Você está na página 1de 43

ELETRÔNICA DIGITAL

DESCOMPLICADA E
DIVERTIDA

- Saiba como funcionam os circuitos digitais na prática


- Contém 50 experiências didáticas para rápido aprendizado
- O curso em vídeo com o kit de experiências pode ser adquirido em
nossa loja virtual com o código DVED01

Ref: EB003
Autor - Luis Carlos Burgos

http:/ / www.burgoseletronica.net
http:/ / loja.burgoseletronica.net
http:/ / www.lojaburgoseletronica.com.br
Dedicatória

Eu dedico este trabalho ao meu irmão Luis Marcelo que não está mais entre
nós materialmente, mas está comigo espiritualmente me dando forças para
superar os desafios da vida. Também ao meu outro irmão e sócio Luis
Henrique, autor de várias fotos deste trabalho e minha mãe D. Darci. Dedico
também esta obra a todos os meus alunos, futuros alunos e a toda equipe da
Burgoseletronica Ltda.

Nosso site na internet: http://www.burgoseletronica.net

Nossas lojas virtuais: http://loja.burgoseletronica.net

http://www.lojaburgoseletronica.com.br

Bibliografia

Texto – Todo o texto desta obra é de autoria e responsabilidade de Luis


Carlos Burgos, portanto é de uso exclusivo do autor;

Fotos e desenhos – Todas as fotos e figuras desta obra são de autoria de


Luis Carlos Burgos.
ELETRÔNICA DIGITAL DESCOMPLICADA E DIVERTIDA – Por Luis Carlos Burgos

www.burgoseletronica.net

APRESENTAÇÃO

Nesta obra que ora se inicia ensinarei como funcionam os circuitos da eletrônica digital de forma
fácil e com diversão, onde o leitor terá a oportunidade (opcional) de montar cada uma das 50
experiências que compõe o livro no kit de componentes e vídeo aula que pode ser adquirido em
nossa loja virtual com o código DVED01. Todos os equipamentos eletrônicos modernos utilizam
os circuitos apresentados aqui como base para seu funcionamento. As funções digitais ensinadas
neste livro são implementadas em grande quantidade muitas vezes num único CI nos demais
aparelhos eletrônicos.

Conforme explicado, no kit adquirido em nossa loja vai uma protoboard (placa de protótipos) junto
com os componentes necessários para a montagem de todos os circuitos que formam o livro para
que o aprendizado se dê de forma rápida e na prática. É uma ótima oportunidade para quem
sempre teve vontade de aprender eletrônica digital, mas não dispunha de tempo ou não
conseguia um material com uma forma mais fácil de compreensão. Espero que nossos leitores
(alunos e futuros alunos) aproveitem bastante o trabalho. No final do livro tem a lista dos
componentes do kit.
INDICE

I. INTRODUÇÃO.......................................................................................................................01
II. NÍVEL LÓGICO.....................................................................................................................01
III. BINÁRIOS E DECIMAIS.......................................................................................................01
Conversão binários pra decimais.......................................................................................01
Conversão decimal para binário.........................................................................................02
IV. CIs IGITAIS...........................................................................................................................02
V. PORTAS LÓGICAS...............................................................................................................02
EXPE RIÊNC IA Nº 01 – PORT A LÓGIC A E (AND)...............................................................02
EXPER IÊNC IA N º 02 – PORTA LÓGICA OU (OR...............................................................03
EXPER IÊNC IA N º 03 – PORT A LÓGICA NÃO (NOT ) OU INVERSOR A...........................03
EXPER IÊNC IA N º 04 – POR TA LÓGICA NÃO E - NE (N AND)..........................................03
EXPERIÊNC IA Nº 05 – PORT A LÓGIC A NÃO OU - NOU (NOR).......................................04
EXPER IÊNC IA N º 06 – PORT A LÓGICA OU EXCLUS IVA (XOR).....................................04
EXPER IÊNC IA N º 07 – POR TA LÓGICA NOU EXCLUSIV A (XNOR)................................05
VI. AMPLIFICADOR OPERACIONAL NA ELETRÔNICA DIGITAL..........................................05
EXPER IÊNC IA Nº 08 – AMPLIF IC AD OR OPER AC ION AL COMO COMP AR ADOR.........05
VII. O CIRCUITO INTEGRADO 555............................................................................................06
EXPER IÊNC IA N º 09 – 555 COMO MULTIV IBRADOR AST ÁVEL (OSC ILADOR)............06
EXPER IÊNC IA N º 10 – 555 C OMO MULTIVIBR ADOR MON OEST ÁVEL (T IMER)...........07
VIII. OSCILADORES DE ONDA QUADRADA.............................................................................07
EXPER IÊNC IA N º 11 – OSCILADOR COM DU AS PORT AS N E (N AND)...........................07
EXPER IÊNC IA N º 12 – OSCIL ADOR COM DU AS PORTAS NOU (NOR)..........................08
EXPER IÊNCIA N º 13 – OSCIL ADOR COM DOIS INVER SORES.......................................09
EXPER IÊNCIA N º 14 – OSCIL ADOR COM PORT A NE D ISPAR ADORA..........................09
EXPER IÊNC IA N º 15 – OSCIL ADOR COM AMPLIF IC ADOR OPER AC ION AL.................09
IX. O CIRCUITO INTEGRADO 4066..........................................................................................10
EXPER IÊNC IA N º 16 – FUNCION AMENTO DO CI 4066.....................................................10
EXPER IÊNC IA N º 17 – PISC A-P ISC A C OM 4 LEDS SIMULT ÂNEOS...............................10
X. USANDO O CI 4011 PAR A FAZER AS PORT AS LÓGICAS B ÁS IC AS.............................11

EXPER IÊNC IA N º 18 – CI 4011 COMO INVERSOR (PORT A N ÃO)...................................11


EXPER IÊNC IA N º 19 – CI 4011 COMO PORT A E (AND)....................................................12
EXPER IÊNC IA N º 20 – CI 4011 COMO PORT A OU (OR).................................................. 12
EXPER IÊNC IA N º 21 – CI 4011 COMO PORT A NOU (NOR)..............................................13
XI. FLIP-FLOPS..........................................................................................................................13
XII. FLIP-FLOP RS.......................................................................................................................13
EXPERIÊNC IA Nº 22 – FLIP FLOP RS USANDO DUAS PORT AS NOU. ........................13
EXPERIÊNC IA Nº 23 – FLIP FLOP RS USANDO DUAS PORT AS NOU..........................14
EXPERIÊNC IA Nº 24 – FLIP FLOP RS USANDO TRANSIST ORES.................................14
XIII. DISPLAYS DE LEDS............................................................................................................15
EXPERIÊNC IA Nº 25 – IND IC ADOR DE N ÍV EL LÓGICO COM DISPL AY........................15
XIV. OUTROS CIRCUITOS FORMADOS POR PORTAS LÓGICAS..........................................16
EXPERIÊNC IA Nº 26 – COMB IN AÇ ÃO DU AS CH AVE S E QU AT RO LEDS....................16
XV. FLIP FLOP RS COM SINAL DE CLOCK..............................................................................17
EXPERIÊNC IA Nº 27 – FLIP FLOP RS COM CLOCK.........................................................17
XVI. FLIP FLOP JK OU MESTRE-ESCRAVO (MASTER-SLAVE)..............................................18
EXPE RIÊNC IA Nº 28 – FUNCION AMENTO DO FLIP FLOP JK..........................................18
EXPERIÊNC IA Nº 29 – FLIP FLOP T OGGLE (CHAVEADOR DE EST ADOS).................. 19
EXPERIÊNC IA Nº 30 – FLIP FLOP T OGGLE COMO DIVISOR DE FREQÜ ÊNC IA...........19
XVII. FLIP FLOP TIPO D (DATA)..................................................................................................19
EXPERIÊNCIA Nº 31 – FUNCION AMENT O DO FLIP FLOP D...........................................20
XVIII. O CI 4017...............................................................................................................................20
EXPERIÊNCIA Nº 32 – TESTE DO CI 4017.........................................................................20
EXPERIÊNC IA N º 33 – SEQÜÊN CIAL COM 10 LED S........................................................21
EXPERIÊNC IA N º 34 – SEQÜÊN CIAL COM 4 LEDS..........................................................21
EXPERIÊNC IA Nº 35 – CI 4017 COMO D IVISOR DE FREQÜÊNC IA POR 10..................22
XIX. DOBRADORES DE TENSÃO...............................................................................................22
EXPE RIÊNC IA Nº 36 – DOBR ADOR DE T ENSÃO USANDO U M C I 4093........................22
XX . CONTADORES......................................................................................................................22
Contador decádico BCD (decimal codificado em binário)...............................................22
EXPERIÊNC IA Nº 37 – T EST E DO CI 4510.........................................................................23
EXPERIÊNC IA Nº 38 – CONT ADOR BCD COM CI 4510....................................................24
Decod ificador BCD para display de leds de 7 segmentos..............................................24
EXPERIÊNC IA Nº 39 – T EST E DO CI 4511.........................................................................24
EXPERIÊNC IA Nº 40 – CONT ADOR DE 0 A 9....................................................................25
EXPE RIÊNC IA Nº 41 – CONT ADOR DE 0 A 99...................................................................26
EXPE RIÊNC IA Nº 42 – DÍGITOS ALE ATÓRIOS ENT RE 0 E 9...........................................27
XXI. REGISTRADORES DE DESLOCAMENTO (“SHIFT REGISTER”)....................................28
EXPERIÊNC IA Nº 43 – REGIST RADOR DE DESLOCAMEN T O COM CI 4015................28
EXPERIÊNCIA Nº 44 – REGISTRADOR DE DESLOCAMENTO DE 8 BITS.....................29
EXPERIÊNCIA Nº 45 – CARREIRA DE 8 LEDS..................................................................29

EXPERIÊNC IA Nº 46 – SEQÜEN CIAL PROGRESS IVO/R EGRES SIVO DE 8 LEDS........31


XXII. CONVERSORES DIGITAL - ANALÓGICO (D/A).................................................................32
EXPERIÊNC IA Nº 47 – CONVER SOR D/A E XPER IMENT AL DE 2 BIT S...........................32
EXPERIÊNC IA Nº 48 – CONT ROLE DE BRILHO COM UMA T ECLA................................33
XXIII. MULTIPLEXADORES E DEMULTIPLEXADORES..............................................................34
Multiplexador, multiplex ou “MUX”....................................................................................34
EXPERIÊNC IA Nº 49 – MULT IPLEX SIMPLES (PISC A-PISC A ALT ERNADO).................34
Demultiplexador, demultiplex ou “DEMUX”..........................................................35
EXPERIÊNCIA Nº 50 – DEMULTIPLEX SIMPLES (PISCA-PISCA ALTERNADO 2).........35
LISTA DE COMPONENTES DO KIT QUE ACOMPANHA O LIVRO...................................37
ELETRÔNICA DIGITAL DESCOMPLICADA E DIVERTIDA
POR LUIS CARLOS BURGOS

Este livro acompanha o DVD com as vídeoaulas e o kit completo para montagem das
experiências apresentadas em cada circuito estudado.

I. INTRODUÇÃO
A eletrônica digital trabalha com apenas duas tensões: 0 V e +V que normalmente é a tensão de
alimentação do circuito. Não há valores intermediários entre as duas. Veja ao lado:

II. NÍVEL LÓGICO


Cada uma das duas tensões de um circuito digital recebe o nome de nível lógico que também
pode ser chamado de bit. Portanto na eletrônica digital há dois níveis lógicos:

Nivel baixo (low) = Nível 0 = 0 V ou bit 0


Nível alto (hight) = Nível 1 = +V ou bit 1

Os circuitos digitais processam os bits de quantidades em quantidades de cada vez. Quanto mais
bits o circuito processa de cada vez, mais rápido ele é. Um conjunto de 8 bits recebe o nome de
Byte e um conjunto de 16 bits chama-se word (palavra). Veja abaixo:
8 bits = 1 Byte

16 bits = 1 word

Os sistemas operacionais Windows XP ou 7 32 bits transfere os programas entre o HD, memória


RAM e CPU (processador) do computador 32 bits de cada vez. Já o Windows Vista e 7 64 bits
transferem estes dados 64 bits de cada vez, sendo mais rápidos que o sistema XP comum.
Um sinal analógico (aquele que passa pelos valores intermediários de tensão) pode ser convertido
em digital e depois voltar à forma analógica. A vantagem do sinal digitalizado está no fato do
circuito eletrônico não interpretar os ruídos porque eles estão fora dos dois níveis de tensão 0 e 1.

III. BINÁRIOS E DECIMAIS


Números decimais são formados por algarismos de 0 a 9. Exemplos: 25, 182, 3460;
Números binários são formados por algarismos 0 e 1. Exemplos: 1101, 101101, etc. Os números
binários representam os bits processados pelos circuitos digitais.
Conversão binários pra decimais
Algumas vezes o circuito digital deve converter um número binário para um decimal a fim de
acionar um display por exemplo. Para esta conversão cada algarismo do binário da direita para
esquerda representa uma potência do “2” decimal: 1, 2, 4, 8, 16, 32, 64, 128, 256, 512, 1024 e
assim por diante. Coloque as potências de “2” embaixo dos algarismos (a menor que é 1 no
algarismo mais à direita) do binário e some apenas os bits “1”. Veja exemplos abaixo:

1 1 1 1 = 15 1 0 1 0 1 = 21 1 1 0 0 0 0 0 = 96
8 4 2 1 = 8+4+2+1 = 15 16 8 4 2 1 = 16+4+1 = 21 64 32 16 8 4 2 1 = 64+32 = 96

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos www.bu r goseletr on ica.n et


Página 1
Conversão decimal para binário
O número binário deve começar com o bit “1” à esquerda. Para obter os demais bits, vá dividindo
o decimal por 2 até não dar mais. Junte os restos em ordem crescente ao bit 1. Veja abaixo:

13/2 = 6 resto 1 1111 73/2 = 36 resto 1 1001001 89/2 = 44 resto 1 1011001


6/2 = 3 resto 0 36/2 = 18 resto 0 44/2 = 22 resto 0
3/2 = 1 resto 1 18/2 = 9 resto 0 22/2 = 11 resto 0
9/2 = 4 resto 1 11/2 = 5 resto 1
13 = 1101 4/2 = 2 resto 0 5/2 = 2 resto 1
2/2 = 1 resto 0 2/2 = 1 resto 0

73 = 1001001 89 = 1011001
Dica – O número ímpar tem resto 1 e o par resto 0.

IV. CIs DIGITAIS


Os circuitos digitais são formados por transistores e diodos atuando como chave liga/desliga. É
claro que podem se componentes discretos, porém devido à economia de espaço e energia tais
componentes são montados dentro de CIs que recebem dois tipos de classificação:

CI TTL – É formado por transistores comuns (bipolares). Trabalham entre 0 e 5 V e começam com
o código 7400. Exemplo 7408.
CI CMOS – É formado por transistores mosfets. Trabalham entre 0 e 15 V e começam com o
código 4000. Exemplo 4011. Alguns CMOS são muito sensíveis à estática do corpo.

V. PORTAS LÓGICAS
Circuitos que fazem operações com binários (bits) ou inverte-os. Tais circuitos são formados por
transistores e estão dentro de CIs. Vamos estudar os tipos básicos através de montagens:

E XPER IÊ NC IA Nº 01 – POR TA LÓGIC A E (AND )


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4081
2 resistores de 1 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves

Monte o circuito ao lado na


protoboard. A montagem está
na vídeoaula nº 1 do DVD que acompanha este livro.
A seguir pressione as teclas CH1 e CH2 individualmente e as duas ao TABELA DA VERDADE
Pino 1 Pino 2 Pino 3
mesmo tempo. Veja o que acontece com o led. Observe ao lado uma 0 0 0
tabela representando o funcionamento da porta E. Apenas quando as 0 1 0
duas entradas estão em nível alto (CH1 e CH2 ligadas) a saída ficará 1 0 0
em nível alto acendendo o led. Se pelo menos uma das entradas 1 1 1
estiver em nível baixo (uma das chaves desligada) ou as duas, a saída fica em nível baixo e o led
não acende.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos www.bu r goseletr on ica.n et


Página 2
E XPER IÊ NC IA Nº 02 – POR TA LÓGIC A OU (OR )
Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4071
2 resistores de 1 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na TABELA DA VERDADE


vídeoaula nº 2 do DVD. Pino 1 Pino 2 Pino 3
A seguir pressione as teclas CH1 e CH2 individualmente e as duas ao 0 0 0
mesmo tempo. Veja o que acontece com o led. Numa porta OU 0 1 1
quando apenas uma das entradas ou as duas estão em nível 1 a saída 1 0 1
1 1 1
fica em nível 1 e acende o led. Se as duas estiverem em nível 0 a
saída fica 0 e o led não acende.

E XPER IÊ NC IA Nº 03 – POR TA LÓGIC A N ÃO (N OT) OU IN V ER SORA


Materiais usados:
TABELA DA
1 protoboard VERDADE
1 CI 4049 Pino 3 Pino 2
1 resistor de 1 K 0 1
1 0
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
1 micro chave
Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 3 do DVD.
Pressione a chave e veja o que acontece com o led. Numa porta NÃO quando a entrada for 1 a
saída é 0 e vice-versa.

E XPER IÊ NC IA Nº 04 – POR TA LÓGIC A N ÃO E - N E (N AND )


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4011
2 resistores de 1 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 4 do DVD.


A seguir pressione as teclas CH1 e CH2 individualmente e as duas ao mesmo tempo. Veja o que
acontece com o led.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos www.bu r goseletr on ica.n et


Página 3
A porta NE é uma porta E invertida. Na porta E as duas entradas TABELA DA VERDADE
devem ser 1 para a saída ser 1. Na porta NE as duas entradas devem Pino 1 Pino 2 Pino 3
ser 1 para a saída ser 0. 0 0 1
0 1 1
1 0 1
1 1 0

E XPER IÊ NC IA Nº 05 – POR TA LÓGIC A N ÃO OU - N OU (N OR)


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4001
2 resistores de 1 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na TABELA DA VERDADE


vídeoaula nº 5 do DVD. Pino 1 Pino 2 Pino 3
A seguir pressione as teclas CH1 e CH2 individualmente e as duas ao 0 0 1
mesmo tempo. Veja o que acontece com o led. A porta NOU é uma 0 1 0
porta OU invertida. Na porta OU ao menos uma entrada deve ser 1 1 0 0
1 1 0
para a saída ser 1. Na porta NOU se ao menos uma entrada for 1 a
saída será 0.

E XPER IÊ NC IA Nº 06 – POR TA LÓGIC A OU EX C LU S IVA (X OR )


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4070
2 resistores de 1 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na TABELA DA VERDADE


vídeoaula nº 6 do DVD. Pino 1 Pino 2 Pino 3
Aperte as teclas CH1 e CH2 juntas e individualmente. Veja o led. Na 0 0 0
porta OU Exclusiva uma entrada deve ser 1 e a outra 0 para a saída 0 1 1
ficar 1. Se as duas entradas são 0 ou 1, a saída será 0. 1 0 1
1 1 0

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos www.bu r goseletr on ica.n et


Página 4
E XPER IÊ NC IA Nº 07 – POR TA LÓGIC A N OU EXC LU SIVA (XN OR )
Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4077
2 resistores de 1 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves

As instruções estão na vídeoaula nº 7 do DVD. TABELA DA VERDADE


Aperte as teclas CH1 e CH2 juntas e individualmente. Veja o led. Na Pino 1 Pino 2 Pino 3
porta NOU Exclusiva se uma entrada for 1 e a outra 0 a saída fica em 0 0 1
0. Se as duas entradas são 0 ou 1, a saída será 1. 0 1 0
1 0 0
As portas lógicas podem ter mais de duas entradas, porém não
1 1 1
importa quantas tenham o funcionamento é sempre o mesmo. A
porta E deve ter todas as entradas 1 para a saída ser 1, a porta OU deve ter pelo menos uma
entrada em 1 para a saída ser 1 e as invertidas NE e NOU seguem as regras já explicadas.

VI. AMPLIFICADOR OPERACIONAL NA ELETRÔNICA DIGITAL

É um dos amplificadores mais versáteis da eletrônica. Ele possui o símbolo


de um triângulo com duas entradas: (-) inversora e (+) não inversora. Na
eletrônica analógica ele amplifica sinais em corrente e/ou tensão. Na
eletrônica digital ele pode seu usado para comparar duas tensões elétricas e acionar algum
circuito ou dispositivo como na experiência a seguir:

E XPER IÊ NC IA Nº 08 – AMPLIFIC AD OR OPE RAC ION AL C OMO C OMPAR AD OR


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI LM324
3 resistores de 1 K
1 resistor de 2K2
1 resistor de 100 Ω
2 resistores de 220 Ω
1 led vermelho
1 led verde
1 micro chave

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 8 do DVD.


Ligue o circuito e observe os leds. A seguir aperte a chave e observe novamente os leds. No pino
3 do CI teremos uma tensão de aproximadamente 3 V devido ao divisor de tensão formado por R1
e R2 do mesmo valor. No pino 2 temos um divisor formado por R3, R4 e R5 resultando em cerca
de 4 V para este pino. Como a entrada inversora (pino 2) está com a tensão maior que a entrada
não inversora (pino 3), a saída vai para nível 0 acendendo o led vermelho. Ao apertar CH1
retiramos R5 do circuito e o pino 2 vai para 0,6 V. O pino 3 continua em 3 V. Quando a entrada
não inversora é maior, a saída vai para nível 1 acendendo agora o led verde. Resumindo:
entrada não inversora maior = saída 1; entrada inversora maior = saída 0.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos www.bu r goseletr on ica.n et


Página 5
VII. O CIRCUITO INTEGRADO 555
É um CI de 8 pinos bastante usado na eletrônica digital. Pode ter vários códigos antes do número
555 dependendo do fabricante. Ele pode funcionar como multivibrador astável ou monoestável.
Multivibrador astável – Oscilador de onda quadrada que pode ser usada como sinal de clock*
Multivibrador monoestável – Temporizador no qual aplicando um pulso sua saída vai a nível 1
por um certo intervalo de tempo. Quando o tempo termina a saída volta para nível 0 até
aplicarmos outro pulso.
*clock – sinal quadrado usado para sincronizar a transferência de dados entre os circuitos digitais.
Pinos do 555
Pinos 8 e 4 – Alimentação de 5 a 15 V; pino 1 – terra; pino 3 – saída; pino 2 – gatilho. Quando
ele está menor que 1/3 do +B a saída fica em nível 1; pino 6 – Limiar. Quando fica acima de 2/3
do +B a saída passa para nível 0; pino 7 – descarrega o eletrolítico que controla o ciclo de
trabalho do CI; pino 5 – controla a largura dos pulsos na saída do CI. Na maioria dos circuitos ele
fica desconectado.

E XPER IÊ NC IA Nº 09 – 555 C OMO MU LTIV IB R AD OR AS TÁVEL (OSC ILAD OR )


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 555
1 resistor de 47 K
1 resistor de 1 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
1 capacitor de 22 µF

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 9 do DVD.


Observe o led. Ao ligar o circuito, a tensão em C1 está abaixo de 2 V. Esta tensão nos pinos 2 e 6
produz nível 1 no pino 3 e o led acende. A partir daí C1 carrega através de R1 e R2 e quando os
pinos 2 e 6 passam de 4 V o pino 3 vai a nível 0 e o led apaga. A partir daí o pino 7 entra em ação
e descarrega C1 através de R2 e quando os pinos 2 e 6 ficam abaixo de 2 V, o pino 3 vai a 1 e o
led acende. Daí o ciclo se repete e o led pisca numa velocidade que depende de R1, R2 e C1.

Experimente outros valores para R2 e C1. Quanto maiores os valores, menor será a
freqüência do circuito e o led piscará mais devagar. E quanto menores os valores maior
será a freqüência do circuito e o led piscará mais rápido.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos www.bu r goseletr on ica.n et


Página 6
E XPER IÊ NC IA Nº 10 – 555 C OMO MU LTIV IB R AD OR MON OESTÁVEL (TIME R )
Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 555
1 resistor de 10 K
1 resistor de 100 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
1 capacitor de 47 µF

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 10 do DVD.


Ligue o circuito e observe o led. Aperte CH1 e observe o led por alguns segundos. Apertando CH1
o pino 2 vai a nível 0 e o pino 3 a nível 1 acendendo o led. Daí começa a carga de C1 através de
R1 e quando os pinos 6 e 7 atingem mais de 4 V o pino 3 vai a nível 0 e o led apaga e assim fica
até apertar novamente CH1. O tempo que o led fica aceso (timer) depende de R1 e C1.

VIII. OSCILADORES DE ONDA QUADRADA


Conforme vimos estes osciladores são chamados de multivibradores astáveis e produzem
continuamente níveis 1 e 0 em sua saída. O sinal quadrado gerado é usado como clock para
sincronizar o funcionamento dos circuitos digitais. Existem várias formas de se fazer um oscilador
destes. Uma delas é usar o CI 555 como já vimos ou o 556 (dois 555 numa única peça). A seguir
mostrarei outros tipos de osciladores de onda quadrada.

E XPER IÊ NC IA Nº 11 – OSC ILADOR C OM D U AS POR TAS N E (N AND )


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4011
1 resistor de 1 M
1 resistor de 100 K
1 resistor de 470 Ω
1 led vermelho
1 capacitor de 4,7 µF
Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 11 do DVD

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos www.bu r goseletr on ica.n et


Página 7
Observe o comportamento do led. Quando o pino 4 está com nível 1 o led acende e C1 carrega
através de R2 diminuindo a tensão nos pinos 1 e 2 do CI. Quando eles chegarem no nível 0, os
pinos 3, 5 e 6 passam para nível 1. Desta forma o pino 4 vai ao nível 0 apagando o led. Agora C1
descarrega e carrega com polaridade invertida através de R2 aumentando a tensão nos pinos 1 e
2. Quando eles atingem o nível 1, os pinos 3,5 e 6 passam para nível 0, o pino 4 para nível 1
acendendo o led e recomeçando o ciclo novamente. Assim o led pisca numa velocidade que
depende do valor de C1 e R2. Na verdade a freqüência é 6,28 x R2 x C1. O valor do resistor deve
estar em MΩ e o capacitor em µF. R1 mantém a estabilidade de funcionamento do circuito.
Experimente outros valores para R2 e C1.

E XPER IÊ NC IA Nº 12 – OSC ILADOR C OM D U AS POR TAS N OU (NOR )


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4001
1 resistor de 1 M
1 resistor de 100 K
1 resistor de 470 Ω
1 led vermelho
1 capacitor de 4,7 µF
Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 12 do DVD.

Observe atentamente o que acontece com o led. Este circuito funciona exatamente da mesma
forma que o da experiência nº 11, onde temos um led piscando com velocidade baseada na carga
e descarga do capacitor C1 através do resistor R2. Portanto a freqüência deste oscilador depende
dos valores do resistor R2 e capacitor C1.

E XPER IÊ NC IA Nº 13 – OSC ILADOR C OM D OIS IN VER SOR E S


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4049
1 resistor de 1 M
1 resistor de 100 K
1 resistor de 470 Ω
1 led vermelho
1 capacitor de 4,7 µF

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos www.bu r goseletr on ica.n et


Página 8
Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 13 do DVD.

Observe o comportamento do led. Este circuito é semelhante ao das experiências 11 e 12. A


diferença está no uso de duas portas NÃO (inversoras) no lugar das portas das experiências
anteriores. A velocidade de piscada do led depende de R2 e C1 e a fórmula é igual aos dois
osciladores anteriores.

E XPER IÊ NC IA Nº 14 – OSC ILADOR C OM POR TA NE D ISP AR AD ORA


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4093
1 resistor de 470 K
1 resistor de 100 K
1 resistor de 470 Ω
1 led vermelho
1 capacitor de 4,7 µF
Monte o circuito ao lado na
protoboard. As instruções estão na
vídeoaula nº 14 do DVD.
Veja o comportamento do led. A porta NE (NAND) disparadora ou Schimitt trigger muda de
estado muito rápido, sendo dos melhores circuitos para osciladores. Ao ligar, o pino 1 está em
nível 1 e o 2 em 0. O pino 3 fica em 1, acende o led e carrega C1 por R2. Quando a tensão em C1
chega a certo nível, o pino 2 vai a 1, levando o pino 3 a nível 0 apagando o led e descarregando
C1. Assim o pino 2 volta para nível 0, o 3 a nível 1 acendendo o led e recomeçado. A velocidade
do led depende de C1 e R2.

E XPER IÊ NC IA Nº 15 – OSC ILADOR C OM AMPLIFIC AD OR OPER AC ION AL


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI LM324
4 resistores de 100 K
1 resistor de 470 Ω
1 led vermelho
1 capacitor de 4,7 µF
Monte o circuito ao lado. As
instruções estão na
vídeoaula nº 15 do DVD.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos www.bu r goseletr on ica.n et


Página 9
Observe o led. Ao ligar, a tensão do pino 2 (inversor) está menor que a do 3 (não inversor). Assim
o pino 1 fica em nível 1 acendendo o led e carregando C1 por R4. Quando a tensão do pino 2
ultrapassa a do pino 3, o pino 1 vai a 0 apagando o led e descarregando C1. Isto faz o pino 2 ficar
menor que o 3, o pino 1 vai a nível 1, acende o led e o ciclo recomeça. A velocidade do led
depende de R4 e C1.

IX. O CIRCUITO INTEGRADO 4066

É formado internamente por quatro chaves eletrônicas. Cada chave é acionada por um pino do CI.
Portanto o CI possui quatro pinos de entrada, quatro de saída e quatro de acionamento, além do
pino de +B e o de terra. Para ligar uma chave interna, seu pino acionador deve estar a nível 1.

E XPER IÊ NC IA Nº 16 – FU N C ION AMEN TO D O CI 4066


Materiais usados:
1 protoboard
1 CI 4066
1 resistor de 10 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
1 micro chave
Monte o circuito ao lado na
protoboard. As instruções
estão na vídeoaula nº 16 do
DVD.
Enquanto o pino 13 do CI está no nível 0, a chave interna entre os pinos 1 e 2 permanece
desligada e o led apagado. Ao apertar CH1, o pino 13 vai para nível 1 acionando a chave interna e
acendendo o led.

E XPER IÊ NC IA Nº 17 – PISC A-PIS CA C OM 4 LE D S S IMU LTÂN EOS

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 17 do DVD.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


10
Materiais usados: Ao alimentar o circuito veremos os quatro leds piscarem ao mesmo
tempo. Neste circuito utilizamos leds de cores diferentes apenas para
1 protoboard
dar um melhor efeito visual. Numa experiência anterior vimos como
1 CI 4066
funciona o CI 555. Nesta configuração ele funciona como oscilador de
1 CI 555
onda qudrada. Assim sua saída alterna nível 0 e 1 com velocidade que
1 resistor de 1 K
depende dos valores de R1, R2 e C1. Assim quando a saída do 555
1 resistor de 10 K
estiver em nível 1, os pinos de controle 5, 6 12 e 13 do 4066 acionam as
1 resistor de 47 K
quatro chaves internas acendendo os quatro leds. Quando o pino 3 do
1 resistor de 470 Ω
555 estiver no nível 0, os pinos de controle do 4066 desligam as quatro
2 leds vermelhos
chaves e apagam os leds.
1 led amarelo
1 led verde
1 capacitor de 10 µF

X. USANDO O CI 4011 PARA FAZER AS PORTAS LÓGICAS BÁSICAS

Neste capítulo veremos como o CI 4011 (4 portas NE) pode fazer diversas funções lógicas. A sua
função básica funcionando como porta NE está na experiência nº 4.

E XPER IÊ NC IA Nº 18 – CI 4011 C OMO IN V ER SOR (POR TA N ÃO)


Materiais u sados: TABELA DA
1 protoboard VERDADE
1 CI 4011 Pinos Pino 3
1e2
1 resistor de 1 K 0 1
1 resistor de 220 Ω 1 0
1 led vermelho
1 micro chave

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 18 do DVD.


Ligue o circuito e observe o led. Aperte CH1 e observe o led. Quando os pinos 1 e 2 estão em
nível 0, o pino 3 está em nível 1 e acende o led. Quando apertamos CH1, os pinos 1 e 2 vão a
nível 1, o pino 3 vai a nível 0 e apaga o led. Assim a porta inverte o nível na sua entrada.

E XPER IÊ NC IA Nº 19 – CI 4011 C OMO POR TA E (AN D )


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4011
2 resistores de 1 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves
Monte o circuito ao lado na
protoboard. As instruções estão
na vídeoaula nº 19 do DVD.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


11
Aperte CH1 e CH2 simultaneamente e individualmente observando o
TABELA DA VERDADE
que acontece com o led. Nesta experiência usamos duas partes do CI Pino 1 Pino 2 Pino 4
4011. A primeira U1A faz o papel de porta NE e a segunda U1B 0 0 0
funciona como inversor. Quando os pinos 1 e 2 estão no nível 0 0 1 0
(chaves desligadas), os pinos 3, 5 e 6 ficam em nível 1. Isto coloca o 1 0 0
1 1 1
pino 4 em nível 0 e o led não acende. Também ocorre os mesmo
quando apenas uma das chaves está ligada. Quando as duas chaves são ligadas, os pinos 3, 5 e
6 passam para nível 0, levando o pino 4 a nível 1 e acendendo o led. Portando o circuito funciona
como porta E onde as duas entradas devem estar no nível 1 para a saída estar em nível 1.

E XPER IÊ NC IA Nº 20 – CI 4011 C OMO POR TA OU (OR )


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4011
4 resistores de 10 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves
Monte o circuito ao lado
na protoboard. As
instruções estão na vídeoaula nº 20 do DVD.
Aperte CH1 e CH2 simultaneamente e individualmente observando o TABELA DA VERDADE
que acontece com o led. Neste circuito usamos três partes do CI 4011. Pino 5 Pino 9 Pino 3
Enquanto CH1 e CH2 estão desligadas, U1B e U1C tem uma entrada 0 0 0
1 e a outra 0. Desta forma teremos nível 1 nas suas saídas (pinos 4 e 0 1 1
1 0 1
10). Com as duas entradas (pinos 1 e 2) em nível 1, U1A mantém a
1 1 1
saída (pino 3) em 0 e o led apagado. Apertando CH1, o pino 4 vai a 0
e o 10 fica em 1. Agora termos nível 1 no pino 3 e o led acende. O mesmo ocorre se apertarmos
CH2. Se apertarmos ambas, Os pinos 4, 10, 1 e 2 ficam em 0. O pino 3 vai para nível 1 e acende
o led. Portanto para ter nível 1 na saída pelo menos uma das entradas deve estar em nível 1.

E XPER IÊ NC IA Nº 21 – CI 4011 C OMO POR TA N OU (NOR )


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4011
4 resistores de 10 K
1 resistor de 220 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves
Como você pode
observar não há necessidade de desmanchar todo o circuito da
TABELA DA VERDADE
experiência 20 para montar este. Basta apenas acrescentar o Pino 5 Pino 9 Pino 11
inversor U1D ao pino 3 e ligar o pino 11 ao led. Este circuito funciona 0 0 1
de maneira inversa ao anterior. Quando pelo menos uma das chaves 0 1 0
está ligada o pino 11 fica em nível 0 e o led fica apagado. Para 1 0 0
1 1 0
acendê-lo CH1 e CH2 devem ficar desligadas.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


12
XI. FLIP-FLOPS

Também chamados de multivibradores biestáveis, são amplamente utilizados na eletrônica


digital. O flip-flop é um circuito contendo duas saídas: Q e /Q. Uma delas fica em nível 0 e a outra
em nível 1. Aplicando um pulso estas saídas mudam de estado e com outro pulso elas voltam ao
estado inicial. Portanto o circuito possui dois estados estáveis, daí o nome biestável. Como
sabemos o estado inicial de um flip-flop, este circuito pode funcionar como memória com
capacidade para 1 bit de informação. Existem diversos tipos de flip-flops que podem ser feitos por
transistores comuns, porém você encontrará praticamente todos dentro de CIs.

XII. FLIP-FLOP RS

Como podemos observar no esquema ao lado, este modelo possui duas


entradas: S (SET) e R (RESET) e duas saídas: Q e /Q. Ao alimentar o circuito
uma das saídas fica em nível 1 e a outra em nível 0.; Aplicando um nível 1 na
entrada S, as saídas mudam de estado. Aplicando um nível 1 na entrada R
as saídas voltam ao estado inicial.

E XPER IÊ NC IA Nº 22 – FLIP FLOP R S U S AN D O D UAS PORTAS N OU


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4001
2 resistores de 10 K
2 resistores de 470 Ω
1 led vermelho
1 led verde
2 micro chaves
Monte o circuito ao
lado na protoboard.
As instruções estão
na vídeoaula nº 22 do
DVD.
Ligue o circuito e observe os leds. Aperte CH1 e CH2 e observe os leds. As entradas R e S são
controladas pelas chaves CH1 e CH2. O led vermelho representa a saída Q e o verde, a saída /Q.
Supondo que ao ligar o circuito o pino 4 fica em 1 (led verde aceso) e o pino 3 fica em 0 (led
vermelho apagado). Neste caso o flip-flop está na condição SET. Apertando CH1 (S), o estado
dos leds não muda. Apertando CH2 (R), o pino 6 vai a nível 1. Isto leva o pino 4 a nível 0 e o 3 a
nível 1 mudando o estado dos leds. Se apertarmos CH2 de novo não muda o estado. Agora para
mudar temos que apertar CH1. Se ao ligarmos o led vermelho ficar aceso, o flip-flop está na
condição RESET e para mudar aperte CH1.

E XPER IÊ NC IA Nº 23 – FLIP FLOP R S U SAN DO D UAS P ORTAS N E


Materiais u sados:
1 protoboard 1 led vermelho
1 CI 4011 1 led verde
2 resistores de 100 K 2 micro chaves
2 resistores de 470 Ω

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


13
Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 23 do DVD.

Aperte as chaves uma de cada vez e observe o comportamento dos leds. Este circuito é bem
parecido com o da experiência 21. Agora usamos um CI 4011 e duas de suas portas NE. Ao ligar
o circuito, supondo que o pino 4 (/Q) está em nível 1 e o pino 3 (Q) está em nível 0, o led verde
fica aceso e o vermelho apagado. Apertando CH1 (SET), o pino 1 do U1A vai a 0, levando o pino
3 a nível 1 e acendendo o led vermelho. Assim os pinos 5 e 6 ficam em nível 1 levando o pino 4 a
nível 0 e apagando o led verde. Se você apertar o CH1 (SET) a situação não muda. Apertando
CH2 (RESET) a situação se inverte (/Q = 1 e Q = 0) e assim fica até apertar CH1 (SET)
novamente.

E XPER IÊ NC IA Nº 24 – FLIP FLOP R S U S AN D O TR AN S ISTOR ES


Materiais u sados:
1 protoboard
2 transistores BC548
2 resistores de 1 K
1 resistor de 4K7
1 resistor de 5K6
1 led vermelho
1 led verde
2 micro chaves
Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 24 do DVD.
Aperte as chaves uma por vez e observe os leds. Um fli-flop pode ser formado por transistores
discretos e seu comportamento é parecido com os formados por CIs. Ao ligar o circuito, Q2
conduz, seu coletor fica em nível 0 e o led vermelho fica apagado. Q1 fica desligado, seu coletor
fica a nível 1 e o led verde acende. A apertar CH2 , Q2 corta, o led vermelho acende. A tensão do
coletor dele vai para a base de Q1 polarizando e fazendo o coletor ir a nível 0 apagando o led
verde. Se apertar CH2 novamente o flip-flop fica no mesmo estado. Para mudá-lo de estado
devemos apertar CH1.
Conclusão – Nos flip-flops RS as saídas Q e /Q mudam de estado aplicando um pulso de SET e
voltam para o estado inicial aplicando um pulso de RESET. Aplicando um pulso de SET e RESET
ao mesmo tempo o flip-flop não funciona.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


14
XIII. DISPLAYS DE LEDS

Em várias experiências de nosso livro usaremos os displays de leds. Eles são


formados por 7 segmentos compondo o número “8” e mais um ponto
representando as dezenas. Cada um destes 8 segmentos é iluminado por um led
minúsculo e estes leds podem ser interligados pelo catodo (display de catodo
comum) ou pelo anodo (display de anodo comum). Para saber se o display é de
catodo ou anodo comum basta observar uma letra “A” ou “C” no corpo dele. Veja
ao lado o esquema de um display de catodo comum. Ele possui 10 terminais e
os segmentos são representados pelas letras de “a” até “g”. A letra “K” representa o catodo de
todos interligados. Um dos terminais do display não tem ligação com o circuito onde ele está.

E XPER IÊ NC IA Nº 25 – IN D IC ADOR DE N ÍV EL LÓGIC O C OM D ISP LAY


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4011
2 transistores BC548
1 resistor de 1 K
2 resistores de 10 K
1 resistor de 100 K
3 resistores de 470 Ω
1 display de leds catodo comum
Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 25 do DVD.

Ligue o circuito e observe o display. Toque o fio de teste nas linhas de + B e terra da protoboard e
observe o display. Neste circuito além do display também usamos dois transistores de uso geral
BC548 e três portas NE de um CI 4011. Ao ligar o circuito, os terminais “e” e “f” do display estão
alimentados pela linha de +B e formarão a letra “I”. Ao ligar o fio de teste no +B, os pinos 1 e 2 do
CI ficam em nível 1, levando os pinos 3, 5 e 6 a nível 0. O pino 4 vai a nível 1 e o 10 a nível 0.
Assim o transistor Q1 fica polarizado alimentando os terminais “b”, “c” e “g” e fazendo o display
representar a letra “H” (“HIGHT” ou “ALTO”). Ao ligar o fio de teste no terra, os pinos 1 e 2 do CI
ficam com nível 0, levando os pinos 3, 5 e 6 a nível 1. O pino 4 fica no nível 0 e o 10 no nível 1.
Agora é o transistor Q2 quem fica polarizado e alimenta o pino “d” fazendo o display mostrar a
letra “L” (“LOW” ou “nível BAIXO”).

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


15
XIV. OUTROS CIRCUITOS FORMADOS POR PORTAS LÓGICAS

Conforme pudemos observar no desenrolar deste trabalho, muitos circuitos podem ser produzidos
usando as portas lógicas fundamentais E, NE, OU, NOU e NOT. A seguir faremos uma
experiência interessante usando quatro leds e duas chaves, onde combinando estas chaves
ligadas e desligadas podemos acender cada um dos leds.

E XPER IÊ NC IA Nº 26 – C OMB IN AÇÃO D U AS C H AVES E QU ATR O LED S


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4001
1 CI 4011
2 resistores de 100 K
1 resistor de 470 Ω
4 leds vermelhos
2 micro chaves
Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 26 do DVD.

Ao ligar o circuito um dos leds (D1) fica aceso e os outros apagados. Apertando CH2, apenas D2
acende. Apertando CH1, apenas D3 acende. Apertando as duas ao mesmo tempo, acende
apenas o D4.

XV. FLIP FLOP RS COM SINAL DE CLOCK

Este tipo necessita de um sinal de clock (relógio) para habilitar sua mudança de estado. Assim o
circuito pode transferir ou armazenar dados baseado num determinado intervalo de tempo.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


16
E XPER IÊ NC IA Nº 27 – FLIP FLOP R S C OM C LOC K
Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4001
1 CI 4081
4 resistores de 10 K
3 resistores de 470 Ω
2 leds vermelhos
1 led verde
3 micro chaves
Monte o circuito ao
lado na protoboard. As
instruções estão na vídeoaula nº 27 do DVD.
A chave CH3 introduzirá o pulso de clock por intermédio do CI U1. Ao ligarmos o circuito, um dos
leds vermelhos estará aceso indicando o estado inicial do flip-flop. Enquanto não apertar CH3 (led
verde apagado), os pinos 2 e 5 da porta E (U1) ficam em 0, desabilitando CH1 e CH2. Ao apertar
CH3 (led verde aceso) os pinos 2 e 5 da porta E passam para 1 simulando um pulso de clock.
Agora as chaves CH1 e CH2 podem ser acionadas para mudar o estado do flip-flop. Este flip-flop
pode mudar o estado quando o clock vai de 0 a 1. Existem os que mudam de estado quando o
clock vai de 1 a 0.

XVI. FLIP FLOP JK OU MESTRE-ESCRAVO (MASTER-SLAVE)

Este tipo é formado internamente por dois flip-flops interligados daí o nome mestre-escravo. O flip-
flop JK possui as saídas Q e /Q como nos demais e cinco entradas: S (SET), R (RESET), J, K e
clock. As letras J e K foram escolhidas por convenção. Ao ligar o circuito, cada saída estará num
nível lógico diferente. Independente dos pinos clock, J e K estarem em nível 1 ou 0, aplicando
nível 1 no terminal S, as saídas passam para o estado SET. Se elas já estavam neste estado
permanecem. Aplicando nível 1 em R as saídas voltam para o estado inicial (RESET). Deixando
os pinos R e S em 0, se os pinos J e K estiverem também em 0 ao aplicar nível 1 no pino de clock,
as saídas não mudam. Deixando J em 1 e K em 0, aplicando 1 no clock as saídas passam ao
estado SET (se já estavam ficam). Deixando J em 0 e K em 1, aplicando 1 no clock as saídas
voltam ao estado inicial (RESET). Deixando J e K em 1, cada vez que o clock ir de 0 a 1 as saídas
mudam de estado.

E XPER IÊ NC IA Nº 28 – FU N C ION AMEN TO D O FLIP FLOP JK


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4027
5 resistores de 10 K
2 resistores de 470 Ω
2 leds vermelhos
5 micro chaves
Monte o circuito a seguir na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 28 do DVD.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


17
Ligue o circuito e observe os leds. Aperte CH1 e CH5 e observe. Aperte CH3 e observe. Aperte e
segure CH2 enquanto aperta CH3. Aperte e segure CH4 enquanto aperta CH3. Aperte e segure
CH2 e CH4 enquanto aperta CH3. Observe que o funcionamento do flip-flop JK é o descrito neste
capítulo.

E XPER IÊ NC IA Nº 29 – FLIP FLOP TOGGLE (C H AVE AD OR D E ES TADOS)


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4027
2 resistores de 470 Ω
1 resistor de 10 K
2 leds vermelhos
1 micro chave
Monte o circuito ao lado na
protoboard. As instruções
estão na vídeoaula nº 29
do DVD.
Alimente o circuito e observe os leds. Aperte CH1 várias vezes e observe os leds. Ligando os
terminais R e S no terra, J e K no +B o flip-flop JK funciona em modo toggle, onde cada vez que o
clock passa de 0 a 1 (apertando CH1) ele muda de estado e alterna o funcionamento dos leds.

E XPER IÊ NC IA Nº 30 – FLIP FLOP TOGGLE C OMO D IV ISOR D E FR EQÜ ÊN C IA


Monte o circuito a seguir na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 30 do DVD.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


18
Materiais u sados: Ligue o circuito e observe o piscar dos leds. Na função toggle
1 protoboard (terminais J e K = 1; S e R = 0) o flip-flop JK pode dividir uma
1 CI 4027 freqüência que entra no seu pino de clock. No circuito em questão U1
1 CI 555 forma um oscilador como já estudado. No seu pino 3 sai uma onda
1 resistor de 1 K quadrada de uma determinada freqüência fazendo o led vermelho
1 resistor de 100 K piscar com uma certa velocidade. O sinal de U1 entra no pino 3 (clock)
1 capacitor de 1 µF do U2A (flip-flop JK). Cada vez que o sinal do pino 3 de U1 completa
3 resistores de 470 Ω dois bits (0 e 1), a saída de U2A passa para nível 1 e acende o led
1 led vermelho amarelo. Para esta mesma saída passar a nível 0, a entrada tem que
1 led amarelo receber novamente dois bits (0 e 1). Da mesma forma o U2 e o led
1 led verde verde. Resumindo a cada 4 piscadas do led vermelho teremos 2 do led
amarelo e 1 do led verde. Portanto cada flip-flop toggle divide a
freqüência em sua entrada por 2.

XVII. FLIP FLOP TIPO D (DATA)

Este tipo possui duas saídas Q e /Q e quatro entradas: S (SET), R (RESET), CLOCK e D (DATA).
O nome do circuito vem deste último pino de entrada. Independente dos níveis dos terminais D e
clock, aplicando nível 1 no pino S, as saídas mudam de estado e voltam para o estado inicial
quando se aplica nível 1 no pino R. Deixando os pinos R e S com 0, aplicando um pulso de clock,
a saída Q ficará com o mesmo nível da entrada D (Q = 1 se D = 1 e Q = 0 se D = 0).

E XPER IÊ NC IA Nº 31 – FU N C ION AMEN TO D O FLIP FLOP D


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4013
2 resistores de 10 K
1 resistor de 470 Ω
1 led vermelho
2 micro chaves

Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 31 do DVD.


Ligue o circuito e observe o led. Aperte CH2 e observe o led. Aperte e segure CH1 enquanto
aperta CH2. Observe o led. Apertando CH1, o pino D vai a nível 1 e ao apertar CH2 (clock) ao
mesmo tempo, o pino Q também vai a nível 1 acendendo o led e assim permanecendo mesmo
desligando CH1 e CH2. Apertando de novo só CH2, como o pino D está em 0, Q também vai a 0
apagando o led.

XVIII. O CI 4017

Este CI, bastante usado nos circuitos digitais, é um contador/divisor com 10 saídas e também é
conhecido como “contador de Johnson”. Possui um pino de entrada de clock, reset, +B e terra.
Ao ligar o circuito um dos 10 pinos de saída estará em nível 1 e os outros em nível 0. Aplicando
um pulso de clock, o nível 1 passa ao pino de saída seguinte e assim por diante.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


19
E XPER IÊ NC IA Nº 32 – TE STE DO C I 4017
Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4017
1 resistor de 10 K
1 resistor de 470 Ω
4 leds vermelhos
4 leds amarelos
2 leds verdes
1 micro chave
Monte o circuito ao
lado na protoboard.
As instruções estão
na vídeoaula nº 32
do DVD.

Vá pressionando a chave CH1 e observe os leds. Cada pulso que damos em CH1, os leds vão se
acendendo alternadamente até o final da fileira e depois recomeçam. Assim funciona o CI 4017.

E XPER IÊ NC IA Nº 33 – SE QÜÊN C IAL COM 10 LEDS


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4017
1 CI 4093
1 resistor de 100 K
1 resistor de 470 Ω
1 capacitor de 4,7 µF
4 leds vermelhos
4 leds amarelos
2 leds verdes

Monte o circuito ao
lado na protoboard.
As instruções estão
na vídeoaula nº 33
do DVD.
Este circuito é similar ao anterior bastando apenas trocar a chave do pino 14 do CI 4017 por uma
porta NE gatilhada formada pelo U1 4093. Este CI gera o sinal de clock para o CI 4017 acender os
leds em seqüência. A velocidade depende de R1 e C1. Troque C1 por outros valores e veja a
variação da velocidade. Usando o CI 4017 também podemos fazer seqüenciais com menor
quantidade de leds como veremos na próxima experiência:

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


20
E XPER IÊ NC IA Nº 34 – SE QÜÊN C IAL COM 4 LE DS
Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4017
1 CI 4093
1 resistor de 100 K
1 resistor de 470 Ω
1 capacitor de 4,7 µF
4 leds vermelhos
Monte o circuito ao
lado na protoboard.
As instruções estão
na vídeoaula nº 34
do DVD.

Ligue o circuito e observe os leds. Observe que neste circuito ligamos a saída O4 no pino de reset
(15) do CI. Desta forma quando o pino 10 (saída O4) for a nível 1, este pulso será aplicado ao
pino 15. Assim o CI é resetado e sua saída O0 vai a nível 1 começando novamente o ciclo. Se
você quiser um seqüencial de 5 leds, basta ligar a saída O5 (pino 1) ao pino reset 15 e assim por
diante.

E XPER IÊ NC IA Nº 35 – CI 4017 C OMO D IVISOR D E FR EQÜÊ N C IA P OR 10


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4017
1 CI 4093
1 resistor de 100 K
2 resistores de 470 Ω
1 capacitor de 1 µF
1 led vermelho
1 led verde
Monte o circuito ao lado
na protoboard. As
instruções estão na
vídeoaula nº 35 do DVD.

Alimente o circuito e observe a velocidade dos leds. O CI 4017 possui um pino de saída chamado
“carry out” ou saída de transporte. Este pino é o 12. A cada 10 pulsos de clock que entram no
seu pino 14, aparece um pulso mais largo no pino 12 acendendo o led verde. Desta forma a cada
10 piscadas do led vermelho (freqüência do oscilador) teremos 1 piscada do led verde. Desta
forma o circuito é capaz de dividir por 10 a freqüência do clock que ele recebe.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


21
XIX. DOBRADORES DE TENSÃO

São circuitos que usam a onda quadrada de um oscilador para dobrar a tensão de uma fonte.

E XPER IÊ NC IA Nº 36 – D OB R ADOR DE TEN SÃO U SAN D O U M C I 4093


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4093
1 transistor BC548
1 transistor BC558
2 diodos 1N4148
1 resistor de 100 K
1 resistor de 1 K
1 resistor de 470 Ω
1 capacitor de 100 µF
1 capacitor de 100 µF
1 capacitor de 47 nF
4 leds vermelhos
Monte o circuito acima na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 36 do DVD.
Monte o circuito e observe se os leds acendem ou não. Cada led vermelho acende com cerca de
1,6 V. Quatro leds precisam de 6,4 V para funcionarem, porém nossas pilhas só fornecem 6 V e
esta tensão não é suficiente. O CI 4093 gera uma onda quadrada enviada às bases de Q1 e Q2.
Quando o pino 3 está em nível 0, Q2 conduz e carrega C2 com 6 V via D1. Quando o pino 3 está
em nível 1, Q1 conduz e soma o +B da fonte com a carga de C2 resultando em 12 V que passam
por D2 e carregam C3. Esta tensão de 12 V no positivo de C3 já é suficiente para acender os
quatro leds ligados em série.

XX. CONTADORES

São circuitos usados para contar bits e a partir daí manipular dados digitais, somas e várias outras
aplicações nos circuitos digitais. Também podem dividir uma freqüência em outros valores. Os
contadores são feitos basicamente por flip flops dentro de CIs. Há dois tipos de contadores:
Não sincronizados (assíncronos) – São mais lentos e usados apenas em circuitos mais simples.
Eles usam um sinal de clock aplicado no primeiro estágio do contador. A saída do primeiro estágio
serve como clock para o segundo estágio. A saída do segundo serve como clock para o terceiro e
assim por diante. Estes contadores não são muito precisos.
Sincronizados (síncronos) – São mais rápidos, precisos e usados em circuitos complexos.
Neste tipo o mesmo sinal de clock é aplicado em todos os estágios do contador ao mesmo tempo
proporcionando velocidade, estabilidade e precisão ao contador.
Um contador pode contar em ordem crescente (“up”) ou decrescente (“down”). Já vimos neste
livro o contador de “Johnson” formado pelo CI 4017. Veremos a seguir outros tipos de contadores.
Contador decádico BCD (decimal codificado em binário) – Contam de 0 a 9 em números
binários usando 4 bits sendo um em cada saída dele (portanto tem 4 saídas). A seqüência de
saída dos bits dele é a seguinte:
Número decimal 0 = saídas binárias 0000
Número decimal 1 = saídas binárias 0001

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


22
Número decimal 2 = saídas binárias 0010
Número decimal 3 = saídas binárias 0011
Número decimal 4 = saídas binárias 0100
Número decimal 5 = saídas binárias 0101
Número decimal 6 = saídas binárias 0110
Número decimal 7 = saídas binárias 0111
Número decimal 8 = saídas binárias 1000
Número decimal 9 = saídas binárias 1001

E XPER IÊ NC IA Nº 37 – TE STE DO C I 4510


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4510
1 resistor de 10 K
4 resistores de 470 Ω
4 leds vermelhos
1 micro chave
Monte o circuito ao lado na
protoboard. As instruções
estão na vídeoaula nº 37 do
DVD.
Cada led (D1 a D4)
representa um bit do
contador. Procure colocar
na protoboard os leds
enfileirados (um ao lado do outro) com o led D1 à direita (o bit de menor peso) e o led D4 à
esquerda (bit de maior peso). Vá pressionando a chave CH1 simulando um sinal de clock e
observe o comportamento dos leds. O led aceso representa o bit 1 e apagado o bit 0. No primeiro
toque em CH1 acende só D1 representando o binário 0001 (decimal 1). No próximo toque acende
só o D2 representando 0010 (decimal 2). No próximo acendem D1 e D2 representando 0011
(decimal 3) e assim por diante como explicado nesta lição. Portando o 4510 pode contar em
binário de 0 a 9 sempre que recebe um pulso de clock eu seu pino 15.
Este contador também pode dividir uma freqüência por 10 porque sempre que ele termina a
contagem de 0 a 9 (a cada 10 pulsos de clock no pino 15) sai um pulso no seu pino 7 (“CARRY
OUT”) da mesma forma que o 4017 estudado anteriormente. Nesta configuração não usamos os
pinos P1 ao P4 fazendo desta forma ele contar começando pelo 0. Quando estes pinos são
usados dependendo de quais irão ao nível 1 ou 0 a contagem começa por outro número que não
o 0. O pino 10 está ligado ao +B para a contagem ser progressiva (do 0 ao 9). Se ficar ligado no
terra a contagem será regressiva (do 9 ao 0).
Na próxima experiência o CI 4510 será alimentado por um sinal de clock produzido por um
oscilador de onda quadrada e assim veremos o contador funcionando sem a necessidade de ficar
teclando uma micro chave. Observem que não há necessidade de desmontar todo o circuito 37
para montar o 38.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


23
E XPER IÊ NC IA Nº 38 – C ON TADOR BC D C OM C I 4510
Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4510
1 CI 4093
1 resistor de 100 K
4 resistores de 470 Ω
1 capacitor de 4,7 µF
4 leds vermelhos
Monte o circuito ao
lado na protoboard.
As instruções estão
na vídeoaula nº 38 do
DVD.

Observe como os leds vão acendendo na seqüência binária desde 0000 (todos apagados) até
1001 (decimal 9) e depois voltam a apagar todos (0000). Daí o ciclo recomeça na velocidade que
depende dos valores de C1 e R5. Tente trocá-los por valores diferentes e observe a velocidade da
contagem (quanto maior a freqüência do clock mais rápida será a contagem). Após ligue o pino 10
do U2 ao terra e observe como a contagem fica regressiva (de 9 até 0).
Decodificador BCD para display de leds de 7 segmentos – Recebe uma contagem em binário
de 0 a 9 através de 4 bits (trilhas) e mostra os números decimais num display de 7 segmentos. O
mais comum é o CI 4511 usado na próxima experiência.

E XPER IÊ NC IA Nº 39 – TE STE DO C I 4511


Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 39 do DVD.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


24
Materiais u sados:
1 protoboard Monte o circuito da página anterior na protoboard. As instruções estão
1 CI 4511 na vídeoaula nº 39 do DVD.
1 display leds 7 seg
4 resistores de 10 K
7 resistores de 470 Ω
4 micro chaves
Cada chave (CHA até CHD) representa um bit de informação. Sendo CHA é o de menor peso.
Apertando apenas CHA simulamos nas entradas do CI o binário 0001 e ele mostra o número “1”
no display. Apertando apenas CHB simulamos 0010 e o CI mostrará o “2” no display. Apertando
CHA e CHB ao mesmo tempo simulamos 0011 e o CI mostrará o “3” e assim por diante até o “9”
que será apertando CHA e CHD ao mesmo tempo.

E XPER IÊ NC IA Nº 40 – C ON TADOR DE 0 A 9
Materiais u sados:
1 protoboard Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula
1 CI 4093 nº 40 do DVD.
1 CI 4510
1 CI 4511
1 display leds 7 seg
1 resistor de 100 K
7 resistores de 470 Ω
1 capacitor de 4,7 µF

Este contador tem três partes distintas: um oscilador formado pelo CI U1 para produzir o sinal de
clock, o CI U2 funcionando como contador binário que fornece em suas saídas Q1 a Q4 uma
contagem de 0 a 9 em formato binário de 4 bits do 0000 (número “0”) até o 1001 (número “9”) e
por fim o decodificador BCD formado pelo CI U3 que converte os números binários de 4 bits em
números decimais mostrados no display de leds com catodo comum (catodos dos leds
interligados ao terra do circuito). Nesta configuração o circuito vai contar do 0 ao 9. Experimente
ligar o pino 10 do U2 ao terra e observe que a contagem fica regressiva (do 9 ao 0). A velocidade
da contagem depende dos valores de R8 e C1. Experimente trocar os valores para comprovar.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


25
E XPER IÊ NC IA Nº 41 – C ON TAD OR D E 0 A 99
Materiais u sados:
1 protoboard Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula
1 CI 4093 nº 41 do DVD.
2 CIs 4510
2 CIs 4511
2 displays leds 7 seg
1 resistor de 100 K
1 resistor de 10 K
14 resistores de 470 Ω
1 capacitor de 1 µF
1 capacitor de 4,7 µF

Como observamos temos dois contadores de 0 a 9 interligados. Na montagem coloque os


displays lado a lado no meio da protoboard, sendo o das unidades à direita.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


26
O oscilador U1 fornece o sinal de clock para os dois contadores ao mesmo tempo. O contador das
unidades U2 conta de 0 a 9 em binário e alimenta os dados no decodificador BCD U3. Este indica
as unidades no display 1. Assim que U2 completa um ciclo de contagem (0 a 9) sai um pulso do
terminal “CARRY OUT” (pino 7) para o pino 5 “CARRY IN” de U4. Desta forma ele registra o
número “1” em binário e o entrega ao U5 para este indicar no display das dezenas. Sempre que
um ciclo se completa no display das unidades, o das dezenas avança um dígito até ambos
chegarem em 00. Daí o ciclo recomeça até 99. A velocidade da contagem depende de R8 e C1 e
pode ser crescente ou decrescente de acordo com a ligação do pino 10 dos CIs U2 e U4 (ligado
no +B a contagem é progressiva e no terra a contagem fica regressiva). Os componentes C2 e R9
resetam os contadores quando o circuito é alimentado para a contagem começar do “00”.
Podemos fazer mais contadores bastando colocar mais um CI 4510, 4511 e outro display para as
centenas. Assim podemos contar de 000 à 999. Daí ligaríamos o pino 7 do 4510 das dezenas no
pino 5 do 4510 contador das centenas e assim por diante.

E XPER IÊ NC IA Nº 42 – DÍGITOS ALEATÓRIOS ENTR E 0 E 9


Materiais u sados:
1 protoboard Monte o circuito abaixo na protoboard. As instruções estão na vídeoaula
1 CI 4093 nº 42 do DVD.
1 CI 4510
1 CI 4511
1 display leds 7 seg
1 resistor de 100 K
7 resistores de 470 Ω
1 capacitor de 1 nF
1 micro chave

Segure a chave CH1 e observe a formação de um dígito “8” no display. Ao soltar a chave
podemos ver qualquer dígito aleatório entre 0 e 9 no display. Este circuito pode ser usado como
um “dado” mais complexo com dígitos entre 0 e 9. Apertando a chave CH1 fazemos funcionar um
oscilador de alta freqüência U1 que aciona o contador U2 e o decodificador BCD U3. A contagem
é tão rápida que vemos apenas um “8” no display. Ao soltar CH1 o oscilador desliga, o contador
U2 pára no número que estava e o U3 o indica no display.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


27
XXI. REGISTRADORES DE DESLOCAMENTO (“SHIFT REGISTER”)

São circuitos usados para transferir dados binários de um estágio para outro a partir de um sinal
de clock aplicado. Cada estágio (registrador) pode armazenar uma informação de 1 bit até ela ser
passada para o registrador seguinte com a variação do sinal de clock. Tais circuitos são feitos
basicamente por flip flops e constituem junto com os contadores a base de funcionamento dos CIs
microprocessadores. Os registradores podem realizar conversões entre dados seriais (trafegam
numa mesma trilha) e paralelos (trafegam em trilhas separadas). Alguns registradores são
bidirecionais onde os dados podem trafegar por ele em ambos os sentidos.

E XPER IÊ NC IA Nº 43 – R EGIS TR ADOR D E D ESLOC AMENTO C OM C I 4015


Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4015
1 CI 4093
2 resistores de 10 K
1 resistor de 100 K
4 resistores de 470 Ω
1 capacitor de 4,7 µF
4 leds vermelhos
2 micro chaves
Monte o circuito ao
lado na protoboard.
As instruções estão
na vídeoaula nº 43
do DVD.

Ao ligar o circuito aperte e solte rapidamente a chave CH2. A seguir aperte e segure a chave CH1
até acender o primeiro led (D1). Solte a chave a seguir e observe como D1 apaga e acende D2
em seguida. D2 apaga, acende D3, D3 apaga, acende D4. D4 apaga e todos ficam apagados até
apertar novamente CH1. Agora aperte CH1 até acender D1 e D2 e solte a chave. D1 apaga D2
fica aceso e D3 acende e assim por diante. Nesta experiência usamos um dos registradores do CI
4015 (há dois registradores dentro dele). Este registrador de deslocamento possui uma entrada de
dados seriais (pino 7 ou D) e saída paralela de 4 bits (ou trilhas) que são os pinos QA, QB, QC e
QD. Apertando a chave CH1 introduzimos um bit “1” em sua entrada D. Este dado vai aparecer na
saída QA acendendo o led D1. A cada variação do sinal de clock gerado por U1, o bit “1” passa
para a saída seguinte QB, QC e QD acendendo o led correspondente (D2, D3 e D4). A velocidade
que este dado passa de uma saída para outra depende da freqüência do clock, ou seja, dos
valores de R5 e C1. Apertando e soltando CH1 simulamos primeiro um bit “1” e depois um bit “0”.
Daí as saídas ficam QA = 1; QB = 0; QC = 0; QD = 0, ou seja, 1000. No próximo ciclo do sinal de
clock as saídas passam para 0100, no próximo ficam em 0010, no outro ciclo ficam em 0001 até
ficarem em 0000 no outro ciclo do clock. Percebam que o bit “1” vai se deslocando, daí o nome do
circuito. A qualquer momento que apertarmos a chave CH2 o circuito reseta, limpa os
registradores e as saídas ficam todas em 0 (0000). Se segurarmos a chave CH1 acendendo os
dois primeiros leds e soltarmos as saídas ficam 1100, depois 0110, depois 0011, depois 0001 e
por fim 0000.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


28
E XPER IÊ NC IA Nº 44 – R EGIS TR ADOR D E D ESLOC AMENTO DE 8 B ITS
Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4015
1 CI 4093
2 resistores de 10 K
1 resistor de 100 K
8 resistores de 470 Ω
1 capacitor de 4,7 µF
8 leds vermelhos
2 micro chaves
Monte o circuito ao
lado na protoboard.
As instruções estão
na vídeoaula nº 44
do DVD.

Ao ligar o circuito aperte e solte rapidamente a chave CH2 para resetar o CI. A seguir aperte e
segure CH1 até acender o led D1. Solte a chave em seguida e observe que apagando D1 acende
D2 e assim por diante até chegar em D8. Introduzindo o bit 1 na entrada D1 do CI (apertando
CH1) ele se desloca da saída Q1A até a saída Q2D a cada pulso do clock que entra nos pinos 1 e
9. Observe como neste circuito usamos os dois registradores do CI 4015 formando um único de 8
bits (trilhas). A última saída do primeiro Q1D vai ligada ao terminal de dados (D2) do segundo.

E XPER IÊ NC IA Nº 45 – C AR R EIRA DE 8 LED S


Materiais u sados:
1 protoboard Monte o circuito a seguir na protoboard. As instruções estão na
1 CI 4015 vídeoaula nº 45 do DVD.
1 CI 4027
1 CI 4093
1 CI 4510
1 resistor de 100 K
8 resistores de 470 Ω
1 capacitor de 1 µF
8 leds vermelhos

Ao ligar o circuito observe como os leds acendem em seqüência até todos se iluminarem. A seguir
eles vão apagando em seqüência até todos ficarem apagados. A partir daí o ciclo se repete a uma
velocidade que depende de C1 e R9.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


29
Neste circuito temos um oscilador U1 que produz um sinal de clock. Este sinal é dividido por 8
através do contador BCD U2. A cada 8 pulsos de clock que entra no pino 15 deste CI sai um pulso
de seu pino 2 para o pino 3 do U3 (flip flop “toggle”) O CI U3 muda o estado das saídas Q e /Q a
cada pulso de clock no seu pino 3. Assim quando o terminal Q de U3 vai para nível “1”, este bit é
introduzido no terminal D1 do U4 que funciona como registrador de 8 bits. Nível “1” no pino D1 faz
a saída Q1A ficar a nível “1” acendendo D1. Como o sinal de clock nos pinos 1 e 9 do U4 é 8
vezes mais rápido que os dados introduzidos no pino D1, se este pino ficar em nível alto (“1”) dá
tempo de todas as saídas ficarem seqüencialmente em 1 e acenderem todos os leds. Se o D1
ficar em nível baixo (“0”) dá tempo de todos os pinos ficarem baixos em seqüência e apagarem
todos os leds. Alterando C1 ou R9 mudamos a freqüência do clock e o ritmo de funcionamento.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


30
E XPER IÊ NC IA Nº 46 – SE QÜEN C IAL P R OGRES SIVO/R EGR ESS IV O D E 8 LED S
Materiais u sados:
1 protoboard Monte o circuito a seguir na protoboard. As instruções estão na
1 CI 4093 vídeoaula nº 46 do DVD.
1 CI 4027
1 CI 4028
1 CI 4510
2 resistores de 100 K
8 resistores de 470 Ω
1 capacitor de 1 µF
8 leds vermelhos
1 micro chave

Ao ligar o circuito os leds se acendem e apagam em seqüência indo de D1 ao D8. Ao apertar a


chave CH1 a seqüência se inverte, indo de D8 a D1. Cada toque em CH1 muda a seqüência dos
leds. Temos um CI 4093 (U1) com dupla função: um oscilador de clock em conjunto com C1 e R9
e uma porta NÃO (NOT) inversora ligado na chave CH1. U2 é um flip flop JK funcionando como
“toggle”, U3 é um contador BCD e U4 funciona como driver dos leds decodificando os pulsos BCD
fornecidos por U3. Apertando CH1 o pino 3 do U1 vai a nível 1, fazendo a saída Q do U2 mudar
de estado (se estava “1” passa a “0” e vice-versa). Este nível é levado ao pino 10 de U3 fazendo o
contador dele funcionar de forma progressiva (nível “1”) ou regressiva (nível “0”). U3 fornece a
contagem binária de 0 a 9 ao U4 que converte em pulsos para acender os leds em seqüência. A
velocidade da contagem e da seqüência dos leds depende dos valores de C1 e R9.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


31
XXII. CONVERSORES DIGITAL - ANALÓGICO (D/A)

São circuitos que recebem dados digitais e transformam numa tensão cujo valor depende da
seqüência de bits recebida. Por exemplo, se o conversor recebe 8 bits de cada vez, se todos
forem 0 (00000000) a tensão fornecida é a mínima e se todos forem 1 (11111111) a tensão é a
máxima e valores intermediários de acordo com a seqüência de 0 e 1. Estes circuitos são usados
em aparelhos que têm circuitos digitais e dispositivos que necessitam de tensão analógica para
funcionar como motores, alto falantes, tubos de imagem de televisores convencionais, etc.

E XPER IÊ NC IA Nº 47 – C ON VER SOR D /A EXPE R IMEN TAL D E 2 BITS


Materiais u sados:
1 protoboard Monte o circuito a seguir na protoboard. As instruções estão na
1 CI 4049 vídeoaula nº 47 do DVD.
1 CI LM324
2 resistores de 100 Ω
1 resistor de 10 K
3 resistores de 22 K
3 resistores de 47 K
1 resistor de 100 K
3 leds vermelhos
2 micro chaves

Aperte CH1 e observe os três leds. A seguir aperte CH2 e as duas ao mesmo tempo sempre
observando o comportamento dos leds. Cada chave introduz um bit de informação ao circuito
através dos inversores formador por U1. Apertando CH2, o pino 4 de U2 passa a nível 1 e introduz
uma tensão à entrada não inversora de U2 através de R4 e R5. Daí sai uma tensão baixa pelo
pino 1 do mesmo acendendo apenas D1. Apertando CH1, o pino 2 de U1 vai a nível 1
introduzindo outra tensão ao pino 3 de U2 através de R3. Agora a tensão do pino 1 fica maior e
acende os três leds, porém D1 e D2 fracos. Apertando as duas chaves, a tensão introduzida em
U2 fica maior, aumentando a saída pelo pino 1 e acendendo os três leds, sendo D1 e D2 mais
fortes que no caso anterior. Dependendo, portanto da sequencia de chaves apertadas (bits
introduzidos) teremos tensão maior ou menor no pino 1 de U2. Assim é um conversor D/A.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


32
E XPER IÊ NC IA Nº 48 – C ON TROLE D E BR ILHO C OM U MA TEC LA
Materiais u sados:
1 protoboard Monte o circuito a seguir na protoboard. As instruções estão na
1 CI 4093 vídeoaula nº 48 do DVD.
1 CI 4510
1 CI LM324
1 transistor BC548
1 resistor de 470 Ω
1 resistor de 10 K
2 resistores de 22 K
2 resistores de 47 K
4 resistores de 100 K
1 capacitor de 4,7 µF
1 led verde
1 micro chave

Aperte CH1 e observe a luminosidade do led. Segure a chave e observe o led. Neste circuito
temos mais uma aplicação dos conversores D/A. Apertando CH1 ligamos um oscilador formado
por U3, R5 e C1 que fornece um sinal de clock para U2. Este último CI conta os bits em binários e
nas suas 4 saídas (4 bits) temos os pulsos somados resultando numa tensão variável sobre R6.
Esta tensão é introduzida no pino 3 de U3 para este controlar a base do transistor Q1 e desta
forma o brilho do led. Dependendo do tempo que seguramos a chave quando a soltarmos o led
vai apresentar um determinado brilho. A velocidade da variação do brilho do led depende da
velocidade de funcionamento do contador U2 e desta forma do oscilador de clock U1 (valores de
C1 e R5). Ligando o pino 10 de U2 ao terra fazemos a variação de brilho do led ficar invertida do
mais forte para o mais fraco. Normalmente os conversores D/A são feitos a partir de contadores
ou registradores de deslocamento (circuitos já estudados).

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


33
XXIII. MULTIPLEXADORES E DEMULTIPLEXADORES

São circuitos com uma entrada e várias saídas de dados ou vice-versa controlados por terminais
de seleção e pulsos de habilitação (“enable” ou EN). Veja a descrição para cada tipo a seguir:
Multiplexador, multiplex ou “MUX” – Possui várias entradas e uma única
saída de dados. Através de seus terminais de seleção (A, B, C, etc.)
escolhemos qual das entradas (E1, E2, E3, etc.) terá seus dados enviados à
saída S. Porém estes dados só estarão presentes na saída S quando o
terminal de “enable” (EN) estiver em nível alto. A quantidade de terminais de
seleção depende da quantidade de entradas e será sempre potência de 2.
Exemplo: se o MUX tiver 4 entradas, terá 2 terminais de seleção (A e B). Se
tiver 8 entradas terá 3 terminais de seleção (A, B e C) e assim por diante. De
acordo com os níveis de A, B, etc. será selecionada uma das entradas do MUX.

E XPER IÊ NC IA Nº 49 – MU LTIPLEX SIMP LE S (P ISC A-PISC A ALTER NAD O)


Materiais u sados:
1 protoboard Monte o circuito a seguir na protoboard. As instruções estão na
1 CI 4011 vídeoaula nº 49 do DVD.
1 CI 4023
1 CI 4049
1 CI 4093
1 resistor de 470 Ω
9 resistores de 10 K
2 resistores de 100 K
1 capacitor de 1 µF
1 capacitor de 4,7 µF
1 led vermelho
1 micro chave

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


34
Ligue o circuito e observe o piscar do led. Aperte a chave CH1 e observe o piscar do led. O
jumper “enable” na figura deixa o multiplex habilitado o tempo todo. Na verdade é um fio normal.
Só está destacado no esquema para mostrar onde o multiplex é habilitado. Neste circuito temos
um multiplex duplo formado por U3A e U3B, portanto duas entradas de dados. Para selecionar
uma ou outra entrada temos a chave CH1 (um único terminal de seleção). Temos dois osciladores
U1A de freqüência mais baixa e U1B de freqüência mais alta ligados nas entradas do multiplex.
Sem apertar a chave vai nível 0 na entrada U3B mantendo-a desabilitada e nível 1 (devido ao
inversor U2) na entrada U3A habilitando esta e levando o sinal do oscilador U1A ao led fazendo
piscar mais devagar. Apertando CH1 vai nível 1 para U3B e nível 0 para U3A. Agora U3B fica
habilitada levando o sinal de U1B ao led fazendo-o piscar mais rápido.

Demultiplexador, demultiplex ou “DEMUX” – Possui uma entrada (E) e


várias saídas de dados (S1, S2, S3, etc.). Os dados da entrada são
endereçados às saídas de acordo com o nível dos terminais de seleção (A,
B, C, etc.). Tal qual o MUX, o DEMUX possui terminais de seleção potências
de 2 em relação às saídas. 2 saídas = 1 terminal de seleção, 4 saídas = 2
terminais de seleção, 8 saídas = 3 terminais de seleção e assim por diante.
O terminal EN (“enable”) deve estar em nível alto para o endereçamento dos
dados pelo DEMUX.

E XPER IÊ NC IA Nº 50 – D EMU LTIPLEX S IMPLES (P IS C A-PISC A ALTERN AD O 2)

Monte o circuito a seguir na protoboard. As instruções estão na vídeoaula nº 50 do DVD.

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


35
Materiais u sados:
1 protoboard
1 CI 4011
1 CI 4049
1 CI 4081
1 CI 4093
2 resistores de 470 Ω
6 resistores de 10 K
1 resistor de 100 K
1 capacitor de 4,7 µF
2 leds vermelhos
1 micro chave
Ligue o circuito e observe os dois leds. Aperte CH1 e observe os leds novamente. Neste circuito
temos uma única fonte de dados formada pelo oscilador U1 que introduz os dados via U2 até as
saídas U4A e U4B do DEMUX. Em cada saída temos um led. Sem apertar a chave CH1
aplicamos nível 0 em U4B deixando sua saída sempre em nível 1 mantendo o led D2 aceso o
tempo todo. Devido ao inversor U3 é aplicado um nível 1 na saída U4A habilitando-a e
endereçando os dados do oscilador U1 ao led D1 fazendo o piscar continuamente. Apertando
CH1, aplicamos nível 1 à saída U4B habilitando-a e levando o sinal de U1 para o led D2 piscar.
Agora é D1 que fica aceso continuamente devido à saída U4A estar desabilitada.

E assim chegamos ao final deste trabalho cujo objetivo foi ensinar de forma simples como
funcionam os circuitos digitais que são a base dos microcontroladores, memórias, relógios e
vários outros que usam a eletrônica digital como base para sua operação. Todos os modernos
equipamentos usam a eletrônica digital como base para seu funcionamento. Esperamos que com
este livro você tenha adquirido seus primeiros ou aprimorado seus conhecimentos acerca da
eletrônica digital. Como mencionado as experiências devem ser praticadas com o kit didático que
acompanha o livro e as vídeo aulas com a explicação das experiências montadas também
acompanham este trabalho num DVD. Eu agradeço muito a todos de minha equipe, aos nossos
alunos e futuros alunos. Nosso site e loja virtual encontram-se abaixo e até nosso próximo
trabalho......

Luis Carlos Burgos

www.burgoseletronica.net
http://loja.burgoseletronica.net
http://www.lojaburgoseletronica.com.br

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


36
LISTA DE COMPONENTES DO KIT (ADQUIRIDO COM A VIDEO AULA)

1 Protoboard para montagem de experiências;


Fios para ligação pretos, vermelhos e uma terceira cor (amarelo, verde, azul, etc);
1 Porta pilhas para 4 pilhas pequenas (AA);
4 Pilhas pequenas AA;
1 CI 555;
1 CI 4001;
1 CI 4011;
1 CI 4013;
1 CI 4015;
1 CI 4017
1 CI 4023
1 CI 4027;
1 CI 4028;
1 CI 4049;
1 CI 4066;
1 CI 4070;
1 CI 4071;
1 CI 4077;
1 CI 4081;
1 CI 4093
2 CIs 4510;
2 CIs 4511;
1 CI LM324;
2 Transístores BC548;
1 Transístor BC558;
2 Diodos 1N4148;
8 LEDs vermelhos;
4 LEDs amarelos;
2 LEDs verdes;
2 Displays de LEDs com 7 segmentos e catodo comum;
5 Micro chaves;
2 r e s is t o r es d e 1 0 0 Ω x 1 / 8 W ;
2 r e s is t o r es d e 2 2 0 Ω x 1 / 8 W ;
14 resistores de 4 7 0 Ω x 1 / 8 W ;
3 resistores de 1 K x 1/8 W;
1 resistor de 2K2 x 1/8 W;
1 resistor de 4K7 x 1/8 W;
1 resistor de 5K6 x 1/8 W;
9 resistores de 10 K x 1/8 W;
3 resistores de 22 K x 1/8 W;
3 resistores de 47 K x 1/8 W;
4 resistores de 100 K x 1/8 W;
1 resistor de 470 K x 1/8 W;
1 resistor de 1 M x 1/8 W;
1 capacitor de poliéster de 1 nF;
1 capacitor de poliéster de 47 nF;
1 capacitor eletrolítico de 1 µF x 16 V;
1 capacitor eletrolítico de 4,7 µF x 16 V;
1 capacitor eletrolítico de 10 µF x 16 V;
1 capacitor eletrolítico de 22 µF x 16 V;
1 capacitor eletrolítico de 47 µF x 16 V;
1 capacitor eletrolítico de 100 µF x 16 V;
1 capacitor eletrolítico de 220 µF x 16 V;

Eletr onica Digital – Lu is Ca r los Bu r gos Página www.bu r goseletr on ica.n et


37
Neste trabalho aprenderemos como funcionam os circuitos digitais e como eles manipulam as
informações. Tais circuitos estão presentes em todos os equipamentos eletrônicos atuais.
Portanto este livro não é só para falar de eletrônica digital, mas principalmente ensinar na prática
de forma simples como os circuitos digitais operam. Podemos encarar este trabalho como um
curso prático porque ele acompanha um DVD com vídeo aula e um kit para montar as
experiências contidas nele. Veja os tópicos abaixo:

Níveis lógicos;
Portas lógicas;
Comparadores;
Osciladores de onda quadrada;
Chaves eletrônicas;
Flip flops;
Displays de leds;
Contadores seqüenciais;
Dobrador de tensão;
Contadores binários;
Decodificadores BCD e acionadores de display;
Contadores decimais;
Registradores de deslocamento (“shift register”);
Conversores D/A (digital/analógico);
Multiplexadores;
Demultiplexadores.

Luis Carlos Burgos é técnico e instrutor de eletrônica há 23 anos. Trabalhou em várias


assistências técnicas incluindo autorizadas Sharp e Philco, foi professor de eletrônica na
extinta Escola Aladim por 17 anos (de 91 a 2008) e há mais de 3 anos escreve livros na área
da eletrônica, tendo alguns trabalhos publicados pela Editora Antenna. Atualmente é co
proprietário da Burgoseletronica, empresa de cursos de eletrônica, livros, componentes
eletrônicos e de informática. Também realiza treinamentos periódicos em parceria com as
lojas Esquemafácil e Livrotec.

Revendas:
São Paulo – Burgoseletrônica – www.burgoseletronica.net http://loja.burgoseletronica.net
Esquemafácil – www.esquemafacil.com.br
Rio de Janeiro – Livrotec – www.livrotec.com.