Você está na página 1de 3

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA

COMARCA DE FRANCA – ESTADO DE SÃO PAULO

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO,


representado pelo Promotor de Justiça infra-assinado, no uso de suas
atribuições legais, vem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência,
com fulcro na Constituição Federal e na Lei nº 7.347/85, propor AÇÃO CIVIL
PÚBLICA em face de JOÃO DE DEUS, RG nº 92.390.932-3-SSP/SP e CPF nº
023.302.039-49, residente e domiciliado à rua Pedro de Lima, nº 820, bairro
Jardim Ângela Rosa, nesta cidade e comarca, pelas razões de fato e de
direito a seguir aduzidas.

Instaurou-se o inquérito civil nº 0001/17 com o fito de


apurar os motivos pelos quais o réu tem promovido eventos nesta urbe sem a
correta observância das diretrizes da Resolução nº 122/85, expedida pela
Secretaria de Segurança Pública, o que pode expor a risco a incolumidade
física das pessoas que venham a frequentá-los.

A norma telada foi editada levando-se em consideração


que toda e qualquer competição esportiva ou apresentação artístico-cultural,
realizada mediante ingresso pago, equipara-se a espetáculo público, no qual
há probabilidade de ocorrer ofensas físicas, danos materiais, desordens e
tumultos por falta de normas preventivas proibitivas.

A manutenção da ordem pública, da disciplina, do


respeito, da segurança física e patrimonial se insere na órbita do Poder de
Polícia inerente ao Estado. Assim, as autoridades policiais, no exercício da
atribuição de manutenção da ordem pública, somente podem fornecer
policiamento ostensivo para espetáculos públicos mediante prévia vistoria das
instalações dos estádios, ginásios, teatros ou recintos onde serão realizados,
uma vez que, se não aprovadas as condições de segurança, serão apontadas
as modificações necessárias à sua adequação, se possíveis, ou solicitada a
indicação de outro local para a realização do evento.
Ocorre que, por diversas vezes, tentou-se a composição
amigável com o réu para a adequação, incorrendo na falta de êxito, eis que
ele, de forma contínua, não atendeu à solicitação do Ministério Público para
celebração de compromisso de ajustamento de conduta.

Assim, visando garantir a segurança das pessoas que


frequentam os eventos promovidos pelo réu, faz-se necessário que ele seja
compelido a tomar todas as providências necessárias para a observância das
diretrizes exigidas pela Resolução supramencionada.

Diante do exposto, requer a procedência integral dos


pedidos para condenar JOÃO DE DEUS nas obrigações de fazer consistentes
em:

a) Proibir o uso de vasilhames, copos de vidro ou


qualquer outro tipo de embalagem que, direta ou
indiretamente, possam provocar ferimentos em caso
de esforço físico isolado ou generalizado;

b) Disponibilizar segurança devidamente credenciada,


nos termos da legislação pertinente, para o bar e seu
respectivo caixa, portaria, mesa do DJ, caixa de
força, bilheteria, hidrantes, local de dispensa das
garrafas e congêneres, locais considerados sensíveis;

c) Realizar o comércio de cerveja, chope, refrigerantes,


sucos e águas apenas em copos de plástico,
facultado o uso de vasilhames de lata, sob exclusiva
responsabilidade do promotor do evento;

d) Solicitar o policialmente, em documento


circunstanciado, protocolizado com vinte dias, no
mínimo, de antecedência na organização policial
militar, conforme modelo disponibilizado pela Polícia
Militar do Estado de São Paulo;
e) Obter as autorizações administrativas necessárias e
alvarás do Corpo de Bombeiros e da Vara da Infância
e Juventude;

f) Protocolizar junto à Prefeitura Municipal e à Vara da


Infância e Juventude, com vinte dias de
antecedência, no mínimo, pedido de alvará para a
realização de eventos;

g) Não fornecer bebidas alcoólicas a pessoas menores


de dezoito anos de idade.

Requer, ainda, que seja imposta a multa de R$ 10.000,00


(dez mil reais) por evento realizado, quando não forem observadas as
sobreditas obrigações, cujo valor será revertido para o Fundo Estadual Especial
de Defesa e Reparação dos Interesses Difusos Lesados.

Protesta por todos os meios de prova em Direito


admitidos, em especial juntada de novos documentos, inspeção judicial,
perícia e oitiva de testemunhas.

Requer, por fim, a citação do réu JOÃO DE DEUS, RG nº


92.390.932-3-SSP/SP e CPF nº 023.302.039-49, residente e domiciliado à rua
Pedro de Lima, nº 820, bairro Jardim Ângela Rosa, nesta cidade e comarca,
para que responda aos termos da presente ação civil pública, sob pena de
revelia e presunção de que aceita como verdadeiros os fatos ora articulados.

Dá-se à causa o valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais).

Nestes termos,
Pede deferimento.

Franca, 18 de agosto de 2017.

HERNÁN CORTEZ
1º Promotor de Justiça de Franca