Capítulo 5

Unidades de disco
Este capítulo trata principalmente das conexões de cabos nas unidades de disco usadas
nos PCs:
• Drives de disquete
• Discos rígidos
• Unidades de CD e DVD
Apresentamos as informaões suficientes para que voc! possa instalar corretamente
esses dispositivos" tendo sucesso na sua montagem# Em capítulos posteriores do livro
daremos mais informaões" como a formata$o" configuraões e detal%es t&cnicos sobre
essas unidades#
Conexões nas unidades de disquete
'a parte traseira do drive de disquete existem dois conectores# Um deles & o de
alimenta$o" e deve ser ligado na fonte# ( outro & o conector de dados" tem )* pinos" e
deve ser ligado atrav&s de um cabo flat apropriado + placa m$e" onde fica a interface
para drive de disquete#
Figura 1
Conectores na parte traseira do
drive de disquete.
98 ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Uma dificuldade com os drives de disquete" apesar de n$o ser muito grande" & que a
disposi$o dos conectores na parte traseira n$o & padroni4ada# (s conectores da fonte e
do cabo flat s$o iguais mas" dependendo do modelo" podem ficar + esquerda ou +
direita# A figura 2 mostra um outro exemplo#
Figura 2
Os drives de disquetes podem
apresentar diversas disposições de
conectores.
-ecomendamos que quando voc! fi4er essas conexões" puxe o cabo flat e o cabo de
alimenta$o para fora do gabinete" o que facilita bastante a visuali4a$o dos conectores
5figura )6# Depois de conectados os dois cabos" coloque o drive no seu lugar pela parte
frontal do gabinete e" s7 ent$o" aparafuse8o# 9 muito difícil fa4er as conexões depois que
o drive de disquete :; est; aparafusado no seu lugar definitivo#
Figura 3
Forma mais fácil de fazer as conexões dos
drives de disquete.
Figura 4
Cabo flat para drive de disquetes.
Conexão do drive de disquetes no cabo flat
( cabo flat para drives de disquete tem normalmente tr!s conectores" como vemos na
figura *# Cabos mais antigos tin%am < conectores" sendo dois deles maiores" usados
para a conex$o de drives de disquete de < =>*?# 'ote na figura * que o cabo tem um
Capítulo ! "nidades de disco 99
corte e um tranamento :unto a um dos conectores# Este conector deve ser ligado ao
drive de disquetes# ( conector oposto deve ser ligado na interface para drives de
disquete" na placa m$e# ( conector do meio normalmente n$o & usado" mas serve para
conectar um segundo drive de disquete# ( drive na extremidade do cabo opera como
@A?" e o ligado no conector do meio opera como @A?#
'ote ainda que os cabos flat t!m sempre um dos seus fios extremos pintado"
normalmente de vermel%o# Este & o fio nBmero = do cabo# Ele deve corresponder ao
fio nBmero = do conector#
Para encaixar corretamente o cabo flat no drive de disquete" temos que identificar no
seu conector" qual & o pino =# ( pino = do conector deve corresponder ao fio pintado
5normalmente vermel%o6 no cabo flat# Voc! sempre encontrar; na parte traseira do
drive de disquete" uma indica$o de pino = 5ou pino 2" que fica ao lado do pino =6#
Poder; ainda encontrar uma indica$o de pino )) 5ou )*6" no lado oposto do conector#
Cendo assim" conecte o cabo flat de tal forma que o pino = do conector corresponda ao
fio pintado do cabo" como vemos na figura <#
Figura 5
O fio pintado do cabo flat deve
corresponder ao pino # $ou %& do
conector na parte traseira do drive de
disquete.
Ce voc! n$o conseguir enxergar a indica$o do pino = 5ou 2" ou ))" ou )*6 no drive de
disquete" existe mais uma forma de identific;8lo facilmente# (l%ando o drive de
disquetes pela parte traseira" o fio vermel%o do cabo flat fica normalmente voltado para
a sua esquerda" como mostra a figura <# 'ote entretanto que para usar esta regra &
preciso tomar cuidado para n$o posicionar o drive @de cabea para baixo?#
Duando o cabo flat do drive de disquetes & ligado de forma invertida" n$o causa
estragos# Duando isso ocorre" o EED frontal do drive fica aceso permanentemente"
assim que o computador & ligado# Aasta desligar o computador e corrigir a conex$o#
Encaixe o conector do cabo flat cuidadosamente no drive" com cuidado para n$o
dobrar acidentalmente seus pinos# Duando for desconectar o cabo flat" puxe
cuidadosamente pelo conector" e nunca pelo cabo# Puxando pelo cabo voc! poder;
danificar a sua liga$o com o conector" inutili4ando o cabo# '$o puxe o conector de
uma s7 ve4# Puxe8o alternadamente por uma extremidade e por outra" at& que aos
poucos ele se:a desconectado#
#'' ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Conexão do drive de disquetes na fonte de alimentação
0amb&m devemos tomar cuidado na liga$o do drive de disquete na fonte de
alimenta$o# A fonte tem conectores pr7prios para esta conex$o" como vemos na figura
F# (bserve a forma correta de conex$o# Ce este conector for ligado de forma invertida
ou deslocada" o drive de disquete queimar; assim que o computador for ligado# Em
certos casos podemos at& mesmo queimar a placa m$e# Portanto faa esta conex$o com
muito cuidado#
Figura 6
Conectando a fonte de
alimentaç(o no drive de
disquetes.
Use tamb&m a figura F como refer!ncia para conectar a alimenta$o do drive de
disquete#
Figura 7
Orientaç(o correta do conector da fonte para
alimentaç(o do drive de disquete.
Em alguns drives de disquete" o conector de alimenta$o tem uma trava# 'esse caso
n$o conseguiremos desconect;8lo da fonte simplesmente puxando# Para fa4er o
desencaixe devemos introdu4ir uma c%ave de fenda pequena" como mostra a figura G" e
ent$o puxar o conector#
Figura 8
)l*uns conectores possuem uma trava e devemos
usar uma c+ave de fenda pequena para fazer o
desencaixe.
Depois que o drive de disquetes & introdu4ido no gabinete" devemos fix;8lo usando um
ou dois parafusos de cada lado# 'ormalmente s$o usados parafusos de rosca fina# Esses
parafusos s$o fornecidos :untamente com o gabinete#
Capítulo ! "nidades de disco #'#
Conexões nos discos rígidos IDE
(s discos rígidos mais usados nos PCs atuais s$o do padr$o 1DE" tamb&m c%amado de
A0A# H; s$o entretanto bastante comuns os discos rígidos CA0A 5Cerial A0A6" que
ser$o apresentados na se$o seguinte# Comecemos ent$o apresentando as conexões dos
discos 1DE#
'a parte traseira de um disco rígido 1DE existem dois conectores" sendo um para
liga$o na fonte de alimenta$o e outro para liga$o na placa m$e" atrav&s do cabo flat
apropriado# A figura I mostra um disco rígido 1DE e seus dois conectores#
Figura 9
Conectores na parte traseira de
um disco rí*ido ,-..
Jumpers dos discos IDE
Humpers s$o pequenas peas pl;sticas com contatos met;licos internos" usados para
fa4er configuraões de %ardJare# 'o caso dos discos rígidos 1DE" os :umpers devem ser
configurados quando instalamos mais de um disco no mesmo cabo# 0oda interface 1DE
pode controlar dois discos" e eles s$o c%amados de Kaster e Clave# (s discos rígidos
1DE s$o configurados na f;brica para operarem como Kaster# Portanto se voc! quer
ligar apenas um disco" n$o precisa se preocupar com os seus :umpers" eles :; est$o
configurados da forma correta# Kais adiante" neste capítulo" mostraremos como
configurar os :umpers de um disco rígido quando queremos instalar mais de um no
mesmo cabo# Discos rígidos CA0A n$o possuem :umpers para configura$o
Kaster>Clave#
O uso do cabo flat IDE
( cabo flat 1DE tem tr!s conectores" sendo um para ligar na placa m$e e os outros dois
para ligar nos discos rígidos ou outros dispositivos 1DE# Ce voc! vai ligar apenas um
dispositivo 5um disco rígido" por exemplo6" use o conector da extremidade# ( conector
central deve ser usado apenas quando instalamos dois dispositivos# ( cabo flat 1DE de
GL vias tamb&m tem uma particularidade: seus tr!s conectores t!m cores diferentes" e
cada um deles tem um local específico para ser ligado" como mostra a figura =L#
#'% ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Figura 10
Cabo flat ,-. de 8' vias e seus
conectores.
#& /reto0 1i*ar no disco
%& Cinza0 /ara o se*undo disco
2& )zul0 1i*ar na placa m(e.
'unca ligue um dispositivo 1DE no conector central" deixando o conector da
extremidade livre" pois esta liga$o errada pode resultar em mau funcionamento do
disco rígido# ( mesmo cuidado se aplica para drives de disquete e unidades de
CD>DVD# A figura == mostra a forma errada e a forma correta para fa4er a liga$o#
Figura 11
"sando corretamente o cabo flat ,-.. O conector
do meio deve ser usado apenas quando instalamos
dois discos.
Conexões na fonte e no cabo flat
Ao ligar o cabo de alimenta$o no disco rígido" preste aten$o na sua orienta$o
correta# ( conector da fonte tem um formato pr7prio que encaixa somente na posi$o
correta# Ainda assim" se um usu;rio distraído tentar encaix;8lo de forma invertida e
for;8lo muito" conseguir; fa4er o encaixe errado# ( disco rígido queimar; assim que o
computador for ligado se esta conex$o estiver invertida# A placa m$e e outras placas
tamb&m poder$o queimar devido + invers$o# 0odo cuidado & pouco#
Al&m de conectar o disco rígido na fonte de alimenta$o" precisamos tamb&m saber
conect;8lo no cabo flat 1DE# Ao fa4er esta conex$o" observe que o cabo possui um fio
pintado" normalmente de vermel%o# Este & o fio nBmero =" e deve ficar voltado para o
Capítulo ! "nidades de disco #'2
conector da fonte de alimenta$o" como mostra a figura =)# 0odos os discos rígidos
seguem esta orienta$o#
Figura 12
Conectando corretamente a
fonte de alimentaç(o no disco
rí*ido.

Figura 13
Orientaç(o correta do cabo flat ,-. conectado
no disco rí*ido. Observe a indicaç(o do fio
vermel+o3 que deve ficar orientado no sentido do
conector da fonte.
ixação do disco rígido no gabinete
Al&m de conectar o disco rígido no cabo flat e na fonte de alimenta$o" devemos
tamb&m fix;8lo no gabinete# Esta fixa$o & feita atrav&s de quatro parafusos" dois de
cada lado" como mostra a figura =*# Devem ser usados parafusos de rosca grossa" :;
apresentados no capítulo 2#
Figura 14
-isco ri*ido sendo aparafusado no *abinete.
Figura 15
Conecte os cabos depois que o disco rí*ido estiver
aparafusado no *abinete.
#'4 ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
'a verdade devemos primeiro fixar o disco no gabinete" atrav&s desses parafusos" e
depois conectar o cabo flat e o cabo de alimenta$o 5figura =<6# E preste muita aten$o
na posi$o correta desses conectores#
Cabos flat IDE de !" e de #" vias
Duando os discos rígidos 1DE foram lanados" no início dos anos IL" operavam com
uma taxa de transfer!ncia de )") KA>s# Com o passar do tempo foram lanados
modelos 1DE com modos de transfer!ncia cada ve4 mais velo4es# H; em =II< os discos
operavam com =M"M KA>s 5era o c%amado P1( Kodo *6" e em =IIF c%egaram a ))
KA>s 5era o c%amado modo A0A8))6# ( cabo flat 1DE" que tin%a *L vias" estava ent$o
operando com uma velocidade =L ve4es maior que a original" mas ainda assim
funcionava bem#
Ao ser testado com o novo padr$o de velocidade" com a taxa de MM KA>s 5A0A8MM"
comum a partir de =III6" o vel%o cabo flat de *L vias n$o funcionou adequadamente# A
velocidade era t$o alta que os seus bits interferiam uns com os outros" uma esp&cie de
@lin%a cru4ada?" resultando em erros de leitura e grava$o# Afinal esta velocidade :;
seria 2L ve4es maior que os )") KA>s dos primeiros discos 1DE# Para resolver o
problema" foram adicionados ao cabo" mais *L fios de blindagem# Esses fios s$o
alternados com os *L fios originais# ( conector continua com *L pinos" mas o cabo
possui GL vias# Nraas a essa blindagem" o cabo 1DE de GL vias suporta velocidades
mais elevadas" a partir de MM KA>s# C$o os padrões A0A8MM" A0A8=LL e A0A8=)) 5MM
KA>s" =LL KA>s e =)) KA>s6" todos requerendo cabos 1DE de GL vias#
Figura 16
Conectores dos cabos ,-. de
4' e de 8' vias.
(s conectores dos cabos 1DE de *L e de GL vias s$o muito parecidos" ambos t!m *L
contatos# Duando uma interface 1DE e uma unidade de disco s$o capa4es de operar
acima de )) KA>s" a placa m$e @c%eca? qual & o tipo de cabo flat utili4ado# Ce concluir
que o cabo & de GL vias" ir; operar com a m;xima velocidade permitida
simultaneamente pela interface 1DE e pela unidade de disco# Por exemplo" se a
interface 1DE & A0A8=)) e o disco rígido & A0A8=LL" a opera$o ser; feita no modo
A0A8=LLO# Ce a placa m$e conclui que o cabo 1DE usado & de *L vias" ir; operar com
no m;ximo A0A8))" mesmo que a interface e o disco suportem velocidades mais altas#
Capítulo ! "nidades de disco #'
O(AC: 'o .indoJs IG e no .indoJs KE" a opera$o s7 ocorrer; em velocidade m;xima se
ativarmos o modo DKA no Nerenciador de dispositivos" como mostraremos no capítulo =)#
Cabos flat 1DE de *L vias t!m tr!s conectores iguais# Um deve ser ligado na placa m$e"
os outros dois s$o usados para conectar as unidades de disco# ( cabo funcionar;
corretamente" n$o importa qual desses conectores se:a ligado na placa m$e# H; os cabos
1DE de GL vias t!m seus conectores diferentes# ( padr$o estabelece que os seus
conectores devem ter cores específicas:
• Conector preto: ligar no dispositivo 1DE" na ponta do cabo
• Conector cin4a: ligar no dispositivo 1DE" no meio do cabo
• Conector a4ul: ligar na placa m$e
Figura 17
Os tr5s conectores do cabo ,-. de 8'
vias0 preste atenç(o nas cores666
$#& 7 /reto 7 "nidade de disco
$%& 7 Cinza 7 "nidade de disco
$2& 7 )zul 7 /laca m(e
Kuitas placas m$e s$o fornecidas com dois cabos 1DE" sendo um de GL e outro de *L
vias# ( cabo de GL vias opera com no m;ximo =)) KA>s" o de *L vias opera com no
m;ximo )) KA>s# Use ent$o o cabo de GL vias para conectar o disco rígido 5interface
1DE prim;ria6# ( cabo de *L vias pode ser usado para unidades de CD e DVD
5interface 1DE secund;ria6" que n$o operam" e n$o precisam de velocidades t$o
elevadas quanto o disco rígido# '$o %; problema algum se voc! usar cabos de GL vias
em ambas as interfaces# Entretanto as unidades de CD e DVD n$o experimentar$o um
gan%o significativo de desempen%o com o cabo de GL vias#
Discos $erial %&%
Voc! deve ter aprendido que as interfaces seriais s$o mais lentas que as interfaces
paralelas" pois as seriais transmitem um bit de cada ve4" e as interfaces paralelas
transmitem v;rios bits de uma s7 ve4# Por exemplo" as interfaces para impressora
paralela transmitem G bits simultPneos" as interfaces 1DE transmitem =M bits# (corre que
a eletrQnica evoluiu e %o:e existem interfaces que fa4em transmiss$o e recep$o serial
em altíssimas velocidades# Podemos citar as interfaces de rede" as interfaces UCA" as
interfaces RireJire# A partir de 2LL)" os discos rígidos tamb&m adotaram o padr$o
serial" c%amado Cerial A0A 5CA0A6# As interfaces 1DE comuns" c%amadas tamb&m de
A0A" podem ser tamb&m c%amadas de Parallel A0A" ou PA0A#
#'8 ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Figura 18
"m disco rí*ido 9erial ):).
As interfaces PA0A v$o cair em desuso nos pr7ximos anos# 0ecnicamente & muito
difícil construir interfaces paralelas com altíssimas velocidades# A Bltima gera$o de
interfaces PA0A segue o padr$o A0A8=))" operando a =)) KA>s# H; as interfaces e os
discos rígidos CA0A operam com =<L KA>s# Discos CA0A de segunda gera$o 5CA0A8
11" lanado em 2LL*6 operam com )LL KA>s# (s discos de terceira gera$o 5CA0A81116
ir$o operar com MLL KA>s# A tabela abaixo resume essas velocidades:
Padrão Taxa de transferência
externa
,-.3 /,O ;odo 4 #838 ;<=s
):)>22 22 ;<=s
):)>88 88 ;<=s
):)>#'' #'' ;<=s
):)>#22 #22 ;<=s
9):) #? *eraç(o #' ;<=s
9):) %? *eraç(o 2'' ;<=s
9):) 2? *eraç(o 8'' ;<=s
Discos rígidos produ4idos entre =II< e =IIF operavam em P1( Kodo *" com taxa de
=M"M KA>s# Esses modelos tin%am capacidades inferiores a =L NA# A partir de =IIF
surgiram discos 1DE operando no modo A0A8))# A seguir surgiram modelos mais
velo4es" e tamb&m com maiores capacidades# '$o & possível definir a velocidade de
um disco apenas em fun$o de sua capacidade# Por exemplo" podemos encontrar
modelos de G NA tanto nos padrões A0A8)) como os limitados a P1( Kodo *# Discos
de )L ou *L NA podem ser A0A8MM 5os mais antigos6 ou A0A8=LL e A0A8=)) 5os mais
novos6#
A partir de 2LL)" diversas placas m$e passaram a ser fabricadas com interfaces PA0A e
CA0A# Estamos vivendo ent$o a transi$o entre essas duas tecnologias# Com o passar
do tempo" surgir$o placas m$e equipadas apenas com interfaces CA0A# Duem precisar
instalar os atuais discos 1DE precisar; usar uma placa m$e antiga ou comprar uma
placa de interface PA0A# Discos CA0A de segunda gera$o 5)LL KA>s6 surgiram a
partir de 2LL*" e os de terceira gera$o 5MLL KA>s6 estar$o disponíveis a partir de 2LLF#
A figura =I mostra os dois conectores existentes na parte traseira de um disco CA0A#
Capítulo ! "nidades de disco #'@
Figura 19
Conectores de um disco 9):).
Conector de alimentação $%&%
( conector de alimenta$o de um disco CA0A & diferente dos usados nos discos 1DE#
Por isso os discos rígidos CA0A" e eventualmente as placas m$e com este tipo de
interface" s$o fornecidos com um adaptador de fonte# H; existem entretanto fontes de
alimenta$o com os conectores para discos CA0A" dispensando assim os adaptadores#
Figura 20
Conector de alimentaç(o no disco 9):)
e o conector correspondente na fonte de
alimentaç(o.
Figura 21
)daptador de fonte de alimentaç(o para discos
9):).
#'8 ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Cabo de dados $%&%
As placas m$e que possuem interfaces CA0A s$o acompan%adas de cabos apropriados
para esta conex$o 5figura 226# Este cabo & bem diferente dos usados nas atuais
interfaces 1DE# Ao inv&s de terem conexões para duas unidades 5Kaster e Clave6" esses
cabos possuem apenas dois conectores id!nticos# Um deles deve ser ligado no conector
CA0A da placa m$e" o outro deve ser ligado no disco rígido# Portanto cada conector
CA0A permite controlar apenas um disco# Placas m$e novas normalmente possuem
duas ou quatro interfaces CA0A#
Figura 22
Cabos de dados 9):).
-etal+es dos seus
conectores e do conector
existente no disco rí*ido
9):).
'C( ) 'ative Command (ueue
(s discos CA0A de primeira gera$o apresentam taxa de transfer!ncia um pouco
maior que a dos discos 1DE 5=<L KA>s" contra =LL ou =)) KA>s6# Ceu desempen%o
pode ficar ainda maior nos modelos que oferecem o recurso 'CD 5'ative Command
Dueue6#
Discos 1DE comuns executam um comando de cada ve4" e enquanto n$o terminam um
comando" n$o podem executar outros comandos# Ce diversos programas est$o
solicitando acessos a ;reas diversas no disco" s$o necess;rios muitos movimentos com as
cabeas de leitura e grava$o para permitir acesso a todas essas ;reas# H; os discos
CA0A com 'CD" mesmo que este:am envolvidos na execu$o de um comando 5por
exemplo" mover as cabeas at& a tril%a =#LLL para fa4er a leitura de um setor do disco6"
aceitam outros comandos e os colocam em uma fila# A seguir o disco determina entre
todos os comandos da fila" qual deles requer o acesso + tril%a mais pr7xima# Desta
forma os acessos s$o feitos fora de ordem" mas esta ordem & otimi4ada" baseada sempre
no menor camin%o percorrido pelas cabeas" e um tempo muito menor para reali4ar o
trabal%o completo# 'em todos os discos CA0A possuem o recurso 'CD# (s primeiros
modelos" lanados a partir de 2LL)" ainda n$o o possuíam# Discos produ4idos a partir
de meados de 2LL* :; operavam com 'CD#
Capítulo ! "nidades de disco #'9
Conexões nas unidades de CD e D*D
As conexões mostradas aqui aplicam8se igualmente +s seguintes unidades 1DE:
• Drives de CD8-(K
• Drives de DVD
• Nravadores de CD8->CD8-.
• Nravadores de DVD
• Drives Combo 5gravador de CD>CD8-. e leitor de CD>DVD6
Em todos esses dispositivos as conexões s$o id!nticas# Para efeito de %ardJare" todos
s$o similares a CD8-(Ks# Nravadores passar$o a operar desta forma depois que for
instalado o softJare de grava$o 5Ex: 'ero ou similar6# Drives de DVD recon%ecer$o
discos DVD8-(K 5dados6 depois que o sistema operacional for instalado" e
recon%ecer$o discos DVD 5filmes6 depois que for instalado o softJare apropriado para
exibi$o de filmes 5Ex: PoJerDVD" .inDVD6# Kas em todos eles" as conexões de
%ardJare s$o id!nticas# 9 claro" estamos falando de unidades 1DE" que s$o as mais
comuns# Podemos encontrar unidades que usam outras interfaces" como UCA" RireJire
e CCC1" por&m s$o usadas em menor escala#
Figura 23
"nidades de C-=-A- ,-. !
observe como s(o
semel+antes.
Figura 24
Conectores na parte traseira
de um drive de C->BO;3
drive de -A- e *ravadores
de C-s e -A-s.
##' ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
'a parte traseira dessas unidades encontramos os conectores mostrados na figura 2*#
C$o eles:
• Conector de alimenta$o
• Conector para o cabo flat
• Humpers
• Conectores de ;udio anal7gico e digital
Conexão na fonte de alimentação
( conector de alimenta$o de uma unidade de CD ou DVD & id!ntico ao do disco
rígido# A fonte de alimenta$o tem v;rios 5normalmente quatro6 desses conectores" que
s$o iguais e intercambi;veis" ou se:a" qualquer um deles pode ser usado para alimentar
qualquer unidade de disco" desde que seu conector de alimenta$o ten%a este formato#
Este conector s7 encaixa na posi$o correta" devido ao seu formato %exagonal#
Figura 25
Conectando a fonte de
alimentaç(o em uma
unidade de C- ou -A-.
0ome cuidado entretanto com certas unidades que usam um conector de alimenta$o
como o da figura 2M# ( conector da unidade & a princípio retangular" e a sua parte
inclinada" que impede a conex$o invertida" fica no seu interior# Um usu;rio ou t&cnico
distraído pode conseguir encaixar este conector at& certo ponto 5cerca de um
milímetro6" e ao forar" acaba deformando a parte interna" :; que & pl;stica" e
conseguindo fa4er o encaixe invertido# ( drive queimar; assim que for ligado" e poder;
queimar tamb&m a placa m$e e outras placas do computador# Discos da EN
normalmente usam este tipo de conector# 0ome cuidado#
Figura 26
Cuidado com conectores com este
formato3 para n(o fazer o encaixe de
forma invertida666
Capítulo ! "nidades de disco ###
Para n$o errar na conex$o da alimenta$o nas unidades de CD" confira o seguinte: o
fio AKA-EE( do cabo de alimenta$o deve corresponder + indica$o @S=2? na parte
traseira da unidade 5figura 2F6#
Figura 27
O fio amarelo do conector da fonte de
alimentaç(o corresponde C indicaç(o DE#%F na
parte traseira da unidade de C- ou -A-.
Conexão no cabo flat IDE e configuração de +umpers
Drives de CD8-(K" drives de DVD e respectivos gravadores" sendo do padr$o 1DE"
s$o tamb&m ligados + placa m$e atrav&s de um cabo flat 1DE# Por questões de
desempen%o" & recomend;vel manter o disco rígido 1DE ligado na interface 1DE
prim;ria" e ligar as unidades de CD>DVD na interface 1DE secund;ria# Esta conex$o &
feita atrav&s de um cabo flat 1DE#
Figura 28
/ara li*ar uma unidade de C-=-A-.
Figura 29
/ara li*ar duas unidades de C-=-A-.
Ce usarmos apenas uma unidade de CD>DVD devemos lig;8la na extremidade do cabo"
como mostra a figura 2G# Ce ligarmos duas unidades" usamos ent$o os dois conectores"
como mostra a figura 2I#
,o:e & relativamente comum a instala$o de duas unidades de CD>DVD" por exemplo"
um drive C(KA( 5gravador de CD8->CD8-. e leitor de DVD6 e um gravador de
DVD# Como o drive C(KA( & mais barato que o gravador de DVD" podemos usar o
C(KA( para exibir filmes em DVD" ter acesso a CD8-(K e CDs de ;udio e gravar
CDs" poupando assim o gravador de DVD" que seria usado exclusivamente para
grava$o de DVDs# Desta forma o gravador de DVD ir; durar muito mais"
minimi4ando o seu desgaste mecPnico#
##% ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Ce quisermos instalar apenas uma unidade de CD ou DVD" devemos configur;8la como
KAC0E- 5ou DEV1CE =6# Para instalar uma segunda unidade" devemos configur;8la
como CEAVE 5ou DEV1CE 26# Esta configura$o & feita por :umpers locali4ados na
parte traseira do drive 5figura )L6#
Figura 30
Confi*urações ;aster=9lave
para uma unidade de C-=-A-.
Cupon%a" por exemplo" que vamos instalar um gravador de DVD e um gravador de
CD8->CD8-.# Podemos instalar o gravador de DVD como KAC0E- e o gravador de
CDs como CEAVE" ou vice8versa# Da mesma forma" tanto fa4 usar o KAC0E- na
extremidade de cabo e o CEAVE no conector central" como usar o CEAVE na
extremidade e o KAC0E- no conector central#
Figura 31
Formas de instalaç(o de duas unidades de
C-=-A-.
O<90 9e voc5 Gá ouviu dizer que o ;)9:.B
deve ficar obri*atoriamente na extremidade do
cabo3 saiba que essa afirmaç(o H falsa. )mbas
as formas de instalaç(o mostradas na fi*ura ao
lado s(o corretas.
Capítulo ! "nidades de disco ##2
Conexão do cabo de ,udio
0odas as unidades de CD>DVD possuem na sua parte traseira duas saídas de ;udio"
sendo uma anal7gica e outra digital# C$o usadas quando estamos reprodu4indo um CD
de ;udio 5musical6# A mBsica & reprodu4ida simultaneamente pelos dois conectores#
Usando um cabo de ;udio 5que normalmente acompan%a as unidades de CD>DVD6"
devemos fa4er a liga$o na placa de som" ou ent$o na placa m$e" caso este:a sendo
usado o @som onboard?# 0odas as placas de som e placas m$e com som onboard
possuem um conector c%amado normalmente de CD81'" que serve para a liga$o do
;udio anal7gico de CD# Alguns modelos possuem uma conex$o digital" c%amada CD8
CPD1R# Ce tivermos apenas a conex$o anal7gica" esta necessariamente deve ser usada#
Ce a placa de som ou placa m$e tiver uma conex$o anal7gica e uma digital" podemos
escol%er qualquer uma das duas" mas a conex$o digital fornece um som sensivelmente
mel%or#
Figura 32
Conexões para áudio de C-0
$#& 7 -i*italI $%& 7 )nalJ*ica.
Figura 33
Cabo de áudio analJ*ico.
Digamos ent$o que a placa de som possua apenas a conex$o CD81' 5sem CD8CPD1R6#
Devemos ent$o usar o cabo de ;udio anal7gico 5que & fornecido :untamente com a
unidade de CD>DVD6 para ligar a placa de som na unidade de CD# Ce instalarmos em
um computador duas unidades de CD mas a placa de som ou placa m$e tiver apenas
uma conex$o para ;udio de CD" devemos escol%er uma das unidades de CD para a
liga$o do cabo de ;udio#
Dentro da id&ia de poupar a unidade de CD mais cara e usar no dia8a8dia a unidade
mais barata" podemos convencionar que CDs de ;udio ser$o reprodu4idos apenas na
unidade de CD mais barata# Kuitas placas de som possuem uma segunda entrada de
CD de ;udio anal7gico" c%amada AUT81'# Podemos ent$o ligar cabos de ;udio
anal7gico em ambas as unidades de CD>DVD# Da mesma forma" se a placa de som
tiver as entradas CD81' e CD8CPD1R" podemos usar ambas as entradas" cada uma
ligada atrav&s do cabo de ;udio" em uma unidade de CD ou DVD#
##4 ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Figura 34
Conexões dos cabos em uma
unidade de C-=-A-.
Operando sem cabo de ,udio
At& pouco tempo atr;s" todas as unidades de CD ou DVD eram acompan%adas de um
cabo flat e um cabo de ;udio# A partir de aproximadamente 2LL<" os fabricantes
passaram a n$o mais fornecer esses cabos com suas unidades# 9 preciso ent$o adquirir
um cabo flat separadamente# A placa m$e vem acompan%ada de um cabo flat 1DE" e
este pode ser usado para ligar a unidade de CD" caso o disco rígido se:a CA0A#
Eembramos que n$o & uma boa id&ia ligar o disco rígido e a unidade de CD>DVD no
mesmo cabo" o ideal & ligar uma em cada interface" para maximi4ar o desempen%o#
Duanto ao cabo de ;udio" que n$o vem mais fornecido com as unidades de CD>DVD
atuais" existe feli4mente uma solu$o# ( .indoJs TP & capa4 de reprodu4ir CDs de
;udio" lendo o som na forma digital atrav&s do pr7prio cabo flat" dispensando assim o
uso do cabo de ;udio# ( .indoJs KE tamb&m tem esse recurso" mas & preciso
%abilit;8lo no Nerenciador de dispositivos 5capítulo =)6# ( .indoJs IG n$o tem o
recurso de ler CDs de ;udio pelo cabo flat" portanto o uso do cabo de ;udio &
obrigat7rio nesse caso#
ixação das unidades de CD-D*D no gabinete
Apenas para efeitos did;ticos mostramos na figura )* os cabos conectados na parte
traseira de uma unidade de CD8DVD# 'a verdade esses cabos s$o conectados apenas
depois que a unidade & instalada no gabinete# A unidade & montada pela parte frontal
do gabinete" e depois aparafusada 5figura )<6# Devem ser usados dois parafusos em
cada lado#
Figura 35
,nstalando uma
unidade de
C-=-A- no
*abinete.
Capítulo ! "nidades de disco ##
Apenas depois que a unidade est; aparafusada no gabinete" fa4emos as conexões dos
cabos de alimenta$o" flat e de ;udio na sua parte traseira 5figura )M6#
Figura 36
Conectando os cabos na unidade de C-=-A- Gá
aparafusada no *abinete.
Instalando um segundo disco rígido
9 relativamente f;cil instalar um segundo disco rígido# Ve:amos alguns casos:
a6 Primeiro disco & 1DE e segundo & CA0A:
Aasta conectar o novo disco em uma interface CA0A# Cer; preciso indicar no CK(C
Cetup 5capítulo =L6 qual dos dois discos ser; considerado como disco de sistema# Em
geral quando instalamos um segundo disco" o primeiro permanece sendo o disco de
sistema 5aquele onde ficar; o sistema operacional6# 'ormalmente o comando do
CK(C Cetup para indicar o disco de boot & A((0 > ,ard disU prioritV#
b6 Primeiro disco & CA0A e segundo & CA0A:
Aasta conectar o segundo disco em uma porta CA0A disponível# As portas CA0A s$o
numeradas 5ex: CA0A=" CA0A2" CA0A)" CA0A*6# Como padr$o" o disco de sistema &
aquele ligado na primeira# Por exemplo" se instalarmos discos nas portas CA0A= e
CA0A2" o disco ligado na porta CA0A= ser; o disco de sistema" ou se:a" onde ser;
buscado o sistema operacional# Ce quisermos mudar a ordem padr$o 5por exemplo"
fa4er com que o disco de sistema se:a o ligado na porta CA0A26" ser; preciso indicar
essa op$o no CK(C Cetup#
c6 Primeiro disco & CA0A e segundo & 1DE
Duando o computador tem um s7 disco rígido" este ser; usado para o sistema" n$o
importa em qual interface este:a conectado# Ao instalarmos um segundo disco" o boot
ser; feito preferencialmente pelo disco de maior @prioridade?# 9 possível que
dependendo da placa m$e" o disco 1DE se:a usado automaticamente como padr$o para
boot# Ce:a qual for o caso devemos ir ao CK(C Cetup e indicar qual & o disco de
sistema" usado para boot#
d6 Primeiro disco & 1DE e segundo disco & 1DE
( primeiro disco" :; usado como disco de sistema" est; provavelmente configurado
como KAC0E- 5esta & a configura$o de f;brica6# Ce quisermos instalar um segundo
disco 1DE no mesmo cabo" basta que este se:a configurado como CEAVE" atrav&s de
##8 ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
:umpers na sua parte traseira" como mostraremos a seguir# Para decidir qual & o disco
de boot" os A1(C em geral usam a seguinte ordem padr$o:
=6 Kaster da 1DE prim;ria
26 Clave da 1DE prim;ria
)6 Kaster da 1DE secund;ria
*6 Clave da 1DE secund;ria
Por isso & recomend;vel que o disco rígido se:a configurado como Kaster da interface
1DE prim;ria# Dessa forma" ao instalarmos um segundo disco" o primeiro continuar;
sendo o disco de sistema 5& normalmente o que queremos6# Kostraremos adiante nesta
se$o como instalar um segundo disco 1DE como CEAVE" na interface 1DE prim;ria
onde :; est; o primeiro disco" operando como KAC0E-#
Instalação mec.nica
'$o importa o tipo de disco rígido que est; sendo instalado# (s discos devem ser
aparafusados no gabinete 5figura )F6# Ambos os discos devem ser ligados na fonte de
alimenta$o# Ce n$o existir um conector de alimenta$o disponível" podemos comprar
uma extens$o" con%ecida como @cabo W para fonte de PC?" encontrado com facilidade
nas lo:as que vendem cabos para micros# 'o exemplo da figura )F mostramos dois
discos 1DE" ligados no mesmo cabo" mas a fixa$o no gabinete & an;loga para discos
CA0A# 9 altamente recomend;vel que cada disco fique com um espao livre acima e
abaixo para facilitar a ventila$o" evitando o seu aquecimento# 9 importante lembrar
que tanto a parte inferior como a parte superior do disco ficam quentes#
Figura 37
,nstalaç(o mecKnica de dois discos
rí*idos.
'o caso de discos 1DE" al&m da instala$o mecPnica & preciso tamb&m configurar os
:umpers dos discos rígidos 5master>slave6 para que funcionem em con:unto no mesmo
cabo" como mostraremos a seguir#
Jumpers de discos rígidos
Ce voc! vai instalar um disco rígido 1DE" novin%o em fol%a" como o Bnico dispositivo
da interface 1DE prim;ria" ent$o n$o precisa se preocupar com a sua configura$o de
:umpers# A configura$o de f;brica & adequada para este tipo de instala$o 5Kaster6# H;
Capítulo ! "nidades de disco ##@
o mesmo n$o pode ser dito quando voc! pretende instalar dois discos rígidos" ou ent$o
quando pretende instalar outros dispositivos 1DE" como unidades de CD e DVD# 'em
sempre a configura$o com a qual esses dispositivos saem da f;brica & adequada +
instala$o direta" sem que o usu;rio precise revisar os seus :umpers# Vamos ent$o
apresentar os :umpers dos dispositivos 1DE" e como devem ser programados para cada
modo de instala$o#
'ormalmente um disco rígido 1DE tem seus :umpers configurados de duas formas:
aster .sta H a confi*uraç(o com a qual os discos rí*idos saem da fábrica. O drive está
preparado para operar como Master 3 ou seGa3 o primeiro dispositivo de uma interface. )
princípio3 o disco ,-. li*ado como ;aster na interface ,-. primária3 será acessado pelo
sistema operacional como drive C.
!"a#e O disco rí*ido H o Slave3 ou seGa3 o se*undo dispositivo ,-. li*ado a uma interface. )
princípio3 um dispositivo ,-. li*ado como 9lave na interface ,-. primária3 será acessado
pelo sistema operacional como drive -
'ote que quando fi4emos refer!ncia +s letras recebidas pelos drives" tomamos cuidado
de di4er @a princípio?# A ra4$o disso & que essas letras podem mudar" atrav&s de
configuraões de softJare# Por exemplo" uma unidade de CD ou DVD pode ter sua
letra alterada para qualquer outra" ao gosto do usu;rio#
As configuraões de outros dispositivos 1DE 5por exemplo" unidades de CD e DVD6
s$o similares" como mostra a tabela abaixo#
aster "sada quando o drive H o primeiro dispositivo li*ado a uma interface ,-..
!"a#e "sada quando o drive H o se*undo dispositivo li*ado em uma interface ,-..
$lave /resent
Alguns discos rígidos possuem ainda uma terceira configura$o al&m das tradicionais
master e slave: @Kaster Jit% Clave Present?# Esses discos possuem ent$o duas opões
para Kaster: Kaster so4in%o e Kaster com Clave# As tr!s configuraões possíveis s$o
resumidas na tabela abaixo:
aster .sta H a confi*uraç(o de fábrica. O L- irá operar como Master $ou seGa3 o
primeiro dispositivo de uma interface&3 sem Slave $ou seGa3 sem estar
acompan+ado de um se*undo dispositivo na mesma interface&. .sta confi*uraç(o
pode aparecer com outros nomes3 como D9,MN1.F ou DOM. -B,A. OM1OF.
!"a#e O disco rí*ido H o Slave3 ou seGa3 o se*undo dispositivo ,-. li*ado a uma
interface.
$ri#e is aster%
!"a#e Present
Mesta confi*uraç(o3 o disco rí*ido H o Master3 ou seGa3 o primeiro dispositivo de
uma interface ,-.3 porHm3 existe um se*undo dispositivo ,-. li*ado na mesma
interface. Como vemos3 n(o basta indicar para um disco rí*ido que ele opera
como ;aster3 H preciso tambHm avisar3 atravHs dos seus Gumpers3 que existe um
9lave li*ado na mesma interface.
A esmagadora maioria dos discos rígidos n$o possui o :umper Clave Present" ou se:a"
n$o fa4 distin$o entre Kaster so4in%o e Kaster com Clave# Ce:a como for" & preciso
conferir isso na tabela de :umpers estampada na carcaa externa do disco rígido#
##8 ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Ve:amos alguns exemplos de conexões de discos rígidos e dispositivos 1DE e suas
respectivas configuraões#
Exemplo 0
Cupon%a que existe um disco rígido ligado na interface 1DE prim;ria" e um drive de
CD8-(K ligado na interface 1DE secund;ria# (s :umpers devem ser configurados da
seguinte forma:
&onexão $is'ositi#o &onfigura(ão
/rimarP ;aster -isco rí*ido One drive OnlP $;aster&
/rimarP 9lave > >
9econdarP ;aster -rive de C->BO; ;aster
9econdarP 9lave > >
Exemplo 1
Cupon%a agora dois discos rígidos 1DE ligados na interface 1DE prim;ria e" na
secund;ria" um drive de DVD ligado como Kaster e um gravador de CDs ligado como
Clave# (s :umpers devem ser configurados da seguinte forma:
&onexão $is'ositi#o &onfigura(ão
/rimarP ;aster -isco rí*ido -rive is ;aster3 9lave /resent
/rimarP 9lave -isco rí*ido -rive is 9lave
9econdarP ;aster -rive de -A- ;aster
9econdarP 9lave Nravador de C-s 9lave
Exemplo 2
'esta configura$o" faamos a liga$o de um disco rígido 1DE e um drive de CD8-(K
ligados na interface 1DE prim;ria" e um segundo disco rígido 1DE ligado na interface
secund;ria#
&onexão $is'ositi#o &onfigura(ão
/rimarP ;aster -isco rí*ido -rive is ;aster3 9lave /resent
/rimarP 9lave -rive de C->BO; 9lave
9econdarP ;aster -isco rí*ido One drive OnlP $;aster&
9econdarP 9lave >
3ecomendações
Certas configuraões devem ser evitadas" apesar de funcionarem# Por exemplo"
devemos evitar ligar um drive de CD8-(K ou outros dispositivos" na mesma interface
onde est; o disco rígido# Este tipo de liga$o pode 5apesar de nem sempre6 resultar na
redu$o do desempen%o do disco rígido# Ce voc! vai ligar outros dispositivos 1DE al&m
de discos rígidos" & mel%or deixar a interface 1DE prim;ria para discos rígidos" e a
interface 1DE secund;ria para os outros dispositivos# 0amb&m n$o & recomendado ligar
um disco rígido 1DE como Clave" em uma interface na qual o Kaster n$o & um disco
rígido# Por exemplo" um drive de CD8-(K como Kaster e um disco rígido como
Clave# Este tipo de configura$o algumas ve4es n$o funciona" e deve ser evitada#
Capítulo ! "nidades de disco ##9
4sando as tabelas de +umpers
Kostraremos mais adiante nesse capítulo como configurar os :umpers Kaster>Clave de
unidades de CD e DVD# Esta configura$o & padroni4ada# Cempre encontramos tr!s
pares de pinos# Um :umper deve ser colocado no par mais + direita 5indicada como
KA6 para que o disco opere como Kaster ou no par central 5indicada como CE6 para
que o disco opere como Clave# 0amb&m & possível configurar as unidades na terceira
posi$o" Cable Celect 5CC6" como mostraremos mais adiante# H; os :umpers dos discos
rígidos para selecionamento master>slave n$o s$o padroni4ados# Dependendo do
modelo" a disposi$o dos pinos e dos :umpers ser; diferente# 9 preciso consultar o
diagrama existente no manual ou ent$o estampado na sua carcaa externa#
Figura 38
Qumpers de um disco rí*ido.
Figura 39
:abela de confi*urações de Gumpers para um disco
rí*ido.
A figura )I mostra um exemplo de tabela de configuraões de :umpers" da forma como
& encontrada nos manuais dos discos rígidos# Considere esta figura apenas como
exemplo" pois discos rígidos diferentes normalmente utili4am tabelas de configuraões
diferentes# 0ome como base as instruões de instala$o existentes no manual do seu
pr7prio disco rígido#
'o exemplo da figura )I" vemos que a primeira configura$o & C1'NEE" que tamb&m
pode ser c%amada de ('E D-1VE ('EW# Esta & a configura$o de f;brica" e significa
que o disco opera como Kaster sem Clave# A segunda configura$o & c%amada na
figura de DUAE KAC0E-# 'esta configura$o" o disco tamb&m & KAC0E-" por&m
operando em con:unto com um CEAVE no mesmo cabo# Alguns discos rígidos fa4em
distin$o entre KAC0E- so4in%o e KAC0E- acompan%ado" :; para outros modelos
n$o %; distin$o" & usada uma Bnica configura$o normalmente c%amada de
@KAC0E- (- C1'NEE?# A outra configura$o & CEAVE#
Eembre8se que a maioria dos discos rígidos possui estampada na sua carcaa externa" a
tabela com a configura$o dos seus :umpers" como vemos na figura *L# Ce quisermos
instalar apenas um disco 5Kaster so4in%o6" podemos simplesmente deixar os :umpers
com a sua configura$o de f;brica#
#%' ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Figura 40
,nstruções sobre Gumpers3
impressas na carcaça externa
de um disco rí*ido.
Cable $elect
( cable select & um recurso presente nos dispositivos 1DE modernos" o que inclui
discos rígidos e unidades de CD e DVD# A id&ia & muito simples# Configuramos todos
os discos na op$o CAAEE CEEEC0 e usamos um cabo flat de GL vias# ( cabo far;
com que o disco conectado na extremidade opere automaticamente como KAC0E-" e
que o disco ligado no conector do meio opere automaticamente como CEAVE#
Existem cabos flat de *L vias capa4es de fa4er o selecionamento" ou se:a" compatíveis
com o recurso CAAEE CEEEC0# Como n$o & possível identificar este tipo de cabo"
recomendamos que se:a usado o cabo de GL vias" pois este n$o deixa margem a
dBvidas: s$o todos compatíveis com o CAAEE CEEEC0#
Figura 41
Confi*urando discos no modo C)<1.
9.1.C:.
As configuraões KAC0E->CEAVE funcionam sempre" para qualquer tipo de disco
5disco rígido" unidades de CD>DVD" novas e antigas6" em qualquer placa m$e" se:a
nova ou antiga" ou em qualquer tipo de interface 1DE" nova ou antiga" com qualquer
tipo de cabo 1DE# H; o CAAEE CEEEC0 s7 funcionar; se:
=6 (s discos instalados tiverem a op$o CAAEE CEEEC0 para seus :umpers
26 A interface 1DE da placa m$e for compatível com o CAAEE CEEEC0
)6 Deve ser usado um cabo 1DE de GL vias#
Ce as tr!s condiões acima forem satisfeitas voc! pode configurar todas as suas unidades
de disco 5,D" CD" DVD6 como CAAEE CEEEC0# (u se preferir pode continuar
Capítulo ! "nidades de disco #%#
usando o bom e vel%o m&todo KAC0E->CEAVE" que afinal n$o & t$o difícil assim e
funciona sempre#
(AC: (s discos rígidos s$o configurados na f;brica como KAC0E-# Alguns s$o configurados
como CAAEE CEEEC0# Ce:a qual for o caso" permanece v;lida nossa afirma$o: todo disco
rígido" com a configura$o de f;brica" pode operar so4in%o em um cabo" como KAC0E-#
Apenas quando vamos instalar um segundo disco no mesmo cabo" precisamos conferir ou
reconfigurar os :umpers#
5ec.nica de discos rígidos
A figura *2 mostra o interior de um disco rígido# (bviamente" o disco desta foto :; n$o
funciona mais# '$o podemos abrir o disco rígido para ver o seu interior# 1sto s7 pode
ser feito em laborat7rios que possuem os equipamentos necess;rios + produ$o ou
manuten$o de discos rígidos#
Figura 42
,nterior de um disco rí*ido.
A seguir apresentaremos alguns componentes existentes no disco rígido" bem como
alguns termos relacionados#
Discos
( disco & o meio magn&tico onde s$o gravados os dados# 'ormalmente s$o feitos de
alumínio coberto por um material magn&tico# Em geral" dentro de um disco rígido
encontramos v;rios discos magn&ticos 5figura *)6# Alguns modelos possuem no seu
interior apenas um disco" mas podemos encontrar alguns modelos de alta capacidade
que possuem at& G discos em seu interior#
6raço
( brao & um dispositivo mecPnico que serve para movimentar as cabeas de leitura e
grava$o ao longo da superfície do disco# Possui v;rias ramificaões para que cada uma
das cabeas possa ter acesso + superfície magn&tica# Ve:a a figura *)#
#%% ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
Figura 43
-iscos3 braço e cabeças de um
disco rí*ido.
Cabeças
Dentro de um disco rígido" encontramos v;rios discos" sendo que cada um deles possui
duas faces 5cada face & uma superfície magn&tica6# Para cada face" existe uma cabea
correspondente 5figura *)6# Um brao mecPnico movimenta as cabeas para que cada
uma acesse qualquer ponto da sua superfície magn&tica#
$uperfície
Cada face de um disco & uma superfície magn&tica" usada para grava$o e leitura de
dados 5figura *)6#
Figura 44
:ril+as e setores.
Figura 45
Cilindro.
&ril7as
Cada superfície & dividida magneticamente em tril%as e setores 5figura **6# As tril%as
s$o círculos conc!ntricos" igualmente espaados# A cabea correspondente deve antes
ser posicionada sobre a tril%a dese:ada para que seus dados possam ser lidos ou
gravados# (s discos rígidos modernos possuem" em cada superfície" v;rios mil%ares de
tril%as#
$etores
Assim como cada face de um disco & magneticamente dividida em tril%as" cada tril%a &
magneticamente dividida em setores# A figura ** mostra de forma simplificada" a
superfície de um disco dividida em tril%as e setores# Esta representa$o & realmente
simplificada" :; que os discos atuais possuem mil%ares de tril%as# (s primeiros discos
Capítulo ! "nidades de disco #%2
rígidos fabricados possuíam =F setores em cada tril%a# Discos rígidos modernos
possuem entre <L e 2LL setores por tril%a#
'os discos antigos" cada uma das tril%as possuía o mesmo nBmero de setores" como
mostra a figura **# 'os discos modernos" graas + presena de um microprocessador
interno" a superfície do disco & dividida em v;rias 4onas" e nas externas temos um
nBmero maior de setores# Este m&todo" c%amado XA- 5Xone Ait -ecording6" permite
aproveitar muito mel%or a superfície magn&tica" c%egando a gravar at& <LY mais dados
que usando o m&todo tradicional" no qual todas as tril%as possuíam o mesmo nBmero
de setores#
Cilindros
Este & um conceito muito importante na terminologia de discos rígidos# Um cilindro &
um grupo de tril%as de mesmo nBmero" em superfícies diferentes# Digamos por
exemplo que um disco ten%a * cabeas 5numeradas de L a )6" e que o brao posicione
essas cabeas de modo que cada uma este:a sobre a tril%a <L da sua superfície# Di4emos
ent$o que as cabeas est$o posicionadas sobre o cilindro de nBmero <L# A figura *<
mostra" de forma simplificada" o conceito de cilindro#
8eometria l9gica e geometria física
(s discos rígidos modernos t!m uma organi4a$o bastante parecida com a dos discos
mais antigos" por&m com capacidade bem maior# A tabela a seguir mostra algumas
características de discos rígidos antigos e modernos:
$iscos antigos $iscos )odernos
Capacidade <aixa )lta
Mumero de setores Constante em todas as tril+as Aariável3 sendo maior nas tril+as externas
MRmero de tril+as Centenas ;il+ares
MRmero de cabeças /oucas /oucas
:aman+o do setor #% bPtes #% bPtes
(s discos modernos t!m capacidade bem elevada# Em =IIL eram comuns modelos de
)L e *L KA e" em 2LLL" os modelos de =L a 2L NA eram os mais comuns# 'o início de
2LLF um disco CA0A de =ML NA :; custava menos de 2LL reais# Uma grande diferena
entre discos novos e antigos & o nBmero de setores" que era constante em todas as
tril%as dos modelos antigos 5em geral =F" 2M ou )* setores por tril%a6" enquanto nos
discos modernos o nBmero de setores por tril%a & bem maior" c%egando + casa das
centenas nas tril%as mais externas# ( nBmero de tril%as em cada superfície tamb&m &
maior" graas a t&cnicas que permitiram aumentar a densidade de grava$o# Duas
características entretanto s$o comuns nos discos antigos e nos modernos# ( nBmero de
pratos permanece pequeno" assim como o nBmero de cabeas# A maioria dos discos
t!m 2" *" M ou G cabeas# 0amb&m por uma quest$o de compatibilidade" cada setor tem
<=2 bVtes nos discos modernos" assim como ocorria nos discos antigos#
Duando o A1(C ou o sistema operacional precisa acessar os dados de um setor do
disco" ele precisa informar o nBmero da cabea" o nBmero do cilindro e o nBmero do
setor# Este endereamento seria extremamente complexo se o A1(C e o sistema
#%4 ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
operacional tivessem que levar em conta que cada grupo de tril%as possui um nBmero
diferente de setores# Para simplificar as coisas" o disco rígido aceita ser endereado
como se todas as suas tril%as tivessem o mesmo nBmero de setores# Ao receber o
nBmero da cabea" cilindro e setor a ser acessado 5endereo l7gico6" o
microprocessador existente dentro do disco rígido fa4 os c;lculos que convertem esses
valores para o nBmero verdadeiro do setor interno 5endereo físico6#
C,lculo da capacidade
Duando programamos no CK(C Cetup" o nBmero de cabeas" cilindros e setores de
um disco rígido" esses parPmetros s$o c%amados de geometria l7gica do disco rígido" e
n$o correspondem ao que realmente existe no seu interior# Digamos que um certo
disco rígido ten%a no CK(C Cetup" os seguintes parPmetros:
2=GL cilindrosZ 2<< cabeasZ M) setores
A capacidade de qualquer disco rígido & obtida multiplicando o nBmero de cilindros
pelo nBmero de cabeas" pelo nBmero de setores e por <=2" :; que s$o <=2 bVtes por
setor# Portanto a capacidade & dada por:
Cilindros x cabeas x setores x <=2
( disco do nosso exemplo teria:
2=GL x 2<< x M) [ =F#I)=#==L#*LL bVtes" ou se:a" quase =G NA#
Portanto & importante entender a organi4a$o interna dos discos rígidos antigos" :; que
os modernos s$o encarados externamente desta mesma forma" apenas apresentando um
nBmero elevado de @cabeas l7gicas?#
Estacionamento das cabeças
( estacionamento das cabeas & uma opera$o reali4ada sempre que o disco rígido &
desligado# Consiste em" antes do desligamento" posicionar as cabeas sobre um cilindro
onde n$o ser$o gravados dados# 1sto evita que" ao cessar a rota$o do disco" as cabeas
toquem na superfície magn&tica" o que poderia n$o s7 causar danos aos dados" mas
tamb&m deixar o disco fisicamente danificado# 0odos os discos rígidos atuais fa4em
estacionamento autom;tico das cabeas" mas nos modelos muito antigos" esta opera$o
precisava ser feita manualmente" atrav&s de programas apropriados 5PA-\#C(K6# (s
fabricantes de discos rígidos recomendam que esses programas n$o se:am mais usados#
( usu;rio deve deixar que o estacionamento das cabeas se:a feito de forma
autom;tica" quando o disco & desligado#
Desempen7o de discos rígidos
Um disco rígido precisa ser velo4" o que permite o r;pido carregamento do sistema
operacional e programas em geral# C$o tr!s os fatores relacionados com o desempen%o"
discutidos a seguir: tempo de acesso" taxa de transfer!ncia externa e taxa de
transfer!ncia interna#
Capítulo ! "nidades de disco #%
&empo de acesso
( tempo de acesso est; relacionado com a velocidade de movimenta$o do brao que
cont&m as cabeas de leitura e grava$o# Podemos entender facilmente que quanto
mais velo4 for o movimento deste brao" mais rapidamente o disco poder; acessar
qualquer dado nele arma4enado#
Explicando de forma bem simplificada" o tempo m&dio de acesso & aproximadamente
o tempo necess;rio para mover as cabeas da primeira tril%a at& a tril%a m&dia do
disco# Esse valor tamb&m & igual a aproximadamente a metade do tempo para mover
as cabeas da primeira at& a Bltima tril%a do disco# Praticamente todos os discos rígidos
modernos apresentam tempos de acesso entre G e =< ms 5mil&simos de segundo6" sendo
que a maioria deles situa8se entre G e =2 ms# Alguns campeões de velocidade situam8se
abaixo de G ms" enquanto alguns modelos mais econQmicos 5e lentos6 possuem tempos
de acesso um pouco maiores" entre =L e =< ms#
Duanto menor for o tempo de acesso" mel%or ser; o desempen%o do disco# Em
situaões nas quais s$o feitos poucos acessos seq]enciais a arquivos muito grandes 5o
caso típico das aplicaões de multimídia6" o tempo de acesso & um fator de importPncia
secund;ria# 0anto & assim que as unidades de CD>DVD apresentam tempos de acesso
em torno de =LL ms" sem pre:udicar o seu desempen%o# Por outro lado" nas aplicaões
em que s$o feitos acessos a uma grande quantidade de arquivos de taman%o pequeno
5caso típico do ambiente .indoJs6" o tempo de acesso & um fator decisivo no
desempen%o do disco#
Duando o computador destina8se a ser usado em aplicaões profissionais que exigem
alto desempen%o" & preciso procurar um disco rígido que tamb&m se:a de alto
desempen%o# Para isto & preciso que o disco ten%a um baixo tempo de acesso# Como
dificilmente podemos medir o desempen%o do disco antes de compr;8lo" devemos
procurar outros meios de obter esta informa$o# Podemos" por exemplo" acessar o
fabricante via 1nternet e consultar as especificaões t&cnicas dos modelos oferecidos#
&axa de transfer:ncia externa
A taxa de transfer!ncia externa & a velocidade de transfer!ncia de dados entre a
mem7ria interna do disco rígido 5cac%e ou buffer6 e a mem7ria da placa m$e" atrav&s
do cabo# Essa taxa depende do modo de opera$o# Discos 1DE mais novos t!m taxa de
transfer!ncia externa igual a =)) KA>s# Discos CA0A t!m taxas de =<L KA>s" )LL KA>s
e MLL KA>s# 'ote que na pr;tica essas taxas n$o s$o obtidas# Por exemplo" em um disco
CA0A811 n$o conseguimos ler um arquivo de )LL KA em um segundo" como sugere a
sua taxa 5)LL KA>s6# A taxa efetiva ser; bem menor" pois antes de transferir os dados da
mem7ria do disco para a mem7ria da placa m$e 5taxa externa6" & preciso ler esses
dados da mídia magn&tica para a mem7ria interna do disco# Entra em :ogo ent$o a taxa
de transfer!ncia interna" que & bem menor que a externa#
&axa de transfer:ncia interna
Ao lado do tempo m&dio de acesso" a taxa de transfer!ncia interna & o mais importante
fator que define o desempen%o de um disco rígido# Enquanto o tempo m&dio de acesso
& decisivo na leitura de arquivos pequenos em grande quantidade" a taxa de
#%8 ,A-D.A-E 'A P-/01CA 23 edi$o
transfer!ncia interna & o principal fator envolvido na velocidade de leitura e grava$o
de arquivos grandes#
(s discos rígidos 1DE 5e tamb&m os modelos CA0A e CCC16 possuem uma ;rea interna
de mem7ria" para onde s$o lidos os dados que ser$o posteriormente transferidos para a
placa m$e# Esta ;rea & c%amada de cac%e ou buffer# Duando um disco rígido transfere
dados" est$o envolvidos dois tipos de transfer!ncia:
=# 0ransfer!ncia da mídia magn&tica para a cac%e interna do disco
2# 0ransfer!ncia da cac%e interna do disco para a placa m$e
Figura 46
:axas de transfer5ncia interna e
externa.
A figura *M mostra como a opera$o completa & reali4ada# A taxa de transfer!ncia
interna representa a velocidade na qual a primeira transfer!ncia & feita# A velocidade na
qual a segunda transfer!ncia se fa4" & c%amada de taxa de transfer!ncia externa# Em
geral" a taxa externa & muito maior que a interna# Para que o disco rígido possa fa4er
uma transfer!ncia completa 5mídia 8 cac%e 8 CPU6 de forma mais velo4" tanto a
transfer!ncia interna como a externa precisam ser r;pidas# Duanto + taxa externa n$o
%; problema# (s modernos discos 1DE s$o capa4es de transferir dados para a placa
m$e em velocidades bem elevadas" como MM KA>s 5A0A8MM6" =LL KA>s 5A0A8=LL6 e
=)) KA>s 5A0A8=))6# Discos CA0A possuem taxas externas elevadas como =<L KA>s"
)LL KA>s e MLL KA>s# A grande dificuldade tecnol7gica & obter uma taxa de
transfer!ncia interna elevada#
Dois recursos s$o usados pelos fabricantes para aumentar a taxa de transfer!ncia
interna:
=6 Aumento da densidade de grava$o: Ao arma4enar mais bVtes em cada tril%a"
aumenta tamb&m a velocidade de leitura e grava$o desses dados#
26 Aumento da velocidade de rota$o: Discos de F#2LL -PK 5rotaões por minuto6
podem ler dados mais rapidamente que discos semel%antes mas que operam com <#*LL
-PK# Existem ainda modelos de =L#LLL" =2#LLL e =<#LLL -PK#

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful