Você está na página 1de 10

Observando crianças em situação de rua: desenvolvimento e estudo de

atividades cotidianas.

Fernanda Chaul Bitencourt


Marina Ribeiro Leite
Priscila Martins
Thallis H. S. Feu
Sara Carolina S. Fiuza
Sarah Barreto Pinheiro dos Santos

Resumo:
Esse estudo tem por objetivo descrever e apresentar resultados de uma pesquisa metodológica
de observação de crianças em situação de rua no seu ambiente natural. As crianças serão
observadas na área central de Brasília/DF – Brasil em diversas atividades cotidianas, tanto
solitárias como em grupo.
A discussão ressalta a importância da realização de estudos observacionais exploratórios e
descritivos para analisar o processo de desenvolvimento humano em situações de risco. A
aplicabilidade deste método é discutida como conhecimento produzido pela Psicologia do
Desenvolvimento.

Os estudos em Psicologia sobre desenvolvimento de crianças em situações de risco têm sido


cada vez mais freqüentes. Pesquisadores da área estão realizando estudos sobre situações de
risco vividas por essas crianças, bem como sugerindo processos de prevenção e intervenção nos
aspectos evolutivos das mesmas. (Alves, 2002)
As crianças em situações de rua vivem em um panorama de miséria total, falta de higiene e
cuidados pessoais, em visível situação de subsistência e abandono. São então, obrigadas a
utilizar-se desse espaço para seu sustento. Estão agindo no ambiente da rua para executar as
mais diversas atividades, como: engraxar sapatos, vender canetas, balas, bilhetes lotéricos,
cuidar de carros ou até mesmo pedindo dinheiro ou comida em sinais e faixas de trânsito. Na
maioria das vezes, não é possível identificar um adulto cuidador nas proximidades onde atuam,
reforçando a aparência de abandono demonstrada pelas crianças dentro da situação vivida
(Alves, 1998; Forster, Barros, Tannhauser & Tannhauser, 1992). Esta definição apenas
caracteriza os aspectos relacionados ao contexto da rua, mas não oferece outras especificidades
sobre estas crianças.
Essas crianças estão identificadas como em situações de risco social e pessoal: social, pela falta
de práticas educativas que promovem a socialização, de condições básicas de saúde, moradia,
carência de apego seguro e desemprego. E pessoais pela exposição aos riscos que se evidenciam
na rua, como abusos, exploração e violência das mais variadas formas. (Alves, 1999)

É importante citar também, que em decorrência da ausência de um cuidador, a criança deve


passar a tomar responsabilidades pelos seus atos, o que faz com que ela se desenvolva criando
uma sabedoria própria, uma noção conveniente de certo e errado e uma construção adequada ao
ambiente de suas atitudes e pensamentos, sempre voltados para sua sobrevivência.
O espaço da rua é dinâmico, ativo, de múltiplas facetas e possibilidades. É através da
observação atenta para esse ambiente movimentado e de diversidades constantes que o estudo
de aspectos evolutivos das crianças que nele se desenvolvem pode ser realizado. Os estudos
observacionais fundamentam a possibilidade de descrição e compreensão do funcionamento
deste espaço, além da identificação de comportamentos que podem ser categorizados, revelando
detalhes da interação pessoa-ambiente (Alves, 1999).

Método

Participantes

A escolha da criança focalizada:


Quando havia um grupo grande de crianças no local, optava-se por um sorteio, para evitar
preferências e manter aleatoriedade na escolha da criança observada.
O sorteio consiste em um dos observadores numerarem mentalmente as crianças presentes, e o
segundo observador eleger um número, que corresponde à criança escolhida. Esse
procedimento foi definido pelo grupo por ser uma forma de escolha rápida e para evitar
qualquer forma de inferência na seleção do sujeito observado devido a características como,
higiene, bom ou mau humor, extroversão, atividade constante, criatividade, entre outras.
Visando o aprimoramento dos dados coletados no trabalho e levando em consideração o número
de observadores do grupo, foi definido o número de seis crianças como ideal para realização dos
registros, sendo que cada dupla observou duas crianças.

Instrumentos

Visando a discrição por parte dos observadores durante a observação e levando em conta a
dinamicidade do espaço da rua, foi descartado o uso de qualquer instrumento eletrônico, como
câmeras filmadoras, câmeras fotográficas ou gravadores de voz. Os instrumentos utilizados para
registro das observações foram apenas lápis e papel, com a intenção de tornar a aplicação do
registro reservada apenas aos observadores.

Procedimentos

1. Distância a ser mantida da criança durante a observação


Com a finalidade de estabelecer uma distância-padrão que torne a coleta de dados
viável no que se refere à visibilidade, ausência de inferência por parte dos observadores,
movimentação do sujeito observado e desconforto e/ou mudança de atitude do sujeito
observado frente à presença dos observadores, foi definida como mais apropriada à
distância média de dez a trinta metros.

2. Tempo de observação
Procurou-se estipular um tempo de observação que respeitasse tanto a manifestação de
comportamentos emitidos pelas crianças quanto à ação contínua dos observadores.
Devido a fatores tais como: inferências por parte dos observadores devido ao cansaço,
comportamentos repetitivos do sujeito observado em períodos longos de tempo (meia
hora ou mais) e comportamentos de pouca representatividade em períodos curtos (de
dez a vinte minutos), foi definido o tempo-padrão de quinze minutos para cada
observação realizada.

3. Tipo de registro
Tendo em vista fatores como discrição e fácil aplicação do registro, foi definido como
registro padrão o registro cursivo contínuo. Levando em conta a dinâmica constante do
ambiente e a riqueza de comportamentos apresentados, o registro cursivo contínuo
mostrou-se mais fiel aos fatos, pois possibilitou o registro dos comportamentos sem
intervalos ou interrupções.

4. Número de observadores por observação


A presença de dois observadores por observação foi o procedimento-padrão adotado
para melhor dinamicidade da pesquisa, pois enquanto um “ditou” o que estava vendo, o
outro somente se preocupou em anotar o que foi falado, tornando assim o procedimento
mais eficaz e objetivo.

5. A escolha de um ponto para coletar os dados


Devido à grande circulação de pessoas e pela grande quantidade de moradores de rua no
local optou-se pelas Rodoviárias do Plano Piloto e de Taguatinga como pontos de
partida para coleta de dados. Esses espaços caracterizam-se pela presença de comércio
local e estacionamento, além de vários sinais de trânsito e faixas de pedestre ao redor,
sendo estes possíveis locais de trabalho para as crianças. As observações foram sempre
iniciadas neste ponto e a partir daí, as crianças foram seguidas em seus diferentes
percursos por quinze minutos.

6. Horário da observação
A presença das crianças no local ocorre em todos os períodos do dia. Visando escolher
um período que respeitasse tanto os compromissos prévios dos observadores quanto o
horário de atividade intensa das crianças observadas, foi definido o horário-padrão das
08h às 12h para localização e observação das crianças em intenso movimento. Após
esse horário, devido à fadiga tanto por parte das crianças como dos observadores,
optou-se por não fazer observações.

Relatório observacional

Observadores: Fernanda Chaul Bitencourt e Marina Ribeiro Leite


Data da observação: 25 de maio de 2009
Início da observação: 08 horas e 35 minutos
Término da observação: 08 horas e 50 minutos
Situação da observação: Atividades livres no terminal rodoviário de um grande centro
urbano.
Sujeito um: Aproximadamente 10 anos, sexo feminino.
Sujeito dois: Aproximadamente 30 anos, sexo feminino.
Sujeito três: Aproximadamente 15 anos, sexo masculino
Sujeito quatro: Aproximadamente 40 anos, sexo masculino.

S1 está andando.

S1 anda em direção a s2.


S1 estende o braço direito com a mão aberta em um ângulo de aproximadamente 90º em
direção ao S2.

S2 coloca a mão esquerda dentro da bolsa.


S2 retira moedas de dentro da bolsa.
S2 estica o braço esquerdo com punho fechado em direção a S1.
S2 abre o punho e lhe dá as moedas.
S1 afasta-se do sujeito do sexo feminino.
S1 anda em direção a S3.
S1 estende a mão em direção ao S3.
S3 segura à mão de S1 e começam a caminhar de mãos dadas.
S1 senta no chão e olha em direção ao S3 balançando a cabeça de cima para baixo.
S1 anda em direção a uma lanchonete.
S1 estende o braço direito com a mão aberta contendo três moedas em direção a S4.
S4 pega as moedas de S1 com a mão esquerda.
S4 estica a mão direita, contendo um pastel, em direção a S1 e entrega-o a S1.
S1 segura o pastel com a mão direita.
S1 anda em direção a S3
S1 estende o braço em direção a S3
S3 pega com a mão direita o pastel de S1
S1 um conversa e gesticula com S3, apontando para diversas direções.
S1 e S3 sentam-se no chão
S1 e S3 permanecem sentados.

Observadores: Sara C. S. Fiuza e Sarah B. P. Santos


Data da observação: 25 de maio de 2009
Início da observação: 08 horas e 35 minutos
Término da observação: 08 horas e 50 minutos
Situação da observação: Atividades livres no terminal rodoviário de um grande centro
urbano.
Técnica de registro utilizada: Registro cursivo contínuo
Data da observação: 25 de maio de 2009
Início da observação: 08 horas e 35 minutos
Término da observação: 08 horas e 50 minutos
Situação da observação: Atividades livres no terminal rodoviário de um grande centro
urbano.
Sujeito um: Aproximadamente 10 anos, sexo masculino.
Sujeito dois: Aproximadamente 40 anos, sexo feminino.
Sujeito três: Aproximadamente 15 anos, sexo feminino.
Sujeito quatro: Aproximadamente 30 anos, sexo feminino.
Sujeito cinco: aproximadamente 50 anos, sexo feminino.
Sujeito seis: aproximadamente 20 anos, sexo masculino.
Técnica de registro utilizada: Registro cursivo contínuo.

Sujeito 1 anda em direção ao sujeito 2, que está parado – 8 h 35 min. até 8 h 35 min. 15 s

Sujeito 2 olha em direção ao sujeito 1 – 8 h 35 min. 15 s

Sujeito 1 ergue o braço esquerdo, em um ângulo de aproximadamente 90º, em direção ao


sujeito 2 – 8 h 35 min. 18 s até 8h 35 min. 30 s

Sujeito 2 coloca o braço direito dentro da bolsa que está carregando 8 h 35 min. 35 s até 8 h
36 min. 05 s

Sujeito 2 tira moedas de dentro da bolsa – 8 h 36 min. 7 s

Sujeito 2 estica o braço direito com o punho fechado em direção ao sujeito 1, e em seguida
abre a mão, deixando cair 3 moedas nas mãos do sujeito 1 – 8 h 36 min. 16 s

Sujeito 1 balança a cabeça de baixo pra cima uma vez – 8 h 36 min. 23 s

Sujeito 1 se afasta do sujeito 2 – 8 h 36 min. 25 s até 8 h 36 min. 32 s

Sujeito 1 anda em direção ao sujeito 3 - 8h 36 min. 32 s até 8h 36 min. 58 s

Sujeito 1 ergue o braço direito em um ângulo de aproximadamente 90º em direção ao


sujeito 3 - 8h 37 min.
Sujeito 3 estica o braço direito em direção ao sujeito 1 - 8h 37 min. 9 s

Sujeito 1 entrega moedas ao sujeito 3 - 8h 37 min. 15 s

Sujeito 3 olha para as moedas - 8h 37 min. 17 s

Sujeito 3 toca nas moedas - 8h 37 min. 19 s até 8h 37 min. 28 s

Sujeito 3 olha em direção ao sujeito 1 - 8h 37 min. 33 s

Sujeito 1 olha em direção ao sujeito 3 – 8h 37 min. 35 s

Sujeito 3 balança a cabeça da esquerda para a direita - 8h 37 min. 42 s

Sujeito 4 está sentado lendo - 8h 37 min. 43 s

Sujeito 1 anda em direção ao sujeito 4 - 8h 37 min. 45 s até 8h 38 min.

Sujeito 1 ergue o braço esquerdo, em um ângulo de aproximadamente 90 º, em direção ao


sujeito 4 - 8h 38 min. 2 s até 8h 38 min. 6 s

Sujeito 4 olha em direção ao sujeito 1 - 8h 38 min. 10 s

Sujeito 4 balança a cabeça da direita para a esquerda - 8h 38 min. 15 s

Sujeito 1 abaixa o braço - 8h 38 min. 18 s

Sujeito 4 continua lendo - 8h 38 min. 20 s

Sujeito 1 olha em direção ao sujeito 3 e balança a cabeça da esquerda para a direita – 8 h 38


min. 21 s até 8h 38 min. 32 s

Sujeito 3 senta-se no chão - 8h 38 min. 35 s

Sujeito 3 abaixa a cabeça - 8h 38 min. 41 s


Sujeito 5 andando - 8h 38 min. 41 s até 8h 38 min. 48 s

Sujeito 5 se aproxima de sujeito 3 - 8h 38 min. 50 s

Sujeito 5 abaixa-se em direção ao sujeito 3 – 8h 39 min. 1 s

Sujeito 3 olha em direção ao sujeito 5 – 8 h 39 min. 5 s

Sujeito 5 entrega uma cédula para sujeito 3 - 8h 39 min 11 s

Sujeito 3 segura a cédula - 8h 39 min. 13 s

Sujeito 5 levanta - 8h 39 min. 16 s

Sujeito 5 se afasta de sujeito 3 - 8h 39 min. 20 s

Sujeito 1 anda em direção ao sujeito 3 - 8h 39 min. 21 s até 8h 39 min. 27 s

Sujeito 3 balança a cabeça de cima para baixo - 8h 39 min. 30 s

Sujeito 1 e sujeito 3 andam em direção a um estabelecimento -8h 39 min. 35 s até 8h 39


min. 48 s

Sujeito 1 senta-se em uma cadeira - 8h 39 min. 52 s

Sujeito 3 anda em direção ao sujeito 6, que está vendendo alimentos - 8h 40 min. até 8h 40
min. 10 s

Sujeito 3 ergue o braço em direção ao sujeito 6 - 8h 40 min. 15 s

Sujeito 3 entrega cédula na mão esquerda do sujeito 6 – 8h 40 min. 22 s

Sujeito 6 pega a cédula da mão do sujeito 3 – 8h 40 min. 26 s

Sujeito 6 abre uma gaveta – 8 h 40 min. 31 s

Sujeito 6 coloca a cédula dentro da gaveta – 8h 40 min. 35 s


Sujeito 6 fecha a gaveta – 8h 40 min. 42 s

Sujeito 6 anda em direção ao local onde estão os alimentos - 8h 40 min. 43 s até 8h 40 min.
46 s

Sujeito 6 pega dois dos alimentos - 8h 40 min. 53 s

Sujeito 6 ergue os braços, com os alimentos em mãos, em direção ao sujeito 3 - 8h 41 min.


2s

Sujeito 3 ergue os braços em direção ao sujeito 6 – 8 h 41 min. 6 s

Sujeito 3 pega os alimentos das mãos do sujeito 6 - 8h 41 min. 11 s

Sujeito 3 anda em direção ao sujeito 1 - 8h 41 min. 13 s até 8h 41 min. 18 s

Sujeito 3 senta ao lado do sujeito 1 - 8h 41 min. 22 s

Sujeito 1 ergue o braço em direção ao sujeito 3 - 8h 41 min. 24 s

Sujeito 1 pega o alimento das mãos do sujeito 3 - 8h 41 min. 31 s

Sujeito 1 e sujeito 3 comem - 8h 41 min. 34 s até 8h 50 min.

Observadores: Sara C. S. Fiuza e Sarah B. P. Santos


Data da observação: 25 de maio de 2009
Início da observação: 09 horas
Término da observação: 09 e 15 minutos
Situação da observação: Atividades livres no terminal rodoviário de um grande centro
urbano.
Sujeito 1: aproximadamente 5 anos, sexo masculino.
Sujeito 2: aproximadamente 20 anos, sexo masculino.
Técnica de registro utilizada: Registro cursivo contínuo

Sujeito 1 deitado no chão com os olhos fechados – 9h até 9h 6 min. 12 s


Sujeito 1 levanta - 9h 6 min. 15 s

Sujeito 1 senta-se no chão - 9h 6 min. 22 s

Sujeito 1 olha ao seu redor - 9h 6 min. 25 s até 9h 6 min. 34 s

Sujeito 1 deita-se no chão com os olhos abertos - 9h 6 min. 37 s até 9h 13 min. 9 s

Sujeito 1 levanta - 9h 13 min. 17 s

Sujeito 1 anda em direção ao sujeito 2 - 9h 13 min. 19 s até 9h 13 min. 32 s

Sujeito 2 ergue os braços em um ângulo de 90 graus e estica-os em direção ao sujeito 1


passando-os em volta de sua cintura - 9h 13 min. 34 s até 9h 13 min. 42 s

Sujeito 2 se afasta de sujeito 1 - 9h 13 min. 44 s

Sujeito 1 leva as duas mãos em direção aos olhos e esfrega-os - 9h 13 min. 46 s até 9h 13
min. 52 s

Sujeito 1 olha em direção ao sujeito 2 - 9h 14 min. 2 s até 9h 14 min. 11 s

Sujeito 1 senta-se no chão - 9h 14 min. 19 s até 9 h 15 min.

Interesses relacionados