Você está na página 1de 16

As emoções vêm das oportunidades encontradas.

Ted Nelson, Programa Roda Viva Junho de 2007 TV Cultura


padrão
rede
Rede de proteínas Mapa da Internet
numa célula
organizacionais redes de articulação sociotécnicas

AAco com mununicicaçaçãoãoéé --redes


redesdedeação,
ação,com
comuma
uma
mmed dapo
ediaiada porr tarefa,
tarefa,missão,
missão,
co m pu ta do rrco
co ne
ne ctctad
ado:
o: --articulações
articulaçõesem emrede
redecomo
como
co m pu ta do
em ai l, MMSNSN , ,lis
lista
tassde de estratégia
estratégiapara
paraalcançar
alcançar
em ai l,
ype, objetivos
scus
didisc são,
ussã o,sk skyp e, objetivos
plplat orm
afor
ataf masas --aarede comomeio
redecomo meio
colalabo
co borarativ as..
tivas
O processo:
a comunicação, geradora de fluxos de conversação
Produto: uma
rede de
conversações
conversação produção social colaboração
inteligência coletiva interação comunicação colaborativa
informação em fluxo rede de conversações compartilhar
ação coletiva multidão trabalho imaterial
A ferramenta de
comunicação mediada por
computador mais utilizada Comunidade
Comunidadevirtualvirtualéé
nas redes de EA é a lista de AAcomunicação um
umgrupo
grupoonde
ondeosos
comunicação
discussão. Seus membros implica membros estão
implicaem
em membros estão
constituem comunidades interação conectados
conectadospor
interaçãosocial
social: : por
virtuais temáticas e pessoas tecnologia
tecnologiade de
pessoas informação,
finalísticas. interagindo informação,tipicamente
tipicamente
interagindocom
com aainternet.
pessoas. internet. Nãosignifica
Não significa
pessoas. que há forte coesão
que há forte coesão
entre
entreososmembros.
membros.
AAlista
listade
dediscussão
discussão
como
comoambiente
ambientedede
comunicação
comunicaçãoééum um Conexão
espaço
espaço públicodos
membros
público
da
dos
rede.

membros da rede.
Coesão
Coesão: força que Interação: conjunto das
mantém unidas as ações e relações entre
os membros de um
pessoas em um grupo
grupo ou entre grupos
de uma comunidade.
Papéis:
o coordenador
o lança idéias
o crítico Apesar da
o informante
o investigador enunciação, a
o secretário interação pode
o mediador
não se completar
o facilitador
o observador enquanto
comentador processo circular:
o dominador
o dependente Conflito recursivo e
o que busca Confronto interativo.
prestígio Competição
o advogado de Cooperação
interesses Combinação
particulares, etc... Composição
Categorias de interações numa conversa coletiva (R.F. Bales - modificado)

Manifesta moderação
Manifesta uma tensão, mal-estar
Manifesta agressividade
Manifesta solidariedade

Aprova
Desaprova
Silencia
ESCUTA
Oferece uma orientação ou sugestão
Dá uma opinião
Dá uma informação,
Pede uma informação
Pede uma opinião
Pede uma orientação

Procura mobilizar para uma tarefa


Procura facilitar a comunicação
grupo comunidade
Agrupamento
Agrupamento––relações
relaçõesde
deserialidade,
serialidade,
aglomerados
aglomeradosde depessoas
pessoasanônimas
anônimasqueque não
não
tem
temobjetivos
objetivoscomuns
comunseenão
nãointeragem
interagementre
entre
si.
si.(Sartre)
(Sartre)

Os
Osvetores
vetoresdada
produção grupal:
produção grupal:
afiliação Grupo-- relações
relaçõesdede
afiliaçãoeepertença,
pertença, Grupo
comunicação, interaçãosocial
interação socialee
comunicação,
aprendizagem,
aprendizagem, construçãode
construção vínculos,
devínculos,
pertinência,
pertinência, empermanente
em permanente
cooperação,
cooperação, negociação,na
negociação, narealização
realização
tele
tele(clima).
(clima). tarefaseeobjetivos
detarefas
de objetivos
(Pichon-Riviére)
(Pichon-Riviére) comuns.
comuns.
Em conversações recorrentes, retroativas, a rede produz a
rede que é uma rede de conversações.

A rede de conversações produz capital social que por sua


vez produz mais redes.

A rede de conversações é suportada por uma rede física de


computadores conectados produzindo assim uma estrutura
física e articulada de comunicação e um ambiente virtual
de convivência para os membros da rede.

A rede de conversações para ser gerada e se desenvolver


necessita de interações sociais que estão baseadas em
acolhimento, confiança, pertença e cooperação.

A sustentabilidade da rede (sua re-produção) depende do


acontecimento de interações sociais (comunicação,
afiliação e pertença), e da qualidade e teor dessas
interações (cooperação, pertinência, aprendizagem).
• Há interações? Como se dão as interações?
• Há formação de vínculos?
• Como a assincronicidade na comunicação impacta na
passagem da serialidade a grupalidade?
• Como o par virtual-atual afeta as interações e a produção
grupal?
• Em relação à assincronicidade: o que faz uma pessoa
estabelecer uma conversa se o interlocutor está ausente?
• É possível aplicar os vetores de avaliação da produção grupal
desenvolvidos por Pichon-Riviére numa comunidade virtual?
• Que papéis funcionais podem ser identificados nas dinâmicas
da rede? Há circulação de papeis?
• Quais padrões são identificados na comunicação?
• Se a rede é meio, como ela atua externamente para realizar
seus objetivos?
Estudos sobre as Redes Sociais e a Inteligência Coletiva: afeto, potência
e multidão
Rogério da Costa
III Módulo - Comunidades e Redes Sociais: projetos
Informações:
http://www.barcovirgilio.com.br/cursos/index.html#filosofia
Telefone: 55+11 3081.6986
E-mail: contato@barcovirgilio.com.br

Ciclo Temático sobre a Riqueza das Redes


O Ciclo Temático sobre a Riqueza das Redes IEA - USP e pode ser acompanhado
pela internet http://won.incubadora.fapesp.br/portal
O próximo debate acontece em 23 de agosto de 2007, das 14h30 às 17h00, no
Auditório Alberto Carvalho da Silva, sede do IEA

Redesenvolvimento 2007 - Programa de Formação em Redes para o


Desenvolvimento
ABDL - Associação Brasileira para o Desenvolvimento de LIderanças
www.abdl.org.br
redes@abdl.org.br - 3719 1532 ramal 24
Quer conversar sobre redes?
http://www.portaldovoluntario.org.br/amaralnet/