Você está na página 1de 4

Interpretação de Texto

A primeira lição que precisamos aprender ao descobrir como estudar


português para concursos públicos é a interpretação. Eu considero
que interpretação de texto é, praticamente, uma outra disciplina
dentro da matéria português. É muito difícil entender o que se passa
pela cabeça dos elaboradores de questões quando eles resolvem
encher a prova de questões de interpretação e colocar como gabarito
respostas que 80% dos concurseiros acabam errando. Será mesmo
que interpretação é um “tiro no escuro”?

É muito complicado estudar esse conteúdo de interpretação, mas


existem sim algumas dicas que podem lhe ajudar. Veja abaixo minhas
principais dicas para você arrebentar nas questões de interpretação de
texto!

Leia as questões antes de ler o texto:

Essa é uma grande sacada para você ganhar tempo na sua prova de
interpretação de texto. Muitas vezes você irá ler todo o texto e quando
chegar nas questões descobrirá que era necessário ler somente 2 ou 3
parágrafos.
Tente entrar para dentro da história:

Uma técnica que sempre me ajudou a acertar questões de


interpretação foi entrar para dentro da história do texto. Deixe sua
imaginação fluir na hora de ler o texto da prova. Imagine cada parte
do que está lendo e assim será muito mais fácil entender a história
como um todo.

Identifique a ideia central do texto: Muitas questões você


conseguirá acertar somente através da identificação da ideia central do
texto. A grande maioria das questões pede exatamente isso. Então, o
seu principal objetivo ao ler um texto será identificar : Qual mensagem
ele quer passar? Qual é o objetivo do autor do texto? Quais são os
principais personagens?

Leia tudo com máxima atenção: A falta de atenção poderá fazer


você perder valiosos pontos em questões de interpretação de texto.
Leia cada alternativa com muita atenção pois entender o que está
sendo cobrado é o primeiro passo para saber onde você deve procurar
a resposta no texto.

Sublinhe as principais frases: Muitas respostas de questões estão


somente em algumas frases do texto. Você precisa sublinhar as
principais frases, aquelas que entreguem as principais respostas como:
opinião do autor, época em que o texto se passa, consequências que
ocorrem na história, causas do problema que é citado no texto, etc.

Essas são as principais dicas para você fazer questões de interpretação


de texto. Em uma prova de concurso, pelo menos 40% das questões
de português serão de interpretação, então treine ao máximo essas
dicas em questões de provas anteriores. É necessário entender como
a banca pensa pois o pensamento dela é o fator mais importante, você
só conseguirá entender a banca depois de fazer centenas de questões
dela!

Ortografia e Morfologia

Você vai estudar esses dois conteúdos juntos. A ortografia está


presente no dia a dia de todos que escrevem, por isso falei no começo
deste artigo que o português é importante não só para os concurseiros.
A morfologia é o conteúdo que dá “nome aos bois” dentro da disciplina
de português. Aqui não tem muito segredo, a melhor dica é estudar
ortografia e morfologia de forma conjunta pois na ortografia você
aprenderá a como escrever cada palavra e na morfologia aprenderá o
que é cada palavra (verbo, substantivo, pronome, numeral, artigo,
etc).

Uma dica muito importante com relação à parte de ortografia é fazer


uma lista das principais palavras que caem em concursos. Eu não vou
negar que ortografia e morfologia são conteúdos de concursos menores
e que bancas como FCC, Cespe ou Esaf raramente irão cobrar esses
conteúdos. Abaixo você pode ver algumas palavras que são as
preferidas das bancas quando colocam questões de ortografia em suas
provas:

Por que/Porque/Por quê/Porquê


Há/A/À
Onde/Aonde
Mal/Mau
Demais/De mais
Senão/Se não
A cerca de/ Acerca de

Crase

Apesar de simples, precisamos ter alguns cuidados com a crase na hora


de saber como estudar português para concursos públicos. A
crase é um dos principais conteúdos a serem cobrados em provas de
português. Eu não lembro de ter feito alguma prova em que não caiu
crase. Sabe por que a crase costuma despencar em concursos? Porque
ela é cheia de regras e exceções, o que as bancas de concurso adoram.
Minha dica para você gabaritar as questões de crase é decorar quais
são os casos proibidos de crase e também quais são os casos
especiais. Eu não sou professor então não vou lhe dar grandes
detalhes sobre esses casos, mas você precisa procurar por materiais
que contenham essas duas hipóteses. Sabendo os casos proibidos e os
especiais, você saberá que todo o resto dos casos serão hipóteses de
crase.

Pontuação

Estudar pontuação não tem segredo nenhum e podemos dizer que é a


parte mais fácil ao aprender como estudar português para
concursos públicos. Esse conteúdo é um dos mais fáceis dentro da
gramática. O que mais cai em prova quando falamos sobre pontuação
são os casos proibidos de vírgula. Então, a primeira coisa que você fará
quando for estudar pontuação será decorar os casos proibidos de
vírgula, NÃO se usa vírgula para:

Separar sujeito do predicado


Separar verbo do complemento
Separar adjunto do nome

Os outros sinais de pontuação como dois pontos, ponto e vírgula,


travessão, aspas, ponto final e reticências não costumam cair tanto em
prova, por isso dê apenas uma olhada neles. Apegue-se nos casos
proibidos de vírgula!

Regência

O conteúdo de regência é muita decoreba, essa é a verdade. Existe até


mesmo o manual da regência que contém as regências de todos os
verbos. A melhor maneira de você aprender isso é descobrindo quais
são as principais palavras que caem na banca de seu concurso. Eu digo
isso porque é praticamente impossível decorar todos os casos de
regência, então focando somente naquilo que mais cai na sua banca
você conseguirá ter um excelente aproveitamento.

Eu sei, por exemplo, que as bancas FCC e Cebraspe gostam muito das
seguintes regências: Implicar, Visar, Aspirar, Esquecer/Lembrar,
Obedecer, Haver e Referir.

Concordância

Concordância verbal e nominal devem ser estudadas juntas. Nessa


parte da gramática você irá dar de cara com diversas regras e será
necessário sim decorar todas elas. As regras de concordância verbal
são cobradas pelas principais bancas de concurso como FCC, Cebraspe,
Cesgranrio, Vunesp e Esaf. É muito difícil saber qual será a regra
cobrada pela banca mas o mais comum é que elas façam a chamada
“frase invertida”, ou seja, trocam a ordem da frase passando o sujeito
para o final e assim acabam confundindo o concurseiro.

Por esse motivo, a primeira coisa que você deve fazer ao resolver
questões de concordância é identificar o sujeito, afinal de contas o
verbo precisa concordar com ele. Tenha atenção para o caso de sujeito
oracional, em que o sujeito da frase é um verbo, nesse caso a
concordância ficará sempre no singular. Existem diversos outros casos
que você só aprenderá com o apoio de um professor especialista no
assunto.

Análise Sintática

O último tópico do artigo sobre como estudar português para


concursos públicos só poderia ser análise sintática. Se você vai fazer
a prova do concurso do INSS, terá que ter na ponta da língua todas as
regras desse tópico que é um dos preferidos da Cespe/Unb. Analise
sintática envolve descobrir a função de cada palavra dentro de uma
oração (frase com verbo). Lembra que na morfologia aprendíamos o
nome das palavras? Agora é hora de aprender a função que cada uma
delas exerce dentro das frases.

Para ir bem em questões de análise sintática você precisa


estudar ela pelo menos 2 vezes na semana. Digamos que você
estude português 3 vezes ao longo da semana, em pelo menos
duas a análise sintática deve estar presente. Você não pode
esquecer que tópicos como crase, pontuação e concordância
também estão dentro da análise sintática.

O que mais é cobrado em provas é a parte de transitividade


verbal, saber o que é um VTD, VTI, VTDI, e um VI. Principalmente
as questões da FCC são muito repetidas em pedir para você achar o
verbo que possui o mesmo tipo de complemento que outro verbo que
está no enunciado da frase. Ainda é importante dar outra dica para
você que vai estudar análise sintática: Decore pelo menos 5
conjunções de cada oração coordenada e subordinada. Isso já
será o suficiente para acertar a maioria das questões. Por
exemplo, nas conjunções adversativas decore: Mas, Porém, No
entanto, Contudo e Entretanto.