Você está na página 1de 11

Química e Indústria: equilíbrios

e desequilíbrios

Lei de Le Châtelier

Ana Paula Pereira – 2009/2010

Sumário
• Introdução
• Lei de Le Châtelier
• Factores que afectam o estado de equilíbrio
• Concentração
• Pressão
• Temperatura
• Como tornar a síntese do amoníaco mais
económica
• Fábrica de amoníaco

1
Introdução

• Para que um produto seja produzido


industrialmente, o seu fabrico tem que ser
economicamente viável.
• No caso das reacções químicas:
– não podem ser demasiado lentas;
– não podem ser demasiado rápidas;
– devem ser tão completas quanto possível.

Lei de Le Châtelier
Sempre que se provoca qualquer
perturbação num estado de
equilíbrio, o sistema reaccional
entra em desequilíbrio e a
reacção vai evoluir
espontaneamente, num ou
noutro sentido, para um novo Henri Louis Le Châtelier
(1850 – 1936)
estado de equilíbrio.

2
Factores que afectam o estado de
equilíbrio

1. Concentração dos reagentes


e produtos;
2. Pressão do sistema;
3. Temperatura do sistema.

Concentração
N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g)
Adição de H2 (ou N2):
• De acordo com a Lei de Le
Châtelier, a reacção evoluirá no
sentido de contrariar esta
perturbação, ou seja, no sentido
de diminuir a concentração dos
reagentes.
• A reacção evoluirá no sentido
directo, alterando-se a
composição do sistema e
atinge-se um novo estado de
equilíbrio, que obedece ao
mesmo valor de Kc.

3
Concentração
N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g)
Adição de NH3:
• De acordo com a Lei de Le
Châtelier, a reacção evoluirá no
sentido de contrariar esta
perturbação, ou seja, no sentido
de diminuir a concentração do
amoníaco.
• A reacção evoluirá no sentido
inverso, alterando-se a
composição do sistema e atinge-
se um novo estado de equilíbrio,
que obedece ao mesmo valor de
Kc .

Concentração

Um outro processo de determinar o sentido


da evolução da reacção é por comparação
de Qc com Kc.
Relação entre Qc e Kc Qc < Kc Qc = Kc Qc > Kc
Evolução da reacção Sentido Existe Sentido
directo equilíbrio inverso

4
Pressão
N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g)
Compressão (aumento de pressão por diminuição
de volume) - a reacção evoluirá no sentido:
• De contrariar esta perturbação, ou seja, no
sentido de diminuir a pressão.
• Directo, ou seja, naquele em que a quantidade
química total de partículas é menor. Atinge-se
um novo estado de equilíbrio em que o valor de
Kc se mantém.

Pressão
N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g)
Expansão (diminuição de pressão por aumento
de volume) – a reacção evoluirá no sentido:
• De contrariar esta perturbação, ou seja, no
sentido de aumentar a pressão.
• Inverso, ou seja, naquele em que a quantidade
química total de partículas é maior. Atinge-se
um novo estado de equilíbrio em que o valor de
Kc se mantém.

5
Pressão
Em resumo:
• Um aumento de pressão (diminuição de
volume) favorece a reacção em que ocorre uma
diminuição do número total de moles do
sistema;
• Uma diminuição de pressão (aumento de
volume) favorece a reacção em que ocorre um
aumento do número total de moles do sistema.

Temperatura

A maior parte das reacções químicas ocorre


com absorção ou libertação de energia:
• ∆H < 0 para reacções que libertam energia –
exotérmicas;
• ∆H > 0 para reacções que absorvem energia –
endotérmicas.

6
Temperatura

N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g) ∆H = -92 kJ mol-1


Aumento da temperatura do sistema – a
reacção evoluirá no sentido:
• De contrariar esta perturbação, ou seja, no
sentido de diminuir a temperatura.
• Inverso, ou seja, no sentido da reacção
endotérmica. Atinge-se um novo estado de
equilíbrio, em que o valor de Kc diminui.

Temperatura

N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g)


Diminuição da temperatura do sistema – a
reacção evoluirá no sentido:
• De contrariar esta perturbação, ou seja,
no sentido de aumentar a temperatura.
• Directo, ou seja, no sentido da reacção
exotérmica. Atinge-se um novo estado de
equilíbrio, em que o valor de Kc aumenta.

7
Temperatura

Como tornar a síntese do


amoníaco mais económica
N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g) ∆H = -92 kJ mol-1

Concentração:
Concentração:
• Quanto maior for a concentração de reagentes,
mais amoníaco se produz.
• Usa-se excesso de N2 (mais barato) para favorecer
a reacção directa e aproveitar ao máximo o H2
(mais caro).

8
Como tornar a síntese do
amoníaco mais económica
N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g) ∆H = -92 kJ mol-1
Pressão::
Pressão
• Usam-se pressões cerca de 150 a 300 vezes
maiores do que a pressão atmosférica normal
(1atm).
• As pressões não são maiores porque seria muito
dispendioso, além de envolver sistemas de
segurança bastante exigentes.

Como tornar a síntese do


amoníaco mais económica
N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g) ∆H = -92 kJ mol-1

Temperatura:
Temperatura:
• Usam-se temperaturas moderadamente baixas (450 ºC). A
reacção é exotérmica e, se a temperatura do sistema
aumentar, a reacção tende a ocorrer no sentido inverso.
• Maior temperatura significa maior agitação molecular e, se
não houver agitação molecular suficiente, haverá poucas
colisões e a transformação pode tornar-se muito lenta,
prejudicando a produção de NH3. Por isso, a temperatura
não pode ser demasiado baixa.

9
Como tornar a síntese do
amoníaco mais económica
N2 (g) + 3 H2 (g) ⇄ 2 NH3 (g) ∆H = -92 kJ mol-1

Catalisadores:
Catalisadores:
• Usa-se o ferro como catalisador. A adição de ferro em pó
misturado com óxidos de potássio e alumínio aumenta
significativamente a rapidez da reacção.
• Os catalisadores intervêm nas reacções químicas sem,
contudo, nelas se consumirem. Eles aumentam a rapidez
das reacções directa e inversa, diminuindo o tempo que
demora a atingir o equilíbrio químico.

Como tornar a síntese do


amoníaco mais económica
• Associando concentrações dos
reagentes e pressões elevadas,
temperaturas moderadamente
baixas e catalisadores
adequados, obtêm-se condições
óptimas para a produção
industrial do amoníaco.

• O conhecido ditado “tempo é


dinheiro” aplica-se à indústria
química!...

10
11