Você está na página 1de 4

- Conceito gestão de residuos sólidos

A Gestão de Resíduos Sólidos (GRS) é um conjunto de atitudes


(comportamentos, procedimentos, propósitos) que apresentam como objetivo
principal, a eliminação dos impactos ambientais negativos, associados à
produção e à destinação do lixo.
LEI Nº 12.305 instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS. No dia
2 de Agosto de 2010, o então presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva
sancionou a lei que institui a PNRS, o que marcou o início de uma forte
articulação institucional envolvendo os três entes federados – União, Estados e
Municípios.
Para alcançar os objetivos de maior aproveitamento dos resíduos e minimização
da quantidade de rejeitos, adotando a seguinte ordem de prioridade ;proteção da
saúde pública e da qualidade ambiental. A Lei fixa responsabilidades as pessoas
físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, responsáveis direta ou
indiretamente, pela geração de resíduos sólidos e as que desenvolvam ações
relacionadas à gestão integrada ou ao gerenciamento de resíduos sólido.
(Artigo1º,§1º PNRS 12.305)
Essas responsabilidades atribuidas pela lei, podem ser divididas em:

a) Individual: acondicionar adequadamente e de forma separada os resíduos


sólidos gerados, atentando para as práticas que possibilitem a redução da
geração de resíduos sólidos e após a utilização do produto, efetuar a entrega
dos resíduos sólidos reversos aos comerciantes e distribuidores ou encaminhá-
los aos postos de coleta especificados;

b) Compartilhada: fabricantes devem adotar tecnologias para reutilizar os


resíduos sólidos reversos sob sua responsabilidade; e dar disposição final
ambientalmente adequada aos rejeitos; informar ao consumidor sobre as
possibilidades de reutilização e tratamento dos produtos, advertindo dos riscos
ambientais resultantes do descarte inadequado; e divulgar mensagens
educativas para combater o descarte inadequado dos resíduos sólidos de sua
responsabilidade;

c) Solidária: A terceirização de serviços de tratamento e disposição final de


resíduos, não isentam o gerador de suas responsabilidades sobre o resíduo
gerado e ainda, garante a segurança dos processos produtivos, mantendo
informações atualizadas, permitindo a fiscalização e a recuperação das áreas
degradadas/contaminadas sob sua responsabilidade.

- Importância da gestão de residuos sólidos


Apesar de representarem um custo inicial, iniciativas sustentáveis podem ajudar
na consolidação de uma marca mais forte para a empresa, o que propicia maior
atrativo para seus Stakeholders.
Algumas vantagens de uma Gestão Ambiental adequadamente aplicada são:
 Redução de custos, consequente da diminuição do consumo dos recursos
naturais e dos resíduos gerados.
 Possibilidade de conquista de mercados internacionais, por adequar-se
às normas de exigência comercial.
 Melhoria da imagem da empresa pela implantação de um modelo de
administração responsável.
 Redução dos custos de produção, possibilitando a recuperação de
matérias-primas, aproveitáveis no processo de fabricação, ou
comercializáveis para terceiros.
 níveis crescentes de qualidade de vida, saúde pública e bem estar social,
além de gerar uma redução das despesas de recuperação das áreas
degradadas, da água, dos lençóis freáticos e do ar poluídos,
possibilitando a aplicação desses mesmos recursos (econômicos) em
outras áreas de interesse da população.

A gestão de resíduos sólidos pode diminuir, e em alguns casos evitar, impactos


negativos como:

 Contaminação do solo com fungos e bactérias;


 Contaminação das águas de chuva e do lençol freático;
 Aumento da população de ratos, baratas e moscas, disseminadores de
doenças diversas;
 Aumento dos custos de produtos e serviços;
 Entupimento das redes de drenagem das águas de chuva.

- Hierarquização da gestão de residuos sólidos

A hierarquia dos resíduos é um conceito usado na gestão de resíduos sólidos,


que consiste na identificação das estratégias básicas e de suas respectivas
importâncias para o sequenciamento de resíduos. De acordo com a hierarquia,
a prevenção de resíduos, ou redução, encontra-se no topo, logo é o fato mais
importante. É seguida da reutilização, da reciclagem e por fim, da recuperação,
sendo o aterro sanitário a última opção sugerida para a destinação dos resíduos
sólidos.

A aplicação do conceito leva não só a uma gestão mais eficiente dos resíduos,
como cria novas oportunidades de negócios que envolvam a optimização do
processo de tratamento de resíduos, fomentando assim um movimento geral na
hierarquia, e evitando com isso a deposição em aterros sanitários.

 Reduzir: diminuir a quantidade de lixo residual que produzimos é


essencial. Os consumidores devem adorar hábitos de consumo saudáveis
como adquirir produtos que realmente serão utilizados e que sejam
reutilizáveis, como exemplo: guardanapos de pano, sacos de pano para
fazer suas compras diárias, embalagens reutilizáveis para armazenar
alimentos ao invés dos descartáveis.
 Reutilizar: utilizar várias vezes o mesmo produto ou a mesma
embalagem. Com um pouco de imaginação e criatividade podemos
aproveitar sobras de materiais para outras funções, como exemplo:
garrafas de plástico/vidro para armazenamento de líquidos e recipientes
diversos para organizar os materiais de escritório. Reformas de qualquer
natureza se encaixam nesse princípio.
 Reciclar: transformar o resíduo, antes inútil, em matérias-primas para a
fabricação de novos produtos é um benefício tanto para o aspecto
ambiental como energético. Exigir programas de reciclagem dos governos
locais e principalmente participar deles é a melhor forma de exercer esta
ideia.

- Passos da gestão ambiental


1º passo: Preciclagem: É o conceito de preocupação dos consumidores em
diminuir a produção dos resíduos logo no ato da compra, optando pelos produtos
de material biodegradáveis ou recicláveis ou reduzindo a quantidade de
embalagens.

2º passo: coleta seletiva: Coleta seletiva de lixo é um processo que consiste


na separação e recolhimento dos resíduos descartados por empresas e
pessoas. Desta forma, os materiais que podem ser reciclados são separados do
lixo orgânico.

3º passo: logistica reversa – pneus, baterias, agrotóxicos etc. Instrumento


de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações,
procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos
resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou
em outros ciclos produtivos, ou outra destinação.

4ºpasso:reutilização (reciclagem ou reaproveitamento direto): Reciclagem é


o processo de conversão de desperdício em materiais ou produtos de potencial
utilidade. Este processo permite reduzir o consumo de matérias-primas, de
utilização de energia e a poluição do ar e da água, ao reduzir também a
necessidade de tratamento convencional de lixo.

5º passo: compostagem: A compostagem é o processo biológico de


decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem
animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino
útil para os resíduos orgânicos, evitando sua acumulação em aterros e
melhorando a estrutura dos solos.

6º passo: incineração ou autoclave: É a queima do lixo em fornos e usinas


próprias. Apresenta a vantagem de reduzir bastante o volume de resíduos. Além
disso, destrói os microrganismos que causam doenças, contidos principalmente
no lixo hospitalar e industrial.

7º passo: disposição final adequada: Aterro sanitário é local no qual


despejam-se os resíduos sólidos descartados pelo homem. A implementação
desse sistema objetiva diminuir o impacto do lixo no mundo, sobretudo da
contaminação do solo, água e ar.
Coleta seletiva
Coleta seletiva é a coleta diferenciada de resíduos que foram previamente
separados segundo a sua constituição ou composição. Ou seja, resíduos com
características similares são selecionados pelo gerador (que pode ser o cidadão,
uma empresa ou outra instituição) e disponibilizados para a coleta
separadamente.
Para que se possa ocorrer com eficacia a implantação da coleta seletiva
devemos ter a criação de um grupo gestor que irá definir qual a melhor
abordagem para a implantação da coleta apartir dos seguintes planos de ação:

 Ação Gerencial: ações administrativas e financeiras, legislações


municipais pertinentes aos resíduos sólidos urbanos (assembléias),
parcerias com empresas, organograma, cadastro de compradores,
assistência técnica e capacitação de catadores.

 Ação Operacional: Composto por ações que visam operacionalizar o


programa de coleta seletiva, visando adequações necessárias na logística
e infraestrutura da coleta.
o Elaboração de um plano de coleta, onde é definido os
equipamentos e periodicidade de coleta dos residuos;
o Instalação de um centro de triagem para a limpeza e separação
dos residuos e acondicionamento para a venda do material a ser
reciclado;
o Implantação de programas especiais para reciclagem de entullho
(residuos da construção civil);

 Ação Social: Mobilização social e Educação Ambiental: Propõe ações


que visem sensibilizar e envolver a sociedade, por meio de veículos de
comunicação, escolas, associações, igrejas e lideranças comunitárias,
como um programa de educação ambiental no município
o distribuição à população recipientes adequados à separação e ao
armazenamento dos residuso reciclaveis nas residencias;