Você está na página 1de 120
Métodos e Técnicas de Pesquisa Luciana Peixoto Vianello
Métodos e Técnicas de Pesquisa Luciana Peixoto Vianello

Métodos e Técnicas de Pesquisa

Luciana Peixoto Vianello

Métodos e Técnicas de Pesquisa Luciana Peixoto Vianello
Métodos e Técnicas de Pesquisa Luciana Peixoto Vianello

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

MINICURRÍCULO DA PROFESSORA AUTORA
MINICURRÍCULO DA PROFESSORA AUTORA
MINICURRÍCULO DA PROFESSORA AUTORA
MINICURRÍCULO DA PROFESSORA AUTORA
MINICURRÍCULO DA PROFESSORA AUTORA
MINICURRÍCULO DA PROFESSORA AUTORA
MINICURRÍCULO DA PROFESSORA AUTORA

MINICURRÍCULO DA PROFESSORA AUTORA

MINICURRÍCULO DA PROFESSORA AUTORA

Luciana Peixoto Vianello

Fonoaudióloga formada pelo Centro Metodista Izabela Hendrix, especialista em voz (CEFAC), mestre em Saúde Pública (UFMG) e doutoranda pelo Programa de Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto pela Faculdade de Medicina da UFMG. Consultora em Comunicação Interpessoal, Linguagem e Expressividade, professora substituta no curso de fonoaudiologia da UFMG, docente da Faculdade Pitágoras, professora de pós-graduação das instituições de ensino UNIBAHIA, FONOHOSP, PUC Minas, Faculdade Pitágoras e Centro Universitário UNA e tutora do ensino a distância da pós-graduação do Centro Universitário UNA.

1
1

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

APRESENTAÇÃO
APRESENTAÇÃO
APRESENTAÇÃO
APRESENTAÇÃO
APRESENTAÇÃO
APRESENTAÇÃO
APRESENTAÇÃO

APRESENTAÇÃO

APRESENTAÇÃO

Caro(a) aluno(a),

A disciplina “Métodos e Técnicas de Pesquisa” foi desenvolvida para auxiliar e direcionar sua produção acadêmica e científica na pós-graduação lato sensu da UNA. Os estudos partem de

orientações que irão direcionar sua escrita científica em busca de um conhecimento teórico- prático estruturado e sistematizado. A disciplina proporciona a escolha de diferentes caminhos para responder a fenômenos corriqueiros da vida, afinal o trabalho de conclusão do curso (TCC) é mais do que um trabalho científico; seu processo auxilia na construção de um olhar crítico e no amadurecimento profissional frente a situações que não devem ser analisadas sob

a ótica do senso comum. O processo de investigação propriamente dito levará você a elucidar as problemáticas vivenciadas no contexto, estimulando o “espírito pesquisador” durante o desenvolvimento do seu plano de pesquisa, alicerçado por pilares metodológicos.

O objetivo desta disciplina é promover o conhecimento de técnicas e métodos de pesquisa para o desenvolvimento e a elaboração do trabalho de conclusão de curso. Diante disso, nossa ementa envolve a produção científica sob uma abordagem teórica e prática; a relação entre

metodologia científica e conhecimento científico; as etapas do trabalho científico – estrutura

e fases da produção científica –; a construção do raciocínio científico para preparação do

trabalho acadêmico; a utilização de técnicas e métodos de pesquisa; o desenvolvimento de texto científico, o direcionamento do TCC; o artigo científico (estrutura, formalização e

redação) e a construção da redação científica segundo normas da Associação Brasileira das Normas Técnicas (ABNT).

Seja bem-vindo(a)!

2
2

Artigo Científico: preparação e elaboração do TCC

Sumário
Sumário
Sumário
Sumário
Sumário
Sumário
Sumário
Sumário

Sumário

UNIDADE 1

5

Pensamento científico: ciência e conhecimento

5

Introdução ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 5

O conhecimento científico e seus pilares �������������������������������������������������������������������������������� 7

A ciência e o saber ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 9

Etapas de um trabalho científico �������������������������������������������������������������������������������������������� 11

Temáticas de investigação: como encontrar o tema do trabalho ������������������������������������������� 13

A importância da temática escolhida: construção da justificativa������������������������������������������� 16

Como escrever de modo científico����������������������������������������������������������������������������������������� 18 Revisão����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 19 Para saber mais ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 20 Referências����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 21

UNIDADE 2

22

Pesquisa científica: instrumento de respostas

22

Introdução ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 22

Identificação da problemática do estudo ������������������������������������������������������������������������������� 23 Como estruturar a pergunta científica? ���������������������������������������������������������������������������������� 24 Delimitação dos objetivos de um estudo científico:

a finalidade da pesquisa ��������������������������������������������������������������������������������������������������������� 28

Pesquisa científica: conceito, características e técnicas de pesquisa ������������������������������������ 30 Aplicação na prática ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 34 Revisão����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 35 Para saber mais ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 36 Referências����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 37

UNIDADE 3

38

Método científico: caminhos a percorrer

38

Introdução ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 38

Método científico: conceito, características e tipos ���������������������������������������������������������������� 39

A importância do método científico para a ciência ����������������������������������������������������������������� 44

Elementos para o delineamento da pesquisa: método estruturado

e sistematizado ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 46

Dicas e modelos��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 52 Aplicação na prática ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 57 Revisão����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 57 Para saber mais ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 58 Referências����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 60

3
3

Professora: Luciana Peixoto Vianello

UNIDADE 4

62

Projeto de pesquisa: noções preliminares e estrutura

62

Introdução ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 62 Projeto de Pesquisa: estrutura básica ������������������������������������������������������������������������������������ 63 Desenvolvimento do Plano de Pesquisa: a relação entre os itens propostos������������������������� 67 Dicas e modelos de projetos�������������������������������������������������������������������������������������������������� 72 Revisão����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 82 Para saber mais �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 84 Referências����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 85 Anexo ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 86

UNIDADE 5:

87

Artigo Científico: preparação e elaboração do TCC

87

Introdução ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 87 Artigo científico: conceito e elementos pré-textuais e textuais ����������������������������������������������� 88 Norma ABNT�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 96 Estrutura do artigo: como fazer seu TCC ����������������������������������������������������������������������������� 104 Dicas e modelos������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 112 Para saber mais ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 114 Revisão��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 115 Referências��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 116 Anexo ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 118

4
4

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

UNIDADE 1
UNIDADE 1
UNIDADE 1
UNIDADE 1
UNIDADE 1
UNIDADE 1
UNIDADE 1
UNIDADE 1

UNIDADE 1

Pensamento científico: ciência e conhecimento

Introdução

Pensamento científico: ciência e conhecimento Introdução Fonte: Gazeta do povo , em 30/4/2012. Nossa primeira

Fonte: Gazeta do povo, em 30/4/2012.

Nossa primeira unidade trata do conhecimento científico como um instrumento que nos ajuda a desvelar o mundo a nossa volta, para compreendê-lo e explicar os fenômenos que

nos cercam. Nosso saber e nossas atitudes são influenciados pelas inúmeras experiências

da ciência; lidamos diretamente com os resultados do vasto conhecimento que ela produz

incessantemente. Os questionamentos de ontem cederam lugar aos novos; os problemas que eram circunscritos a outras eras hoje seriam, talvez, inusitados. Podemos exemplificar com a temática da tecnologia voltada para computadores. Há sessenta e três anos, os computadores eram gigantescos e a população da época não tinha nenhum acesso a essa tecnologia. Hoje, temos um computador dentro dos nossos telefones celulares, o que nos permite alta eficiência nas atividades interativas e profissionais.

O progresso da nossa sociedade, o avanço tecnológico e digital, a comunicação

globalizada, todo esse contexto nos impulsiona a buscar cada vez mais o conhecimento.

5
5

UNIDADE 1: PENSAMENTO CIENTÍFICO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

A procura pelo saber se dirige à solução das questões mais imediatas que nos cercam em nosso presente e até mesmo a definições que favoreçam o futuro, com maior qualidade de vida e vantagens reais, dirigidas a um número cada vez maior de pessoas e suas relações.

Para fazer ciência, devemos reunir alguns atributos importantes: organização, procedimento sistematizado, percepção crítica, pensamento hipotético, capacidade de

análise, padronização e possibilidades de medir, avaliar e mensurar. Todos esses atributos

e procedimentos referem-se ao método científico. Mas, antes mesmo de pensarmos em

etapas ou em como proceder para alcançar objetivos, é necessário que você se inspire. Isso mesmo! Quem falou que ciência, metodologia, conhecimento baseia-se somente em técnicas e procedimentos? Veja a frase abaixo, de um dos maiores cientistas da humanidade: Albert Einstein.

Eu acredito na intuição e na inspiração. A imaginação é mais importante que o conhecimento. O conhecimento é limitado, enquanto a imaginação abraça o mundo inteiro, estimulando o progresso, dando a luz à evolução. Ela é, rigorosamente falando, um fator real na pesquisa científica (EINSTEIN, 2011)

Então, ao entrar por esse mundo instigante, você deve ouvir o próprio coração para encontrar uma temática que mereça fazer você se dedicar, debruçar-se mesmo, buscando soluções e, a partir daí, sim, investigar, ler muito, escrever e comunicar os achados, como fizeram os grandes Aristóteles, Platão, Newton e outros mais!

Nesta unidade, vamos buscar o conhecimento científico e seus pilares – a ciência em foco ontem, hoje e amanhã –, as etapas de um trabalho científico, os temas de investigação

– como encontrar o tema do trabalho, dicas e modelos e a importância da temática escolhida –, a construção da justificativa e como escrever de modo científico.

Nesta primeira etapa dos nossos estudos, os objetivos são estimular o pensamento e a

escrita científica, desenvolver a temática a ser investigada no plano de pesquisa e justificar

a temática com argumentos científicos.

6
6

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

O conhecimento científico e seus pilares

Se o que se pode ver, ouvir, pegar, medir, pesar. Do avião a jato ao jaboti, Desperta o que ainda não, não se pôde pensar. Do sono eterno ao eterno devir, Como a órbita da terra abraça o vácuo devagar. Para alcançar o que já estava aqui. Se a crença quer se materializar. Tanto quanto a experiência quer se abstrair. A ciência não avança, a ciência alcança, a ciência em si (ANTUNES; GIL, 1997)

O trecho da letra de Arnaldo Antunes e Gilberto Gil nos dá a inspiração de que precisamos

para abrir nosso capítulo sobre o conhecimento científico. A proposta aqui é explorar os conceitos relativos ao tema e motivá-lo(a) a compreender a ciência. Köche (2009) apresenta

o sentido desse conhecimento nos alertando que ele deve responder às necessidades

humanas, no sentido de o homem não apenas se posicionar como testemunha dos fatos, mas compreender as relações existentes na sociedade, que estão por detrás de objetos, fatos ou fenômenos.

Esse tipo de conhecimento, que é distinto do conhecimento do senso comum, deve ser buscado por alunos que desejam apreender informações técnico- científicas especializadas, a fim de transformar suas realidades profissionais e expandir as possibilidades do trabalho.

VOCÊ SABIA?
VOCÊ SABIA?

A formação acadêmica no nível da pós-graduação requer que o aluno não apenas investigue, estude e referencie conteúdos que sejam resultado do conhecimento científico nacional e internacional, mas também apresente um produto científico validado (TCC) no final da sua especialização.

Dessa forma, vale ressaltar que explicações sistemáticas que podem ser testadas, validadas

e reproduzidas são um dos alicerces do conhecimento sedimentado na ciência, e elas se

estabelecem como resultado da investigação científica. Por isso, o método está intimamente ligado à ciência.

7
7

UNIDADE 1: PENSAMENTO CIENTÍFICO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

UNIDADE 1: PENSAMENTO CIENTÍFICO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO Certamente não! Afinal, até na preparação de um bolo

Certamente não! Afinal, até na preparação de um bolo de chocolate por exemplo,

devemos identificar elementos, quantidades e a ordem dos ingredientes, pois ela altera

o resultado, não é mesmo? Assim, as características do conhecimento que buscamos

aqui, de modo muito semelhante ao que acontece no preparo de um bolo de chocolate,

é uma necessidade preliminar para nossa produção científica!

Para nos familiarizarmos com o tipo de conhecimento que buscamos, é válido

identificarmos as diferenças entre os principais campos de conhecimento existentes.

A tabela abaixo apresenta as características mais essenciais de cada um deles. Veja:

TABELA 1

Definição e características básicas de quatro tipos de conhecimento.

CONHECIMENTO

CARACTERÍSTICAS

 

Fundamenta-se na percepção de fatos/objetos/fenômenos, impregnada pelo próprio estado de ânimo e emoções.

POPULAR ou

É reflexivo, mas limitado à familiaridade com o objeto.

SENSO COMUM

É assistemático, pois não se baseia numa formulação geral que explique os fenômenos observados.

É verificável, pois é possível sua ocorrência no dia a dia.

Baseia-se em informações obtidas na convivência familiar e social.

É falível e inexato, pois se baseia no que se viu e ouviu sobre dado fato/objeto/fenômeno.

8
8

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

 

Fundamenta-se em hipóteses que não podem ser submetidas à observação.

FILOSÓFICO

Não é verificável, pois as hipóteses não podem ser nem confirmadas nem refutadas.

Baseia-se no uso da razão pura para questionar os problemas humanos e para discernir sobre certo e errado.

É

racional, já que os enunciados têm correlação lógica.

sistemático, pois hipóteses e enunciados representam uma realidade coerente.

É

 

infalível e exato, pois seus postulados e hipóteses não são submetidos a teste de observação ou experimentação.

É

 

Fundamenta-se em doutrinas que contêm pressupostos sagrados.

RELIGIOSO OU TEOLÓGICO

É inspiracional, pois as doutrinas são reveladas pela divindade.

Baseia-se em verdades que são infalíveis e indiscutíveis por revelarem o sobrenatural.

É infalível, pois adota pressupostos indiscutíveis e exatos.

sistemático, pois o conhecimento organizado do mundo é obra do criador divino.

É

 

Não é verificável, pois o que é revelado implica uma atitude de fé.

 

Fundamenta-se em fatos reais, e suas hipóteses e proposições têm

veracidade ou a falsidade conhecida por meio da experimentação e não da razão.

a

CIENTÍFICO

É

sistemático, pois o saber é ordenado logicamente, construindo

Baseia-se na ocorrência de fatos, que se manifestam de algum modo.

um sistema de ideias e teorias, e não conhecimentos desconexos.

É

verificável, pois as hipóteses são examinadas através da

 

observação e experimentação para serem comprovadas ou refutadas.

É

falível, pois o conhecimento não é definitivo, absoluto ou final.

aproximadamente exato, já que novas proposições podem reformular uma teoria já existente.

É

Fonte: Adaptado de MARCONI; LAKATOS, 2010.

A ciência e o saber

Queremos saber o que vão fazer com as novas invenções/ Queremos noticia mais séria

sobre a descoberta da antimatéria e suas implicações na emancipação do homem das

grandes populações/ homens pobres da cidades, das estepes dos sertões/ Queremos

saber quando vamos ter raio laser mais barato/ Queremos, de fato, um relato/ Retrato mais

sério do mistério da luz (GIL, 1998).

A poesia de Gilberto Gil nos presenteia e nos leva a refletir sobre a importância do saber

em nossos dias. Seu caráter prático e o anseio da sociedade por receber os benefícios dos

resultados científicos para mudar sua realidade e suas condições de vida. É válido pensarmos

que o saber, scire em latim, alimenta a busca da ciência.

9
9

UNIDADE 1: PENSAMENTO CIENTÍFICO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

Para tratarmos sobre o tema, nada mais útil que trazer definições de CIÊNCIA.

CONCEITO
CONCEITO

Para Ferrari (1974, apud MARCONI, LAKATOS, p. 62), ciência “é um conjunto de atitudes e atividades racionais, dirigidas ao sistemático conhecimento com objeto limitado, capaz de ser submetido à verificação”. Segundo Köche (2009), a ciência nada mais é que a possibilidade de encontrar respostas plausíveis, com confiabilidade, e que podem a qualquer momento passar por um processo de revisão critica, fundamentada e sistematizada.

Muitas são as influências intangíveis sobre a descoberta científica – curiosidade, intuição, criatividade. Grande parte delas desafia a análise racional do pesquisador (National Academy of Sciences, 1995). Outras tantas envolvem nosso senso ético e de responsabilidade com o que estamos dispostos a desenvolver. Bem, vamos ver no quadro abaixo mais algumas características essenciais da ciência, que também devem ser incorporadas pelos pesquisadores como ferramentas importantes durante seu trabalho:

Características elementares

 

Significado

Objetividade

Descrição da realidade investigada independentemente dos desejos do pesquisador, de forma clara e precisa.

 

A

razão é utilizada durante todo o processo de pesquisa, desde o desenho

Racionalidade

do estudo, a coleta dos dados, até sua análise.

Sistematicidade

As ideias devem ser construídas e organizadas racionalmente, pautadas na lógica, apresentando-se os conhecimentos de forma a serem absorvidos na sua totalidade.

 

O

conhecimento gerado deve ser analisado sob a possibilidade de ser ou não

Generalidade

aplicado a outros contextos, explicando fenômenos em diferentes situações.

Verificabilidade

Possibilidade de mensurar as informações resultantes da investigação, de modo a demonstrar a veracidade dos resultados.

Falibilidade

Todos os resultados científicos devem ser tratados como suscetíveis ao erro.

10
10

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

Para exemplificarmos tais características da ciência

PARA REFLEXÃO Você encontrou a cura de uma determinada doença. Mas, se você apenas apresentar
PARA REFLEXÃO
Você encontrou a cura de uma determinada doença. Mas,
se você apenas apresentar o resultado, não irá satisfazer os
critérios cientí cos de hoje. Você precisará informar os
elementos investigados, as escolhas que fez e os critérios
válidos desde o início até o m de seu experimento,
mostrando todo o processo, até chegar às suas conclusões.
Essas informações devem ser tão precisas que qualquer
outro pesquisador no mundo possa ser capaz de repetir o
experimento e encontrar o mesmo resultado.

Mas o que isso tem a ver com o nosso TCC?

Bem, nosso trabalho científico deve seguir o trilho da ciência, a fim de investigarmos um tema

importante no nosso meio profissional. A natureza da ciência no nosso trabalho deve ser

percebida sob duas dimensões:

relativa ao caráter compreensivo: contextualiza uma questão específica estudada em vasto conteúdo.no nosso trabalho deve ser percebida sob duas dimensões: operacional: refere-se a aspectos lógicos e técnicos

operacional: refere-se a aspectos lógicos e técnicos da investigação; envolve decisões muitas vezes complexas sobre como interpretar os dados, identificar problemas, prosseguir após a resolução deles e identificar quando finalizado o processo de investigação.uma questão específica estudada em vasto conteúdo. Para iniciarmos nossa trajetória rumo à ciência,

Para iniciarmos nossa trajetória rumo à ciência, precisamos desenvolver nosso plano de

pesquisa. Podemos pensar nele como um miniprojeto que será a estrutura de tudo que

iremos realizar. Mas precisamos dar um passo de cada vez, não é mesmo? Então, vamos à

próxima fase: conhecer as etapas de um trabalho científico.

Etapas de um trabalho científico

A partir de agora, vamos planejar nosso trabalho de modo a organizar as etapas e, assim,

evitar que surpresas indesejadas surjam no nosso caminho.

11
11

UNIDADE 1: PENSAMENTO CIENTÍFICO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

IMPORTANTE!
IMPORTANTE!

Em nosso planejamento, vivenciamos um processo de preparação que compreende as diretrizes de ação e produção e delineia todo o plano que executaremos, desde a organização até a sistematização do trabalho. Então, passaremos por três fases não isoladas, mas que se

ajustam em interseção. Conheça-as:

1 FASE DECISÓRIA – a que estamos vivenciando agora, na qual o tema e o
1 FASE DECISÓRIA – a que estamos vivenciando agora, na qual o
tema e o problema são definidos.
2 FASE CONSTRUTIVA – envolve a própria construção do nosso
plano de pesquisa, bem como sua execução.
3 FASE REDACIONAL – contempla a análise dos dados e tem por
finalidade organizar as ideias de modo sistematizado.
3 FASE REDACIONAL – contempla a análise dos dados e tem por finalidade organizar as ideias

As três fases do planejamento envolvem procedimentos reflexivos e críticos, a fim de responder

a questões ainda não solucionadas. No organograma a seguir, é possível visualizar as etapas

do trabalho científico, que resultará em um trabalho final, o artigo científico apresentado no

seu TCC. Veja:

Tema * Justificativa * Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos *
Tema * Justificativa * Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos *

Tema * Justificativa * Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos * Considerações finais

* Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos * Considerações finais
* Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos * Considerações finais
* Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos * Considerações finais
* Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos * Considerações finais
* Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos * Considerações finais
* Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos * Considerações finais
* Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos * Considerações finais
* Problema * Hipótese Objetivos * Referencial teórico Procedimentos metodológicos * Considerações finais
12
12

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

ATENÇÃO! Em nossa disciplina, somente parte desse organograma será desenvolvido – itens marcados por (*)
ATENÇÃO!
Em nossa disciplina, somente parte desse organograma
será desenvolvido – itens marcados por (*) – e constituirá
nosso plano de pesquisa. O desenvolvimento de todo
esse trabalho será acompanhado por um orientador.

Vamos iniciar o plano de pesquisa indo ao topo do triângulo?

Temáticas de investigação: como encontrar o tema do trabalho

Encontrar um bom campo de estudo que mereça ser explorado e investigado é um dos elementos mais importantes do nosso estudo. Muitos alunos, quando iniciam o plano de pesquisa, se sentem inseguros por considerar que não estão totalmente aptos para o desenvolvimento de um passo tão importante. Mas, antes mesmo da escolha do tema do TCC, vamos encarar essa fase como um exercício.

Se, durante o desenvolvimento do seu plano, ou mesmo no final da disciplina, você decidir mudar a temática, isso não será problema! O objetivo aqui é você vivenciar e conhecer todas as etapas. Contudo, sua dedicação resultará em alta produtividade, pois grande parte do trabalho científico estará estruturada para que você o apresente ao seu orientador.

Mas a que o tema se refere? 13
Mas a que o tema
se refere?
13

UNIDADE 1: PENSAMENTO CIENTÍFICO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

! A um determinado aspecto ou área específica de um campo do conhecimento. Seu tema
!
A um determinado aspecto ou área específica de um campo do
conhecimento. Seu tema poderá ou não ser o título do seu
trabalho. Depende quanto o assunto investigado é definido.
Ao especificar o tema, você delimita o assunto que irá
pesquisar. Assim, para escolhê-lo, leve em consideração um
assunto de seu interesse, que seja motivante e que ofereça
boas fontes de referência. Lembre-se de que você conseguirá
ser mais fluente nos assuntos que gosta!
e que ofereça boas fontes de referência. Lembre-se de que você conseguirá ser mais fluente nos

Você também poderá encontrar inspiração nas questões profissionais que vivencia no dia a dia. Atrelar sua temática a um problema profissional que precisa de respostas também é uma boa opção. Aliás, uma pergunta dirigida a uma problemática específica é um bom caminho para encontrar o tema, já que uma investigação nada mais é que a busca por respostas.

Além disso, é prudente verificar as publicações que investigam uma determinada linha de pesquisa, pois indicam esforços da ciência para esclarecer um fenômeno alvo em nossa sociedade. Para ajudá-lo(a) um pouco mais, seguem mais dicas e modelos de redação do tema de pesquisa. Boa sorte!

Dicas e modelos

Na apresentação do seu tema, você deverá expor os elementos que deseja investigar,

suas características, bem como sua localização no tempo e no espaço. Como boa dica,

segue o exemplo de um aluno de Administração, que desenhou um organograma para

delimitar sua temática.

14
14

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

A rotatividades dos operadores de Telemarketing de uma rede de Teleoperações Tema, escrito de forma
A rotatividades
dos operadores de
Telemarketing de uma
rede de Teleoperações
Tema, escrito de
forma a caracterizar
o objeto de
investigação
Telemarketing
Subáreas
Gestão de Pessoas
Qual é a área de
interesse?
Envolve o campo
geral do
conhecimento
ADMINISTRAÇÃO

Abaixo, outros exemplos que podem ajudá-lo(a) a delimitar melhor o tema. Na primeira coluna,

temas redigidos de forma adequada e, na segunda, redigidos de maneira inconsistente

quanto à delimitação:

BOA DELIMITAÇÃO

DELIMITAÇÃO FRACA

1. “O prognóstico de pacientes dialíticos, portadores de hepatite C no hospital da Baleia.”

4. A dengue é uma doença infecciosa por um arbovírus (existem quatro tipos diferentes de vírus da dengue, DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4).”

5. “Empreendedorismo”

2. ”A performance de idosos brasileiros com baixa escolaridade no teste de compreensão oral de Boston.”

3. “O impacto da baixa participação dos associados nas cooperativas de crédito de Luz-MG.”

6. “Endomarketing e suas aplicações”

Observe, no exemplo 4, que o aluno tenta explicar o tema, mas de forma vaga.

É possível aferir que a pesquisa é sobre a dengue, mas não é possível identificar

onde, quando ou em qual contexto. Há grande diferença entre estudar os métodos

de prevenção da epidemia da dengue no Rio de Janeiro e o combate biológico da

dengue no município de Ribeirão das Neves – MG. Os exemplos 5 e 6 também são

inespecíficos e precisam ser melhorados.

15
15

UNIDADE 1: PENSAMENTO CIENTÍFICO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

A importância da temática escolhida: construção da justificativa

O que é a justificativa?

A justificativa é um texto explicativo que reflete o porquê da sua pesquisa. Nesse momento,

identificam-se as razões que o(a) levaram ao tema, discute-se a importância dele, a fim de

convencer os leitores da relevância da sua proposta.

Em seu texto, devem estar claros alguns elementos: o contexto em que seu tema está inserido, sua relevância, as contribuições de ordem prática, oportunidades e prováveis vantagens e benefícios da sua investigação. Os argumentos devem ser produzidos em aproximadamente dois a três parágrafos, apresentando-se os

motivos pessoais, profissionais, científicos, sociais e/ou acadêmicos que o levaram

à escolha do tema.

Ressalta-se, ainda, que o texto deve ser redigido em terceira pessoa e devem ser apresentadas algumas citações diretas ou indiretas dos principais autores da área pesquisada, o que fortalece sua produção, demonstrando que você conhece as referências sobre o assunto. A seguir, algumas dicas e modelos sobre a justificativa.

Dicas e modelos

Foram selecionados exemplos de justificativa em alguns projetos produzidos por alunos, que podem inspirar sua redação. Veja:

“Como as leishmanioses são consideradas um problema de saúde pública no Brasil pela Organização Mundial da Saúde e são umas das principais zoonoses mundiais, com ocorrência de casos em 88 países de quatro continentes (WHO, 2012), faz-se necessário novos estudos de medidas de controle que diminuam os riscos de contrair a doença e sua disseminação na população.

16
16

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

EXEMPLO
EXEMPLO
Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa EXEMPLO “Como as leishmanioses são consideradas um problema de saúde

“Como as leishmanioses são consideradas um problema de saúde pública no Brasil

pela Organização Mundial da Saúde e são umas das principais zoonoses mundiais,

com ocorrência de casos em 88 países de quatro continentes (WHO, 2012), faz-se

necessário novos estudos de medidas de controle que diminuam os riscos de contrair

a doença e sua disseminação na população.

(…) Esta técnica de inseto estéril mostrou resultados positivos com a eliminação

da mosca varejeira Cochiomya hominivorax no sul dos EUA, México e América

Central (Wyss, 2000). Diante disto, esta nova proposta de controle da doença se

concentra na eliminação da principal espécie vetora de leishmaniose, Lutzomyia

longipalpis. A técnica se baseia na produção de machos estéreis pela irradiação

por raios-X e liberação destes insetos em campo para competirem com machos

selvagens e, quando os mosquitos irradiados copularem com as fêmeas, não

gerarão descendentes (PARANHOS, et al., 2008).” EXEMPLO
gerarão descendentes (PARANHOS, et al., 2008).”
EXEMPLO

“O estado nutricional do paciente atendido na terapia intensiva interfere na evolução clínica do paciente. (CASTRAO, FREITAS e ZABAN, 2009). Leite, Carvalho e Santana e Meneses evolução clínica do paciente. (CASTRAO, FREITAS e ZABAN, 2009). Leite, Carvalho e Santana e Meneses (2005), afirmam que durante a graduação a informação sobre nutrição é insuficiente trazendo desinteresse o que aumenta a chance de uma terapia nutricional inadequada.

Teixeira, Caruso e Soriano (2006), acrescentam que apesar da importância da ingesta calórica adequada, os pacientes da terapia intensiva geralmente recebem um valor energético inferior as suas necessidades por vários fatores, dentre eles são citados vômitos, diarreia, resíduo gástrico, distensão abdominal, manipulação do paciente e administração de medicamentos.

Um estudo voltado para o papel do enfermeiro na terapia nutricional contribuirá para sanar as deficiências de informação advindas da graduação e fornecerá ao profissional um novo olhar frente aos fatores que interferem no fornecimento adequado de nutrientes e energia para o paciente crítico otimizando a tomada de decisões.

17
17

UNIDADE 1: PENSAMENTO CIENTÍFICO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

Atualmente, os veículos de comunicação têm divulgado vários erros fatais em relação a terapia nutricional. Este fato reforça a necessidade de novos estudos que delimite o papel do profissional enfermeiro e aponte onde começa e termina sua

responsabilidade.”

Agora, alguns equívocos que devem ser evitados: EXEMPLO
Agora, alguns equívocos que devem ser evitados:
EXEMPLO

Emprego da primeira pessoa do plural:

ser evitados: EXEMPLO Emprego da primeira pessoa do plural: “A partir dos conhecimentos adquiridos através das

“A partir dos conhecimentos adquiridos através das disciplinas já estudadas e

também do estudo do Guia PMBOK – 4ª edição, vemos que, para que um projeto possa ter sucesso, ele terá que seguir alguns procedimentos que farão com que

esse projeto seja entregue dentro do escopo, tempo e custo delimitados.”

EXEMPLO
EXEMPLO

Falta de argumentos que justifiquem a relevância do tema e falta de referenciais teóricos:

a relevância do tema e falta de referenciais teóricos: “O manejo da dor neonatal tem se

“O manejo da dor neonatal tem se constituído em um grande desafio para o

cuidado ao recém-nascimento de risco devido maior exposição a esse estímulo

durante sua internação em uma unidade de terapia intensiva.”

Como escrever de modo científico

Nesta última seção da unidade 1, é válido apontar o que é necessário no texto cientifico.

Marconi e Lakatos (2010) revelam a importância de se utilizar linguagem adequada. Um dos

principais aspectos do texto é ser claro, a fim de evitar equívocos de interpretação. Assim,

devemos seguir algumas normas básicas de conduta da redação:

» ser exato;

» ter clareza e objetividade;

» escrever com simplicidade;

18
18

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

» aplicar as regras gramaticais.

» apresentar linguagem objetiva e com estilo direto;

» articular bem os parágrafos e as partes do texto;

» evitar o “copiar e colar”.

» escrever de forma impessoal, evitando verbos na primeira pessoa do singular ou do plural.

» apresentar as ideias de forma lógica, de maneira que elas progridam coerentemente;

» evitar termos pouco científicos ou utilização de expressões que reflitam o senso comum. Cuidado com o “nunca” ou “sempre”! Eles são equívocos comuns nos trabalhos acadêmicos.

Revisão

O conhecimento científico deve responder às necessidades humanas, no sentido de o homem não apenas se posicionar como testemunha dos fatos, mas compreender as relações existentes na sociedade que estão por detrás de objetos, fatos ou fenômenos.

São características da ciência: objetividade, racionalidade, sistematicidade, generalidade, verificabilidade e falibilidade.

As etapas para a elaboração do seu plano de pesquisa são: a escolha do tema, desenvolvimento da justificativa, elaboração da problemática, definição dos objetivos (geral e específico) e delineamento da metodologia.

O tema se refere a um determinado aspecto ou área específica de um campo do conhecimento. Para escolhê-lo, leve em consideração:

um assunto de seu interesse;

extensa fonte de referência;

inspiração em questões profissionais;

questões que precisam de respostas.

A justificativa responde ao porquê da sua pesquisa; nela apresentam-se os motivos que o(a) levaram ao tema, sua importância, a fim de convencer os leitores da relevância da sua proposta.

A redação científica requer alguns cuidados. Ela deve

ser exata, clara, simples e objetiva;

respeitar as regras gramaticais;

evitar o “copiar e colar”;

ser impessoal.

19
19

UNIDADE 1: PENSAMENTO CIENTÍFICO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

Para saber mais

Aqui está a sugestão de um vídeo interessante. Vale a pena conferi-lo!

Gênios da ciência. Einstein E=mc2. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=eZMUm53d6LY>. Acesso em: 06 jan. 2013.

Alguns sites:

Academia Brasileira de Ciências

The National Academies Press

Referências

ANTUNES, A.; GIL, G. A ciência em si. In: GIL, G. (Interp.). Quanta. [S.l.]: Warner Music, 1997. 2 CDs. faixa 14.

EINSTEIN, Albert. In: VINHAS, Tânia. Frase da semana. Superinteressante, 3 out. 2011. Disponível em: <http://super.abril.com.br/blogs/superblog/frase-da-semana-a-imaginacao- e-mais-importante-que-o-conhecimento-einstein/>. Acesso em: 06 jan. 2013.

FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONCELLOS, Ana Cristina. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 8. ed. rev. e ampl. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

GIL, G. Queremos saber. In: GIL, G. (Intérp.). O viramundo – ao vivo. [S.l.]: Universal, 1976. 2 CDs. faixa 7.

KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de Metodologia Científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica.

20
20

7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnica de pesquisa. 7. ed. São Paulo:

Atlas, 2008.

NATIONAL ACADEMY OF SCIENCES. National Academy of Engineering, Institute of Medicine. On Being a Scientist: responsible conduct in research. 2. ed., 1995, 40 p. Disponível em:

<http://www.nap.edu/catalog/4917.html>. Acesso em: 06 jan. 2013.

21
21

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

UNIDADE 2
UNIDADE 2
UNIDADE 2
UNIDADE 2
UNIDADE 2
UNIDADE 2
UNIDADE 2
UNIDADE 2

UNIDADE 2

Pesquisa científica: instrumento de respostas

Introdução

Pesquisa científica: instrumento de respostas Introdução A Unidade 2 vem tratar de conceitos e características da

A Unidade 2 vem tratar de conceitos e características da pesquisa científica, bem como apresentar as principais técnicas, com a finalidade de ampará-lo(a) em suas escolhas para a construção de seu plano de pesquisa e, posteriormente, para o desenvolvimento do artigo científico.

Vamos dar passos importantes em direção à construção do plano de pesquisa. Definir

o problema-alvo, centro de uma investigação, é o principal passo para encontrar resultados

satisfatórios no final de seu estudo. Busque a análise e o raciocínio crítico para determinar a problemática de sua investigação ou sua pergunta científica. Uma boa pergunta pode ser um bom ponto de partida para levá-lo(a) a respostas coerentes!

Buscamos aqui também auxiliá-lo(a) na definição dos objetivos da pesquisa e da melhor forma de apresentá-los em um estilo de redação clara e coerente com a problemática do estudo.

Os subtemas desenvolvidos nesta unidade são a pesquisa científica – conceito, características

e técnicas de pesquisa –; a identificação da problemática do estudo; como estruturar

a pergunta científica (com dicas e modelos); a delimitação dos objetivos de um estudo

científico – a finalidade da pesquisa; como definir objetivo geral e específico (também com dicas e modelos). Enfim, nesta unidade você poderá identificar as características da pesquisa

científica, para delimitar a problemática a ser investigada e apresentar seus objetivos. Mãos

à obra e bons estudos!

22
22

UNIDADE 2: PESQUISA CIENTÍFICA: INSTRUMENTOS DE RESPOSTAS

Identificação da problemática do estudo

A partir de agora, passaremos por uma fase muito importante, que é a definição e a delimitação do problema do estudo. Toda pesquisa inicia-se pela formulação de um problema e desenvolve-se por meio da busca de solução para esse problema. A questão levantada deverá ser respondida por meio de uma hipótese que será confirmada ou negada através do trabalho de pesquisa.

“O problema é uma dificuldade, teórica ou prática, no conhecimento de alguma coisa de real

“O problema é uma dificuldade, teórica ou prática, no conhecimento de alguma coisa de real importância, para a qual se deve encontrar uma solução” (MARCONI, LAKATOS, 2010, p. 143).

O problema deve ser especificado com clareza, concisão e objetividade. Outras

características importantes devem ser consideradas no momento da sua formulação. O problema deve ser:

» compreensível;

» individualizado;

» específico;

» inconfundível;

» ter íntima relação com o tema, pois sua caracterização deve identificar o assunto do estudo.

Por isso, precisamos nos esforçar para delimitar o problema de modo que ele não seja abrangente demais, caso contrário teremos dificuldade em conduzir as investigações e

não conseguiremos chegar aos resultados desejados. Por falta de restrição do objeto de estudo, as buscas se voltarão a um campo do conhecimento muito vasto, dificultando que

os objetivos sejam claramente traçados.

23
23
Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa DICAS Despenda energia para a construção do problema de
Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa
DICAS
Despenda energia para a construção do problema de sua
pesquisa! Seu investimento nessa etapa lhe garantirá que
as outras sejam mais facilmente executadas!

A forma interrogativa é a mais indicada para a apresentação da problemática da pesquisa. Assim, ela deve ser escrita em forma de pergunta, por meio de pronomes interrogativos.

em forma de pergunta, por meio de pronomes interrogativos. Köche (2009, p. 108) diz que “o

Köche (2009, p. 108) diz que “o problema é um enunciado interrogativo que questiona sobre a possível relação que possa haver entre no mínimo 2 variáveis, pertinentes ao objeto do estudo investigado e passível de testagem ou observação empírica.”

Resumindo, o problema é um dos aspectos mais importantes do seu estudo. Ele é, sim, o

conhecimento que você deve buscar! É um questionamento sobre a realidade. Não deve ser

uma questão de valor, e sim delimitado a uma dimensão viável!

Como estruturar a pergunta científica?

É muito importante que seu tema já tenha sido produzido, pois será a partir dele que você

construirá sua pergunta científica. Tente transformar seu tema em uma pergunta

Você reconhece que essa questão é a que de fato você quer responder em seu estudo?

24
24

UNIDADE 2: PESQUISA CIENTÍFICA: INSTRUMENTOS DE RESPOSTAS

Vejamos, então EXEMPLO
Vejamos, então
EXEMPLO

Tema: “Estratégias comunicativas entre docentes da Rede Municipal de Ensino de BH”.

Como você transformaria esse tema em pergunta?

de BH”. Como você transformaria esse tema em pergunta? Talvez “Quais as estratégias comunicativas utilizadas em

Talvez

“Quais as estratégias comunicativas utilizadas em sala de aula por professores do ensino fundamental da Rede Municipal de Ensino de BH?”

Veja que, ao transformar o tema em pergunta, as variáveis e o objeto de estudo

Veja que, ao transformar o tema em pergunta, as variáveis e o objeto de estudo são caracterizados com mais precisão!

25
25

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

Rudio (2007) apresenta algumas questões que poderão ajudá-lo(a) a se certificar de que seu problema de pesquisa é válido:

PARA REFLEXÃO
PARA REFLEXÃO

» Sua questão pode ser respondida por meio de uma pesquisa científica?

» O problema de fato é pertinente para justificar que a pesquisa seja realizada?

» Sua pergunta está compreensível, clara?

» A pesquisa é factível?

» Pode-se encontrar uma conclusão valiosa?

» Seu tempo disponível para a investigação é suficiente?

Vamos dar ênfase a três delas:

Sua pergunta é clara?

A clareza aqui se refere ao modo como sua pergunta foi formulada. Para saber sobre isso, apresente a pergunta para outras pessoas e solicite que expliquem o que se deseja investigar. Se essas pessoas necessitarem de outras informações, é porque o problema não está preciso ou conciso o suficiente.

Sua pergunta é factível? Exequível?

Tenha em mente a necessidade de haver tempo disponível para a investigação; verifique quanto será necessário em termos de investimento financeiro e até se os sujeitos/instituições que serão investigados concordarão e contribuirão com o estudo.

Sua pergunta é pertinente?

Vale ressaltar que a pergunta deve se relacionar com o grau de profundidade que se espera alcançar. A pergunta deve refletir sua intenção em compreender os fenômenos que pretende explicar.

26
26

UNIDADE 2: PESQUISA CIENTÍFICA: INSTRUMENTOS DE RESPOSTAS

DICAS E MODELOS
DICAS E MODELOS

Primeira dica para o desenvolvimento da sua pergunta: ela deve se iniciar com

» “Como

?”

» “Qual

?”

» “Quais

?”

» “Por que

?”

» “Onde

?”

» “Quando

?”

O quadro abaixo contém exemplos de perguntas formuladas de maneira equivocada durante o processo de construção do plano de pesquisa. Podemos aprender muito com essa lista!

 

PERGUNTA

ANÁLISE

“Qual o impacto das mudanças na organização do espaço urbano sobre a vida dos habitantes?”

A pergunta não está clara. Precisamos saber a quais mudanças ela se refere e a qual espaço urbano (rua da Bahia? Contagem?). Não há clareza também quanto aos habitantes. Enfim, a pergunta científica é insuficiente para conhecermos de fato o campo da investigação

“Em que medida o aumento das perdas de empregos no setor de construção explica a manutenção de grandes projetos de trabalhos públicos, destinados não só a manter este setor, mas também a diminuir os riscos de conflitos sociais inerentes a essa situação?”

Outra pergunta sem clareza! Na metade do texto não sabemos mais o que o aluno quer investigar! O texto deve ser compreendido já na primeira leitura.

“Os dirigentes empresariais dos diferentes países da Comunidade Europeia têm uma percepção idêntica

Será que essa pergunta é factível e pertinente?

à

da concorrência econômica dos Estados Unidos

e

do Japão?”

 

“A forma como o fisco está organizado no nosso país é socialmente justa?”

As duas perguntas são inespecíficas e construídas sob um juízo de valor. Cuidado, pois a resposta a essa pergunta pode variar

“Será que os patrões exploram os empregados?”

“Quais mudanças afetarão a organização do ensino nos próximos vinte anos?”

Aqui a dimensão do tempo não foi levada em consideração. Para responder a essa pergunta, o pesquisador deverá desenvolver o estudo por no mínimo 20 anos!

27
27

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

Delimitação dos objetivos de um estudo científico:

a finalidade da pesquisa

Os objetivos devem demonstrar de forma clara as intenções da pesquisa. O objetivo geral

está ligado ao tema de forma global e abrangente.

Conforme Marconi e Lakatos (2010, p. 202), o objetivo “relaciona-se com o conteúdo intrínseco, quer

Conforme Marconi e Lakatos (2010, p. 202), o objetivo “relaciona-se com o conteúdo intrínseco, quer dos fenômenos e eventos, quer das ideias estudadas.

Está ligado ao próprio significado da proposta da pesquisa.

OBJETIVO GERAL
OBJETIVO GERAL

» Vem responder à pergunta “Para quê?”, “Para quem?”, “Quais metas pretendo atingir com a pesquisa?”.

» Deve estar em concordância com o problema e a justificativa do trabalho.

» Deve estar alinhado com a pesquisa científica, pois ambos se referem aos resultados que se deseja encontrar.

Todo cuidado deve ser tomado para tornar específico o que se deseja demonstrar!

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
OBJETIVOS ESPECÍFICOS

» Apresentam caráter mais concreto que o objetivo geral.

» Têm uma função instrumental e intermediária na busca do objetivo geral.

» Devem apresentar verbos que exprimem ação, no infinitivo, no início da frase.

28
28

UNIDADE 2: PESQUISA CIENTÍFICA: INSTRUMENTOS DE RESPOSTAS

EXEMPLO
EXEMPLO

Podemos assumir a pergunta científica, apresentada no item anterior, para pensarmos sobre os objetivos a serem formulados. Assim, para a pergunta “Quais as estratégias comunicativas utilizadas em sala de aula, por professores do ensino fundamental da Rede Municipal de Ensino de BH?”, poderíamos apresentar o seguinte objetivo geral: Identificar as estratégias comunicativas utilizadas em sala de aula por professores do ensino fundamental da Rede Municipal de Ensino de BH.

Perceba que a estrutura da frase não se modifica muito, afinal pergunta e objetivo devem

Perceba que a estrutura da frase não se modifica muito, afinal pergunta e objetivo devem estar bem alinhados!

DICAS
DICAS

Observe a lista de verbos que podem ser utilizados para a construção dos objetivos do seu estudo, segundo diferentes níveis de análises metodológicas, que serão detalhadas adiante.

ESTUDOS

VERBOS

Exploratórios

conhecer, descobrir, identificar, levantar

Descritivos

caracterizar, descrever, traçar, relacionar, verificar

Explicativos

analisar, avaliar, explicar

Outros

estudar, diagnosticar, observar

Como os objetivos específicos operacionalizam o modo de atingir o objetivo geral, podemos desenvolver alguns deles para o exemplo que já estamos utilizando nesta unidade:

» Descrever o perfil dos professores do ensino fundamental Rede Municipal de Ensino de BH.

» Analisar o contexto de sala de aula.

» Relacionar a conduta dos professores com o objetivo docente.

29
29

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

Se necessário, volte ao exemplo citado para compreender melhor a definição desses objetivos!

IMPORTANTE Durante o desenvolvimento do estudo, você deve buscar respostas para atingir os objetivos específicos
IMPORTANTE
Durante o desenvolvimento do estudo, você deve
buscar respostas para atingir os objetivos específicos
e apresentá-las como resultado da pesquisa.

Pesquisa científica: conceito, características e técnicas de pesquisa

Aqui serão apresentados vários conceitos que iremos desenvolver com mais profundidade na nossa próxima unidade.

Bom, já sinalizamos o campo da pesquisa científica bem como suas técnicas. A partir da fase em que estabelecemos os objetivos, precisamos definir as estratégias de investigação.

Mas vamos, inicialmente, conhecer as características da pesquisa científica.

CONCEITO A pesquisa pode ser definida como um conjunto de atividades orientadas a fim de
CONCEITO
A pesquisa pode ser
definida como um conjunto
de atividades orientadas a
fim de se encontrar um
conhecimento específico.
A pesquisa científica deve
ser realizada de modo
sistemático, com método e
técnicas dirigidas a
encontrar um
conhecimento
Segundo Ander-Egg (1978)
apud Marconi e Lakatos
(2010, p. 139), a pesquisa
científica é um
“procedimento reflexivo
sistematizado, controlado
e crítico, que permite
descobrir novos fatos ou
dados, relações ou leis, em
qualquer campo do
conhecimento.”
determinado, e que seja
conectado a uma realidade
empírica (RUDIO, 2007).
30
30

UNIDADE 2: PESQUISA CIENTÍFICA: INSTRUMENTOS DE RESPOSTAS

A humanidade tem utilizado a pesquisa para compreender fatos/fenômenos que nos

cercam, em diversos campos do conhecimento. Para se desdobrar em tantas direções, a

pesquisa científica não poderia se resumir a uma mera atividade realizada ao acaso.

Todo o trabalho imaginativo e criativo de um pesquisador implica a utilização de determinados procedimentos
Todo o trabalho imaginativo e
criativo de um pesquisador
implica a utilização de
determinados procedimentos e
técnicas voltados a disciplinas
específicas.

O campo da pesquisa científica abarca uma série de valores, os quais você também deve

considerar como elementos importantes para o seu TCC. A pesquisa científica apresenta características claras no sentido de diferenciar:

trabalho de investigação comum trabalho realizado por um pesquisador
trabalho de investigação comum
trabalho realizado por um pesquisador

Nesse sentido, quase sempre a pesquisa científica tem como características:

» um roteiro minucioso e detalhado a ser seguido;

» a utilização de recursos, técnicas e procedimentos;

» fases que devem ser respeitadas;

» o delineamento de um método que deve ser seguido com rigor, o método científico.

31
31

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

Método científico é “o caminho a ser percorrido, demarcado, do começo ao fim, por fases
Método científico é “o caminho a ser percorrido, demarcado, do
começo ao fim, por fases e etapas.”
(RUDIO, 2007, p. 17).
científico é “o caminho a ser percorrido, demarcado, do começo ao fim, por fases e etapas.”

Em seu trabalho, você precisa definir as técnicas de pesquisa que pode utilizar, como e quando vai realizá-las, afinal, toda pesquisa científica utiliza diferentes tipos de técnicas para obter os propósitos desejados. Cabe ressaltar que qualquer pesquisa realiza algum tipo de levantamento de dados.

Mas o que de fato é “técnica”?

CONCEITO Para Marconi e Lakatos (2010, p. 157), “é um conjunto de preceitos ou processos
CONCEITO
Para Marconi e Lakatos (2010, p. 157), “é um conjunto de
preceitos ou processos de que se serve uma ciência ou
arte; é uma habilidade para usar esses preceitos ou
normas, a parte prática”.
de que se serve uma ciência ou arte; é uma habilidade para usar esses preceitos ou

A escolha das técnicas também é um dos elementos que deve estar bem explícito no método científico. Agora, vamos reunir informações para caracterizar e diferenciar cada uma das técnicas. Há quatro abordagens, que separam as técnicas em quatro grupos (MARCONI, LAKATOS, 2010). O quadro abaixo esclarece cada um deles.

32
32

UNIDADE 2: PESQUISA CIENTÍFICA: INSTRUMENTOS DE RESPOSTAS

TÉCNICA EMPREGADA

CARACTERÍSTICAS E CONCEITOS

I – DOCUMENTAÇÃO INDIRETA

 

Coleta de documentos escritos ou não.

Suas fontes de documentos são:

arquivos públicos (documentos oficiais, jurídicos e outros);

Pesquisa documental

arquivos particulares (autobiografias, correspondências, ofícios, atas e outros);

fontes estatísticas (IBGE, IBOPE, departamentos e institutos de estatísticas).

 

Abrange todas as fontes bibliográficas sobre a temática estudada (jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses etc.).

Pesquisa bibliográfica

Tem o objetivo de propiciar a avaliação de um tema sob um novo enfoque, levando a conclusões inovadoras.

II – DOCUMENTAÇÃO DIRETA

 

Consiste na observação de fatos e fenômenos tal como ocorrem. As pesquisas de campo subdividem-se em:

quantitativo-descritivas:

usam artifícios quantitativos para coleta sistemática de dados sobre populações, programas ou amostras;

podem usar entrevistas, questionários, formulários e outros.

exploratórias:

Pesquisa de campo

sua finalidade é desenvolver hipóteses, aumentar a familiaridade do pesquisador com o ambiente/fato ou fenômeno para realizar pesquisa futura, clarear ou modificar conceitos.

podem ser realizadas descrições quantitativas ou qualitativas.

experimentais:

o objetivo é testar hipóteses que dizem respeito a uma relação de causa-efeito.

estão incluídos aqui: grupo-controle, amostra probabilística e definição de variáveis independentes.

Pesquisa de laboratório

Descreve e analisa situações controladas, com instrumental específico e preciso em ambientes adequados.

III. OBSERVAÇÃO DIRETA INTENSIVA

 

Utiliza os sentidos para obter aspectos da realidade; examina fatos e fenômenos que se deseja estudar.

Coloca o pesquisador em contato direto com a realidade, diante de comportamentos não percebidos pelos sujeitos.

Pode ser variável

segundo os meios utilizados:

observação não estruturada (assistemática);

estruturada (sistemática);

Observação

segundo a participação do observador:

observação não participante;

 

participante;

segundo o número de observações:

observação individual;

em equipe;

e segundo o lugar onde se realiza:

na vida real;

em laboratório.

33
33

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

IV. OBSERVAÇÃO DIRETA EXTENSIVA

 

Série ordenada de perguntas, respondidas por escrito, sem a presença do pesquisador.

Pode ser constituído segundo a forma:

perguntas abertas;

perguntas fechadas;

Questionário

perguntas de múltipla escolha; segundo o objetivo:

perguntas de fato;

perguntas de ação;

perguntas de intenção,

perguntas de opinião;

perguntas-teste.

Formulário

Obtém informação direta do entrevistado, em um contato face a face, por um roteiro de perguntas a ser preenchido pelo entrevistador no momento da entrevista.

Aplicação na prática

Temos discutido o quanto a imaginação e a criatividade do pesquisador são importantes para o desenvolvimento de boas pesquisas, não é verdade? Mas somente isso não garante

o desenvolvimento de um bom estudo! Como você aprendeu nesta unidade, precisamos de

boas perguntas, objetivos afinados com elas e, principalmente, um conjunto de procedimentos

e técnicas que nos permita caminhar na investigação e encontrar as respostas desejadas.

No final do ano passado, foi notícia na revista Época uma pesquisa divulgada por uma conceituada revista internacional, a Plos One!. Uma das perguntas que estimulou os pesquisadores brasileiros e americanos foi: “A ciência pode desvendar a natureza da alma?”. Os cientistas estudaram o cérebro de médiuns em transe e o resultado foi surpreendente!

Leia a reportagem da revista Época que conta um pouco dessa pesquisa e veja como foi interessante todo o procedimento (disponível em: <http://revistaepoca.globo.com/vida/

Achou interessante? Agora acesse o link abaixo para ler na íntegra o artigo sobre essa pesquisa! É possível traduzi-lo para o Português!

34
34

UNIDADE 2: PESQUISA CIENTÍFICA: INSTRUMENTOS DE RESPOSTAS

» Aproveite as dicas de leitura para pensar e até mesmo escrever cada um destes cinco itens do seu plano de pesquisa!

1. Tema

2. Justificativa

3. Pergunta

4. Objetivo geral

5. Objetivos específicos

Revisão

»

Toda pesquisa inicia-se pela formulação de um problema, para que seja possível, em seu desenvolvimento, encontrar a solução para esse problema.

»

A

forma interrogativa é a mais indicada para a apresentação da problemática da pesquisa.

»

Transforme seu tema em uma pergunta, iniciando-a com: “Como”; “Qual”; “Quais”; “Por que”; “Onde” ou “Quando”.

»

Seu tema deve ser claro, pertinente e exequível.

»

Os objetivos de uma pesquisa devem demonstrar de forma clara as intenções da pesquisa.

»

O objetivo geral vem responder à pergunta “Para quê?” e deve estar em concordância com o problema.

»

Os objetivos específicos apresentam um caráter mais concreto; têm uma função instrumental

e

intermediária na busca do objetivo geral.

»

A pesquisa científica não pode se resumir a uma mera atividade realizada ao acaso. Todo

trabalho imaginativo e criativo de um pesquisador implica a utilização de determinados procedimentos e técnicas voltadas a disciplinas específicas.

o

»

Pressupõe-se que, para a realização de uma pesquisa científica, seja necessário o delineamento de um método que deve ser seguido com rigor.

»

As principais técnicas de pesquisa são: pesquisa documental, pesquisa bibliográfica, pesquisa de campo (quantitativo-descritiva; exploratória e experimental), pesquisa de laboratório, observação, entrevista, questionário e formulário.

35
35

Para saber mais

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

No blog e nos artigos sugeridos abaixo, você encontrará mais informações a respeito da

pesquisa científica. Não deixe de consultá-los!

Blog Posgraduando: tudo sobre a pós-graduação (www.posgraduando.com). Sugestões

de textos:

» Dicionário de termos utilizados em trabalhos acadêmicos. Disponível em:

academicos>. Acesso em: 9 jan. 2013.

» Dicas para melhorar a redação cientifica. Disponível em: <http://www.posgraduando.com/ guia/dicas-para-melhorar-a-redacao-cientifica>. Acesso em: 9 jan. 2013.

» Dez erros comuns na redação cientifica. Disponível em: <http://www.posgraduando.com/ guia/dez-erros-comuns-na-redacao-cientifica>. Acesso em: 9 jan. 2013.

Artigos:

» LOPES A. L. M. ; FRACOLLI L. A. Revisão sistemática de literatura e metassíntese qualitativa: considerações sobre sua aplicação na pesquisa em enfermagem. Texto Contexto Enferm, v.17, n.4, p.771-8, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ tce/v17n4/20.pdf>. Acesso em: 9 jan. 2013.

» MUNHOZ, S. I. S; TAKAYANAGUI, A. M. M.; SANTOS, C. B. S. et al. Revisão sistemática de literatura e metanálise: noções básicas sobre seu desenho, interpretação e aplicação na área da saúde. Simp. Bras. Comun. Enferm. Ano 8. Mai. 2002. Disponível em:

2002000200010&ing=pt&nrm=isso>. Acesso em: 9 jan. 2013.

36
36

UNIDADE 2: PESQUISA CIENTÍFICA: INSTRUMENTOS DE RESPOSTAS

Referências

FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONCELLOS, Ana Cristina. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 8.ed. rev. e ampl. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de Metodologia Científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnica de pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 39. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

37
37

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

UNIDADE 3
UNIDADE 3
UNIDADE 3
UNIDADE 3
UNIDADE 3
UNIDADE 3
UNIDADE 3
UNIDADE 3

UNIDADE 3

Método científico: caminhos a percorrer

Introdução

3 Método científico: caminhos a percorrer Introdução Nesta unidade, vamos refletir sobre como chegaremos aos

Nesta unidade, vamos refletir sobre como chegaremos aos resultados que responderão às nossas perguntas científicas. Estamos falando nada mais nada menos do método científico. Seu conceito, importância, características e tipos serão abordados com a finalidade de auxiliá-lo a encontrar o melhor caminho para, de fato, conseguir montar seu “quebra-cabeça” científico.

Neste momento, a escolha pela estratégia de pesquisa influenciará os resultados e conclusões finais da pesquisa!

Muitos alunos temem essa etapa do planejamento, pois exige a seleção de um caminho em detrimento de inúmeras opções. Após a escolha feita, é bastante complexo retroceder. A dificuldade inerente a essa fase também é refletida no modo como você lida com essa seção nos artigos científicos.

Quantas vezes não percebemos que a leitura realizada por você salta o delineamento do estudo, indo diretamente aos resultados encontrados? Isso implica, posteriormente, pouca experiência quando se requisita uma produção escrita sobre esse campo de conhecimento.

38
38

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

Percebeu como a importância do método em seu estudo científico é enorme? Esse elemento da pesquisa determinará todo o processo dela, desde a possibilidade de responder à etapa da sua pergunta científica até as conclusões que você desenvolverá em seu estudo.

ATENÇÃO! É importante que você já tenha desenvolvido as outras etapas do seu Plano de
ATENÇÃO!
É importante que você já tenha desenvolvido as outras etapas
do seu Plano de Pesquisa para aproveitar mais o assunto aqui
tratado e poder delinear o método do seu estudo. Vale
lembrar que esta é a última etapa. Por isso, é extremamente
válido todo esforço para construção desta seção!
lembrar que esta é a última etapa. Por isso, é extremamente válido todo esforço para construção

Assim, aqui trabalharemos com o delineamento da pesquisa, seus elementos, como construir um método bem estruturado, além de dicas e modelos. Diante disso, nossos objetivos são identificar as características do método científico, definir e apresentar as possibilidades da estrutura metodológica da investigação proposta.

Método científico: conceito, características e tipos

Para começar, alguns conceitos

O método científico se refere a um

conjunto de atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite alcançar o objetivo – conhecimentos válidos e verdadeiros – traçando o caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando as decisões do cientista (MARCONI, LAKATOS, 2010, p. 65).

De origem grega, methodos se refere ao caminho ou via, com etapas e processos,

a ser seguido para se atingir um determinado objetivo. Gil (2006, p.26) apresenta o método como um “conjunto de procedimentos intelectuais e técnicos adotados para se atingir o conhecimento.”

39
39

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

Rudio (2007) expõe que o método deve ser utilizado como guia para o estudo de um determinado problema, constituindo-se em um caminho a ser trilhado, na elaboração organizada de procedimentos de orientação ao pesquisador.

Para Marconi e Lakatos (2010), o método científico pode ser considerado uma teoria de investigação que cumpre algumas etapas. Veja a FIG. 1:

Com base nos dados coletados formula-se uma explicação provisória para o problema

a hipótese

uma explicação provisória para o problema a hipótese A seguir recolhem-se informações relacionadas com o

A seguir recolhem-se informações relacionadas com o problema

coleta de dados

Para comprovar a hipótese procedem-se novas investigações que podem envolver a planificacão e a realização de experiencias.

experimentação

e a realização de experiencias. experimentação A experimentação levará a uma conclusão que

A experimentação levará

a uma conclusão que

provará se

esta ou não correta

a hipótese

que provará se esta ou não correta a hipótese Entrevistas Observações Leituras Discussões Após uma
que provará se esta ou não correta a hipótese Entrevistas Observações Leituras Discussões Após uma
que provará se esta ou não correta a hipótese Entrevistas Observações Leituras Discussões Após uma
Entrevistas Observações
Entrevistas
Observações
Leituras Discussões
Leituras
Discussões

Após uma observação para a qual

não se encontra explicação imediata

é formulado um problema.

FIGURA 1 – Etapas do método científico

Acesso em 26 de fev. 2013.

Conforme já mencionado nas unidades passadas, essas etapas envolvem os seguintes elementos:

40
40

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

A identificação de uma questão ou problema a ser investigado;

A colocação precisa da problemática do estudo;

1. A definição de uma hipótese que pretende solucionar o problema identificado;

2. Conhecimentos ou instrumentos que auxiliem na tentativa de responder ao problema;

3. A busca de dados;

4. A avaliação dos dados coletados;

5. A comprovação dos resultados com os dados levantados;

6. A confirmação ou não da hipótese.

Assim, quando estamos diante de uma problemática, delimitamos nosso objeto de

pesquisa a uma pergunta. Em seguida, desenvolvemos a hipótese para essa questão

de pesquisa que foi levantada.

CONCEITO
CONCEITO

Podemos considerar, como hipótese, uma solução provisória, provável para um determinado problema, que tem um caráter explicativo daquela questão. Pode ser uma solução para o problema levantado, bem como classificada por verdadeira ou falsa, e, por isso, após ser testada, poderá ser aceita ou rejeitada. Em geral, a hipótese deve ser compatível com o conhecimento científico, revelar a consistência lógica e ser passível de verificação (MARCONI, LAKATOS, 2010).

As hipóteses têm algumas funções dentro da pesquisa científica:

» Generalizar uma experiência;

» Desencadear afirmações sobre elementos dos dados investigados;

» Servir de guia para a pesquisa;

» Tentar explicar o que ainda não é completamente bem conhecido;

» Interpretar conjuntos de dados ou outras hipóteses.

41
41

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

As hipóteses do nosso estudo serão colocadas à prova e, quando encontrado o resultado, saberemos se nossa tentativa de resposta foi válida.

Na charge abaixo, encontramos hipóteses que ainda não sabemos se são válidas.

Tradução: O juri está em dúvida se foi a mudança climática ou uma chuva de

Tradução: O juri está em dúvida se foi a mudança climática ou uma chuva de meteoros que o matou.

FIGURA 2 – Levantando hipóteses Fonte: Disponível em: http://www.lem.seed.pr.gov.br/modules/galeria/detalhe.php?foto=105&evento=34. Acesso em 26 de fev.2013.

DICAS Para escrever sua hipótese, utilize uma afirmativa com expressões que indicam uma conjectura, uma
DICAS
Para escrever sua hipótese, utilize uma afirmativa com
expressões que indicam uma conjectura, uma suposição,
como: “julga-se”, “supõe-se”, “acredita-se” e outras.
Exemplo: “Julga-se que o gestor de projetos com tendência
empreendedora consegue alcançar resultados mais
positivos em virtude da sua coragem e criatividade.”
42
42

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

Portanto, o método científico envolve um suceder alternativo entre reflexão e experimento.

O pesquisador elabora ideias ou hipóteses definidas à luz do conhecimento disponível

(KOCHE, 2009).

CONCEITO “O estudo dos métodos consiste no procedimento racional arbitrário de como atingir determinados resultados
CONCEITO
“O estudo dos métodos consiste no procedimento
racional arbitrário de como atingir determinados
resultados (
).
Na ciência, os métodos constituem os
instrumentos básicos que ordenam de início o
pensamento em sistemas, traçam de modo ordenado a
forma de proceder do cientista ao longo de um percurso
para alcançar um objetivo preestabelecido.”
(FERRARI, 1982, p. 19).
de proceder do cientista ao longo de um percurso para alcançar um objetivo preestabelecido.” (FERRARI, 1982,

Mas o que deve estar detalhado nessa metodologia?

! Tipo da pesquisa, instrumentos utilizados, toda a ação do pesquisador e as formas de tratamento dos dados. Em síntese, ela deve responder às seguintes questões do estudo:

COMO?, COM QUÊ?, ONDE?, QUANTO?

Diante do que vimos até aqui, podemos dizer que diversas são as características da

Metodologia Científica:

» Apresenta o caminho que determina o resultado a ser encontrado.

» Mostra a seleção de técnicas que informam a ação do pesquisador.

» Revela um conjunto de procedimentos racionais na busca de conhecimentos válidos.

» Expõe o modo como os procedimentos são determinados, de forma regular, explícita e passível de ser repetida para se obter o desejado.

» Indica uma ordenação dos procedimentos a serem seguidos para se chegar a um fim.

» Coloca à prova as hipóteses científicas.

» É responsável pela eficácia da investigação.

43
43

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

IMPORTANTE Tais elementos refletem o quanto o estudo tem credibilidade e segurança, pois se verifica
IMPORTANTE
Tais elementos refletem o quanto o estudo tem
credibilidade e segurança, pois se verifica o rigor de regras
que foram estipuladas, e como a atividade científica está
organizada. Além disso, a ordenação dos procedimentos
demonstra a lógica, a coerência processual na pesquisa e
a possibilidade da reprodutibilidade. Permite, enfim,
compreender não apenas os resultados, mas o processo da
própria investigação.

Assim, durante o desenvolvimento de seu estudo científico e a definição metodológica a ser delineada, conheça seus componentes para, de fato, escolher os caminhos e traçar sua pesquisa. Você poderá saber mais sobre esses componentes nos próximos itens, mas antes

vamos entender a importância do método para a ciência.

A importância do método científico para a ciência

A ciência pode ser vista como um modo de pensar e de trabalhar, pois requer que o

pesquisador faça perguntas, formule hipóteses e teste-as por meio da experiência, ou seja,

nela está envolvido o método científico sobre o qual já falamos nos tópicos anteriores.

Diante disso, o primeiro pressuposto que você precisa se ater para compreender esta Unidade é:

que você precisa se ater para compreender esta Unidade é: O método científico tende a reduzir

O método científico tende a reduzir a influência da parcialidade do pesquisador sobre o

fenômeno a ser investigado, e ainda esclarecer e distinguir o conhecimento científico de

outros conhecimentos.

44
44

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER Mas não devemos crer que exista apenas um caminho

Mas não devemos crer que exista apenas

um caminho a ser seguido, mas distintas

trajetórias utilizadas, determinadas pelas

exigências do objeto da pesquisa e dos

diferentes campos da ciência. Cada

definição de um campo de investigação

específica tem uma perspectiva própria e um

conjunto de procedimentos que contribuirão

de modo mais apropriado para conhecer

certa realidade. Por isso, também, dizemos

que um dos pontos essenciais da ciência é a

validação por meio da observação.

Assim, quando consideramos o desenvolvimento do método na história da ciência,

encontramos as principais formas de abordagem quanto ao raciocínio lógico.

O QUADRO 1 apresenta e explica as características de cada uma delas, segundo

Marconi e Lakatos (2010).

QUADRO 1 Características das formas, de abordagem

Formas de

Características

abordagem

 

O conhecimento é baseado na experiência.

A aproximação dos fenômenos caminha geralmente para planos cada vez mais abrangentes, indo das constatações mais particulares às leis e teorias.

Método Indutivo

Generalizações da realidade são feitas e elaboradas a partir de condições particulares (conexão ascendente).

Ex.: Pedro é mortal./ João é mortal./ José é mortal./Carlos é mortal./ Ora, Pedro, João, José e Carlos são homens. Logo, os homens são mortais.

 

Pressupõe a razão como única forma de se chegar ao conhecimento verdadeiro.

Parte das teorias e leis, e, na maioria das vezes, prevê a ocorrência dos fenômenos particulares.

Método Dedutivo

De duas premissas se retira uma terceira logicamente decorrente (conexão descendente).

Ex.: Todo homem é mortal./ Pedro é homem./ Logo, Pedro é mortal.

45
45

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

 

O conhecimento é insuficiente para explicar um fenômeno.

Método

Inicia-se pela percepção de uma lacuna em um campo de conhecimento, acerca da qual se formulam hipóteses, e pelo processo de inferência dedutiva se testa a predição da ocorrência de fenômenos abrangidos pela hipótese.

Busca evidências empíricas para derrubar hipóteses prévias.

Hipotético-dedutivo

 

Os fatos são considerados dentro de um contexto social.

Método Dialético

Penetra-se no mundo dos fenômenos por meio de sua ação recíproca, da contradição inerente ao fenômeno e da mudança dialética que ocorre na natureza e na sociedade.

Fonte: Marconi e Lakatos, 2010.

Elementos para o delineamento da pesquisa: método estruturado e sistematizado

A partir de agora, vamos apresentar vários elementos da pesquisa que devem ser

considerados quando pensamos em delinear nossa metodologia. Muitos desses elementos

definem a investigação e, por isso, devem refletir o pensamento do pesquisador na busca

de respostas para seu estudo.

Então, no seu método, você deve pensar

Quais procedimentos devo utilizar em meus estudos? Quem ou o que eu vou investigar? População
Quais procedimentos
devo utilizar em meus
estudos?
Quem ou o que eu vou
investigar? População
perfil
critérios de
seleção
universo
amostra
Qual tipo de
pesquisa irei
conduzir?
Qual técnica de coleta
de dados e os
intrumentos para essa
técnica irei utilizar?
Como farei o
tratamento desses
dados? Que tipo de
análise usarei?
46

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

Como forma didática, veja no QUADRO 2 a classificação dos estudos científicos, segundo

a metodologia utilizada (GIL, 2008). Na Unidade 2 já lhe apresentamos algumas técnicas de

pesquisa. Se quiser, retome-a para ajudar você em seus estudos.

QUADRO 2 Classificação dos estudos científicos

 

Técnicas de

 

Metodologia

pesquisa

Características

 

Básica

Gera novos conhecimentos, mas sem aplicação prática prevista.

Quanto à

   

natureza

Aplicada

Gera conhecimentos para aplicações práticas na solução de problemas específicos.

   

Objetiva.

Lida com tudo que é possível quantificar.

Pesquisa

Traduz opiniões e números em informações que serão analisadas e classificadas.

Quantitativa

Possui amostras com expressivo número de pesquisados.

Os dados são quantificados estatisticamente.

Quanto à forma de abordagem ao problema

 

A relação entre o mundo e o fato a ser investigado não se traduz em números.

O pesquisador busca se aprofundar em questões subjetivas do fenômeno.

 

Pesquisa

Os dados podem ser coletados por entrevistas, observações, narrativas e documentos.

Analisa opiniões, não é representativa e tem caráter exploratório.

Qualitativa

Feita com amostras pequenas.

Não utiliza métodos estatísticos.

 

Pesquisa

ende a buscar familiaridade com problemas pouco conhecidos.

Exploratória

Envolve levantamento bibliográfico, entrevistas e análise de cases.

Quanto aos

 

Descreve características de um fenômeno/fato/população; não busca as causas.

objetivos

Pesquisa

Descritiva

Utiliza técnicas padronizadas de coleta de dados (questionário e observação).

 

Pesquisa

Identifica fatores que determinam fenômenos; explica o porquê das coisas.

Explicativa

Pode ocorrer na forma de pesquisa experimental e estudos prospectivos.

47
47

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

 

Pesquisa

Desenvolvida a partir de material já publicado, como livros, artigos, periódicos, internet e outros.

Bibliográfica

Pesquisa

Desenvolvida a partir de material que não recebeu tratamento analítico.

Documental

Podem ser utilizados registros, anais, circulares e outros materiais.

Pesquisa

Elaborada a partir de um objeto de estudo determinado no qual se verifica a influência de variáveis, identificam-se formas de controle e observam-se os efeitos que as variáveis produzem no objeto.

Experimental

Quanto aos

 

Utiliza-se de questionários para compreender o comportamento dos sujeitos.

procedimentos

Levantamento

técnicos

Estudo de

Estuda profundamente um objeto a fim de revelar um conhecimento intenso sobre ele.

Caso

É usado como ferramenta de pesquisas descritivas.

Verifica a situação de indivíduos, empresas e comunidades.

Pesquisa-ação

Os pesquisadores e sujeitos de uma investigação estão envolvidos de modo cooperado ou participativo.

Pesquisa

 

Participante

Desenvolvido pela interação entre pesquisador e sujeitos investigados.

Fonte: Adaptado de GIL, 2008.

ATENÇÃO! Na busca por resultados científicos, mais de um tipo de condução metodológica pode ser
ATENÇÃO!
Na busca por resultados científicos, mais de um tipo de
condução metodológica pode ser compartilhado e utilizado.

Outro ponto importante que deve constar no método do seu estudo é a definição das

variáveis a serem investigadas. Definidas com clareza e de modo operacional, essas variáveis

descrevem as características daquilo que se deseja medir. Podemos distinguir dois tipos

básicos de variáveis:

» Variável Dependente: Refere-se a fenômenos a serem descobertos.

» Variável Independente: É aquela que influencia, determina ou afeta a variável dependente.

48
48

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

EXEMPLO Tema: “Fatores associados à depressão em idosos”. Variável Dependente: a depressão. Variáveis
EXEMPLO
Tema: “Fatores associados à depressão em idosos”.
Variável Dependente: a depressão.
Variáveis Independentes: todos os fatores que
influenciariam esse quadro e que devem ser investigados no
estudo, como: idade, renda, escolaridade, atividade física,
interação social, alimentação e outros.

Outro ponto importante que deve ser esclarecido na Metodologia, diz respeito a informações detalhadas sobre universo e amostra da pesquisa.

Outro ponto importante que deve ser esclarecido na Metodologia, diz respeito a informações detalhadas sobre
Outro ponto importante que deve ser esclarecido na Metodologia, diz
respeito a informações detalhadas sobre universo e amostra da pesquisa.
População alvo a ser
investigada
Parte da população
representativa desse
universo; um número
menor de sujeitos
Nem todos os estudos
científicos avaliam todos os
indivíduos de uma população
alvo, por isso a amostragem!
Utiliza-se um cálculo amostral
estatístico (em amostras probabilísticas).
Mas podemos pensar também nos
estudos qualitativos que utilizam amostras
não probabilísticas (definidas pela
acessibilidade e tipicidade dos sujeitos).

Não devemos deixar de apresentar também o perfil dos indivíduos pesquisados e os critérios de inclusão e exclusão para a seleção dos sujeitos do estudo.

49
49

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

Ressalta-se ainda que, na Metodologia, o comportamento ético do pesquisador deve estar claro.
Ressalta-se ainda que, na
Metodologia, o
comportamento ético do
pesquisador deve estar claro.
O compromisso ético da pesquisa deve ser descrito com a utilização do Termo de Consentimento
O compromisso ético da pesquisa deve ser descrito com a utilização do
Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).
Esse é um documento indicado sempre que a investigação for
dirigida a pessoas e animais. Seu objetivo é resguardar os
direitos dos participantes do estudo, as identidades dos
entrevistados, sem que haja qualquer avaliação de
desempenho deles. Portanto, faz-se necessário deixá-los
cientes dos objetivos da pesquisa.
VOCÊ SABIA
VOCÊ SABIA

Quando a pesquisa for direcionada a empresas, instituições públicas e outras, é importante que os gestores estejam cientes dos procedimentos da pesquisa. Em função disso, é necessária a produção de um termo que assegure a credibilidade do estudo e da ciência da instituição.

50
50

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

Por fim, deve-se apresentar como os dados coletados serão analisados:

» Em estudos quantitativos: deve-se indicar o tipo de análise estatística utilizada.

» Em estudos qualitativos: a escolha do método de análise dependerá das características do dado e do objeto do estudo (Ex.: análise do discurso, análise de conteúdo, dentre outras).

Agora, vamos acompanhar dois exemplos de estudos, com os elementos retirados da pesquisa.

QUADRO 3

Dados do Estudo 1 EXEMPLO
Dados do Estudo 1
EXEMPLO

Estudo

Situação do indivíduo no mercado de trabalho e iniquidade em saúde no Brasil.

Autores

GIATTI, BARRETO (2006).

Tipo de pesquisa

Inquérito populacional nacional (pesquisa quantitativa; descritiva).

Período de investigação

20 a 26/11 de 1998; coleta de dados pelo IBGE.

Sujeitos da pesquisa

39.925 homens das cidades de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador e BH, com idades entre 15 e 64 anos.

Variável dependente

Situação no mercado de trabalho.

Variáveis independentes

Características sociodemográficas (renda, escolaridade, condição de domicilio e região metropolitana); indicadores de saúde; utilização dos serviços de saúde.

Tratamento dos dados

Análise estatística (regressão logística multinominal; utilização do programa STATA).

Fonte: Giatti e Barreto, 2006.

QUADRO 4 Dados do Estudo 2 EXEMPLO
QUADRO 4
Dados do Estudo 2
EXEMPLO

Estudo

Estratégias implementadas para enfrentar as exigências vocais da sala de aula: o caso das professoras readaptadas por disfonia.

Autores

VIANELLO, ASSUNÇÃO, GAMA (2008)

51
51

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

 

Análise ergonômica da atividade (pesquisa qualitativa; exploratória)

Tipo de pesquisa

“É definida como a descrição das atividades de trabalho ou dos trabalhadores a partir da observação de todos os comportamentos” (VIANELLO, ASSUNÇÃO, GAMA, 2008, p.165).

Técnica empregada

Observação sistemática e entrevistas semiestruturadas.

Período de investigação

Março a junho de 2006.

 

5 professoras do ensino fundamental da prefeitura municipal de BH.

Sujeitos da pesquisa

Faixa etária: 41 a 58 anos. Com 18 a 38 anos de magistério. Jornada de trabalho:

20

a 40 horas/semanais (manhã/tarde). Afastadas da regência num período entre

06

a 13 meses com histórico de disfonia (06 a 13 anos).

Critérios de exclusão

Mudança de função, difícil acesso, turno noturno, estar de licença médica, ministrar educação física ou aulas para alunos do 2o grau.

Amostra

Amostragem eleita de forma intencionada.

Variável dependente

Estratégias utilizadas em sala de aula.

Variáveis independentes

Condições ambientais, objetivos docentes e objetivos letivos.

Variáveis independentes

Condições ambientais, objetivos docentes e objetivos letivos.

Tratamento dos dados

Categorização e análise do discurso.

Dicas e modelos

Fonte: Vianello, Assunção e Gama, 2008.

Estudo de Caso

Esse é um método bastante utilizado nas áreas de gestão e por alunos da pós-graduação, como você. Por isso, sugerimos-lhe, a partir de um exemplo de utilização desse tipo de pesquisa, a leitura da seção 3 – “MÉTODOS: PRIVILEGIANDO O QUALITATIVO”, do artigo “Visão compartilhada, equipe de direção e gestão estratégica de pequenas e médias empresas: um estudo multi-caso e internacional”, de LIMA (2007).

Esse artigo está disponível no endereço:

Estudos Epidemiológicos

Muitas investigações na área da saúde seguem o delineamento dos estudos epidemiológicos. A FIG. 2 apresenta a estrutura dos tipos de pesquisa utilizada nessa área.

52
52
UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER MODELOS DE PESQUISA Analíticos Descritivos Experimental
UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER
MODELOS DE
PESQUISA
Analíticos
Descritivos
Experimental
Observacional
Populacional
Relato de caso
Série de
casos
Longitudinal
Transversal
Caso controle
Coorte
Prospectivo
Retrospectivo
Caso controle Coorte Prospectivo Retrospectivo FIGURA 2 – Estrutura dos tipos de pesquisa Fonte: Glasiu,

FIGURA 2 – Estrutura dos tipos de pesquisa Fonte: Glasiu, 2007 apud Bossi, 2012, p.38.

Revisão Bibliográfica

Esse tipo de estudo é muito comum e reflete uma boa parte das pesquisas desenvolvidas na pós-graduação, já que é uma forma de investigação com menor custo e que recruta menos estratégias logísticas durante seu processo de execução.

Há três tipos de revisão bibliográfica. Conheça as características de cada uma delas.

53
53

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

QUADRO 5 Tipos de Revisão Bibliográfica

Tipos de Revisão Bibliográfica

Características

 

São publicações amplas, com temáticas abertas.

Descrevem determinado assunto de modo global.

Narrativa

Não informam as fontes utilizadas, nem os critérios para a busca de referências e para seleção e avaliação dos trabalhos.

Não exige protocolos rígidos para sua confecção.

Utiliza, basicamente, literatura publicada em livros e artigos de revistas impressas e eletrônicas.

 

Permite a inclusão de diversos métodos e constitui um instrumento da Prática Baseada em Evidência.

É realizada com ampla busca de dados (literatura teórica e empírica).

Integrativa

Utiliza critérios de inclusão e exclusão de artigos e instrumento de coleta de dados.

Seus propósitos são: definir conceitos, rever teorias e evidências, e analisar problemas metodológicos de uma questão particular.

 

É uma revisão planejada para responder a uma pergunta específica. Utiliza métodos explícitos e sistemáticos para identificar, selecionar e avaliar os estudos de forma criteriosa.

Sistemática

Enfoca, primordialmente, os ensaios clínicos controlados e randomizados.

A metodologia utilizada é encontrada nas publicações Cochrane.

Pode utilizar-se de instrumentos estatísticos (metanálise) para aumentar a validade dos achados.

Fonte: Adaptado de Rother, 2007; Cordeiro et al., 2007; Souza e Carvalho, 2010.

SAIBA MAIS!
SAIBA MAIS!

A revisão sistemática de literatura passa por etapas rígidas, como pode ser observado no

esquema abaixo:

54
54

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

 
   
 
   
 

Definir a pergunta científica, especificando população e intervenção do interesse

 
 
 
 
     
   
   
   
 
Identificar as bases de dados a serem consultadas; definir palavras-chave e estratégias de busca  

Identificar as bases de dados a serem consultadas; definir palavras-chave e estratégias de busca

 
Identificar as bases de dados a serem consultadas; definir palavras-chave e estratégias de busca  
     
Estabelecer critérios para a seleção dos artigos a partir da busca  

Estabelecer critérios para a seleção dos artigos a partir da busca

 
Estabelecer critérios para a seleção dos artigos a partir da busca  
      Estabelecer critérios para a seleção dos artigos a partir da busca    
      Estabelecer critérios para a seleção dos artigos a partir da busca    
     
       
   
       
       
   
       
Conduzir busca nas bases de dados escolhidas e com base na(s) estratégia(s) definida(s) (pelo menos

Conduzir busca nas bases de dados escolhidas e com base na(s) estratégia(s) definida(s) (pelo menos dois examinadores independentes)

 
(pelo menos dois examinadores independentes)   examinadores e definir a seleção inicial de artigos
(pelo menos dois examinadores independentes)   examinadores e definir a seleção inicial de artigos

examinadores e definir a seleção inicial de artigos

Comparar as buscas dos

dois examinadores independentes)   examinadores e definir a seleção inicial de artigos Comparar as buscas dos
   
   
   
   

Aplicar os critérios na seleção dos artigos e justificar possíveis exclusões

 
   
 
   
 
 
 
 

Preparar um resumo crítico, sintetizando as informações disponibilizadas pelos artigos que foram incluídos na revisão

 
 
     
   
     
Apresentar uma conclusão, informando a evidência sobre os efeitos da intervenção

Apresentar uma conclusão, informando a evidência sobre os efeitos da intervenção

Apresentar uma conclusão, informando a evidência sobre os efeitos da intervenção

FIGURA 3 – Descrição geral sobre o processo de revisão sistemática da literatura. Fonte: Sampaio e Mancini, 2007.

55
55

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

Você pode identificar os elementos descritos na FIG. 3 no exemplo abaixo?

“A revisão sistemática da literatura foi realizada em bases de dados eletrônicas, busca manual em periódicos brasileiros não indexados, busca específica por autores e contato com pesquisadores. Foram incluídos artigos de pesquisa de um ou mais domínios da atividade física (lazer, deslocamentos, atividades domésticas e ocupacionais), conhecimento sobre atividade física ou nível de aptidão física. Além disso, os artigos selecionados deveriam preencher os seguintes critérios: ter como base a análise de dados coletados no Brasil, amostra de indivíduos maior ou igual a 500, amostra representativa da população definida e data de publicação até 30/6/2005 (sem data inicial). Artigos de revisão, teses e dissertações não foram incluídos.

A busca eletrônica foi conduzida nas seguintes bases de dados: Medline/PubMed, Lilacs, Ovid, Science

Direct, BioMed Central e High Wire. Foram utilizados os seguintes descritores, em idioma português

e sua correspondência em inglês: “atividade física.”, .“exercício.”, .“aptidão física.”, .“sedentarismo.”,

.“inatividade física.”, .“atividade motora.”. Para restringir a busca por artigos cuja coleta de dados foi conduzida no Brasil, os seguintes descritores, em língua portuguesa e inglesa, foram usados em combinação com os apresentados acima: .“Brasil.”, .“brasileiros.”. Uma análise inicial foi realizada com base nos títulos dos manuscritos; nos resumos de todos os artigos que preenchiam os critérios de inclusão ou que não permitiam se ter certeza de que deveriam ser excluídos. Após análise dos resumos, todos os artigos selecionados foram obtidos na íntegra e posteriormente examinados de acordo com os critérios de inclusão estabelecidos. Todos os processos de seleção e avaliação de artigos foram realizados por pares. Após definição de quais estudos seriam incluídos com base na busca eletrônica, foram realizadas buscas pelo nome do primeiro autor dos artigos selecionados, visando a localizar outras publicações que preenchessem os critérios de inclusão. Alguns periódicos não indexados ou com indexação recente foram examinados manualmente: Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Revista Baiana de Educação Física, Revista do Colégio Brasileiro de Ciência do Esporte, Revista Brasileira de Ciência e Movimento e Revista Kinesis.

Um quadro inicial foi preenchido com informações metodológicas relevantes de todos os artigos incluídos na revisão. Os autores desses artigos foram contatados para confirmação dos dados apresentados e questionados sobre outras publicações que ainda não haviam sido incluídas na revisão; 92,9% dos autores responderam à mensagem eletrônica enviada. Diversos termos foram empregados nos artigos para definir as pessoas com níveis de atividade física abaixo das recomendações atuais, como por exemplo: inatividade física, baixa atividade física, sedentarismo, atividade física insuficiente. Contudo, optou-se por utilizar o termo sedentarismo ao longo do trabalho para sumarizar todas essas denominações.”

Fonte: Hallal et al., 2007.

56
56

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

DICAS Leia os artigos da sua área, principalmente a seção do método, para que consiga
DICAS
DICAS

Leia os artigos da sua área, principalmente a seção do método, para que consiga extrair um modelo com delineamento adequado, interessante, aplicável e útil. Lembre-se de que uma das grandes vantagens da pesquisa é que podemos replicar os estudos, inclusive a metodologia utilizada! Afinal, reproduzir um método não indica que você obterá os mesmos resultados que um estudo desenvolvido, por exemplo, na Finlândia!

Aplicação na prática

Caro(a) Aluno(a), agora com todas as informações sobre métodos, escreva o caminho da sua

própria pesquisa, fazendo as escolhas pertinentes aos itens:

» Tipo de pesquisa;

» Técnicas empregadas;

» Sujeitos da pesquisa;

» Amostra e critérios de seleção;

» Variáveis do estudo;

» Análise dos dados.

Boa trajetória em seu campo de pesquisa!

Revisão

» O método científico é um conjunto de atividades sistemáticas e racionais que traça o caminho

a ser seguido pelo pesquisador.

» As etapas do método científico abrangem os seguintes elementos: a identificação de um problema;

a formulação da pergunta científica; a definição da hipótese; a definição dos instrumentos

57
57

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

da pesquisa; a busca de dados; a avaliação das informações coletadas; a apresentação dos resultados; a comprovação dos dados e a confirmação ou não da hipótese definida.

» A metodologia da pesquisa responde às seguintes questões: COMO?, COM QUÊ?, ONDE?, QUANTO?. E responder a essas perguntas dirigem a pesquisa para: o caminho determinado para encontrar o resultado; a seleção de técnicas que informam a ação do pesquisador; um conjunto de procedimentos racionais na busca de conhecimentos válidos; o modo como os procedimentos são determinados e ordenados; a provação das hipóteses científicas; a eficácia da investigação.

» O método pode ser analisado quanto ao raciocínio lógico e, segundo esse critério, dividido em:

método indutivo, método dedutivo, método hipotético-dedutivo e método dialético.

» São também definidos, no método, a população do estudo, os critérios de seleção, as variáveis investigadas, os instrumentos de pesquisa e como os dados serão analisados.

» A pesquisa pode ser classificada de acordo com vários elementos. Quanto à natureza, ela pode ser básica ou aplicada; quanto à abordagem, pesquisa qualitativa e/ou quantitativa; quanto aos objetivos, pode ser exploratória, descritiva ou explicativa; quanto aos procedimentos, pode ser bibliográfica, documental, experimental, levantamento, estudo de caso, pesquisa-ação e pesquisa participante.

Para saber mais

Nos artigos e links disponíveis abaixo, você poderá obter mais informações a respeito do método científico e, dessa forma, se preparar melhor para construir seu plano de pesquisa.

Artigos de revisão:

» Revisão sistemática x Revisão narrativa. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v20n2/a01v20n2.pdf>. Acesso em: 24-01-2013.

» Revisão integrativa: o que é e como fazer. Disponível em: <http://apps.einstein.br/revista/

Acesso em: 24-01-2013.

» Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rcbc/ v34n6/11.pdf>. Acesso em: 24-01-2013.

» Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidencia científica. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v11n1/12.pdf>. Acesso em: 20-01-2013.

58
58

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

Artigos sobre estudo de caso:

» Pela aplicabilidade - com um maior rigor científico - dos estudos de caso em sistemas de informação. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rac/v2n2/v2n2a09.pdf>. Acesso em: 20-01-2013.

» Método do Estudo de Caso (Case Studies) ou Método do Caso (Teaching Cases)? Uma análise dos dois métodos no Ensino e Pesquisa em Administração. Disponível em: <http://xa.yimg.com/kq/groups/19510484/357697256/name/Aula+03- +Metodo+do+estudo+de+caso+-+administracao.pdf>. Acesso em: 20-01-2013.

Artigos sobre métodos qualitativos – quantitativos:

» Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Disponível em: <http://www.rbep.inep.gov. br/index.php/emaberto/article/viewFile/2237/1505>. Acesso em: 20-01-2013.

» Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferencas e seus objetos de pesquisa. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsp/v39n3/24808.pdf>. Acesso em: 20-01-2013.

» Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Disponível em: <http://

Acesso em: 20-01-2013.

59
59

Referências

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

CORDEIRO, A. M., et al. Revisão sistemática: uma revisão integrativa. Rev col bras cir, v.34, n.6, Nov/dez, 2007.

FERRARI, T.A. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: McGraw-Hill, 1982.

FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONCELLOS, Ana Cristina. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 8.ed. rev. e ampl. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

GIATTI, L.; BARRETO, S. M. Situação do individuo no mercado de trabalho e iniqüidade em saúde no Brasil. Rev saúde pública, v.40, n.1, p.99-106, 2006.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HALLAL, P. C., et al. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física no Brasil:

revisão sistemática. Rev saúde pública, v.41, n.3, p.453-460, 2007.

KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de Metodologia Científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. 29.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LIMA, E. Visão compartilhada, equipe de direção e gestão estratégica de pequenas e medias empresas: um estudo multi: caso e internacional. Revista de negócios. Blumenau, v.12, n.4, p. 86-100, outubro/dezembro, 2007.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária,1986. 99p.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnica de pesquisa. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitative – características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em administração. v. 1, n.3, p.1-5, 1996.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática x revisão narrativa . Acta Paul enferm, editorial, v.20, n.2, 2007.

60
60

UNIDADE 3: MÉTODO CIENTÍFICO: CAMINHOS A PERCORRER

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 39.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

SAMPAIO, R. F.; MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidencia cientifica. Rev Bras fisioterapia, São Carlos, v.11, n.1, p.83-89, jan/fev, 2007.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, v.8, n.1, p.102-106, 2010.

TURATO, E. R. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetivos de pesquisa. Rev saúde publica, v.39, n.3, p.507-514, 2005.

61
61

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

UNIDADE 4
UNIDADE 4
UNIDADE 4
UNIDADE 4
UNIDADE 4
UNIDADE 4
UNIDADE 4
UNIDADE 4

UNIDADE 4

Projeto de pesquisa: noções preliminares e estrutura

Introdução

de pesquisa: noções preliminares e estrutura Introdução Na unidade anterior, finalizamos todos os elementos do Plano

Na unidade anterior, finalizamos todos os elementos do Plano de Pesquisa. Agora, a Unidade 4 vem apresentar a estrutura básica de um Projeto de Pesquisa, considerando, principalmente, como os elementos desse planos devem se apresentar e correlacionar.

62
62

UNIDADE 4: PROJETO DE PESQUISA: NOÇÕES PRELIMINARES E ESTRUTURA

A importância desta unidade para a construção do Plano de Pesquisa e para o desenvolvimento

do artigo a ser apresentado ao final do curso reflete a necessidade de encontrarmos uma homogeneidade entre os elementos que estão sendo construídos. Afinal, a produção dessa “colcha de retalhos” deve acontecer de forma a promover conexão, coesão e identidade entre as partes do seu trabalho. Então, não devemos desvincular o Plano da Pesquisa desse trabalho a ser apresentado ao final do curso, o artigo científico. Muito pelo contrário! Todas as etapas e elementos aqui desenvolvidos deverão ser a base para a proposição do artigo.

Neste momento da disciplina, esta unidade também se mostra importante em função de já termos passado por um Fórum no qual você e seus colegas tiveram a chance de iniciar a construção do Projeto de Pesquisa.

ATENÇÃO! Mesmo já tendo iniciado seu Projeto de Pesquisa, você ainda deverá realizar correções e
ATENÇÃO!
Mesmo já tendo iniciado seu Projeto de Pesquisa, você
ainda deverá realizar correções e modificações para que a
próxima tarefa – o envio dele – seja bem sucedida. Para
visualizar o Plano de Pesquisa que deverá ser preenchido e
enviado, vá até o Anexo, no final deste livro.
Para visualizar o Plano de Pesquisa que deverá ser preenchido e enviado, vá até o Anexo,

Diante disso, os subtemas desenvolvidos nesta unidade são: o Projeto de Pesquisa e sua estrutura básica; a relação entre os itens propostos no desenvolvimento do Plano de Pesquisa; as falhas comuns dos projetos e dicas e modelos de projetos.

Projeto de Pesquisa: estrutura básica ALGUNS CONCEITOS
Projeto de Pesquisa: estrutura básica
ALGUNS CONCEITOS

O projeto é um componente das etapas do processo de elaboração, execução e apresentação

da pesquisa. Seu desenvolvimento é bastante importante, pois traz à tona um alinhamento entre etapas, dados, objetivos e resultados. Sem um projeto, o pesquisador poderá se envolver

63
63

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

em um emaranhado de dados colhidos, sem saber como lidar com eles e desconhecer sua importância e seu significado (MARCONI, LAKATOS, 2010).

Assim descreve Rudio (2007, p.55, grifo nosso): “Fazer um projeto de pesquisa é traçar um caminho eficaz que conduza ao fim que se pretende atingir, livrando o pesquisador do perigo de se perder, antes de o ter alcançado.”

E Gil (2002): O projeto pode ser considerado um documento explicitador de ações a ser desenvolvido ao longo do processo de pesquisa.

Em uma pesquisa não existe o acaso! Tudo deve ser planejado, desde a escolha do tema até qual o modo de apresentação final do trabalho.

A falta do planejamento em uma pesquisa pode trazer inúmeras dificuldades:

Nossa! Estava com o trabalho praticamente pronto, mas vou ter que retornar às etapas iniciais
Nossa! Estava com o
trabalho praticamente pronto,
mas vou ter que retornar às
etapas iniciais para modificar
o objetivo do meu estudo!
Além disso, terei que
deletar várias páginas do
trabalho porque seu conteúdo
não contempla o objeto da
minha pesquisa!
Todas as fases da pesquisa devem ser previstas, considerando até mesmo situações bastante críticas, como
Todas as fases da pesquisa devem ser previstas, considerando
até mesmo situações bastante críticas, como pode ser a etapa
da coleta de dados em pesquisa de campo.
considerando até mesmo situações bastante críticas, como pode ser a etapa da coleta de dados em
64
64

UNIDADE 4: PROJETO DE PESQUISA: NOÇÕES PRELIMINARES E ESTRUTURA

EXEMPLO
EXEMPLO

Um aluno escolheu desenvolver um estudo de caso sobre uma empresa. Definiu tema, justificativa, pergunta, objetivos e métodos, e buscou ampla literatura para ancorar seu texto científico. No momento em que foi fazer a coleta de dados, a instituição não permitiu sua investigação, pois o contato que o tinha autorizado saiu da empresa. Todo o trabalho até então, infelizmente, teve que ser repensado, considerando outra instituição e muitos elementos a serem refeitos.

Para evitar equívocos, falhas e outras dificuldades, o Projeto de Pesquisa deve, primeiro, estar embasado em estudos preliminares. O aluno deve buscar na literatura a questão que pretende investigar e levantar conceitos e fundamentos teóricos, bem como identificar outros estudos e pesquisas que contemplem o mesmo objeto de estudo. Aliado a isso, seu projeto deve responder às seguintes questões:

que contemplem o mesmo objeto de estudo. Aliado a isso, seu projeto deve responder às seguintes
que contemplem o mesmo objeto de estudo. Aliado a isso, seu projeto deve responder às seguintes
65
65

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa

O quê? Por quê? Para quê? Para quem? Onde? Como? Com o quê? Quanto? Quando? Quem?

Essas perguntas se situam em diferentes fases e etapas do projeto e o pesquisador deve

estar atento a elas. Marconi e Lakatos (2010) relacionam tais questões à estrutura do projeto:

QUADRO 1 Estrutura do Projeto de Pesquisa

 

Estrutura do Projeto X Perguntas

1

Apresentação

Quem?

2

Justificativa

Por quê?

3