Você está na página 1de 9

Revista de Pesquisa e Pós-Graduação – Santo Ângelo, 2003.

DIREITOS DAS MULHERES: UMA BUSCA CONSTANTE PELA (DES) CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS E VALORES

ESPÍNDOLA 1 , A. A. S., Msc; FERIGOLO 2 , L.; BERNARDES 3 , M. B.

RESUMO

Vivemos hoje, homens e mulheres, em um mundo onde ainda predominam os valores patriarcais, sem termos a exata consciência do processo que nos levou a isso. Tal fato pode ser evidenciado, por exemplo, pela forma como os Direitos Humanos são definidos e administrados, a qual conduz a exclusão dos direitos das mulheres do grupo de direitos que configuram os Direitos Humanos, provavelmente pela crença de que são direitos distintos. Nesse sentido, o presente artigo procurou, em simples pinceladas, recuperar a presença da mulher na história, traçando-se um esboço de sua condição e de suas lutas, pouco estudadas pelas ciências sociais, haja vista o fato de as mulheres terem sido parte silenciosa da memória social, ausente nos registros históricos e manuais escolares. A estratégia metodológica adotada baseia-se na pesquisa sócio jurídica concentrada principalmente na pesquisa bibliográfica e documental. As análises até então realizadas permitem constatar que a noção de Direitos da mulher deve ter como ponto de partida a participação ativa das mulheres em termos de (re)construção de sua história a qual depende da desconstrução da visão masculina de mundo. Dessa perspectiva, observa-se que várias medidas têm sido tomadas na promoção e defesa dos direitos da mulher. Cabe, agora, lutar para que estes direitos sejam efetivamente promovidos e protegidos pelo Estado e sociedade evitando, desse modo, que nossa legislação se torne apenas um “manual de boas intenções”.

Palavras - Chave: Direitos Humanos, Direitos das Mulheres, Histórico, Contextualização na Atualidade.

INTRODUÇÃO

Este artigo tem por escopo discutir criticamente os Direitos Humanos das mulheres,

mediante uma breve abordagem histórica e também da análise de suas dimensões na

atualidade.

1 Profª Msc do Curso de DIREITO da UNIFRA - Santa Maria

2 Bacharelanda do curso de Direito da UNIFRA

3 Bolsista PROBIC/UNIFRA – Santa Maria – RS Endereço para correspondência: Rua Tamanday 225, bloco M, aptº 302. santa Maria – RS. CEP: 97060-540 e- mail: marcieleberger@bol.com.br

Revista de Pesquisa e Pós-Graduação – Santo Ângelo, 2003.

Vale lembrar que se debruçar sobre problemáticas que o mundo contemporâneo vem enfrentando significa compreender os mecanismos estruturais em termos políticos, sociais, econômicos e legais que, via de regra, engendrou o longo e histórico processo de exclusão social da mulher. Assim, como ponto de partida serão apresentadas breves notas históricas acerca dos principais direitos alcançados pelas mulheres, e mais adiante serão analisadas as inclusões destes nos principais documentos do constitucionalismo brasileiro.

Finalmente, ciente que os Direitos das Mulheres são Direitos Humanos pretende-se contribuir para a luta pela transposição de dogmas e mitos ultrapassados e cultivar a esperança na efetivação dos direitos já ratificados por vários documentos que tutelam os direitos das mulheres. Dessa forma, a construção da cidadania da mulher, implica uma reflexão crítica do papel social e transformador da figura feminina e conseqüentemente, na necessidade de romper velhos paradigmas.

OBJETIVOS

Compreender o percurso histórico dos direitos da mulher, suas lutas e principais conquistas. Além disso, busca-se estudar as formas concretas de organização do feminismo, bem como suas principais conquistas na seara jurídica.

FUNDAMENTAÇÃO

Abordagem Histórica das Mulheres ao longo da Civilização

Na Grécia as mulheres não passavam de um reflexo do homem, elas ocupavam posição equivalente a do escravo, visto que eram tratadas como propriedade do homem, como um simples objeto a serviço do seu senhor, em geral era vista apenas como instrumento necessário para reprodução. Face a todas estas limitações as quais a mulher estava sujeita, acabou por excluída do mundo do pensamento e do conhecimento, tão valorizados pela civilização grega.

No que se refere a civilização Romana, seu código legal corrobora com a instituição jurídica do paterfamilias, a quem era delegado o poder sobre a mulher, filhos, escravos; o direito, nesta época, era tomado como instrumento de perpetuação das relações entre os sexos

Revista de Pesquisa e Pós-Graduação – Santo Ângelo, 2003.

marcadas pelo domínio e submissão, legitimando a inferioridade da posição social da mulher romana. (PITANGUY; ALVES, 1985).

Já na Idade Média, enquanto ainda não havia influência da Legislação Romana, as mulheres gozavam de alguns direitos, assim quase todas as profissões lhe eram acessíveis, bem como o direito à propriedade e sucessão, sendo-lhes necessário entender de contabilidade e legislação para efetuar transações comerciais e defender-se em juízo, estas regalias estavam ligadas, na maioria das vezes, ao afastamento do homem por motivo de guerras. É de se destacar que, apesar da significativa participação da mulher na vida social e econômica da Idade Média, a condição feminina no mundo não foi descoberta pelos homens, seja a mulher nobre, burguesa ou do povo.

Ao fazer este breve relato da mulher na Idade Média não se poderia deixar de comentar a perseguição que se abateu sobre ela e que ficou conhecida como caça as bruxas. A chamada caça as bruxas, verdadeiro genocídio perpetrado contra o sexo feminino, caracterizou-se como elemento claro na luta pela manutenção de uma posição de poder por parte do homem, haja vista que todas as mulheres que tivessem um comportamento pouco submisso, ou seja, que possuíam espaços de atuação e que escapavam do domínio masculino, eram perseguidas. (SCHMIDT, 1996).

No período Renascentista, a posição da mulher sofreu um retrocesso devido a reintrodução da tradição romana, a qual resultou na restrição dos direitos civis da mulher, tais como adquirir bens por herança e representar-se na justiça.

Dando seqüência a esta abordagem histórica vale lembrar (PIMENTEL, 1992), a qual afirma que somente a partir da Revolução Francesa, em 1789, influenciada pelos ideais do iluminismo e do jusnaturalismo, alicerçada no lema da busca de liberdade, igualdade e fraternidade para todos, é que as mulheres subiram um degrau na evolução da civilização ocidental, passando a usufruir alguns direitos da cidadania. A partir deste período, dando-se um salto na história, é possível observar um grande destaque para a condição feminina na humanidade. Trata-se da Declaração Universal dos Direitos Humanos, redigida por iniciativa da Organização das Nações Unidas, em 10 de dezembro de 1948, no cenário do pós-segunda guerra mundial, nesta ocasião, Eleonor Roosevelt e as latino-americanas conseguiram introduzir a palavra “sexo” no artigo 2º da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Revista de Pesquisa e Pós-Graduação – Santo Ângelo, 2003.

Neste viés, a partir do século XIX, com a consolidação do sistema capitalista, ganhou relevância a luta dos operários e das mulheres em busca de uma vida melhor e da igualdade entre todos.

Instrumentos de proteção dos Direitos das Mulheres na Ordem Internacional

Na ótica do Direito Internacional existem três períodos históricos da relação entre os direitos das mulheres que merece uma análise para que se compreenda melhor o momento que estamos agora. Neste viés é preciso lembrar de (DORA, 1998) que aponta estas fases. A primeira fase teve início em 1919 com a fundação da Organização Internacional do Trabalho - OIT, onde muitos dos tratados celebrados referiam-se as mulheres, tais tratados inspiraram várias legislações, inclusive a CLT brasileira; o segundo momento teve como marco a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948, a partir daí as mulheres vão progressivamente consolidando seus direitos em vários mecanismos de proteção aos Direitos Humanos; a terceira e última fase teve como marco a aprovação da convenção para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher, em 1979, assinalada não apenas por proteger as mulheres, mas, sobretudo por obrigar os Estados a adotar medidas que se oponham a discriminação.

A par disso, vale registrar a repercussão contraditória que os Direitos Humanos aplicáveis às mulheres, implicou no século XX. De um lado, a internacionalização da proteção dos Direitos Humanos das mulheres, tais como: a Declaração Universal dos Direitos Humanos (Paris, 1948), a Declaração sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher (1967), a Convenção sobre a Eliminação de todas as formas de Discriminação contra as Mulheres (1979), a Conferência das Nações Unidas sobre Direitos Humanos (Viena, 1993), a Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação da Violência contra a Mulher (1993), a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher (1994) e a Convenção das Nações Unidas sobre Mulheres (Pequim, 1995), (MORAES, 1992). De outro, um número significativo de mulheres que, em termos de efetivação destes direitos positivados, encontram-se, ainda, privadas dos Direitos terno de primeira geração, isto é, desabrigadas dos direitos civis e políticos. Os direitos civis, a título exemplificativo, tais como: direito à liberdade, direito à vida, direito à segurança individual, direito à livre manifestação do pensamento, direito de petição. Já no que se refere aos direitos políticos é possível enumerar: o direito ao sufrágio universal, direito de constituir partidos políticos, entre outros. Por conseguinte, espoliadas, não raras vezes também, dos demais Direitos

Revista de Pesquisa e Pós-Graduação – Santo Ângelo, 2003.

Humanos de segunda geração (direitos sociais e trabalhista), terceira geração (direitos de solidariedade, direito ao desenvolvimento, o direito à paz internacional), quarta geração (pertinentes às questões de Bioética/Biodireito, que tratam dos efeitos das pesquisas com genoma humano) e também os de quinta geração (relacionados à cibernética), que são apontados por (OLIVEIRA JUNIOR, 2000) como um desdobramento da quarta geração.

Neste sentido, vale lembra Bobbio quando afirma que: “Não se trata de saber quantos são estes direitos, qual e a sua natureza e seu fundamento, se são direitos naturais ou históricos, absolutos ou relativos, mas sim qual é o modo mais seguro de garantí-los, para impedir que apesar das solenes declarações, eles sejam continuamente violados” (1992; 29). Ou seja, cabe, portanto lutarmos para que estes direitos sejam efetivamente promovidos e protegidos pelo estado e sociedade evitando, desse modo, que nossa legislação se torne apenas um “manual de boas intenções”.

Dessa perspectiva pode-se inferir que a reversão da condição de grande parcela das mulheres, no que concerne aos Direitos Humanos, requer o avanço não apenas no que tange às políticas públicas ancoradas na eticidade, mas a inserção de um novo olhar sobre as condições de igualdade jurídica em que se fundamentam tais direitos.

Aspectos da História das Mulheres no Brasil

A luta das mulheres pela conquista de seus direitos, no decorrer do século passado, foi árdua e marcada pela ruptura de velhos paradigmas culturais, decorrentes de relações de poder historicamente marcadas pela desigualdade entre homens e mulheres. Não obstante isso, o Código Civil Brasileiro de 1916 manteve a desigualdade entre homens e mulheres a proporção que serviu para reforçar toda uma construção cultural onde “os homens possuíam mais poder, mais inteligência, mais iniciativa do que as mulheres” (DORA,1997, p. 20). Aliás, adverte Yasmin Ximenes dos Santos, a respeito das antinomias das leis brasileiras:

Existem discriminações na aplicação da lei, como, por exemplo, a diferença de salários para homens e para mulheres no exercício das mesmas funções, na mesma

empresa, embora a Constituição determine a igualdade salarial. (

afirmações constitucionais de igualdade perante a lei, coexistem leis ordinárias que mantêm a inferioridade da mulher, como é o caso, no direito de família, no conceito de 'chefia da sociedade conjugal', que sobreviveu ao Estatuto da Mulher Casada de 1962 e ainda está impresso no Código Civil, no seu art. 233, apesar de derrogado

pela Constituição de 1988 (1997, p. 125).

) Paralelamente às

Revista de Pesquisa e Pós-Graduação – Santo Ângelo, 2003.

antinomias das

leis brasileiras, impõe-se apontar a longa lista de conquistas das reivindicações feministas,

que apesar de terem um avanço gradativo destacaram-se pela sua relevada importância.

Em que pese os malefícios trazidos aos direitos das mulheres, pelas

A primeira vitória de uma luta contínua pela igualdade de direitos foi o direito ao trabalho fora dos limites do lar, onde a partir do momento em que os homens partiram para a I Guerra Mundial, em 1914, as mulheres tiveram que assumir postos na indústria e no comércio. A partir deste momento as mulheres passaram a ter a sua independência financeira, porém tiveram que enfrentar a dura e cruel realidade da desigualdade salarial entre homens e mulheres. A busca pela cidadania veio na seqüência sendo inaugurada com o direito ao voto feminino em 1932, reivindicação constante desde os tempos da República somente foi alcançada com o advento da Revolução de 30 onde Getúlio Vargas através de uma manobra, antecipando-se à divulgação do anteprojeto do código eleitoral, decretou o novo código através de lei, garantindo o voto feminino. Desde então, a mulher, passa a reivindicar o direito de ser eleita para o governo que é alcançado em 1933, quando foi eleita a primeira deputada federal. Assim ano após ano, o chamado Movimento de Mulheres foi ampliando suas conquistas dentre as quais vale destacar: - não pode ser impedida de matricular-se em cursos superiores, - consegue apoio oficial para evitar a gravidez, inclusive com a ajuda dos médicos para receitar contraceptivos, - a mulher casada passa a ter os mesmos direitos do marido no mundo civil, com isso não precisa mais de autorização por escrito dele para ser contratada no emprego, matricular-se na faculdade, comprar ou vender imóvel e dar queixa na delegacia, - não pode mais ser deserdada pelo pai por ter sido “desonesta”, leia-se ter perdido a virgindade. (SCAVONE,1999,p. 224-5).

Em meados de 1975 com o início da Década da Mulher, promovida pela ONU, ganhou consistência a luta pela volta da democracia, por melhores condições de vida e pela alteração da condição desigual das mulheres. Importante destacar que concomitante a tais acontecimentos no contexto internacional, em 18 de dezembro de 1979, foi adotada em Assembléia Geral das Nações Unidas a “Convenção sobre a Eliminação de todas as formas de discriminação contra a Mulher” (PIOVESAN, 1997).

Com a restauração dos direitos democráticos no país a partir de 1985, amplia-se a atuação das mulheres em outros espaços. Neste sentido a Constituição Federal de 1988 revogou dispositivos discriminatórios e assegurou a igualdade de direitos entre os sexos, previsto no artigo 5º, o qual dispõe que “todos são iguais perante a lei, sem distinção de

Revista de Pesquisa e Pós-Graduação – Santo Ângelo, 2003.

qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no Pais a inviolabilidade do direito a vida, a liberdade, a igualdade, a segurança e a propriedade”.

Inegável, portanto que ao longo da história do Brasil significativas foram as conquistas das mulheres, no que concerne aos seus direitos enquanto Direitos Humanos, porém destaca- se que: “a cidadania não significa somente a atribuição formal de direitos e deveres a sujeitos, mas também a sua efetiva concretização” (HESPANHA, 2000, p. 17).

Cabe, dessa forma lutarmos para que tais direitos transponham as amarras do formalismo e transformem-se em direitos reais, materiais e substantivos, capazes de combater as desigualdades entre os sexos e a supressão de direitos.

Perspectivas dos Direitos das Mulheres no Século XXI

Fatores como desigualdade social, ausência de políticas públicas compromissadas com a promoção dos Direitos Humanos, têm contribuído para o mapeamento da pobreza política nas questões que versam sobre processos emancipatórios. Nesta perspectiva, faz-se necessário sublinhar que a "cidadania é, assim, a raiz dos Direitos Humanos, pois estes somente medram onde a sociedade se faz sujeito histórico capaz de discernir e efetivar seu projeto de desenvolvimento" (DEMO, 1995, p. 3).

Dessa forma, a construção dos direitos da mulher impende, necessariamente, da reconstrução da identidade político-social da mulher. Vale dizer, que estes direitos carecem de um redimensionamento na medida da constatação das antinomias que emanam do seu cotidiano, na valorização da pessoa humana e, fundamentalmente, no enfrentamento das distorções entre a lei e a realidade.

Apesar da afirmação acima exposta não se pode deixar de relevar os méritos dos movimentos e ações afirmativas (estratégias empregadas para corrigir as desigualdades entre homens e mulheres), além das várias Declarações, Leis e até mesmo do reforma sofrida pelo Codigo Civil que trouxe significativos avanços para os direitos das mulheres.

Revista de Pesquisa e Pós-Graduação – Santo Ângelo, 2003.

METODOLOGIA

As estratégias metodológicas adotadas baseiam-se na pesquisa qualitativa e também

no método de procedimento. Além disso, adota-se a pesquisa sócio jurídica concentrada

principalmente na pesquisa bibliográfica e documental.

RESULTADOS/ CONCLUSÕES

Diante de todo o exposto, incontestável reconhecer que a prática dos Direitos

Humanos das mulheres depende da concretização de sua cidadania, noutras palavras significa

dizer que somente com a ampliação da concepção de sua pluralidade como ente humano, a

qual está em constante processo de crescimento e enfrentando as antinomias implícitas nas

sociedades modernas, que a mulher poderá desvincular-se do paradigma de uma figura

silenciosa e submissa.

Vale lembrar que a noção dos Direitos Humanos das mulheres deve ter como ponto de

partida a participação ativa das mulheres em termos de reconstrução de sua história, de luta e

de resistência à opressão. Isso significa a desconstrução da visão masculina do mundo

baseada na manipulação do conhecimento, que coloca os homens como referencial para a

compreensão de uma sociedade onde as mulheres são tratadas como invisíveis, no máximo

como coadjuvantes.

Neste viés, revela-se a importância de trabalhos que, como este, traçam o panorama

histórico de uma classe tomada como minoria, haja vista o fato de

pessoas interessadas nessa questão possam fazer a avaliação e o diagnóstico da sua vivência

permitir que as próprias

cotidiana, e a partir daí

conquistas.

compreender que a conquista da cidadania passa por muitas outras

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

DEMO,

Associados, 1995.

Pedro.

Cidadania

tutelada

e

cidadania

assistida.

Campinas,

SP:

Autores

Revista de Pesquisa e Pós-Graduação – Santo Ângelo, 2003.

DORA, Denise Dourado. Feminino e Masculino: Igualdade e diferença na justiça. Porto Alegre: Ed. Sulina, 1997.

DORA, Denise Dourado; SILVEIRA, Domingos Dresch. Direitos Humanos Ética e Direitos Reprodutivos. Porto Alegre: RML, 1998.

HESPANHA, Benedito. O político, o jurídico e o justo na constituição. Passo Fundo:

Revista Justiça do Direito, EDIUPF, v.14, n. 14, 2000.

MORAES, Alexandre. Direitos Humanos Fundamentais. São Paulo: Atlas, 1998.

OLIVEIRA JR., Jose Alcebíades de. Teoria Jurídica e Novos direitos. Rio de Janeiro:

Humes Júris, 2000. PIMENTEL, Silvia (org). CLADEM - Comitê Latino Americano para a defesa dos Direitos da Mulher. Mulher e Direitos Humanos na América Latina. São Paulo: Ltda, 1992.

PIOVESAN, Flavia. Temas de Direitos Humanos. São Paulo: Max Limonad, 1998.

PITANGUY, Jacqueline; ALVES, Branca Moreira. O que é o feminismo?São Paulo: Abril Cultural, 1985.

SANTOS, Yasmin Ximenes dos. Os direitos femininos e a lei. In: GUERRA FILHO, Willis Santiago (Org.). Dos Direitos humanos aos Direitos Fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1997.

SCAVONE, Miriam. As Vitoriosas. Revista Veja, Edição Especial Mulher, São Paulo, ano 34, nº 48, Editora Abril, dezembro de 2001.

SCHMIDT, Mario. Nova Historia Critica Moderna e Contemporânea. São Paulo: Nova Geração, 1996.