Você está na página 1de 26

ALEITAMENTO MATERNO

Renata Marques - 2017


CONSIDERAÇÕES GERAIS
• Avaliar e identificar problemas/Alimentação da criança.
• Imaturidade funcional: renal, digestivo, imunológico.
• Necessidades nutricionais.
• Maturidade neuropsicomotor da criança.
• Leite materno, único alimento disponível, necessário à
sobrevivência.
CONSIDERAÇÕES GERAIS
• Mudanças na forma de alimentar o recém-nascido (RN).
• Desmame precoce/processos mórbitos.
• Retomada dos estudos sobre os benefícios do
aleitamento materno.
• Aleitamento materno, benefícios para a imaturidade
intestinal, renal e neuropsicomotor.
TERMOS E DEFINIÇÕES DO
ALEITAMENTO MATERNO (OMS
1992)
• ALEITAMENTO MATERNO.
• ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO.
• ALEITAMENTO MATERNO PREDOMINANTE.
• ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR.
BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO
MATERNO
• PARA A MÃE.
• PARA A CRIANÇA.
• PARA A SOCIEDADE.
BENEFÍCIOS PARA A MÃE
• Forma prática de alimentar a criança.
• Realização feminina.
• É um direito e não uma obrigação.
• Proteção contra anemia.
• Volta a estado físico anterior mais rápida.
• Menor taxa de câncer de mama.
• Efeito contraceptivo.
• Proteção pela legislação.
BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO PARA
A CRIANÇA
• Aleitamento materno exclusivo, completo até os seis
meses de vida.
• Todos os nutrientes.
• Proteção contra obesidades, hipertensão, diabetes,
desnutrição, doenças alérgicas, anemia ferropriva,
hipocalcemia, acrodermatite e morte súbita.
• Proteção contra a diarréia.
BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO PARA
A CRIANÇA.
• Proteção contra infecções respiratórias, otites, ITU,
enterocolites necrotizantes
• Benefício para a relação humana entre mãe e filho.
• Desenvolvimento neuropsicomotor a contento.
• Personalidade mais estável.
BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO
MATERNO PARA A SOCIEDADE
• Menos gasto com doenças.
• Menos crianças desnutridas.
• Menos óbitos.
• Seqüelas dos sobreviventes.
PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA
• Fatores solúveis: específicos e não-específicos.
➢Específicos: IgA, IgG, IgM e IgE.
➢Não-específicos: fator bífido, fator de resistência,
lisozima, lactoferrina, interferon.
• Fatores não-solúveis: neutrófilos, macrófagos e linfócitos.
MANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃO
• Aspectos básicos de anatomia e fisiologia:
➢Seio lactífero>canal> galactóforo>canalículos>alvéolos.
MANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃO
• Reflexos maternos: da produção (prolactina) e da ejeção
(ocitocina).
• Reflexos infantis: busca, pega, sucção, deglutição.
SEQÜÊNCIA DE UMA BOA PEGA
MANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃO
• Durante a gestação: passar informações, solucionar
dúvidas.
• Na maternidade: fazer valer as informações, princípio da
prática.
• No domicílio: vivência do dia a dia.
DIFICULDADES PRÁTICAS DA
AMAMENTAÇÃO
• Sucção em má posição.
• Mamilos planos ou invertidos.
• Mamilos doloridos/fissuras.
• Ingurgitamento.
• Mastites/abscessos.
• Dificuldade de sucção.
• Depressão puerperal.
• Gemelaridade.
• Insuficiência lactacional.
CONTRA INDICAÇÕES DA
AMAMENTAÇÃO
• Relativas à mãe:
1. Doenças graves: endocardite, IC, eclâmpsia e febre
tifóide.
2. Doenças bacterianas: Tb bacilífera, hanseníase
contagiosa, gonococcia e doença pelo estreptococos
do grupo A.
3. Doenças virais:
➢ Varicela – enquanto estiver vesículas.
➢ Toxoplasma – doença aguda.
➢ Doença de Chagas – sangramento mamilar.
➢ HIV.
➢ Vírus do Herpes simples tipo 1 e 2.
4. Drogas: terapêuticas, drogas de vício, drogas
radioativas
CONTRA INDICAÇÕES RELATIVAS
• Drogas que:
➢Que podem diminuir o leite.
➢Que não tem estudos.
➢Que exigem monitoração da criança.
➢Alimentos e agentes ambientais.
Complicações da Mama Puerperal :
-A Apojadura ocorre do 2° ao 5° dia pós-parto e se constitui na distensão
fisiológica dos alvéolos eductos sem no entanto haver estase láctea. Resolve
espontaneamente com as mamadas . A dor e o edema podem ser aliviados
mediante o uso de compressas frias e a sucção freqüente do bebê.

1) Ingurgitamento Mamário:
- Sinais e sintomas: aumento do volume mamário, nódulos, edema, hipertermia,
veias proeminentes, tensão na região areolar, dificultando a sucção do bebê e a
drenagem do leite.
-Profilaxia: orientação à mãe; ordenha manual; amamentação precoce; livre
demanda; esvaziamento das mamas; compressas frias antes e após as ordenhas;
uso de sutiãs adequados; indicar o uso de analgésicos em caso de dor excessiva

2) Traumas mamilares:
-Sinais e sintomas: lesões cutâneas (fissuras, rachaduras, escoriação, erosão);
dor e ardor - Profilaxia: banhos de sol; higiene; não usar cremes ou pomadas;
realizar ordenha manual ou mecânica; orientar a mãe sobre as técnicas de
amamentação.
3) Mastite Puerperal:
- Sinais e sintomas: ingurgitamento mamário acompanhado de mal estar,
febre, dor, rubor, calor, taquicardia, náuseas, vômitos, cefaléia e calafrios.
- Profilaxia: lavar bem as mãos antes de manipular as mamas; usar as
medidas profiláticas para ingurgitamento e traumas mamilares; usar
somente material esterilizado para procedimentos de contato com as
mamas.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• - Giugliani ERJ. O aleitamento materno na prática clínica. Jornal de
Pediatria 2000; 76 (Supl.3):S238-52 (www.jped.com.br)
• BRASIL. Ministério da Saúde. Amamentação e uso de drogas. Brasília,
2000
• BRASIL. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para crianças menores de 2
anos. Brasília, 2002. 152p.( Normas e Manuais Técnicos, 107 )
• BRASIL. Ministério da Saúde. Dez passos para uma alimentação saudável.
Guia Alimentar para crianças menores de 2 anos. Brasília, 2002.
• - MURAHOVSCHI,J. et al. Amamentação: Da teoria à prática. São Paulo:
Fundação Lusíada, 1998.276p.
MARCONDES, E. Pediatria Básica – 9ª edição – São Paulo: Sarvier,
reimpressão, 2003.
KOLPERMAN, B. Israel, Diagnóstico e Tratamento em Neonatologia – São
Paulo: Atheneu, 2004.
SUCUPIRA, Ana C. S. Lins, Pediatria em Consultório -4º edição – São Paulo:
Sarvier, 2