Você está na página 1de 44

FÍSICA/ENSINO MÉDIO

A palavra "física" é de origem grega e significa natureza, daí dizer que a


Física é uma ciência natural. É difícil delimitar precisamente onde começa uma
ciência e termina outra, pois há uma considerável sobreposição em muitas
áreas. De maneira geral, a Física estuda os componentes da matéria e como
eles interagem entre si.
A Física, por ser uma ciência, é uma atividade humana e, tal como as
artes, a literatura, o esporte, faz parte de nossa cultura e nos ajuda a decidir,
de maneira mais sensata e racional, sobre os problemas que enfrentamos.
A Física proporciona uma interpretação do mundo, uma visão do
universo para além de nossos limites imediatos. O aprendizado da Física é,
atualmente, indispensável à formação do cidadão. O conhecimento da Física,
portanto, faz parte da bagagem de saberes e habilidades que as pessoas
devem ter para poder distinguir entre fatos e crendices ou superstições; avaliar
com mais clareza as atitudes a tomar; compreender um mundo que utiliza,
cada vez mais, tecnologias decorrentes de descobertas científicas; discutir com
maior propriedade as políticas científicas e tecnológicas de uma sociedade,
exercendo a cidadania com mais intensidade.
Os fenômenos da natureza, tão variados, chegam até nós por meio dos
nossos sentidos. Esses fenômenos, como, por exemplo, a luz dos relâmpagos,
o som dos trovões, a noção de quente e frio, o movimento dos corpos etc.,
motivaram a criação dos chamados ramos clássicos da Física, como a
Mecânica, Óptica, Ondulatória, Termologia, Eletricidade e Eletromagnetismo e
a Física Moderna.
A Física, portanto, é um dos instrumentos para a compreensão do
mundo em que vivemos, enfocando aspectos relevantes dos elementos
vivenciais e mesmo cotidianos, possuindo uma beleza conceitual que por si só
torna o seu aprendizado agradável.
O programa a seguir apresenta uma orientação para estudo dos principais
tópicos de cada um dos ramos da Física clássica estudados no Ensino Médio.
A cada assunto do programa estão relacionadas habilidades específicas
básicas esperadas do candidato. O estudo e a compreensão de cada uma
dessas habilidades específicas possibilitarão ao candidato alcançar o
pretendido sucesso nos Exames Supletivos.

1
Conteúdo Habilidade Específica
1. Mecânica
Reconhecer e saber utilizar corretamente símbolos,
códigos e nomenclaturas de grandezas da Física. Por
exemplo, nas informações em embalagens de
produtos, reconhecer símbolos de massa ou volume;
nas previsões climáticas, identificar temperaturas,
pressão, índices pluviométricos; no volume de alto-
falantes, reconhecer a intensidade sonora (dB); em
estradas ou em aparelhos, reconhecer velocidades
1.1. Medidas e grandezas no (m/s, km/h, rpm); em aparelhos elétricos,
Sistema Internacional de compreender códigos como W, V ou A; em tabelas de
Unidades alimentos, identificar valores calóricos.
Conhecer as unidades e as relações entre as
unidades de uma mesma grandeza física para fazer
traduções entre elas e utilizá-las adequadamente. Por
exemplo, identificar que uma caixa d’água de 2 m3 é
uma caixa de 2000 litros, ou que uma tonelada é uma
unidade mais apropriada para expressar o
carregamento de um navio do que um milhão de
gramas.
Identificar diferentes movimentos que se realizam no
cotidiano e as grandezas relevantes para sua
observação (distâncias, percursos, velocidade,
massa, tempo etc.), buscando características comuns
1.2. Cinemática da partícula e formas de sistematizá-los (segundo trajetórias,
variações de velocidade etc.).
• Deslocamento, Velocidade e
Aceleração Caracterizar as variações de algumas dessas
• Movimento Uniforme grandezas, fazendo estimativas tais como:
• Movimento Uniformemente Variado • o tempo de percurso entre duas cidades;
• Movimento Circular • a velocidade média de um entregador de compras;
• Queda livre e lançamentos • o tempo gasto para um objeto cair do alto de um
horizontal e oblíquo edifício;
• a trajetória de uma bola de futebol chutada, sobre
uma barreira, em direção ao gol;
• a frequência do movimento de rotação de um motor
ou de um disco.
1.3. Dinâmica da partícula Diferenciar massa e peso.

• Os princípios da dinâmica – Leis de Identificar as diferentes forças que atuam em um


Newton objeto, sejam em situações estáticas ou dinâmicas
• Atrito (por exemplo: a força peso, a normal, a tração, a força
de atrito etc.).
• Movimentos em trajetórias
circulares Compreender a natureza inercial dos corpos (1ª lei de
• Trabalho, energia e potência Newton).
• Impulso e quantidade de movimento Conhecer e aplicar a relação entre força e aceleração
• Choques mecânicos (2ª lei de Newton), para prever, por exemplo, a
• Gravitação distância percorrida por um carro após ser freado.

2
Conhecer a ação das forças que atuam em objetos
que se movem em superfícies com atrito.
Conhecer a ação da força resultante que atua em
objetos em movimento circular.
Avaliar o trabalho necessário para erguer um objeto
ou empurrar um caixote, a potência que o motor de
um carro precisa para subir uma ladeira ou a
quantidade de calorias para exercício de atividades
esportivas.
Identificar formas e transformações de energia
associadas aos movimentos reais, avaliando, quando
pertinente, o trabalho envolvido e o calor dissipado,
como, por exemplo, em uma freada ou em uma
derrapagem.
A partir da conservação da energia de um sistema,
quantificar suas transformações e a potência
disponível ou necessária para sua utilização,
estimando, por exemplo, a energia gasta para subir
uma rampa ou a potência do motor de uma escada
rolante.
Associar, em um sistema conservativo, as variações
da energia cinética com as variações da energia
potencial (gravitacional e elástica).
Associar o trabalho de uma força que atue sobre um
corpo, com a variação de sua energia cinética.
A partir da observação, análise e experimentação de
situações concretas como quedas, colisões, jogos,
movimento de carros, reconhecer a conservação da
quantidade de movimento linear, e, por meio dela, as
condições impostas aos movimentos.
Reconhecer as causas da variação de movimentos,
associando as intensidades das forças ao tempo de
duração das interações, para identificar, por exemplo,
que na colisão de um automóvel, o airbag aumenta o
tempo de duração da colisão, para diminuir a força de
impacto sobre o motorista.
Utilizar a conservação da quantidade de movimento e
a identificação de forças para fazer análises,
previsões e avaliações de situações cotidianas que
envolvem movimentos.
Conhecer as relações entre os movimentos da Terra,
da Lua e do Sol para a descrição de fenômenos
astronômicos (duração do dia/noite, estações do ano,
fases da lua, eclipses etc.).
Compreender as interações gravitacionais,
identificando forças e relações de conservação, para
explicar aspectos do movimento do sistema
planetário, cometas, naves e satélites.

3
Diante de situações naturais ou em artefatos
tecnológicos, distinguir situações de equilíbrio
daquelas de não equilíbrio (estático ou dinâmico).
Estabelecer as condições necessárias para a
manutenção do equilíbrio de objetos, incluindo
1.4. Estática e Hidrostática
situações no ar ou na água.
• Estática do ponto material e do Reconhecer processos pelos quais podem ser obtidas
corpo extenso (momento ou torque amplificação de forças em ferramentas, instrumentos
de uma força) ou máquinas.
• Pressão e densidade Compreender os conceitos de densidade e pressão.
• Teorema de Stevin
Relacionar a pressão em um ponto no interior de um
• Princípio de Pascal
fluido com a profundidade.
• Princípio de Arquimedes
Compreender o funcionamento de dispositivos
hidráulicos simples (elevadores e prensas
hidráulicos).
Avaliar a ação do empuxo agindo em um objeto
imerso ou flutuante.
2. Calor
Compreender o conceito de temperatura.
Relacionar temperaturas em diversas escalas
2.1. Termometria termométricas.
• Escalas termométricas Relacionar a dilatação dos corpos com suas
• Dilatação térmica variações de temperatura.
Compreender que o funcionamento de um
termômetro clínico pode ser explicado, em termos
macroscópicos, pela dilatação térmica do mercúrio
Distinguir temperatura de calor, reconhecendo calor
como energia transferida do corpo de maior
temperatura para o de menor, ou seja, do mais
quente para o mais frio.
Diante de um fenômeno envolvendo calor, identificar
fontes, processos envolvidos e seus efeitos,
reconhecendo variações de temperatura como
2.2. Calorimetria indicadores relevantes.
• Calor Compreender a relação entre variação de energia
• Capacidade térmica térmica e temperatura para avaliar mudanças na
• Mudança de estado temperatura e/ou mudanças de estado da matéria, em
• Diagramas de estado fenômenos naturais ou processos tecnológicos. Por
• Transmissão de calor exemplo, utilizar as relações Q = m.c.∆T e Q = m.L,
em situações de trocas de calor para encontrar a
temperatura de equilíbrio entre dois ou mais corpos
ou materiais, a temperaturas diferentes, colocados em
contato.
Reconhecer as propriedades térmicas dos materiais e
os diferentes processos de troca de calor,
identificando a importância da condução, convecção e
irradiação em sistemas naturais e tecnológicos.
4
Identificar fenômenos, fontes e sistemas que
envolvem calor para a escolha de materiais
apropriados a diferentes situações ou para explicar a
participação do calor nos processos naturais ou
tecnológicos. Por exemplo, identificar bons e maus
condutores térmicos.
Utilizar o modelo cinético das moléculas para explicar
2.3. Teoria cinética dos gases. as propriedades térmicas das substâncias,
associando-o ao conceito de temperatura e à sua
• Lei geral dos gases perfeitos
escala absoluta.
• Transformações gasosas
• Equação de Clapeyron Calcular variações de pressão, volume e temperatura
utilizando a equação geral dos gases ideais, a
equação de Clapeyron.
Relacionar calor e trabalho.
Aplicar a primeira lei da termodinâmica em situações
e processos físicos (por exemplo, transformações
2.4. Termodinâmica gasosas).
• Trabalho numa transformação Identificar a participação do calor e os processos
gasosa envolvidos no funcionamento de máquinas térmicas
• Energia interna de um gás perfeito de uso doméstico ou para outros fins, tais como
• Primeira lei da Termodinâmica geladeiras, motores de carro etc., visando sua
• Segunda lei da Termodinâmica utilização adequada.
Identificar o calor como forma de dissipação de
energia e a irreversibilidade de certas transformações
para avaliar o significado da eficiência em máquinas
térmicas.
3. Ondulatória
Compreender o que é uma onda e como se propaga.
Classificar as ondas quanto à sua modalidade e
natureza da perturbação (ondas longitudinais, ondas
transversais, ondas mecânicas, ondas
eletromagnéticas etc.)
3.1. Ondas Relacionar, para ondas mecânicas, a velocidade de
• Movimento ondulatório propagação com o comprimento de onda e a
• Classificação das ondas freqüência (aplicação da relação v = λ.f).
• Velocidade de propagação Identificar objetos, sistemas e fenômenos que
• Reflexão, refração e interferência de produzem sons, para reconhecer as características
ondas que os diferenciam.
• Difração de ondas
Diferenciar som, infrassom e ultrassom.
• Ressonância
• O som Associar diferentes características de sons a
grandezas físicas (como frequência, intensidade etc.)
para explicar, reproduzir, avaliar ou controlar a
emissão de sons por instrumentos musicais ou outros
sistemas semelhantes.
Conhecer o funcionamento da audição humana para
monitorar limites de conforto, deficiências auditivas ou
poluição sonora.

5
4. Óptica
Enunciar as leis da reflexão.
Identificar objetos, sistemas e fenômenos que
produzem imagens para reconhecer papel da luz e as
características dos fenômenos físicos envolvidos.
Distinguir espelhos planos e esféricos e construir
graficamente a imagem fornecida por eles,
caracterizando-as quanto ao tipo de espelho.
Associar as características de obtenção de imagens a
propriedades físicas da luz, para explicar, reproduzir,
4.1. Óptica variar ou controlar a qualidade das imagens
• Princípios da propagação da luz produzidas.
• Reflexão da luz – espelho plano
Conhecer os diferentes instrumentos ou sistemas que
• Espelhos esféricos servem para ver, melhorar e ampliar a visão: olhos,
• Refração da luz óculos, lupas, telescópios, microscópios etc., visando
• Lentes esféricas utilizá-los adequadamente.
• Defeitos da visão
Utilizar o modelo de olho humano para compreender
os defeitos visuais (miopia, hipermetropia e
astigmatismo) e suas lentes corretoras.
Compreender a refração da luz e relacionar índices
de refração com o ângulo de incidência e de refração
(aplicação da Lei de Snell-Descartes).
Explicar fenômenos tais como: reflexão total,
elevação aparente das estrelas, miragem, arco-íris
etc.
5. Eletricidade e Magnetismo
Descrever e distinguir os diferentes processos de
eletrização (eletrização por atrito, por contato e por
indução).
5.1. Eletrostática
Compreender a interação entre cargas elétricas
• Eletrização
isoladas em função da distância entre elas (aplicação
• Força elétrica
da Lei de Coulomb).
• Campo elétrico
• Potencial elétrico Prever o movimento de uma carga elétrica colocada em
um campo elétrico uniforme.
Relacionar potencial elétrico, diferença de potencial
elétrico e energia potencial elétrica.
5.2. Eletrodinâmica Em aparelhos e dispositivos elétricos residenciais,
• Corrente elétrica identificar seus diferentes usos e o significado das
• Resistores informações fornecidas pelos fabricantes sobre suas
• Geradores elétricos características (voltagem, frequência, potência etc.).
• Receptores elétricos Relacionar essas informações a propriedades e
• Energia elétrica e potência elétrica modelos físicos, visando explicar seu funcionamento
• Aparelhos de medidas elétricas e dimensionar circuitos simples para sua utilização.
• Capacitores
Compreender o significado das redes de 110V e
220V, calibre de fios, disjuntores e fios-terra, para

6
analisar o funcionamento de instalações elétricas
domiciliares e utilizar manuais de instrução de
aparelhos elétricos, para conhecer procedimentos
adequados a sua instalação, utilização segura ou
precauções em seu uso.
Dimensionar o custo do consumo de energia em uma
residência ou outra instalação, propondo alternativas
seguras para a economia de energia.
Em sistemas que geram energia elétrica, como pilhas,
baterias, dínamos, geradores ou usinas, identificar
semelhanças e diferenças entre os diversos
processos físicos envolvidos e suas implicações
práticas.
Compreender o funcionamento de diferentes
geradores, para explicar a produção de energia em
hidrelétricas, termelétricas etc. Utilizar esses
elementos na discussão dos problemas associados
desde a transmissão de energia até sua utilização
residencial.
Identificar a função de dispositivos como capacitores,
indutores e transformadores, diferenciando circuitos
AC e DC, para analisar suas diferentes formas de
utilização.
Saber utilizar medidores de corrente, de tensão e de
resistência (amperímetro, voltímetro e ohmímetro).
Compreender que o consumo mensal de energia
elétrica de uma residência, ao longo do ano, pode ser
apresentado em uma tabela, que organiza os dados;
ou por meio de um gráfico, que permite analisar
melhor as tendências do consumo.
Ler e interpretar informações apresentadas em
diferentes linguagens e representações (técnicas)
como, por exemplo, as características de aparelhos
eletrodomésticos.
Conhecer a relação entre potência, voltagem e
corrente, para estimar a segurança do uso de
equipamentos elétricos.
Relacionar corrente elétrica com o movimento de
elétrons ou íons.
Calcular a energia dissipada em circuitos resistivos
(chuveiros, aquecedores etc.).
Calcular tensões, correntes e resistências em
circuitos elétricos.

7
Compreender fenômenos magnéticos para explicar,
por exemplo, o magnetismo terrestre, o campo
magnético de um ímã, a magnetização de materiais
ferromagnéticos ou a inseparabilidade dos polos
magnéticos.
Reconhecer a relação entre fenômenos magnéticos e
elétricos para explicar o funcionamento de motores
elétricos e seus componentes, interações envolvendo
bobinas e transformações de energia.

5.3. Eletromagnetismo Compreender que variações de correntes elétricas


• Força magnética estão associadas ao surgimento de campos
magnéticos.
• Fontes de campo magnético
• Indução eletromagnética Reconhecer as propriedades magnéticas dos ímãs.
Determinar a intensidade de campos magnéticos
devidos a correntes elétricas em fios retilíneos.
Determinar forças magnéticas em cargas elétricas em
movimento.
Compreender a Lei de Lenz, que determina o sentido
da corrente elétrica induzida.
Compreender a Lei de Faraday, que serve para
calcular a força eletromotriz induzida.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA

Quaisquer livros de Física para o Ensino Médio, encontrados nas bibliotecas


e livrarias, são boas referências para o estudo dos conteúdos.

8
MATEMÁTICA/ENSINO MÉDIO

O ser humano faz parte de uma sociedade globalizada, com acesso a


todo tipo de informação e, por isso, novos desafios são impostos à vida
cotidiana. Faz-se necessário desenvolver capacidades que possibilitem a
qualquer indivíduo a busca de soluções criativas e inteligentes para os seus
problemas.

Apropriar-se dos conceitos e procedimentos matemáticos básicos


contribui para a formação do cidadão, inserindo-o no mercado de trabalho, nas
relações sociais, culturais e políticas. Nesse contexto, a matemática é uma das
mais importantes ferramentas da sociedade moderna.
No exercício da cidadania, é preciso saber contar, comparar, medir,
calcular, resolver problemas, comprovar e justificar resultados, argumentar
logicamente e conhecer formas geométricas. Essas habilidades possibilitam
analisar e interpretar criticamente as informações, conhecer formas
diferenciadas de abordar problemas e de aprender a aprender.
O programa é apresentado por meio de um conjunto de habilidades e
conteúdos, levando-se em consideração conhecimentos adquiridos no ensino
fundamental. A elaboração da prova terá como prioridade situações-problema.

HABILIDADES CONTEÚDOS

 Reconhecer e classificar os conjuntos numéricos. Conjuntos Numéricos:


 Efetuar operações fundamentais com números Números naturais,
naturais, inteiros, racionais, irracionais e reais. inteiros, racionais e reais
 Construir e aplicar conceitos de números
naturais, inteiros, racionais e reais para explicar
fenômeno de qualquer natureza.

9
 Identificar e definir funções de 1º e 2º graus,
função exponencial e logarítmica .
 Ler, analisar, construir e interpretar os gráficos Funções :
dessas funções. 1º Grau
 Analisar e determinar o domínio, o contradomínio 2º Grau
e a imagem dessas funções. Exponencial
 Resolver problemas envolvendo equações e Logarítmica
inequações de 1º e 2º graus e exponencial.

 Identificar e conceituar progressões aritméticas e


geométricas.
 Expressar e calcular o termo geral e determinar a Progressão Aritmética e
soma dos termos de uma PA e de uma PG. Progressão Geométrica
 Resolver problemas do cotidiano que envolvam
PA e PG.

 Representar e interpretar uma tabela de números


como uma matriz, identificando seus elementos.
 Identificar e definir os tipos de matrizes. Matrizes e
 Realizar operações de adição, subtração e Determinantes
multiplicação envolvendo matrizes.
 Calcular o determinante de uma matriz de ordem
2 e de ordem 3.

 Resolver sistemas de equações lineares de


ordem 2 e de ordem 3.
 Classificar sistemas lineares quanto ao número Sistemas de Equações
de soluções. Lineares
 Resolver situações-problema através de sistemas
de equações lineares.

10
 Identificar, definir e classificar polígonos.
 Calcular área e perímetro de polígonos. Geometria Plana :
 Definir círculo e circunferência. Polígonos
 Utilizar semelhança de triângulos para resolução Semelhança de
de problemas do cotidiano.
Triângulos
 Determinar a área do círculo e o comprimento da
Círculo
circunferência.
Circunferência
 Resolver problemas envolvendo polígonos,
círculo e circunferência.
 Identificar e definir poliedros e corpos redondos.
 Calcular área e volume de prismas, pirâmides,
cilindro, cone e esfera. Geometria Espacial:
 Resolver problemas envolvendo prismas, Sólidos Geométricos
pirâmides, cilindro, cone e esfera.

 Utilizar as relações trigonométricas na resolução


de problemas.
 Expressar a medida de um ângulo em graus e Trigonometria:
radianos. Relações
 Converter de grau para radiano e de radiano para Trigonométricas no
grau a medida de um ângulo. Triângulo Retângulo
 Conceituar ciclo trigonométrico, seno, cosseno e Ciclo Trigonométrico
tangente de um arco. Teorema de Pitágoras
 Resolver problemas do cotidiano utilizando
teorema de Pitágoras.

 Resolver problemas que envolvam porcentagem, Matemática Financeira:


juros simples e compostos, lucro e prejuízo. Porcentagem
Juros Simples
Juros Compostos

 Identificar, conceituar, interpretar e aplicar os Análise Combinatória:


conceitos do princípio fundamental da contagem, Princípio Fundamental da
das permutações, dos arranjos e das Contagem

11
combinações na resolução de situações- Permutações
problema. Arranjos
Combinações

 Organizar, analisar e interpretar informações


estatísticas apresentadas em jornais e revistas.
 Ler, analisar e interpretar dados a partir de Estatística e
representações gráficas e tabelas. Probabilidade
 Interpretar e calcular média aritmética e média
ponderada.
 Calcular a probabilidade de ocorrência de um ou
mais eventos.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA

Jornais e revistas – leitura e interpretação de informações.


DANTE, Luiz Roberto. Matemática - Contextos e Aplicações. São Paulo:
Ática, 2003.
GIOVANNI, José Ruy e outros. Matemática Fundamental - Uma nova
abordagem. São Paulo: FTD, 2000.
Matemática e suas tecnologias: livro do estudante: ensino médio/
Coordenação: Zuleika de Felice Murrie. – 2.ed. – Brasília : MEC: INEP,
2002.

12
FILOSOFIA /ENSINO MÉDIO

A Filosofia, desde suas origens na Grécia Antiga, vem sendo entendida


como um conhecimento que possibilita o desenvolvimento de um estilo
autêntico de pensamento. A Filosofia é considerada como uma atitude, um
exercício do pensamento que busca a interrogação das coisas, das pessoas,
dos valores e da cultura da qual emerge como expressão e crítica. Portanto, é
um pensar histórico, crítico e criativo, que discute os problemas da vida à luz
da tradição filosófica. É importante ressaltarmos que o homem pode ser
identificado como um ser que pensa e cria sentidos e explicações. Nessas
criações estão presentes os mitos, a religião, a linguagem, a arte e a filosofia.
Esses elementos são constituintes do processo de formação do conhecimento
racional. Esse fato não pode deixar de ser considerado, pois é a partir dele que
o homem desenvolve suas ideias, cria sistemas, elabora leis, códigos, práticas.
Compreende-se que o surgimento do pensamento racional, conceitual,
entre os gregos clássicos foi decisivo no desenvolvimento da civilização
ocidental e condição para a conquista da autonomia do pensamento crítico em
relação às explicações mítico-religiosas. Esse processo marca o advento de
uma etapa fundamental na história do pensamento e do desenvolvimento de
todas as concepções científicas produzidas ao longo da história humana.
O conhecimento das condições de como se deu a passagem do mito à
filosofia, elucida uma das questões fundamentais para a compreensão das
grandes linhas de pensamento que dominam nossa tradição cultural. Deste
modo, é de fundamental importância que o estudante do Ensino Médio
conheça o contexto histórico do surgimento da Filosofia e o que ela significou
para o universo simbólico do Ocidente. Compreender essa passagem do
pensamento mítico ao pensamento racional no contexto grego é importante
para que o estudante perceba que os mesmos conflitos entre o mito e a razão
são questões presentes, ainda hoje, em nossa sociedade, em que nos
deparamos com os novos mitos da tecnociência, aparentemente neutra e
portadora do progresso e felicidade abundantes, escondendo interesses
políticos e econômicos que norteiam a sua prática.

Habilidades/ *Compreender o * Compreender o * Ver que a filosofia


Conteúdos surgimento do processo de nasce como uma
1º Período pensamento laicização do mito e forma de pensar
racional entre os da religião gregas e específica, como
gregos clássicos e sua gradual interrogação sobre
seu aspecto substituição pela o próprio homem,
fundante da Cultura filosofia como como ser no
Ocidental. explicação do real. mundo.
* Conteúdo: O mito * Conteúdo: O * Conteúdo:
como narração nascimento da Ironia Socrática:
sobre as origens de filosofia. Mito e filosofia como
todas as coisas razão filosófica provocação

13
Habilida- * Problematizar a * Compreender que a * Problematizar a
des/Con questão do origem do questão do
teúdos conhecimento e suas conhecimento tem conhecimento hoje.
2º implicações para o sido posta em
Período nosso cotidiano. questão ao longo da
história da Filosofia.
* Conteúdo: * Conteúdo: * Conteúdo:
Senso Comum e Que podemos Filosofia e Ciência:
Conhecimento conhecer? O Mito da um diálogo
Filosófico. Que tipo Caverna de Platão. necessário
de pensar é a Idade Média: a fé
filosofia? Todos como complemento à
filosofam? razão. A
modernidade: a
dúvida como método
filosófico
Habilida * Compreender a * Compreender as * Relacionar o papel
des/Cont prática política como teorias políticas dos movimentos
eúdos projeto coletivo que modernas. operários e o
3º visa garantir e questionamento da
Período promover a ordem capitalista
autonomia e com a consolidação
liberdade dos do ideal de
cidadãos. cidadania.
* Conteúdo: * Conteúdo: * Conteúdo:
O nascimento da Maquiavel e a teoria As teorias
política como política moderna. O socialistas. O
questionamento das Liberalismo como anarquismo. O
instituições na expressão ideológica marxismo e os
Grécia Antiga. Os burguesa. O movimentos
gregos e a invenção Iluminismo e a revolucionários
do espaço público. A compreensão da
política como projeto política como
coletivo de emancipação da
autonomia e auto- humanidade
reflexão
Habilida * Perceber que a * Compreender que a * Perceber que a
des/Cont filosofia só é filosofia participa no filosofia é um saber
eúdos possível onde há processo de que tem relação
4º liberdade. formação da direta com o
Período consciência cidadã. cotidiano em que
estamos inseridos e
que todos os
aspectos da cultura
devem ser postos
em questão.
* Conteúdo: * Conteúdo: * Conteúdo:
Filosofia como Filosofia e cidadania: Filosofia e cultura:
projeto de liberdade os desafios da uma interrogação
e autonomia democracia brasileira que não se esgota.

14
Sugestão de bibliografia:

ARANHA, M. L. A. A filosofia no ensino médio: relato de uma experiência. In:


GALLO, Sílvio: KOHAN, Walter (Orgs.). Filosofia no ensino médio. 2. ed.
Petrópolis: Vozes, 2000. p. 112-128.

___. Temas de Filosofia. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1998.

___; MARTINS, Maria Helena. Filosofando: introdução à filosofia. 3. ed. São


Paulo: Moderna, 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e


Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: MEC,
1999.

CAFÉ, M. H. B. As experiências de Filosofia no 2º grau. (mimeo.) Goiânia,


1983.

CHALITA, Gabriel. Vivendo a filosofia. São Paulo: Atual, 2002.

CHAUI, M. Convite à filosofia. 13. ed. São Paulo: Ática, 2003.

COÊLHO, I. Filosofia e educação. In: PEIXOTO, Adão José (Org.). Filosofia,


educação e cidadania. Campinas: Alínea, 2001, p. 19-70.

FEITOSA, Charles. Explicando a filosofia com a arte. Rio de Janeiro: Ediouro,


2004.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,


1992.

___.Pedagogia da autonomia. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GALLO, Sílvio. Ética e cidadania. Campinas: Papirus, 2003.

___. Filosofia, educação e cidadania. In: PEIXOTO, Adão José (Org.). Filosofia,
educação e cidadania. Campinas: Alínea, 2001, p. 133-153.

HORN, G. B. A presença da filosofia no currículo de ensino médio brasileiro:


uma perspectiva histórica. In: GALLO, Sílvio: KOHAN, Walter (Orgs.). Filosofia
no ensino médio. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 17-33.

MATOS, O. Filosofia a polifonia da razão: filosofia e educação. São Paulo:


Scipione, 1997.

MAYER, Sérgio. Filosofia com jovens. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

15
SÁTIRO, Angélica; WENSCH, Ana Miriam. Pensando melhor. 4. ed. São Paulo:
Saraiva, 2003.

16
HISTÓRIA/ENSINO MÉDIO

Em sua passagem pelo mundo, o ser humano procura compreender e


transformar o meio em que vive. Assim, ao longo dos séculos, a humanidade
elaborou diversas formas explicativas do mundo, entre elas, a religião, as artes,
as ciências e a filosofia.

Entretanto, para explicar as relações dinâmicas entre o passado e o


presente, o ser humano recorre à História que é a disciplina que estuda as
transformações e permanências das sociedades e/ou culturas ao longo do
tempo. Sendo o presente também um tempo histórico, não se pode afirmar que
a História é apenas a ciência ou disciplina que estuda o passado, pois o
conhecimento histórico do passado parte sempre de problemas e questões do
presente. Portanto, o conhecimento e as interpretações do passado também se
transformam ao longo do tempo.

Do mesmo modo, a História não se interessa apenas pelos grandes


acontecimentos políticos dos governos e dos grandes líderes. Ela também
estuda os diversos grupos sociais e étnicos que compõem as sociedades e as
culturas. Todas as realizações humanas são históricas. Isto significa que até
mesmo os nossos pensamentos individuais possuem um caráter histórico, pois
fazem parte de uma cultura, que os indivíduos ajudam a manter ou transformar.
Assim, as tradições populares, as formas de governo, as festas, as guerras, as
artes, as práticas econômicas, os saberes, as normas jurídicas etc. são
estudados pela História.

Além disso, os fenômenos e processos históricos não se relacionam


apenas no tempo, mas também no espaço. Pode-se citar, por exemplo, que a
história de Goiás se relaciona com as demais regiões do país, assim como a
história do Brasil se relaciona com a das demais nações do mundo, formando
uma ampla rede de relações culturais, econômicas, políticas e sociais. Por
isso, é necessário que o candidato estude os conteúdos deste Programa de
forma integrada, isto é, estabelecendo relações entre eles.

Os conteúdos deste programa foram organizados em uma ordem


cronológica ou temporal para melhor compreensão didática. Porém, essa
ordem temporal não quer dizer que será necessário apenas decorar datas ou
estabelecer causas e consequências para os processos históricos. Se a

17
contagem do tempo sugere uma continuidade, por outro lado, os processos
históricos também se realizam por rupturas e vários tipos de relações.
Sobre a organização cronológica também é necessário informar que se
trata de uma divisão cronológica tradicional, que privilegia a perspectiva
europeia da História, mas que ainda é amplamente adotada na maioria dos
livros didáticos.
A atual educação escolar busca desenvolver nos alunos habilidades e
competências que o auxiliem no seu dia a dia. Essas habilidades são: domínio
da leitura e escrita; capacidade de fazer cálculos e resolver problemas;
capacidade de analisar, sintetizar e interpretar dados, fatos, situações;
capacidade de compreender e atuar em seu meio social; receber criticamente
os meios de comunicação; capacidade de localizar, acessar e usar melhor a
informação; e capacidade de planejar, trabalhar e decidir em grupo. Enfim, os
conteúdos escolares somente serão aprendidos se forem utilizados pelos
alunos no cotidiano.
Para auxiliar a preparação do candidato, o Programa apresenta algumas
habilidades específicas do conhecimento histórico. Em geral, essas habilidades
são: caracterizar, identificar, relacionar, comparar, compreender, interpretar,
analisar, avaliar, entre outras. Por isso, várias questões poderão apresentar
documentos históricos e um conjunto diversificado de textos (históricos,
jornalísticos e/ou literários) - além de figuras, mapas, tabelas e gráficos - que
estimulam diversas habilidades.
Como apoio ao estudo, uma bibliografia foi sugerida, mas ela poderá ser
complementada ou substituída por várias outras coleções disponíveis no
mercado. Portanto, é necessário que o candidato amplie suas leituras e
conhecimentos por meio de jornais, livros, obras de arte etc.

HABILIDADES CONTEÚDOS
a) Localizar no espaço e no tempo as História: fontes e procedimentos
sociedades e os períodos históricos. metodológicos

b) Compreender as formações sociais Civilizações da Antiguidade


em diferentes períodos da história, inter- - Oriente: Egito, Mesopotâmia
relacionando aspectos sociais, - Ocidente: Grécia e Roma
econômicos, políticos e culturais.

18
Civilizações da Idade Média
c) Identificar os sujeitos históricos e - A Europa Feudal
caracterizar as condições de vida, os - O Império Bizantino
interesses, as aspirações e os projetos - O Império Islâmico
políticos dos diferentes grupos sociais
ao longo da história. Idade Moderna: a Europa
- Os Estados Modernos Absolutistas
d) Interpretar processos históricos, - O Humanismo e o Renascimento
estabelecendo relações entre diferentes - A Reforma Protestante e a Contra-
conjunturas e fatos sociais. Reforma
- A Expansão Marítima e o
e) Estabelecer relações entre fatos e Mercantilismo
processos históricos do Brasil, da
Europa, da África e da América. Idade Moderna: a América
- O encontro entre europeus e povos
f) Reconhecer a diversidade nativos: os conflitos, resistência,
sociocultural em diferentes sociedades e dominação e a transculturação
períodos históricos. - O Sistema Colonial Espanhol
- As Treze Colônias Inglesas da América
g) Valorizar a participação social, do Norte
identificando os grupos sociais, as
alianças e os conflitos estabelecidos em O Sistema Colonial Português no
determinados eventos e processos Brasil
históricos. - A Sociedade Açucareira
- A Expansão Territorial Portuguesa
h) Compreender os fundamentos - As Sociedades Mineradoras
históricos da cidadania e da - Os Movimentos Nativistas
democracia. - A Vida Cotidiana no Brasil Colonial
- A Arte Colonial
i) Comparar sociedades que coexistem
no tempo em regiões geográficas Passagem da Idade Moderna para a
diferentes, identificando semelhanças e Idade Contemporânea
diferenças entre os modos de vida. - A Revolução Industrial
- A Independência dos Estados Unidos
j) Comparar momentos históricos - A Revolução Francesa
distintos de uma mesma sociedade, - A Era Napoleônica
identificando mudanças e permanências - A Independência da América
ao longo do tempo. Espanhola

l) Relacionar elementos do passado e O Mundo no Século XIX


do presente, reconhecendo suas - Liberalismo, Anarquismo e Socialismo
diferenças no tempo. - A Unificação da Itália e da Alemanha
- O Imperialismo na Ásia, África e
m) Interpretar e analisar fontes Oceania
históricas textuais e visuais, - Os EUA e América Latina
identificando os autores e - O Desenvolvimento Artístico e
caracterizando os contextos históricos Científico
em que foram produzidas. - A Vida Cotidiana na Europa e EUA

n) Reconhecer a diversidade de A Sociedade Brasileira no Século XIX


interpretações históricas, contrapondo - O Processo de Independência
versões divergentes dos eventos e Brasileira
processos históricos. - O Império Brasileiro
- Goiás: a sociedade agro-pastoril
19
n) Interpretar diferentes gêneros de - A Arte e a Ciência no Brasil
textos (literários, artigos de jornal, - A Vida Cotidiana no Brasil
charges, publicitários, entre outros),
relacionando-os com o contexto O Mundo do Século XX ao XXI
histórico em que foram produzidos. - A Primeira Guerra Mundial
- A Revolução Russa
o) Interpretar mapas, gráficos e tabelas, - A Ascensão do Fascismo e do
relacionando-os com a reflexão sobre os Nazismo
processos históricos. - A Segunda Guerra Mundial
- A Guerra Fria
- A Descolonização da África e da Ásia
- O Fim da URSS e a Crise dos Estados
Socialistas
- A Globalização e o Neoliberalismo
- A Vida Cotidiana no Século XX
- Atualidade

O Brasil do Século XX ao XXI


- A República Velha
- A Revolução de 1930
- A Era Vargas
- Goiás no contexto da Marcha para o
Oeste
- O Populismo
- A Ditadura Militar
- A Nova República
- Vida Cotidiana
- Arte, Cultura Popular e Cultura de
Massa

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA

ARRUDA, José Jobson de A. & PILETTI, Nelson. Toda a História: História


Geral e História do Brasil. 4ª ed. São Paulo: Ed. Ática, 1995.

CAMPOS, Flávio de; MIRANDA, Renan G. A Escrita da História. São Paulo:


Escala Educacional, 2005.

MORAES, José Geraldo Vinci de. Caminhos das Civilizações: História


Integrada Geral e Brasil. São Paulo: Ed. Atual, 1998.

PALACIN, Luis & MORAES, Maria Augusta Santana de. História de Goiás.
Goiânia: Ed. UFG, 1982.

PALACIN, Luis e outros. História de Goiás em Documentos: I. Colônia. Goiânia:


Ed. UFG, 1995.

PEDRO, Antônio; LIMA, Lizânia de S. História da Civilização Ocidental. São


Paulo: FTD, 2005

SCHMIDT, Mário F. Nova História Crítica. São Paulo: Nova Geração, 2005.

20
TEIXEIRA, Francisco M. P. Brasil: História e Sociedade. São Paulo; Ática,
2000.

21
Sociologia – Ensino Médio

Embora desde o seu aparecimento na Terra o homem tem sido um


animal social, a Sociologia é uma ciência ou disciplina nova em comparação às
demais disciplinas. Ela surgiu na Europa ao final do século XVIII, em
decorrência das transformações causadas pelo advento do Capitalismo, da
Revolução Industrial e da Revolução Francesa. Os problemas sociais trazidos
por essas transformações provocaram diversos conflitos sociais e políticos.
Para resolver esses conflitos uma série de estudos sobre os fenômenos sociais
foi realizada, utilizando primeiro os métodos das ciências naturais e depois
métodos próprios. Assim surgiu a Sociologia.
De modo geral, pode-se dizer que a Sociologia é a ciência ou disciplina
que estuda os fenômenos sociais em suas interações e inter-relações. Esses
fenômenos envolvem instituições, grupos, indivíduos, símbolos, valores, ideias,
normas, significações, enfim, uma cultura e/ou sociedade.
Em seus estudos, a Sociologia pesquisa os fenômenos sociais (jurídicos,
econômicos, religiosos, estéticos, morfológicos etc.) em seus aspectos gerais
ou enfatizando somente em um de seus aspectos, porém sem deixar de
considerar esse aspecto como integrado a uma totalidade de relações.
Todavia, a Sociologia não se interessa apenas pelos fenômenos coletivos. Ela
também estuda as relações entre os indivíduos e a sociedade em que vivem.
Além disso, a Sociologia estuda as regularidades e uniformidades que formam
a coesão e a estabilidade de uma sociedade, bem como os processos
dinâmicos que explicam os conflitos, as negociações e as transformações
sociais.
Para explicar os fenômenos sociais, a Sociologia utiliza diversos
métodos conforme o objeto de estudo, a teoria adotada, a ideologia do
pesquisador e os interesses políticos em jogo. Porém, é necessário o uso de
dados empíricos, isto é, dados recolhidos por meio de técnicas de observação
e de análise, reproduzíveis por qualquer observador. Por último, a Sociologia
mantém um constante diálogo interdisciplinar com outras ciências como a
Antropologia, a Biologia, a Economia, a Geografia, a História, a Psicologia etc.,
bem como com a Filosofia.
No Brasil, durante o período da Ditadura Militar (1964-1985), a
Sociologia e a Filosofia foram excluídas dos currículos escolares com o objetivo
de evitar o desenvolvimento de uma consciência crítica dos problemas sociais
22
e políticos da nossa sociedade. Porém, atualmente, a inclusão da Sociologia
como uma das disciplinas do Ensino Médio, tem como respaldo legal o Art. 36,
parágrafo 1º, inciso III da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei
9394/96), que estabelece o “domínio dos conhecimentos de Filosofia e
Sociologia necessários ao exercício da cidadania”, uma competência a ser
adquirida durante o Ensino Médio. A Resolução CEE N 291/2005 também
dispõe sobre o oferecimento das disciplinas de Filosofia e Sociologia no Ensino
Médio, que reconhecem a importância da Sociologia para a formação do senso
crítico e da cidadania.
A atual educação escolar busca desenvolver nos alunos
habilidades e competências que o auxiliem no seu dia a 10. Ed. dia. Essas
habilidades são: domínio da leitura e escrita; capacidade de fazer cálculos e
resolver problemas; capacidade de analisar, sintetizar e interpretar dados,
fatos, situações; capacidade de compreender e atuar em seu meio social;
receber criticamente os meios de comunicação; capacidade de localizar,
acessar e usar melhor a informação; e capacidade de planejar, trabalhar e
decidir em grupo. Enfim, os conteúdos escolares somente serão aprendidos se
forem utilizados pelos alunos no cotidiano.
Para auxiliar a preparação do candidato, este Programa apresenta
algumas habilidades específicas do conhecimento sociológico. Em geral, essas
habilidades são: caracterizar, identificar, relacionar, comparar, compreender,
interpretar, analisar, avaliar, entre outras. Por isso, várias questões poderão
apresentar um conjunto diversificado de textos (sociológicos, históricos,
jornalísticos, literários etc.) - além de figuras, mapas, tabelas e gráficos - que
estimulam diversas habilidades.
Como apoio ao estudo, uma bibliografia foi sugerida, mas ela poderá ser
complementada ou substituída por várias outras coleções disponíveis no
mercado. Portanto, é necessário que o candidato amplie suas leituras e
conhecimentos por meio de jornais, livros, obras de arte etc.

23
Habilidades Conteúdos
a) Compreender as formações sociais 1 – Surgimento da Sociologia e das
em diferentes períodos da história, teorias sociológicas
inter-relacionando aspectos sociais,
econômicos, políticos e culturais. 1.1 A Sociologia Clássica: Karl Marx,
Emile Durkheim e Max Weber.

b) Identificar os sujeitos sociais e 1.2 A Sociologia do Século XX


caracterizar as condições de vida, os
interesses, as aspirações e os projetos 1.3 Tendências Atuais da Sociologia
políticos dos diferentes grupos sociais.
1.4 A Sociologia Brasileira

c) Interpretar as interações sociais,


estabelecendo relações entre
diferentes conjunturas, instituições e 2 – Instituições Sociais
fatos sociais.
2.1 Normas,Valores e Símbolos
d) Estabelecer relações entre fatos e
processos sociais do Brasil, da 2.2 Estado
Europa, da África e da América.
2.3 Casamento, Família e Parentesco
e) Reconhecer a diversidade
sociocultural em diferentes sociedades 2.4 Religião e Igreja
e períodos históricos.
2.5 Escola
f) Valorizar a participação social,
identificando os grupos sociais, as 2.6 Linguagem
alianças e os conflitos estabelecidos
em determinados eventos e processos 2.7 Arte etc.
sociais.
3 – Cultura e Indústria Cultural
g) Compreender os fundamentos
sociológicos e políticos da cidadania e 3.1 Conceitos de Cultura
da democracia.
3.2 Etnocentrismo e Relativismo
h) Comparar sociedades que Cultural
coexistem no tempo em regiões
geográficas diferentes, identificando 3.3 Folclore, Cultura Erudita e Cultura
semelhanças e diferenças entre os Popular
modos de vida.
3.4 Cultura de Massa, Indústria
i) Comparar momentos históricos Cultural e Mídia
distintos de uma mesma sociedade,
identificando mudanças e 3.5 Propaganda, Publicidade e
permanências ao longo do tempo. Marketing

24
j) Interpretar e analisar fontes textuais 4 – Movimentos Sociais
e visuais, identificando os autores e
caracterizando os contextos sociais em 4.1 Movimentos sociais no campo
que foram produzidos.
4.2 Subculturas urbanas
l) Reconhecer a diversidade de
interpretações sociológicas, 4.3 Movimento Ecológico
contrapondo versões divergentes dos
fenômenos e processos sociais. 4.4 As ONGs

m) Interpretar diferentes gêneros de 4.5 Direitos Humanos


textos (literários, artigos de jornal,
charges, publicitários, entre outros),
relacionando-os com o contexto social
em que foram e são produzidos. 5 – Ideologia, poder e política
n) Interpretar mapas, gráficos e 5.1 Conceitos de Ideologia e Poder
tabelas, relacionando-os com a
reflexão sobre os fenômenos sociais. 5.2 Conservadorismo, Anarquismo,
Socialismo, Liberalismo, Socialismo,
o) Compreender os conceitos Totalitarismo, Populismo
sociológicos como elementos
essenciais na análise das instituições, 5.3 Formas e Regimes
sujeitos, fenômenos, processos e Governamentais
sistemas sociais.
5.4 Democracia e participação política

5.5 Nacionalismo, Nacionalidade e


Soberania

5.6 Relações Internacionais

5.7 Dominação e Estrutura de Poder

5.8 Relações de Gênero

6 – Classes Sociais e Relações de


Produção

6.1 Conceito de Modo de Produção

6.2 Estratificação social: castas,


ordens e classes sociais

6.3 Mobilidade Social e Migrações

6.4 Exploração Econômica e


Relações de Produção

6.5 Cooperação, oposição e conflitos


sociais
6.6 Desemprego e Subemprego
25
7 – Identidades e Papéis Sociais

7.1 Conceito de Identidade e Papel


Social

7.2 Minorias Étnicas, Religiosas,


Sexuais e Sociais

7.3 Marginalização, Estigma e


Preconceito

7.4 Diversidade Cultural

7.5 Isolamento Social

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA

CHAUI, Marilena. O que é Ideologia. São Paulo: Brasiliense, s/d.

COELHO, Teixeira. O que é Indústria Cultural. São Paulo: Brasiliense, 1996


(Coleção Primeiros Passos).

COSTA, Maria Cristina Castilho. Sociologia: Introdução à ciência da sociedade.


São Paulo: Moderna, 1997.

LARAIA, Roque Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro:


Zahar, 1986.

MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. São Paulo: Brasiliense, 38ª


ed., 1994 (Coleção Primeiros Passos, 57).

MEKSENAS, Paulo. Aprendendo Sociologia: a paixão de conhecer a vida. 4ª


ed. São Paulo: Loyola, 1987.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de e COSTA, Ricardo César Rocha da. Sociologia


para Jovens do Século XXI. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2007.

OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à Sociologia. São Paulo: Ática, 2002.

PARANÁ. Sociologia: Ensino Médio. Curitiba: Secretaria de Estado da


Educação do Paraná, 2006.

RAMOS, Alcida Rita. Sociedades indígenas. São Paulo: Ática, 1986.

SANTOS, Joel Rufino dos. O que é racismo. São Paulo: Brasiliense, s/d.

TELES, Maria Luiza Silveira. Sociologia para jovens – iniciação à Sociologia.


Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1993.

26
VITA, Álvaro. Sociologia da sociedade brasileira. São Paulo: Ática, 1989.

27
GEOGRAFIA/ENSINO MÉDIO

A Geografia é uma ciência que objetiva compreender e analisar a


dinamicidade da sociedade e da natureza em sua interação sob o ponto de
vista da espacialidade. No Ensino Médio, ela visa orientar a formação do aluno
como sujeito social, que assume posicionamentos críticos e elabora
proposições, reconhecendo as contradições e os conflitos existentes no mundo
contemporâneo. A Geografia, ao contribuir para pensar o espaço enquanto
uma totalidade na qual se passam todas as relações cotidianas, auxilia o aluno
a se reconhecer como um importante agente social, que tem compromissos em
construir e solidificar a cidadania em todas as esferas da existência humana
com atitudes concretas de participação e cooperação social.

Diante do exposto, tem-se a expectativa de que o candidato demonstre


conhecimentos e habilidades que possibilitem analisar o espaço geográfico de
maneira critica. Espera-se, dessa forma, que o candidato consiga localizar,
compreender e interpretar o mundo complexo, problematizar a realidade,
formular proposições, reconhecer as dinâmicas existentes no espaço
geográfico, compreender os fenômenos que se desenvolvem por meio das
relações existentes entre a sociedade e a natureza.

HABILIDADES

1. Operar e articular conceitos básicos da Geografia para análise do


espaço geográfico.
2. Analisar o espaço geográfico a partir da interação sociedade-
natureza.
3. Reconhecer e analisar as dinâmicas da natureza e da sociedade.
4. Caracterizar e analisar as dinâmicas das paisagens.
5. Localizar fenômenos e processos ambientais no espaço geográfico.
6. Interpretar os diferentes tipos de linguagens visuais e/ou
cartográficas: globos, mapas, plantas, gráficos, quadros e tabelas.

28
CONHECIMENTOS

1. Formação territorial brasileira


2. Geopolítica, globalização, regionalização e economia mundial
3. Fontes de energia, industrialização e transformações espaciais
4. Políticas e impactos ambientais
5. Espaços urbanos: apropriação e uso, dinâmica e estrutura
6. Espaço agrário: apropriação e uso, modernização da agricultura e
movimentos sociais
7. População: aspectos quantitativos, estruturais e dinâmicos
8. Espaço e cultura: identidade, processos e territorialidade
9. Elementos da paisagem natural (relevo, clima, rede de drenagem,
solos, vegetação, fauna) e ação humana
10. Linguagem cartográfica: coordenadas, projeções, fusos horários,
escalas, etc

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA

MAGNOLI, Demétrio e ARAÚJO, Regina. A Nova Geografia: estudos de


Geografia geral. São Paulo: Moderna (edição atualizada).

MAGNOLI, Demétrio e ARAÚJO, Regina. A Nova Geografia: estudos de


geografia do Brasil. São Paulo: Moderna (edição atualizada).

VESENTINI, J.W. Sociedade e Espaço: Geografia geral e do Brasil. São Paulo:


Ática (edição atualizada).

VESENTINI, J.W. Sociedade e Espaço: geografia do Brasil.São Paulo: Ática


(edição atualizada).

29
LÍNGUA PORTUGUESA/ENSINO MÉDIO

Este programa tem por objetivo explicar o que é essencial para que
você tenha um bom desempenho na prova de Língua Portuguesa.
A Superintendência de Educação a Distância e Continuada (SUED)
busca, ao aprovar seus candidatos, indivíduos que sejam capazes de utilizar a
linguagem com competência nas mais variadas situações de uso. Por
isso, este programa abrange o conteúdo básico do Ensino Médio, adequando-o
às necessidades particulares da Educação de Jovens e Adultos (EJA),
conforme as novas diretrizes curriculares para o Ensino Médio.
Para compreendermos melhor o enfoque deste programa, é
necessário entender que a linguagem está presente nas atividades humanas e
seus diferentes usos e funções são construídos na relação entre os falantes de
uma língua. A língua, portanto, é um rico instrumento que nos possibilita a
comunicação em diversas situações de nossa vida e de diferentes formas, pois
é uma atividade social que nos permite interagir com outras pessoas. Tanto na
vida familiar, na vida escolar, quanto no trabalho, o uso da língua se manifesta
sob a forma de textos que, dependendo da situação comunicativa,
caracterizam o nível de linguagem a ser utilizado. A esse conjunto variado de
textos chamamos gêneros textuais. Eles são formas textuais que circulam em
nossa sociedade e são caracterizados conforme a sua função, o tipo de
falantes envolvidos e o tipo de assunto abordado. Vejamos: são gêneros
textuais os bilhetes, cartas, notícias de jornal, editorial, artigos de opinião,
charges, tiras, contos, crônicas, poemas, letras de músicas etc. Como você
pode ver, há uma infinidade de gêneros textuais com os quais nós, como
falantes, temos contato quase que diário.
A prova de língua portuguesa que você fará será construída a partir
dessa proposta de gêneros textuais, e sua competência linguística será
avaliada com base nos conhecimentos que você tem da língua portuguesa em
situações reais de uso. Assim, habilidades como leitura, compreensão e escrita
são essenciais para que você demonstre conhecer os recursos gramaticais que
permitem a um falante entender o uso da ironia numa tira de jornal, por
exemplo, ou compreender que um autor expõe suas ideias com o objetivo de
convencer seu leitor. Nesse sentido, o que esperamos de você é sua
capacidade de ler e escrever, observando sempre que a língua é o meio pelo
qual construímos sentidos.
30
Outro ponto importante e que deve ser lembrado é que a língua está
sujeita à situação comunicativa, ou seja, dependendo de quem fala, com quem
se fala ou sobre o que se fala, o locutor/falante pode empregar a língua sob
condições mais formais ou mais informais, utilizando modos característicos da
região de onde é oriundo, por exemplo. A isso chamamos variação linguística e
significa que você, como falante, deve saber qual a situação mais adequada
para usar uma ou outra variedade linguística.
Considerando o exposto acima, o programa de Língua Portuguesa se
apoia em três eixos básicos, a partir dos quais serão avaliadas suas
habilidades em relação aos conteúdos propostos para o Ensino Médio. São
eles: a) leitura de textos; b) produção escrita; c) análise da língua. Esses
três eixos expressam a natureza da prova que você fará. Assim, esperamos
que você compreenda que as habilidades de leitura de textos, produção
escrita e análise da língua se complementam, pois a estrutura gramatical de
uma língua depende e define a forma do texto que será construído pelo falante,
assim como o sentido é gerado a partir da escolha que esse falante faz das
palavras, do gênero textual e das estratégias que são estabelecidas para que a
comunicação seja clara e eficiente. E são essas competências que esperamos
de você nesta prova!
O quadro de habilidades e conteúdos abaixo esboça as
competências que você deve apresentar em relação ao exercício da língua
portuguesa para todo indivíduo que finaliza o Ensino Médio:

I. Habilidades específicas II. Conteúdos

• Compreender e interpretar textos que • Linguagens verbal e não-verbal.


utilizem as linguagens verbal e não- • Gêneros discursivos: textos literários
verbal. (poesia e prosa), letras de músicas,
• Compreender a estruturação dos anúncios publicitários, textos científicos
gêneros discursivos: textos literários, e didáticos, textos jornalísticos (editorial,
jornalísticos, científicos e didáticos, notícia, artigo de opinião, carta de leitor,
observando sua organização textual e quadrinhos, charges)
suas funções. • Aspectos denotativos e conotativos da
• Perceber os recursos de linguagem linguagem; pressupostos, implícitos,
utilizados no texto: denotação, subentendidos, ambiguidades
31
conotação; pressupostos, implícitos, • Elementos estruturais do texto narrativo
subentendidos, ambiguidades. (narrador, conflito, personagens, tempo,
• Identificar o tema do texto e associá-lo espaço)
às ideias e aos acontecimentos da vida • Elementos estruturais do texto
cotidiana que o sustentam, argumentativo (tema, objetivos do autor,
posicionando-se diante da visão argumentos, contra-argumentos,
apresentada pelo autor. conclusão)
• Identificar a ideia central de cada • Coesão e coerência textuais: elementos
parágrafo, bem como as ideias que articulam as ideias no texto: sinais
secundárias do texto, observando os de pontuação; usos de preposições,
recursos da língua para a construção do conjunções e pronomes; concordância
texto. verbal e nominal; regência verbal e
• Perceber as propriedades do texto nominal, usos dos tempos verbais
narrativo (narrador, conflito, • Estrutura, formação e classificação de
personagem, tempo, espaço). palavras
• Perceber as propriedades do texto • Processos de coordenação e
argumentativo (tema, objetivos, subordinação
argumentos, contra-argumentos, • Estratégias de construção textual
hierarquia de ideias, conclusão). (paralelismo, enumeração, inversão,
• Elaborar textos narrativos (crônica e interlocução etc)
conto) e argumentativos (artigo de • Tipos de discurso: direto, indireto,
opinião e carta), empregando os indireto livre
elementos que os estruturam, • Variação linguística: língua falada e
obedecendo à organização lógica das língua escrita; linguagem formal e
idéias e às convenções da língua escrita informal
na modalidade padrão.
• Observar a estrutura, a formação e a
classificação de palavras.
• Perceber as relações internas do texto:
coesão e coerência (pontuação,
regência nominal e verbal, acentuação,
concordância verbal e nominal etc).
• Identificar no texto elementos
responsáveis por estabelecer as
relações de causa, consequência,

32
finalidade, os marcadores de tempo,
espaço, modo, observando a
estruturação dos elementos linguísticos
na frase e sua relação com as
estratégias de construção do texto
(paralelismo, enumeração, inversão,
interlocução etc).
• Perceber a organização das ideias nos
textos: processos de coordenação e
subordinação.
• Reconhecer e utilizar os tipos de
discurso: direto, indireto, indireto livre.
• Perceber as variações da Língua
Portuguesa.

Sugestão de Bibliografia

LOPES, H. V. et alii. Língua portuguesa. São Paulo: Editora do Brasil, 2004.

CUNHA, C. Minigramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro:


Nova Fronteira, 1996.

TERRA, E. & NICOLA, J. Práticas de linguagem: leitura e produção de


textos. São Paulo: Scipione, 2001.

Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Língua Portuguesa/


Ministério da Educação – Brasília: Secretaria de Educação Média e
Tecnológica. MEC, 1999.

PLATÃO F. & FIORIN, J. L. Para entender o texto: leitura e redação. São


Paulo: Ática, 1991.

-----. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996.

33
LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA – INGLÊS/ENSINO MÉDIO

Considerando o importante papel que a língua estrangeira, especialmente o


inglês, desempenha na formação cultural e profissional do indivíduo, a prova dos
Exames Supletivos - Ensino Médio - terá como objetivo principal avaliar a
capacidade do candidato de compreender textos em língua inglesa.

Com isso, espera-se que o candidato possa apreender a estrutura global do


texto, a sua organização e o uso contextualizado dos recursos da língua. Além
disso, o candidato deve ser capaz de identificar os vários tipos de textos -
narrativo, descritivo, informativo, apelativo-; inferir informações e significados;
estabelecer referências textuais e relacionar frases com o texto, o contexto e a
forma (aspecto não-verbal).

Para a produção da prova, serão utilizados textos científicos, informativos,


literários, didáticos, jornalísticos, publicitários, charges, cartoons, entre outros.

As questões poderão ser formuladas em português ou inglês.

HABILIDADES

 Ler e compreender textos em língua inglesa.


 Estabelecer relações entre informações verbais e visuais.
 Inferir significados com base no contexto.
 Reconhecer os usos das estruturas da língua inglesa.
 Identificar diferentes tipos de textos.
 Estabelecer relações, analogias e comparações em textos de língua
inglesa.

CONTEÚDOS

 Vocabulário básico da língua inglesa


 Estratégias de leitura
 Componentes estruturais da língua inglesa (gramática)

34
SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA

O candidato deve ser capaz de ler e analisar textos autênticos, isto é, textos
que não são produzidos especificamente para o ensino de línguas, mas
encontrados no dia a dia, no mundo do trabalho, em jornais, revistas, livros
literários (trechos de poesias, contos, novelas, romances, peças teatrais,
contos de fada), gibis, sítios da internet etc.; textos tais como: manuais de
instrução, de segurança, letras de músicas, cartas, e-mails, bulas de remédio,
menus, dietas, receitas, entrevistas, rótulos de embalagens, classificados,
verbetes de dicionários, anúncios publicitários etc. Além de textos autênticos, o
candidato pode se preparar também por meio de livros didáticos, tais como os
seguintes:

1. FERRARI, M.; RUBIN, S. G. Inglês para o Ensino Médio. Vol. Único. São
Paulo: Scipione, 2002.
2. MARQUES, A. Password. Vol. 1, 2, 3. São Paulo: Editora Ática, 1996.
3. SANTOS, M. Super Goal. Student book 2. Singapore: McGraw-Hill
Companies, 2001.
DICIONÁRIO
Mini Collins – Português/Inglês, Inglês/Português. São Paulo: Editora
Siciliano, 1994.

35
BIOLOGIA/ENSINO MÉDIO

Caro candidato esperamos que você obtenha um bom desempenho em


sua prova. Para tanto, apresentamos a seguir uma introdução que poderá
ajudá-lo durante seu estudo.

Introdução:
O estudo da Biologia nos faz pensar nos eventos que deram origem, nos
antigos oceanos, a estruturas químicas constitutivas da vida e posteriormente
às células, menores unidades que compõem os seres vivos.
O conhecimento da estrutura, da função e da diversidade dos seres vivos,
sejam eles uni ou pluricelulares, nos leva a relacionar todos os eventos
ocorridos com os indivíduos, ao longo do tempo.
Um evento-chave, durante a evolução dos seres vivos, ocorreu quando
algumas células começaram a fotossintetizar seu próprio alimento a partir de
substâncias simples presentes no ambiente marinho. Tais células
fotossintetizantes contribuíram para mudanças na composição da antiga
atmosfera e influenciaram a evolução das plantas e dos animais.
Os seres vivos, primeiramente as plantas e depois os animais,
começaram então a colonizar o ambiente terrestre e muitas estruturas visíveis,
presentes nos atuais seres vivos terrestres, são adaptações evolutivas para a
sobrevivência em ambiente relativamente seco.
O estudo da Biologia também fornece bagagem de conhecimento
necessária para entender e superar muitos desafios como poluição, escassez
de alimento e de água potável além de empreendimentos como o
desenvolvimento de novas culturas agrícolas e a cura de doenças usando a
engenharia genética.
Com tudo isso em mente, podemos dizer que ao estudar Biologia deve-se
ter uma visão global dos seres vivos e do ambiente.
Assim, este programa apresenta um conjunto de habilidades que lhe
serão necessárias e relaciona conteúdos que possibilitarão o desenvolvimento
dessas habilidades.

HABILIDADES CONTEÚDOS
* Reconhecer a célula como unidade viva 1. A organização dos seres vivos

36
formadora de todos os organismos.
* Caracterizar os constituintes celulares. 1.1. Moléculas que constituem os seres
* Relacionar as funções vitais com os vários vivos
componentes celulares. 1.2. A organização celular da vida
* Associar as células reprodutoras e 1.3. Funções vitais básicas
somáticas aos processos de reprodução, 1.4. Reprodução celular e o código
crescimento e regeneração. genético
1.5. Tecnologias de manipulação do DNA

* Reconhecer os grupos taxonômicos de seres 2. Classificação e diversidade dos


seres vivos
vivos.
* Compreender a morfologia e a fisiologia dos 2.1. Principais critérios de classificação,
seres vivos e a sua importância ecológica e regras de nomenclatura e as categorias
econômica. taxonômicas reconhecidas atualmente
* Associar as características morfofisiológicas 2.2. Principais características dos
dos seres vivos à sua localização geográfica. representantes dos cinco reinos
* Analisar propostas de intervenção humana (Bactéria, Protoctista, Fungi, Animália e
(comércio, indústria, urbanização, Plantae), - suas especificidades
agropecuária) nos diversos ambientes. relacionadas às condições ambientais e
relações de parentesco entre os seres
vivos.
2.3. Características da fauna e da flora
nos grandes biomas terrestres, em
especial no Cerrado
2.4. Preservação e recuperação dos
ecossistemas e da biodiversidade
* Reconhecer que os seres vivos em um 3. Interação entre os seres vivos
ecossistema mantêm entre si múltiplas
3.1 A interdependência da vida
relações de convivência.
3.2. Os movimentos dos materiais e da
* Interpretar as relações alimentares como
energia na natureza
forma de garantir a transferência de matéria e
3.3. Comunidades biológicas e dinâmica
de energia do ecossistema.
das populações
* Compreender que os elementos químicos
3.4. A intervenção humana e os
como o carbono, oxigênio e nitrogênio
desequilíbrios ambientais
circulam no ecossistema.
3.5. Problemas ambientais regionais e
* Reconhecer o ser humano como agente de
37
transformações do ambiente. brasileiros
* Conhecer as principais teorias sobre a 4. Origem e evolução da vida
origem da vida.
4.1. Hipóteses sobre a origem do
* Compreender as transformações que o
universo, da Terra e da vida; a vida primitiva.
planeta sofreu no decorrer dos tempos.
4.2. Ideias evolucionistas e evolução
* Caracterizar as principais evidências
biológica
evolutivas.
4.3. Mecanismos de mutação,
* Reconhecer a importância das teorias
recombinação gênica e seleção natural e
evolutivas.
migração.
* Compreender hipóteses referentes à
4.4. A origem do ser humano.
evolução do homem.
4.5. Transformação do ambiente e a
* Comparar argumentos sobre a evolução dos
adaptação dos seres vivos.
seres vivos.
4.6. Biotecnologia e suas implicações –
* Conhecer os avanços biotecnológicos e
riscos e benefícios da manipulação de
posicionar-se de maneira crítica sobre as
material genético à saúde humana e ao
vantagens e desvantagens do uso da
meio ambiente
biotecnologia (clonagem, transgênicos,
melhoramento genético).

* Reconhecer as características básicas dos 5. Equilíbrio orgânico


agentes causadores de doenças.
5.1. Relação das condições
* Identificar as formas de contaminação e os
socioeconômicas com a qualidade de vida
mecanismos de defesa do organismo.
das populações humanas, em especial na
* Estabelecer relações entre doenças e os
região Centro-Oeste.
fatores socioeconômicos e culturais.
5.2. Distinção entre doenças infecto-
* Compreender a influência dos fatores
contagiosas, parasitárias, degenerativas,
genéticos, de maus hábitos de vida e de
ocupacionais, carenciais, sexualmente
fatores ambientais no desencadeamento de
transmissíveis (DST) e provocadas por
doenças.
toxinas ambientais.
* Analisar propostas de intervenção humana
5.3. Saúde ambiental – saneamento
considerando fatores que afetam a qualidade
básico e poluição.
de vida dos indivíduos.
5.4. Sistema imunológico e prevenção
de doenças.

38
SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA
AMABIS, J.M.; MARTHO, G. R. Biologia, v. 1, 2,3, São Paulo: Moderna, 2004.
BRASIL. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS – ENSINO MÉDIO:
Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, Brasíli: Mec., 2003.
FROTA-PESSOA, O. Biologia v. 1,2,3, São Paulo: Scipione, 2008.
LINHARES, S.; GEWANDSNAJDEER. F. Biologia v. único, São Paulo: Ática,
2008.
PAULINO, W. R. Biologia Atual. v. único, São Paulo: Ática, 2002.
Jornais e Revistas de Circulação Local e Nacional.

39
QUÍMICA/ENSINO MÉDIO

O presente programa visa informar ao candidato aos Exames


Supletivos/2007 os conteúdos e as habilidades especificas que serão avaliados
na prova de Química.
A Química é a ciência que estuda as substâncias e suas
transformações, podendo-se constatar sua importância para a sociedade como
um todo - no desenvolvimento de novos materiais, nos processos produtivos de
medicamentos, alimentos, cosméticos, vestuários, combustíveis e, também, na
necessária compreensão dos seus pressupostos para que possamos formar
um cidadão ciente de seus deveres e perfeitamente capaz de atuar nessa
sociedade com os conhecimentos científicos adquiridos.
O candidato ao Ensino Médio deverá dominar conteúdos básicos,
desenvolver habilidades específicas e compreender a inter-relação da Química
e outras ciências.
O domínio desses conhecimentos poderá proporcionar ao candidato
uma visão crítica e responsável em relação ao meio ambiente e à sociedade,
para que ele possa exercer melhor sua cidadania.
Vale ressaltar que, para melhor se orientar na preparação dessa prova e
evitar a simples memorização dos conteúdos, o candidato deverá desenvolver
habilidades específicas relativas a cada assunto, conforme as registradas
neste programa.

Conteúdo Habilidades
1. Substâncias e misturas
• Conceituar, diferenciar substâncias
e misturas e seus respectivos
processos de obtenção e purificação.

2. Propriedades da Matéria • Identificar os estados físicos da


2.1 Estados físicos da matéria: gases, matéria.
líquidos e sólidos • Interpretar gráficos e tabelas
2.2 Propriedades físicas: densidade, relativos às propriedades físicas da
ponto de fusão, ponto de ebulição e matéria.
solubilidade • Identificar os processos de
separação de substâncias
baseando-se nas propriedades
físicas da matéria.
3. Estrutura da Matéria • Compreender os modelos de
3.1 Modelos atômicos Dalton, Thomson, Rutherford e
Rutherford-Bohr estabelecendo
40
relações entre eles, inclusive em
termos de momentos históricos e
contextos em que foram propostos.
4. Partículas Fundamentais do átomo: • Identificar as partículas
prótons, elétrons e nêutrons fundamentais do átomo.
• Compreender e aplicar o conceito
de isótopos.
5. Nomenclatura e representação dos • Conceituar elemento químico e
elementos químicos representar segundo a IUPAC cada
átomo e seu respectivo número
atômico e massa atômica.
6. Classificação periódica dos elementos • Classificar os elementos químicos
químicos e as propriedades periódicas em grupos e períodos com base na
distribuição dos elétrons.
• Reconhecer que os elementos
químicos estão agrupados de modo
que se possa prever a variação de
suas propriedades nos grupos e
períodos (raio atômico, potencial de
ionização, eletronegatividade).
7. Ligações Químicas • Reconhecer que as ligações
7.1 Tipos de Ligação: iônica, covalente e químicas se estabelecem pela
ligação metálica interação dos átomos por meio dos
7.2 Propriedades dos compostos iônicos elétrons da camada de valência e
e moleculares representá-las através dos modelos
7.3 Geometria molecular de Lewis, fórmula estrutural e
7.4 Polaridade das ligações molecular.
7.5 Interações intermoleculares • Prever o tipo de ligação formada a
7.6 Número de oxidação partir da distribuição eletrônica dos
átomos ligantes e de suas posições
na tabela.
• Compreender a condutibilidade
elétrica e térmica dos metais,
mediante o modelo da ligação
metálica.
• Associar as interações de
hidrogênio (ligações de hidrogênio),
a interação dipolo-dipolo e as forças
de Van der Waals aos estados
físicos e propriedades das
substâncias.
• Compreender a solubilidade por
meio dos conceitos de polaridade
das ligações e das moléculas.
8 Reações Químicas • Diferenciar fenômenos físicos e
8.1 Transformações químicas e físicas químicos.
8.2 Leis ponderais (Lavoisier e Proust) • Reconhecer que toda reação
8.3 Representação de reações químicas química ocorre com a conservação
e balanceamento de equações químicas de massa, obedecendo a uma
8.4 Cálculos estequiométricos proporção definida entre as
quantidades de reagentes e/ou
produtos.
• Representar reações químicas por
41
meio de equações químicas.
• Balancear equações químicas.
• Estabelecer relações quantitativas
entre as grandezas massa e mol.
9. Funções inorgânicas • Nomear e escrever as fórmulas
9.1 Ácidos Bases, Sais e Óxidos: químicas dos principais ácidos,
definição segundo Arrhenius, bases, sais e óxidos.
nomenclatura, formulação e • Representar por meio de equações
classificação químicas as reações de
9.2 Reações de ácidos e bases neutralização de ácidos e bases.
• Identificar e relacionar o estudo das
funções inorgânicas em alguns
processos ambientais e biológicos
(chuva ácida, respiração, digestão
etc).
10 Soluções e unidades de • Identificar soluto e solvente.
concentração • Conceituar solução, concentração
e unidades de concentração.
• Efetuar cálculos sobre unidades de
concentração de: a) soluções; b)
diluição de soluções; c) mistura de
soluções; em gramas por litro, mol
por litro, título em massa, título em
volume.
11. Termoquímica • Classificar os processos físicos e
químicos quanto à energia absorvida
ou liberada.
• Calcular a variação de entalpia de
uma reação, a partir das entalpias
padrão de formação, energias de
ligação e lei de Hess.
12. Eletroquímica • Identificar uma célula eletroquímica
e seus componentes.
• Diferenciar pilha e eletrólise.
• Identificar e aplicar os potenciais
de oxidação e redução para
determinar a variação de potencial
de uma pilha e de um processo
eletrolítico.
• Conceituar ferrugem e corrosão.
13. Cinética • Conceituar velocidade de reação
química.
• Identificar os fatores que
influenciam a velocidade de reação.
• Conceituar energia de ativação e
sua relação com a velocidade de
reação química.
• Interpretar processos cinéticos a
partir de dados experimentais
apresentados na forma de gráficos e
tabelas.
14. Equilíbrio químico • Identificar as condições de
42
equilíbrio de uma reação química e
14.1 Sistema em equilíbrio - constante
de equilíbrio. determinar a constante de equilíbrio.
14.2 Fatores que influenciam o • Aplicar o Princípio de Le Chatelier
deslocamento de equilíbrios químicos.para prever o sentido do
14.3 Solubilidade, pH e pOH. deslocamento do equilíbrio químico.
• Calcular a constante de equilíbrio
em: a) sistemas homogêneos
(equilíbrio ácido-base); b) sistemas
heterogêneos (produto de
solubilidade).
• Calcular o pH e o pOH, a partir das
concentrações de íons H+ e/ou OH-.
• Classificar soluções como ácidas,
básicas e neutras, a partir dos
valores de pH e pOH.
15. Radioatividade • Identificar os tipos de radiação
(alfa, beta e gama).
• Reconhecer e aplicar as leis da
radioatividade.
• Conceitos de Fissão, fusão e
irradiação.
• Compreender os diversos tipos
de aplicações da energia nuclear;
16. Propriedades do Átomo de Carbono • Compreender o processo
17. Funções Orgânicas hibridação e os tipos de ligação do
17.1 Hidrocarboneto carbono.
17.2 Haletos • Reconhecer as funções orgânicas.
17.3 Álcool • Nomear as substâncias orgânicas
17.4 Éter de acordo com a IUPAC.
17.5 Fenol • Identificar e compreender os tipos
17.6 Aldeído de reações orgânicas.
17.7 Cetona • Relacionar as funções orgânicas
17.8 Ácido Carboxílico e suas reações correlatas com
17.9 Aminas e Amidas aspectos biológicos, ambientais e
sociais.

18. Isomeria – Plana, geométrica e • Conceituar isomeria


óptica. • Identificar as características dos
isômeros: a) planos; b) geométricos;
c) ópticos.
19. Petróleo • Compreender o processo de
formação do petróleo.
• Identificar os componentes do
petróleo pelo processo de separação
de suas frações (destilação
fracionada).
• Reconhecer e indicar a importância
do craqueamento do petróleo.

43
SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA

SANTOS, Wildson L. P.; MÓL, Gerson S.; MATSUNAGA, Roseli T.; DIB,
Siland M. F.; ELIANE, N. Castro; GENTIL, S. Silva; SANTOS, Sandra M. O.;
FARIAS, Salvia B. Química e Sociedade, volume único. 1 ed. São Paulo:
Editora Nova Geração, 2005.
MORTIMER, Eduardo Fleury e MACHADO, Andréa Horta. Química, volume
único, 1 ed. São Paulo: Editora Scipione, 2005.
NÓBREGA, Olímpio S. e SILVA, Ruth H. Química, volume único, 1 ed. São
Paulo: Editora Ática, 2005.
BIANCHI, José Carlos de Azambuja; ABRECHT, Carlos Henrique e MAIA,
Daltamir Justino. Universo da Química, volume único. 1 ed. São Paulo: Editora
FTD S/A, 2005.
CANTO, Eduardo L. e PERUZZO, Francisco M. Química na abordagem do
cotidiano, volumes 1, 2 e 3, 3 ed. São Paulo: Editora Moderna. 2005.
FELTRE, Ricardo. Química, volumes 1, 2 e 3. 6 ed. São Paulo: Editora
Moderna, 2005.

44