Você está na página 1de 3

Aluno: João Lucas Brum Orecchio

Disciplina; Mecânica dos Fluidos 2


Resumo do artigo "Numerical simulation of tank discharge using smoothed
particle hydrodynamics" de Maziar Gholami Korzani, Sergio Galindo Torres,
David Williams e Alexander Scheuermann , publicado em 21/05/2014.

INTRODUÇÃO

Os assuntos decorridos no presente artigo foram : Hidrodinâmica de partículas


suavizadas, Dinâmica dos fluidos computacional, Água modelada como um
fluido viscoso com baixa compressibilidade. Foi usado um tratamento
aprimorado para os contornos sólidos que são representados por essas
partículas que diferem do fluido por serem imóveis, prevenindo o fluido de
deixar o recipiente. Um código em C++ foi desenvolvido para a solução das
equações por meio do algoritmo de Verlet.
Escoamento em superfícies livres são de grande importância industrial e
ambiental, mas difíceis de serem simulados pois condições de contorno são
requeridas em uma superfície de movimento arbitrário.
É citado o método de Marker and Cell (MAC) que usa partículas para definir a
superfície e diferença finitas para resolver as equações hidrodinâmicas, mas
também lembra-se sua dificuldade em se programar esse método.
É considerado então o método de hidrodinâmica de partículas suavizadas
(SPH) em um problema envolvendo o corpo de um fluido e uma superfície livre.
Este método é mais simples de ser programado em comparação com as
aproximações da dinâmica dos fluidos computacional (CFD). Aqui a superfície
livre não precisa ser rastreada e é naturalmente identificada, diferente dos
outros métodos.
Nesse artigo, esse método é usado para modelar um fluido quase
incompressível. É assumido que o fluido artificial é mais compressível que o
fluido real.
HIDRODINÂMICA DE PARTÍCULAS SUAVIZADAS

O SPH é um método de partículas sem malha de Lagrange que foi


desenvolvido no final dos anos 70 e foi originalmente aplicado para fins de
análise numérica na astrofísica. Hoje em dia, está sendo usado em uma vasta
gama de domínios de pesquisa, incluindo mecânica dos fluidos, mecânica dos
sólidos, hidrodinâmica e também engenharia geotécnica.
Cada partícula contém as propriedades do campo, como velocidade,
densidade, etc. e é usada como um nó para o cálculo. A idéia essencial é que
as propriedades de cada partícula são calculadas a partir das partículas
vizinhas. Equações de conservação, a equação de estado bem como
esquemas de aproximação bem definidos são geralmente necessários.
A principal função usada na aproximação foi a função Kernel.
Ela é uma função de ponderação que fornece uma estimativa de uma variável
de campo f (x) em qualquer ponto x do domínio Ω.

Somente partículas dentro do domínio de suporte da função kernel contribuem


para o cálculo da partícula.

AS EQUAÇÕES DE SPH

As equações SPH descrevem o movimento dos pontos de interpolação que


podem ser considerados como partículas. Cada partícula carrega uma massa
m, uma velocidade v e outras propriedades dependendo do problema.
A equação do momento da partícula a se torna:

onde o somatório é sobre todas as partículas exceto a partícula a, P é a


pressão e ρ é a densidade, π produz uma viscosidade por cisalhamento e
volume, F é uma força de corpo ( nesse caso é a gravidade), W é a
interpolação de Kernel, e V é o gradiente de Kernel tomada em respeito as
coordenadas da partícula a. Os termos da pressão são derivados do gradiente
de pressão.

CONDIÇÕES DE CONTORNO

Foi usado um tratamento aprimorado dos limites sólidos, o que é comum dentro
de esquemas SPH bidimensionais. Especificamente, o limite sólido é modelado
por limite de partículas. Diferente das partículas fantasma, as partículas de
limite são fixadas em relação ao sólido limite e estão associadas a interpolação
dos nós internos ao fluido através do qual eles tomam as propriedades do
escoamento, como pressão. Para manter a partícula dentro do recipiente, duas
camadas de partículas são usadas.
A principal vantagem de usar este tipo de partículas de fronteira em vez das
fantasmas é que a distribuição é sempre uniforme e não depende das posições
das partículas de fluido. Isso permite modelagem simples de geometrias 2D
complexas.

EXPERIMENTO E RESULTADOS

Foi simulado um tanque esvaziando por meio do método SPH. Ele mostra que
a velocidade no orifício por onde o fluido sai vai diminuindo com o passar do
tempo e com a diminuição da altura do fluido no tanque. Por esse método o
tanque não esvazia antes dos 5 segundos, já pelo método analítico ele esvazia
em 2,2 segundos. Isso se deve pelo fato que o método analítico não considera
a tensão superficial e a adesão da água nos corpos sólidos.