Você está na página 1de 57

Cálculo I

Sacha Friedli Departamento de Matemática Universidade Federal de Minas Gerais

Versão: 6 de março de 2012

Sumário

1 Fundamentos

 

3

1.1

Números reais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

3

1.1.1 Equações do primeiro e segundo grau

 

4

1.1.2 Ordem e intervalos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5

1.1.3 Valor absoluto .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

1.1.4 Inequações e sinal

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

1.2

O plano cartesiano

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

10

1.2.1 Retas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

1.2.2 Círculos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

1.3

Trigonometria

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

14

1.3.1

Medir ângulos no plano .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

14

1.3.2 Seno, cosseno e tangente

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

16

1.3.3 Identidades trigonométricas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

2 Funções

 

21

2.1 Definição e Exemplos .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

 

2.1.1

Limitação

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

2.2 Gráfico

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

 

2.2.1 Potências inteiras: x p .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

2.2.2 Paridade

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

2.2.3 Funções Trigonométricas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

2.2.4 Transformações

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

2.3 Montar funções

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

33

2.4 Composição, contradomínio e imagem

 

34

 

2.4.1 Bijeção, função inversa

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

2.4.2 Inversos das potências

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

2.4.3 Funções trigonométricas inversas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

3 Exponencial e Logaritmo

 

43

3.1 Exponencial

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

44

3.2 Logaritmo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

49

3.3 A base e = 2, 718

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

51

3.4 Funções trigonométricas hiperbólicas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

54

iii

SUMÁRIO

4 Limites

4.1 lim x± f (x)

Limites

.

.

.

.

4.2 laterais: lim xa ± f (x)

Limites

.

4.3 Limites

lim xa f (x) .

.

.

.

.

.

.

4.4 Indeterminações do tipo 0 0

.

.

.

4.4.1 lim h0 (x+h) n x n

O limite

h

4.4.2

O limite lim x0 sen x

x

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4.5 Limites laterais infinitos, assíntotas verticais

4.6

4.7

4.8 Continuidade

. O limite e = lim x 1 + x x

Mudar de variável .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

1

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

4.8.1 O Teorema do valor intermediário

4.9 Limites e funções contínuas

 

.

.

.

.

.

.

.

4.10 Exercícios de revisão

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5 Derivada

5.1 Retas e gráficos de funções

 

.

.

.

.

.

.

5.2 Reta tangente e derivada .

.

.

.

.

.

.

.

.

5.2.1 Pontos de não-diferenciabilidade

5.2.2 Derivabilidade e continuidade

 

.

.

5.3 A derivada como função

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.3.3 Derivar exponenciais e logaritmos

.

5.4.1 Derivar as potências x α ; exponenciação

.

5.3.2 Derivar as funções trigonométricas

5.3.1 Derivar as potências inteiras: x p .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.4 Regras de derivação

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.4.2 Derivadas logarítmicas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.4.3 Derivar uma função inversa

.

.

.

.

.

.

5.5 O Teorema de Rolle

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.6 Derivada e Variação .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.7 Linearização

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.8 Derivação implícita

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.9 Taxa de variação, velocidade

 

.

.

.

.

.

.

.

.

5.9.1

Taxas relacionadas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.10 Convexidade, concavidade

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.11 Valores extremos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.11.1 Extremos globais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.11.2 Extremos locais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.11.3 Extremos em intervalos fechados

 

5.11.4 Problemas de otimização

 

.

.

.

.

.

5.11.5 A Lei de Snell

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.12 A Regra de Bernoulli-l’Hôpital

 

5.12.1

Sobre o crescimento das funções no

5.13 Estudos de funções

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

A Soluções dos Exercícios

 

57

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

57

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

64

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

67

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

68

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

69

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

69

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

70

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

71

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

72

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

73

 

75

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

77

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

78

 

81

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

81

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

83

 

85

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

86

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

86

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

87

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

88

 

88

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

89

 

92

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

93

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

94

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

95

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

96

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

99

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

100

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

102

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

104

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

105

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

108

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

108

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

110

 

112

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

113

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

115

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

117

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

121

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

122

 

127

Prefácio

Oriundo principalmente do estudo da mecânica e da astronomia, o Cálculo, chamado também Cálculo infinitesimal, nasceu na segunda metade do século XVI, com os traba- lhos de Newton 1 e Leibnitz 2 . Hoje em dia, ele é usado em todas as áreas da ciência, e fundamental nas áreas da engenharia.

A presente apostila contém a ementa da matéria Cálculo I, como ensinada no Departa-

mento de Matemática da UFMG. Ela tem como objetivo fornecer ao aluno um conheci- mento básico dos conceitos principais do Cálculo que são: limites, derivadas e integral. Ela também prepara o aluno para as outras matérias que usam Cálculo I nos cursos de ciências exatas (física e matemática) e engenharia, tais como Cálculo II e III, EDA, EDB, EDC

A apostila começa com um capítulo sobre fundamentos, fazendo uma revisão de vários

conceitos básicos em princípio já conhecidos pelo aluno: equações, inequações, plano car- tesiano e trigonometria. A partir do Capítulo 2, o conceito de função é introduzido. A noção central de limite é abordada no Capítulo 4, e a de derivada no Capítulo 5. O resto do texto é sobre o objeto central desse curso: a noção de integral, o Teorema Fundamental do Cálculo, e as suas aplicações.

O texto contém bastante exercícios, cuja compreensão é fundamental para a assimilação

dos conceitos. As soluções, às vezes detalhadas, se encontram num apêndice.

Essa apostila está em fase de elaboração. Qualquer sugestão, crítica ou correção é bem vinda: sacha@mat.ufmg.br.

1 Sir Isaac Newton (Woolsthorpe-by-Colsterworth, 4 de janeiro de 1643 — Londres, 31 de março de

1727).

2 Gottfried Wilhelm von Leibniz (Leipzig, 1 de julho de 1646 — Hanôver, 14 de novembro de 1716).

1

SUMÁRIO

Capítulo 1 Fundamentos

A good course is a course with many stupid questions.

Wendelin Werner, medalhista Fields 2006

Quem faz uma pergunta boba fica com vergonha 5 segundos. Quem não

pergunta nada fica bobo para sempre

Um faxineiro do ICEx, 2008

Cálculo lida com funções de uma ou mais variáveis reais. Portanto, ele necessita de uma compreensão boa das principais propriedades dos números reais, e suas manipulações na resolução de problemas elementares.

Esse capítulo contém lembretes sobre a aritmética elementar dos números reais, assim como a descrição de certos conjuntos do plano cartesiano, como retas e círculos. Não pre- tendemos dar uma exposição completa sobre esses assuntos, mas apenas lembrar alguns fatos e estabelecer notações a respeito de coisas elementares conhecidas pelo leitor.

A matéria desse capítulo será usada constantemente no restante da apostila: é importante o leitor verificar que ele consegue fazer todos os exercícios.

1.1 Números reais

O conjunto dos números reais, R, pode ser visto como o conjunto dos pontos da linha real, que serão em geral denotados por letras minúsculas: x, y, s, t, u, etc. R é munido de quatro operações aritméticas básicas: adição (+), subtração (), multiplicação (× ou ·) e divisão (÷, ou simplesmente /).

Lembremos a importância de dois números com papel relevante com respeito à adição e multiplicação. Primeiro, o elemento 0 (“zero”) é tal que x + 0 = 0 + x = x, x · 0 = 0 · x = 0 para todo x. Um real x diferente de zero será às vezes chamado de não-nulo.

Por outro lado, o elemento 1 (“um”) é tal que x · 1 = 1 · x = x para todo x R. É importante lembrar que a divisão por zero não é definida. Portanto, símbolos do tipo x/0

3

CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS

ou 0/0 não fazem sentido. No entanto, 0/x = 0 para todo x = 0.

Os subconjuntos de R serão em geral denotados usando letras maiúsculas. Por exemplo,

A = {0, 1, 2} é o conjunto que contém os três números reais 0, 1 e 2, e B = (0, 2) é

o intervalo aberto que contém todos os reais entre 0 e 2 (ver abaixo). O conjunto dos números naturais é

e o conjunto dos inteiros é

N:={1, 2, 3,

} ,

, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3,

} .

As operações entre conjuntos são: interseção (), união (), diferença (\). O conjunto vazio será denotado por .

1.1.1 Equações do primeiro e segundo grau

Considere a equação do primeiro grau:

(1.1)

Resolver essa equação significa achar o(s) valor(es) da variável x para os quais a igualdade em (1.1) é verdadeira. Esse conjunto de valores será denotado por S e chamado conjunto de soluções. A resolução é bem conhecida: isolando x obtemos uma única solução x = 2. Portanto, o conjunto das soluções de (1.1) é S = {−2}.

1 + 4x = 7 .

Considere em seguida a equação do segundo grau:

x 2 = 9 .

Aqui, sabemos que existem duas soluções, x = ± 9 = ±3, logo S = {+3, 3}.

(1.2)

Agora, já que um número negativo não possui raiz quadrada, a equação

x 2 = 4

não possui nenhuma solução: S = . Finalmente,

x 2 = 0

possui uma única solução: S = {0}.

Um outro jeito de entender (1.2) é de escrevê-la x 2 9 = 0 e de fatorar o polinômio x 2 9, obtendo um produto de dois fatores:

(x 3)(x + 3) =

0 .

Para o produto de dois fatores (aqui, x 3 e x + 3) ser zero, é necessário que pelo menos um deles seja nulo. Se for o primeiro, x 3 = 0, então x = 3. Se for o segundo, x + 3 = 0, logo