Você está na página 1de 2
MARINHA DO BRASIL JC/MF/21.2 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS 001 PORTARIA N o 77/DPC, DE

MARINHA DO BRASIL

JC/MF/21.2

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

001

PORTARIA N o 77/DPC, DE 6 DE ABRIL DE 2015.

Altera as Normas da Autoridade Marítima para o Serviço de Praticagem – NORMAM-12/DPC (1 a Revisão).

O DIRETOR DE PORTOS E COSTAS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Portaria n o 156, do Comandante da Marinha, de 3 de junho de 2004, e de acordo com o contido no artigo 4 o , da Lei n o 9.537, de 11 de dezembro de 1997 (Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário - LESTA), resolve:

Art. 1 o Alterar as “Normas da Autoridade Marítima para o Serviço de Praticagem” (NORMAM-12/DPC), aprovadas pela Portaria n o 78/DPC, de 15 de abril de 2011, publicada no Diário Oficial da União (DOU) de 18 de abril de 2011; alterada pela Portaria n o 100/DPC, de 19 de maio de 2011, publicada no DOU de 20 de maio de 2011 (1 a Modificação); alterada pela Portaria n o 206/DPC, de 30 de setembro de 2011, publicada no DOU de 11 de

outubro de 2011 (2 a Modificação); alterada pela Portaria n o 95, de 23 de maio de 2012, publicada no DOU de 30 de maio de 2012 (3 a Modificação); alterada pela Portaria n o 202/DPC, de 5 de

outubro de 2012, publicada no DOU de 8 de outubro de 2012 (4 a

Portaria n o 27/DPC, de 20 de fevereiro de 2013, publicada no DOU de 27 de fevereiro de 2013 (5 a Modificação); alterada pela Portaria n o 328/DPC, de 11 de novembro de 2013, publicada no DOU de 13 de novembro de 2013 (6 a Modificação); Portaria n o 194/DPC, de 8 de agosto de 2014, publicada no DOU de 11 de agosto de 2014 (7 a Modificação) e Portaria n o 227/DPC, de 10 de setembro de 2014, publicada no DOU de 11 de setembro de 2014 (8 a Modificação), conforme abaixo especificado. Esta modificação é denominada 9 a Modificação.

Modificação); alterada pela

I -

No Capítulo 2 - “DOS PRÁTICOS”:

1.

Na Seção V - “DO AFASTAMENTO DO PRÁTICO E DO

PRATICANTE DE PRÁTICO”:

1.1

No item 0237 - DO PRATICANTE DE PRÁTICO:

1.1.1

Na alínea b:

1.1.1.1 Substituir o texto pelo seguinte:

“b) O afastamento temporário e a interrupção do Programa de Qualificação ocorre pelos seguintes motivos:

1) Perda temporária da capacidade psicofísica atestada por laudo exarado por Junta de Saúde da Marinha do Brasil, que indicará o(s) período(s) necessário(s) de afastamento do Praticante de Prático; 2) Imposição de medida administrativa de suspensão de certificado de habilitação de acordo com o art. 27 da Lei nº 9.537/97; e

3) Por decisão do Praticante de Prático em requerimento ao CP,

especificando a razão.

MARINHA DO BRASIL

(Continuação da Port n o 77/2015, da DPC

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

)

Esse afastamento será concedido na forma de um período único

igual ou inferior a 12 meses.

Nota: O afastamento do Praticante de Prático superior a sessenta

dias corridos obriga a uma reavaliação do seu treinamento, sendo elaborado um novo Programa de Qualificação pelo CP, auxiliado pela(s) Entidade(s) de Praticagem. Qualquer período de afastamento autorizado implicará na adoção das seguintes medidas pelo CP:

 

(a)

Alteração do prazo de conclusão do Programa de Qualificação;

e

 

(b)

Revalidação do Certificado de Habilitação de Praticante de

Prático.

 

A DPC deverá ser informada quanto a quaisquer solicitações

deferidas.”;

II -

Na Seção VI - “DA MANUTENÇÃO DA HABILITAÇÃO”:

1.

No item 0240 - AFASTAMENTO DO PRÁTICO PELO

DESCUMPRIMENTO DO PLANO DE MANUTENÇÃO DA HABILITAÇÃO:

1.1 Substituir o texto pelo seguinte:

“O Prático que deixar de cumprir o Plano de Manutenção da Habilitação, previsto no item 0238, será afastado temporariamente do Serviço de Praticagem pela CP com jurisdição sobre a ZP, enquadrando na subalínea 6), alínea b), do item 0236, com o Plano de Recuperação de Habilitação em anexo à Portaria de afastamento.; e

III -

No capítulo 4 - “ZONAS DE PRATICAGEM”

1. No item 0404 - “PRATICAGEM DE CARÁTER

FACULTATIVO”:

1.1 Na alínea c:

1.1.1 Na subalínea 5

1.1.1.1 Substituir o texto pelo seguinte:

“As empregadas em navegação de apoio marítimo, conforme definido no art. 3º Inciso I, alínea c) da RLESTA, com AB maior que 3000 e menor ou igual a 5000, desde que atendam aos requisitos listados no inciso 4) e que constem nominalmente em Portaria do Diretor de Portos e Costas, especificando o Porto ou terminal de uso privativo (TUP) válido para essa concessão.

Em complemento, deverão ser encaminhadas para análise da DPC as seguintes informações: curriculum vitae do(s) comandante(s) e características técnicas da embarcação previstas nas letras (b) e (c) da subalínea 4), da alínea c) deste item.”

Art. 2 o

Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

CLÁUDIO PORTUGAL DE VIVEIROS Vice-Almirante Diretor ONILTON MARINHO DA SILVA Primeiro-Tenente (AA) Encarregado da Secretaria e Comunicações

AUTENTICADO DIGITALMENTE

Distribuição:

Listas: 003, 0031, 0032, 5 e 80, DPC-0110, DPC-03, DPC-04, DPC-10, DPC-20, DPC-201, DPC-21, DPC-2101, DPC-2102, DPC-212, DPC-2123, DPC-21231, DPC-60 e Arquivo. Organizações Extra-Marinha: Centronave, Conapra, Petrobras, Syndarma e Transpetro.

- 2 -

63012.000721/2015-95