Você está na página 1de 57

MODELO DE

ATRAÇÃO DE AUTOMÓVEIS POR


SHOPPING CENTER
GLAUCIA GUIMARÃES PEREIRA
Prefeitura do Município de São Paulo Boletim Técnico 46
Gilberto Kassab
DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E
Secretaria Municipal de Transportes EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO
Irineu Gnecco Filho
Marcelo Cardinale Branco
SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO
Companhia de Engenharia de Tráfego
Ricardo de Oliveira Laiza
Presidência
GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, LOGÍSTICA E
Marcelo Cardinale Branco ESTUDOS DE TRÁFEGO
Daphne Savoy
Diretoria de Operações
Eduardo Macabelli DEPARTAMENTO DE SIMULAÇÃO E PESQUISA DE
TRÁFEGO
Diretoria Administrativa e Financeira Paulo Seiti Ueta
Luiz Alberto dos Reis
TEXTO
Diretoria de Planejamento e Educação de Trânsito Glaucia Guimarães Pereira

Irineu Gnecco Filho EQUIPE TÉCNICA


Glaucia Guimarães Pereira
Diretoria-Adjunta de Sinalização Marcelo Palhares
Valter Luiz Vendramin Maurício Coiado
Orlírio de Souza Tourinho Neto
Diretoria de Representação Paulo Seiti Ueta
Adelmo Vanuchi Solange Maria Reis
Pedro Paulo Abel Balbo (Estagiário)
Edição do texto:
EQUIPE DE CAMPO
Núcleo da Gestão do Conhecimento e da Documentação Altanir Augusto Bernardes
Técnica - NCT Augusta Tigre de Almeida
- Heloisa Martins Eduardo Carvalho Pereira
- Ivete Pontes Oddone José Gonçalves da Fonseca
José Roberto do Amaral
Foto da capa: Nelson Simões Pereira
Marcelo Fortim Paula D. Bergamasco Carvalho
Pedro Edmar Selegnin
Rodrigo Rodrigues da S. Santos
Edição
Wagner Ciffarelli Funes
Gerência de Marketing e Comunicação
Rosalina Correa da Silva AGRADECIMENTOS
Silvia Monteiro Sophia, Fabio Cutolo Silveira, Sérgio
Sola e empreendimentos participantes.
Departamento de Marketing
Rafael Teruki Kanki
BOLETIM TÉCNICO 46

MODELO DE
ATRAÇÃO DE AUTOMÓVEIS POR
SHOPPING CENTER

GLAUCIA GUIMARÃES PEREIRA


A coleção Boletins Técnicos, publicada pela CET desde a década de 1970, tem
entre seus principais objetivos divulgar estudos e projetos de Engenharia de Tráfego,
bem como difundir os trabalhos produzidos pela equipe técnica da CET.
O caráter inédito e o fato de serem experiências de interesse nacional tornaram a
publicação uma referência bibliográfica obrigatória e fonte de ideias e subsídios para
vários orgãos de gestão de trânsito.
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

8
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

ÍNDICE
1. Apresentação 11

2. Breve Contexto 13

2.1 Histórico da legislação


3. Síntese dos Modelos 17

3.1 Cálculos
3.2 Exemplos de Aplicação

4. Metodologia 21

4.1 Construção dos modelos


4.2 Coleta de Dados

5. Análise de Dados 29

5.1 Análise Exploratória dos Dados


5.2 Caracterização da amostra

5.3 Área computável

5.4 Quantidade de Vagas

5.5 Demanda de Atração Diária

6. Modelo de Vagas de Estacionamento 39

7. Modelos de Demanda de Atração Diária 43

7.1 Modelos de atração de demanda diária por dia da semana


7.2 Validação dos Modelos

7.3 Carregamento viário

8. Considerações Finais 57

Referências Bibliográficas 58

9
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

10
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

1. APRESENTAÇÃO

Este boletim técnico surgiu da necessidade de revisão de alguns modelos de polos geradores
de tráfego utilizados pela CET. As transformações do cenário urbano levam à necessidade
de revisão dos modelos, pois o padrão de viagens da população depende, entre outros, da
distribuição espacial de produtos e serviços na cidade.

Dando início à série de revisões, o modelo de atração de viagens de shopping center foi o
primeiro a ser estudado porque estes são importantes polos geradores de tráfego justamente
pela variedade de produtos e serviços oferecidos. Ademais, já vinha sendo constatado nos
estudos de impacto de tráfego que o modelo em vigor na CET não estava completamente
adequado à atual realidade de ocupação da cidade e precisava ser revisto.

O trabalho que foi idealizado inicialmente como uma revisão, passou a ser mais que uma
atualização e consistiu em um aprimoramento do método tradicionalmente adotado. Assim,
o objetivo do presente trabalho foi construir novos modelos de atração de viagens de Shopping
Center na cidade de São Paulo.

O Boletim 46 pretende ser mais do que um manual de consulta de como aplicar um modelo
de atração de automóveis por shopping center, pois apresenta, mesmo de forma não
exaustiva, toda a complexidade envolvida na construção de um modelo de atração de viagens.

Incluindo-se esta apresentação, o boletim técnico está dividido em 8 capítulos. O histórico


dos modelos de shopping center em São Paulo e seu contexto em 2009 são mostrados no
Capítulo 2. Em seguida, no Capítulo 3 é apresentada a síntese dos modelos de vagas de
estacionamento e de demanda de atração e como usá-los na prática. Na sequência, a
metodologia no Capítulo 4 e a análise exploratória de dados no Capítulo 5 proporcionam ao
leitor as principais dificuldades encontradas e decisões tomadas durante o desenvolvimento
do trabalho. Os modelos de vagas de estacionamento e os modelos de demanda de atração
estão em dois capítulos separados, 6 e 7. O último capítulo contém as conclusões e
considerações finais.

11
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

12
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

2. BREVE CONTEXTO

No Decreto Municipal 15.980/79, pioneiro, mas não em vigor, definem-se como polos
geradores de tráfego “as edificações ou instalações que exercem grande atratividade sobre
a população, mediante a oferta de bens ou serviços, gerando elevado número de viagens,
com substanciais interferências no tráfego do entorno e a necessidade de grandes espaços
para estacionamento ou carga e descarga”.

Shopping center pode ser definido como “centro comercial de arquitetura específica,
geralmente reunindo lojas de produtos muito variados, além de restaurantes, cinemas, teatros,
boates etc” (DICIONÁRIO HOUAISS, 2010).

Segundo ABRASCE (Associação Brasileira de Shopping Centers apud Portugal e Goldner,


2003), “o shopping center é um centro comercial planejado, sob administração única e
centralizada, e que:

· seja composto de lojas destinadas à exploração de ramos diversificados de comércio


e prestação de serviços, e que permaneçam, em sua maior parte, objeto de locação;
· estejam os locatários sujeitos às normas contratuais padronizadas, visando à
manutenção do equilíbrio da oferta e da funcionalização, para assegurar, como objetivo
básico, a conveniência integrada;
· varie o preço da locação, ao menos em parte, de acordo com o faturamento dos
locatários;
· ofereça a seus usuários estacionamento permanente e tecnicamente bastante.”
É interessante destacar o último item, que indica que a definição de shopping center passa
pela existência de vagas de estacionamento.

A CET publicou dois boletins técnicos sobre polos geradores de tráfego. O Boletim Técnico
32 (CET, 1983) é importante por ser o trabalho inicial que descreve os estudos, as atividades
e a legislação no âmbito dos polos geradores de tráfego, bem como a atuação da CET junto
aos empreendimentos. O Boletim Técnico 36 (CET, 2000) traz atualizações de modelos de
atração de viagens para alguns tipos de polos geradores, inclusive o modelo de atração de
viagens para shopping center adotado nas avaliações para aprovação de projetos.

13
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Em 1995, ano do último levantamento que culminou no modelo de atração de viagens de


shopping centers, a cidade de São Paulo tinha aproximadamente 9,8 milhões de residentes
(SEADE, 2003). Em 2009, a cidade contava com 11 milhões residentes, resultando em um
crescimento de 12% no período (SEADE, 2010). De acordo com levantamento das datas de
inauguração dos shopping centers, realizado pela CET em diversas fontes, o número de
estabelecimentos deste tipo passou de 27 em 1995 para 49 em 2009. O Gráfico 1ilustra esta
evolução.

Gráfico 1 - Quantidade de shopping centers inaugurados e por ano


O aumento do número de shopping centers e a dinâmica urbana de uso e ocupação do solo
levaram a uma descentralização dos empreendimentos. Antes concentrados em algumas
regiões da cidade, hoje são encontrados também em regiões mais afastadas do centro.
Neste contexto, torna-se importante a revisão do modelo de atração de viagens por shopping
centers.

2.1 Histórico da legislação

O histórico comentado da legislação sobre polos geradores de tráfego na cidade de São


Paulo é encontrado no Boletim Técnico 36 (CET, 2000). No Quadro 1, apresentam-se as
ementas das leis e decretos municipais citados naquele boletim técnico e de duas leis
municipais, 13.885/04 e 15.150/10, publicadas posteriormente.

A Lei Municipal 15.150/10 revoga a Lei 10.334/87 e artigos da Lei 10.506/88, define polos
geradores de tráfego – PGT e áreas especiais de tráfego – AET.

14
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Atualmente, no caso de empreendimento do tipo shopping center, é usada a Lei Municipal


13.885/04 que determina o mínimo de 1 vaga para cada 35 m² de área computável.

Quadro 1 – Legislação Polos Geradores de Tráfego

Fonte: SÃO PAULO (2010)

Portugal e Goldner (2003) é outra fonte de consulta sobre legislação de pólos geradores de
tráfego, inclusive de outras cidades e outros países.

Ressalta-se que a análise de pólos geradores de tráfego no município de São Paulo envolve
ainda a consulta a leis específicas aplicadas a determinados usos do solo (teatro, cinema,
hotéis etc.) ou operações urbanas. Mais informações sobre PGT podem ser consultadas na
internet nos sítios da CET (www.cetsp.com.br) e da Prefeitura Municipal de São Paulo
(www.prefeitura.sp.gov.br).

15
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

16
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

3. SÍNTESE DOS MODELOS

Neste trabalho, os modelos determinam o número mínimo de vagas de estacionamento do


shopping center, a demanda diária de atração de automóveis por dia da semana e o
carregamento viário adicional às vias do entorno do shopping center.

Os dados de entrada e saída de automóveis foram coletados de sistemas de controle de


acesso dos shopping centers. São apresentados quatro modelos de demanda de atração
diária, pois se verificou diferença nas demandas de atração por dia da semana. O agrupamento
dos dias da semana foi realizado por teste estatístico. O número de vagas de estacionamento
é determinado por uma única equação, que foi elaborada considerando-se a ocupação
máxima ocorrida em cada shopping center.

Assim, são apresentados cinco modelos:

- Vagas de estacionamento
- Demanda de Atração Diária – Segunda-feira a quinta-feira
- Demanda de Atração Diária – Sexta-feira
- Demanda de Atração Diária – Sábado
- Demanda de Atração Diária – Domingo

A variável preditiva dos modelos, tanto para o cálculo do número de vagas de estacionamento
quanto para o cálculo da demanda de atração diária, é a área computável.

Para obtenção do carregamento viário são usados modelos de demanda de atração diária e
percentuais de distribuição horários, que variam por dia da semana. A demanda de atração
diária é multiplicada pelos percentuais de entrada e saída da hora de interesse. Na avaliação,
é preciso considerar a soma resultante do volume já existente na via e do volume de tráfego
gerado pelo empreendimento.

Os modelos estão sintetizados na página 18.

17
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

3.1 Cálculos

18
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

3.2 Exemplos de Aplicação

Novo shopping center

· Área computável: 50 mil m²

· Entrada e saída na mesma via (somam-se percentuais de entrada e saída)

· Hora de interesse do estudo: 17h às 18h

No exemplo apresentado, foram previstas 1.760 vagas de estacionamento.

Como entradas e saídas são localizadas na mesma via, é necessário somar as quantidades
de veículos que entram e que saem.

19
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Ampliação de shopping center

· Área computável antes da ampliação: 30.500 m²

· Área computável de ampliação: 10.700 m²

· Área computável total: 41.200 m²

· Entrada e saída em vias diferentes, interesse na via de saída

· Hora de interesse do estudo: 21h às 22h

Neste exemplo, a área computável final do shopping center é 41.200 m², que é a área
computável que deve ser aplicada ao modelo. A quantidade de vagas prevista foi 1.450. O
carregamento viário adicional de saída aos sábados das 21 às 22h foi estimado em 563
veículos.

Atentar para o fato que a área computável total deve ser usada no cálculo.

20
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

4. METODOLOGIA

Esta parte do trabalho contempla as considerações feitas na elaboração dos modelos de


vagas de estacionamento e de demanda de atração de viagens de automóveis. Diversas
modificações foram realizadas em relação aos modelos publicados anteriormente pela CET
nos boletins técnicos nº 32 (1983) e nº 36 (2000).

A parte metodológica é bastante detalhada, de tal forma que pode ser lida principalmente por
interessados na construção passo a passo dos modelos.

Algumas análises que foram realizadas, mas que não fizeram parte do cerne do trabalho,
como por exemplo, a tentativa de inclusão de outras variáveis preditivas no modelo, também
são mostradas aqui.

4.1 Construção dos modelos

Um modelo de atração de viagens, como o próprio nome diz, tem como objetivo prever a
quantidade de viagens atraídas por um polo gerador de tráfego. No contexto dos shopping
centers, vale ressaltar também que as viagens atraídas são iguais em número às viagens
produzidas no dia.

Na prática, no âmbito do estudo de impacto de tráfego, um modelo de atração de viagens por


automóvel precisa determinar o número mínimo de vagas de estacionamento do
empreendimento e estimar o carregamento viário adicional por hora decorrente deste.

O número de vagas de estacionamento deve ser suficiente para que não ocorra
congestionamento nas entradas e saídas do empreendimento, e é desejável que os
automóveis atraídos não precisem estacionar nas vias do entorno do empreendimento.
Idealmente, todo o tráfego de automóveis atraído pelo polo deve ficar acomodado dentro
deste.

Por outro lado, um número de vagas superestimado deixa espaço ocioso no empreendimento.
A área subutilizada, além de não gerar receita, acarreta custo de manutenção aos
empreendedores. Neste contexto, o desafio do modelo de atração é ser adequado para não
superestimar nem subestimar o número de vagas de estacionamento. As considerações
feitas durante a construção dos modelos visaram sempre este delineamento.

Os modelos de atração de automóveis por shopping center se baseiam na hipótese de que


existe uma relação entre o tamanho do empreendimento e a demanda de viagens, sendo
que quanto maior o empreendimento, maior a quantidade de veículos atraídos. No caso, a
medida de grandeza comumente associada ao empreendimento é uma área. Assim como
nos modelos anteriores publicados pela CET, a área computável foi utilizada como variável
preditiva da atração de veículos.

21
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

A área construída computável, denominada neste trabalho de área computável, é a soma


das áreas cobertas de todos os pavimentos de uma edificação que são consideradas para o
cálculo do coeficiente de aproveitamento. Por sua vez, o coeficiente de aproveitamento é
determinado pelo Plano Diretor Estratégico - PDE do Município de São Paulo (Lei Municipal
13.430/2002), pelas leis e disposições que regulamentam o Estatuto da Cidade (Lei Federal
10.257/2001) e leis específicas que constam do Art. 270 do PDE, como a lei de parcelamento,
uso e ocupação do solo. De forma geral, não são computadas para fins do coeficiente de
aproveitamento as áreas de garagem, estacionamento, carga e descarga, manobra de
veículos, ático e caixa d’água.

O fato da área de estacionamento não estar incluída na área computável facilita a projeção
do número de vagas necessárias ao empreendimento. Além disso, não é necessária a
correção da área computável após o cálculo de vagas de estacionamento.

Os modelos anteriores publicados pela CET consistiam em dois modelos de previsão de


demanda diária, um para sexta-feira e outro para sábado. Estes modelos não forneciam
diretamente o número de vagas. Para se obter a quantidade de vagas de estacionamento, a
previsão de demanda era multiplicada por taxas de ocupação desses dias, e o maior resultado
era escolhido. Para estimativa do carregamento viário, eram fornecidos gráficos de percentuais
de entradas e saídas a cada meia hora. Assim, o volume de tráfego da via estudada podia
ser combinado com o carregamento viário adicional gerado pelo empreendimento em uma
dada hora.

Diferentemente dos modelos anteriores publicados pela CET, este trabalho apresenta um
modelo para previsão de vagas de estacionamento e outros modelos para previsão de
demanda diária por dia da semana.

O fundamento para utilizar um único modelo para previsão de vagas de estacionamento


parte do princípio de que o número de vagas não muda ao longo da semana. Assim, deve ser
previsto sempre o maior número de vagas, não importando se a maior demanda de um dado
shopping center é sexta-feira, sábado, domingo ou outro dia da semana. Devido à variedade
de produtos e serviços oferecidos pelos shopping centers em São Paulo, eventualmente, a
maior demanda de automóveis pode ocorrer em dias da semana diferentes de sexta-feira e
sábado.

O modelo de previsão de vagas foi construído com base na ocupação horária do


estacionamento, que é dada pela diferença entre entradas e saídas mais o saldo da hora
anterior. O detalhamento do cálculo de ocupação é apresentado no Capítulo 5.

Os modelos de previsão de demanda diária fornecem dados para estudo do carregamento


viário entre 8h e 24h e variam para cada dia da semana.

Nos modelos aqui tratados as viagens realizadas por outros modos de transporte não são
contempladas.

22
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Outras considerações

Neste estudo foi considerada a hipótese de se utilizar a área bruta locável como variável
explicativa, pois é comumente usada em trabalhos descritos na literatura (JACOBSEN, CYBIS,
LINDAU, 2009), mas a hipótese foi descartada porque esta área pode variar após a inauguração
do empreendimento. Assim, com o intuito de assegurar a transparência no processo de
estudo de impacto viário, optou-se por uma variável preditiva que não possa mudar sem o
conhecimento do poder público, como é a área computável, haja vista que obras de ampliação
do shopping center devem ser comunicadas e aprovadas junto à Prefeitura de São Paulo e
seus órgãos responsáveis.

Sabe-se que, devido à grande diversidade de usos e serviços entre os shopping centers, a
área computável não explica totalmente a quantidade de automóveis atraídos. Outras variáveis
preditivas foram testadas juntamente com a área computável, como o número de lojas do
shopping center e a quantidade de linhas de ônibus que atende o entorno do estabelecimento.
Vale notar que só são consideradas possíveis de uso aquelas variáveis preditivas que são de
conhecimento público no momento da construção ou da ampliação do shopping center.

Nos estudos de regressão multivariada realizados, o número de lojas não teve resultados
estatisticamente significativos.

Indicadores de microacessibilidade, como qualificação do terminal de transporte coletivo,


condições de caminhamento do pedestre e condições de segurança do pedestre ao caminhar
também foram contempladas para serem utilizadas em análises multicritério. Em vistorias
realizadas em alguns shopping centers, constatou-se grande variedade das condições de
acessibilidade. Por esta razão não foi possível determinar um indicador único e robusto que
pudesse ser usado como variável preditiva dos modelos.

A quantidade de linhas urbanas de ônibus por sentido de tráfego num raio de 500 metros do
empreendimento foi testada como um indicador de macroacessibilidade ao shopping center.
Constatou-se um pequeno impacto negativo no número de vagas, isto é, uma quantidade
maior de linhas de ônibus na região reduz um pouco a quantidade de vagas de estacionamento
necessárias. Este estudo exploratório pareceu promissor, apesar de ter sido testada apenas
a distância arbitrária de 500 metros. Por outro lado, a quantidade de linhas de ônibus pode
variar ao longo do tempo, e não seria plausível adotar um procedimento de cálculo de vagas
de estacionamento que variasse com mudanças ocorridas na cidade.

Por meio de variável dummy (variável do tipo sim ou não), testou-se também um modelo que
contemplava a presença de integração do Metrô com o shopping center. Em São Paulo, há
estabelecimentos integrados ao Metrô, onde um dos acessos do Metrô é diretamente ligado
ao shopping center. Os resultados não foram significativos.

Sendo assim, os modelos de previsão de viagens continuam usando como variável preditiva
somente a área computável do shopping center.

23
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

4.2 Coleta de Dados

Para construção dos modelos de vagas de estacionamento e de demanda diária de


automóveis são necessários dados de entradas e saídas de veículos por hora e a área
computável de cada shopping center.

A coleta de dados de entrada e saída de veículos foi realizada primordialmente por solicitação
aos shopping centers. Este procedimento foi possível graças à tecnologia de controle de
acesso presente na maioria dos estabelecimentos, que registra eletronicamente os horários
de entrada e saída dos veículos.

A solicitação de dados aos shopping centers teve como principal vantagem a sincronicidade
dos dados. Foram solicitados dados de um mesmo mês a todos os estabelecimentos, das
8h às 24h. Caso a pesquisa fosse feita por contagem volumétrica manual, não haveria recurso
suficiente para cobrir vários shopping centers ao mesmo tempo. Ademais, foi possível trabalhar
com dados horários do dia todo. Os dados foram recebidos em formato eletrônico, o que
facilitou o trabalho de tabulação. No geral, o custo de operação foi bastante reduzido.

Primeiramente, com intuito de comparar os dados com os modelos anteriores, foram


solicitadas entradas e saídas de veículos a cada meia hora. Entretanto, os gestores dos
estabelecimentos informaram à CET que os programas de computador que gerenciam dados
de entrada e saída presentes na maioria dos shopping centers fornecem relatórios
padronizados a cada uma hora. Assim, para agilizar e garantir o recebimento dos dados,
optou-se por trabalhar com dados a cada hora cheia. Os modelos da carta de solicitação
dos dados e da planilha de entradas e saídas são apresentados nas páginas 26 e 27.

Há de se considerar que esta forma de cálculo tem precisão menor do que as pesquisas
observacionais de ocupação, pois pode ter havido um pico de ocupação dentro da hora não
detectado pelo método.

Uma restrição do método de pesquisa adotado foi não realizar pesquisas no entorno do
empreendimento, a fim de identificar automóveis atraídos pelo shopping center que não
entraram no estacionamento.

O trabalho teve como referência o mês de setembro de 2009. Alguns fatores foram
considerados nesta escolha, como o fato do mês de setembro não conter datas
comemorativas que geram aumento de viagens aos shopping centers, como por exemplo
dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados e Natal, e não ser época de
férias escolares. Há o feriado de Independência em 7 de setembro, que em 2009 ocorreu em
uma segunda-feira. Os dados de feriado foram usados normalmente porque há feriados em
praticamente todos os meses do ano. Em termos gerais, o mês de setembro pode ser
considerado um mês típico, tanto sob o ponto de vista do trânsito como da atividade comercial.

Em 2009 ocorreram dois fatos marcantes que devem ser lembrados. A crise econômica
mundial e o surto de gripe suína no Brasil. Em relação à crise econômica, é importante
destacar que em setembro de 2009 a economia de São Paulo já indicava sinais de
recuperação. Como indicativo da recuperação econômica das atividades, pode-se citar um
aumento do índice de lentidão medido pela CET de 17% frente a setembro de 2008.

24
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Em relação à gripe suína, as férias escolares de julho foram prolongadas, e as escolas


voltaram às atividades em agosto. Assim, apesar do contexto histórico, acredita-se que usar
dados de setembro de 2009 não subestime a previsão dos modelos de demanda.

Com relação ao tamanho da amostra, em 2009, a cidade de São Paulo contava com mais
de 40 estabelecimentos do tipo shopping center, de variados portes (ABRASCE, 2010). Foram
solicitados dados a 23 shopping centers, que foram escolhidos por serem representativos
para a cidade. A CET já tinha posse de dados de entrada e saída horária de um shopping
center.

Com o intuito de aferir as informações recebidas, realizaram-se contagens volumétricas em


quatro shopping centers, em novembro de 2009, em alguns horários, aos sábados.

Os dados de área computável dos shopping centers foram obtidos nas certidões de diretrizes
emitidas pela Secretaria Municipal de Transportes - SMT, disponíveis em arquivo da CET nos
processos de construção ou últimas reformas dos estabelecimentos em setembro de 2009.
Das mesmas certidões foram extraídas as quantidades de vagas projetadas para cada
shopping center naquela data.

Em 2010, também foram solicitados a alguns shopping centers os dados horários de entradas
e saídas de todo o ano de 2009, porém somente um shopping center enviou os dados até o
fechamento deste trabalho. Os dados anuais deste único shopping center serviram para
comparar os dados de setembro com o restante do ano. Este comparativo indicou que, de
fato, o mês de setembro é um mês típico.

25
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Modelos carta de solicitação e de planilha

26
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

27
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

28
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

5. ANÁLISE DE DADOS
Neste capítulo são relatadas as dificuldades encontradas e as soluções adotadas na análise
dos dados. Espera-se que as experiências relatadas aqui auxiliem na elaboração de outros
estudos de modelagem de demanda.

Primeiramente, os dados disponíveis e recebidos foram consistidos e sistematizados em


uma base de dados para facilitar as tabulações e análises. Para isso, foram utilizados os
programas Microsoft Excel 2007 e SPSS 18. Como o processo de análise de dados do
trabalho foi complexo, são mostradas as diversas situações encontradas, não
necessariamente na ordem em que ocorreram.

De acordo com a carta de solicitação, os dados permanecem mantidos sob sigilo, de tal
forma não ser possível identificar os empreendimentos participantes da pesquisa. Foram
elaborados gráficos ilustrativos para transmitir com mais clareza os conceitos utilizados nas
análises realizadas.

5.1 Análise Exploratória dos Dados

Dos vinte e três shopping centers selecionados para a pesquisa, todos enviaram os dados.
Porém, nem todos os dados foram enviados conforme o formato solicitado.

Quatro empreendimentos não enviaram dados no período das 8h às 24h, faltando em um


extremo do dia (08h às 23h, 08h às 22h, 09h às 24h e 10h às 24h). Estes empreendimentos
foram contemplados no modelo de vagas de estacionamento, mas não no modelo de
demanda diária.

Outros quatro empreendimentos não enviaram os dados por hora, fornecendo somente a
demanda diária, sendo que três destes enviaram dados do dia todo e um das 10 às 24h.
Como não havia dados horários, estes casos foram usados na validação dos modelos de
demanda diária.

Alguns shopping centers enviaram dados horários de 24 horas do dia, e não somente das 8h
às 24h como solicitado. Por causa disso, todos os dados foram colocados no formato das
00h às 24h em cada dia, para que cada shopping center tivesse a mesma quantidade de
registros na planilha de dados em estudo.

Como dito, a CET já dispunha de dados de um shopping center. Estes dados eram de abril
de 2008, mês que também não contém datas comemorativas. Um dos estabelecimentos
enviou dados de outubro de 2009, que apesar de conter uma data comemorativa (dia das
crianças), foi usado para construção do modelo.

Para cada dia registrado de cada shopping center, foi verificado se o total de entradas
veiculares era compatível com o total de saídas. Notou-se que na maioria dos shopping

29
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

centers, o número de entradas não é exatamente igual ao número de saídas, mas estes
números são próximos. Isto provavelmente ocorre em alguns shopping centers por haver
entradas e saídas entre 00h e 08h, não solicitadas aos empreendimentos. Em outros casos,
o shopping center pode ter acessos especiais para funcionários, que ora usam ora não
usam as entradas controladas.

Outra questão abordada foi a ocorrência de clientes mensalistas do estabelecimento. Quando


os dados de clientes mensalistas foram totalizados por dia, foi feita distribuição proporcional
às entradas e saídas horárias de cada shopping center.

Houve um caso de um shopping center em que a quantidade de entradas era muito superior
a de saídas. Em contato com o administrador do shopping center, foi informado que era
costume do estabelecimento imprimir previamente os controles de entrada, para então um
funcionário entregar ao motorista. Como nem todos os controles de entrada eram usados no
mesmo dia, os dados indicavam grande quantidade de veículos no interior do shopping center
à meia-noite. Por esta razão, não foi possível usar os dados deste shopping center na
construção do modelo.

Houve também casos de registros com dados zerados em alguns dias. Quando a frequência
de dias com este tipo de ocorrência foi alta para um determinado shopping center, este foi
descartado da análise. Em outros casos, apenas parte de um dia estava zerado,
provavelmente por falha no sistema dos shopping centers, e apenas o dia em questão foi
descartado.

No Gráfico 2 apresenta-se um exemplo de um dia com registros de entradas, saídas e


ocupação totalizados por hora para um shopping center. Neste exemplo, nota-se o pico de
ocupação entre 19h e 20h. Como esperado, a curva de saída é defasada da curva de entrada.

Gráfico 2 - Exemplo de dados de entrada, saída e ocupação

30
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Como entradas e saídas não são iguais em alguns dias, há situações nas quais o cálculo de
ocupação resulta negativo em algum momento do dia. Embora esta situação seja possível
matematicamente, na realidade não é possível saírem mais veículos do que entraram.

Os motivos da ocorrência de valores muito negativos foram investigados, considerando-se


por muito negativos valores absolutos maiores do que 10% do número de vagas atuais.
Quando não foi possível correção, os registros do dia do shopping center foram excluídos.

Para ajustar os valores pouco negativos, que indicam alguma falha de controle nos acessos,
foram feitas diversas tentativas. Após diferentes alternativas, adotou-se o seguinte
procedimento: feito o cálculo da ocupação horária por dia do shopping center, o maior valor
absoluto negativo foi somado à primeira entrada, entre 00h e 1h. Este procedimento visou à
correção por valores não arbitrários e que não subestimassem a ocupação. Na Tabela 1
ilustra-se um exemplo de correção para um dia de um shopping center.

Tabela 1 - Exemplo de correção de dados de entrada

Os dados corrigidos de entrada foram usados para construção dos modelos de demanda
diária. Os dados corrigidos de ocupação foram usados para construção do modelo de vagas
de estacionamento.

Foi realizada, em novembro de 2009, aferição dos dados recebidos em quatro shopping
centers que já haviam enviado os dados solicitados. As pesquisas foram realizadas aos

31
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

sábados. No geral, a aferição foi satisfatória. Os dados de contagem manual foram ligeiramente
maiores nas entradas (média de 4%) e nas saídas (média de 5%). Como as contagens
foram feitas em apenas alguns horários, e em meses diferentes, os dados foram
considerados válidos. Este é um resultado importante, pois confirma que apesar do baixo
custo de solicitar dados a terceiros, o modelo não foi baseado em dados distorcidos.

Em resumo, dos dados de vinte e quatro shopping centers do estudo, dezesseis foram
usados na construção do modelo de vagas de estacionamento. Destes dezesseis, doze
foram usados na construção dos modelos de demanda diária. Dados de outros quatro
diferentes shopping centers foram usados na validação dos modelos de demanda diária. Na
Figura 1 ilustra-se a amostragem considerada na elaboração dos modelos.

Figura 1 - Divisão da amostra

5.2 Caracterização da amostra


Os shopping centers são caracterizados por uma grande variedade de produtos e serviços
ofertados. Dentre os empreendimentos que compuseram a amostra há aqueles com
supermercados, hipermercados, cinema, academia de ginástica, serviços públicos etc. Para
fim do uso no modelo, todas as áreas foram consideradas.
Vale notar que muitos shopping centers em São Paulo possuem supermercado ou
hipermercado anexo ao empreendimento. Geralmente, não há separação física entre os
estacionamentos, o que torna difícil discriminar quantos veículos foram atraídos pelo shopping
center e quantos foram atraídos pelo supermercado ou por ambos. Assim, os modelos
construídos têm validade para shopping centers com ou sem supermercado.
Em relação a conjunto de escritórios junto a shopping centers, só foram considerados válidos
para amostra os shopping centers com acessos independentes de estacionamento, de tal
forma que os dados de entrada de veículos contemplados correspondem somente àqueles
automóveis atraídos pelo shopping center.

32
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Outros fatores importantes são que todos os shopping centers usados na construção dos
modelos têm estacionamento pago e localizam-se em diversas regiões da cidade.
5.3 Área computável
Os shopping centers que fizeram parte da construção do modelo de vagas de estacionamento
tinham em setembro de 2009 aproximadamente de 20 mil m² a 100 mil m² de área total computável.
No Gráfico 3 mostra-se a distribuição de frequências dos shopping centers a cada 10 mil m². No
caso, cinco empreendimentos da amostra estão entre 30 mil m² e 40 mil m².
Um modelo de regressão linear é válido para estimar valores no intervalo amostral da variável
preditiva (MARTINS, 2002; STEVENSON, 2001). Assim, o modelo de vagas de estacionamento
só deveria ser aplicado a shopping centers entre 20 mil m² e 100 mil m² de área computável,
seguindo o rigor estatístico da técnica. Sugere-se então usar o modelo com parcimônia para
empreendimentos que apresentem áreas computáveis fora do intervalo.

Frequência de Área Computável

Gráfico 3 - Distribuição da variável área computável

5.4 Quantidade de Vagas


O número de vagas do shopping center não pode ser usado na construção do novo modelo
de previsão como variável dependente, pois é resultante da aplicação da metodologia em
vigência em 2009, o que causaria um problema de recorrência matemática.
Desta forma, adotou-se uma variável proxy para o número de vagas. A ocupação horária
máxima do shopping center foi usada como variável proxy do número de vagas.
Uma variável proxy é conceitualmente diferente da variável que se quer medir, mas consiste
de uma boa aproximação para se usar no lugar da variável que não pode ser medida.

33
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Na construção do modelo de vagas de estacionamento foi usada a ocupação máxima de


cada shopping center. Assim, dezesseis valores foram usados na construção do modelo de
vagas. A opção de utilizar a ocupação máxima de cada shopping center teve como objetivo
não subestimar a previsão de vagas.

Comparando-se o número de vagas atual informado de cada shopping com a ocupação


máxima calculada, verifica-se que o aproveitamento médio das vagas foi em média de 83%.
No Gráfico 4 mostra-se a distribuição dos percentuais de ocupação máxima versus vagas
informadas dos 16 shopping centers, em ordem do menor para o maior percentual. Na maioria
dos casos, a ocupação máxima fica na faixa de 60% a 100% das vagas. Em quatro casos a
ocupação máxima superou o número de vagas. Para estes casos não é descartada a hipótese
de diferença entre a quantidade de vagas da Certidão de Diretrizes e a quantidade real de
vagas. Outro fator já citado é o período de uma hora do método de coleta, que não leva em
consideração o tempo de permanência do veículo no estacionamento.

Gráfico 4 - Percentual de vaga por ocupação máxima


5.5 Demanda de Atração Diária

Os modelos de demanda de atração diária propostos neste trabalho se assemelham aos


modelos publicados anteriormente pela CET. O objetivo final é estimar o carregamento veicular
adicional que utilizará o sistema viário do entorno do empreendimento. Para isso, o modelo
prevê a demanda de atração diária, e a distribui em percentuais horários.

Como já explicado na análise exploratória dos dados, alguns empreendimentos não enviaram
os dados horários das 8h às 24h. Desta forma, foram considerados dados dos doze shopping
centers que atenderam a este critério.

Os modelos de demanda de atração diária foram construídos com os dados de entrada.


Vale enfatizar que o ajuste feito nos dados de entrada para correção de ocupações negativas

34
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

ao longo do dia foi alocada das 0h às 1h, ou seja, não interfere no cálculo de demanda diária
proposto.

Nas publicações anteriores da CET e também em outras referências da literatura técnica, é


comum haver equações de demanda diária para sexta-feira e sábado.

Primeiramente, a pergunta a ser respondida é se existe diferença estatisticamente significativa


entre as demandas atraídas por dia da semana. E, se existe diferença, qual dia da semana
é diferente de qual.

A primeira pergunta pode ser respondida pela Análise de Variância (ANOVA), que indica se há
diferença entre as médias das entradas por dia da semana. Esta análise é importante para
se determinar a necessidade de mais de um modelo de demanda diária.

Após verificar a aplicabilidade da ANOVA, foi constatado que, ao nível de significância de 5%,
há diferença entre os dias da semana em relação à demanda de atração diária, ou seja, são
necessários modelos distintos de demanda de atração por dia da semana. Mas quais são os
dias com demanda diferenciada?

Em resposta, o teste de Tukey (VIEIRA, 2006), que compara médias duas a duas, foi usado
com intervalo de confiança de 99% para determinar qual dia da semana é diferente de qual.
O intervalo de confiança de 99% foi escolhido por haver na amostra dias de feriados, o que
poderia levar a conclusões falsas.

No Quadro 2 apresentam-se os dias da semana que foram identificados como diferentes


entre si. O par diferenciado foi indicado pelo símbolo ü. As informações são repetidas
simetricamente no quadro para facilitar a leitura.

Quadro 2 - Diferenças da demanda de atração entre dias da semana

Do Quadro 2 é possível observar que o dia de sábado é diferente de todos os outros dias da
semana. Logo, faz-se necessário um modelo de demanda de atração diária para sábado. O
dia de sexta-feira só não é diferente do dia de domingo. Assim, também se faz necessário
um modelo para as sextas-feiras. Os dias de segunda-feira, terça-feira, quarta-feira e quinta-
feira não são diferentes entre si. O dia de domingo é diferente de segunda-feira e terça-feira.

35
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Optou-se então pela construção de quatro modelos para dias distintos da semana: segunda-
feira a quinta-feira, sexta-feira, sábado e domingo. Como será visto adiante nos gráficos 6 e
8, a opção de ter um modelo de atração de demanda diária para domingo se deve mais ao
fato deste apresentar um perfil particular de horário de entradas e saídas do que à diferenciação
da quantidade de automóveis atraídos pelo shopping center às sextas-feiras.

O modelo de demanda de atração diária para dias de segunda-feira a quinta-feira pode ser
importante para regiões onde há outros polos geradores de tráfego que geram intensos
fluxos de veículos nesses dias.

Os modelos de demanda de atração diária foram construídos com a demanda máxima


observada para cada shopping center por dia da semana. Nos modelos de sexta-feira, sábado
e domingo foram considerados 16 valores para a regressão linear, uma para cada shopping
center. No caso do modelo de segunda-feira a quinta-feira, há quatro valores para cada
shopping center.

O carregamento viário adicional gerado pelo empreendimento é derivado da demanda diária


e do perfil horário das entradas e saídas. Os percentuais horários de entrada são obtidos
dividindo-se a entrada da hora pela soma de todas as entradas de um dia, das 8h às 24h,
para um determinado shopping center. O equivalente é feito para os dados de saída de
automóveis.

Nos gráficos de 5 a 8 apresentam-se as distribuições horárias de entradas e saídas por dia


da semana. Os valores médios percentuais de entradas e saídas são tratados estatisticamente
no cálculo do carregamento viário, descrito na página 46.

Gráfico 5 - Distribuições horárias de entradas e saídas – segunda-feira a quinta-feira

36
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Gráfico 6 - Distribuições horárias de entradas e saídas – sexta-feira

Gráfico 7 - Distribuições horárias de entradas e saídas – sábado

37
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Gráfico 8 - Distribuições horárias de entradas e saídas – domingo

38
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

6. MODELO DE VAGAS DE ESTACIONAMENTO

Esta parte do trabalho foi baseada em algumas referências bibliográficas da área de Estatística
(MARTINS, 2002; STEVENSON, 2001; VIEIRA, 2006).

O modelo de vagas de estacionamento foi construído por meio de regressão linear simples.
Os pressupostos básicos para aplicação da análise de regressão linear e os testes estatísticos
são comentados a seguir.

O Quadro 3 mostra os pressupostos básicos descritos em Vieira (2006). Na primeira coluna


consta o trecho retirado do livro, e na segunda coluna, há comentários a respeito de cada
item. Usando-se a terminologia do livro, “X” é a variável preditiva, no caso a área computável,
e “Y” é a variável dependente, no caso a ocupação como proxy do número de vagas de
estacionamento. Na segunda coluna constam indicações sobre o atendimento da
pressuposição e alguns comentários contextualizados, mas não exaustivos.

Quadro 3 - Pressuposições da regressão linear para vagas de estacionamento

39
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Conforme mencionado anteriormente, na elaboração do modelo foram consideradas


ocupação máxima horária calculadas para dezesseis shopping centers. A equação obtida
pelo método dos mínimos quadrados foi:

Vagas = Ac * 0,0352 - 261

O teste de hipótese que indica a existência de regressão linear foi significativo ao nível de
5%. Isto quer dizer que foi verificada a existência da relação entre quantidade de vagas e
área computável.

Já o teste de hipótese da existência do coeficiente linear da reta, o termo independente


não foi significativo ao nível de 5%. Isto quer dizer que não é possível afirmar que se pode
abater 261 unidades no modelo dentro da confiabilidade estipulada. Na prática, a previsão
do número de vagas de estacionamento será obtida multiplicando-se a área computável
pelo valor de 0,0352.

O coeficiente de determinação R², que é um indicador da qualidade do ajustamento foi de


0,75. Logo, 75% da variação da ocupação pode ser explicada pela área computável.

A análise gráfica de resíduos (diferença entre valores real e previsto), no Gráfico 9 a seguir,
mostra que não há indicação de dependência nos erros, pois não é possível identificar
visualmente algum padrão na dispersão dos pontos no gráfico. Para a não identificação
dos shopping centers, os valores de área e resíduos foram padronizados (valor menos a
média dividido pelo desvio-padrão, ou z score).

Gráfico 9 - Resíduos da Regressão Linear

40
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

O Quadro 4 resume os resultados do modelo de previsão de vagas de estacionamento.

Quadro 4 - Resumo do modelo de vagas de estacionamento

41
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

42
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

7. MODELOS DE DEMANDA DE ATRAÇÃO DIÁRIA

7.1 Modelos de atração de demanda diária por dia da semana

Os modelos de demanda de atração diária também foram obtidos por meio de regressão
linear simples.

Novamente, usando-se a terminologia de Vieira (2006), “X” é a variável preditiva, no caso a


área computável, e “Y” é a variável dependente, no caso a demanda diária. Os comentários
são válidos para os modelos dos quatro dias da semana considerados. No Quadro 5, alguns
comentários são os mesmos do modelo de vagas de estacionamento.

Quadro 5 - Pressuposições da regressão linear para demanda de atração diária

Os quadros 6, 7, 8 e 9 resumem os resultados da análise de regressão linear para cada dia


da semana. Em todos os quatro modelos o teste de hipótese de existência do coeficiente
angular foi significativo, ou seja, é possível prever a demanda de atração pela área computável
para qualquer dia da semana.

43
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Em nenhum dos quatro modelos o coeficiente linear foi significativo ao nível de 5%. Logo, a
demanda de atração diária é obtida multiplicando-se uma taxa que varia para cada dia, o que
simplifica o cálculo.
Quadro 6 - Modelo de demanda de atração - segunda-feira a quinta-feira

Quadro 7 - Modelo de demanda de atração - sexta-feira

44
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Quadro 8 - Modelo de demanda de atração - sábado

Quadro 9 - Modelo de demanda de atração - domingo

45
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

7.2 Validação dos Modelos

A validação dos modelos de demanda de atração foi feita com quatro shopping centers que
enviaram dados de entrada diária. A área computável estava dentro da faixa de aplicabilidade
do modelo. Apenas dois empreendimentos foram usados no sentido de testar a consistência
do modelo. Os outros dois empreendimentos serviram para mostrar a importância à
observância das restrições do modelo, pois os dois possuem estacionamentos gratuitos e
resultaram em número de viagens atraídas subestimadas pelo modelo proposto, como mostra
o Quadro 10.

Os empreendimentos A e B têm estacionamentos gratuitos e dados de 24 horas. Ambas as


características levam a uma quantidade de entrada de veículos diária maior do que a prevista
pelo modelo. Como esperado, em todos os modelos por dia da semana houve subestimativa,
da ordem de 25%.

O empreendimento C enviou dados de entrada das 10h às 24h. A demanda prevista foi maior
que a real nos modelos de segunda-feira a quinta-feira e de sexta-feira, e menor que a real
nos modelos de sábado e domingo.

As previsões para o empreendimento D foram próximas dos valores reais, em torno de 8%


a menos em todos os modelos.

Quadro 10 – Validação dos modelos de demanda de atração

7.3 Carregamento viário

O carregamento viário adicional do polo gerador de tráfego é uma informação essencial ao


estudo do impacto no tráfego. A composição do carregamento viário gerado pelo shopping
center juntamente com o volume de tráfego existente na via estudada fornece o fluxo de
veículos esperado. Como sabido, o fluxo de veículos em uma via varia por hora e por dia da
semana. Por isso, para o estudo de carregamento viário deve-se disponibilizar o percentual
horário de entradas e saídas para os diferentes dias da semana.

46
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

A média do percentual por horário e dia da semana foi obtida com todos os dados disponíveis
dos doze shopping centers. O número de observações depende do dia da semana,
ressaltando-se que os dados de dois estabelecimentos são de meses diferentes de setembro/
2009. Assim, para cada hora, foram 211 observações para a demanda de segunda-feira a
quinta, 49 observações para sexta-feira, 47 observações para sábado e 47 observações
para domingo.

As distribuições horárias de entradas e saídas variam entre os estabelecimentos. Optou-se


por construir intervalos de confiança da média. Este procedimento representa um avanço
em relação ao modelo anterior, que só apresentava a média obtida dos dados percentuais.
O intervalo de confiança adotado foi de 99%, utilizando-se distribuição t de student. O
procedimento é indicado estatisticamente, pois há mais de trinta observações para cada
horário.

Para cálculo do carregamento viário, deve-se utilizar o limite superior do intervalo de confiança.
Este procedimento leva o estudo a não subestimar o carregamento viário do empreendimento.
Consequentemente, a soma dos percentuais totais nas tabelas excede 100%.

Nas Tabela 2 a Tabela 9 mostram-se as taxas de entrada e saída por dia da semana.

A determinação do carregamento viário para a hora de estudo é feita multiplicando-se a


demanda de atração diária prevista para o dia da semana pelo percentual horário
correspondente. Para facilitar a utilização, as equações obtidas anteriormente são repetidas
junto às tabelas.

Os comentários apresentados na sequência das tabelas são sobre os resultados do limite


superior, que devem ser adotados para o cálculo do carregamento viário.

47
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Tabela 2 - Percentual de carregamento viário – Entrada – segunda-feira a quinta-feira

De segunda-feira a quinta-feira, o maior percentual de entrada ocorre das 12h às 13h, com
10,5% do volume de automóveis do dia. O segundo maior pico de entrada ocorre entre 19h
e 20h.

48
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Tabela 3 – Percentual de carregamento viário – Saída – segunda-feira a quinta-feira

De segunda-feira a quinta-feira, o volume de saída de automóveis concentra-se entre 20h e


22h, sendo ligeiramente maior na primeira hora deste período. Entre 13h e 20h, não há grandes
variações nos volumes de saída.

49
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Tabela 4 - Percentual de carregamento viário – Entrada – sexta-feira

Assim como de segunda-feira a quinta-feira, o maior percentual de entrada às sextas-feiras


ocorre das 12h às 13h, com 10,6% do volume de automóveis. Outro pico é atingido das 19h
às 20h, com 10,1% do volume.

50
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Tabela 5 - Percentual de carregamento viário – Saída – sexta-feira

De sexta-feira, o volume de saída de automóveis concentra-se entre 20h e 23h, sendo


ligeiramente maior na segunda hora deste período. Nota-se que 4,1% dos veículos saem
após as 23h.

51
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Tabela 6 - Percentual de carregamento viário – Entrada – sábado

Aos sábados, não há pico de entrada superior a 10% do volume diário. As entradas são mais
distribuídas ao longo do dia. O maior volume de entrada ocorre no início da tarde, entre 14h
e 15h, de 9,8%.

52
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Tabela 7 - Percentual de carregamento viário – Saída – sábado

Assim como a entrada, o volume de saída de automóveis não tem concentração superior a
10%. Os maiores volumes são atingidos entre 15h e 17h.

53
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

Tabela 8 - Percentual de carregamento viário – Entrada – domingo

Aos domingos, os shopping centers iniciam as atividades no início da tarde. Há grande


concentração de entradas entre 13h e 17h, com pico de 13,2% entre 14h e 15h.

54
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

Tabela 9 - Percentual de carregamento viário – Saída – domingo

Aos domingos, o volume de saída gera maior carregamento viário das 20h às 21h, sendo
concentrado no período entre 16h e 21h

55
BOLETIM TÉCNICO 46 CET

56
Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center

8. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O presente boletim técnico apresenta uma nova metodologia para construção de modelos
de atração de automóveis por shopping center, sendo uma inovação em relação aos modelos
preconizados pelo Boletim Técnico 36 (CET, 2000). No geral, são previstas menos vagas de
estacionamento por área computável do que eram naquele boletim.

Em relação à coleta de dados, vale destacar o baixo custo associado à pesquisa. Solicitar
dados aos empreendedores e realizar conferência por amostragem se mostrou um
procedimento eficiente e eficaz. Destaca-se aqui a importância do contato com os
empreendedores por meio de carta de solicitação e a disposição do envio dos dados por
estes.

Inovou-se também no cálculo do número de vagas de estacionamento. O modelo que calcula


apenas um determinado número de vagas tende a simplificar o trabalho de analistas e
empreendedores.

Os modelos de demanda de atração diária permitem o cálculo para vários dias da semana:
segunda-feira a quinta-feira, sexta-feira, sábado e domingo. A principal vantagem alcançada
é o modelo de domingo, dia que tem demanda maior que sexta-feira e para qual não existia
modelo específico.

Tanto o modelo de vagas de estacionamento quanto os de demanda de atração diária são


taxas da área computável.

Outro fato importante a citar é a determinação do carregamento viário com confiabilidade


estatística, sem aumentar a complexidade do procedimento de cálculo anterior.

Para facilitar a consulta e uso, todos os modelos são sintetizados em uma única página
neste boletim técnico.

57
Referências Bibliográficas

ABRASCE. Associação Brasileira de Shopping Centers, 2010. Disponível em:< http://


www.portaldoshopping.com.br>. Acesso em: 01.jul.2010.

CET. Pólos geradores de tráfego. Boletim técnico nº 32. São Paulo, 1983.

CET. Pólos geradores de tráfego II. Boletim técnico nº 36. São Paulo, 2000.

DETRAN. Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo. Frota de veículos, 2010. Disponível
em:< http://www.detran.sp.gov.br/frota/frota.asp>. Acesso em: 01.jul.2010.

JACOBSEN, André Cademartori; CYBIS, Helena Beatriz Bettella; LINDAU, Luís Antônio. Shopping
Centers: modelos de geração e variabilidade. In: XXIII Congresso Associação Nacional de
Pesquisa e Ensino em Transportes ANPET, 2009.

MARTINS, Gilberto de Andrade. Estatística geral e aplicada. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

PORTUGAL, Licinio da Silva; GOLDNER, Lenise Grando. Estudo de pólos geradores de tráfego e
seus impactos nos sistemas viários e de transportes. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 2003.

SÃO PAULO. Prefeitura do Município de São Paulo. Leis Municipais, 2010. Disponível em: <http://
www.prefeitura.sp.gov.br>. Acesso em: 02.ago.2010.

STEVENSON, William J. Estatística aplicada à Administração. [s.l]: Harbra, 2001.

DICIONÁRIO Houaiss da Língua Portuguesa, 2010. Disponível em: <http://www.houaiss.uol.com.br>.


Acesso em 02.ago.2010.

SEADE. Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Anuário Estatístico do Estado de São
Paulo, 2003. Disponível em: <http://www.seade.gov.br>. Acesso em: 01.jul.2010.

SEADE. Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Sistema SEADE de Projeções


Populacionais, 2010. Disponível em: <http://www.seade.gov.br>. Acesso em: 01.jul.2010.

VIEIRA, Sônia. Análise de variância: ANOVA. São Paulo: Editora Atlas, 2006
Boletins Técnicos CET
TíTULOS PUBLICADOS
Disponíveis em cetsp.com.br

1. Redução do Consumo de Combustível: Ações na circulação e no transporte (1977)


2. Redução dos Acidentes de Tráfego: Proposta de medidas para um Plano de Ação (1977)
3. São Paulo e a Racionalização do uso de Combustível (1977)
4. Pesquisa Aerofotográfica da Circulação Urbana: Análise de um Projeto Piloto (1977)
5. Noções Básicas de Engenharia de Tráfego (1977)
6. Engenharia de Campo (1977)
7. Projeto SEMCO: Sistema de Controle de Tráfego em Áreas de São Paulo (1977)
8 Ação Centro (1978)
9. COMONOR: Comboio de Ônibus Ordenados (1978)
10. Sistema de Controle de Tráfego – Aplicação de Programa Transyt (1978)
11. POT – Programa de Orientação de Tráfego (1978)
12. Controlador Atuado (1978)
13. Sinalização Vertical: Montagem e Implantação (1978)
14. Fiscalização da Sinalização Horizontal (1978)
15. Projeto de Intersecções em Nível – Canalização (1978)
16. Métodos para Cálculos da Capacidade de Intersecções Semaforizadas (1978)
17. Áreas de Pedestres (1978)
18. Transportes por Ônibus Contratado (1978)
19. Áreas de Pedestres: Técnicas e Aplicações (1978)
20. Impacto de Investimento do Sistema Viário (1979)
21. Um Estudo sobre os Problemas de Estacionamento de Veículos (1979)
22. COMONOR II: Comboio de Ônibus Ordenados nas avs. Rangel Pestana e Celso Garcia
23. Educação de Trânsito via Comunicação Social (1979)
24. Projeto Piloto: Deficientes Físicos e Visuais (1980)
25. Projeto Brigadeiro – Faixa Exclusiva de Ônibus no Contra-fluxo (1980)
26. Operação Especial – Visita do Papa João Paulo II (1981)
27. Iluminação e Visibilidade (1982)
28. Sistema de Administração de Multas – DSV (1982)
29. Atividades Básicas da Operação de Trânsito (1982)
30. Impacto de Obras na Via Pública (1982)
31. Pesquisa e Levantamento de Tráfego (1982)
32. Pólos Geradores de Tráfego (1983)
33. Áreas de Estacionamento e Gabaritos de Curvas Horizontais (1984)
34 Tarifa de Ônibus Urbano (1985)
35. Análise e Dimensionamento da oferta de Transportes por ônibus – Metodologia (1985)
36. Pólos Geradores de Tráfego II (2000)
37. Operação Horário de Pico (2005)
38. O Controle de Semáforos em Tempo Real (2005)
39. Serviço de Valet - Regulamentação de estacionamento e parada (2006)
40. Mobilidade Urbana Sustentável - Fator de inclusão da pessoa com deficiência (2006)
41. Manutenção - sistema integrado de gerenciamento (2006)
42. Investigação de Acidentes de Trânsito Fatais (2008)
43. Cobrança de eventos - Legislação, Razões e Critérios (2008)
44. Operação de Trânsito - Um Desafio Permanente (2008)
45. Fazendo Escola - Capacitação de Professores (2009)
46. Modelo de Atração de Automóveis por Shopping Center (2011)
47. Zona de Máxima Restrição de Circulação - ZMRC - Restrição ao Trânsito de Caminhões (2011)
48 Nova Paulista - Uma Quebra de Paradigmas (2011)
49 Educação a distância (2011)
50 História dos estudos de bicicleta na CET (2012)
51 Estudo de viabilidade de Zona Azul (2012)
52 Visita Técnica a Nova Iorque para analisar a prioridade ao pedestre (2012)