Você está na página 1de 30
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Obras portuárias Dimensões de canais e bacias II Obras de abrigo Dimensionamento
Obras portuárias
Dimensões de canais e bacias II
Obras de abrigo
Dimensionamento
Obras portuárias internas Estruturas acostáveis Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Obras portuárias internas
Estruturas acostáveis
Instalações de movimentação e
armazenamento de cargas
Estruturas acostáveis
Estruturas acostáveis
Estruturas acostáveis Conceitos Doca: estrutura marítima para atracação de navios, carregamento e descarregamento
Estruturas acostáveis
Conceitos
Doca: estrutura marítima para atracação de navios,
carregamento e descarregamento de carga ou embarque e
desembarque de passageiros
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Estruturas acostáveis Conceitos Cais mesma corrido: doca paralela à margem e contígua à Prof. Dr.
Estruturas acostáveis
Conceitos
Cais
mesma
corrido:
doca
paralela
à
margem e
contígua
à
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Estruturas acostáveis Conceitos Píer: doca que se projeta para dentro d’água, sendo geralmente estaqueado,
Estruturas acostáveis
Conceitos
Píer: doca que se projeta para dentro d’água, sendo
geralmente estaqueado, podendo o navio atracar
perpendicular ou paralelamente à costa
Píer tradicional
Píer em “L”
Píer em “T”
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Estruturas acostáveis Conceitos Dársena: doca onde dois navios ficam atracados perpendicularmente à margem
Estruturas acostáveis
Conceitos
Dársena: doca onde dois navios ficam atracados
perpendicularmente à margem separados por um espelho
d’água que permite manobras de atracação e desatracação
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Estruturas acostáveis Conceitos Berço: trecho da doca destinado à atracação e permanência de cada navio
Estruturas acostáveis
Conceitos
Berço: trecho da doca destinado à atracação e permanência
de cada navio
Berço 1
Berço 2
Berço 3
Berço 4
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Estruturas acostáveis Estruturas acostáveis constituem em obras destinadas a receber os navios, devendo resistir a:
Estruturas acostáveis
Estruturas acostáveis constituem em obras
destinadas a receber os navios, devendo
resistir a:
Atracação
Elevadas cargas horizontais
Amarração
Cargas verticais concentradas na movimentação de carga –
equipamentos de movimentação de carga
Empuxos horizontais de terra e hidrostáticos nos arrimos
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Estruturas acostáveis Tipos de estruturas acostáveis Obras contínuas ou cais corrido o As funções de
Estruturas acostáveis
Tipos de estruturas acostáveis
Obras contínuas ou cais corrido
o As funções de acesso,
suporte de
equipamentos,
atracação e amarração
das embarcações
estão integradas na
plataforma principal
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Estruturas acostáveis Tipos de estruturas acostáveis Obras contínuas ou cais corrido: Exemplo Porto da ALUMAR
Estruturas acostáveis
Tipos de estruturas acostáveis
Obras contínuas ou cais corrido: Exemplo
Porto da ALUMAR – São Luis (MA)
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Estruturas acostáveis Tipos de estruturas acostáveis Obras com estruturas discretas o Funções especificas de cada
Estruturas acostáveis
Tipos de estruturas acostáveis
Obras com estruturas discretas
o Funções especificas de cada
elemento:
- Acesso
- Suporte
- Atracação
- Amarração
- Maior segurança às obras, pois eventuais danos por acidentes ficam
circunscritos a determinas estruturas.
- Reduzem a envergadura das obras, desde que o equipamento de
movimentação de carga e a separação das funções estruturais o permitam.
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Estruturas acostáveis Tipos de estruturas acostáveis Obras com estruturas discretas: Exemplo Píer I Terminal de
Estruturas acostáveis
Tipos de estruturas acostáveis
Obras com estruturas discretas: Exemplo
Píer I Terminal de Ponta da Madeira – São Luis (MA)
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Instalações de movimentação e
armazenamento de cargas
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Equipamentos de movimentação de carga geral (guindastes,
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Equipamentos de movimentação de carga geral
(guindastes, empilhadeiras, carretas, etc.)
Porto de Santos (SP). Vista aérea das instalações de movimentação
de carga e armazenamento
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Guindastes Porto de Santos (SP). Guindastes de pórtico
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Guindastes
Porto de Santos (SP). Guindastes de pórtico e composição
ferroviária
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Empilhadeiras Cais do PORTOCEL em Barra do Riacho,
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Empilhadeiras
Cais do PORTOCEL em Barra do Riacho, Aracruz (ES).
Movimentação de fardos de celulose por empilhadeira do porto e
embarque com auxílio do guindaste em pórtico do navio
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Carretas Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Carretas
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Equipamentos de movimentação em terminais de containers
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Equipamentos de movimentação em terminais
de containers (Portainers, transtainers, etc.)
Terminal para containers (TECON) de Conceiçãozinha, Porto de
Santos (SP). (CODESP, 1989)
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Portainers Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Portainers
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Transtainers Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Transtainers
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Terminal para containers (TECON) de Conceiçãozinha, Porto de Santos (SP). (CODESP, 1989) Instalações de
Terminal para containers (TECON) de Conceiçãozinha, Porto de Santos (SP). (CODESP, 1989)
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Empilhadeiras e carretas
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Equipamentos de movimentação em terminais de granéis
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Equipamentos de movimentação em terminais
de granéis líquidos
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Equipamentos de movimentação em terminais de granéis
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Equipamentos de movimentação em terminais
de granéis sólidos - Carga
Máquina empilhadeira (capacidade de 16.000
toneladas por hora) TPPM – São Luis (MA)
Viradores de vagão TPPM – São Luis (MA)
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Equipamentos de movimentação em terminais de granéis
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Equipamentos de movimentação em terminais
de granéis sólidos - Carga
Máquina recuperadora de roda de caçambas de
minério de ferro (capacidade de 8.000 toneladas por
hora)TPPM – São Luis (MA)
Carregador de navios do Píer I (capacidade
de 16.000 toneladas por hora)TPPM – São
Luis (MA)
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Equipamentos de movimentação em terminais de granéis
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Equipamentos de movimentação em terminais
de granéis sólidos - Descarga
Descarregador de navios do Porto da ALUMAR em
São Luís (MA).
Esquema de um descarregador mecânico de
caçambas
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Largura total da área no tardoz da frente
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Largura total da área no tardoz da frente do
cais
Com uma plataforma de 20 a 40 m, uma estocagem coberta ou pátio de
estocagem com largura de 40 a 60 m e uma largura de 20 a 30 m de acessos
de via de rodagem e/ou ferrovia no tardoz, totaliza-se uma largura total
entre 80 e 130 m no tardoz da frente do cais. Em havendo necessidade de
armazéns adicionais (de segunda ou terceira linha), pátios de estocagem no
tardoz das instalações de estocagem em trânsito, a largura total aumenta
consideravelmente. Deve-se considerar que estas áreas envolvidas no
processo de armazenamento estão sujeitas a limitações físicas e financeiras,
ligadas às dimensões das bacias portuárias, disponibilidade de material para
terraplenos e topografia.
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Armazenamento coberto – Galpão industrial sem colunas
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Armazenamento coberto – Galpão industrial
sem colunas
Sacarias, caixas, fardos
Porto de Santos (SP). Galpões para armazenamento de carga geral
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas Armazenamento a céu aberto – pátio de estocagem
Instalações de movimentação e armazenamento de cargas
Armazenamento a céu aberto – pátio de
estocagem
Veículos,
maquinaria
encaixotada,
madeira,
produtos
siderúrgicos, bobinas, lingotes de metal, etc.
Porto de Itaqui (EMAP) em São Luís (MA). Pátio com lingotes de
alumínio para embarque e ao fundo silos vertical de grãos
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli