Você está na página 1de 39
1 Introdução à Economia Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECN 140 –

1

Introdução à Economia

Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECN 140 – Introdução à Economia Professor Bruno de Paula Rocha E-mail: brunor@cedeplar.ufmg.br

Estrutura

Conceito de Economia

Problemas Econômicos Fundamentais

Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção Conceito de Custos de Oportunidade Vantagens comparativas e comércio

Referência: Mankiw, capítulo 2 e 3

2
2

Sua concepção

A economia repousa sobre os atos humanos e é por excelência uma ciência social

Apesar da tendência atual ser a de se obter resultados cada vez mais precisos para os fenômenos econômicos é quase que impossível se fazer análises puramente frias e numéricas, isolando as complexas reações do homem no contexto das atividades econômicas

3
3

Conceito de Economia

Deriva do grego: “aquele que administra o lar”.

Economia é uma ciência social que estuda como os indivíduos e a sociedade decidem utilizar recursos produtivos escassos na produção de bens e serviços, de modo a distribuí-los entre os grupos da sociedade, com a finalidade de satisfazer as necessidades humanas

A ciência que estuda a escassez

A ciência que estuda o uso dos recursos escassos na produção de bens alternativos

O estudo da forma pela qual a sociedade administra seus recursos escassos

Problemas econômicos fundamentais

Desejos Humanos: Ilimitados/Infinitos

X

Recursos Produtivos (rec. naturais, mão de obra, capital):

Limitados/Finitos

Ou seja, o problema econômico emerge do fenômeno da escassez, dada a natureza limitada dos recursos da sociedade (restrição física dos recursos)

Problemas econômicos fundamentais

O QUE e QUANTO produzir?

A sociedade deve produzir mais bens de consumo ou bens de capital, e quanto?

COMO produzir?

Questão

intensiva?

de

eficiência

produtiva.

PARA QUEM produzir?

Capital

ou

mão-de-obra

Como será a distribuição de renda gerada pela atividade econômica? Quais os setores beneficiados?

Sistema Econômico / Organização Econômica

É a forma como a sociedade está organizada para desenvolver as atividades econômicas: produção, circulação, distribuição e consumo de bens e serviços

Principais formas:

Economia de Mercado (ou descentralizada, tipo capitalista)

Economia Planificada (ou centralizada, tipo socialista)

Sistemas Econômicos - Síntese

Mercado

Propriedade Privada

X

Centralizada

Propriedade Pública

Problemas econômicos fundamentais resolvidos

pelo mercado

Maior eficiência alocativa

pelo órgão central

Maior eficiência distributiva

Sistema de mercado

Excesso de oferta (escassez de demanda)

Formam-se estoques

Redução de preços

Até o equilíbrio

Existirá concorrência entre empresas para vender os bens aos escassos consumidores

Sistema de mercado

Excesso de demanda (escassez de oferta)

Formam-se filas

Tendência ao aumento de preços

Até o equilíbrio

Existirá concorrência entre consumidores para compra

Sistema de mercado

O QUE e QUANTO produzir ?

(o que) Decidido pelos consumidores (soberania do consumidor) (quanto) Determinado pelo encontro da oferta e demanda de mercado

COMO produzir ?

Questão

empresas

de

eficiência

produtiva.

Resolvido

no

âmbito

das

PARA QUEM produzir ?

Decidido no mercado de fatores de produção (demanda e oferta de fatores de produção). Questão distributiva
11

O Modelo do Fluxo Circular

O modelo do fluxo circular é um modo visual da economia que mostra como as transações ocorrem, através dos mercados, entre famílias e empresas

12
12

O Diagrama do Fluxo Circular

13

Receita

Bens e

serviços

vendidos

do Fluxo Circular 13 Receita Bens e serviços vendidos FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços

FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção

FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção
FIRMAS Produzem e vendem bens e serviços Contratam e utilizam fatores de produção

Insumos para a produção

Salários, aluguéis e lucros

MERCADOS DE BENS E SERVIÇOS As empresas vendem As famílias compram

MERCADOS DE FATORES DE PRODUÇÃO As famílias vendem As empresas compram

Despesa Bens e serviços comprados FAMÍLIAS Compram e consomem bens e serviços Detêm os fatores
Despesa
Bens e
serviços
comprados
FAMÍLIAS
Compram e consomem
bens e serviços
Detêm os fatores de
produção e os vendem
Terra, trabalho
e capital

Renda

Fluxo de bens e serviços Fluxo de moeda

A Fronteira de Possibilidades de Produção

A fronteira de possibilidades de produção é um gráfico que mostra as várias combinações de produção que a economia pode produzir dadas as disponibilidades de fatores de produção e de tecnologia

14
14

Curva (Fronteira) de Possibilidade de Produção

Quantidade Produzida (bem y)

y max

x 0

Produção Quantidade Produzida (bem y ) y max x  0 x max y  0
Produção Quantidade Produzida (bem y ) y max x  0 x max y  0
Produção Quantidade Produzida (bem y ) y max x  0 x max y  0
Produção Quantidade Produzida (bem y ) y max x  0 x max y  0

x max

y 0

Quantidade

Produzida (bem x)

A CPP mostra o tradeoff da sociedade, ou seja, a obtenção de alguma coisa, está sujeita a abrir mão de outra. “Nada é de graça”!

Razão da Concavidade: lei dos custos de oportunidade crescentes, devido à inflexibilidade dos custos de produção

Curva (Fronteira) de Possibilidade de Produção

Lei dos custos de oportunidade crescentes:

Dadas como inalteradas as capacidades tecnológicas e de produção de uma economia e estando o sistema a operar a níveis de pleno emprego, a obtenção de quantidades adicionais de determinada classe de produto implica necessariamente a redução das quantidades de outra classe

Em resposta a constantes reduções impostas à classe que estará sendo sacrificada, serão obtidas quantidades adicionais cada vez menos expressivas da classe cuja produção estará sendo aumentada, devido à relativa e progressiva inflexibilidade dos recursos de produção disponíveis e em uso

16
16

Curva (Fronteira) de Possibilidade de Produção

A: capacidade ociosa (ineficiência). Neste ponto o custo de oportunidade é zero, pois não é necessário sacrifício de recursos produtivos para aumentar a produção de um bem, ou mesmo, dois bens

B e C: Não há como produzir mais, sem reduzir a produção do outro. Combinações de produto; (Nível de produto Eficiente /Pleno Emprego)

D: Nível impossível de produção. Posição inalcançável no período imediato. Depende de fatores como inovação tecnológica

Quantidade Produzida (bem y)

y max

x 0

B

A

D

C

x max

y 0

Quantidade

Produzida (bem x)

Curva (Fronteira) de Possibilidade de Produção

Os pontos da CPP representam as possíveis combinações dos fatores de produção na obtenção dos bens x e y

Deslocamentos positivos: decorrem da expansão ou melhoria dos fatores de produção disponíveis (Crescimento Econômico). Inovações tecnológicas: com a mesma quantidade de insumos obtém-se maior quantidade de produtos

Deslocamentos negativos: decorrem da redução, sucateamento ou progressiva desqualificação do fatores de produção disponíveis

Quantidade Produzida (bem y)

y max

x 0

B

A

Deslocamentos

Negativos

C

D

x max

y 0

Deslocamentos

Positivos

Quantidade Produzida (bem x)

Custo de Oportunidade

É o grau de sacrifício que se faz ao optar pela produção de um bem, em termos da produção alternativa sacrificada. O custo de oportunidade de alguma coisa é o que você desiste para obtê-la

Trade off

B C

+ Produto x

- Produto y

Custo de Oportunidade

C B custo de oportunidade de 200 unidades de y é 50 de x

Quantidade Produzida (bem y)

y max

x 0

450

250

B 150;450

 A

A

 A
 A

D

C 200;250

150

200

x

max

y 0

Quantidade

Produzida (bem x)

Idéias Ilustradas pela Fronteira de Possibilidades de Produção

Eficiência

Tradeoffs

Custo de Oportunidade

Crescimento Econômico

20
20

Como satisfazemos nossas vontades e necessidades?

Podemos ser auto-suficientes economicamente. Ou,

Podemos nos especializar e comercializar com os outros, levando à interdependência econômica

Interdependência prevalece

Este fato levanta duas questões

Por que interdependência é a norma?

O que determina produção e comércio?

21
21

Por que interdependência é a

regra?

Interdependência ocorre porque as pessoas estão em melhor situação quando se especializam e comercializam com os outros

O que determina o padrão de comércio?

Padrões de produção e de comércio são baseados em diferenças nos custos de oportunidade

22
22

Uma Parábola da Economia Moderna

Suponha

somente dois bens (batatas e carne) somente duas pessoas (um agricultor de batata e um pecuarista)

O que cada um deve produzir?

Por que eles devem comercializar?

23
23

Auto-Suficiência

Com autarquia:

Cada um consome o que produz

A fronteira de possibilidades de produção é também a fronteira de possibilidades de consumo

Sem comércio, os ganhos econômicos são reduzidos

24
24

Possibilidades de produção

 

Horas necessárias para 1Kg

Quantidade produzida em 40hs

 

Carne

Batatas

Carne

Batatas

Agricultor

20

10

2

4

Criador

1

8

40

5

Auto-Suficiência

(a) A Fronteira de Possibilidades de Produção do Agricultor

26

Carne

(quilos)

2

1

0

A

2

4

Batatas (quilos)

Auto-Suficiência

(b) A Fronteira de Possibilidades de Produção do Pecuarista

Carne (quilos)

27

40

20

0

B

5

Batatas (quilos)

O Agricultor e o Pecuarista se Especializam e Comercializam

Cada um estaria melhor especializando-se na produção do produto que está mais apto a produzir, e depois comercializando entre si

O agricultor deveria produzir batatas

O pecuarista deveria produzir carne

Relação de troca: 1Kg de Batata para cada 3Kg de Carne

28
28

Os Ganhos do Comércio

Sem Comércio

 

Com Comércio

 
 

Produção e Consumo

Produção

Comércio

Consumo

Ganhos do Comércio

Fazendeiro

1 quilo

0

quilos

Consegue

3

quilos

2 quilos

carne

carne

3

quilos de

carne

carne

2 quilos

batatas

4 quilo

batatas

carne por

3

1

1

quilo de

batatas

quilos

batatas

quilo

batatas

Pecuarista

20 quilos

24 quilos

 

Fornece

21 quilos

1

quilo

carne

carne

3

quilos de

carne

carne

2½ quilos batatas

2

carne por

3

½ quilo

batatas

quilos

batatas

1

quilo de

batatas

quilos

batatas

Como o Comércio Amplia as Oportunidades de Consumo

(a) Como o comércio aumenta o consumo do fazendeiro

30

Carne

(quilos)

 

Consumo

 
 

A*

 

3

2

A

 

do fazendeiro com comércio

Consumo do fazendeiro sem comércio

1

 

0

2

3

4

Batatas (quilos)

Como o Comércio Amplia as Oportunidades de Consumo

(b) Como o comércio aumenta o consumo do pecuarista

Carne (quilos)

40

31

21

20

0

Consumo do pecuarista com comércio

Consumo do pecuarista sem comércio

B*

B

3

5

Batatas (quilos)

Diferenças nos Custos de Produção

Existem duas forma de mensurar diferenças nos custos de produção:

i. O número de horas necessárias para a produção de uma unidade do produto (por exemplo, um quilo de batatas)

ii. Os custos de oportunidade de sacrificar um bem pelo outro

32
32

Vantagem Absoluta

Compara a produtividade de uma pessoa, firma ou nação em relação a outra

O produtor que necessita uma quantidade menor de insumos para produzir um bem possui uma vantagem absoluta na produção desse bem

33
33

Vantagem Comparativa

Compara os produtores de um bem de acordo com os seus custos de oportunidade

O produtor que possui o menor custo de oportunidade para produzir um bem possui uma vantagem comparativa na produção desse bem

34
34

Vantagem Comparativa: custo de oportunidade em Kg

 

Carne em termos de Batata

Batatas em termos de carne

Agricultor

2

0.5

Criador

0.125

8

Especialização e Comércio

Quem possui a vantagem absoluta?

O fazendeiro ou o pecuarista?

Quem possui a vantagem comparativa?

O fazendeiro ou o pecuarista?

36
36

O Princípio da Vantagem Comparativa

Vantagem Comparativa e diferenças nos custos de oportunidade são a base para especialização da produção e comércio Quando as partes que comercializam possuem diferenças em custos de oportunidade, elas podem se beneficiar do comércio O Comércio pode beneficiar a todos na sociedade, porque permite as pessoas se especializarem nas atividades para as quais possuem uma vantagem comparativa

37
37

Análise Positiva versus Normativa

Declarações Positivas são aquelas que tentam descrever o mundo como ele é

Chamada de análise descritiva

Declarações Normativas são aquelas que prescrevem como o mundo deveria ser Chamada de análise prescritiva

38
38

Declarações Positiva ou Normativa?

Um aumento no salário mínimo causará uma diminuição no emprego entre os trabalhadores menos qualificados

Um aumento no déficit governamental fará com as taxas de juros aumentem

O ganho de renda com um salário mínimo maior vale mais do que uma redução pequena no nível de emprego

O governo deveria ter o direito de cobrar das companhias produtoras de cigarro o custo que ele tem com o tratamento de doenças relacionados com o fumo

39
39