Você está na página 1de 5

NÚCLEO PREPARATÓRIO PARA EXAME DE ORDEM

MÓDULO DE PEÇAS PENAL

Será realizado nos dias 8, 9 e 22 e 23 de julho, das 17:40 às 18:40 na FESP. As aulas
serão ministradas pelo Prof. Geovane de Moraes.

CALENDÁRIO DE PROTOCOLO
Conteúdo Data protocolo Aula ENTREGA AO
ALUNO
Peça A 6/07 – 3ª feira – 8/07 8/07 das 17:15
até às 19:00 às 18:40

Peça B 07/07 - 4ª feira – 9/07 9/07 das 17:15


até às 19:00 às 18:40

Peça C 13/07- 3ª feira – 22/07 22/07 das


até às 19:00 17:15 às 18:40

Peça D 14/07 – 4ª feira – 23/07 22/07 das


até às 19:00 17:15 às 18:40

PEÇA A
César Roberto, brasileiro, solteiro, vendedor, portador do RG nº
1.122.133-0, inscrito no CPF sob nº 123.456.789-0, residente em Curitiba,
Estado do Paraná, na rua da Paz, 22449, foi preso em flagrante e denunciado
pela prática do fato delituoso descrito no art. 33, caput, da Lei N° 11.343/06:

"No dia 30 de dezembro de 2009, por volta das 18h00, nas


proximidades ao terminal da Estação Rodoviária desta Capital, o
denunciado, César Roberto, com vontade livre e consciente da
ilicitude de sua conduta, trazia consigo, para fins de comercialização,
um invólucro plástico destes utilizados para acondicionar balas de
chocolate da marca M & M, contendo vinte pequenos invólucros de
substância de forma endurecida, de coloração embranquiçada,
vulgarmente conhecida como crack e um invólucro plástico, contendo
NÚCLEO PREPARATÓRIO PARA EXAME DE ORDEM

substância vegetal, de coloração esverdeada, vulgarmente conhecida


como "maconha", capazes de causar dependência física e psíquica,
sem autorização e em desacordo com determinação legal e
regulamentar".

Ao indagar o acusado a respeito dos fatos, Cesar Roberto lhe


esclareceu que a substância que trazia consigo era para uso pessoal, separada
para a viagem que seria realizada às 19h00 do dia dos fatos, com destino à
cidade de Matinhos, conforme passagem de ônibus entregue pelo denunciado.
Em análise dos autos, na qualidade de procurador constituído pelo
acusado, constatou-se a ausência do auto de constatação de substância
entorpecente.
Diante aos fatos narrados, na qualidade de advogado(a) do
denunciado, formule e apresente à autoridade competente a peça processual
penal adequada, para atender os interesses de César, considerando que o
acusado foi notificado em 05/02/2010.

PEÇA B
(OAB/UN1.2008Adaptada) Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido
em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, § 2.º,
incisos I e II, do Código Penal, porque, no dia 19/2/2007, por volta das 17 h 40
min, em conjunto com outras duas pessoas, ainda não identificadas, teria
subtraído, mediante o emprego de arma de fogo, a quantia de aproximadamente
R$ 20.000,00 de agência do banco Zeta, localizada em Brasília – DF.
Consta na denúncia que, no dia dos fatos, os autores se dirigiram até o
local e convenceram o vigia a permitir sua entrada na agência após o horário de
encerramento do atendimento ao público, oportunidade em que anunciaram o
assalto.
Além do vigia, apenas uma bancária, Maria Santos, encontrava-se no
local e entregou o dinheiro que estava disponível, enquanto Mariano, o único
NÚCLEO PREPARATÓRIO PARA EXAME DE ORDEM

que estava armado, apontava sua arma para o vigia. Fugiram em seguida pela
entrada da agência.
Durante o inquérito, o vigia, Manoel Alves, foi ouvido e declarou: que abriu
a porta porque um dos ladrões disse que era irmão da funcionária; que, após
destravar a porta e o primeiro ladrão entrar, os outros apareceram e não
conseguiu mais travar a porta; que apenas um estava armado e ficou apontando
a arma o tempo todo para ele; que nenhum disparo foi efetuado nem sofreram
qualquer violência; que levaram muito dinheiro; que a agência estava sendo
desativada e não havia muito movimento no local.
O vigia fez retrato falado dos ladrões, que foi divulgado pela imprensa, e,
por intermédio de uma denúncia anônima, a polícia conseguiu chegar até
Mariano. O vigia Manoel reconheceu o indiciado na delegacia e faleceu antes de
ser ouvido em juízo.
Regularmente denunciado e citado no dia 06/02/2008, em seu
interrogatório judicial, acompanhado pelo advogado, Mariano negou a autoria do
delito. A defesa não apresentou alegações preliminares.
Durante a instrução criminal, a bancária Maria Santos afirmou: que não
consegue reconhecer o réu; que ficou muito nervosa durante o assalto porque
tem depressão; que o assalto não demorou nem 5 minutos; que não houve
violência nem viu a arma; que o Sr. Manoel faleceu poucos meses após o fato;
que ele fez o retrato falado e reconheceu o acusado; que o sistema de vigilância
da agência estava com defeito e por isso não houve filmagem; que o sistema
não foi consertado porque a agência estava sendo desativada; que o Sr. Manoel
era meio distraído e ela acredita que ele deixou o primeiro ladrão entrar por boa
fé; que sempre ficava até mais tarde no banco e um de seus 5 irmãos ia buscá-
la após as 18 h; que, por ficar até mais tarde, muitas vezes fechava o caixa dos
colegas, conferia malotes etc.; que a quantia levada foi de quase vinte mil reais.
O policial Pedro Domingos também prestou o seguinte depoimento em
juízo: que o retrato falado foi feito pelo vigia e muito divulgado na imprensa; que,
por uma denúncia anônima, chegaram até Mariano e ele foi reconhecido; que o
réu negou participação no roubo, mas não explicou como comprou uma moto
NÚCLEO PREPARATÓRIO PARA EXAME DE ORDEM

nova à vista já que está desempregado; que os assaltantes provavelmente


vigiaram a agência e notaram a pouca segurança, os horários e hábitos dos
empregados do banco Zeta; que não recuperaram o dinheiro; que nenhuma
arma foi apreendida em poder de Mariano; que os outros autores não foram
identificados; que, pela sua experiência, tem plena convicção da participação do
acusado no roubo.
Na fase de requerimento de diligências, a folha de antecedentes penais
do réu foi juntada e consta um inquérito em curso pela prática de crime contra o
patrimônio.
Na fase seguinte, a acusação pediu, em memoriais, a condenação nos
termos da denúncia.
Em face da situação hipotética apresentada, redija, na qualidade de
advogado(a) de Mariano, a peça processual, privativa de advogado, pertinente à
defesa do acusado. Inclua, em seu texto, a fundamentação legal e jurídica,
explore as teses defensivas possíveis e date no último dia do prazo para
protocolo, considerando que a intimação tenha ocorrido no dia 14/06/2010.

Peça C
Aurélio, promotor de justiça, oferece denúncia contra Agripino, empresário,
descrevendo infração penal tipificada como receptação ocorrida em outubro de
2008. Contudo, esqueceu-se de apresentar o rol de testemunhas na peça inicial,
além de narrar fato equivocado, fazendo inserir circunstâncias totalmente
distorcidas da realidade, não oferecendo, igualmente, a qualificação do
indiciado. O magistrado, ao tomar conhecimento do teor da denuncia, rejeita-a,
expondo os motivos para tal. O promotor de justiça recorre de tal decisão,
expondo os motivos de seu inconformismo, reiterando que a ação penal deve
ser recebida, para, ao final da instrução probatória, ser o réu condenado pelo
crime que cometeu. Você como advogado de Agripino é intimado para tomar
ciência da decisão do juiz, bem como do recurso interposto pela acusação.
NÚCLEO PREPARATÓRIO PARA EXAME DE ORDEM

Peça D
João da Silva foi denunciado pelo Ministério Público porque teria causado em
Antonio de Souza, mediante uso de uma barra de ferro, as lesões corporais que
o levaram a morte. Durante a instrução criminal, o juiz de ofício determinou a
instauração do incidente de insanidade mental do acusado. A perícia concluiu
ser este portador de esquizofrenia grave. Duas testemunhas presenciais
arroladas pela defesa afirmaram, categoricamente, que no dia dos fatos Antonio
de Souza, após provocar o acusado, injustamente, com palavras de baixo calão,
passou a desferir-lhe socos e pontapés. Levantando-se com dificuldade, João
alcançou uma barra de ferro que se encontrava nas proximidades e golpeou
Antonio por várias vezes, até que cessasse a agressão que sofria. Encerrada a
primeira fase processual, o magistrado, acatando o laudo pericial, absolveu
sumariamente João da Silva, com fulcro no artigo 415 do CPP, aplicando-lhe
medida de segurança, consistente em internação em hospital de custódia e
tratamento psiquiátrico, pelo prazo mínimo de 2 anos. A decisão foi aplicada há 2
dias.