Você está na página 1de 2

SEMINÁRIO – 14 DE SETEMBRO DE 2013

Reprovação escolar? Não, obrigado*


** Vitor Henrique Paro esforço, de sua inteligência, de sua vontade. Para
que, então, serve a escola?
Pouca coisa é tão cercada por equívocos, em
nossa escola básica, como a questão da reprova- Essa pergunta, aliás, vem bem a propósito
ção escolar, que se perpetua como um traço cul- da forma equivocada e anticientífica como se
tural autoritário e antieducativo. Começa pela concebe o ensino tradicional ainda dominante
abordagem errônea de avaliação na qual se sus- entre nós. Apesar de a Didática ter reiteradamente
tenta. Em toda prática humana, individual ou demonstrado a completa ineficiência do prêmio
coletiva, a avaliação é um processo que acom- e do castigo como motivações para o aprendiza-
panha o desenrolar de uma atividade, corrigin- do significativo, ainda se lança mão generaliza-
do-lhe os rumos e adequando os meios aos fins. damente da ameaça da reprovação como recurso
Na escola brasileira isso não é considerado. Es- pedagógico. Segundo esse hábito revelador, no
pera-se um ano inteiro para se perceber que tudo mínimo, da total ignorância dos fundamentos da
estava errado. Qualquer empresário que assim ação educativa, à escola compete apenas passar
procedesse estaria falido no primeiro ano de ati- informações, ameaçando o aluno com a repro-
vidade. E mais: em lugar de corrigir os erros, vação caso ele não estude. Daí a grita de profes-
repete-se tudo novamente: a mesma escola, o sores, pais e imprensa de modo geral contra a
mesmo aluno, o mesmo professor, os mesmos retirada da reprovação na adoção dos ciclos, afir-
métodos, o mesmo conteúdo... É por isso que a mando que, livre da ameaça da reprovação, o
realidade de nossa escola não é de repetentes, aluno não se motiva para o estudo. Ignoram que
mas de multirrepetentes. a verdadeira motivação deve estar no próprio
estudo que precisa ser prazeroso e desejado pelo
Absurdo semelhante ocorre quando se trata aluno. Nisso se resume o papel essencial da es-
de identificar a origem do fracasso. A atividade cola: levar o aluno a querer aprender. Este é um
pedagógica que se dá na escola supõe um quase valor que não se adquire geneticamente; é preci-
infindável conjunto de atividades, de recursos, so uma consistente relação pedagógica para apre-
de decisões, de pessoas, de grupos e de institui- endê-lo. Sem ele, o aluno só estuda para se ver
ções, que vão desde as políticas públicas, as livre do estudo, respondendo a testes e enganan-
medidas ministeriais, passando pelas secretarias do a si, aos examinadores e à sociedade.
de educação e órgãos intermediários, chegando
à própria unidade escolar em que se supõem en- Mas defender a retirada da reprovação não
volvidos o diretor, seus auxiliares, a secretaria, significa apoiar "reformas" demagógicas de se-
os professores, seu salário, suas condições de tra- cretarias de educação com a finalidade de ma-
balho, o aluno, sua família, os demais funcioná- quiar estatísticas. Essa prática, embora coíba o
rios, os coordenadores pedagógicos, o material vício reprovador, nada mais acrescenta para a
didático disponível etc. etc. Mas, no momento superação do mau ensino. Com isso, o aluno que,
de identificar a razão do não aprendizado, ape- após reiteradas reprovações, abandonava a es-
nas um elemento é destacado: o aluno. Só ele é cola, logo nas primeiras séries, agora consegue
considerado culpado, porque só ele é diretamen- chegar às séries finais do ensino, mas continua
te punido com a reprovação. Como se tudo, ab- quase tão analfabeto quanto antes. A diferença é
solutamente tudo, dependesse apenas dele, de seu que agora ele passa a incomodar as pessoas, le-
vando os mal informados a porem a culpa pelo cola que se exime da culpa que é dela e do siste-
mau ensino na progressão continuada. Mas o alu- ma que a mantém. A reversão dessa situação exi-
no deixa de aprender, não porque foi aprovado, ge que o elemento que estrutura a escola básica
mas porque o ensino é ruim, coisa que vem acon- deixe de ser a reprovação para ser o aprendiza-
tecendo desde muito antes de se adotar a pro- do. É preciso reprovar, não os alunos, para enco-
gressão continuada. Apenas que, antes, esse mes- brir o que há de errado no ensino e isentar o Es-
mo aluno permanecia na primeira série, ou se eva- tado de suas responsabilidades, mas as condições
dia, tão ou mais analfabeto que agora. Mas aí era de trabalho, que provocam o mau ensino e impe-
cômodo, porque ele deixava de constituir pro- dem o alcance de um direito constitucional.
blema para o sistema de ensino. Agora, com a
aprovação, percebe-se a reiterada incompetência
da escola.

Só a consciência desse fato deveria bastar Texto publicado em


como motivo para se eliminar de vez a prática da http://www.estadao.com.br/artigodoleitor/htm/2002/fev/15/151.htm
reprovação no ensino básico: porque ela tem ser- ** Vitor Henrique Paro, professor titular da Faculdade
vido de álibi para a secular incompetência da es- de Educação da Universidade de São Paulo (Feusp)