Você está na página 1de 54
UNIVERSIDADEUNIVERSIDADE GAMAGAMA FILHOFILHO –– UGFUGF BIOQUBIOQUÍÍMICAMICA DODO ESPORTEESPORTE EE DODO
UNIVERSIDADEUNIVERSIDADE GAMAGAMA FILHOFILHO –– UGFUGF
BIOQUBIOQUÍÍMICAMICA DODO ESPORTEESPORTE
EE DODO EXERCEXERCÍÍCIOCIO
Prof.Prof. Ms.Ms. ClaudioClaudio AssumpAssumpççãoão
Prof.Prof. Ms.Ms. DrndDrnd ChristianoChristiano BertoldoBertoldo UrtadoUrtado
TiposTipos dede energiaenergia SãoSão cincocinco osos tipostipos fundamentaisfundamentais dede energiaenergia
TiposTipos dede energiaenergia
SãoSão cincocinco osos tipostipos fundamentaisfundamentais dede
energiaenergia usadosusados pelopelo organismoorganismo
humano:humano:
--QUQUÍÍMICA;MICA;
-- MECÂNICA;MECÂNICA;
--ELELÉÉTRICA;TRICA;
-- TTÉÉRMICA;RMICA;
--PROTÔNICA;PROTÔNICA;
ENERGIASENERGIAS MECÂNICA:MECÂNICA: empregadaempregada nana execuexecuççãoão dede movimentosmovimentos
ENERGIASENERGIAS
MECÂNICA:MECÂNICA: empregadaempregada nana execuexecuççãoão dede
movimentosmovimentos corporais,corporais, batimentobatimento dede ccíílioslios ouou
deslocamentodeslocamento dede ccéélulaslulas (como(como leucleucóócitos,citos, porpor
exemplo)exemplo)
TTÉÉRMICA:RMICA: pelapela qualqual sese podepode mantermanter aa
temperaturatemperatura corporalcorporal numnum valorvalor óótimotimo parapara osos
principaisprincipais sistemassistemas enzimenzimááticosticos dodo organismo.organismo.
EstasEstas energiasenergias sãosão emem suasua maioriamaioria energiaenergia dede
trabalho,trabalho, sendosendo esteeste trabalhotrabalho representadorepresentado porpor
movimentomovimento dede matmatééria,ria, secresecreçção,ão, crescimentocrescimento
ouou fluxofluxo dede eleléétronstrons ouou ííons.ons.
BIOQUBIOQUÍÍMICAMICA EstudoEstudo Estudo dosdos dos processosprocessos processos ququíímicosmicos químicos
BIOQUBIOQUÍÍMICAMICA
EstudoEstudo Estudo dosdos dos processosprocessos processos ququíímicosmicos químicos encontradosencontrados encontrados
nosnos nos organismosorganismos organismos
OBJETIVOOBJETIVOOBJETIVO
EstruturasEstruturas Estruturas dasdas das molmolééculasculas moléculas encontradasencontradas encontradas nono no
organismoorganismo organismo
FunFunFunçãoççãoão BiolBiolBiológicaóógicagica destasdestasdestas molmolmoléculasééculasculas
MecanismosMecanismos Mecanismos envolvidosenvolvidos envolvidos nana na ssííntesentese síntese ee e
degradadegradaççãoão degradação
ENERGIASENERGIAS QUQUÍÍMICA:MICA: usadausada parapara aa construconstruççãoão dede molmolééculasculas parapara
ENERGIASENERGIAS
QUQUÍÍMICA:MICA: usadausada parapara aa construconstruççãoão dede
molmolééculasculas parapara finsfins estruturaisestruturais ouou funcionaisfuncionais
ELELÉÉTRICA:TRICA: usadausada parapara aa criacriaççãoão dede
potenciaispotenciais (de(de repouso,repouso, dede aaçção)ão) ouou
funcionamentofuncionamento dede bombasbombas (como(como nana cadeiacadeia
respiratrespiratóória,ria, ondeonde correntecorrente eleléétricatrica alimentaalimenta
bombasbombas dede prpróótons)tons)
PROTÔNICA:PROTÔNICA:
na na
qual qual
a a
energia energia
contida contida
num num
gradientegradiente eletroqueletroquíímicomico dede prpróótons pode ser usada
tons pode ser usada
parapara gerargerar ATPATP (na(na fosforilafosforilaççãoão oxidativaoxidativa))

Potencial de ação

QuandoQuando aa ccéélulalula éé ativada,ativada, oo potencialpotencial dada membranamembrana vaivai dede -- 9090 mVmV aa ++ 3030 mV,mV, aa polaridadepolaridade dada membranamembrana sese inverteinverte (positiva(positiva nono interiorinterior ee negativanegativa nono exterioexterior),r), nana fasefase dede despolarizadespolarizaçção.ão.

e e negativa negativa no no exterio exterio r), r), na na fase fase de de

Fases do potencial de ação típico da fibra de Purkinge (resposta rápida)

FaseFase ZeroZero -- despolarização, ocorre grande aumento à permeabilidade ao Na + , que entra na célula. FaseFase UmUm -- repolarização rápida precoce, diminui a permeabilidade ao Na + . FaseFase DoisDois -- platô do potencial de ação. FaseFase TrêsTrês -- repolarização, que é a volta do potencial de membrana ao valor de - 90 mV. Aumenta a permeabilidade aos íons K + , que saem da célula. FaseFase QuatroQuatro -- repouso elétrico. Entra em ação a bomba de Na + e K + .

CARBOIDRATOSCARBOIDRATOS PROTEPROTEÍÍNASNAS LIPLIPÍÍDIOSDIOS GLICOSEGLICOSE AMINOAMINOÁÁCIDOSCIDOS
CARBOIDRATOSCARBOIDRATOS
PROTEPROTEÍÍNASNAS
LIPLIPÍÍDIOSDIOS
GLICOSEGLICOSE
AMINOAMINOÁÁCIDOSCIDOS
ÁÁCIDOSCIDOS GRAXOSGRAXOS
AspAsp
AlaAla
IleIle
GluGlu
CysCys
LeuLeu
GlyGly
LysLys
SerSer
PhePhe
PIRUVATOPIRUVATO
AcetilAcetil--CoACoA (2)(2)
COCO 22
COCO 22
OxaloacetatoOxaloacetato (4)(4)
CitratoCitrato (6)(6)
CICLOCICLO
MalatoMalato (4)(4)
DEDE
IsocitratoIsocitrato (6)(6)
KREBSKREBS
COCO 22
FumaratoFumarato (4)(4)
αααααααα--CetoglutaratoCetoglutarato (5(5)
SuccinatoSuccinato (4)(4)
COCO 22
ConceitosConceitos BioquBioquíímicosmicos dede TransferênciaTransferência dede EnergiaEnergia:: EnergiaEnergia
ConceitosConceitos BioquBioquíímicosmicos dede
TransferênciaTransferência dede EnergiaEnergia::
EnergiaEnergia QuQuíímicamica:: energiaenergia
armazenadaarmazenada dentrodentro dasdas molmolééculasculas
emem ligaligaççõesões ququíímicasmicas covalentescovalentes ouou
não.não.
BioenergBioenergééticatica:: estudo estudo da da transferência transferência
dede energiaenergia entreentre asas reareaççõesões ququíímicas em
micas em
tecidostecidos vivos.vivos.
EnergiaEnergia livrelivre:: energiaenergia provenienteproveniente
dede umauma reareaççãoão ququíímicamica queque podepode serser
utilizadautilizada parapara realizarrealizar trabalho.trabalho.
parapara realizarrealizar trabalho.trabalho. FONTESFONTES ENERGENERGÉÉTICASTICAS OO organismoorganismo
FONTESFONTES ENERGENERGÉÉTICASTICAS OO organismoorganismo humanohumano éé umum sistemasistema aberto,aberto, comcom
FONTESFONTES ENERGENERGÉÉTICASTICAS
OO organismoorganismo humanohumano éé umum sistemasistema aberto,aberto, comcom
elevadoelevado graugrau dede organizaorganizaçção.ão.
ààss custascustas dede aumentoaumento nana entropiaentropia dodo meio,meio, sendosendo
necessnecessááriorio portantoportanto
(de(de acordoacordo comcom asas leisleis dada termodinâmica)termodinâmica)
umum contcontíínuonuo aporteaporte dede energiaenergia parapara queque aa vidavida sejaseja
mantida.mantida.

GG== variavariaççãoão dada energiaenergia livrelivre

EntropiaEntropia:: formaforma dede energiaenergia queque nãonão podepode serser utilizada,utilizada, definidadefinida comocomo umum aumentoaumento aleataleatóóriorio ouou desordenado.desordenado.

EquilEquilííbriobrio:: estadoestado dede balanbalanççoo dinâmicodinâmico emem umauma ouou maismais reareaççõesões queque procedemprocedem dede diredireççõesões opostas.opostas. ∆∆∆∆∆∆∆∆GG == zerozero

EntalpiaEntalpia:: energiaenergia ttéérmicarmica dispondisponíívelvel parapara realizarrealizar trabalhotrabalho emem temperaturatemperatura ee pressãopressão constantes.constantes. HH == alteraalteraççãoão dada entalpiaentalpia

QuantoQuanto maismais negativonegativo oo GG,, maismais energiaenergia livrelivre éé liberadaliberada pelapela reareaçção.ão. SeSe oo GG éé zerozero,, aa reareaççãoão estestáá emem equilequilííbriobrio ee nãonão ocorreocorre qualquerqualquer mudanmudanççaa nosnos substratos.substratos.

GG << 00 == reareaççãoão expontâneaexpontânea,, liberalibera energiaenergia

GG >> 00 == reareaççãoão nãonão expontâneaexpontânea,, necessitanecessita dede energiaenergia parapara ocorrer.ocorrer.

AA quantidadequantidade dede energiaenergia liberadaliberada ouou utilizadautilizada podepode serser expressaexpressa emem kjouleskjoules/mol/mol ouou kcaloriaskcalorias/mol./mol.

CompostosCompostos ricosricos emem energia:energia:

NaNa maioriamaioria dasdas vezesvezes oo grupamentogrupamento fosfatofosfato estestáá envolvidoenvolvido nana ligaligaçção,ão, cujacuja hidrhidróóliselise éé acompanhadaacompanhada dede grandegrande liberaliberaççãoão dede energia.energia.

ó lise lise é é acompanhada acompanhada de de grande grande libera libera ç ç ão
libera libera ç ç ão ão de de energia. energia. Classifica Classifica ç ç ão ão

ClassificaClassificaççãoão ee NomenclaturaNomenclatura

OxidorredutasesOxidorredutases Oxidorredutases
OxidorredutasesOxidorredutases Oxidorredutases

CatalisamCatalisam reareaççõesões dede óóxidoxido--redureduççãoão

CHCH 33 CHCH COOCOO -- ++ LactatoLactato NADNAD ++ OHOH 2e2e LactatoLactato desidrogenasedesidrogenase CHCH 33
CHCH 33
CHCH
COOCOO -- ++
LactatoLactato
NADNAD ++
OHOH 2e2e
LactatoLactato desidrogenasedesidrogenase
CHCH 33
CC
COOCOO -- ++
NADHNADH
++
HH
PiruvatoPiruvato
OO

EnzimasEnzimas

AA manutenmanutenççãoão dada vidavida celularcelular dependedepende dada contcontíínuanua ocorrênciaocorrência dede umum conjuntoconjunto dede reareaççõesões ququíímicas,micas, queque devemdevem atenderatender duasduas exigênciasexigências fundamentais:fundamentais:

SeremSerem altamentealtamente especespecííficasficas

OcorrerOcorrer emem velocidadesvelocidades adequadasadequadas

TodasTodas asas ccéélulaslulas dispõemdispõem dede proteproteíínasnas capazescapazes dede exercerexercer funfunççãoão catalcatalíítica:tica:

Enzimas EnzimasEnzimas
Enzimas EnzimasEnzimas
Algumas enzimas, chamadas de enzimas alostéricas podem sofrer regulação por alguns compostos, sendo por eles
Algumas enzimas, chamadas de enzimas alostéricas podem
sofrer regulação por alguns compostos, sendo por eles
ativados ou inibidos.

QuinasesQuinases:: sãosão enzimasenzimas queque catalisamcatalisam aa transferênciatransferência dede umum grupogrupo fosfatofosfato dede altaalta energiaenergia (em(em geralgeral dodo ATP)ATP) parapara umauma molmolééculacula receptora.receptora.

Isomerases: SãoSão enzimasenzimas queque catalisamcatalisam reareaççõesões dede isomerizaisomerizaççãoão (troca(troca dede gruposgrupos ququíímicos).micos).

Mutases: SãoSão isomerasesisomerases queque catalisamcatalisam aa transferênciatransferência dede gruposgrupos fosfatofosfato dede baixabaixa energiaenergia dede umauma posiposiççãoão parapara outra,outra, dentrodentro dada mesmamesma molmoléécula.cula.

Desidrogenases: SãoSão enzimasenzimas queque catalisamcatalisam reareaççõesões dede óóxidoxido--redureduçção,ão, porpor transferênciatransferência dede hidrogêniohidrogênio dodo substratosubstrato parapara umauma coenzima,coenzima, geralmentegeralmente NADNAD ++ ouou FAD.FAD.

Coenzimas:Coenzimas: SãoSão molmolééculasculas orgânicas,orgânicas, nãonão protprotééicas,icas, dede complexidadecomplexidade variada,variada, cujacuja associaassociaççãoão comcom determinadasdeterminadas enzimasenzimas éé essencialessencial parapara queque aa enzimaenzima possapossa exercerexercer seuseu papelpapel catalcatalíítico.tico.

Coenzima

Grupo Transp.

Vitamina

AdenosinaAdenosina TrifosfatoTrifosfato (ATP)(ATP) TiaminaTiamina pirofosfatopirofosfato (TPP)(TPP) FADFAD CoenzimaCoenzima AA

FosfatoFosfato

AldeAldeíídodo

TiaminaTiamina (B(B 11 )) RiboflavinaRiboflavina (B(B 22 )) ÁÁcc PantotênicoPantotênico (B(B 33 ))

HidrogênioHidrogênio

AcilaAcila

NADNAD ++

HidretoHidreto

NicotinamidaNicotinamida (B(B 55 ))

LLÍÍQUIDOSQUIDOS EXTRAEXTRA EE INTRACELULARINTRACELULAR Extracelular:Extracelular: contcontéémm grandesgrandes
LLÍÍQUIDOSQUIDOS EXTRAEXTRA EE INTRACELULARINTRACELULAR
Extracelular:Extracelular: contcontéémm grandesgrandes quantidadesquantidades dede
NaNa ++ ,, ClCl -- ,, HCOHCO 33 -- ,, OO 22 ,, glicose,glicose, AGsAGs,, AAsAAs ee COCO 22
Intracelular:Intracelular: contcontéémm grandesgrandes quantidadesquantidades dede KK ++ ,,
MgMg +2+2 ee fosfatofosfato
HOMEOSTASIAHOMEOSTASIA:: manutenmanutenççãoão dasdas condicondiççõesões
estestááticasticas ouou constantesconstantes dodo meiomeio internointerno
ORGANIZAORGANIZAÇÇÃOÃO DADA CCÉÉLULALULA 22 partespartes principais:principais: NNúúcleocleo ee
ORGANIZAORGANIZAÇÇÃOÃO DADA CCÉÉLULALULA
22 partespartes principais:principais: NNúúcleocleo ee CitoplasmaCitoplasma
ORGANIZAORGANIZAÇÇÃOÃO FUNCIONALFUNCIONAL DODO ORGANISMOORGANISMO CCÉÉLULALULA == unidadeunidade vivaviva
ORGANIZAORGANIZAÇÇÃOÃO FUNCIONALFUNCIONAL
DODO ORGANISMOORGANISMO
CCÉÉLULALULA == unidadeunidade vivaviva bbáásicasica dodo corpocorpo
CadaCada tipotipo éé especialmenteespecialmente adaptadoadaptado aa
desempenhardesempenhar umauma ouou algumasalgumas funfunççõesões
CaracterCaracteríísticassticas bbáásicassicas == utilizautilizaççãoão dodo
oxigêniooxigênio ee substratossubstratos parapara gerargerar energiaenergia
ee substratossubstratos parapara gerargerar energiaenergia PRINCIPAISPRINCIPAIS COMPONENTESCOMPONENTES DADA
PRINCIPAISPRINCIPAIS COMPONENTESCOMPONENTES DADA CCÉÉLULALULA ÁÁgua:gua: 7070--85%;85%;
PRINCIPAISPRINCIPAIS COMPONENTESCOMPONENTES
DADA CCÉÉLULALULA
ÁÁgua:gua: 7070--85%;85%;
EletrEletróólitos;litos;
ProteProteíínas:nas: estruturaisestruturais ee globulares;globulares;
LipLipíídios:dios: 2%;2%;
Carboidratos.Carboidratos.
MembranaMembrana ORGANIZAORGANIZAÇÇÃOÃO DADA CCÉÉLULALULA celularcelular MitocôndriaMitocôndria
MembranaMembrana
ORGANIZAORGANIZAÇÇÃOÃO DADA CCÉÉLULALULA
celularcelular
MitocôndriaMitocôndria
LisossomoLisossomo
MembranaMembrana
nuclearnuclear
RetRetíículoculo
ComplexoComplexo dede GolgiGolgi
endoplasmendoplasmááticotico
CentrCentrííolosolos
MEMBRANAMEMBRANA BIOLBIOLÓÓGICAGICA ProteProteíínasnas LipLipíídiosdios
MEMBRANAMEMBRANA BIOLBIOLÓÓGICAGICA
ProteProteíínasnas
LipLipíídiosdios

BICAMADABICAMADA LIPLIPÍÍDICADICA

BICAMADA BICAMADA LIP LIP Í Í DICA DICA MISCELAMISCELA
BICAMADA BICAMADA LIP LIP Í Í DICA DICA MISCELAMISCELA
MISCELAMISCELA
MISCELAMISCELA
MEMBRANAMEMBRANA CELULARCELULAR
MEMBRANAMEMBRANA CELULARCELULAR
MOSAICOMOSAICO FLUIDOFLUIDO PROTEPROTEÍÍNASNAS LIPLIPÍÍDIOSDIOS
MOSAICOMOSAICO FLUIDOFLUIDO
PROTEPROTEÍÍNASNAS
LIPLIPÍÍDIOSDIOS
ExtracelularExtracelular POLARPOLAR HIDROFHIDROFÍÍLICALICA APOLARAPOLAR HIDROFHIDROFÓÓBICABICA POLARPOLAR
ExtracelularExtracelular
POLARPOLAR
HIDROFHIDROFÍÍLICALICA
APOLARAPOLAR
HIDROFHIDROFÓÓBICABICA
POLARPOLAR
HIDROFHIDROFÍÍLICALICA
IntracelularIntracelular
REGIÃOREGIÃO POLARPOLAR HIDROFHIDROFÍÍLICALICA FOSFOLIPFOSFOLIPÍÍDIODIO REGIÃOREGIÃO APOLARAPOLAR
REGIÃOREGIÃO POLARPOLAR
HIDROFHIDROFÍÍLICALICA
FOSFOLIPFOSFOLIPÍÍDIODIO
REGIÃOREGIÃO APOLARAPOLAR
HIDROFHIDROFÓÓBICABICA
REGIÃOREGIÃO APOLARAPOLAR HIDROFHIDROFÓÓBICABICA BICAMADABICAMADA FOSFOLIPFOSFOLIPÍÍDICADICA
BICAMADABICAMADA FOSFOLIPFOSFOLIPÍÍDICADICA FLUIDEZFLUIDEZ
BICAMADABICAMADA
FOSFOLIPFOSFOLIPÍÍDICADICA
FLUIDEZFLUIDEZ
COLINACOLINA SERINASERINA ETANOLAMINAETANOLAMINA INOSITOLINOSITOL
COLINACOLINA
SERINASERINA
ETANOLAMINAETANOLAMINA
INOSITOLINOSITOL
COLESTEROLCOLESTEROL FLEXIBILIDADEFLEXIBILIDADE EE PERMEABILIDADEPERMEABILIDADE
COLESTEROLCOLESTEROL
FLEXIBILIDADEFLEXIBILIDADE EE PERMEABILIDADEPERMEABILIDADE
POSIPOSIÇÇÃOÃO INTERLIPINTERLIPÍÍDICADICA FOSFOLIPFOSFOLIPÍÍDIODIO COLESTEROLCOLESTEROL
POSIPOSIÇÇÃOÃO INTERLIPINTERLIPÍÍDICADICA
FOSFOLIPFOSFOLIPÍÍDIODIO
COLESTEROLCOLESTEROL
MOVIMENTOMOVIMENTO LIPLIPÍÍDICODICO
MOVIMENTOMOVIMENTO LIPLIPÍÍDICODICO
PROTEPROTEÍÍNANA INTEGRALINTEGRAL
PROTEPROTEÍÍNANA INTEGRALINTEGRAL
TransportadoresTransportadores
TransportadoresTransportadores
PROTEPROTEÍÍNASNAS DEDE MEMBRANAMEMBRANA CANAISCANAIS IÔNICOSIÔNICOS POROSPOROS TRANSPORTADORESTRANSPORTADORES
PROTEPROTEÍÍNASNAS DEDE MEMBRANAMEMBRANA
CANAISCANAIS IÔNICOSIÔNICOS
POROSPOROS
TRANSPORTADORESTRANSPORTADORES
BOMBASBOMBAS
SINALIZADORESSINALIZADORES
AQUAPORINASAQUAPORINAS HH 22 OO HH 22 OO HH 22 OO HH 22 OO HH OO
AQUAPORINASAQUAPORINAS
HH 22 OO
HH 22 OO
HH 22 OO
HH 22 OO
HH OO
HH OO
HH OO
OO
22
22
HH 22
22
HH 22 OO
HH 22 OO
HH 22 OO
HH 22 OO
HH 22 OO
HH 22 OO
HH 22 OO
PROTEPROTEÍÍNANA PERIFPERIFÉÉRICARICA
PROTEPROTEÍÍNANA PERIFPERIFÉÉRICARICA
PROTEPROTEÍÍNANA INTEGRALINTEGRAL ATPaseATPase
PROTEPROTEÍÍNANA
INTEGRALINTEGRAL
ATPaseATPase
RedeRede Rede dede de estruturasestruturas estruturas tubularestubulares tubulares ee e vesicularesvesiculares
RedeRede Rede dede de estruturasestruturas estruturas
tubularestubulares tubulares ee e vesicularesvesiculares vesiculares
achatadasachatadas achatadas
interconectadasinterconectadas interconectadas
ResponsResponsáávelvel Responsável porpor por grandegrande grande
parteparte parte dasdas das funfunççõesões funções
metabmetabóólicaslicas metabólicas dada da ccéélulalula célula
MatrizMatriz Matriz endoplasmendoplasmáática:tica: endoplasmática:
espaespaççoo espaço llííquidoquido líquido nono no
interiorinterior interior dosdos dos ttúúbulosbulos túbulos ee e
vesvesíículasculas vesículas
RETRETRETÍCULOÍÍCULOCULO ENDOPLASMENDOPLASMENDOPLASMÁTICOÁÁTICOTICO LISOLISOLISO RERE RE agranularagranular
RETRETRETÍCULOÍÍCULOCULO ENDOPLASMENDOPLASMENDOPLASMÁTICOÁÁTICOTICO LISOLISOLISO
RERE RE agranularagranular agranular == = NãoNão Não
apresentaapresenta apresenta ribossomosribossomos ribossomos
fixadosfixados fixados
AtuaAtua Atua
nana na
ssííntesentese síntese
dede de
substânciassubstâncias substâncias
liplipíídicasdicas lipídicas
ee e
emem em
processosprocessos processos
enzimenzimááticosticos enzimáticos
OO CITOPLASMACITOPLASMA EE SUASSUAS ORGANELASORGANELAS CitosolCitosol:: Citosol: frafraççãoão fração
OO CITOPLASMACITOPLASMA EE SUASSUAS ORGANELASORGANELAS
CitosolCitosol:: Citosol: frafraççãoão fração llííquidaquida líquida claraclara clara dodo do citoplasma,citoplasma, citoplasma, ondeonde onde
partpartíículasculas estãoestão dispersasdispersas
partículas estão dispersas
CCóórtexrtex Córtex ouou ou ectoplasma:ectoplasma: ectoplasma: imediatamenteimediatamente imediatamente abaixoabaixo abaixo dada da
membrana,membrana, membrana,
densadensa densa
malhamalha malha
dede de
microfilamentosmicrofilamentos microfilamentos
entrecruzadosentrecruzados entrecruzados (fibrilas(fibrilas (fibrilas dede de actinaactina)) actina)
Endoplasma:Endoplasma: Endoplasma: parteparte parte situadasituada situada entreentre entre oo o ccóórtexrtex córtex ee e aa a
membranamembrana membrana nuclearnuclear nuclear

RETRETRETÍCULOÍÍCULOCULO ENDOPLASMENDOPLASMENDOPLASMÁTICOÁÁTICOTICO RUGOSORUGOSORUGOSO

PartPartíículasculas Partículas granularesgranulares granulares == = RibossomosRibossomos Ribossomos presospresos
PartPartíículasculas Partículas granularesgranulares granulares == = RibossomosRibossomos Ribossomos presospresos presos àà à
superfsuperfííciecie externaexterna dodo RERE
superfície externa do RE
AtuaAtua Atua nana na ssííntesentese síntese
RibossomosRibossomos Ribossomos == =
dede proteproteíínasnas
de proteínas
ARNARN ++ proteproteíínasnas
ARN + proteínas
APARELHOAPARELHO DEDE GOLGIGOLGI oo aparelhoaparelho dede GolgiGolgi
APARELHOAPARELHO DEDE GOLGIGOLGI
oo aparelhoaparelho dede GolgiGolgi
APARELHOAPARELHO DEDE GOLGIGOLGI
APARELHOAPARELHO DEDE GOLGIGOLGI
LISOSSOMOSLISOSSOMOS OrganelasOrganelas Organelas vesicularesvesiculares vesiculares formadasformadas formadas pelopelo
LISOSSOMOSLISOSSOMOS
OrganelasOrganelas Organelas vesicularesvesiculares vesiculares formadasformadas formadas pelopelo pelo aparelhoaparelho aparelho dede de
Golgi,Golgi, Golgi, queque que sese se dispersamdispersam dispersam porpor por todotodo todo oo o citoplasmacitoplasma citoplasma
FormamFormam Formam
umum um
sistemasistema sistema
digestivodigestivo digestivo
intracelular,intracelular, intracelular,
capacitacapacita capacita
aa a
ccéélulalula célula
aa a
digerirdigerir digerir
substânciassubstâncias substâncias
ee e
estruturasestruturas estruturas intracelularesintracelulares intracelulares
PEROXISSOMOSPEROXISSOMOS EmEmEm termostermostermos fffísicos,íísicos,sicos, semelhantessemelhantessemelhantes
PEROXISSOMOSPEROXISSOMOS
EmEmEm termostermostermos fffísicos,íísicos,sicos, semelhantessemelhantessemelhantes aosaosaos lisossomoslisossomoslisossomos
22 2
diferendiferençças:as: diferenças:
formadosformados formados
porpor por
autoauto--replicareplicaççãoão auto-replicação
ouou ou
brotamentosbrotamentos brotamentos dodo do RERE RE lisoliso liso ee e nãonão não dodo do aparelhoaparelho aparelho dede de GolgiGolgi Golgi
ContContContéméémm oxidasesoxidasesoxidases eee nãonãonão hidrolaseshidrolaseshidrolases
CombinamCombinam Combinam oo o OO O
comcom HH
com H ,, oriundosoriundos dede diversosdiversos
++ +
, oriundos de diversos
22 2
processosprocessos intracelularesintracelulares parapara formarformar HH
processos intracelulares para formar H OO
O
22 2
22 2
RELARELAÇÇÃOÃO ENTREENTRE RERE EE APARELHOAPARELHO DEDE GOLGIGOLGI RERERE lisolisoliso AparelhoAparelhoAparelho
RELARELAÇÇÃOÃO ENTREENTRE RERE EE APARELHOAPARELHO DEDE GOLGIGOLGI
RERERE lisolisoliso
AparelhoAparelhoAparelho dedede GolgiGolgiGolgi
SubstânciasSubstâncias Substâncias presaspresas presas
asas as vesvesíículasculas vesículas dodo do RERE RE
TransporteTransporteTransporte
SubstânciasSubstâncias Substâncias
processadasprocessadas processadas
FormaFormaççãoão Formação
dede de
lisossomos,lisossomos, lisossomos,
vesvesíículasculas vesículas secretorassecretoras secretoras ouou ou outrosoutros outros
componentescomponentes componentes citoplasmcitoplasmááticosticos citoplasmáticos
LISOSSOMOSLISOSSOMOS
LISOSSOMOSLISOSSOMOS
LISOSSOMOSLISOSSOMOS
PEROXISSOMOSPEROXISSOMOS
PEROXISSOMOSPEROXISSOMOS
VESVESÍÍCULASCULAS SECRETORASSECRETORAS
VESVESÍÍCULASCULAS SECRETORASSECRETORAS

FormadasFormadasFormadas pelopelopelo sistemasistemasistema RERERE---aparelhoaparelhoaparelho dedede GolgiGolgiGolgi

- - -aparelho aparelho aparelho de de de Golgi Golgi Golgi Liberadas Liberadas Liberadas pelo pelo

LiberadasLiberadas Liberadas pelopelo pelo aparelhoaparelho aparelho dede de GolgiGolgi Golgi nono no citoplasma,citoplasma, citoplasma,

nono no interiorinterior interior dede de vesvesíículasculas vesículas dede de armazenamentoarmazenamento armazenamento

de de de armazenamento armazenamento armazenamento VES VES Í Í CULAS CULAS SECRETORAS SECRETORAS OU OU

VESVESÍÍCULASCULAS SECRETORASSECRETORAS OUOU GRÂNULOSGRÂNULOS SECRETORESSECRETORES

OU OU GRÂNULOS GRÂNULOS SECRETORES SECRETORES ESTRUTURAESTRUTURA DADA MITOCÔNDRIAMITOCÔNDRIA
ESTRUTURAESTRUTURA DADA MITOCÔNDRIAMITOCÔNDRIA MembranaMembrana Membrana internainterna interna MembranaMembrana
ESTRUTURAESTRUTURA DADA MITOCÔNDRIAMITOCÔNDRIA
MembranaMembrana Membrana
internainterna interna
MembranaMembrana Membrana
externaexterna externa
CristasCristasCristas
MatrizMatrizMatriz
EnzimasEnzimas Enzimas parapara para aa a
CâmaraCâmaraCâmara externaexternaexterna
fosforilafosforilaççãoão oxidativaoxidativa
fosforilação oxidativa
VESVESÍÍCULASCULAS SECRETORASSECRETORAS
VESVESÍÍCULASCULAS SECRETORASSECRETORAS
VESVESÍÍCULASCULAS SECRETORASSECRETORAS
MITOCÔNDRIASMITOCÔNDRIAS UsinasUsinas Usinas dasdas das ccéélulas,lulas, células, presentespresentes presentes emem
MITOCÔNDRIASMITOCÔNDRIAS
UsinasUsinas Usinas dasdas das ccéélulas,lulas, células, presentespresentes presentes emem em todastodas todas asas as partespartes partes
dodo do citoplasmacitoplasma citoplasma (varia(varia (varia dede de menosmenos menos dede de 100100 100 aa a milhares)milhares) milhares)
SuaSua Sua quantidadequantidade quantidade dependedepende depende dede de quantoquanto quanto dede de energiaenergia energia aa a
ccéélulalula célula necessita,necessita, necessita, sãosão são autoauto--replicativasreplicativas,, auto-replicativas, contcontéémm contém
ADN.ADN. ADN.
LocalizamLocalizam--sese Localizam-se
nasnas nas
regiõesregiões regiões
celularescelulares celulares
queque que
sãosão são
responsresponsááveisveis responsáveis pelapela pela maiormaior maior parteparte parte dodo do metabolismometabolismo metabolismo
CENTRCENTRÍÍOLOSOLOS ParticipamParticipam nono processoprocesso dede divisãodivisão celularcelular 99 triostrios
CENTRCENTRÍÍOLOSOLOS
ParticipamParticipam nono processoprocesso dede divisãodivisão celularcelular
99 triostrios dede microtmicrotúúbulosbulos organizadosorganizados emem
formaforma dede cilindrocilindro
NNÚÚCLEOCLEO CentroCentro Centro dede de controlecontrole controle dada da ccéélula,lula, célula,
NNÚÚCLEOCLEO
CentroCentro Centro
dede de
controlecontrole controle
dada da
ccéélula,lula, célula,
contcontéémm contém
grandegrande grande quantidadequantidade quantidade dede de ADNADN ADN
MaterialMaterialMaterial gengengenético:éético:tico: mitosemitosemitose (divisão(divisão(divisão celular)celular)celular)
LocalLocalLocal ondeondeonde estãoestãoestão ososos cromossomoscromossomoscromossomos
NUCLNUCLÉÉOLOSOLOS NãoNãoNão apresentaapresentaapresenta membranamembranamembrana limitantelimitantelimitante
NUCLNUCLÉÉOLOSOLOS
NãoNãoNão apresentaapresentaapresenta membranamembranamembrana limitantelimitantelimitante
EstruturaEstrutura Estrutura queque que contcontéémm contém grandegrande grande quantidadequantidade quantidade
dede de ADNADN ADN ee e proteproteíínasnas proteínas
FicaFica Fica
aumentadoaumentado aumentado
quandoquando quando
aa a
ccéélulalula célula
estestáá está
ativamenteativamente ativamente sintetizandosintetizando sintetizando proteproteíínasnas proteínas

CorridasCorridas

BioenergBioenergééticatica

ENERGIA EENNEERRGGIIAA produzirproduzir trabalhotrabalho
ENERGIA EENNEERRGGIIAA
produzirproduzir trabalhotrabalho
ENERGIA EENNEERRGGIIAA produzirproduzir trabalhotrabalho Lutas Lutas Surf Surf AerAeróóbiobio Aeróbio

LutasLutas

produzirproduzir trabalhotrabalho Lutas Lutas Surf Surf AerAeróóbiobio Aeróbio AnaerAnaeróóbiobio

SurfSurf

produzirproduzir trabalhotrabalho Lutas Lutas Surf Surf AerAeróóbiobio Aeróbio AnaerAnaeróóbiobio Anaeróbio
AerAeróóbiobio Aeróbio AnaerAnaeróóbiobio Anaeróbio
AerAeróóbiobio Aeróbio
AnaerAnaeróóbiobio Anaeróbio

MusculaMusculaççãoão Muscula Muscula ç ç ão

ATPATP

ATPaseATPase

ADPADP ++ PiPi ++ energiaenergia

EnvelopeEnvelope Envelope nuclearnuclear nuclear –– – NucleoplasmaNucleoplasmaNucleoplasma membranamembrana
EnvelopeEnvelope Envelope nuclearnuclear nuclear –– –
NucleoplasmaNucleoplasmaNucleoplasma
membranamembrana membrana externaexterna externa ee e internainterna interna
LâminaLâmina Lâmina
nuclearnuclear nuclear
NuclNuclNucléoloééoloolo
PorosPorosPoros nuclearesnuclearesnucleares
CCÉÉLULALULA UTILIZAUTILIZAÇÇÃOÃO EE FORMASFORMAS DEDE ENERGIAENERGIA
CCÉÉLULALULA
UTILIZAUTILIZAÇÇÃOÃO EE FORMASFORMAS DEDE ENERGIAENERGIA
nuclearesnuclearesnucleares CCÉÉLULALULA UTILIZAUTILIZAÇÇÃOÃO EE FORMASFORMAS DEDE ENERGIAENERGIA 11
AMP AMP ADP ADP ATP ATP METABOLISMOMETABOLISMO MUSCULARMUSCULAR MMúúsculosculo esquelesquelééticotico

AMPAMP

ADPADP

ATPATP

AMP AMP ADP ADP ATP ATP
AMP AMP ADP ADP ATP ATP METABOLISMOMETABOLISMO MUSCULARMUSCULAR MMúúsculosculo esquelesquelééticotico
METABOLISMOMETABOLISMO MUSCULARMUSCULAR MMúúsculosculo esquelesquelééticotico humanohumano PodePode exercerexercer
METABOLISMOMETABOLISMO MUSCULARMUSCULAR
MMúúsculosculo esquelesquelééticotico humanohumano
PodePode exercerexercer forforççaa semsem aa utilizautilizaççãoão dodo oxigêniooxigênio
HabilidadeHabilidade dede gerargerar energiaenergia anaeranaeróóbiamentebiamente
22 sistemassistemas dispondisponííveisveis
WILMOREWILMORE && COSTILL,COSTILL, 2001.2001.

COMOCOMO SESE CONSTRCONSTRÓÓII OO

ATP???ATP???

PARAPARA QUEQUE SERVESERVE OO ATP???ATP???

McARDLE et al., 1996
McARDLE et al., 1996
33 PROCESSOSPROCESSOS PARAPARA FORMAFORMAÇÇÃOÃO DODO ATPATP •• SistemaSistema ATPATP--CPCP
33 PROCESSOSPROCESSOS PARAPARA FORMAFORMAÇÇÃOÃO DODO ATPATP
••
SistemaSistema ATPATP--CPCP (fosfagênio);(fosfagênio);
••
SistemaSistema GlicolGlicolííticotico (anaer(anaeróóbio);bio);
••
MetabolismoMetabolismo aeraeróóbio.bio.
LigaLigaççãoão Ligação dede de fosfatofosfato fosfato dede altaalta energiaenergia de alta energia
LigaLigaççãoão Ligação dede de fosfatofosfato fosfato
dede altaalta energiaenergia
de alta energia
ADENOSINAADENOSINA
PP
PP
PP
AA
ATPATP
ADPADP
EnergiaEnergia
ADENOSINAADENOSINA
PP
PP
PP
PiPi
BB
ADENOSINAADENOSINA TRIFOSFATOTRIFOSFATO –– ATPATP ArmazenadoArmazenadoArmazenado ememem todastodastodas asasas
ADENOSINAADENOSINA TRIFOSFATOTRIFOSFATO –– ATPATP
ArmazenadoArmazenadoArmazenado ememem todastodastodas asasas cccélulaséélulaslulas muscularesmuscularesmusculares
AAA cccélulaséélulaslulas sssóóó consegueconsegueconsegue realizarrealizarrealizar seuseuseu trabalhotrabalhotrabalho
AA A partirpartir partir dada da energiaenergia energia liberadaliberada liberada pelapela pela desintegradesintegraççãoão desintegração
destedeste deste compostocomposto composto
CompostoCompostoComposto dedede adenosinaadenosinaadenosina +++ 333 fosfatosfosfatosfosfatos
CINGOLANICINGOLANI && HOUSSAY,HOUSSAY, 2004.2004.
SISTEMASISTEMA FOSFAGÊNIOFOSFAGÊNIO (al(aláático)tico) –– (ATP(ATP--CP)CP) LigaLigaççãoão Ligação dosdos
SISTEMASISTEMA FOSFAGÊNIOFOSFAGÊNIO (al(aláático)tico) –– (ATP(ATP--CP)CP)
LigaLigaççãoão Ligação dosdos dos 22 2 fosfatosfosfatos fosfatos terminais=terminais= terminais= ligaligaççõesões ligações dede de
altaalta alta energiaenergia energia
QuebraQuebraQuebra destasdestasdestas === liberaliberaliberaçãoççãoão dedede 777 a12a12a12 quilocaloriasquilocaloriasquilocalorias
FormaFormaFormaçãoççãoão dododo ADPADPADP +++ PiPiPi
LigaLigaççãoão Ligação dede de fosfatofosfato fosfato dede altaalta energiaenergia de alta energia EnergiaEnergia
LigaLigaççãoão Ligação dede de fosfatofosfato fosfato
dede altaalta energiaenergia
de alta energia
EnergiaEnergia
CREATINACREATINA
CREATINACREATINA
PP
PP
PiPi
AA
BB
CREATINACREATINA KINASEKINASE
PCPC
CC
SISTEMASISTEMA FOSFAGÊNIOFOSFAGÊNIO (al(aláático)tico) ATPATP--CPCP CapacidadeCapacidadeCapacidade
SISTEMASISTEMA FOSFAGÊNIOFOSFAGÊNIO (al(aláático)tico) ATPATP--CPCP
CapacidadeCapacidadeCapacidade limitadalimitadalimitada
QuantidadeQuantidadeQuantidade totaltotaltotal dedede energiaenergiaenergia ééé pequenapequenapequena
FadigaFadiga Fadiga podepode pode ocorrerocorrer ocorrer rapidamenterapidamente rapidamente (se(se (se nãonão não
houverhouver houver outraoutra outra fontefonte fonte dede de energiaenergia energia dispondisponíívelvel disponível
CorridasCorridasCorridas dedede 303030 eee 505050 metrosmetrosmetros (velocidade(velocidade(velocidade mmmáxima)ááxima)xima)
MAUGHAN,MAUGHAN, GLESSONGLESSON && GREENHAFF,GREENHAFF, 2000.2000.
ATP-CP esforço máximo de 14 segundos 120 ATP CP 100 80 60 40 20 0
ATP-CP
esforço máximo de 14 segundos
120
ATP
CP
100
80
60
40
20
0
0
2
4
6
8
10
12
14
Tempo (s)
100 metros rasos
45
40
35
30
25
20
15
10
5
0
0
20
40
60
80
100
120
Distância (m)
% do valor de repo
Velocidade (Km/h)
RENDIMENTO ENERGÉTICO 1 ATP / CP
RENDIMENTO ENERGÉTICO
1 ATP / CP
EXERCÍCIO E RECUPERAÇÃO 40 35 30 25 20 15 10 5 0 -8 -6 -4
EXERCÍCIO E RECUPERAÇÃO
40
35
30
25
20
15
10
5
0
-8
-6
-4
-2
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
20
22
Tempo (minutos)
CP (mmol/Kg músculo)
RESUMORESUMO RESUMO DASDAS DAS REAREAÇÇÕESÕES REAÇÕES ACOPLADASACOPLADAS ACOPLADAS PARAPARA PARA
RESUMORESUMO RESUMO DASDAS DAS REAREAÇÇÕESÕES REAÇÕES ACOPLADASACOPLADAS ACOPLADAS
PARAPARA PARA RESSRESSÍÍNTESENTESE RESSÍNTESE DEDE DE ATPATP ATP
PCPC
PiPi ++ CC ++ EnergiaEnergia
EnergiaEnergia ++ ADPADP ++ PiPi
ATPATP
SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO (anaer(anaeróóbio)bio) SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO
SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO (anaer(anaeróóbio)bio)
SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO (anaer(anaeróóbio)bio)
AtivaAtivaAtivaçãoççãoão instantâneainstantâneainstantânea nonono inininícioííciocio dododo exercexercexercícioííciocio
MMúúsculosculo Músculo nãonão não sese se exaureexaure exaure apapóóss após algunsalguns alguns segundossegundos segundos
dede de esforesforçço,o, esforço, outraoutra outra fontefonte fonte dispondisponíívelvel disponível (glic(glicóólise)lise) (glicólise)
AAA taxataxataxa dedede formaformaformaçãoççãoão dododo lactatolactatolactato dependedependedepende
QuebraQuebra Quebra dada da molmolééculacula molécula dede de glicose,glicose, glicose, nãonão não utilizandoutilizando utilizando
oxigênio,oxigênio, oxigênio, masmas mas resultaresulta resulta emem em energia,energia, energia, formaforma forma dede de ATPATP ATP
IntensidadeIntensidadeIntensidade dododo exercexercexercícioííciocio
ProdutoProduto Produto finalfinal final destedeste deste sséérierie série dede de reareaççõesões reações ququíímicasmicas químicas éé é
oo o Piruvato,Piruvato, Piruvato, sendosendo sendo removidoremovido removido pelapela pela conversãoconversão conversão dede de
IntensidadeIntensidadeIntensidade relativarelativarelativa dododo exercexercexercícioííciocio
lactato,lactato, lactato, anaeranaeróóbiamente.biamente. anaeróbiamente.
lactato, anaeranaeróóbiamente.biamente. anaeróbiamente. SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO
SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO (anaer(anaeróóbio)bio) sistemasistema éé superiorsuperior aoao sistemasistema
SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO (anaer(anaeróóbio)bio)
sistemasistema éé superiorsuperior aoao sistemasistema fosfagêniofosfagênio
CapacidadeCapacidade Capacidade
((mmolmmol (mmol ATPATP ATP KgKg Kg dmdm dm
--11 -1
)) )
SistemaSistema Sistema fosfagêniofosfagênio fosfagênio
5555--9595 55-95
SistemaSistema Sistema glicolglicolííticotico glicolítico
190190--300300 190-300
CombinadoCombinado Combinado
250250--370370 250-370
MONTGOMERY,MONTGOMERY, 1990.1990.
SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO (anaer(anaeróóbio)bio) UmaUma Uma grandegrande grande parte,parte, parte,
SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO (anaer(anaeróóbio)bio)
UmaUma Uma grandegrande grande parte,parte, parte, masmas mas nãonão não todatoda toda dodo do glicogênioglicogênio glicogênio
muscular;muscular; muscular;
PodePodePode serserser utilizadautilizadautilizada paraparapara produproduproduçãoççãoão dedede energia;energia;energia;
EsforEsforEsforçosççosos dedede intensidadeintensidadeintensidade mmmáxima;ááxima;xima;
DurandoDurandoDurando entreentreentre 20s20s20s eee 555 minutos.minutos.minutos.
MAUGHAN,MAUGHAN, GLESSONGLESSON && GREENHAFF,GREENHAFF, 2000.2000.
SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO (anaer(anaeróóbio)bio) ExercExercíícioscios Exercícios dede de altaalta alta
SISTEMASISTEMA GLICOLGLICOLÍÍTICOTICO (anaer(anaeróóbio)bio)
ExercExercíícioscios Exercícios dede de altaalta alta intensidadeintensidade intensidade osos os estoquesestoques estoques dede de
glicogênioglicogênio glicogênio muscularmuscular muscular sãosão são quebradosquebrados quebrados comcom com rapidezrapidez rapidez
formaformaççãoão dede áácidocido lláático,tico, sendosendo parteparte destedeste
ConduzidoConduzido Conduzido parapara para forafora fora dasdas das fibrasfibras fibras muscularesmusculares musculares
ondeonde onde éé é produzido,produzido, produzido, aparecendoaparecendo aparecendo nono no sanguesangue sangue nana na
formaforma forma dede de lactatolactato lactato
MAUGHAN,MAUGHAN, GLESSONGLESSON && GREENHAFF,GREENHAFF, 2000.2000.
METABOLISMOMETABOLISMO AERAERÓÓBIO:BIO: OXIDAOXIDAÇÇÃOÃO DEDE CARBOIDRATO,CARBOIDRATO, LIPLIPÍÍDIODIO EE
METABOLISMOMETABOLISMO AERAERÓÓBIO:BIO: OXIDAOXIDAÇÇÃOÃO
DEDE CARBOIDRATO,CARBOIDRATO, LIPLIPÍÍDIODIO EE PROTEPROTEÍÍNANA
GerarGerar Gerar
ATPATP ATP
aa a
partirpartir partir
dodo do
catabolismocatabolismo catabolismo
liplipíídicodico lipídico
(gordura);(gordura); (gordura);
Carboidratos;Carboidratos;Carboidratos;
PresenPresenPresençaççaa dedede oxigênio;oxigênio;oxigênio;
CatabolismoCatabolismo Catabolismo protprotééicoico protéico apenasapenas apenas 5%,5%, 5%, casoscasos casos dede de
esgotamentoesgotamento esgotamento dosdos dos estoquesestoques estoques dede de glicogênio;glicogênio; glicogênio;
FormaFormaFormaçãoççãoão dedede 323232 ATPsATPsATPs;;;
MAUGHAN,MAUGHAN, GLESSONGLESSON && GREENHAFF,GREENHAFF, 2000.2000.
ACACÚÚMULOMULO DEDE LACTATOLACTATO BaixoBaixo Baixo fluxofluxo fluxo sangsangüíüíneo,neo, sangüíneo, menormenor
ACACÚÚMULOMULO DEDE LACTATOLACTATO BaixoBaixo Baixo fluxofluxo fluxo sangsangüíüíneo,neo, sangüíneo, menormenor
ACACÚÚMULOMULO DEDE LACTATOLACTATO BaixoBaixo Baixo fluxofluxo fluxo sangsangüíüíneo,neo, sangüíneo, menormenor
ACACÚÚMULOMULO DEDE LACTATOLACTATO
BaixoBaixo Baixo fluxofluxo fluxo sangsangüíüíneo,neo, sangüíneo, menormenor menor transportetransporte transporte dede de OO O
22 2
parapara para osos os mmúúsculossculos músculos
AcAcAcúmuloúúmulomulo dedede lactatolactatolactato
AcAcAcúmuloúúmulomulo dedede lactatolactatolactato ACACÚÚMULOMULO DEDE LACTATOLACTATO AceitoAceito Aceito
ACACÚÚMULOMULO DEDE LACTATOLACTATO AceitoAceito Aceito comocomo como indicadorindicador indicador dodo do
ACACÚÚMULOMULO DEDE LACTATOLACTATO
AceitoAceito Aceito
comocomo como
indicadorindicador indicador
dodo do
metabolismometabolismo metabolismo
anaeranaeróóbiobio anaeróbio glicolglicolííticotico glicolítico
EmEm Em atividadesatividades atividades submsubmááximas,ximas, submáximas, existeexiste existe umum um pequenopequeno pequeno
aumentoaumento aumento nono no lactatolactato lactato (sang(sangüíüíneoneo (sangüíneo ee e muscular);muscular); muscular);
ExercExercíícioscios Exercícios dede de enduranceendurance endurance aumentamaumentam aumentam aa a densidadedensidade densidade
mitocondrial;mitocondrial; mitocondrial;
RepousoRepouso Repouso
lactatolactato lactato
(1(1 (1
mmolmmol/Kg/Kg mmol/Kg
mmúúsculo)sculo) músculo)
ee e
sangsangüíüíneoneo sangüíneo (1mmol/l).(1mmol/l). (1mmol/l).
MAUGHAN,MAUGHAN, GLESSONGLESSON && GREENHAFF,GREENHAFF, 2000.2000.
PRODUPRODUÇÇÃOÃO DEDE LACTATOLACTATO NoNo mmúúsculosculo ExercExercííciocio GlicogênioGlicogênio
PRODUPRODUÇÇÃOÃO DEDE LACTATOLACTATO
NoNo mmúúsculosculo
ExercExercííciocio
GlicogênioGlicogênio
esquelesquelééticotico
GlicoseGlicose--66--fosfatofosfato
ÁÁcidocido pirpirúúvicovico
ÁÁcidocido LLááticotico
PRODUPRODUÇÇÃOÃO DEDE LACTATOLACTATO 222 PROPPROPPROPÓSITOSÓÓSITOSSITOS LiberaLiberaççãoão Liberação dede
PRODUPRODUÇÇÃOÃO DEDE LACTATOLACTATO
222 PROPPROPPROPÓSITOSÓÓSITOSSITOS
LiberaLiberaççãoão Liberação dede de umum um
ManutenManutenççãoão Manutenção dada da
metabmetabóólicolico metabólico oxidoxidáávelvel oxidável
glicoseglicose glicose sangsangüíüíneanea sangüínea
ProduProduççãoão Produção
ViaVia Via gliconeogênica,gliconeogênica, gliconeogênica,
(glicogen(glicogenóólise)lise) (glicogenólise)
CICLOCICLO CICLO DEDE DE CORICORI CORI
posteriorposterior posterior remoremoççãoão remoção
HARGREAVES,HARGREAVES, 2000.2000.
FADIGAFADIGA (LACTATO)(LACTATO) AumentoAumento Aumento nana na acidoseacidose acidose diminuidiminui diminui aa a
FADIGAFADIGA (LACTATO)(LACTATO)
AumentoAumento Aumento nana na acidoseacidose acidose diminuidiminui diminui aa a forforççaa força dede de
contratibilidadecontratibilidade contratibilidade muscularmuscular muscular
PorPor Por alteraalteraççãoão alteração dede de condutividadecondutividade condutividade eleléétricatrica elétrica dada da
membranamembrana membrana
InterferindoInterferindo Interferindo nana na liberaliberaççãoão liberação dede de ccáálciolcio cálcio dodo do
retretíículoculo retículo sarcoplasmsarcoplasmááticotico sarcoplasmático
DiminuindoDiminuindo Diminuindo aa a afinidadeafinidade afinidade dede de ccáálciolcio cálcio parapara para
ligaligaççãoão ligação comcom com troponinatroponina troponina
DENADAI,DENADAI, 2000.2000.
ININÍÍCIOCIO DODO EXERCEXERCÍÍCIOCIO OO ddéébitobito dede oxigêniooxigênio nono ininííciocio dodo
ININÍÍCIOCIO DODO EXERCEXERCÍÍCIOCIO
OO ddéébitobito dede oxigêniooxigênio nono ininííciocio dodo exercexercííciocio
O
débito
de
oxigênio
no
início
do
exercício
promovepromove promove oo o acacúúmulomulo acúmulo dede de áácidocido ácido llááticotico lático
WILMOREWILMORE && COSTILL,COSTILL, 2001.2001.
FADIGAFADIGA (LACTATO)(LACTATO) AumentoAumentoAumento dosdosdos íííonsonsons hidrogêniohidrogêniohidrogênio
FADIGAFADIGA (LACTATO)(LACTATO)
AumentoAumentoAumento dosdosdos íííonsonsons hidrogêniohidrogêniohidrogênio intracelularintracelularintracelular
InibiInibiççãoão Inibição dede de enzimasenzimas enzimas LactatoLactato--desidrogenasedesidrogenase Lactato-desidrogenase
ee e FosfofrutoquinaseFosfofrutoquinase Fosfofrutoquinase
AA A capacidadecapacidade capacidade dede de potênciapotência potência muscularmuscular muscular parapara para
trabalhotrabalho trabalho diminuidiminui diminui emem em exercexercíícioscios exercícios mmááximosximos máximos
DENADAI,DENADAI, 2000.2000.
ININÍÍCIOCIO DODO EXERCEXERCÍÍCIOCIO OO O sistemasistema sistema endendóócrinocrino endócrino exerceexerce exerce
ININÍÍCIOCIO DODO EXERCEXERCÍÍCIOCIO
OO O sistemasistema sistema endendóócrinocrino endócrino exerceexerce exerce seusseus seus efeitosefeitos efeitos atravatravééss através
dosdos dos hormônioshormônios hormônios liberadosliberados liberados pelapela pela medulamedula medula adrenal;adrenal; adrenal;
AdrenalinaAdrenalinaAdrenalina eee noradrenalinanoradrenalinanoradrenalina
EstesEstes Estes
possuempossuem possuem
receptoresreceptores receptores
adrenadrenéérgicosrgicos adrenérgicos
nono no
coracoraççãoão coração queque que aumentamaumentam aumentam aa a suasua sua forforççaa força dede de contracontraççãoão contração
ee e tambtambéémm também aa a Fc.Fc. Fc.
WILMOREWILMORE && COSTILL,COSTILL, 2001.2001.
PICOPICO DADA CONCENTRACONCENTRAÇÇÃOÃO LACTATOLACTATO 11--22 1-2 minutosminutos minutos emem em mmááximosximos
PICOPICO DADA CONCENTRACONCENTRAÇÇÃOÃO LACTATOLACTATO
11--22 1-2 minutosminutos minutos emem em mmááximosximos máximos (ph(ph (ph menormenor menor 6,96,9 6,9 ee e
lactatolactato lactato 25mmol/l25mmol/l 25mmol/l
EmEm Em exercexercíícioscios exercícios prolongados,prolongados, prolongados, aa a
concentraconcentraççãoão inicialinicial aumentaaumenta
concentração inicial aumenta
SeguidoSeguido Seguido porpor por umum um decldeclíínionio declínio parapara para osos os valoresvalores valores dede de
repousorepouso (60(60 àà 120120 minutos)minutos)
repouso (60 à 120 minutos)
DENADAI,DENADAI, 2000.2000.
TRANSLOCATRANSLOCAÇÇÃOÃO DODO LACTATOLACTATO AtravAtravééss Através dede de carreadorescarreadores carreadores
TRANSLOCATRANSLOCAÇÇÃOÃO DODO LACTATOLACTATO
AtravAtravééss Através dede de carreadorescarreadores carreadores dede de lactatolactato lactato
presentespresentes nono mmúúsculosculo esquelesquelééticotico
presentes no músculo esquelético
DepoisDepois Depois dede de 1515 15 minutosminutos minutos dede de exercexercíício,cio, exercício, oo o
lactatolactato lactato liberadoliberado liberado dodo do mmúúsculosculo músculo éé é distribudistribuíídodo distribuído
emem em aproximadamenteaproximadamente aproximadamente 50%50% 50% nosnos nos llííquidosquidos líquidos
corporaiscorporais
corporais
MONTGOMERY,MONTGOMERY, 1990.1990.
REMOREMOÇÇÃOÃO DEDE LACTATOLACTATO DepoisDepois Depois dodo do exercexercíício,cio, exercício,
REMOREMOÇÇÃOÃO DEDE LACTATOLACTATO
DepoisDepois Depois dodo do exercexercíício,cio, exercício, convertidoconvertido convertido emem em áácidocido ácido
pirpirúúvicovico pirúvico
SendoSendo Sendo utilizadoutilizado utilizado comocomo como substratosubstrato substrato pelopelo pelo
coracoraççãoão coração ee e mmúúsculosculo músculo esquelesquelééticotico esquelético
70%70% 70% oxidado,oxidado, oxidado, 20%20% 20% convertidoconvertido convertido emem em glicoseglicose glicose ee e
10%10% 10% emem em aminoaminoáácidoscidos aminoácidos
POWERSPOWERS && HOWLEY,HOWLEY, 2000.2000.
CICLOCICLO DEDE CORICORI MMúúsculossculos esquelesquelééticosticos FFíígadogado GlicogênioGlicogênio
CICLOCICLO DEDE CORICORI
MMúúsculossculos esquelesquelééticosticos
FFíígadogado
GlicogênioGlicogênio
GlicogênioGlicogênio
ExercExercííciocio
RepousoRepouso
99 SangueSangue
11
GlicoseGlicose
GlicoseGlicose--66--fosfatofosfato
77 GlicoseGlicose--66--fosfatofosfato
88
22
66
ÁÁcidocido pirpirúúvicovico
ÁÁcidocido pirpirúúvicovico
55
33 SangueSangue
ÁÁcidocido LLááticotico
44 ÁÁcidocido LLááticotico
REMOREMOÇÇÃOÃO DEDE LACTATOLACTATO EmEmEm repousorepousorepouso 404040-50%--50%50% pelapelapela
REMOREMOÇÇÃOÃO DEDE LACTATOLACTATO
EmEmEm repousorepousorepouso 404040-50%--50%50% pelapelapela oxidaoxidaoxidaçãoççãoão
DuranteDuranteDurante ooo exercexercexercícioííciocio ooo lactatolactatolactato liberadoliberadoliberado
ChegaChega Chega aosaos aos tecidostecidos tecidos parapara para queque que possapossa possa serser ser
oxidadooxidado oxidado (f(fíígado,gado, (fígado, rim,rim, rim, ccéérebrorebro cérebro ee e mmúúsculosculo músculo
esquelesqueléético)tico) esquelético)
POWERSPOWERS && HOWLEY,HOWLEY, 2000.2000.
POWERSPOWERS && HOWLEY,HOWLEY, 2000.2000. CARACTERCARACTERÍÍSTICASTICA DASDAS FIBRASFIBRAS DADA
CARACTERCARACTERÍÍSTICASTICA DASDAS FIBRASFIBRAS DADA MUSCULATURAMUSCULATURA HUMANAHUMANA
CARACTERCARACTERÍÍSTICASTICA DASDAS FIBRASFIBRAS DADA MUSCULATURAMUSCULATURA HUMANAHUMANA
CaracterCaracteríísticastica
TipoTipo II
TipoTipo IIII AA (r(ráápidapida--
oxidativa)oxidativa)
TipoTipo IIII BB ouou IIxIIx??
(contra(contraççãoão
(r(ráápidapida--
lenta)lenta)
glicolglicolííticatica
VelocidadeVelocidade dede
LentaLenta
RRáápidapida
RRáápidapida
contracontraççãoão
CapacidadeCapacidade
BaixaBaixa
ModeradaModerada
AltaAlta
anaeranaeróóbiabia
CapacidadeCapacidade
AltaAlta
ModeradaModerada
BaixaBaixa
oxidativaoxidativa
EstoqueEstoque dede
AltoAlto
ModeradoModerado
BaixoBaixo
triacilglicertriacilgliceróóisis
EstoqueEstoque dede
ModeradoModerado
ModeradoModerado
AltoAlto
glicogênioglicogênio
ADAPTADOADAPTADO dede SALTINSALTIN etet al.,al., 1977;1977; FRIEDMANNFRIEDMANN etet al.,al., 22004.004.
BIOQUBIOQUÍÍMICAMICA DASDAS FIBRASFIBRAS DADA MUSCULATURAMUSCULATURA HUMANAHUMANA CaracterCaracteríísticastica
BIOQUBIOQUÍÍMICAMICA DASDAS FIBRASFIBRAS DADA MUSCULATURAMUSCULATURA HUMANAHUMANA
CaracterCaracteríísticastica
TipoTipo II
TipoTipo IIII AA
(contra(contraççãoão
(r(ráápidapida--
lenta)lenta)
oxidativa)oxidativa)
TipoTipo IIII BB ouou
IIxIIx?? (r(ráápidapida--
glicolglicolííticatica
QtdeQtde
GrandeGrande
ModeradaModerada
PequenaPequena
mitocôndriasmitocôndrias
EnzimasEnzimas
AltaAlta
ModeradaModerada
BaixaBaixa
oxidativasoxidativas
EnzimasEnzimas
BaixaBaixa
ModeradaModerada
AltaAlta
glicolglicolííticasticas
CapilaridadeCapilaridade
ElevadaElevada
ModeradaModerada
ReduzidaReduzida
ADAPTADOADAPTADO dede SALTINSALTIN etet al.,al., 1977;1977; FRIEDMANNFRIEDMANN etet al.,al., 22004.004.
METABOLISMO “Metabolé” mudança, troca BIOQUIMICA É o conjunto de transformações que as substâncias químicas
METABOLISMO
“Metabolé”
mudança, troca
BIOQUIMICA É o conjunto de transformações que
as substâncias químicas sofrem no interior dos
organismos vivos.
FISIOLOGIA É o conjunto de reações intracelulares,
umas
construtivas
(anabolismo)
e
outras
destrutivas (catabolismo).
(anabolismo) e outras destrutivas (catabolismo). FASE ANABÓLICA E CATABÓLICA café da manhã almoço
(anabolismo) e outras destrutivas (catabolismo). FASE ANABÓLICA E CATABÓLICA café da manhã almoço
FASE ANABÓLICA E CATABÓLICA café da manhã almoço lanche da tarde jantar sono noturno fase
FASE ANABÓLICA E
CATABÓLICA
café da manhã
almoço
lanche da tarde jantar
sono noturno
fase catabólica
fase anabólica
Atividade Atleta Profissional Atividade ? Recreativa Esportista Treinamento Competição
Atividade
Atleta
Profissional
Atividade
?
Recreativa
Esportista
Treinamento
Competição
ENERGIA APLICAÇÃO APLICAÇÃO DE DE FORÇA FORÇA ATRAVÉS ATRAVÉS DE DE UMA UMA DISTÂNCIA DISTÂNCIA
ENERGIA
APLICAÇÃO APLICAÇÃO DE DE FORÇA FORÇA ATRAVÉS ATRAVÉS DE DE
UMA UMA DISTÂNCIA DISTÂNCIA
OO aporteaporte dede energiaenergia éé exclusivamenteexclusivamente ququíímico.mico. COMPOSTOSCOMPOSTOSCOMPOSTOS
OO aporteaporte dede energiaenergia éé exclusivamenteexclusivamente ququíímico.mico.
COMPOSTOSCOMPOSTOSCOMPOSTOS COMCOMCOM ENERGIAENERGIAENERGIA QUQUQUÍMICAÍÍMICAMICA
METABOLISMOMETABOLISMOMETABOLISMO
ALIMENTOSALIMENTOS ALIMENTOS (NUTRIENTES(NUTRIENTES (NUTRIENTES CALCALÓÓRICOSRICOS CALÓRICOS DOSDOS DOS
ALIMENTOS)ALIMENTOS) ALIMENTOS)
DISTRIBUIDISTRIBUIÇÇÃOÃO PERCENTUALPERCENTUAL IDEALIDEAL DEDE MACRONUTRIENTESMACRONUTRIENTES DEDE UMAUMA DIETADIETA
DISTRIBUIDISTRIBUIÇÇÃOÃO PERCENTUALPERCENTUAL
IDEALIDEAL DEDE MACRONUTRIENTESMACRONUTRIENTES DEDE
UMAUMA DIETADIETA
25%
60%
15%
Carboidrato
Proteína
Lipidio
TRABALHO BIOLÓGICO MECÂNICO QUÍMICO MOLECULAR
TRABALHO
BIOLÓGICO
MECÂNICO
QUÍMICO
MOLECULAR
““POOLPOOL””(estoque)(estoque) ENERGENERGÉÉTICOTICO modosmodos dede estocagemestocagem ee
““POOLPOOL””(estoque)(estoque) ENERGENERGÉÉTICOTICO
modosmodos dede estocagemestocagem ee transformatransformaççãoão
1. IMPORTÂNCIA DA ÁGUA

1. IMPORTÂNCIA DA ÁGUA

1. IMPORTÂNCIA DA ÁGUA

- 70% do peso da maioria dos seres vivos;

- funciona como solvente de íons minerais e da maioria das moléculas orgânicas

- constitui um meio de ocorrência das reações químicas nos seres vivos

- A tensão superficial da água é importante no funcionamento dos pulmões;

- A molécula de água e seus produtos de

ionização, H+ e OH- influenciam a estrutura e propriedades de todos os componentes celulares incluindo proteínas, ácidos nucléicos e lipídios.

- É importante na regulação da temperatura corporal;

celulares incluindo proteínas, ácidos nucléicos e lipídios. - É importante na regulação da temperatura corporal;
Polo Negativo ÁGUA MOLÉCULA POLAR Polo Positivo Molécula de água
Polo
Negativo
ÁGUA
MOLÉCULA POLAR
Polo
Positivo
Molécula de água

- A polaridade de uma molécula é importante para determinarmos se a mesma irá dissolver na água. Moléculas polares geralmente se dissolvem facilmente, enquanto moléculas apolares não.

PONTE DE HIDROGÊNIO

é uma força de atração fraca exercida por um átomo de hidrogênio sobre um átomo próximo de oxigênio, nitrogênio e flúor.

PODEM OCORRER

entre átomos de moléculas vizinhas - H 2 O 2 O

entre átomos de diferentes partes da mesma molécula – proteínas com forma tridimencionalum átomo próximo de oxigênio, nitrogênio e flúor. PODEM OCORRER entre átomos de moléculas vizinhas -

2. ESTRUTURA MOLECULAR DA ÁGUA

- em forma de V com uma molécula de oxigênio ligada covalentemente à duas outras moléculas de hidrogênio

DA ÁGUA - em forma de V com uma molécula de oxigênio ligada covalentemente à duas

3. INTERAÇÃO ENTRE AS MOLÉCULAS DE ÁGUA

3. INTERAÇÃO ENTRE AS MOLÉCULAS DE ÁGUA PONTES DE HIDROGÊNIO

PONTES DE HIDROGÊNIO

MOLÉCULAS DE ÁGUA LIGADAS POR PONTES DE HIDROGÊNIO

PONTES DE HIDROGÊNIO
PONTES DE HIDROGÊNIO
DE ÁGUA LIGADAS POR PONTES DE HIDROGÊNIO PONTES DE HIDROGÊNIO Força de atração entre átomos de

Força de atração entre átomos de moléculas vizinhas

PONTES DE HIDROGÊNIO DA ÁGUA

Pontes de Hidrogênio
Pontes de
Hidrogênio

As regiões polares das moléculas de água permitem que elas formem pontes de hidrogênio umas com as outras

PONTES DE HIDROGÊNIO determinam que moléculas biológicas grandes se enrolem nelas mesmas, criando um forma tridimensional que é essencial para sua função.

um forma tridimensional que é essencial para sua função. Força de atração entre átomos de diferentes

Força de atração entre átomos de diferentes partes da mesma molécula

H H O H H H O H O H H O
H
H
O
H
H
H
O
H
O
H
H
O
H H O

H

H

O H H

No gelo a água faz 4 pontes de hidrogênio com outras moléculas de água

PONTES DE HIDROGÊNIO DA ÁGUA

PONTES DE HIDROGÊNIO DA ÁGUA
ÁGUA NO ESTADO SÓLIDO As moléculas estabelecem entre si 4 pontes de hidrogênio, e dispõem-se
ÁGUA NO ESTADO SÓLIDO
As moléculas estabelecem entre
si 4 pontes de hidrogênio, e
dispõem-se segundo uma malha
hexagonal
Maior distanciamento entre as
moléculas – Aumento de volume
ÁGUA NO ESTADO LÍQUIDO
Número de pontes de hidrogênio é
uma função inversa da
temperatura
O pólo positivo representado pelo hidrogênio é atraído pelos polos negativos representado pelo oxigênio PONTE

O pólo positivo representado pelo hidrogênio é atraído pelos polos negativos representado pelo oxigênio

PONTE DE HIDROGÊNIO

é uma força de atração fraca exercida por um átomo de

hidrogênio sobre um átomo próximo de oxigênio, nitrogênio

e flúor.

A água tem PF e PE maiores que os outros solventes devido ao grande número de pontes de hidrogênio

PONTO DE

PONTO DE

FUSÃO

EBULIÇÃO

ÁGUA

ETANOL

ACETONA

0

100

-117

78

-95

56

CARBOIDRATOSCARBOIDRATOS
CARBOIDRATOSCARBOIDRATOS

NATUREZANATUREZA BIOQUBIOQUÍÍMICAMICA DOSDOS CHOsCHOs

ÍÍNDICENDICE GLICÊMICOGLICÊMICO

ALTOALTO

MMÉÉDIODIO

BAIXOBAIXO

GLICOSEGLICOSE

MILHOMILHO

MAMAÇÇÃSÃS

RAFINOSERAFINOSE

SACAROSESACAROSE

FEIJÕESFEIJÕES

MELMEL

FARELOFARELO

LENTILHASLENTILHAS

CORNCORN FLAKESFLAKES

MASSAMASSA BRANCABRANCA

FRUTOSEFRUTOSE

PÃOPÃO TRIGOTRIGO

AVEIAAVEIA

SEMENTESSEMENTES

ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA

ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA GASOSO LÍQUIDO FUSÃO SOLIDIFICAÇÃO VAPORIZAÇÃO SÓLIDO CONDENSAÇÃO

GASOSO

ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA GASOSO LÍQUIDO FUSÃO SOLIDIFICAÇÃO VAPORIZAÇÃO SÓLIDO CONDENSAÇÃO

LÍQUIDO

FUSÃO

SOLIDIFICAÇÃO

VAPORIZAÇÃO

ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA GASOSO LÍQUIDO FUSÃO SOLIDIFICAÇÃO VAPORIZAÇÃO SÓLIDO CONDENSAÇÃO

SÓLIDO

ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA GASOSO LÍQUIDO FUSÃO SOLIDIFICAÇÃO VAPORIZAÇÃO SÓLIDO CONDENSAÇÃO

CONDENSAÇÃO

ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA GASOSO LÍQUIDO FUSÃO SOLIDIFICAÇÃO VAPORIZAÇÃO SÓLIDO CONDENSAÇÃO

NATUREZANATUREZA BIOQUBIOQUÍÍMICAMICA DOSDOS CARBOIDRATOSCARBOIDRATOS (CHOs)(CHOs)

DiDióóxidoxido dede carbonocarbono dodo arar ++ ááguagua dodo solosolo ++ FOTOSSFOTOSSÍÍNTESENTESE
DiDióóxidoxido dede carbonocarbono dodo arar
++
ááguagua dodo solosolo
++
FOTOSSFOTOSSÍÍNTESENTESE
++ ááguagua dodo solosolo ++ FOTOSSFOTOSSÍÍNTESENTESE Monossacar Monossacar í í deos deos Dissacar Dissacar í
++ ááguagua dodo solosolo ++ FOTOSSFOTOSSÍÍNTESENTESE Monossacar Monossacar í í deos deos Dissacar Dissacar í

MonossacarMonossacaríídeosdeos

DissacarDissacaríídeosdeos

PolissacarPolissacaríídeosdeos

GLICOSEGLICOSE

FRUTOSEFRUTOSE

GALACTOSEGALACTOSE

SACAROSESACAROSE

AMIDOAMIDO

MALTOSEMALTOSE

FIBRASFIBRAS

LACTOSELACTOSE

GLICOGÊNIOGLICOGÊNIO

Alimentos com I.G. baixo

IG

Alimentos com I.G. moderado

IG

Alimentos com I.G. alto

IG

Amendoim

15

Pêssego

42

Cream Cracker

99

Soja

18

Laranja

44

Mel

104

Cereja

22

Macarrão

45

Passas

64

Lentilhas

29

Arroz Instantâneo

46

Beterraba

64

Feijão preto

30

Uva

46

Sopa de feijão preto

64

Damasco seco

31

Arroz

48

Abacaxi

66

Fettuccine

32

Cenoura

49

Nhoque

67

Iogurte

36

Inhame

51

Croissant

67

Espaguete

36

Kiwi

53

Puré de batata

70

Pêra

37

Banana

54

Pão branco de trigo

71

Maçã

38

Pipoca

55

Melancia

72

Sopa de tomate

38

Manga

56

Abóbora

75

Ameixa

39

Damasco

57

Waffles

76

Raviolis

39

Arroz branco

58

Corn flakes

83

A avaliação do índice é feita com porções de 50 g de carbohidratos (200 calorias) como base: glicose = 100 I.G.

 
O H H H H2C C C C C H OH OH OH OH Função
O
H
H
H
H2C
C
C
C
C
H
OH
OH OH
OH
Função mista álcool -aldeído

Denominado açúcar:pelo sabor doce e

hidrato de carbono porque a maioria possui fórmula C n(H 2 O) X. EX: C 6 H 12 O 6 = C 6 (H 2 O) 6 GLICOSE

C 12 H 22 O 1 1 =

C 12 (H 2 O) 11 SACAROSE

   

Monossacarídeos: Não sofrem hidrólise

 

H

O

C H C C H C H C H C H
C
H
C
C
H
C
H
C
H
C
H

HO

OH

H

OH

OH

 

Glicose

Manose

Frutose

Galactose

GLICOSE

 

São isômeros e apresentam fórmula molecular C 6 H 12 O 6

 

OH

 
OLIGOSSACARÍDEO: SOFREM HIDRÓLISE E CADA MOLÉCULA PRODUZ UM NÚMERO PEQUENO DE MOLÉCULAS DE MONOSSACARÍDEOS. H
OLIGOSSACARÍDEO: SOFREM HIDRÓLISE E CADA MOLÉCULA
PRODUZ UM NÚMERO PEQUENO DE MOLÉCULAS DE
MONOSSACARÍDEOS.
H 2 O
C 6 H 12 O 6 +
C 12 H 22 O 11 +
C 6 H 12 O 6
SACAROSE
GLICOSE
FRUTOSE
H 2 O
C 6 H 12 O 6 + C 6 H 12 O 6 +
C 18 H 32 O 16 +
C 6 H 12 O 6
RAFINOSE
GLICOSE
FRUTOSE GALACTOSE
Sacarose é um dissacarídeo pois resulta em duas moléculas
de monossacarídeos enquanto a rafinose é considerada um
trissacarídeo
GLICÍDIOS CRITÉRIO: SOFRER OU NÃO HIDRÓLISE glicose, frutose, galactose Osídios Dissacarídeos ou

GLICÍDIOS

CRITÉRIO: SOFRER OU NÃO HIDRÓLISE

glicose, frutose,

galactose

Osídios

Dissacarídeos ou polissacarídeos

Oses ou monossacarídeos:SOFRER OU NÃO HIDRÓLISE glicose, frutose, galactose Osídios Dissacarídeos ou polissacarídeos (hidrolisáveis):

(hidrolisáveis):OU NÃO HIDRÓLISE glicose, frutose, galactose Osídios Dissacarídeos ou polissacarídeos Oses ou monossacarídeos:

OSES NÃO SOFREM HIDRÓLISE E SE SUBDIVIDEM EM :

H H H O H 2 C C C C C H OH OH OH
H
H
H
O
H 2 C
C
C
C
C
H
OH
OH
OH
OH

aldose

: H H H O H 2 C C C C C H OH OH OH
H H H 2 C C C H C CH 2 OH OH OH O
H
H
H 2 C
C
C
H
C
CH 2
OH
OH
OH
O OH

CETOSE

H H H 2 C C C H C CH 2 OH OH OH O OH
DISSACARÍDEOS:
DISSACARÍDEOS:

SACAROSE+ ÁGUA

LACTOSE + ÁGUA

MALTOSE +ÁGUA

GLICOSE + FRUTOSE

GLICOSE + GALACTOSE

GLICOSE + GLICOSE

POLISSACARÍDEOS:
POLISSACARÍDEOS:

AMIDO, CELULOSE + ÁGUA

N(glicose)

AO SOFRER HIDRÓLISE OS POLISSACARÍDEOS RESULTAM EM ELEVADO NÚMERO DE MOLÉCULAS DE MONOSSACARÍDEOS.
AO SOFRER HIDRÓLISE OS POLISSACARÍDEOS
RESULTAM EM ELEVADO NÚMERO DE MOLÉCULAS
DE MONOSSACARÍDEOS.

OSÍDEOS: SOFREM HIDRÓLISE ORIGINANDO OSES;

SE FORNECE SOMENTE OSES = HOLOSÍDEO

SE FORNECE OSES E OUTROS

COMPOSTOS = HETEROSÍDEO

C 12 H 22 O 11 +

H 2 O

SACAROSE

C 20 H 27 O 11 N +2H 2 O

AMIDALINA

C 6 H 12 O 6 +

C 6 H 12 O 6

C 6 H 12 O 6 + C 6 H 12 O 6

GLICOSE

FRUTOSE

2C 6 H 1 2 O 6 + HCN+ C 7 H 6 O GLICOSE

2C 6 H 12 O 6 + HCN+ C 7 H 6 O GLICOSE CIANETO BENZALDEÍDO

DIGESTÃODIGESTÃO ee ABSORABSORÇÇÃOÃO DOSDOS CHOsCHOs BOCABOCA ESTÔMAGOESTÔMAGO INTESTINOINTESTINO
DIGESTÃODIGESTÃO ee ABSORABSORÇÇÃOÃO DOSDOS CHOsCHOs
BOCABOCA
ESTÔMAGOESTÔMAGO
INTESTINOINTESTINO DELGADODELGADO
CCÓÓLONLON
AmidoAmido
SS
AmidoAmido
MaltoseMaltose
MALTASEMALTASE
AMILASEAMILASE
AMILASEAMILASE
Na+
AA
PANCREPANCREÁÁTICATICA
SALIVARSALIVAR
GlicoseGlicose
Na+
NN
MaltoseMaltose
GlicoseGlicose
GG
SacaroseSacarose
SACARASESACARASE
UU
FrutoseFrutose
EE
GlicoseGlicose
LactoseLactose
LACTASELACTASE
Na+
GalactoseGalactose
Na+
FIBRASFIBRAS
GASESGASES EE ÁÁCIDOSCIDOS
VEGETAISVEGETAIS

HISTHISTÓÓRICORICO CIENTCIENTÍÍFICOFICO

(KROGH(KROGH && LINDHARDT,LINDHARDT, 1920)1920)

ComparouComparou aa perceppercepççãoão dodo esforesforççoo dosdos atletasatletas submetidossubmetidos aa umauma dietadieta ricarica emem CHOCHO emem comparacomparaççãoão comcom umauma ricarica emem gorduras.gorduras.

(LEVINE(LEVINE etet al.,al., 1924)1924)

TestouTestou oo consumoconsumo dede CHOCHO durantedurante aa maratonamaratona dede BostoBoston,n, constandoconstando aa prevenprevenççãoão dada hipoglicemiahipoglicemia severa.severa.

(CHRISTENSEN,(CHRISTENSEN, 1932)1932)

PrimeiroPrimeiro experimentoexperimento queque mostroumostrou comocomo aa intensidadeintensidade modulamodula aa utilizautilizaççãoão dosdos CHOCHO comocomo fontefonte dede energia.energia.

Cereais: arroz, trigo, aveia,milho Legumes:feijão, ervilha, grão -de-bico Açúcares:mel,melado,açúcar refinado

Cereais: arroz, trigo, aveia,milho

Legumes:feijão, ervilha, grão -de-bico

Açúcares:mel,melado,açúcar refinado

grão -de-bico Açúcares:mel,melado,açúcar refinado Aumento de tecido adiposo Aumento de peso Aumento de
grão -de-bico Açúcares:mel,melado,açúcar refinado Aumento de tecido adiposo Aumento de peso Aumento de
grão -de-bico Açúcares:mel,melado,açúcar refinado Aumento de tecido adiposo Aumento de peso Aumento de

Aumento de tecido adiposo

Aumento de peso

Aumento de

colesterol

Diabetes

de tecido adiposo Aumento de peso Aumento de colesterol Diabetes Emagrecimento cansaço desânimo fraqueza depressão

Emagrecimento

cansaço

desânimo

fraqueza

depressão

15g 17g DistribuiDistribuiççãoão dada glicoseglicose depoisdepois dede umauma refeirefeiççãoão contendocontendo
15g
17g
DistribuiDistribuiççãoão dada glicoseglicose depoisdepois dede umauma
refeirefeiççãoão contendocontendo 9090 gramasgramas
2g
49g
8g
RECOMENDARECOMENDAÇÇÕESÕES DIETDIETÉÉTICASTICAS
RECOMENDARECOMENDAÇÇÕESÕES DIETDIETÉÉTICASTICAS

RECOMENDARECOMENDAÇÇÕESÕES DIETDIETÉÉTICASTICAS

PessoasPessoas queque treinamtreinam intensamenteintensamente emem diasdias sucessivos,sucessivos, requeremrequerem dede 6060 -- 7070 %% dodo totaltotal energenergééticotico (COYLE,(COYLE, 2004).2004).

PessoasPessoas queque sese exercitamexercitam regularmenteregularmente devemdevem consumirconsumir dede 5555 -- 60%60% dodo totaltotal energenergééticotico (ADA,(ADA, 2000).2000).

energ energ é é tico tico (ADA, (ADA, 2000). 2000). 8,0g/Kg 8,0g/Kg manuten manuten ç ç

8,0g/Kg8,0g/Kg manutenmanutenççãoão

TreinamentoTreinamento dede forforççaa

(Kreider,(Kreider, 2002)2002)

12,0g/Kg12,0g/Kg hipertrofiahipertrofia

5,0g/Kg5,0g/Kg redureduççãoão dede gorduragordura

1 Dieta normocalórica em CHO 2 DietaDieta Hipocalórica em CHO 3 Dieta hipercalórica em CHO
1 Dieta normocalórica em CHO
2 DietaDieta Hipocalórica em CHO
3 Dieta hipercalórica em CHO

CHOsCHOs DURANTEDURANTE OO EXERCEXERCÍÍCIOCIO

CHOs CHOs DURANTE DURANTE O O EXERC EXERC Í Í CIO CIO EXERC EXERC Í Í

EXERCEXERCÍÍCIOSCIOS DEDE ENDURANCEENDURANCE

DURADURAÇÇÃOÃO DEDE 22 HORASHORAS

INGESTÃOINGESTÃO DEDE CHOCHO

(DRISKELL,2000)

EXERCEXERCÍÍCIOSCIOS COMCOM DURADURAÇÇÃOÃO SUPERIORSUPERIOR AA 90`90`

INTENSIDADEINTENSIDADE SUPERIORSUPERIOR AA 70%70% DODO VOVO 22 mmááxx

SUPERIOR A A 70% 70% DO DO VO VO 2 2 m m á á x

INGESTÃOINGESTÃO DEDE CHOCHO

(BURKE(BURKE etet al.,al., 2004)2004)

(JEUKENDRUP,(JEUKENDRUP, 2004)2004)

REFEIREFEIÇÇÕESÕES PRPRÉÉ -- EXERCEXERCÍÍCIOSCIOS

33 -- 44 horashoras antesantes dada competicompetiççãoão

44 --5g/Kg5g/Kg dede pesopeso 200200--300g300g dede CHOCHO complexocomplexo
44 --5g/Kg5g/Kg dede pesopeso
200200--300g300g dede CHOCHO complexocomplexo

ObjetivosObjetivos

11-- permitirpermitir tempotempo suficientesuficiente parapara aa digestãodigestão ee absorabsorççãoão dosdos alimentosalimentos (esvaziamento(esvaziamento ggáástrico);strico);

22-- estabilizarestabilizar asas concentraconcentraççõesões plasmplasmááticasticas dede glicoseglicose ee insulina;insulina;

33-- evitarevitar aa sensasensaççãoão dede fome.fome.

(COYLE,(COYLE, 2004)2004) (ADA,(ADA, 2000)2000)

REFEIREFEIÇÇÕESÕES PRPRÉÉ -- EXERCEXERCÍÍCIOSCIOS

22--11 horahora antesantes dada competicompetiççãoão

hora hora antes antes da da competi competi ç ç ão ão 1 1 - -

11--22 /KG/KG DEDE PESOPESO FORMAFORMA LLÍÍQUIDAQUIDA

ControvControvéérsiarsia

EfeitoEfeito NegativoNegativo

FOSTERFOSTER etet al.(1979)al.(1979)

NenhumNenhum EfeitoEfeito

MCMC MURRAYMURRAY etet al.(1983)al.(1983) KELLERKELLER && SCHGWAZOPFSCHGWAZOPF (1984)(1984) HARGREAVESHARGREAVES etet al.al. (1987)(1987) DEVLINDEVLIN etet al.al. (1986)(1986)

(JEUKENDRUP,(JEUKENDRUP, 2004)2004)
(JEUKENDRUP,(JEUKENDRUP, 2004)2004)

CHOs DURANTE O EXERCÍCIO

(ADA,2000)

(DRISKELL,2000)

(BURKE et al.,2004) (JEUKENDRUP,(JEUKENDRUP, 2004)2004)

30 -70g/h FORMA LÍQUIDA
30 -70g/h
FORMA LÍQUIDA

SOLUÇÃO DE 6 - 8%

REPOSIREPOSIÇÇÃOÃO DEDE CHOsCHOs EE EXERCEXERCÍÍCIOCIO

REPOSI REPOSI Ç Ç ÃO ÃO DE DE CHOs CHOs E E EXERC EXERC Í Í
PÂNCREAS PORÇÃO ENDÓCRINA DO PÂNCREAS ILHOTAS DE LANGERHANS: INSULINA produzida pelas células ββββ GLUCAGON
PÂNCREAS
PORÇÃO ENDÓCRINA DO PÂNCREAS
ILHOTAS DE LANGERHANS:
INSULINA produzida pelas células ββββ
GLUCAGON produzido pelas células αααα
SOMATOSTATINA produzida pelas células ∆∆∆∆

CHOsCHOs DEPOISDEPOIS DODO EXERCEXERCÍÍCIOCIO

OO consumoconsumo dede CHOCHO imediatamenteimediatamente apapóóss aa sessãosessão dede exercexercííciocio resultaresulta emem maioresmaiores nnííveisveis dede glicogênioglicogênio (BURKE(BURKE etet al.,2004).al.,2004).

1.5g/Kg1.5g/Kg aa cadacada 22 horashoras atatéé 66 horashoras depoisdepois dodo exercexercííciocio
1.5g/Kg1.5g/Kg aa cadacada 22 horashoras atatéé 66 horashoras depoisdepois dodo
exercexercííciocio

MaioresMaiores taxastaxas dede reposireposiççãoão dede glicogênioglicogênio foramforam encontradasencontradas comcom aa ingestãoingestão dede 0.4g/Kg0.4g/Kg aa cadacada 1515 minutosminutos depoisdepois dede 44 horashoras dede reposireposiççãoão (DOYLE(DOYLE etet al.,al., 1993).1993).

InternationalInternational OlympicOlympic CommitteeCommittee (IOC)(IOC)

UmaUma dietadieta ricarica emem carboidratoscarboidratos consumidaconsumida diasdias antesantes dada competicompetiççãoão ajudarajudaráá aa aumentaraumentar aa performance.performance.

PÂNCREAS ENDÓCRINO DuctoDucto colcoléédocodoco PâncreasPâncreas IntestinoIntestino delgadodelgado
PÂNCREAS ENDÓCRINO
DuctoDucto
colcoléédocodoco
PâncreasPâncreas
IntestinoIntestino
delgadodelgado
(duodeno)(duodeno)
DuctoDucto
pancrepancreááticotico
IINSULINAIINSULINA PrincipalPrincipal efeitoefeito MetabMetabóólicolico
IINSULINAIINSULINA
PrincipalPrincipal efeitoefeito
MetabMetabóólicolico
EXERCEXERCÍÍCIOCIO FFÍÍSICOSICO EE CARBOIDRATOCARBOIDRATO AsAs proteproteíínasnas queque
EXERCEXERCÍÍCIOCIO FFÍÍSICOSICO EE CARBOIDRATOCARBOIDRATO
AsAs proteproteíínasnas queque transportadorastransportadoras dede glicoseglicose
recebemrecebem oo nomenome dede GLUTGLUT
ParaPara cadacada tipotipo dede ccéélulalula alvoalvo oo GLUTGLUT receberecebe umum
nomenome
OO mecanismomecanismo exatoexato pelopelo qualqual oo exercexercííciocio aumentaaumenta
nana captacaptaççãoão dede glicoseglicose pelopelo mmúúsculosculo nãonão éé
completamentecompletamente compreendidocompreendido
SilveiraSilveira Neto,Neto, 20002000

Transportadores de Glicose

• Na+ dependente
• Na+ dependente

Classe I – Glut 1 – 4

Classe II – Glut 5- 7 – 9 – 11

Classe III – Glut 6-8-10 e 12

TRANSPORTETRANSPORTE EE UTILIZAUTILIZAÇÇÃOÃO DOSDOS CHOCHO INSULINAINSULINA EE ATIVIDADEATIVIDADE FFÍÍSICASICA AA
TRANSPORTETRANSPORTE EE UTILIZAUTILIZAÇÇÃOÃO DOSDOS CHOCHO
INSULINAINSULINA EE ATIVIDADEATIVIDADE FFÍÍSICASICA
AA aaççãoão dada insulinainsulina envolveenvolve 22 processos:processos:
AA ligaligaççãoão dada insulinainsulina
aa umum receptorreceptor
localizadolocalizado nana
superfsuperfííciecie celularcelular
EventosEventos intracelulares,intracelulares,
aumentandoaumentando oo transportetransporte
dede glicoseglicose ee estimulaestimulaççãoão
dede reareaççõesões enzimenzimááticasticas
SilveiraSilveira Neto,Neto, 20002000

Transportador de glicose

Transportador de glicose Km = afinidade ao transportador Vmáx = Concentração mínima do substrato para o

Km = afinidade ao transportador

Vmáx = Concentração mínima do substrato para o transporte máximo

Transportadores de glicose Na + dependentes

SGLT 1 • Presente nas membranas apicais das células intestinais (enterócitos) • Alta afinidade •
SGLT 1
• Presente nas membranas apicais das células
intestinais (enterócitos)
• Alta afinidade
Presente também nos túbulos proximais no rim

(S3)

SGLT 2

Presente nas membranas apicais dos túbulos proximais no rim (S1 e S2)

Previne a perda de glicose na urina

SGLT 3 – 4 - 5 - 6

Presente nas células intestinais

Ainda sob investigação

Glut 1

Glut 1 Eritrócitos - Neurônios Coração - Músculos esqueléticos Adipócitos -Placenta Barreira hematocefálica - Rins

Eritrócitos - Neurônios Coração - Músculos esqueléticos Adipócitos -Placenta Barreira hematocefálica - Rins Intestino

Captação basal de glicose

Glut 2

Glut 2 Fígado - Célula β β β β pancreática Rim (túbulos proximais) e intestino (enterócitos)

Fígado - Célula ββββ pancreática Rim (túbulos proximais) e intestino (enterócitos) * Promove fluxo bidirecional no fígado Participa da função glicosensora pancreática

Glut 3
Glut 3

(alta afinidade) Cérebro - Placenta Rim - Músculos fetais

Promove intensa captação de glicose devido ao baixo Km

No cérebro tem GLUT 1 com Km para glicose que é aproximadamente 1 mM ,

No cérebro tem GLUT 1 com Km para glicose que é aproximadamente 1 mM, e GLUT 3, com Km, presumivelmente, menor que 1 mM; ou seja, mesmo com 20 mg/dL de glicose no extracelular, haveria 50% de saturação do GLUT 1 e, ainda mais que isso, do GLUT 3.

NNNooo eeexxxtttrrreeemmmooo ooopppooossstttooo eeessstttãããooo ooosss hhheeepppaaatttóóóccciiitttooosss,,, cccooommm ooo GGGLLLUUUTTT 222,,, qqquuueee ttteeemmm aaallltttooo KKKmmm (((111555 aaa 222000 mmmMMM))) eee aaallltttooo VVVmmmáááxxx pp