Você está na página 1de 14
Tipos de Funções M a t e m á t i c a 1 Aula

Tipos de Funções

Matemática 1 Aula 10

1. Função Composta

A composição da função g(x) com a função f(x) é a função g[f(x)], que será denotada por gof(x). (Leia-se “g bola f”)

Exemplo:

Sejam as funções f(x) = 2x - 1 e g(x) = 5x. A composição de g com f será:

gof(x) = g[f(x)] = 5.f(x) = 5. (2x - 1) = 10x – 5.

Obs.: Em geral não vale a comutatividade para a composição de funções, isto é, não vale, em geral, que fog(x) = gof(x).

2. Função Injetora

Sejam a e b elementos distintos do domínio de uma função f. Se f(a) for diferente de f(b), então a função f é dita ser injetora. Para reconhecermos graficamente se uma função é

+ ou não injetora, basta traçarmos retas horizontais; se alguma dessas retas interceptar o gráfico da função em mais de um ponto, a função não é injetora.

3. Função Sobrejetora

Uma função é sobrejetora se o seu contradomínio for igual à imagem. Para reconhecermos graficamente se uma função é ou não sobrejetora, basta determinarmos a imagem desta função e comparar com o contradomínio; se estes dois conjuntos forem iguais, a função é sobrejetora.

Obs.: Existem funções que não são nem injetoras nem sobrejetoras. Tais funções não recebem nenhum nome especial.

4. Função Bijetora

Uma função é bijetora se ela for sobrejetora e injetora.

Matemática 1 - Aula 10 - Tipos de Funções

5. Função Inversa Seja f uma função bijetora de A em B. A inversa de
5.
Função Inversa
Seja f uma função bijetora de A em B. A inversa de
f, denotada for f -1 , é a função que satisfaz f -1 of(x)=x,
para todo x em A e fof -1 (y)=y, para todo y em B.
1
Obs 1 : Não confundir f -1 com
. O primeiro representa
f
a
inversa de f, enquanto que o segundo representa o
inverso de f.
Obs 2 : Para f admitir inversa é necessário que f seja
bijetora. Ainda, se f -1 é a inversa de f , então f é a
inversa de f -1 . Pode-se ainda dizer que a inversa de
uma função é única.
Obs 3 : O domínio de f é igual à imagem de f -1 e a
imagem de f é igual ao domínio de f -1 .
Obs 4 : Os gráficos de uma função e de sua inversa
são simétricos em relação à bissetriz dos quadrantes
ímpares.
Obs 5 : (fog) -1 =g -1 of -1 .
6.
Determinação da inversa
Seja f(x) = 3x - 6. Para determinarmos a inversa de
f,
trocamos x por y e f(x) por x e isolamos y. Assim,
x + 6
y=
. Ao final, trocamos y por f -1 , isto é:
3
x + 6
f -1 (x) =
.
3

53

E x e r c í c i o s Matemática 1 Aula 10

Exercícios

Matemática 1 Aula 10

1. Fuvest-SP Sejam f(x) = 2x – 9 e g(x) = x2 + 5x + 3. A soma dos valores absolutos das raízes da equação f(g(x)) = g(x) é igual a:

a)

b)

c)

d)

e)

4

5

6

7

8

54

2. UFMA Considere a função f: IR → IR definida por:

54 2. UFMA Considere a função f: IR → IR definida por: Então é correto afirmar

Então é correto afirmar que essa função:

a) não é injetiva nem sobrejetiva.

b) é injetiva, mas não é sobrejetiva.

c) é bijetiva.

d) é sobrejetiva, mas não é injetiva.

e) é decrescente no conjunto {x ϵ IR; x < 0}.

Matemática 1 - Aula 10 - Tipos de Funções

3. UEBA Seja a função

3. UEBA Seja a função Se f admite inversa, então o conjunto B é: a) IR

Se f admite inversa, então o conjunto B é:

a) IR

b) IR*

c) IR - {1/3}

d) IR - {- 1/3}

e) IR - {3}

Matemática 1 - Aula 10 - Tipos de Funções

4. UFU-MG Considere f a função real de variável real definida no intervalo [–1,1], cujo gráfico está desenhado abaixo.

no intervalo [–1,1], cujo gráfico está desenhado abaixo. Assinale a alternativa que corresponde ao gráfico da

Assinale a alternativa que corresponde ao gráfico da função y = f 1 (–x), em que f 1 é a inversa da função f.

que corresponde ao gráfico da função y = f – 1 (–x), em que f –

55

E x e r c í c i o s Propostos Matemática 1 Aula 10

Exercícios

Propostos

Matemática 1 Aula 10

Básico

1. Uniube-MG

Seja k uma constante real, f e g funções definidas em IR tais que f(x) = kx + 1 e g(x) = 13x + k. Os valores de

k que tornam a igualdade fog = gof verdadeira são:

a) – 3 ou 3

b) – 4 ou 4

c) – 4 ou 3

d) – 3 ou 4

e) – 4 ou – 3

2. UEL-PR

Seja h(x)=[fog](x)·[gof](x), em que f(x)=(x+0,5).(x–0,5)

e g(x) =

1

x² + 0,25 . Qual é o valor de h(0, 5)?

a) 15

b)

15

8

c) 16

d) -

e) -

3

4

15

4

3. ESPM-SP

Seja y = f(x) uma função cujo gráfico está representado na figura abaixo. Podemos afirmar que:

está representado na figura abaixo. Podemos afirmar que: a) f(0) = 1 b) fof(0) = 1

a) f(0) = 1

b) fof(0) = 1

c) fof(2) = 1

d) fof(3) = 1

e) f[2 · f(2)] = 1

56

4. Mackenzie-SP

A aplicação f, de IN em IN, definida por:

4. Mackenzie-SP A aplicação f, de IN em IN, definida por: é: a) somente injetora. b)

é:

a)

somente injetora.

b)

somente sobrejetora.

c)

bijetora.

d)

nem injetora nem sobrejetora.

e)

sem classificação.

5.

UFSC

Dada a função f, de IR em IR, definida por f(x)=x 2 + 1, determine a soma das alternativas verdadeiras.

01.

A função f é sobrejetora.

02.

A imagem da função f é R + .

04.

A função f é bijetora.

08.

Para x = 5, temos f(x) = 26.

16.

O gráfico da função é uma reta.

32.

O gráfico da função f é simétrico em relação ao

eixo y.

6. UEPB

A função f definida para x ≥ 1 por

inversa f 1 (x); então a imagem de f 1 (x) será:

a) {y ϵ IR|y ≤ 0}

b) {y ϵ IR|y ≤ 1}

c) {y ϵ IR|y ≥ 0}

d) {yϵ IR|y ≥ 1}

e) {y ϵ IR|y ≥ –1}

≤ 1} c) {y ϵ IR|y ≥ 0} d) {yϵ IR|y ≥ 1} e) {y ϵ

tem

Matemática 1 - Aula 10 - Tipos de Funções

Aprofundamento

7. ESPM-SP

A figura abaixo representa o gráfico cartesiano da

função f (x).

abaixo representa o gráfico cartesiano da função f (x). Sabendo-se que f(1) = 2, o valor

Sabendo-se que f(1) = 2, o valor de f[f(π)] é igual a:

 

3

a) 1

b)

2

c)

3

4

d) 2

e)

5

2

8. PUC-PR

Sejam as funções reais definidas por f(x) = x – 1 g(x) = ax + b e f(g(x)) = – 2x. O gráfico de g(x) é:

1 g(x) = ax + b e f(g(x)) = – 2x. O gráfico de g(x) é:
1 g(x) = ax + b e f(g(x)) = – 2x. O gráfico de g(x) é:

Matemática 1 - Aula 10 - Tipos de Funções

9. FGV-SP

Sejam y = g(u) = 2u 3 e u = h(x) = x 2 – 2x + 5.

a) Determine o valor de y, para x = 0.

b) Determine o valor de g [h( – 3)].

10. UFF-RJ Sejam f e g funções reais de uma variável real dadas por:

f e g funções reais de uma variável real dadas por: Pede-se: a) g[f(2)] b) f

Pede-se:

a)

g[f(2)]

b)

f 1 [g(0)]

por: Pede-se: a) g[f(2)] b) f – 1 [g(0)] . ITA-SP Sejam f, g: IR →

. ITA-SP Sejam f, g: IR → IR funções tais que: g(x) = 1 – x e f(x) + 2f(2 – x) = (x – 1) 3 , para todo x ϵ IR. Então f[g(x)] é igual a:

a) (x – 1) 3

b) (1 – x) 3

c) x 3

d) x

e) 2 – x

57

58

Gabarito - Exercícios Propostos

1-d

2-a

3-e

4-b

5-(08+32)

6-d

7-d

8-c

9-a)250 b)16000

10-a)101 b)-7/5

1-d 2-a 3-e 4-b 5- (08+32) 6-d 7-d 8-c 9- a)250 b)16000 10- a)101 b)-7/5 -c

-c

Matemática 1 - Aula 10 - Tipos de Funções

Ângulos na Circuferência M a t e m á t i c a 2 Aula

Ângulos na Circuferência Matemática 2

Aula 10

1. Ângulo Central

t e m á t i c a 2 Aula 10 1. Ângulo Central A medida

A medida de um ângulo central é igual à medida de

seu arco correspondente.

+

2. Ângulo Inscrito

à medida de seu arco correspondente. + 2. Ângulo Inscrito A medido de um ângulo inscrito
à medida de seu arco correspondente. + 2. Ângulo Inscrito A medido de um ângulo inscrito

A medido de um ângulo inscrito é igual a metade do

arco “que ele enxerga”.

Demonstração:

1°) Ligando o centro a uma extremidade do arco, temos um triângulo isósceles;

2°) Pelo Teorema do ângulo externo temos que o ângulo central vale 2α.

do ângulo externo temos que o ângulo central vale 2α. Matemática 2 - Aula 10 -

Matemática 2 - Aula 10 - Ângulos na Circuferência

A. Arco capaz

Dois ângulos inscritos em uma mesma circuferência, com o esmo arco correspondente, tem medidas iguais.

com o esmo arco correspondente, tem medidas iguais. B. Triângulo retângulo Todo triângulo inscrito em uma

B. Triângulo retângulo

Todo triângulo inscrito em uma semicircuferência é retângulo.

triângulo inscrito em uma semicircuferência é retângulo. C. Quadrilátero inscrito Todo quadrilátero inscrito em uma

C. Quadrilátero inscrito

Todo quadrilátero inscrito em uma circuferência tem ângulos opostos suplementares.

em uma circuferência tem ângulos opostos suplementares. D. Ângulo de Segmento Todo ângulo de segmento é

D. Ângulo de Segmento

Todo ângulo de segmento é um ângulo inscrito, assim vale metade do “arco que enxerga”. Porém nesse caso o arco é determinado a partir dedo vértice do ângulo

Agudo

vale metade do “arco que enxerga”. Porém nesse caso o arco é determinado a partir dedo

65

Reto

Obtuso

Reto Obtuso 3. Ângulo Excêntrico A. Interior M + N 2 SOMA OS ARCOS a =
Reto Obtuso 3. Ângulo Excêntrico A. Interior M + N 2 SOMA OS ARCOS a =

3. Ângulo Excêntrico

A. Interior

M + N

2

SOMA OS

ARCOS

3. Ângulo Excêntrico A. Interior M + N 2 SOMA OS ARCOS a = A medida

a =

A medida de um ângulo de vértice interno é igual

à metade da soma das medidas dos seus arcos

correspondentes.

B. Exterior

soma das medidas dos seus arcos correspondentes. B. Exterior M − N a = 2 SUBTRAE

M N

a =

2

SUBTRAE

OS ARCOS

A medida de um ângulo de vértice externo é igual

à metade da diferença das medidas dos seus arcos

correspondentes.

66

Matemática 2 - Aula 10 - Ângulos na Circuferência

E x e r c í c i o s Matemática 2 Aula 10

Exercícios

Matemática 2 Aula 10

1. PUC-SP Na figura, AB é diâmetro da circuferência. O menor dos arcos, AC, mede:

é diâmetro da circuferência. O menor dos arcos, AC, mede: o a) 100 b) 120 c)

o

a) 100

b) 120

c) 140 o

o

o

d) 150

e) 160

o

Matemática 2 - Aula 10 - Ângulos na Circuferência

2. Unifenas-MG O quadrilátero ABCD está inscrito em uma circuferência e o ângulo ABC mede 108 o . A medida do ângulo CDA é igual a:

e o ângulo ABC mede 108 o . A medida do ângulo CDA é igual a:

a) 22

b) 36

c) 72 o

d) 92 o

e) 108 o

o

o

67

3. Mackenzie-SP Na figura, as circuferências tem o mesmo centro O e os menores arcos, AB e EF, são tais que AB=EF=40 o .

e os menores arcos, AB e EF, são tais que AB=EF=40 o . A medida do

A medida do menor arco, CD, é:

a)

b)

c)

d)

e)

50

o

70

o

65 o

60

80

o

o

68

4. UCSal-BA Na figura abaixo, o triângulo ABC é isósceles e BD é a bissetriz do ângulo de vértice B. A medida q, do ângulo assinalado, é:

de vértice B. A medida q , do ângulo assinalado, é: o a) 55 b) 50

o

a) 55

b) 50

c) 45 o

o

d) 40

e) 35

o

o

Matemática 2 - Aula 10 - Ângulos na Circuferência

E x e r c í c i o s Propostos Matemática 2 Aula 10

Exercícios

Propostos

Matemática 2 Aula 10

Básico

1. Unimep-SP

Na figura, o ângulo a é igual a:

10 Básico 1. Unimep-SP Na figura, o ângulo a é igual a: a) 95 o b)

a)

95 o

b)

120 o

c)

115 o

d)

85 o

e)

105 o

2.

UFV - MG

Qual é o valor do ângulo a na figura?

2. UFV - MG Qual é o valor do ângulo a na figura? o a) 55

o

a) 55

b) 65

c) 35 o

o

d) 110

e) 130

o

o

3. Cesgranrio-RJ

Em um círculo de centro O, está inscrito o ângulo a (ver figura). Se o arco AMB mede 130 o , o ângulo a

mede:

o

a) 25

b) 30

c) 40 o

o

d) 45

e) 50

o

o

o ângulo a mede: o a) 25 b) 30 c) 40 o o d) 45 e)

Matemática 2 - Aula 10 - Ângulos na Circuferência

4.

UFPE

Na

figura abaixo, o triângulo ABC está inscrito na

circuferência de centgro O e AB é um diâmetro.

Indique o valor do ângulo a, em graus.

é um diâmetro. Indique o valor do ângulo a , em graus. 5. Cesgranrio-RJ Um quadrilátero

5. Cesgranrio-RJ

Um

quadrilátero está inscrito em um círculo. A soma,

em

radianos, dos ângulos a e b da figura é:

em radianos, dos ângulos a e b da figura é: a) b) c) d) e) p

a)

b)

c)

d)

e)

p

4

p

2

p

3p

2

2p

Unifenas-MG

6.

O quadrilátero ABCD está inscrito em uma

circuferência e o ângulo ABC mede 108 o . A medida

do ângulo CDA é igual a:

o

a) 22

b) 36

c) 72 o

o

d) 92 o

e) 108 o

e o ângulo ABC mede 108 o . A medida do ângulo CDA é igual a:

69

7.

O

a)

b)

c)

d)

e)

PUC-SP

ângulo x da figura mede:

o

60

80

90 o

o

100

120

o

o

PUC-SP ângulo x da figura mede: o 60 80 90 o o 100 120 o o

8.

Dado um pentágono regular ABCDE, constrói-se uma

circuferência pelos vértices Be E de tal forma que BC

e ED sejam tangentes a essa circuferência, em B e

E, respectivamente. A medida menor do arco BE na

circuferência construída é:

A medida menor do arco BE na circuferência construída é: a) b) c) d) e) 72

a)

b)

c)

d)

e)

72 o

108 o

120 o

135

144

o

o

Aprofundamento

9.

A

centro O é:

FCV-SP

medida do ângulo ADC inscrito na circuferência de

a)

b)

c)

d)

e)

125

110

o

o

120 o

100

135

o

o

de a) b) c) d) e) 125 110 o o 120 o 100 135 o o

70

10. UEM-PR

Considere ABC um triângulo inscrito em uma semicircuferência de diâmetro BC, cuja medida do ângulo C é 20 o . Determine a medida, em graus, do ângulo formado pela altura e pela mediana relativas à hipotenusa.

11. PUC-SP

O pentágono ABCDE da figura seguinte está inscrito

em um círculo de centro O. O ângulo central COD mede 60 o . Então, x+y é igual a:

a) 180

o

o

b) 185

c) 190 o

d) 210

e) 250

o

o

é igual a: a) 180 o o b) 185 c) 190 o d) 210 e) 250

12. Unesp

Os pontos A, B, C, D, E e F pertencem à circuferência.

O valor de a é:

C, D, E e F pertencem à circuferência. O valor de a é: o a) 60

o

a) 60

b) 50

c) 45 o

o

o

d) 40

e) 35

o

Matemática 2 - Aula 10 - Ângulos na Circuferência

13. Fuvest-SP

Na figura abaixo, o lado BC do triângulo é congruente ao raio da circuferência. Qual a medida do ângulo BAC?

ao raio da circuferência. Qual a medida do ângulo BAC? o a) 30 b) 40 c)

o

a) 30

b) 40

c) 35 o

d) 45

e) 50

o

o

o

14. ITA-SP

quadrilátero

convexo ABCD tal que ABC = 70 o . Se x=ACB + BDC, então x é igual a:

a) 120

b) 110

c) 100 o

Numa

circuferência,

o

o

increveu-se

um

d) 90

e) 80

o

o

15. Unesp

Em um quadrilátero ABCD tem-se Ab=AC=AD, conforme a figura abaixo. Sabe-se que o ângulo BAC mede 20 o . Então, o ângulo BDC mede:

o ângulo BAC mede 20 o . Então, o ângulo BDC mede: a) 5 o b)

a) 5 o

b) 10 o

c) 15 o

d) 20

e) 40

o

o

Matemática 2 - Aula 10 - Ângulos na Circuferência

40 o o Matemática 2 - Aula 10 - Ângulos na Circuferência . Fuvest-SP Os pontos

. Fuvest-SP

Os pontos A, B e C pertencem a uma circuferência de centro O. Sabe-se que OA é perpendicular a OB e forma com BC um ângulo de 70 o . Então, a tangente à circuferência no ponto C forma, com a reta OA, um ângulo de:

a) 10

b) 20

c) 30 o

d) 40

e) 50

o

o

o

o

71

72

Gabarito - Exercícios Propostos

1-a

2-a

3-a

4-37 o

5-c

6-c

7-b

8-e

9-a

10-50 o

11-d

12-b

13-a

14-b

15-b

15-b -d

-d

Matemática 2 - Aula 10 - Ângulos na Circuferência