiro da seleção brasileira. aos 72 min. Forma de disputa Na primeira fase. Seria campeã a seleção que somasse mais pontos ao final. Brasil 2 x 0 Iugoslávia Data: 01/07/1950 Local: Estádio do Maracanã. não acreditando na derrota nacional. aos 16min e 88 min. A bola pegou o goleiro Barbosa no contra-pé e foi parar no fundo do gol brasileiro. Augusto. Baltazar. Zizinho e Chico. 6 a 1 na Espanha. Imprópria condenação para um goleiro seguro que atuou em 20 partidas com a camisa da seleção brasileira. o placar permanecia como havia começado: 0 a 0. Maneca e Baltazar. Resultado que ainda servia ao time brasileiro. pressionando o Uruguai e desperdiçando oportunidades de gol. Inexplicavelmente. Friaça. Ely. Barbosa. os uruguaios venceram a Suécia por 3 a 2. A primeira grande tragédia da história das Copas. mesmo tendo sido inocentado até mesmo por jogadores do time campeão. Gols: Alfredo. O destaque brasileiro: Barbosa A derrota na final da Copa também marcou o início de uma das mais injustas perseguições da história da competição. pois na outra partida Espanha e Uruguai ficaram no 2 a 2. Rio de Janeiro Público: 139. Friaça. Ademir e Jair. Rio de Janeiro Público: 81. Ghiggia avançou pela direita e chutou cruzado. Mas os brasileiros sentiram o golpe. Bigode. em um contra-ataque. Fatton.rodada. Friaça. onde se enfrentariam em turno único. E aos 21 minutos. Ademir e Jair. Schiaffino empatou a partida. quase junto à linha de fundo. O estádio explodiu em festa. aos 32 min e 81 min.700 espectadores Brasil: Barbosa. Brasil 4 x 0 México Data: 24/06/1950 Local: Estádio do Maracanã. A sorte estava ao lado dos brasileiros. Nova goleada nacional na segunda rodada. e os uruguaios começaram a pressionar. que deu ao Uruguai o título. esperando apenas o apito final para comemorar o título do Brasil. até hoje não é perdoado pelo gol de Gighia.

Schiaffino e Vidal. Rio de Janeiro Público: 173.000 espectadores Gols: Schiaffino. 23 min. Friaça. Juán González e Tejera. Bigode. Ghiggia e Pérez.000 espectadores Brasil: Barbosa. Belo Horizonte Público: 13. Bigode (Flamengo). Augusto. e Zizinho. Gols: Ademir. Bauer. aos 69 min. Bauer. aos 79 min.Brasil: Barbosa. Danilo (Vasco da Gama).000 espectadores Brasil: Barbosa.aos 67 min. Andrade. Juvenal (Flamengo). Brasil 1 x 2 Uruguai Data: 16/07/1950 Local: Estádio do Maracanã. Ademir e Jair. aos 15 min e 57 min. Jogadores do Brasil Goleiros: Barbosa (Vasco da Gama). Gols: Ademir. Matías González. Gols: Ademir. Friaça. Zizinho e Chico. Bigode. e Igoa. Ghiggia e Pérez. aos 73 min. aos 67 min. Uruguai: Máspoli. Zizinho (Bangu). Adãozinho (Internacional/RS) e Rodigues (Palmeiras) Técnico: Flávio Costa Uruguai 8 x 0 Bolívia Data: 02/07/1950 Local: Estádio Independência. Varela. aos 31 min e 55min. Ademir e Jair. e Maneca. São Paulo Público: 35. Ely (Vasco da Gama). Nena (Grêmio). Bauer. aos 21 min. Maneca (Vasco da Gama). Bigode. aos 47 min. Gambetta e Tejera. 45 min. Castilho (Fluminense) Zagueiros: Augusto (Vasco da Gama). Augusto.. Vidal. Zizinho e Chico. Danilo e Juvenal. Zizinho. Danilo e Juvenal. aos 83 min. Bigode. aos 85 min. Zizinho e Chico. Danilo e Juvenal. Uruguai: Máspoli. Schiaffino. 52 min e 54 min. Baltazar (Corinthians). aos 71 min. Uruguai 2 x 2 Espanha Data: 09/07/1950 Local: Estádio do Pacaembu. Augusto. Zizinho e Chico.000 espectadores Brasil: Barbosa. Friaça. Miguez. 56 min e 59 min. 36 min. Augusto. Ademir e Jair. Andersson .000 espectadores . Chico (Vasco da Gama). Nílton Santos (Botafogo/RJ) Meio-campistas: Bauer (São Paulo). aos 39 min e 88min. Maneca. Brasil 7 x 1 Suécia Data: 09/07/1950 Local: Estádio do Maracanã. Andrade. aos 3min. e Ghiggia. Miguez. Rio de Janeiro Público: 139. Chico. Schiaffino e Moran. Jair. Danilo e Juvenal. Rui (São Paulo). Gols: Friaça. Alfredo (Vasco da Gama). Bauer.. Chico. aos 18 min. aos 66 min. Jair (Palmeiras). aos 14 min. aos 17 min. Ademir e Jair. Pérez.. Brasil 6 x 1 Espanha Data: 13/07/1950 Local: Estádio do Maracanã. Noronha (São Paulo) Atacantes: Friaça (São Paulo). Ademir (Vasco da Gama). Matías González. e Ghiggia. Rio de Janeiro Público: 174. Varela.

quando jogou muito bem. Para sua construção foram necessários 435 mil toneladas de concreto. Depois de se aposentar como jogador. foi por um tempo O destaque: Obdulio Varela (Uruguai) O capitão da Celeste Olímpica na Copa do Mundo de 1950. Brasil e Uruguai se enfrentaram três vezes. Após um tempo transferiu-se para o Wanderers. Uruguai 3 x 2 Suécia Data: 13/07/1950 Local: Estádio do Pacaembu. em 1938. O público registrado na partida final. a Suíça não teve dificuldade para levar o direito de organizar e receber a 5ª Copa do Mundo. Basora. aos 40 min. aos 5 min. Curiosidades .Gols: Ghiggia. Ademir Marques de Menezes. 173. aos 32 e 39 min. Os brasileiros perderam o primeiro jogo por 4 a 3. que aconteceria em 54. Contra a Suécia. em Montevidéu. com mais de 300 gols em 429 jogos. Quatro anos mais tarde. na fase final. Ghiggia. aos 39 min. o Queixada. aos 73 min. aos 77 min e 85 min. . Miguez. Inglaterra e Escócia classificaram-se por meio do antigo Campeonato Britânico de Seleções. A neutralidade do país na . capital uruguaia. em 1944. 51. São Paulo Público: 32. Conquistou quatro títulos cariocas pelo clube cruzmaltino. 9 gols: Ademir (Brasil) 6 gols: Schiaffino (Uruguai) Pos 1° 2° 3° 4° País Uruguai Brasil Suécia Espanha PG 7 9 5 7 J 4 6 5 6 V 3 4 2 3 E 1 1 1 1 D 0 1 2 2 GP 15 22 11 10 GC 5 6 15 12 SG 10 16 -4 -2 Suiça . marcou 31 gols em 39 partidas disputadas entre 1945 e 53. Atuou no ataque ao lado de Zizinho e Jair da Rosa Pinto. Após uma excursão do time ao Rio de Janeiro. Por muito tempo manteve-se como o maior estádio do mundo. Varela. 45.Quando começou a Copa. sendo a mais antiga competição entre seleções nacionais. iniciou sua carreira no infanto-juvenil do Sport. O artilheiro: Ademir de Menezes (Brasil) O brasileiro que mais gols marcou também foi o artilheiro da competição.1954 Com uma situação estável em meio ao caos que tomou conta da Europa após a 2ª Guerra Mundial. Pernambucano do Recife.a Copa do Mundo de 1950 contou pela primeira vez com seleções britânicas.Cerca de um mês antes do início do Mundial. foi adquirido pelo Peñarol. 49. Foi um dos maiores artilheiros da história vascaína. marcou quatro vezes. foi contratado pelo Vasco da Gama. . que foi disputado entre 1884 e 1984. Teve também uma breve passagem pelo Fluminense. 53 e 54. em 24 de junho. Obdulio Varela. onde venceu seis campeonatos nacionais. deixou sua marca nas redes adversárias em nove oportunidades (disputou seis partidas). e ganharam os seguintes: 3 a 2 e 1 a 0.000 espectadores Gols: Palmer. pela Copa Rio Branco. o estádio do Maracanã ainda não estava terminado. começou sua carreira no Pascual Somma e no Deportivo Juventud.850 pagantes é até hoje recorde mundial em Copas do Mundo. aos 29 min. Sundqvist. participando do esquadrão conhecido como "Expresso da Vitória". Pela seleção.

Foi escolhido um novo uniforme em um concurso promovido pela entidade. foi inventado um sistema maluco. que ainda ficaram mais dois anos sem conhecer a derrota. Definidos os 14 classificados. além de uma invencibilidade que já se prolongava por quatro anos. Forma de disputa Não sobraram críticas para o regulamento organizado pelos suíços. Gusztav Sebes. Bélgica. Já outras cinco eram compostas por três times. o time conseguiu a incrível marca de dois gols nos primeiros dez minutos. Eles foram divididos em 13 chaves e apenas 12 times classificaram-se. Os 16 times foram divididos em quatro chaves de quatro times cada. que chegara à Copa credenciada pelo título olímpico em Helsinque (52). em 38 e 50. outra com membros da América Central e do Norte. que estreavam. fizeram com que a Copa voltasse à Europa pela terceira vez. a seleção mudou a cor da camisa. A partir daí. 39 países se inscreveram para participar das eliminatórias. Nas eliminatórias. Dos dez grupos formados por europeus. Por fim. quando o ponta Rahn anotou o gol decisivo a seis minutos do final. Mas na final. Brasil e México Grupo 2: Hungria. Justamente na maior decisão da sua história futebolística. mais críticas aos organizadores. a Confederação Brasileira de Desportos (atual CBF) resolveu exorcizar a camisa branca usada na final contra o Uruguai. Ao final dos quatro jogos. enquanto a outra tinha quatro seleções. Levando um time reformulado. ainda afetado pelo luto no estádio carioca. que não se enfrentariam na primeira fase. os dois melhores se classificariam para as quartas-de-final. Com goleadas incríveis. Suíça e Itália Paraguai 4 x 0 Chile Chile 1 x 3 Paraguai Chile 0 x 2 Brasil Paraguai 0 x 1 Brasil Brasil 1 x 0 Chile Brasil 4 x 1 Paraguai Trapalhadas marcam a passagem brasileira A superstição marcou a expedição brasileira rumo à Suíça. França. fez com que o time não fosse bem no torneio. Apenas nesta última chave. a Hungria foi confirmando seu favoritismo e impondo massacres em todos os seus adversários. país-sede. mesma equipe que havia sido batida por 8 a 3 na fase classificatória. as equipes se somaram à Suíça. Escócia. Coréia do Sul e Turquia Grupo 3: Áustria. mas o lado psicológico. dois times se asseguravam para a Copa. quatro tinham apenas dois representantes. Acreditando que a Copa de 50 foi perdida por outros fatores. As equipes foram dividas conforme sua posição geográfica. Em todos os jogos. Já o Brasil amargava ainda a perda da Copa de 50. Alemanha Ocidental. Mas desta vez. Egito e Coréia do Sul. China. O Estádio de Berna assistiu à segunda injustiça da história das Copas. que acabou coroando o . e Uruguai. Uruguai e Tchecoslováquia Grupo 4: Inglaterra. além de um grupo asiático. com destaque para Japão. a Hungria caiu diante da Alemanha por 3 a 2. Grupo 1: Iugoslávia. os 39 times foram divididos em 13 chaves. Na Copa do Mundo. O grande destaque para o Mundial era a máquina húngara comandada pelo vice-presidente do Comitê de Esportes. uma chave com sul-americanos. Foi a única derrota dos húngaros. Ao total. na qual eram escolhidos dois cabeças-de-chave do grupo. atual campeão. o mata-mata tomava conta e apenas os vencedores passavam. quando Ghiggia calou 200 mil pessoas no Maracanã.Guerra e os bons resultados nos últimos Mundiais.

Baltazar. quando tivemos a Hungria pela frente. aos 38 minutos do segundo tempo. Julinho. aos 34. sem sombra de dúvida. aos 12. Ávalos. que driblava e entortava zagueiros com muita facilidade. aos 37 minutos do primeiro tempo. onde defendeu a Fiorentina. jogadores. que ficou conhecido como a "Batalha de Berna". aos 43 minutos. Pinga e Rodrigues. uma cena patética promovida pelos jogadores. Djalma Santos. o time passou pelo México por 5 a 0. Cárdenas. onde foi um dos maiores destaques da equipe lusa. mas se destacou em todos os clubes que passou. do segundo tempo. Naranjo. Didi. do primeiro tempo. Seu sucesso na Copa levou o jogador para a Itália. aos 30. Torres. O Brasil não teve a menor chance e ainda proporcionou uma briga antológica com os húngaros. depois de Mané Garrincha. Bauer. aos 28 e Preguinho. que não conseguiam pará-lo facilmente. Gols: Baltazar. Preguinho. Nilton Santos. Hungria 4 x 2 Brasil Data: 27/06/1954 Público: 63. Didi.200 espectadores Brasil: Castilho. Nela sobrou para todo mundo. o melhor ponta . a queda brasileira viria nas quartas-de-final. Antes da Copa. O time baseava todo seu jogo naquele jogador. O modelito é o que utilizamos até hoje: camisa amarela e calção azul. Djalma Santos. Brandãozinho. O ponta nunca foi um artilheiro nato. com dois gols do atacante Pinga. mas ainda com a cena do gol de Ghiggia na cabeça. Teve taça de campeão e festa para os "heróis brasileiros". com dois gols. Bozsik . Téc: Vial. Bauer. quando caiu diante da Hungria por 4 a 2. Dirigentes. enquanto os iugoslavos estavam desesperados com a insanidade adversária. O destaque brasileiro: Julinho Júlio Botelho foi um ponta-direita infernal. Téc: Zezé Moreira México: Motta. aos 23. Brasil 1 x 1 Iugoslávia Data: 20 de julho de 1930 Público: 1.500 Brasil: Castilho. o Brasil reformou sua equipe e chegou até às quartas-de-final. Muitos choraram no ônibus e sentiram a perda. e Julinho. Romo. Foi o atleta mais batalhador de toda delegação brasileira na Copa. O Brasil lutando para marcar. mas ninguém da delegação brasileira sabia disso. Julinho. Didi exibiu sua "folha seca" e Julinho e Baltazar selaram a vitória brasileira. Mas. Tudo em vão.gaúcho Aldir Schlee. Pinheiro. O resultado foi uma correria desesperada promovida pelos jogadores dos dois times. O jogo terminou empatado e os brasileiros saíram arrasados do gramado. Lamadrid. Didi. aos 24 minutos. Brandãozinho. Um empate contra a Iugoslávia classificava os dois países para a próxima fase. Gómez. Na estréia. Baltazar. ao lado de Pinga e Didi. No segundo compromisso. Pinga. Brasil 5 x 0 México Data: 16 de junho de 1954 Público: 17. clube em que é ídolo até hoje. Téc: Zezé Moreira Gols: Moderato. Com uma nova mística. foi um dos feitores da Academia montada pelo técnico Osvaldo Brandão no Palmeiras. Pinheiro. Pinga e Rodrigues. Julinho foi o artilheiro brasileiro.200 pessoas Árbitro: Arthus Ellis (Inglaterra) Expulsões: Nilton Santos e Humberto. Nascido em 1929. quando infernizou a vida dos grandalhões húngaros. Pinga. Balcazar e Arellano. Moderato. Julinho começou sua carreira na Portuguesa. a camisa que mais o destacou foi o alviverde do Parque Antártica. Talvez. López. jornalistas e torcedores quebraram o pau no vestiário e os brasileiros desembarcaram no Rio de Janeiro com a pinta de vencedor. Nilton Santos.

aos quatro e Kocsis. Para se ter uma idéia. os alemães entraram com um time misto para estudarem o adversário e também descansar seu elenco. Depois de aguentar uma pressão do ataque adversário. Ataque: Poli (Americano). Julinho. Djalma Santos. mas não levou o título. Preguinho (Fluminense). Fausto (Fluminense). A Hungria perdeu na decisão para a frieza alemã por 3 a 2. Naquele primeiro duelo. a Alemanha reagiu. o time se credenciou para decisão. O futebol de Puskas não foi o mesmo após isso. o técnico alemão. Julinho. O time não perdia desde maio de 50. Brandãozinho e Bauer (capitão). até fevereiro de 56. Posipal. A partir daí. Itália (Vasco). os comandados de Herberger roubaram uma bola de Bozsik e partiram em um desenfreado contra-ataque. com o empate sendo selado aos 18 com o ponta Rahn. Fortes (Fluminense). O time aplicou goleadas memoráveis como o 9 a 0 sobre a Coréia do Sul logo na estréia. Araken (sem clube). Didi.4 gols por jogo e nenhum confronto terminou em 0 a 0. Teófilo (São Cristóvão). Índio. Pamplona (Botafogo).Gols: Hidegkuti. • Primeira fase Alemanha 4 x 1 Turquia Data: 17/06/1954 Alemanha: Turek. Meio-campo: Hermógenes (América). Velloso (Fluminense) Zagueiros: Brilhante (Vasco). Moderato (São Cristóvão). Humberto e Maurinho. a competição apresentou uma média de 5. Nilo (Botafogo). Ainda a Hungria marcou um minuto depois. mas o gol foi anulado devido a um impedimento apontado pelo bandeirinha. Pinheiro e Nilton Santos. Benevenuto (Flamengo). Ottmar Walter e Schäfer. e ainda permaneceu sem perder depois da final de 54. A seleção marcou 27 gols em cinco jogos. Sepp Herberger. Zé Luiz (São Cristóvão). Djalma Santos. Brasil: Castilho. Goleiros: Joel (América). Téc: Sepp Herberger . Quando tudo indicava para mais uma goleada. de pênalti aos 18 do primeiro tempo. Benedito (Botafogo). Mesmo sendo goleado. a Alemanha apenas segurou a bola para conquistar seu primeiro título mundial. Ivan Mariz (Fluminense). Mai. Oscarino (Ypiranga). aos 20 e Kocsis. pois o grande astro da máquina húngara. saiu feliz do gramado. o meia Kocsis. aos sete minutos do primeiro tempo. Klodt. o equilíbrio tomou conta da decisão e a frieza alemã foi mais uma vez essencial para a virada. os germânicos embalaram e destroçaram seus adversários. Técnico: Píndaro de Carvalho A supresa alemã pára a Hungria Nunca foram marcados tantos gols quanto na Copa do Mundo de 54. Eckel. Depois da derrota na fase classificatório. Foi a primeira derrota da máquina montada pelo técnico Gyula Mandi em quatro anos. Aos 39 minutos. Schäfer tocou para Rahn que desferiu um belo chute no canto direito do goleiro Grosics. decretando a virada alemã. Lantos. Doca (São Cristóvão). apesar de ter ganho do mesmo adversário por 8 a 3 na fase classificatória. aos 43 da etapa complementar. Kohlmeyer. Morlock anotou o primeiro aos dez minutos. Como em todos os jogos. O grande show ficou por conta da máquina húngara de Puskas e Kocsis. Jogou no sacrifício a decisão e a Alemanha acabou aproveitando para vencer e derrubar o favoritismo húngaro por 3 a 2. de pênalti aos 15. Com goleadas sobre a Turquia (7 a 2) e Áustria (6 a 1). Laband. saiu contundido do jogo com o tornozelo direito completamente arrasado pelo resto da competição. Russinho (Vasco). a Hungria abriu 2 a 0 nos dez primeiros minutos de jogo com Puskas aos cinco minutos e Czibor aos oito. Fritz Walter. Manoelzinho (Goytacaz). Morlock. Carvalho Leite (Botafogo). Fernando (Fluminense). Técnico: Zezé Moreira. sendo que ele deixou de participar de duas partidas por causa dessa lesão. Com isso.

aos 34'. aos 32' e Hermann. Bauer. Morlock. aos 6'. Lantos. Schäfer. do primeiro tempo. Hidegkuti. aos 14' do primeiro tempo. Buzansky. Morlock. Téc: Sepp Herberger Gols: Puskas. Liebrich. Liebrich. Mai.Gol: Suat. Téc: Guztav Sebes Alemanha: Turek. Ottmar Walter e Schäfer. aos 5'e 9'. Téc: Sepp Herberger Gols: Ottmar Walter. aos 22'e aos 33'. Probst e A. Liebrich. Kohlmeyer. Lorant. Lantos. Zakarias. Schäfer. Puskas e Czibor. Rahn aos 39'do segundo tempo O artilheiro: Sándor Kocsis (Hungria) Kocsis nasceu em 1929 e foi um dos grandes cabeceadores do mundo. Laband. o jogador fez parte do Honved. Kohlmeyer. Bauer. Fritz Walter.Körner. aos 36' do segundo tempo Alemanha 7 x 2 Turquia Data: 23/06/1954 Alemanha: Turek. aos 21' e Morlock. Bozsik. aos 18' do primeiro tempo. Buzansky. aos 5'. Mebus. Ottmar Walter e Schäfer. Kocsis. aos 7'.000 Alemanha: Turek. Kohlmeyer. Posipal. Mai. aos 2'. muitas defesas tremiam e os torcedores já esboçavam comemorar o gol. aos 15'e aos 32'.800 Hungria: Grosics. Quando ele subia. aos 9'e aos 20' e Ottmar Walter. Gols: Schäfer. Morlock. sendo a base para a seleção que foi campeã olímpica . Rahn. Liebrich. Toth. Rahn. Hermann e Pfaff. Fritz Walter. Lorant. Fritz Walter. aos 8'. aos 37'do segundo tempo • Quartas-de-final Alemanha 2 x 0 Iugoslávia Data: 27/06/1954 Alemanha: Turek. Puskas e Czibor. aos 2' e Schäfer. Rahn. Téc: Sepp Herberger Gols: Kocsis. Téc: Sepp Herberger Gols: Horvat (contra) aos 9' do primeiro tempo e Rahn. aos 17' e Pfaff. Mustafa. Hidegkuti. aos 39'do segundo tempo Hungria 8 x 3 Alemanha Data: 20/06/1954 Público: 56. Czibor. Klodt. Eckel. aos 10' e Rahn. Téc: Guztav Sebes Alemanha: Kwiatkowski. Laband. Mai. Rahn. Ottmar Walter. Mai. Eckel. Posipal. Kohlmeyer. Rahn. Morlock. aos 12'. Fritz Walter. Posipal. Morlock. Kocsis. Puskas. aos 31' do primeiro tempo. Hidegkuti. Fritz Walter. Ottmar Walter e Schäfer. time que dominou o futebol húngaro entre 50 e 56. Presença marcante na área. Bozsik. Eckel. aos 28'. Eckel. Morlock. Toth. aos 3' e aos 21'. aos 16'e aos 44'do segundo tempo • Final Hungria 2 x 3 Alemanha Data: 04/07/1954 Público: 63. Fritz Walter. Zakarias. aos 15' e Morlock. Klodt. Toth. Ottmar Walter e Schäfer. Morlock. aos 7'. Kocsis. Fritz Walter. Téc: Sepp Herberger Stojaspal.000 Hungria: Grosics. aos 40' do segundo tempo • Semifinais Alemanha 6 x 1 Áustria Data: 30/06/1954 Público: 58. Posipal. Probst. aos 25' do primeiro tempo. Eckel. aos 17'. e Lefter. aos 30'.

Seis anos depois. No confronto de volta. acabou tentando de tudo para fugir do jogo. . foi marcado outro duelo. já que os britânicos perderam seus dois jogos. a história não foi muito diferente. Ficou na Espanha após pendurar suas chuteiras e morreu em 1979. por causa dos problemas políticos que tomavam conta do país. Curiosidades . onde se destacou com os seus petardos com a canhota. Czibor. Na estréia levou de 1 a 0 da Áustria e se despediram com um melancólico 7 a 0 diante do Uruguai. .em 52 e o vice-mundial em 54. O time levou 16 gols em dois jogos e despediu-se com a pior campanha do torneio. No Honved.Os sul-coreanos estrearam na Copa de forma mambembe. quando atuou ao lado do argentino Di Stéfano. que tinha apenas 13 jogadores por motivos de superstição e economia de gastos. O escocês Andy Batle não gostou das normas que impuseram sua delegação. em um jogo desafio marcado pelo presidente da Federação Inglesa. e por isso muitas vezes. foi adotado como mascote da equipe. fugiu da Hungria em 56. Como não havia o critério de desempate por saldo de gols.Uma decisão insólita classificou os turcos para sua primeira Copa do Mundo. logo aos 10 anos. foi a vez dos turcos faturarem por 1 a 0. foi eleito o melhor atleta do torneio. sujo nome não foi revelado. onde ficou até o encerramento de sua carreira. . levantou diversos títulos e foi o principal jogador do mundo no início dos anos 50. O seu adversário no caminho para a Suíça era a Espanha. . Um feito que poucos atletas no mundo do futebol conseguiram igualar. Com isso.1 27 10 3° Áustria 8 5 4 . Sua carreira começou no pequeno Kispet. o time levou de 4 a 1 dos ibéricos. Depois disso teve uma passagem destacada pelo Real Madrid. que terminou empatada em 2 a 2. Franco Gemma. sem ser o coreano. Parece que o técnico tinha razão. Só na seleção da Hungria. sendo contratado aos 19 anos. sendo o artilheiro da competição com 11 gols. teve uma média espetacular de mais de um gol por jogos. Stanley Rous.1 17 12 4° Uruguai 6 5 3 . cinco títulos espanhóis e um Mundial Interclubes. sendo levado para a Suíça. o menino que puxou a bolinha da Turquia. Assim como seus companheiros de clube.2 16 9 . A máquina espanhola conquistou três vezes a Copa dos Campeões. Gusztav Sebes. Foi contratado pelo Barcelona. O destaque: Ferenc Puskas (Hungria) O maior ícone do futebol húngaro nasceu em 2 de abril de 1927. Mesmo não atuando em duas partidas da Copa de 54. O time impôs uma das maiores goleadas sobre a Inglaterra no seu tradicional estádio.. do brasileiro Didi e do espanhol Gento. foi jogada uma terceira partida.Pela primeira vez. Szusza e Bozsik.O medo da delegação brasileira em enfrentar a Hungria nas quartas-de-final era tanta que um jogador. Inconformados. ele deixou sua marca por 85 vezes. Foi o comandante da equipe. Na competição. Ao longo de toda sua carreira marcou mais de mil gols e é considerado um dos maiores artilheiros de todos os tempos.1 25 14 2° Hungria 8 5 4 . Ninguém da delegação sabia falar inglês ou qualquer outro idioma. um técnico de uma das seleções participantes da Copa do Mundo pediu demissão durante a competição. os atletas tinham que ser conduzidos ao seu hotel por policiais. ele comeu pasta de dente para ter uma disenteria e não ser obrigado a enfrentar os fortes húngaros. Nas vésperas da partida. montado pelo vice-diretor do Comitê de Esportes.A Hungria entrou para história do Estádio de Wembley. com a entrada do socialismo e o início da Guerra Fria. Em 84 partidas. desta vez em. A equipe massacrou os ingleses por 6 a 3. o time passou para a primeira divisão e chamou a atenção dos dirigentes do Honved. Pos País Pontos J V E D GP GC 1° Alemanha Ocidental 10 6 5 .. que tinha a base da seleção húngara com Kocsis. a 16ª vaga foi decidida no sorteio e os turcos levaram a melhor. No primeiro jogo.

Os oito vencedores das quartas-de-final se enfrentaram. gerando um clima de festa e esperança. Em caso de empate no número de gols. 53 países se escreveram para disputar o maior mundial realizado até aquela data. Nílton Santos. o rei do futebol. Chegou ao clube em 1956 e lá permaneceu até o final de sua carreira. soube durante o torneio ajustar o time até chegar à conquista do título mundial. Os 16 participantes se dividiram em quatro chaves. Grupo 1: Alemanha. escolhida em virtude de sua neutralidade à guerra.1958 O período de 8 a 29 de junho de 1958 nunca mais será esquecido para nós brasileiros. sem conhecer o novo rei da modalidade e nem assistir aos esquemas 4-2-4 e 4-3-3 do brasileiro Feola. Irlanda do Norte e Tchecoslováquia Grupo 2: França. uma nova partida era necessária. Os dois vencedores fizeram a final. com os seus cinqüenta anos em cinco. o Brasil vivia o milagre de JK. faleceria em 16 de outubro de 1956. Os dois melhores times de cada chave se classificaram para as quartas-de-final. mas apenas 51 acabaram participando das eliminatórias. assim como acontecera com a Suíça em 54. quando União Soviética e Estados Unidos disputavam a hegemonia mundial. Dico. O local para a reunião dos deuses do futebol foi a Suécia. que durante a competição utilizou 16 dos 22 convocados. Didi. Brasil e Áustria Filho de dona Celeste e de um ex-jogador de futebol conhecido como Dondinho. ficou conhecido quando jogava no Santos. em Paris. Feola. no dia 23 de outubro de 1940. dono da TV Record. 16 equipes se classificaram para a competição na Suécia.5° 6° 7° Suíça Brasil Inglaterra 4 3 3 4 3 3 2 1 1 1 1 2 1 1 11 8 8 11 5 3 Suécia . Dida. com seu temperamento discreto. Zito. A campanha para a conquista do título começou no início do ano de 58. o pai do futebol. que foi também o chefe da delegação. o homem que dava nome à taça. Todos esses talentos do esporte tinham o comando do técnico Vicente Ítalo Feola. em Minas Gerais. Paraguai. Enquanto o mundo vivia o conturbado período da Guerra Fria. De Sordi. Os dois perdedores jogaram pela terceira colocação. o inesquecível Paulo Machado de Carvalho. Vavá e Zagalo. Gilmar. como era conhecido quando garoto nas peladas e nos campinhos de terra por onde passou. Djalma Santos. quando defendeu a equipe do . México. A seleção verde-amarela iria reunir um dos maiores elencos da história do futebol com Garrincha. Jules Rimet. A Confederação aceitou um plano do empresário paulista. resultando na semifinal com quatro equipes. Iugoslávia e Escócia Grupo 3: Suécia. disputando o título mundial. Forma de disputa 53 países se registraram na FIFA. Argentina. uma nova capital federal estava sendo construída no Planalto Central. Orlando. Hungria e País de Gales Grupo 4: Inglaterra. em sua primeira Copa. Das 85 nações filiadas à FIFA. em 1977. considerado por muitos como o maior do planeta em todos os tempos. Bellini. Modernos estádios foram construídos em Goteborg e Malmoe. O crescimento da economia era fantástico. URSS. Eles formariam um time épico. quando a CBD resolveu apostar numa revolução no futebol brasileiro. Édson Arantes do Nascimento nasceu em Três Corações. sem contar com o coroamento de Pelé.

Não tinha Pelé. Faltou o gol: 0 a 0. Edvaldo Alves Santa Rosa – DIDA (Flamengo). Jogadores: Goleiros: GILMAR dos Santos Neves (Corinthians) e Carlos José CASTILHO (Fluminense) Zagueiros: Nilton DE SORDI (São Paulo F. em Nova York. aos 21 minutos do segundo tempo.C. Mazola marcou um gol em cada tempo. mas um simples empate sem gols contra a Inglaterra alterava os planos do técnico brasileiro. Brasil 2 a 0. Pelé acabou sofrendo uma séria contusão e acabou sendo vetado pelo departamento médico. Pelé demonstrava um talento incomparável com a bola. Numa época em que a FIFA não autorizava substituições. mas Paulo Machado contrariou a decisão e apostou na presença da jovem promessa do esporte nacional. lá esteva ele em campo: Evaldo Izidio Neto. Dida e Zagalo. mas o show foi do atacante Vavá. que garantiu a vitória brasileira e a passagem para a próxima fase. em muito pouco tempo. E o calouro Pelé na vaga de Mazola. Mas. que marcou os dois gols da vitória contra a União Soviética. Waldir Pereira – DIDI (Fluminense). mas limpo e com resultado merecido. Vavá e Zagalo parou frente à força da defesa inglesa e Pelé assistia ao empate brasileiro sem poder colaborar muito. DJALMA SANTOS (Portuguesa de Desportos). Na grande final. marcando mais dois gols contra a Suécia . Mazola.C. nem Vavá. Ganhamos da Áustria na pequena cidade de Udevalla por 3 a 0. depois de uma bola na trave. gol do Brasil. . Nilton Santos fez o outro.Cosmos.C. contra a Inglaterra. No terceiro jogo. o Vavá.1958 O ataque que estreou na Copa do Mundo de 1958 tinha Joel.).C. E a seleção brasileira garantia o primeiro lugar no grupo. Um jogo nervoso. a seleção brasileira pegava País de Gales na semifinal.e trazendo ao Brasil a taça de campeão mundial de futebol. pela primeira vez num Mundial. dando lugar ao maior jogador de toda a história do futebol. por muito pouco o jovem talento. No segundo jogo. Gol de Vavá.). Mazola.). No segundo tempo. um . deixou de existir. Num amistoso de despedida contra o Corinthians. A partida foi muito disputada e a majestade do rei do futebol começava a aparecer em seu gol. No segundo jogo. JOEL Antonio Martins (Flamengo).). Edvaldo Isídio Neto – VAVÁ (Vasco). Agora. o técnico Feola arriscava e Pelé. Edson Arantes do Nascimento – PELÉ (Santos F.). nos Estados Unidos. O Brasil começa arrasador. ORLANDO Peçanha de Carvalho (Vasco da Gama) e ZÓZIMO Alves Calazáns (Bangu). O Brasil estreava arrasador contra a Áustria. MOACIR Claudino Pinto (Flamengo). do qual é impossível comentar sem a lembrança das imagens de suas inesquecíveis jogadas. O ataque formado por Joel. o duelo com a União Soviética em Goteborg. não ficou de fora da competição. Meio-de-campo: DINO SANI (São Paulo F. Pelé mostrava ao mundo que o futebol tinha um novo rei. Atacantes: Manoel Francisco dos Santos – GARRINCHA (Botafogo). o adversário era a França do artilheiro Just Fontaine. O ataque já tinha Garrincha no lugar de Joel. entrava em campo. de 17 anos. O Brasil fez 5 a 2 e Pelé marcou os três últimos gols da partida. simplesmente um rei. Mário Jorge Lobo ZAGALO (Flamengo) e José Macia – PEPE (Santos F. Outro gol de Vavá. Hideraldo Luiz BELLINI (Vasco da Gama). MAURO Ramos de Oliveira (São Paulo F.). José João Altafini – MAZZOLA (Palmeiras).C. ainda com 17 anos. com Garrincha dando show. José Eli de Miranda – ZITO (Santos F.Vavá fez dois e Zagalo. Suécia . NILTON SANTOS (Botafogo) e Valdemar Rodrigues Martins – ORECO (Corinthians). Em poucos minutos. Vindo com o primeiro lugar do grupo mais equilibrado da primeira fase do mundial. Mas a jovem promessa.C. vencendo por 3 a 0.

000 pessoas Brasil: Pelé (66') Brasil: Gilmar. mas terminamos como titulares". mais uma vez. Bellini (capitão). De Sordi. Duas jogadas de Garrincha. Em 58. em Goteborg. entre eles Vavá. termina como terceiro artilheiro da Copa. Em Estocolmo. Mazola. para um duelo com a fantástica França. Brasil. Joel. E mostraria para o mundo algumas de suas estrelas. E Pelé. Vavá e Zagalo. Depois.Vavá não jogou contra País de Gales. Didi pega a bola do fundo do gol e. Pelé faria um tributo a Vavá.928 (recorde da competição) Brasil: Vavá (2') e (76') Brasil: Gilmar. atrás de Pelé e do alemão Rahn. Zagalo fez o quarto e Simonsson ainda diminui para os suecos. "Dentro de campo. Dino e Didi. ressaltou Pelé. Orlando e Nilton Santos. Garrincha. Brasil 5 a 2. Bellini (capitão). mas Vavá empatou. Brasil 0 x 0 Inglaterra Público: 40. Zito e Didi. contava com a defesa mais eficiente. Zito e Didi. Pelé e Zagalo. fora de campo. pelas quartas-de-final. Bellini (capitão). Vavá. Final. a Suécia sai na frente. Os franceses perdem Jonquet numa lance com Vavá e fica com dez homens até o final (ainda não eram permitidas substituições). 1 a 0. tranquilamente. Mas era dia de Pelé. Orlando e Nilton Santos. diante de 49. Pelé marcou o terceiro no começo do segundo tempo. fecha a goleada em Estocolmo: 5 a 2. que marcou seu primeiro gol numa Copa do Mundo. dona do melhor ataque. A reação brasileira vai começar. fomos grandes companheiros na seleção. Bellini (capitão). Estávamos na final da Copa. que hipnotizou a defesa francesa com três lindos gols. Jogos do campeão Brasil 3 x 0 Áustria (1 x 0) Brasil: Mazola (38'). Garrincha. rumo à semifinal. Mais tarde. Orlando e Nilton Santos.895 pessoas Brasil: Gilmar. com seu artilheiro Just Fontaine. "Embora não tivéssemos atuado juntos no mesmo clube. possuía um estilo caladão e levava um vida pacata. Pelé e Zagalo. reverenciou o Rei. • Semifinal . O time brasileiro. dizendo que Vavá assustava os zagueiros porque tinha cara de buldogue. e do francês Just Fontaine. Brasil 2 x 0 URSS (1 x 0) Público: 50. De Sordi. Pelé costumava brincar. O titular foi Mazola. Dino e Didi. ele fazia por merecer o apelido Peito de Aço". com um gol de Liedholm. dois gols de Vavá e o Brasil vira o jogo ainda no primeiro tempo: 2 a 1. Vavá. Mazola. o Peito de Aço. com seis. de cabeça. • Quartas-de-finais Brasil 1 x 0 País de Gales (0 x 0) Público: 23. com 13. Didi marcou 2 a 1 ainda no primeiro tempo. Nilton Santos (51') e Mazola (89') Equipes: Brasil: Gilmar. começamos no banco. De Sordi. porém. Orlando e Nilton Santos. com cinco gols. só deu Pelé. Mazola. De Sordi. seu parceiro de ataque.737 torcedores. O Rei considera Vavá um dos grandes destaques da Copa de 1958 e afirma que ele só não foi mais reconhecido porque. Joel. longe dos holofotes da imprensa. Fontaine colocou a França na frente. depois de 1950. O Brasil levanta a taça que ficou devendo em 50. Dida e Zagalo. Pinantoni ainda faria mais um para a França. leva-a até o centro do campo.

Jonquet (capitão). num infortúnio do destino fraturou a perna. Fontaine. que seria a grande revelação brasileira para o mundo. Pelé e Zagalo. Artilheiros 13 gols: Just Fontaine (França) 6 gols: Pelé (Brasil) e Rahn (Alemanha) Pos 1º 2º 3º País Brasil Suécia França Pontos 11 9 8 J 6 6 6 V 5 4 4 E 1 1 2 D 0 1 0 GP 16 12 23 GC 4 7 15 Chile . Kopa. Zózimo ocupava o lugar de . o dr. em 54. Didi (39'). • Final Brasil 5 x 2 Suécia (2 x 1) Público: 49. Saiu do Marrocos para defender a equipe do Nice.Pelé se contundiu em um amistoso contra o Corinthians e não ia para a Copa da Suécia. Justine Fontaine continua sendo o recordista de gols em uma Copa do Mundo. Não só na Suécia. Pelé (90') Suécia: Liedholm (4') e Simonsson (80') Brasil: Gilmar. marcou 20 gols. Zagalo (68'). Kaelbel. . Marcel. Djalma Santos. mas também no bicampeonato no Chile. Dois anos após ser a sensação da Copa do Mundo e estabelecer seu recorde.1962 O Brasil estreou na Copa do Mundo de 1962. Pelé (55'). no Chile.Em fevereiro de 58. morreram oito jogadores do time do Manchester United. Garrincha. trabalhava. Contrariando a decisão de muitos. Vavá. com nove jogadores do time que fez a final de 1958. num jogo contra o Sochaux. Vavá.Brasil 5 x 2 França (2 x 1) Público: 27. no Aeroporto de Riem. Garrincha. Jogou depois no Reims. Piantoni e Vincent. Mauro substituiía Bellini na zaga. em 27 jogos pela seleção francesa. entre eles Taylor. na época com 17 anos. Zito e Didi. Artilheiro: Just Fontaine (França) O maior jogador da França na Copa de 58 nasceu em Casablanca. Edwards. Pelé e Zagalo. ele compareceu com o mesmo terno. três titulares da seleção inglesa. De Sordi. Lerond. quando levou um chute do jogador Sikou. Curiosidades Machado assistiu ao primeiro jogo em que o Brasil venceu a Áustria por 3 a 0 com um terno marrom. Bellini (capitão). passados mais de 40 anos. em um acidente aéreo. um dos melhores times franceses de todos os tempos. Paulo Machado insistiu na ida do jovem. Orlando e Nilton Santos. Orlando e Nilton Santos. Wisnieski. no Marrocos. Este lance inusitado marcou o fim da carreira do grande goleador. Édson Arantes do Nascimento. 64' e 75') França: Fontaine (8') e Piantoni (83') Brasil: Gilmar.737 pessoas Brasil: Vavá (8' e 32'). França: Abbes. que na época tinha apenas 29 anos e. funcionário do governo francês. Sua participação nesse Mundial foi tão importante. Zito e Didi. Byrne. Em todas as outras partidas brasileiras. que até hoje. . Penverne. Bellini (capitão). mas o técnico "Bob" Charlton se salvou e em 1966 se sagrou campeão mundial.100 pessoas Brasil: Vavá (1'30"). Pelé (52'. onde seu pai.

A chefia da delegação continuava com o Marechal da Vitória. tomando um gol de Abelardo. 1 a 0. Zito marcou e virou o jogo: 2 a 1. No dia 13 de maio. eliminando Colômbia e Uruguai. Suíça. Em plena época do futebol-arte. Schroif. Desta etapa até a final foi adotado o sistema de eliminatória simples. O Brasil tomou um gol aos 15 minutos.Arica) Grupo 2 – Chile. gols de Pelé e Zagalo. Alemanha e Itália. mas Amarildo empatou em seguida. doente. Brasil e Inglaterra duelaram pelas quartas-de-final em Viña del Mar. se atrapalha com o sol que bate no seu rosto. A Iugoslávia eliminou a Alemanha em Santiago por 1 a 0. A delegação brasileira viajou de trem. Alemanha Ocidental e Itália (Estádio Nacional do Chile Santiago) Grupo 3 – Brasil. diante de 19 mil pessoas. deixar o mundo encantado com o futebol verde-amarelo. 71 mil torcedores no Estádio Nacional de Santiago. derrotaram a União Soviética e passaram a sonhar com o título. travaram-se verdadeiras batalhas. Contra a Espanha. com show de Garrincha. Em Rancágua. Feola. A contusão de Pelé passou a ser o grande drama do Brasil. a violência em campo estava assustadora e fez com que o Comitê Disciplinar solicitasse uma reunião de emergência com todos os árbitros. México e Espanha. de Masopust. No segundo tempo. o Chile enfrentou o Brasil. a Tchecoslováquia batia a Iugoslávia por 3 a 1 e mais uma vez chegava à final. Alemanha e Chile acabaram alcançando a vaga. BRASIL O esquadrão que deu um show em terras suecas estava de volta. em jogadas de Garrincha. Nenhum deles voltou a marcar naquele mundial – Pelé se machucaria na partida seguinte diante da Tchecoslováquia. solta a bola e Vavá aproveita para fazer 3 a 1. classificando-se as duas melhores de cada chave para as quartas-de-final. as semifinais. Na estréia. o time brasileiro passava à segunda fase. o goleiro tcheco. Diante de 77 mil torcedores. Empatamos com o tchecos por 0 a 0. que marcou dois gols e ainda foi expulso ao atingir Rojas. bicampeão. Amarildo seria a solução. União Soviética e Iugoslávia também passaram à segunda fase. Suíça. mais uma vez. dia 17 de junho. soviéticos e colombianos empataram por 4 a 4. Os chilenos foram até Arica. que já vinha sendo a sede brasileira na Copa. O jogo mais técnico do Mundial. o substituto de Pelé. Brasil. ludibriando a torcida chilena. desceu duas estações antes de Santiago e seguiu de ônibus para o estádio. Garrincha mandou no jogo e vencemos por 3 a 1. México. dava o comando no banco a Aimoré Moreira. Bulgária. . o Brasil fez 4 a 2 nos chilenos. Uruguai. No grupo 4. deu Hungria e Inglaterra.Orlando na defesa. Hungria e Inglaterra (Estádio Rancágua) As seleções jogaram entre si dentro de cada grupo. num clima de comoção nacional. Na primeira fase. Tchecoslováquia e Espanha (Estádio Sausalito – Viña del Mar) Grupo 4 – Argentina. a seleção derrotou o México por 2 a 0. mas virou o jogo com dois gols de Amarildo. Paulo Machado de Carvalho. para exigir mais rigor. URSS e Iugoslávia (Estádio Carlos Dittborg . e disputaria seus jogos no estádio Sausalito. após a primeira rodada. A seleção brasileira estava no grupo 3. Na final. Pelé. em Viña del Mar. Forma de disputa A Copa do Mundo de 1962 foi disputada no Chile entre 30 de maio e 17 de junho. Num jogo sensacional. entre Chile. O gol decisivo: Djalma Santos levanta para a área. contra Tchecoslováquia. assim constituídos: Grupo 1 – Colômbia. o Brasil começou em desvantagem. Em Viña del Mar. No grupo 2. Um plano perfeito do marechal Paulo Machado de Carvalho. a Tchecoslováquia eliminou a Hungria. diante de 11 mil torcedores. Garrincha e toda a delegação que fez história em 1958 foi até o Chile para. Mesmo no sufoco. sem bola. os 16 times foram distribuídos em quatro grupos. Em Santiago.

Jair da Costa (Portuguesa). marcando dois gols nos últimos dez minutos da semifinal contra a Iugoslávia. Didi. era recheada de tragédias. Pelé (Santos). Didi. Garrincha. Mengálvio (Santos). Zito e Zózimo. Vavá (Palmeiras) e Zagallo (Botafogo) Técnico: Aymoré Moreira Garrincha é uma das maiores lendas do futebol brasileiro. A seleção não sofreu grandes alterações de 58 para 62. Jurandir (São Paulo). A mais fundamental dela foi. Mauro e Nilton Santos. Sua participação na seleção brasileira foi espetacular. chamado de "alegria do povo". Pelé e Zagallo. Ficou no campo tentando atrair a marcação. Atuava na ponta direita com dribles alegres e ousados. já que naquela época ainda não existiam as substituições. aos 27’ do segundo tempo (Brasil). e Pelé. Bellini (Vasco da Gama). Garrincha terminou sua vida na miséria. Convocados da Seleção Goleiros – Castilho (Fluminense). onde conquistou os títulos estaduais de 57. Nilton Santos (Botafogo) e Zózimo (Bangu). A maior estrela do bicampeonato foi mesmo Mané Garrincha. Djalma Santos (Palmeiras). que estava doente. Seu futebol provocante e seu jeito irreverente encantou multidões. o advogado de sua ex-esposa Nair tirava cada centavo que o craque das pernas tortas faturava. Bebia muito e teve uma carreira profissional abreviada também pelas constantes contusões no joelho. Zito (Santos) e Zequinha (Palmeiras) Atacantes: Amarildo (Botafogo). Djalma Santos. Peça fundamental em todos os jogos que participou. sem dúvida. ao substituir Bellini com personalidade e segurança. machucou-se no segundo jogo. que conseguiu sua classificação para a final de maneira surpreendente. Meio-de-campo: Didi (Botafogo). aos 11’ do segundo tempo. já quase sem brilho. No final de carreira. a entrada do técnico Aimoré Moreira no lugar de Vicente Feola. Para piorar. . marcando quatro gols e ajudando Amarildo e Vavá em tantos outros. Djalma Santos. a Copa de 62 também ficou marcada pelo excelente futebol apresentado pelos chilenos e. contra a Tchecoslováquia. frequentemente explorado pelos clubes que o contratavam. e deixou a Copa com apenas um gol marcado. Acabou se unindo à cantora Elza Soares. Gols: Zagallo. Além da grande campanha brasileira. Garrincha nunca perdeu uma partida sequer ao lado de Pelé. Vavá. quando Mané teve que jogar por ele e por Pelé. Sua atuação foi decisiva na conquista das Copas de 58 e principalmente em 62. • Primeira fase Brasil 2 x 0 México Data: 30/05/1962 Brasil: Gilmar. Nunca soube negociar um bom contrato. Brasil 0 x 0 Tchecoslováquia Data: 02/06/1962 Brasil: Gilmar. O capitão Mauro também teve uma participação decisiva na conquista do título. Mauro (São Paulo). Pepe (Santos). que abandonou o campeonato contundido. Zito e Zózimo. Garrincha. que chamou para si toda a responsabilidade pelo título. Jair Marinho (Fluminense). Mas a vida do craque. Garrincha (Botafogo). marcando 249 gols. Gilmar (Corinthians) Zagueiros – Altair (Fluminense). 61 e 62 e o Rio-São Paulo de 62 e 64. pela seleção tcheca. Coutinho (Santos). Mostrou o melhor do seu talento enquanto esteve no Botafogo. defendeu o Corinthians. que vivia uma fase radiante na sua carreira. principalmente.Pelé. Mauro e Nilton Santos. Apesar de ser um dos melhores jogadores do mundo.

em 1960. Garrincha. Amarildo e Zagallo. Vavá aos 32’do segundo tempo (Brasil). Jerkovic foi um dos mais importantes atacantes da seleção iugoslava na década de 60. Norman e Flowers. aos 14’do primeiro tempo (Tchecoslováquia). Djalma Santos. Gols: Amarildo. Didi. Zito e Zózimo. Começou sua carreira no Dínamo de Zagreb (atual Croatia Zagreb) onde conquistou uma série de títulos como o Campeonato Iugoslavo em 58 e a Copa da Iugoslávia de 1960. Inglaterra: Sprinnget. • Final Brasil 3 x 1 Tchecoslováquia Data: 17/06/1962 Local: Estádio Nacional do Chile – Santiago Árbitro: Nikolai Latishev (URSS) Público: 68 mil Brasil: Gilmar. Masopust. Curiosidades . Hitchens ao 39’ do primeiro tempo (Inglaterra). Tobar e Leonel Sanches. o jogador . Brasil 2 x 1 Espanha Data: 06/06/1962 Brasil: Gilmar. Amarildo e Zagallo. Inconformado. aos 42’ do primeiro e 6’ do segundo tempo (Chile). Garrincha. Gols: Garrincha. Jerkovic foi um dos destaques da Iugoslávia na conquista do vice-campeonato da Eurocopa. Ramirez. Pelé e Zagallo. Gols: Amarildo. Eyzaguirre. Tchecoslováquia: Schroif. aos 9’ e 31’ do primeiro tempo. Garrincha. Greaves. Zito e Zózimo. Chile: Escuti. Pluskal e Masoputs. Pelé e Zagallo. Kvasnak e Jelinek. Armfield. Tichy. aos 44’ do segundo tempo (Brasil) e Adelardo. DESTAQUES Drazan Jerkovic. O técnico Aymore Moreira queria substituir o capitão Mauro por Bellini. Mauro e Nilton Santos. Raul Sanchez e Rodriguez. Didi. Vavá. Zito e Zózimo. Zito. • Quartas-de-Final Brasil 3 x 1 Inglaterra Data: 10/06/1962 Brasil: Gilmar. Charlton. Vavá. Vavá aos 48’ e 32’do segundo tempo (Brasil). No mesmo ano. 1963 e 1965. Gols: Garrincha.A equipe brasileira esteve à beira de uma crise durante a Copa do Chile. Toro. Vavá aos 8’ do segundo tempo (Brasil). Kadraba. e Pelé. Douglas. Djalma Santos. aos 35’do primeiro tempo (Espanha). Scherer.Vavá. aos 16’ do primeiro tempo. Djalma Santos. Didi. aos 26’do segundo tempo. Djalma Santos. Uma contusão o tirou da Olimpíada de Roma no ano em que sua equipe foi medalha de ouro. Mauro e Nilton Santos. J. Garrincha. Pospichal. Contreras e Rojas. Amarildo e Zagallo. Mauro e Nilton Santos. aos 23’ minutos do segundo tempo. um croata na História O croata Drazan Jerkovic entrou para a história das Copas como o artilheiro de uma edição que menos marcou gols (apenas cinco). Vavá. Haynes e B. aos 32’ do primeiro e 14’ do segundo tempo. Didi. Mauro e Nilton Santos. Toro. Popluhar e Novak. Vavá. • Semifinal Brasil 4 x 2 Chile Data: 13/06/1962 Brasil: Gilmar. Zito e Zózimo. Landa. Moore e Wilson. Hitchens.

Itália. no estádio de Wembley.procurou Aymore e ameaçou abandonar o time e voltar para o Brasil caso fosse substituído. por 3 a 1. Conta-se que a CBD (Confederação Brasileira de Desporto) presenteou o juiz peruano Arturo Yamasaki com uma passagem aérea para o Brasil. Existia uma grande expectativa do público e da imprensa em torno da apresentação do famoso camisa 10 santista. Em Sunderland e Middlesbrough ficaram Chile. O grupo de Sheffield e Birmingham contava com Argentina. França e México. . Tostão e Jairzinho. Mané foi expulso no jogo contra o Chile por dar um pontapé no goleiro Rojas e pelas regras do torneio estava automaticamente excluído da competição. o Brasil mostrou sua cara. Tostão marcou nosso gol. Naturalmente. O que mais beneficiou o craque na análise do júri foi o fato de o juiz peruano não ter entregue a súmula do jogo a tempo. E Portugal cairia justamente no grupo do Brasil. mas quase ficou de fora da final. E olhem que naquele time tínhamos Pelé. Portugal metia 3 a 0 na Bulgária. Garrincha e Vavá (Brasil). Pelé nem chegou a jogar: foi poupado. Bate a renovada Hungria. O Brasil passa pela Bulgária. pensou e resolveu ficar com Mauro. temida por sua tradição. Pos 1º 2º 3º País Brasil Tchecoslováquia Chile Pontos 11 7 8 J 6 6 6 V 5 3 4 D 0 1 0 E 1 2 2 GP 14 7 10 GC 5 7 8 Inglaterra . foram insuficientes para satisfazer os torcedores que esperavam um show de bola – mal sabiam eles que naquela Copa o Brasil seria uma negação. pois naquela época não eram permitidas alterações durante as partidas. 4 gols – Leonel Sanches (Chile). mas Garrincha passou por um rápido julgamento e ganhou o direito de jogar a final contra a Tchecoslováquia. mas não adiantou. isso nunca foi comprovado. O técnico brasileiro pensou. mas ninguém gostou do que viu: os dois gols de bola parada. Espanha.1966 Copa da violência e do apito suspeito A Inglaterra levantou a taça. Perdeu por 3 a 1. Ivanov (URSS). teve expressiva campanha nas eliminatórias e o futebol do mulato Eusébio já despontava para o mundo. Era a vez de Brasil e Portugal. Gerson. Os portugueses. contra Uruguai. mas Portugal teve um passagem marcante na Copa de 1966. Mesmo inutilizado. Para a sorte do Brasil. comandados por Oto Glória. Diante de 62 mil torcedores. Albert (Hungria).Garrincha foi o principal jogador do Brasil na Copa de 62. diante de 57 mil torcedores. Portugal mostra sua força no grupo que seria o mais forte do Mundial. Artilheiros 5 gols – Jerkovic (Iugoslávia). Alemanha (na época Ocidental) e Suíça. A anfitriã Inglaterra faria seus jogos em Londres. mas Pelé sofreu um estiramento do músculo adutor da virilha direita logo no segundo jogo contra a Tchecoslováquia. . União Soviética e Coréia do Norte. o craque brasileiro ainda ficou em campo para tentar atrair a marcação adversária. Contra a Hungria. e vencer a Bulgária por 2 a 0 já estava de bom tamanho. O jogo terminou empatado em 0 a 0.A participação de Pelé na Copa de 62 foi uma grande decepção. marcados por Pelé e Garrincha. o zagueirão jogou bem todas as partidas e teve uma atuação exemplar como capitão da conquista. mas a administração foi uma . com sede em Liverpool e Manchester. caímos por 3 a 1 e fomos eliminados ainda na primeira fase – o maior vexame da nossa história. Enquanto isso.

No meio da confusão geral. Os soviéticos tinham como destaque o goleiro Yashin. Na outra semifinal. a Inglaterra vence por 2 a 1. França. Hungria e Bulgária (Liverpool e Manchester) Grupo 4 – Chile. com nove). mas um toque de mão de Schenellinger tirou a bola em cima da linha. Em Londres. venceu o goleiro. o segundo colocado da chave. Ficaram com o segundo lugar da chave. eles abriram uma vantagem de 3 a 0 contra Portugal. daquela vez havia ficado fora. era justo que eles fossem tri. a União Soviética cai diante da Alemanha por 2 a 1. Forma de disputa A Copa de 1966 foi disputada entre 11 e 30 de julho. o Aranha Negra. apesar da derrota para a URSS por 3 a 0. A primeira fase teve quatro grupos assim definidos: Grupo 1 – Uruguai. A União Soviética também passou pela Hungria por 2 a 1. 94 mil torcedores vêem o melhor jogo do Mundial. no jogo marcado pela expulsão de Rattin e por uma polêmica declaração do técnico inglês Alf Ramsey sobre os argentinos: "São uns animais". e por pouco não se transformam na maior zebra dos mundiais. o técnico Vicente Feola (o mesmo de 58) convocou 46 jogadores em final de março. Mas muitas coisas não estavam acontecendo como em 1958 e 1962. Tempo mais do que suficiente para que fossem decididos os 22 nomes da lista final. Wembley. A Inglaterra passou pela França por 2 a 0 e pelo México pelo mesmo placar. Inglaterra e México (Londres e Wembley) Grupo 2 – Argentina. Sob a arbitragem atrapalhada e suspeita do suíço Gottfried Dienst. Mas aí começou a brilhar a estrela de Eusébio. Portugal vai a Londres para tentar desbancar os ingleses nas semifinais. URSS e Coréia do Norte (Sunderland e Middlesbrough) BRASIL Entre a comissão técnica. recompondo-se da tímida estréia em que empatou por 0 a 0 com o Uruguai. Inglaterra e Alemanha fazem a final. Os uruguaios começaram melhor e Pedro Rocha teve tudo para fazer o gol: com uma bela cabeçada. No último gol já havia gente dentro de campo para comemorar o título. Por isso mesmo. No final. 95 mil torcedores. O Uruguai teve problemas parecidos diante da Alemanha em Sheffield. Portugal. O fato de serem convocados 46 jogadores criou uma grande . mesmo quatro anos mais velhos. que ainda no primeiro tempo marcou dois gols (ele faria quatro naquele jogo e terminaria a Copa como maior artilheiro. os coreanos surpreenderam o mundo ao empatar com o Chile por 1 a 1 e ganhar da Itália por 1 a 0. num jogo marcado pela violência. que parecia ser fácil. vindo da Itália e que seria o primeiro "estrangeiro" a ser chamado para a seleção. Tampouco marcaria falta nos inúmeros pontapés distribuídos pelos alemães. Espanha. Alemanha Ocidental e Suíça (Sheffield e Birmingham) Grupo 3 – Brasil. Em Wembley. Entre eles Amarildo. Itália. No grupo 4. Depois do empate por 2 a 2 no tempo normal. na base da correria e muita vontade. Por exemplo: não havia a mesma organização. a Inglaterra despachava a Argentina por 1 a 0. o Marechal da Vitória. Os uruguaios Troche e Hector Silva revidaram e foram expulsos. torcedores brasileiros e mesmo entre a imprensa internacional a conquista do tricampeonato mundial era uma certeza. diante de 90 mil pessoas. os ingleses vencem na prorrogação por 2 a 0 e ficam com a taça. Em poucos minutos. quase todos os bicampeões foram convocados. A apresentação ocorreu no dia 12 de abril e haveria três meses para a seleção fazer os treinamentos. Afinal de contas.lástima – Paulo Machado de Carvalho. a Alemanha goleou por 4 a 0. um resultado pouco esperado. ponto fundamental das duas conquistas anteriores. O juiz inglês Finney não marcou o pênalti. apesar da grande atuação do goleiro Yashin. Com dois de Bobby Charlton. Portugal virou o jogo para 5 a 3. mas não repete seu grande futebol. Os coreanos protagonizaram o jogo mais emocionante das quartas-de-final.

Jairzinho. Tostão. só restou à seleção retornar quietinha ao Brasil.disputa interna no grupo. Kapozta. Pelé (Santos). Jaime Graça. Alcindo. Djalma Santos. No segundo. José Augusto. Pelé e Jairzinho Gols: Pelé. Farkas e Rakosi Brasil: Gilmar. Bellini. Mais cinco ainda seriam cortados. aos 64min. Matrai. Depois de uma rápida excursão na Europa. Brito. Sipos. . Meszoly. principalmente. a revolução dos Beatles. aos 14min. Lima. de Pelé e Garrincha. Brasil 2 x 0 Bulgária Data: 12/07/1966 Brasil: Gilmar. No embarque para a Europa no dia 17 de junho. O supervisor Carlos Nascimento interfere na escalação. Silva (Flamengo). Silva. que despacham a seleção canarinho por 3 a 1. Vicente. Orlando. Orlando (Santos). Os jogadores revoltados pediram uma definição. aos 85min Jogadores brasileiros Goleiros: Gilmar (Santos) e Manga (Botafogo) Defensores: Fidélis (Bangu). Paulo Henrique. Meszoly. já havia feito uma pressão sobre asiáticos e africanos para conseguir levar o Mundial para seu país. Rildo (Botafogo) e Paulo Henrique (Flamengo) Meio-de-campo: Denilson (Fliminense). a entidade teria colocado muitos árbitros ingleses para apitar. mas não consegue segurar os portugueses. Denilson. Morais. Farkas. Alcindo (Grêmio). Eusébio. Brito (Vasco). aos 26min. Garrincha. Hilário." As nuvens estavam se formando sobre a seleção e a primeira tempestade ameaçou cair logo no primeiro jogo da Copa: o Brasil venceu a Bulgária por 2 a 0. Cada um queria provar que era o melhor. Bene. Rildo. Lima. Conta-se que o então presidente da Fifa. Garrincha. aos 73min Portugal 3 x 1 Brasil Data: 19/07/1966 Portugal: José Pereira. Altair (Fluminense). Paulo Henrique. Torres e Simões Brasil: Manga. aos 63min Hungria 3 x 1 Brasil Data: 15/07/1966 Hungria: Gelei. Mathesz. Lima. Batista. Eusébio. Djalma Santos (Palmeiras). A confusão em Liverpool. Gerson. Bellini (São Paulo). com gols de bola parada. Szapesi. Tostão (Cruzeiro). E para completar naquele ano a Copa do Mundo também seria inglesa. Lima (Santos) e Gerson (Botafogo) Atacantes: Jairzinho (Botafogo). aos 15min. Rildo. Depois da campanha vergonhosa. os jogos dos adversários da Inglaterra. tira nove jogadores do time do jogo anterior . Depois de ter conseguido a sede. Coluna. o inglês Stanley Rous. Pelé e Paraná Gols: Simões. Edu (Santos) e Paraná (São Paulo) Técnico: Vicente Feola A taça é dos ingleses Tudo acontecia na Inglaterra em 1966: muito LSD. um jornalista inglês declararia que Bellini e Garrincha estavam mortos. Bellini. a invenção da minissaia. Altair. era tanta que Feola ainda não tinha decidido o time titular. Tostão e Jairzinho Gols: Bene. aos 2min. O espião brasileiro Ernesto Santos também não foi muito otimista: "o Brasil só será tri por milagre. Ninguém queria se entrosar com ninguém. Garrincha. Garrincha (Corinthians). Alcindo. a lista ainda tinha 27 jogadores. aos 73min. Denilson. Fidélis. sede brasileira. Altair. Albert. a tempestade desabou forte e a Hungria passaria pela "seleção tri" por 3 a 1. Muito mais inglesa do que todo o resto do mundo queria. Djalma Santos. Eusébio. Zito (Santos).inclusive Garrincha -. aos 15min.

Alan Ball. Cohen. Nas semifinais. Alemanha e o árbitro suíço Gottfried Dienst. Cohen. Jogos do campeão Inglaterra 0 x 0 Uruguai Inglaterra: Banks. Eusébio marca para os portugueses a oito minutos do final. os argentinos decidiram colocar os dez homens na defesa e rezar para o jogo terminar em zero a zero e ser decidido no sorteio. contra o Uruguai. Os uruguaios permaneceram o tempo todo na defesa e os ingleses no ataque. os ingleses tiveram a ajuda do juiz no jogo contra a Argentina. Cohen. Hunt e Connely Inglaterra 2 x 0 México Inglaterra: Banks. aos 75min Inglaterra 2 x 0 França Inglaterra: Banks. Greaves. Nos jogos seguintes. o melhor jogo do Mundial. Greaves. entre eles a rainha da Inglaterra. Bobby Charlton. no dia 11 de julho. As duas seleções fazem. faltando treze minutos para terminar a partida. Stiles. mas não convenceu. Hunt e Peters Gols: Bobby Charlton. A grande final seria um dos espetáculos mais vexatórios do futebol mundial e os personagens seriam Inglaterra. Bobby Moore. Bobby Moore. O jogador pediu um intérprete e não foi atendido. aos 38min e aos 75min • Quartas-de-final Inglaterra 1 x 0 Argentina Inglaterra: Banks. ele comete mais dois erros cruciais nos dois gols ingleses durante a prorrogação: o primeiro a bola não chega ultrapassar a linha e no segundo havia torcedores em campo prontos para comemorar o título. Sem um futebol empolgante. Hunt. Wilson. Sem a mesma confiança que teve contra Hungria e Brasil. Rudolf Kreitlein. eles conseguiram avançar para a próxima fase. Os dois gols foram marcados por Hurst. O senhor Dienst erra na cronometragem e dá mais tempo que os 90 minutos normais. Wilson. o time da Rainha não soube como chegar ao gol. Nas quartas-de-final. Stiles. O palco: mais uma vez Wembley. Greaves. Bobby Charlton. Além disso. O público: 95 mil torcedores.A Inglaterra levou a taça. os donos da casa venceriam a França e o México pelo mesmo placar: 2 a 0. Hunt e Peters Gols: Hunt. Jack Charlton. Wilson. Callaghan. Um jogo decepcionante que terminou em 0 a 0 e seria uma amostra do futebol que seria jogado durante aquele Mundial. O árbitro alemão. Paine. contou com a presença de mais de 100 mil espectadores. não entendeu o que o argentino Rattin lhe disse (este falara em espanhol) e o expulsou do jogo. A estréia no Wembley Stadium. novamente a Inglaterra joga em Wembley e recebe a sensação da Copa: os portugueses. que se tornaria o herói do título da Copa mais fria do mundo. Jack Charlton. de pênalti. aos 37min. os jogadores deixaram o campo sem ao menos se lembrar de cumprimentar "vossa majestade". Bobby Moore. Ao final da partida. Noventa mil torcedores compareceram ao estádio de Wembley. Wilson. com lances polêmicos. Cohen. O Mundial ficou marcado como o mais violento da história e com as arbitragens mais duvidosas de todos os tempos. Os ingleses dividiram o Grupo 1 com Uruguai. discutidos até hoje. marca uma falta inexistente para os alemães que empatam a partida e provocam a prorrogação. para 94 mil torcedores. Mas o atacante Hurst acabou com o sonho argentino. França e México. Portugal não acredita que poderia vencer e deixa o inglês Bobby Charlton fazer dois gols. Bobby Charlton. Stiles. Final: Inglaterra 2 x 1 Portugal. marcando um gol de cabeça. Stiles. Neste acréscimo. Entretanto. Depois do escândalo. Jack Charlton. Bobby . Bobby Moore. Jack Charlton.

Hunt e Peters Gols: Hurst. ex-técnico do São Paulo e naquela época treinador do Benfica. que foram salvos pelos quatro gols de Eusébio. Eusébio. Bobby Moore. o moçambicano havia sido descoberto pelo futebol da metrópole em 1961. Bobby Charlton. aos 76min • Semifinais Inglaterra 2 x 1 Portugal Inglaterra: Banks. Seeler. Wilson. Tudo bem que a Azzura não era aquela força. aos 12min. Jack Charlton. principalmente com a força do atacante Eusébio. Hunt e Peters Alemanha Ocidental: Tillkowski. Peters. Mas a Coréia não tinha nenhuma tradição nas Copas. Held e Emmerich Gols: Haller. Batista. Hoettges. Com 24 anos. Weber. Haller. Nas quartas-de-final. Alan Ball. Schnellinger. Havia ganho dos chilenos na estréia (2 x 0) e perdido da URSS no segundo jogo (0 x 1). Mas eis que surge Eusébio e marca quatro na vitória por 5 a 3. comandados em campo por Bobby Charlton. o atacante chegou a ser comparado com Pelé e ajudou o Benfica a conquistar dez títulos portugueses (sete como artilheiro).Charlton. Nas quartas-de-final quase que os coreanos repetem a zebra. a seleção comandada pelo brasileiro Oto Glória fez 3 a 1 na Hungria. Os adversários fizeram três gols e pareciam ter ganho o jogo. Weber. Depois de conseguir pela primeira vez sua classificação. Beckenbauer. Uma das vítimas foi o Brasil que também apanhou de 3 a 1. Jack Charlton. Overath. aos 18min. Bobby Charlton. os portugueses levaram um susto frente à Coréia do Norte. Alan Ball. Stiles. aos 78min. Coluna. Alan Ball. José Carlos Bauer estava excursionando pela África com a Ferroviária. Festa. quando viu um fantástico jogador moçambicano em ação. Cohen. Eusébio. Schulz. os tchecos. Hurst. Cohen. aos 101min e 120min DESTAQUES A zebra: coreanos vencem a Itália A maior zebra da Copa de 66 foi a vitória da Coréia do Norte sobre a Itália. O artilheiro: Eusébio Eusébio Ferreira da Silva não foi só o artilheiro da Copa de 66 com nove gols. A surpresa: Portugal Portugal também começou surpreendendo logo nas Eliminatórias européias. Naquele período. Torres e Simões Gols: Bobby Charlton. Logo na estréia. Foi também o principal responsável pela empolgante campanha da seleção portuguesa. Hilário. na época já bicampeã mundial. mesmo estando no grupo dos vicecampeões de 62. aos 82min • Final Inglaterra 4 x 2 Alemanha Ocidental (2 x 2 no tempo normal) Inglaterra: Banks. Wilson. aos 90min. cinco Copas de Portugal e uma Copa Européia de Campeões. fazendo nove gols e sofrendo dois. A equipe venceu os três jogos da primeira fase. E graças a um brasileiro. José Augusto. . Hunt e Peters Portugal: José Pereira. Eusébio mostrava afobação e o time não conseguiu fazer os gols necessários para a classificação. Carlos. Hurst. naquele ano. Impressionado. Bobby Moore. Sempre na base da correria. Hurst. Hurst. eles marcam 3 a 0 nos portugueses. Guttmann mandou observar Eusébio que logo depois foi contratado pelo time português. aos 30min e aos 79min. Hurst. Stiles. Resultado: Inglaterra 2 x 1 Portugal. Jaime Graça. Portugal chegou arrebentando na Copa. Tudo terminou em Wembley diante dos ingleses. quando passou por Lisboa ele falou a respeito do goleador com Bela Guttmann.

Djalma Santos. 2 – Em 1966. as seleções africanas desistiram das eliminatórias. Entre os 22 brasileiros inscritos na Copa de 66. O destaque brasileiro A campanha brasileira em 66 foi tão decepcionante que é impossível destacar um jogador. E eles conseguiram manter o tabu de nunca perderem disputando juntos uma partida com a camisa da seleção. a primeira vez em que eles estiveram juntos foi justamente contra a Bulgária. para todos os outros esta também seria a última Copa. O árbitro alemão. Outro fato para ser lembrado: a convocação de Edu com apenas 16 anos. Curiosidades 1 – A despedida de Pelé e Mané. 9 gols – Eusébio (Portugal) 6 gols – Haller (Alemanha Ocidental) Pos 1º 2º 3º 11º País Inglaterra Alemanha Portugal Brasil Pontos 11 9 10 2 J 6 6 6 3 V 5 4 5 1 D 0 1 1 2 E 1 1 0 0 GP 11 15 17 4 GC 3 6 8 6 México . Diante da recusa da Fifa. Aí surgiram os cartões. que ficou com a vaga depois de derrotar duas vezes a Austrália. Zito. 5 – A Fifa determinou que haveria apenas uma vaga para ser disputada entre os continentes africanos e asiáticos e a Austrália. Se isso pode ser considerado um mérito. Bellini. Isso muito se deve ao jogo entre Inglaterra e Argentina. foi condecorado pelo Reino Unido com o título de cavaleiro. 3 – Depois da vergonhosa derrota para a Coréia por 1 a 0. foi a última vez que o Brasil teve o Rei e Garrincha juntos em campo. O jogador era realmente um homem de sorte: foi um dos poucos sobreviventes do acidente aéreo que vitimou a maioria dos jogadores do Manchester. Garrincha e Pelé. no Pacaembu.O destaque: Bobby Charlton Bobby Charlton foi a grande estrela da Inglaterra campeã de 1966. com o propósito de facilitar a comunicação.1970 O Mundial de 70 teve o mérito de redimir o futebol mundial das péssimas atuações apresentadas por seleções e arbitragens durante a Copa de 66. na Inglaterra. O pontaesquerda foi o brasileiro mais novo a vestir a camisa amarelinha em um Mundial. pode-se dizer que Jairzinho foi o único brasileiro a entrar em campo nas três partidas que a seleção conseguiu disputar naquela Copa. Uma evidência de que o tricampeonato mundial era considerado líquido e certo foi o lançamento dos cigarros Tri. a seleção teve pela primeira vez um símbolo oficial: o desenho de um canário criado por Ziraldo e Carlos Leonam. em 1958. quando abandonou o futebol em 1973. Coincidentemente. ele também foi o único jogador a não entrar em nenhuma das três partidas. mas dois deles na semifinal contra Portugal que levaram o time à fase seguinte. quando o campo ficou parecendo uma Torre de Babel. Altair. não teria entendido o que dizia em espanhol o argentino Rattin e expulsou o jogador. 4 – Logo após a Copa de 66 foram criados os cartões amarelo e vermelho. As federações africanas acharam um absurdo e queriam uma vaga apenas para o continente. Ao lado de Zito. O Brasil . na primeira partida da Copa. Contra a Bulgária. Bobby Charton defendeu a camisa inglesa de 1958 a 1970 e. oito haviam sido bicampeões mundiais – Gilmar. o capitão argentino pediu um intérprete mas não foi atendido. Esperto. em 1958. Melhor para a Coréia do Norte. os italianos tiveram de mudar o local da chegada de sua delegação na Itália para evitar a fúria dos torcedores. Conhecido como "Our Kid" (nosso garoto). em Munique. Rudolf Kreitlein. Com exceção do Rei. Orlando. Durante a Copa fez apenas três gols.

Eles cairam nas quartas-definal diante da Itália e adotaram o Brasil até o fim do mundial como sua seleção de coração.247 torcedores. A América do Sul teria três vagas na competição. O principal é que o presidente Emílio Garrastazu Médici teria pedido sua cabeça devido às suas convicções políticas de esquerda. foi totalmente reformado. No segundo grupo. do Atlético/MG. No primeiro grupo aconteceu a grande surpresa: a favorita Argentina. 107 mil pessoas assistiram ao empate por 0 a 0 entre México e URSS. uma vaga deveria ser disputada entre Paraguai. Tchecoslováquia e Romênia (Guadalajara) Grupo 4 – Peru. a seleção aplicaria goleadas históricas e passaria pelas eliminatórias com uma campanha arrasadora que já profetizava a campanha que viria na Copa. Alemanha Ocidental e Marrocos (León) Depois de passar quase toda a década de 60 como a maior potência do futebol após o bicampeonato nas Copas de 1958 e 1962. teve de amargar a necessidade de passar pelas Eliminatórias para chegar à Copa de 70. Brasil. Bulgária. este é o maior público do estádio.878 torcedores e palco do grande show brasileiro até as semifinais. Ele acabou perdendo o cargo para Zagallo. E se deram muito bem. Trabalhando desde a Olimpíada. que chegou a ser ameaçado de ficar de fora da Copa devido a um desvio na retina. Venezuela. na largada da grande festa. este sim. os 16 times foram distribuídos em quatro grupos. com capacidade para 70. Na primeira fase. o atacante Dario. Israel. Talvez porque naquele ano o México respirasse esporte (o país foi a sede dos Jogos Olímpicos de 68). junto com soviéticos. Itália e Suécia (Puebla e Toluca) Grupo 3 – Inglaterra. e cumpririam um belo papel como anfitriões. a Alemanha Ocidental estava preparada para conquistar mais um título e a Inglaterra. bem afinado como o regime e com a comissão técnica da Seleção. com capacidade para 107. Itália e Uruguai voltavam a figurar no cenário mundial como potências do futebol. Não se sabe ao certo o que exatamente derrubou Saldanha. em Guadalajara. aquela Copa ficou conhecida pelos seus jogos limpos e sem violência. O estádio Jalisco. toda formada por militares. Apesar da classificação. assim constituídos: Grupo 1 – México. Segundo registros oficiais. o Uruguai ficou com a vaga passando por Equador e Chile. o Brasil. Na abertura da Copa. com o fracasso de 1966. A caminhada rumo ao tri . Mas no início da fase eliminatória o Brasil já teria voltado a mostrar seu grande futebol. Nada interferia na escalação do polêmico Saldanha. entrava como favorita ao bi. Além disso. a arte do país bicampeão. Sob o comando do jornalista João Saldanha. O grande craque desta fase da seleção foi o cruzeirense Tostão. apontado por Garrastazu Medici como seu favorito. No último jogo do Brasil pelas Eliminatórias contra o Paraguai mais de 180 mil pessoas compareceram ao Maracanã. Colômbia e Brasil. ex-técnico do Botafogo. ficou fora do Mundial. Bélgica e El Salvador (Cidade do México) Grupo 2 – Uruguai. os brasileiros marcaram 23 gols e sofreram apenas seis. o técnico João Saldanha bateu de frente com as autoridades militares que controlavam o País e foi demitido pouco antes do Mundial do México. os mexicanos construíram o majestoso estádio Azteca. deixando o cargo livre para Zagallo. No terceiro grupo. O maior espetáculo da terra estava de volta nas terras mexicanas. Os mexicanos se classificariam. Forma de disputa A Copa do Mundo de 1970 foi disputada no México entre 31 de maio e 21 de junho. eliminada pelo Peru. mas houve uma série de fatores. Durante a competição.tinha renovado completamente sua equipe. Isso contribuía para aumentar a imagem do espetáculo. com seu futebol ofensivo. União Soviética. Saldanha fazia questão de mostrar sua antipatia ao regime e mantinha fora de sua lista o artilheiro da época.

mais um problema: já sem Gérson. Uruguai. Para as semifinais. Baldochi (Palmeiras). No segundo tempo. Zé Maria (Portuguesa). o Brasil mostrou que mandaria no jogo com um gol de cabeça de Pelé. Na prorrogação. Itália e Alemanha empatam no tempo normal. No segundo tempo um gol de Pelé e outros dois de Jairzinho acabariam com qualquer reação tcheca e dariam a sensação que nenhum time poderia vencer aquela seleção. com uma jogada toda trabalhada por Tostão. A virada só viria aos 31 minutos do segundo tempo com um gol de Jairzinho. Itália e Alemanha. No terceiro jogo. O grande nome do jogo tinha sido Gérson. um espetáculo e a conquista do tri: Gérson desempata com uma bomba no canto esquerdo de Albertosi. mas o Brasil contava com os reis do futebol e a taça viria para nossas mãos definitivamente. impedindo a criação de jogadas brasileiras. Deu a zebra Peru. Na grande final. Jairzinho marca o terceiro aos 25 minutos e o capitão Carlos Alberto Torres daria o tiro de misericórdia a quatro minutos do final. correndo atrás de um empate em 0 a 0. O adversário brasileiro seria o grande rival sul-americano. Fontana (Cruzeiro). Brito (Flamengo). o Brasil agora não teria Rivelino. Parece que o gol serviu para acordar os brasileiros e colocar a seleção na Copa. Goleiros: Félix (Fluminense). pela primeira vez na Copa. dois de Pelé e um de Jairzinho. Só restava esperar por Peru ou Bulgária nas quartas. Marco Antônio (Fluminense) e Everaldo (Grêmio) . dois bicampeões: Brasil e Itália podiam conquistar definitivamente a Jules Rimet. só campeões: Brasil. mas o grande nome do jogo seria o genial Tostão. Aos 37 minutos. o Brasil tomaria um gol e passaria os minutos seguintes sofrendo com os chuveirinhos em sua área. Piazza (Cruzeiro). na maioria das vezes com faltas. que marcou dois gols no primeiro tempo. que marcou dois gols na vitória brasileira por 4 a 2. No sufoco. Um osso duro de roer. Mas a defesa resistiu e o Brasil venceu por 3 a 2. Mesmo jogando fechados. que passou pela Bulgária por 3 a 2. O Brasil não só conquistou a Jules Rimet como também se tornou o primeiro campeão a vencer todos os seus jogos depois da Itália em 1938. Para piorar a situação. o jogo termina 4 x 3 para o italianos. No início da etapa complementar. os brasileiros já saíam na frente pois os italianos tinham enfrentado uma desgastante semifinal. Diante disso. A dupla Gérson e Rivelino estava mais uma vez em campo. Zagallo muda. esta seria a partida mais difícil para a seleção brasileira. O único gol da partida só sairia aos 15 minutos do segundo tempo. que saía correndo atrás da bola. Os defensores uruguaios seguem o Canhotinha. Fisicamente. O jogo foi quase tão duro quanto contra os ingleses. A situação era desesperadora e havia uma nuvem de tragédia no ar. os romenos não conseguiram segurar o ataque brasileiro. Joel (Santos). Treze minutos depois. o esquema tático da equipe: recua Gérson. e o ataque brasileiro não conseguia furar a defesa. Logo aos 18 minutos. o Brasil venceu mais uma. os italianos perseguiram o tri. após um passe perfeito de Pelé. Mas o jogador deixou o campo contundido e não participaria do jogo seguinte contra a Inglaterra. Rivelino marcaria o último gol e definiria a partida. Durante 32 anos. As duas seleções entraram cautelosas e o Uruguai fez forte marcação sobre Gérson e Rivelino. Os uruguaios enrolavam o jogo. Brasil e Peru fariam um grande duelo sul-americano. A um minuto do final. que seria completada por Jairzinho. o Canhotinha de Ouro. uma falta cobrada magistralmente pelo corintiano Rivelino deixou tudo igual no placar. enquanto ela entrava vagarosamente em seu gol. Na outra semifinal. enquanto Clodoaldo ganha mais liberdade e consegue empatar o jogo no final do primeiro tempo. Ado (Corinthians) e Leão (Palmeiras) Zagueiros: Carlos Alberto Torres (Santos). Por sinal. contra a Romênia. o Uruguai fez 1 a 0: o uruguaio Cubillas chutou torto e pegou de surpresa o goleiro Félix.O Brasil iniciou o torneio nervoso e logo aos 11 minutos do primeiro tempo a Tchecoslováquia saiu na frente com um gol de Petras. Clodoaldo e Félix falham e Bonisegna empata a partida.

Verdade restabelecida. Moore. merecidamente. Cubilla erra o chute. encerra o show com o quarto gol. adversários valentes. Rivelino (Corinthians) e Gérson (São Paulo) Atacantes: Jairzinho (Botafogo). Clodoaldo. Piazza. Tornou-se o primeiro jogador a marcar pelo menos um gol em todos os jogos da equipe campeã. o Furacão da Copa Em 1970. Diante da Romênia. Carlos Alberto. Peters. O Brasil encontra dificuldades para furar o bloqueio inglês. o Rei serve a Jair. aos 59min Brasil 3 x 2 Romênia Brasil: Félix. Alan Ball. Tostão. O gol teve o toque genial de Tostão. Clodoaldo (Edu). Pelé e Rivelino Gols: Petras. Paulo César Lima. mas ainda faltava um final feliz para a história do Furacão da Copa. Vencemos por 3 a 2 e Jairzinho deixa sua marca com o segundo gol brasileiro (Pelé fez dois). toca de canela e consegue enganar Félix: 1 a 0 Uruguai. Pelé faz. Final no estádio Azteca. Boninsegna empata ainda no primeiro tempo. Everaldo. Jairzinho. aos 61min e 81min Brasil 1 x 0 Inglaterra Brasil: Félix. Jairzinho leva para a decisão a fama de artilheiro. Tostão. Paulo César (Botafogo). Brito. bem organizados em campo. Hurst e Lee (Bell) Gols: Jairiznho. Clodoaldo. Mas isso não tinha sido suficiente para marcar seu nome no futebol mundial. Carlos Alberto. com 10 gols. O atacante superou Pelé e marcou sete gols na Copa. de cabeça. aos 24min. Labone. após levar um gol do tcheco Petras no começo do jogo. que limpou a jogada e meteu para Jairzinho.Meio-de-campo: Clodoaldo (Santos). que entra pelo meio e com um leve toque engana o goleiro Albertosi: 3 a 1. Jair agradece aos céus pelos momentos de pura magia que garantiram o tri. Jair completa a festa dois belos gols: 4 a 1. 1 a 0. Dois dos gols do Furacão saíram logo no jogo de estréia contra a Tchecoslováquia. de virada. Dario (Atlético Mineiro). Pelé. Jogo complicado. o time começa a dar show para 52 mil torcedores em Guadalajara. O Brasil já vencia por 2 a 1. Brasil 4 x 1 Tchecoslováquia Brasil: Félix. Fuzilou o goleiro Banks. com um belo gol que fecha a vitória por 4 a 2 em Guadalajara. Roberto (Botafogo) e Edu (Santos) Jairzinho. a estrela do artilheiro volta a brilhar. Everaldo. com 107 mil torcedores para ver Brasil e Itália. é a vez de Jair entrar em ação: ele recebe de Tostão e chuta cruzado. Ficou atrás apenas do alemão Gerd Müller. Tostão (Roberto). Por isso. o artilheiro do Mundial. com passe de Pelé. O capitão Carlos Alberto Torres. Tostão (Cruzeiro). Mas aos 15 minutos do segundo tempo. Desafio não menos difícil seria encarar a garra dos uruguaios na semifinal. Gérson lança Pelé pelo alto e. Jairizinho. nas quartas-definal. Bobby Charlton (Astle). ganhou um apelido que passou para a história das maiores odisséias da Seleção Brasileira: o Furacão da Copa. Na edição anterior da Copa ele havia sido o único jogador brasileiro a entrar em campo nos três jogos da seleção. Wright. Gérson desempata com um chute fulminante da meia-esquerda. Carlos Alberto. que enganou três ingleses e cruzou para Pelé. Gérson (Paulo César). ainda no estádio Jalisco. o grito de vitória surge nos pés de Jairzinho. Depois. Na partida seguinte. Mullery. logo no começo. De joelhos. de cabeça. Rivelino marca o terceiro gol brasileiro e define o Brasil como finalista da Copa: 3 a 1. aos 59min. o botafoguense Jairzinho chegava ao México disposto a esquecer a campanha de 1966. Brito. gols de Rivelino e Pelé. Pelé e Paulo César Lima . Jairizinho. o duelo com a Inglaterra. Everaldo (Marco Antonio). Piazza. Rivelino. Brito. Pelé (Santos). para virar o jogo em 2 a 1. Era preciso mais. Diante do Peru. Clodoaldo empata a partida. Jairizinho. Pelé e Rivelino Inglaterra: Banks. E o terceiro gol surge para coroar o artilheiro brasileiro no Mundial: aos 36 minutos. Piazza. Fontana. E a redenção aconteceu em Guadalajara. outro jogo muito difícil. Cooper. fazendo o sinal da cruz. aos 11min.

aos 84min Quartas-de-final Brasil 4 x 2 Peru Brasil: Félix. E não era por menos. Gérson (Paulo César). Carlos Alberto. Dumitrache. eles teriam que passar pelos brasileiros. aos 76min. Brito. onde o Brasil jogou até a semifinal. Piazza. Jairzinho. o maior artilheiro O alemão Gerd Müller não foi apenas o artilheiro da Copa de 70. aos 44min. Gérson. Entretanto. Jairzinho. Brito. Clodoaldo. O grande destaque desta seleção foi o atacante Teófilo Cubillas. rendeu a ele o título de Rei do futebol. O atacante repetiu o feito na edição seguinte do evento e se tornou o maior goleador em Copas – foram 14 gols em dois torneios. Pelé e Rivelino Gols: Cubilla. Carlos Alberto. Para provar sua importância para aquela Copa e atestar sua imortalidade. não foram suficientes para garantir uma vaga para sua seleção na final. Clodoaldo. aos 67min. uma placa em sua homenagem. os peruanos conseguiram tirar do torneio os favoritos argentinos. aos 65min. os peruanos conseguiram a classificação para as quartas-de-final passando por Marrocos e Bulgária. contra a Itália. marcou quatro gols. Boninsegna. Everaldo. Até hoje nenhum outro jogador participou das três conquistas de sua seleção. Everaldo. Piazza. aos 28min. aos 34min. aos 89min Final Brasil 4 x 1 Itália Data: 21/06/1970 Público: 107 mil Brasil: Félix. Jairizinho. aos 22min. Jair. ganhou a Bola de Ouro como o melhor jogador da Europa. Jairizinho (Roberto). Rivelino. aos 18min. chegou à Copa de 1970 como a grande zebra. Dembrowski. Nas eliminatórias sulamericanas. aliado aos seus outros títulos e números. Em 1970. Carlos Alberto. Tostão. terceiro . comandada pelo brasileiro bicampeão mundial Didi. Jairizinho. Gallardo. De Sisti. Tostão. Pelé também o conseguiu. Pelé estava na Copa de 58. aos 70min. Piazza. Tostão. 75 e 76. os mexicanos colocaram na tribuna do estádio Jalisco. A consagração do Rei Não foi só a seleção brasileira que conquistou o tri em 1970. Carlos Alberto. Boninsegna e Gigi Riva Gols: Pelé. que apresentaram um futebol limpo. Gerd Müller conquistou o título europeu em 74. Tostão. Cubillas. Domenghini. Didi comanda o Peru A seleção peruana. Jairizinho. Jogando pelo Bayern de Munique. Marco Antonio. Pelé foi fundamental na conquista brasileira apresentando um futebol empolgante. Pelé protagonizou no México alguns dos lances mais bonitos e reprisados do futebol mundial. Rosato. Pelé e Rivelino Gols: Rivelino. Clodoaldo. No ano de 1970. Apesar de não ter sido o artilheiro. aos 52min. Bertini (Juliano). A seleção canarinho passaria fácil pelos peruanos. Fachetti. Tostão. aos 19min. Pelé e Rivelino Itália: Albertosi. Já no México. em 1970 seus dois gols na semifinal. Brito. Mazzolla (Rivera). aos 75min Semifinais Brasil 3 x 1 Uruguai Brasil: Félix.Gols: Pelé. aos 70min. aos 11min. Gérson. 62 e 70 e pode realmente dizer que é tricampeão mundial. Pelé. aos 19min. O feito. aos 86min DESTAQUES Gerd Müller. Burgnich. Cera. aos 37min. Mas para chegar à semifinal. Gérson. aos 15min. Clodoaldo.

El Salvador venceu e conquistou o passaporte para a Copa.artilheiro do torneio com cinco gols. Na seleção mexicana. passa rente à trave. O goleiro Viktor.1974 . a Alemanha se vinga da final da Copa anterior e desclassifica os ingleses. pelas semifinais. * O Mundial de 70 provocou uma guerra de verdade. Potencias em equilíbrio A Copa do México não apresentou nenhuma surpresa. mas a rivalidade provocada pelo futebol foi o estopim. Para comprovar isso. * Na seleção brasileira. a Copa de 70 é considerada uma das melhores edições do torneio.Gerd Müller (Alemanha) 7 gols . Os hondurenhos não ficaram muito felizes e se iniciou a guerra. No tempo normal a partida terminou em 1 a 1. O jogo só foi decidido na prorrogação. * Os brasileiros puderam vibrar mais intensamente com a conquista do tricampeonato: foi a primeira Copa em que as imagens chegavam ao vivo nos aparelhos de televisão dos torcedores do Brasil. Tostão (Cruzeiro). Nos dois primeiros jogos. Seeler (Alemanha) e Riva (Itália) Pos 1º 2º País Brasil Itália Pontos 12 8 J 6 6 V 6 3 D 0 1 E 0 2 GP 19 10 GC 7 8 Alemanha . Beckenbauer. Curiosidades * A Copa de 70 apresentou o mais belo futebol de todos os tempos. mas na reserva de Calderón. Pelo alto nível técnico de todos os selecionados que chegaram à fase final. El Salvador e Honduras disputavam uma vaga.Teofilo Cubillas (Peru) 4 gols . Novamente a bola passa raspando a trave. A bola. No primeiro jogo. o "jogo do século".Rivelino (Brasil). ele chuta cruzado. Logo na estréia. Rivelino (Corinthians) e Gérson (São Paulo). tenta voltar. deveria ter ficado com uma das vagas para as semifinais por ter conquistado a Copa anterior. Bichevetz (URSS) 3 gols . cinco jogadores eram camisa 10 em seus clubes: Pelé (Santos). Os três últimos tinham a chance de conquistar o tricampeonato. o Rei protagonizaria um dos lances mais geniais e reprisados do futebol: após dar um drible de corpo no uruguaio Mazurkiewicz. No terceiro e decisivo. Itália. A Inglaterra. Na disputa das semifinais todas as seleções já tinham conquistado títulos mundiais: Alemanha Ocidental. evitando a chegada do zagueiro Ancheta. dois de seus jogos são lembrados como os mais empolgantes: Alemanha Ocidental x Inglaterra (quartas-de-final) e Itália x Alemanha. em uma pesquisa realizada pelo jornal francês "L’Équipe" entre 50 jogadores. ele percebe o goleiro adiantado e chuta a bola do meio-de-campo. sua eliminação pela também forte e favorita Alemanha não chegou a ser uma surpresa. desesperado. Uruguai e Brasil. É claro que existiam outros motivos. em tese. as imagens chegavam em cores. um jogador completaria 20 anos de Copa: o goleiro Carbajal disputava seu quinto Mundial. mas em Itaboraí. 10 gols . na sede da Embratel.Pelé (Brasil). quando o artilheiro Gerd Müller marca um gol e desempata a partida que terminou em 3 a 2. Na partida contra o Uruguai. A transmissão era em preto e branco. E não é para menos. Mas eles tinham também o fraco goleiro Rubiños e uma defesa que não conseguiu parar o ataque brasileiro. de braço imobilizado junto ao corpo. Entretanto. uma vitória para cada lado.Jairzinho (Brasil) 5 gols . * Outra prova do bom futebol são os lances de Pelé. Jairzinho (Botafogo). caprichosa. comandou o time alemão em uma verdadeira batalha. mas não consegue. mas na prorrogação os italianos conseguiram definir o jogo por 4 a 3. * A partida entre Itália e Alemanha foi eleita.

A Fifa instituiu uma nova copa para substituir a Jules Rimet, ganha em definitivo pelo Brasil. Foram analisados 53 projetos, em Zurique, até que se decidisse pelo trabalho do escultor italiano Silvio Gazzaniga, a 5 de abril de 1971. A nova Copa do Mundo Fifa tem 37 centímetros de altura e foi feita de ouro maciço na cidade de Milão, para ficar em poder transitório do campeão. Não haverá mais ganhador definitivo do troféu, que representa dois atletas exultantes com o mundo nos braços. Pelé ainda podia jogar, mas renunciou a esse direito e brilhou apenas na cerimônia de abertura, levando a Jules Rimet, ao lado do alemão Uwe Seller, que carregava a Copa do Mundo Fifa. A Alemanha Ocidental ganha do Chile na estréia por 1 a 0, gol de Paul Breitner, numa partida complicada em que o chileno Caszely é expulso no segundo tempo. Os alemães acabam se classificando ao bater a ustrália por 3 a 0, gols de Overath, Cullmann e Müller. Depois, um encontro histórico entre as duas Alemanhas divididas ainda pelo Muro de Berlim, entre capitalismo e socialismo, a Ocidental e a Oriental. E os donos da casa caem por 1 a 0, gol de Sparwasser no final do jogo. Enquanto isso, a Holanda vai superando seus adversários com a mágica do seu carrossel: 2 a 0 no Uruguai, 0 a 0 com a Suécia e 4 a 1 na Bulgária. Nas segunda fase, a "Laranja Mecânica" esmaga um a um seus concorrentes: 4 a 0 na Argentina, 2 a 0 na Alemanha Oriental e 2 a 0 no Brasil. Assim, passa a ser a maior favorito à conquista do título. No grupo B, a Alemanha Ocidental passa pela Iugoslávia por 2 a 0, faz 4 a 2 na Suécia e 1 a 0 na Polônia, ficando com o primeiro lugar e o direito e disputar a final com a Holanda. Na grande final, o juiz inglês John Taylor marca um pênalti contra os donos da casa aos 56 segundos de jogo. Neeskens cobra e coloca a Holanda na frente. O gol de empate vem também com um gol de pênalti, aos 26, cobrado por Paul Breitner. O artilheiro alemão Müller vira o jogo ainda no primeiro tempo, com um gol aos 44. Alemanha 2, Holanda 1, resultado final. E a taça erguida por Franz Beckenbauer. Forma de disputa A Copa do Mundo de 1974 foi disputada na Alemanha entre 13 de junho e 7 de julho. Na primeira fase, os 16 times foram distribuídos em quatro grupos, assim constituídos: Grupo 1 – Alemanha Ocidental, Alemanha Oriental, Chile e Austrália. Grupo 2 – Brasil, Iugoslávia, Escócia e Zaire. Grupo 3 – Holanda, Suécia, Uruguai e Bulgária. Grupo 4 – Itália, Polônia, Argentina e Haiti. As seleções jogaram entre si dentro de cada grupo, classificando-se as duas melhores de cada chave para as quartas-de-final. Nesta etapa, os selecionados ficaram divididos da seguinte forma: Grupo A - Argentina, Alemanha Oriental, Brasil e Holanda. Grupo B - Alemanha Ocidental, Iugoslávia, Polônia e Suécia BRASIL A Copa de 74 pode ser resumida dessa forma: A Alemanha tinha Beckenbauer, a Holanda tinha Cruyff e o Brasil não tinha mais Pelé... Havia uma grande expectativa quanto à participação da seleção canarinho na Copa da Alemanha. A equipe vinha de uma conquista gloriosa no México e, mesmo sem Pelé, tinha um elenco de respeito com Leão, Paulo César Carpegiani, Ademir da Guia, Rivelino e Jairzinho. Era o incrível esquadrão verde-amarelo que chegava, mais uma vez, como favorito ao título. Porém, quando o torneio começou, a máscara caiu. Ainda sob o comando de Zagallo, o Brasil continuava uma equipe de grandes talentos, mas já não tinha mais nada do espírito ofensivo que a consagrou. Em outras palavras, a seleção brasileira era um time retranqueiro. E olhem que tínhamos um timaço: Leão;

Nelinho, Luís Pereira, Marinho Perez e Marinho Chagas; Piazza, Rivelino e Paulo César Caju; Valdomiro, Jairzinho e Leivinha. A estréia foi um alerta do que viria pela frente: o Brasil só empata por 0 a 0 com a Iugoslávia.Uma partida ruim, sem brilho, indigna da festa de abertura da Copa. No segundo jogo, outro empate sem gols, no mesmo estádio de Frankfurt, com a Escócia. Na terceira partida o time entra em campo com a obrigação de vencer o Zaire por pelo menos três gols de diferença para chegar à segunda fase. O Zaire havia perdido da Iugoslávia por 9 a 0, mas diante do Brasil os africanos se desdobraram, apelaram para o jogo viril e ainda contaram com a ajuda do árbitro no anti-jogo. Jairzinho e Rivelino fizeram 2 a 0 e o terceiro gol acabou surgindo só a 11 minutos do final, com o ponta Valdomiro. Um sufoco! Na segunda fase, a seleção vence a Alemanha Oriental com um gol de cobrança de falta, de Rivelino. Depois, passa pela Argentina por 2 a 1, gols de Rivelino e Jairzinho, dando a impressão que o futebol de campeão havia ressurgido na Copa. Diante da Holanda, porém, o Brasil cai de novo na real e perde por 2 a 0, gols de Neeskens e Cruyff no segundo tempo. Resta ainda a disputa pelo terceiro lugar diante da Polônia. Zagalo escala este time: Leão; Zé Maria, Alfredo, Marinho Perez e Marinho Chagas; Paulo César Carpegiani, Ademir da Guia e Rivelino; Valdomiro, Jairzinho e Dirceu. Foi o único jogo de Ademir da Guia, que estava no auge da forma e fazia uma notável partida quando foi substituído por Mirandinha. Outra derrota: 1 a 0, gol de Lato, o artilheiro da Copa, a 15 minutos do final. E o Brasil volta com o quarto lugar e a missão de refazer todo seu planejamento para 1978. Brasil 0 x 0 Iugoslávia Brasil – Leão, Nelinho, Luís Pereira, Marinho Perez, Marinho, Piazza, Rivelino, Paulo César Lima, Valdomiro, Jairzinho e Leivinha. Brasil 0 x 0 Escócia Brasil – Leão, Nelinho, Luís Pereira, Marinho Perez, Marinho, Piazza, Rivelino, Paulo César Lima, Mirandinha, Jairzinho e Leivinha (Paulo César Carpegiani). Brasil 3 x 0 Zaire Brasil – Leão, Nelinho, Luís Pereira, Marinho Perez, Marinho, Piazza, Rivelino, Paulo César Lima, Jairzinho, Leivinha (Valdomiro) e Edu. Gols: Jairzinho, Rivelino e Valdomiro, aos 13, 67 e 79 • Quartas de Final - Grupo A Brasil 1 x 0 Alemanha Oriental Brasil – Leão, Zé Maria, Luís Pereira, Marinho Perez, Marinho, Paulo César Carpegiani, Rivelino, Paulo César Lima, Jairzinho, Valdomiro e Dirceu. Gol: Rivelino, aos 61 Brasil 2 x 1 Argentina Brasil – Leão, Zé Maria, Luís Pereira, Marinho Perez, Marinho, Paulo César Carpegiani, Rivelino, Paulo César Lima, Jairzinho, Valdomiro e Dirceu. Argentina – Carnevalli, Glaria, Heredia, Bargas, Sá (Carrascosa), Brindisi, Squeo, Babington, Balbuena, Ayala e Kempes (Houserman) Gols - Brasil: Rivelino e Jairzinho, aos 32 e 48 - Brindisi, aos 34 Holanda 2 X 0 Brasil Brasil – Leão, Zé Maria, Luís Pereira, Marinho Perez, Marinho, Paulo César Carpegiani, Rivelino, Paulo César Lima(Mirandinha), Valdomiro, Jairzinho e Dirceu. Holanda – Jongbloed, Suurbier, Krol, Haan, Rijsbergen, Neeskens (Israel), Van Hanegem, Jansen, Rep, Cruyff e Rensenbrink (De Jong). Gols: Neeskens e Cruyff, aos 50 e 65 minutos

• Decisão de Terceiro Lugar Polônia 1 X 0 Brasil Público: 74.100 Brasil – Leão, Zé Maria, Alfredo, Marinho Perez, Marinho, Paulo César Carpegiani, Ademir da Guia, (Mirandinha), Rivelino, Valdomiro, Jairzinho e Dirceu. Polônia – Tomaszewski, Szymanowski, Zmuda, Gorgon, Musial, Kasperczak (Cmikiewicz), Deyna, Maszczyk, Lato, Szarmach (Kapka) e Godocha. Gol: Lato, aos 75 minutos Goleiros: Emerson Leão - Palmeiras, Renato - Flamengo e Valdir Perez - São Paulo Zagueiros: Nelinho - Cruzeiro, Luis Pereira - Palmeiras, Marinho Peres - Santos, Marinho Chagas - Botafogo, Piazza - Cruzeiro, Zé Maria - Corinthians, Alfredo Mostarda - Palmeiras e Marco Antonio - Fluminense Meio-campo: Ademir da Guia - Palmeiras, Rivelino - Corinthians e Paulo Cesar Carpegiani – Internacional Atacantes: Jairzinho - Botafogo, Dirceu – Botafogo, Paulo Cesar - Flamengo, Valdomiro – Internacional, Leivinha - Palmeiras, Mirandinha – São Paulo, Edú – Santos e César Maluco – Palmeiras Técnico: Mário Jorge Lobo Zagallo Kaiser comanda Alemanha O nome de Franz Beckenbauer, ficou imortalizado no futebol como o de um dos jogadores de maior visão tática da história. Sua atuação, tanto na seleção alemã como nos clubes onde jogou, revolucionou a posição de líbero, transformando-o em um jogador útil em todos os lugares do campo. Por isso, recebeu o apelido de Kaiser (Imperador, em alemão). Em 1966 foi eleito pela primeira vez "Melhor Jogador Europeu". Além de 74, jogou também nas Copas de 1966 e 1970, retirando-se da seleção em 1977 depois de disputar 103 partidas internacionais. Jogou junto com Pelé no Cosmos de New York, vencendo dois campeonatos da NASL, antes de voltar para o futebol alemão onde encerrou a carreira jogando pelo Hamburgo. Como treinador da seleção da Alemanha, Beckenbauer mostrou-se tão competente quanto como jogador. Nas duas Copas em que treinou o selecionado conseguiu o vice-campeonato em 1986 e o título em 1990, na Itália. • Primeira Fase Alemanha Ocidental 1 x 0 Chile Alemanha Ocidental: Maier, Vogts, Beckenbauer, Schwarzenbeck, Hoeness, Paul Breitner, Cullmann, Overath (Holzenbein), Grabowski, Muller e Heynckes. Gol: Paul Breitner, aos 16 minutos Alemanha Ocidental 3 x 0 Austrália Alemanha Ocidental: Maier, Vogts, Schwarzenbeck, Paul Breitner, Cullmann (Wimmer), Beckenbauer, Hoeness, Overath, Grabowski, Muller e Heynckes (Holzenbein). Gols: Overath, Cullmann e Muller, aos 12, 34 e 58 minutos Alemanha Ocidental 0 x 1 Alemanha Oriental Alemanha Ocidental: Maier, Vogts, Schwarzenbeck (Hoettges), Paul Breitner, Cullmann, Beckenbauer, Hoeness, Overath (Netzer), Grabowski, Muller e Flohe. Gol: Sparwasser, aos 77 minutos • Quartas de Final Alemanha Ocidental 2 x 0 Iugoslávia Alemanha Ocidental: Maier, Vogts, Schwarzenbeck, Bonhof, Breitner, Beckenbauer, Holzenbein (Flohe), Overath, Wimmer (Hoeness), Muller e Herzog. Gol: Breitner e Muller, aos 38 e 77 minutos

Overath.Alemanha Ocidental 4 x 2 Suécia Alemanha Ocidental: Maier. Gol: Muller. Jürgen Grabowski. Rep. Hoeness.Breitner e Muller. Josef Heynckes. Uli Hoeness. por outro lado. Beckenbauer. Schwarzenbeck. Andrzej Szarmach (Polônia) Pos 1° 2° 3° 4° País Alemanha Ocidental Holanda Polônia Brasil Pontos 12 11 12 8 J 7 7 7 7 V 6 5 6 3 E 1 1 1 2 D 0 1 0 2 GP 13 15 16 6 GC 4 3 5 4 Argentina . Holanda: Jongbloed. O país se via sob controle da ditadura do general Jorge Videla. Breitner. Heinz Flohe e Gerhard Muller Técnico: Helmut Schon Artilheiros 7 gols: Grzegorz Lato (Polônia) 5 gols: Johannes Neeskens (Holanda) 4 gols: Gerd Muller (Alemanha Oriental). Overath. Horst-Dieter Hottges. aos 26 e 44 minutos. A seleção argentina precisava vencer aquele mundial a qualquer custo. Herbert Winner. Bonhof. disputado na Itália de Mussolini. Holzenbein. Gols: Alemanha Ocidental .Edstrom e Sandberg. Krol. Muller e Grabowski. Vogts. Wolfgang Overath. Beckenbauer.1978 O Mundial da ditadura argentina A Argentina foi escolhida como sede da Copa de 1978 em uma conferência realizada pela Fifa em julho de 66. Wolfgang Kleff e Josef Maier Zagueiros: Hans-Hubert Vogts. entretanto. aos 26 e 53 Alemanha Ocidental 1 x 0 Polônia Alemanha Ocidental: Maier. Beckenbauer. Vogts. Grabowski e Hoeness. O governo. Holanda – Neeskens a 1 minuto Alemanha Ocidental Goleiros: Jupp Kapellmann. Hoeness. Bonhof. Os dirigentes. Rijsbergen (De Jong). Raines Bonhof. aos 75 minutos • Final . Vogts. Muller e Grabowski. Gols: Alemanha Ocidental . Schwarzenbeck. 89 e 90. Dieter Herzog. Haan. em um pano de fundo que lembrava o Mundial de 34.Alemanha Ocidental 2 x 1 Holanda Alemanha Ocidental: Maier. Breitner. Georg Schwarzenbeck e Franz Beckenbauer Meio-Campo: Bernhard Culimann. Hoeness. não poderiam imaginar o clima tenso em que o país estaria envolvido 12 anos mais tarde. marcado pela tortura e assassinatos de muitos cidadãos argentinos. Breitner. aos 50. Bonhof. Paul Breitner. . Overath. para provar aos opositores a eficiência do regime militar. Cruyff e Rensenbrink. Suécia . Helmut Kremers e Norbert Nigbur Atacantes: Bernd Holzenbein. 51. Schwarzenbeck. Neeskens. via na Copa do Mundo uma ótima oportunidade para fazer propaganda política. Günter Netzer. Holzenbein. Bonhof. Overath. Johannes Rep (Holanda). Holzenbein (Flohe). Ralf Edstrom (Suécia). Suurbier. Muller e Herzog (Grabowski).

Em seguida. A vitória argentina também levantou desconfiança. Coutinho às vezes exagerava em suas experiências. no lugar. A fórmula foi idêntica à de 74. Mais de 37 mil argentinos se espremeram no acanhado estádio de Rosário para apoiar sua seleção. a Copa chegou a lembrar a de 66. Em seguida. com uma atuação suspeita do goleiro peruano Quiroga. em seu lugar. Mostrando um futebol pobre. o placar terminou em branco. Já na segunda partida. Peru e Polônia Os campeões. . Peru. O Brasil terminou a competição em terceiro lugar. respectivamente. entraram Roberto Dinamite. classificando-se as duas melhores de cada chave para as quartas-de-final. o último da primeira fase. o terceiro lugar ficou de bom tamanho para a equipe brasileira. Nesta etapa. um homem fascinado por teorias e inovações no futebol. contra a Suécia. Escócia e Irã As seleções jogaram entre si dentro de cada grupo. Holanda e Áustria. sob suspeita de favorecimento da arbitragem. que levou o time comandado por Luis Cesar Menotti à final. O mau desempenho da seleção brasileira obrigou o presidente da CBF. Jorge Mendonça e Rodrigues Neto. tanto pela arbitragem quanto pela estranha goleada por 6 a 0 sobre o Peru. quando a Inglaterra levou o título sem convencer. que dava ao time de Coutinho uma vantagem considerável de quatro gols de saldo sobre os argentinos. Estas atitudes geraram inúmeras críticas da torcida e da imprensa. os selecionados ficaram divididos da seguinte forma: Grupo A: Itália. caindo no mesmo grupo de Peru. enquanto os segundos classificados disputaram o terceiro lugar. As duras críticas que Coutinho recebera antes da Copa só aumentaram nos dois primeiros jogos. Heleno Nunes.Dentro de campo. com primeira fase composta por quatro grupos. Polônia. uma equipe irregular comandada pelo técnico Cláudio Coutinho. O jogo aconteceu no dia 18 de junho. O Brasil passou assim à fase final. Contra a Polônia. A Argentina venceu por 6 a 0. o Brasil obteve uma boa vitória por 3 a 1. naquela que ficou conhecida como a "batalha de Rosário". Zico e Edinho. e tirou o Brasil da Copa. assim definidos: Grupo 1: Argentina. Suécia. levando a decisão para a última rodada. em cada grupo. classificaram-se para a final. O time melhorou e garantiu a primeira posição do grupo ao bater os austríacos por 1 a 0. a exigir alterações na equipe. ainda pior. Mas o Brasil resistiu bravamente à pressão imposta pelo adversário e conseguiu um empate de 0 a 0. o Brasil não saiu do empate nos dois primeiros jogos. dado pelo próprio Coutinho. Na verdade. Argentina e Polônia. mas de forma invicta. Itália. coisa que valeu o título de "campeão moral". os donos da casa entravam em campo com a obrigação de golear o Peru (estranhamente os dois jogos não foram disputados no mesmo horário). chegando a escalar o quartozagueiro Nelinho na lateral direita ou. A derrota peruana acabou por prejudicar a seleção brasileira. de Reinaldo. era a vez dos arqui-rivais argentinos. Grupo B: Brasil. Alemanha Ocidental. o jogo terminou 1 a 1. BRASIL A delegação brasileira voltou da Argentina declarando-se a "campeã moral" da Copa. O título foi dado pelo técnico Cláudio Coutinho. Forma de disputa A Copa de 1978 foi a última a ser disputada com 16 participantes. França e Hungria Grupo 2: Alemanha Ocidental. Tunísia e México Grupo 3: Brasil. o volante Chicão. que exigia Oswaldo Brandão em seu lugar. deixando Falcão no Brasil para levar. que ele mostrava criando termos como "overlaping" e "ponto futuro". Argentina. Áustria e Espanha Grupo 4: Holanda. contra a Espanha. O time deslanchou e conseguiu uma convincente vitória sobre o Peru por 3 a 0. Na estréia. Para o jogo contra a Áustria.

Patrizio Sala e Bettega. Zico (Jorge Mendonça). • Oitavas-de-final Brasil 1 x 1 Suécia Brasil: Leão. Toninho.Restou assim ao Brasil disputar o terceiro lugar contra a Itália. Gols: Brasil . Oscar. Dirceu (Vasco). Galván. Brasil: Leão. Dirceu. Brasil . Maldera. melhoramos em uma posição a classificação da Copa anterior. aos 14'. Ardiles (Villa). Itália: Causio. • Decisão do 3º lugar Brasil 2 x 1 Itália Brasil: Leão. Deyna.Dirceu (2) e Zico (pênalti). Maculewicz. aos 46' e 70'. Amaral. Passarella. Toninho Cerezo (Rivelino). Oscar. Rivelino (Fluminense). Oscar. Brasil 1 x 0 Áustria Brasil: Leão. Oscar. Gorgon. Gol: Brasil . Lato. Zico. Causio. Toninho. Toninho. Amaral. Argentina 0 x 0 Brasil Argentina: Fillol. Gol: Brasil . Olguin. Gallego. Toninho. aos 44'. além do título de "campeão moral". Dirceu. é claro. Amaral. Edinho (Fluminense). Itália: Dino Zolf. Gil (Nelinho) Reinaldo e Rivelino. aos 13'. Zico (Flamengo). Dirceu. Brasil: Leão. Szarmach e Boniek.Reinaldo. • Quartas-de-final Peru 0 x 3 Brasil Brasil: Leão. Jorge Mendonça (Palmeiras). Gil e Roberto Dinamite. Rodrigues Neto (Edinho). aos 37'. Tarantini. Zé Sérgio (São Paulo) Técnico: Cláudio Coutinho . Antognoni (Cláudio Sala). Zico. Roberto Dinamite. Scirea. Batista. Nelinho. Oscar. Batista. Chicão. Jorge Mendonça e Roberto Dinamite. e obteve a honrosa medalha de bronze. Nelinho. Gil (Reinaldo) e Roberto Dinamite. Rodrigues Neto. Polônia 1 x 3 Brasil Polônia: Kukla. Oscar. Isto. Chicão (São Paulo). Zmuda. Nelinho (Gil). Gentile. Toninho Cerezo. Nelsinho (Cruzeiro). Cabrini. Edinho. Jorge Mendonça (Zico). Gil e Roberto Dinamite. Batista. Amaral. Abel (Vasco).Nelinho e Roberto Dinamite (2). Jorge Mendonça. quando ficamos em quarto. Rodrigues Neto. Torinho Cerezo (Rivelino). aos 40'. Szymanowski. Amaral (Corinthians). O time verde-amarelo venceu por 2 a 1. aos 45'. Nawalka. 57' e 62'. Reinaldo Lima (Atlético Mineiro). Suécia: Sjoberg. Batista.Roberto Dinamite.Nelinho e Dirceu. Edinho. Gil (Zico). Kasperczak (Lubanski). Luque. Jorge Mendonça (Zico). Roberto Dinamite (Vasco). Toninho Cerezo. aos 38'. Gil. de virada. Gols: Polônia . Goleiros: Emerson Leão (Palmeiras). Toninho Cerezo (Chicão). Paolo Rossi. (Dirceu). Dirceu. (Jorge Mendonça) Reinaldo e Toninho. Batista (Internacional) Atacantes: Gil (Botafogo). Dirceu. Batista. Polozi (Ponte Preta). Carlos (Ponte Preta) e Waldir Peres (São Paulo) Zagueiros: Toninho (Flamengo). Oscar. Amaral. 27' e 70'. Toninho Cerezo (Chicão). Como consolo. Cuccureddu. Rodrigues Neto. Dirceu. Batista. Rodrigues Neto (Botafoto) Meio-de-campo: Toninho Cerezo (Atlético Mineiro). Daniel Bertoni e Kempes.Lato. Toninho. Ortiz (Beto Alonso). Oscar (Ponte Preta). Batista. Amaral. Gols: Brasil . Brasil 0 x 0 Espanha Data: 07/06/78 Brasil: Leão. Amaral.

Argentina 0 x 1 Itália Argentina: Fillol. aos 15' e 83'. Olguin. aos 10'.Luque e Bertoni. Muito se comenta sobre as pressões que os árbitros recebiam nos vestiários para favorecer os donos da casa. Na prorrogação. mas já craque. No segundo tempo. os donos da casa mostraram mais vigor físico e passaram a dominar a partida. com um gol de Kempes aos 38 minutos da primeira etapa. Ardiles. As suspeitas começaram logo na primeira fase. Galván. mas era uma equipe competitiva o bastante para complicar a vida dos argentinos. no último minuto. Com a vitória da seleção brasileira sobre a Polônia. No último. Resenbrink chuta para a bola caprichosamente acertar a trave de Fillol. Galván. obtida através de uma estranhíssima goleada de 6 a 0 imposta diante do Peru. o que seria suficiente para eliminá-la do Mundial. Gols: Argentina: Passarela (pênalti) e Luque. mas os peruanos não entraram em campo dispostos a dificultar muito a vida dos donos da casa. Luque e Kempes. foi a que mais causou controvérsia na história das Copas. havia a pressão do governo argentino. . Isto sem falar da classificação para a final. empatando com Portviliet. por 3 a 1. aos 45' e 72'. aos 67'. Valencia. Entretanto. Daniel Bertoni e Kempes. em Buenos Aires. • Oitavas-de-final Argentina 2 x 1 Hungria Argentina: Fillol. Passarella. Na primeira partida. Galván. Houseman.A conquista da Argentina em 78. que viu a bola entrar nada menos que seis vezes. que queria o título mundial a qualquer custo para provar ao mundo a eficiência do regime autoritário de Videla. apesar de não contar com o garoto. naquela que ficou conhecida como "a batalha de Rosário". inédita até então. Peru e Polônia. a Argentina foi ao grupo B das semifinais. Gol: Itália . a Argentina precisava bater o Peru por quatro gols de diferença. com dois gols de Kempes. A tarefa parecia difícil. o árbitro Dibacha deixou de marcar um pênalti claro contra a Argentina. Passarella. Luque e Kempes. Ardiles. Olguin. Passarella. vitória por 2 a 0. Principalmente o goleiro Quiroga. junto com Brasil. Ortiz (Houseman). Apesar do apoio dos quase 40 mil torcedores.Bettega. contra os poloneses. Diego Maradona. o time já não era mais a "Laranja Mecânica" de quatro anos atrás. a Argentina não conseguiu sair do 0 a 0. Aos 11 minutos da segunda etapa. Hungria . França: Platini. entretanto. nascido na Argentina.Csapo. Bertoni fez o gol que selou a vitória de 3 a 1 e o título argentino. Valencia (Beto Alonso). Gallego. era a vez do Brasil. Tarantini. Com craques como Passarella e Kempes. Gols: Argentina . obrigando o goleiro Fillol a fazer grandes defesas. com a Argentina sendo favorecida pela arbitragem nas vitórias de 2 a 1 sobre Hungria e França. A Argentina abriu o placar do Monumental de Nuñez. artilheiro daquele Mundial. sob os auspícios da ditadura militar. Houseman (Daniel Bertoni). Valencia (Beto Alonso e depois Ortiz). Olguin. A Argentina estava classificada para a final. Em seguida. A decisão foi no dia 25 de junho. aos 61'. a Holanda voltou melhor. Sem Cruyff. Tarantini. já que a equipe encerrou a etapa de classificação com uma derrota de 1 a 0 frente a Itália. que havia batido o Peru por 3 a 0 na estréia. Tarantini. Gallego. A decisão só não acabou ainda no tempo normal porque. Argentina 2 x 1 França Argentina: Fillol. entretanto. Ardiles. o time comandado por Luis Cesar Menotti não era ruim. O resultado obrigava o time de Menotti a obter um resultado melhor do que o dos brasileiros na última rodada. O desempate sai aos 15 minutos do primeiro tempo. Gallego. contra a Holanda. com um gol de Kempes. Os gritos contra a ditadura foram silenciados pela comemoração da torcida portenha. Classificada em segundo lugar de sua chave.

Gols: Argentina: Kempes (2) e Bertoni.Kempes (2). 43'. Daniel Bertoni (Houseman) e Kempes. Haan. Amaral. Osvaldo Ardiles.Kempes (2). No auge. Galván. Tarantini. Oscar Ortíz. Gallego (Oviedo). Gols: Argentina . Luís Galván. Miguel Oviedo. Ardiles (Larrosa). Mário Alberto Kempes. Gols: Argentina . Passarella. o jogador sagrou-se artilheiro da competição com seis gols. 49' e 72'. Neeskens e Rensenbrink. Houseman (Ortiz). aos 20'. Larrosa. Houseman e Luque (2). Gallego. Oscar. Daniel Valencia. Olguin. contra a Holanda. Tarantini. Daniel Killer. Olguin. O jogador voltou em 81 para o River Plate. Ele voltou para a Europa. Galván. Ortiz. Leopoldo Luque. Daniel Bertoni e Kempes. Alberto Tarantini. Acabou se aposentando no anonimato. foi vendido ao Valencia. René Houseman Treinador: César Luís Menotti DESTAQUES Mario Kempes. 104' e 114'. Entretanto. A partir daí sua carreira entrou em declínio. Galván. Olguin. Kempes iniciou sua carreira no Rosario e passou a ser apontado como a grande promessa no futebol argentino. Brasil: Leão. Omar Larrosa. Argentina 0 x 0 Brasil Argentina: Fillol. Ortiz (Houseman). Galván. Gallego. Holanda: Jongbloed. ele foi a grande esperança da Argentina da Copa da Espanha junto com Maradona. na derrota de sua seleção para a Escócia por 3 a 2. aos Os campeões Goleiros: Ubaldo Matildo Fillol. Ricardo Villa. Em 76. na primeira fase. 48'. Chicão. não marcando um gol sequer. Héctor Baley e Ricardo Lavolpe Zagueiros: Mario Jorge Olguin. Holanda: Poortvliet. quando defendia o Krems. Passarella. Daniel Bertoni. Jorge Mendonça (Zico). Peru 0 x 6 Argentina Argentina: Fillol. Além do título mundial. Toninho. Dirceu.• Quartas-de-final Argentina 2 x 0 Polônia Argentina: Fillol. Curiosidades 1 – O milésimo gol da história das Copas foi marcado na Argentina. Tarantini. Jansen (Suurbier). Poortvlier. onde marcou época ao ser artilheiro do Campeonato Espanhol (77 e 78). O autor foi o holandês Resembrink. ao marcar dois gols na decisão da Copa. de pênalti. em 92. Willy van der Kerkhof. Valencia (Villa). Ortiz (Beto Alonso). Passarella. • Final Argentina 3 x 1 Holanda Argentina: Fillol. Ardiles. Passarella. Luque. da Áustria. Rep (Nanninga). Rodrigues Neto (Edinho). conquistando no mesmo ano o título argentino. Norberto Alonso e Rúben Galván Atacantes: Daniel Bertoni. Brandts. aos 38'. Olguin. Tarantini. . Renne van der Kerkhof. da Copa do Rei (79 e 80) e da Recopa (80). Luque. Gil e Roberto Dinamite. Tarantini. aos 15' e 70'. Daniel Bertoni e Kempes. Daniel A. Ardiles (Villa). Gallego. Krol. Rúben Pagnanini Meio-de-campo: Américo Gallego. gols que valeram o título Mario Kempes colocou seu nome na história do futebol argentino com apenas 23 anos. mas sempre em clubes obscuros. Luque e Kempes. sua participação foi um fiasco. Passarella. Batista.

5 gols: Teofilo Cubillas (Peru) Rob Rensenbrink (Holanda). Já a Ásia e a Oceania .1982 Com 18 anos de antecipação. que começou capengante e terminou com a taça. asiáticos e oceânicos.. Artilheiros 6 gols: Mario Kempes (Argentina). Escolhida em Tóquio. enquanto África e a América Central e do Norte garantiam dois times cada. na primeira fase. Forma de disputa Pela primeira vez. Classificação final Pos País 1° Argentina 2° Holanda 3° Brasil 4° Itália Pontos 11 8 11 9 J 7 7 7 7 V 5 3 4 4 D 1 2 0 2 E 1 2 3 1 GP 15 15 10 9 GC 4 10 3 6 Espanha . pois nove dias depois o time seria eliminado já na primeira fase da competição. a América do Sul com 3. Foram exatamente 107 países que tentaram uma vaga entre os 24 que foram para a Espanha.. O seu terceiro título mundial e que rompeu um jejum de 54 anos sem ganhar a Copa do Mundo.. os torcedores puderam mostrar sua paixão e foram coroados com uma das copas de melhor nível técnico. a França de Platini e a Alemanha de Rummenigge estiveram presentes e encantaram os olhos de todo o mundo. a Espanha já sabia que seria a sede da Copa do Mundo de 1982. sendo que quatro vagas ficaram garantidas para africanos. Foi nela que aconteceu a maior goleada da história dos mundiais. Como o regulamento classificava 24. apesar dos desempenhos memoráveis de Dino Zoff. 3 – "Caímos de pé". que caiu diante dos pés de Paolo Rossi? Uma copa também recheada de gols. 4 – O Brasil estreou na Copa com um empate por 1 a 1 com a Suécia. O resultado poderia ter sido melhor se o árbitro galês Clive de Thomas não encerrasse o jogo durante a cobrança de escanteio que terminaria com um gol de Zico. foi a frase do goleiro Quiroga. Detalhe: Quiroga nasceu na Argentina e é naturalizado peruano. equipes como Nova Zelândia e Kuwait puderam se dar ao luxo de disputar a maior competição do futebol. Só ameaçando. Com isso. A Europa ficou com 13.. a Hungria enfiou 10 a 1 sobre o El Salvador. Com os estádios praticamente lotados em todos os jogos. ameaçando repetir o sucesso de 54. O grande comandante foi o matador Paolo Rossi. Qual brasileiro não esquece aquela máquina armada por Telê Santana. Coutinho colocou Jorge Mendonça no aquecimento logo no início do segundo tempo. Como não esquecer o ano de 1982. no lugar de Zico. Muito estranho. Gentile e Tardelli. os continentes foram redivididos com o número de vagas. depois de ter "entregado o ouro" e perdido por 6 a 0 da Argentina. os espanhóis puderam assistir a todas as competições para que organizassem um dos melhores campeonatos da história. mas ele só foi entrar em campo aos 38 minutos. Times impecáveis como o Brasil de Zico. O ano de 1982 foi também marcado pelo bem armado time italiano. Foi a primeira vez em que 24 times disputaram a fase final. Em 15 de junho. o número de times inscritos ultrapassava a casa dos 100.2 – Uma das cenas mais curiosas da Copa aconteceu no jogo entre Brasil e Espanha. do Peru.

a equipe canarinha causou furor pelo futebol ofensivo e criativo. novamente. Foram 315 partidas apenas na fase classificatória. Irlanda do Norte e Iugoslávia Grupo 6: Brasil. por 2 a 1. Bolívia. tudo caiu em apenas um jogo. Na África. a história mudou . os países foram divididos em três grupos de três times. em Caracas. divididos em chaves. os times foram divididos por regiões. O time sofreu para ganhar dos venezuelanos por apenas 1 a 0. e para bater a Bolívia. Na sequência. que teriam os times. classificando-se os dois primeiros. Já na América do Sul. Tchecoslováquia e Kuwait Grupo 5: Espanha. O melhor avançava para as semifinais. A desgraça de 5 de julho. mas complicada na prática. o time canarinho penou para bater a Bolívia por 3 a 1. Honduras. foram escolhidos 18 seleções. eram quatro grupos de três times. os 24 times foram divididos em seis chaves de quatro times cada. para continuar os jogos eliminatórios. que disputaram um hexagonal. implodido em 97. país-sede. Com jogadores extremamente técnicos e habilidosos. El Salvador e Hungria Grupo 4: Inglaterra. em que Zico era seu principal comandante. Já na Oceania. estavam classificados automaticamente. Espanha. O começo foi pouco animador. Na Europa.decidiam as outras duas vagas restantes. Na Copa do Mundo. Norte e Caribe. Venezuela 0 x 1 Brasil Bolívia 1 x 2 Brasil Venezuela 1 x 0 Bolívia Brasil 3 x 1 Bolívia Brasil 5 x 0 Venezuela Bolívia 3 x 0 Venezuela Do show ao desastre do Sarriá Foi um espetáculo à parte para quem soube apreciar o show da seleção brasileira na Copa do Mundo de 82. Desgraça menor apenas que a sofrida na Copa de 50. sendo disputado um turno único. em que apenas o melhor passava. URSS. Escócia e Nova Zelândia O Brasil deu muita sorte no sorteio das eliminatórias. França. Tarefa fácil para o Brasil na teoria. Peru e Camarões Grupo 2: Argélia. No primeiro compromisso. Polônia. o Brasil confirmou sua participação pela 12ª vez seguida em uma Copa do Mundo. Entretanto. mas sem grandes sustos. no maldito estádio de Sarriá. Os dois primeiros classificados estavam na Espanha. Áustria e Chile Grupo 3: Bélgica. as cinco equipes batalhavam entre si. os 33 países foram divididos em cinco chaves de cinco times. Com quatro vitórias em quatro jogos. Falcão. que passaram direto. Nas eliminatórias. a situação não foi muito diferente. Desta vez. Em território brasileiro. Confira os jogos das eliminatórias da América do Sul. onde apenas o melhor sobrava para jogar um quadrangular decisivo com três times asiáticos. Na Espanha. Restaram seis times. Na América. os brasileiros tinham pela frente a fraca Venezuela e o time da cordilheira. Grupo 1: Itália. e Argentina. Sócrates e Júnior. Já uma outra chave era formada por três times. Para uma eliminatória. as 15 equipes foram rachados em 3 zonas: Central. o Brasil despachou as fracas Bolívia e Venezuela. Na Concacaf e na Ásia e Oceania. formado por Zico. jamais sairá da memória do torcedor brasileiro. última campeã. O melhor assegurava sua presença na Espanha. mas estraçalhou a Venezuela por 5 a 0. Alemanha Ocidental. No final. os 29 inscritos foram divididos de uma forma diferente. Com um elenco estelar. os vencedores passavam para a final. Os nove classificados juntavam-se aos outros 11. que eram emparceirados a cada dois times e faziam jogos no sistema matamata. Argentina. os dois que sobrassem estavam na Espanha. Os dois melhores classificados passavam para a segunda fase.

aos 41’ do segundo tempo. Luizinho. Serginho e Éder. Falcão. aos 22’. Falcão. Zico. Téc: Telê Santana Gols: Bal. Serginho (Paulo Isidoro) e Éder. aos 33’ do primeiro tempo. Jogando um futebol de primeira. a empolgação tomou conta e o Brasil despontava como grande favorito. Kempes (Ramón Díaz). Sócrates. Serginho e Júnior ampliaram. que o goleiro Dassaev nem viu por onde passou. Serginho (Paulo Isidoro) e Éder. Zico. a Argentina seria nossa primeira rival. Júnior. Téc: Telê Santana Argentina: Fillol. Olguin. a refinada técnica do ponteiro Éder Aleixo brilhou. aos 12’ do primeiro tempo. Éder. Precisando de um mero empate. Oscar. Leandro (Edevaldo). Dirceu (Paulo Isidoro). veio a desgraça. Júnior. A derrota por 3 a 2 diante dos italianos matou a era de Zico e selou a desclassificação brasileira. O Brasil deu olé nos seus rivais que terminaram a partida com dez jogadores. Éder e Falcão. Sócrates.completamente. Brasil 4 x 0 Nova Zelândia Brasil: Waldir Peres. aos 19’. Zico (Batista). ao lado da França de Platini. Falcão. Cerezo. em imagens que vão ficar para sempre registrada na memória. • Segunda fase Brasil 3 x 1 Argentina Brasil: Waldir Peres. mas esbarrando no carrasco Paolo Rossi. Sócrates. Tarantini. Teve de tudo. Zico. A Nova Zelândia nem viu a cor da bola e levou um vareio. Na segunda fase. por causa da expulsão do então novato Diego Maradona. Barbas. Téc: Telê Santana Gols: Narey. Falcão. Falcão. aos 27’. aos 43’ do segundo tempo. Sócrates. e Éder. Oscar. Luizinho. . Oscar. Oscar. Galván. Serginho e Éder. Sócrates. Cerezo. e Serginho. Já na partida de estréia. Calderón. o Brasil virou o jogo com um chutaço de fora da área de Éder. Escócia 1 x 4 Brasil Brasil: Waldir Peres. aos 3’. A eliminação chocou o País e passou a ser conhecida como o "desastre do Sarriá". Leandro. Aí. aos 33’ do primeiro tempo. O jogo foi memorável com o Brasil chegando a ficar na frente do placar. a máquina de Telê Santana começou a encantar a Espanha. E como entraram. aos 43’ do segundo tempo. Meninos choraram inconsoláveis. Luizinho. aos 29’ e aos 31’ do primeiro tempo. Depois de uma falha gritante do goleiro Waldir Peres no gol de Bal e do gol de empate do doutor Sócrates. Com gols de Zico. Téc: César Luís Menotti Gols: Zico. o Brasil emplacou outra vitória na sua despedida da fase classificatória. Zico. aos 18’. Leandro. o Brasil deixou escapar a classificação e o possível título das mãos. Luizinho. aos 19’. aos 25’ do segundo tempo. Cerezo. Serginho. Leandro. Bertoni (Santamaria) e Maradona. Júnior. Foram quatro gols e novamente uma vitória de virada. Passarella. No segundo compromisso foi a vez dos escoceses entrarem na roda. aos 30’. e o meia Ramón Diaz descontou. Com isso. um de Falcão e outro do centroavante Serginho Chulapa. Um passe errado de Toninho Cerezo resultou no segundo gol dos italianos. e Ramón Díaz. O time canarinho goleou por 4 a 0. Falcão lutou e Zoff fechou o gol. Ardiles. • Primeira fase Brasil 2 x 1 URSS Brasil: Waldir Peres. Téc: Telê Santana Gols: Zico. Zico teve sua camisa rasgada pelo zagueiro Gentile. Júnior. Oscar. com dois gols de Zico. Um golaço que marcou a primeira vitória do Brasil na competição. e Falcão. Júnior. Zico abriu o placar já no primeiro tempo. Oscar (Edinho).

Gentile. e Sócrates. Cabrini. Era tudo que passava na cabeça do mais fanático torcedor italiano. Paulo Isidoro (Cruzeiro). que também havia empatado os três jogos. na final. Certeza de eliminação. Falcão. No segundo jogo. Scirea. Tardelli. o time passou para a segunda fase. Com isso. Peru e Camarões. quando diversos jogadores e dirigentes tiveram seus nomes envolvidos na fraude da loteria esportiva. Oscar. Juninho (Ponte Preta). A equipe não conseguiu passar de um empate com Polônia. a Azzura precisava derrotar o Brasil para se classificar. Dirceu (sem clube) e Roberto Dinamite (Vasco) Técnico: Telê Santana CAMPEÃO Como se fosse num páreo de turfe. No primeiro jogo. O artilheiro resolveu jogar bola e levou a Itália praticamente nas costas. ao lado de raçudos como o meia Orialli e o zagueiro Scirea.Itália 3 x 2 Brasil Data: 05/07/1982 Itália: Zoff. Collovati. que selaram a vitória. Téc: Telê Santana Gols: Rossi. Como todos sabem. Rossi não marcou. Júnior (Flamengo) e Pedrinho (Vasco) Meio-campo: Cerezo (Atlético-MG). Sócrates (Corinthians). o cavalinho italiano começou muito desacreditado na Copa do Mundo. aos 23’. Com o desentrosado Paolo Rossi no ataque. O elenco brasileiro Goleiros: Waldir Peres (São Paulo). marcou um gol a menos e terminou fora. A sorte dos europeus é que Camarões. Luizinho (Atlético-MG). quando teve cinco vitórias. aos 5’ e aos 25’. Precisando se recuperar do escândalo de 80. Graziani. como o fantástico goleiro Zoff. com outra exibição de gala. A Azzura teve um começo desanimador para seus torcedores. aos 29’ do segundo tempo. Zico (Flamengo). atual campeã. dois empates e uma derrota. Zico. por 3 a 1. a situação piorava ainda mais. Júnior. mas se recuperou de forma espetacular. um surpreendente 2 a 1 sobre a Argentina. aos 12’ do primeiro tempo. que empatou com o Brasil em número de conquistas na Copa do Mundo. Foi aí que brilhou a estrela do matador Paolo Rossi. na qual enfrentaria Argentina. Na semifinal. Falcão (Roma). Cerezo. Téc: Enzo Bearzot Brasil: Waldir Peres. Paulo Sérgio (Botafogo) e Carlos (Ponte Preta) Zagueiros: Leandro (Flamengo). os italianos passaram fácil pela Alemanha. mas deu os passes para Tardelli e Cabrini. Rossi (Altobelli) e Conti. Edevaldo (Inter). Antognoni. o carrasco Rossi marcou três e mandou o Brasil de Telê de volta para casa. Rossi. Mesmo com a boa campanha nas eliminatórias. mesmo debaixo de muitas críticas pelo medíocre futebol apresentado na primeira fase. Oscar (São Paulo). Jogando muito e empolgando a torcida. a melhor equipe da competição até aquele momento. A Itália consagrava ainda uma bos safra de jogadores. Leandro. Sem jogar há dois anos. Uma turma muito bem comandada pelo técnico Enzo Bearzot. o time italiano chegou como azarão. no momento em que a Itália mais precisava. Rossi chegou à Espanha apenas como um jogador queridinho do técnico. Serginho (Paulo Isidoro) e Éder. Batista (Grêmio) e Renato (São Paulo) Ataque: Serginho (São Paulo). Falcão. todos ídolos em seus clubes. a Itália sabia que não tinha condições de disputar o título. Oriali (Marini). Sócrates. . O atacante cresceu junto com a equipe. Éder (Atlético-MG). a equipe mostrou estar realmente embalada e devorou os poloneses. Edinho (Udinese). Luizinho. e Brasil. O título ia pela terceira vez à Bota. o zagueiro Gentile e a dupla matadora Conti e Rossi.

Leandro. Bergomi. Antognoni (Marini). Galván. Collovati. Téc: Enzo Bearzot Gols: Tardelli. aos 5’ e aos 25’.Itália 0 x 0 Polônia Itália: Zoff. Esteve no Vicenza e no Perugia. Gentile. Itália 1 x 1 Camarões Itália: Zoff. Gentile. Antognoni. Graziani. Kaltz. aos 12’. e Passarella. aos 24’. Gentile. Scirea. ele despontou como um dos grandes nomes no futebol italiano. aos 16’do segundo tempo. aos 15’ e M’Bila. Com isso. Oriali. aos 35’. Graziani (Altobelli. Collovati. Bertoni e Maradona. Graziani. Scirea. Collovati. Scirea. Téc: Enzo Bearzot Brasil: Waldir Peres. Tardelli. Júnior. Rossi. Tardelli. Gallego. Collovati. Marini. Falcão. Rossi (Altobelli) e Conti. Téc: Enzo Bearzot Gols: Conti. Gentile. Passarella. aos 39’ do segundo tempo. Antognoni. Paolo Rossi. Cabrini. Graziani. aos 22’. aos 28’ do segundo tempo. Scirea. Oscar. Ardiles. Oriali. Marini. Cabrini. Tardelli. Dremmler (Hrubesch). Littbarski. Rossi (Causio) e Conti. Rossi e Conti. Cabrini. Antognoni. Téc: Jupp Derwall Gols: Rossi. quando se viu envolto no escândalo da Loteria Esportiva. de bandido a herói O jogador italiano começou sua carreira em 77. Falcão. Tardelli. aos 29’ do segundo tempo. Téc: Telê Santana Gols: Rossi. Rossi e Conti. Cerezo. até meados de 80. Mostrando muito oportunismo. que abalou a Itália e revelou a corrupção em inúmeros jogos para manipulação da . sendo contratado pela Juventus. Antognoni. aos 12’ do primeiro tempo. Tardelli. Collovati (contra). Gentile. e Sócrates. Graziani. aos 23’. começou a ser um jogador nômade passando por diversos clubes de pouca expressão. Briegel. aos 11’. Téc: Enzo Bearzot Peru 1 x 1 Itália Itália: Zoff. • Final Itália 3 x 1 Alemanha Ocidental Itália: Zoff. Luizinho. Collovati. Téc: Enzo Bearzot Gols: Graziani. Tardelli. Oriali. • Semifinais Itália 2 x 0 Polônia Itália: Zoff. Tarantini. Fischer e Rummenigge (Hansi Müller). Antognoni. Itália 3 x 2 Brasil Itália: Zoff. Tardelli. Téc: César Luís Menotti Itália: Zoff. Scirea. Scirea. Rossi e Conti. Graziani. onde voltou a se destacar. Cabrini. Oriali (Marini). Zico. Olguin. Cabrini. Breitner. Scirea. Diaz (Valencia). jogando pela Juventus. aos 38’ do segundo tempo. Sócrates. Collovati. aos 37’ do segundo tempo. Rossi e Conti. Cabrini. Karl-Heinz Forster. Gentile. Bernd Foster. aos 22’ do primeiro tempo. Cabrini. Téc: Enzo Bearzot Alemanha: Schumacher. Kempes (Calderón). Serginho (Paulo Isidoro) e Éder. Rossi. Rossi retornou aos grandes times. e depois Causio). Collovati. Graziani (Altobelli). Não teve um bom esempenho e acabou sendo negociado para o modesto Como. Téc: Enzo Bearzot Gols: Rossi. e Breitner. Rossi (Altobelli) e Conti. Tardelli. Stielike. Cabrini. Altobelli. A partir daí. Oriali (Marini). aos 19’ do primeiro tempo. • Segunda fase Argentina 1 x 2 Itália Argentina: Fillol. Bergomi.

Paulo Roberto Falcão foi uma das que mais brilhou durante a Copa. fazendo muito bem a marcação e partindo para o ataque. Mais um gol e Camarões poderia ter eliminado o campeão já na primeira fase. mas desfalcou o time justamente contra nossa seleção. os Leões Indomáveis foram desclassificados. Kiss (Hungria) e Armstrong (Irlanda do Norte) Classificação final Pos País 1º Itália 2º Alemanha Ocidental 3º Polônia 4º França 5º Brasil Pontos 11 8 9 8 8 J 7 7 7 7 5 V 4 3 3 3 4 E 3 2 3 2 D 2 1 2 1 GP 12 12 11 16 15 GC 6 10 5 12 6 . 4 – O Brazil por pouco não enfrentou o Brasil. Inconformado com um gol francês. Depois de saborear por certo tempo o sucesso da Copa. enquanto a Azzura anotou dois. Brazil jogou 72 minutos e não marcou nenhum gol na competição. terminando como artilheiro e maior estrela da competição.loteria. onde foi campeão brasileiro em 75. A segunda maior marca foi em 78. o Rei de Roma desfilou nos campos italianos. Depois dele. quando seis jogos terminaram sem abertura de placar. o time que marcou época nas mãos de Cilinho. Curiosidades 1 – O juiz soviético Miroslav Stupar ficou para sempre marcado como um covarde após o jogo entre França e Kuwait. pois perderam no desempate para os italianos pela segunda colocação do grupo A. Também participou da Copa de 86. Em 82. levando o time da capital italiana ao título nacional em 83. retornando com imagem de bandido para a disputa da Copa de 1982. o xeque Fahid Al-Sabah entrou em campo e exigiu a anulação do gol.76 e 79. Dando chutes precisos de fora da área e armando a defesa com maestria. desta vez sem volta. foram sete partidas sem sair do zero. amargou novamente um período de fracassos. o ponto de equilíbrio Entre tantas estrelas. Mesmo assim. Giresse (França). O atacante britânico atuou nas partidas contra União Soviética e Nova Zelândia. Falcão. Romualdo Arppi Filho comandou a final de 86. o Brasil esteve representado pela primeira vez por um juiz. Passou pela Roma. Artilheiros 6 gols: Paolo Rossi (Itália) 4 gols: Zico (Brasil) e Boniek (Polônia) 3 gols: Falcão (Brasil). a Escócia inscreveu um jogador chamado Brazil. 2 – A falta de gols eliminou Camarões da competição. O árbitro Arnaldo César Coelho apitou a decisão entre Alemanha Ocidental e Itália. Mesmo jogando como o meia mais recuado da seleção de Telê. sendo o primeiro brasileiro a apitar uma final de Copa do Mundo. Falcão foi essencial para o sucesso do esquema tático de Telê. Rossi pegou dois anos de suspensão. Mesmo terminando a primeira fase nvictos. O time africano marcou um gol. ele superou tudo e marcou seus seis gols nos últimos três jogos. No total. 5 – Ao mesmo tempo em que apresentou a maior goleada da competição. 3 – Se o time não chegou à final. O meia começou sua carreira no Inter. pela fase classificatória. o torneio de 82 teve também a maior quantidade de jogos em 0 a 0. O árbitro resolveu acatar a ordem do xeque invasor e anulou o gol. marcando três gols durante todo o torneio. onde ficou no banco de reserva. Perseguido e desacreditado. a França ganhou por 4 a 1. encerrando sua carreira no São Paulo de 85. quando preciso.

em Assunção. Elzo e Alemão. "Com a mão de Deus". e apenas a primeira colocada garantia vaga automaticamente para a Copa do México. Paraguai. diante de 114 mil torcedores no estádio Azteca: 2 a 1. a Cidade de México e outros três estados do país foram atingidos por um terremoto que causou a morte de 25 mil pessoas. E não teve problemas para se classificar. Ele reuniu a base do time de 1982. problemas políticos e financeiros fizeram o governo do país retirar seu apoio ao comitê organizador. Os argentinos estréiam com uma vitória por 3 a 1 em cima da Coréia do Sul.México. Grupo A: Argentina. A falta de tradição no futebol acabou com as esperanças de americanos e canadenses. Bélgica. Nas partidas de volta. Então surgiu a força do povo mexicano. que mesmo com sérios obstáculos decidiu seguir em frente na determinação de organizar a Copa. Falcão. até se chegar ao campeão da competição. Bulgária e Coréia do Sul Grupo B: México. os colombianos anunciaram em 1983 que não possuíam condições para abrigar a competição. com o apoio do mexicanos. Oito meses antes do início da Copa. Canadá. Sem essa ajuda. No entanto. incluindo cinco gols em momentos decisivos. um deles com a mão. Irlanda e Argélia Grupo E: Dinamarca. Depois empatam por 1 a 1 com a Itália. mais as quatro melhores nações terceiras colocadas (pelo índice técnico) garantiram vaga nas oitavas-de-final. A partir dessa fase foi adotado o sistema eliminatório. Telê Santana ganhou nova chance no comando da Seleção Brasileira a partir das eliminatórias para a Copa de 1986. Hungria e Canadá Grupo D: Brasil. Os paraguaios também perderam pelo mesmo placar. no estádio Azteca. e fazem 2 a 0 na Bulgária. Brasil. Os argentinos fazem 2 a 0. diria mais tarde Dieguito. 1 a 0. Só o juiz tunisiano Ali Bennaceur não viu. As três seleções enfrentaram-se em turno e returno. O Brasil caiu no grupo 3 das eliminatórias sul-americanas. Forma de disputa Forma de disputa A 13ª edição da Copa do Mundo contou com a participação de 24 seleções. O Brasil também não contou com o apoio do governo federal e acabou por retirar sua candidatura. um jogador não se apresentava de forma tão marcante para um título de uma seleção. dois empates por 1 . com um gol de Maradona. Itália. quem perdesse estava fora da competição. dois gols de Maradona. Sócrates.1986 Maradona comanda a Argentina Diego Armando Maradona foi o grande nome da Copa do Mundo de 1986. mas um passe de Maradona deixa Burruchaga em condições de marcar o gol do título. a seis minutos do final. apostando na experiência de Zico. As equipes enfrentaram-se dentro de cada chave. Uma participação decisiva e brilhante na campanha da Argentina campeã mundial. Espanha. os alemães empatam em 2 a 2. que logo foram descartados. os argentinos vencem a Alemanha por 3 a 2. Nas oitavas. Cerezo. Inglaterra. E vem o duelo com a Inglaterra nas quartas-de-final. Polônia e Portugal BRASIL Mesmo depois do "desastre do Sarriá". França. Uruguai e Escócia Grupo F: Marrocos. e Iraque Grupo C: URSS. A Colômbia foi inicialmente a nação escolhida para ser a sede da 13ª Copa do Mundo. ao lado da Bolívia e do Paraguai. gol de Pasculli. A Argentina elimina a Bélgica na semifinal: 2 a 0. Os brasileiros estrearam vencendo a Bolívia fora de casa por 2 a 0. sobrando o México como único opção. Desde Garrincha em 1962. Estados Unidos e México ofereceram-se para substituir a Colômbia. com o Brasil campeão. Os dois primeiros colocados de cada grupo. Mas o México também não ficou livre de problemas. mais dois gols de Maradona. Alemanha Ocidental. Na final diante da Alemanha. divididas em seis grupos de quatro. diante do Uruguai.

apesar de uma campanha impecável até ali. às vésperas do início da competição. Müller (Casagrande). da Itália. De volta ao Brasil. Na Copa. Edinho (c). na primeira fase. mas os franceses empataram o jogo com Platini. Careca começou sua carreira vitoriosa no Guarani. com quatro vitórias. 10 gols marcados e apenas 1 sofrido. Marcou mais de 90 gols em sua passagem pelo futebol italiano. vencendo por 4 a 3. interior paulista.Elzo. Sócrates (Zico). • Primeira fase Brasil 1 x 0 Espanha Brasil: Carlos. Durante a disputa da Copa do Mundo no México. nos campos do melhor campeonato do mundo. Edson (Falcão). atingiu uma das melhores fases de sua carreira em 1986. perdendo sua cobrança. Careca virou ídolo da torcida local. o líder do time. Casagrande (Müller). em 1978. o Brasil enfrenta a França. primeiro com o Paraguai e depois com a Bolívia. Alemão. Careca Gol: Careca. Josimar. Júnior. Conquistou os títulos italianos de 1987 e 90 e da Copa da Uefa de 1989. O Brasil não tomou conhecimento da Polônia. Júnior. Careca não apenas conquistaria o título de campeão brasileiro como ainda marcaria o gol do título na vitória sobre o Palmeiras. Josimar. oito jogos em eliminatórias simples. Na decisão por pênaltis. e o gol que deixou o Brasil na frente por 1 a 0 contra a França. decidiu promover. Careca transferia-se para o Napoli. nos EUA. o Careca. Careca participou da campanha vitoriosa do São Paulo no Campeonato Brasileiro do mesmo ano. E o Brasil volta para casa mais cedo. O goleiro Bats voltou a brilhar. na final. Alemão. fez 4 a 0 e deixou a torcida bastante confiante numa nova conquista. Lá veio a consagração que lhe faltava. Sócrates. aos 63 min. mesmo com Platini. Sócrates. em junho. nas quartas-de-final. durante a disputa das eliminatórias da Copa do Mundo de 94. Careca. um jovem de 17 anos da equipe juvenil para a principal. Edinho (c). Júlio Cesar. sem sofrer um só gol. O melhor momento de Careca O centroavante brasileiro Antônio de Oliveira Filho. Fizemos 1 a 0 com Careca. Branco. Edinho (c). Edson. Júnior (Falcão). Meses mais tarde. Careca. do artilheiro que pensava no coletivo. Brasil 1 x 0 Argélia Brasil: Carlos. Júlio Cesar. Elzo. Um gesto que resumiu bem sua atuação em toda a carreira. aos 66 min Brasil 3 x 0 Irlanda do Norte Brasil: Carlos. por entender que não estava colaborando com a equipe. Alemão . Júlio Cesar. Branco. Nas quartas-de-final. 1 a 0. . A partida vai para a prorrogação. como o gol da vitória sobre a Argélia. Nas oitavas-definal. Fazendo dupla com o argentino Maradona. O time de Telê obteve três vitórias em três jogos. naquele lance. Irlanda do Norte e Argélia. aos 15 min e 87 min. Elzo. Fora de forma. Nascido em Araraquara. o atacante deu um exemplo de autocrítica e pediu dispensa da seleção. ao lado da Espanha. o Brasil caiu no grupo D. Casagrande (Müller). A chance de classificação estava sendo perdida ali. Gols: Careca. defendendo um pênalti cobrado por Sócrates. foram suficientes para assegurar a presença do Brasil em mais uma Copa do Mundo. Gol: Sócrates. quando o técnico Carlos Alberto Silva. tornando-se artilheiro da competição com 25 gols. O Galinho de Quintino bate e o goleiro Bats defende. Zico entra em campo frio e logo em seguida o juiz marca pênalti para o time brasileiro. aos 41 min. Sua última grande jogada aconteceu em 1993.a 1. sem opções no ataque para o Campeonato Brasileiro daquele ano. Branco. a França leva a melhor. sagrou-se vice-artilheiro da competição com cinco gols. Suas boas atuações despertaram a atenção de dirigentes europeus e. Alguns em momentos cruciais. em 1987.

Tureau. Battiston e Bossis. seu exame antidoping deu positivo. garantindo o vice-campeonato. aos 54 min. da Espanha. Maradona provou que ainda podia jogar bem. e Careca. Careca. Prescrita a pena. Convocado por Alfio Basile para defender uma vez mais a Argentina na Copa do Mundo de 1994. . • Quartas-de-final Brasil 1 x 1 França (nos pênaltis. Fernandez. Júlio Cesar. Silas (São Paulo). Sócrates. Brasil 3 x 4 França) Brasil: Carlos. Rocheteau (Bellone) e Stopyra. Tornou-se o mais jovem jogador a vestir a camisa de seu país em 1976. da Itália. em 1985. Capitão indiscutível. Müller (Silas) Gols: Sócrates. foi para o Napoli. Valdo (Grêmio) Atacantes: Muller (São Paulo). na semifinal. Carregou o time nas costas. Goleiros: Carlos (Corinthians). Maradona é suspenso mais uma vez do futebol. Casagrande (Corinthians). Edinho (Udinese). Müller (Zico). também levantou a taça da Copa da Uefa no período em que esteve no clube italiano. Deu ao Napoli dois scudettos (título do Campeonato Italiano). aos 18 min. Júnior. e Platini. Careca (São Paulo). Edinho (c). Júlio Cesar. Gols: Careca. onde conseguiu demonstrar toda a sua genialidade. Júlio César (Guarani). contra o Bari. o craque da Copa O argentino Diego Armando Maradona escreveu seu nome na história da Copas em 1986. voltou ao Boca. Branco. no subúrbio de Buenos Aires. por um valor recorde à época. Ele liderou sua equipe ao título com inesquecíveis atuações e gols decisivos. Elzo. incluindo um gol seu. Transferiu-se para o Boca Juniors em 80. aos 30 min. Edinho. Ainda teve breves passagens pelo Sevilla (Espanha) e pelo Newell´s Old Boys. Amoros. Paulo Vítor (Fluminense) e Leão (Palmeiras) Zagueiros: Édson (Corinthians). Elzo. aos 77 min. nos EUA. Em 1991. No entanto. Resultado: uma suspensão que o deixou 18 meses longe dos gramados.Josimar. Zico (Flamengo). seus primeiros na história. França: Bats. Edivaldo (Atlético/MG) CAMPEÃO Don Dieguito. Quase deu mais uma Copa do Mundo à Argentina em 1990. aos 81 min. Alemão. Careca. Mauro Galvão (Internacional/RS) Meio-de-campo: Júnior (Torino). presença da substância efedrina em seu sangue. Falcão (São Paulo). Um contra a Itália na primeira fase. em um jogo do Campeonato Italiano. Josimar. Oscar (São Paulo). Elzo (Atlético/MG). Alemão (Botafogo/RJ). algumas horas mais tarde o Comitê Organizador anunciou que o jogador havia sido flagrado no exame antidoping. Junior (Silas). Edinho (c).• Oitavas-de-final Brasil 4 x 0 Polônia Brasil: Carlos. Don Dieguito. Nascido em 1960. e dois anos depois. Sócrates (Zico). aos 42 min. Branco. Maradona conquistou o Sul da Itália com sua habilidade. Em 1983 foi vendido para o Barcelona. Josimar (Botafogo/RJ). dois gols históricos contra a Inglaterra nas quartasde-final e mais dois contra a Bélgica. Josimar. Ainda hoje é ídolo e tratado como astro em Nápoles. Giresse (Ferreri) e Platini. Na estréia contra a Grécia. goleada por 4 a 0. em 78. começou sua carreira nas categorias de base do Argentinos Juniors. Alemão. aos 16 anos. deu passes para gols nos momentos mais necessários (contra o Brasil e Itália). Branco (Fluminense). Porém não foi bem-sucedido no clube catalão. Sócrates (Flamengo). como passou carinhosamente a ser chamado. Por pouco não foi convocado para disputar a Copa em seu país. Tigana.

aos 5min e 46min. Brown. Cuciuffo. Rummenigge. Cuciuffo. Gols: Maradona. aos 75 min. Pedro Pablo Pascullli. • Final Argentina 3 x 2 Alemanha Ocidental Argentina: Pumpido. Oscar Garre e Daniel Passarella Meio-de-campo: Sérgio Daniel Batista. Eder. aos 73 min. Vierchowod. Foester. Batista (Olarticoechea). aos 87min. Burruchaga (Tápia) e Valdano. Batista. Giusti. Giusti. e Chang-sun. Ricardo Giusti. Scirea. Ruggeri e Garré. Giusti. Cláudio Borghi. • Oitavas-de-final Argentina 1 x 0 Uruguai Argentina: Pumpido. Carlos Tápia. Burruchaga e Valdano. Treinador: Carlos Salvador Bilardo . J. Enrique e Maradona (Tápia). Batista. Batista (Olarticoechea). Berthold. Cuciuffo. Burruchaga. Ruggeri e Garré. Brown. Gols: Altobelli. Gols: Valdano. Maradona. Brown. Bergomi e Cabrini. Pasculli e Maradona. Valdano. Argentina 2 x 0 Bulgária Argentina: Pumpido. Luís Islas e Héctor Zelada. Goleiros: Nery Pumpido. Batista (Olarticoechea). Rummenigge e Allofs (Voeller). Brown. Giusti.Argentina 3 x 1 Coréia do Sul Argentina: Pumpido. Cuciuffo. Brown. aos 51 e 62 min. José Luís Brown. Gols: Brown. Ruggeri e Olarticoechea. Cuciuffo. aos 22min. Borghi (Enrique) e Maradona. Enrique e Maradona. Diego Armando Maradona e Ricardo Bocchini Atacantes: Jorge Burruchaga. Galderisi e De Napoli (Baresi). • Quartas-de-final Argentina 2 x 1 Inglaterra Argentina: Pumpido. Argentina: Pumpido. aos 55 minutos. aos 51 e 54 min. aos 81 min. Gols: Valdano.. Magath (Hoeness) e Brehme. Burruchaga e Valdano. Olarticoechea. Cuciuffo. Itália 1 x 1 Argentina Itália: Galli. Di Gennaro. Burruchaga e Valdano. aos 3min. • Semifinal Argentina 2 x 0 Bélgica Argentina: Pumpido. aos 41min. Héctor Adolfo Enrique. Jorge Valdano. Giusti. Ruggeri e Olarticoechea. Giusti. Marcelo Trobbiani e Sérgio Almirón. Enrique e Maradona (Tápia). Jakobs e Briegel. Giusti. Burruchaga. Gol: Pasculli. Brown. Batista (Olarticoechea). Alemanha Ocidental: Schumacher. Burruchaga (Trobbiani) e Valdano. Pasculli (Tapia) e Maradona. Zagueiros: José Luís Cuciuffo. aos 34 min. Burruchaga e Valdano. Burruchaga (Bocchini) e Valdano. Ruggeri e Garré. Néstor Clausen. Ruggeri e Garré. aos 81min. Ruggeri.J. Lineker. aos 17 min. aos 6 min. aos 83 min. Ruggeri e Olarticoechea. Altobelli e Conti (Vialli). Borghi (Enrique) e Maradona. Oscar Ruggeri. Bagni. Matthäeus. Batista. Voeller. Gols: Maradona (2). Clausen. Brown.

foi direcionado.pela primeira vez na história. Artilheiros 6 gols: Lineker (Inglaterra). O Brasil também tropeçou nos argentinos. nas quartas. da Espanha. mas limitada. Até hoje a Copa de 90 é considerada a mais organizada da história. Entretanto. empates e poucos gols fizeram da Copa uma grande chatice. Para tornar as chaves mais equilibradas e impedir a saída prematura de seleções de um mesmo continente. Classificação final Pos País 1º Argentina 2º Alemanha Ocidental 3º França 4º Bélgica 5º Brasil Jogos 7 7 7 7 5 V 6 3 4 2 4 E 1 2 2 2 1 D 0 2 1 3 0 GP 14 8 12 12 10 GC 5 7 6 15 1 SG 9 1 6 -3 9 Itália . favorita. dentro dos gramados. atuando pelo Nagoya Grampus. O inglês Gary Lineker foi o grande artilheiro da Copa do Mundo de 86. foi vendido para o Barcelona. não marcando nenhuma vez nos dois primeiros jogos. mais dois gols. e no México. ficou estabelecido que a última rodada de cada grupo fosse disputada no mesmo dia e horário. em 1990. A Itália. da cidade de Liverpool. Na Itália. Começou jogando no clube de sua cidade. Desencantou contra a Polônia. em 1982. 5 gols: Maradona (Argentina). Encerrou a carreira no Japão. o segundo brasileiro consecutivo a ter essa honra – o primeiro havia sido Arnaldo César Coelho. . e somente em 1981 passou para a equipe titular. . Depois do Mundial de 1986. E outro contra a Argentina. os organizadores deram um show. o Leicester City.para evitar resultados de conveniência. Ficou duas temporadas na reserva. o sorteio dos grupos. Em 1985 foi negociado com o Everton. Afinal. foi artilheiro com 17 gols em 39 partidas (segunda divisão).Romualdo Arppi Filho foi o juiz que apitou a final. México (país-sede). Lineker nasceu em Leicester. o que lhe coloca na posição de sexto maior goleador da história das Copas. No campeonato seguinte. Retornou ao futebol inglês em 1989.pela primeira vez foi adotado o sistema de classificação (dos quatro melhores terceiros colocados) por índice técnico. França. Nas oitavas-de-final. em 1986. deixando sua marca três vezes. foram mais quatro gols.1990 O mundo esperava uma grande Copa em 1990. para defender o Tottenham Hotspur. com 10 gols. em 30 de novembro de 1960. realizado em dezembro de 1985. as coisas não andaram muito bem.DESTAQUES Gary Lineker. os 24 países foram divididos em quatro categorias diferentes. sucumbiu nas semifinais diante de uma aguerrida. Alemanha Ocidental. Argentina. mas a seleção canarinho já estava mesmo mal das pernas. em 1982. o Mundial voltava a ser disputado na Itália após 56 anos e ainda estava no ar o clima mágico dos jogos realizados na Espanha. . o artilheiro Seis gols em cinco partidas. Ele demorou para embalar. estreando na primeira divisão em 1979. . Curiosidades . ajudando o Leicester a subir para a divisão principal. desta vez com 26 gols. Argentina. Polônia e Brasil foram designados como cabeças-de-chave. Careca (Brasil) e Butragueño (Espanha). Jogos sofríveis. Repete o feito na temporada seguinte. Fora do campo. região central da Inglaterra.

Áustria. Entretanto. a seleção fez sua campanha mais medíocre desde 1966. Espanha e Coréia do Sul. após dois vice-campeonatos. Pobre Mauro Galvão.Inglaterra. do grupo 3 das eliminatórias sulamericanas. A verborragia do técnico Sebastião Lazaroni não conseguia ser assimilada pelos boleiros. a Alemanha conseguiu o tão sonhado título. Desde o começo. Grupo A . 1 x 0 Costa Rica e 1 x 0 Escócia) garantiram a primeira colocação do grupo. Lazaroni trava a Seleção A participação do Brasil na Copa de 1990 foi marcada por muita confusão. devolvendo a derrota sofrida no Mundial de 86. com a utilização do líbero no futebol brasileiro. Entretanto. Escócia e Costa Rica Grupo D . Classificaram-se para as oitavas-de-final o primeiro e o segundo colocado de cada grupo. Além disso. com vários grupos divergentes. Mesmo assim. Rojas foi banido para sempre do Mundial. em Santiago. que estavam mais preocupados em lutar por um aumento dos bichos. Forma de disputa A Copa foi disputada por 24 equipes. Fingindo ter sido acertado por um rojão atirado pela torcida. a CBF permitiu que os jogadores levassem seus familiares ao Mundial. os camaroneses pagaram por um futebol-arte. em caso de persistência do empate. A partir das oitavasde-final. Rojas provocou um corte em seu supercílio e ocasionou a saída do Chile de campo. continuou tropeçando nas próprias pernas. Na primeira fase.A surpresa da Copa ficou por conta da seleção de Camarões.Alemanha Ocidental. Suécia. Na final. divididas em seis grupos de quatro. com a defesa confusa. marcada pelo futebol de pegada e sem criatividade.Itália. que só conseguiu resgatar a sua imagem depois de muitos anos jogando um bom futebol – como quarto-zagueiro. Mas a tragédia já estava anunciada e chegou logo nas oitavas-de-final. como ficou conhecido o time comandado pelo veterano Roger Milla. E nada melhor do que vencer a Argentina na grande decisão. sendo o único time a apresentar um futebol ofensivo e artístico na competição. numa tentativa desesperada de classificar a sua equipe para o Mundial. O Brasil goleou a Venezuela por duas vezes e conseguiu um empate heróico com o Chile. três vitórias apertadas e com muito sofrimento (2 x 1 Suécia. Na partida final o Brasil precisava apenas de um empate. No dia 3 de setembro de 1989. URSS e Romênia Grupo C . quando o placar anotava 1 a 0 para o Brasil. Com esse quadro. sabia-se que a disputa ficaria mesmo entre brasileiros e chilenos.Bélgica. A começar pelo esquema tático da equipe. República dos Camarões. e entrou para o clube dos tricampeões mundias.Argentina. as partidas que terminassem empatadas eram decididas numa prorrogação de 30 minutos e. Foi então que Rojas aproveitou o rojão atirado em campo para realizar a sua farsa. Grupo F . mas saiu na frente no comecinho do segundo tempo. Grupo E . Na partida contra a Argentina. Colõmbia e Emirados Árabes Unidos. um Maracanã lotado assistia perplexo à encenação do goleiro chileno Rojas. O grupo também estava desunido. Iugoslávia. junto com a Venezuela. Brasil e Chile faziam parte. sendo suspenso por oito anos de competições internacionais. O Brasil nas Eliminatórias As eliminatórias para a Copa da Itália registraram uma das cenas mais deprimentes da história do futebol. seria realizada uma série de cobranças de pênaltis. além dos quatro melhores terceiros colocados. Tchecoslováquia e Estados Unidos Grupo B . Holanda. Os Leões Africanos. o que reduziu a possibilidade de concentração. Uruguai. a seleção brasileira mostrou um futebol um pouco mais aplicado. numa verdadeira guerra. Egito e Irlanda (Eire). fotos comprovaram a armação e o Chile foi punido. o meio-de-campo inerte e o ataque inexistente.Brasil. derrotou a Argentina na estréia do Mundial. . até ser definido o campeão. As seleções classificadas se enfrentavam no sistema mata-mata. O gol de Caniggia selou o fim da "Era Dunga". perdendo as quartas-de-final para a Inglaterra no jogo mais emocionante da Copa.

Ricardo Gomes (Benfica/Por). Müller e Careca. Burruchaga. que perdeu a vaga para a Romênia no grupo 1. aos 36’ do 2º tempo • Oitavas-de-final Brasil 0 x 1 Argentina Brasil: Taffarel. aos 35’ do 2º tempo Goleiros: Taffarel (Internacional). Ricardo Gomes e Branco. eliminada por Iugoslávia e Escócia. Gol: Müller. Mauro Galvão. Dunga e Alemão. outra fácil vitória. Careca (Napoli/Ita) e Bebeto (Vasco da Gama) A vingança do Imperador A derrota para a Argentina na final da Copa de 1986 nunca saiu da cabeça do técnico alemão Franz Beckenbauer. Mozer. faltando dez minutos para terminar o jogo. Dunga e Alemão. Monzon. Silas (Sporting/Por). Valdo. Simon. Jorginho. A seleção holandesa era inferior tecnicamente à Laranja Mecânica de 1974. Maradona e Caniggia. Mas Beckenbauer soube esperar. o meia Burruchaga marcou o terceiro gol argentino. aos 34’ do 2º tempo Brasil 1 x 0 Costa Rica Brasil: Taffarel. Müller e Careca (Bebeto). Tita (Vasco da Gama). os argentinos ganhavam a partida por 2 a 0 quando Rummenigge e Voeler empataram para a Alemanha. sensação da Copa de 86. o adversário foi o perigoso time da Holanda. Quem também se deu mal foi a França (terceira colocada da Copa da Espanha). Valdo (Silas). Afinal. Müller e Careca. Dunga e Alemão (Silas). Ricardo Gomes e Branco. Argentina: Goycoechea. Ricardo Rocha (São Paulo). Ricardo Gomes e Branco. Jorginho. Acácio (Vasco da Gama) e Zé Carlos (Flamengo) Zagueiros: Jorginho (Bayer Leverkusen/Ale). credenciada pelos vice-campeonatos nos últimos dois Mundiais. aos 33’ do 1º tempo Brasil 1 x 0 Escócia Data: 20 de junho de 1990 Brasil: Taffarel. Gol: Caniggia. Mauro Galvão (Botafogo). Ricardo Gomes e Branco. Ruggeri e Giusti. Mauro Galvão (Renato Gaúcho). Cinco dias depois. Valdo (Silas). Jorginho. Quatro anos depois. Valdo (Benfica/Por). Dunga (Fiorentina/Ita). Dunga e Alemão. Valdo. aos 40’ do 1º tempo e aos 18’ do 2º tempo e Brolin. Na primeira partida. Renato Gaúcho (Flamengo). uma vitória tranquila sobre a Iugoslávia. Bismarck (Vasco da Gama) e Alemão (Napoli/Ita) Ataque: Romário (PSV/Hol). Troglio (Calderon) e Olarticoechea. acabando com o sonho do Kaiser se tornar campeão do mundo. Romário (Müller) e Careca. Jogos do Brasil • Primeira Fase Grupo C Brasil 2 x 1 Suécia Brasil: Taffarel. desta vez em cima dos Emirados Árabes. Na Europa. quando o Kaiser faturou seu . Müller (Torino/Ita). nenhuma surpresa: Uruguai e Argentina conseguiram suas vagas sem dificuldades. Jorginho. Ricardo Rocha. Gol: Müller. Basualdo. Mauro Galvão. Ricardo Rocha. Nem mesmo o surpreendente empate com a Colômbia no encerramento da primeira fase serviu para tirar os ânimos dos alemães. Mozer (Olympique/Fra).Nos outros grupos sul-americanos. Nas oitavas-de-final. Aldair (Benfica/Por) e Branco (Porto/Por) Meio-de-campo: Mazinho (Vasco da Gama). a Alemanha disputa a Copa como uma das favoritas ao título. Mozer. Mauro Galvão. a decepção foi desclassificação da Dinamarca. Quando tudo indicava a necessidade de uma prorrogação. Gols: Careca.

brilha a estrela do goleiro Ilgner. com os alemães vencendo por 2 a 1 e a Holanda vendo novamente um grande time nadar e morrer na praia. Klinsmann. Matthaeus. marcando o gol do título. Augenthaler. Quando a partida encaminhava-se para a prorrogação. aos 28’ do 1º tempo e aos 20’ do 2º tempo. aos 2’. aos 26’ do 2º tempo Alemanha 5 x 1 Emirados Árabes Alemanha: Illgner. Augenthaler. aos 24’ do 1º tempo • Semifinais Alemanha 1 x 1 Inglaterra (Prorrogação: Alemanha 0 x 0 Inglaterra – Pênaltis: Alemanha 4 x 3 Inglaterra) . mas não conseguia transformar a superioridade em gols. Van’t Schip e VanBasten. aos 40’ e Ronald Koeman. na prorrogação. Holanda: VanBreukelen. Buchwald. E finalmente chegou a hora da vingança do Imperador. Haessler. aos 45’ do 2º tempo. aos 6’. Littbarski e Matthaeus. Klinsmann e Riedle. O adversário seria a Inglaterra. apostavam no talento de Maradona. Gols: Voeller. Berthold. Reuter. Kholer e Brehme. Buchwald e Pfluegler. válida pelas quartas-de-final. aos 3’ e Bein aos 13’ do 2º tempo. Alemanha 1 x 1 Colômbia Alemanha: Illgner. Augenthaler. Klinsmann e Voeller.único título mundial como jogador. O resultado foi o mesmo de 74. Klinsmann (Riedle) e Voeller. Gols: Matthaeus. algoz dos germânicos na discutida final da Copa de 66 (estréia de Beckenbauer em Copas do Mundo). desfalcados. A partida contra a Tchecoslováquia. Winter. Berthold. • Primeira Fase Grupo D Alemanha 4 x 1 Iugoslávia Alemanha: Illgner. o árbitro mexicano Edgardo Codesal Méndez marcou um pênalti duvidoso em Voeller. Reuter. Matthaeus e Bein (Littbarski). Brehme. finalmente. Khalid Mubarak. Haessler (Littbarski). o Kaiser. Mas o craque estava muito bem marcado e quase não levou perigo ao gol alemão. que classifica nos pênaltis a Alemanha para a final. Gullit e Richard Witscheg (Gillhaus). A Alemanha dominou todo o jogo. Klinsmann (Riedle) e Voeller. Gol: Matthaeus. de novo. Haessler (Thon). a Holanda ainda tinha estrelas como Gullit. Na cobrança. Matthaeus e Bein (Moeller). Os argentinos. VanAerle (Kieft). Kholer e Brehme. Gols: Littbarski. Brehme não deu chances para Goycoechea. Berthold. Ronald Koeman. Buchwald e Brehme. aos 39’ do 1º tempo. Buchwald. Klinsmann e Voeller. Klinsmann. • Oitavas-de-final Alemanha 2 x 1 Holanda Alemanha: Illgner. Berthold (Littbarski). Berthold. Matthaeus e Bein. aos 35’ do 1º tempo e aos 29’ do 2º tempo. Rijkaard e Wouters. Reuter. em 0 a 0. foi extremamente difícil. Gols: Klinsmann. Rijkaard e Van Basten. aos 44’ do 2º tempo • Quartas-de-final Alemanha 1 x 0 Tchecoslováquia Alemanha: Illgner. O adversário da decisão era a Argentina. Jozic aos 10’ e Brehme. Augenthaler. aos 44’ e Rincón. Littbarski. VanTiggelen. Reuter. Buchwald e Brehme. estava vingado. Depois de um empate em 1 a 1 no tempo normal e outro. aos 37’ do 1º tempo. Um gol de pênalti de Matthaeus garantiu a vaga nas semifinais. Augenthaler. Bechenbauer. Mesmo assim. Matthaeus e Bein (Moeller).

Serrizuela e Lorenzo. Atacantes: Hans Pfluegler. Matthaeus e Littbarski. Ele marca o primeiro gol na vitória por 2 a 0 (Serena fez o segundo). Afinal. Augenthaler. a Juventus (1990 a 1994) e a Internazionale (1994 a 1996) na Itália. Inglaterra: Shilton. a 1º de dezembro de 1964. Andreas Koepke e Raimond Aumann. Roger Milla. Butcher (Steven). Lothar Matthaeus. Augenthaler. era apenas mais um reserva para o ataque. aos 36’ do 2º tempo. Dezzotti e Maradona. Ganhou a Copa da Itália (1989/1990) e a Copa da Uefa (1990) pela Juventus. gol de Giannini. Gol: Brehme. Berthold (Reuter). aos 42 anos. Lineker e Beardsley. Kholer e Brehme.Defendeu o Messina (1988 a 1990). recordista africano Vovô Roger Milla. mas Canigia empata no segundo tempo e leva o jogo para a prorrogação. Matthaeus e Thon. aos 39’ do 2º tempo Goleiros: Bodo Illgner. Nas quartas. Schillaci nasceu em Palarmo. Andreas Brehme. Wright. Olof Thon. Thomas Berthold e Paul Steiner. Guido Buchwald. Mesmo entre os italianos. Para a partida contra a Thecoslováquia. Haessler. Técnico: Franz Beckenbauer DESTAQUES Toto Schillaci conquista a Itália Antes de começar a Copa. o atacante Salvatore Schillaci era um ilustre desconhecido para o torcedor. Argentina: Goycochea. Mas o Mundial mudou a vida de Toto Schillaci. ele passava quase despercebido. Kholer e Brehme. transferiu-se para o Tonnere Kalara. Os italianos caem na disputa por pênaltis. Marcou um gol histórico contra a Rússia: foi o mais velho jogador a marcar em copas. Gascoigne. Zagueiros: Klaus Augenthaler. Frank Mill e Gunter Hermann. ele marca seu sexto gol na Copa e coloca a Itália em vantagem. Schillaci deu o ar da graça logo na estréia da Itália diante da Áustria. Klinsmann e Voeller (Riedle). Ruggeri (Monzón). Sensini. Buchwald. Haessler (Reuter).Alemanha: Illgner. Ele começou no Leopardos. Depois. de 1996 a 1999. E nas semifinais contra a Argentina. foi jogar no Montpellier. Jogou ainda no futebol japonês com a camisa do Jubilo Iwata. sendo campeão da Copa da África em 1976. Simón. Walker e Pearce. como passou a ser chamado. Para quem fazia pouco caso. não teve jeito:Schillaci ganhou um lugar no ataque e marcou um dos gols da vitória por 2 a 0 (Baggio fez o segundo). Meio-de-campo: Pierre Littbarski. Parker. o faro do artilheiro reaparece diante do Uruguai. Juergen Klinsmann. • Final Alemanha 1 x 0 Argentina Alemanha: Illgner. Nas oitavas-de-final. O gol ainda não foi suficiente para ganhar a camisa de titular. como era conhecido pelos tifosi. de novo Schillaci: a Itália venceu a Irlanda por 1 a 0. da França. aos 14’ do 1º tempo e Lineker. Stefan Reuter. Tróglio e Burruchaga (Calderón). Ele permaneceu na reserva e na partida seguinte substituiu de novo Carnevale. Gols: Brehme. A Itália ganhou dos Estados Unidos por 1 a 0. Rudolf Voeller. Milla foi campeão da África por Camarões em 84 e 88 . Basualdo. Juergen Kohler. Uma façanha no seu Continente: foi o único jogador africano que conseguiu essa marca. Platt e Waddle. de Douala. Uwe Bein. Saiu do banco para entrar no lugar de Carnevale e marcar o gol da vitória por 1 a 0. Andreas Moeller e Paul Steiner. Thomas Haessler. Klinsmann e Voeller. disputou três Copas do Mundo (82/90/94). Em 77. Berthold. Buchwald.

sendo elas dos contratos publicitários ou dos passes dos jogadores. com o atacante Romário inspirado como nunca. onde não havia sido demonstrado um bom futebol.1994 O tetra. quando as redes balançaram 5. até então inédito. 3 – A competição marcou também a primeira derrota de Camarões em Copas do Mundo. 24 anos depois A décima quinta Copa do Mundo foi realizada em 1994. Dos 146 países inscritos nas Eliminatórias. com a ridícula média de 2.38 vezes por jogo. A seleção africana. que. 4 – As duas partidas semifinais foram decididas nos pênaltis. Depois do fracasso da Copa da Itália.Curiosidades 1 – A Copa de 1990 teve a pior média de gols de todos os tempos. A média representa menos da metade daquela que foi registrada em 1954. e o Brasil. a Itália. Dentre os feitos camaroneses.5 milhões de ingressos foram colocados à venda e por volta de 30 bilhões de pessoas assistiram aos 52 jogos da Copa. conquistando o tetracampeonato. algo que não foi repetido até hoje. que havia participada do Mundial de 82 (três jogos e três empates) perdeu duas vezes: 4 x 0 para a URSS e 3 x 2 para a Inglaterra. 6 gols: Schillaci (Itália) 5 gols: Skuhravy (Tchecoslováquia) 4 gols: Matthaeus (Alemanha). também era considerada um forte candidato ao título. que contava com Roberto Baggio. mostrando que a defesa era considerada um fator muito importante para pretensões de vitória. nos Estados Unidos. nas quartas-de-final. 2 – Camarões conseguiu um feito histórico: jogando um belo futebol. A Argentina. em 1990. Foi a melhor colocação obtida por uma equipe africana na história do Mundial. tendo quase todas as seleções dois volantes no meio de campo. Com poucas diferenças táticas. a Copa dos EUA era esperada com muita expectativa por todo o planeta. A seleção brasileira.21 gols por jogo. apenas 24 estariam disputando a tão almejada taça. Roger Milla (Camarões). os Leões Indomados terminaram a competição em sétimo lugar. dessa vez comandado pelo artilheiro Romário. buscava o tetracampeonato. principalmente. considerado o melhor do mundo na época. Michel (Espanha) e Lineker (Inglaterra) Pos 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º País Alemanha Argentina Itália Inglaterra Iugoslávia Tchecoslováquia Camarões Irlanda Brasil Pontos 12 7 13 9 7 6 6 4 6 J 7 7 7 7 5 5 5 5 4 V 5 2 6 3 3 3 3 0 3 E 2 3 1 3 1 0 0 4 0 D 0 2 0 1 1 2 2 1 1 GP 15 5 10 8 8 10 7 2 4 GC 1 4 2 6 6 5 9 3 2 EUA . que defendia o título. um título que o povo brasileiro esperava havia 24 anos. Cerca de 3. apareciam a Alemanha. com a volta do fenomenal Maradona. com um meio-de-campo de muita marcação e. levou a melhor. o destaque fica para a vitória sobre a Argentina na abertura da Copa do Mundo e o grande jogo contra a Inglaterra. que teve como característica as milionárias cifras. Foram marcados 115 gols em 52 partidas. o esquema que prevaleceu na competição foi o 4-4-2. . Como favoritos.

não teve maiores dificuldades de se classificar para as oitavas-de-final. Se o empate persistisse. Os dois primeiros colocados de cada grupo se classificaram para as oitavasde-final automaticamente. uma prorrogação de 30 minutos era disputada. Dessa forma a decisão iria. mais uma vez. Nas penalidades. na segunda. os brasileiros vinham sua seleção numa final de Copa do Mundo. pois o Brasil dominou todas as ações e só não goleou por falhas nas finalizações. junto com as seleções do Uruguai. Porém. Branco e Dunga. Suíça. O Brasil. junto com Suécia. favorito absoluto ao primeiro lugar do grupo. O primeiro tempo terminou em 0 a 0. e o italiano Baggio. nas quartas-de-final. A seleção Canarinho abriu 2 a 0. que vinha de ótima campanha na Copa de 1990. Com gols de Romário. Com esse resultado. Rússia. para os pênaltis. empatando a partida no segundo tempo: 1 a 1. deu Brasil. foi uma das partidas mais emocionantes da competição. dessa vez contra a forte seleção sueca. desempatando numa linda cobrança de falta. Bolívia. O Brasil estava entre os quatro melhores do mundo. sendo que o vencedor se consagraria como o único país tetracampeão do mundo. O Brasil nas Eliminatórias O Brasil disputou as Eliminatórias Sul-americanas no grupo B. porém. O Brasil enfrentaria a seleção italiana na final.Forma de disputa As 24 seleções foram divididas em seis grupos de quatro componentes que jogaram entre si. com bom lances das duas seleções. Agora. com gols de Bergkamp e Winter. porém sem que nenhuma conseguisse os concretizar em gols. Grécia. O dois maiores jogadores do campeonato. O terceiro jogo. estavam frente a frente Brasil e Suécia novamente. anfitriã da Copa. com gols de Romário e Raí. o Brasil ganhou por 2 a 0. Classificaram-se também os quatro melhores terceiros colocados. a seleção brasileira se classificou na primeira colocação do grupo e a sueca. quando foi até as quartas-de-final. parecendo que a vitória estava garantida. Romário. Havendo empate no tempo normal. Noruega e México Grupo F: Bélgica. Éramos os únicos tetracampeões do planeta. A seleção brasileira venceu apenas por 1 a 0. Os dois primeiros colocados se . Marrocos. realizariam o mais esperado duelo. foi o mais difícil da primeira fase. classificando-se para a próxima fase da O confronto entre Brasil e Holanda. Holanda e Arábia Saudita A seleção brasileira disputou a primeira fase da Copa dos Estados Unidos no Grupo B. porém Romário. Na semifinal. Foi quando apareceu a bomba de Branco. com gols de Romário. gol de Bebeto. Entretanto nesse jogo. Nas oitavas-de-final. Bolívia. República dos Camarões e Suécia Grupo C: Alemanhã. vencendo a partida por 1 a 0. Espanha e Coréia do Sul Grupo D: Argentina. do Brasil. pela primeira vez na história. a partida era decidida na cobrança de pênaltis. Nigéria e Bulgária Grupo E: Itália. que substituía o suspenso Leonardo. O segundo jogo foi contra Camarões. A partida de estréia foi contra a seleção russa e. depois de 24 anos. com gols de Romário e Bebeto. A Suécia saiu na frente. a seleção brasileira não deu chances aos suecos. um gol de cabeça do baixinho Romário entre os zagueiros gigantes. a segunda etapa guardava uma agradável surpresa para os torcedores. O jogo seria disputado no dia quatro de julho. a seleção brasileira ganhou por 3 a 2. o Brasil enfrentou a seleção norte-americana. o dia da Independência dos Estados Unidos. Irlanda. Colômbia e Romênia Grupo B: Brasil. salvou o Brasil. Mas a seleção Canarinho jogou bem e fez 3 a 0. O placar magro não demonstra o que foi a partida. A partir das oitavas. e o erro de Baggio na quinta cobrança italiana. a Holanda empatou o jogo. Rússia e Camarões estavam eliminados. Márcio Santos e Bebeto. quem perdesse um jogo era eliminado. Camarões e Rússia. Equador e Venezuela. o que aumentava a expectativa em torno do confronto. O tempo normal e a prorrogação se encerraram e o placar ainda estava como começou. A final foi nervosa. Grupo A: Estados Unidos.

prometido antes de embarcar para os Estados Unidos. Márcio Santos e Leonardo. Suécia: Ravelli. utilizando dois volantes marcadores. convocou Romário e este não decepcionou: marcou os dois na vitória de 2 a 0 sobre o Uruguai. Ingesson. jogou como nunca. Márcio Santos e Leonardo. dando forte poderio ofensivo à seleção. ganhando do Uruguai apenas pelo saldo de gols. Romário era herói. O baixinho de temperamento explosivo foi o maior responsável pela conquista do tetra. em Recife. quando perdemos a final para os uruguaios naquele mesmo estádio. Kamark. Jorginho. Gols: Romário (47) – Brasil. Romário. Bebeto e Romário. Romário chegou de volta ao Brasil com a taça nas mãos. Andersson. K.Brasil Brasil 3 x 0 Camarões Brasil: Taffarel. Nos Estados Unidos. Depois desse resultado. Mauro Silva (Mazinho). Sua tática defensiva. marcou cinco gols em sete partidas. quando a seleção Canarinho apresentou um belo futebol. A Bolívia acabou o primeiro turno como líder e o Brasil ficou em segundo. Dunga. Faltou deixar sua marca na final. Jorginho. E o brilhante atacante cumpriu a promessa. Era a primeira partida que a seleção brasileira perdia na história das Eliminatórias. que seria disputada nos Estados Unidos. O Baixinho. Jorginho. Mauro Silva. famoso por suas curtas arrancadas. ato que simbolizava o quanto foi decisivo para o tetracampeonato. Andersson e Ljung. A tão esperada convocação de Romário aconteceu e ele não desapontou. Bebeto e Romário. Ela empatou a primeira partida com o Equador em 0 a 0 e depois o desastre: a derrota de 2 a 0 para a Bolívia em La Paz.Suécia . Gols: Romário (27) e Raí (53) . • Primeira fase Brasil 2 x 0 Rússia Brasil: Taffarel. A convocação de Romário. O Baixinho marcou os dois gols da vitória por 2 a 0. concretizando sua cobrança. Schwarz (Mild). Ele. a situação de Parreira ficava complicada e sua permanência no cargo era criticada por muitos. Gols: Romário (39). que brilhava no Barcelona. Aldair. no Maracanã. Thern. A seleção. Suas atitudes polêmicas fora de campo não agradavam a comissão técnica brasileira e ele não participou de quase todas as Eliminatórias. o atacante. Uma derrota eliminaria o seleção. contra o Uruguai. que em 94 brilhava na artilharia do Campeonato Espanhol atuando pelo Barcelona. Parreira estava salvo e o Brasil se garantia na Copa de 1994.classificariam para a Copa do Mundo de 1994. Aldair. Ricardo Rocha (Aldair). o dono da Copa Não há dúvida de que o grande destaque brasileiro na Copa dos Estados Unidos foi Romário. Mauro Silva. era unanimidade nacional. Raí (Paulo Ségio) e Zinho. garantindo a participação do Brasil na Copa. mas na decisão nos pênaltis contra a Itália ele não vacilou. comandada pelo treinador Carlos Alberto Parreira. Andersson (23) . mas ele não era chamado por seu comportamento polêmico fora dos campos. era considerada responsável pelo mau futebol apresentado. a classificação da seleção brasileira ainda não estava garantida e a vaga seria decidida no último jogo. Quando a classificação brasileira estava a perigo. com sua classe e precisos toques na bola. P. Nilsson. K. Márcio Santos (65) e Bebeto (72) – Brasil Brasil 1 x 1 Suécia Brasil: Taffarel. Dunga. quase não foi à Copa. não começou bem na luta pela classificação para a Copa. Tudo começou a mudar na partida de volta contra a Bolívia. Larsson (Blomqvist) e Brolin. Márcio Santos e Leonardo. Começaram as lembranças da Copa de 1950. Raí e Zinho. Dunga (Mazinho). Raí (Muller) e Zinho (Paulo Sérgio). vencendo o jogo por 6 a 0. Porém. Parreira não arriscou. Bebeto e Romário.

Gol: Bebeto (74) – Brasil • Quartas-de-final Brasil 3 x 2 Holanda Brasil: Taffarel. ambos com seis gols. Koeman. Ricardo Barreto da Rocha e Ronaldo Rodrigues de Jesus (Ronaldão) Volantes: Mauro da Silva e Carlos Caetano Bledorn Verri (Dunga) Meias: Crizan Cezar de Oliveira Filho (Zinho). Mauro Silva. Jorginho. os artilheiros A artilharia da Copa do Mundo de 1994 ficou dividida entre dois jogadores: o russo Oleg Salenko e o búlgaro Hirsto Stoichkov. Wouters. Mild e Brolin. Stoichkov. Andersson. Márcio Santos e Branco. Bebeto e Romário. Mussi (Apolloni). Nilsson. Jorginho. Iomar do Nascimento (Mazinho) e Raí Souza de Oliveira Atacantes: José Roberto Gama de Oliveira (Bebeto). Mauro Silva. foi o grande responsável pela bela campanha da Bulgária na competição. Overmars e Van Vossen (Roy). Romário de Souza. Dooley e Ramos (Wynalda). Paulo Sérgio Silvestre do Nascimento. Clavijo. Dunga. Andersson. Gilmar Luiz Rinaldi e Armelino Donizetti Quagliatto (Zetti) Laterais: Jorge de Amorim Campos (Jorginho). Bergkamp (64) e Winter (76) – Holanda • Semifinal Brasil 1 x 0 Suécia Brasil: Taffarel. Dahlin e K. Thern. Dos quatro gols que seu país marcou a partir . Márcio Santos e Branco. Gol: Romário (80) – Brasil • Final Brasil 0 x 0 Itália * 17/07/94 – The Rose Bowl (Los Angeles) Brasil: Taffarel. Paulo Sérgio Rosa (Viola). Jones. Suécia: Ravelli. Donadoni e Berti. Mazinho (Raí) e Zinho. Balboa. Aldair. Bebeto e Romário. Dunga. EUA: Meola. Albertini e Evani – Itália Goleiros: Cláudio André Taffarel. Bebeto e Romário. Dino Baggio (Evani). Mazinho e Zinho (Viola). Leonardo Nascimento de Araújo e Cláudio Ibraim Vaz Leal (Branco) Zagueiros: Aldair Nascimento dos Santos. Winter. Itália: Pagliuca. Aldair. Albertini. Valckx e Witschge. Holanda: De Goej. Bebeto e Romário. Sorber. Lalas e Caligiuri. Luiz Antônio Correa da Costa (Muller) e Ronaldo Luiz Nazário de Lima (Ronaldinho) Técnico: Carlos Alberto Parreira DESTAQUES Salenko e Stoichkov. Mauro Silva. * Nos pênaltis: Brasil 3 x 2 Itália. Gols: Romário (52). P. Dunga. Bebeto (62) e Branco (81) – Brasil. Rijkaard (Ronald de Boer). Marcos Evangelista de Moraes (Cafú).• Oitavas-de-final Brasil 1 x 0 Estados Unidos Brasil: Taffarel. Mazinho e Zinho (Cafú). Mazinho (Raí) e Zinho. Maldini. Aldair. Bjorklund e Ljung. Dunga. Ingesson. Márcio Roberto dos Santos. que já era astro na equipe do Barcelona. Branco e Dunga – Brasil. Stewart e Perez (Wegerle). Mauro Silva. Márcio Santos e Branco (Cafú). Roberto Baggio e Massaro. Jorginho. Jorginho (Cafú). Aldair. Baresi e Benarrivo. Gols: Romário. Márcio Santos e Leonardo. Jonk e Bergkamp.

ficando sem marcar nenhum gol. quando a Argentina venceu por 2 a 1. igualando o recorde de gols em uma única partida de Copa do Mundo. O craque italiano começou a jogar bem a partir das oitavas-de-final. os classificados para a fase seguinte seriam os mesmos. classificando-se para a grande final contra o Brasil. por 2 a 1. a dois minutos do fim. droga proibida pela Fifa. Nas quartas-de-final. O pacto foi quebrado no jogo contra a Nigéria. Já Oleg Salenko. que acabou 6 a 0 para os russos. . Nesse jogo. no Lograñes. alguns torcedores americanos.Pela primeira vez. classificando-se apenas nos gols marcados. sendo que os dois gols foram marcados por Baggio. Além disso. porém o craque da azzurra foi certamente um grande destaque na Copa dos Estados Unidos. Me mataram". O jogo foi muito disputado. a vitória valeu três pontos. a Itália passou pela forte seleção nigeriana ao vence-la. bateram palmas para um arremesso lateral. O exame constatou a presença de efedrina. a estrela da Itália O Italiano Roberto Baggio foi o destaque internacional da Copa de 1994. não era um jogador conhecido antes da Copa. O doping de Maradona Maradona voltou à seleção argentina como salvador. porém. indo para a decisão por pênaltis. os italianos passaram pelos espanhóis também por 2 a 1 e Baggio.Na partida de abertura da Copa. marcou o gol que selou a vitória da squadra azzurra. A partida acabou 0 a 0. o craque italiano não criou as belas jogadas pelas quais era tão conhecido e temido. . Os argentinos. ficando apenas na terceira colocação em seu grupo. Na semifinal. Curiosidades . lançamentos e cinco gols. ele não atuou bem. na qual sua seleção ficou em terceiro lugar no grupo. Contra a Austrália. que atuava. disputada entre Alemanha e Bolívia. desacostumados com as regras do futebol. que em 93 havia sido considerado o melhor da Europa. Ele. Uma prova disso é que ele só foi titular de seu país a partir da segunda partida do campeonato. tendo eliminado a Alemanha. pois este chutou a quinta cobrança por cima. Baggio. sua seleção não foi nada bem na Copa do Mundo. "Estou morto. um pequeno clube espanhol. Nessa fase. haviam eliminado a Alemanha. onde o vencedor seria o primeiro tetracampeão mundial. no qual cada vitória valia dois pontos. Defendendo a Juventus na época. Essa foi a pior parte para Baggio. Na época. na repescagem. os adversários foram os fortes búlgaros que. Porém na primeira fase. colocando-se como vítima de um complô. perderam o jogo seguinte para a Bulgária por 2 a 0. correu uma versão de que Maradona havia feito um pacto com os dirigentes da Fifa: seu nome ficaria fora de qualquer exame. Na decisão. Jogando machucado e sob forte marcação. país que defendia o título. Caso valesse o antigo critério.das oitavas. A seleção búlgara ficou na quarta colocação. foi o grande responsável por levar a Itália à final. que defendia o título. Baggio não brilhou como o esperado. passaram para as oitavas. com seus dribles curtos. mas já se sabia que corria o risco de ser pego no exame antidoping. Salenko só conseguiu chegar à artilharia pela brilhante atuação que teve na partida contra Camarões. comandados por Stoichkov. Muitos lembram de Baggio como o homem que deu a vitória aos brasileiros. de virada. com mais dois gols de Baggio. ainda na primeira fase. Salenko marcou cinco. a Argentina tinha a última chance de disputar a Copa nos Estados Unidos – e recorreu ao veterano ídolo. mas foram eliminados pela Romênia por 3 a 2. o meia-atacante. chegou à Copa como a grande esperança para o tetra italiano. reagiu Maradona ao resultado do exame. dando o título ao Brasil. já sem Maradona. o italianos venceram por 2 a 1. nem se classificando para as oitavas-de-final. em 94. Dom Diego comandou o time e garantiu sua presença em mais um Mundial. nas quartas-de-final da Copa. ele fez três.

5 gols: K. Dahlin (Suécia) e Raduciou (Romênia). Porém. • OITAVAS-DE-FINAL Alemanha 3 x 2 Bélgica Espanha 3 x 0 Suíça Suécia 3 x 1 Arábia Saudita Romênia 3 x 2 Argentina Holanda 2 x 0 Irlanda Brasil 1 x 0 Estados Unidos Itália 2 x 1 Nigéria Bulgária 1 x 1 México* *Nos pênaltis. A demissão foi aceita. Andersson (Suécia). o goleiro reserva assumiu a posição e a Coréia do Sul melhorou. foi o primeiro confronto na história da Copa do Mundo que aconteceu em um estádio totalmente coberto.O jogo disputado entre Estados Unidos e Suíça. numa partida válida pelas quartas-de-final. em Detroit. 4 gols: Batistuta (Argentina).O goleiro da Coréia do Sul. Bulgária 3 x 1 México • QUARTAS-DE-FINAL Itália 2 x 1 Espanha Brasil 3 x 2 Holanda Alemanha 1 x 2 Bulgária Suécia 2 x 2 Romênia* *Nos pênaltis. realizado no Silverdome. Klismann (Alemanha). . Ele admitiu que falhara em dois dos três gols que havia sofrido. Choi In-Young. 6 gols: Salenko (Rússia) e Stoichkov (Bulgária). pediu demissão no intervalo da partida que disputava contra a Alemanha. Suécia 5 x 4 Romênia • SEMIFINAIS Itália 2 x 1 Bulgária Brasil 1 x 0 Suécia Decisão do 3º Lugar Bulgária 0 x 4 Suécia • FINAL Brasil 0 x 0 Itália* *Nos pênaltis. no final deu Alemanha: 3 a 2.. Brasil 3 x 2 Itália Pos 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º País Brasil Itália Suécia Bulgária Alemanha Romênia Holanda Espanha Nigéria Pontos 17 14 12 10 10 11 9 8 J 7 7 7 7 5 5 5 5 V 5 4 3 3 3 3 3 2 E 2 2 3 1 1 2 0 2 D 0 1 1 3 1 1 2 1 GP 11 8 15 10 9 10 8 10 GC 3 5 8 11 7 9 6 6 .A mãe do búlgaro Stoichkov sofreu um ataque cardíaco na hora em que ele marcou o gol da vitória contra a Alemanha. Roberto Baggio (Itália) e Romário (Brasil). .

México e Coréia do Sul Grupo F: Alemanha. Praticamente todas as equipes atuaram ofensivamente. a primeira equipe a marcar o "golden gol" (como a Fifa prefere chamar a morte súbita). Hernandez. intensamente alardeada pela mídia logo após o tetra brasileiro nos EUA. nunca uma Copa teve tantos participantes: 32. o triunfo do seu país sobre a maior seleção do mundo. Houve muitas goleadas. veio acompanhada por todo o potencial de organização e marketing dos franceses. mesmo com seus problemas no joelho. Mas estas não foram as novidades. o penta parecia uma questão de detalhes. jamais escondeu o seu grande sonho: realizar a maior Copa que o mundo já viu e assistir. EUA e Irã Grupo G: Inglaterra. Desta vez. Esta frase. uma bomba em Ozoir la Ferriere: Romário. proporcionado pela Internet. a seleção brasileira – único país a garantir sua presença em todas as copas – não precisou passar pelas eliminatórias. exatos sessenta anos atrás. o já tradicional "mata–mata". Dinamarca. A última vez que um time que jamais havia vencido a Copa conseguiu este feito foi em 1978. o melhor jogador da França de todos os tempos e um dos organizadores do evento. Mas. A comissão técnica supos que ele não se recuperaria a tempo. Batistuta. Nigéria. Seria.França . por ter sido o campeão da última edição. vence a partida e evita o desempate por cobrança de pênaltis. Escócia. passou a valer a "morte súbita" a partir das oitavas–de–final. Forma de disputa Em 68 anos. Destes. Grupo A: Brasil. Itália e Alemanha ganharam a companhia dos franceses. na final. mas pouco . Bélgica. Apesar da teimosia e das excentricidades do Velho Lobo. ou mesmo pelo acompanhamento instantâneo. Chile. em qualquer parte do planeta. Croácia. da última vez. Marrocos e Noruega Grupo B: Itália. Vieri. Argentina. apenas os dois melhores por chave passaram à fase final. Foi uma Copa de nível técnico bem superior ao das duas anteriores. Brasil. E alguns artilheiros conseguiram justificar seu prestígio: Suker. a do Brasil. herói da campanha do tetra e uma das esperanças para o título. uma festa inesquecível – para eles. Iugoslávia. Camarões e Áustria Grupo C: França. Bierhoff e Ronaldinho. Colômbia e Tunísia Grupo H: Argentina. Michel Platini. Arábia Saudita e África do Sul Grupo D: Espanha. durante os 30 minutos de prorrogação. quando a Argentina bateu a forte Holanda na final. Vitória justa dos anfitriões que montaram a maior Copa de todos os tempos. Claro que. Salas. Paraguai e Bulgária Grupo E: Holanda. logo às vésperas do torneio. Japão e Jamaica Brasil tropeça na hora do penta "Vocês vão ter que me engolir!" Era assim que a nação brasileira foi obrigada a encarar a seleção de Zagallo na Copa da França. Depois de vinte anos. ou seja. a Copa ainda não podia contar com o moderno sistema de transportes da França. donos da casa e ausentes da mega-festa do futebol desde o terceiro lugar de 1986. o fechado grupo de campeões mundiais conheceu mais um integrante: Uruguai. Não foi a primeira vez que a França recebeu a competição em seu território. Romênia. Pela primeira vez na história das copas. sem dúvida. eles queriam não só fazer a melhor Copa de todos os tempos. foi cortado da equipe por contusão. Um time repleto de estrelas. que ainda contava com a coordenação técnica de Zico. Pela sexta vez em sua história. Confira a formação dos grupos da primeira fase. Oito grupos de quatro equipes formaram a primeira fase do torneio. mas também ganhá-la.1998 A última Copa do Século. Inglaterra.

contra a seleção de Marrocos. Frank De Boer. Romário chiou e com justa razão. Nada poderia dar errado. velho trauma do lobo Zagallo. Ronaldinho e Rivaldo deram um show de bola. finalista de uma Copa do Mundo pela sexta vez. Dunga. que só conseguiu chegar ao gol ao final do segundo tempo. Mas o Brasil ainda contava com Ronaldinho. o talento de Rivaldo para fazer 3 a 2 e eliminar os irmãos Laudrup e seus amigos.depois de voltar ao Brasil já estava defendendo o Flamengo. Apesar da derrota. Ronaldinho. que fariam uma verdadeira final antecipada. o mesmo César Sampaio é o responsável pelo empate escocês. herói da seleção na Olimpíada de Seul. Diante da Dinamarca. Festa para Zagallo. Taffarel sepultou de vez as críticas de seus algozes. Festa para o Brasil. já estavam com uma das mãos na taça. mais uma vez. O meia Zenden se aproveitou da fragilidade do lateral Zé Carlos. Por uma ironia do destino. brilhou a estrela de Taffarel. Rivaldo. comprar a camisa da seleção e encomendar a carne para o churrasco do dia 12 de julho. chegamos a virar o jogo e. percebendo o desespero dos brasileiros. e na final da Copa de 94. principalmente pela Holanda. se queima com o treinador. defendeu mais uma. . Não fosse. Deu tudo errado. e foi um dos destaques da partida. ao derrubar o adversário dentro da área. Júnior Baiano. Bebeto (Denílson) e Ronaldinho. Aldair e Roberto Carlos. que poderia ser o único pentacampeão mundial da história. converteram suas penalidades. que tomou o segundo cartão amarelo. bastava vencer a Holanda. Festa para mais de cento e cinqüenta milhões de pessoas. Eram até ali as duas equipes mais técnicas do Mundial. a seleção permaneceu com o primeiro lugar do grupo. aos 41 minutos. Técnico: Zagallo. o mesmo resultado obtido em 1950. e Collins aos 37 minutos do primeiro tempo. Mas a equipe não conseguiu ampliar a vantagem e. Ganhamos fácil. A seleção não poderia contar com Cafu. e para ganhar a vaga na grande final. Cafu desempata o jogo e Giovanni. que extasiados diante da eliminação holandesa. o empate e o fantasma dos pênaltis. é claro. em 88. que logo aos primeiros segundos da etapa final fez o seu gol. A tensão diante da possibilidade de um erro se misturava aos contra-ataques rápidos de Ronaldinho. César Sampaio faz 1 a 0. só a vitória interessava. Veio a temida prorrogação com morte súbita. Tarefa difícil. Boyd (contra) aos 25 do segundo. a história foi outra: começamos perdendo. no chute de Ronald De Boer. terceiro adversário na primeira fase. O Brasil já estava entre os quatro melhores do mundo. Gols: César Sampaio. vinha de uma vitória diante da sempre forte Argentina e contava com Kluivert. Bergkamp. Dunga fez o quarto gol do Brasil e. Cafu. aos 4. enfeitar os postes e os parapeitos das janelas de verde e amarelo. O resultado foi o gol de empate. após cobrança de escanteio. e mais uma vez. numa cabeçada de Kluivert. para alívio dos brasileiros. E a seleção começa bem. O resto. a Holanda começou a reagir. o iluminado César Sampaio coloca a bola nas redes. Os holandeses não quiseram arriscar. nesta ordem. Daquele jogo em diante. os irmãos De Boer e Davids. • Primeira fase Brasil 2 x 1 Escócia Brasil: Taffarel. e a decisão acabou indo para a loteria dos pênaltis. Coisa que não aconteceu diante da Noruega. que substituía Cafu. Quando chegou a vez de Cocu bater. lembrando os tempos de Cruzeiro. A equipe partiu para cima do Chile como se quisesse esquecer de vez a derrota para a Noruega. Festa para os jogadores. Vitória dos grandalhões da Escandinávia. Na segunda partida. graças a uma forte marcação imposta por ambos os times. O primeiro tempo da partida terminou sem gols. Giovanni (Leonardo) e Rivaldo. Brasil e Escócia fazem o jogo de abertura da competição. que terminaram de pintar as ruas. Logo aos quatro minutos. 10 de junho. Bergkamp e Émerson. que começa como titular. Mas a moleza ficou por aí. e a Laranja Mecânica. César Sampaio. graças a um pênalti duvidoso e a má atuação da equipe. e o Brasil terminou a competição com o vicecampeonato. você já sabe.

Havard Flo (Solskjaer). Cafu. França: Fabien Barthez. Bebeto. Aldair. Dunga.Brasil 3 x 0 Marrocos Brasil: Taffarel. aos 15 do segundo tempo. Didier Deschamps. Sierra (Vega) e Aros. Thomas Helveg (Schjonberg) e Allan Nielsen (Tofting). • Oitavas–de–final Brasil 4 x 1 Chile Brasil: Taffarel. Junior Baiano. Aldair. . Edgar Davids e Boudewijn Zenden (Van Hooijdonk). Roberto Carlos e César Sampaio (Doriva). Gols: Jorgensen. Junior Baiano e Roberto Carlos. Junior Baiano e Roberto Carlos. Técnico: Zagallo. aos 32 do segundo tempo. Cesar Sampaio. Christian Karembeu (Boghossian). Técnico: Zagallo. Strand (Mykland). Ronaldo. Denílson. Dunga. Leonardo. • Quartas–de–final Brasil 3 x 2 Dinamarca Brasil: Taffarel. Tore Andre Flo. Emerson e Dunga. aos 37. Jan Heintze e Soren Colding. Técnico: Zagallo. Jes Hogh. Holanda: Edwin van der Sar. Acuña (Musrri). Frank de Boer e Phillip Cocu. Bebeto. Fuentes e Reyes. Michael Reiziger (Winter). Dunga. Cafu. Zinedine Zidane. Franck Leboeuf e Bixente Lizarazu. Dennis Bergkamp e Patrick Kluivert. aos 5 do segundo tempo. Árbitro: Said Belqola (Marrocos) Brasil: Taffarel. Bebeto e Ronaldo. Brian Laudrup. de pênalti. Leonardo. Eggen. Tore Andre Flo. Brian Laudrup e Peter Moller (Sand). aos 11 e aos 27 minutos do primeiro tempo. Goncalves. Leonardo (Émerson) e Rivaldo. Martin Jorgensen. aos três do segundo. Johnsen. Cafu. Miguel Ramírez (Estay). Berg. Saint–Dennis. Aldair (Gonçalves). Júnior Baiano. Aldair. Cesar Sampaio. Jaap Stam. Leonardo (Émerson) e Rivaldo (Zé Roberto). Bjornebye. Lilian Thuram. Gols: Bebeto. Técnico: Nelson Acosta. aos 25 do primeiro tempo. Ronaldo e Bebeto (Denilson). Zé Carlos. Técnico: Zagallo. Leonhardsen. Frank de Boer e Bergkamp. Margas. Stephane Guivarc'h (Dugarry). Dunga. Roberto Carlos. Nos pênaltis: Ronaldinho. Junior Baiano e Roberto Carlos. Marcel Desailly. Brasil 1 x 2 Noruega Brasil: Taffarel. Marc Rieper. Rekdal. Dunga. Rivaldo e Leonardo (Denílson). e Rivaldo. Salas aos 23 do segundo. Técnico: Guus Hiddink. Gols: César Sampaio. Dinamarca: Peter Schmeichel. Salas e Zamorano. • Final França 3 x 0 Brasil Data: 12/07/98 Local: Stade de France. Wim Jonk (Seedorf). Ronaldo e Bebeto (Edmundo). Cornejo. Leonardo. Riseth. • Semifinal Brasil 1 (4) x 1 (2) Holanda Brasil: Taffarel. Rivaldo. e Ronaldinho aos 47 do primeiro e 25 do segundo. Noruega: Grodas. Gols: Ronaldinho aos 40 segundos e Kluivert aos 42 minutos do segundo tempo. Ronald de Boer. Cafu. Michael Laudrup. Ronaldo e Bebeto (Denílson). Ronaldo e Bebeto (Denílson). Gols: Ronaldo aos nove e Rivaldo aos 47 minutos do primeiro tempo e Bebeto. Rivaldo (Denílson). aos 9 minutos do primeiro tempo e Rivaldo. Junior Baiano. no primeiro minuto de jogo. César Sampaio (Edmundo). e Rekdal. aos 43. Aldair e Roberto Carlos. Cafu. Técnico: Aimé Jacquet. Chile: Tapia. Cesar Sampaio. Emmanuel Petit e Youri Djorkaeff (Vieira). Rivaldo. Dunga e Rivaldo.

Milhares de pessoas tomaram a Place de La Concorde e a Avenida Champs Elysées. aos 27 minutos. Cartões amarelos: Deschamps. a superioridade francesa em campo chegou ao ápice. Goleiros: Taffarel (Atlético–MG). Inexplicavelmente. Mas já era tarde demais. Denílson (São Paulo). Para o segundo tempo.Gols: Zidane aos 27 e aos 47 minutos do primeiro tempo e Petit aos 47 do segundo. a seleção brasileira estava apática. garantindo a classificação para a fase seguinte graças ao erro de Di Biaggio. na morte súbita. Gonçalves (Botafogo). Dunga (Jubilo Iwata). Os donos da casa venceram facilmente as suas três primeiras partidas. data em que os franceses comemoram também a queda da Bastilha. Zagueiros: Aldair (Roma). O time até melhorou um pouco. de Ronaldinho e Cia. o Brasil não havia conseguido chegar nenhuma vez. Outros eram feridos em meio aos diversos tumultos registrados ao longo da madrugada. Para nós. apagando também a presença de Ronaldinho. trocando César Sampaio por Edmundo. Bebeto (Botafogo) e Edmundo (Fiorentina). O resultado desfavorável não conseguiu acordar o time brasileiro. nos descontos. marcado por Petit. Doriva (Porto) e Leonardo (Milan). Roberto Carlos (Real Madrid) e Zé Roberto (Flamengo). Arce e Gamarra. ainda assistiu ao terceiro gol da França. selou o que já era inevitável: a França entraria para o seleto clube dos campeões mundiais de futebol. Leonardo e Rivaldo não conseguiam lançar para o ataque. o técnico Zagallo não fez nada de ousado. irreconhecível. Júnior Baiano (Flamengo). Giovanni (Barcelona). de cabeça. Atacantes: Ronaldinho (Inter de Milão). após uma cobrança de escanteio. Seria. . aos 23 minutos. Até que. anulando o nosso ataque – até os 20 minutos. Nem mesmo a expulsão de Desailly. novamente de cabeça. o "ladrão" Dunga e todo o meio–campo eram "roubados" facilmente pelos adversários. foi suficiente para o time brasileiro reagir. Zidane. Pelo contrário. a França ainda criou novas oportunidades de ampliar. Dida (Cruzeiro) Laterais: Cafu (Roma). erravam muitos passes e sequer chegaram perto da boa atuação nos jogos anteriores. mas não conseguiu reverter o placar desfavorável. Chilavert. Depois de passar pela surpreendente Croácia nas semifinais. Nas quartas–de–final. comemorando o título até o dia 14 de julho. o Paraguai. e Bebeto. Os laterais Cafu e Roberto Carlos também pouco fizeram. André Cruz (Milan). Técnico: Mário Jorge Lobo Zagallo. Torcedores eram detidos embriagados e depredando lojas. O implacável Zidane aproveitou. Karenbeu. sempre pressionando muito e partindo para o ataque desde os momentos iniciais. O país estava ensandecido. Os franceses aplicaram uma forte marcação. Meio–de-campo: César Sampaio (Yokohama Flugels). Já nos descontos. Emerson (Bayer Leverkussen). Ao mesmo tempo. Desailly. CAMPEÃO França com garra e vontade de campeã A França começou a se credenciar ao título desde a primeira fase. em nova cobrança de escanteio. seria a festa do penta. chegou a vez de enfrentar o Brasil. O Brasil. sem condições de reagir. de Paulo César Carpegiani. Zé Carlos (São Paulo). mantendo o tabu italiano de jamais ter vencido uma disputa por pênaltis em mundiais. Mas tiveram que suar muito a camisa para eliminar. visivelmente sem condições físicas. Carlos Germano (Vasco da Gama). conseguiram segurar a Itália até o fim. trocando apenas Leonardo por Denílson. Zagallo só resolveu reforçar o ataque aos 29 minutos. Júnior Baiano Cartão vermelho: Desailly. Tudo foi festa. e fez o primeiro gol da França.

Jes Hogh e Jan Heintze. Bilic. Djorkaeff (Trezeguet). França 4 x 0 Arábia Saudita França: Barthez. Guivarc'h (Dugarry). Boghossian. Thuram. Patrick Vieira. Técnico: Aimé Jacquet Paraguai: Chilavert. Blanc. Robert Pires (Henry). • Oitavas–de–final França 1 x 0 Paraguai Árbitro: Ali Mohamed Bujsaim (Emirados Árabes Unidos) França: Barthez. Diomede (Guivarc’h) e Trezeguet. e Maldini. Blanc. Karambeau (Henry) e Zidane. aos 40 minutos do segundo tempo. Itália: Pagliuca. aos 30 segundos. Arce. Henry. . Técnico: Aimé Jacquet. Cartões Vermelhos: Al Khilaiwi. Técnico: Aimé Jacquet Gols: Thiery Henry. Marc Rieper. Blanc.• Primeira fase França 3 x 0 África do Sul França: Barthez. Di Biagio e Pessotto (Di Livio). Jorge Campos (Yegros) e Cardozo (Rojas). Petit. Técnico: Cesare Maldini. Técnico: Bo Johansson. Zidane. aos 33 e Henry. Lizarazu. Petit (Boghossian). aos dois e aos 25. Guivarc'h (Trezeguet). Soldo e Simoc. Técnico: Paulo César Carpegiani Gol: Blanc (9 minutos do 2º tempo da prorrogação) • Quartas–de–final França 0 (4) x 0 (3) Itália Local: Stade de France. Croácia: Ladic. Saint-Denis França: Barthez. Djorkaeff e Henry (Pires). Desailly. Thuram. Marcel Desailly e Vincent Candela. Zidane França 2 x 1 Dinamarca França: Fabien Barthez. Bergomi. Benítez e Paredes (Caniza). Stimac. Allan Nielsen. Jacob Laursen (Colding). Vlaovic e Suker. Blanc. Cannavaro. Henry. Costacurta. Trezeguet. Henry (Pires) e Dugarry (Trezeguet). Zidane e Djorkaeff. aos 32 e Lizarazu. Costacurta e Vieri (Itália). Lizarazu. Christian Karembeu. Frank Leboeuf. aos 35 do primeiro tempo. Diomede (Djorkaeff). Dinamarca: Peter Schmeichel. Petit. Gamarra. Thuram. Stanic e Simic (Croácia) Cartão Vermelho: Blanc (França). todos no segundo tempo. Gols: Suker. Jarni. Desailly. Henry e Blanc (FRança). Cartões Amarelos: Asanovic. Roberto Baggio. Trezeguet. Técnico: Aime Jacquet. Deschamps. Deschamps. Thuram. Zidane. Issa. Moriero. Thomas Helveg. Gols: Nos pênaltis – Zidane. Acuña. Deschamps. Enciso. David Trezeguet (Guivarc'h). Desailly. Técnico: Miroslav Blazevic. aos 22. Michael Laudrup e Michael Schjonberg. Boban (Maric) e Asanovic. Martin Jorgensen (Sand) e Brian Laudrup (Tofting). Yuri Djorkaeff e Bernard Diomede. Desailly e Lizarazu. aos 36 minutos do primeiro tempo. Dino Baggio (Albertini). Stanic (Prosinec). Técnico: Aimé Jacquet. Thuram. Petit (Boghossian). Karembeu (Henry). Desailly e Lizarazu. Deschamps. Petit aos 12 do segundo. Del Piero (Roberto Baggio) e Vieri. Emmanuel Petit (Boghossian). • Semifinais França 2 x 1 Croácia França: Barthez. Deschamps. Gols: Djorkaeff aos 12 e Micheal Laudrup aos 42 minutos do primeiro tempo. Ayala e Sarabia. Blanc e Lizarazu. Thuram. Gols: Dugarry. aos 46 do segundo tempo. Djorkaeff (Leboeuf) e Guivarc’h (Trezeguet). contra.

David Trezeguet e Youri Djorkaeff Técnico: Aimé Jacquet DESTAQUES Davor Suker. Durante a Copa da França. . com seis gols. em 1992. Zinedine Zidane e Marcel Desailly. Na seleção francesa. Suker nasceu em 1º de janeiro de 1968 na cidade croata de Osijek. onde foi o artilheiro da equipe na temporada 96/97. o melhor do mundo em 98 Zinedine Zidane nasceu em 23 de junho de 1972. Cafu. onde fez três gols diante da Dinamarca. Bernard Lama e Lionel Charbonnier Zagueiros e laterais: Bixente Lizarazu. Christian Karembeu. Karenbeu. bem como boa parte da geração croata da Copa de 98. Atualmente. foi eleito o melhor jogador do mundo em 1998. No clube italiano. na Juventus. foram esses os gols do título mundial francês. Lilian Thuram. onde joga até hoje. indo parar na reserva do time espanhol no início de 1999. Cartões amarelos: Deschamps. mas foram eliminados pela mesma Alemanha que perdeu nas quartas– de–final. Aldair e Roberto Carlos. campeão da liga espanhola na mesma temporada e da Copa dos Campeões da Europa em 1998. foi expulso na primeira fase. Christian Karembeu (Boghossian). Patrick Vieira. considerado o melhor jogador da equipe. Laurent Blanc. Dunga. Robert Pires. foi fundamental na campanha da equipe na Eurocopa de 1996. Liliam Thuram. passando pelo Bordeaux. Vicent Candeia e Liliam Thuram Meio-de-campo: Alain Bofhossian. Sua história na seleção croata começou nas Eurocopa 96. Didier Deschamps. pela Fifa. em 1996. Árbitro: Said Belqola (Marrocos) Brasil: Taffarel. e finalista da Copa dos Campeões em 1998. Técnico: Zagallo. Stéphane Guivarc'n. Gols: Zidane aos 27 e aos 47 minutos do primeiro tempo e Petit aos 47 do segundo.• Final França 3 x 0 Brasil Data: 12/07/98 Local: Stade de France. Emmanuel Petit. o artilheiro da Copa Nada mau para uma estréia. foi o artilheiro isolado do Mundial. chegou a atuar na seleção sub-21 da Iugoslávia no Mundial do Chile em 1987. E mais: Davor Suker. César Sampaio (Edmundo). Júnior Baiano. Artilheiro da equipe nas eliminatórias do Mundial. Passou pelo Dinamo Zagreb e pelo Sevilha. Mesmo assim. Rivaldo e Leonardo (Denílson). teve uma atuação bastante discreta e fez apenas dois gols. Zidane tornou-se o armador. Stephane Guivarc'h (Dugarry). Foi eleito o segundo melhor jogador da Copa e o terceiro melhor do mundo. Zinedine Zidane. Técnico: Aimé Jacquet. Quase caiu no ostracismo. onde começou sua carreira como profissional em 1987. Zidane. Bebeto e Ronaldo. na cidade de Marsiglia. Saint–Dennis. em 1996. Os campeões Goleiros: Fabien Barthez. joga no Chelsea. até ingressar no Real Madrid. em 1988. Marcel Desailly. Inglaterra. França: Fabien Barthez. Começou sua carreira no Cannes. Atacantes: Thierry Henry. A Croácia surpreendeu a todos e terminou a Copa do Mundo na terceira colocação da Copa da França. Franck Leboeuf e Bixente Lizarazu. em 98. Para nosso azar. Júnior Baiano Cartão vermelho: Desailly. e finalmente. ajudou a sua equipe a ser campeã italiana nas temporadas de 96/97 e 97/98. Graças ao seu bom desempenho. o atacante. Didier Deschamps. Christophe Dugarry. Emmanuel Petit e Youri Djorkaeff (Vieira). ainda Iugoslávia. França. mas nunca se atreveu a fazer muitos gols. Bernard Diomede. onde perdeu a semifinal para a República Tcheca. Desailly.

No fatídico dia 12 de julho. Ronaldinho. A "Fúria". e já mostrou que é capaz de retomar sua velha fase na última Copa América. suou muito. O atacante da Internazionale de Milão tinha tudo para se transformar na maior esperança de gols da Seleção Brasileira.Ronaldo. Mal disputou a temporada 98/99 do Campeonato Italiano. numa homenagem feita pouco antes da partida entre Espanha e Nigéria. O ex-jogador francês e também presidente do Comitê Organizador. Ronaldo está adquirindo sua forma física. se debateu na cama. na decisão da Copa. sentiu falta de ar. Hooligans alemães e ingleses barbarizaram a França. 35 fanáticos torcedores ingleses foram presos em Lille e Lens. que entrou em campo.. 2 – Festa dentro de campo. PSV Eindhoven e do Barcelona. dirigente francês e co-presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo. com a ajuda do goleio Zubizarreta. em Nantes. o resultado mais expressivo da competição. Artilheiro no Cruzeiro de Belo Horizonte. estava bem. os torcedores agrediram um cinegrafista da rede Globo e um policial francês. envolvido com seus problemas no joelho. divulgada pela organização da Copa. Dentro do Estádio Gerland. O craque estava estressado. em julho de 99. no Paraguai. Seus exames não indicaram problemas. do técnico Javier Clemente. teve um desempenho pífio. um mistério Ele tinha tudo para brilhar no Mundial. morreu vítima de um câncer no pulmão. as seleções dos dois países protagonizaram . Ronaldinho teve tonturas. Às vésperas da partida envolvendo Inglaterra e Colômbia. ficou muito assustado e chamou o médico Lídio Toledo na concentração em Lésigny. Sastre trabalhou como presidente do Comitê Organizador da candidatura da França para a sede da competição. o rendimento do atacante jamais foi o mesmo. houve outras versões para o estranho problema que envolveu o jogador às vésperas da final. também pareciam estar longe da decisão. a decepção ficava por conta da Espanha. foi reserva na Copa do Mundo de 94. 4 – Os conflitos políticos entre iranianos e norte-americanos passaram longe da Copa. após o almoço. a pressão tornou-se insuportável. Segundo um depoimento de um policial local. a escalação começou a ser recolhida porque havia um erro. ânsia de vômito. Perdeu para a Nigéria por 3 a 2. por causa das brigas. Eleito pela Fifa o melhor jogador do mundo em 1996 e 1997. chorou muito na tribuna de honra do estádio La Beaujoire. preocupados com a saúde do jogador. Os demais jogadores. Claro. a alcunha de Fenômeno na Itália. Mesmo após esse fim trágico. que acabara de voltar do hospital instantes antes do início da partida. Até hoje. também na primeira fase. Mas quando foi preciso. e o melhor do mundo estava na reserva. Os alemães foram mais duros: após o empate com a Iugoslávia em 2 a 2. de quebra. nada mais podia fazer para evitar o vexame. Curiosidades 1 – Enquanto a Croácia sagrou-se a surpresa do Mundial. o Fenômeno. Aos poucos. na Olimpíada de Atlanta. Minutos depois. Durante nove anos. ficou no 0 a 0 com o Paraguai e. e ganhou a posição de titular desde o início da nova era Zagallo. convulsões. ficando apenas com a terceira posição em seu grupo. que permaneceu em coma durante um bom tempo. Ronaldo Luis Nazário de Lima recebeu. Michel Platini.. Ronaldinho foi eleito o melhor jogador da Copa. eles estavam sóbrios e usavam sistemas móveis de comunicação para dispersar e reagrupar rapidamente. Mas daquele dia em diante. Mas há outra versão: a convulsão teria sido causada por medicamentos receitados para se curar de uma lesão. Fez quatro gols em seis partidas. muitos mistérios estão envolvidos na pergunta que calou Brasil naquela dia: o que houve com Ronaldinho? Na primeira escalação. guerra do lado de fora. Mas jogou como se não estivesse. com 17 anos. diante da vitória paraguaia sobre a já classificada Nigéria por 3 a 1. que estava no mesmo quarto. O lateral Roberto Carlos. ainda na primeira fase. 3 – Outro acontecimento provocou tristeza no mundo do futebol: Fernand Sastre. em Lyon. de acordo com os funcionários do centro de imprensa. mesmo goleando a Bulgária por 6 a 1. Edmundo seria o titular. e Zagallo escalou o jogador.

jogando bola na rua. Rivaldo (Brasil). "Ao vencer os Estados Unidos. mas destacaram o clima amistoso entre os jogadores das duas seleções. dizia um jornal iraniano. o Irã conseguiu por meio do esporte o que não conseguiu com a política". • Primeira fase Grupo A 10/6/98 – Brasil 2 x 1 Escócia – Saint-Denis 10/6/98 – Marrocos 2 x 2 Noruega – Montpellier 16/6/98 – Escócia 1 x 1 Noruega – Paris 16/6/98 – Brasil 3 x 0 Marrocos – Paris 23/6/98 – Marrocos 3 x 0 Escócia – Saint–Etienne 23/6/98 – Noruega 2 x 1 Brasil – Marselha Brasil e Noruega classificados Batistuta (5 gols) comemora com Simeone • Oitavas–de–final 27/6/98 – Itália 1 x 0 Noruega – Lens 27/6/98 – Brasil 4 x 1 Chile – Paris 28/6/98 – França 1 x 0 Paraguai – Lens** 28/6/98 – Dinamarca 4 x 1 Nigéria – Saint-Denis 29/6/98 – Alemanha 2 x 1 México – Montpellier 29/6/98 – Holanda 2 x 1 Iugoslávia – Toulouse 30/6/98 – Croácia 1 x 0 Romênia – Bordeaux 30/6/98 – Argentina 2 (4) x 2 (3) Inglaterra – Saint–Etienne* * Classificação decidida por pênaltis ** Classificação decidida na "morte súbita" • Quartas–de–final 3/7/98 – França 0 (4) x 0 (3) Itália – Saint-Denis* 3/7/98 – Brasil 3 x 2 Dinamarca – Nantes 4/7/98 – Holanda 2 x 1 Argentina – Marselha 4/7/98 – Croácia 3 x 0 Alemanha – Lyon * Classificação decidida por pênaltis . Ronaldinho (Brasil). companhia aérea oficial da competição. cantando o nome do outro país. mas suficiente para eliminar os EUA. para alívio dos torcedores. Henry (França). Felizmente. Salas (Chile).uma das cenas mais bonitas da competição: as duas equipes se saudaram e trocaram flores entre si. a única vitória do país em copas. Já os americanos lamentaram a derrota. Bergkamp (Holanda). NÚMEROS Artilheiros 6 gols: Suker (Croácia) 5 gols: Batistuta (Argentina). o grupo de pilotos aceitou a proposta da empresa no dia 10 de julho – data da abertura do Mundial. deixando os principais aeroportos franceses repletos de problemas. Bierhoff (Alemanha). Klinsmann (Alemanha). César Sampaio (Brasil). era possível ver torcedores dos dois países abraçados. iniciaram uma greve. O resultado final foi 2 a 1 para o Irã. Acervo/Gazeta Press 4 gols: Hernandez (México). 5 – Faltavam poucos dias para o início da Copa quando os pilotos da companhia aérea Air France. Mas voltaram atrás após receberem a proposta de redução salarial em troca de ações e outras concessões. 3 gols: Bebeto (Brasil). Fora de campo. Os pilotos declararam greve por causa de um plano da companhia em reduzir os salários em troca de ações da empresa no mercado financeiro. Isso sobrecarregou as estradas e a rede ferroviária. Vieri (Itália). pensando apenas em futebol. pois os passageiros estavam com dificuldades para conseguir passagens em outras empresas.

6. 3. 4. País Brasil Alemanha Itália Argentina Inglaterra França Pontos 173 152 130 97 73 69 J 80 78 66 57 45 41 V 53 45 38 29 20 21 E D 14 13 17 16 16 12 10 18 13 12 6 14 GP 173 162 105 100 62 86 GC 78 103 62 69 42 58 Ano 1930 1934 1938 1950 1954 1958 1962 1966 1970 1974 1978 1982 Jogador Guillermo Stábile Oldrich Nejedly Leônidas Ademir Sandor Kocsis Just Fontaine Garrincha Vavá Valentin Ivanov Leonel Sanchez Florian Albert Drazan Jerkovic Eusebio Gerd Müller Grzegorz Lato Mario Kempes Paolo Rossi País Argentina Tchecoeslováquia Brasil Brasil Hungria França Brasil Brasil URSS Chile Hungria Iuguslávia Portugal Alemanha Polônia Argentina Itália Gols 8 5 8 9 11 13 4 4 4 4 4 4 9 10 7 6 6 . 2. 5.• Semifinais 7/7/98 – Brasil 1 (4) x 1 (2) Holanda – Marselha* 8/7/98 – França 2 x 1 Croácia – Saint-Denis * Classificação decidida por pênaltis • Decisão do 3º lugar 11/07/98 – Croácia 2 x 1 Holanda – Paris • Final 12/07/98 – França 3 x 0 Brasil – Saint-Denis Classificação final Pos País 1º França 2º Brasil 3º Croácia 4º Holanda Pontos 19 13 15 12 J 7 7 7 7 V 6 4 5 3 E 1 1 0 3 D 0 2 2 1 GP 15 14 11 13 GC 2 10 5 7 Pos 1.

58 70. 38 9 8 7 6 . 86 70. 86 90. 82. 58 58. 90 50 86. 66. 70 78. 86. 90 54. 78 78. 62. 74 58 58. 94 82.Maiores artilheiros em copas Nesta tabela são computados gols marcados em mais de uma copa. 38 66. 66. 62 74. 82. 62. 82 86. 94. 98 94. 98 34. 74 94. 54 82. 70 66 58. 90 58. 82 78.1986 1990 1994 1998 Gary Lineker Salvatore Schillaci Hristo Stoitchkov Oleg Salenko Davor Suker Inglaterra Itália Bulgária Rússia Croácia 6 6 6 6 6 . 98 54. 98 30 50. 86. 90. Gols 14 13 12 11 10 Jogador Gerd Müller Just Fontaine Pelé Sandor Kocsis Jürgen Klinsmann Helmut Rahn Teofilo Cubillas Grzegorz Lato Gary Lineker Vavá Ademir Leônidas Jairzinho Eusebio Uwe Seeler Paolo Rossi Karl-Heinz Rummenigge Roberto Baggio Gabriel Batistuta Guilermo Stábile Oscar Míguez Diego Maradona Rudi Völler Ademir Careca Hans Schäfer Lajos Tichy Johny Rep Andrzej Szarmach Rivelino Denis Bergkamp Gyula Sarosi País Alemanha França Brasil Hungria Alemanha Alemanha Peru Polônia Inglaterra Brasil Brasil Brasil Brasil Portugal Alemanha Itália Alemanha Itália Argentina Argentina Uruguai Argentina Alemanha Brasil Brasil Alemanha Hungria Holanda Polônia Brasil Holanda Hungria Copas 70. 78. 62 50 34. 70 54 86. 90. 78 74. 94.

Erich Probst Max Morlock Josef Hügl Helmut Haller Roy Rensenbrink Zbigniew Boniek Mario Kempes Salvatore Schillaci Hristo Stoitchkov Oleg Salenko Davor Suker Áustria Alemanha Suíça Alemanha Holanda Polônia Argentina Itália Bulgária Rússia Croácia 54 54 54 66 74. 82 90 94 94 98 . 78 78. 82 78.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful