Você está na página 1de 76
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

MATERIAL DE QUESTÕES OBJETIVAS ® (Direitos autorais registrados)DCDMJ!

Querido(a) amigo(a).

Este é o nosso material de questões objetivas de Direito Administrativo® para o auxílio e aprofundamento do estudo dos temas visando a realização, com segurança, de nossas provas.

São quase 400 questões para treino, extraídas do nosso Livro de Direito Material e Questões Objetivas e Discursivas® e que deverão ser respondidas e estudadas de acordo com os pontos de aula estudados.

É um prazer participar contigo desta luta!

Peço apensa que o amigo não repasse esse material, por fazer parte de um livro de minha autoria, cujos direitos autorais já foram cedidos para a Editora.

Conte sempre comigo!

Que Jesus abençoe sua caminhada.

Abraços do Amigo,

JOSÉ ARAS

PONTO: REGIME JURÍDICO ADMINISTRATIVO

1. (MPT - Ministério Público do Trabalho XIV) Quanto aos atos administrativos:

I O princípio da legalidade da administração pública eliminou as discussões em relação ao mérito do ato administrativo e a ausência de controle da discricionariedade do administrador. Isto porque faz desaparecer qualquer possibilidade de atuação de acordo com juízos subjetivos de conveniência e oportunidade não especificados e estabelecidos previamente pela legislação. II A competência para a prática do ato administrativo decorre da lei, é inderrogável, mas pode ser objeto de delegação, inclusive no que se refere à decisão de recursos administrativos.

III Pela teoria dos motivos determinantes, mesmo quando a lei não exija a motivação do ato, a sua

indicação pelo administrador produz o efeito de vincular a validade do ato aos motivos indicados.

IV A nomeação do Procurador-Geral da República mediante aprovação prévia pelo Senado constitui o

que a doutrina denomina de ato complexo.

a) apenas as de números I e III são corretas;

b) apenas as de números II e IV são corretas;

c) apenas a de número III é correta;

d) todas são incorretas;

e) não respondida.

e-mail: josearas@ig.com.br Facebook: www.facebook.com/JoseAras

www.cursocejus.com.br e www.cejustv.com.br Twitter: @josearas

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

2. (JUIZ TRT - 6ª Região Pernambuco 2010) Tendo em vista os princípios da Administração Pública,

leia atentamente as assertivas abaixo e, depois, assinale a alternativa CORRETA:

I. De acordo com o princípio da legalidade, a Administração Pública só pode fazer o que a lei permite. A Constituição Federal de 1988 confere garantia a esse princípio, consagrando a inafastabilidade do Poder Judiciário diante de dos atos da Administração Pública.

II. O princípio da impessoalidade molda os atos administrativos de sorte que não venham a prejudicar

ou beneficiar determinadas pessoas. O princípio se aplica tanto para o administrado como para a

própria Administração.

III. O princípio da especialidade decorre dos princípios da legalidade e da indisponibilidade do interesse

público e tem relação com a descentralização dos serviços públicos.

IV. O princípio da continuidade do serviço público consiste em que os serviços essenciais à coletividade

não podem parar. Consectário desse princípio é a faculdade que se reconhece à Administração Pública

de utilizar equipamentos e instalações da empresa contratada para assegurar a continuidade do serviço

público.

V. O princípio da eficiência impõe ao agente público um modo de atuar que produza resultados

favoráveis à consecução das metas administrativas.

a)

Apenas as assertivas I e II estão corretas.

b)

Apenas as assertivas II, III e IV estão corretas.

c)

Apenas a assertiva IV está correta.

d)

Todas as assertivas estão corretas.

e)

Apenas a assertiva V está correta.

3.

(JUIZ TRT - 8ª Região - Pará e Amapá 2010) Consoante a jurisprudência dominante do STF, é

INCORRETO afirmar:

a) Se o ato administrativo regulamentar normativo ofender diretamente a Constituição da República,

sem que haja lei a que deva se subordinar, poderá sofrer controle de constitucionalidade através da ação direta de inconstitucionalidade.

b) Em homenagem ao princípio da segurança jurídica, pode ser convalidado ato administrativo de

transposição de carreira, embora baseado em lei inconstitucional, em virtude de já se ter consolidado a situação jurídica do destinatário da norma.

c) É inconstitucional a cobrança de taxa para a extração administrativa de certidões que visem à defesa

de direitos e ao esclarecimento de interesses pessoais do requerente, pois violadora do princípio da

publicidade.

d) A Resolução n. 7 do CNJ, que veda a prática do nepotismo, com fundamento no princípio da

moralidade, é aplicável apenas ao Poder Judiciário, sendo necessária lei formal para coibir a prática no âmbito dos demais Poderes.

e) A criação de milhares de cargos em comissão por estado-membro, comparada com a pequena

quantidade de cargos de provimento efetivo, é inconstitucional, por violar os princípios da proporcionalidade e da moralidade administrativa.

PONTO 2: CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. TEORIA GERAL DOS ATOS ADMINISTRATIVOS: - conceito, classificação, requisitos e revogação. Atos administrativos vinculados e discricionários. O mérito do ato administrativo. Vícios do ato administrativo. Atos administrativos nulos e anuláveis. Convalidação. Teoria dos motivos determinantes.

Acerca do controle da administração, julgue os itens seguintes.

1.

A revogação é privativa da própria administração.

(

) CERTO

(

) ERRADO

2.

O motivo da revogação é a inconveniência ou a inoportunidade de um ato administrativo.

(

) CERTO

( ) ERRADO

 

3.

A administração, para anular ato administrativo, depende de provação do interessado.

(

) CERTO

(

) ERRADO

4. Todo ato administrativo ilegal tem, necessariamente, de ser anulado

conseqüência, excluídos do mundo jurídico. ( ) CERTO

e seus efeitos,

(

) ERRADO

em

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

5. Quanto a revogação e invalidação (ou anulação) de atos administrativos, assinale a opção correta.

a) O desuso não é suficiente para se revogar um ato administrativo.

b) Em razão de sua natureza, os atos vinculados são, em regra, revogáveis.

c) A revogação dos atos administrativos produz efeitos ex tunc, uma vez que os atos revogáveis são

aqueles que possuem vício de legalidade.

d) A invalidação de um ato administrativo, ao contrário da revogação, deve ser analisada pelo administrador sob o enfoque da conveniência e da oportunidade.

e)

O poder de autotutela da administração não encontra limites no rol dos direitos previstos no art. 5.º

da

Constituição Federal de 1988 (CF).

6.

O ato praticado no exercício de poder discricionário é imune a controle judicial.

(

) CERTO

(

) ERRADO

7.

Encontra-se sedimentado o entendimento de que ao Poder Judiciário é defeso apreciar o mérito dos

atos administrativos, limitando sua atuação quanto à aferição dos aspectos relativos à sua legalidade. A esse respeito, assinale a opção correta.

a) A garantia constitucional de que ninguém será obrigado a deixar de fazer algo senão em virtude de

lei assegura ao administrador público ilimitada discricionariedade na escolha dos critérios de conveniência e oportunidade nos casos de anomia.

b) Embora discricionariedade e arbitrariedade sejam espécies do mesmo gênero e, portanto, legítimas,

apenas a segunda é passível de controle de legalidade em sentido estrito.

c) O abuso de poder e a arbitrariedade têm como traço de distinção o fato de que aquele se sujeita ao

controle judicial e esta, somente à revisão administrativa.

d)

Não há discricionariedade contra legem.

e)

n.r.a.

8.

Considerando o poder/dever da Administração Pública de anular seus próprios atos quando eivados

de

ilegalidade, é correto afirmar:

a)

O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis

para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má- fé, nos termos do artigo 54 da Lei n.º 9.784/99.

b) O negócio jurídico nulo é suscetível de confirmação, nos termos do artigo 169 do Código Civil.

c) O ato nulo não produz efeitos. Proclamada a nulidade esta retroage a origem do ato (ex tunc),

invalidando as conseqüências passadas presentes e futuras, desfazendo todos os vínculos entre as

partes, obrigando a reposição das coisas ao seu “status quo ante”, inclusive em relação a terceiros que não podem invocar o desconhecimento da nulidade do ato para furtar-se a sua incidência. d) Nos termos da Súmula n.º 473 do STF, a Administração pode anular seus próprios atos, sendo irrelevante, para esta finalidade, a distinção entre ilegalidade e inconveniência.

e) O poder/dever da administração do controle de seus próprios atos não exclui a atuação do Poder

Judiciário, que poderá apreciar os critérios de legalidade, oportunidade e conveniência para decidir

sobre a validade do ato administrativo.

9. Analise as proposições abaixo:

I certos elementos do ato administrativo, como a competência e a finalidade, são sempre vinculados; II no ato vinculado, todos os elementos vêm definidos na lei; no ato discricionário, alguns elementos vêm definidos na lei, com precisão, e outros são deixados à decisão da Administração;

III mostra-se defeso o controle judicial sobre os atos discricionários;

IV a atividade discricionária pode ser exercida sem que exista lei pormenorizando a intervenção da

autoridade administrativa:

a)

todas as proposições estão corretas;

b) apenas a proposição II está correta;

c)

as proposições II e IV estão incorretas;

d) as proposições I e II estão corretas;

e)

as proposições I, II e IV estão corretas;

10. Um ministro de Estado, após o recebimento de parecer opinativo da consultoria jurídica do Ministério que chefia, baixou portaria demitindo determinado servidor público federal. Considerando essa situação hipotética e o conceito de ato administrativo, assinale a opção correta.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

a) O ato opinativo, como o parecer da referida consultoria jurídica, por não produzir efeitos jurídicos

imediatos, não é considerado ato administrativo propriamente dito. Dessa forma, será ato administrativo o ato decisório que o acolha ou rejeite, mas não o parecer, que é considerado ato da administração;

b) O ato de demissão é ilegal por ter sido proferido por autoridade incompetente, haja vista que a

delegação de poderes, nessa hipótese, é vedada;

c) O motivo, na hipótese, é o parecer da consultoria jurídica do Ministério;

d) O ato de demissão do servidor não é passível de anulação pelo Poder Judiciário, visto que a

valoração acerca da existência, ou não, da infração é tema que compete exclusivamente ao Poder Executivo

11. Marque a alternativa incorreta:

a) ato administrativo vinculado é aquele onde a lei não deixa opções, estabelecendo que, diante de

determinados requisitos, a Administração deve agir de tal ou qual forma

b) ato administrativo discricionário é aquele onde a Administração adota uma ou outra solução,

segundo critérios de oportunidade, conveniência, justiça, eqüidade, próprios da autoridade, porque não

definidos pela legislação

c) um dos atributos do ato administrativo é a presunção de legitimidade e veracidade

d) um dos atributos do ato administrativo é a imperatividade

e) a auto-executoriedade não é atributo do ato administrativo

12J! Considere as seguintes proposições alusivas à teoria dos motivos determinantes do ato administrativo, segundo a doutrina de Celso Antonio Bandeira de Mello:

I. Segundo a referida teoria, os motivos que determinaram a vontade do agente, isto é, os fatos que serviram de suporte à sua decisão, integram a validade do ato.

II. De conformidade com aludida teoria, a invocação dos motivos de fato falsos vicia o ato.

III. Na esteira da referida teoria, os motivos de fato, inexistentes ou incorretamente qualificados, não viciam o ato. IV. Pela teoria em epígrafe, quando a lei não haja estabelecido, antecipadamente, os motivos que

ensejariam a prática do ato administrativo, não importará em vício do mesmo.

V. Enunciados pelo agente os motivos em que se calçou, o ato só será válido se estes realmente

ocorreram e o justificavam, na forma da teoria dos motivos determinantes do ato administrativo. Assinale a alternativa correta:

a) somente a proposição V está incorreta b) somente a proposição III está incorreta c) as

proposições III e IV estão incorretas d) as proposições II e IV estão incorretas e) somente a IV está correta

(CESPE MJ/PF Delegado 2004) No tocante a abuso de poder e a ato administrativo, julgue:

13. O abuso de poder, na modalidade de desvio de poder, caracteriza-se pela prática de ato fora dos

limites da competência administrativa do agente. (

) CERTO

(

) ERRADO

14CeD! O abuso de poder de um delegado federal pode ser controlado por meio de mandado de segurança

individual, desde que não haja necessidade de dilação probatória. ( ERRADO

)

) CERTO

(

15. Marque a correta

a) no Direito Administrativo, a auto-executoriedade alcança todos os atos administrativos;

b) não obstante a regra do art. 5º, LV, da Constituição Federal, a auto-executoriedade perdura em

nosso Direito como atributo pelo qual o ato administrativo pode ser posto em execução pela própria Administração Pública;

c) a decisão executória não dispensa a Administração, nos casos previstos em lei, de buscar a

intervenção do Poder Judiciário;

d) a pessoa que se sentir lesada pelo ato administrativo, na hipótese de ter sido legítimo a auto-

executoriedade, não pode submeter a matéria ao controle judicial;

e) as alternativas b e c estão corretas.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

16. (CESPE MJ/PF Delegado 1998) Em relação aos atos administrativos, considere os seguintes

conceitos: Considere ainda que a representação gráfica dos conceitos pode estar certa ou errada. Em face desses conceitos e do gráfico, julgue os itens seguintes. perfeição: qualidade do ato cujo ciclo de produção completou se; validade: qualidade do ato conforme o ordenamento jurídico;

eficácia: qualidade do ato apto a produzir seus efeitos.

17.

Quanto ao conceito de eficácia, o gráfico está errado em parte, pois todo ato válido é eficaz

(

) CERTO

(

) ERRADO

18.

Quanto ao conceito de perfeição, o gráfico está errado em parte, pois todo ato perfeito é eficaz

(

) CERTO

(

) ERRADO

19.

Todo ato eficaz é perfeito.

(

) CERTO

(

) ERRADO

20.

Pode haver ato eficaz e inválido.

(

) CERTO

(

) ERRADO

21.

Nem todo ato perfeito é válido.

(

) CERTO

(

) ERRADO

22.

Ocorre a extinção do ato administrativo por caducidade quando o ato perde seus efeitos jurídicos

em razão de norma jurídica superveniente que impede a permanência da situação anteriormente consentida.

(

) CERTO

(

) ERRADO

23.

(CESPE PC/PA Delegado 2006)

Um estado da Federação colocou em disponibilidade todos os seus servidores que estavam respondendo a processo administrativo disciplinar. Os cargos foram declarados extintos, e o Estado

contratou novos servidores para as mesmas funções. Considerando a situação hipotética apresentada acima, assinale a opção incorreta.

a) O Poder Judiciário pode interferir no mérito desse ato, pois há aspectos referentes à legalidade que

podem ser objeto de avaliação judicial.

b) Ainda que aparentemente objetivo, o critério para a colocação de servidores em disponibilidade

demonstra violência ao devido processo legal.

c) Embora declarada a extinção dos cargos, o fato de o Estado contratar novos servidores para as

mesmas funções evidencia o ilegal caráter punitivo da medida. d) Ainda que ao ato seja dada notoriedade que extrapole a esfera do serviço público, havendo repercussão também na sociedade local, não se pode considerar atingida a honra subjetiva dos servidores envolvidos, sendo indevida a concessão de verba compensatória.

24. (CESPE PC/PA - Delegado 2006) 02. A respeito dos princípios que informam a administração

pública, assinale a opção incorreta.

a) A publicação de errata no Diário Oficial, dias antes da realização da prova de capacitação física em

um concurso público, alterando o edital do certame, é suficiente para dar publicidade ao ato

administrativo, sendo desnecessária a sua veiculação em jornais de grande circulação.

b) O princípio da isonomia pode ser invocado para a obtenção de benefício, ainda que a sua concessão

a outros servidores tenha acontecido com violação ao princípio da legalidade.

c) A comunicação, por meio de denúncia anônima, de fatos ilícitos graves que tenham sido praticados

no âmbito da administração pública, autoriza, em cada caso concreto, a ponderação entre a vedação constitucional do anonimato e a obrigação jurídica do Estado de investigar condutas funcionais

desviantes, imposta pelo dever de observância à legalidade, à impessoalidade e à moralidade administrativa.

d) A limitação de idade para a inscrição em concurso público só se legitima, quando a delimitação

possa ser justificada pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

25. (CESPE PC/TO Delegado 2008) A administração pública é orientada por princípios de índole

constitucional, cuja observância proporciona aos administrados a sensação de respeito à coisa pública.

A respeito desse tema, julgue os itens que se seguem. 80. O princípio da vinculação política ao bem

comum é, entre os princípios constitucionais que norteiam a administração pública, o mais importante.

(

) CERTO

(

) ERRADO

26. Em toda atividade desenvolvida pelos agentes públicos, o princípio da legalidade é o que precede

todos os demais.

(

) CERTO

(

) ERRADO

(CESPE PC/RR - Delegado 2003) A rigor, o princípio da finalidade não é uma decorrência do princípio da legalidade. É mais que isso: é uma inerência deste; está neste contido, pois corresponde à aplicação da lei tal qual é; ou seja, na conformidade de sua razão de ser, do objetivo em vista do qual foi editada. Por isso, pode-se dizer que tomar uma lei como suporte para a prática de ato desconforme com sua finalidade não é aplicar a lei; é desvirtuá-la; é burlar a lei sob o pretexto de cumpri-la. Daí por que os atos incursos nesse vício — denominado “desvio de poder” ou “desvio de finalidade” — são nulos. Quem desatende ao fim legal desatende à própria lei. Celso Antônio Bandeira de Mello. Curso de direito administrativo. 10.ª ed. Malheiros, 1998, p. 64 (com adaptações). Considerando o texto acima, em cada um dos itens subseqüentes, é apresentada uma situação hipotética, seguida de uma assertiva

a ser julgada.

27. Um delegado de polícia convidou sua namorada para ir ao cinema. Lá chegando, o delegado

identificou-se como policial e entrou no cinema sem pagar o ingresso. Nessa situação, a conduta do delegado é legal, visto que amparada em lei que lhe permite o amplo acesso a quaisquer

estabelecimentos, sejam eles públicos ou privados.

(

) CERTO

(

) ERRADO

28.

O prefeito de um município resolveu alterar as rotas e as paradas de algumas linhas de ônibus,

visando otimizar o transporte público na cidade. Alguns cidadãos, sentindo-se prejudicados, impetraram mandado de segurança a fim de que fossem mantidas as condições anteriores. Nessa situação, o Poder Judiciário não deverá analisar a conveniência do ato do prefeito, sob pena de invadir matéria atribuída ao administrador público. ( ) CERTO ( ) ERRADO

29. O secretário de segurança de um estado da Federação, visando punir um delegado de polícia

desidioso, removeu-o para uma cidade do interior do Estado. Nessa situação, partindo da premissa de que o secretário é a autoridade competente para a prática do ato e que, de fato, o delegado não vinha desempenhando as suas funções a contento, é correto afirmar que o ato que removeu o delegado não apresenta vício. ( ) CERTO ( ) ERRADO

(CESPE MJ/PF Delegado 1998) A respeito dos agentes públicos e dos poderes administrativos, julgue os itens abaixo.

30. Considere a seguinte situação: Lucíola é servidora pública, encarregada de dar seqüência a

procedimentos administrativos no órgão em que trabalha Em um determinado dia, ela chegou de mau humor à repartição e resolveu que nada faria com os autos sob sua responsabilidade, deixando para dar, no dia subseqüente, o andamento devido a eles, o que realmente fez. Os autos administrativos

sofreram apenas o atraso de um dia em seu processamento, e ninguém chegou a sofrer prejuízo em razão disso. Na situação descrita, Lucíola, juridicamente, não infringiu seus deveres funcionais. ( )

CERTO

(

) ERRADO

31. Considere a seguinte situação: Ana é Delegada de Polícia Federal e tem, sob sua responsabilidade,

diversos bens de alto valor apreendidos em ações policiais. Em certa e recente ocasião, em um dia de domingo em que estava escalada para trabalhar, Ana chegou cansada à repartição policial, devido à festa de aniversário a que compareceu na véspera e que se prolongou noite adentro. Ana dormiu durante boa parte de seu horário de trabalho nesse dia e, com isso, culposamente, propiciou que João, desonesto servidor do DPF, surrupiasse alguns dos bens sob custódia da referida servidora. A autoria da subtração jamais foi descoberta, concluindo-se pela culpa da Delegada. Na situação descrita, a ação

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

de indenização cabível contra Ana, para ressarcimento do erário, poderá ser ajuizada independentemente de prazo.

(

) CERTO

(

) ERRADO

32.

Considere a seguinte situação: Ricardo é fiscal sanitário e, em operação de rotina constatou que

determinado estabelecimento comercial vendia alimentos impróprios para consumo. Segundo a normatização aplicável, competiria ao fiscal apenas apreender o produto e aplicar multa ao

responsável. Ricardo, no entanto, acreditando que sua ação seria mais eficaz também interditou o estabelecimento. Na situação descrita, a interdição é juridicamente inválida.

(

) CERTO

(

) ERRADO

33.

Considere a seguinte situação: uma lei permite aos estados da federação a emissão de títulos da

dívida pública, cujo produto da venda deverá ser, em razão do mesmo instrumento normativo, aplicado exclusivamente nos serviços de saúde e educação. O governador de determinado estado deliberou emitir tais títulos, mas, devido às dificuldades por que passavam as finanças públicas estaduais, determinou a utilização dos recursos oriundos da negociação dos títulos no pagamento de dívidas para com fornecedores do estado e de vencimentos dos servidores públicos. Na situação descrita, como foi

atendido interesse público, a utilização dos recursos foi juridicamente válida.

(

) CERTO

(

) ERRADO

(CESPE MJ/PF Delegado 2004) No tocante a abuso de poder e a ato administrativo, julgue:

34. O abuso de poder, na modalidade de desvio de poder, caracteriza-se pela prática de ato fora dos

limites da competência administrativa do agente.

(

) CERTO

(

) ERRADO

35.

Ocorre a extinção do ato administrativo por caducidade quando o ato perde seus efeitos jurídicos

em razão de norma jurídica superveniente que impede a permanência da situação anteriormente consentida.

(

) CERTO

(

) ERRADO

35.

(MPT - Ministério Público do Trabalho XV) Assinale a alternativa CORRETA:

a)

o Presidente da República poderá convalidar o ato de extinção de cargo público vago, praticado por

Ministro de Estado, ainda que não lhe tenha delegado essa atribuição;

b) o ato administrativo qualificado pela lei de discricionário, emanado de autoridade integrante do

Poder Executivo, não pode ser objeto de discussão judicial, sob pena de restar violado o princípio da separação entre os três Poderes;

c) a concessão da aposentadoria pedida por servidor público é ato administrativo discricionário, pois

depende da análise do preenchimento dos requisitos previstos em lei; d) o Poder Judiciário, caso provocado pelo interessado, pode determinar a revogação do ato administrativo que lhe prejudicou;

e) não respondida.

36. (MPT - Ministério Público do Trabalho XIV) Ainda quantos aos atos administrativos:

I O ato administrativo viciado por incompetência do sujeito é insuscetível de convalidação. II A revogação do ato administrativo vinculado produz efeitos ex tunc.

III Os atos praticados por funcionário de fato, mesmo sob aparência de legalidade, enquadram-se

como usurpação de função e, como tal, não produzem quaisquer efeitos.

IV A anulação do ato administrativo consiste no seu desfazimento por motivo de ilegalidade e cabe

somente ao Poder Judiciário. Assinale a opção CORRETA:

a) apenas a de número I é correta;

b) apenas as de números II e III são corretas;

c) apenas a de número IV é correta;

d) todas são incorretas;

e) não respondida.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

37. (JUIZ TRT - 6ª Região Pernambuco 2010) Acerca dos atos administrativos, assinale a alternativa

CORRETA:

a) O prazo decadencial de cinco anos para a Administração anular seus atos, de que decorram efeitos

favoráveis para os administrados, só incide a contar da data na qual a Lei n. 9.784/99, entrou em

vigor.

b) Os atos administrativos somente gozam da presunção de legalidade e validade.

c) Em face da teoria dos motivos determinantes, não é possível, por exemplo, a mudança do destino de

um bem desapropriado.

d) Os fatos administrativos admitem anulação, mas, ao contrário dos atos administrativos, não admitem revogação.

e) Licença é ato administrativo discricionário.

38. (JUIZ TRT - 8ª Região - Pará e Amapá 2010) Considere as seguintes proposições:

I. A aplicação da teoria dos motivos determinantes leva à invalidação do ato administrativo

desvinculado dos motivos que determinam e justificam sua realização, mesmo em alguns casos de atos administrativos discricionários, como na hipótese de exoneração de servidor público de cargo de

provimento em comissão motivada por conduta de improbidade.

II. A anulação é a declaração de invalidade de um ato administrativo ilegítimo ou ilegal e somente pode

ser feita pelo Poder Judiciário, enquanto a revogação é ato privativo da Administração Pública, mas em qualquer das hipóteses os efeitos da anulação retroagem à sua origem, invalidando as consequências passadas, presentes e futuras do ato anulado, mas os terceiros de boa-fé alcançados pelos efeitos incidentes do ato anulado são beneficiados pela presunção de legitimidade que acompanha toda atividade da Administração Pública. III. Um dos critérios doutrinários utilizados para a distinção entre atos administrativos nulos e anuláveis é a possibilidade de convalidação do ato invalidado, negativa na primeira categoria, como na hipótese de atos praticados com desvio de poder, e afirmativa na segunda, como na hipótese de atos expedidos por sujeito incompetente ou com vício de forma. IV. O ato administrativo é passível de invalidação por vício quanto ao motivo, o que ocorre quando a matéria de fato ou de direito em que se fundamenta é materialmente inexistente ou juridicamente

inadequada ao resultado obtido, mas não ocorre quando existe a falsidade do motivo, como na

hipótese de punição disciplinar de servidor público por conduta ilícita diversa da que foi praticada.

V. A remoção de servidor público praticada de ofício, com o objetivo de punição e não de atendimento

de necessidade de serviço, é hipótese de vício relativo à finalidade do ato administrativo e propicia sua

invalidação.

a) todas as proposições estão corretas

b) somente as proposições I, II, III e V estão corretas

c) somente as proposições I, III, IV estão corretas

d) somente as proposições II, IV e V estão corretas

e) somente as proposições I, III e V estão corretas

39. (JUIZ TRT - 8ª Região - Pará e Amapá 2010) Considere as seguintes proposições e assinale a

correta:

a) Ato administrativo é o ajuste que a administração pública, agindo nessa qualidade, firma com

particular ou com outra entidade administrativa, para a consecução de objetivos de interesse público, nas condições estabelecidas pela própria administração.

b) São requisitos do ato administrativo: competência, finalidade, forma, motivo, objeto e condição de

revogabilidade.

c) Atos administrativos vinculados são aqueles para os quais a lei estabelece os requisitos e condições

de sua realização, e discricionários são os atos administrativos passíveis de revogação apenas pelo Poder Judiciário.

d) O mérito do ato administrativo consubstancia-se na valoração dos motivos e na escolha do objeto do

ato, feitas pela Administração incumbida de sua prática, quando autorizada a decidir sobre a

conveniência, oportunidade e justiça do ato a realizar. É aspecto pertinente apenas aos atos

administrativos praticados no exercício de competência discricionária, isto é, só abrange os elementos não vinculados do ato da Administração.

e) Revogação é a declaração de invalidade de um ato administrativo ilegítimo ou ilegal, feita pela

própria administração ou pelo Poder Judiciário.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

40. (JUIZ TRT - 21ª Região - Rio Grande do Norte 2010) A Administração Federal, por entender

inconveniente a manutenção de portaria, decide desconstituí-la. Sobre os efeitos dessa decisão administrativa, assinale a alternativa correta:

a) a anulação é válida, por inconveniência, respeitados os direitos adquiridos;

b) a anulação é válida, somente a partir da edição do ato administrativo;

c) o ato de desconstituição padece de nulidade, pois a Administração só pode revogar portarias em

decorrência de decisão judicial que assegure o respeito aos direitos adquiridos;

d) a revogação é válida, desde que precedida de instauração de prévio processo administrativo, com a

oitiva de todos os interessados;

e) a revogação é válida, independentemente de provocação de terceiros ou do Ministério Público,

respeitados os direitos adquiridos.

41. (JUIZ TRT - 8ª Região - Pará e Amapá 2010) Considere as seguintes proposições:

I. São princípios informativos da administração pública: legalidade, impessoalidade, moralidade,

publicidade e eficiência. Segundo o princípio da legalidade, a Administração Pública pode fazer tudo o que a lei não proíbe.

II. Os atos administrativos podem ser classificados, quanto ao seu objeto, em atos de império, de

gestão e de expediente. Por esta classificação, os atos de império ou de autoridade são todos aqueles que a Administração pratica usando de sua supremacia sobre o administrado ou servidor e lhes impõe obrigatório atendimento.

III. Quanto à formação do ato, pode-se classificá-lo em simples, complexo e composto. Ato complexo é

o que se forma pela manifestação de dois ou mais órgãos administrativos, sejam eles singulares ou

colegiados, cuja vontade se funde para formar um ato único, ou seja, integram-se as vontades de vários órgãos para a obtenção de um mesmo ato.

IV. Ato irrevogável é aquele que se tornou insuscetível de anulação, por ter produzido seus efeitos ou

gerado direito subjetivo para o beneficiário ou, ainda, por resultar de coisa julgada administrativa, o que impede a sua reapreciação judicial, enquanto que ato revogável é aquele passível de invalidação pela Administração, por motivos de conveniência, oportunidade ou justiça.

V. São elementos ou requisitos do ato administrativo: o sujeito ou agente, o objeto ou conteúdo, a

forma, o motivo e a finalidade. Por objeto ou conteúdo se entende o efeito jurídico imediato do ato

(aquisição, transformação ou extinção de direitos), enquanto a finalidade é o fim mediato, ou seja, aquilo que a administração quer alcançar com a sua edição.

a) somente as proposições I, II, III e V são corretas

b) somente as proposições II, III, e V são corretas

c) somente as proposições II, III e IV são corretas

d) somente as proposições I, III e V são corretas

e) somente as proposições I, III e IV são corretas

42. (AJ-TRT -4 REGIÃO 2011) O controle legislativo da Administração é:

a)

um controle externo e político, motivo pelo qual pode-se controlar os aspectos relativos à legalidade

e

à conveniência pública dos atos do Poder Executivo que estejam sendo controlados.

b)

sempre um controle subsequente ou corretivo, mas restrito à conveniência e oportunidade dos atos

do Poder Executivo objetos desse controle e de efeitos futuros.

c) exercido pelos órgãos legislativos superiores sobre quaisquer atos praticados pelo Poder Executivo,

mas vedado o referido controle por parte das comissões parlamentares.

d) exercido sempre mediante provocação do cidadão ou legitimado devendo ser submetido previamente ao Judiciário para fins de questões referentes à legalidade.

e) próprio do Poder Público, visto seu caráter técnico e, subsidiariamente, político, com abrangência em

todas as situações e sem limites de qualquer natureza legal.

43. (AJ-TRT-9a REGIÃO/2010) No que diz respeito ao controle da Administração, é CORRETO afirmar:

A) Controle administrativo é o poder de fiscalização e correção que a Administração Pública exerce

sobre sua própria atuação, assim ocorrendo apenas mediante provocação do administrado.

B) O controle legislativo é exercido, no âmbito estadual, pela Assembléia Legislativa, vedada a

instituição de Comissão Parlamentar de Inquérito.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

C) O mandado de injunção tem recebido nova interpretação constitucional, não se limitando à

declaração da existência da mora legislativa para a edição da norma regulamentadora, admitindo-se ao Judiciário assegurar, concretamente, o exercício do direito individualizado pela falta da norma.

D) A Constituição atribuiu à CPI poderes de investigação, como convocar e obrigar testemunhas a

comparecerem para depor e ordenar a quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico, esta última (quebra

do sigilo telefônico) sujeita à prévia autorização judicial.

E) É cabível mandado de segurança contra atos de gestão comercial praticados pelos administradores

de empresas públicas, de sociedades de economia mista e de concessionárias de serviço público.

44. (AJ-TRT-8a REGIÃO/2010) Utilizando documentos falsos, um cidadão consegue autorização para

desenvolver atividade comercial para a qual é obrigatória a autorização para o exercício de sua atividade. Constatada a irregularidade e, portanto, verificada a nulidade do ato administrativo de

autorização, esse ato:

a) pode ser anulado pela própria Administração independentemente de provocação.

b) não pode ser anulado pela Administração se não houver pedido de terceiros prejudicados.

c) pode ser revogado pelo Poder Judiciário se for provocado por qualquer cidadão.

d) pode ser revogado pela Administração se ficar provado dolo do funcionário responsável pela

concessão da autorização.

e) não pode ser anulado por iniciativa da Administração, que deverá pleitear a anulação no Poder

Judiciário.

45. (AJ-TRT-8a REGIÃO/2010) O controle legislativo dos atos do Poder Executivo, em matéria contábil,

financeira e orçamentária, é exercido pelo Poder Legislativo:

a) por meio de seus auditores.

b) com autorização do Poder Judiciário.

c) com auxílio do Tribunal de Contas.

d) com auxílio do Ministério Público.

e) por meio de comissões parlamentares de inquérito.

50. (AJ-TRT-12a REGIÃO/2010) Sobre os requisitos dos atos administrativos, é correto afirmar:

a) Em relação ao objeto, o ato administrativo será sempre discricionário.

b) O objeto do ato administrativo apenas será natural, não podendo ser acidental, diferentemente do

que ocorre no negócio jurídico de direito privado.

c) O silêncio pode significar forma de manifestação da vontade da Administração quando a lei assim o

prevê.

d) Se a lei exige processo disciplinar para demissão de um funcionário, a falta ou o vício naquele

procedimento são hipóteses de revogação da demissão.

e) O objeto é o efeito jurídico mediato que o ato produz, enquanto a finalidade é o efeito imediato.

51. (TRT15 2009 FCC) O princípio da autotutela significa que a Administração Pública;

a) exerce o controle sobre seus próprios atos, com a possibilidade de anular os ilegais e revogar os

inconvenientes ou inoportunos, independentemente de recurso ao Poder Judiciário.

b) sujeita-se ao controle do Poder Judiciário, que pode anular ou revogar os atos administrativos que

forem inconvenientes ou inoportunos.

c) Direta fiscaliza as atividades das entidades da Administração Indireta a ela vinculadas.

d) Indireta fica sujeita a controle dos órgãos de fiscalização do Ministério do Planejamento mesmo que

tenham sido criadas por outro Ministério.

e) tem liberdade de atuação em matérias que lhes são atribuídas por lei.

52. (TRT3ª - 2009 - FCC) A participação popular no controle da legalidade e moralidade da atividade

administrativa pode ser exercida;

a) mediante denúncia perante a Assembléia Legislativa ou ao Tribunal de Contas, por qualquer pessoa

que venha a tomar conhecimento de irregularidades ou ilegalidades praticadas em detrimento da Administração, sob pena de tornar-se solidariamente responsável.

b) mediante representação perante a própria Administração ou ao órgão do Ministério Público que tiver

competência para apurar a prática da irregularidade ou ilegalidade apontada; mediante denúncia perante a Assembléia Legislativa ou Tribunal de Contas e mediante propositura de Ação Popular.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

c) somente pela via judicial, através da Ação Popular.

d) mediante denúncia ao Ministério Público, à Assembléia Legislativa ou ao Tribunal de Contas, bem

como mediante propositura de Ação Popular, somente sendo assegurado o direito de representar à

autoridade administrativa aqueles cujos direitos subjetivos tenham sido atingidos pelo ato impugnado.

e) perante a própria Administração ou pela via judicial, mas apenas nas situações de lesão ou ameaça

De lesão a direito individual.

53. (TRT15 2009 FCC) A anulação do ato administrativo

a) pode ser feita por conveniência e oportunidade.

b) pode se feita tanto pela Administração quanto pelo Poder Judiciário.

c) não pode ser feita pelo Poder Judiciário, mesmo que provocado pelo interessado.

d) vale a partir da decisão anulatória, não retroagindo os seus efeitos.

e) é privativa da autoridade no exercício de função administrativa

PONTO: CONTROLE FINANCEIRO

1. (CESPE PC/RR - Delegado 2003). Acerca do controle da administração pública, julgue os itens

seguintes. 1. A Constituição da República, em seu art. 71, inciso II, dispõe que o controle externo da administração pública será feito pelo Congresso Nacional, com auxílio do Tribunal de Contas da União, ao qual compete julgar as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos da administração direta e indireta, incluídas as fundações e as sociedades instituídas e mantidas pelo poder público federal, e as contas daqueles que derem causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte prejuízo ao erário público. Segundo jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), esse dispositivo não se aplica às sociedades de economia mista.

(

) CERTO

(

) ERRADO

2.

(CESPE PC/PB Delegado 2008) Pedro, empregado de uma empresa pública federal, na qual

ingressou em 4/4/1983, requereu sua aposentadoria após preencher todos os requisitos exigidos, a qual foi devidamente concedida. O Tribunal de Contas da União (TCU) promoveu o registro dessa aposentadoria em abril de 1997. No entanto, em julho de 2002, no mesmo dia em que Pedro requereu a revisão do ato de aposentadoria, com vistas a receber uma gratificação não incorporada aos seus proventos, o TCU, sem ouvir Pedro, houve por bem anular aquela decisão, após processo administrativo instaurado a pedido do Ministério Público junto ao TCU, em janeiro de 1999, ao

entendimento de que o ato de registro da aposentadoria foi ilegal, pois Pedro teria ingressado na citada empresa pública sem concurso público, fato esse que impediria a sua aposentadoria. Acerca da situação hipotética apresentada, dos atos administrativos e da prescrição administrativa, assinale a opção correta.

a) Conforme entendimento sumulado do STF, o ato de aposentadoria é considerado ato complexo, não

operando efeitos até que sobrevenha o registro. Dessa forma, não há necessidade de se assegurar o contraditório e a ampla defesa perante o TCU para esse ato. Assim, da mesma forma que não se

exigem o contraditório e a ampla defesa para o ato de registro, não há motivo para exigi-los no ato de anulação do registro.

b) A decisão do TCU de anular o registro anteriormente concedido está errada, pois já havia

transcorrido o prazo prescricional.

c) O TCU tem competência para efetuar o registro de aposentadoria dos empregados públicos, muito

embora estes sejam aposentados pelo regime geral de previdência social.

d) Pedro, diante do seu tempo de serviço, é considerado estável no serviço público.

e) E Será compete para julgar o mandado de segurança contra o ato do TCU a justiça federal de

primeira instância.

PONTO: PODERES ADMINISTRATIVOS

HIERÁRQUICO

1. ANALISTA TRF-5ªR/2003

Não é conseqüência do poder hierárquico de uma autoridade administrativa federal, o poder de:

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

a)

dar ordens aos seus subordinados

b)

rever atos praticados por seus subordinados

c)

resolver conflitos de competência entre seus subordinados

d)

delegar competência para seus subordinados editarem atos de caráter normativo

e)

aplicar penalidades aos subordinados, observadas as garantias processuais

2.

(Fiscal Receita Estadual Acre 2007 CESPE)

Por decorrência do poder hierárquico da Administração Pública, surge o instituto da delegação de competências. Assinale, entre as atividades abaixo, aquela que não pode ser delegada.

a) Matéria de competência concorrente de órgão ou entidade.

b) Edição de atos de nomeação de servidores.

c) Decisão de recursos administrativos.

d) Homologação de processo licitatório.

e) Aplicação de pena disciplinar a servidor.

3. (Analista de Finanças e Controle-CGU-2004-ESAF) Por decorrência do poder hierárquico da Administração Pública, surge o instituto da delegação de competências. Assinale, entre as atividades abaixo, aquela que não pode ser delegada.

a)

Matéria de competência concorrente de órgão ou entidade.

b)

Edição de atos de nomeação de servidores.

c)

Aplicação de pena disciplinar a servidor.

d)

Homologação de processo licitatório.

e)

Decisão de recursos administrativos.

4.

(CGU- Analista de Finanças e Controle- 2008- ESAF)- Decorrente da presença do poder hierárquico

na Administração, afigura-se a questão da competência administrativa e sua delegação. Sobre o tema é correto afirmar, exceto:

a) a competência é irrenunciável e se exerce pelos órgãos administrativos a que foi atribuída como

própria, salvo os casos de delegação e avocação legalmente admitidos.

b) um órgão administrativo e seu titular poderão, se não houver impedimento legal, delegar parte de

sua competência a outros órgãos ou titulares, ainda que estes não lhe sejam hierarquicamente

subordinados, quando for conveniente, em razão de circunstâncias de índole técnica, social, econômica, jurídica ou territorial.

c)

o ato de delegação e sua revogação deverão ser publicados no meio oficial.

d)

a edição de ato de caráter normativo não pode ser objeto de delegação.

e)

a decisão de recursos administrativos pode ser objeto de delegação.

5.

(Analista Judiciário/INSS/2008/CESPE)- A avocação de procedimentos administrativos decorre do

poder hierárquico.

6. (Auditor TCE-SP2008/FCC) De acordo com a lei federal de processo administrativo (Lei 9784/99), a

delegação da prática de atos administrativos tem como característica a Proibição de ressalva quanto ao exercício da atribuição delegada. Permissão de delegação de atos normativos e de decisão de recursos. Dependência da autorização expressa de lei específica. Limitação da delegação a órgãos hierarquicamente subordinados. Permissão da sua revogação a qualquer tempo, mesmo que concedida por prazo determinado.

7. Fiscal de Tributos Municipais Maceió 2003/CESPE.

A respeito dos poderes administrativos, julgue o item a seguir:

Poder hierárquico é o que a administração exerce sobre todas as atividades e bens que afetam ou

possam afetar a coletividade.

DISCIPLINAR

8. SEFAZ-CE- ESAF-2006 - A aplicação da penalidade de advertência a servidor público infrator, por

sua chefia imediata, é ato administrativo que expressa a manifestação do poder

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

a) hierárquico.

b) regulamentar.

c) de polícia.

d) disciplinar.

e) vinculado.

9. TRF/2003 (ESAF/MF)

O ato de autoridade administrativa que aplica uma penalidade de advertência a servidor seu

subordinado, pela inobservância de um determinado dever funcional, estará contido no contexto, particularmente, do exercício regular de seu poder:

a) discricionário e de polícia

b) discricionário e de império

c) disciplinar e hierárquico

d) regulamentar e de polícia

e) vinculado e de gestão

10. TRT 20R ANAL 2006. Dentre outras, é peculiaridade marcante do poder disciplinar sua

diferenciação com o poder punitivo do Estado, realizado através da Justiça Penal. correlação com o poder hierárquico, e assim confundir- se com este poder administrativo.

vinculação pela prévia definição da lei sobre a infração funcional e respectiva sanção e, portanto, não

ter discricionariedade.

qualidade de ordenar, coordenar, controlar e corrigir as atividades administrativas no âmbito da Administração. capacidade de condicionar e restringir o uso e gozo de bens, atividades e direitos individuais, em

benefício do Estado.

11. (Auditor- TEC-GO-2007- ESAF) No que tange ao poder disciplinar, relativamente ao servidores aposentados e aos em disponibilidade,

a) tais servidores não poderão sofrer penalidade administrativa, por não ocuparem cargo público.

b) ambos os servidores, aposentados e em disponibilidade, estão sujeitos ao poder disciplina da Administração.

c) a depender da gravidade da conduta, o servidor em disponibilidade sujeita-se à pena de demissão.

d) apenas os servidores aposentados poderão sofrer penalidade.

e) tecnicamente, mesmo o aposentado está sujeito à pena de demissão, considerada sua conduta

quando ainda permanecia em atividade na Administração

DE

POLÍCIA

12.

A faculdade de que dispõe a Administração Pública para condicionar e restringir o uso e gozo de

bens, atividades e direitos individuais, em benefício da coletividade ou do próprio estado, caracteriza-se

como:

a)

discricionariedade administrativa;

b)

coercibilidade;

c)

poder de polícia;

d)

poder vinculado e auto-executoriedade.

13.

(Analista de Finanças e Controle-CGU-2004-ESAF) Tratando-se do poder de polícia administrativa,

assinale a afirmativa falsa.

a) Decorre de uma limitação aos direitos de cada cidadão.

b) Caracteriza-se, fundamentalmente, como uma obrigação de não-fazer.

c) Assim como a polícia judiciária, a polícia administrativa também pode ser repressiva

d) O ato de polícia administrativa provém privativamente de autoridade pública.

e) Distingue-se da servidão administrativa, por não se caracterizar como um dever de suportar.

14. (DPU/2004/CESPE) O objeto do poder de polícia é, em princípio, a liberdade e a propriedade dos

cidadãos, mas o exercício daquele poder não implica a supressão total desses direitos.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

15. VUNESP/2005

Assinale a alternativa correta

a) O fundamento do poder de polícia é a supremacia especial que o Estado exerce sobre todas as

pessoas, bens e atividades

b) O conceito de polícia administrativa se confunde com o de polícia judiciária

c) A competência, a finalidade e a forma são atributos do poder de polícia

d) O poder de polícia expressa-se por meio de medidas repressivas, que têm por objetivo coagir o

infrator ao cumprimento da lei

e) Haverá violação ao princípio da impessoalidade se a extensão da medida de polícia for maior que a

necessária para a consecução dos resultados perseguidos

16. (Fiscal Receita Estadual Acre 2006 CESPE)

Tratando-se do poder de polícia administrativa, assinale a afirmativa falsa.

a) O ato de polícia administrativa provém privativamente de autoridade pública.

b) Caracteriza-se, fundamentalmente, como uma obrigação de não-fazer.

c) Assim como a polícia judiciária, a polícia administrativa também pode ser repressiva.

d) Decorre de uma limitação aos direitos de cada cidadão.

e) Distingue-se da servidão administrativa, por não se caracterizar como um dever de suportar.

17. (GESTOR FAZENDÁRIO -GEFAZ - MG 2005/ESAF) Com relação ao poder de polícia, assinale a

opção incorreta.

a) Não se pode falar em utilização de poder de polícia pela Administração indireta.

b) Como regra, tal poder será discricionário.

c) O meio de ação que concretize a atuação do poder de polícia encontra limites no princípio da

proporcionalidade.

d) Nem sempre as ações atinentes ao poder de polícia serão auto-executáveis.

e) O poder de polícia não abrange apenas medidas repressivas.

18. (TRTRABALHO - 9.ª REGIÃO - ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA CESPE) Pelo atributo da coercibilidade, o poder de polícia tem execução imediata, sem dependência de ordem judicial.

19. (CHESF - 2007/ CONSULPLAN) Assinale a afirmativa correta:

A) A auto-executoriedade é a prerrogativa que tem a administração de executar, por seus próprios

meios, certas medidas restritivas decorrentes do exercício do poder de polícia, sem a necessidade de se recorrer previamente ao Poder Judiciário.

B) O poder de polícia é exercido exclusivamente em caráter preventivo, jamais em caráter repressivo.

C) A expedição de licença para o exercício de atividade ou para a prática de determinados atos é

atribuição típica do poder regulamentar da administração e não do poder de polícia administrativa. D) O poder de polícia é sempre exercido com vinculação estrita, obedecendo às limitações da lei

relativamente à competência, forma, finalidade, motivos e objeto.

E) São atributos do poder de polícia a coercibilidade, a imperatividade, a presunção de legitimidade e a

vinculação.

20. (Correios-Advogado-2007/CONESUL) Alguns autores indicam regras a serem observadas pela

polícia administrativa, com o fim de não eliminar os direitos individuais. Assim, não é considerada como regra, ou limite, da lei

a) a da necessidade

b) a da excessividade

c) a da eficácia

d) a da proporcionalidade

21. O poder de polícia administrativa:

expressa-se, exclusivamente, por meio de atos discricionários. é subespécie do serviço público de segurança pública. pode ser delegado a empresas particulares, conforme, expressamente, autoriza a Constituição da República.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

está presente quando o Estado confere autorização para porte de armas.

NORMATIVO (ou REGULAMENTAR)

22. (DPU/2004/CESPE) O poder regulamentar possui, ao lado de seu fundamento jurídico, um fundamento político, consistente na conveniência e oportunidade que se reconhece ao poder executivo para orientar a administração pública em relação a pormenores inerentes à execução da lei.

23. (MPE - Paraíba - Analista de Sistemas-2007) Quanto à sua natureza jurídica, o poder regulamentar

a) representa uma prerrogativa de direito público, conferida à Administração Pública, para editar atos

gerais de complementação das leis, visando sua efetiva aplicação.

b) é aquele que tem como objetivo a organização da função administrativa.

c) consiste no poder de comando de agentes superiores sobre outros hierarquicamente inferiores.

d) resulta do controle que pessoas federativas exercem sobre as pessoas que integram a Administração

Indireta.

e) é a imposição do respeito que os agentes administrativos devem ter para com as normas que os

regem, em cumprimento aos deveres e às obrigações a eles impostos.

24. AUDITOR DA RECEITA FEDERAL / 2006

A Emenda Constitucional n. 32, de 2001, à Constituição Federal, autorizou o presidente da República, mediante Decreto, a dispor sobre:

a) extinção de funções públicas, quando vagas.

b) extinção de cargos e funções públicas, quando ocupados por servidores não estáveis.

c) funcionamento da administração federal, mesmo quando implicar em aumento de despesa.

d) fixação de quantitativo de cargos dos quadros de pessoal da Administração Direta.

e) criação ou extinção de órgãos e entidades públicas.

MISTO

25J! (Escrivão de Polícia Civil/ES/2006/CESPE)- O poder de polícia no Brasil, sobretudo no âmbito dos poderes atribuídos ao presidente da República, sofreu significativa ampliação a partir da promulgação da Emenda Constitucional 32, de 2001.

26. (Analista de Finanças e Controle-CGU-2004-ESAF)-Uma determinada autoridade administrativa, de

um certo setor de fiscalização do Estado, ao verificar que o seu subordinado havia sido tolerante com o administrado incurso em infração regulamentar, da sua área de atuação funcional, resolveu avocar o caso e agravar a penalidade aplicada, no uso da sua competência legal, tem este seu procedimento enquadrado no regular exercício dos seus poderes

a) disciplinar e vinculado

b) discricionário e regulamentar

c) hierárquico e de polícia

d) regulamentar e discricionário

e) vinculado e discricionário

27CeD! AFT/2003 (ESAF/MF). Tratando-se dos poderes administrativos, correlacione as duas colunas, vinculando a cada situação o respectivo poder:

1

- poder hierárquico

 

2

poder disciplinar

3

poder discricionário

4

poder de polícia

(

) penalidade em processo administrativo

 

(

) nomeação para cargo de provimento em comissão

 

(

) delegação de competência

 

(

) limitação do exercício de direito

 

a)

2314

b) 4213

c) 4321

d) 2134

e) 4231

(Auditor Fiscal da Receita Federal 2005 ESAF)

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

28. Considerando-se os poderes administrativos, relacione cada poder com o respectivo ato administrativo e aponte a ordem correta. 1- poder vinculado 2- poder de polícia 3- poder hierárquico 4- poder regulamentar 5- poder disciplinar

(

) decreto estadual sobre transporte intermunicipal

(

) alvará para construção de imóvel comercial

(

) aplicação de penalidade administrativa a servidor

(

) avocação de competência por autoridade superior

(

) apreensão de mercadoria ilegal na alfândega

a) 3/2/5/4/1

b) 1/2/3/5/4

c) 4/1/5/3/2

d) 2/5/4/1/3

e) 4/1/2/3/5

29. Assinale a opção correta quanto aos poderes e deveres dos administradores públicos.

O poder de delegação e o de avocação decorrem do poder hierárquico.

A possibilidade de o chefe do Poder Executivo emitir decretos regulamentares com vistas a regular uma

lei penal deriva do poder de polícia.

O

poder discricionário não comporta nenhuma possibilidade de controle por parte do Poder Judiciário.

O

poder regulamentar é exercido apenas por meio de decreto.

30. (ANAL JUD ÁREA JUD TRF 1R/2006) No que tange aos poderes administrativos, é INCORRETO

afirmar que

a) a faculdade que o chefe do Executivo dispõe de explicitar a lei, para sua correta aplicação, decorre

do poder normativo.

b) o poder hierárquico tem por objetivo estabelecer uma relação de coordenação e subordinação entre

os órgãos que integram a Administração Pública.

c) por meio do poder de polícia, a Administração Pública limita o exercício dos direitos individuais em

benefício do interesse público.

d)

o poder discricionário vincula o administrador público à forma, objeto e motivo do ato, deixando livre

a

opção quanto ao juízo de mérito.

e)

a Administração Pública, em virtude do poder disciplinar, apura infrações e aplica penalidades aos

servidores públicos e demais pessoas sujeitas à disciplina administrativa.

31. No exercício do poder sancionador da administração pública,

incide o mesmo princípio da tipicidade estrita aplicável às sanções de natureza penal. não se admite o exercício da discricionariedade administrativa. devem ser observados os princípios da ampla defesa prévia e da proporcionalidade na dosimetria da sanção. as sanções de interdição de estabelecimento, de demolição de obra irregular e de multa pecuniária são

dotadas da prerrogativa de auto-executoriedade direta pela administração sancionadora.

32. (GESTOR FAZENDÁRIO -GEFAZ - MG 2005/ESAF) No que tange aos poderes administrativos,

assinale a opção correta.

a) Em face do poder hierárquico, um órgão consultivo que integre a estrutura do Poder Executivo, por

exemplo, deve exarar manifestação que se harmonize como entendimento dado à matéria pelo chefe de tal Poder.

b) Por sua natureza, a Secretaria de Receita Estadual não tem poder de polícia, que é característico da

Secretaria de Segurança do Estado.

c) Uma vez que o Direito não admite lacunas legislativas, e a Administração Pública deve sempre

buscar atender o interesse público, o poder regulamentar, como regra, autoriza que o Poder Executivo

discipline as matérias que ainda não foram objeto de lei.

d) Em vista da grande esfera de atuação do Poder Executivo, o poder regulamentar se distribui entre

diferentes autoridades que compõem tal poder, que expedem portarias e instruções normativas, conforme a área de especialização técnica de cada qual. e) Nem sempre as medidas punitivas aplicadas pela Administração Pública a particulares terão fundamento no poder disciplinar.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

33. (CESPE MJ/PF Delegado 2002) No que concerne ao exercício e aos limites dos poderes da

administração pública, julgue os itens subseqüentes. O abuso de poder de um delegado federal pode

ser controlado por meio de mandado de segurança individual, desde que não haja necessidade de dilação probatória.

(

) CERTO

(

) ERRADO

34.

A função de polícia judiciária não exclui da Polícia Federal o poder de polícia administrativa.

(

) CERTO

(

) ERRADO

35.

O poder disciplinar impõe ao superior hierárquico o dever de punir o subordinado faltoso.

(

) CERTO

(

) ERRADO

36.

O Congresso Nacional tem competência para controlar o poder regulamentar do presidente da

República.

 

(

) CERTO

(

) ERRADO

37.

Se invalidada por sentença judicial a demissão de policial, decorrente de condenação administrativa

por abuso de autoridade, terá ele direito à reintegração na vaga que antes ocupava.

(

) CERTO

(

) ERRADO

(CESPE MJ/PF Delegado 1998)

38. O poder de polícia é conferido à administração público decorre da supremacia do interesse público

sobre o particular, e , implica a limitação de certos direitos dos cidadãos; entretanto, o exercício da

atribuição de policia pode ser delegado.

(

) CERTO

(

) ERRADO

(CESPE SGA/AC Delegado 2008). Acerca do direito administrativo, julgue os itens subseqüentes.

39. Considere que uma lei federal tenha determinado a proibição da venda de bebidas alcoólicas em

postos e bares localizados às margens de rodovias federais. Nessa situação, a fiscalização do

cumprimento dessa determinação configura exercício de poder de polícia administrativa. ( ) CERTO

( ) ERRADO

40. Considere que a Constituição da República determina que as polícias civis sejam dirigidas por

delegados de polícia de carreira. Essa determinação confere aos delegados poder hierárquico e poder disciplinar sobre os servidores da polícia civil que lhes são subordinados.

(

) CERTO

(

) ERRADO

41.

A Constituição da República atribui aos magistrados e aos delegados de polícia a garantia da

vitaliciedade, o que significa que eles não podem ser demitidos mediante processo administrativo

disciplinar, mas apenas mediante processo judicial.

(

) CERTO

(

) ERRADO

42.

(MPT - Ministério Público do Trabalho XIV) Quanto aos poderes e princípios da Administração

Pública.

I O poder disciplinar da Administração Pública autoriza a aplicação de sanções a particulares não sujeitos à disciplina interna da Administração.

II O princípio da continuidade do serviço público jamais cede em razão de seu caráter absoluto, não

comporta a aplicação do princípio da proporcionalidade e constitui um verdadeiro superprincípio que orienta todo o ordenamento jurídico administrativo. III O princípio da motivação dos atos administrativos, embora recomendável em todos os atos que envolvam o exercício de poderes, ao contrário dos atos praticados pelo Judiciário e Ministério Público,

não possui previsão nas normas jurídicas de direito administrativo brasileiro.

IV O princípio da segurança jurídica não se aplica à Administração Pública brasileira, uma vez que ela

possui poderes para desconstituir situações jurídicas e aplicar retroativamente nova interpretação da

norma administrativa para garantir o atendimento do fim público a que se dirige. Assinale a opção CORRETA:

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

a) apenas as de números I e III são corretas;

b) apenas as de números II e IV são corretas;

c) apenas a de número IV é correta;

d) todas são incorretas;

e) não respondida.

43. (JUIZ TRT - 6ª Região Pernambuco 2010) Ao apurar infrações e aplicar penalidades aos

servidores públicos e demais pessoas sujeitas à disciplina administrativa, a Administração Pública faz valer o seu poder:

a) Disciplinar.

b) Normativo.

c) Hierárquico.

d) De polícia.

e) Discricionário.

44. (JUIZ TRT - 8ª Região - Pará e Amapá 2010) Considere as seguintes proposições:

I. A faculdade de punir internamente as infrações funcionais dos servidores da Administração, decorre

do poder disciplinar. As penas disciplinares previstas em lei serão aplicadas conforme a gravidade do fato, discricionariamente, pelo que, incabível Mandado de Segurança contra ato disciplinar. II. A faculdade normativa, muito embora seja predominantemente do Poder Legislativo, neste não se exaure, pois os Chefes dos Poderes Executivos (Presidente da República, Governadores e Prefeitos) detêm o poder regulamentar, através do qual explicitam a lei ou expedem decretos autônomos sobre matéria de sua competência. III. O Congresso Nacional tem competência para sustar atos normativos do Executivo Federal que exorbitem o poder regulamentar. IV. A Administração Pública, através de seu poder de polícia, tem a faculdade de condicionar e restringir o uso e gozo de bens, atividades e direitos individuais, em benefício da coletividade ou do próprio Estado. Tal poder de polícia tem, entre outros, o atributo da autoexecutoriedade, pelo que, inclusive as multas decorrentes de tal poder podem ser executadas administrativamente.

a) todas as proposições são incorretas

b) somente as proposições I, II e III são corretas

c) somente as proposições II e III são corretas

d) somente as proposições II, III e IV são corretas

e) somente as proposições I e IV são corretas

45. (AJ-TRT -4 REGIÃO 2011). É correta a afirmação de que o exercício do poder regulamentar está

consubstanciado na competência:

A) das autoridades hierarquicamente superiores das administrações direta e indireta, para a prática de

atos administrativos vinculados, objetivando delimitar o âmbito de aplicabilidade das leis.

B) dos Chefes dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, objetivando a fiel aplicação das leis,

mediante atos administrativos expedidos sob a forma de homologação.

C) originária dos Ministros e Secretários estaduais, de editarem atos administrativos destinados a

esclarecer a aplicabilidade das leis ordinárias.

D) dos Chefes do Poder Executivo para editar atos administrativos normativos destinados a dar fiel

execução às leis.

E) do Chefe do Poder Executivo Federal, com a finalidade de editar atos administrativos de gestão, para

esclarecer textos controversos de normas federais.

46. (AJ-TRT-14a REGIÃO/2011) O poder de polícia

a) possui, como meio de atuação, apenas medidas de caráter repressivo.

b) delegado é limitado aos termos da delegação e se caracteriza por atos de execução.

c) é sempre discricionário.

d) não é inerente a toda Administração, não estando presente, por exemplo, na esfera administrativa

dos Municípios.

e) não tem como um de seus limites a necessidade de observância aos princípios da proporcionalidade

e razoabilidade.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

47. (AJ-TRT-14a REGIÃO/2011) A Constituição Federal define as matérias de competência privativa do

Presidente da República e permite que ele delegue algumas dessas atribuições aos Ministros de Estado, ao Procurador-Geral da República ou ao Advogado Geral da União. Se estas autoridades praticarem um desses atos, sem que haja a necessária delegação,

a) não haverá qualquer vício nos atos administrativos praticados.

b) haverá vício de formalidade, que não admite ser sanado.

c) haverá vício de incompetência que, na hipótese, admite convalidação.

d) o presidente da república poderá revogá-los, tendo em vista o vício existente em tais atos.

e) haverá vício de conteúdo, portanto, os atos praticados devem obrigatoriamente ser anulados.

48. (TRT3ª - 2009 - FCC) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

a) desapropriação de terras improdutivas.

b) penhora de bens em execução fiscal.

c) controle da concorrência e fixação de tarifas em setores regulados.

d) prisão de depositário infiel.

e) interdição de estabelecimentos comerciais

PONTO: PROCESSO ADMINISTRATIVO outras questões da Lei 9.784/99

1. (MPT - Ministério Público do Trabalho XVI) A propósito do processo administrativo no âmbito da

Administração Pública Federal é INCORRETO afirmar:

a) Autoridade é o servidor ou agente público dotado de poder de decisão;

b) Entidade é a unidade de atuação dotada de personalidade jurídica;

c) Dentre os deveres do administrado perante a administração pública está o de colaborar para o

esclarecimento dos fatos;

d)

O requerimento inicial do interessado deve ser sempre formulado por escrito;

e)

Não respondida.

2.

(MPT - Ministério Público do Trabalho XVI) Assinale a alternativa INCORRETA:

a)

É dever do servidor orientar o interessado quanto ao suprimento de eventuais falhas na instrução

documental do processo administrativo;

b) Como regra geral, são capazes para fins de processo administrativo os maiores de dezoito anos;

c) Pode ser objeto de delegação a decisão de recursos administrativos;

d) A avocação temporária de competência atribuída a órgão hierarquicamente inferior será permitida

em caráter excepcional e por motivos relevantes devidamente justificados;

e)

Não respondida.

3.

(AJ-TRT-9a REGIÃO/2010) Conforme expressamente previsto na Lei no 9.784/1999, que estabelece

normas sobre o processo administrativo, os seus preceitos aplicam-se

A) apenas aos órgãos da Administração Pública Federal direta.

B) à Administração Pública da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e aos órgãos dos

Poderes Legislativo e Judiciário da União e dos Estados.

C) apenas aos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União e dos Estados.

D) aos órgãos do Poder Judiciário da União, quando no desempenho de função administrativa e jurisdicional.

E) à Administração Pública Federal e aos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário da União, quando

no desempenho de função administrativa.

Em relação à Lei no 9.784/99 que regula o processo administrativo,

considere:

I. Para os fins da referida lei, considera-se órgão a unidade de atuação integrante da estrutura da Administração direta e da estrutura da Administração indireta. II. São deveres do administrado, perante a administração, sem prejuízo de outros previstos em ato normativo, não agir de modo temerário.

4. (AJ-TRT-8a REGIÃO/2010)

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

III. O Administrado deve fazer-se assistir, obrigatoriamente e em qualquer hipótese, por advogado, nos

procedimentos nela previstos. IV. Nos processos administrativos serão observados, entre outros, os critérios de indicação dos pressupostos de fato e de direito que determinarem a decisão.

V. Os atos administrativos deverão ser motivados, com indicação dos fatos e dos fundamentos

jurídicos, salvo quando decidam imotivadamente processos administrativos de concurso ou seleção

pública.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) I, II e IV.

b) I e III.

c) II, III e V.

d) III e IV.

e) III, IV e V.

5. (AJ-TRT-8a REGIÃO/2010) Quanto à competência no Processo Administrativo, de acordo com a Lei

no 9.784/99, é INCORRETO que:

a) o ato de delegação é revogável a qualquer tempo pela autoridade delegante.

b) a competência é irrenunciável e se exerce pelos órgãos administrativos a que foi atribuída como

própria, salvo os casos de delegação e avocação legalmente admitidos. c) não será permitida, em qualquer caso, a avocação de competência atribuída a órgão

hierarquicamente inferior, salvo por delegação desta, nas matérias exclusivamente normativas.

d) o ato de delegação e sua revogação deverão ser publicados no meio oficial.

e) não podem ser objeto de delegação, além de outros, a edição de atos de caráter normativo.

6. (AJ-TRT-12a REGIÃO/2010) De acordo com a Lei no 9.784/1999, nos processos administrativos serão observados, dentre outros, os critérios de:

a) proibição de cobrança de despesas processuais, ressalvadas as previstas em lei.

b) atendimento a fins de interesse geral, vedada, em qualquer hipótese, a renúncia total ou parcial de

poderes ou competências.

c) proibição de impulsão de ofício do processo administrativo.

d) aplicação retroativa de nova interpretação.

e) desnecessidade de indicação dos pressupostos fáticos que determinarem a decisão, bastando a indicação dos pressupostos de direito.

PONTO: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA BRASILEIRA

1. Ocorre desconcentração administrativa quando:

a) Pressupõe pessoas jurídicas distintas para desempenho de atividades públicas;

b) Se reparte várias funções entre os vários órgãos despersonalizados de uma mesma Administração,

sem quebra de hierarquia;

c) O ente administrativo age por outorga, mediante supervisão ministerial;

d) O ente administrativo age por delegação para execução de sua atividade, em nome próprio e sua

conta e risco, observada a necessária tutela administrativa;

e)

A prestação de serviços pelo Estado é indireta e mediata, sem quebra de hierarquia.

2.

Analisando as proposições abaixo:

I

- A administração pública federal indireta compreende as autarquias, empresas públicas, sociedades

de economia mista e fundações públicas.

II - A administração pública, no âmbito do Poder Executivo Federal, se constitui dos serviços integrados

na

estrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios.

III

- Todas as entidades integrantes da administração pública indireta são dotadas de personalidade

jurídica de direito privado.

IV - As autarquias são entidades dotadas de personalidade jurídica de direito público.

V As empresas públicas são dotadas sempre de personalidade jurídica de direito privado.

Assinale:

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

a)

se apenas as afirmativas I, II e III estão corretas;

b) se apenas as afirmativas III

e

IV

estão

corretas;

 

c)

se apenas a afirmativa V está correta;

d)

se apenas as afirmativas IV

e

V

estão

corretas;

 

e)

se apenas as afirmativas I, II, IV e V estão corretas.

3.

Sobre a autarquia não é correto afirmar-se:

a)

a autarquia, por tratar-se de um prolongamento do Poder Público, deve executar serviços próprios

do Estado;

b) a autarquia, por atuar em condições idênticas às do Estado, é entidade estatal;

c) a instituição das autarquias faz-se por lei específica;

d) as proibições de acumulação remunerada de cargos, empregos e funções atingem também os

servidores das autarquias;

e) dedicando-se à exploração de atividade econômica, impõe-se-lhe, nas relações de trabalho com os

seus empregados, o mesmo regime das empresas privadas.

4.

QUAIS, DENTRE AS ENTIDADES ABAIXO, NÃO OSTENTAM A NATUREZA DE AUTARQUIA?

a)

as agências reguladoras

b) as empresas públicas

c) as agências executivas

d)

as autarquias sob regime especial

5J! Julgue: A gestão das agências reguladoras mereceu um tratamento legislativo especial, tendo em vista a complexidade de suas atividades. Entre as inovações constantes de seu regramento, está a figura da denominada “estabilidade” de seus dirigentes, materializado no fato de exercerem mandato.

(

) CERTO

(

) ERRADO

6.

A empresa pública:

a)

é pessoa jurídica de direito público interno, criada por lei, com patrimônio próprio, exercendo função

delegada pelo Estado;

b) é pessoa jurídica de direito público interno, criada por lei, com patrimônio próprio, sem vínculo de

subordinação hierárquica, exercendo funções típicas do Estado;

c) é pessoa jurídica de direito privado, criada por lei, com capital dividido entre o Estado e particulares,

com patrimônio próprio, para a realização de serviço público ou atividade econômica, regendo-se pelas normas das sociedades anônimas, com as adaptações previstas na sua lei de criação;

d) é pessoa jurídica de direito privado, criada por lei, com capital exclusivamente público, ainda que

vindo de suas Administrações Indiretas, com patrimônio próprio, destinadas ao exercício de serviço

público ou de atividade econômica de relevante interesse coletivo, podendo-se revestir de qualquer forma e organização empresarial;

e) é pessoa jurídica de direito privado, criada por lei, com capital exclusivamente público, não se

admitindo que venha de suas Administrações Indiretas, com patrimônio próprio, destinadas ao exercício de serviço público ou de atividade econômica de relevante interesse coletivo, podendo-se

revestir de qualquer forma e organização empresarial.

7. Considere as seguintes proposições:

I. A exploração direta de atividade econômica pelo Estado somente será permitida quando necessária aos imperativos de segurança nacional ou relevante interesse coletivo, conforme definido em lei, ressalvados os casos previstos na Constituição Federal.

II. As empresas públicas e as sociedades de economia mista não poderão gozar de privilégios fiscais,

não extensivos às do setor privado. III. A lei regulamentará as relações da empresa pública com o Estado e a sociedade.

IV. Como agente normativo e regulador da atividade econômica, o Estado exercerá, na forma da lei, as

funções de fiscalização, incentivo e planejamento, sendo este determinante para o setor público e indicativo para o setor privado.

V. A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública da sociedade de economia mista, exceto o

de suas subsidiárias que explorem atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou de

prestação de serviços. Assinale a alternativa correta:

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

a) somente a proposição IV está incorreta

b) as proposições I e V estão incorretas

c) somente a proposição V está incorreta

d) as proposições I, II e V estão incorretas

e) somente a proposição II está incorreta

8. Acerca do direito administrativo, julgue: Considere que uma lei estadual do Acre institua, com caráter de autarquia, o Instituto Academia de Polícia Civil, com o objetivo de oferecer formação e

aperfeiçoamento aos servidores ligados à polícia civil do Acre. Nessa situação, a criação do instituto representaria um processo de descentralização administrativa, visto que implicaria a criação de uma entidade da administração estadual indireta.

(

) CERTO

(

) ERRADO

9. Julgue os itens subsequentes, relativos à organização e estruturação da administração pública.

I Uma lei que reestruture a carreira de determinada categoria de servidores públicos pode também

dispor acerca da criação de uma autarquia. II O controle das entidades que compõem a administração indireta da União é feito pela sistemática da

supervisão ministerial.

III As autarquias podem ter personalidade jurídica de direito privado.

IV As autarquias têm prerrogativas típicas das pessoas jurídicas de direito público, entre as quais se

inclui a de serem seus débitos apurados judicialmente executados pelo sistema de precatórios. Estão certos apenas os itens

a) I e II.

b) I e III.

c) II e IV.

d) III e IV.

10.

cometidas funções determinadas, sendo integrado por agentes que, quando as executam, manifestam

a própria vontade do Estado. O trecho acima se refere ao conceito de:

a) pessoa de direito público.

52ÃO1QUESTÃO 56

11. Assinale a opção que contenha a correlação correta. (1) Personalidade jurídica de direito privado (2) Personalidade jurídica de direito público

na estrutura estatal destituídas de personalidade jurídica própria, a que são

(

)compartimento

b) agente público.

c) função pública.

d) órgão público.

(

) Autarquias

( ) União

( ) Empresas públicas

( ) Sociedades de economia mista

(

) Organizações sociais

a)

1/1/2/2/2

b) 2/1/2/1/2

c) 2/2/1/1/1

d) 1/2/1/2/1

e) 1/1/1/2/2

12.

Assinale, entre as seguintes definições, aquela que pode ser considerada correta como a de órgão

público.

a) Unidade personalizada, composta de agentes públicos, com competências específicas.

b) Centro funcional, integrante da estrutura de uma entidade, com personalidade jurídica de direito

público.

c) Conjunto de agentes públicos hierarquicamente organizados.

d) Centro de competências, com patrimônio, responsabilidades e agentes próprios, criado para uma

determinada atividade.

e) Unidade organizacional, composta de agentes e competências, sem personalidade jurídica.

13. A entidade da Administração Indireta, que se conceitua como sendo uma pessoa jurídica de direito

público, criada por força de lei, com capacidade exclusivamente administrativa, tendo por substrato um patrimônio personalizado, gerido pelos seus próprios órgãos e destinado a uma finalidade específica, de interesse público, é

a)

autarquia.

b) fundação pública.

c) empresa pública.

d)

sociedade de economia mista.

e) agência reguladora.

14. A espécie organizacional da Administração Pública Indireta que deve ter sua área de atuação definida em lei complementar é:

a) empresa pública

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

b) órgão autônomo

c) autarquia

d) fundação

e) sociedade de economia mista

15.

competência de natureza:

a) legislativa e administrativa.

b) legislativa, administrativa e jurisdicional.

c) exclusivamente legislativa.

d) administrativa e jurisdicional.

e) exclusivamente administrativa.

Pelo

sistema

constitucional

brasileiro,

a

categoria

das

agências

reguladoras

apresentam

16. Assinale a opção que contemple o ponto de distinção entre a empresa pública e a sociedade de

economia mista.

a) Natureza jurídica.

b) Atuação na ordem econômica.

c) Regime do pessoal.

d) Natureza do patrimônio.

e) Formação do capital.

17. Em relação à organização administrativa da União Federal, assinale a afirmativa verdadeira.

a) O contrato de gestão só pode ser celebrado entre a União Federal e as entidades descentralizadas.

b) As fundações públicas de direito público estão impedidas de exercer poder de polícia administrativa.

c) É possível, na esfera federal, uma empresa pública ser organizada sob a forma de sociedade anônima, sendo a União Federal a sua única acionista. d) As agências reguladoras podem, no âmbito da Administração Indireta, assumir a forma de autarquias, fundações ou empresas públicas.

e) As denominadas fundações de apoio às instituições federais de ensino superior integram o rol da

Administração Pública Indireta.

18. As sociedades de economia mista, constituídas com capitais predominantes do Estado, são pessoas

jurídicas de direito privado, integrantes da Administração Pública Indireta, são regidas pelas normas comuns aplicáveis às empresas particulares, estando fora do âmbito de incidência do Direito Administrativo.

a) Correta esta assertiva.

b) Incorreta a assertiva, porque elas são pessoas jurídicas de direito público.

c) Incorreta a assertiva, porque eles são de regime híbrido, sujeitando-se ao direito privado e, em

muitos aspectos, ao direito público.

d) Incorreta a assertiva, porque seus capitais são predominantes privados.

e) Incorreta a assertiva, porque elas são de regime público, regidas exclusivamente pelo Direito administrativo.

19. A respeito da organização administrativa brasileira, assinale a afirmativa falsa.

a) As empresas estatais podem ter por objeto a prestação de serviços públicos ou a execução de

atividade econômica.

b) Somente pessoas jurídicas de direito privado, integrantes da Administração Pública, podem exercer

atividade econômica em nome do Estado.

c) Autarquias e fundações públicas podem expressar poder de polícia administrativa.

d) As organizações sociais e as organizações da sociedade civil de interesse público integram o elenco

das entidades paraestatais.

e) A exploração de atividade econômica pelo Estado fundamenta-se, exclusivamente, no relevante

interesse coletivo.

20. No contexto da Administração Pública Federal, o que distingue e/ou assemelha os órgão da Administração Direta em relação às entidades da Administração Indireta, é que

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

a) Os primeiros integram a estrutura orgânica da União e as outras não

b) Os primeiros são dotados de personalidade jurídica de direito público, as outras são de direito privado

c)

São todos dotados de personalidade jurídica de direito público

d)

São todos dotados de personalidade jurídica de direito privado

e)

Todos integram a estrutura orgânica da União

21. (MPT - Ministério Público do Trabalho XVI) Assinale a alternativa INCORRETA, considerada a

legislação vigente:

a) Administração é definida como órgão, entidade ou unidade administrativa pela qual a administração

pública opera e atua concretamente;

b) A Administração indireta é composta por pessoas estatais com personalidade jurídica de direito

público e também por pessoas jurídicas com personalidade jurídica de direito privado;

c) Autarquia é o serviço autônomo, criado por lei, com personalidade jurídica, patrimônio e receita

própria, para executar atividades atípicas da administração pública, que requeiram, para seu melhor

funcionamento, gestão administrativa e financeira descentralizada;

d) As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e, ainda, de gestão

financeira e patrimonial;

e) Não respondida.

22. (MPT - Ministério Público do Trabalho XV) Com relação à administração pública indireta é

INCORRETO afirmar que:

a) sociedades de economia mista são sociedades anônimas cujas ações pertencem ao Estado e a

particulares, que se associam na exploração de atividades econômicas de produção ou comercialização

de

bens ou de prestação de serviços;

b)

depende de lei específica a criação das sociedades de economia mista, empresas públicas,

autarquias e fundações públicas;

c) as autarquias são pessoas jurídicas de direito público cujos objetivos são exclusivamente

administrativos ou de gestão de serviços públicos específicos;

d) a área de atuação das fundações públicas é definida em lei complementar;

e) não respondida.

23. (MPT - Ministério Público do Trabalho XIV) Julgue a assertiva abaixo:

A idéia de administração pública direta e indireta equivale aos conceitos de administração pública

concentrada e desconcentrada. (

) CERTO

(

) ERRADO

24. (JUIZ TRT - 3ª Região - Minas Gerais-2010) Assinale a assertiva (“a” a “e”) correta em relação aos

enunciados de I a V, observadas a legislação pertinente, a consolidação jurisprudencial e a Constituição

da República:

I Conforme o entendimento cristalizado em súmula vinculante do STF, a falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição da República.

II Para ser qualificada como Agência Executiva, a autarquia ou fundação ou empresa pública que não

explore atividade econômica deverá cumprir os seguintes requisitos: ter um plano estratégico de reestruturação e de desenvolvimento institucional em andamento; ter celebrado Contrato de Gestão com o respectivo Ministério supervisor.

III A qualificação como Agência Executiva será feita em ato do Presidente da República.

IV O mandato dos conselheiros e dos diretores das Agências Reguladoras terá o prazo fixado na lei de

criação de cada agência.

V O ex-dirigente de agência reguladora fica impedido para o exercício de atividade ou de prestar

qualquer serviço no setor regulado pela respectiva agência pelo prazo de um ano, contados da

exoneração ou do término do seu mandato.

a) somente um enunciado é verdadeiro

b) somente dois enunciados são verdadeiros

c) somente três enunciados são verdadeiros

d) somente quatro enunciados são verdadeiros

e) todos os enunciados são verdadeiros

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

25J!(JUIZ TRT - 8ª Região - Pará e Amapá 2010) Marque a alternativa CORRETA, de acordo com a legislação e a jurisprudência consolidada:

a) As agências executivas, instituídas, necessariamente, sob a forma de autarquias, têm autonomia de

gestão e disponibilidade de recursos orçamentários e financeiros para que cumpram as suas metas.

b) As agências reguladoras têm por função controlar os serviços e as atividades exercidos sob o regime

de concessão, sendo seus servidores sujeitos ao regime de emprego público.

c) Quando, por qualquer fato jurídico, o Poder Público passa a deter a maioria do capital de sociedade

anônima, esta passa a ser considerada, incontinenti, como sociedade de economia mista.

d) A ECT Empresa de Correios e Telégrafos, empresa pública federal, não está abrangida pela

imunidade tributária recíproca, pois a Constituição da República prevê que, tanto as empresas públicas, quanto às sociedades de economia mista, sujeitam-se ao regime jurídico próprio das empresas

privadas quanto às obrigações civis, comerciais, trabalhistas e tributárias.

e) É legítimo que a lei disciplinadora de uma empresa pública autorize a posterior instituição de

subsidiárias, desde que antecipe o objeto a que se destinarão, consoante a jurisprudência dominante do STF.

26. (JUIZ TRT - 8ª Região - Pará e Amapá 2010) Considere as seguintes proposições:

I. As autarquias, as fundações públicas, as empresas públicas e as sociedades de economia mista compõem a Administração Pública indireta, mas enquanto as duas primeiras mantêm regime jurídico trabalhista institucional ou “estatutário” com seus servidores, as duas últimas, quando exploram atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou de prestação de serviços, mantêm regime jurídico trabalhista contratual ou “celetista” com seus servidores.

II. Segundo a jurisprudência uniformizada do Tribunal Superior do Trabalho, os empregados de

empresas públicas e sociedades de economia mista não têm direito à estabilidade prevista no art. 41 da Constituição Federal, mas quando admitidos mediante aprovação em concurso público suas dispensas dependem de atos motivadores, com ressalva apenas da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) que goza do mesmo tratamento jurídico destinado à Fazenda Pública.

III. As ações em que as empresas públicas federais sejam partes, na condição de autoras e rés, são

sempre processadas e julgadas perante a Justiça Federal, enquanto as sociedades de economia mista federais têm suas ações processadas e julgadas sempre pela Justiça Estadual.

IV. As autarquias são produtos da desconcentração administrativa e pessoas jurídicas de Direito Público

de capacidade exclusivamente administrativa, responsáveis principais por seus próprios atos, embora o

ente desconcentrado mantenha sua responsabilidade subsidiária.

V. O regime jurídico trabalhista das Agências Reguladoras é de natureza contratual ou “celetista” por força de lei, independentemente do setor de atuação.

a) apenas uma proposição está correta

b) apenas duas proposições estão corretas

c) apenas três proposições estão corretas

d) apenas quatro proposições estão corretas

e) todas as proposições estão corretas

27CeD!(AJ- TRT DA 24a REGIÃO/ 2011) São características das autarquias e fundações públicas:

a) Processo especial de execução para os pagamentos por elas devidos, em virtude de sentença

judicial; Impenhorabilidade dos seus bens.

b) Imunidade tributária relativa aos impostos sobre o patrimônio, renda ou serviços vinculados às suas

finalidades essenciais ou às delas decorrentes; Prazos simples em juízo.

c) Presunção de veracidade, imperatividade e executoriedade dos seus atos; Não sujeição ao controle

administrativo.

d) Prazos dilatados em juízo; Penhorabilidade dos seus bens.

e) Processo de execução regido pelas normas aplicáveis aos entes privados; Imunidade tributária

relativa aos impostos sobre o patrimônio, renda ou serviços vinculados às suas finalidades essenciais

ou às delas decorrentes.

28. (AJ-TRT-23a REGIÃO/2011) Analise as características abaixo. I. Personalidade jurídica de direito público. II. Criação por lei.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

III. Capacidade de auto administração.

IV. Especialização dos fins ou atividades.

V. Sujeição a controle ou tutela.

Trata-se de

a)

empresa pública.

b) fundação.

c) autarquia.

d)

sociedade de economia mista.

e) órgão público.

29. (AJ-TRT-9a REGIÃO/2010) No que concerne ao tema sociedades de economia mista e empresas

públicas, é INCORRETO afirmar:

a) O pessoal das empresas públicas e das sociedades de economia mista são considerados agentes

públicos, para os fins de incidência das sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa.

b) As sociedades de economia mista apenas têm foro na Justiça Federal quando a União intervém como

assistente ou opoente ou quando a União for sucessora da referida sociedade.

c) Ambas somente podem ser criadas se houver autorização por lei específica, cabendo ao Poder

Executivo as providências complementares para sua instituição.

d) No capital de empresa pública, não se admite a participação de pessoa jurídica de direito privado,

ainda que integre a Administração Indireta.

e) As empresas públicas podem adotar qualquer forma societária, inclusive a forma de sociedade

“unipessoal”.

30. (AJ-TRT-8a REGIÃO/2010) Quando o Poder Público estabelece parceria com Organizações Sociais,

assim qualificadas, sem fins lucrativos, para fomento e execução de atividades relativas à área de

proteção e preservação do meio ambiente, ele o faz por meio de contrato de:

a) mão de obra.

b) concessão.

c) permissão.

d) prestação de serviços.

e) gestão.

(CESPE MJ/PF Delegado 1998) Acerca dos órgãos públicos e da organização administrativa, julgue os seguintes itens.

31. Os ministérios, na órbita federal, são centros de competência constituídos por diversos órgãos

subalternos; os juízos de primeiro grau, exceto os da Justiça Militar, são órgãos estatais titulados por

uma só pessoa; o Conselho de Recursos da Previdência Social é órgão cujas decisões são tomadas pelo voto do conjunto de seus membros. Esses são exemplos, respectivamente, de órgãos colegiado, simples e composto. ( ) CERTO ( ) ERRADO

32. A doutrina administrativista mais recente firmou o entendimento de que todas as fundações

instituídas ou mantidas pelo poder público têm natureza de autarquia.

(

) CERTO

(

) ERRADO

33. Assim como as sociedades de economia mista, as empresas públicas e as autarquias, as fundações

públicas só podem ser criadas por lei específica. ( ERRADO

)

) CERTO

(

34. A Fundação Nacional do Índio (FLJNAI) e a Fundação Nacional de Saúde (FNS) são exemplos de

entes que desempenham serviço público; elas, assim como as demais fundações públicas, submetem-

se ao principio da exigibilidade de licitação. ( ) CERTO

(

) ERRADO

35. As empresas públicas e as sociedades de economia mista não se regem integralmente pelas

normas do direito privado. (

) CERTO

(

) ERRADO

(CESPE SGA/AC Delegado 2008) Acerca do direito administrativo, julgue os itens subseqüentes.

36. Uma empresa pública do Acre integra a administração pública estadual, mas não integra o governo

estadual.

(

) CERTO

(

) ERRADO

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

37. Considere que uma lei estadual do Acre institua, com caráter de autarquia, o Instituto Academia de

Polícia Civil, com o objetivo de oferecer formação e aperfeiçoamento aos servidores ligados à polícia civil do Acre. Nessa situação, a criação do instituto representaria um processo de descentralização administrativa, visto que implicaria a criação de uma entidade da administração estadual indireta.

(

) CERTO

(

) ERRADO

(CESPE PC/PB Delegado 2008)

38. Acerca do regime jurídico dos órgãos e das entidades que compõem a administração pública direta

e indireta, assinale a opção correta.

a) Caso uma empresa pública federal impetre mandado de segurança contra ato do juiz de direito do

estado da Paraíba, conforme entendimento do STJ, caberá ao respectivo tribunal regional federal julgar

o

referido mandado de segurança.

b)

Considere a seguinte situação hipotética. O município de João Pessoa pretende receber o Imposto

Sobre Serviços (ISS) da INFRAERO, empresa pública federal que presta serviço público aeroportuário em regime de monopólio, em face dos serviços prestados, sobre os quais não incide ICMS. Nessa situação, a pretensão do município deve ser atendida, já que a imunidade recíproca não atinge as empresas públicas, mas apenas a administração direta da União, dos estados, do Distrito Federal e dos

municípios, bem como as suas autarquias e fundações públicas.

c) Os órgãos subalternos, conforme entendimento do STF, têm capacidade para a propositura de

mandado de segurança para a defesa de suas atribuições.

d) A OAB, conforme entende o STF, é uma autarquia pública em regime-especial e se submete ao

controle do TCU.

e) Os conselhos de profissões regulamentadas, como o CREA e o CRM, são pessoas jurídicas de direito

privado.

PONTO: RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO: EVOLUÇÃO DOUTRINÁRIA E REPARAÇÃO DO DANO.

(CESPE MJ/PF Delegado 2004). A respeito da responsabilização da administração, julgue o item seguinte.

1. A responsabilidade civil do Estado por conduta omissiva não exige caracterização da culpa estatal

pelo não-cumprimento de dever legal, uma vez que a Constituição brasileira adota para a matéria a

teoria da responsabilidade civil objetiva. ( ) CERTO

(

) ERRADO

(CESPE SGA/AC Delegado 2008). Acerca da responsabilidade civil do Estado e de seus servidores, julgue os itens a seguir.

2. Os servidores públicos de uma autarquia do Acre respondem objetivamente pelos danos que, no

exercício de suas funções, causem culposamente a terceiros. ( ) CERTO ( )

ERRADO

3. Considere que um detento tenha sido morto por seus colegas de carceragem, dentro da cela de uma

delegacia de polícia do estado do Acre. Nessa situação, o Acre responde pelos danos materiais e morais

resultantes dessa morte, mesmo que reste demonstrada a ausência de culpa dos agentes públicos

responsáveis pela segurança dos presos.

(

) CERTO

( ) ERRADO

4. Os atos lesivos a terceiros praticados em razão dos serviços públicos prestados por empregados de

empresas concessionárias ou permissionárias não geram a responsabilidade objetiva do Estado.

CERTO (

)

(

) ERRADO

5. PGE_CE_2008. Assinale a opção correta no que concerne à responsabilidade civil do Estado.

a) Nos Estados absolutistas, negava-se a obrigação da administração pública de indenizar os prejuízos

causados por seus agentes aos administrados, com fundamento no entendimento de que o Estado não

podia causar males ou danos a quem quer que fosse (the king can do no wrong). Segundo a classificação da doutrina, a teoria adotada nesse período era a teoria do risco integral.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

b) Perante o transportado, a responsabilidade da transportadora que exerça função pública sob

concessão é contratual e subjetiva.

c) A Constituição Federal de 1988 adotou o princípio da responsabilidade civil subjetiva para as

autarquias.

d) De acordo com a teoria da responsabilidade objetiva, o Estado responde pelos danos causados por

seus agentes a terceiros, independentemente da prova de culpa ou da demonstração do nexo causal.

e) Uma sociedade de economia mista prestadora de serviço público responderá por danos causados a

terceiros independentemente da prova de culpa.

6. PGE_PB_2008. Um policial militar do estado da Paraíba, durante o período de folga, em sua

residência, teve um desentendimento com sua companheira e lhe desferiu um tiro com uma arma pertencente à corporação.

Considerando o ato hipotético praticado pelo referido policial, é correto afirmar que

a) está configurada a responsabilidade civil do Estado, pois a arma pertencia à corporação.

b) está configurada a responsabilidade civil do Estado, pois o disparo foi efetuado por um policial

militar, e o fato de ele estar de folga não afasta a responsabilidade do Estado.

c) não há responsabilidade civil do Estado, visto que o dano foi causado por policial fora de suas

funções públicas.

d) não há responsabilidade civil do Estado, pois o dano não foi causado nas dependências de uma

repartição pública.

e) não há responsabilidade civil do Estado, uma vez que a conduta praticada pelo policial não

configurou dano.

7. PGE_PB_2008. A obrigação do Estado de indenizar o particular independe de culpa da administração,

visto que a responsabilidade é objetiva. O agente público causador do dano deverá ressarcir a

administração, desde que comprovada a existência de culpa ou dolo do agente. Com relação aos efeitos

da ação regressiva do Estado contra o agente público, julgue os seguintes itens.

I Os efeitos da ação regressiva transmitem-se aos herdeiros e sucessores do agente público culpado,

respeitado o limite do valor do patrimônio transferido.

II A ação regressiva pode ser movida mesmo após terminado o vínculo entre o agente e a

administração pública.

III A ação por meio da qual o Estado requer ressarcimento aos cofres públicos de prejuízo causado por

agente público considerado culpado prescreve em 5 anos.

IV A orientação dominante na jurisprudência e na doutrina é de ser cabível, em casos de reparação do

dano, a denunciação da lide pela administração a seus agentes. Estão certos apenas os itens

a)

I e II.

b) I e IV.

c) II e III.

d) I, III e IV.

e) II, III e IV.

8.

PGE_DF_2007. A respeito da Responsabilidade Civil do Estado, analise os itens a seguir:

I. O Distrito Federal responde pelos danos que seus servidores, nessa qualidade, causarem a terceiro

por culpa exclusiva da vítima;

II. A responsabilidade civil do agente público, em face de ação regressiva perante a Administração

Pública, é objetiva;

III. De acordo com recente decisão do Superior Tribunal de Justiça, reconheceu-se culpa exclusiva da

vítima, que foi atropelada em linha férrea, utilizando passagem clandestina aberta no muro sem

conservação e sem fiscalização da empresa ferroviária;

IV. Haverá responsabilidade civil objetiva do Estado, de acordo com posicionamento do Superior

Tribunal de Justiça, no caso de presidiário que se suicidou no estabelecimento prisional, tendo em vista que é dever do Estado proteger seus detentos, inclusive contra si mesmo;

V. Com referência à Responsabilidade do Estado por atos jurisdicionais, na jurisprudência brasileira,

como regra, prevalece a admissibilidade da responsabilidade civil, devendo a ação ser proposta contra

a Fazenda Estadual, a qual tem o direito de regresso contra o magistrado responsável, nos casos de dolo ou culpa.

A

quantidade de itens corretos é igual a: a) 4 b) 2 c) 3 d) 1 e) 5

9.

MAGISTRATURA FEDERAL. Tratando-se de responsabilidade civil do Estado, assinale a afirmativa

falsa.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

a) Empresas públicas podem se sujeitar à responsabilidade objetiva ou subjetiva, dependendo de seu

objeto social. b) A teoria francesa da “faute du service” é enquadrada como hipótese de responsabilidade objetiva.

c) Pessoas jurídicas de direito privado, não integrantes da Administração Pública, podem se sujeitar à

responsabilidade objetiva.

d) A responsabilidade do Estado por omissão caracteriza-se como de natureza subjetiva.

e) A responsabilidade civil por danos nucleares independe da existência de culpa.

10. MAGISTRATURA FEDERAL. Assinale a alternativa incorreta:

a) a lei disporá sobre os requisitos e as restrições ao ocupante de cargo ou emprego da administração

direta e indireta que possibilite o acesso a informações privilegiadas

b) as pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado, prestadoras de serviço público

responderão pelos danos causados por seus agentes que, independentemente de estarem atuando

nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa

c) lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios poderá estabelecer a relação entre a

maior e a menor remuneração dos servidores públicos

d) a lei disciplinará as formas de participação do usuário da administração direta e indireta, regulando

especialmente as reclamações relativas à prestação de serviços públicos em geral, asseguradas a

manutenção de serviços de atendimento ao usuário e a avaliação periódica, externa ou interna, da qualidade de serviços

e) a lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos praticados por qualquer agente, servidor ou

não, que causem prejuízos ao erário, ressalvadas as respectivas ações de ressarcimento.

11.

MAGISTRATURA FEDERAL. Considerando a hipótese de responsabilidade civil do Estado pela faute

du

service assinale a alternativa correta, em face da jurisprudência do STF sobre a matéria.

a)

Nos termos do artigo 37, § 6º da Constituição Federal a responsabilidade civil da Administração

Pública é objetiva tanto em relação a Administração quanto ao servidor responsável pela prática do ato

lesivo.

b) Nos termos do artigo 37, § 6º da Constituição Federal a responsabilidade civil da Administração

Pública é objetiva em relação a Administração Pública e subjetiva em relação ao servidor responsável pela prática do ato.

c) Nos termos do artigo 37, § 6º da Constituição Federal a responsabilidade civil da Administração

Pública é subjetiva, tanto em relação a Administração quanto ao servidor responsável pela prática do

ato lesivo, sendo desnecessária a demonstração do nexo de causalidade entre a omissão e o dano, pela

teoria do risco administrativo.

d) A responsabilidade civil por ato omissivo é subjetiva, pelo que exige dolo ou culpa, esta numa de

suas três vertentes, a negligência, a imperícia ou a imprudência, não sendo, entretanto, necessário individualizá-la, dado que pode ser atribuída ao serviço público, de forma genérica, a falta do serviço, carecendo porém do estabelecimento do nexo de causalidade entre o ato omissivo e o dano causado

para ensejar a responsabilização.

e) Nos termos do artigo 37, § 6º da Constituição Federal a responsabilidade civil da Administração

Pública é subjetiva em relação a Administração Pública e objetiva em relação ao servidor responsável

pela prática do ato.

12. MAGISTRATURA FEDERAL. ANALISE AS AFIRMAÇÕES SEGUINTES E VERIFIQUE SE SÃO VERDADEIRAS:

I O erro judiciário é indenizável qualquer que seja a natureza da causa em que tenha sido constatado.

II O juiz poderá ser pessoalmente responsabilizado pelos prejuízos que causar ao litigante em

decorrência da demora na entrega da prestação jurisdicional. Neste caso, porém, sua responsabilidade somente estar· caracterizada se o juiz permanecer inerte transcorridos dez dias após o requerimento

da

providência aguardada, a ser formulado pela parte prejudicada por meio do escrivão.

III

Aos atos administrativos praticados no âmbito dos tribunais aplica-se a mesma disciplina reservada

à responsabilidade por atos jurisdicionais.

a) somente a I e III estão corretas b) somente a III está correta c) todas as

afirmações são verdadeiras

d) nenhuma das afirmações é verdadeira e) somente a II está correta

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

13. MAGISTRATURA FEDERAL. Sobre a responsabilidade civil da Administração no Direito Brasileiro,

pode-se afirmar:

a) predomina, ainda, a teoria subjetiva da culpa;

b) a Constituição Federal consagra a responsabilidade civil objetiva, sob a modalidade do risco integral;

c) quanto aos atos judiciais, a Fazenda Pública responde independentemente da comprovação de culpa

manifesta na sua expedição;

d) a constituição Federal consagra a responsabilidade civil objetiva, sob a modalidade de risco

administrativo;

e) mesmo que a vítima tenha contribuído com culpa ou dolo para o evento danoso, a Fazenda Pública

não poderá eximir-se da obrigação de indenizar.

14. MAGISTRATURA FEDERAL. Um empregado de uma sociedade de economia mista prestadora de

serviços públicos, no exercício de suas funções, causa dano material a terceiro. Em relação à responsabilidade da empresa, assinale a alternativa correta:

a) é objetiva sua responsabilidade e seus bens podem ser penhorados;

b) responderá somente se comprovada a culpa em vigiar o empregado e seus bens podem ser

penhorados;

c) não pode responder, posto ser de terceiro o ato lesivo;

d) responderá independente de culpa e a execução seguirá o mesmo modelo legal adotado nas

execuções

contra os entes da Administração Direta, as autarquias e fundações pública;

e) a responsabilidade é aquiliana e os bens de sua propriedade não podem ser penhorados.

15. MAGISTRATURA FEDERAL. Em se tratando de Responsabilidade Civil do Estado, a configuração do

dano reparável na hipótese de comportamentos estatais lícitos requer que, ademais da certeza do dano e da lesão a um direito, para ser indenizável cumpre que o dano compreenda mais dois caracteres, que seja especial e anormal. Assim podemos afirmar:

a) Dano especial é aquele que onera a situação particular de um ou alguns indivíduos;

b) Dano especial é aquele que supera os meros agravos patrimoniais pequenos e inerentes às

condições de convívio social;

c) Dano certo é um dano eventual, irreal e imaginário;

d) A intensificação de poeira na via pública configura o melhor exemplo de dano anormal;

e) O agravo patrimonial sobre a coletividade acarretando a perda do poder aquisitivo da moeda

decorrentes de medidas econômicas estatais inflacionárias, é a melhor forma de caracterizar o dano especial.

16. DPE/PA 2009. Durante dia de visitas em uma penitenciária estadual foi deflagrada uma rebelião dos

detentos que culminou com a morte de dois familiares de presos envolvidos no motim. No que concerne à responsabilidade disciplinada pelo artigo 37, parágrafo 6o, da Constituição Federal, pode-se afirmar que o Estado, em relação aos familiares das vítimas,

a) deve ser responsabilizado civilmente, sob a modalidade subjetiva, se vier a ser demonstrada ação ou

omissão culposa de seus agentes na condução das ações para contenção da rebelião.

b) deve ser responsabilizado civilmente, sob a modalidade objetiva, sendo desnecessária a

comprovação de culpa por parte de seus agentes, embora não seja dispensável a demonstração do nexo de causalidade.

c) não deve ser responsabilizado civilmente, conforme expressa disposição constitucional, uma vez que

os danos foram causados por ato de terceiros, não por agentes estatais.

d) não deve ser responsabilizado civilmente, uma vez que os danos foram decorrentes de caso fortuito.

e) deve ser responsabilizado civilmente, sob a modalidade objetiva, se vier a ser demonstrada ação ou

omissão culposa de seus agentes na condução das ações para contenção da rebelião.

17. DPE/AL 2009. Sobre a responsabilidade do Estado, é correto afirmar que

a) é sempre subjetiva.

b) a ação regressiva contra o funcionário, nas hipóteses de dolo ou culpa, é faculdade do Estado.

c) não responde o Estado por atos legislativos, ainda que feitas com visível desvio de poder.

d) o Estado responde por atos lícitos e ilícitos.

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®
1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO ®

1ª FASE - OAB - ADMINISTRATIVO - PLANO DE ESTUDO E PROGRAMA DO CURSO®D CDMJ! DO PROF. JOSÉ ARAS

18. DPU 2007. Quanto à responsabilidade civil do Estado e do particular, julgue os itens que se

seguem. Como a responsabilidade civil do Estado por ato danoso de seus prepostos é objetiva, surge o dever de indenizar se restarem provados o dano ao patrimônio de outrem e o nexo de causalidade entre este e o comportamento do preposto. No entanto, o Estado poderá afastar a responsabilidade objetiva quando provar que o evento danoso resultou de caso fortuito ou de força maior, ou ocorreu por culpa exclusiva da vítima.

19. A responsabilidade da administração pública, de acordo com a teoria do risco administrativo,

evidencia-se na obrigação que tem o Estado de indenizar o dano injustamente sofrido pelo particular independentemente da existência de falta do serviço e da culpa do agente público , havendo a possibilidade de comprovação da culpa da vítima a fim de atenuar ou excluir a indenização.

20. DPE/AL 2009. Com relação à regra da responsabilidade objetiva do Estado, julgue o próximo item. Essa regra não se aplica às entidades da administração indireta que executem atividade econômica de natureza privada.

21. DPE/SE 2005. O item que se seguem apresenta uma situação hipotética acerca das responsabilidades civil, penal e administrativa da administração pública e de seus agentes, seguida de uma assertiva a ser julgada. Uma senhora foi atropelada por um ônibus de uma empresa concessionária de serviço municipal de transporte urbano. Nessa situação, há responsabilidade objetiva do município.

22. DPE/MA 2009. A responsabilidade civil do Estado prevista na Constituição Federal incide sob a

modalidade