Você está na página 1de 15

Bacharelado em Engenharia Elétrica

Relatório T02

Determinação da densidade de sólidos e líquidos e cálculo da


viscosidade

Paulo Afonso-BA

2016
Matheus Cavalcante Tenório, Eduardo

Relatório apresentado no Instituto Federal de Educação,


Ciência e Tecnologia da Bahia-Campus Paulo Afonso. Sob a
orientação do Profª Jadilson Pereira de Barros.

Relatório T02

Determinação da densidade de sólidos e líquidos e cálculo da


viscosidade

Paulo Afonso-BA

2016
RESUMO

No presente relatório será abordado as técnicas de determinação da densidade


dos sólidos: chumbo (Pb), alumínio (Al), ferro (Fe), cobre (Cu), zinco (Zn) e
minério de ferro. E de líquidos: água destilada (H2Odest), solução salina (NaClaq)
e glicerina (C3H8O3), assim como a determinação da viscosidade destes
líquidos.O cálculo da densidade nos fornece o quanto de matéria ha em uma
determinada unidade de volume e é obtida através da igualdade: densidade é a
massa sobre o volume (d = m/v).

Palavras-chave: Densidade, líquidos, sólido, viscosidade.


SUMÁRIO

1-INTRODUÇÃO .............................................................................................. 5

2-OBJETIVO ............................................................................................. 6

3-MATERIAIS, REAGENTES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS .................. 6

4-PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL ............................................................ 7

5-ANÁLISE DE RESULTADOS ....................................................................... 9

6-EXPLANAÇÃO GERAL .............................................................................. 12

REFERÊNCIAS ........................................................................................... 15
1-INTRODUÇÃO

Através do principio de Arquimedes, que se baseia na força de empuxo, a


determinação da densidade de sólidos irregulares se tornou mais simples, pois
é possível saber o volume do material em estudo. Ao submergir o sólido por
água o volume que se deslocar de água será equivalente ao volume do sólido,
daí o volume do sólido é dado pela diferença do volume inicial (apenas água)
do volume final (água e sólido).

A densidade é uma propriedade física de cada material e é determinada pela


razão entre a massa e o volume. A unidade de medida que lhe é empregada,
adotada pela S.I (Sistema Internacional de medidas) é o kg/m3, mas se tratado
de sólidos e líquidos a unidade mais comumente utilizada é a g/cm 3.
Observando a formula de densidade é possível notar que a mesma é
inversamente proporcional ao volume, que, por sua vez, varia com a
temperatura e pressão, quanto mais alta a temperatura maior será o volume,
pois as moléculas do material iram se expandir, e vice-versa, quanto menor a
temperatura menor o volume. Como a densidade é inversamente proporcional
ao volume, e este varia com a temperatura e pressão, a densidade será
inversamente proporcional a temperatura, por esta razão no exercício deste
experimento foi adotada a temperatura do ambiente como sendo a temperatura
do líquido, no caso a água.

No processo de analise da matéria existem duas propriedades, são elas:


intensivas e extensivas. As propriedades intensivas são as que não dependem
da massa da amostra, como por exemplo, o ponto de fusão, ebulição e a
própria densidade, ou seja, independente da massa do composto sua
densidade será sempre a mesma. Já as extensivas dependem da massa do
material a ser a analisado. Embora a densidade seja uma propriedade intensiva
a massa e o volume são propriedades extensivas.

A viscosidade também é uma propriedade física da matéria e é definida como a


resistência de um fluido ao escoamento devido às interações intermoleculares.
Assim como a densidade a viscosidade depende da temperatura, quanto maior
a temperatura menor será a viscosidade e quanto menor a temperatura maior
será a viscosidade.

5
Existe mais de uma definição para viscosidade, mas as que foram
consideradas neste relatório foram: viscosidade absoluta e viscosidade
cinemática. A viscosidade cinemática é a resistência do fluido ao seu próprio
movimento, ou seja, para que ele entre em movimento deve haver uma força
maior que essa resistência, sua unidade de medida adotada pelo S.I é o stoke
(cm2/s). A viscosidade absoluta, também chamada de coeficiente de
viscosidade dinâmica e representado pela letra µ, cuja unidade no S.I é o Pa.s
(N.s/m2).

2-OBJETIVO

O objetivo desta prática é determinar a densidade de amostras sólidas e de


amostras líquidas, assim como, realizar a analise da viscosidade de alguns
líquidos. Utilizando a proveta e o balão volumétrico, que foi utilizado para
substituir o picnômetro, e seguindo os devidos procedimentos foi possível a
determinação da densidade e viscosidade das amostras.

3-MATERIAIS, REAGENTES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS.

Item Quantidade

Balança analítica 01

Proveta de 10 ml 01

Pisseta 01

Termômetro 01

Amostra liquida 03

Amostras sólidas 06

Balão de 10 ml 01

Bequér 01

Solução saturada de NaCl 01

6
Solução de glicerina (1:1) 01

Seringa 02

Suporte universal 01

Garra 01

4-PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

A) Determinação da densidade das amostras sólidas:

1) cada amostra Foi pesada numa balança analítica com o vidro de relógio,
obtendo a massa de cada uma.

2) Foi adicionado 20 ml de água na proveta, de forma que cobrisse toda a


amostra, com exceção do cobre, que foi adicionado 30 ml de água a proveta,
para que a amostra fosse coberta por completo.

3) Cada amostra, uma por vez, foi colocado na proveta com água para aferição
do volume deslocado.

Amostra m (g) Volume Volume Volume Densidade


inicial final deslocado em g/cm3

Alumínio 13,07 g 20 ml 25 ml 5 ml 2,61

Cobre 9,68 g 30 ml 31 ml 1 ml 9,68

Minério de 15.74 g 20 ml 23 ml 3 ml 5,24


ferro

Ferro 32.23 g 20 ml 24 ml 4 ml 8.05

Zinco 7, 89 g 20 ml 21 ml 1 ml 7,89

Chumbo 10,94 g 20 ml 21 ml 1 ml 10,94

B) Determinação de densidade de uma amostra líquida:

7
1) Foi pesado cada balão volumétrico numa balança analítica.

2) A amostra a ser analisada foi adicionada ao balão volumétrico e o balão foi


levado a balança para se saber a massa do líquido. Este procedimento foi
realizado três vezes para cada amostra, e, em seguida, foi realizado uma
média aritmética.

Amostra Peso do Peso do Peso da Volume do Densidade


balão balão com amostra balão em g/cm3
a amostra

Água 19,30 g 29,25 g 9,95 g 10 ml 0,995


destilada

Solução 18,77 g 29,88 g 11,11 g 10 ml 1,111


NaCl

Glicerina 18,60 g 29,93 g 11,33 g 10 ml 1,133

C) Viscosidade de líquidos

1) Com a ajuda de uma garra, uma seringa foi acoplada ao suporte universal.

2) Foi aferido exatos 10 ml de cada líquido a ser analisado, com o auxilio de


uma proveta. Foi utilizada a mesma proveta para a água destilada e solução
salina, mas, para a glicerina, foi utilizada outra proveta, também de 10 ml, afim
de não contaminar a solução.

3) Utilizando o dedo indicador obstruímos a saída da seringa e transferimos o


líquido presente na proveta para a seringa.

4) Um béquer de 100 ml foi colocado embaixo da seringa, com o objetivo de


apara o líquido da seringa.

5) Com o máximo de sincronia possível e com o auxilio de um cronômetro o


dedo que obstruía a saída da seringa foi retirado e a cronometragem foi

8
iniciada, o cronômetro só foi pausado quando o líquido saiu por completo do
interior da seringa. Este procedimento foi realizado três vezes ao todo para
cada solução.

Tempos de escoamento

t1 t2 t3 tmédio (s)

Água 06,17 06,05 06,16 6,12


destilada

Solução NaCl 06,11 06,38 06,38 6,29

Glicerina 10,44 10,30 10,00 10,24

5-ANÁLISE DE RESULTADOS

A) Obtendo o volume do sólido:

O volume do sólido é obtido através da diferença entre o volume da proveta


com o sólido e água, e o volume da proveta sem o sólido.

1) Volume do alumínio:

Volume da proveta (VP) = 20 ml

Volume da proveta com alumínio (Vp) = 25 ml

Volume (Al) = Vp - VP

Volume (Al) = 25 - 20 = 5 ml

2) Volume do cobre:

Volume da proveta (VP) = 30 ml

Volume da proveta com cobre (Vp) = 31 ml

Volume (Cu) = Vp - VP

Volume (Cu) = 31 - 30 = 1 ml

9
3) Volume do minério de ferro:

Volume da proveta (VP) = 20 ml

Volume da proveta com minério de ferro (Vp) = 23 ml

Volume(mf) = Vp - VP

Volume(mf) = 23 - 20 = 3 ml

4) volume do ferro:

Volume da proveta (VP) = 20 ml

Volume da proveta com ferro (Vp) = 24 ml

Volume(Fe) = Vp - VP

Volume(Fe) = 24 - 20 = 4 ml

5) Volume do zinco:

Volume da proveta (VP) = 20 ml

Volume da proveta com zinco (Vp) = 21 ml

Volume(Zn) = Vp - VP

Volume(Zn) = 21 - 20 = 1 ml

6) Volume do chumbo:

Volume da proveta (VP) = 20 ml

Volume da proveta com chumbo (Vp) = 21 ml

Volume(Pb) = Vp - VP

Volume(Pb) = 21 - 20 = 1 ml

B) Cálculo da densidade de cada amostra:

𝑚
A densidade de uma substância é obtida através da formula 𝑑 = onde: d =
𝑣
densidade; m = massa; v = volume

1) Densidade do alumínio:

10
d(Al) = 13,07/5 = 2,61 g/cm3

2) Densidade do cobre:

d(Cu) = 9,68/1 = 9,68 g/cm3

3) Densidade do minério de ferro:

d(mf) = 15,74/3 = 5,24 g/cm3

4) Densidade do ferro:

d(Fe) = 32,23/4 = 8,05 g/cm3

5) Densidade do zinco:

d(Zn) = 7,89/1 = 7,89 g/cm3

6) Densidade do chumbo:

d(Pb) = 10,94/1 = 10,94 g/ml

C) Determinação da densidade de amostra líquida:

A massa do líquido é dado pela diferença da massa do balão volumétrico com


o líquido pela massa do balão volumétrico: M(liq) = Mbl - Mb.

Onde: : M(liq) = massa do líquido; Mbl = massa do balão com líquido; Mb =


massa do balão

1) Cálculo da massa da água destilada e da densidade:

Massa de H20(dest) = 29,25 g - 19,30 g =9,95 g

Densidade de H20(dest) = 9,95/10 = 0,995 g/ml

2) Cálculo da massa da solução salina (NaCl) e da densidade:

Massa da solução de NaCl = 29,88 g - 18,77 g = 11,11 g

Densidade da solução de NaCl = 11,11/10 = 1,111 g/ml

3) Cálculo da massa da glicerina e da densidade:

Massa da glicerina = 29,93 g - 18,60 g = 11,33 g

Densidade da glicerina = 11,33/10 = 1,133 g/ml

11
D) Cálculo da viscosidade:

É possível calcular o coeficiente de viscosidade dinâmica pela seguinte


µ(𝐻2𝑂).𝑡.𝑝
formula: µ = onde: µ(H2O) = viscosidade da água; 𝑡 = tempo médio
𝑡(𝐻2𝑂).𝑝(𝐻2𝑂)

de escoamento; 𝑝 = densidade.

Os cálculos feitos a seguir foram realizados tomando a temperatura ambiente


como sendo a temperatura do líquido. A temperatura na hora da execução do
experimento era de 32°c.

1) Coeficiente de viscosidade dinâmica da água destilada:

µ(H2O) = 0,800 x 10-6 = 8 x 10-9

µ = 8 x 10-9 x 6,12 x 0,995/6,12 x 0,955

µ = 8.335x10-9

2) Coeficiente de viscosidade dinâmica da solução salina:

µ = 8 x 10-9 x 6,29 x 1,111/ 6,12 x 0,955

µ = 9.565 x 10-9

3) Coeficiente de viscosidade dinâmica da glicerina:

µ = 8 x 10-9 x 10,24 x 1,133/6,12 x 0,955

µ = 15,880

6-EXPLANAÇÃO GERAL

Como a densidade é uma propriedade física da matéria a sua aferição se


tornou de uma importância muito grande. Desde Arquimedes, é sabido que a
determinação da densidade de uma substância pode indicar a pureza do
elemento presente na substância, como foi testado no problema da coroa do
rei, pois por menor que seja a alteração na substância ela será notada pela
determinação da densidade da substância em estudo, pois a presença de
contaminantes irá alterar a sua densidade.

12
Foi possível notar estes pequenos desvios na densidade em alguns dos
elementos utilizados neste experimento. Abaixo está uma tabela mostrando o
valor da densidade de cada elemento encontrado na literatura e o valor
encontrado pelos estudantes de engenharia elétrica da turma 2, no laboratório
de química do ifba campus Paulo Afonso.

Densidade na literatura Densidade encontrada


Em g/cm3 Em g/cm3

Alumínio 2,70 2,61

Cobre 8,93 9,68

Minério de ferro 4,62 5,24

Ferro 7,87 8,05

Zinco 7,14 7,89

Chumbo 11,34 10,94

Água destilada 1,00 0,99

Solução de NaCl 1,35 1,11

Glicerina 1,27 1,13

A densidade do alumínio teve uma diferença de 0,09 g/cm 3, do cobre de 0,75


g/cm3, do minério de ferro de 0,62 g/cm 3, do ferro de 0,18 g/cm3, do zinco de
0,75 g/cm3 e do chumbo de 0,4 g/cm3. Os fatores que contribuíram para que
houvesse essas diferenças nas densidades foram os erros humanos, na hora
da aferição do volume do sólido, por exemplo, e o fato de os experimentos ter
sido realizados em um ambiente não controlado, já que a densidade varia com
a temperatura e pressão, a temperatura do ambiente deveria ser mantida
constante durante todo o experimento.

Além da determinação da densidade destes sólidos foram realizados


experimentos para se saber a densidade da água destilada, da solução salina e
da glicerina, assim como sua viscosidade. Como na determinação da

13
densidade dos sólidos também ouve variação na densidade dos líquidos, pelos
motivos já citados.

O objetivo da prática foi atingido com sucesso, já que são procedimentos


simples e de baixa complexidade.

14
Referência

http://web.ccead.puc-
rio.br/condigital/mvsl/Sala%20de%20Leitura/conteudos/SL_densidade.pdf

http://www.acobrasil.org.br/site/portugues/biblioteca/obras--
resumo.asp?codigo=108

http://www.euroaktion.com.br/Tabela%20de%20Densidade%20dos%20Materiai
s.pdf

http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/quimica/propriedades-intensivas-
extensivas.htm

http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=946&sid=7

http://alunosonline.uol.com.br/quimica/densidade.html

http://alunosonline.uol.com.br/quimica/densidade-solidos-irregulares-principio-
arquimedes.html

http://www.ebah.com.br/content/ABAAABLd4AC/determinacao-densidade-
solidos

http://www.ebah.com.br/content/ABAAABLd4AC/determinacao-densidade-
solidos

http://www.infoescola.com/fisica/empuxo/

15