Você está na página 1de 7

Henry Mintzberg – “Politics and the Political Organization”

<1 e 2> INTRODUÇÃO


Mintzberg, durante todo o seu trabalho, possuio 2 fases distintas:
1ª – Abordagem Contingêncial
2º - Dimensão Política nas Organizações
(1º) Abordagem multifacetada baseada nos modos como as organizações se
estruturam para fazer, face às varias contingências que enfrentam.
 Estrutura Simples: Baixa complexidade e só um chefe. O lado positive é
que a simplicidade funciona como um ponto forte e serve nos primeiros
anos. O lado negative é que não se adequa a todas…Como é
centralizada, se algo acontece ao chefe, ela acaba.
 Estrutura Divisional: Grandes grupos económicos com várias áreas de
negócio (multi-mercado). Tecnologia e recursos distintos. Várias
empresas, cada uma com os seus produtos, etc. São mais ou menos
dinâmicas e mais ou menos complexas também. Possuem a
desvantagem da duplicação de recursos, mas têm a vantage de poder
corer riscos pois há várias unidades autónomas: Caso uma corra riscos,
não exerce fatores coersivos sobre as restantes unidades. (linha
hierarquica intermedia)
 Burocracia Mecânica: Padronização, regras, controlo/coordenação.
Altamente elaboradas, onde os orgãos da linha e do staff são 2
elementos distintos. (=weber)Desvantagem de não conseguir lidar com
problemas específicos, mas funcionam be mem organizações com
grandes dimensões, simples e estáveis. A sua componente é baseada no
apoio logísitco – tecnoestrutura –
 Burocracia Profissional: Profissionalização + Standardização ( anos
80~90). Regras, mas criadas pelos indivíduos altamente especializados,
contráriamente à outra borocarcia. Possui alta especialização e funciona
bem em ambientes complexos e pouco dinâmicos.Possui uma tomada
de decisão descentralizada e há um núcleo operacional.
 Adocracia: Um coordenador + um núcleo operacional, com ajustamentos
mútuos. Tem indivíduo muito qualificados. Há a sobreposição de
actividades, no entanto, não há horarios nem rotinas, é tudo
temporário. Não possui hierarquia nem departamentos, mas sim
equipas. Há uma diferenciação horizontal e descentralização (tomada de
desição) Funciona be mem ambientes de inovação e de mudança.
(2º) - Política
A política atua em deterimento de coordenação, desorientando e
desintegrando o que exite ao início ( atualmente ). A politica tem a ver com o
poder e não com estrutura.
A forma de como a politica consegue influenciar todo o processo
organizacional , o qual é normalmente considerado um processo que atua
lado-a-lado com a estrutura. Nenhuma descrição das forças e formas básicas,
como é obvio estaria completa sem a consideração da politica.
Ainda dentro da introdução ao seu trabalho, o autor indica-nos que não é fan
da politica nas organizações, assim como não é fan das doenças, mas para as
poder descrever é necessário compreendelas. A politica pode ser vista como
uma forma de doença que atua para o Sistema e , em simultâneo, contra o
Sistema:
1º) Política pode-se infiltrar no processo “saudável” das organizações,
acabando por a destruir;
2º)Pode funcionar para fortalecer o próprio Sistema organizacional, atuando
como um alarme que alerta os seus funcionários quando há danos maiores,
funcionando como um modelo protetor da empresa;

<3> Politics
-Meios de poder tecnicalmente não legitimados, normalmente em interesse
próprio, reusltando no conflito que põe os indivíduos ou unidades em partes
distintas;
-Expressa-se em jogos politicos. Alguns coexistem, de forma antagónica ou
não, alguns substituem os poderes legítimos dos sistemas;
-Encontram-se sobrepostos numa organização convencional, mas às vezes são
fortes o suficiente para criar a sua propria configuração; ( desenho do power
point )
-Noções convencionais de coordenação concentrada e influência, repostos
pelo poder informal;
-Dimensões de conflito: (irão ser tratadas mais à frente)
-Possuem ciclos, que são os seus ciclos de vida; (mais à frente)
-A política tem uma série de papeis funcionais nas organizações, especialmente
na ajuda em trazer a mudança necessária, a qual é bloqueada pela
legitimidade dos sistemas de influência;

Após esta breve introdução, do forma muito simplificada, o autor apresenta-


nos uma questão (provávelmente na esperança de levar o leitor a desenvolver
um pensamento crítico)
“How does conflict arise in an organization? Why, and with what
consequences?”- Como é que o conflito chega a uma organização, porquê e
com que consequências? - São estas 3 questões que eu quero que prestem
atenção…

<4> Politics in organizations (1º subtítulo)


A organização é um Sistema functional de vários sistemas de influência:
- Autoridade - É baseada em poder sancionado legalmente.
- Ideologia – Baseia-se em crenças que são aceites abertamente.
- Competências Especializadas – Poder oficialmente especializado.
- Política – Não se encontra sempre dentro das organizações! Só se encontra
dentro das organizações quando esta se encontra dominda por esta. É um
poder ilegítimo, ou como o autor o escreve “alegitimate”, na medida em que
este não é formalmente autorizado, aceite por todos e todas ou oficialmente
certificado. O resultado é que a atividade política é normalmente dividida e
conflituosa,<5> Imagem de trump e hilary, fazendo com que os indívios se
revoltem e se juntem em grupos que partilhem os mesmo ideiais , funcionando
uns contra os outros.
<6> Political games ins organizations
- As diferentes organizações possuem diferentes jogos -
O cientísta politico Graham Alison, por exemplo, descreveu jogos politicos nas
organizações e no governo como “intrigantes, subtís, simultânios e em
sobreposição” mas sempre guiados por regras, “Algumas regras são explicitas,
outras são implícitas, algumas são claras e outras não. Algumas são estáveis e
outras estão em constant mudança, no entanto é este agrupamento de regras
que, de facto, define o próprio jogo”
Segundo ele, existem 13 jogos diferentes onde cada um deles se diferencia
pelos jogadores ( empregados das organizações, chefe, etc ), pelas razões que
levam as organizações a utilizar essas “guide lines”, <7> Mudar para o 7, e
como é que os jogos se relacionam com os outros sitemas de influência.
Jogos:
 Insurgency game: É normalmente jogado para resistir à autoridade,
apesar de poder ser jogado para resistir às competências expecilizadas
dos técnicos ou à ideologia já establecida ou até mesmo para provocar
uma modifacação na organização.
Costuma ser jogado pelos “lower participants”, ou seja, aqueles que
sentem de forma direta o peso da autoridade formal, quando estes se
querem fazer ouvir e vai desde o protesto à rebelião.
 Counterinsurgency game: Jogado por aqueles que possuem o poder
legítimo, os que contra-atacam com significados politicos (ex.
Communication in the church)
 Sponsorship game: É jogado para construer uma base forte, neste caso
através do uso de supervisors. Os indivíduos ligam-se a alguém com um
status maior, oferecendo lealdade em troca de poder na organização.
(ex. Tubarão->> Biologia)
 Alliance-building game: Jogado aos pares – normalmente por line
managers e alguns experts – os quais negoceiam os contrastes implicítos
de suporte para cada um, na tentativa de construer uma base forte para
os dois (grupos ou indivíduais) poderem ascender na organização.
 Empire building game: Costuma ser jogado, particularmente, por line
managers, para construer as bases fortes, mas não de uma maneira
cooperativa como o anterior, mas individualmente com subordinados (
ou seja, com indivíduos com posições inferiores )
 Budgeting game: É jogado abertamente e com regras bem defenidas
para construir a base de forma semelhante ao jogo anterior, mas de
forma menos dividida, uma vez que o preço são os recursos.
 Expertise game: Uso não sancionado de pessoas experientes para
construir a base, quer por fingimento ou ostentação.
 Lording game: Jogado para construir uma base forte através da
utilização do dominio legítimo sobre aqueles que não o têm.
 Line VS staff game: É um jogo semelhante à rivalidade de irmãos, jogado
não só para obter ganho (poder) mas também para derrotar o outro. De
um lado têm-se os managers, com autoridade para a tomada de
decisões formal VS os staff advisors com conhecimento especializado.
 Rival camps game: Tal como o anterior, é jogado para derrotar um rival.
Costuma acontecer quando a Allience ou o empire-building resultam em
2 blocos maiores. Pode ser o jogo que mais divide uma empresa.
 Strategic candidates game: É jogado quando se quer fazer mudanças na
orgnaização: Os indivídous ou grupos tentam promover, através de
significados politicos, as mudanças que lhe(s) são favoráveis, podendo
até mesmo contratar ou utilizar técnicas específicas de outros.
 Whistle-blowing game: Jogo pequeno e simples, também jogado para
promover alterações como o jogo anterior. Informação priveligiada é
utilizada por indíviduos de dentro da organização, normalmente por um
que se situe na base hierarquica, para que este faça soar um “apito” que
seja possivel ouvir do lado de fora ( ambiente externo) da organização e
desta maneira influenciar quem ouviu o apito a investigar e ver (ou não)
coisas más que a organização está a fazer – normalmente aos da base –
 (ultimo) Young turks game: É jogado pela posição mais a cima que
houver, mas não para afetar uma simples parte ou tarefa, mas sim para
reorientar a organização no seu total.
Todos estes jogos politicos induzem o conflito (direto ou indireto).
A política e o conflito podem co-existir em 2 diferentes níveis:
- Política e conflito estão na organização, mas nenhum deles é dominante;
- Quando a política é o sistema de influência;
<21> Forms of political organizations
Uma vez que o que nos focamos no poder e não na estrutura, não há nenhum
método de preferência de coordenação, tudo depende da fluidez do poder
informal, marcado por problemas individuais.
Estive este tempo todo a falar de organizações…. Mas como é que este tipo de
organizações são criadas?
Era uma vez um conflitozinho. O conflito, na sua forma inicial (dai o nome:
conflitozinho) apanha o autocarro e chega à paragem onde se encontra a
organização. Como ele não pode entrar lá diretamente, uma vez que a
organização possui seguiranças, ele terá de se esconder entre 2 unidades e
terá de brincar aos espiões. Caso seja apanhado, ele é posto for a da
organização. Caso não o seja, el epode fazer a sua revelação num monento
inesperado, criando rumores entre os indivíduos da organização, fazendo com
que a notícia da sua chegada se espalhe rapidamente. A notícia da existência
dele, torna-o num conflito já adulto, e este divide a organização em grupos.
Mas, poucas são as organizações que conseguem sustentar 2 ou mais grupos
em conflito durante muito tempo, pelo que ou a organização acaba ou o
próprio conflito acaba por se moderar e acalmar os grupos.
Segundo esta breve história da vida de um conflitozinho, pode-se retirar 3
conclusões: ( sobre o conflito)
-Moderado ou intenso
-confinado ou penetrante
-(duradora ou breve) este liga-se ao primeiro pq: conflito intenso->breve;
conflito moderado->duradouro.

Estas dimenões que o conflito pode tomar leva-o a criar 4 formas de


organização política:
<22> Formas de organização política
Existem 4 formas:
 Confrontação: Conflito intense, limitado e breve; (instável)
 Aliança Fraca: Conflito moderado, limitado e com duração (
relativamente estável)
 Organização Politizada: Conflito moderado, penetrante e com duração. (
estável)
 Arena política complete: conflito intense, penetrante e breve. ( muito
instável )
Tal como os seres vivos, a organização também possui ciclos de vida ( bastante
intensos até!)
<23> Ciclos de vida
Existem 3 estádios de desenvolvimento no que toca ao desenvolvimento
organizacional:
 Impetus (1º): Existe uma pressão que é feita por algum tipo de influencia
( seja ele pessoa ou outra organização), que vai realinhar ou refazer o
Sistema básico de poder. Essas pressões podem chegar pelos seus pés
ou podem ser consequências de outras mudanças.
 Development (2º): Essas pressões desafiam a ordem de poder existente,
produzindo alterações nos diferentes grupos. Quando há resistência por
parte da organização, as políticas são postas à prova, para que acabe (ou
modere) o conflito de modo a não acabar com a organização.
 Resolution (3º): De todo o processo anterior, resultam 3 possiveis
resultados: 1)Alguem ganhar; 2) O conflito acaba com a organização; 3)
O conflito continua mas de forma moderada para que a organização
sobreviva;
-FALTA A PARTE DE “POLITICS IN THE CONVENTIONAL CONFIGURATIONS”-

<24>O papel funcional da polìtica nas organizações


(Ler o que está no Quadro e fazer a conclusão.)
Conclusão: video