Você está na página 1de 3

Petição Pública

Pela redução do número máximo de alunos e alunas por turma e por professor/a.
A igualdade de oportunidades no acesso e no sucesso para todos os alunos e alunas não é uma realidade.
Muitos factores contribuem para o facto de Portugal possuir um dos mais selectivos sistemas de ensino na
Europa, e o elevado número de alunos por turma e por professor/a, em tantas escolas do país, é um deles.
Não se pode falar de diferenciação e de individualização do ensino -aprendizagem com 28 alunos por
turma. Não se pode falar do direito ao sucesso para todos com professores com 7 e 8 turmas. Não se pode falar
com verdade sobre planos de recuperação, ou quaisquer estratégias individualizadas, com turmas sobrelotadas e
professores/as com 160 ou 170 alunos.
A presente petição é para mudar esta realidade. Ela é subscrita por encarregados de educação, mães e pais,
por professores e professoras, por alunos e alunas, por cidadãos e cidadãs para quem a qualidade do ensino na
escola pública e o direito ao sucesso para todos/as é uma prioridade.

Assim sendo, os cidadãos e as cidadãs abaixo identificados/as defendem a alteração dos


limites em vigor para a constituição de turmas, bem como critérios de relação docente/número
de turmas, propondo que:

1 - No Jardim-de-infância e no 1.º ciclo do ensino básico, a relação seja de 19 crianças para 1


docente, alterando-se para 15 quando condições especiais - como a existência de crianças com
necessidades educativas especiais ou outros critérios pedagógicos julgados pertinentes, no
quadro da autonomia das instituições - assim o exijam. Deve ainda ser colocado/a um/a
assistente operacional em cada sala de JI.

2- Do 5.º ano ao 12.º ano, o número máximo de alunos e alunas por turma seja de 22, descendo
para 18 sempre que se verifiquem as condições acima enunciadas.

3 - Do 5.º ao 12.º ano, cada professor e professora não poderá leccionar, anualmente, mais de
cinco turmas, num limite de 110 alunos.

Primeiros/as subscritores/as:
Miguel Reis (Professor, Movimento Escola Pública), Helena Dias (exPresidente da Federação Regional de Lisboa das
Associações de Pais, Movimento Escola Pública), Pedro Feijó (Associação de Estudantes da Escola Secundária de
Camões), Paulo Guinote (Professor, Autor do blogue “A Educação do Meu Umbigo”), Maria José Viseu (Presidente da
CNIPE: Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação), António Avelãs (Professor, Presidente
do SPGL - Sindicato dos Professores da Grande Lisboa), Ricardo Silva (Professor, Presidente da APEDE – Associação de
Professores e Educadores em Defesa do Ensino), Maria do Rosário Matos (Professora, Directora do Agrupamento de
Escolas Francisco Arruda), Manuel Sarmento (Investigador, Professor da Universidade do Minho), Mário Nogueira
(Professor, Secretário Geral da FENPROF – Federação Nacional de Professores), Manuel Reis (Estudante da Escola
Secundária de Bocage), Manuela Mendonça (Professora, Coordenadora do SPN – Sindicato de Professores do Norte)
António Amaral (Presidente da FERSAP - Federação Regional de Setúbal das Associações de Pais), Ramiro Marques
(Professor, Autor do blogue “ProfAvaliação"), Luiza Cortesão (Professora Emérita da Universidade do Porto, Presidente
da Direcção do Instituto Paulo Freire de Portugal), Joaquim Sarmento (Professor, MEM -Movimento Escola Moderna),
Octávio Gonçalves (Professor, PROmova – Movimento de Valorização dos Professores), Maria José Vitorino
(Professora, Bibliotecária), João Madeira (Professor, Historiador), José Carlos Leitão (exPresidente da Federação das
Associações de Pais de Vila Nova de Gaia), Ilídio Trindade (Professor, MUP – Movimento Mobilização e Unidade dos
Professores), Paulo Sucena (Professor, exPresidente da FENPROF), Albino Almeida (Presidente da CONFAP –
Confederação Nacional das Associações de Pais), Universina Branca Coutinho (Jurista, ex Presidente da Federação de
Pais do Concelho da Amadora), André Portas (Associação de Estudantes da Escola Secundária de Camões), Vítor
Sarmento (exPresidente da Confederação Nacional das Associações de Pais).
Nome Completo BI/Cartão de Assinatura (BI)
cidadão