Você está na página 1de 22

Modelação de entidades e

fenómenos geográficos

Nota: alguns slides baseados em slides apresentados na disciplina de MADG do MTIG-FCTUC


2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 1
Sumário
— Modelação por objetos
— Modelação por superfícies
— Representação digital de objetos e
superfícies
— Tipos de atributos

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 2


Entidades geográficas e os SIG

Entidades Representação
Visualização
geográficas computacional

Mundo real Computação Mundo simulado

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 3


Dados geográficos
— As entidades geográficas têm associado:
◦ Uma localização espacial (bidimensional ou
tridimensional)
– Directa: coordenadas geográficas ou cartesianas
– Indirecta; exs: unidades administrativas, nome de ruas, números de
polícia, códigos postais, etc.
◦ Atributos ou propriedades não espaciais
– Exs: nome, cor, população, caudal, temperatura, estado de
conservação, pH, rendimento, uso do solo, …
◦ Relações espaciais entre entidades (topologia)
– Exs: adjacência, pertença, conectividade, ...
◦ Instante temporal
– Localização e atributos correspondem a um dado instante
(quando as alterações são muito lentas é muitas vezes omitido)
– Exs: gestão de frotas e análise de tráfego em tempo real com
sensores e a GPS a emitir constantemente dados sobre tráfego

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 4


Modelação com superfícies
e com objetos
— Superfície (field) – representa um
fenómeno que possui um valor (ou atributo)
em qualquer ponto do espaço geográfico;
pode ser contínuo ou discreto

— Objeto (object) – representa uma


entidade que ocupa um dado espaço, possui
uma fronteira bem definida e uma identidade
que a distingue de outras entidades; o
espaço exterior ao objeto considera-se
vazio

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 5


2.1. Geographic phenomena

Superfícies contínuas Elevation in the Falset study area, Tarragona province, Spain. The area is approximately 25 ⇥ 20 km.
illustration has been aesthetically improved by a technique known as ‘hillshading’. In this case, it is as if
sun shines from the north-west, giving a shadow effect towards the south-east. Thus, colour alone is n
good indicator of elevation; observe that elevation is a continuous function over the space.

— Variação ± gradual
dos valores

— Exemplos:
◦ Temperatura
◦ Pressão barométrica
◦ Altitude
◦ Declive Representação da altitude
◦ Teor de humidade do
solo first previous next last back exit zoom contents index

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 6


2.1. Geographic phenomena

Superfícies discretas
pale yellows (mostly lower left): Miocene and Quaternary dark greens (left): Oligo
dark greens (right): Cretaceous pale oranges: Eo
violets: Lias purples: Keuper and Musche
dark orange: Bundsandstein
greys: intrusive and sedimentary areas
Observe that—typical for fields—with any location only a single geological unit is associated. As thi
discrete field, value changes are discontinuous, and therefore locations on the boundary between two

Dividem a área de
are not associated with a particular value (geological unit).
—
estudo em partes
mutuamente
exclusivas

— Todas as localizações
numa dada parte têm o
mesmo valor

— Exemplos:
◦ Classes de uso do solo
Representação de formações
◦ Tipos de solo geológicas
◦ Unidades administrativas
dum território first previous next last back exit zoom contents index

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 7


Objetos (1)
— O mundo está vazio
exceto nos locais onde é
ocupado por objetos

— Podem ser contados


Representação de falhas
— Aos objetos estão sísmicas
associados atributosfirst previous next last back exit zoom contents index

Exemplos:
— Os objetos podem ser • Edifícios, ruas,
representados por
pontos, linhas, áreas condutas, árvores
ou objetos • Veículos
tridimensionais • Falhas sísmicas
2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 8
Objetos (2)
— Os objetos são modelados recorrendo a
primitivas:
◦ Zero dimensionais ou pontos
– São usados para representar a localização de
entidades cuja forma não é considerada útil ou
quando a área é demasiado pequena em relação ao
espaço envolvente
– Exemplos: Cidades em mapas de pequena escala
– A posição do ponto é dada pelas suas coordenadas

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 9


Objetos (3)
— Os objetos são modelados recorrendo a
primitivas:
◦ Unidimensionais ou lineares
– São normalmente utilizados para representar redes
(por exemplos estradas ou hidrografia)

◦ Bidimensionais ou áreas
– São usados para representar entidades com áreas
consideráveis (e.g., parcelas ou cidades em mapas
de grande escala)

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 10


Superfície ou objeto?
— Em muitos casos não é
clara qual a modelação
mais adequada, se com
objetos se com
superfícies

— Onde está a fronteira?


Onde começa e acaba
o lago? Trata-se dum
dum lago ou dum rio
largo?

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 11


TIPOS DE ATRIBUTOS

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 12


Atributos
— Os atributos associados às superfícies
definem o que estas representam

— Os atributos associados aos objetos dão


informação adicional acerca das entidades
geográficas
◦ Exemplos:
– Tipo de solo
– Nome do proprietário
– Cor, estado de conservação, diâmetro, …

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 13


Tipos de atributos
— Os atributos dividem-se em cinco tipos:
◦ Nominais: informação descritiva como cor,
nome, dono, tipo de vegetação, …
◦ Ordinais: está implícita uma ordem ou escala
de valores
– Erosão de 1 a 10; pequeno, médio, grande,…
◦ Intervalares
◦ Racionais ou proporcionais
◦ Cíclicos

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 14


Atributos intervalares (1)
— Tomam valores quantitativos
— Os valores representam distâncias sobre uma escala de
medição, no entanto, não em relação a uma origem mas em
relação a outros valores
— Neste tipo de atributos não existe um ponto inicial que
faça sentido considerar como zero absoluto
— Ou não existe um ponto fixo que serve de referência, ou,
existindo, a sua posição é arbitrária
— Estes valores permitem quantificar diferenças mas não
proporções
— São normalmente utilizados, para traduzir posições relativas
no espaço, tempo ou magnitude

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 15


Atributos intervalares (2)
— Exemplos:
◦ Na medição de temperaturas, zero graus
centígrados não indica ausência de calor, logo não
faz sentido dizer que 50ºC é o dobro de 25ºC.

◦ Não faz sentido dizer que um castelo construído


em 1500 DC é duas vezes mais velho que um
construído no ano 750 DC. Se mudarmos a
referência escolhida para contar o número de
anos, o que é perfeitamente legítimo, esta
observação deixa de ser verdadeira.

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 16


Atributos racionais ou proporcionais
— Tomam valores quantitativos
— Os valores representam distâncias sobre uma escala de
medição relativamente a um ponto fixo que é a origem da
escala
— Os valores deste tipo podem geralmente ser transformados
ou combinados usando qualquer função matemática, gerando
resultados com significado
— Exemplos:
◦ Idade
◦ Frequência
◦ Distâncias físicas
◦ Valores monetários

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 17


Atributos cíclicos
— Têm variação cíclica
— Por exemplo, a indicação de direções ou
rumos em graus, implica que a seguir ao
valor 359º segue o valor 0º.
◦ Isto implica que é necessário ter alguns
cuidados, por exemplo, fazer a média entre
359º e 0º (ambas dirigidas para Norte) dá um
valor de aproximadamente 180º (que está
dirigida a Sul).
2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 18
Exercício
Exemplo
! Indique se osseatributos
— Indique os Tabela 1 - Edifícios

indicados nas Tabelas


atributos indicados ID
1
Ano de construção
1962
Nº Pisos
5
Tipo_cobertura
Telha cerâmica

nasnominais,
1 e 2 são Tabelas 1 e 2 são 2 1999 3 Fibrocimento

nominais, ordinais,
3 2005 2 Telha cerâmica

ordinais, intervalares ou 4 1985 4 Telha cerâmica

intervalares ou
racionais, explicando
racionais, explicando Tabela 2 - Ruas

porquê.porquê. ID
1
Nome
Rua A
Estado_piso
Bom
Largura
7.0
2 Rua A Médio 4.3
3 Rua B Mau 7.0
4 Rua C Mau 5.5
5 Rua D Bom 6.2
6 Rua D Médio 6.2

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 19


o em Eng. Geográfica – SIG / Mestrado em Tecnologias de Informação Geográfica - MADG
REPRESENTAÇÃO
DIGITAL DE OBJETOS E
SUPERFÍCIES

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 20


Representação digital de objectos e
Representação digital de objetos e
superfícies
superfícies
Os modelos de dados normalmente utilizados
— Os modelos de dados normalmente utilizados
!
para representar
para representaraainformação espacial
informação espacial são:
são:
! ◦ Modelo
Modelo vetorial
vectorial Modelo vectorial
! ◦ Modelo
Modelo matricial
matricial
ou raster

! A —forma de armazenar,
A forma de armazenar, Pontos Linhas Áreas

estruturar, extrair
estruturar, e e
extrair Modelo matricial

analisar a informação
analisar informação é
depende do modelo de
condicionada pelo
dados utilizado
modelo de dados Pontos Linhas Áreas

Mestrado em Eng. Geográfica – SIG / Mestrado em Tecnologias de Informação Geográfica - MADG

2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 21


Organização em níveis temáticos
— Os dados espaciais, tanto no
modelo vetorial como no
matricial, são habitualmente
apresentados em níveis ou layers
temáticos
◦ Limites administrativos
◦ Altitudes
◦ Rede viária
◦ Tipo de solo
◦ Linhas de água
◦ …

— Cada nível contém elementos


que partilham atributos
semelhantes e que se localizam
na mesma extensão geográfica

GIS Fundamentals, 3ª ed., Paul Bolstad


2016.17 Modelação de entidades e fenómenos geográficos 22