Você está na página 1de 20

CADERNO DE ATIVIDADES

d a C o m u n ic a ç ã o
ia s d a In fo r m a ç ã oe
g
Disciplina: Tecnolo u as p a r t ic u la r id a d e s n o
e n o té c n ico e s
Tema 02: O fenôm o e d a c ult u r a c o n te m p o r â nea
m u n ic a ç ã
âmbito da co
Tema 02
O fenômeno técnico e suas particularidades
no âmbito da comunicação e da cultura

seções
contemporânea

Como citar este material:


OLIVERIO, Márcio Araujo. Tecnologias da Informação
e da Comunicação: O fenômeno técnico e suas
particularidades no âmbito da comunicação e da
cultura contemporânea . Caderno de Atividades.
Valinhos: Anhanguera Educacional, 2014.
S e ç õ e s
Tema 02
O fenômeno técnico e suas particularidades
no âmbito da comunicação e da cultura
contemporânea
Introdução ao Estudo da Disciplina

Caro(a) aluno(a).

Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no Livro-Texto Tecnologias da


Informação e Comunicação, do autor Renato Veloso, Editora Saraiva, 2012, PLT 513.

Roteiro de Estudo:
Tecnologias da
Prof. Márcio Araujo
Informação e da
Oliverio
Comunicação

CONTEÚDOSEHABILIDADES
Conteúdo
Nessa aula você estudará:

• A relação entre a sociedade da informação e o trabalho.

• A possibilidade do potencial contraditório da tecnologia.

• Os tipos de mudança que estão ocorrendo em diversos setores da sociedade por meio
das inovações tecnológicas.

5
CONTEÚDOSEHABILIDADES
Habilidades
Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

• O que significa o termo “sociedade da informação”?

• Como conceituar a questão da “acumulação flexível”?

• Existe algum tipo de relação entre a sociedade da informação e trabalho?

LEITURAOBRIGATÓRIA
O fenômeno técnico e suas particularidades no âmbito
da comunicação e da cultura contemporânea
As TIC oferecem a possibilidade de disponibilizar informações para o mundo inteiro
em tempo real, as tecnologias também oferecem uma maior possibilidade de participação
dos indivíduos em todos os setores da sociedade. Porém, quando se fala em participação,
deve-se levar em conta que todos os “atores” envolvidos em determinada decisão devem
estar em grau de igualdade de direitos na hora de fazer as reivindicações. Não se pode
esquecer que apesar da disponibilidade das tecnologias de informação e comunicação na
sociedade, ainda há muita exclusão em diferentes níveis.

Essa igualdade também deve estar disponível nos mass media. No livro “A mídia e a
modernidade”, o autor John B. Thompson escreve sobre como o fluxo de imagens e de
informações e como a mídia desempenha um papel importante no controle do fluxo dos
acontecimentos. Você pode perceber que atualmente é possível ter acesso a informações do
mundo inteiro nos mais diversos canais de comunicação. Segundo Thompson (2008, p. 107),

o crescimento dos múltiplos canais de comunicação e informação contribuiu


significativamente para a complexidade e imprevisibilidade de um mundo
já extremamente complexo. Criando uma variedade de formas de ação a
distancia, dando aos indivíduos a capacidade de responder a ações e eventos
que acontecem a distancia, o desenvolvimento da mídia fez surgir novos tipos
de inter-relacionamento.

6
LEITURAOBRIGATÓRIA
O processo de comunicação e formação de sentido não pode ser de mão única, e, sim, de
uma maneira dialógica em que o ator social escuta, mas também tem a oportunidade de
falar e expressar os seus anseios e suas necessidades. Existe uma pluralidade de culturas
dentro de uma cidade, estado ou país; é importante que o gestor compreenda e dialogue
com todas, pois essa pluralidade de ideias é que forma a identidade de determinada região.

Para entender cultura, não se pode deixar de citar Raymond Willians, que realizou uma ampla
investigação sobre estudos culturais juntamente, a Richard Hoggart e Edward Thompson.

As transformações no termo ‘cultura’ devem-se à articulação com a Filosofia


e com a História. Manifestam-se com força com o Iluminismo, assumem outra
dimensão com o Romantismo e ganham novos contornos com o Marxismo
(CUNHA, 2007, p. 16).

Stuart Hall (1992, p. 197) afirma que essa influência nas identidades globais cria culturas
híbridas nas nações modernas. Ao romper as barreiras de espaço e tempo, gera-se a
impressão de um mundo menor, a “Parabolicamará” de Gilberto Gil, a contraposição de
tempo existencial com um tempo psíquico, em que tudo é mais rápido.

O cidadão não é um simples receptor de determinada mensagem, ele tem anseios,


necessidades, desejos específicos e o gestor tem obrigação de valorizar esses espaços de
diálogo.

Com a chamada “revolução informacional”, “sociedade da informação” ou, como prefere


Mandel, “terceira revolução tecnológica” (VELOSO, 2012, p. 14), ocorreu, como nunca antes
havia ocorrido na história, uma fusão entre a produção, a ciência e a tecnologia, o que, para
autores como Mandel, teve como efeito tanto o “desenvolvimento de forças do trabalho quanto
forças alienantes e destrutivas da mercadoria e do capital” (VELOSO, 2012, p. 14).

Você também viu que as mudanças ocorreram também no campo da comunicação e que essa
transformação teve como eixo principal os grandes capitais, Moraes afirma que os grandes
conglomerados industriais de comunicação exercem grande influência no que ele chamou
de “revolução multimídia” (VELOSO, 2012, p.14), devido ao ritmo acelerado de troca de
informação digital que integra diversos sistemas e redes. Porém, não se pode esquecer que
a internet, apesar de ainda não estar claro quem a controla, possibilita ações entre diversos
indivíduos que antes não era possível quando existiam apenas as mídias de massa.

As tecnologias de informação e comunicação que surgiram nas últimas décadas influenciam


o comportamento dos usuários e as relações produtivas.

7
LEITURAOBRIGATÓRIA
Como em todas as economias, a produtividade do trabalho é o motor do
desenvolvimento, e a inovação está na fonte da produtividade. Cada um
desses processos é levado a cabo e transformado pelo uso da Internet como
meio indispensável de organização em rede, processamento de informação e
geração de conhecimento (CASTELLS, 2003, p. 87).

É possível afirmar que a possibilidade de mobilidade do ciberespaço, da falta de fronteira,


permite que escolas e alunos criem novos hábitos e rotinas de ensino. Com as tecnologias
atuais, tem-se a possibilidade de conexão e comunicação por meio da Internet de qualquer
ponto do planeta. Porém, as mudanças não estão somente no âmbito do espaço e tempo,
já que as tecnologias de comunicação e informação influenciam a maneira de aprender, de
compreender o mundo. Para Muniz Sodré (2009, p. 29), as mudanças são profundas:

De fato, nesse nosso mundo hoje posto em rede técnica, modifica-se


profundamente a experiência habitual do tempo, a da ordem temporal sucessiva,
dando lugar à simultaneidade e à hibridização. Um novo tipo de fluxo liga a
estrutura em rede da moderna organização urbana às novas configurações da
informação eletrônica. Nesse novo fluxo, começamos a ler e a ouvir de modo
diferente.

O surgimento da web modificou a forma como as pessoas se relacionam:

Redes constituem a nova morfologia social de nossas sociedades e a difusão


da lógica de redes modifica de forma substancial a operação e os resultados
dos processos produtivos e de experiência, poder e cultura. [...] eu afirmaria
que essa lógica de redes gera uma determinação social em nível mais alto
que a dos interesses sociais específicos expressos por meio das redes: o
poder dos fluxos é mais importante que os fluxos do poder. A presença na
rede ou a ausência dela e a dinâmica de cada rede em relação às outras
são fontes cruciais de dominação e transformação de nossa sociedade: uma
sociedade que, portanto, podemos apropriadamente chamar de sociedade
em rede, caracterizada pela primazia da morfologia social sobre a ação social
(CASTELLS, 1999, p. 565).

Porém, não se pode correr o risco de tratar a tecnologia como algo homogêneo, em que
todos os cidadãos se apropriam, utilizam e percebem as redes da mesma forma. Segundo o
professor Milton Santos (2006, p. 264), as redes acrescentam uma “topologia à ‘topografia’,
dando nascimento a um espaço ‘contemporâneo do tempo real’”, ou seja, a adoção das
redes tecnológicas é influenciada por questões culturais, religiosas e econômicas.

A diferença entre a visão de Santos (2006) sobre redes e a da maioria dos autores é que
ele aborda como o espaço interfere no desenvolvimento das redes (tecnológicas ou não).
Segundo Santos (2006, p. 181), “O espaço permanece diferenciado e esta é uma das razões

8
LEITURAOBRIGATÓRIA
pelas quais as redes nele se instalam são igualmente heterogêneas”. O autor ainda afirma
que “no local onde as redes existem, elas não são uniformes” (SANTOS, 2006, p. 181).

Porém, é possível encontrar nas redes, mesmo com as diferenças de acessos, trabalhos
colaborativos que criam alternativas frente as grandes empresas. O Linux, sistema
operacional não proprietário, é um exemplo de propostas colaborativas que foge a regra de
que a tecnologia está sendo (ou pode ser) regida pelos conglomerados industriais. Sendo
assim, a grande questão não é a tecnologia em si, mas como utilizar essa tecnologia de
forma que ela possa atender a todos, como evitar que as grandes corporações se apropriem
ou tente controlar a informação e as ferramentas que possibilitam essa comunicação entre
as pessoas. Existem vários projetos de controle da internet, mas também existem projetos
colaborativos que buscam combater as tentativas de controle.

LINKSIMPORTANTES
Quer saber mais sobre o assunto?
Então:
Sites
Leia o artigo: CURY, L.; CAPOBIANCO, L.; CYPRIANO, P. A Cibercultura como uma
questão de cultura. 2009.
Disponível em: <http://www.cca.eca.usp.br/sites/cca.eca.usp.br/files/eixo4_art16.pdf>.
Acesso em 02 jan. 2014.
Trata a cibercultura como uma evolução natural da cultura, passa pela noção da cultura
no ciberespaço e enfatiza a questão do idioma como ponto-chave para o desenvolvimento
da comunicação, no caso a digital, finaliza com reflexões sobre a influência do mundo
virtualmente global na cultura local e vice-versa.

9
LINKSIMPORTANTES
Leia o artigo: VELOSO, Renato. As potencialidades contraditórias das tecnologias da
informação. 2007.
Disponível em: <http://www.contemporanea.uerj.br/pdf/ed_09/contemporanea_n9_09_
rveloso.pdf>. Acesso em 02 jan. 2014.
Este artigo busca realizar um tratamento das potencialidades contraditórias das tecnologias
da informação (TI). Apresenta-se uma breve definição de TI, sua importância para a dinâmica
social e as dificuldades presentes no acesso às inovações tecnológicas atuais.

Leia o livro: BENKLER, Yonchai. A riqueza das Redes.


Disponível em: <http://cyber.law.harvard.edu/wealth_of_networks/A_Riqueza_das_
Redes_-_Cap%C3%ADtulo_1>. Acesso em 02 jan. 2014.
A obra completa só está disponível em inglês, mas você pode ler parte dos textos em
português.

Vídeos
Assista ao vídeo: Por que o mundo precisa do WikiLeaks, com Julian Assange.
Disponível em: <http://www.ted.com/talks/view/lang/pt-br//id/918>. Acesso em 02 jan. 2014..

AGORAÉASUAVEZ
Instruções:
Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções
das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão
você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente
os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de
resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto
e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.
10
AGORAÉASUAVEZ
Questão 1: I. Transformações nos processos de
Nas últimas décadas, termos como Revo- armazenamento e transmissão.
lução Tecnológica, Sociedade Da Informa- II. Ideias de velocidade e compressão do
ção, Revolução Informacional ou Socieda-
espaço-tempo global.
de da Informática surgiram como forma de
explicar o momento de uma explosão tec- III. Uma sociedade bem informada
nologia que impactou a sociedade. O que independente da plataforma utilizada.
você entende por “revolução tecnológica”,
“sociedade da informação”, “revolução in- a) Apenas a alternativa I está correta.
formacional” ou “sociedade da informáti-
b) Apenas a alternativa II está correta.
ca”? Explique brevemente as diferenças.
c) Apenas a alternativa III está correta.
Questão 2: d) As alternativas I e II estão corretas.
Você concorda com a afirmação de que no
e) As alternativas II e III estão corretas.
Brasil a tradição da concentração das ri-
quezas se repete nas tecnologias digitais?
Explique utilizando as informações que Questão 5:
aparecem na bibliografia da disciplina.
Marque (V) para verdadeira e (F) para falso
de acordo com a seguinte afirmação:
Questão 3: Gestores têm se deparado com a recorren-
Para Veloso, há uma grande influência do te demanda de tratar as informações gera-
capitalismo na adoção das TIC. As mudan- das pelas políticas, desta forma, o uso de
ças sociais, principalmente a da comunica- instrumentos e ferramentas de gestão de
ção, têm como eixo condutor os grandes ca- informação vem se intensificando:
pitais. Como você explica essa afirmação?
( ) no auxílio do acompanhamento das
ações e programas sociais.
Questão 4: ( ) na avaliação e o monitoramento das
Autores divergem sobre termos como “so- políticas.
ciedade do conhecimento” e “sociedade de
( ) no controle social e na produção de
informação”. Porém, baseado na leitura do
Caderno de Atividades e nas bibliografias informação estratégicas que subsidiem a
indicadas, pode-se definir “sociedade de tomada de decisões.
informação” como:

11
AGORAÉASUAVEZ
( ) como forma de gerar subsídios para I. Traz um caráter impositivo e tende a
usar como arma de contra-informação e reforçar a ausência de participação
manutenção do poder. efetiva do profissional.

( ) na manipulação dos resultados como II. Mostra que os processos de informati-


forma de passar uma falsa informação para zação que não são frutos caracterizam
a população. uma incorporação superficial.
III. É marcada pela inexistência de um
envolvimento consciente e consistente
Questão 6: dos profissionais nos processos de
Como você explica a seguinte afirmação: informatização.
“[...] na crescente incorporação das no-
a) Apenas a alternativa I está correta.
vas tecnologias de informação aos seus
processos. Constata-se [...] o crescimento b) Apenas a alternativa II está correta.
cada vez mais acentuado de uma associa-
ção entre a política pública e a tecnologia” c) Apenas a alternativa III está correta
(VELOSO, 2012, p. 77).
d) Todas as alternativas estão corretas.

e) Apenas as alternativas I e II estão


Questão 7: corretas.
Só a introdução das tecnologias da informa-
ção e comunicação nos processos já são
Questão 9:
suficiente para uma boa gestão das políticas
públicas? Explique a sua resposta. Dentre as principais consequências que se
pode destacar sobre a resistência dos profis-
sionais a utilização das TIC, pode-se destacar:
Questão 8:
a) As características culturais relaciona-
Os processos de informatização podem
das ao sexo.
também acontecer por determinação exter-
na. Sendo assim, as demandas dos profis- b) As características relacionadas as
sionais que irão utilizar os recursos tecno- condições de trabalho.
lógicos, e operacionalizados por setores de
informática ou TI: c) As formas concretas de utilização
das tecnologias no sentido de substituir
trabalhadores por máquinas e
computadores.
12
AGORAÉASUAVEZ
d) As características relacionadas c) Somente a alternativa III está correta.
às ideologias que estão por trás das
d) As alternativas I, II e III estão corretas.
tecnologias.
e) Todas as alternativas estão corretas.
e) As três primeiras alternativas estão
corretas.

Questão 10:
De acordo com Veloso (2012), Lojkine
menciona as armadilhas do “fetiche tec-
nológico” desconsideram alguns fatores e
destaca:

I. A mercantilização da vida social é


um elemento constitutivo do sistema
capitalista, significando que a
informação também se transforma em
mercadoria.

II. O aumento do uso das informações


não significa a constituição de uma
sociedade pós-industrial.

III. A substituição de formas violentas de


exploração do trabalho por inovações
tecnológicas não significa que a
exploração tenha sido extinta.

IV. As inovações tecnológicas não têm


implicado a redução da jornada de
trabalho e o aumento do tempo livre do
trabalhador.

a) Somente a alternativa I está correta.

b) Somente a alternativa II está correta.

13
FINALIZANDO
Você viu nessa aula que as TIC oferecem a possibilidade de disponibilizar informações
para o mundo inteiro em tempo real. As tecnologias também oferecem uma maior possibilidade
de participação dos indivíduos em todos os setores da sociedade. Olhando para os dias
atuais, você vai perceber que pode ter acesso às informações do mundo inteiro nos mais
diversos canais de comunicação. Fica a reflexão nesse texto que o centro da discussão
não é a tecnologia em si, mas como utilizar essa tecnologia de uma forma que ela possa
atender a todos, como evitar que as grandes corporações se apropriem ou tente controlar a
informação e as ferramentas que possibilitam essa comunicação entre as pessoas. Existem
vários projetos de controle da internet, mas também existem projetos colaborativos que
buscam combater as tentativas de controle.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar
sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

REFERÊNCIAS
BARABÁSI, A. L. Linked – A nova ciência dos networks. São Paulo: Leopardo Editora,
2002.

BENKLER, Y. A Riqueza das Redes. Cyber Law Harvard, 2011. Disponível em: <http://cy-
ber.law.harvard.edu/wealth_of_networks/A_Riqueza_das_Redes_-_Cap%C3%ADtulo_1>.
Acesso em 02 jan. 2014.

BORDENAVE, J. E. D. O que é participação. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1992.

CASTELLS, M. Sociedade em Rede. 6 ed. São Paulo: Editora Paz e Terra Ltda, 1999.

14
REFERÊNCIAS
________. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. In:
BORGES, M. L. X. D. A. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2003.

CUNHA, M. N. A explosão gospel. Rio de Janeiro: Mauad, 2007

HALL, S.. The Question of Cultural Identity. In: Hall, David Held, Anthony McGrew, eds,
Modernity and Its Futures. Cambridge: Polity Press, pp. 274–316.

LEMOS, A. Micronações Virtuais. Cidadania e Cibercultura. Cibercidade. As cidades na


cibercultura. Rio de Janeiro: E-paper, 2004. p. 151-174.

LÉVY, P. O universal sem totalidade, essência da Cibercultura. São Paulo: Editora 34,
1999a. p. 111-121

______. A revolução contemporânea em matéria de comunicação. In: MARTINS, F. M.;


SILVA, J. M. D. (Ed.). Para Navegar No Seculo XXI: Tecnologias Do Imaginario E Ciber-
cultura. Porto Alegre: Sulina, 1999b. p. 195 - 216.

MUNIZ, S. A narração do fato. São Paulo. Vozes, 2009

SANTOS, M. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. São Paulo:


Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

THOMPSON, J. B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 10 edição. Petró-


polis: Vozes, 2008.

VELOSO, R. Tecnologias da informação e da comunicação: desafios e perspectivas. São


Paulo: Saraiva, 2012.

15
GLOSSÁRIO
Parabolicamará: música do cantor e compositor Gilberto Gil no qual aborda a questão
do tempo existencial, psíquico, em contraposição ao tempo cronológico – a eternidade, a
encarnação e a saudade à jangada e ao saveiro – e estes dois ao avião – para insinuar
o encurtamento do tempo–espaço provocado pelo aumento da rapidez dos meios de
comunicação física e mental do mundo –tempo moderno e das velocidades transformadoras
em que vivemos.

John B. Thompson: é sociólogo e professor da Universidade de Cambridge. Seu objeto de


estudo é a influência da mídia e da ideologia na formação das sociedades modernas.

Mídia e modernidade: O autor desenvolve aqui uma teoria social da mídia e de seu impacto.
Sustenta que o desenvolvimento da mídia transformou a constituição espacial e temporal
da vida social, criando novas formas de ação e interação não mais ligadas ao compartilhar
de um local comum.

Mandel: Ernest Ezra Mandel (Frankfurt, 5 de abril de 1923 — Bruxelas, 20 de julho de


1995) foi um economista e político belga, considerado um dos mais importantes dirigentes
trotskistas da segunda metade do século XX.

Linux: Linux foi desenvolvido pelo programador finlandês Linus Torvalds, inspirado no
sistema Minix. O seu código fonte está disponível sob a licença GPL para que qualquer
pessoa o possa utilizar, estudar, modificar e distribuir livremente de acordo com os termos
da licença.

16
GABARITO
Questão 1

Resposta: <Resposta aberta> Espera-se que o aluno utilize os conhecimentos prévios na


resposta desse exercício.

Questão 2

Resposta: A maior parte das pessoas que conectam à internet pertence às classes A e
B, e se aglomera nas regiões Sudeste e Sul do País. Apesar de o Brasil estar entre os 15
países com maior parque de computadores instalados, mantém cerca de 90% das cidades
fora da Rede.

Questão 3

Resposta: O autor afirma que as mudanças tecnológicas são movidas pelo apetite
desmensurado por lucratividade e concentrado nas mãos de um número restrito de complexos
empresariais. Para o autor, esse conglomerado industrial exerce grande influência na chama
revolução multimídia.

Questão 4

Resposta: Alternativa D. Sociedade da Informação é um termo – também chamado de


Sociedade do Conhecimento ou Nova Economia – que surgiu no fim do Século XX, com
origem no termo Globalização.

Questão 5

Resposta: V, V, V, F e F.

Essas informações devem ser utilizadas para informar, e não como uma forma de
manipulação e controle.

17
GABARITO
Questão 6
Resposta: Com base no processamento de dados provenientes de múltiplas fontes,
é possível produzir e distribuir informação relevante, consistente e estratégica para as
necessidades da gestão, gerando processos e produtos que proporcionem alterações
qualitativas nos modelos e nos resultados obtidos pelas políticas.
Questão 7
Resposta: Não é o suficiente, faz-se necessário provocar diversos sujeitos envolvidos
nestes processos para que haja uma intensificação no momento de apropriação do potencial
que as novas tecnologias da informação podem oferecer.
Questão 8

Resposta: Alternativa D. As três possibilidades publicadas apontam para as questões corretas:


I. Traz um caráter impositivo e tende a reforçar a ausência de participação efetiva do
profissional.
II. Mostra que os processos de informatização que não são frutos caracterizam uma
incorporação superficial.
III. É marcada pela inexistência de um envolvimento consciente e consistente dos profissionais
nos processos de informatização.

Questão 9
Resposta: Alternativa E. Há uma desconfiança sobre o uso de máquinas em muitas funções.
Em muitos casos essa utilização visa substituir o material humano sem entender que a
máquina ainda não consegue tratar de questões subjetivas do cotidiano.
Questão 10

Resposta: Alternativa E. As três possibilidades publicadas apontam para as questões corretas:


I. A mercantilização da vida social é um elemento constitutivo do sistema capitalista,
significando que a informação também se transforma em mercadoria.
II. O aumento do uso das informações não significa a constituição de uma sociedade pós-
industrial.
III. A substituição de formas violentas de exploração do trabalho por inovações tecnológicas
não significa que a exploração tenha sido extinta.
IV. As inovações tecnológicas não têm implicado a redução da jornada de trabalho e o
aumento do tempo livre do trabalhador.

18
19