Você está na página 1de 17

INTRODUÇÃO

Segundo a FREBASGO, federação brasileira das associações de ginecologia e
obstetrícia estima-se que a infecção puerperal seja responsável por cerca de um terço dos
óbitos maternos em países desenvolvidos. No Brasil, no entanto, é possivelmente a principal
causa de morte materna. De acordo com o instituto americano Centers for Disease Control
(CDC), denomina-se infecção puerperal qualquer isolamento de microorganismo na cavidade
uterina, bem como a elevação de temperatura igual a 38°C no período após o parto recente
(excluindo o 1º dia),que a paciente pode apresentar a presença de taquicardia consistente e
súbita, drenagem uterina purulenta e dor abdominal acompanhada de hipersensibilidade do
útero, útero amolecido e hipoinvoluído.
Segundo Sérgio Peixoto, membro da Comissão Nacional Especializada de Doenças
Infectocontagiosas em Ginecologia e Obstetrícia da FEBRASGO e professor Titular de
Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina do ABC. Esses sintomas deverão ser
avaliados passadas 24 horas do parto, quando a mulher entra no período do puerpério
imediato. Afirma ainda que a infecção acontece em 1% a 4% dos partos vaginais, e de 3% a
15% das cesáreas.
Mas no Brasil há muitas disparidades entre os hospitais, relacionadas a condições
desfavoráveis, tais como trabalho de parto prolongado, infecção por estreptococo B, clamídia,
entre outras, chegando à incidência de 20%. Esses tipos de infecções é mais frequentes em
pacientes com infecção genital persistentes e entre as de classes menos favorecidas, nas quais
não são raros os quadros de desnutrição.
Reafirma que a prevenção pode se dar ainda no pré-natal, por meio do diagnóstico e
tratamento de infecções pré-existentes, eliminação de quadros de desnutrição.
Outro recurso mais recente é a pesquisa de estreptococo B, por volta da 35ª semana, tanto
vaginal quanto anal. Em caso de resultado positivo, o tratamento deve acontecer somente
durante o trabalho de parto.
A assistência prestada deve se atentar aos exames de rotina eutilizados recursos
complementares, como a ultrassonografia para localização de coleções localizadas, exames
sanguíneos como hemograma, proteína C reativa e avaliação da função renal, que auxiliam a
avaliar todo o processo gestacional da mulher.

CAUSAS A endometrite é causada por infecções como:  clamídia. A ocorrência de endometrite é mais provável após o parto ou após um aborto espontâneo. Qualquer procedimento médico que envolva o acesso ao útero através do colo do útero aumenta o risco de desenvolvimento de endometrite.  infecções resultantes da mistura de bactérias vaginais normais. RISCOS Todas as mulheres com uma variedade normal de bactérias na vagina podem desenvolver endometrite. pois fornece uma via para a entrada de bactérias. A endometrite geralmente não é grave e é curada com antibióticos. Contudo as infecções não tratadas podem levar a complicações dos órgãos reprodutores femininos e problemas de fertilidade e outros problemas gerais de saúde. Essas infecções podem ou não causar sintomas próprios. O útero é o principal órgão reprodutor das mulheres e é composto pelo útero e pelo colo do útero.  tuberculose. Os problemas de fertilidade podem impedir que a mulher engravide no futuro.ENDOMETRITE É uma doença que causa inflamação na camada que reveste o útero da mulher. A endometrite pode ocorrer ao mesmo tempo em que outras infecções na região da pelve como a cervicite (inflamação do colo do útero). A camada que reveste o útero é denominada endométrio. O risco de endometrite aumenta quando esta variedade natural de .  gonorreia. especialmente depois de um trabalho de parto prolongado ou de uma cesariana. e é o local onde o feto se desenvolve durante a gravidez.

 Sangramento vaginal anormal.  Corrimento anormal da vagina.bactérias sofre alterações após algum evento na vida da mulher. uso do preservativo ou sexo durante a menstruação SINTOMAS A endometrite geralmente provoca os seguintes sintomas:  Inchaço do abdome. etnia. dilatação e curetagem (raspagem do útero).  Procedimentos médicos que envolvam o acesso ao útero através do colo uterino. O risco não parece estar relacionado à idade. como por exemplo: histeroscopia. DIAGNÓSTICO O médico realizará um exame físico e um exame pélvico. . Os seguintes exames também podem ser realizados para determinar o diagnóstico:  Coleta de amostras do colo do útero (cultura) para detecção de agentes infecciosos.  Sensação de mal-estar geral.  Parto. Ele observará o abdome. pílulas anticoncepcionais.  Dor na pelve ou na região abdominal.  Febre. como clamídia e gonorreia. colocação de um dispositivo intrauterino (DIU). especialmente após um trabalho de parto prolongado ou uma cesariana. o útero e o colo do útero para detectar sinais de sensibilidade ao toque ou secreção. É mais provável que ocorra após os seguintes eventos:  Aborto espontâneo.  Prisão de ventre ou incômodo ao defecar.

A origem da enfermidade pode ser infecciosa. Os casos graves ou complexos podem requerer administração endovenosa (EV) de líquidos e repouso em um hospital. se o médico descobrir que ela tem uma DST. a endometrite causa elevações na contagem de leucócitos e na sedimentação de eritrócitos.  Um procedimento de laparoscopia para permitir que o médico avalie com maior precisão o abdome e a pelve.  Análise da secreção vaginal ao microscópio. A menopausa também aumenta a predisposição à doença. inflamatória. Remoção de uma pequena quantidade de tecido (biópsia) da camada que reveste o útero. respectivamente. se manifestando pela vermelhidão. a região lesiona-se com mais facilidade abrindo caminho para infecções. com a queda dos hormônios e a consequente redução da secreção vaginal natural e a perda de elasticidade dos tecidos vaginais. tratamentos quimioterápicos e falta da higiene íntima adequada. VULVOVAGINITE VULVITE É a inflamação ou infecção da vulva e da vagina. sabonetes. As mulheres gravidas podem se desenvolver vulvites crônicas após o parto devido a sua sensibilidade com determinados produtos químicos como o látex da camisinha tampões . TRATAMENTO A endometrite é tratada com antibióticos. ou ate mesmo a ducha vaginal. por uso de produtos.  Um exame de sangue para avaliar a contagem de leucócitos e a taxa de sedimentação de eritrócitos. hormonal. São inflamações da vulva e da vagina. Essa doença também pode ser causada pelo uso de produtos que podem causar alergias como: produtos de higiene amaciantes de roupas. inchaço e ardor na região genital. que também pode ser chamada de vulvite ou vaginite. É importante tomar toda a medicação prescrita pelo médico até o fim. É uma condição comum que afeta pessoas de todas as idades. A vulvovaginite tem uma variedade de causas. O parceiro sexual da paciente pode também necessitar de tratamento. especialmente se a doença ocorrer após o parto.

o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível e durante o tempo indicado pelo o ginecologista para garantir a cura da doença e evitar a possibilidade de uma nova infecção. ou algum tipo de corpo estranho. que permite a ampliação de até 40 vezes.  Corrimento. uretrites associadas à neoplasia ou ao condiloma intra-uretral e uretrite psicogênica. a vulvite é diagnosticada pelos exames ginecológicos. e se necessário. a vulvoscopia. a textura e a cor do corrimento. . possibilitando uma análise detalhada da vulva. Existem casos mais raros como as uretrites traumáticas causadas pelo uso prolongado de sondas. Auretrite pode ser dividida em dois grandes grupos: em uretrites gonocócicas e não gonocócicas. A sua imunidade baixa propicia o desenvolvimento das infecções. Mas.  Prurido vulvar (coceira intensa na vulva). DIAGNÓSTICOS Assim como nas doenças sexualmente transmissíveis. as uretrites por vírus. O que diferencia a vulvite e a vulvovaginite das outras doenças sexualmente transmissíveis são o tipo de irritação. o canal que transporta a urina da bexiga para fora do corpo. Após o resultado. procedimento realizado com o aparelho chamado colposcópio. EXAMES O diagnóstico da doença é realizado por meio do exame clínico ginecológico no qual o médico observa o aspecto do genital e se atenta às queixas da paciente. o exame mais confiável para o diagnóstico é a vulvoscopia. SINTOMAS Os sintomas mais comuns da vulvite e da vulvovaginite são:  Inflamação da vulva.vaginais e sabonetes intimo. As gonocócicas são causadas pela bactéria Nesseriagonorrheae e as não gonocócicas são causadas por diferentes tipos de germes.  Vermelhidão. URETRITE É uma doença que consiste na inflamação ou infecção da uretra.

química e traumática. Essas doenças venéreas são e herpes simples também parecem estar envolvidos nas possíveis causas da uretrite. que pode desenvolver-se também na faringe e no canal do ânus. como a Escherichia coli. como por exemplo com o uso de espermicidas.Além disso.Entre as bactérias que mais costumam causar uretrite estão: Nesseriagonorrheae. que desenvolve-se dentro das células. SINTOMAS Os principais sinais e sintomas de uretrite são: Nos homens  Sangue na urina  Sangue no sêmen . e por motivos traumáticos. gonorreia e clamídia. se tiver entre 20 e 35 anos.Mas este problema também pode ser causado por causas químicas. especialmente em decorrência de alguma doença sexualmente transmissível DST. A mulher especialmente se estiver em fase reprodutiva e o homem. os vírus causadores de HPV Uretrite também podem ser provocadas por alguns vírus. pessoas do sexo feminino e do sexo masculino estão sob risco parecido de contrair a doença. Além deles. Além disso. Outras bactérias que comumente provocam infecções no trato urinário também causam uretrite. e Chlamydiatrachomatis. ter um histórico de doenças sexualmente transmissíveis aumenta o risco de se desenvolver o problema. como uma cirurgia ou FATORES DE RISCO A grande maioria das uretrites são causadas por infecções decorrente da exposição sexual desprotegida. Capazes de provocar a inflamação.CAUSA A uretrite pode ter causa tanto bacteriana quanto viral. Uma pessoa que for exposta a muitos parceiros sexuais está sob maior risco de contrair uretrite.

Quando o paciente estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. lhe fazer uma série de questionamentos a respeito de seu histórico clínico. você já pode chegar à consulta com algumas informações: Na consulta com um médico. ele poderá fazer um exame físico e. infectologia. ginecologista. urologia. para realizar um diagnóstico exato. . Ardência e dor ao urinar (disúria)  Secreção no pênis  Febre (rara)  Micção frequente e urgente  Coceira. sensibilidade ou inchaço do pênis ou área da virilha  Dor na relação sexual ou durante a ejaculação Nas Mulheres  Dor abdominal  Queimação ao urinar  Febre e calafrios  Micção frequente e urgente  Dor pélvica  Secreção vagina DIAGNÓSTICO Na consulta médica. Dessa forma. em seguida. especialistas que podem diagnosticar uretrite são: clínico geral.

Para garantir que a uretrite não se repetirá e. e a nem a interrupção do medicamento sem consultar um médico antes e. CeftriaxonaDissódica. o uso de antibióticos será recomendado. no caso de infecção bacteriana. para realizar um diagnóstico exato. principalmente. O médico é o profissional que pode dizer qual medicação será indicado para o cada caso. peça para uma pessoa te acompanhar. lhe fazer uma série de questionamentos a respeito de seu histórico clínico. Siga sempre à risca as orientações do seu médico. MEDICAMENTOS PARA URETRITE Os medicamentos mais usados para o tratamento de uretrite são: Amicacina. mesmo que não haja sintomas. em seguida. é importante que ele ou ela também realizem os exames. Ciprofloxacino. que seu parceiro ou parceira também não desenvolva a infecção. isso costuma ser sinal de infecção.Quando há dor ao urinar. entre outros. se tomá-lo mais de uma vez ou em . o médico prescreverá medicamentos antivirais e. bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Bactin-F. Amoxilina+ Clavulanato de Potássio. alguns testes podem ser feitos para confirmar o diagnóstico por uretrite. Androfloxacino. No entanto. DIAGNÓSTICO DE URETRITE Na consulta com um médico. ele poderá fazer um exame físico e. Clavulim. mas sim caso o médico considere necessário realiza-los para eliminar possíveis outras causas envolvidas ou não com os sintomas. Doxacilina. TRATAMENTO O tratamento para uretrite depende única e exclusivamente da causa exata. não pode acontecer a automedicação. Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram  Histórico médico. No caso de infecção viral. Por exemplo:Exames de sangue geralmente não são necessários para o diagnóstico de uretrite. incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade  Se possível.

A automedicação é perigosa. Uso de roupas justas na região genital. devem-se evitar os seguintes hábitos diários: Ducha vaginal. Contudo. TRATAMENTO Algumas causas de uretrite podem ser evitadas por meio de boa higiene pessoal e práticas sexuais seguras. a uretrite geralmente desaparece sem nenhuma complicação.epididimite.Após uma infecção grave. isso pode piorar a inflamação. As principais indicações são medicamentos orais e mudança de hábitos. uso de roupas íntimas de tecidos sintéticos. cerrvicite (uma irritação no colo do útero). a infecção pode levar a um dano permanente na uretra.Evite passar cremes cicatrizantes na região da vulva e da vagina. Já as mulheres que tiverem a doença podem acabar desenvolvendo as seguintes complicações: cistite. o paciente diagnosticado com uretrite pode. sabonete perfumado e com PH elevado. além de doença inflamatória pélvica.Mesmo assim.quantidades muito maiores do que a prescrita. ele poderá fazer um exame físico e.Durante o tratamento. ainda. em seguida. como no caso de surgimento de cicatriz nessa região. a mulher deve realizar uma consulta com o médico ginecologista. pessoas com uretrite devem evitar manter relações sexuais – ou então fazer o uso irrestrito de preservativo. COMPLICAÇÕES Nos homens com uretrite podem desenvolver infecção da bexiga (cistite). sexo sem camisinha. a uretra pode ficar com cicatriz e. . e outros órgãos urinários tanto nos homens como nas mulheres. portanto. Na consulta com um médico. Qualquer tratamento deve ser indicado por um médico. sofrer um estreitamento (estreitamento da uretra). Com o diagnóstico e tratamento corretos. para realizar um diagnóstico exato. infecção dos testículos (orquite) e infecção da próstata (prostatite). fazer uso de analgésicos para aliviar a dor. TRATAMENTOS E CUIDADOS Para o tratamento correto da vulvovaginite e da vulvite. uso de absorventes diários. lhe fazer uma série de questionamentos a respeito do histórico clinico.Para impedir o surgimento dessa doença.

SINTOMAS A maioria das mulheres com cervicite não tem sintomas. Tome . TRATAMENTO Uma vez que a cervicite pode ser causada por doenças sexualmente transmissíveis que requerem atenção imediata. como não possuem cérvix. Porém. Neste caso o médico coletará uma amostra de fluido do cérvix para análise em laboratório. tendo sintomas ou não. Infecções comuns no cérvix incluem clamídia e gonorréia. CERVICITE A cervicite é uma das inflamações causadoras das infecções puerperais e uma inflamação que acontece no revestimento do cérvixque é a extremidade do útero que se estende até a vagina. como clamídia e gonorréia. DIAGNÓSTICO O médico pode suspeitar se a mulher tem a cervicite se no exame ginecológico forem encontrados sangue ou pus na extremidade do cérvix. a uretrite geralmente desaparece sem nenhuma complicação.Com o diagnóstico e tratamento corretos. Embora o vírus da herpes. a infecção pode levar a um dano permanente na uretra. O médico também poderá pedir outros testes para encontrar a causa exata da inflamação. como clamídia ou gonorréia. e nesses casos os sintomas podem incluir queimação ou dor ao urinar. Contudo. o médico pode pedir testes para verificar se está infectada. como no caso de surgimento de cicatriz nessa região. A cervicite pode ser um sinal de infecção. Homens. Cervicite pode ser acompanhada de infecção na uretra. também possa causar cervicite. ele geralmente ocorre com feridas visíveis e dolorosas na pele dos genitais. não têm cervicite. sangramento vaginal entre as menstruações. Se os sintomas estiverem presentes. o médico pode fazer o tratamento comantibioticos até mesmo antes que os resultados laboratoriais estejam concluídos. e dor durante ou depois do sexo vaginal. homens podem ter uma inflamação similar no tubo do pênis chamada uretrite. e outros órgãos urinários tanto nos homens como nas mulheres. o tubo que esvazia a bexiga. Se a mulher achar que tem os sintomas da cervicite. o se foi exposta a uma doença sexualmente transmissível que causa cervicite. eles podem incluir corrimento vaginal anormal.

toda a medicação como instruído pelo médico. SINTOMAS Algumas vezes a salpingite não emite qualquer espécie de sintoma até ser tarde demais. Quando a condição é precocemente detectada é possível realizar um tratamento efetivo. SALPINGITE É uma inflamação que acomete as trompas de Falópio. é fundamental que todas as mulheres consultem periodicamente um . mesmo que se sinta melhor antes do final do tratamento. Algumas vezes a salpingite não provoca sintomas. Por isto. A patologia é provocada por vírus ou por bactérias. e até mesmo impedir que a mulher fique infértil. quanto crônica. Como se adquire A salpingite atinge principalmente mulheres que são sexualmente ativas. com início súbito e curta duração. das trompas e dos ovários. A salpingite é uma das mais freqüentes causas de infertilidade em mulheres. ou DSTs. de forma a manter o organismo sempre monitorado. Outros fatores que podem levar à salpingite são procedimentos ginecológicos como laparoscopia. No entanto. por exemplo. Geralmente o vírus ou a bactéria penetra no corpo da mulher através da vagina e sobe até as trompas de Falópio. em alguns casos mais severos ou prolongados de infecção. sendo geralmente originada na vagina por infecção via relação sexual. mais comumente envolvidas do desencadear da condição são a gonorréia e a clamídia. parto ou aborto. Quando estas são atingidas é possível que a mulher se torne infértil. já que as trompas são espécies de dutos que encaminham o espermatozóide até o útero. A inflamação acomete mulheres e pode ser tanto aguda. pois pode ser transmitida via relação sexual. por isto é imprescindível consultar periodicamente um médico. biópsia do endométrio. As doenças sexualmente transmissíveis. quando é algo que se mantém por um tempo. visto que as trompas de Falópio são tubos que conduzem o espermatozóide ao útero. até ser tarde demais. pode ser necessária uma intervenção cirúrgica para retirada do útero.

febre. caso seja portadora de DIU. de analgésicos e muito repouso.ginecologista e realizem os exames de rotina. náuseas. dor lombar. Diante destes sinais é importante consultar imediatamente um médico. de forma a manter o organismo monitorado e o corpo o mais protegido possível. visto que ao afetar as trompas de Falópio a condição pode levar a mulher à infertilidade. pois as complicações da salpingite podem ser severas. O tratamento envolve basicamente o uso de antibióticos. o médico solicita a realização de um exame pélvico ginecológico. por isso. vômitos. a condição pode. laparoscopia diagnóstica. ou dispositivo intra-uterino. uretrite. entretanto. Além disto. cultura do exsudado vaginal e salpingografia. diarreia. hemorragia menstrual anormal. é importante prevenir o desencadear de lesões graves. DIAGNÓSTICO O diagnóstico da salpingite é geralmente baseado em achados clínicos e na história de vida do paciente. não hesite em procurar por ajuda. A mulher não deve realizar nenhum tipo de esforço excessivo e. assim como de outros transtornos futuros. diante das suspeitas. calafrios e cheiro característico. Depois de detectada a infecção e a causa do problema é imprescindível dar imediatamente início ao tratamento. dor na barriga. por exemplo. Como é feito o tratamento A salpingite deve ser o quanto antes diagnosticada. este deverá ser removido para que o tratamento tenha início e seja efetivo. provocar sintomas como corrimento vaginal excessivo. . Normalmente. Para que não restem dúvidas. muitas vezes o médico indica a realização de alguns exames complementares como análise de sangue e de urina. por exemplo. com o intuito de estudar as dores abdominais e o corrimento vaginal excessivo. Os medicamentos também podem ser administrados via endovenosa sempre que for necessário. Quando a condição é precocemente detectada pode ser devidamente tratada. Dependendo da causa e da gravidade da situação.

de forma a manter o organismo monitorado e o corpo o mais protegido possível. OOFORITE Ooforite (ou ovarite) é uma inflamação de um ou de ambos os ovários. Caso tenha havido intervenção cirúrgica qualquer exercício de impacto deve ser evitado por pelo menos 15 dias após a mesma. COMO PREVINIR De uma forma geral. gonococos ou bacilos do grupo coli. Raramente o útero. de forma a evitar novas infecções e de proteger o corpo de ambos da ação dos vírus e das bactérias que levam à salpingite. Durante o tratamento é importante não ter relações sexuais. torna raro o aparecimento de uma inflamação autóctone desses órgãos. os ovários e ambas as trompas precisam ser retiradas. geralmente são causadas por bactérias como os estreptococos. para que a condição não provoque transtorno futuros e nem mesmo deixe a mulher infértil. para que o local possa cicatrizar devidamente. Por isso. devendo tanto a mulher quanto o homem realizar exames periodicamente. pela . em alguns casos graves ou de infecção prolongada pode ser necessária uma intervenção cirúrgica para remoção do tecido com fibrose ou da trompa acometida. uma medida preventiva muito importante a se destacar é consultar periodicamente um médico especialista e realizar todos os exames de rotina que forem necessários. Além disto. A endometriose. é necessário ter cuidado para que não haja nova infecção. estafilococus. aooforite isoladamente é uma condição pouco comum e mais freqüentemente ela é uma extensão do comprometimento da trompa de Falópio (tubo que liga os ovários ao útero e a cuja infecção se denomina salpingite). esta e uma série de outras condições podem ser devidamente tratadas ou controladas quando são detectadas precocemente. o parceiro sexual também necessita ser diagnosticado e tratado. A grande resistência da estrutura dos ovários e a sua localização de difícil acesso aos germes patogênicos. Além disto.Conforme mencionamos. No caso da salpingite é necessário realizar o tratamento à risca. quando acontecem. Quais são as causas da ooforite? As ooforites. Por isto.

a presença ou ausência de certos sinais comuns a toda Doença Inflamatória Pélvica (DIP) podem ser de ajuda no exame físico: * Dor à palpação na região abdominal inferior. vômitos. litíase ureteral. se possível . é específico. radiografia simples do abdome e. laparoscopia.possibilidade que tem de gerar glândulas ou estromas de endométrio nos ovários torna-o mais suscetível a inflamações. * Dor à palpação e percussão no hipocôndrio direito. endometriose. velocidade de hemossedimentação. exame de urina. * Sangramento vaginal. Nenhum desses sintomas. geralmente exacerbada pela tosse e pela inspiração. * Sinais de irritação peritoneal. * Disúria. Quais são os principais sinais e sintomasda ooforite? Os principais sinais e sintomas da ooforite são: * Dor aguda na região pélvica que pode se estender a todo o abdome. uma vez que a ooforite pode ser confundida com outras situações médicas importantes como gravidez ectópica. * Dor à mobilização do colo do útero. . * Dor à palpação nas regiões anexas. * Febre. avaliação microbiológica.ultrassonografia pélvica. Como o médico diagnostica a ooforite? Como não há sintomas clínicos específicos que permitam um diagnóstico de certeza apenas pela história clínica. etc. Esses exames tanto ajudam a precisar o diagnóstico como afastar outras possíveis patologias. O diagnóstico deve ser complementado com um hemograma completo. o que torna o diagnóstico mais difícil. * Febre. rotura de cisto ovariano. contudo. apendicite aguda. por fim. * Secreção vaginal ou cervical anormal. mal-estar.

Os deveres do enfermeirono âmbito hospitalar vão além do conhecimento prático.Como o médico trata a ooforite? O tratamento ser feito com medicações específicas para combater os agentes infecciosos (antibióticos) e com medicações sintomáticas para dor. mais conhecimento ele poderá oferecer a este público. este profissional tem o papel de educador e orientador nas instituições que atuam. febre ou vômitos. puérpera. As infecções puerperais é um tema a ser discutido com as mulheres que estão no processo de recuperação. onde pode se assegura os recursos tecnológicos e científicos e também. bem como nas orientações da gestante. conforme o caso. Na atualidade os partos vêm sendo realizados em ambiente hospitalares. CONCLUSÃO O profissional enfermeiro(a) é de suma importância nas orientações e cuidados nas doenças sexualmente transmissíveis. o controle das infecções . quanto mais esclarecido este profissional se tornar. e também na prevenção de doenças não somente na fase do puerpério. o aporte teórico também deve estar junto com esses saberes. após a alta hospitalar. ensinar oautocuidados para que a mesma possa fazer a continuação em sua própria casa. mas na vida cotidiana da mesma. Humanização na assistência é aquela que reconhece os direitos fundamentais de mães e bebês. Como evolui a ooforite? Raramente a ooforite leva à esterilidade. visando reestabelecer sua saúde.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS Site www.gineco. REZENDE.com.net/cervicite. O hospitalar tem se caracterizado como evento cirúrgico. acesso em 11/10/16 http://www. mas ainda assim as infecções puerperais surgem com frequência no cenário das instituições públicas e privadas de todo país. Acesso em 10/10/16 as 16 horas FREBASGO. Carlos Antônio Barbosa. O ambiente hospitalar por sua vez.abc. vulvite-e-vulvovaginite.copacabanarunners.minha vida. com a presença de outros atores sociais que farão parte desse momento único da mulher. Acesso em 11/10/16 http://www. pois cabe a ela se submeter aos procedimentos definidos pela equipe que a assiste. federação brasileira das associações de ginecologia e obstetrícia.med. deixando de ser privado na vida da mulher para se tornar um acontecimento público.br.com. Nele. Obstetricia.com/salpingite/ . Acesso em 12/10/16. é o local onde se concentram os aparatos tecnológicos mais sofisticados que têm sido entendidos como necessários à realização do parto. a mulher é o objeto do processo.saudemedicina. Jorge.br/p/saude-damulher/336804/ooforite+ou+ovarite+causas+sintomas+diagnostico+e+trata http://www. MONTEIRO.puerperais.br/saude-feminina/doencas-femininas. 2015 http://www.