Você está na página 1de 8

Nesta edição

:
Junho de 2014
Ano 10, N.º 31
www.mpica.info
BOLETIM
INFORMATIVO
Como habitualmente destacamos neste boletim as últimas
actividades e aproveitamos para desenvolver um pouco alguns dos
temas, como a permapicultura e os riscos dos herbicidas e alterna-
tivas para o controlo de plantas espontâneas.
Seleccionar, compilar e resumir a informar para dar forma aos arti-
gos que compõem os sucessivos boletins é uma tarefa que nem
sempre se revela fácil, mas esperemos que valha a pena o esforço
pela agradável leitura e transmissão de conhecimentos úteis que
esperamos proporcionar.
A presidente da direcção
Alexandra Azevedo
Editorial
HERBICIDAS EM ESPAÇOS PÚBLICOS
alerta público para os riscos e as alternativas!
Permapicultura 2
Assembleia Geral 2
Formação Professores 3
RSU 4
Herbicidas 5
Hortas Diversidade 6
Banco do Tempo 7
Espaço Jovem Atento 8
Página 2 BOLETIM INFORMATIVO MPI n.º 31 - Junho de 2014
ENCONTRO DE INTRODUÇÃO À PERMAPICULTURA
Com o objectivo de criar espírito de entreajuda e fazermos
intervenções que marquem a diferença (mesmo que pequena)
nos locais que nos dizem respeito, iniciamos este ano encontros
sem formalidade de inscrições necessárias, dirigido aos associa-
dos e amigos. Assim, a primeira actividades neste espírito foi um
encontro de introdução à Permapicultura, na manhã do domingo
2 de Fevereiro, no terreno que o Nuno Carvalho está a recuperar
(antigo eucaliptal) que pertence aos seus pais. Fica na localidade
de Vale Cruzes, na freguesia de Outeiro da Cabeça.
Este encontro superou as expectativas e no total éramos 11
pessoas das quais 6 eram associados, o formador e as outras 4
pessoas foram convidadas e algumas manifestaram interesse em
se associarem também. Foi uma manhã muito animada com con-
versas que extravasaram o tema, a permapicultura, mas muito interessantes. Sobre o tema que do encontro con-
támos com a ajuda inestimável do formador Duarte Alvim que nos falou sobre os princípios da apicultura promo-
vida por Oscar Perone e como podemos atrair abelhas para o terreno colocando um "caça-enxames" de forma a
tentar ter uma colónia numa colmeia Perone. Mostrou-nos um modelo possível que mais não é que uma reutili-
zação e adaptação de uma caixa de fruta e que deve ser colocada no terreno de Fevereiro a Junho.
O que é a Permapicultura?
Oscar Perone é um argentino que observou com particular atenção o com-
portamento das abelhas, o que elas mais gostam, procurando desta forma en-
contrar alternativa mais conveniente de apicultura quer para as abelhas quer
para os apicultores. Daí que o modelo da colmeia Perone é cerca do triplo do
tamanho das colmeias convencionais e que melhor se aproximam do que seri-
am as condições ancestrais das abelhas em que as colmeias eram instaladas nos
buracos de grandes árvores.
Também dispensa todas as intervenções que a apicultura convencional exi-
ge, apenas temos de uma vez por ano ir retirar o mel! De facto, quando a col-
meia tem as melhores condições é resiliente, tem a protecção suficiente contra
as doenças que as podem afectar e isso reflecte-se na capacidade de produção
de mel. Uma colemia Perone produz cerca de 50 Kg de mel por ano! Constatou-se assim que a produtividade de
uma colmeia não é proporcional ao tamanho mas exponencial. Se quiserem ver uma colmeia destas, poderá en-
trar em contacto com o Nuno Carvalho através do MPI.
Para quem quiser saber mais, descarregar o seguinte documento. https://db.tt/AIuqNy4E
Alexandra Azevedo e
ASSEMBLEIA GERAL E CONVÍVIO
O dia esteve soalheiro o que ajudou bastante ao sucesso do
programa que propusemos para a parte da manhã de domingo,
antes da assembleia-geral.
Este ano fui a anfitriã e a minha casa e espaço envolvente foi
visitado por quem quis conhecer no local o nosso modo de estar
e várias soluções para uma vida mais sustentável. Na horta
observaram-se os cultivos com variedades tradicionais, as ervas
comestíveis, a compostagem com aproveitamento de lixiviados
como fertilizante líquido e o mini-viveiro florestal. Explicaram-
se as soluções em energias renováveis e os equipamentos que
tivemos de instalar em casa (conversor, controladores de carga,
monitores, baterias). Terminou-se a visita dando atenção
ao fogão a lenha e as suas várias funções, nomeadamente o
Alexandra Azevedo
Nuno Carvalho
Página 3
BOLETIM INFORMATIVO MPI n.º 31 - Junho de 2014
aquecimento de toda a casa através de um circuito de água que foi construído.
Na pequena oficina de preparação de sementes em que
abordou duas técnicas: o método húmido (adequado para
sementes de alface, agrião, couve, nabiça ou nabo) e o método
de maceração (adequado para uma limpeza perfeita e melhorar a
conservação das sementes de tomate e pepino). A fome já
apertava e no ansiado almoço foram interessantes alguns pratos
inovadores que motivaram logo uma partilha de receitas!
E, claro, não esquecendo a partilha de sementes!
Por fim, na assembleia geral foi possível dar melhor a conhe-
cer a nossa associação aos associados mais recentes. O relatório e
contas de 2013, assim como o plano e orçamento para 2014
foram aprovados por unanimidade.
Para o ano há mais!
FORMAÇÃO PARA PROFESSORES
“TODAS AS PLANTAS SÃO DANINHAS?”
Esta formação realizou-se no dia 11 de Março no
complexo do Furadouro - Agrupamento de escolas
Josefa d' Óbidos, do 1º ao 3º ciclo do ensino básico,
que surgiu na sequência de uma solicitação dessa
entidade para que eu realizasse a acção no âmbito do
projecto "Horta na Escola".
Devo dizer que fiquei agradavelmente surpreen-
dida pela abertura às questões do cultivo da terra e
da sua importância no método pedagógico e ainda a
vontade de todos para saberem mais, concretamente
a utilidade das ervas que vulgarmente são
catalogadas de daninhas não merecendo por isso
mais atenção.
Não fui só eu que fiquei surpreendida pela positiva,
a direcção e os formandos também ficaram muito
agradados com os conhecimentos adquiridos,
a empatia e a degustação! Segundo relato de um dos
membros da organização e participante:
"Aprendemos a olhar com muito mais atenção para as
plantas que nos rodeiam, a encontrar nelas muita
utilidade que desconhecíamos, a apetecer fazer
experiências, para nós inovadoras, e que nos podem
conduzir a uma alimentação mais económica e até
mais saudável. Foi muito agradável que tudo tivesse
sido apresentado de uma forma simples e prática,
convidativa a uma boa empatia com o tema
em apreço." (Prof. Jaime Serafim)
Alexandra Azevedo
Página 4 BOLETIM INFORMATIVO MPI n.º 31 - Junho de 2014
GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: LIÇÕES PELA EUROPA
É este o título de um recente relatório da Agência Europeia de Ambiente em que compara o desempenho em
matéria de gestão de RSU (resíduos sólidos urbanos) entre 2001 e 2010 de 32 países europeus, todos os países
membros da UE 27 e ainda Islândia, Noruega, Suíça, Turquia e Croácia.
21 dos 32 países aumentaram a produção de resíduos, mas houve uma diminuição da quantidade de resíduos
enviados para aterro e a taxa de reciclagem de materiais como o vidro, papel e plásticos aumentou, em 8 países
esse aumento foi de 10%, mas a reciclagem de matéria orgânica continua baixa.
O relatório também avaliou o impacto nas taxas de reciclagem de medidas políticas, como a taxa de deposição
em aterro e incentivos económicos à reciclagem. Países que mais instrumentos utilizaram, como a proibição da
deposição de matéria orgânica em aterro ou a deposição de resíduos sem pré-tratamento, o aumento de mais de
50% da taxa de deposição de matéria orgânica em aterro (sendo igual ou superior a €30 por cada tonelada,
podendo atingir os 70€/tonelada) e taxas de lixo em função da produção apresentaram melhores resultados.
O relatório avaliou ainda a possibilidade dos países atingirem a meta europeia definida para 2020 em que 50%
dos resíduos têm de ser reutilizados ou reciclados, concluindo que a maioria dos países têm de fazer esforços
extra para atingir essa meta.
Áustria, Alemanha, Bélgica, Holanda
e Suíça já cumprem a meta de reciclagem de
pelo menos 50% dos resíduos, mas 9 países
precisam de um aumento de 2 a 4 % todos os
anos, que é o caso de Portugal, pois conforme
de pode constatar na figura 2.5 do relatório
apresentava um desempenho muito fraco com
cerca de 20% de reciclagem, e 7 países têm de
aumentar ainda mais depressa a taxa de reci-
clagem, Bulgária, Croácia, Letónia, Lituânia,
Roménia e Eslováquia.

Referência: EEA (2013). Managing municipal solid
waste— a review of achievements in 32 European countries.
EEA Report No 2/2013. 1-36. DOI: 10.2800/71424. http://
www.eea.europa.eu/publications/managing-municipal-solid-
waste
Página 5
BOLETIM INFORMATIVO MPI n.º 31 - Junho de 2014
A QUERCUS e a Plataforma Transgénicos
Fora (PTF), sendo o MPI um dos parceiros,
endereçaram uma carta a todos os presidentes de
Câmaras Municipais, a 20 de Março, alertando para
os riscos ambientais e para a saúde, da aplicação de
herbicidas em espaços públicos, prática generaliza-
da por todo o país, e promovendo os métodos alter-
nativos, concretamente métodos mecânicos
e térmicos (como queimadores a gás, a infraverme-
lhos ou a vapor) e também a opção zero, ou seja,
permitir que em área marginais a natureza tenha
também algum espaço para manifestar a sua rica
biodiversidade, sendo que há muitas ervas que po-
dem ter uso alimentar e medicinal. Nessa carta pe-
de-se a adesão da autarquia ao manifesto "Autarquia
sem glifosato" e em Outubro deste ano será divulga-
da a lista das primeiras autarquias a aderir, esperando que a pouco e pouco as restantes lhes sigam o exemplo.
Os herbicidas à base de glifosato são os mais vendidos em todo o mundo e em Portugal. A sua
popularidade deve-se muito ao facto do fabricante, a multinacional Monsanto, alegar que é inócuo para
o ambiente e a saúde, e uma das formulações comerciais, o SPASOR, possui inclusive um certificado de compa-
tibilidade ambiental emitido pela empresa que o representa em Portugal, a Manuquímica. Mas contrapondo a
esta alegada inocuidade têm surgido cada vez mais estudos de cientistas não dependentes dessas empresas e
publicados nas revistas científicas internacionais. Assim, há uma preocupação crescente com os efeitos
de herbicidas à base de glifosato, dado que este herbicida e suas formulações comerciais têm sido apontados
como responsáveis por inúmeros impactos na a saúde, mesmo em doses muito baixas, 500 a 4000 vezes
mais baixas que no uso agrícola, como malformações congénitas, alteração significativa da progressão
da puberdade pela redução da produção de testosterona (hormona sexual masculina) e alteração da morfologia
dos testículos, sugestivas de um efeito desregulador endócrino potente; efeitos cancerígenos, efeitos tóxicos em
vários tipos de células humanas, como do cordão umbilical, embrionárias e da placenta, incluindo morte celular.
A degradação do glifosato ocorre entre os 30 a 90 dias período relevante para a manifestação de efeitos
indesejáveis pela contaminação ambiental.
Para além da sensibilidade e vontade de mudar práticas em relação às plantas espontâneas por parte das
autarquias é muito importante que todos nós tenhamos consciência do que está em causa, termos também
vontade de tolerar mais o vigor da Natureza e fazermos sentir aos autarcas da nossa área de residência
isso mesmo.
- Escreva aos autarcas (município e freguesias) da sua zona ou marque reunião e/ou participe
em assembleias municipais e/ou de freguesia
- Divulgue o mais possível junto de vizinhos, familiares e amigos.

Para saber mais leia o documento "Linhas orientadoras - controlo de plantas infestantes em espaços públicos"
http://www.quercus.pt/quimicos-substancias-quimicas/3034-controlo-de-plantas-infestantes-em-espacos-publicos.

A SAÚDE NÃO TEM PREÇO, AJUDE-NOS A MELHORAR A SAÚDE DE TODOS!
HERBICIDAS EM ESPAÇOS PÚBLICOS
ALERTA PÚBLICO PARA OS RISCOS E AS ALTERNATIVAS!
Página 6 BOLETIM INFORMATIVO MPI n.º 31 - Junho de 2014
REDE DAS HORTAS PELA DIVERSIDADE
A Rede das Hortas pela Diversidade, é um projecto da Campanha
pelas Sementes Livres (da qual o MPI é parceiro) e é uma forma
prática de defender a agricultura ecológica e solidária e promover a
biodiversidade agrícola, com especial atenção para as variedades de
plantas tradicionais e locais, complementando assim o trabalho
ao nível político, concretamente o acompanhamento da nova lei das
sementes.
No processo de organização desta rede, a coordenação da Campa-
nha pelas Sementes Livres pediu aos seus membros que apresentas-
sem a sua horta. Como o MPI não tinha ainda definido nenhuma horta
para sua representação, pediram-me se eu estava disposto a utilizar a
minha horta como representação do MPI ao que eu aceitei. Na verdade a Onia, que é o nome da horta que vos
quero apresentar, é um terreno com cerca de um hectare que fica situada na aldeia do Barro Lobo, pertencente
ao concelho do Bombarral e que legalmente pertence aos meus pais, com os quais partilho a sua utilização. Essa
partilha começou a ser feita desde há aproximadamente dois anos. Durante esse tempo verificámos que temos
formas muito diferentes de encarar a agricultura e para evitar conflitos nas práticas agrícolas, acordamos delimitar
os espaços correspondentes a cada um de nós, sendo que a parte da horta que eu estou a cultivar é um autêntico
campo de experimentação, onde tento, na medida do possível, que seja uma horta 100% orgânica.
Trata-se de um terreno um pouco argiloso, inclinado para sul, onde
estão plantadas pereiras, pessegueiros, ameixoeiras e macieiras com
cerca de vinte anos, num compasso intensivo.
Para promover um maior arejamento e a entrada do sol, tenho vindo
a sacrificar algumas fruteiras, deixando-as mais robustas que tenho
vindo a converter para variedades tradicionais portuguesas.
Neste terreno foi feita uma charca, numa zona de água nascente
(onde moram muitos anfíbios), e alguns socalcos na inclinação logo
abaixo da charca.
Por enquanto esta horta tem pouco para oferecer, por agora apenas um local relativamente tranquilo para estar
e cultivar, que está aberto a todas as pessoas, membros da rede ou não, sensíveis às práticas agrícolas orgânicas e
à permuta de conhecimentos. Num futuro próximo espero poder disponibilizar variedades tradicionais de fruta e
material vegetativo.
Sérgio Faustino
O parlamento holandês proíbe herbicida glifosato para uso não-comercial
Desde o final de 2015 em diante, a venda de herbicidas à base de glifosato a particulares, incluindo o número
um herbicida Roundup do mundo, será proibida na Holanda devidos aos riscos para a saúde.
Fonte: http://goo.gl/IKOsCc

Sri Lanka proíbe herbicida glifosato devido a potencial causa de doença renal mortal
Esta decisão vem na sequência da publicação de um novo estudo no Sri Lanka sugerindo o glifosato como culpa-
do principal para a doença. Em áreas com metais pesados na água potável o glifosato actua como um transporta-
dor ou um vector desses metais pesados no rim.
Fonte: http://goo.gl/30zjB3
BREVES
Página 7
BOLETIM INFORMATIVO MPI n.º 31 - Junho de 2014
Parlamento europeu chumba a nova lei das sementes!
A 11 de Março de 2014 o Parlamento Europeu (PE) deu o golpe final para enterrar politicamente a proposta da
Comissão Europeia (CE) para um regulamento europeu para produção e distribuição de sementes de cultivo. A
proposta de Bruxelas foi rejeitada em plenário com uma esmagadora maioria: 650 votos contra, 15 a favor e 13
abstenções, por terem sido identificadas deficiências na avaliação de impacto e a criação de encargos administra-
tivos desnecessários para os Estados-membros e os agricultores. As organizações da sociedade civil europeia que
lutam há três anos para travar as intenções da CE e da indústria da semente de trazer as sementes e plantas tradi-
cionais para dentro de um quadro legislativo severo pensado para sementes comerciais, celebram agora
uma vitória merecida.
A Comissão Europeia entretanto já fez saber que não retira a sua proposta, que agora segue para o Conselho de
Ministros. No entanto, perante uma oposição quase unânime contra a Lei das Sementes, é esperado que
os Ministros acatem a resolução do PE.
Fonte: Comunicado de 12/3/2014 da Campanha pelas Sementes Livres
Ficha técnica
Directora: Alexandra Azevedo / Paginação: Nuno Carvalho / Colaboraram nesta edição:
Alexandra Azevedo, Nuno Carvalho, Sérgio Faustino e Felicidade Lopes
Impressão com o apoio da Junta de Freguesia de Vilar
Propriedade: MPI - Movimento Pró-Informação para a Cidadania e Ambiente
Largo 16 de Dezembro, 2 / Vilar / 2550-069 VILAR CDV
tel:/fax: +351 262 771 060 email: mpicambiente@gmail.com
Web site: http://mpica.info
BREVES
BANCO DO TEMPO
Banco de Tempo é muito mais do que partilhar Saberes e Serviços,
é uma filosofia de vida centrada nas pessoas e na sua sabedoria.
No Banco de Tempo, as trocas de Serviços não são directas. A transmissão de saberes pode ser teórica
e prática, ou seja um membro X, sabe e gosta de partilhar uma matéria e oferece transmitir esse conhecimento
durante 1 hora a um grupo de membros interessados nessa aprendizagem e pede em troca 1 hora, dum serviço
que não sabe ou não gosta de fazer, que é oferecido por um membro Y, que nem sequer esteve interessado na
sua palestra, mas que sabe e gosta de fazer esse serviço pedido ou pode trocar pela participação noutra palestra/
encontro/oficina, sobre outro tema com outro membro.
Formalmente, a equipa coordenadora de uma agência dum Banco de Tempo, além de promover o encontro
da Oferta e da Procura dos saberes, (com o arranque da plataforma informática, que está a ser desenvolvida pelo
Banco Central /GRAAL, este trabalho irá ficar bastante facilitado e poderá incrementar a troca de serviços entre
as diferentes agências de Banco de Tempo), também tem o trabalho de divulgar o conceito, angariar novos
membros e promover parcerias com organizações públicas e privadas, com interesse territorial onde a agência
opera, porque um Banco de Tempo também deve ser um projecto de Desenvolvimento Local, com mobilização
de recursos e competências locais e valorização da cultura e economia local.
O Banco de Tempo tem o seu “ADN” na Economia da Reciprocidade e além de promover a valorização de
saberes e princípios das relações de vizinhança, é também um Projecto de Gestão Inovador, onde a dimensão
monetária, aparece com uma nova contabilidade do Tempo, confirmando o velho ditado “Tempo é Dinheiro”!
Na assembleia geral explorou-se melhor esta ideia aquando da discussão do plano de actividades e vamos
mesmo começar esta experiência, numa primeira fase de forma informal e contamos em primeiro lugar com os
associados do MPI!
Aos interessados em aderir pode solicitar uma ficha de inscrição na Junta de Freguesia de Vilar ou para o
email: mpicambiente@gmail.com.
Felicidade Lopes
- O que é um OGM?
Um OGM (Organismos Geneticamente Modificado) ou Transgénico é um organis-
mo que resulta da mistura com outros que na Natureza nunca se podem misturar ou
reproduzir (acasalar), por isso só se podem fazer em laboratório.
- Quais são os OGM que existem no mercado?
Soja, milho, colza (planta pouco conhecida em Portugal, parecida com o nabo e
serve para fazer óleo) e algodão (para roupa) são as plantas com variedades transgé-
nicas mais cultivadas.
- Que países cultivam OGM? E em Portugal?
O maior produtor de OGM são os Estados Unidos da América, a seguir é a Argentina, Brasil, Canadá e Ín-
dia. Nos países da União Europeia, e por isso em Portugal também, só se cultiva milho transgénico que consegue
produzir insecticida.
- Em que alimentos estão os OGM?
A maior parte da soja e do milho transgénico é para as rações dos animais, por isso estaremos a comer in-
directamente também transgénicos. Nas prateleiras dos supermercados em Portugal existe ainda algumas mar-
cas de óleos e este ano apareceu também uma marca de farinha de milho para tortilha.
Na Europa é obrigatório o rótulo dos alimentos dizer se tem ou não OGM, mas infelizmente há alguns ca-
sos em que não é obrigatório informar se são usados transgénicos ou não como nas cantinas das escolas (!!!); na
carne, leite e derivados, ovos; ou no mel.
- Quais os riscos dos transgénicos?
Ainda não se conhecem todos os efeitos, mas já são conhecidos vários efeitos negativos.
Riscos para o Ambiente: os OGM podem ser tóxicos para outros animais que são auxiliares no contro-
lo de pragas na agricultura, e aceleram o aparecimento de pragas resistentes; poluição genética, este é o efeito
pior porque ao contrário da poluição pelo lixo ou pelos produtos químicos, a poluição genética consegue reprodu-
zir-se e assim vai sempre aumentando!
Riscos para a saúde: alguns estudos verificaram que os OGM podem causar
vários problemas nos ratinhos de laboratório alimentados com alimentos gene-
ticamente modificados, como por exemplo alteração do sistema imunitário
(este sistema é importante para nos defender das doenças, e assim se ele é
perturbado adoecemos mais facilmente), redução do crescimento, mortalidade
elevada, alterações em órgãos (fígado, rins, testículos). Houve ainda por exem-
plo aumento de alergias em crianças nos EUA.
Riscos para a agricultura: produzem o mesmo ou menos, as sementes são
muito caras, mais despesa em pesticidas, novas despesas por causa da contami-
nação e para a evitar nos cultivos não-transgénicos.

Os transgénicos não vêm resolver nenhum problema, pelo contrário vêm
criar novos problemas!
espaço
Jovem Atento
O B-A-BÁ dos OGM