Você está na página 1de 22

CLIQUEAQUIPARA

VIRARAPÁGINA

CADERNO DE ATIVIDADES

Serviço S o c i a l m p o r â n e o
e r v iço Soc ia l Co n te
D is c ip li n a : S l
s d o S e r v iç o S o c ia
0 6 : Pa r t ic u la r id a de
Tema
Caderno de Atividades
Serviço Social

Disciplina
Serviço Social Contemporâneo

Coordenação do Curso
Adriana Luiza da Silva
Elisa Cleia Pinheiro Rodrigues Nobre

Autoria
Prof.ª Edilene Xavier Rocha
Prof.ª Elisa Cléia Pinheiro Rodrigues Nobre

FICHA TÉCNICA Revisão Textual


Alexia Galvão Alves
Equipe de Gestão Editorial Giovana Valente Ferreira
Regina Cláudia Fiorin Ingrid Favoretto
João Henrique Canella Fiório Julio Camillo
Priscilla Ramos Capello Luana Mercúrio
Análise de Processos Diagramação
Juliana Cristina e Silva Célula de Inovação e Produção de Conteúdos
Flávia Lopes
Chanceler Pró-Reitor de Graduação
Ana Maria Costa de Sousa Eduardo de Oliveira Elias

Reitora Pró-Reitor de Extensão


Leocádia Aglaé Petry Leme Ivo Arcangêlo Vedrúsculo Busato

Pró-Reitor Administrativo Pró-Reitora de Pesquisa e PósGraduação


Antonio Fonseca de Carvalho Luciana Paes de Andrade

Realização:

Diretoria de Planejamento de EAD


José Manuel Moran
Barbara Campos

Diretoria de Desenvolvimento de EAD


Thais Costa de Sousa

Gerência de Design Educacional


Rodolfo Pinelli
Gabriel Araújo

Como citar esse documento:


GARCIA, Edilene Xavier Rocha; NOBRE, Elisa
Cléia Pinheiro Rodrigues. Serviço Social Con-
temporâneo. Valinhos: Anhanguera Educacio-
nal, 2014. p. 1-22.
Disponível em: <http://www.anhanguera.com>.
Acesso em: 03 fev. 2014.

© 2014 Anhanguera Educacional


Proibida a reprodução final ou parcial por qualquer meio de impressão, em forma idêntica, resumida ou modificada em língua
portuguesa ou qualquer outro idioma.
Tema 06
Particularidades do Serviço Social

seções
S e ç õ e s
Tema 06
Particularidades do Serviço Social
Introdução ao Estudo da Disciplina

Caro(a) aluno(a).

Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no livro A Natureza do Serviço Social,
do autor Carlos Montaño, Editora Cortez, 2009, 2ª Edição PLT 354.

Roteiro de Estudo:
Prof.ª Edilene Xavier Costa
Serviço Social
Processos Administrativos Prof.ª
Prof.Elisa
Ricardo
Cléia
Almeida
Pinheiro
Contemporâneo
Rodrigues Nobre

CONTEÚDOSEHABILIDADES
Conteúdo
Nessa aula você estudará:

• As particularidades do Serviço Social como profissão inserida na divisão sociotécnica


do trabalho.

• Qual o significado de “trabalho” para o Serviço Social.

Habilidades
Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:
• O que é trabalho?
• Qual a importância do trabalho para a nossa sociedade e as noções que permeiam a
discussão sobre este tema?
7
CONTEÚDOSEHABILIDADES
• Quais as especificidades existentes nas profissões da área social?

• O que seria a “especificidade” como exclusividade do Serviço Social?

• Quais as particularidades do Serviço Social?

LEITURAOBRIGATÓRIA
Particularidades do Serviço Social
Inicialmente, você irá analisar algumas noções e conceitos sobre trabalho e sua
importância na sociedade capitalista e nas relações sociais que envolvem o ser humano
nessa atividade produtiva, considerando-se aqui que é por meio do trabalho que o homem
atua sobre a natureza e a transforma, transformando também a sua própria natureza.

No entendimento de Pessanha (2004), o trabalho é indispensável para a vida social e para


a formação do ser humano, o que o torna essencial, uma vez que é por meio do trabalho
que cada homem constrói a sua própria história e produz a sua existência. Esse processo
de produção é impulsionado por contradições que produzem um movimento constante,
porém necessário para gerar as transformações na realidade.

Conceituar a categoria trabalho é uma tarefa complexa, pois, ainda segundo Pessanha
(1994), o termo carrega em si muito da concepção burguesa que, utilizando-se das ideias de
Locke, ainda que deslocadas de seu conceito histórico, justifica moralmente a propriedade
privada como produto do trabalho; ou seja, essa ideologia apresenta o trabalho como
“virtude universal” a ser pregada e desenvolvida pelos homens.

Porém, em uma concepção genérica, trabalho pode ser conceituado como o uso da força
de trabalho, na relação com a natureza, que tem como objetivo a produção de valores
de uso utilizados para o suprimento da necessidade humana. Dessa forma, a categoria
trabalho se firma como essencial para a constituição do ser humano como ser social,
independentemente de sua complexidade, mas levando em consideração sua contribuição
para o desenvolvimento da sociedade.

8
LEITURAOBRIGATÓRIA
Neste caminho, não se pode deixar de lado a preocupação primordial, que é a de situar o
Serviço Social em meio a tal discussão, abordando, então, neste tema, como a profissão é
compreendida neste mundo tão complexo. Ressalta-se que estes são conceitos primordiais
para a compreensão da configuração do Serviço Social na divisão sociotécnica do mundo
do trabalho.

Insere-se ainda na discussão deste tema as reflexões apresentadas no Livro-Texto


sobre a especificidade que envolve as profissões da área social, especificamente, no
Serviço Social.

Montaño (2007) arremete contra a necessidade de se determinar a especificidade da


profissão, pois entende que não é esta especificidade que determinará a natureza do Serviço
Social e tampouco de outras profissões, mas sim as particularidades apresentadas por
cada uma delas.

Mas qual a diferença entre especificidade e particularidade? Não teriam o mesmo sentido
ou o mesmo conceito?

Na linguagem do Dicionário Escolar da Língua Portuguesa (BUENO, 1981) “especificidade”


é entendida como “qualidade do que é específico”, ou seja, qualidade do que é especial,
exclusivo. No mesmo dicionário, pode-se encontrar como conceito de “particularidade”,
aquilo que é particular, ou o que pertence apenas a certas pessoas ou coisas. Pode-se
notar que esta tênue linha que diferencia os termos em questão é o objeto que norteia as
discussões de Montaño (2007) nas páginas que escolhidas como base para discussão
desta aula, quando o autor apresenta suas reflexões sobre a natureza do Serviço Social, e
que devem, também, chamar a sua atenção.

Segundo Cólman (1994, p. 01): “As ideias de Montaño não constituem um posicionamento
isolado. Autores importantes, como José Paulo Netto e Marilda Vilela, partilham em geral
do mesmo ponto de vista, embora não façam desta recusa o centro de suas formulações”.
Deste modo, abre-se um novo caminho para a análise da natureza do Serviço Social, qual
seja, conhecer as particularidades desta profissão, o que segundo Montaño pode dar mais
visibilidade à singularidade, à universalidade e à mediação da particularidade, em que,
segundo o autor “as categorias são partícipes de um universal, de uma totalidade, carregada
de historicidade” (2007, p. 156). Mas, qual a pertinência de se discutir a existência ou não
de uma especificidade para o Serviço Social?

9
LEITURAOBRIGATÓRIA
Para Cólman (1994, p. 02), a discussão sobre esse tema é relativamente recente, mais
precisamente da década de setenta: “Até então, nos diversos meios profissionais,
aceitava-se, como premissa, que o Serviço Social era uma disciplina profissional com
alguma especificidade. Divergia-se quanto aos atributos desta especificidade, mas não
da premissa geral”. Com o movimento de negação das bases funcionalistas do Serviço
Social tradicional, surge então uma nova premissa, em que José Paulo Netto, afirma
“[...] Nos últimos anos, na produção intelectual do Serviço Social, vem se afirmando um
movimento significativo: o surgimento de elaborações que, rompendo definitivamente com
as velhas preocupações acerca da ‘especificidade profissional’, priorizam a construção de
conhecimentos sobre objetos da ação do assistente social”. (Netto in Montaño, 2007).

Pode-se notar que Montaño (2007, p. 156) não está sozinho no caminho tomado, ou seja,
desmistificar a importância da especificidade do Serviço Social, que segundo o autor
“remete à imutabilidade das atribuições, portanto do caráter aistórico, e as suas dimensões
inclusivas e exclusivas, preocupando-se em analisar a particularidade da profissão, que
contrariamente remete a categorias que são históricas, dinâmicas e tendências”.

Ressalta-se que a preocupação no estudo deste tema não se resume em exaltar os


caminhos escolhidos por alguns autores na explicação ou conceituação da natureza do
Serviço Social. Vai além, pois conhecer os caminhos teóricos escolhidos por estes autores
auxiliará a você, caro(a) aluno(a), a compreender o Serviço Social como profissão e como
essa profissão insere-se no mundo do trabalho.

10
LINKSIMPORTANTES
Quer saber mais sobre o assunto?
Então:
Sites
Leia o artigo de Evaristo Colman, O que é Serviço Social?
Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.br/c_v1n1_desafio.htm>. Acesso em: 03 fev. 2014.
Vigência de um “velho” problema e desafio para a formação profissional.

Leia o artigo de Maria Carmelita Yazbek, O significado social da profissão.


Disponível em: <http://www.pucsp.br/pos/ssocial/professor/yazbek_significado.doc>.
Acesso em: 03 fev. 2014.
Você poderá acrescentar ao seu conhecimento as considerações da autora sobre o
significado do trabalho para o Serviço Social.

Leia o informativo Práxis.


Disponível em: <http://www.cressrj.org.br>. Acesso em: 03 fev. 2014.
Você terá informações atuais sobre o trabalho do assistente social e ficará por dentro dos
assuntos discutidos pela categoria.

Vídeo
Assista ao filme Gaijin: caminhos da liberdade, direção de Tiuka Yamazaki, que retrata
a importância da geração de riquezas e os efeitos que esse processo produz sobre o
ser humano.

11
AGORAÉASUAVEZ
Instruções:
Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções
das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão
você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente
os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de
resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto
e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

Questão 1: a) Trabalho humano; interligadas; conhe-


cimento; realidade social.
Leia atentamente o fragmento de texto a
seguir e escolha a alternativa que completa b) Categorias; interligadas; conhecimen-
corretamente as lacunas em branco. to; realidade social.
Segundo Montaño (2007) “as profis- c) Trabalho humano; desestruturadas;
sões sociais são, cada vez mais, formas conhecimento; realidade social.
de__________________ mais ou menos
organizadas, mais ou menos diferenciadas e d) Categorias; desestruturadas; conheci-
mais ou menos _____________________, mento; realidade internacional.
que consistem na aplicação de um con-
e) Categorias; inseparáveis; conheci-
junto mais ou menos delimitado de
mento; realidade internacional.
__________________, teórico e técnico,
cujo objetivo é dar resposta a um tipo ou a
uma parcela mais ou menos determinada Questão 2:
da __________________ global”.
Para Montaño (2007), negar a existência
de especificidades nas profissões sociais

12
AGORAÉASUAVEZ
não significa desconhecer que elas possu- d) O saber/poder.
am características geradoras:
e) A contradição de classes.
a) De autoquestionamento, individualis-
mo e desinteresse profissional. Questão 4:
b) De autorrepresentação, sentimento de Ao afirmar que o Serviço Social deve re-
grupo e identidade profissional. conhecer como prática profissional não
apenas aquilo cujo processo completo é
c) De autorrepresentação, sentimento de
realizado pelo mesmo indivíduo, Carlos
grupo e desinteresse profissional.
Montaño (2007) considera que o processo
d) De autoquestionamento, individualis- deve ser desenvolvido:
mo e identidade profissional.
a) Pela profissão como um todo, mas
e) De sentimento de grupo, trajetórias admite que emergencialmente as ações
particulares e abordagens sociais. particulares são toleradas.

b) Por profissionais de outras áreas em


Questão 3: conjunto com os assistentes sociais.
Para alguns estudiosos do Serviço Social,
c) Não se deve ter a preocupação com
a análise do papel da profissão na repro-
quem irá desenvolver o processo, o
dução das relações sociais deve partir do
importante é que ele aconteça.
suposto de que a apreensão do significado
histórico da profissão só é possível com a d) Em suas considerações, o autor
sua inserção na sociedade, pois o Serviço não define quem deve participar deste
Social se afirma como instituição peculiar processo.
na e a partir da divisão social do trabalho.
e) Pela profissão como um todo e não por
Ao ler este fragmento, pode-se afirmar que ações individualistas e particulares.
essa concepção identifica como princípio
que rege a estruturação das relações so-
ciais na sociedade: Questão 5:
Leia a afirmativa a seguir e assinale a alter-
a) A solidariedade. nativa correta. Estudiosos renomados do
b) A ideologia. Serviço Social discutem o lugar que o Ser-
viço Social ocupa na divisão sociotécnica
c) A intersubjetividade. do trabalho. Considerando-se que a cate-
13
AGORAÉASUAVEZ
goria trabalho pode ser conceituada como Questão 8:
o uso da força de trabalho, que tem como
Leia atentamente o fragmento de texto a
objetivo a produção de valores de uso uti-
seguir:
lizados para o suprimento da necessidade
humana, responda: Segundo a análise de “O trabalho é uma atividade fundamental
Montanõ (2007) o Serviço Social é: do homem, pois mediatiza a satisfação de
suas necessidades diante da natureza e
a) Uma ciência. de outros homens. Pelo trabalho o homem
b) Uma atividade. se afirma como um ser social e, portanto,
distinto da natureza. O trabalho é uma ati-
c) Um saber. vidade própria do ser humano, seja ela ma-
terial, intelectual ou artística. É por meio do
d) Uma profissão.
trabalho que o homem se afirma como um
e) Um instrumento de intervenção. ser que dá respostas prático-conscientes
aos seus carecimentos e às suas necessi-
dades” (IAMAMOTO, 2008, p. 60).
Questão 6:
Você concorda com as afirmações da au-
Montaño (2007) analisa que o debate so-
tora? Justifique a sua resposta. Em segui-
bre a ‘especificidade’ do Serviço Social
da, faça uma pesquisa virtual e apresente
remete a imutabilidade das atribuições, o
exemplos da vida cotidiana que respaldem
que nos remete a um caráter aistórico a às
a sua resposta.
dimensões inclusivas e exclusivas da pro-
fissão. Contrariamente, a análise das parti-
cularidades do Serviço Social remete a três Questão 9:
categorias que são diferenciais para a pro-
Apresente um texto com o mínimo de uma
fissão. Qual são essas categorias?
lauda, explicando como Montaño (2007)
justifica a seguinte afirmação:
Questão 7: “Para se desempenhar profissionalmente
Montaño (2007) estabelece um debate crí- – seja o assistente social ou outros profis-
tico sobre a especificidade e as particula- sionais da área social – não se pode nem
ridades do Serviço Social. Nesse sentido, deve se ter uma perspectiva parcial da rea-
aponta que, ao se estudar as “particulari- lidade: a ‘perspectiva do Serviço Social’, ou
dades” do Serviço Social, pode-se contem- a do ‘sociólogo’, o de ‘economista’” (MON-
plar três níveis da realidade. Quais são es- TAÑO, 2007, p. 158).
tes níveis apontados pelo autor?
14
AGORAÉASUAVEZ
Questão 10:
Para o autor, o assistente social é um pro-
fissional que, partindo de conhecimentos
históricos, sociológicos, econômicos, es-
tatísticos, demográficos, psicológicos, ju-
rídicos, antropológicos, de administração,
etc., tem um campo de ação definido. Qual
é este campo e qual o instrumento de inter-
venção do assistente social neste campo?

FINALIZANDO
Nesse tema, você viu que o debate que se estabelece sobre a gênese do Serviço Social
é bastante complexo e inacabado. Pode-se notar que as consequências da incorporação
do ideário neoliberal nas sociedades, incluindo-se aqui a sociedade brasileira, trazem
consigo o impasse da consolidação democrática, do frágil enraizamento da cidadania e das
dificuldades históricas de sua universalização.

Em tal contexto, o debate sobre as políticas sociais ganha relevância pelo seu caráter de
mediação entre as demandas sociais e as respostas organizadas pelo aparato governamental
para implementá-las. Pode-se dizer que o Serviço Social insere-se neste contexto como
profissão que tem nas políticas sociais o seu objeto de intervenção das demandas sociais e
que o amplo debate sobre a sua gênese e desenvolvimento como profissão, apresentado de
forma pertinente por Carlos Montaño (2007), possibilita compreender que as políticas sociais,
tal qual o Serviço Social, precisam de um aparato teórico sólido para que se compreenda
o seu significado e sua função na sociedade, seja ela a função social ou econômica, como
abordado no Livro-Texto.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar
seu Desafio Profissional e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

15
REFERÊNCIAS
ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. Retomando a temática da “sistematização da prática” em
Serviço Social. Disponível em: <http://www.fnepas.org.br/pdf/servico_social_saude/tex-
to3-2.pdf> Acesso em: 03 fev. 2014.

BORIN, André Luiz dos Santos et alli. Como Pode Isto: Trabalhar como escravo, passar
fome num Estado rico? Só não morri, porque aqui e acolá, tem alguém prá ajudar. Liber-
tas - Volume 2 - Número 2 – Jul/2008. Disponível em: <http://www.ufjf.br/revistalibertas/
files/2010/01/artigo08_5.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2014.

BUENO, Francisco da Silveira. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro:


FENAME, 1981.

CAMURÇA Marcelo A. Seria A Caridade a “Religião Civil” dos Brasileiros? Revista Praia
Vermelha 12. Primeiro semestre 2005. pp. 42-63. Disponível em: <http://www.ess.ufrj.br/
siteantigo/download/revistapv_12.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2014.

CENTRO BRASILEIRO DE COOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO DE SERVIÇO SOCIAL –


Disponível em: www.cbciss.org. Acesso em: 03 fev. 2014.

COLMAN, Evaristo. O que é Serviço Social? Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.


br/c_v1n1_desafio.htm>. Acesso em: 03 fev. 2014.

ESTEVÃO, Ana Maria R. O que é serviço social. São Paulo: Brasiliense, v. 111. 1992.

FALCÃO, Frederico José. Resgate De Uma Década: a conjuntura político-social brasileira


dos anos 80. Libertas - Volume – 2 - Número 2 – Jul/2008. Disponível em: <http://www.
ufjf.br/revistalibertas/files/2010/01/artigo02_5.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2014.

HOUAISS, Antônio. Dicionário eletrônico da língua portuguesa. José Jardim de Barro Jr.
(org). [CD-ROM]. Rio de Janeiro Objetiva, 2001

IAMAMOTO, Marilda Vilela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

16
REFERÊNCIAS
ICHIKAWA, Elisa Yoshie et alli. Ciência, Tecnologia e Gênero: Desvelando o Significado
de Ser Mulher e Cientista. Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.br/> Volume 11 - Nú-
mero 1 - Jul/Dez 2008 Acesso em: 03 fev. 2014.

JUNQUEIRA, L. A. P. Organizações sem fins lucrativos e redes sociais na gestão das polí-
ticas sociais. In: CAVALCANTI, M. (org.) Gestão social, estratégias e parcerias: redesco-
brindo a essência da administração brasileira de comunidades para o terceiro setor. São
Paulo: Saraiva, 2006.
LACERDA, Lélica Elisa Pereira de et alii. Do conservadorismo à moral conservadora no
Serviço Social brasileiro. Disponível em: <http://www.ssrevista.uel.br/> Volume 8 - Número
2 - Jan/Jun 2006. Acesso em 03 fev. 2014.

MACHADO, Edinéia Maria; KYOSEN, Renato Obikawa. Política e Política Social. 1998.
Disponível em: <www.ssrevista.uel.br/c_v3n1_politica.htm>. Acesso em: 03 fev. 2014.
MONTAÑO, Carlos. A natureza do Serviço Social: um ensaio sobre sua gênese, a “especi-
ficidade” e sua reprodução. São Paulo: Cortez, 2007.

PESSANHA, E. C. Ascensão e queda do professor. São Paulo: Cortez, 1994.


PINHEIRO, Lessi Inês Farias. Questão Social: um conceito revisitado. Disponível em
<http://www.eumed.net/rev/cccss/03/fpod.htm>Acesso em 03 fev. 2014.

______. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação históri-
co-metodológica. 29ª ed. São Paulo: Cortez, 2009.

RIBEIRO, Iselda Corrêa. et alli. Meio ambiente e gestão social. Disponível em: <http://
www.aedb.br/seget/artigos04/161_161_A%20QUESTAO%20SOCIAL%20DO%20
MEIO%20AMBIENTE2.doc> Acesso em: 03 fev. 2014.

SILVA, Carla Andréia Alves da. O sentido da reflexão sobre autonomia no Serviço Social.
Disponível em <http://www.ssrevista.uel.br/> Volume 6 - Número 2 - Jan/Jun 2004. Aces-
so em 03 fev. 2014.

SUGUIHIRO, Vera Lucia Tieko (at all). O serviço social em debate: fundamentos teórico-
metodológicos na contemporaneidade. Revista Multidisciplinar da UNIESP. Saber Acadê-
mico. n º 07 – Jun/2009.

TORRES, Mabel Mascarenhas. Atribuições Privativas Presentes no Exercício Profissional


do Assistente Social: uma contribuição para o debate. Libertas - Volume 1 - Número 2 –
Jun/2007. Disponível em: <http://www.mp.pb.gov.br/arquivos/psicosocial/servico_social/
atribuicoes.pdf> Acesso em 03 fev. 2014.
VELOSO, Renato. Serviço social, tecnologia da informação e trabalho. São Paulo: Cortez,
2011.
17
GLOSSÁRIO
Trabalho: como categoria, pode ser conceituado como o uso da força de trabalho, na
relação com a natureza, que tem como objetivo a produção de valores de uso utilizados
para o suprimento da necessidade humana. Dessa forma, a categoria trabalho se firma
como essencial para a constituição do ser humano como ser social, independentemente de
sua complexidade, mas levando em consideração sua contribuição para o desenvolvimento
da sociedade.

Cidadania: expressão originária do latim, que tratava o indivíduo habitante da cidade (civitas);
na Roma antiga, indicava a situação política de uma pessoa (exceto mulheres, escravos,
crianças e outros) e seus direitos em relação ao Estado Romano. No dizer de Dalmo Dallari:
“A cidadania expressa um conjunto de direitos que dá à pessoa a possibilidade de participar
ativamente da vida e do governo de seu povo. Quem não tem cidadania está marginalizado
ou excluído da vida social e da tomada de decisões, ficando numa posição de inferioridade
dentro do grupo social”.

Funcionalismo: entende-se por funcionalismo a busca pela integração do homem ao


meio, e tem como base o equilíbrio das tensões na unificação social de todos os papéis. No
referencial funcionalista, o sistema deve funcionar na mais perfeita ordem, caso contrário,
as disfunções devem ser corrigidas.

Especificidade: no texto, a palavra especificidade pode ser entendida como “qualidade do


que é específico”, ou seja, qualidade do que é especial, exclusivo.

Particularidade: Carlos Montaño analisa que o Serviço Social apresenta particularidades,


que na linguagem do dicionário podem ser compreendidas como “aquilo que é particular,
ou o que pertence apenas a certas pessoas ou coisas”.

18
GABARITO
Questão 1

Resposta: Alternativa A.

Questão 2

Resposta: Alternativa B.

Questão 3

Resposta: Alternativa E.

Questão 4

Resposta: Alternativa E.

Questão 5

Resposta: Alternativa D.

Questão 6

Resposta: As categoriais que são históricas, dinâmicas e tendenciais.

Questão 7

Resposta: A singularidade, a universalidade e a mediação da particularidade.

Questão 8

Resposta: Esta questão é aberta e dependerá das conclusões e reflexões do aluno. No


respaldo de sua justificativa o aluno deverá apresentar o resultado de sua pesquisa virtual.

19
GABARITO
Questão 9

Resposta: O aluno deverá justificar a afirmativa do autor com suas próprias formulações e
reflexões. No entanto nas pp.158 – 160 o autor respalda a sua afirmativa. O aluno deverá
fazer a leitura das páginas propostas e elaborar a sua justificativa.

Questão 10

Resposta: 1 – a questão social. 2 – a politica social.

20