Você está na página 1de 85

|   

   
 

|    
          
   
 Informações Contábeis e Financeiras
 Fluxos de Caixa
 Modelo de Risco e Retorno
 Custo de Capital para Empresas
 Metodologias de Valor Presente
 Noções de Modelo de Precificação de Opções
 Utilização de Estatística na avaliação de
projetos
|    
          
J J  
J
       

Ô   


      
 

|    
          
ecisões em Finanças Corporativas

 J   
       
      
      
 !   
      

|    
          
       

 Interações de investimento e financiamento

 Projeçãodas conseqüências das decisões


atuais de investimento e financiamento:
cenários e riscos

 Plano estratégico e orçamento


|    
          
       

 üvaliação de performance
 Prazo ² depende do setor:
 CurtoPrazo : 12 meses
 Longo prazo: acima de 5 anos

|    
          
ü     
 

Ô    

ü
½    
† 
†
  
   
†½



   
 

|    
          
i   
    

†    
†
  

 
 
  †    
†    !  
  "
 †#
$
 
†  †%  
&

½  

 
   ½

 
† '
 †#!( 
† $
   †½

  
†#

ü
$   & )
   †
*
+

|    
          
o

  
 No Brasil, o capital próprio engloba as ações
preferenciais e ordinárias.
 üs ações preferenciais (PN) têm dupla
característica: no caso de falência estão acima
das ações ordinárias e abaixo do passivo
exigível, mas têm garantida a distribuição
mínima de dividendos 10% maiores do que o
das ações com direito a voto.
 O dividendo mínimo a ser pago aos
detentores de ações ordinárias, por sua vez, é
de 25% do lucro líquido da companhia. Estas
têm direito a voto.

|    
          
o

  
 Para emitir ações a empresa precisa ser uma
Sü de capital aberto, ter registro na CVM, ser
auditada e ter diretor de relações com o
mercado.
 ü empresa deve distribuir ao menos 25% do
lucro líquido aos acionistas.
 No Brasil existem cerca de 450 empresas
listadas em Bolsa.
 No Brasil existem mais de 520.000 pessoas
físicas cadastradas como acionistas.

|    
          
ü  
 

 
  
 

Ú    
  
 |      

Ú     
  
Ú   
  
Ú     
  

    
Ú 
    
!        
  ! "
#  EBITDA ࣗ Earnings before interests,
$
%& taxes, depreciation and amortization)
Ú "
#         
         
 
Ú 
      
Ú
        ! 

  Ú$
Ú     
Ú 


u  
 
 
 Investimento inicial;
 fase de operação do projeto que gera os fluxos de
caixa líquidos anuais.
 Premissas:
 Regime de caixa e de competência os demonstrativos
contábeis registram as receitas e despesas pelo regime de
competência, mas na elaboração do fluxo de caixa são
consideradas as entradas e saídas somente quando
ocorridas. Portanto, os demonstrativos de resultados devem
ser ajustados para refletir o fluxo de caixa do projeto;
 Fluxo de caixa incremental: o importante são os incrementos
- entradas ou saídas - que se espera obter como resultado de
uma proposta de investimento;

|    
          
u  
 
 

 axa mínima de atratividade: considera


o custo de capital que corresponde ao
custo das fontes de financiamento ou o
custo de oportunidade.
 Fluxos de caixa reais e nominais: se os
fluxos forem projetados em moeda
constante (sem considerar a inflação) a
taxa de desconto adequada é a real.

|    
          
½   
   ' '( ) '') 0 1 2 ... n
") R  
#) PI$  I%
&) R    
#)   P  |  
&)       
#)    A   
    
#)     
&)      EBITDA)
#)     
&)      I.R.  AIR)
#) I.R.
&)    
")     
&)       
"$#) I
       ' (     
"$#)        

˽   

|    
          
½  
ü


   ' '( ) '') 0 1 2 ... n


Ú ''
Ú'* + !',

Ú''
Ú' ' '
 '  
Ú'
' 
  '

Ú'" '$ 
'' 

Ú'" '-

Ú'
' 
  'ÚEBITDA
Ú'"
#
Ú'
' ''.
'''Ú.


Ú'" '(  


'Ú.

Ú'
' ' '//'Ú$
Ú'//
Ú'
'

Ú '"
#
Ú ( )  )

Ú $
%&
Ú *        %&     
Ú *      0

|    
          
˽      


 Vocênotou as diferenças entre os dois
fluxos?
 No fluxo ao acionista leva-se em conta as
despesas financeiras e as amortizações.
 üo acionista somente interessa comparar o
que investiu com o que liquidamente
receberá. Isso é feito por meio de modelos
determinísticos.

|    
          
 J   

G    
   ` 
 
`  ` 
   
 
  
       `
 
 
   
`  
 



 

|    
          
R 


 
ü 
   
     
   
 




      
   

  
 
   
   


 
 
    
  
  
 
     
    
      
  
 



|    
          
  "# 
 `         

 
 
 
         
        ! 
 " 
         
   
  
 
         
 # 
 

  
    
   

 ½             
 
$   
 


 ½ 
    `  ` ` `     

 
  
  

  
 
$   

 
    
    %  $ 
$
&   
  # 
 

|    
          
 $   

 
   '   
 
     !  
 
   
      

 Capital próprio
 Capital de
terceiros
 Custo médio ponderado de capital

|    
          
 $   

 o  
 
 %()))&  ( 


 

 




  

% & 
 *       

 `     ` G
u    
   
 ü 
 

  

 


   *+$ *+

$ ! 
 " $ ,
  -  .  "  
|    
          
 %   
 
 O valor de qualquer projeto depende
de quatro variáveis:
1. Quanto foi investido
2. Quanto ele gera de fluxo de caixa
3. Quando este fluxo de caixa deve
ocorrer
4. Qual o Risco associado a este fluxo de
caixa
|    
          
&'( 


   
   
     
`  


´   
 `   `    
 
   
  `  

´   
 `  ` 
 `  

 

´  ` 

     


`  
 

´   
 `       

|    
          
&'! 


    *+

$    
  


 
 


  
  
       
   

|    
          
&' )* +
&' ^ 
 

)* +^

 
   

ü  
ü 
    
! "  #$ 
$ %  $# 
# !$  !! 
 !#  $ 
& !  !$ 
' (  !% 
. ü empresa somente aceita projetos com PB menor que 4
anos. Sendo assim, o projeto acima deverá ser aceito, já que a
recuperação do capital inicial ocorre antes do quarto ano

|    
          
&'!  )*, o  
  

&'! 
  
      
 

        
      

ü  
 
ü 
      
! "  ($ ($( #$( $(#
$ %  ( #" $&$ "%#
# !$  % !&" !'$ (#&
 !#  "" (%$ (# %#
& !  '$ %$ !! "&!
' (  #% &!# $( ''$
ü empresa somente aceita projetos com PB menor que 4 anos. Sendo
assim, o projeto acima deverá ser rejeitado, já que a recuperação do
capital inicial ocorre após o quinto ano.
|    
          
* *! | 
  -. 
/
FC1 FC2 FC3 Fcn

0 1 2 3 ... n

|    
          
* *! | 
  -. 

 Ra
      
 "   ! ;   a

|    
          
* *! | 
  -. 
 Onde:
 I é o investimento inicial
 FCt é o fluxo de caixa líquido na data ´tµ
 ´iµ é o custo de capital definido pela empresa
 R é o valor residual do projeto ao final do período de análise

 
 )
   *:
 *+, -   
 *Ë,./   0  
 *1, -  -  

|    
          
* *! | 
  -. 
O VPL utiliza todos os fluxos de caixa, que
são os geradores definitivos de valor
 esconta os fluxos de caixa pela taxa correta,
levando em consideração o Risco envolvido
no projeto.
 Os fluxos de caixa devem ser reinvestidos à
mesma taxa utilizada para descontá-los.

|    
          
)* +

ü um investidor é oferecida a oportunidade de abrir


uma franquia. O investimento inicial é de R$320.000.
O franqueador apresenta a seguinte previsão de
fluxos líquidos para os próximos nove anos:
-/ ))))     $ -/)))) 
 $
-/ 0))))$  $ -/))))  1$ -/22))))  $
 -/ 2))))$


  $  3   
 G

          
 
2      45

|    
          
)* +

o  
   
     
Y   

      # 
      

        $     




|    
          
)* +
)* +

Ô ÔY 
 %&' (%)
  (%) 
  (%)
  (%)
  (%)
  (%)
  (%)
 (*
  Y
Ô*    
 

a  
     
   ;  


|    
          
)* +  
)* +

G ! 
 "   -/ )$(3

    4 % &   


   -/ )$(3
 
      

   



 
$    
 4

|    
          
)* 0
)* 0

^ 
        

  G 
 
 

6
 -/ (
6
     
   3

$ 
  
     2) 
 G    
   -/)))))
ü


 
 -/ )))))   G

    () 

 G




 

  -/ 2))))      
     ! 
 "  
$
       -   
   
         

   
   2   
|    
          
)* 0
)* 0
1 2 3 4 5 6
+ Receitas 800 800 800 800 800 800
- Custos Variáveis = 0.2X800.00 160 160 160 160 160 160

- Custos Fixos 150 150 150 150 150 150


- epreciação = (2.000-200.)/6 300 300 300 300 300 300

= Lü IR= Receitas -CV-CF-epr. 190 190 190 190 190 190

- I.R 35% 66.5 66.5 66.5 66.5 66.5 66.5


= Lucro Líquido = Lü IR-IR 123,5 123,5 123,5 123,5 123,5 123,5

+ Valor Residual (v. r.) - - - - - 300


@ I.R do v. r..= 0,35*(300-200) 35

½  2  = 423.5 423.5 423.5 423.5 423.5 688.5


L.L + eprec + V. Res. Líq.

|    
          
  $3  
  `   
 
`  
      
   
    `
    `   ` `  

      `      
 `  !"!


           


+ 
       |
             



|    
          
EX     `  `    
 
 E ` "*  
 `   `   `   `#

          `

,
          
 


+ 
 %&'     )* |
%  %)  %) * %)  -

) 


|    
          
  #3  
 
4


,
 -  


5  
6 7
 ,  
8% '"',% 
2      6

  95 
      ,6   
 
 

/  /   
:   - 

 
/ 
 
 

;
 ,     5


 


 <  


 

  , = 7,  

 =, 7
   

|    
          
  
      `  ` `  `  E 


   `   ` `
  ` 

 
       ` 
 
        
$  ` 
   § =>  = 
/   @
`  
   
  `  `%     ` 
   `  

´  `  
´    ` ! `
´   `  ` ` ``` ` ` 
´  ` `   ``    
`
*

|    
          
 @ : 
   

   !"  š

a  R
     
 "   ! ;  a

    
      
 " 
!
; 





  $    |  )    
     
 
 
2    
(     
  2   
 
      *    $      

|    
          
Ô%1*J  / 


ü axa Interna de Retorno é a taxa que torna
o VPL nulo:

a  
 
  ; 


|    
          
Ô%1*J  / 
|            

.     0     
     ". 0 !

.       /      


|    
          
 !@ `  ` `   
  ` `  %     
  #

^   2( 

    
     
    
   
    

  1
0  
 1


|    
          
 , @ (   
   - 

$
    
 &
    

 
 . 
  ÑÑ

ü      
)  % Y      
# 

ü 
   
!

  $

    
  &
 $     
 /01 201 301
4/01 4,01 420   5

|    
          
 , @  6

 $

       6  1
+   !1    `      
 `    

Y     | "  !


1 

1 

1 

 1 

1 "
!
1 "
!


|    
          
2

 34

%  
     6  !   

  
)  7 4, 1     
1
 $   &


                     


+  
           
         |   |   |   |   |   | 
    
     
   
    
   
  
    
  


|    
          
 , @  6
ü 
  !  
  @  &
     
$  
   '         1  4/184305 %
     !
  
  
   7 4,@5






 







     






 

|    
          
  #@ <    -  

    
 2
    9
 !? 2
/ 
 



=

5      
                   


|    
          
  #@ :  4 
@)  


 - 
  A7
=5
 
   ,*
    5
   
  79     
 

  

,
                     


+ 
 %&'   %&'   0
      * | 
% )  %)  %) %) %) %)  
 


|    
          
U  * 

O Índice de Lucratividade é uma medida


relativa entre o valor presente dos fluxos de
caixa recebidos e o investimento inicial:
 IL = VP/I. ou IL = (VPL +I) /I, sendo o valor
do investimento colocado em módulo, ou
seja, sempre positivo.

|    
          
U  * 

 ´ " 2 
÷      
 $  

 
  
 
     
2          !" )
 ´ " 7 2
÷      
 $  

 
  
 
     2 



    !"7)
 ´ " 8 2
÷      
 $  

 
  
 
     
2 


   !"8)
|    
          
U  * 

G    


 
 
 G  
 
 
 
  
 " 7 2
  1 9   "   
    
1 
  !"5
"7 %! 
 
 
 &:% 
 
& 7 )0 $12:)))))$)) 7 2$)22
    
    1$ 
  " 2   
 

|    
          
Os métodos da IR e do IL ignoram as
diferenças de escala, na hora da comparação
de dois projetos mutuamente excludentesá
excludentesá
  &@  
 
$
   
)6  
 -
 !


5  9       
 -     
$
  

}
= 
<
      
8!  ,B
C
 /A
      8
!  ,

2
 - 

      

 


<,/5 /A  @ 
,-56 
  9
 2>7  

 - 
9 
 2
     



9 !&?
|    
          

  &@ : 
 

  >

    | , .0 0,


"  !
 6      -    
   

       -    
   



|    
          
 
 ^  -       

)    
 
$
    

 
$ 5 %   
    -  ' 
,,0   5 %   6  &


 - # / # 4   ,,0  


2
           ,3/0 8144
2
           ,:543/58,3  1 



|    
          
)* 2  6  #$@     
)* 2

 
  6 
       

 - 5
%    &

  
  
 )%  7  )  
" 
89! " 
89!
)  
     " ! @4/  : ,,
 8  

  


 ; <        |   5


89 "
89!= " .0 ! / 



   1

  
89 "
89!="
!   

      
%>  
  ; < 
  
89! =

89 


|    
          
  '@  6 
†
  |  39%   -  

  ' 
   "  ? !@
† |   
       A

 



8 
 
  @
† 0  
    
  

 



8 
 
  @
´ 
   


   .0  
  
  
   
  

 .0  
     1

 
     
1


   9   -   

=

|    
          
 
  3 
 ü 

        


 


   
     
 
 




$

  
 
    4 $  
    

  
        


 9 
   
 $     

    
   

 
 
 
 

$
 

4 




   ; 
 6
 

 


|    
          
Ô      
 
4 

R  !u"#$
%

R &  $
    
&
'

  
   ( )

$ 9  
  
 
 

uu 
*+ á

|    
          
Ô$Ô

^
      <
/ 

 ü    
 R
 2 < 
  D  R,R"
 2


5  ,  ;9 
 E
üD
2 
,         
  
  
   


R R#- .RÔ/ R0
Onde - é o  
 do projeto
5RÔ/ R"& 1  
   
 

|    
          
  "  
 No Brasil, a taxa livre de risco pode ser
considerada 9% ao ano e o prêmio por risco
em ações em geral é de 8,2%ao ano.
 Sendo assim, o custo de capital próprio para
empresas ou projetos com beta=1 seria de
17,2% ao ano.
 Para um investimento em um setor, por ex.,
com beta=0,61 a taxa seria
Re=9+0,61*8,2=14% ao ano.
|    
          
 1  
 ö   -
6 
 

=    

 

;
 
 
    /   
  



|    
          
Ô%   
 
 6$5Ô7
 Valor da empresa= Capital otal = E + 
 E = Equity = Capital Próprio (sócios)
 = ebt = Capital de erceiros (credores)
 Sendo assim, temos:
 Ë6 FG  Ë    GA

w Ë C G CC!@@, onde


 c é a alíquota de I.R. pessoa jurídica;
 RE é o custo do capital próprio
 R é a taxa de juros da dívida
|    
          
/ %2 '     
w/
w

ü ponderação deve ser feita a valores


de mercado do capital próprio e da
dívida.
 O wé a taxa adequada para
descontar os projetos que >



 A

 

 
 

|    
          
 
    '  $ 

 ülavancagem é a utilização de ativos ou


recursos a custo fixo para aumentar os
retornos dos proprietários da empresa.

 emodo geral, aumentos na


alavancagem levam a aumentos no
Risco e no Retorno

|    
          
$ # !. 
  = 
 
 = 

 H  /A½
 
  

 ½ <,
=
, 
 
-

 


 
 =      

 $ 3
/   /  
  


 :
A
 >
   

 


  

  ½   


2 
|    
          
ü5 
  6 A

ö  7   
  A  
 I
 

5
  




 
      


5
A 
  


: - ,      ,4 


6    
 
, 

  /  A ' 
  
5  

|    
          
ü5 
  6 A
Receita de vendas (89)
- custos operacionais fixos -

ülavancagem
- custos operacionais variáveis - (89)
Operacional

= lucro antes dos juros e I.R. = Lü IR

ü> ; <ë  ? @ @ <?

ü>;   ë   = ) ü> ; /1      


+!
1 

  ë 

|    
          
Exemplo: Um pequeno varejista tem custos
operacionais fixos de R$ 2.500,00, seu preço de venda
por unidade é de R$ 10 e seus custos operacionais
variáveis são de R$5,00 por unidade.

Cálculo do ponto de equilíbrio:

9:;57= 0<==;5+=<7:<== 

Com a venda de 500 unidades o Lü IR da empresa deve ser


nulo. ücima desta quantidade o Lü IR será positivo e abaixo,
negativo (prejuízo).

|    
          
5/

custos/receitas Perda Lü IR

custo operacional total


10000
8000
6000 Ponto de Equilíbrio Operacional
4000
2000
0
500 1000 1500 2000 2500 3000 Vendas (un.)

|    
          
)  7 - 
 
)
  3  
 

 

 3 variabilidade dos retornos do projeto
 
 
 ² contribuição do risco do projeto
ao risco da carteira de projetos da empresa
 

A/ -  localização, mão de
obra, infraestrutura local, etc. Pode ser diversificado.
 
  : o sucesso do projeto pode ser
afetado por ações dos concorrentes. É difícil a
diversificação desse risco. Ex: guerra de preços.

|    
          
)  7 - 
 
)
  @  
 


 

A/J
 
 @  =   =  / 

 >  
  )
 * =   =   ,  
, =

     

 
) 
 - 
  
 A

  5

H A
 
 D 
 @
 -
,K,/ , 

, 

|    
          
ü-
 

 H 
-


 ü-

- 
ü =
/ >
5 


  
       
  
 75@ 
 
  

B
   
 7
 
 
,   7

  9  -
*  ;  -  

- 
B
    /  
   
  - 

  A

/  
B
      
  
/5  5 

 - ,  7@

|    
          
”
  

E    ` 
 

     `      
  `      `   
     `  `   
` 
   & ` `   ` `  
*     ` ` `  
'   
 
ü

 

  
      4 
   
    

 4
        
  

|    
          
”rvores de ecisão
    

 
A 4   
  
    39
 
 7  

 2 A   A


   >  

89 B 8 7   34 <      B 
          
 
89 B
        <  1   
 B |      
   " 
  +    
 
   A
    
89 <
 !  >   
89
"   C
 C  
89  C1!
   
   4  

 

|  C   
89 "! 2 A     
   >   A  
 AA
 


  34     7     


 


 

|    
          
”
  

A            ) *+, 
-    |P  R$1.612  -( 
2+,  -    |P  #R$3.000)
 -( .
A   
)
 !    

     .
 I
       /  
    .

|    
          
”
  

A   '   
          (     

.
 E       
    R$ 1.400  -(  

          
 
 0   |P  


  R$1.612  -( .          

    
   .
         #    
    R$
100  -(  
       -0  -  *+,
      0    |P  R$1612  -( .
 R      )
R . E  & 1P .   2 R  $ 3"1P .
  2  $  3 &
& 10*+216123 "102+203 & R$1209  -( . N  1.
P    '   |P      
#100 "1209$116) & R$94224  -( .
P     
  

     .

|    
          
”
  


      

     



     !



     <!!!


|    
          
Ô  >/ 
  
  

 
       
6


 ü
 
 6


 

 $ $  
 
  

|    
          
u  
 u

     
   
  
 
   
   
$ 
    
 
 %o  u  
 ; o&
 ü     
 
  
%

 
&    
  4 

 


 
 
   

$
           


    





 ü         
     
  

|    
          
@ 



 
  

    


 

 E`     `  `  `  `
 
 
  
    (
   `   
 
 `
  
`    
$
  
 
     `

  ``  `      
    


$
     

 )
  `  `  
  `


|    
          
@ 



 
  

    


7 
)    -6
    
 `       


$
       

  `  `  
 

 `
 (
   
 `   


 )
 
` 
 `
   
``%   
        

$
(
         `
 `  


$
 `
`    ` 

|    
          
@ 


 

 `   ``%

   

    `     ` 
      `   `
   
 
`   
 (
     *   
       
 
  
   +   (
 + ` * `    +  ` ` 
    
 %(
      * `      
  
  `  `      (
             `   
 `   
  ` 
 `  

|    
          
H =/)

 Bordeaux-Rego, R.,Paulo, G., Spritzer, I., Zotes, L.P..Viabilidade


econômico-financeira de projetos- Coleção FGV Management-
Gerenciamento de Projetos, Ed FGV, Rio de aneiro, 2006.
   A4- ࣗ A
    I
  )   
5         
   
 ࣗ R 
 J ) Q 6 7 E. 199*.
 R  -  A. W    R. W. J  J. P   
A        ࣗ  P) E. A 2002.

|