Você está na página 1de 22

Regência verbal

Regência verbal é a relação existente entre o verbo, o objeto direto e o objeto indireto. Como os verbos transitivos diretos e indiretos possuem significado incompleto, necessitam de objeto direto e objeto indireto para completar o seu sentido.

A ligação entre os verbos e os complementos é feita através do uso ou não de preposições. Regência verbal dos verbos transitivos diretos

Verbos transitivos diretos não exigem preposição para estabelecer regência verbal.

Verbos transitivos diretos necessitam de um objeto direto que complete seu sentido, de modo

a responder, principalmente, às perguntas: o quê? quem?

Exemplos de frases com verbos transitivos diretos

Eu ainda não li o livro.

Ela já fez o bolo.

Minha esposa quer um filho. Veja também: Lista de verbos transitivos diretos e análise sintática. Regência verbal dos verbos transitivos indiretos

Verbos transitivos indiretos exigem preposição para estabelecer regência verbal. Essas

ou de forma contraída

ou combinada com artigos e pronomes (da, pelos, numa, à,

Verbos transitivos indiretos necessitam de um objeto indireto que complete seu sentido, de modo a responder, principalmente, às perguntas: de quê? para quê? de quem? para quem? em quem? Exemplos de verbos transitivos indiretos que exigem preposição

preposições podem aparecer na sua forma simples (de, por, em, a,

).

)

Verbo abdicar: abdicar de.

Verbo advertir: advertir a.

Verbo agradar: agradar a.

Verbo agradecer: agradecer a.

Verbo aspirar: aspirar a.

Verbo assistir: assistir a, assistir em.

Verbo avisar: avisar a, avisar de.

Verbo chegar: chegar a, chegar de, chegar para.

Verbo comparecer: comparecer a, comparecer em.

Verbo comunicar: comunicar a.

Verbo dedicar: dedicar a.

Verbo desagradar: desagradar a.

Verbo desdenhar: desdenhar de.

Verbo empatar: empatar em, empatar por, empatar com.

Verbo emprestar: emprestar a, emprestar de, emprestar para.

Verbo esquecer: esquecer de.

Verbo gostar: gostar de.

Verbo impedir: impedir de, impedir que.

Verbo implicar: implicar com.

Verbo informar: informar de.

Verbo ingressar: ingressar em.

Verbo ir: ir a, ir de, ir para.

Verbo lembrar: lembrar de.

Verbo mexer: mexer em, mexer com, mexer de.

Verbo namorar: namorar com.

Verbo necessitar: necessitar de.

Verbo obedecer: obedecer a.

Verbo pagar: pagar a.

Verbo pedir: pedir a.

Verbo perdoar: perdoar a.

Verbo precisar: precisar de.

Verbo preferir: preferir a.

Verbo prevenir: prevenir a.

Verbo proceder: proceder a.

Verbo querer: querer a.

Verbo residir: residir em.

Verbo responder: responde a.

Verbo sentar: senta a, sentar em.

Verbo simpatizar: simpatizar com.

Verbo suceder: suceder a.

Verbo tratar: tratar de.

Verbo usufruir: usufruir de.

Verbo visar: visar a.

Verbo voltar: voltar a, voltar de, voltar para.

Verbo morar: morar em. Exemplos de frases com verbos transitivos indiretos

Os alunos assistiram a um filme sobre a escravatura.

Eu nunca obedeci às regras da escola.

Aquele comentário desagradou a todos!

Preciso de sua ajuda amanhã.

Gostaria de viajar para o Uruguai! Verbos transitivos e intransitivos

Verbos transitivos são verbos que precisam de complementos verbais para completar o seu sentido. Têm um significado incompleto.

Verbos intransitivos são verbos que não precisam de complementos verbais para completar o seu sentido. Têm um significado completos. Exemplos de verbos transitivos

Verbo comer;

Verbo querer;

Verbo acreditar;

Verbo lembrar;

Verbo emprestar;

Verbo agradecer. Exemplos de verbos intransitivos

Verbo viver;

Verbo nascer;

Verbo cair;

Verbo chorar;

Verbo dormir;

Verbo casar. Verbos transitivos: diretos, indiretos, diretos e indiretos Verbos transitivos diretos pedem um objeto direto como complemento, indicando quem ou o quê. Verbos transitivos indiretos pedem um objeto indireto como complemento, indicando de quem, para quem, com quem, de quê, para quê, a quê,… Verbos transitivos diretos e indiretos pedem tanto um objeto direto como um objeto indireto como complementos, indicando quem ou o quê e, também, de quem, para quem, com quem, de quê, para quê, a quê,… Verbo transitivo direto

Verbo ler Ler o quê?

Ler a receita.

Ler o livro.

Ler a notícia.

A receita, o livro e a revista são objetos diretos.

Verbo visitar Visitar quem?

Visitar a avó.

Visitar uns amigos.

Visitar o doente.

A avó, uns amigos e o doente são objetos diretos.

Veja também outros exemplos de verbos transitivos diretos.

Verbo transitivo indireto Verbo precisar Precisar de quê?

Precisar de ajuda.

Precisar de dinheiro.

Precisar de um casaco. De ajuda, de dinheiro e de um casaco são objetos indiretos. Verbo concordar Concordar com quem?

Concordar com a mãe.

Concordar com o diretor.

Concordar com a amiga. Com a mãe, com o diretor e com a amiga são objetos indiretos. Veja também outros exemplos de verbos transitivos indiretos. Verbo transitivo direto e indireto Verbo agradecer Agradecer o quê? Agradecer a quem?

Agradecer o presente ao namorado.

Agradecer o convite à diretora.

Agradecer a atenção à professora.

O presente, o convite e a atenção são objetos diretos.

Ao namorado, à diretora e à professora são objetos indiretos.

Verbo devolver Devolver o quê? Devolver a quem?

Devolver o livro ao professor.

Devolver o dinheiro à mãe.

Devolver a caneta ao colega.

O livro, o dinheiro e a caneta são objetos diretos.

Ao professor, à mãe e ao colega são objetos indiretos.

Verbos intransitivos Verbos intransitivos não pedem nem objeto direto, nem objeto indireto. O verbo transmite uma ação completa que começa e termina no sujeito da oração. Podem ser enriquecidos com a junção (não obrigatória) de adjuntos adverbiais. Verbo dormir

Dormir muito.

Dormir cedo.

Dormir sozinho. Muito, cedo e sozinho são adjuntos adverbiais.

Verbo voltar

Voltar rápido.

Voltar amanhã.

Voltar a pé. Rápido, amanhã e a pé são adjuntos adverbiais.

Transitividade verbal

A transitividade verbal, no âmbito da predicação verbal, indica o tipo de ligação que um verbo

transitivo estabelece com os seus complementos. Um verbo transitivo é um verbo que necessita de complementos para completar o seu sentido, visto sozinho apresentar um significa incompleto. Os complementos verbais são o objeto direto e o objeto indireto.

Um verbo que tem um objeto direto como complemento é chamado de transitivo direto.

Um verbo que tem um objeto indireto como complemento é chamado de transitivo indireto.

Um verbo que tem um objeto direto e um objeto indireto como complementos é chamado de transitivo direto e indireto. Verbo transitivo direto Verbos transitivos diretos indicam o quê ou quem. Eu ouvi

O quê? - Eu ouvi um barulho alto.

Quem? - Eu ouvi minha mãe. Verbo transitivo direto: ouvir Objeto direto: um barulho alto; minha mãe Leia também: Lista de verbos transitivos diretos e análise sintática. Verbo transitivo indireto Verbos transitivos indiretos indicam de quê, para quê, de quem, para quem, em quem, Eu preciso… De quê? - Eu preciso de ajuda. De quem? Eu preciso de ti. Verbo transitivo indireto: precisar Objeto indireto: de ajuda, de ti Eu acredito… Em quê? - Eu acredito em vida extraterrestre. Em quem? - Eu acredito em você. Verbo transitivo indireto: acreditar Objeto indireto: em vida extraterrestre, em você. Leia também: Lista de verbos transitivos indiretos e análise sintática. Verbo transitivo direto e indireto

Verbos transitivos diretos e indiretos indicam o quê ou quem, bem como de quê, para quê, de quem, para quem, em quem, Eu emprestei…

O quê? - Eu emprestei um vestido.

A quem? Eu emprestei um vestido à minha irmã.

Verbo transitivo direto e indireto: emprestar

Objeto direto: um vestido Objeto indireto: à minha irmã Eu agradeci…

O quê? - Eu agradeci as doações.

A quem? Eu agradeci as doações aos meus vizinhos.

Verbo transitivo direto e indireto: agradecer Objeto direto: as doações Objeto indireto: aos meus vizinhos

Transitividade X intransitividade

Contrariamente aos verbos transitivos, cujo sentido transita para um objeto, há verbos que apresentam sentido completo, não necessitando de qualquer complemento. São os verbos intransitivos.

Meu irmão nasceu.

Meu cachorro morreu.

Minha avó caiu.

O

bebê dormiu.

Eu chorei.

Ela não sofreu. Lista de verbos intransitivos Verbo nascer; Verbo morrer; Verbo viver; Verbo voltar; Verbo chegar; Verbo andar; Verbo chorar; Verbo cair; Verbo dormir; Verbo deitar; Verbo sentar; Verbo levantar; Verbo sofrer; Verbo casar; Verbo suceder; Verbo proceder. Classificação de verbos

O

mesmo verbo pode ser classificado como intransitivo e transitivo, dependendo do

significado que apresenta numa determinada frase. Assim, a classificação verbal deverá ser sempre feita mediante o contexto em que ocorre o verbo.

O

verbo namorar, por exemplo, pode ser um verbo intransitivo, um verbo transitivo direto, um

verbo indireto ou um verbo pronominal:

Verbo intransitivo: Meu irmão namora muito, é muito namorador! Verbo transitivo direto: Estou namorando essa blusa há uns dias… Verbo transitivo indireto: Namoro com Paulo há três anos. Verbo pronominal: Carlos namorou-se de Bruna desde a primeira vez que a viu. Verbos intransitivos e adjuntos adverbiais É frequente serem acrescentadas informações a um verbo intransitivo. Embora isso seja possível, essas informações não são obrigatórias nem necessárias para a compreensão do significado do verbo, apenas para o seu enriquecimento. Essas outras informações são os adjuntos adverbiais, ou seja, um termo acessório da oração, cuja função é indicar uma circunstância (tempo, lugar, modo, intensidade,…). Exemplos de adjuntos adverbiais:

de fato (afirmação);

jamais (negação);

à esquerda (lugar);

de noite (tempo);

muito (intensidade);

rapidamente (modo);

a

pé (meio);

de porcelana (matéria);

sobre futebol (assunto); Exemplos de frases com verbos intransitivos e adjuntos adverbiais:

Fernando ainda não voltou da escola.

Tatiana casou ontem.

Minha avó caiu nas escadas.

Eu chorei muito.

Regência do verbo ver

O

verbo ver atua, maioritariamente, como verbo transitivo direto, estabelecendo regência com

um objeto direto sem a presença de preposições. Apesar disso, em algumas situações pode atuar como verbo intransitivo, transitivo direto e indireto e transitivo indireto. Ver como verbo transitivo direto

O

verbo ver é um verbo muito utilizado pelos falantes e apresenta diversos sentidos.

Apresenta uma transitividade direta com a maior parte desses sentidos: enxergar, assistir, visitar algum lugar ou alguém, reparar em alguma coisa, chegar a uma conclusão, tentar

descobrir, procurar fazer algo, fazer avaliação de algo, atender em consulta, lembrar, trazendo

à

memória, entre outros:

O

menino está vendo televisão.

Eu ainda não vi o documentário.

Você viu a cara do assaltante?

Não vi sentido nenhum nas suas ações.

Verei o que foi feito.

Não tenho visto ninguém, estou trabalhando muito.

O

médico já viu o paciente.

Vi-a feliz e fiquei descansada.

Não o vejo desde a festa.

Infelizmente, vejo situações tristes acontecendo por todo o mundo.

Anime-se! Vejo que ainda já solução!

Meu irmão foi ver um médico especialista.

Veja essa informação na conclusão do trabalho.

Por favor, veja se está tudo bem.

Não o vejo há tanto tempo!

Eles viram-se no espelho.

Aquelas amigas de infância ainda se veem muito. Nota: A construção “não lhe vi”, muito usada pelos falantes, não é considerada correta segundo os padrões da norma culta. Ver como verbo transitivo direto predicativo Com o sentido de considerar ou julgar, o verbo ver atua como verbo transitivo direto predicativo, com o auxílio da conjunção como:

Vejo-me como um derrotado.

Todos viam o funcionário como um imprestável. Ver como verbo transitivo direto relativo

O

verbo ver pode atuar como verbo transitivo direto relativo, com o auxílio da preposição com

no complemento relativo, quando apresenta o sentido de consultar ou solicitar um serviço:

Veja isso com o diretor.

Você quer que eu veja esse assunto com quem? Ver como verbo intransitivo

É

considerado um verbo intransitivo com o sentido de enxergar e de procurar algo:

Aquele senhor não vê.

As suas cartas? Veja ali. Ver como verbo transitivo direto e indireto Com o sentido de providenciar algo para alguém, atua como verbo transitivo direto e indireto, estabelecendo regência com a preposição para com o objeto indireto:

Vou ver um carro novo para você.

Ela disse que ia ver uma tarefa mais fácil para mim. Ver como verbo transitivo indireto Com o sentido de considerar como bom e atraente, o verbo ver pode atuar como verbo transitivo indireto, estabelecendo regência com a preposição em:

O

que você vê em mim?

Não sei o que vocês veem nele?

Regência verbal e nominal

Entre os diversos termos de uma oração ocorre regência verbal e regência nominal. Há um termo regente que apresenta um sentido incompleto sem o termo regido, que atua como seu complemento.

A

regência verbal indica a relação que um verbo (termo regente) estabelece com o seu

complemento (termo regido) através do uso ou não de uma preposição. Na regência verbal os

termos regidos são o objeto direto (sem preposição) e o objeto indireto (preposicionado).

A

regência nominal indica a relação que um nome (termo regente) estabelece com o seu

complemento (termo regido) através do uso de uma preposição. Exemplos de regência verbal preposicionada:

assistir a;

obedecer a;

avisar a;

agradar a;

morar em;

apoiar-se em;

transformar em;

morrer de;

constar de;

sonhar com;

indignar-se com;

ensaiar para;

apaixonar-se por;

cair sobre. Exemplos de regência nominal:

favorável a;

apto a;

livre de;

sedento de;

intolerante com;

compatível com;

interesse em;

perito em;

mau para;

pronto para;

respeito por;

responsável por. Regência verbal com verbos transitivos diretos Os verbos transitivos diretos apresentam um objeto direto como termo regido, não sendo necessária uma preposição para estabelecer a regência verbal. O objeto direto responde, principalmente, às perguntas o quê? e quem?, indicando o elemento que sofre a ação verbal. Exemplos:

Você já fez os deveres?

Eu quero um carro novo.

A criança bebeu o suco. Regência verbal com verbos transitivos indiretos Os verbos transitivos indiretos apresentam um objeto indireto como termo regido, sendo obrigatória a presença de uma preposição para estabelecer a regência verbal. O objeto indireto responde, principalmente, às perguntas de quê? para quê? de quem? para quem? em quem?, indicando o elemento ao qual se destina a ação verbal. Exemplos:

O funcionário não se lembrou da reunião.

Ninguém simpatiza com ele.

Você não respondeu à minha pergunta. As preposições usadas na regência verbal podem aparecer na sua forma simples, bem como contraídas ou combinadas com artigos e pronomes. Preposições simples: a, de, com, em, para, por, sobre, desde, até, sem, Contração e combinação de preposições: à, ao, do, das, destes, no, numa, nisto, pela, pelo, As preposições mais utilizadas na regência verbal são: a, de, com, em, para e por.

Preposição a: perdoar a, chegar a, sujeitar-se a,

Preposição de: vangloriar-se de, libertar de, precaver-se de,

Preposição com: parecer com, zangar-se com, guarnecer com,

Preposição em: participar em, teimar em, viciar-se em,

Preposição para: esforçar-se para, convidar para, habilitar para,

Preposição por: interessar-se por, começar por, ansiar por, Regência nominal: principais preposições As preposições mais utilizadas na regência nominal são, também: a, de, com, em, para, por.

Preposição a: anterior a, contrário a, equivalente a,

Preposição de: capaz de, digno de, incapaz de,

Preposição com: impaciente com, cuidadoso com, descontente com,

Preposição em: negligente em, versado em, parco em,

Preposição para: essencial para, próprio para, apto para,

Preposição por: admiração por, ansioso por, devoção por,

Concordância verbal

Chama-se concordância verbal à flexão do verbo para concordar com o sujeito gramatical. Para tal, o verbo se flexiona em número e em pessoa. Flexão em número:

Singular (um sujeito); Plural (vários sujeitos). Exemplos de concordância verbal em número:

Paula é a minha melhor amiga.

Paula e Luciana são as minhas melhores amigas. Flexão em pessoa:

1.ª (quem fala: eu e nós); 2.ª (com quem se fala: tu e vós); 3.ª (de quem se fala: ele e eles).

Exemplos de concordância verbal em pessoa:

Eu gosto de estudar.

Tu gostas de estudar.

Ela gosta de estudar. Casos específicos de concordância verbal Concordância com verbos impessoais Com verbos impessoais o verbo deverá ser conjugado sempre na 3.ª pessoa do singular, visto não possuírem sujeito. Exemplos com verbos impessoais:

Havia manifestantes em todas as ruas.

Faz dez anos que não te vejo.

Todos os dias chove de noite. Nota: Um verbo impessoal deixa de ser impessoal, sendo conjugado nas diversas pessoas, quando é utilizado com sentido figurado. Concordância com o verbo ser como impessoal

Quando o verbo ser se apresenta sem sujeito na indicação de noções temporais e distâncias é um verbo impessoal. A concordância verbal é feita de acordo com o numeral. Exemplos com o verbo ser como impessoal:

É

uma da tarde.

São seis da tarde.

É

um quarteirão para a direita.

São três quarteirões para a direita. Concordância com partícula apassivadora se Quando a palavra se atua como partícula apassivadora, transforma o objeto direto no sujeito paciente de uma oração na voz passiva. Deverá então ser feita a concordância com esse sujeito.

Exemplos com partícula apassivadora se:

Vende-se casa.

Vendem-se casas.

Procura-se funcionário.

Procuram-se funcionários.

Concordância com partícula de indeterminação do sujeito se

A

palavra se é um pronome indefinido, indeterminador do sujeito, quando a frase é formada

por um objeto indireto ou por verbos intransitivos. Havendo um sujeito indeterminado, a concordância verbal deverá ser sempre feita com a 3.ª pessoa do singular. Exemplos com partícula de indeterminação do sujeito se:

Precisa-se de trabalhador qualificado.

Precisa-se de trabalhadores qualificados.

Necessita-se de ajudante responsável.

Necessita-se de ajudantes responsáveis.

Concordância com infinitivo pessoal ou flexionado

O

infinitivo deverá ser flexionado sempre que houver um sujeito definido, quando se quiser

definir o sujeito e quando o sujeito da segunda oração for diferente. Exemplos com infinitivo flexionado:

O

livro é para eles estudarem.

Ouvi reclamarem sobre o aumento de preços.

O

diretor não viu os clientes abandonarem a firma.

Concordância com infinitivo impessoal ou não flexionado

O infinitivo não deverá ser flexionado: quando não houver um sujeito definido, quando o

verbo tiver regência de uma preposição, com sentido imperativo, quando o sujeito da segunda oração for igual, em locuções verbais e com alguns verbos que não formam locução verbal

(ver, sentir, mandar,…).

Exemplos com infinitivo não flexionado:

Fui obrigada a prestar declarações.

Meus avós não puderam ir conosco.

Mandaram-se sair rapidamente. Concordância com os pronomes relativos que e quem Com o pronome que, o verbo deverá concordar com o antecedente do pronome. Com o pronome quem, o verbo poderá concordar com o antecedente do pronome ou ficar na 3.ª pessoa do singular. Exemplos com que e quem:

Fui eu que comprei o bolo.

Fui eu quem comprei o bolo.

Fui eu quem comprou o bolo. Concordância com a maioria, a minoria, a maior parte, a metade,…

A

concordância no singular é considerada a mais correta com as expressões: a maioria, a

minoria, a maior parte, a metade,… Contudo, o verbo poderá ficar no singular ou no plural.

Exemplos com a maioria, a minoria, a maior parte, a metade,…:

A maioria dos estudantes quer desistir do curso.

A maioria dos estudantes querem desistir do curso.

Concordância com as conjunções ou e nem Quando as conjunções ou e nem transmitem ideia de inclusão, o verbo deverá aparecer no plural. Quando transmitem ideia de exclusão, o verbo deverá aparecer no singular. Exemplos com as conjunções ou e nem:

Nem a mãe nem o pai castigaram o filho. (inclusão)

Paris ou Veneza será o destino da nossa viagem. (exclusão) Concordância com nem um nem outro e ou um ou outro Com as expressões nem um nem outro e ou um ou outro, a concordância deverá ser feita preferencialmente no singular, embora possa também ser feita no plural. Quando há uma ação recíproca, o verbo deverá aparecer sempre no plural. Exemplos com nem um nem outro e ou um ou outro:

Nem um nem outro sabe o que aconteceu

Nem um nem outro sabem o que aconteceu

Nem um nem outro se respeitam. Concordância com tudo, nada, o, isto, isso e aquilo Quando as palavras tudo, nada, o, isto, isso e aquilo são o sujeito da frase, o verbo ser faz concordância com o predicativo do sujeito. Exemplos com tudo, nada, o, isto, isso e aquilo:

Tudo o que eu quero é um amigo verdadeiro.

Tudo o que eu quero são amigos verdadeiros. Concordância com os verbos dar, bater e soar

Com os verbos dar, bater e soar a concordância pode ser feita de acordo com o sujeito ou de acordo com o numeral, quando o destaque é dado ao verbo. Exemplos com os verbos dar, bater e soar:

O

relógio bateu doze badaladas.

Os relógios bateram doze badaladas.

Bateu uma badalada no relógio.

Bateram doze badaladas no relógio. Concordância com o verbo parecer Quando o verbo parecer vem seguido de outro verbo no infinitivo, pode ocorrer a flexão do verbo parecer em singular ou plural e a não flexão do infinitivo, bem como a não flexão do verbo parecer, que se mantém na 3.ª pessoa do singular, e flexão do infinitivo para o plural. Exemplos com o verbo parecer + infinitivo:

Os convidados parecem gostar do evento.

Os convidados parece gostarem do evento. Verbos no infinitivo

O infinitivo não está relacionado com nenhum tempo ou modo verbal. É uma das formas

nominais dos verbos, juntamente com o gerúndio e o particípio.

Infinitivo pessoal

O infinitivo pessoal é também chamado de infinitivo flexionado.

Exemplos de verbos conjugados no infinitivo pessoal Verbo estudar - 1.ª conjugação:

(Eu) estudar

(Tu) estudares

(Ele) estudar

(Nós) estudarmos

(Vós) estudardes

(Eles) estudarem Verbo escrever - 2.ª conjugação:

(Eu) escrever (Tu) escreveres (Ele) escrever (Nós) escrevermos (Vós) escreverdes (Eles) escreverem Verbo dividir - 3.ª conjugação:

(Eu) dividir

(Tu) dividires

(Ele) dividir

(Nós) dividirmos

(Vós) dividirdes

(Eles) dividirem

Veja também: Terminações do infinitivo pessoal Uso do infinitivo pessoal

O infinitivo pessoal é usado, principalmente, quando há um sujeito definido, quando se

pretende definir o sujeito através do verbo e quando o sujeito da segunda oração é diferente do da primeira. Exemplos com sujeito definido:

Eu pedi para você contar a história.

Eu pedi para eles contarem a história.

Eu pedi para tu contares a história. Exemplos com definição do sujeito através da flexão verbal:

Seria importante saberem isso.

Seria importante sabermos isso.

Seria importante saberes isso.

Exemplos com orações com sujeitos diferentes:

professora mandou os alunos estudarem a lição.

mãe pediu para os filhos fazerem silêncio.

Trouxe brigadeiros para vocês comerem.

A

A

Infinitivo pessoal composto

O infinitivo pessoal composto é usado nas mesmas situações em que é usado o infinitivo

pessoal simples, indicando um fato passado já concluído. É formado pelo infinitivo pessoal do

verbo ter ou haver mais o particípio do verbo principal.

Conjugação do infinitivo pessoal composto:

(Eu) ter + particípio do verbo principal (Tu) teres + particípio do verbo principal (Ele) ter + particípio do verbo principal (Nós) termos + particípio do verbo principal (Vós) terdes + particípio do verbo principal (Eles) terem + particípio do verbo principal Exemplos com infinitivo pessoal composto:

Ter lido obras de literatura foi essencial para a minha ortográfica e vocabulário.

Termos lido obras de literatura foi essencial para a nossa ortográfica e vocabulário.

Terem lido obras de literatura foi essencial para a sua ortográfica e vocabulário. Infinitivo impessoal

O infinitivo impessoal é também chamado de infinitivo não flexionado.

Exemplos de verbos conjugados no infinitivo impessoal Verbo estudar - 1.ª conjugação:

estudar

Verbo escrever - 2.ª conjugação:

escrever

Verbo dividir - 3.ª conjugação:

dividir

Veja também: Terminações do infinitivo impessoal Uso do infinitivo impessoal

O infinitivo impessoal é usado, principalmente, em locuções verbais e com alguns verbos que

não formam locução verbal (ver, sentir, mandar,…). É usado também quando o verbo é regido por uma preposição, quando não há um sujeito definido e com sentido imperativo. Exemplo com locuções verbais: Eles não conseguiram obter o diploma.

Exemplo com verbos que não formam locução: Mandei-os começar as tarefas. Exemplo com verbos preposicionados: Eles gostaram de ouvir o orador. Exemplo com sujeito indefinido: Comer saudavelmente é importante. Exemplo com sentido imperativo: Fazer silêncio! Infinitivo impessoal composto

O infinitivo impessoal composto é usado nas mesmas situações em que é usado o infinitivo

impessoal simples, indicando um fato passado já concluído. É formado pelo infinitivo impessoal do verbo ter ou haver mais o particípio do verbo principal. Conjugação do infinitivo impessoal composto:

ter + particípio do verbo principal Exemplos com infinitivo impessoal composto:

Eu gostei de ter lido obras de literatura. Eles gostaram de ter lido obras de literatura. Infinitivo pessoal ou infinitivo impessoal Há duas situações principais em que é facultativo o uso do infinitivo pessoal ou do infinitivo impessoal: quando o sujeito da segunda oração é igual ao sujeito da primeira oração e na voz passiva, com verbo pronominal ou de ligação. Exemplos com orações com sujeito iguais:

Eles estão aqui para apresentar o novo catálogo.

Eles estão aqui para apresentarem o novo catálogo. Exemplos na voz passiva:

Foram comunicadas as mudanças a ser implementadas na empresa.

Foram comunicadas as mudanças a serem implementadas na empresa. Verbos no infinitivo

O infinitivo não está relacionado com nenhum tempo ou modo verbal. É uma das formas

nominais dos verbos, juntamente com o gerúndio e o particípio. Infinitivo pessoal

O infinitivo pessoal é também chamado de infinitivo flexionado.

Exemplos de verbos conjugados no infinitivo pessoal

Verbo estudar - 1.ª conjugação:

(Eu) estudar (Tu) estudares (Ele) estudar (Nós) estudarmos (Vós) estudardes (Eles) estudarem Verbo escrever - 2.ª conjugação:

(Eu) escrever (Tu) escreveres (Ele) escrever (Nós) escrevermos (Vós) escreverdes (Eles) escreverem Verbo dividir - 3.ª conjugação:

(Eu) dividir

(Tu) dividires

(Ele) dividir

(Nós) dividirmos

(Vós) dividirdes

(Eles) dividirem

Veja também: Terminações do infinitivo pessoal Uso do infinitivo pessoal

O infinitivo pessoal é usado, principalmente, quando há um sujeito definido, quando se

pretende definir o sujeito através do verbo e quando o sujeito da segunda oração é diferente

do da primeira. Exemplos com sujeito definido:

Eu pedi para você contar a história.

Eu pedi para eles contarem a história.

Eu pedi para tu contares a história. Exemplos com definição do sujeito através da flexão verbal:

Seria importante saberem isso.

Seria importante sabermos isso.

Seria importante saberes isso.

Exemplos com orações com sujeitos diferentes:

A professora mandou os alunos estudarem a lição.

A mãe pediu para os filhos fazerem silêncio.

Trouxe brigadeiros para vocês comerem. Infinitivo pessoal composto

O infinitivo pessoal composto é usado nas mesmas situações em que é usado o infinitivo

pessoal simples, indicando um fato passado já concluído. É formado pelo infinitivo pessoal do

verbo ter ou haver mais o particípio do verbo principal. Conjugação do infinitivo pessoal composto:

(Eu) ter + particípio do verbo principal (Tu) teres + particípio do verbo principal (Ele) ter + particípio do verbo principal

(Nós) termos + particípio do verbo principal (Vós) terdes + particípio do verbo principal (Eles) terem + particípio do verbo principal Exemplos com infinitivo pessoal composto:

Ter lido obras de literatura foi essencial para a minha ortográfica e vocabulário.

Termos lido obras de literatura foi essencial para a nossa ortográfica e vocabulário.

Terem lido obras de literatura foi essencial para a sua ortográfica e vocabulário. Infinitivo impessoal

O

infinitivo impessoal é também chamado de infinitivo não flexionado.

Exemplos de verbos conjugados no infinitivo impessoal Verbo estudar - 1.ª conjugação:

 

estudar

 

Verbo escrever - 2.ª conjugação:

 

escrever

 

Verbo dividir - 3.ª conjugação:

 

dividir

 

Uso do infinitivo impessoal

O

infinitivo impessoal é usado, principalmente, em locuções verbais e com alguns verbos que

não formam locução verbal (ver, sentir, mandar,…). É usado também quando o verbo é regido por uma preposição, quando não há um sujeito definido e com sentido imperativo. Exemplo com locuções verbais: Eles não conseguiram obter o diploma. Exemplo com verbos que não formam locução: Mandei-os começar as tarefas. Exemplo com verbos preposicionados: Eles gostaram de ouvir o orador. Exemplo com sujeito indefinido: Comer saudavelmente é importante. Exemplo com sentido imperativo: Fazer silêncio!

Infinitivo impessoal composto

O

infinitivo impessoal composto é usado nas mesmas situações em que é usado o infinitivo

impessoal simples, indicando um fato passado já concluído. É formado pelo infinitivo impessoal do verbo ter ou haver mais o particípio do verbo principal. Conjugação do infinitivo impessoal composto:

ter + particípio do verbo principal Exemplos com infinitivo impessoal composto:

Eu gostei de ter lido obras de literatura. Eles gostaram de ter lido obras de literatura. Infinitivo pessoal ou infinitivo impessoal Há duas situações principais em que é facultativo o uso do infinitivo pessoal ou do infinitivo impessoal: quando o sujeito da segunda oração é igual ao sujeito da primeira oração e na voz passiva, com verbo pronominal ou de ligação.

Exemplos com orações com sujeito iguais:

Eles estão aqui para apresentar o novo catálogo.

Eles estão aqui para apresentarem o novo catálogo. Exemplos na voz passiva:

Foram comunicadas as mudanças a ser implementadas na empresa.

Foram comunicadas as mudanças a serem implementadas na empresa. Voz passiva e conversão da voz ativa na voz passiva

Uma frase está na voz passiva quando o sujeito gramatical sofre a acão verbal, ou seja, quando é o paciente de uma ação que é praticada pelo agente da passiva. Exemplos de frases na voz passiva

O

trabalho foi realizado por mim.

Todas as queixas foram ouvidas pelo responsável.

Fez-se a receita de acarajé.

Leram-se as indicações.

A

voz passiva pode ser classificada em analítica ou sintética, de acordo com o seu processo de

formação. Voz passiva analítica Na voz passiva analítica, a frase é formada por um verbo auxiliar e um verbo principal no

particípio. Normalmente, é usado o verbo ser como verbo auxiliar. Como verbo principal pode ser usado qualquer verbo transitivo, que aceite complementos.

A

voz passiva analítica é construída da seguinte forma:

Sujeito paciente + verbo auxiliar + particípio + preposição + agente da passiva.

A

preposição utilizada para introduzir o agente da passiva é a preposição por, que pode

aparecer também nas suas formas contraídas com artigos: pela, pelas, pelo, pelos. Exemplos de frases na voz passiva analítica

O

filme foi visto por todos os alunos da escola.

Todo o equipamento de natação do meu filho foi comprado por mim.

As provas qualificativas foram realizadas por todos os interessados na bolsa. Conversão da voz ativa na voz passiva analítica

O

sujeito passa a ser o agente da passiva.

O

objeto direto passa a ser o sujeito da passiva.

O

verbo transitivo passa a ser uma locução verbal.

Voz ativa: A professora repreendeu o aluno. Processo de conversão:

O

sujeito (a professora) passa para agente da passiva (pela professora).

O

objeto direto passa para sujeito da passiva (o aluno).

O

verbo transitivo (repreendeu) passa para locução verbal (foi repreendido).

Voz passiva analítica: O aluno foi repreendidos pela professora.

Voz passiva sintética

Na voz passiva sintética, a frase é formada por um verbo transitivo e pelo pronome apassivador se. O verbo transitivo pode ser conjugado na 3.ª pessoa do singular ou na 3.ª pessoa do plural.

A

voz passiva sintética é construída da seguinte forma:

Verbo transitivo + pronome se + sujeito paciente. Exemplos de frases na voz passiva sintética

Viu-se o filme.

Comprou-se o equipamento de natação.

Realizaram-se as provas qualificativas. Conversão da voz ativa na voz passiva sintética

O

objeto direto passa a ser o sujeito da passiva.

O

sujeito passa a ser a partícula apassivadora se.

O

verbo transitivo mantém-se.

Não há agente da passiva. Voz ativa: A professora repreendeu o aluno. Processo de conversão:

O

objeto direto passa para sujeito da passiva (o aluno).

O

sujeito (a professora) passa para partícula apassivadora (se).

O

verbo transitivo mantém-se (repreender).

Não há agente da passiva. Voz passiva sintética: Repreendeu-se o aluno. Agente da passiva: o que é?

O agente da passiva vem sempre precedido da preposição por ou das suas formas contraídas:

pelo, pela, pelos, pelas. Exemplos de agente da passiva

Este pudim foi feito pela minha avó.

As perguntas foram respondidas pela testemunha do crime.

Este livro foi escrito por você?

O agente da passiva pode ser representado por um substantivo ou por um pronome e pode

também ser omitido. Agente da passiva representado por substantivo:

O livro foi rasgado pelo bebê.

Agente da passiva representado por pronome:

O livro foi rasgado por ele.

Agente da passiva omitido:

O livro foi rasgado.

Quando usar o agente da passiva?

O

agente da passiva é usado apenas na voz passiva analítica. O sujeito da voz ativa passa a ser

o

agente da passiva.

Voz ativa: A professora Helena fez a reclamação. Voz passiva analítica: A reclamação foi feita pela professora Helena. Estrutura da voz passiva analítica:

sujeito paciente + verbo auxiliar + particípio + preposição + agente da passiva.

A reclamação foi feita pela professora Helena.

Sujeito paciente: a reclamação Verbo auxiliar: foi Particípio: feita Preposição: pela Agente da passiva: professora Helena E na voz passiva sintética? Não há agente da passiva na voz passiva sintética, havendo apenas a partícula apassivadora se:

Fizeram-se os acertos salariais.

Pediram-se novos materiais para a escola. Verbos no particípio

O particípio indica uma ação que já se encontra finalizada. Transmite, assim, uma noção de

conclusão da ação verbal. O particípio é usado na formação dos tempos compostos, sendo também utilizado em locuções verbais e em orações reduzidas.

O particípio é uma das formas nominais dos verbos, juntamente com o infinitivo e o gerúndio,

não estando relacionado com nenhum modo ou tempo verbal. Existem particípios regulares e particípios irregulares.

Particípio regular

A maioria dos verbos apresenta um particípio regular, terminado em -ado nos verbos da 1.ª

conjugação e em -ido nos verbos da 2.ª e da 3.ª conjugação. Verbos que têm apenas particípio regular

Verbo cantar: cantado;

Verbo estudar: estudado;

Verbo comer: comido;

Verbo viver: vivido;

Verbo partir: partido;

Verbo dividir: dividido. Particípio irregular Existem poucos verbos que apresentam apenas particípio irregular, maioritariamente terminados em -to ou -so.

Verbos que têm apenas particípio irregular

Verbo dizer: dito;

Verbo fazer: feito;

Verbo escrever: escrito;

Verbo pôr: posto;

Verbo ver: visto;

Verbo vir: vindo:

Verbo abrir: aberto;

Verbo cobrir: coberto. Nota: Também os verbos derivados desses verbos apresentam apenas particípio irregular. Duplo particípio: verbos abundantes Há, contudo, vários verbos que apresentam duplo particípio, ou seja, um particípio regular e um particípio irregular, sendo chamados de verbos abundantes. Verbos abundantes com particípio regular e irregular Verbo aceitar: aceitado (regular) e aceito (irregular) Verbo entregar: entregado (regular) e entregue (irregular) Verbo prender: prendido (regular) e preso (irregular) Verbo eleger: elegido (regular) e eleito (irregular) Verbo exprimir: exprimido (regular) e expresso (irregular) Verbo extinguir: extinguido (regular) e extinto (irregular) Nos verbos abundantes, o particípio regular é usado de forma preferencial com os verbos

auxiliares ter e haver, na voz ativa. Já o particípio irregular é usado de forma preferencial com os verbos auxiliares ser e estar, na voz passiva. Exemplos de uso do particípio regular

tinham entregado a encomenda quando lá cheguei.

Eles nunca teriam aceitado aquele comportamento.

Meu irmão, aos seis anos, já tinha ganhado dois torneios de tênis. Exemplos de uso do particípio irregular

A

encomenda já foi entregue?

Esse comportamento não será aceito!

O

torneio de tênis já está ganho.

Particípio com função de nome Sendo uma das formas nominais do verbo, o particípio pode desempenhar função de nome, atuando como um adjetivo. Exemplos de particípio como adjetivo

Meu pai é versado nessa matéria.

Aquele trabalhador é muito aplicado. Estrutura do verbo

Os verbos, quando conjugados, são compostos por um radical, uma vogal temática, uma desinência modo-temporal e uma desinência número-pessoal, que se encontram estruturados na seguinte ordem:

radical + vogal temática + desinência modo-temporal + desinência número-pessoal Radical

O

radical é a parte menos variável do verbo, apresentando o seu significado lexical.

And- é o radical do verbo andar.

Escrev- é o radical do verbo escrever.

Part- é o radical do verbo partir. Vogal temática Através da vogal temática é possível distinguir as três conjugações verbais.

Vogal temática -a- indica a 1.ª conjugação: amar, brincar, ensaiar, trabalhar, falar,…

Vogal temática -e- indica a 2.ª conjugação: saber, viver, caber, entreter, concorrer,…

Vogal temática -i- indica a 3.ª conjugação: sorrir, dormir, dividir, concernir, assistir,… O radical e a vogal temática formam o tema. O tema é a parte do verbo à qual se juntam as desinências, possibilitando a flexão verbal. Desinências modo-temporais As desinências modo-temporais indicam o modo e o tempo dos verbos.

Desinências modo-temporais do indicativo:

Pretérito perfeito: -ra- apenas para a 3.ª pessoa do plural. Pretérito imperfeito: -va- para a os verbos da 1.ª conjugação e -ia- para os verbos da 2.ª e 3.ª conjugações. Pretérito mais-que-perfeito: -ra- átona. Futuro do presente: -ra- tônica e re- Futuro do pretérito: -ria-

Desinências modo-temporais do subjuntivo:

Presente: -e- para a os verbos da 1.ª conjugação e -a- para os verbos da 2.ª e 3.ª conjugações. Pretérito imperfeito: -sse- Futuro: -r-

Desinências modo-temporais das formas nominais:

Gerúndio: -ndo Particípio: -do Infinitivo: -r Desinências número-pessoais As desinências número-pessoais indicam o número e a pessoa verbal.

1.ª pessoa do singular: -o no presente do indicativo e i no pretérito perfeito do indicativo e no futuro do presente. 2.ª pessoa do singular: -s e ste no pretérito perfeito do indicativo. 3.ª pessoa do singular: -u no pretérito perfeito do indicativo.

1.ª pessoa do plural: -mos 2.ª pessoa do plural: -is, -stes no pretérito perfeito do indicativo e des no futuro do subjuntivo, infinitivo pessoal e presente do indicativo de alguns verbos irregulares. 3.ª pessoa do plural: -m indicativo de nasalidade e ão no futuro do presente.

Nota: Nem todas as formas verbais apresentam vogal temática e desinências. Tempos verbais (presente, pretérito e futuro)

Uma ação pode ocorrer no passado, no presente ou no futuro. Os tempos verbaisindicam o momento em que ocorre essa ação. Ação no passado (pretérito): ocorreu antes do momento da fala. Ação no presente: ocorre no momento da fala. Ação no futuro: ocorrerá depois do momento da fala. Os tempos verbais podem ser simples ou compostos e se encontram inseridos nos modos verbais: o modo indicativo, o modo subjuntivo e o modo imperativo. Tempos verbais do modo indicativo Os tempos verbais do modo indicativo expressam acontecimentos certos. Tempos simples do modo indicativo Presente do indicativo: Eu ouço música. Pretérito imperfeito do indicativo: Eu ouvia música.

Pretérito perfeito do indicativo: Eu ouvi música. Pretérito mais-que-perfeito do indicativo: Eu ouvira música. Futuro do presente do indicativo: Eu ouvirei música. Futuro do pretérito do indicativo: Eu ouviria música. Tempos compostos do modo indicativo Pretérito perfeito composto do indicativo: Eu tenho ouvido música. Pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo: Eu tinha ouvido música. Futuro do presente composto do indicativo: Eu terei ouvido música. Futuro do pretérito composto do indicativo: Eu teria ouvido música. Tempos verbais do modo subjuntivo Os tempos verbais do modo subjuntivo expressam acontecimentos possíveis, dependentes de outros. Tempos simples do modo subjuntivo Presente do subjuntivo: Talvez eu ouça música. Pretérito imperfeito do subjuntivo: Seria mais divertido se eu ouvisse música. Futuro do subjuntivo: Quando eu ouvir música, ficarei mais calma. Tempos compostos do modo subjuntivo Pretérito perfeito composto do subjuntivo: Ele acredita que eu tenha ouvido música. Pretérito mais-que-perfeito composto do subjuntivo: Ele acreditou que eu tivesse ouvido música. Futuro composto do subjuntivo: Quando eu tiver ouvido música, falarei contigo. Tempos verbais do modo imperativo O modo imperativo está dividido em imperativo afirmativo e imperativo negativo. A ação expressa pelo verbo é uma ordem, pedido, conselho, convite ou súplica. Imperativo afirmativo: Ouve a música! Imperativo negativo: Não ouças a música! Formas nominais: infinitivo, particípio e gerúndio Embora as formas nominais não façam parte de nenhum tempo ou modo, elas são importantes na conjugação verbal. As formas nominais são o infinitivo pessoal, o infinitivo impessoal, o particípio e o gerúndio. Podem ser simples ou compostas. Infinitivo pessoal: O meu problema é eu não ouvir música. Infinitivo pessoal composto: Ter ouvido música tornou-me fã de várias bandas. Infinitivo impessoal: Vou ouvir música. Infinitivo impessoal composto: Gostei muito de ter ouvido música. Particípio: Ouvida a música, já nada havia a fazer. Gerúndio: Farei o trabalho ouvindo música. Gerúndio composto: Tendo ouvido música, já estava mais calma. Tempos primitivos e tempos derivados Existem tempos verbais primitivos e tempos verbais derivados. Os tempos verbais primitivos correspondem a tempos verbais já existentes no latim. A partir deles foram formados outros tempos verbais - os tempos derivados. Tempo primitivo: presente do indicativo Tempos derivados do presente do indicativo:

Presente do subjuntivo;

Imperativo afirmativo;

Imperativo negativo. Tempo primitivo: pretérito perfeito do indicativo Tempos derivados do pretérito perfeito do indicativo:

Pretérito mais-que-perfeito do indicativo;

Pretérito imperfeito do subjuntivo;

Futuro do subjuntivo.

Tempo primitivo: infinitivo impessoal Tempos derivados do infinitivo impessoal:

Futuro do presente do indicativo;

Futuro do pretérito do indicativo;

Pretérito imperfeito do indicativo;

Infinitivo pessoal;

Gerúndio;

Particípio Uma locução verbal é a combinação de um verbo auxiliar e um verbo principal. Esses dois verbos, aparecendo juntos na oração, transmitem apenas uma ação verbal, desempenhando o papel de um único verbo. Exemplos de locuções verbais

estive pensando

quero sair

pode ocorrer

tem investigado

tinha decidido Função dos verbos auxiliares nas locuções verbais Nas locuções verbais apenas o verbo auxiliar é flexionado. Assim, o tempo, o modo, o número, a pessoa e o aspecto da ação verbal são indicados pelo verbo auxiliar. Os principais verbos auxiliares são: ser, estar, ter, haver e ir. Existem, contudo, outros verbos que atuam como verbos auxiliares nas locuções verbais, como os verbos poder, dever, querer, começar a, deixar de, voltar a, continuar a, entre outros. Função dos verbos principais nas locuções verbais Nas locuções verbais o verbo principal aparece apenas numa das formas nominais: no gerúndio, no infinitivo ou no particípio. Locução verbal com verbo principal no gerúndio: estou escrevendo verbo auxiliar flexionado: estou verbo principal no gerúndio: escrevendo Locução verbal com verbo principal no infinitivo: quero sair verbo auxiliar flexionado: quero verbo principal no infinitivo: sair Locução verbal com verbo principal no particípio: tinha decidido verbo auxiliar flexionado: tinha verbo principal no particípio: decidido Conjugação perifrástica X conjugação composta Na conjugação perifrástica, as locuções verbais formadas por um verbo auxiliar e um verbo principal no infinitivo ou gerúndio. Na conjugação composta, as locuções verbais formadas pelos verbos auxiliares ter, haver ou ser mais um verbo principal no particípio, constituindo assim os tempos compostos. Tempos compostos do modo indicativo Pretérito perfeito composto do indicativo: tenho pensado Pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo: tinha pensado Futuro do presente composto do indicativo: terei pensado Futuro do pretérito composto do indicativo: teria pensado Tempos compostos do modo subjuntivo Pretérito perfeito composto do subjuntivo: tenha pensado Pretérito mais-que-perfeito composto do subjuntivo: tivesse pensado Futuro composto do subjuntivo: tiver pensado Formas nominais compostas Infinitivo composto: ter pensado Gerúndio composto: tendo pensado

Tabela dos tempos verbais simples

 

Modo

Tempo

1.ª conjugação (- ar)

2.ª conjugação (- er)

3.ª conjugação (- ir)

Indicativo

Presente

estudo

escrevo

divido

Indicativo

Pretérito imperfeito

estudava

escrevia

dividia

Indicativo

Pretérito perfeito

estudei

escrevi

dividi

Indicativo

Pretérito mais-que- perfeito

estudara

escrevera

dividira

Indicativo

Futuro do presente

estudarei

escreverei

dividirei

Indicativo

Futuro do pretérito

estudaria

escreveria

dividiria

Subjuntivo

Presente

estude

escreva

divida

Subjuntivo

Pretérito imperfeito

estudasse

escrevesse

dividisse

Subjuntivo

Futuro

estudar

escrever

dividir

Imperativo

Afirmativo

estuda

escreve

divide

Imperativo

Negativo

estudes

escrevas

dividas

Tabela dos tempos verbais compostos

 
     

1.ª conjugação (- ar)

2.ª conjugação (- er)

3.ª conjugação

 

Modo

 

Tempo

 

(-ir)

Indicativo

Pretérito perfeito composto

 

tenho estudado

tenho escrito

tenho dividido

Indicativo

Pretérito mais-que-perfeito composto

 

tinha estudado

tinha escrito

tinha dividido

Indicativo

Futuro do presente composto

 

terei estudado

terei escrito

terei dividido

Indicativo

Futuro do pretérito composto

 

teria estudado

teria escrito

teria dividido

Subjuntivo

Pretérito perfeito composto

 

tenha estudado

tenha escrito

tenha dividido

Subjuntivo

Pretérito mais-que-perfeito composto

 

tivesse estudado

tivesse escrito

tivesse dividido

Subjuntivo

Futuro composto

 

tiver estudado

tiver escrito

tiver dividido

Tabela das formas nominais simples

Formas nominais

1.ª conjugação (-ar)

2.ª conjugação (-er)

3.ª conjugação (-ir)

Infinitivo impessoal

estudar

escrever

dividir

Infinitivo pessoal

estudarmos

escrevermos

dividirmos

Particípio

estudado

escrito

dividido

Gerúndio

estudando

escrevendo

dividindo

Tabela das formas nominais compostas

Formas nominais

1.ª conjugação (-ar)

2.ª conjugação (-er)

3.ª conjugação (-ir

Infinitivo impessoal composto

ter estudado

ter escrito

ter dividido

Infinitivo pessoal composto

termos estudado

termos escrito

termos dividido

Gerúndio composto

tendo estudado

tendo escrito

tendo dividido